SlideShare uma empresa Scribd logo
Família
• Selecionar a escola baseado em critérios que lhe garanta a confiança da
forma como a escola procede diante de situações importantes;
• Dialogar com o filho o conteúdo que está vivenciando na escola;
• Cumprir as regras estabelecidas pela escola de forma consciente e
espontânea;
• Deixar o filho a resolver por si só determinados problemas que venham a
surgir no ambiente escolar, em especial na questão de socialização;
• Valorizar o contato com a escola, principalmente nas reuniões e entrega
de resultados, podendo se informar das dificuldades apresentadas pelo seu
filho, bem como seu desempenho.
Escola
• Cumprir a proposta pedagógica apresentada para os pais, sendo coerente nos
procedimentos e atitudes do dia-a-dia;
• Propiciar ao aluno liberdade para manifestar-se na comunidade escolar, de
forma que seja considerado como elemento principal do processo educativo;
• Receber os pais com prazer, marcando reuniões periódicas, esclarecendo o
desempenho do aluno e principalmente exercendo o papel de orientadora
mediante as possíveis situações que possam vir a necessitar de ajuda;
• Abrir as portas da escola para os pais, fazendo com que eles se sintam à
vontade para participar de atividades culturais, esportivas, entre outras que a
escola oferecer, aproximando o contato entre família-escola;
Era uma vez cinco cegos que nunca
haviam visto um elefante até o dia em que
este animal lhes foi apresentado. O
primeiro apalpou suas patas e concluiu
que o elefante se assemelhava a grossas
colunas. O segundo tomou sua tromba e
pensou ser ele semelhante a uma cobra.
O terceiro pegando a cauda imaginou o
elefante como um chicote, fino e com fios
na extremidade. Já o quarto tateando suas
presas, teve a imagem dele como um
bastão maciço. E finalmente o último cego
tocando as orelhas do animal o considerou
mais parecido a um leque maleável.
Duarte Júnior
Texto Reflexivo
Educação inclusiva significa educar
todas as crianças em um mesmo
contexto escolar. A opção por este
tipo de Educação não significa negar
as dificuldades dos estudantes. Pelo
contrário. Com a inclusão, as
diferenças não são vistas como
problemas, mas como diversidade. É
essa variedade, a partir da realidade
social, que pode ampliar a visão de
mundo e desenvolver oportunidades
de convivência a todas as crianças.
Endemoniados
Doentes
Loucos
Integração
Inclusão
DIREITO À EDUCAÇÃO PREVISTO
NA LEGISLAÇÃO
CONSTITUIÇÃO FEDERAL/1988
Educação como um direito de todos
Igualdade de condições de acesso e
permanência.
Atendimento educacional especializado.
ESTATUTO DA CRIANÇA E DO
ADOLESCENTE/1990
Obrigação dos pais de matricular seus
filhos na rede regular de ensino.
LDBEN/1996
Currículos, métodos, técnicas, recursos
e professores para o atendimento
especializado.
Alternativa preferencial de atendimento na
rede pública de ensino.
DECLARAÇÃO DE
SALAMANCA
Escolas regulares com
orientação inclusiva
constituem os meios mais
eficazes de combater atitudes
discriminatórias criando
comunidades acolhedoras,
construindo uma sociedade
inclusiva e alcançando
educação para todos.
DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
Resolução Nº 02/2001 – CNE
“Os sistemas de ensino devem matricular a
todos os alunos, cabendo às escolas
organizar-se para o atendimento aos
educandos com necessidades educacionais
especiais, assegurando às condições
necessárias para uma educação de qualidade
para todos.”
Crianças com
necessidades
educacionais
especiais
"Deficiência é o termo usado para definir a ausência ou a
disfunção de uma estrutura psíquica, fisiológica ou anatómica.
Diz respeito à biologia da pessoa. Este conceito foi definido pela
Organização Mundial de Saúde. A expressão pessoa com
