SlideShare uma empresa Scribd logo
Relação Professor-Aluno

 Observações sobre a didática
CONSIDERE AS SITUAÇÕES A SEGUIR:
• http://www.youtube.com/watch?v=0027yBO0S_
  U&feature=endscreen&NR=1
• http://youtu.be/HQsBCJpcDVc

• http://www.youtube.com/watch?v=niX1TeiJi4c
• http://www.youtube.com/watch?v=IgHpz2arB_s
• http://www.youtube.com/watch?v=2SChg1L0t94
• http://www.youtube.com/watch?v=_iTo15yzHWE
• http://www.youtube.com/watch?v=fiHYI_1-
  rek&feature=fvwrel
• http://www.youtube.com/watch?feature=endscr
  een&v=CLFpJ0bnnBM&NR=1
Por que é importante para a didática a
      relação professor-aluno?
• O ensino é um processo social, logo envolve
  indivíduos com diferentes interesses e leituras
  de mundo;
• A relação professor-aluno é o terreno no qual
  a didática se processa:
  – Deve-se considerar essa relação ao propor ações
    pedagógicas e estratégias de ensino;
  – Não se propõe uma atividade sem considerar seu
    modos operandi.
QUESTÕES A SEREM CONSIDERADAS
É difícil definir os limites do conceito
      “relação professor-aluno”
   Eles se intrincam na prática do processo
    pedagógico com o conteúdo de ensino
         e com a metodologia adotada
A aula é lugar de interação entre
             pessoas
  Um momento único de troca de
  influências. A relação professor-aluno
  no sistema formal é parte da educação
  e insubstituível em sua natureza
O aluno espera ser reconhecido
como pessoa e valoriza no
professsor as qualidades que os
ligam afetivamente
O compromisso político do professor
    não é explícito em sua ação.
   A prática pedagógica não é neutra. É
   preciso caminhar para desvelar essa
   perspectiva.
Professor e alunos têm papeis
          diferentes
 Um momento único de troca de
 influências. A relação professor-aluno
 no sistema formal é parte da educação
 e insubstituível em sua natureza
Professor e alunos têm
   comportamentos pautados em
ideologias prepostas pela sociedade
Expectativas de despenho são
influenciada pelas classes sociais dos
              partícipes
O ambiente institucional interfere
  nas relações professor-aluno
Professor é um ser
 contextualizado
O Planejamento deve considerar
  as relações professor-aluno.
Relação professor aluno
A relação Professor/Aluno
• A relação entre professor e aluno depende,
  fundamentalmente, do clima estabelecido
  pelo professor, da relação empática com seus
  alunos ...
• A relação professor-aluno é fundamental em
  todos os níveis e modalidades de ensino.
  Através dela o aluno pode ser motivado a
  construir seu conhecimento. ...
A relação Professor/Aluno
• Atualmente, impera um total descaso
  pelo ato de lecionar e aprender. Já não
  há mais o respeito mútuo entre discentes
  e docentes; a indisciplina em sala de aula
  é uma constante; (...) e atos de violência
  escolar já fazem parte do nosso dia-a-dia.
A relação Professor/Aluno
“Para por em prática o diálogo, o educador não pode
 colocar-se na posição ingênua de quem se pretende
 detentor de todo o saber; deve, antes, colocar-se na
 posição humilde de quem sabe que não sabe tudo,
 reconhecendo que o analfabeto não é um homem
 “perdido”, fora da realidade, mas alguém que tem toda
 a experiência de vida e por isso também é portador de
 um saber.” (GADOTTI, 1999, p.2)
A relação Professor/Aluno
• A relação educador-educando não deve ser
  uma relação de imposição, mas sim, uma
  relação de cooperação, de respeito e de
  crescimento. O aluno deve ser considerado
  como um sujeito interativo e ativo no seu
  processo de construção de conhecimento.
  Assumindo o educador um papel fundamental
  nesse processo, como um indivíduo mais
  experiente. Vygotsky
A relação Professor/Aluno
• Essa relação tem que ser baseada no diálogo
  mais fecundo, onde os “erros” dos estudantes
  passam a ser vistos como integrantes do
  processo de aprendizagem. Isso se dá porque
  à medida que o aluno “erra” o professor
  consegue ver o que já se está sabendo e o que
  ainda deve ser ensinado. Piaget
A relação Professor/Aluno
O professor hoje é aquele que ensina o aluno a aprender e a
 ensinar a outrem o que aprendeu. Porém, não se trata aqui
 daquele ensinar passivo, mas do ensinar ativo no qual o
 aluno é sujeito da ação, e não sujeito-paciente. Em última
 instância, é preciso ficar evidente que o professor agora é o
 formador e como tal precisa ser autodidata, integrador,
 comunicador, questionador, criativo, colaborador, eficiente,
 flexível, gerador de conhecimento, difusor de informação e
 comprometido com as mudanças desta nova era.
A relação Professor/Aluno
• A educação deve ter sempre uma função
  humanitária e progressista e visar sempre à
  construção de um cidadão crítico, autônomo e
  seguro de seu espaço nesta sociedade, a fim
  de que possa reivindicar os seus direitos com
  a responsabilidade de seus deveres.
Relação professor aluno
A interação Professor-aluno

