SlideShare uma empresa Scribd logo
PEDAGOGIA DA EDUCAÇÃO
      INCLUSIVA




                        1
PEDAGOGIA DA EDUCAÇÃO
               INCLUSIVA

ProfªMSc.ARACY SANTOS SENS.
Graduação: História e Geografia
Pós Graduação: Psicopedagogia
                 Metodologia da Geografia-
                 Metodologia do Ensino Superior-
Mestrado: Educação e Cultura-
Professora Universitária: UNIDAVI, UNIVEST,ICPG,PORTAL.
Professora Educação Básica: Ensino Médio: UNIDAVI
Professora em Pesquisa e Extensão: UNIDAVI
Ministrante de Cursos em Formação Continuada nos municípios e
escolas particulares.



                                                                2
PAUTA-10 E 11/10
      1-APRESENTAÇÃO-(pessoal,ementa).
2-DISCUSSÃO DO TEMA: EDUCAÇÃO INCLUSIVA .
           3-CONCEITOS BÁSICOS.
         4-QUEM SÃO OS EXCLUÍDOS?
      5-CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA.
6-O RESPEITO AS DIFERENÇAS EVITA O BULLYING.
       7-NORMALIZAÇÃO E LEGISLAÇÃO.
         *VÍDEO- O PODER DA VISÃO.
          “O PODER DE UM JOVEM”.

                                            3
AVALIAÇÃO FINAL
COMO POSSO CONTRIBUIR
PARA QUE A EDUCAÇÃO
INCLUSIVA SEJA REALIDADE
Texto dissertativo- (Introdução,
desenvolvimento,conclusão ou
considerações)-embasamento
teórico.
                                   4
OBJETIVO
    Refletir sobre a
  contribuição que a
  Psicopedagogia, pode
Trazer à equipe
multidisciplinar, no planejamento
e intervenção educativa,
dentro da Escola Inclusiva
desde a
 Educação Infantil até o
  Ensino Médio.

                                    5
PSICOPEDAGOGIA
 “Campo de atuação em saúde e educação
 que lida com o processo de aprendizagem
 humana, seus padrões normais e
 patológicos, considerando a influência do
 meio-família, escola e sociedade, no seu
 desenvolvimento, utilizando procedimentos
 próprios da psicopedagogia.”

 (Código de Ética da ABPp, 1996)



                                       6
PSICOPEDAGOGIA
Tem um papel decisivo e
importante na construção do
bom desempenho escolar ou
seja do sucesso escolar,
pois trabalha com as
dificuldades de
aprendizagem e suas
vicissitudes, dentro da
realidade vivida por cada
criança, jovem ou adulto .
                         7
Sucesso Escolar
O êxito escolar é um fato imaginário, que
depende das características e idade da criança,
da estrutura e dinâmica familiar, da escola, do
meio social, da época e do local onde tudo
isso acontece.

O fracasso na aprendizagem atinge o
individuo, a sua família e o meio social já que
o conhecimento significa poder na nossa
cultura.
Os problemas de aprendizagem são
construídos na trama da organização familiar
e social que lhe outorga significações.      8
Sucesso Escolar
Para todas as crianças o sucesso escolar é
importantíssimo, já que seu desempenho
como pessoa está vinculado em grande parte à
sua atuação como aluno

Para a família, o sucesso escolar dos filhos é
quase que um atestado social de êxito dos pais
como educadores

Para a escola, alunos com bom desempenho
acadêmico, em geral significam profissionais
bem sucedidos no futuro
                                          9
Sucesso Escolar
Individualmente, a criança, a escola ou a
família não são linearmente responsáveis
pelos problemas de aprendizagem das
crianças ou em última análise, do SUCESSO
OU FRACASSO escolar,
MAS
a combinação entre fatores congênitos e as
experiências vivenciadas nesses ambientes,
levam a emersão das predisposições pré
existentes, que podem ser desencadeadoras
potenciais dos transtornos de aprendizagem.

                                        10
INCLUSÃO
“TODO MUNDO É MELHOR EM ALGUMA COISA.
ALGUNS SÃO MELHORES EM MUITAS COISAS.
TUDO QUE A ESCOLA TEM A FZER É DAR
OPORTUNIDADE PARA CADA UM DESCUBRA E
DEMONSTRE EM QUE É MELHOR”.
             TENESSE WILLIAN.
“PESSOAS COM DIFICULDADES EM ALGUMAS
HABILIDADES, MAS COM MUITA CAPACIDADE
EM OUTRAS”. SIMÕES,ANTOINETTE.




                                        11
INCLUSÃO
“Incluir: do latim includere –
abranger, compreender,        envolver
Excluir: do latim excludere



INCLUSÃO: EDUCAÇÃO DE
QUALIDADE PARA TODOS

                                         12
Conceito de INCLUSÃO
Processo dinâmico cujo objetivo primordial é
encontrar as melhores situações para que cada
aluno se desenvolva dentro de suas potencialidades,
das características de sua escola e das variáveis
educacionais de tempo e oportunidades (déc. 90)
Incluir é parar de pensar apenas no sentido de como
levar as pessoas com NEE em direção à Inclusão,
mas de operacionalizar meios para que as pessoas
que criam e mantém a exclusão venham a modificar-
se, assumindo uma visão mais ampla, preocupada
com a qualidade da educação para todos e suas
relações com os demais membros da escola e da
sociedade.

                                                  13
IMPORTANTE
Aluno de inclusão:Nas escolas, todos
são “de inclusão”.Ao se referir por
ex:aluno surdo,diga aluno com (ou que
tem)deficiência.
Cadeirante-O termo reduz a pessoa a
objeto. Diga pessoa em cadeira de
rodas. ( ESCOLA ESPECIAL 2007,p.13.)


                                        14
IMPORTANTE
Deficiente:Não devemos reduzir as
pessoas e suas capacidades à
deficiência. O correto é pessoa com
deficiência.
Excepcional- O certo é criança ou
jovem com deficiência mental. ( ESCOLA
ESPECIAL p.13.)