deficiência pode ser aplicada referindo-se a qualquer pessoa que
possua uma deficiência. Contudo, há que se observar que em
contextos legais ela é utilizada de uma forma mais restrita e
refere-se a pessoas que estão sob o amparo de uma determinada
legislação. O termo deficiente para denominar pessoas com
deficiência tem sido considerado inadequado, pois o termo leva
consigo uma carga negativa depreciativa da pessoa, fato que foi
ao longo dos anos se tornando cada vez mais rejeitado pelos
especialistas da área e em especial pelos próprios portadores.
Atualmente a palavra é considerada como inapropriada, e que
promove o preconceito em detrimento do respeito ao valor
integral da pessoa."
Tipos de Deficiência
DEFICIÊNCIA FÍSICA
DEFICIÊNCIA AUDITIVA
DEFICIÊNCIA VISUAL
DEFICIÊNCIA MENTAL
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
Crianças portadores de deficiência
físicas
Estas sofrem complicações que
levam à limitação da mobilidade e da
coordenação geral, podendo também
afetar a fala, em diferentes graus.
As causas são variadas - desde
lesões neurológicas e neuromusculares
até má-formação congênita - ou
condições adquiridas, como hidrocefalia
(acúmulo de líquido na caixa craniana) ou
paralisia cerebral.
Crianças portadores de deficiência
auditivas
Tem a perda parcial ou total da
audição, causada por má-formação
(causa genética), lesão na orelha ou
nas estruturas que compõem o
aparelho auditivo.
Crianças portadores de deficiência
visual
É o comprometimento parcial (de 40 a 60%) ou total da
visão. Segundo critérios estabelecidos pela Organização Mundial
da Saúde (OMS) os diferentes graus de deficiência visual podem
ser classificados em:
- Baixa visão (leve, moderada ou profunda): compensada com o
uso de lentes de aumento, lupas, telescópios, com o auxílio de
bengalas e de treinamentos de orientação.
- Próximo à cegueira: quando a pessoa ainda é capaz de
distinguir luz e sombra, mas já emprega o sistema braile para
ler e escrever, utiliza recursos de voz para acessar programas
de computador, locomove-se com a bengala e precisa de
treinamentos de orientação e de mobilidade.
- Cegueira: quando não existe qualquer percepção de luz. O
sistema braile, a bengala e os treinamentos de orientação e de
mobilidade, nesse caso, são fundamentais.
Crianças portadores de deficiência
mental
Esta apresenta problemas
que se situam no cérebro e
causam baixa produção de
conhecimento, provocando no
paciente uma dificuldade de
aprendizagem e um baixo nível
intelectual.
SÍNDROME DE DOWN
•
Definição: alteração genética
caracterizada pela presença de um
terceiro cromossomo de número 21.
A causa da alteração ainda é
desconhecida.
Autismo
•Definição: transtorno com influência
genética causado por defeitos em partes do
cérebro, como o corpo caloso (que faz a
comunicação entre os dois hemisférios), a
amídala (que tem funções ligadas ao
comportamento social e emocional) e o
cerebelo (parte mais anterior dos
hemisférios cerebrais, os lobos frontais).
Crianças portadores de deficiências
múltiplas
A deficiência múltipla é a
ocorrência de duas ou mais
deficiências
simultaneamente - sejam
deficiências intelectuais,
físicas ou ambas
combinadas. Não existem
estudos que comprovem
quais são as mais
recorrentes.
Recursos utilizados em sala de aula
Condição para utilização, com
segurança e autonomia, total ou assistida,
dos espaços, mobiliários e equipamentos
urbanos, das edificações, dos serviços de
transporte e dos dispositivos, sistemas e
meios de comunicação e informação, por
pessoa com deficiência ou com mobilidade
reduzida.
ACESSIBILIDADE DECRETO Nº 5296/04
Acessibilidade na Escola
Acessibilidade e as
tecnologias assistidas
Obrigada a todos.
Criação e edição: Prof.ª Juliana Mendes
Data: 26/05/2015
Fontes de pesquisa: Revista Nova Escola

