SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Estadual de Goiás
Estágio Supervisionado de
Matemática
Texto: Estágio: Diferentes
Concepções
Professoras: Kênia Bomtempo
Shirlene da Silva
Rosa
2010
Livro: Estágio e Docência
Autoras: Selma Garrido Pimenta
Maria Socorro Lucena Lima
Possui graduação em Peda-
gogia, mestrado em Educa-
ção: Filosofia da Educação
pela PUC de São Paulo e
doutorado em Educação:
Filosofia da Educação pela
mesma instituição. Atualmente
é Professor Titular da Facul-
dade de Educação da Univer-
sidade de São Paulo - FE -
USP
Selma Garrido
Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade
de Filosofia do Crato, graduação em Letras pela
Faculdade de Filosofia do Crato, mestrado em
Educação pela Universidade Federal do Ceará,
doutorado em Programa de Aperfeiçoamento de
Ensino pela Universidade de São Paulo e pós-
doutorado em Educação pela Universidade de
São Paulo. Atualmente é professora adjunta da
Universidade Estadual do Ceará.
Maria Socorro Lucena Lima
Estágio: Diferentes Concepções
Sempre foi identificado como parte
prática dos cursos de formação de
profissionais, em contraposição à
teoria.
O que se ouve falar:
“na prática a teoria é
outra”
Currículos de Formação:
Disciplinas isoladas entre si, sem
qualquer explicação de seus nexos
com a realidade que lhes deu origem.
A contraposição entre teoria e prática
não é meramente semântica, pois
atribui-se menor importância à carga
horária denominada prática.
“Teoria é indissociável da prática”
O conceito de Práxis supera essa
fragmentação, pois estágio como
atitude investigativa envolve a
reflexão e a intervenção na vida da
escola, dos professores, dos alunos
e da sociedade.
A Prática como imitação de modelos
O exercício de qualquer profissão é
prático, no sentido de que se trata de
aprender a fazer “algo” ou “ação”.
O estágio acontece, nessa
perspectiva, com a imitação, a
observação e a reprodução, e as
vezes se reelabora os modelos
considerados bons.
“O conceito de bom professor é
polissêmico, passível de interpre-
tações diferentes e mesmo diver-
gentes.”
Ao valorizar as
práticas e os instru-
mentos consagrados
tradicionalmente co-
mo modelos eficien-
tes, a escola resume
seu papel a ensinar.
A formação se dá através
dessa reprodução modelar.
Essa perspectiva está
ligada a uma concepção
de professor que não
valoriza sua formação
intelectual.
Conformismo
Nessa Perspectiva, o
estágio se resume a
imitar modelos, com-
servar idéias, hábitos,
valores.
Dessa forma, não se realiza uma
análise crítica fundamentada
teoricamente e legitimada na
realidade social em que o ensino
se processa.
A Prática como Instrumentalização
Técnica
As habilidades não são suficientes
para a resolução dos problemas
com os quais se defrontam, uma
vez que a redução às técnicas não
dá conta do conhecimento científico
nem da complexidade das situações
que ocorrem.
Se o conhecimento científico
não é dominado, o profissional
fica restrito a usar intervenções
técnicas originadas dele,
tornando-se um prático.
O estágio fica reduzido à hora
da prática, ao manejo de
classe, ao trabalho burocrático
e por fim a seguir receitas de
bolo.
Oficinas pedagógica
Confecção de material didático
Prestação de serviçõs
O estagiário é submetido a tudo
isso como sendo mão-de-obra
gratuita e barata.
“A habilidade que o professor deve
desenvolver é saber lançar mão
adequadamente das técnicas
conforme as diversas e diferentes
situações em que o ensino ocorre, o
que necessariamente implica a
criação de novas técnicas”.
O mito das técnicas e das
metodologias está presente nos
alunos, nos professores e nas
políticas governamentais.
Crítica à Didática
instrumental
Gera a ilusão de que as situações de
ensino são iguais e poderão ser
resolvidas com técnicas.
Aparelho reprodutor das ideologias
dominantes na sociedade.
A Universidade é por
excelência o
espaço formativo da
docência, uma vez que
não é simples formar
para o exercício da
docência de qualidade
e que a pesquisa é o
caminho metodológico
para essa formação.
As orientações das políticas
geradas a partir do banco Mundial,
reduzem a formação a mero
treinamento de habilidades e