    No processo de construção do conhecimento, o valor
    pedagógico da interação humana é evidente, pois, através
         dela que o conhecimento vai se construindo.
O educador, na sua relação com o educando, estimula e ativa o
    interesse do aluno e orienta o seu esforço individual para
                             aprender.
         O professor tem basicamente duas funções:
           1. Função incentivadora e energizante
                   2. Função orientadora
A importância do diálogo

A relação educador-educando não é uma relação unilateral, para
      haver um processo que propicie a construção coletiva do
     conhecimento é necessário que esta relação esteja baseada
                           no diálogo.
 O aluno só exerce sua atividade mental sobre o objeto quando
       observa, compara, classifica, ordena, seria, localiza no
      tempo e no espaço, analisa, sintetiza, propõe, comprova
                  hipóteses, deduz, avalia e julga.
Nessa relação de construção de conhecimento o professor fala,
   mas também ouve, ou seja, dialoga com o aluno e permita
        que este aja e opere mentalmente sobre os objetos.
Autoridade x Autoritarismo

 A autoridade do professor é um fato é um fato, pois ela é
  inerente a sua própria função docente. A autoridade é um
   valor, pois que é garantia da liberdade. A autoridade do
  professor nada tem a ver com policialismo; tem sim a ver
    com a conquista de uma disciplina de vida que não se
     aprende em manuais e sim na própria escalada dos
    obstáculos naturais. A autoridade amiga que estimula,
           incentiva, orienta, reforça, mostra falhas.
Diferentemente está o autoritarismo, que pensa tudo saber e
   nada mais querer aprender, quer tudo falar e nada ouvir
Disciplina na sala de aula

Disciplina – em relação ao indivíduo é uma regra de conduta ou
    um conjunto de normas de comportamento que podem ser
       impostas (heterodosciplina), ou que podem ser aceitas
    livremente pelo indivíduo regulando o seu comportamento
                         (autodisciplina)
Therezinha Fram considera a disciplina como uma construção, o
      conjunto de regra e princípios elaborados e discutidos,
      através do contato com a realidade e a interação com o
                              outro.
Sugestões para desenvolvimento da
              autodisciplina
-        Analisar e discutir as normas de conduta proposta, contribuindo
        com sugestões. Permita que o aluno participe da dinâmica da sala
                                     de aula
-       Use procedimentos que desenvolvam o autoconceito positivo dos
                                  alunos.
    -    Ao repreender o aluno procure não fazê-lo em público, procure
                              não rotular o aluno.
    -    Explique a razão das regras de conduta adotadas, bem como o
                          porquê de sua necessidade.
         -    Explique ao aluno por que sua conduta é inadequada.
          -   Respeite e leve em conta a história pessoal do aluno
Sugestões para incentivar a participação
                do aluno