                                         15
IMPORTANTE
Portador de Deficiência: A deficiência
não é algo que a pessoa porta
(carrega). O correto é pessoa com
deficiência.
Escola ou classe normal- Dizemos
dizer escola ou classe regular ou
comum.
( ESCOLA ESPECIAL 2007, p.13.)


                                         16
INCLUIR É LEI.
 RECUSAR UM ALUNO COM
 DEFICIÊNCIA , SEGUNDO A LEI
 FEDERAL 7.853, DE 24/10/89,EM SEU
 ART.8, É CRIME.
 A LDB TAMBÉM PREVÊ A INCLUSÃO
DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA NA
 REDE PÚBLICA DE ENSINO.

                                 17
CONCEITUAÇÃO
Deficiência: perda ou anormalidade de
estrutura ou função psicológica, fisiológica
ou anatômica, temporária ou permanente.
Incapacidade: restrição, resultante de uma
deficiência,    da     habilidade       para
desempenhar uma atividade considerada
normal para o ser humano.

Desvantagem: prejuízo para o indivíduo,
resultante de uma deficiência ou uma
incapacidade, que limita ou impede o
desempenho de papéis de acordo com a
idade, sexo, fatores sociais e culturais.

                                          18
CONCEITUAÇÃO
Deficiência:.
1-DA LINGUAGEM-AUDIÇÃO-VISÃO
2-MÚSCULO-ESQUELÉTICA (FÍSICA)
3-INTELECTUAL-(MENTAL)

Incapacidade:
1-DE FALAR, OUVIR(COMUNICAÇÃO)- VER.
2-DE ANDAR-VESTIR-ALIMENTAR-HIGIENE PESSOAL
DE APRENDER, PERCEBER, MEMORIZAR, RELACIONAR-
SE, DE TER CONSCIÊNCIA.

Desvantagem:.
1-NA ORIENTAÇÃO.
2-NA INDEP.FÍSICA- NA MOBILIDADE,
3-NA CAPACIDADE OCUPACIONAL, NA INTEGRAÇÃO
SOCIAL.

                                           19
CONCEITUAÇÃO
Autonomia
É a condição de domínio do ambiente físico e
social, preservando ao máximo a privacidade
e a dignidade de quem a exerce. Daqui sai
os conceitos de autonomia física e autonomia
social. Exemplos: rampas nas calçadas,
cadeira de rodas. O grau de autonomia
resulta da relação entre o nível de prontidão
físico-social do portador de deficiência e a
realidade de um ambiente físico-social.
(Sassaki, 1997)
                                           20
CONCEITUAÇÃO
Independência
Capacidade “de decidir sem depender
de outras pessoas, tais como: membros
da família ou profissionais
especializados”.
 A pessoa deficiente pode ser mais
independente ou menos independente, e isso
vai depender da sua auto determinação e/ou
prontidão para tomar decisões numa
situação. Ambas podem ser aprendidas e/ou
desenvolvidas.                            21
CONCEITUAÇÃO
Empowerment
“Processo pelo qual uma pessoa, ou um
grupo de pessoas, usa o seu poder pessoal
inerente a sua condição” – por exemplo:
deficiência, gênero, idade, cor – para fazer
escolhas e tomar decisões. O poder pessoal
está em cada ser humano. A sociedade não
tem consciência de que o portador de
deficiência também possui esse poder
pessoal, e aí a sociedade faz escolhas e
toma as decisões por ele.
                                           22
CONCEITUAÇÃO
INTEGRAÇÃO; INTERAÇÃO; OUSADIA;
TRANSGRESSÃO; OUSADIA; POSTURA;
UTOPIA; ATITUDE; OLHAR; VER;
PRECONCEITO;       DISCRIMINAÇÃO;
DIVERSIDADE; DESIGUALDADE;
 REALIDADE; MUDANÇA; MODIFICAÇÃO
TRANSFORMAÇÃO; EQUIPE;
PARADIGMA;EXCLUSÃO;       BULLYING,
ASSERTIVIDADE,PESSOAS PROATIVAS
E PESSOAS REATIVAS.


                                 23
CONCEITUAÇÃO
A NORMALIZAÇÃO (MEC-1994) é um “princípio que
representa a base filosófico-ideológica da integração.
Não se trata de normalizar as pessoas, mas sim o
contexto em que se desenvolvem, ou seja, oferecer,
às pessoas com deficiência, modos e condições de
vida diária o mais semelhante possível às formas e
condições de vida do resto da sociedade”.

Mantoan (1997, p.120) “a normalização visa tornar
acessíveis às pessoas socialmente desvalorizadas
condições e modelos de vida análogos aos que são
disponíveis de um modo geral ao conjunto de
pessoas de um dado meio ou sociedade”.



                                                    24
CONCEITUAÇÃO
O princípio de Mainstreaming, significa levar os
alunos o mais possível para os serviços educacionais
disponíveis na corrente principal da comunidade.
  Mainstreaming se refere à integração temporal,
instrucional e social do excepcional elegível com
crianças normais, de forma progressiva, baseada em
estudos e avaliações individuais, requer aceitação e
responsabilidade administrativa entre o sistema
regular de ensino e educação especial (Pereira,
1980).
Tanto o princípio da normalização como o processo
de mainstreaming foram importantes elementos na
aquisição de conhecimentos e experiências de
integração para o surgimento do paradigma da
inclusão. (Sassaki, 1997)

                                                  25
CONCEITUAÇÃO
HANDICAP
Embora      essa     palavra  inglesa
signifique    "desvantagem",      por
definição "handicap" é a vantagem
numérica     utilizada   para   haver
equilíbrio entre jogadores de níveis
diferentes, resultante de um cálculo
segundo uma fórmula que varia
conforme as regras do evento.