competências.
O que entendemos por teoria e
por prática?
O estágio é teoria e prática e não
teoria ou prática.
De acordo com o conceito de
ação docente, a profissão de
educador é uma prática social,
é uma forma de intervir na
realidade social.
A atividade docente é
ao mesmo tempo
prática e ação.
Em sentido amplo, ação designa a
atividade humana, o fazer, um fazer
efetivo ou a simples oposição a um
estado passivo. Entretanto em uma
compreensão filosófica e
sociológica, a noção de ação é
sempre referida a objetivos,
finalidades e meios, implicando a
consciência dos sujeitos para essas
escolhas, supondo um certo saber e
conhecimento.
Considerando que nem sempre os
professores têm clareza sobre os
objetivos que orientam suas ações no
contexto escolar e no meio social...
Faz sentido investir nos processos de
reflexão nas e das ações
pedagógicas realizadas nos contextos
escolares.
O papel das teorias é iluminar e
oferecer instrumentos e esquemas
para análise e investigação.
E... as teorias são explicações
sempre provisórias da realidade.
Ao estágio compete possibilitar que
os futuros professores compreendam
a complexidade das práticas
institucionais e das ações aí
praticadas por seus profissionais
como alternativa no preparo para sua
inserção profissional.
Todas as disciplinas de-
vem contribuir para formar
professores a partir da
análise, da crítica e da
proposição de novas
maneiras de fazer educa-
ção.
O estágio deve superar a separação
entre teoria e prática.
Estágio: aproximação da realidade e
atividade teórica
Aproximação do acadêmico com a
realidade na qual atuará.
Professores e alunos devem se
apropriar da realidade para
analisá-la e questioná-la à luz de
teorias.
O estágio, não é atividade prática, mas
teórica, instrumentalizadora da práxis
docente, entendida como atividade de
transformação da realidade. Nesse
sentido ele é atividade teórica de
conhecimento, fundamentação, dialogo
e intervenção na realidade. È no
contexto da sala de aula, da escola, do
sistema e da sociedade que a práxis se
dá.
O estágio como pesquisa e a
pesquisa no estágio.
Possibilidade de os estagiários
desenvolverem postura e habilidades
de pesquisador a partir das situações
de estagio, elaborando projetos que
lhes permitam ao mesmo tempo
compreender e problematizar as
situações que observam.
Origens da pesquisa no estágio
Início do anos 90 a partir de
questionamentos feitos na didática
sobre a indissociabilidade entre
teoria e prática.
Abriu-se espaço para um início de
compreensão do estágio como uma
investigação das práticas educa-
tivas nas instituições.
Profissional reflexivo ( Schön, 1992)
Capazes de produzir conhecimento
( Nóvoa, 1999)
Profissional crítico reflexivo (Pimenta,
2003; Contreras, 2003)
Mas o que significa professor
reflexivo? E o professor pesquisador?
Professor reflexivo – Diferença
entre a reflexão na forma de
adjetivo, de atributo do ser humano
com um movimento teórico de
compreensão do trabalho docente.
Schön propõe a formação diferente
daquela que apresenta primeiro a
ciência, depois sua aplicação e por
ultimo seu estágio.
Schön propõe uma formação
baseada numa epistemologia da
prática, valorizando a experiência e a
reflexão, e o conhecimento tácito.
Uma prática refletida que os
possibilita responder com situações
novas às situações de incerteza e
indefinição.
Considera inseparáveis teoria e
prática no plano da subjetividade do
professor, pois há sempre um diálogo
do conhecimento pessoal com a
ação.
O papel da teoria é oferecer
perspectivas de análise para
compreender os contextos
históricos, sociais, culturais,
organizacionais e de si mesmos.
Esse processo é possibilitado pela
pesquisa. Entretanto a pesquisa tem
limites de natureza política, social e
cultural. Deve-se identificar os limites
para poder superá-los.
Teoria e prática estão
presentes tanto na univer-
sidade quanto nas institui-
ções-campo.
O estágio assim realizado permite
que se traga a contribuição de
pesquisas e o desenvolvimento
das habilidades de pesquisas.
O estágio deve envolver todas as
disciplinas cursadas na universi-
dade, ele não se faz por si só.
Estagio diferentes concepções