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
Karen Araki
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
Thiago de Almeida
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
Marcelo Assis
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
Heilane Santos
 
229 autismo e educação um dialogo informativo sobre a rotina do autista
229 autismo e educação  um dialogo informativo sobre a rotina do autista229 autismo e educação  um dialogo informativo sobre a rotina do autista
229 autismo e educação um dialogo informativo sobre a rotina do autista
SimoneHelenDrumond
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
Daniel Rodrigues de Lima
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
Patricia Bampi
 
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
Marcélia Amorim Cardoso
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
elisabatista7
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
Rosana Santos
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
Eduardojr-professor
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
veraelaine
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Kelry Carvalho
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Anaí Peña
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
UFMA e UEMA
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 

Mais procurados (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
229 autismo e educação um dialogo informativo sobre a rotina do autista
229 autismo e educação  um dialogo informativo sobre a rotina do autista229 autismo e educação  um dialogo informativo sobre a rotina do autista
229 autismo e educação um dialogo informativo sobre a rotina do autista
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 

Destaque

A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
Zélia Cordeiro
 
Família, Escola e Comunidade
Família, Escola e ComunidadeFamília, Escola e Comunidade
Família, Escola e Comunidade
Luúh Reis
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
Thaisduarte
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
SimoneHelenDrumond
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
Carina Zandonai
 
Programa Escola Aberta - EMTIPSA
Programa Escola Aberta - EMTIPSAPrograma Escola Aberta - EMTIPSA
Programa Escola Aberta - EMTIPSA
Escola Silene de Andrade
 
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multiplaUnidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
eurenicedosreis
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
asustecnologia
 
Apresentação escola aberta
Apresentação escola abertaApresentação escola aberta
Apresentação escola aberta
Mirian Espindula
 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLADEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
Prof. Noe Assunção
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Almeida Emilene Santos
 
Sindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula GraduaçãoSindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula Graduação
Rafael Celestino
 
O que é inclusão escolar
O que é inclusão escolarO que é inclusão escolar
O que é inclusão escolar
Hildevan Ferreira Araujo
 
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagemComunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
celiaregiane
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
Saberes e Praticas da Inclusão - CoordenaçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
Saberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
asustecnologia
 
Perfil da educao especial e do atendimento educacional
Perfil da educao especial e do atendimento educacionalPerfil da educao especial e do atendimento educacional
Perfil da educao especial e do atendimento educacional
♥Marcinhatinelli♥
 
Bases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusivaBases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusiva
Helena Libardi
 
Deficiência múltipla
Deficiência múltiplaDeficiência múltipla
Deficiência múltipla
Veronica Cruz
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - IntroduçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
asustecnologia
 

Destaque (20)

A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Família, Escola e Comunidade
Família, Escola e ComunidadeFamília, Escola e Comunidade
Família, Escola e Comunidade
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
 
Todos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusivaTodos juntos por uma educação inclusiva
Todos juntos por uma educação inclusiva
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
 
Programa Escola Aberta - EMTIPSA
Programa Escola Aberta - EMTIPSAPrograma Escola Aberta - EMTIPSA
Programa Escola Aberta - EMTIPSA
 
Programa Escola Aberta
Programa Escola AbertaPrograma Escola Aberta
Programa Escola Aberta
 
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multiplaUnidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
Unidade 5 -_ ativ. 14 deficiencia_multipla
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
 
Apresentação escola aberta
Apresentação escola abertaApresentação escola aberta
Apresentação escola aberta
 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLADEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Sindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula GraduaçãoSindrome de down - Aula Graduação
Sindrome de down - Aula Graduação
 
O que é inclusão escolar
O que é inclusão escolarO que é inclusão escolar
O que é inclusão escolar
 
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagemComunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
Saberes e Praticas da Inclusão - CoordenaçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
Saberes e Praticas da Inclusão - Coordenação
 
Perfil da educao especial e do atendimento educacional
Perfil da educao especial e do atendimento educacionalPerfil da educao especial e do atendimento educacional
Perfil da educao especial e do atendimento educacional
 
Bases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusivaBases legais educação inclusiva
Bases legais educação inclusiva
 
Deficiência múltipla
Deficiência múltiplaDeficiência múltipla
Deficiência múltipla
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - IntroduçãoSaberes e Praticas da Inclusão - Introdução
Saberes e Praticas da Inclusão - Introdução
 

Semelhante a Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.

Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
Mônica Barreto
 
Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)
Francisco Brito Professor
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
enxergar
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Biblioteca Campus VII
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
ceciliaconserva
 
Síntese do caderno
Síntese do cadernoSíntese do caderno
Síntese do caderno
Rosemary Batista
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Incluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sdIncluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sd
Erivaldo Gama
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
Fernanda Carvalho
 
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidadeMc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
Lulubell Chan
 
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Fernanda Rezende Pedroza
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
JOSÉ MONTEIRO LIMA
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
Ana Paula Custodio
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Conceição Áquila
 
Nee
NeeNee
Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marcia
eemariomanoel
 
Tecnologias Em EducaçAo S.Down
Tecnologias Em EducaçAo S.DownTecnologias Em EducaçAo S.Down
Tecnologias Em EducaçAo S.Down
marenas
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
JakelineAvelino
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
Cassia Dias
 

Semelhante a Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar. (20)

Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
 
Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
 
Síntese do caderno
Síntese do cadernoSíntese do caderno
Síntese do caderno
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 
Incluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sdIncluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sd
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidadeMc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
Mc cleary2009 o-ensino_de_lngua_estrangeira_e_a_questo_da_diversidade
 
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
 
Nee
NeeNee
Nee
 
Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marcia
 
Tecnologias Em EducaçAo S.Down
Tecnologias Em EducaçAo S.DownTecnologias Em EducaçAo S.Down
Tecnologias Em EducaçAo S.Down
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Deficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/MentalDeficiência Intelectual/Mental
Deficiência Intelectual/Mental
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Educação, Família, Comunidade: A inclusão Escolar.

