SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Mo rfo lo gia da
L í ngua
P o rtuguesa

Professora:
Célia Barbosa
CONCEITO DE GRAMÁTICA
MARTELLOTA, M. (org.) Manual de Linguística. São Paulo: Contexto. 2008.

→ Os enunciados linguísticos resultam da combinação de
unidades menores. Na construção desses enunciados, os
falantes unem morfemas para formar vocábulos, vocábulos
para formar frases e frases para formar unidades ainda
maiores, que compõem o discurso. Essas unidades podem
ser caracterizadas como universais, já que todas as
línguas são articuladas – possuem fonemas, morfemas,
palavras, frases – e não apresentam diferenças
significativas quanto à natureza dessas unidades.
→ Alguns questionamentos são:
■ Como se dá essa combinação?
■ Os falantes combinam os elementos na frase do modo
como bem entendem ou existem restrições impostas
pelas línguas no que diz respeito a esse processo?
■ Se existem restrições, qual a sua natureza?
■ Elas provêm dos padrões de correção de uso da língua
impostos pela comunidade?
■ São arbitrarias?
■ Refletem o funcionamento natural da mente humana,
sendo, portanto, universais?
→ Devemos levar em conta que os falantes não
combinam os elementos do modo como querem, já que
sua língua apresenta restrições quanto a esse
processo.
→ Restrições de combinação desse tipo existem em
todos os níveis gramaticais e se aplicam a todos os
elementos linguísticos. Vejamos como isso ocorre no
nível da frase:
a) O aluno entregou o trabalho.
b) O trabalho o aluno entregou.
c) ?Entregou o aluno o trabalho.
d) *Aluno o entregou trabalho o.
→ Gramática = conjunto de interpretações
(refletem a natureza e funcionamento das
línguas) e descrições do funcionamento da língua.
→ Existem dois sentidos para o termo “gramática”:
■ o primeiro pode ser usado para designar o
funcionamento da própria língua, que é o objeto a
ser descrito pelo cientista;
■ o segundo é utilizado para designar os estudos
que buscam descrever a natureza desses
elementos e suas restrições de combinação. Nesse
segundo sentido, “gramática” se refere aos
modelos teóricos criados pelos cientistas a fim de
explicar o funcionamento da língua.
GRAMÁTICA TRADICIONAL = gramática normativa ou
gramática escolar, é aquela que estudamos na escola
desde pequenos.
→ Visão preconceituosa do uso da linguagem, a
gramática tradicional não fornece ao estudioso da
linguagem uma teoria adequada para descrever o
funcionamento gramatical das línguas.
→ Tem origem em uma tradição de estudos de base
filosófica que se iniciou na Grécia antiga. Visão,
inaugurada por Aristóteles, de que existe uma forte
relação entre linguagem e lógica.
→ Para Aristóteles, a lógica seria o instrumento que
precede o exercício do pensamento e da linguagem,
oferecendo-lhes meios para realizar o conhecimento e
o discurso. A linguagem seria, portanto, uma mera
representação de um mundo já pronto, um instrumento
para nomear idéias preexistentes. Esses princípios
caracterizam o que alguns autores chamam de
fundacionalismo e outros de realismo. O uso ideal da
língua grega.
→ Ao conceber a existência de formas gramaticais
corretas, os gramáticos tradicionais abandonam
determinadas formas consideradas erradas, mas que
são efetivamente utilizadas pelos falantes na
comunicação diária. Com isso, essa gramática adota
uma visão parcial da língua, sendo incapaz de
explicar a natureza da linguagem em sua totalidade.
GRAMÁTICA HISTÓRICO-COMPARATIVA = pode ser
definida, em linhas gerais, como uma proposta de
comparar elementos gramaticais de línguas de origem
comum a fim de detectar a estrutura da língua original
da qual elas se desenvolveram (no final do século XIX,
toma força na Alemanha).
→ Por que surgiu essa abordagem?
■ Surgiu a partir da constatação da grande semelhança
do sânscrito, língua antiga da Índia, com o latim, com o
grego e com uma grande quantidade de línguas
européias. Essa semelhança pode ser ilustrada com os
termos correspondentes ao sentido da palavra
portuguesa “mãe” (mulher que gera filhos): maatar, em
sânscrito; mâter, em latim; mçtçr, em grego; mother, em
inglês, mutter, em alemão.
LATIM

