SlideShare uma empresa Scribd logo
O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE LICENCIATURA EM
LÍNGUA INGLESA EM UMA INSTIUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR
NA CIDADE DE PARANAGUÁ.
XAVIER Jean Paulo Bernardo
Eixo Temático: Formação de Professores
Resumo
Este estudo pretende demonstrar a importância e a contribuição da disciplina de Estágio
Supervisionado para a formação do professor de Língua Inglesa.Ao participar de uma
organização escolar em situações cotidianas, o aluno terá a possibilidade de avaliar planos ou
programas, testar ou aplicar modelos e instrumentos, construindo e ou ampliando seus
conhecimentos teórico-práticos. Assim entendido, o estágio aponta a situação ideal para a
formação do professor, possibilitando-lhe conhecer e interagir com a diversidade de seu
campo de atuação. Os objetivos e as finalidades do estágio supervisionado nem sempre são
compreendidos pelos acadêmicos do curso. A dicotomia teoria – prática é ainda assunto
bastante complexo. O Estágio Curricular Supervisionado mais do que uma experiência prática
vivida pelo acadêmico, é uma oportunidade para a reflexão sobre os saberes trabalhados
durante o curso de graduação. Essa pesquisa está sendo realizada em uma Faculdade Estadual,
localizada na cidade de Paranaguá, Estado do Paraná. Essa instituição é responsável pela
formação da maioria dos professores de Língua Inglesa que ministram aulas na rede estadual
de ensino da referida cidade. O lócus desse trabalho será apresentar como a disciplina de
estágio supervisionado é ministrada, focando-se a contribuição desta para a formação do
professor de Língua Inglesa. As fontes dessa pesquisa são os documentos contidos na
instituição sobre a disciplina Prática de Ensino e Estágio Supervisionado. Serão efetuadas
entrevistas com os professores da disciplina de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado,
questionários serão distribuídos aos professores de língua inglesa da rede estadual da cidade
de Paranaguá licenciados na instituição. Essa pesquisa encontra-se em andamento e outras
considerações e reflexões sobre a problemática poderão ainda ampliar o universo estudado.
Os autores que contribuem com esse estudo são: Pimenta (2001), Pimenta & Lima (2004),
Pimenta & Gonçalves(1990),Fazenda(2006), entre outros.
Palavras - chave: Prática pedagógica. Formação de professores. Estágio supervisionado.
O estágio supervisionado.
O Estágio Curricular Supervisionado num curso de licenciatura consiste em um
processo planejado, visando à integração entre conhecimentos práticos e conhecimentos
2672
teóricos que complementem a formação acadêmica do aluno. O estágio supervisionado poderá
realizar-se em instituições públicas ou privadas de ensino e constitui-se de atividades de
aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas ao estudante pela participação
em situações reais de vida e de trabalho. (PIMENTA E LIMA, 2008).
O estágio compreende atividades entre elas a de observação, que é o momento em que
o estagiário observa a prática pedagógica de professores já formados e que atuam na rede de
ensino pública ou privada, atividades de participação e regência, quando o acadêmico atua em
sala de aula juntamente com o professor, desenvolve algumas atividades e/ou ministra aulas
escolas com base no planejamento previamente elaborado. Essas práticas têm como objetivo
contextualizar as áreas e os eixos de formação curricular, associando teoria e prática e
destinam-se à iniciação profissional como um saber fazer que busca orientar-se por teorias de
ensino-aprendizagem para responder às demandas colocadas pela prática pedagógica à qual se
dirige.
Segundo Pimenta e Lima, os currículos de formação de professores têm se constituído
em um aglomerado de disciplinas isoladas entre si, sem qualquer explicação de seus nexos
com a realidade que lhes deu origem. (2008, p. 33). Ainda de acordo com as mesmas autoras
há algumas questões de suma importância, que devem ser levantadas, tais como: que
profissionais se quer formar? O que significa ser um profissional? Quais os nexos com o
conhecimento produzido e em produção? Estas questões que na maioria das vezes não são
contempladas nos programas das disciplinas, nos conteúdos selecionados, na elaboração dos
objetivos e na metodologia adotada.
O exercício de qualquer profissão envolve a prática, no sentido de que se terá que
aprender a fazer algo, tomar uma decisão ou realizar uma ação. Pode-se aprender uma
profissão sob a perspectiva da imitação daquilo que será reproduzido, reelaborado e baseado
nos modelos observados que serão considerados bons. O estágio, sob essa ótica, reduz-se
então a observar os professores em aula e imitar esses modelos, sem proceder uma análise
crítica fundamentada teoricamente e legitimada na realidade social em que ela se processa.
(PIMENTA E LIMA, 2008, p. 36). Nessa perspectiva, o contato com a escola, através do
estágio, é realizado sem um estudo prévio da realidade, do contexto escolar. O aluno
estagiário apenas observa as aulas e, espera-se dele, através dessa observação, a elaboração e
a execução de possíveis aulas – segundo o modelo observado. Na maioria dos casos os
estagiários não conhecem o conteúdo que estará sendo trabalhado pelo professor regente, não
2673
têm idéia alguma sobre o rendimento intelectual do grupo ou série na qual assistem as aulas.
Esses fatores podem tornar o estágio uma atividade desmotivadora e improdutiva para os
acadêmicos dos cursos de licenciatura.
Assim, o profissional fica reduzido a prática não necessitando dominar os
conhecimentos científicos, mas apenas as rotinas de intervenção técnica derivadas da prática.
Para Pimenta e Lima (2008), nesta perspectiva a atividade de estágio fica reduzida à “hora da
prática” ao “como fazer”, às técnicas a serem empregadas em sala de aula, ao
desenvolvimento de habilidades específicas do manejo de classe, ao preenchimento de fichas
de observação, diagramas e fluxogramas.
A perspectiva técnica do estágio gera um distanciamento da vida e do trabalho
concreto que ocorre nas escolas, pois as disciplinas que compõe os cursos de formação não
estabelecem os nexos entre os conteúdos ou teorias que desenvolvem e a realidade nas quais o
ensino ocorre.
Essa forma de estágio de observação restringe os acadêmicos dos cursos de
licenciatura a apenas captar, os desvios e falhas da escola, dos professores, dos diretores, pois
os estagiários apenas preenchiam fichas anotando as falhas ocorridas e rotulavam as
instituições e os profissionais que nela atuavam.
Tal forma de estágio gerou conflitos e aumentou ainda mais o distanciamento entre a
universidade e a escola, que , muitas vezes, recusava-se a receber os estagiários das
instituições de ensino superior. (PIMENTA E LIMA, 2008, p. 40).
O papel das teorias é iluminar e oferecer instrumentos e esquemas para análise e
investigação que permitam questionar as práticas institucionalizadas e as ações dos sujeitos e
também colocá-las em questionamento, pois as teorias são explicações sempre provisórias da
realidade. O estágio dever ser um eixo em torno do qual todas as disciplinas do curso devem
girar e não apenas aquelas denominadas de “práticas”. Em um curso de formação as
disciplinas, tanto as de fundamentos como as didáticas, devem contribuir com a finalidade de
formar professores a partir da análise, da crítica e da proposição de novas maneiras de fazer
educação.(PIMENTA E LIMA, 2008, p. 44)
Pimenta e Gonçalves (1990) consideram que o estágio tem como finalidade aproximar
o aluno da realidade na qual atuará. Assim, nesta ótica, o estágio se afasta da compreensão de
que seria a parte prática do curso. Ainda para as mesmas autoras deve-se buscar uma nova
2674
postura e uma re-definição do estágio, que deve caminhar para a reflexão, a partir da
realidade. É no contexto da sala de aula, da escola, do sistema de ensino que a práxis de dá.
A teoria deve também é oferecer aos professores perspectivas de análise para
compreender os contextos históricos, sociais e culturais, organizacionais e de si mesmos como
profissionais, nos quais se dá sua atividade docente, para neles intervir, transformando-os.
Reportando-se a história da educação brasileira sabe-se que as tendências
educacionais, desde a implementação das Escolas Normais no Período Imperial, até a segunda
metade do século XX, demonstraram oferecer um ensino profissional incipiente. Somente a
partir de 1968, os estudos na Escola Normal voltaram-se para as disciplinas
profissionalizantes, com estágios de observação e práticas em escolas primárias, aspecto do
qual dependeria o certificado de conclusão do curso.
As modificações instauradas no sistema educacional pela Lei 5.692/71, que
estabelecia a qualificação obrigatória, reservavam à disciplina didática a tarefa exclusiva de
aproximação da realidade da sala de aula.
Conforme o parecer nº 349/72 do conselho federal de educação,
a Didática compreenderá estudos relativos à Metodologia de Ensino sob os aspectos
