SlideShare uma empresa Scribd logo
GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO
PORTUGUÊS
GRAMÁTICA
O termo “Gramática” pode ser usado em distintas acepções.
Podemos considerar a gramática um manual em que as regras de
uso da língua estão explicitadas, ou seja, um livro; mas o
verdadeiro sentido do termo é o “conjunto de regras de uma dada
língua” e, nesse sentido, todo falante tem um saber interiorizado
da língua materna.
GRAMÁTICA
Existem diversos tipos de gramáticas, mas a chamada gramática
normativa é a mais conhecida, isso porque é estudada durante o
período escolar, e é a que abordamos na presente apostila.
A gramática normativa não é parte de um estudo científico, mas é
dada socialmente. Os gramáticos normalmente dividem a
gramática (livro) em partes. São elas:
FONÉTICA E FONOLOGIA
A fonética estuda o som em todas as suas manifestações, sejam
elas pertinentes ou não pertinentes, ou seja, com mudança ou
não de sentido. A fonologia estuda apenas sons pertinentes, ou
seja, com mudança de sentido Ex.: tia/dia.
MORFOLOGIA
A morfologia é o estudo da forma das palavras. Abrange o estudo
da estrutura e formação de palavras e o estudo das classes de
palavras (Substantivo, Adjetivo, Artigo, Numeral, Verbo, Pronome,
Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição).
SINTAXE
A sintaxe é o estudo das funções que as palavras podem adquirir
ao serem utilizadas na oração, nesse estudo, analisam-se também
as relações lógicas de sentido que essas funções podem dar.
A sintaxe de período simples estuda orações que contenham um
só verbo significativo. A sintaxe de período composto estuda
orações que contenham dois ou mais verbos que podem ou não
se relacionar. Ainda na parte sintática estudam-se a regência, a
concordância, funções do “se” e do “que”.
MORFOSSINTAXE
A morfossintaxe estuda as formas das palavras e sua aplicação nas
orações.
Em outras palavras, em uma frase como:
“O candidato é dedicado.”
O termo sublinhado é morfologicamente um substantivo,
sintaticamente um sujeito e morfossintaticamente é um
substantivo que exerce a função de núcleo do sujeito na oração.
SEMÂNTICA
A semântica estuda o sentido que as palavras assumem em uma
sentença. Esse estudo é, atualmente, um dos mais importantes
para os analistas do texto e do discurso.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
Didaticamente o texto já foi considerado um conjunto de frases,
posteriormente, um conjunto de palavras, mas devido ao avanço
dos estudos linguísticos, o conceito de texto mudou bastante.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
Hoje, segundo Costa Val, pode-se definir como texto “qualquer
produção linguística, falada ou escrita, de qualquer tamanho, que
possa fazer sentido numa situação de comunicação humana, isto
é, numa situação de interlocução”.
Por exemplo:
Uma aula é um texto, um e-mail é um texto, uma criança que,
dirigindo-se à mãe, aponta um brinquedo e diz “té” produz
um texto a partir do momento em que a mãe entende o que a
criança deseja. Assim, nenhum texto tem sentido em si
mesmo, todo texto pode fazer sentido, numa determinada
situação, para determinados interlocutores.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
O ser humano é o único animal que possui um sistema de
comunicação verbal elaborado.
Segundo Jackobson, a transmissão da linguagem pressupõe uma
mensagem para a qual se necessita um emissor (ou remetente) e
um receptor (ou destinatário).
A mensagem requer um contexto (situação) a que se refira e que
seja apreensível pelo receptor; ela é expressa num certo código
(linguagem) e para sua transmissão é necessário um canal ou
contato (modo como a mensagem será apresentada.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
(CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADO
R/09) Na propaganda apresentada, o
texto verbal que sintetiza corretamente
as ideias presentes estritamente na
imagem é que o cigarro é um (a)
a) vício que leva as pessoas à morte.
b) instrumento de prazer e desgosto, ao mesmo tempo.
c) arma, e por meio dela você está se matando.
d) forma de sociabilização das pessoas, mas mata.
e) marca do desequilíbrio das pessoas, antes de tudo.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
WILLY. Tribuna da Imprensa (RJ), 02 abr. 05.
A charge é um gênero textual que apresenta um caráter burlesco e
caricatural, em que se satiriza um fato específico, em geral de caráter
político e que é do conhecimento público.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
01) (CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADOR/09)No plano
linguístico, o humor da charge
a) tem como foco a imagem antagônica entre a palavra riqueza e
a figura do homem maltrapilho.
b) baseia-se no jogo polissêmico da palavra economia, ora
empregada como ciência, ora como conter gastos.
c) baseia-se na linguagem não verbal, que apresenta um homem
subnutrido como um exemplo de brasileiro.
d) está centrado na ironia com que é tratada a produção de
riquezas no Brasil.
e) reside na ideia de um morador de rua saber falar tão bem
sobre assuntos como política, saúde e economia.
DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO
a) embora.
02) (CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADOR/09)A primeira frase do
personagem pode ser lida como uma hipótese formulada a partir da fala que
faz a seguir. Apesar de não estarem ligadas por um conectivo, pode-se
perceber a relação estabelecida entre as duas orações. O conectivo que deve
ser usado para unir essas duas orações, mantendo o sentido, é
b) entretanto.
c) logo.
d) se.
e) pois.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relações Semânticas
Relações SemânticasRelações Semânticas
Relações Semânticas
Carolina Mazzotti
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
Semântica lexical
Semântica lexicalSemântica lexical
Semântica lexical
Joubert Castro Perez
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
iamraphael
 