FRANCÊS

ITALIANO

ESPANHOL

PORTUGUÊS

caput

chef

capo

cabo

cabeça

cãrus

cher

caro

caro

caro

campus

champ

campo

campo

campo

cabãllus

cheval

cavallo

cabalo

cavalo

→ Considera-se que essa tendência marca o início de
uma nova ciência, a linguística, já que pela primeira vez
um grupo de cientistas se interessa por analisar as
características inerentes às línguas naturais, sem
interesses filosóficos ou normativos, mas observando
critérios estritamente linguísticos.
→ Limitação da gramática histórico-comparativa no
sentido de descrever completamente a estrutura
gramatical das línguas:
■ os comparatistas restringiam sua visão a uma
abordagem histórica do funcionamento gramatical,
vendo-o como resultado de mudanças linguísticas
regulares. Com isso, deixavam de lado a descrição
do funcionamento da língua como um fenômeno
sincrônico, ou seja, como um sistema de
comunicação utilizado, em um momento específico
do tempo, por falantes que não conhecem – e, pelo
menos aparentemente, não precisam conhecer – a
evolução histórica da língua que utilizam, mas que,
ainda assim, se comunicam perfeitamente com seus
interlocutores.
GRAMÁTICA ESTRUTURAL = a tendência de analisar as
línguas, conhecida como gramática estrutural, ou
estruturalismo, se desenvolveu na primeira metade do
século xx, sob a influência das ideias de Ferdinand de
Saussure, divulgadas através da publicação póstuma de
seu livro, o Curso de linguística geral.
→ Pode ser caracterizada, em linhas gerais, como uma
tendência de descrever a estrutura gramatical das línguas,
vendo-as como um sistema autônomo, cujas partes se
organizam em uma rede de relações de acordo com leis
internas, ou seja, inerentes ao próprio sistema.
→ Para compreendermos bem essa definição, é
interessante lembrarmos a distinção entre langue e
parole proposta por Saussure (precursor dessa
tendência nos estudos da linguagem).
→ Saussure propunha que a langue constitui um sistema
linguístico de base social que é utilizado como meio de
comunicação pelos membros de uma determinada
comunidade = um fenômeno coletivo, sendo
compartilhada e produzida socialmente. A língua é
exterior
ao
indivíduo,
sendo
interiorizada
coercitivamente por eles. Isso nos leva ao conceito de
parole, que se refere ao uso individual do sistema.
→ Desenvolvendo um pouco mais essa noção tão
importante para a compreensão da concepção estrutural
de gramática, podemos relacionar a concepção
saussuriana de sistema a três aspectos importantes:
a) a existência de um conjunto de elementos;
b) o fato de que cada elemento só tem valor em relação a
outros, organizando­ se solidariamente em um todo, que
deve sempre ter prioridade sobre as partes que contém;
c) a existência de um conjunto de regras que comanda a
combinação dos elementos para formar unidades
maiores.
→ A dicotomia entre langue e parole é a atitude assumida
por Saussure de propor a langue como objeto de estudo
da linguística, retirando a parole do campo de interesse
dessa ciência.
→ Há limitações quanto às possibilidades de união de
sons para formar palavras, e essas restrições são
diferentes de língua para língua. Cada língua processa
esse mecanismo de modo diferente. Assim, se
quisermos criar em nossa língua uma palavra para
designar um novo objeto, essa palavra não poderia ser,
por exemplo, *slamro, já que não são típicos do
português encontros consonantais como sl e mr.
→ O estruturalismo promove a exclusão do sujeito e de
sua criatividade para adaptar sua fala aos diferentes
contextos, retirando do âmbito dos estudos linguísticos
fenômenos sociointerativos, que, pelo menos para
alguns
linguistas
modernos,
se
mostraram
fundamentais para a compreensão da natureza da
linguagem.
GRAMÁTICA GERATIVA = surge na década de 1950 ou,
mais precisamente, em 1957 ­ com a publicação do livro
Estruturas sintática pelo linguista norte­americano Noam
Chomsky.
→ Para Chomsky, a natureza da linguagem é, assim,
relacionada à estrutura biológica humana, e a teoria
linguística passa a ter o objetivo de explicar o
funcionamento de um órgão mental particular responsável
pelo funcionamento da linguagem humana.
→ Dois princípios teóricos básicos caracterizam a
concepção gerativa de gramática:
■ o primeiro deles é o chamado princípios do inatismo,
segundo o qual existe uma estrutura inata,
constituída de um conjunto de princípios gerais que
impõem limites na variação entre as línguas e que se
manifestam como dados universais, ou seja, presentes
em todas as línguas do mundo = gramática universal
(GU). O esquema abaixo busca ilustrar como se dá
GU
esse fenômeno:
DADOS DA EXPERIÊNCIA LINGUÍSTICA