de Planejamento, de execução do ato docente – discente e verificação de
aprendizagem, conduzindo à Prática de Ensino (...) Deverá ainda apreender técnicas
explicatórias que lhe permitem identificar e dimensionar os recursos comunitários,
bem como estagiar em instituições que desenvolvam atividades relacionadas com
sua futura habilitação. Poderá ser anterior, concomitante e posteriormente à
Didática, embora não haja dúvidas de que a concomitância tem vantagens sobre as
outras duas, por manter praticamente indissociáveis a teoria e a prática - o que se
deve fazer e o que realmente se faz. (BRASIL, 1972).
Entretanto, o ideário educacional em torno do Estágio Supervisionado ligou-se a um
momento histórico em que se acreditava que esta atividade fosse concebida como um espaço
privilegiado na luta para a melhoria na formação de professores bem como para a melhoria da
qualidade do sistema de ensino. (FAZENDA, 2006. p.18).
Porém que respaldo teórico teriam os alunos do curso para discutir a questão da qualidade de
ensino, uma vez que a disciplina de Didática não contextualizava seus estudos na escola
brasileira ?
De acordo com Fazenda(2006), alguns autores (Saviani, 1983; Libâneo, 1983,1985;
Martins, 1989; Veiga, 1989) que estudaram as tendências da prática dos professores ou as
2675
correntes e abordagens de ensino e da Pedagogia destacaram o predomínio ora de
pressupostos teóricos políticos e ideológicos; ora de concepções diferenciadas de mundo,
escola, prática docente(FAZENDA, 2006, p.19). De maneira geral, essas análises da
pedagogia indicam sempre a importação de ideais e técnicas nascidas em outras realidades,
em outras áreas do conhecimento e, portanto, com interessem necessidades e finalidades
também diferentes da realidade observada nas salas de aula da escola brasileira. (FAZENDA,
2006. p. 19).
Deve-se destacar que a preocupação com a Prática de Ensino iniciou-se na década de
1930, com a criação dos cursos superiores de Licenciatura. Com relação ao estágio curricular,
a mesma preocupação iniciou-se somente a partir da reforma universitária institucionalizada
pela lei 5.540/68. Para o terceiro grau, a disciplina de Prática de Ensino tornou-se parte do
mínimo curricular dos cursos de Licenciatura, sob a forma de Estágio Supervisionado com a
resolução de nº 9, anexa ao parecer 672/69 do CFE. (FAZENDA, 2006. p. 17,18).
O Parecer CFE 672/69, de 4/9/69, conduz à Resolução 9/69 de 10/10/69. Este parecer
reexamina o Parecer 292/62 no qual se teve a fixação das matérias pedagógicas da
licenciatura, especialmente com relação ao tempo de duração da formação pedagógica no
âmbito de cada licenciatura. A Resolução 9/69, de 10/10/1969, fixava a formação pedagógica
em 1/8 das horas obrigatórias de trabalho de cada licenciatura voltada para o ensino de 2º
grau. (BRASIL, 1969).
Como componente curricular o estágio pode não oferecer uma completa preparação
para o magistério, mas possibilita que os alunos do curso de licenciatura trabalhem e discutam
algumas questões básicas e fundamentais para o exercício do magistério: o sentido da
profissão, o que é ser professor na sociedade em que vivemos, como ser professor, a escola
concreta, a realidade dos alunos, do professores e do próprio sistema educacional.
A obrigatoriedade legal do estágio e o cumprimento de sua respectiva carga horária
obrigatória, que sofreu, através da Lei de Diretrizes e Bases n 9.394, um aumento
considerável de 300 para 800 horas, tem sido uma das preocupações dos cursos de
licenciaturas e formação docente.(BASIL,1996). Porém, o estágio continua sendo uma
atividade terminal dos cursos de formação, pois as próprias condições de trabalho dos
decentes nas universidades, dificultam sua implementação.É importante que haja um grande
comprometimento dos professores da disciplina de estágio supervisionado e dos alunos do
curso de licenciatura quanto ao estágio, que precisa ser visto como um campo de
2676
conhecimentos necessários ao processo de formação do professor nos cursos de licenciatura.
(PIMENTA E LIMA, 2008, P. 101).
De acordo com PIMENTA E LIMA,
a fragmentação do estágio impede ou dificulta a visão da vida escolar e do ensino
como um todo, do sistema de ensino e de educação, tornado quase sempre essa
prática curricular insuficiente para a compreensão das debilidades e mesmo para a
projeção de alternativas se superação destas. (2008, p. 1011-102).
Assim, os estágios, acabam configurando-se em atividades distantes da realidade
concreta das escolas, resumindo-se muitas vezes, a mini-aulas na própria universidade para os
colegas de turma e em palestras proferidas por profissionais convidados. A falta de
intencionalidade, objetivos e reflexão sobre a importância do estágio para as formação
docente acaba por transformá-lo em uma atividade meramente instrumental, desvinculada do
projeto pedagógico do curso de licenciatura.
Para Pimenta e Lima (2008), a base formativa dos professores baseia-se em
conhecimentos teóricos e metodológicos que os permitam compreender a escola, os sistemas
de ensino e as políticas educacionais. O estágio tem como objetivo preparar o futuro professor
para a realização de atividades nas escolas, com os professores nas salas de aula, bem como
para o exercício de análise, avaliação e critica dos desafios que a realidade escolar revela.
Para Pimenta e Lima, o estágio como reflexão da práxis, possibilita aos alunos que
ainda não lecionam aprender com aqueles que já possuem alguma experiência no magistério.
Ainda para as mesmas autoras, cabe então questionar até que ponto o estagiário tem
elementos teóricos para construir uma reflexão crítica sobre a atividade do estágio? Como as
reflexões feitas com o professor da disciplina de estágio e com os discentes do curso de
licenciatura podem ultrapassar os limites do senso comum pedagógico e do meramente
observável? (PIMENTA & LIMA, 2008, p. 103).
O primeiro impacto enfrentado pelo estagiário são as contradições entre o escrito e o
vivido, o dito pelos especialistas em seus discursos, as teorias, a fundamentação teórica e o
que realmente acontece no interior das escolas, ou seja, a dissociação teoria - prática.
Realidade esta que nem sempre é conhecida pelo próprio professor da disciplina de estágio
que, na maioria das vezes, leciona apenas na universidade onde iniciou como docente há
2677
muito tempo, ou mesmo tendo lecionado no ensino formal de primeiro e segundo graus, dele
afastou-se já há longo período.
Pimenta e Lima (2008) apontam alguns problemas observados por alunos estagiários:
a falta de organização, de recursos materiais, de integração entre a escola e os estagiários,
indisciplina e violência. O distanciamento entre a universidade e a escola é um dos pontos
também enfatizado pelas autoras.
É importante salientar que o estagiário poderá se deparar com alguns, ou mesmo
muitos professores insatisfeitos com suas carreiras, com o trabalho que desenvolvem, com o
contexto sócio-econômico, com suas próprias vidas e que, por certo, tentarão induzir o
estagiário a desistir da carreira que está iniciando. (PIMENTA & LIMA, 2008, p. 104).
O aluno estagiário nem sempre compreende a dinâmica do estágio e de sua presença
na escola e esse fato dificulta a superação das dificuldades que por certo surgirão no decorrer
do processo de realização do estágio supervisionado. Para Pimenta e Lima (2008), quanto
mais claros forem os fundamentos, a natureza e os objetivos do estágio, suas possibilidades e
limites curriculares, mais fácil será a compreensão do processo. (PIMENTA & LIMA, 2008,
p. 105).
O estágio supervisionado no curso de licenciatura em Língua Inglesa em uma instituição
de ensino superior na cidade de Paranaguá.
O Estágio Supervisionado em Língua Inglesa no curso de licenciatura em Letras –
Anglo e respectivas literaturas da faculdade pesquisada é realizado nos últimos ano do curso,
ou seja no terceiro e no quarto ano, de acordo com a matriz curricular aprovada no ano de
1997 pelo processo nº 718/97 e que dispõe as disciplinas do curso até os dias atuais.
Durante o terceiro ano do curso de licenciatura os alunos realizam o estágio
supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Fundamental e no decorrer do quarto ano de
curso os discentes realizam o estágio supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Médio.
O estágio é dividido em Estágio de Observação, Estágio de Participação e Regência de
classe, assim distribuídos: 10 aulas de Estágio de observação, 10 aulas de Estágio de
Participação e Regência em sala de aula e nas escolas, que será realizada no segundo
semestre.
Para que se possa conhecer a visão dos acadêmicos sobre o estágio, valemo-nos dos
Relatórios de Estágios de alunos que concluíram sua graduação nos anos de 1998 a 2000 e de
2678
2006 a 2007. O número total de relatórios analisados foi de dezenove assim divididos
conforme o ano de sua realização:1998 – 01 relatório, 1999 – 01 relatório, 2000 – 04
