SlideShare uma empresa Scribd logo
Mídia e Religiões: Notas sobre a comunicação neopentecostal   Janaine Aires  Universidade Federal da Paraíba Enecom Parahyba 2010 – Que a comunicação se pinte de povo!
Introdução Analisar o processo de midiatização da sociedade estabelecendo foco no campo religioso;  Objeto Empírico: Programa Fala que eu te escuto da Igreja Universal do Reino de Deus;  Conceitos: Midiatização da Sociedade e Processo de Secularização da Religião.
Metodologia  “ O conhecimento não se estende de quem se julga sabedor até aqueles que se julgam não saberem, o conhecimento se constitui nas relações homem-mundo, relações de transformação e se aperfeiçoa na problematização crítica dessas relações.” Paulo Freire
Considerações Iniciais  Fenômeno Social em crescimento, necessidade de acompanhamento acadêmico;  Análises das expressões religiosas também são análises e exames da realidade social; O crescimento do seguimento neopentecostal aponta para o fato de que o discurso produzido em seus veículos tem penetrabilidade social e reflete os anseios e o modo de organização da espiritualidade de uma parcela considerável da sociedade.
Processo de Midiatização da Sociedade “ Complexo e amplo processo em que os dispositivos midiáticos agem sobre as práticas sociais, estruturando-as por meio de operações tecno-simbólicas”  (BORELLI,2009)
Processo de Midiatização da Sociedade   Injunções que se estabelecem também em outros campos da sociedade como a educação, por exemplo, e não se referem exclusivamente ao espaço religioso;
Identidade Neopentecostal  É preciso ter consciência da complexidade e diversidade de crenças, práticas religiosas e estrutura organizacional das denominações para ter êxito na sua classificação; Os neopentecostais apresentam-se em oposição às religiões mediúnicas.
Ondas de Implantação no Brasil  Década de 1910  - Pentecostalismo Clássico: Assembleia de Deus e Congregação Cristã. Década de 1950  – Pentecostalismo Neoclássico: Igreja do Evangelho Quadrangular, a Brasil para Cristo e a Deus é amor.  Década de 1970  – Neopentecostalismo: Igreja Universal, Igreja Internacional da Graça.
Flexibilidade Neopentecostal  O Neopentecostalismo rompeu com os estereótipos da santidade do crente; processo de “neopentecostalização” de outras denominações (MARIANO,1999); nem mesmo no movimento neopentecostal há uma homogeneidade teológica;  A demarcação identitária tornou-se problemática com o advento do Neopentecostalismo.
Universal  1977 – Rio de Janeiro; Fundador: Bispo Edir Macedo;  Complexo Comunicacional:  uma rede de rádios; emissoras de TV – a Rede Record de Televisão; a maior gravadora gospel do Brasil; o jornal  Folha Universal,  com distribuição gratuita e de uma tiragem semanal de dois milhões de exemplares; o jornal Hoje em Dia, distribuído em Minas Gerais; um portal na internet; uma editora de livros “cristãos”, com parque gráfico próprio e que vende em livrarias próprias presentes em todas as capitais do Brasil.
Caldo de cultivo/cultura “ Estas religiões encontram um caldo de cultivo na precária formação cultural do povo, no seu abandono, no seu desespero diante de suas condições miseráveis de existência. Ademais, elas sabem desenvolver com maestria – como faz também a Igreja Católica – formas de socialização entre pessoas, que vão das festas e rituais aos vínculos de solidariedade e fidelidade e, finalmente, à perspectiva de uma outra vida no além, que compense e justifique os sofrimentos da vida terrena.” (DOS SANTOS, 1991, pg 233)
Rígida divisão administrativa  Bispos: regulam as linhas doutrinárias e supervisionam os pastores;  Pastores: serviços religiosos dos cultos, orientação dos obreiros e administração de templos locais;  Obreiros: subordinado aos pastores e encarregados da divulgação e auxilios diversos ao pastor;  Mulheres: podem exercer a função de obreira e no máximo atingem o patamar de mulher de pastor.
Centralidade do Dinheiro na Espiritualidade  “ As ideias  têm um significado social que não é revelado por sua análise frontal e imanente. Consequentemente, as ideias podem ser efetuadas no contexto social em que são concebidas e expressas, sendo nesse panorama semântico que sua significação se torna concreta.”(Mammheim, apud SILVA, 2009)
Centralidade do Dinheiro na Espiritualidade  “ As ideias  têm um significado social que não é revelado por sua análise frontal e imanente. Consequentemente, as ideias podem ser efetuadas no contexto social em que são concebidas e expressas, sendo nesse panorama semântico que sua significação se torna concreta.”(Mammheim, apud SILVA, 2009)
Teologia da Prosperidade:  Embora discorde da afirmação de que a TP impulsione e fortaleça efetivamente o sistema capitalista, Ricardo Mariano (1999) destaca que “a teologia da prosperidade não tece uma única crítica sequer ao capitalismo, nem à injustiça e desigualdade sociais, nem aos desequilíbrios econômicos do mundo globalizado.  Mais pró-capitalista impossível ”   (grifo nosso)
Teologia do Domínio e o Diabo  Envolve toda a guerra espiritual dos cristãos travada contra o Diabo; Há espíritos territoriais e hereditários a combater; Diabo é tratado como uma metáfora pela Teologia Liberal Católica e Protestante; O Cristianismo clássico principiou por demonizar os deuses da Grécia e de Roma. Agora, são os neopentecostais não se furtam em transformar os deuses de religiões adversárias em demônios: hoje, são os deuses e guias afro-brasileiros e os espíritos os reconhecidos como demônios e inimigos a combater.
Parâmetros Neoliberais Ameniza-se a responsabilidade do homem social, bem como se eximem as estruturas sociais constituídas pelo homem de qualquer participação nos problemas presentes na sociedade. As estruturas opressoras do próprio sistema social acabam por ser isentadas de qualquer participação nos problemas sociais sendo que a Igreja Universal se torna a grande agência de solução dos males sociais. (SILVA apud Gomes, 2006)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
Leticia Santos
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Gisele Finatti Baraglio
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
elianecamera
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
DELSOCORREIA
 