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemElementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Ewerton Gindri
 
Ficha alpha 5 em redação 3ª série gabarito
Ficha alpha 5 em  redação 3ª série gabaritoFicha alpha 5 em  redação 3ª série gabarito
Ficha alpha 5 em redação 3ª série gabarito
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Metáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística CognitivaMetáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística Cognitiva
Ge Homrich
 
Resenha a linguagem em uso
Resenha  a linguagem em usoResenha  a linguagem em uso
Resenha a linguagem em uso
Edneide Lima
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
Angélica Manenti
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Texto e discurso   as vozes presentes no textoTexto e discurso   as vozes presentes no texto
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Roberta Scheibe
 
Texto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentidoTexto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentido
Eva Rocha
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
João Guedes de Souza
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Roberta Scheibe
 
Aula 3 sintaxe
Aula 3   sintaxeAula 3   sintaxe
Aula 3 sintaxe
Wilma Carvalho
 
Aula semântica
Aula   semânticaAula   semântica
Aula semântica
Mairus Prete
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Mayara Vellardi
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
vinivs
 
Conotação
ConotaçãoConotação
Conotação
Liliane Ennes
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Mayara Vellardi
 

Mais procurados (20)

Relações Semânticas
Relações SemânticasRelações Semânticas
Relações Semânticas
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Semântica lexical
Semântica lexicalSemântica lexical
Semântica lexical
 
Relação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotaçãoRelação de denotação e conotação
Relação de denotação e conotação
 
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da LinguagemElementos da Comunicação e Funções da Linguagem
Elementos da Comunicação e Funções da Linguagem
 
Ficha alpha 5 em redação 3ª série gabarito
Ficha alpha 5 em  redação 3ª série gabaritoFicha alpha 5 em  redação 3ª série gabarito
Ficha alpha 5 em redação 3ª série gabarito
 
Metáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística CognitivaMetáfora e Linguística Cognitiva
Metáfora e Linguística Cognitiva
 
Resenha a linguagem em uso
Resenha  a linguagem em usoResenha  a linguagem em uso
Resenha a linguagem em uso
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Texto e discurso   as vozes presentes no textoTexto e discurso   as vozes presentes no texto
Texto e discurso as vozes presentes no texto
 
Texto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentidoTexto, vozes e sentido
Texto, vozes e sentido
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Aula 3 sintaxe
Aula 3   sintaxeAula 3   sintaxe
Aula 3 sintaxe
 
Aula semântica
Aula   semânticaAula   semântica
Aula semântica
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Conotação
ConotaçãoConotação
Conotação
 
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
Intertextualidade em Monte Castelo: como os sentidos são construídos na compo...
 