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Gerdian Teixeira
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Metodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensinoMetodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensino
Alexsandro Souza Dos Santos
 
A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
UESPI - PI
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
Nila Michele Bastos Santos
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 
A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
Hudson Frota
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
luciany-nascimento
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
Felipe Pereira
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
Greicy Kely
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
Thaynã Guedes
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
Bárbara Marcelly
 
David ausubel - Aprendizagem Significativa
David ausubel - Aprendizagem SignificativaDavid ausubel - Aprendizagem Significativa
David ausubel - Aprendizagem Significativa
Kete Martins Rufino
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
joao jose saraiva da fonseca
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 

Mais procurados (20)

Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Metodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensinoMetodologia e tecnicas de ensino
Metodologia e tecnicas de ensino
 
A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
Estagio de observação
Estagio de observaçãoEstagio de observação
Estagio de observação
 
David ausubel - Aprendizagem Significativa
David ausubel - Aprendizagem SignificativaDavid ausubel - Aprendizagem Significativa
David ausubel - Aprendizagem Significativa
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 

Semelhante a Estagio diferentes concepções

TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
DrikaSato
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Giba Canto
 
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
ProfessorPrincipiante
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
Márcia Castilho de Sales
 
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinaresArtigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Sebastião Gessy Fonseca
 
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIALANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ProfessorPrincipiante
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
Renata Vieira da Cunha
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
ProfessorPrincipiante
 
Portflio..ajustado
Portflio..ajustadoPortflio..ajustado
Portflio..ajustado
Silviardeloreto
 
Portflio..ajustado
Portflio..ajustadoPortflio..ajustado
Portflio..ajustado
Silviardeloreto
 
Professor como protagonista
Professor como protagonistaProfessor como protagonista
Professor como protagonista
Jovina Aguiar
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
rosangelamenta
 
Saberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humanaSaberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humana
tvf
 
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
ProfessorPrincipiante
 
Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06
Fatima Oliveira M. Castro
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
Julhinha Camara
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
Alan Ciriaco
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
adrianamnf13
 

Semelhante a Estagio diferentes concepções (20)

TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
 
Artigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinaresArtigo sobre projetos interdisciplinares
Artigo sobre projetos interdisciplinares
 
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIALANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
 
Portflio..ajustado
Portflio..ajustadoPortflio..ajustado
Portflio..ajustado
 
Portflio..ajustado
Portflio..ajustadoPortflio..ajustado
Portflio..ajustado
 
Professor como protagonista
Professor como protagonistaProfessor como protagonista
Professor como protagonista
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
 
Saberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humanaSaberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humana
 
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
~PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA REFLEXÃO A PARTIR...
 
Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06
 
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXIA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES NO SÉCULO XXI
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
 

Mais de Kênia Bomtempo

A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptxA FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
Kênia Bomtempo
 
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptxA Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
Kênia Bomtempo
 
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptxA Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
Kênia Bomtempo
 
Modelagem Pedagogia.ppt
Modelagem Pedagogia.pptModelagem Pedagogia.ppt
Modelagem Pedagogia.ppt
Kênia Bomtempo
 
verbos USADOS para objetivos.docx
verbos USADOS para objetivos.docxverbos USADOS para objetivos.docx
verbos USADOS para objetivos.docx
Kênia Bomtempo
 
Atividade malha quadriculada ampliação.docx
Atividade malha quadriculada ampliação.docxAtividade malha quadriculada ampliação.docx
Atividade malha quadriculada ampliação.docx
Kênia Bomtempo
 