Slide A Pascoa
Slide A PascoaSlide A Pascoa
Slide A Pascoa
Martha Melo Silva
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
Jane Mary Lima Castro
 
Intolerância religiosa
Intolerância religiosaIntolerância religiosa
Intolerância religiosa
João Mendonça
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
Roberto Carlos Sena
 
História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
Messyas Rhennyk Rhennyk
 
Temas de Sociologia
Temas de SociologiaTemas de Sociologia
Temas de Sociologia
Luciano Carvalho
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
Leonardo Pereira
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
Paulo Alexandre
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 

Mais procurados (20)

Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSOAULA DE ENSINO RELIGIOSO
AULA DE ENSINO RELIGIOSO
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
 
Slide A Pascoa
Slide A PascoaSlide A Pascoa
Slide A Pascoa
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Os fluxos migratórios
Os fluxos migratóriosOs fluxos migratórios
Os fluxos migratórios
 
Intolerância religiosa
Intolerância religiosaIntolerância religiosa
Intolerância religiosa
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
 
História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
 
Temas de Sociologia
Temas de SociologiaTemas de Sociologia
Temas de Sociologia
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Sociologia - Religião
Sociologia - ReligiãoSociologia - Religião
Sociologia - Religião
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 

Destaque

REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos SólidosREDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
REDERESÍDUO
 
Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2
Jana Franpe
 
Aprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemiasAprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemias
Márcio Pereira
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
José Carlos Polozi
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimento
José Santos
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimento
José Santos
 
O ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igrejaO ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igreja
Elsemara Alípio
 
Liderança cristã
Liderança cristãLiderança cristã
Liderança cristã
cesartheology-2012
 
Direcionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessãoDirecionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessão
Cassio Felipe
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
Andre Nascimento
 
Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2  Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2
Cassio Felipe
 
Neemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de EdificarNeemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de Edificar
Pr Rafa Carmo
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
Andre Nascimento
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
Andre Nascimento
 
Visão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessãoVisão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessão
Cassio Felipe
 
Simpósio Intercessão
Simpósio IntercessãoSimpósio Intercessão
Simpósio Intercessão
Jana Franpe
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
Andre Nascimento
 
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Eduardo Bispo Silva
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
Timóteo Marques
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
GILMAR BASTOS
 

Destaque (20)

REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos SólidosREDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
REDERESÍDUO Logística Reversa, Gestão e Comercialização de Resíduos Sólidos
 
Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2
 
Aprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemiasAprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemias
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimento
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimento
 
O ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igrejaO ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igreja
 
Liderança cristã
Liderança cristãLiderança cristã
Liderança cristã
 
Direcionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessãoDirecionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessão
 
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e heregesHistória da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
História da Igreja I: Aula 6 - Império, bárbaros e hereges
 
Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2  Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2
 
Neemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de EdificarNeemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de Edificar
 
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano IIHistória da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
História da Igreja II: Aula 14: Pentecostalismo, Ecumenismo e Vaticano II
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
 
Visão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessãoVisão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessão
 
Simpósio Intercessão
Simpósio IntercessãoSimpósio Intercessão
Simpósio Intercessão
 