Semelhante a Esquema geral gramatica_01

Compreensão Textual
Compreensão TextualCompreensão Textual
Compreensão Textual
Aprova Saúde
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
Rose Moraes
 
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptxInfluência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
AnnyGabrielly25
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz FiorinResenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
Jean Michel Gallo Soldatelli
 
CONTEXTUALIZAÇÃO
CONTEXTUALIZAÇÃOCONTEXTUALIZAÇÃO
CONTEXTUALIZAÇÃO
Gabriella Mendes
 
Artigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguisticaArtigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguistica
Alexandra Porcellis
 
O Mutualismo Linguagem-Contexto
O Mutualismo Linguagem-ContextoO Mutualismo Linguagem-Contexto
O Mutualismo Linguagem-Contexto
Lucas Moraes
 
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de TextosA Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Guia gêneros textuais
Guia gêneros textuaisGuia gêneros textuais
Guia gêneros textuais
renan446
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
Roberta Scheibe
 
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptxCONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
AstroHero1
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
Sabrina Dará
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Francione Brito
 
Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de lingua
LeYa
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
Fernanda Câmara
 
Divergências conceituais
Divergências conceituais   Divergências conceituais
Divergências conceituais
Roberta Fernandes
 
As teorias do signo e as significações lingüísticas
As teorias do signo e as significações lingüísticasAs teorias do signo e as significações lingüísticas
As teorias do signo e as significações lingüísticas
Mariana Correia
 
Artigo leituras orientadas em saussure e benveniste
Artigo leituras orientadas em saussure e benvenisteArtigo leituras orientadas em saussure e benveniste
Artigo leituras orientadas em saussure e benveniste
Giovana Lazzaretti
 
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguasA perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
Daniela Mittel
 

Semelhante a Esquema geral gramatica_01 (20)

Compreensão Textual
Compreensão TextualCompreensão Textual
Compreensão Textual
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptxInfluência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
Influência do trato da língua e da linguagem - Aula 02.pptx
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz FiorinResenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
Resenha crítica do livro "Linguagem e Ideologia" de José Luiz Fiorin
 
CONTEXTUALIZAÇÃO
CONTEXTUALIZAÇÃOCONTEXTUALIZAÇÃO
CONTEXTUALIZAÇÃO
 
Artigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguisticaArtigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguistica
 
O Mutualismo Linguagem-Contexto
O Mutualismo Linguagem-ContextoO Mutualismo Linguagem-Contexto
O Mutualismo Linguagem-Contexto
 
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de TextosA Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
 
Guia gêneros textuais
Guia gêneros textuaisGuia gêneros textuais
Guia gêneros textuais
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptxCONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO .pptx
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
 
Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de lingua
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Divergências conceituais
Divergências conceituais   Divergências conceituais
Divergências conceituais
 
As teorias do signo e as significações lingüísticas
As teorias do signo e as significações lingüísticasAs teorias do signo e as significações lingüísticas
As teorias do signo e as significações lingüísticas
 
Artigo leituras orientadas em saussure e benveniste
Artigo leituras orientadas em saussure e benvenisteArtigo leituras orientadas em saussure e benveniste
Artigo leituras orientadas em saussure e benveniste
 
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguasA perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
A perspectiva bakhtiniana de gênero do discurso e o ensino de línguas
 

Mais de PreOnline

Regência e Crase
Regência e CraseRegência e Crase
Regência e Crase
PreOnline
 
Colocacao pronominal
Colocacao pronominalColocacao pronominal
Colocacao pronominal
PreOnline
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
PreOnline
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
PreOnline
 
Estrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavrasEstrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavras
PreOnline
 
Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01
PreOnline
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do TrabalhoDireito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - FontesDireito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - Fontes
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do EmpregadoDireito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - EmpregadorDireito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - Empregador
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - EmpregoDireito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - Emprego
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e EmpregoDireito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de TrabalhoDireito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão ContratualDireito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em FeriadosDireito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e SalárioDireito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
PreOnline
 
Direito do Trabalho - Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Contrato de Trabalho
PreOnline
 

Mais de PreOnline (20)

Regência e Crase
Regência e CraseRegência e Crase
Regência e Crase
 
Colocacao pronominal
Colocacao pronominalColocacao pronominal
Colocacao pronominal
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
 
Concordancia nominal
Concordancia nominalConcordancia nominal
Concordancia nominal
 
Estrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavrasEstrutura e formacao_de_palavras
Estrutura e formacao_de_palavras
 
Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01Portugues morfologia 01
Portugues morfologia 01
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do TrabalhoDireito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
Direito do Trabalho - Princípios Específicos do Direito do Trabalho
 
Direito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - FontesDireito do Trabalho - Fontes
Direito do Trabalho - Fontes
 
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do EmpregadoDireito do Trabalho - Poderes do Empregado
Direito do Trabalho - Poderes do Empregado
 
Direito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - EmpregadorDireito do Trabalho - Empregador
Direito do Trabalho - Empregador
 
Direito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - EmpregoDireito do Trabalho - Emprego
Direito do Trabalho - Emprego
 
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e EmpregoDireito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
Direito do Trabalho - Distinção de Trabalho e Emprego
 
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso PrévioDireito do Trabalho - Aviso Prévio
Direito do Trabalho - Aviso Prévio
 
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de TrabalhoDireito do Trabalho - Jornada de Trabalho
Direito do Trabalho - Jornada de Trabalho
 
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão ContratualDireito do Trabalho - Rescisão Contratual
Direito do Trabalho - Rescisão Contratual
 
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em FeriadosDireito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
Direito do Trabalho - Repouso Semanal Remunerado e Descanso em Feriados
 
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e SalárioDireito do Trabalho - Remuneração e Salário
Direito do Trabalho - Remuneração e Salário
 
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Extinção do Contrato de Trabalho
 
Direito do Trabalho - Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Contrato de TrabalhoDireito do Trabalho - Contrato de Trabalho
Direito do Trabalho - Contrato de Trabalho
 