                                   26
Estamos atrasados....
 “Os ambientes não estão
preparados para receber os
sujeitos com necessidades
         especiais”


                          Corde


                                  27
EDUCAÇÃO ESPECIAL E
      INCLUSÃO:



A Inclusão é a modificação da sociedade
   como pré-requisito para que a pessoa
    com necessidades especiais possa
 buscar seu desenvolvimento e exercer a
                cidadania.
             (Sassaki, 1997)



                                      28
EDUCAÇÃO ESPECIAL E
       INCLUSÃO:


A Inclusão refere-se à oportunidade que pessoas
  com deficiências têm de participar plenamente
    nas atividades educacionais, de emprego, de
      consumo, de recreação, comunitárias e
   domésticas que são específicas do quotidiano
                social.(Florian, 1998)




                                              29
Como a Escola tem visto a Diferença?

Escola Tradicional

Indiferença às diferenças;
Procura da Homogeneidade;
“todos vestem o mesmo uniforme”.


       Remete a criação das Escolas Especiais



                                                30
Como a Escola tem visto a Diferença?

Escola Integrativa

Tratamento indiferenciado para os diferentes;
Concepção dicotômica da deficiência;

 Criam-se dois tipos alunos nas escolas públicas:

     Os alunos com necessidades educativas “normais”, e
     Os alunos com necessidades educativas “especiais”.



                                                          31
Como a Escola tem visto a Diferença?

Escola Inclusiva

“Declaração de Salamanca”
“As escolas regulares seguindo esta orientação
inclusiva, constituem os meios mais capazes para
combater as atitudes discriminatórias, criando
comunidades abertas e solidárias, construindo uma
sociedade inclusiva e atingindo a educação para
todos(...)” ( UNESCO, 1994)



                                             32
Como a Escola tem visto a Diferença?

Escola Inclusiva


O conceito da educação inclusiva pode ser definido
como “o desenvolvimento de uma educação
apropriada e de alta qualidade para alunos com
necessidades especiais na escola regular”.
(Hegarty,1994)




                                               33
ESCOLA INCLUSIVA E DIVERSIDADE

              Modelo de Atendimento a Diversidade




  CONHECIMENTO           PLANIFICAÇÃO                INTERVENÇÃO



                                                 Preliminar
Aluno    Ambiente de   Colaboração
        Aprendizagem                                 Compreensiva
                            Interdisciplinariedade            Transicional


                          (Correia,1997)

                                                                    34
PRESSUPOSTOS DE UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA



LIGAÇÃO COM A COMUNIDADE


A escola não pode viver isolada.
Reduzir o fosso – fazendo projetos
integrativos




                                         35
OS DILEMAS DA INCLUSÃO

Norwich(1993) apresentou quatro dilemas principais:


 O dilema do currículo comum: um aluno com
 graves problemas de aprendizagem deve
 aprender os mesmos conteúdos diferentes dos
 seus colegas?


 O dilema da identificação: a identificação dos
 alunos com NEE ajuda-os ou, pelo contrário,
 marca-os negativamente?


                                                      36
ESCOLA INCLUSIVA
               Cada municipio organize para:

1.Identificar o perfil de seu alunado;


2.Identificar o conjunto das necessidades educacionais
    presentes nesse conjunto;


3.Desenvolver experiências piloto para aprendizagem;


4.Desenvolver um projeto pedagógico condizente com os
   resultados dessas avaliações

                                                       37
ESCOLA INCLUSIVA
         Necessidade das Seguintes Modificações

•   Qualificação das equipes de apoio especializado;
•   Qualificação do pessoal docente com investimento em
    nível de graduação e especialização;
•   Estrutura curricular com métodos, técnicas e recursos
    educativos;
•   Treinamento para lidar com a estruturação e
    organização curricular e com técnicas especializadas;
•   Instrumentalização das escolas para o uso de novos
    recursos educativos.

                                                       38
A ESCOLA INCLUSIVA REQUER:

•   Sistema de colaboração e cooperação nas relações
    sociais, formando uma rede de auto-ajuda na escola;
•   Estabelecimento de uma infra-estrutura de serviços;
•   Parceria com os pais;
•   Ambientes educacionais flexíveis;
•   Estratégias educativas com base em pesquisas;
•   Facilitação do acesso físico dos portadores de
    deficiência;


                                                      39
A ESCOLA INCLUSIVA REQUER:

•   Condições adequadas de trabalho para a equipe técnica
    dedicada ao projeto de inclusão;
•   Assistência às escolas para obter os        recursos
    necessários à implementação do projeto;
•   Auxílio na criação de novas formas de estruturação do
    processo de ensino-aprendizagem, direcionadas às
    necessidades dos alunos;
•   Fornecimento de informações apropriadas a respeito
    das dificuldades da criança, de seus processos de
    aprendizagem e de seu desenvolvimento social e
    individual aos professores da classe comum;

                                                    40
A ESCOLA INCLUSIVA REQUER:


•   Compreensão, por parte dos professores, da
    necessidade de ir além dos limites que as crianças se
    colocam, no sentido de levá-las a alcançar o máximo de
    suas potencialidades;


•   Oferecimento de novas alternativas aos professores, no
    sentido de implementar formas mais adequadas de
    trabalho.



                                                     41
Braille Falado             Teclado Falado




                 Reglete


sorobã                       Impressora Braille




                                                  42
PARADIGMA DO
            “EMPOWERMENT”

“EMPOWERMENT” significa:

“garantir o poder”;
“assegurar, a alguém, o poder de escolha e
administração sobre sua própria vida”.