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - IntroduçãoHistória da Igreja I - Aula 1 - Introdução
História da Igreja I - Aula 1 - Introdução
 
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
 

Semelhante a Mídia e religiões

128 428-1-pb (1)
128 428-1-pb (1)128 428-1-pb (1)
128 428-1-pb (1)
Igor Bulhões
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Pastoral da Juventude
 
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIALRELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
Rosane Domingues
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
Ricardo Castro
 
2 junho desafios do ecumenismo e ieab
2 junho desafios do ecumenismo e ieab2 junho desafios do ecumenismo e ieab
2 junho desafios do ecumenismo e ieab
IEAB
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
Afonso Murad (FAJE)
 
14086541 contextualizacao-e-missoes
14086541 contextualizacao-e-missoes14086541 contextualizacao-e-missoes
14086541 contextualizacao-e-missoes
Silvana Oliveira
 
Religião e Sociologia
Religião e SociologiaReligião e Sociologia
Religião e Sociologia
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Desafios da catequese no cenário da pós
Desafios da catequese no cenário da pósDesafios da catequese no cenário da pós
Desafios da catequese no cenário da pós
Aparecida Serafim
 
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADECF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
catequistasemformacao
 
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
Cleonardo Mauricio Junior
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
Sebastião Luiz Chagas
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
pjest
 
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
Rubens Sohn
 
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
Éder Granado Raffa
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Vinicio Pacifico
 
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Rodrigo Catini Flaibam
 
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
Geraa Ufms
 
Diaconado permanente
Diaconado permanenteDiaconado permanente
Diaconado permanente
luciano
 

Semelhante a Mídia e religiões (20)

128 428-1-pb (1)
128 428-1-pb (1)128 428-1-pb (1)
128 428-1-pb (1)
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
 
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
 
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIALRELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
 
2 junho desafios do ecumenismo e ieab
2 junho desafios do ecumenismo e ieab2 junho desafios do ecumenismo e ieab
2 junho desafios do ecumenismo e ieab
 
(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação(10) teologia da libertação
(10) teologia da libertação
 
14086541 contextualizacao-e-missoes
14086541 contextualizacao-e-missoes14086541 contextualizacao-e-missoes
14086541 contextualizacao-e-missoes
 
Religião e Sociologia
Religião e SociologiaReligião e Sociologia
Religião e Sociologia
 
Desafios da catequese no cenário da pós
Desafios da catequese no cenário da pósDesafios da catequese no cenário da pós
Desafios da catequese no cenário da pós
 
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADECF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
CF 2015 - FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE
 
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
Comunicação coordenada Religião, Sociedade & Cultura - ABANNE 2015
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
 
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
IBADEP MÉDIO - MISSIOLOGIA AULA 1
 
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e olivaA missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
A missão integral da igreja zabatiero, proença e oliva
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
 
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
Diretrizes e novo modelo Pastoral (DGAE 2011 2015)
 
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
Entre a casa e a roça: trajetórias de socialização no candomblé de habitantes...
 
Diaconado permanente
Diaconado permanenteDiaconado permanente
Diaconado permanente
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