português

japonês

swahili

carajá ...
■ o segundo princípio gerativista é o princípio da
modularidade da mente, que prevê que nossa mente é
modular, ou seja, constituída de módulos ou partes,
caracterizados como sistema cognitivos diferentes
entre si, que trabalham separadamente. Em outras
palavras cada um desses módulos da mente responde
pela estrutura e desenvolvimento de uma atividade
cognitiva.
→ Chomsky assume uma posição semelhante à de
Saussure ao sustentar que o objeto de estudo da
lingüística deve ser a competência, e não o
desempenho. Isso significa que mais uma vez o
sujeito, como usuário real da língua, e suas habilidades
sociointerativas ficam de fora dos estudos linguísticos.
→ A linguagem é vista como um sistema autônomo,
indiferente aos interesses do sujeito que o utiliza às
características do ambiente social em que atua. Essa
noção de linguagem, associada à lógica universal, que
ressalta nossa capacidade de criar um número infinito
de frases, não leva em conta a perspectiva de quem
produz o discurso ou sua criatividade ao adaptar sua
fala aos diferentes contextos comunicativos, não
dando conta adequadamente de traços básicos,
associados às línguas, como variação e mudança.
GRAMÁTICA COGNITIVO-FUNCIONAL = esta-se utilizando o termo
“cognitivo-funcional” para designar um conjunto de propostas teóricometodológicas que caracterizam algumas escolas de natureza
relativamente distinta, que, adotando princípios distintos dos que
caracterizam o formalismo gerativista, apresentam alguns pontos em
comum:
a) observam o uso da língua, considerando-o fundamental para a
compreensão da natureza da linguagem;
b) observam não apenas o nível da frase, analisando, sobretudo, o
texto e o diálogo;
c) têm uma visão da dinâmica das línguas, ou seja, focalizam a
criatividade do falante para adaptar as estruturas linguísticas aos
diferentes contextos de comunicação;
d) consideram que a linguagem reflete um conjunto complexo de
atividades comunicativas, sociais e cognitivas, integradas com o
resto da psicologia humana, isto é, sua estrutura é consequente de
processos gerais de pensamento que os indivíduos elaboram ao
criarem significados em situações de interação com outros
indivíduos.
→ Essas características se adaptam a escolas como o
funcionalismo (norte-americano ou europeu), à linguística
sociocognitiva, à linguística textual, à sociolinguística, à
linguística sociointerativa; entre outras.
→ Em linhas gerais, a gramática cognitivo-funcional alarga
o escopo dos estudos linguísticas para além dos fenômenos
estruturais e que, portanto, seu ponto de vista é distinto.
Esse tipo de gramática analisa a estrutura gramatical, assim
como as gramáticas estrutural e gerativa, mas também
analisa a situação de comunicação inteira: o propósito do
evento de fala, seus participantes e seu contexto discursivo.
No uso da língua, determinados aspectos de cunho
comunicativo e cognitivo são atualizados e, se queremos
compreender o funcionamento da linguagem humana,
temos de levar em conta esses aspectos.
→ Há entre discurso e gramática uma espécie de relação
de simbiose: o discurso precisa dos padrões da gramática
para se processar, mas a gramática se alimenta do
discurso, renovando-se para se adaptar às novas
situações de interação. O esquema abaixo ilustra esse
processo:
GRAMÁTICA