  • 1.
  • 2. Família • Selecionar a escola baseado em critérios que lhe garanta a confiança da forma como a escola procede diante de situações importantes; • Dialogar com o filho o conteúdo que está vivenciando na escola; • Cumprir as regras estabelecidas pela escola de forma consciente e espontânea; • Deixar o filho a resolver por si só determinados problemas que venham a surgir no ambiente escolar, em especial na questão de socialização; • Valorizar o contato com a escola, principalmente nas reuniões e entrega de resultados, podendo se informar das dificuldades apresentadas pelo seu filho, bem como seu desempenho.
  • 3. Escola • Cumprir a proposta pedagógica apresentada para os pais, sendo coerente nos procedimentos e atitudes do dia-a-dia; • Propiciar ao aluno liberdade para manifestar-se na comunidade escolar, de forma que seja considerado como elemento principal do processo educativo; • Receber os pais com prazer, marcando reuniões periódicas, esclarecendo o desempenho do aluno e principalmente exercendo o papel de orientadora mediante as possíveis situações que possam vir a necessitar de ajuda; • Abrir as portas da escola para os pais, fazendo com que eles se sintam à vontade para participar de atividades culturais, esportivas, entre outras que a escola oferecer, aproximando o contato entre família-escola;
  • 4. Era uma vez cinco cegos que nunca haviam visto um elefante até o dia em que este animal lhes foi apresentado. O primeiro apalpou suas patas e concluiu que o elefante se assemelhava a grossas colunas. O segundo tomou sua tromba e pensou ser ele semelhante a uma cobra. O terceiro pegando a cauda imaginou o elefante como um chicote, fino e com fios na extremidade. Já o quarto tateando suas presas, teve a imagem dele como um bastão maciço. E finalmente o último cego tocando as orelhas do animal o considerou mais parecido a um leque maleável. Duarte Júnior Texto Reflexivo
  • 5.
  • 6. Educação inclusiva significa educar todas as crianças em um mesmo contexto escolar. A opção por este tipo de Educação não significa negar as dificuldades dos estudantes. Pelo contrário. Com a inclusão, as diferenças não são vistas como problemas, mas como diversidade. É essa variedade, a partir da realidade social, que pode ampliar a visão de mundo e desenvolver oportunidades de convivência a todas as crianças.
  • 8. DIREITO À EDUCAÇÃO PREVISTO NA LEGISLAÇÃO CONSTITUIÇÃO FEDERAL/1988 Educação como um direito de todos Igualdade de condições de acesso e permanência. Atendimento educacional especializado.
  • 9. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE/1990 Obrigação dos pais de matricular seus filhos na rede regular de ensino. LDBEN/1996 Currículos, métodos, técnicas, recursos e professores para o atendimento especializado. Alternativa preferencial de atendimento na rede pública de ensino.
  • 10. DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Escolas regulares com orientação inclusiva constituem os meios mais eficazes de combater atitudes discriminatórias criando comunidades acolhedoras, construindo uma sociedade inclusiva e alcançando educação para todos.
  • 11. DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Resolução Nº 02/2001 – CNE “Os sistemas de ensino devem matricular a todos os alunos, cabendo às escolas organizar-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando às condições necessárias para uma educação de qualidade para todos.”
  • 12.
  • 14. "Deficiência é o termo usado para definir a ausência ou a disfunção de uma estrutura psíquica, fisiológica ou anatómica. Diz respeito à biologia da pessoa. Este conceito foi definido pela Organização Mundial de Saúde. A expressão pessoa com deficiência pode ser aplicada referindo-se a qualquer pessoa que possua uma deficiência. Contudo, há que se observar que em contextos legais ela é utilizada de uma forma mais restrita e refere-se a pessoas que estão sob o amparo de uma determinada legislação. O termo deficiente para denominar pessoas com deficiência tem sido considerado inadequado, pois o termo leva consigo uma carga negativa depreciativa da pessoa, fato que foi ao longo dos anos se tornando cada vez mais rejeitado pelos especialistas da área e em especial pelos próprios portadores. Atualmente a palavra é considerada como inapropriada, e que promove o preconceito em detrimento do respeito ao valor integral da pessoa."
  • 15. Tipos de Deficiência DEFICIÊNCIA FÍSICA DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA VISUAL DEFICIÊNCIA MENTAL DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
  • 16. Crianças portadores de deficiência físicas Estas sofrem complicações que levam à limitação da mobilidade e da coordenação geral, podendo também afetar a fala, em diferentes graus. As causas são variadas - desde lesões neurológicas e neuromusculares até má-formação congênita - ou condições adquiridas, como hidrocefalia (acúmulo de líquido na caixa craniana) ou paralisia cerebral.
  • 17. Crianças portadores de deficiência auditivas Tem a perda parcial ou total da audição, causada por má-formação (causa genética), lesão na orelha ou nas estruturas que compõem o aparelho auditivo.
  • 18.
  • 19. Crianças portadores de deficiência visual É o comprometimento parcial (de 40 a 60%) ou total da visão. Segundo critérios estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) os diferentes graus de deficiência visual podem ser classificados em: - Baixa visão (leve, moderada ou profunda): compensada com o uso de lentes de aumento, lupas, telescópios, com o auxílio de bengalas e de treinamentos de orientação. - Próximo à cegueira: quando a pessoa ainda é capaz de distinguir luz e sombra, mas já emprega o sistema braile para ler e escrever, utiliza recursos de voz para acessar programas de computador, locomove-se com a bengala e precisa de treinamentos de orientação e de mobilidade. - Cegueira: quando não existe qualquer percepção de luz. O sistema braile, a bengala e os treinamentos de orientação e de mobilidade, nesse caso, são fundamentais.
  • 20.
  • 21. Crianças portadores de deficiência mental Esta apresenta problemas que se situam no cérebro e causam baixa produção de conhecimento, provocando no paciente uma dificuldade de aprendizagem e um baixo nível intelectual.
  • 22. SÍNDROME DE DOWN • Definição: alteração genética caracterizada pela presença de um terceiro cromossomo de número 21. A causa da alteração ainda é desconhecida.
  • 23. Autismo •Definição: transtorno com influência genética causado por defeitos em partes do cérebro, como o corpo caloso (que faz a comunicação entre os dois hemisférios), a amídala (que tem funções ligadas ao comportamento social e emocional) e o cerebelo (parte mais anterior dos hemisférios cerebrais, os lobos frontais).
  • 24. Crianças portadores de deficiências múltiplas A deficiência múltipla é a ocorrência de duas ou mais deficiências simultaneamente - sejam deficiências intelectuais, físicas ou ambas combinadas. Não existem estudos que comprovem quais são as mais recorrentes.
  • 25. Recursos utilizados em sala de aula
  • 26.
  • 27. Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. ACESSIBILIDADE DECRETO Nº 5296/04
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 41. Criação e edição: Prof.ª Juliana Mendes Data: 26/05/2015 Fontes de pesquisa: Revista Nova Escola