                                             43
A Inclusão é um processo:



                 -de transformações, pequenas e grandes;
                 -Ambientes Físicos;
                 -Mentalidade das pessoas;
                 -Da própria pessoa com necessidades
                 especiais;




                                                       44
Diferenças principais entre a Integração e a
               Inclusão(Porter, 1997)

          Integração                  Inclusão


Centrada no aluno         Centrada na sala de aula


Resultados diagnóstico-   Resolução de problemas em
prescritivos              colaboração

Programa para o aluno     Estratégias para os professores


Colocação adequada às     Sala de aula favorecendo a
necessidades dos alunos   adaptação e o apoio



                                                       45
FILMES
Os sinos de Enya        * Nenhum a menos

A primeira vista         * Ana e o Rei
Sempre Amigos           * A Cura
12 Homens e uma Sentença
Homens de Honra
Sociedade dos Poetas Mortos
O Milagre de Helen Sulivan
O Adorável Professor

                                         46
FILMES
O Demolidor       * Oitavo Dia
Óleo de Lorenzo   * Perfume de
Mulher
Frida             *Clube do
Imperador
Shreck             *A Princesinha
A Era do Gelo      * Tigrão
A Bela e a Fera   *Vida de
Insetos
                                 47
FILMES
Roda Amarela                   Corrida Rumo ao
Sol
Fernão Capelo Gaivota          Pathy Adams
Diário de um Adolescente      Duelo de Titãs
Meu nome é Rádio              Revolução dos
Bichos
Chocolate                     O Campeão
O Sorriso de Monalisa         Filadélfia
A Fábrica de Chocolate        Meu Filho e meu
mundo
As duas faces de um professor O céu de Outubro
Uma lição de vida
                                                 48
POLÍTICA DE
 EDUCAÇÃO INCLUSIVA
A política de educação inclusiva implementada
  pelo MEC tem como foco a garantia do
  acesso de todos à escolarização, a
  implementação das condições de
  acessibilidade necessárias e o
  fortalecimento dos serviços da educação
  especial para atendimento às necessidades
  educacionais especiais dos alunos, visando
  reverter os quadros históricos de exclusão
  educacional.

                                                49
ACESSIBILIDADE
Condição para utilização, com segurança e
 autonomia, total ou assistida, dos espaços,
 mobiliários e equipamentos urbanos, das
 edificações, dos serviços de transporte e dos
 dispositivos, sistemas e meios de
 comunicação e informação, por pessoa com
 deficiência ou com mobilidade reduzida.

                                Decreto Nº 5296/04


                                                50
ACESSIBILIDADE
CF, Art. 227 – “... facilitação de acesso aos bens e serviços coletivos,
com a eliminação de preconceitos e obstáculos arquitetônicos”.
Decreto Nº 5.296/04 – Acessibilidade
Portaria Nº 3.284/03 – Normas e critérios de acessibilidade para o
Ensino Superior
Decreto Nº 5.626/05 – Regulamentação da Libras
Portaria Nº 976/06 – Acessibilidade nos eventos promovidos pelo MEC
Portaria Nº 1.010/06 – Uso do Soroban
SINAES – avalia o PDI das IES que deve estar elaborado de acordo
com o Decreto 5.773/2006, que dispõe sobre o exercício das funções
de regulação, supervisão e avaliação das IES e cursos superiores de
graduação e seqüenciais no sistema federal de ensino (IES públicas e
privadas) e que trata da promoção de acessibilidade de alunos com
deficiência na letra c do inciso VII do art. 16.




                                                                      51
ACESSIBILIDADE




                 52
ESCOLA INCLUSIVA-
Cada municipio organize para



1.Identificar o perfil de seu alunado;
2.Identificar o conjunto das necessidades
educacionais presentes nesse conjunto;
3.Desenvolver experiências piloto para
aprendizagem;
4.Desenvolver um projeto pedagógico
condizente com os resultados dessas
avaliações

                                            53
Necessidade das
      Seguintes
    Modificações
Qualificação das equipes de apoio especializado;
Qualificação do pessoal docente com
investimento em nível de graduação e
especialização;
Estrutura curricular com métodos, técnicas e
recursos educativos;
Treinamento para lidar com a estruturação e
organização curricular e com técnicas
especializadas;
Instrumentalização das escolas para o uso de
novos recursos educativos.

                                               54
A ESCOLA INCLUSIVA
      REQUER
Sistema de colaboração e cooperação nas relações sociais, formando uma
rede de auto-ajuda na escola;

Estabelecimento de uma infra-estrutura de serviços;

Parceria com os pais;
Ambientes educacionais flexíveis;
Estratégias educativas com base em pesquisas;
Facilitação do acesso físico dos portadores de deficiência;
Condições adequadas de trabalho para a equipe técnica dedicada ao
projeto de inclusão;
Assistência às escolas para obter os recursos necessários à
implementação do projeto;
Auxílio na criação de novas formas de estruturação do processo de
ensino-aprendizagem, direcionadas às necessidades dos alunos;




                                                                     55
A ESCOLA INCLUSIVA
     REQUER
Fornecimento de informações apropriadas a
respeito das dificuldades da criança, de seus
processos de aprendizagem e de seu
desenvolvimento social e individual aos
professores da classe comum;
Compreensão, por parte dos professores, da
necessidade de ir além dos limites que as
crianças se colocam, no sentido de levá-las a
alcançar o máximo de suas potencialidades;
Oferecimento de novas alternativas aos
professores, no sentido de implementar formas
mais adequadas de trabalho.

                                                56
3.DOCUMENTOS E
LEGISLAÇÃO:MARCOS LEGAIS.


     A Declaração Universal dos Direitos
 Humanos (1948) uniu os povos do mundo
 todo, no reconhecimento de que:
  “todos os seres humanos nascem livres e
 iguais em dignidade e em direitos.Dotados de
 razão e de consciência, devem agir uns para
 com os outros em espírito de fraternidade”
 (Art.1º).

                                            57
•Nações Unidas, da UNESCO, da UNICEF, do
Banco mundial e de outras entidades
•Todas as crianças têm o direito de ser educadas
umas com as outras, independentemente das suas
condições físicas, intelectuais, afetivas, sociais,
linguísticas ou outras.
•A inclusão é benéfica quer no plano educativo quer
no plano social.
•Uma dezena de instrumentos e de documentos
internacionais defende o princípio da educação
inclusiva:
                                                  58
A Convenção dos Direitos da Criança das
Nações Unidas em 1989
a Conferência Mundial sobre a Educação para
Todos: para responder às necessidades
educativas fundamentais em 1990
o Regulamento das Nações Unidas para a
Igualdade de Oportunidades dos Deficientes,
em 1993.