relatórios, 2006 – 03 relatórios e 2007 – 10 relatórios.
Após a realização do estágio curricular de observação, onde o estagiário observa a
prática pedagógica de professores já formados e que atuam na rede de ensino pública ou
privada, os alunos apresentam ao professor orientador um relatório organizado em forma de
pasta relatório, que é assim composta:
Folha de presença: Nela o aluno registra a data, o horário de início da aula observada, o nome
do professor que a ministrou por extenso com sua respectiva assinatura.
Relatório do estágio de observação em sala de aula: Neste documento o aluno registra o que
observou nas aulas dos professores regentes do Ensino Fundamental e Médio. Aqui o aluno
deve ser descritivo e analítico.
Plano de Aula: O acadêmico se utiliza deste documento para elaborar sua(s) aula(s) prática(s).
O referido documento compõe-se dos seguintes itens: objetivos, conteúdos, tópicos de
gramática, novo vocabulário, habilidades lingüísticas, procedimentos metodológicos,
recursos, desenvolvimento, avaliação e referencias utilizadas.
No que diz respeito à avaliação do processo de estágio, o mesmo é composto por três
etapas representadas por três tipos de fichas ou relatórios de avaliação:
Ficha de avaliação de aulas práticas (observação e regência de classe): Esse documento
solicita que os alunos respondam com absoluta sinceridade questões que dizem respeito a aula
assistida. As questões contemplam os seguintes itens: objetivos, conteúdos, planejamento uso
do quando de giz e de recursos didáticos, motivação por parte dos alunos, andamento da aula,
qualidades pessoais do professor, avaliação, pontos positivos e pontos que poderiam ser
melhorados de acordo com a opinião do aluno estagiário obervador.
Ficha de auto-avaliação (após as aulas de regência): Esta ficha é preenchida pelo aluno após a
realização de sua aula de regência e contempla os seguintes itens: o propósito da aula, o
envolvimento dos alunos, os objetivos atingidos , as mudanças que poderiam ser realizadas
em caso de uma reapresentação da mesma aula, a utilização do conteúdo ensinado por parte
2679
dos alunos e quais itens o aluno estagiário ministrante mais gostou em sua aula (os alunos, o
conteúdo, a metodologia ou suas própria atuação).
Ficha de auto-avaliação final: Este documento encerra o processo avaliativo da disciplina de
estágio supervisionado e nela o discente deve justificar seu ponto de vista. O documento
apresenta as seguintes perguntas: Você gostou de trabalhar com alunos do Ensino
Fundamental / Ensino Médio, quais os benefícios a regência e as discussões em sala lhe
trouxeram, quais as dificuldades encontradas durante a direção de classe, cite algumas
experiências que poderão ajudá-lo(a) nas futuras atividades docentes, que sugestões você
apresentaria em relação às orientações recebidas nas aulas de Metodologia de /ensino e
Estágio Supervisionado, você pretende exercer as profissão de professor, quais as qualidades
indispensáveis para o profissionalismo docente, você se considera detentor das qualidades
necessárias ao professor competente, após sua experiência como estagiário, julga-se
preparado para assumir o magistério.
De acordo com relatos de acadêmicos, contidos nos relatórios de estágio
supervisionado, o estágio tem por objetivos: melhorar a habilidade do aluno quanto ao ensino
de Língua Inglesa; fazer com que o acadêmico reflita sobre sua escolha profissional;
oportunizar ao graduando a possibilidade de perceber como a escola funciona na prática e
como os professores gerenciam e trabalham com as dificuldades pertinentes ao dia-a-dia da
escola; fazer com que o futuro professor treine e desenvolva suas habilidades quanto a prática
pedagógica; relatar as experiências presenciadas nas escolas, tendo como foco a situação real
do educando e da educação e seu contexto histórico ; demonstrar os aspectos gerais, tanto
positivos como negativos, fazendo com que o aluno formando possa refletir sobre possíveis
mudanças que se fazem necessárias objetivando sempre a melhoria da qualidade na formação
profissional. (Relatórios de Estágio – alunos egressos da Instituição de ensino superior
pesquisada nos anos de 1998 a 2000).
Ainda de acordo com alguns formandos o estágio supervisionado é útil pois provoca
nos mesmos uma possível reflexão sobre a educação e a prática pedagógica do professor de
Língua Estrangeira, gerando um pensamento crítico de sua futura prática e consciência quanto
a importância do estudo e da formação contínua. (Relatórios de Estágio – alunos egressos da
Instituição de ensino superior pesquisada nos anos de 2006 e 2007).
Considerações finais.
2680
Através dos relatos e experiências descritas pelos acadêmicos nos relatórios de
estágios analisados, observa-se uma repetição de estratégias de observação e simples
anotações do que os professores realizam ou realizavam em suas aulas. Percebe-se , quando
recebemos os alunos estagiários nas instituições de ensino fundamental e médio nas quais
trabalhamos, que há um desinteresse demonstrado pelos próprios alunos, pois muitos
acreditam que o estágio tem como único objetivo o cumprimento das horas estabelecidas e
muitos acadêmicos apenas solicitam “as assinaturas” nas folhas de presença. Esse fato torna
claro que os discentes não têm clareza quanto ao objetivo do próprio estágio Em entrevista já
realizada com um dos professores da disciplina de estágio supervisionado, o mesmo relatou
que se realiza uma discussão entre os acadêmicos, no sentido de compartilhar o aprendizado
e as experiências obtidas através do estágio.
Porém essa discussão não é levada ao departamento do curso de letras para que novos
rumos e possibilidades venham a ser implementadas. A prática, como descreveu Prado (2004)
deve ser entendida como o desenvolvimento das ações realizadas naquele momento, sempre
pautada por uma teoria. Essas ações estarão presentes nos cursos de formação de professores e
nos estágios curriculares. A correlação entre teoria e prática será um movimento contínuo
“entre saber e fazer na busca de significados na gestão, administração e resolução de situações
próprias do ambiente da educação escolar”. E o estágio curricular supervisionado, ainda
segundo a mesma autora, será “o tempo de aprendizagem que, por meio de um período de
permanência, alguém se demora em algum lugar para aprender a prática do mesmo e depois
poder exercer uma profissão”. É a observação do trabalho do profissional que possibilita o
estágio de observação. A denominação “estágio curricular supervisionado” explica-se pela
supervisão do profissional experiente que assiste ao estagiário, nos estágios de observação,
participação e regência, e contribui com a ampliação do conhecimento sobre a aplicação dos
meios didáticos mais indicados a determinadas situações. Essa supervisão compreende o
enriquecimento da futura prática do professor, que é um dos pontos da lista de hipóteses a
serem verificadas. Como esta pesquisa ainda encontra-se em andamento várias novas
hipóteses poderão surgir e alterar as considerações prévias da análise.
Referências.
BRASIL. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 292/62. Estabelece a carga horária
das matérias de formação pedagógica.
2681
_____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 52/65. Fixa critérios para a duração
dos cursos superiores.
_____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 349/725. Fixa critérios para o
exercício do magistério de 1º e 2º graus.
_____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 672/69. Estabelece a duração e a
carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior,
curso de licenciatura, de graduação plena
_____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 581/76. Fixa critérios para o ensino
de língua estrangeira.
_____. Lei nº. 4.024/61. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira.
_____. Lei nº. 5.540/68. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino
superior.
_____. Lei n° 5.692/71. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira.
_____. Lei n° 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira.
FAZENDA, I.C.A. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 12. Ed. São Paulo:
Papirus, 2006.
GONÇALVES, C. L; PIMENTA, S.G. Revendo o ensino de 2º grau, propondo a formação
do professor. São Paulo: Cortez, 1990.
LUDKE, Menga & ANDRÉ, Marli E. D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.
São Paulo: EPU, 1988.
PIMENTA, Selma G. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática? 4.
ed. São Paulo: Cortez, 2001.
_____ & LIMA, Maria do Socorro L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2008.
PRADO, Eliane M. As práticas dos professores de História nas escolas estaduais paulistas
nas décadas de 1970 e 1980. São Paulo. Tese (Doutorado). PEPG Educação: História,
Política, Sociedade. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto pps-luciene
Projeto pps-lucieneProjeto pps-luciene
Projeto pps-luciene
Ðouglas Rocha
 