Mídia e religiões

  • 1. Mídia e Religiões: Notas sobre a comunicação neopentecostal Janaine Aires Universidade Federal da Paraíba Enecom Parahyba 2010 – Que a comunicação se pinte de povo!
  • 2. Introdução Analisar o processo de midiatização da sociedade estabelecendo foco no campo religioso; Objeto Empírico: Programa Fala que eu te escuto da Igreja Universal do Reino de Deus; Conceitos: Midiatização da Sociedade e Processo de Secularização da Religião.
  • 3. Metodologia “ O conhecimento não se estende de quem se julga sabedor até aqueles que se julgam não saberem, o conhecimento se constitui nas relações homem-mundo, relações de transformação e se aperfeiçoa na problematização crítica dessas relações.” Paulo Freire
  • 4. Considerações Iniciais Fenômeno Social em crescimento, necessidade de acompanhamento acadêmico; Análises das expressões religiosas também são análises e exames da realidade social; O crescimento do seguimento neopentecostal aponta para o fato de que o discurso produzido em seus veículos tem penetrabilidade social e reflete os anseios e o modo de organização da espiritualidade de uma parcela considerável da sociedade.
  • 5. Processo de Midiatização da Sociedade “ Complexo e amplo processo em que os dispositivos midiáticos agem sobre as práticas sociais, estruturando-as por meio de operações tecno-simbólicas” (BORELLI,2009)
  • 6. Processo de Midiatização da Sociedade Injunções que se estabelecem também em outros campos da sociedade como a educação, por exemplo, e não se referem exclusivamente ao espaço religioso;
  • 7. Identidade Neopentecostal É preciso ter consciência da complexidade e diversidade de crenças, práticas religiosas e estrutura organizacional das denominações para ter êxito na sua classificação; Os neopentecostais apresentam-se em oposição às religiões mediúnicas.
  • 8. Ondas de Implantação no Brasil Década de 1910 - Pentecostalismo Clássico: Assembleia de Deus e Congregação Cristã. Década de 1950 – Pentecostalismo Neoclássico: Igreja do Evangelho Quadrangular, a Brasil para Cristo e a Deus é amor. Década de 1970 – Neopentecostalismo: Igreja Universal, Igreja Internacional da Graça.
  • 9. Flexibilidade Neopentecostal O Neopentecostalismo rompeu com os estereótipos da santidade do crente; processo de “neopentecostalização” de outras denominações (MARIANO,1999); nem mesmo no movimento neopentecostal há uma homogeneidade teológica; A demarcação identitária tornou-se problemática com o advento do Neopentecostalismo.
  • 10. Universal 1977 – Rio de Janeiro; Fundador: Bispo Edir Macedo; Complexo Comunicacional: uma rede de rádios; emissoras de TV – a Rede Record de Televisão; a maior gravadora gospel do Brasil; o jornal Folha Universal, com distribuição gratuita e de uma tiragem semanal de dois milhões de exemplares; o jornal Hoje em Dia, distribuído em Minas Gerais; um portal na internet; uma editora de livros “cristãos”, com parque gráfico próprio e que vende em livrarias próprias presentes em todas as capitais do Brasil.
  • 11. Caldo de cultivo/cultura “ Estas religiões encontram um caldo de cultivo na precária formação cultural do povo, no seu abandono, no seu desespero diante de suas condições miseráveis de existência. Ademais, elas sabem desenvolver com maestria – como faz também a Igreja Católica – formas de socialização entre pessoas, que vão das festas e rituais aos vínculos de solidariedade e fidelidade e, finalmente, à perspectiva de uma outra vida no além, que compense e justifique os sofrimentos da vida terrena.” (DOS SANTOS, 1991, pg 233)
  • 12. Rígida divisão administrativa Bispos: regulam as linhas doutrinárias e supervisionam os pastores; Pastores: serviços religiosos dos cultos, orientação dos obreiros e administração de templos locais; Obreiros: subordinado aos pastores e encarregados da divulgação e auxilios diversos ao pastor; Mulheres: podem exercer a função de obreira e no máximo atingem o patamar de mulher de pastor.
  • 13. Centralidade do Dinheiro na Espiritualidade “ As ideias têm um significado social que não é revelado por sua análise frontal e imanente. Consequentemente, as ideias podem ser efetuadas no contexto social em que são concebidas e expressas, sendo nesse panorama semântico que sua significação se torna concreta.”(Mammheim, apud SILVA, 2009)
  • 14. Centralidade do Dinheiro na Espiritualidade “ As ideias têm um significado social que não é revelado por sua análise frontal e imanente. Consequentemente, as ideias podem ser efetuadas no contexto social em que são concebidas e expressas, sendo nesse panorama semântico que sua significação se torna concreta.”(Mammheim, apud SILVA, 2009)
  • 15. Teologia da Prosperidade: Embora discorde da afirmação de que a TP impulsione e fortaleça efetivamente o sistema capitalista, Ricardo Mariano (1999) destaca que “a teologia da prosperidade não tece uma única crítica sequer ao capitalismo, nem à injustiça e desigualdade sociais, nem aos desequilíbrios econômicos do mundo globalizado. Mais pró-capitalista impossível ” (grifo nosso)
  • 16. Teologia do Domínio e o Diabo Envolve toda a guerra espiritual dos cristãos travada contra o Diabo; Há espíritos territoriais e hereditários a combater; Diabo é tratado como uma metáfora pela Teologia Liberal Católica e Protestante; O Cristianismo clássico principiou por demonizar os deuses da Grécia e de Roma. Agora, são os neopentecostais não se furtam em transformar os deuses de religiões adversárias em demônios: hoje, são os deuses e guias afro-brasileiros e os espíritos os reconhecidos como demônios e inimigos a combater.
  • 17. Parâmetros Neoliberais Ameniza-se a responsabilidade do homem social, bem como se eximem as estruturas sociais constituídas pelo homem de qualquer participação nos problemas presentes na sociedade. As estruturas opressoras do próprio sistema social acabam por ser isentadas de qualquer participação nos problemas sociais sendo que a Igreja Universal se torna a grande agência de solução dos males sociais. (SILVA apud Gomes, 2006)