   Apresente atividades desafiadoras, que envolvam os esquemas
  cognitivos de natureza operativa. Os jogos, trabalhos em grupo.
Proporcione atividades de expressão oral, onde o aluno possa ouvir
          e se fazer ouvir, externar opiniões e dúvidas.
 Distribua funções, divida tarefas, ao participarem da dinâmica da
            sala de aula sentem-se responsáveis por ela.
  O profesor precisa e deve orientar a conduta dos alunos de forma
compreensiva, mas com atitudes seguras, isto diminui a indisciplina.
Motivação e incentivação da
                 aprendizagem
A autêntica aprendizagem ocorre quando o aluno está interessado e
se mostra empenhado em aprender. É a motivação interior do aluno
que impulsiona e vitaliza o ato de estudar e aprender. A motivação é
                               interna.
     Incentivação da aprendizagem é, assim,a atuação externa,
  intencional e bem calculada do professor para, mediante meios
auxiliares, recursos e procedimentos adequados intensificar em seus
    alunos a motivação interior necessária para a aprendizagem.
 Um professor não pode motivar uma aluno a aprender, pois esta é
  um processo psicológico, o professor pode incentivar o aluno,
             despertando seu interesse por aprender
Motivação e incentivação da
                aprendizagem
 Motivo é um estímulo interno. Incentivo é um estímulo externo.
 Em geral quando se pergunta ao alunos de 5ª ao 3º médio, qual a
  matéria do currículo que ele prefere e qual a razão da escolha, é
 comum ouvirmos que a causa principal é o professor, ou explica
bem, tornando o conteúdo acessível, ou contagia os alunos com sua
   empolgação e vibração que revela pela matéria que leciona.
Um professor que manifesta apatia e indiferença pelo assunto que
  expõe, dificilmente conseguirá que eles se interessem pelo
                          conteúdo.
Procedimentos
    Faça articulação e correlação do que está sendo ensinado e
                       aprendido com o real
      Apresente novos conteúdos partindo de uma questão
   problematizadora, para qual os alunos devem encontrar uma
                     explicação ou solução
Use procedimentos ativos de aprendizagem condizentes com a faixa
          etária e o nível de desenvolvimento do aluno.
   Incentive o aluno a se auto-superar gradualmente, através de
        atividades sucessivas de progressiva dificuldade.
Procedimentos
Planeje as atividades do dia ou do bimestre em conjunto com a sala,
 explique os objetivos de cada atividade e o que se espera deles ao
                                final
   Esclareça o objetivo a ser atingido, quando o aluno conhece a
  finalidade da atividade tende a realizar esforço voluntário para
                        alcançar o objetivo
    Mantenha um clima agradável na sala de aula, estimule a
  cooperação entre os membros da classe, as relações influem na
                        aprendizagem
    Informe regularmente os resultados, analise seus avanços e
     dificuldades no processo de construção do conhecimento
Direção de classe
Se o aluno está na escola é para aprender e cabe ao professor ajudá-
                         lo neste processo.
    Cabe ao professor enquanto profissional prever, organizar e
   apresentar aos alunos situações didaticamente estruturadas no
    sentido de ajudá-los a descobrir, generalizar e sistematizar o
  conhecimento. Portanto a direção de classe é importante como
      forma de organizar e proporcionar atividades de ensino-
aprendizagem, visando a consecução de objetivos. O professor verá
que as vezes terá de agir de modo mais diretivo, outras vezes deixar
                  o aluno descobrir por si mesmo.
Direção de classe
                 A direção de classe supõe
                     -planejar as aulas;
             -Selecionar e estruturar conteúdos;
 -Prever e utilizar adequadamente recursos incentivadores e
                          materiais;
 -Organizar atividades em grupo, individuais que auxiliem a
                construção do conhecimento;
-Avaliar continuamente os progressos, mostrando os avanços e
 dificuldades, bem como podem aperfeiçoar o conhecimento.
Para o professor
  -Faça uma previsão dos conteúdos a serem desenvolvidos e das
   atividades a serem realizadas, levando em conta os objetivos a
serem atingidos, o interesse dos alunos, as necessidades e o nível de
  desenvolvimento dos alunos. O planejamento deve ser flexível.
                   -Adote uma atitude dialógica
 -Mantenha os alunos ocupados, o trabalho mental são sempre as
          melhores garantias de disciplina em classe
 -Ao avaliar não demore muito para corrigir, quanto mais rápido o
  retorno mais fácil para avançar na construção do conhecimento.
        -Incentive os aluno a avaliarem seu próprio trabalho
Para o professor
      -Lembre-se cada classe é uma realidade, apresentando
      características próprias. Cabe ao professor aplicar seus
  conhecimentos, usar sua sensibilidade, intuição, bom senso na
orientação da aprendizagem e na direção da classe. Cada professor
    encontrará o seu caminho na prática diária da sala de aula.
-HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7.ed. São
                     Paulo: Ática, 2003.
Atividade