DISCURSO

Cliente: - Esta televisão não está funcionando.
Vendedor: - Não há problema, senhor. Vamos
providenciar a troca do aparelho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 

Mais procurados (20)

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Termos Integrantes Da OraçãO
Termos Integrantes Da OraçãOTermos Integrantes Da OraçãO
Termos Integrantes Da OraçãO
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Recursos ortográficos e efeitos de sentido
Recursos ortográficos e efeitos de sentidoRecursos ortográficos e efeitos de sentido
Recursos ortográficos e efeitos de sentido
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 

Destaque (7)

Gramática - Substantivo
Gramática - SubstantivoGramática - Substantivo
Gramática - Substantivo
 
Apresentação da Disciplina
Apresentação da DisciplinaApresentação da Disciplina
Apresentação da Disciplina
 
O que é gramática
O que é gramáticaO que é gramática
O que é gramática
 
Classes Palavras 7ano
Classes Palavras 7anoClasses Palavras 7ano
Classes Palavras 7ano
 
Gramática.Noções Básicas
Gramática.Noções BásicasGramática.Noções Básicas
Gramática.Noções Básicas
 
Morfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e InvariáveisMorfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
 
O funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguisticoO funcionalismo linguistico
O funcionalismo linguistico
 

Semelhante a morfologia

Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de lingua
LeYa
 
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
Luciane Lucyk
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Francione Brito
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Mariana Correia
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos sal
Sandra Campelo
 

Semelhante a morfologia (20)

Conceitos de Gramática.pptx
Conceitos de Gramática.pptxConceitos de Gramática.pptx
Conceitos de Gramática.pptx
 
Conceito de lingua
Conceito de linguaConceito de lingua
Conceito de lingua
 
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
3.2 Funcionalismo (Martelotta).pdf
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
 
Introdução à Linguística
Introdução à LinguísticaIntrodução à Linguística
Introdução à Linguística
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Seminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobsonSeminário linguistica e comunicação jakobson
Seminário linguistica e comunicação jakobson
 
Linguística como ciência
Linguística como ciênciaLinguística como ciência
Linguística como ciência
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Resumão linguagem
Resumão linguagemResumão linguagem
Resumão linguagem
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
 
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptxAULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
 
Caderno de resumos sal
Caderno de resumos   salCaderno de resumos   sal
Caderno de resumos sal
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesaBakhtin   generos textuais e ensino de lingua portuguesa
Bakhtin generos textuais e ensino de lingua portuguesa
 

Mais de Fernanda Câmara

Mais de Fernanda Câmara (20)

As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.
 
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
 
Elisabete badinter
Elisabete badinterElisabete badinter
Elisabete badinter
 
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulherCassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
 
Bourdieu
BourdieuBourdieu
Bourdieu
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
 
Gramática travaglia
Gramática   travagliaGramática   travaglia
Gramática travaglia
 
Prática texto 2
Prática   texto 2Prática   texto 2
Prática texto 2
 
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
 
Teoria da enunciação
Teoria da enunciaçãoTeoria da enunciação
Teoria da enunciação
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
 
Arquivo 4
Arquivo 4Arquivo 4
Arquivo 4
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 
Arquivo 1
Arquivo 1Arquivo 1
Arquivo 1
 