Último

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Esquema geral gramatica_01

  • 1. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PORTUGUÊS
  • 2. GRAMÁTICA O termo “Gramática” pode ser usado em distintas acepções. Podemos considerar a gramática um manual em que as regras de uso da língua estão explicitadas, ou seja, um livro; mas o verdadeiro sentido do termo é o “conjunto de regras de uma dada língua” e, nesse sentido, todo falante tem um saber interiorizado da língua materna.
  • 3. GRAMÁTICA Existem diversos tipos de gramáticas, mas a chamada gramática normativa é a mais conhecida, isso porque é estudada durante o período escolar, e é a que abordamos na presente apostila. A gramática normativa não é parte de um estudo científico, mas é dada socialmente. Os gramáticos normalmente dividem a gramática (livro) em partes. São elas:
  • 4. FONÉTICA E FONOLOGIA A fonética estuda o som em todas as suas manifestações, sejam elas pertinentes ou não pertinentes, ou seja, com mudança ou não de sentido. A fonologia estuda apenas sons pertinentes, ou seja, com mudança de sentido Ex.: tia/dia.
  • 5. MORFOLOGIA A morfologia é o estudo da forma das palavras. Abrange o estudo da estrutura e formação de palavras e o estudo das classes de palavras (Substantivo, Adjetivo, Artigo, Numeral, Verbo, Pronome, Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição).
  • 6. SINTAXE A sintaxe é o estudo das funções que as palavras podem adquirir ao serem utilizadas na oração, nesse estudo, analisam-se também as relações lógicas de sentido que essas funções podem dar. A sintaxe de período simples estuda orações que contenham um só verbo significativo. A sintaxe de período composto estuda orações que contenham dois ou mais verbos que podem ou não se relacionar. Ainda na parte sintática estudam-se a regência, a concordância, funções do “se” e do “que”.
  • 7. MORFOSSINTAXE A morfossintaxe estuda as formas das palavras e sua aplicação nas orações. Em outras palavras, em uma frase como: “O candidato é dedicado.” O termo sublinhado é morfologicamente um substantivo, sintaticamente um sujeito e morfossintaticamente é um substantivo que exerce a função de núcleo do sujeito na oração.
  • 8. SEMÂNTICA A semântica estuda o sentido que as palavras assumem em uma sentença. Esse estudo é, atualmente, um dos mais importantes para os analistas do texto e do discurso.
  • 9. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO Didaticamente o texto já foi considerado um conjunto de frases, posteriormente, um conjunto de palavras, mas devido ao avanço dos estudos linguísticos, o conceito de texto mudou bastante.
  • 10. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO Hoje, segundo Costa Val, pode-se definir como texto “qualquer produção linguística, falada ou escrita, de qualquer tamanho, que possa fazer sentido numa situação de comunicação humana, isto é, numa situação de interlocução”. Por exemplo: Uma aula é um texto, um e-mail é um texto, uma criança que, dirigindo-se à mãe, aponta um brinquedo e diz “té” produz um texto a partir do momento em que a mãe entende o que a criança deseja. Assim, nenhum texto tem sentido em si mesmo, todo texto pode fazer sentido, numa determinada situação, para determinados interlocutores.
  • 11. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO O ser humano é o único animal que possui um sistema de comunicação verbal elaborado. Segundo Jackobson, a transmissão da linguagem pressupõe uma mensagem para a qual se necessita um emissor (ou remetente) e um receptor (ou destinatário). A mensagem requer um contexto (situação) a que se refira e que seja apreensível pelo receptor; ela é expressa num certo código (linguagem) e para sua transmissão é necessário um canal ou contato (modo como a mensagem será apresentada.
  • 12. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO (CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADO R/09) Na propaganda apresentada, o texto verbal que sintetiza corretamente as ideias presentes estritamente na imagem é que o cigarro é um (a) a) vício que leva as pessoas à morte. b) instrumento de prazer e desgosto, ao mesmo tempo. c) arma, e por meio dela você está se matando. d) forma de sociabilização das pessoas, mas mata. e) marca do desequilíbrio das pessoas, antes de tudo.
  • 13. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO WILLY. Tribuna da Imprensa (RJ), 02 abr. 05. A charge é um gênero textual que apresenta um caráter burlesco e caricatural, em que se satiriza um fato específico, em geral de caráter político e que é do conhecimento público.
  • 14. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO 01) (CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADOR/09)No plano linguístico, o humor da charge a) tem como foco a imagem antagônica entre a palavra riqueza e a figura do homem maltrapilho. b) baseia-se no jogo polissêmico da palavra economia, ora empregada como ciência, ora como conter gastos. c) baseia-se na linguagem não verbal, que apresenta um homem subnutrido como um exemplo de brasileiro. d) está centrado na ironia com que é tratada a produção de riquezas no Brasil. e) reside na ideia de um morador de rua saber falar tão bem sobre assuntos como política, saúde e economia.
  • 15. DEFINIÇÃO DO TERMO TEXTO a) embora. 02) (CESGRANRIO/FUNASA/ADMINISTRADOR/09)A primeira frase do personagem pode ser lida como uma hipótese formulada a partir da fala que faz a seguir. Apesar de não estarem ligadas por um conectivo, pode-se perceber a relação estabelecida entre as duas orações. O conectivo que deve ser usado para unir essas duas orações, mantendo o sentido, é b) entretanto. c) logo. d) se. e) pois.