               Escolha um tema a ser trabalhado
       Defina a faixa etária com a qual pretende trabalhar
Proponha uma atividade que ajude no processo de incentivação da
             aprendizagem do conteúdo proposto
                      Justifique a escolha
                Socialize com os demais grupos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Bruno Carrasco
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
Carol Messias
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"
Cléo Lima
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Shirley Lauria
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
Raquel Pereira
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Marcelo Assis
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
ditadoida
 
Teoria de David Ausubel
Teoria de David AusubelTeoria de David Ausubel
Teoria de David Ausubel
Fernando Augusto
 
Didática geral aula 1
Didática geral aula 1Didática geral aula 1
Didática geral aula 1
Fernanda Câmara
 
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno" "Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
Wagner da Matta
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
Jessica Nuvens
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
SMEdeItabaianinha
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
normaquilino
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.
Edvanise Souza Barbosa Cordeiro
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Silvia Marina Anaruma
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Thiago Manfredi
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Ana Mara Oliveira de Sousa
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 

Mais procurados (20)

Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"
 
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1   formação de professores princípios e estratégias formativasSlide 1   formação de professores princípios e estratégias formativas
Slide 1 formação de professores princípios e estratégias formativas
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Teoria de David Ausubel
Teoria de David AusubelTeoria de David Ausubel
Teoria de David Ausubel
 
Didática geral aula 1
Didática geral aula 1Didática geral aula 1
Didática geral aula 1
 
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno" "Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
"Aspectos psicoafetivos na relação professor-aluno"
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.A educação e os desafios da contemporaneidade.
A educação e os desafios da contemporaneidade.
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
Pedagogia crítico social dos conteúdos (final)
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 

Destaque

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
julio2012souto
 
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
MARCINHAOLIVEIRA
 
Relatório formação armanda
Relatório formação   armandaRelatório formação   armanda
Relatório formação armanda
Carlos Dias
 
Continente Americano Slides 2
Continente Americano Slides 2Continente Americano Slides 2
Continente Americano Slides 2
Jociene37
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
Cursos Profissionalizantes
 
Relação professor-aluno
Relação professor-alunoRelação professor-aluno
Relação professor-aluno
Luciana Lopes
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
Seduc MT
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
angelavbecker
 

Destaque (8)

Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
 
Relatório formação armanda
Relatório formação   armandaRelatório formação   armanda
Relatório formação armanda
 
Continente Americano Slides 2
Continente Americano Slides 2Continente Americano Slides 2
Continente Americano Slides 2
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
 
Relação professor-aluno
Relação professor-alunoRelação professor-aluno
Relação professor-aluno
 
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno10 Perguntas Reflexivas  sobre a relação Professor X Aluno
10 Perguntas Reflexivas sobre a relação Professor X Aluno
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
 

Semelhante a Relação professor aluno

Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJARelação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Bruno Roots
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
ADRIANA BECKER
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
ADRIANA BECKER
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Marciafaria13
 
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Diego Garcia
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
marcaocampos
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Joka Luiz
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
Mariana Dias
 
1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo
Ulisses Vakirtzis
 
Abordagem educacao
Abordagem educacaoAbordagem educacao
Abordagem educacao
Erica Luanda Jodas Balle
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
pedagogianh
 
Eronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo ivEronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo iv
Vania Mendes
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
marcaocampos
 
A prática refelxiva no ensino médio
A prática refelxiva no ensino médioA prática refelxiva no ensino médio
A prática refelxiva no ensino médio
Adriana Melo
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
guest1c37d0
 

Semelhante a Relação professor aluno (20)

Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJARelação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
 
Abordagens de ensino
Abordagens de ensinoAbordagens de ensino
Abordagens de ensino
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
 
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
Abordagensdeensino 100529134451-phpapp01
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomiaResumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
Resumo do livro de paulo freire pedagogia da autonomia
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo1.ensino as abordagens do processo
1.ensino as abordagens do processo
 
Abordagem educacao
Abordagem educacaoAbordagem educacao
Abordagem educacao
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
 
Eronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo ivEronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo iv
 
Freire, paulo pedagogia da autonomia
Freire, paulo    pedagogia da autonomiaFreire, paulo    pedagogia da autonomia
Freire, paulo pedagogia da autonomia
 
A prática refelxiva no ensino médio
A prática refelxiva no ensino médioA prática refelxiva no ensino médio
A prática refelxiva no ensino médio
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

Relação professor aluno

  • 3. • http://www.youtube.com/watch?v=0027yBO0S_ U&feature=endscreen&NR=1 • http://youtu.be/HQsBCJpcDVc • http://www.youtube.com/watch?v=niX1TeiJi4c • http://www.youtube.com/watch?v=IgHpz2arB_s • http://www.youtube.com/watch?v=2SChg1L0t94 • http://www.youtube.com/watch?v=_iTo15yzHWE • http://www.youtube.com/watch?v=fiHYI_1- rek&feature=fvwrel • http://www.youtube.com/watch?feature=endscr een&v=CLFpJ0bnnBM&NR=1
  • 4. Por que é importante para a didática a relação professor-aluno? • O ensino é um processo social, logo envolve indivíduos com diferentes interesses e leituras de mundo; • A relação professor-aluno é o terreno no qual a didática se processa: – Deve-se considerar essa relação ao propor ações pedagógicas e estratégias de ensino; – Não se propõe uma atividade sem considerar seu modos operandi.
  • 5. QUESTÕES A SEREM CONSIDERADAS
  • 6. É difícil definir os limites do conceito “relação professor-aluno” Eles se intrincam na prática do processo pedagógico com o conteúdo de ensino e com a metodologia adotada
  • 7. A aula é lugar de interação entre pessoas Um momento único de troca de influências. A relação professor-aluno no sistema formal é parte da educação e insubstituível em sua natureza
  • 8. O aluno espera ser reconhecido como pessoa e valoriza no professsor as qualidades que os ligam afetivamente
  • 9. O compromisso político do professor não é explícito em sua ação. A prática pedagógica não é neutra. É preciso caminhar para desvelar essa perspectiva.
  • 10. Professor e alunos têm papeis diferentes Um momento único de troca de influências. A relação professor-aluno no sistema formal é parte da educação e insubstituível em sua natureza
  • 11. Professor e alunos têm comportamentos pautados em ideologias prepostas pela sociedade
  • 12. Expectativas de despenho são influenciada pelas classes sociais dos partícipes
  • 13. O ambiente institucional interfere nas relações professor-aluno
  • 14. Professor é um ser contextualizado
  • 15. O Planejamento deve considerar as relações professor-aluno.
  • 17. A relação Professor/Aluno • A relação entre professor e aluno depende, fundamentalmente, do clima estabelecido pelo professor, da relação empática com seus alunos ... • A relação professor-aluno é fundamental em todos os níveis e modalidades de ensino. Através dela o aluno pode ser motivado a construir seu conhecimento. ...
  • 18. A relação Professor/Aluno • Atualmente, impera um total descaso pelo ato de lecionar e aprender. Já não há mais o respeito mútuo entre discentes e docentes; a indisciplina em sala de aula é uma constante; (...) e atos de violência escolar já fazem parte do nosso dia-a-dia.
  • 19. A relação Professor/Aluno “Para por em prática o diálogo, o educador não pode colocar-se na posição ingênua de quem se pretende detentor de todo o saber; deve, antes, colocar-se na posição humilde de quem sabe que não sabe tudo, reconhecendo que o analfabeto não é um homem “perdido”, fora da realidade, mas alguém que tem toda a experiência de vida e por isso também é portador de um saber.” (GADOTTI, 1999, p.2)
  • 20. A relação Professor/Aluno • A relação educador-educando não deve ser uma relação de imposição, mas sim, uma relação de cooperação, de respeito e de crescimento. O aluno deve ser considerado como um sujeito interativo e ativo no seu processo de construção de conhecimento. Assumindo o educador um papel fundamental nesse processo, como um indivíduo mais experiente. Vygotsky
  • 21. A relação Professor/Aluno • Essa relação tem que ser baseada no diálogo mais fecundo, onde os “erros” dos estudantes passam a ser vistos como integrantes do processo de aprendizagem. Isso se dá porque à medida que o aluno “erra” o professor consegue ver o que já se está sabendo e o que ainda deve ser ensinado. Piaget