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
ProfessorPrincipiante
 
Ped normas ecs
Ped normas ecsPed normas ecs
Ped normas ecs
Alepatyalves
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionado
ADRIANA BECKER
 
Apresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionárioApresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionário
Rafael Delmonego
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
Msylvia
 
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
Gustavo Araújo
 
C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006
Solange Soares
 
Manual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantilManual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantil
Artemosfera Cia de Artes
 
Aula de estágio
Aula de estágioAula de estágio
Aula de estágio
PCésar Cesb-Uema
 
Aula 2 estágio orientado i orientações
Aula 2 estágio orientado i   orientaçõesAula 2 estágio orientado i   orientações
Aula 2 estágio orientado i orientações
LadyNanda
 
Pasta de estágio educação infantil
Pasta de estágio educação infantilPasta de estágio educação infantil
Pasta de estágio educação infantil
Luccia Roccha
 
Manual do estagio utramig
Manual do estagio utramigManual do estagio utramig
Manual do estagio utramig
Sebastião Gessy Fonseca
 
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
raquel rocha
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
A17
A17A17
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
diagoprof
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad final
Vitor Dias
 
Manual de estágio pedagogia
Manual de estágio pedagogiaManual de estágio pedagogia
Manual de estágio pedagogia
Luccia Roccha
 

Mais procurados (19)

Projeto pps-luciene
Projeto pps-lucieneProjeto pps-luciene
Projeto pps-luciene
 
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
A CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA: A ...
 
Ped normas ecs
Ped normas ecsPed normas ecs
Ped normas ecs
 
Manual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionadoManual de estágio_supervisionado
Manual de estágio_supervisionado
 
Apresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionárioApresentação do ProFuncionário
Apresentação do ProFuncionário
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
 
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
Da teoria à prática: o Estágio Curricular Supervisionado no curso de licencia...
 