Atividade filosofia da matematica 2022.docx
Atividade filosofia da matematica 2022.docxAtividade filosofia da matematica 2022.docx
Atividade filosofia da matematica 2022.docx
Kênia Bomtempo
 
Gestar 2 medidas
Gestar 2 medidasGestar 2 medidas
Gestar 2 medidas
Kênia Bomtempo
 
Clasificação toledo
Clasificação toledoClasificação toledo
Clasificação toledo
Kênia Bomtempo
 
Frações grandezas
Frações grandezasFrações grandezas
Frações grandezas
Kênia Bomtempo
 
Clact clact
Clact clactClact clact
Clact clact
Kênia Bomtempo
 
A girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmoA girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmo
Kênia Bomtempo
 
Atividade o comboio das formas
Atividade o comboio das formasAtividade o comboio das formas
Atividade o comboio das formas
Kênia Bomtempo
 
Hist mat ernesto pedagogia
Hist mat ernesto pedagogiaHist mat ernesto pedagogia
Hist mat ernesto pedagogia
Kênia Bomtempo
 
Atividade van hielle
Atividade van hielleAtividade van hielle
Atividade van hielle
Kênia Bomtempo
 
Atividade modificação de formas
Atividade modificação de formasAtividade modificação de formas
Atividade modificação de formas
Kênia Bomtempo
 
Atividade clact clact
Atividade clact clactAtividade clact clact
Atividade clact clact
Kênia Bomtempo
 
Texto uma escola em crise
Texto uma escola em criseTexto uma escola em crise
Texto uma escola em crise
Kênia Bomtempo
 
Texto meu van hiele
Texto meu van hieleTexto meu van hiele
Texto meu van hiele
Kênia Bomtempo
 
Oficina do tangram
Oficina do tangramOficina do tangram
Oficina do tangram
Kênia Bomtempo
 

Mais de Kênia Bomtempo (20)

A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptxA FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
A FRAÇÃO E A PORCENTAGEM.pptx
 
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptxA Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
 
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptxA Lógica do Quadrado Mágico.pptx
A Lógica do Quadrado Mágico.pptx
 
Modelagem Pedagogia.ppt
Modelagem Pedagogia.pptModelagem Pedagogia.ppt
Modelagem Pedagogia.ppt
 
verbos USADOS para objetivos.docx
verbos USADOS para objetivos.docxverbos USADOS para objetivos.docx
verbos USADOS para objetivos.docx
 
Atividade malha quadriculada ampliação.docx
Atividade malha quadriculada ampliação.docxAtividade malha quadriculada ampliação.docx
Atividade malha quadriculada ampliação.docx
 
Atividade filosofia da matematica 2022.docx
Atividade filosofia da matematica 2022.docxAtividade filosofia da matematica 2022.docx
Atividade filosofia da matematica 2022.docx
 
Gestar 2 medidas
Gestar 2 medidasGestar 2 medidas
Gestar 2 medidas
 
Clasificação toledo
Clasificação toledoClasificação toledo
Clasificação toledo
 
Frações grandezas
Frações grandezasFrações grandezas
Frações grandezas
 
Clact clact
Clact clactClact clact
Clact clact
 
A girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmoA girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmo
 
Atividade o comboio das formas
Atividade o comboio das formasAtividade o comboio das formas
Atividade o comboio das formas
 
Hist mat ernesto pedagogia
Hist mat ernesto pedagogiaHist mat ernesto pedagogia
Hist mat ernesto pedagogia
 
Atividade van hielle
Atividade van hielleAtividade van hielle
Atividade van hielle
 
Atividade modificação de formas
Atividade modificação de formasAtividade modificação de formas
Atividade modificação de formas
 
Atividade clact clact
Atividade clact clactAtividade clact clact
Atividade clact clact
 
Texto uma escola em crise
Texto uma escola em criseTexto uma escola em crise
Texto uma escola em crise
 
Texto meu van hiele
Texto meu van hieleTexto meu van hiele
Texto meu van hiele
 
Oficina do tangram
Oficina do tangramOficina do tangram
Oficina do tangram
 

Último

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 

Último (20)

Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 

Estagio diferentes concepções

  • 1. Universidade Estadual de Goiás Estágio Supervisionado de Matemática Texto: Estágio: Diferentes Concepções Professoras: Kênia Bomtempo Shirlene da Silva Rosa 2010
  • 2. Livro: Estágio e Docência Autoras: Selma Garrido Pimenta Maria Socorro Lucena Lima Possui graduação em Peda- gogia, mestrado em Educa- ção: Filosofia da Educação pela PUC de São Paulo e doutorado em Educação: Filosofia da Educação pela mesma instituição. Atualmente é Professor Titular da Facul- dade de Educação da Univer- sidade de São Paulo - FE - USP Selma Garrido
  • 3. Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia do Crato, graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia do Crato, mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará, doutorado em Programa de Aperfeiçoamento de Ensino pela Universidade de São Paulo e pós- doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual do Ceará. Maria Socorro Lucena Lima
  • 4. Estágio: Diferentes Concepções Sempre foi identificado como parte prática dos cursos de formação de profissionais, em contraposição à teoria. O que se ouve falar: “na prática a teoria é outra”
  • 5. Currículos de Formação: Disciplinas isoladas entre si, sem qualquer explicação de seus nexos com a realidade que lhes deu origem. A contraposição entre teoria e prática não é meramente semântica, pois atribui-se menor importância à carga horária denominada prática.
  • 6. “Teoria é indissociável da prática” O conceito de Práxis supera essa fragmentação, pois estágio como atitude investigativa envolve a reflexão e a intervenção na vida da escola, dos professores, dos alunos e da sociedade.
  • 7. A Prática como imitação de modelos O exercício de qualquer profissão é prático, no sentido de que se trata de aprender a fazer “algo” ou “ação”. O estágio acontece, nessa perspectiva, com a imitação, a observação e a reprodução, e as vezes se reelabora os modelos considerados bons.
  • 8. “O conceito de bom professor é polissêmico, passível de interpre- tações diferentes e mesmo diver- gentes.” Ao valorizar as práticas e os instru- mentos consagrados tradicionalmente co- mo modelos eficien- tes, a escola resume seu papel a ensinar.
  • 9. A formação se dá através dessa reprodução modelar. Essa perspectiva está ligada a uma concepção de professor que não valoriza sua formação intelectual. Conformismo
  • 10. Nessa Perspectiva, o estágio se resume a imitar modelos, com- servar idéias, hábitos, valores. Dessa forma, não se realiza uma análise crítica fundamentada teoricamente e legitimada na realidade social em que o ensino se processa.
  • 11. A Prática como Instrumentalização Técnica As habilidades não são suficientes para a resolução dos problemas com os quais se defrontam, uma vez que a redução às técnicas não dá conta do conhecimento científico nem da complexidade das situações que ocorrem.
  • 12. Se o conhecimento científico não é dominado, o profissional fica restrito a usar intervenções técnicas originadas dele, tornando-se um prático. O estágio fica reduzido à hora da prática, ao manejo de classe, ao trabalho burocrático e por fim a seguir receitas de bolo.
  • 13. Oficinas pedagógica Confecção de material didático Prestação de serviçõs O estagiário é submetido a tudo isso como sendo mão-de-obra gratuita e barata.
  • 14. “A habilidade que o professor deve desenvolver é saber lançar mão adequadamente das técnicas conforme as diversas e diferentes situações em que o ensino ocorre, o que necessariamente implica a criação de novas técnicas”. O mito das técnicas e das metodologias está presente nos alunos, nos professores e nas políticas governamentais.
  • 15. Crítica à Didática instrumental Gera a ilusão de que as situações de ensino são iguais e poderão ser resolvidas com técnicas. Aparelho reprodutor das ideologias dominantes na sociedade.
  • 16. A Universidade é por excelência o espaço formativo da docência, uma vez que não é simples formar para o exercício da docência de qualidade e que a pesquisa é o caminho metodológico para essa formação.
  • 17. As orientações das políticas geradas a partir do banco Mundial, reduzem a formação a mero treinamento de habilidades e competências.