  • 22. A relação Professor/Aluno O professor hoje é aquele que ensina o aluno a aprender e a ensinar a outrem o que aprendeu. Porém, não se trata aqui daquele ensinar passivo, mas do ensinar ativo no qual o aluno é sujeito da ação, e não sujeito-paciente. Em última instância, é preciso ficar evidente que o professor agora é o formador e como tal precisa ser autodidata, integrador, comunicador, questionador, criativo, colaborador, eficiente, flexível, gerador de conhecimento, difusor de informação e comprometido com as mudanças desta nova era.
  • 23. A relação Professor/Aluno • A educação deve ter sempre uma função humanitária e progressista e visar sempre à construção de um cidadão crítico, autônomo e seguro de seu espaço nesta sociedade, a fim de que possa reivindicar os seus direitos com a responsabilidade de seus deveres.
  • 25. A interação Professor-aluno No processo de construção do conhecimento, o valor pedagógico da interação humana é evidente, pois, através dela que o conhecimento vai se construindo. O educador, na sua relação com o educando, estimula e ativa o interesse do aluno e orienta o seu esforço individual para aprender. O professor tem basicamente duas funções: 1. Função incentivadora e energizante 2. Função orientadora
  • 26. A importância do diálogo A relação educador-educando não é uma relação unilateral, para haver um processo que propicie a construção coletiva do conhecimento é necessário que esta relação esteja baseada no diálogo. O aluno só exerce sua atividade mental sobre o objeto quando observa, compara, classifica, ordena, seria, localiza no tempo e no espaço, analisa, sintetiza, propõe, comprova hipóteses, deduz, avalia e julga. Nessa relação de construção de conhecimento o professor fala, mas também ouve, ou seja, dialoga com o aluno e permita que este aja e opere mentalmente sobre os objetos.
  • 27. Autoridade x Autoritarismo A autoridade do professor é um fato é um fato, pois ela é inerente a sua própria função docente. A autoridade é um valor, pois que é garantia da liberdade. A autoridade do professor nada tem a ver com policialismo; tem sim a ver com a conquista de uma disciplina de vida que não se aprende em manuais e sim na própria escalada dos obstáculos naturais. A autoridade amiga que estimula, incentiva, orienta, reforça, mostra falhas. Diferentemente está o autoritarismo, que pensa tudo saber e nada mais querer aprender, quer tudo falar e nada ouvir
  • 28. Disciplina na sala de aula Disciplina – em relação ao indivíduo é uma regra de conduta ou um conjunto de normas de comportamento que podem ser impostas (heterodosciplina), ou que podem ser aceitas livremente pelo indivíduo regulando o seu comportamento (autodisciplina) Therezinha Fram considera a disciplina como uma construção, o conjunto de regra e princípios elaborados e discutidos, através do contato com a realidade e a interação com o outro.
  • 29. Sugestões para desenvolvimento da autodisciplina - Analisar e discutir as normas de conduta proposta, contribuindo com sugestões. Permita que o aluno participe da dinâmica da sala de aula - Use procedimentos que desenvolvam o autoconceito positivo dos alunos. - Ao repreender o aluno procure não fazê-lo em público, procure não rotular o aluno. - Explique a razão das regras de conduta adotadas, bem como o porquê de sua necessidade. - Explique ao aluno por que sua conduta é inadequada. - Respeite e leve em conta a história pessoal do aluno
  • 30. Sugestões para incentivar a participação do aluno Apresente atividades desafiadoras, que envolvam os esquemas cognitivos de natureza operativa. Os jogos, trabalhos em grupo. Proporcione atividades de expressão oral, onde o aluno possa ouvir e se fazer ouvir, externar opiniões e dúvidas. Distribua funções, divida tarefas, ao participarem da dinâmica da sala de aula sentem-se responsáveis por ela. O profesor precisa e deve orientar a conduta dos alunos de forma compreensiva, mas com atitudes seguras, isto diminui a indisciplina.