Teoria literária 2
Teoria literária 2Teoria literária 2
Teoria literária 2
 
Safo
SafoSafo
Safo
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

morfologia

  • 1. Mo rfo lo gia da L í ngua P o rtuguesa Professora: Célia Barbosa
  • 2. CONCEITO DE GRAMÁTICA MARTELLOTA, M. (org.) Manual de Linguística. São Paulo: Contexto. 2008. → Os enunciados linguísticos resultam da combinação de unidades menores. Na construção desses enunciados, os falantes unem morfemas para formar vocábulos, vocábulos para formar frases e frases para formar unidades ainda maiores, que compõem o discurso. Essas unidades podem ser caracterizadas como universais, já que todas as línguas são articuladas – possuem fonemas, morfemas, palavras, frases – e não apresentam diferenças significativas quanto à natureza dessas unidades.
  • 3. → Alguns questionamentos são: ■ Como se dá essa combinação? ■ Os falantes combinam os elementos na frase do modo como bem entendem ou existem restrições impostas pelas línguas no que diz respeito a esse processo? ■ Se existem restrições, qual a sua natureza? ■ Elas provêm dos padrões de correção de uso da língua impostos pela comunidade? ■ São arbitrarias? ■ Refletem o funcionamento natural da mente humana, sendo, portanto, universais?
  • 4. → Devemos levar em conta que os falantes não combinam os elementos do modo como querem, já que sua língua apresenta restrições quanto a esse processo. → Restrições de combinação desse tipo existem em todos os níveis gramaticais e se aplicam a todos os elementos linguísticos. Vejamos como isso ocorre no nível da frase: a) O aluno entregou o trabalho. b) O trabalho o aluno entregou. c) ?Entregou o aluno o trabalho. d) *Aluno o entregou trabalho o.
  • 5. → Gramática = conjunto de interpretações (refletem a natureza e funcionamento das línguas) e descrições do funcionamento da língua. → Existem dois sentidos para o termo “gramática”: ■ o primeiro pode ser usado para designar o funcionamento da própria língua, que é o objeto a ser descrito pelo cientista; ■ o segundo é utilizado para designar os estudos que buscam descrever a natureza desses elementos e suas restrições de combinação. Nesse segundo sentido, “gramática” se refere aos modelos teóricos criados pelos cientistas a fim de explicar o funcionamento da língua.
  • 6. GRAMÁTICA TRADICIONAL = gramática normativa ou gramática escolar, é aquela que estudamos na escola desde pequenos. → Visão preconceituosa do uso da linguagem, a gramática tradicional não fornece ao estudioso da linguagem uma teoria adequada para descrever o funcionamento gramatical das línguas. → Tem origem em uma tradição de estudos de base filosófica que se iniciou na Grécia antiga. Visão, inaugurada por Aristóteles, de que existe uma forte relação entre linguagem e lógica. → Para Aristóteles, a lógica seria o instrumento que precede o exercício do pensamento e da linguagem, oferecendo-lhes meios para realizar o conhecimento e o discurso. A linguagem seria, portanto, uma mera representação de um mundo já pronto, um instrumento para nomear idéias preexistentes. Esses princípios caracterizam o que alguns autores chamam de fundacionalismo e outros de realismo. O uso ideal da língua grega.
  • 7. → Ao conceber a existência de formas gramaticais corretas, os gramáticos tradicionais abandonam determinadas formas consideradas erradas, mas que são efetivamente utilizadas pelos falantes na comunicação diária. Com isso, essa gramática adota uma visão parcial da língua, sendo incapaz de explicar a natureza da linguagem em sua totalidade.
  • 8. GRAMÁTICA HISTÓRICO-COMPARATIVA = pode ser definida, em linhas gerais, como uma proposta de comparar elementos gramaticais de línguas de origem comum a fim de detectar a estrutura da língua original da qual elas se desenvolveram (no final do século XIX, toma força na Alemanha). → Por que surgiu essa abordagem? ■ Surgiu a partir da constatação da grande semelhança do sânscrito, língua antiga da Índia, com o latim, com o grego e com uma grande quantidade de línguas européias. Essa semelhança pode ser ilustrada com os termos correspondentes ao sentido da palavra portuguesa “mãe” (mulher que gera filhos): maatar, em sânscrito; mâter, em latim; mçtçr, em grego; mother, em inglês, mutter, em alemão.