                                          59
Hoje, a Declaração de Salamanca e o Quadro de
Ação para as Necessidades Educativas Especiais
constituem
o apelo mais claro e inequívoco à educação
inclusiva. Eles reforçam as idéias já expressas em
muitos outros documentos internacionais.
A educação inclusiva evoluiu como um
movimento cuja vocação é pôr em questão as
políticas e as práticas de exclusão.



                                                60
Somente a partir do final do século XX, com a
força dos movimentos internacionais e de todos os
documentos produzidos (e dos compromissos
assumidos) é que esta preocupação passou a se
estender ao conjunto das diferenças humanas.
De acordo com Werneck (2002) e Carneiro (2003)
deve-se à Resolução nº. 45/91, da ONU, não
somente o surgimento do termo inclusão, mas
também de sociedade inclusiva.



                                              61
UNESCO (1995)
sobre os desenvolvimentos da educação no que diz
respeito a necessidades especiais em 63 países, revelou
que a inclusão é uma idéia crucial nas políticas de muitos
dos países da amostra estudada, ainda que só um pequeno
número tenha explicitado, de uma forma clara, os seus
princípios diretores neste assunto.
É o Ministério da Educação que, em 96% dos casos
estudados, está encarregado de gerir e de implantar os
serviços destinados às crianças deficientes. Os fundos
públicos constituem a principal fonte de financiamento,
outros provêm de instituições de beneficência privadas
ou públicas.
                                                      62
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E A
          INCLUSÃO.
A sociedade brasileira tem elaborado dispositivos legais
que, tanto explicitam sua opção política pela construção de
uma sociedade para todos, como orientam as políticas
públicas e sua prática social.
A legislação brasileira assegura uma sociedade para todos,
por meio da Constituição de 1988, que assumiu os mesmos
princípios postos na Declaração Universal dos Direitos
Humanos;
O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei nº 8.069 de
13 de julho de 1990, dispõe, em seu Art. 3º, 4º,53,54,55.
                                                       63
Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394, de 20.12.1996
a universalização do ensino para os cidadãos de 0 a 14 anos de
idade, e a responsabilidade do município de desenvolver os passos
necessários para implementar, em sua realidade sociogeográfica, a
educação inclusiva, no âmbito da Educação Infantil e
Fundamental.
A Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de
Deficiência prevista no Decreto 3.298/99 estabelece:
a matrícula compulsória de pessoas com deficiência, em cursos
regulares, a consideração da educação especial como modalidade
de educação escolar que permeia transversalmente todos os níveis
e modalidades de ensino, a oferta obrigatória e gratuita da
educação especial em estabelecimentos públicos de ensino, dentre
outras medidas (Art. 24,I,II,IV).
A Lei nº 10.172/01, aprova o Plano Nacional de Educação e dá
outras providências.                                           64
O PNE estabelece objetivos e metas para a educação das pessoas
com necessidades educacionais especiais, que dentre eles, destacam-
se os que tratam:
 - dos padrões mínimos de infra-estrutura das escolas para
atendimento de alunos com necessidades educacionais especiais;-
-da formação inicial e continuada dos professores para atendimento
às necessidades dos alunos;
--da disponibilização de recursos didáticos especializados de apoio à
aprendizagem nas áreas visual e auditiva;
-- da articulação das ações de educação especial com a política de
educação para o trabalho;
--do incentivo à realização de estudos e pesquisas nas diversas áreas
relacionadas com as necessidades educacionais dos alunos;

                                                                 65
-do sistema de informações sobre a população a ser
atendida pela educação especial.
Em 08 de outubro de 2001, o Brasil através do Decreto
3.956, promulgou a Convenção Interamericana para a
eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra
as Pessoas Portadoras de Deficiência. Ao instituir esse
Decreto, o Brasil comprometeu-se a:
Tomar as medidas de caráter legislativo, social,
educacional, trabalhista ou de qualquer outra natureza,
que sejam necessárias para eliminar a discriminação
contra as pessoas portadoras de deficiência e
proporcionar a sua plena integração à sociedade (...).

                                                          66
A Resolução CNE/CEB nº 02/2001, instituiu as Diretrizes
Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, que
manifesta o compromisso do país com “o desafio de construir
coletivamente as condições para atender bem à diversidade de seus
alunos”.
Esta Resolução representa um avanço na perspectiva da
universalização do ensino e um marco da atenção à diversidade, na
educação brasileira, quando ratifica a obrigatoriedade da matrícula
de todos os alunos e assim declara:
Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo às
escolas organizarem-se para o atendimento aos educandos com
necessidades educacionais especiais, assegurando aos educandos
com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições
necessárias para uma educação de qualidade para todos.
Dessa forma, não é o aluno que tem que se adaptar à escola, mas é
ela que, consciente da sua função, coloca-se à disposição do aluno,
                                                                67
A proposição da política expressa nas Diretrizes traduz o
conceito de escola inclusiva, pois centra seu foco na
discussão sobre a função social da escola e no seu projeto
pedagógico.
Em consonância com os instrumentos legais acima
mencionados, o Brasil elaborou documentos norteadores
para a prática educacional, visando especialmente superar
a tradição segregatória da atenção ao segmento
populacional constituído de crianças, jovens e adultos
com necessidades educacionais especiais.




                                                       68
O documento “Saberes e Práticas da Inclusão no Ensino
Fundamental”, publicado em 2003 reconhece que:
Toda pessoa tem direito à educação, independentemente de
gênero, etnia, deficiência, idade, classe social ou qualquer outra
condição. O acesso à escola extrapola o ato da matrícula,
implicando na apropriação do saber, da aprendizagem e na
formação do saber, da aprendizagem e na formação do cidadão
crítico e participativo; A população escolar é constituída de grande
diversidade e a ação educativa deve atender às maneiras peculiares
dos alunos aprenderem.