  • 31. Motivação e incentivação da aprendizagem A autêntica aprendizagem ocorre quando o aluno está interessado e se mostra empenhado em aprender. É a motivação interior do aluno que impulsiona e vitaliza o ato de estudar e aprender. A motivação é interna. Incentivação da aprendizagem é, assim,a atuação externa, intencional e bem calculada do professor para, mediante meios auxiliares, recursos e procedimentos adequados intensificar em seus alunos a motivação interior necessária para a aprendizagem. Um professor não pode motivar uma aluno a aprender, pois esta é um processo psicológico, o professor pode incentivar o aluno, despertando seu interesse por aprender
  • 32. Motivação e incentivação da aprendizagem Motivo é um estímulo interno. Incentivo é um estímulo externo. Em geral quando se pergunta ao alunos de 5ª ao 3º médio, qual a matéria do currículo que ele prefere e qual a razão da escolha, é comum ouvirmos que a causa principal é o professor, ou explica bem, tornando o conteúdo acessível, ou contagia os alunos com sua empolgação e vibração que revela pela matéria que leciona. Um professor que manifesta apatia e indiferença pelo assunto que expõe, dificilmente conseguirá que eles se interessem pelo conteúdo.
  • 33. Procedimentos Faça articulação e correlação do que está sendo ensinado e aprendido com o real Apresente novos conteúdos partindo de uma questão problematizadora, para qual os alunos devem encontrar uma explicação ou solução Use procedimentos ativos de aprendizagem condizentes com a faixa etária e o nível de desenvolvimento do aluno. Incentive o aluno a se auto-superar gradualmente, através de atividades sucessivas de progressiva dificuldade.
  • 34. Procedimentos Planeje as atividades do dia ou do bimestre em conjunto com a sala, explique os objetivos de cada atividade e o que se espera deles ao final Esclareça o objetivo a ser atingido, quando o aluno conhece a finalidade da atividade tende a realizar esforço voluntário para alcançar o objetivo Mantenha um clima agradável na sala de aula, estimule a cooperação entre os membros da classe, as relações influem na aprendizagem Informe regularmente os resultados, analise seus avanços e dificuldades no processo de construção do conhecimento
  • 35. Direção de classe Se o aluno está na escola é para aprender e cabe ao professor ajudá- lo neste processo. Cabe ao professor enquanto profissional prever, organizar e apresentar aos alunos situações didaticamente estruturadas no sentido de ajudá-los a descobrir, generalizar e sistematizar o conhecimento. Portanto a direção de classe é importante como forma de organizar e proporcionar atividades de ensino- aprendizagem, visando a consecução de objetivos. O professor verá que as vezes terá de agir de modo mais diretivo, outras vezes deixar o aluno descobrir por si mesmo.
  • 36. Direção de classe A direção de classe supõe -planejar as aulas; -Selecionar e estruturar conteúdos; -Prever e utilizar adequadamente recursos incentivadores e materiais; -Organizar atividades em grupo, individuais que auxiliem a construção do conhecimento; -Avaliar continuamente os progressos, mostrando os avanços e dificuldades, bem como podem aperfeiçoar o conhecimento.
  • 37. Para o professor -Faça uma previsão dos conteúdos a serem desenvolvidos e das atividades a serem realizadas, levando em conta os objetivos a serem atingidos, o interesse dos alunos, as necessidades e o nível de desenvolvimento dos alunos. O planejamento deve ser flexível. -Adote uma atitude dialógica -Mantenha os alunos ocupados, o trabalho mental são sempre as melhores garantias de disciplina em classe -Ao avaliar não demore muito para corrigir, quanto mais rápido o retorno mais fácil para avançar na construção do conhecimento. -Incentive os aluno a avaliarem seu próprio trabalho
  • 38. Para o professor -Lembre-se cada classe é uma realidade, apresentando características próprias. Cabe ao professor aplicar seus conhecimentos, usar sua sensibilidade, intuição, bom senso na orientação da aprendizagem e na direção da classe. Cada professor encontrará o seu caminho na prática diária da sala de aula. -HAIDT, Regina Célia Cazaux. Curso de Didática Geral. 7.ed. São Paulo: Ática, 2003.
  • 39. Atividade Escolha um tema a ser trabalhado Defina a faixa etária com a qual pretende trabalhar Proponha uma atividade que ajude no processo de incentivação da aprendizagem do conteúdo proposto Justifique a escolha Socialize com os demais grupos