C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006
 
Manual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantilManual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantil
 
Aula de estágio
Aula de estágioAula de estágio
Aula de estágio
 
Aula 2 estágio orientado i orientações
Aula 2 estágio orientado i   orientaçõesAula 2 estágio orientado i   orientações
Aula 2 estágio orientado i orientações
 
Pasta de estágio educação infantil
Pasta de estágio educação infantilPasta de estágio educação infantil
Pasta de estágio educação infantil
 
Manual do estagio utramig
Manual do estagio utramigManual do estagio utramig
Manual do estagio utramig
 
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
Re apz 2013_anexo_4_guia_fpct-1
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
A17
A17A17
A17
 
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
 
Proposta rad final
Proposta rad finalProposta rad final
Proposta rad final
 
Manual de estágio pedagogia
Manual de estágio pedagogiaManual de estágio pedagogia
Manual de estágio pedagogia
 

Semelhante a Texto 1 ewerton1

EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
rosangelamenta
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
ProfessorPrincipiante
 
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogiaA contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
Patricia Custodio
 
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdfArtigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
ZoraideMenezes1
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06
Fatima Oliveira M. Castro
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
Marcelo Rony
 
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Alan Ciriaco
 
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professoresImportancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
Lígia Sousa
 
Pedagogia 2 e 3
Pedagogia 2 e 3Pedagogia 2 e 3
Pedagogia 2 e 3
Arleno
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
ProfessorPrincipiante
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
ProfessorPrincipiante
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
ProfessorPrincipiante
 
Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científico
lislieribeiro
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
Fernanda Marques
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
ProfessorPrincipiante
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
ProfessorPrincipiante
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
LilideMenesesCerquei
 
Slide leyla e nita estagio i
Slide leyla e nita estagio iSlide leyla e nita estagio i
Slide leyla e nita estagio i
LeylaCRazoni
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
Alan Ciriaco
 

Semelhante a Texto 1 ewerton1 (20)

EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
 
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
A FORMAÇÃO DO LICENCIADO EM PEDAGOGIA E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: CONSTRUINDO...
 
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogiaA contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
A contribuição do estágio supervisionado para o curso de pedagogia
 
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdfArtigo_Ensino_Fundamental II.pdf
Artigo_Ensino_Fundamental II.pdf
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06Artigo gilberto 06
Artigo gilberto 06
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
 
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
 
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professoresImportancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
Importancia do estagio supervisionado para a formacao de professores
 
Pedagogia 2 e 3
Pedagogia 2 e 3Pedagogia 2 e 3
Pedagogia 2 e 3
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
 
Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científico
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
 
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdfUma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
Uma Metodologia de Desenvolvimento de competências.pdf
 
Slide leyla e nita estagio i
Slide leyla e nita estagio iSlide leyla e nita estagio i
Slide leyla e nita estagio i
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 