                                                                69
outras Diretrizes (Parecer 17/2001) outras Leis
  como a Lei 10098/00 que estabelece normas
  gerais e critérios básicos para promoção da
  acessibilidade das pessoas portadoras de
  deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá
  outras providências;
A Lei 10216/2001,Lei 10436/2001, Lei10845/2004 que
  institui o programa de Complementação ao
  Atendimento Educacional Especializado às pessoas
  portadoras de deficiência, e dá outras providências-
  PAED.
                                                         70
Os direitos dos Portadores de Necessidades
Especiais são regulados pela Portaria do MEC nº
3.284 de 7 de novembro de 2003, pelo Decreto da
Presidência da República nº 5296 de 02 de
dezembro de 2004 e pela Constituição Brasileira
que prevêem a integração do portador de
deficiência, o pleno exercício de seus direitos
básicos com respeito e dignidade, iguais
oportunidades no meio social, sem privilégio ou
paternalismo bem como a existência de condições
básicas de acesso ao ensino superior, de
mobilidade e utilização de equipamentos e
instalações das Instituições de Ensino Superior.
                                              71
Portadores de quaisquer tipos de deficiências
(sejam elas temporárias ou permanentes) são
essencialmente o público alvo destas orientações,
abrangendo a deficiência física, visual e auditiva,
além dos portadores de deficiências múltiplas.




                                                 72
INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM
      EDUCAÇÃO ESPECIAL


 EMENTA-
 A INTERDISCIPLINARIDADE NA E.E.
 PLANEJAMENTO COLETIVO.
 A HETEROGENEIDADE COMO RECURSO
 PEDAGÓGICO.
 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O
 ATENDIMENTO A DIVERSIDADE.
 RECURSOS DIDÁTICOS/PEDAGÓGICOS
 EM E.E. (OFICINA).

                               73

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
Anaí Peña
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
Thaisduarte
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
Pedagogo Santos
 
Educação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no BrasilEducação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no Brasil
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
Thaisduarte
 
Palestra eja aula inicial
Palestra eja  aula inicialPalestra eja  aula inicial
Palestra eja aula inicial
Alekson Morais
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
Glacemi Loch
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
Vera Zacharias
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
izabel Lucia
 
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOSEDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
Márcia Castilho de Sales
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
Andreia Gomes
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
paInformatica
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Amar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reuniãoAmar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reunião
Simone Liberato CupcakeKids
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 

Mais procurados (20)

Necessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiaisNecessidades educacionais especiais
Necessidades educacionais especiais
 
Inclusão slide
Inclusão slideInclusão slide
Inclusão slide
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Educação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no BrasilEducação Inclusiva no Brasil
Educação Inclusiva no Brasil
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Palestra eja aula inicial
Palestra eja  aula inicialPalestra eja  aula inicial
Palestra eja aula inicial
 
Educação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptxEducação de jovens e adultos.pptx
Educação de jovens e adultos.pptx
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
 
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOSEDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Amar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reuniãoAmar é acolher 1ª reunião
Amar é acolher 1ª reunião
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 

Semelhante a Pedagogia da educação inclusiva

Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008
dri303030
 
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
complemearcurso
 
Educação Inclusiva:mediações para a vida
Educação Inclusiva:mediações para a vidaEducação Inclusiva:mediações para a vida
Educação Inclusiva:mediações para a vida
Adriana Christina
 
Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez
lenirvaccari
 
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
marcaocampos
 
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfmetodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
romaofreire
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
SimoneHelenDrumond
 
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Biblioteca Campus VII
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Artigo
ArtigoArtigo
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisaA educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
Gisele Finatti Baraglio
 
1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender
Geisse Martins
 
Pedagogia special
Pedagogia specialPedagogia special
Pedagogia special
Gourgel Abias
 
Pedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em AngolaPedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em Angola
Gourgel Abias
 
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SPII Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
Sancléia Passos
 
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
urblixo
 
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
Cassia Duque
 

Semelhante a Pedagogia da educação inclusiva (20)

Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008
 
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
 
Educação Inclusiva:mediações para a vida
Educação Inclusiva:mediações para a vidaEducação Inclusiva:mediações para a vida
Educação Inclusiva:mediações para a vida
 
Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez Apresentação débora dainez
Apresentação débora dainez
 
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
 
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfmetodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
 
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEAEducação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisaA educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
A educação inclusiva sob prisma da deficiência visual Resultados de pesquisa
 
1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender1 aprender nao_aprender
1 aprender nao_aprender
 
Pedagogia special
Pedagogia specialPedagogia special
Pedagogia special
 
Pedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em AngolaPedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em Angola
 
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SPII Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
II Projeto Integrador - Univesp Polo Mococa SP
 
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
#Educação Especial_NAPNE_2024_Apresentação.pdf
 
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
ARTIGO EDUCAÇÃO INCLUSIVA DESAFIOS PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DE PRATICAS ED...
 