  • 18. O que entendemos por teoria e por prática? O estágio é teoria e prática e não teoria ou prática.
  • 19. De acordo com o conceito de ação docente, a profissão de educador é uma prática social, é uma forma de intervir na realidade social. A atividade docente é ao mesmo tempo prática e ação.
  • 20. Em sentido amplo, ação designa a atividade humana, o fazer, um fazer efetivo ou a simples oposição a um estado passivo. Entretanto em uma compreensão filosófica e sociológica, a noção de ação é sempre referida a objetivos, finalidades e meios, implicando a consciência dos sujeitos para essas escolhas, supondo um certo saber e conhecimento.
  • 21. Considerando que nem sempre os professores têm clareza sobre os objetivos que orientam suas ações no contexto escolar e no meio social... Faz sentido investir nos processos de reflexão nas e das ações pedagógicas realizadas nos contextos escolares. O papel das teorias é iluminar e oferecer instrumentos e esquemas para análise e investigação.
  • 22. E... as teorias são explicações sempre provisórias da realidade. Ao estágio compete possibilitar que os futuros professores compreendam a complexidade das práticas institucionais e das ações aí praticadas por seus profissionais como alternativa no preparo para sua inserção profissional.
  • 23. Todas as disciplinas de- vem contribuir para formar professores a partir da análise, da crítica e da proposição de novas maneiras de fazer educa- ção. O estágio deve superar a separação entre teoria e prática.
  • 24. Estágio: aproximação da realidade e atividade teórica Aproximação do acadêmico com a realidade na qual atuará. Professores e alunos devem se apropriar da realidade para analisá-la e questioná-la à luz de teorias.
  • 25. O estágio, não é atividade prática, mas teórica, instrumentalizadora da práxis docente, entendida como atividade de transformação da realidade. Nesse sentido ele é atividade teórica de conhecimento, fundamentação, dialogo e intervenção na realidade. È no contexto da sala de aula, da escola, do sistema e da sociedade que a práxis se dá.
  • 26. O estágio como pesquisa e a pesquisa no estágio. Possibilidade de os estagiários desenvolverem postura e habilidades de pesquisador a partir das situações de estagio, elaborando projetos que lhes permitam ao mesmo tempo compreender e problematizar as situações que observam.
  • 27. Origens da pesquisa no estágio Início do anos 90 a partir de questionamentos feitos na didática sobre a indissociabilidade entre teoria e prática. Abriu-se espaço para um início de compreensão do estágio como uma investigação das práticas educa- tivas nas instituições.
  • 28. Profissional reflexivo ( Schön, 1992) Capazes de produzir conhecimento ( Nóvoa, 1999) Profissional crítico reflexivo (Pimenta, 2003; Contreras, 2003) Mas o que significa professor reflexivo? E o professor pesquisador?
  • 29. Professor reflexivo – Diferença entre a reflexão na forma de adjetivo, de atributo do ser humano com um movimento teórico de compreensão do trabalho docente. Schön propõe a formação diferente daquela que apresenta primeiro a ciência, depois sua aplicação e por ultimo seu estágio.
  • 30. Schön propõe uma formação baseada numa epistemologia da prática, valorizando a experiência e a reflexão, e o conhecimento tácito. Uma prática refletida que os possibilita responder com situações novas às situações de incerteza e indefinição.
  • 31. Considera inseparáveis teoria e prática no plano da subjetividade do professor, pois há sempre um diálogo do conhecimento pessoal com a ação. O papel da teoria é oferecer perspectivas de análise para compreender os contextos históricos, sociais, culturais, organizacionais e de si mesmos.
  • 32. Esse processo é possibilitado pela pesquisa. Entretanto a pesquisa tem limites de natureza política, social e cultural. Deve-se identificar os limites para poder superá-los. Teoria e prática estão presentes tanto na univer- sidade quanto nas institui- ções-campo.
  • 33. O estágio assim realizado permite que se traga a contribuição de pesquisas e o desenvolvimento das habilidades de pesquisas. O estágio deve envolver todas as disciplinas cursadas na universi- dade, ele não se faz por si só.