Texto 1 ewerton1

  • 1. O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA EM UMA INSTIUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PARANAGUÁ. XAVIER Jean Paulo Bernardo Eixo Temático: Formação de Professores Resumo Este estudo pretende demonstrar a importância e a contribuição da disciplina de Estágio Supervisionado para a formação do professor de Língua Inglesa.Ao participar de uma organização escolar em situações cotidianas, o aluno terá a possibilidade de avaliar planos ou programas, testar ou aplicar modelos e instrumentos, construindo e ou ampliando seus conhecimentos teórico-práticos. Assim entendido, o estágio aponta a situação ideal para a formação do professor, possibilitando-lhe conhecer e interagir com a diversidade de seu campo de atuação. Os objetivos e as finalidades do estágio supervisionado nem sempre são compreendidos pelos acadêmicos do curso. A dicotomia teoria – prática é ainda assunto bastante complexo. O Estágio Curricular Supervisionado mais do que uma experiência prática vivida pelo acadêmico, é uma oportunidade para a reflexão sobre os saberes trabalhados durante o curso de graduação. Essa pesquisa está sendo realizada em uma Faculdade Estadual, localizada na cidade de Paranaguá, Estado do Paraná. Essa instituição é responsável pela formação da maioria dos professores de Língua Inglesa que ministram aulas na rede estadual de ensino da referida cidade. O lócus desse trabalho será apresentar como a disciplina de estágio supervisionado é ministrada, focando-se a contribuição desta para a formação do professor de Língua Inglesa. As fontes dessa pesquisa são os documentos contidos na instituição sobre a disciplina Prática de Ensino e Estágio Supervisionado. Serão efetuadas entrevistas com os professores da disciplina de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado, questionários serão distribuídos aos professores de língua inglesa da rede estadual da cidade de Paranaguá licenciados na instituição. Essa pesquisa encontra-se em andamento e outras considerações e reflexões sobre a problemática poderão ainda ampliar o universo estudado. Os autores que contribuem com esse estudo são: Pimenta (2001), Pimenta & Lima (2004), Pimenta & Gonçalves(1990),Fazenda(2006), entre outros. Palavras - chave: Prática pedagógica. Formação de professores. Estágio supervisionado. O estágio supervisionado. O Estágio Curricular Supervisionado num curso de licenciatura consiste em um processo planejado, visando à integração entre conhecimentos práticos e conhecimentos
  • 2. 2672 teóricos que complementem a formação acadêmica do aluno. O estágio supervisionado poderá realizar-se em instituições públicas ou privadas de ensino e constitui-se de atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de vida e de trabalho. (PIMENTA E LIMA, 2008). O estágio compreende atividades entre elas a de observação, que é o momento em que o estagiário observa a prática pedagógica de professores já formados e que atuam na rede de ensino pública ou privada, atividades de participação e regência, quando o acadêmico atua em sala de aula juntamente com o professor, desenvolve algumas atividades e/ou ministra aulas escolas com base no planejamento previamente elaborado. Essas práticas têm como objetivo contextualizar as áreas e os eixos de formação curricular, associando teoria e prática e destinam-se à iniciação profissional como um saber fazer que busca orientar-se por teorias de ensino-aprendizagem para responder às demandas colocadas pela prática pedagógica à qual se dirige. Segundo Pimenta e Lima, os currículos de formação de professores têm se constituído em um aglomerado de disciplinas isoladas entre si, sem qualquer explicação de seus nexos com a realidade que lhes deu origem. (2008, p. 33). Ainda de acordo com as mesmas autoras há algumas questões de suma importância, que devem ser levantadas, tais como: que profissionais se quer formar? O que significa ser um profissional? Quais os nexos com o conhecimento produzido e em produção? Estas questões que na maioria das vezes não são contempladas nos programas das disciplinas, nos conteúdos selecionados, na elaboração dos objetivos e na metodologia adotada. O exercício de qualquer profissão envolve a prática, no sentido de que se terá que aprender a fazer algo, tomar uma decisão ou realizar uma ação. Pode-se aprender uma profissão sob a perspectiva da imitação daquilo que será reproduzido, reelaborado e baseado nos modelos observados que serão considerados bons. O estágio, sob essa ótica, reduz-se então a observar os professores em aula e imitar esses modelos, sem proceder uma análise crítica fundamentada teoricamente e legitimada na realidade social em que ela se processa. (PIMENTA E LIMA, 2008, p. 36). Nessa perspectiva, o contato com a escola, através do estágio, é realizado sem um estudo prévio da realidade, do contexto escolar. O aluno estagiário apenas observa as aulas e, espera-se dele, através dessa observação, a elaboração e a execução de possíveis aulas – segundo o modelo observado. Na maioria dos casos os estagiários não conhecem o conteúdo que estará sendo trabalhado pelo professor regente, não
  • 3. 2673 têm idéia alguma sobre o rendimento intelectual do grupo ou série na qual assistem as aulas. Esses fatores podem tornar o estágio uma atividade desmotivadora e improdutiva para os acadêmicos dos cursos de licenciatura. Assim, o profissional fica reduzido a prática não necessitando dominar os conhecimentos científicos, mas apenas as rotinas de intervenção técnica derivadas da prática. Para Pimenta e Lima (2008), nesta perspectiva a atividade de estágio fica reduzida à “hora da prática” ao “como fazer”, às técnicas a serem empregadas em sala de aula, ao desenvolvimento de habilidades específicas do manejo de classe, ao preenchimento de fichas de observação, diagramas e fluxogramas. A perspectiva técnica do estágio gera um distanciamento da vida e do trabalho concreto que ocorre nas escolas, pois as disciplinas que compõe os cursos de formação não estabelecem os nexos entre os conteúdos ou teorias que desenvolvem e a realidade nas quais o ensino ocorre. Essa forma de estágio de observação restringe os acadêmicos dos cursos de licenciatura a apenas captar, os desvios e falhas da escola, dos professores, dos diretores, pois os estagiários apenas preenchiam fichas anotando as falhas ocorridas e rotulavam as instituições e os profissionais que nela atuavam. Tal forma de estágio gerou conflitos e aumentou ainda mais o distanciamento entre a universidade e a escola, que , muitas vezes, recusava-se a receber os estagiários das instituições de ensino superior. (PIMENTA E LIMA, 2008, p. 40). O papel das teorias é iluminar e oferecer instrumentos e esquemas para análise e investigação que permitam questionar as práticas institucionalizadas e as ações dos sujeitos e também colocá-las em questionamento, pois as teorias são explicações sempre provisórias da realidade. O estágio dever ser um eixo em torno do qual todas as disciplinas do curso devem girar e não apenas aquelas denominadas de “práticas”. Em um curso de formação as disciplinas, tanto as de fundamentos como as didáticas, devem contribuir com a finalidade de formar professores a partir da análise, da crítica e da proposição de novas maneiras de fazer educação.(PIMENTA E LIMA, 2008, p. 44) Pimenta e Gonçalves (1990) consideram que o estágio tem como finalidade aproximar o aluno da realidade na qual atuará. Assim, nesta ótica, o estágio se afasta da compreensão de que seria a parte prática do curso. Ainda para as mesmas autoras deve-se buscar uma nova