Pedagogia da educação inclusiva

  • 2. PEDAGOGIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ProfªMSc.ARACY SANTOS SENS. Graduação: História e Geografia Pós Graduação: Psicopedagogia Metodologia da Geografia- Metodologia do Ensino Superior- Mestrado: Educação e Cultura- Professora Universitária: UNIDAVI, UNIVEST,ICPG,PORTAL. Professora Educação Básica: Ensino Médio: UNIDAVI Professora em Pesquisa e Extensão: UNIDAVI Ministrante de Cursos em Formação Continuada nos municípios e escolas particulares. 2
  • 3. PAUTA-10 E 11/10 1-APRESENTAÇÃO-(pessoal,ementa). 2-DISCUSSÃO DO TEMA: EDUCAÇÃO INCLUSIVA . 3-CONCEITOS BÁSICOS. 4-QUEM SÃO OS EXCLUÍDOS? 5-CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA. 6-O RESPEITO AS DIFERENÇAS EVITA O BULLYING. 7-NORMALIZAÇÃO E LEGISLAÇÃO. *VÍDEO- O PODER DA VISÃO. “O PODER DE UM JOVEM”. 3
  • 4. AVALIAÇÃO FINAL COMO POSSO CONTRIBUIR PARA QUE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SEJA REALIDADE Texto dissertativo- (Introdução, desenvolvimento,conclusão ou considerações)-embasamento teórico. 4
  • 5. OBJETIVO Refletir sobre a contribuição que a Psicopedagogia, pode Trazer à equipe multidisciplinar, no planejamento e intervenção educativa, dentro da Escola Inclusiva desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. 5
  • 6. PSICOPEDAGOGIA “Campo de atuação em saúde e educação que lida com o processo de aprendizagem humana, seus padrões normais e patológicos, considerando a influência do meio-família, escola e sociedade, no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da psicopedagogia.” (Código de Ética da ABPp, 1996) 6
  • 7. PSICOPEDAGOGIA Tem um papel decisivo e importante na construção do bom desempenho escolar ou seja do sucesso escolar, pois trabalha com as dificuldades de aprendizagem e suas vicissitudes, dentro da realidade vivida por cada criança, jovem ou adulto . 7
  • 8. Sucesso Escolar O êxito escolar é um fato imaginário, que depende das características e idade da criança, da estrutura e dinâmica familiar, da escola, do meio social, da época e do local onde tudo isso acontece. O fracasso na aprendizagem atinge o individuo, a sua família e o meio social já que o conhecimento significa poder na nossa cultura. Os problemas de aprendizagem são construídos na trama da organização familiar e social que lhe outorga significações. 8
  • 9. Sucesso Escolar Para todas as crianças o sucesso escolar é importantíssimo, já que seu desempenho como pessoa está vinculado em grande parte à sua atuação como aluno Para a família, o sucesso escolar dos filhos é quase que um atestado social de êxito dos pais como educadores Para a escola, alunos com bom desempenho acadêmico, em geral significam profissionais bem sucedidos no futuro 9
  • 10. Sucesso Escolar Individualmente, a criança, a escola ou a família não são linearmente responsáveis pelos problemas de aprendizagem das crianças ou em última análise, do SUCESSO OU FRACASSO escolar, MAS a combinação entre fatores congênitos e as experiências vivenciadas nesses ambientes, levam a emersão das predisposições pré existentes, que podem ser desencadeadoras potenciais dos transtornos de aprendizagem. 10
  • 11. INCLUSÃO “TODO MUNDO É MELHOR EM ALGUMA COISA. ALGUNS SÃO MELHORES EM MUITAS COISAS. TUDO QUE A ESCOLA TEM A FZER É DAR OPORTUNIDADE PARA CADA UM DESCUBRA E DEMONSTRE EM QUE É MELHOR”. TENESSE WILLIAN. “PESSOAS COM DIFICULDADES EM ALGUMAS HABILIDADES, MAS COM MUITA CAPACIDADE EM OUTRAS”. SIMÕES,ANTOINETTE. 11
  • 12. INCLUSÃO “Incluir: do latim includere – abranger, compreender, envolver Excluir: do latim excludere INCLUSÃO: EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS 12
  • 13. Conceito de INCLUSÃO Processo dinâmico cujo objetivo primordial é encontrar as melhores situações para que cada aluno se desenvolva dentro de suas potencialidades, das características de sua escola e das variáveis educacionais de tempo e oportunidades (déc. 90) Incluir é parar de pensar apenas no sentido de como levar as pessoas com NEE em direção à Inclusão, mas de operacionalizar meios para que as pessoas que criam e mantém a exclusão venham a modificar- se, assumindo uma visão mais ampla, preocupada com a qualidade da educação para todos e suas relações com os demais membros da escola e da sociedade. 13
  • 14. IMPORTANTE Aluno de inclusão:Nas escolas, todos são “de inclusão”.Ao se referir por ex:aluno surdo,diga aluno com (ou que tem)deficiência. Cadeirante-O termo reduz a pessoa a objeto. Diga pessoa em cadeira de rodas. ( ESCOLA ESPECIAL 2007,p.13.) 14
  • 15. IMPORTANTE Deficiente:Não devemos reduzir as pessoas e suas capacidades à deficiência. O correto é pessoa com deficiência. Excepcional- O certo é criança ou jovem com deficiência mental. ( ESCOLA ESPECIAL p.13.) 15
  • 16. IMPORTANTE Portador de Deficiência: A deficiência não é algo que a pessoa porta (carrega). O correto é pessoa com deficiência. Escola ou classe normal- Dizemos dizer escola ou classe regular ou comum. ( ESCOLA ESPECIAL 2007, p.13.) 16
  • 17. INCLUIR É LEI. RECUSAR UM ALUNO COM DEFICIÊNCIA , SEGUNDO A LEI FEDERAL 7.853, DE 24/10/89,EM SEU ART.8, É CRIME. A LDB TAMBÉM PREVÊ A INCLUSÃO DE PESSOA COM DEFICIÊNCIA NA REDE PÚBLICA DE ENSINO. 17
  • 18. CONCEITUAÇÃO Deficiência: perda ou anormalidade de estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, temporária ou permanente. Incapacidade: restrição, resultante de uma deficiência, da habilidade para desempenhar uma atividade considerada normal para o ser humano. Desvantagem: prejuízo para o indivíduo, resultante de uma deficiência ou uma incapacidade, que limita ou impede o desempenho de papéis de acordo com a idade, sexo, fatores sociais e culturais. 18