  • 9. LATIM FRANCÊS ITALIANO ESPANHOL PORTUGUÊS caput chef capo cabo cabeça cãrus cher caro caro caro campus champ campo campo campo cabãllus cheval cavallo cabalo cavalo → Considera-se que essa tendência marca o início de uma nova ciência, a linguística, já que pela primeira vez um grupo de cientistas se interessa por analisar as características inerentes às línguas naturais, sem interesses filosóficos ou normativos, mas observando critérios estritamente linguísticos.
  • 10. → Limitação da gramática histórico-comparativa no sentido de descrever completamente a estrutura gramatical das línguas: ■ os comparatistas restringiam sua visão a uma abordagem histórica do funcionamento gramatical, vendo-o como resultado de mudanças linguísticas regulares. Com isso, deixavam de lado a descrição do funcionamento da língua como um fenômeno sincrônico, ou seja, como um sistema de comunicação utilizado, em um momento específico do tempo, por falantes que não conhecem – e, pelo menos aparentemente, não precisam conhecer – a evolução histórica da língua que utilizam, mas que, ainda assim, se comunicam perfeitamente com seus interlocutores.
  • 11. GRAMÁTICA ESTRUTURAL = a tendência de analisar as línguas, conhecida como gramática estrutural, ou estruturalismo, se desenvolveu na primeira metade do século xx, sob a influência das ideias de Ferdinand de Saussure, divulgadas através da publicação póstuma de seu livro, o Curso de linguística geral. → Pode ser caracterizada, em linhas gerais, como uma tendência de descrever a estrutura gramatical das línguas, vendo-as como um sistema autônomo, cujas partes se organizam em uma rede de relações de acordo com leis internas, ou seja, inerentes ao próprio sistema.
  • 12. → Para compreendermos bem essa definição, é interessante lembrarmos a distinção entre langue e parole proposta por Saussure (precursor dessa tendência nos estudos da linguagem). → Saussure propunha que a langue constitui um sistema linguístico de base social que é utilizado como meio de comunicação pelos membros de uma determinada comunidade = um fenômeno coletivo, sendo compartilhada e produzida socialmente. A língua é exterior ao indivíduo, sendo interiorizada coercitivamente por eles. Isso nos leva ao conceito de parole, que se refere ao uso individual do sistema.
  • 13. → Desenvolvendo um pouco mais essa noção tão importante para a compreensão da concepção estrutural de gramática, podemos relacionar a concepção saussuriana de sistema a três aspectos importantes: a) a existência de um conjunto de elementos; b) o fato de que cada elemento só tem valor em relação a outros, organizando­ se solidariamente em um todo, que deve sempre ter prioridade sobre as partes que contém; c) a existência de um conjunto de regras que comanda a combinação dos elementos para formar unidades maiores. → A dicotomia entre langue e parole é a atitude assumida por Saussure de propor a langue como objeto de estudo da linguística, retirando a parole do campo de interesse dessa ciência.
  • 14. → Há limitações quanto às possibilidades de união de sons para formar palavras, e essas restrições são diferentes de língua para língua. Cada língua processa esse mecanismo de modo diferente. Assim, se quisermos criar em nossa língua uma palavra para designar um novo objeto, essa palavra não poderia ser, por exemplo, *slamro, já que não são típicos do português encontros consonantais como sl e mr. → O estruturalismo promove a exclusão do sujeito e de sua criatividade para adaptar sua fala aos diferentes contextos, retirando do âmbito dos estudos linguísticos fenômenos sociointerativos, que, pelo menos para alguns linguistas modernos, se mostraram fundamentais para a compreensão da natureza da linguagem.
  • 15. GRAMÁTICA GERATIVA = surge na década de 1950 ou, mais precisamente, em 1957 ­ com a publicação do livro Estruturas sintática pelo linguista norte­americano Noam Chomsky. → Para Chomsky, a natureza da linguagem é, assim, relacionada à estrutura biológica humana, e a teoria linguística passa a ter o objetivo de explicar o funcionamento de um órgão mental particular responsável pelo funcionamento da linguagem humana. → Dois princípios teóricos básicos caracterizam a concepção gerativa de gramática:
  • 16. ■ o primeiro deles é o chamado princípios do inatismo, segundo o qual existe uma estrutura inata, constituída de um conjunto de princípios gerais que impõem limites na variação entre as línguas e que se manifestam como dados universais, ou seja, presentes em todas as línguas do mundo = gramática universal (GU). O esquema abaixo busca ilustrar como se dá GU esse fenômeno: DADOS DA EXPERIÊNCIA LINGUÍSTICA português japonês swahili carajá ...
  • 17. ■ o segundo princípio gerativista é o princípio da modularidade da mente, que prevê que nossa mente é modular, ou seja, constituída de módulos ou partes, caracterizados como sistema cognitivos diferentes entre si, que trabalham separadamente. Em outras palavras cada um desses módulos da mente responde pela estrutura e desenvolvimento de uma atividade cognitiva. → Chomsky assume uma posição semelhante à de Saussure ao sustentar que o objeto de estudo da lingüística deve ser a competência, e não o desempenho. Isso significa que mais uma vez o sujeito, como usuário real da língua, e suas habilidades sociointerativas ficam de fora dos estudos linguísticos.
  • 18. → A linguagem é vista como um sistema autônomo, indiferente aos interesses do sujeito que o utiliza às características do ambiente social em que atua. Essa noção de linguagem, associada à lógica universal, que ressalta nossa capacidade de criar um número infinito de frases, não leva em conta a perspectiva de quem produz o discurso ou sua criatividade ao adaptar sua fala aos diferentes contextos comunicativos, não dando conta adequadamente de traços básicos, associados às línguas, como variação e mudança.
  • 19. GRAMÁTICA COGNITIVO-FUNCIONAL = esta-se utilizando o termo “cognitivo-funcional” para designar um conjunto de propostas teóricometodológicas que caracterizam algumas escolas de natureza relativamente distinta, que, adotando princípios distintos dos que caracterizam o formalismo gerativista, apresentam alguns pontos em comum: a) observam o uso da língua, considerando-o fundamental para a compreensão da natureza da linguagem; b) observam não apenas o nível da frase, analisando, sobretudo, o texto e o diálogo; c) têm uma visão da dinâmica das línguas, ou seja, focalizam a criatividade do falante para adaptar as estruturas linguísticas aos diferentes contextos de comunicação; d) consideram que a linguagem reflete um conjunto complexo de atividades comunicativas, sociais e cognitivas, integradas com o resto da psicologia humana, isto é, sua estrutura é consequente de processos gerais de pensamento que os indivíduos elaboram ao criarem significados em situações de interação com outros indivíduos.
  • 20. → Essas características se adaptam a escolas como o funcionalismo (norte-americano ou europeu), à linguística sociocognitiva, à linguística textual, à sociolinguística, à linguística sociointerativa; entre outras. → Em linhas gerais, a gramática cognitivo-funcional alarga o escopo dos estudos linguísticas para além dos fenômenos estruturais e que, portanto, seu ponto de vista é distinto. Esse tipo de gramática analisa a estrutura gramatical, assim como as gramáticas estrutural e gerativa, mas também analisa a situação de comunicação inteira: o propósito do evento de fala, seus participantes e seu contexto discursivo. No uso da língua, determinados aspectos de cunho comunicativo e cognitivo são atualizados e, se queremos compreender o funcionamento da linguagem humana, temos de levar em conta esses aspectos.
  • 21. → Há entre discurso e gramática uma espécie de relação de simbiose: o discurso precisa dos padrões da gramática para se processar, mas a gramática se alimenta do discurso, renovando-se para se adaptar às novas situações de interação. O esquema abaixo ilustra esse processo: GRAMÁTICA DISCURSO Cliente: - Esta televisão não está funcionando. Vendedor: - Não há problema, senhor. Vamos providenciar a troca do aparelho.