  • 4. 2674 postura e uma re-definição do estágio, que deve caminhar para a reflexão, a partir da realidade. É no contexto da sala de aula, da escola, do sistema de ensino que a práxis de dá. A teoria deve também é oferecer aos professores perspectivas de análise para compreender os contextos históricos, sociais e culturais, organizacionais e de si mesmos como profissionais, nos quais se dá sua atividade docente, para neles intervir, transformando-os. Reportando-se a história da educação brasileira sabe-se que as tendências educacionais, desde a implementação das Escolas Normais no Período Imperial, até a segunda metade do século XX, demonstraram oferecer um ensino profissional incipiente. Somente a partir de 1968, os estudos na Escola Normal voltaram-se para as disciplinas profissionalizantes, com estágios de observação e práticas em escolas primárias, aspecto do qual dependeria o certificado de conclusão do curso. As modificações instauradas no sistema educacional pela Lei 5.692/71, que estabelecia a qualificação obrigatória, reservavam à disciplina didática a tarefa exclusiva de aproximação da realidade da sala de aula. Conforme o parecer nº 349/72 do conselho federal de educação, a Didática compreenderá estudos relativos à Metodologia de Ensino sob os aspectos de Planejamento, de execução do ato docente – discente e verificação de aprendizagem, conduzindo à Prática de Ensino (...) Deverá ainda apreender técnicas explicatórias que lhe permitem identificar e dimensionar os recursos comunitários, bem como estagiar em instituições que desenvolvam atividades relacionadas com sua futura habilitação. Poderá ser anterior, concomitante e posteriormente à Didática, embora não haja dúvidas de que a concomitância tem vantagens sobre as outras duas, por manter praticamente indissociáveis a teoria e a prática - o que se deve fazer e o que realmente se faz. (BRASIL, 1972). Entretanto, o ideário educacional em torno do Estágio Supervisionado ligou-se a um momento histórico em que se acreditava que esta atividade fosse concebida como um espaço privilegiado na luta para a melhoria na formação de professores bem como para a melhoria da qualidade do sistema de ensino. (FAZENDA, 2006. p.18). Porém que respaldo teórico teriam os alunos do curso para discutir a questão da qualidade de ensino, uma vez que a disciplina de Didática não contextualizava seus estudos na escola brasileira ? De acordo com Fazenda(2006), alguns autores (Saviani, 1983; Libâneo, 1983,1985; Martins, 1989; Veiga, 1989) que estudaram as tendências da prática dos professores ou as
  • 5. 2675 correntes e abordagens de ensino e da Pedagogia destacaram o predomínio ora de pressupostos teóricos políticos e ideológicos; ora de concepções diferenciadas de mundo, escola, prática docente(FAZENDA, 2006, p.19). De maneira geral, essas análises da pedagogia indicam sempre a importação de ideais e técnicas nascidas em outras realidades, em outras áreas do conhecimento e, portanto, com interessem necessidades e finalidades também diferentes da realidade observada nas salas de aula da escola brasileira. (FAZENDA, 2006. p. 19). Deve-se destacar que a preocupação com a Prática de Ensino iniciou-se na década de 1930, com a criação dos cursos superiores de Licenciatura. Com relação ao estágio curricular, a mesma preocupação iniciou-se somente a partir da reforma universitária institucionalizada pela lei 5.540/68. Para o terceiro grau, a disciplina de Prática de Ensino tornou-se parte do mínimo curricular dos cursos de Licenciatura, sob a forma de Estágio Supervisionado com a resolução de nº 9, anexa ao parecer 672/69 do CFE. (FAZENDA, 2006. p. 17,18). O Parecer CFE 672/69, de 4/9/69, conduz à Resolução 9/69 de 10/10/69. Este parecer reexamina o Parecer 292/62 no qual se teve a fixação das matérias pedagógicas da licenciatura, especialmente com relação ao tempo de duração da formação pedagógica no âmbito de cada licenciatura. A Resolução 9/69, de 10/10/1969, fixava a formação pedagógica em 1/8 das horas obrigatórias de trabalho de cada licenciatura voltada para o ensino de 2º grau. (BRASIL, 1969). Como componente curricular o estágio pode não oferecer uma completa preparação para o magistério, mas possibilita que os alunos do curso de licenciatura trabalhem e discutam algumas questões básicas e fundamentais para o exercício do magistério: o sentido da profissão, o que é ser professor na sociedade em que vivemos, como ser professor, a escola concreta, a realidade dos alunos, do professores e do próprio sistema educacional. A obrigatoriedade legal do estágio e o cumprimento de sua respectiva carga horária obrigatória, que sofreu, através da Lei de Diretrizes e Bases n 9.394, um aumento considerável de 300 para 800 horas, tem sido uma das preocupações dos cursos de licenciaturas e formação docente.(BASIL,1996). Porém, o estágio continua sendo uma atividade terminal dos cursos de formação, pois as próprias condições de trabalho dos decentes nas universidades, dificultam sua implementação.É importante que haja um grande comprometimento dos professores da disciplina de estágio supervisionado e dos alunos do curso de licenciatura quanto ao estágio, que precisa ser visto como um campo de
  • 6. 2676 conhecimentos necessários ao processo de formação do professor nos cursos de licenciatura. (PIMENTA E LIMA, 2008, P. 101). De acordo com PIMENTA E LIMA, a fragmentação do estágio impede ou dificulta a visão da vida escolar e do ensino como um todo, do sistema de ensino e de educação, tornado quase sempre essa prática curricular insuficiente para a compreensão das debilidades e mesmo para a projeção de alternativas se superação destas. (2008, p. 1011-102). Assim, os estágios, acabam configurando-se em atividades distantes da realidade concreta das escolas, resumindo-se muitas vezes, a mini-aulas na própria universidade para os colegas de turma e em palestras proferidas por profissionais convidados. A falta de intencionalidade, objetivos e reflexão sobre a importância do estágio para as formação docente acaba por transformá-lo em uma atividade meramente instrumental, desvinculada do projeto pedagógico do curso de licenciatura. Para Pimenta e Lima (2008), a base formativa dos professores baseia-se em conhecimentos teóricos e metodológicos que os permitam compreender a escola, os sistemas de ensino e as políticas educacionais. O estágio tem como objetivo preparar o futuro professor para a realização de atividades nas escolas, com os professores nas salas de aula, bem como para o exercício de análise, avaliação e critica dos desafios que a realidade escolar revela. Para Pimenta e Lima, o estágio como reflexão da práxis, possibilita aos alunos que ainda não lecionam aprender com aqueles que já possuem alguma experiência no magistério. Ainda para as mesmas autoras, cabe então questionar até que ponto o estagiário tem elementos teóricos para construir uma reflexão crítica sobre a atividade do estágio? Como as reflexões feitas com o professor da disciplina de estágio e com os discentes do curso de licenciatura podem ultrapassar os limites do senso comum pedagógico e do meramente observável? (PIMENTA & LIMA, 2008, p. 103). O primeiro impacto enfrentado pelo estagiário são as contradições entre o escrito e o vivido, o dito pelos especialistas em seus discursos, as teorias, a fundamentação teórica e o que realmente acontece no interior das escolas, ou seja, a dissociação teoria - prática. Realidade esta que nem sempre é conhecida pelo próprio professor da disciplina de estágio que, na maioria das vezes, leciona apenas na universidade onde iniciou como docente há
  • 7. 2677 muito tempo, ou mesmo tendo lecionado no ensino formal de primeiro e segundo graus, dele afastou-se já há longo período. Pimenta e Lima (2008) apontam alguns problemas observados por alunos estagiários: a falta de organização, de recursos materiais, de integração entre a escola e os estagiários, indisciplina e violência. O distanciamento entre a universidade e a escola é um dos pontos também enfatizado pelas autoras. É importante salientar que o estagiário poderá se deparar com alguns, ou mesmo muitos professores insatisfeitos com suas carreiras, com o trabalho que desenvolvem, com o contexto sócio-econômico, com suas próprias vidas e que, por certo, tentarão induzir o estagiário a desistir da carreira que está iniciando. (PIMENTA & LIMA, 2008, p. 104). O aluno estagiário nem sempre compreende a dinâmica do estágio e de sua presença na escola e esse fato dificulta a superação das dificuldades que por certo surgirão no decorrer do processo de realização do estágio supervisionado. Para Pimenta e Lima (2008), quanto mais claros forem os fundamentos, a natureza e os objetivos do estágio, suas possibilidades e limites curriculares, mais fácil será a compreensão do processo. (PIMENTA & LIMA, 2008, p. 105). O estágio supervisionado no curso de licenciatura em Língua Inglesa em uma instituição de ensino superior na cidade de Paranaguá. O Estágio Supervisionado em Língua Inglesa no curso de licenciatura em Letras – Anglo e respectivas literaturas da faculdade pesquisada é realizado nos últimos ano do curso, ou seja no terceiro e no quarto ano, de acordo com a matriz curricular aprovada no ano de 1997 pelo processo nº 718/97 e que dispõe as disciplinas do curso até os dias atuais. Durante o terceiro ano do curso de licenciatura os alunos realizam o estágio supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Fundamental e no decorrer do quarto ano de curso os discentes realizam o estágio supervisionado em Língua Inglesa no Ensino Médio. O estágio é dividido em Estágio de Observação, Estágio de Participação e Regência de classe, assim distribuídos: 10 aulas de Estágio de observação, 10 aulas de Estágio de Participação e Regência em sala de aula e nas escolas, que será realizada no segundo semestre. Para que se possa conhecer a visão dos acadêmicos sobre o estágio, valemo-nos dos Relatórios de Estágios de alunos que concluíram sua graduação nos anos de 1998 a 2000 e de
  • 8. 2678 2006 a 2007. O número total de relatórios analisados foi de dezenove assim divididos conforme o ano de sua realização:1998 – 01 relatório, 1999 – 01 relatório, 2000 – 04 relatórios, 2006 – 03 relatórios e 2007 – 10 relatórios. Após a realização do estágio curricular de observação, onde o estagiário observa a prática pedagógica de professores já formados e que atuam na rede de ensino pública ou privada, os alunos apresentam ao professor orientador um relatório organizado em forma de pasta relatório, que é assim composta: Folha de presença: Nela o aluno registra a data, o horário de início da aula observada, o nome do professor que a ministrou por extenso com sua respectiva assinatura. Relatório do estágio de observação em sala de aula: Neste documento o aluno registra o que observou nas aulas dos professores regentes do Ensino Fundamental e Médio. Aqui o aluno deve ser descritivo e analítico. Plano de Aula: O acadêmico se utiliza deste documento para elaborar sua(s) aula(s) prática(s). O referido documento compõe-se dos seguintes itens: objetivos, conteúdos, tópicos de gramática, novo vocabulário, habilidades lingüísticas, procedimentos metodológicos, recursos, desenvolvimento, avaliação e referencias utilizadas. No que diz respeito à avaliação do processo de estágio, o mesmo é composto por três etapas representadas por três tipos de fichas ou relatórios de avaliação: Ficha de avaliação de aulas práticas (observação e regência de classe): Esse documento solicita que os alunos respondam com absoluta sinceridade questões que dizem respeito a aula assistida. As questões contemplam os seguintes itens: objetivos, conteúdos, planejamento uso do quando de giz e de recursos didáticos, motivação por parte dos alunos, andamento da aula, qualidades pessoais do professor, avaliação, pontos positivos e pontos que poderiam ser melhorados de acordo com a opinião do aluno estagiário obervador. Ficha de auto-avaliação (após as aulas de regência): Esta ficha é preenchida pelo aluno após a realização de sua aula de regência e contempla os seguintes itens: o propósito da aula, o envolvimento dos alunos, os objetivos atingidos , as mudanças que poderiam ser realizadas em caso de uma reapresentação da mesma aula, a utilização do conteúdo ensinado por parte
  • 9. 2679 dos alunos e quais itens o aluno estagiário ministrante mais gostou em sua aula (os alunos, o conteúdo, a metodologia ou suas própria atuação). Ficha de auto-avaliação final: Este documento encerra o processo avaliativo da disciplina de estágio supervisionado e nela o discente deve justificar seu ponto de vista. O documento apresenta as seguintes perguntas: Você gostou de trabalhar com alunos do Ensino Fundamental / Ensino Médio, quais os benefícios a regência e as discussões em sala lhe trouxeram, quais as dificuldades encontradas durante a direção de classe, cite algumas experiências que poderão ajudá-lo(a) nas futuras atividades docentes, que sugestões você apresentaria em relação às orientações recebidas nas aulas de Metodologia de /ensino e Estágio Supervisionado, você pretende exercer as profissão de professor, quais as qualidades indispensáveis para o profissionalismo docente, você se considera detentor das qualidades necessárias ao professor competente, após sua experiência como estagiário, julga-se preparado para assumir o magistério. De acordo com relatos de acadêmicos, contidos nos relatórios de estágio supervisionado, o estágio tem por objetivos: melhorar a habilidade do aluno quanto ao ensino de Língua Inglesa; fazer com que o acadêmico reflita sobre sua escolha profissional; oportunizar ao graduando a possibilidade de perceber como a escola funciona na prática e como os professores gerenciam e trabalham com as dificuldades pertinentes ao dia-a-dia da escola; fazer com que o futuro professor treine e desenvolva suas habilidades quanto a prática pedagógica; relatar as experiências presenciadas nas escolas, tendo como foco a situação real do educando e da educação e seu contexto histórico ; demonstrar os aspectos gerais, tanto positivos como negativos, fazendo com que o aluno formando possa refletir sobre possíveis mudanças que se fazem necessárias objetivando sempre a melhoria da qualidade na formação profissional. (Relatórios de Estágio – alunos egressos da Instituição de ensino superior pesquisada nos anos de 1998 a 2000). Ainda de acordo com alguns formandos o estágio supervisionado é útil pois provoca nos mesmos uma possível reflexão sobre a educação e a prática pedagógica do professor de Língua Estrangeira, gerando um pensamento crítico de sua futura prática e consciência quanto a importância do estudo e da formação contínua. (Relatórios de Estágio – alunos egressos da Instituição de ensino superior pesquisada nos anos de 2006 e 2007). Considerações finais.
  • 10. 2680 Através dos relatos e experiências descritas pelos acadêmicos nos relatórios de estágios analisados, observa-se uma repetição de estratégias de observação e simples anotações do que os professores realizam ou realizavam em suas aulas. Percebe-se , quando recebemos os alunos estagiários nas instituições de ensino fundamental e médio nas quais trabalhamos, que há um desinteresse demonstrado pelos próprios alunos, pois muitos acreditam que o estágio tem como único objetivo o cumprimento das horas estabelecidas e muitos acadêmicos apenas solicitam “as assinaturas” nas folhas de presença. Esse fato torna claro que os discentes não têm clareza quanto ao objetivo do próprio estágio Em entrevista já realizada com um dos professores da disciplina de estágio supervisionado, o mesmo relatou que se realiza uma discussão entre os acadêmicos, no sentido de compartilhar o aprendizado e as experiências obtidas através do estágio. Porém essa discussão não é levada ao departamento do curso de letras para que novos rumos e possibilidades venham a ser implementadas. A prática, como descreveu Prado (2004) deve ser entendida como o desenvolvimento das ações realizadas naquele momento, sempre pautada por uma teoria. Essas ações estarão presentes nos cursos de formação de professores e nos estágios curriculares. A correlação entre teoria e prática será um movimento contínuo “entre saber e fazer na busca de significados na gestão, administração e resolução de situações próprias do ambiente da educação escolar”. E o estágio curricular supervisionado, ainda segundo a mesma autora, será “o tempo de aprendizagem que, por meio de um período de permanência, alguém se demora em algum lugar para aprender a prática do mesmo e depois poder exercer uma profissão”. É a observação do trabalho do profissional que possibilita o estágio de observação. A denominação “estágio curricular supervisionado” explica-se pela supervisão do profissional experiente que assiste ao estagiário, nos estágios de observação, participação e regência, e contribui com a ampliação do conhecimento sobre a aplicação dos meios didáticos mais indicados a determinadas situações. Essa supervisão compreende o enriquecimento da futura prática do professor, que é um dos pontos da lista de hipóteses a serem verificadas. Como esta pesquisa ainda encontra-se em andamento várias novas hipóteses poderão surgir e alterar as considerações prévias da análise. Referências. BRASIL. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 292/62. Estabelece a carga horária das matérias de formação pedagógica.
  • 11. 2681 _____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 52/65. Fixa critérios para a duração dos cursos superiores. _____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 349/725. Fixa critérios para o exercício do magistério de 1º e 2º graus. _____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 672/69. Estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena _____. Parecer do Conselho Federal de Educação n.º 581/76. Fixa critérios para o ensino de língua estrangeira. _____. Lei nº. 4.024/61. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. _____. Lei nº. 5.540/68. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior. _____. Lei n° 5.692/71. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. _____. Lei n° 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira. FAZENDA, I.C.A. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 12. Ed. São Paulo: Papirus, 2006. GONÇALVES, C. L; PIMENTA, S.G. Revendo o ensino de 2º grau, propondo a formação do professor. São Paulo: Cortez, 1990. LUDKE, Menga & ANDRÉ, Marli E. D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1988. PIMENTA, Selma G. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática? 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001. _____ & LIMA, Maria do Socorro L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2008. PRADO, Eliane M. As práticas dos professores de História nas escolas estaduais paulistas nas décadas de 1970 e 1980. São Paulo. Tese (Doutorado). PEPG Educação: História, Política, Sociedade. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.