  • 19. CONCEITUAÇÃO Deficiência:. 1-DA LINGUAGEM-AUDIÇÃO-VISÃO 2-MÚSCULO-ESQUELÉTICA (FÍSICA) 3-INTELECTUAL-(MENTAL) Incapacidade: 1-DE FALAR, OUVIR(COMUNICAÇÃO)- VER. 2-DE ANDAR-VESTIR-ALIMENTAR-HIGIENE PESSOAL DE APRENDER, PERCEBER, MEMORIZAR, RELACIONAR- SE, DE TER CONSCIÊNCIA. Desvantagem:. 1-NA ORIENTAÇÃO. 2-NA INDEP.FÍSICA- NA MOBILIDADE, 3-NA CAPACIDADE OCUPACIONAL, NA INTEGRAÇÃO SOCIAL. 19
  • 20. CONCEITUAÇÃO Autonomia É a condição de domínio do ambiente físico e social, preservando ao máximo a privacidade e a dignidade de quem a exerce. Daqui sai os conceitos de autonomia física e autonomia social. Exemplos: rampas nas calçadas, cadeira de rodas. O grau de autonomia resulta da relação entre o nível de prontidão físico-social do portador de deficiência e a realidade de um ambiente físico-social. (Sassaki, 1997) 20
  • 21. CONCEITUAÇÃO Independência Capacidade “de decidir sem depender de outras pessoas, tais como: membros da família ou profissionais especializados”. A pessoa deficiente pode ser mais independente ou menos independente, e isso vai depender da sua auto determinação e/ou prontidão para tomar decisões numa situação. Ambas podem ser aprendidas e/ou desenvolvidas. 21
  • 22. CONCEITUAÇÃO Empowerment “Processo pelo qual uma pessoa, ou um grupo de pessoas, usa o seu poder pessoal inerente a sua condição” – por exemplo: deficiência, gênero, idade, cor – para fazer escolhas e tomar decisões. O poder pessoal está em cada ser humano. A sociedade não tem consciência de que o portador de deficiência também possui esse poder pessoal, e aí a sociedade faz escolhas e toma as decisões por ele. 22
  • 23. CONCEITUAÇÃO INTEGRAÇÃO; INTERAÇÃO; OUSADIA; TRANSGRESSÃO; OUSADIA; POSTURA; UTOPIA; ATITUDE; OLHAR; VER; PRECONCEITO; DISCRIMINAÇÃO; DIVERSIDADE; DESIGUALDADE; REALIDADE; MUDANÇA; MODIFICAÇÃO TRANSFORMAÇÃO; EQUIPE; PARADIGMA;EXCLUSÃO; BULLYING, ASSERTIVIDADE,PESSOAS PROATIVAS E PESSOAS REATIVAS. 23
  • 24. CONCEITUAÇÃO A NORMALIZAÇÃO (MEC-1994) é um “princípio que representa a base filosófico-ideológica da integração. Não se trata de normalizar as pessoas, mas sim o contexto em que se desenvolvem, ou seja, oferecer, às pessoas com deficiência, modos e condições de vida diária o mais semelhante possível às formas e condições de vida do resto da sociedade”. Mantoan (1997, p.120) “a normalização visa tornar acessíveis às pessoas socialmente desvalorizadas condições e modelos de vida análogos aos que são disponíveis de um modo geral ao conjunto de pessoas de um dado meio ou sociedade”. 24
  • 25. CONCEITUAÇÃO O princípio de Mainstreaming, significa levar os alunos o mais possível para os serviços educacionais disponíveis na corrente principal da comunidade. Mainstreaming se refere à integração temporal, instrucional e social do excepcional elegível com crianças normais, de forma progressiva, baseada em estudos e avaliações individuais, requer aceitação e responsabilidade administrativa entre o sistema regular de ensino e educação especial (Pereira, 1980). Tanto o princípio da normalização como o processo de mainstreaming foram importantes elementos na aquisição de conhecimentos e experiências de integração para o surgimento do paradigma da inclusão. (Sassaki, 1997) 25
  • 26. CONCEITUAÇÃO HANDICAP Embora essa palavra inglesa signifique "desvantagem", por definição "handicap" é a vantagem numérica utilizada para haver equilíbrio entre jogadores de níveis diferentes, resultante de um cálculo segundo uma fórmula que varia conforme as regras do evento. 26
  • 27. Estamos atrasados.... “Os ambientes não estão preparados para receber os sujeitos com necessidades especiais” Corde 27
  • 28. EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO: A Inclusão é a modificação da sociedade como pré-requisito para que a pessoa com necessidades especiais possa buscar seu desenvolvimento e exercer a cidadania. (Sassaki, 1997) 28
  • 29. EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO: A Inclusão refere-se à oportunidade que pessoas com deficiências têm de participar plenamente nas atividades educacionais, de emprego, de consumo, de recreação, comunitárias e domésticas que são específicas do quotidiano social.(Florian, 1998) 29
  • 30. Como a Escola tem visto a Diferença? Escola Tradicional Indiferença às diferenças; Procura da Homogeneidade; “todos vestem o mesmo uniforme”. Remete a criação das Escolas Especiais 30
  • 31. Como a Escola tem visto a Diferença? Escola Integrativa Tratamento indiferenciado para os diferentes; Concepção dicotômica da deficiência; Criam-se dois tipos alunos nas escolas públicas: Os alunos com necessidades educativas “normais”, e Os alunos com necessidades educativas “especiais”. 31
  • 32. Como a Escola tem visto a Diferença? Escola Inclusiva “Declaração de Salamanca” “As escolas regulares seguindo esta orientação inclusiva, constituem os meios mais capazes para combater as atitudes discriminatórias, criando comunidades abertas e solidárias, construindo uma sociedade inclusiva e atingindo a educação para todos(...)” ( UNESCO, 1994) 32
  • 33. Como a Escola tem visto a Diferença? Escola Inclusiva O conceito da educação inclusiva pode ser definido como “o desenvolvimento de uma educação apropriada e de alta qualidade para alunos com necessidades especiais na escola regular”. (Hegarty,1994) 33
  • 34. ESCOLA INCLUSIVA E DIVERSIDADE Modelo de Atendimento a Diversidade CONHECIMENTO PLANIFICAÇÃO INTERVENÇÃO Preliminar Aluno Ambiente de Colaboração Aprendizagem Compreensiva Interdisciplinariedade Transicional (Correia,1997) 34
  • 35. PRESSUPOSTOS DE UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LIGAÇÃO COM A COMUNIDADE A escola não pode viver isolada. Reduzir o fosso – fazendo projetos integrativos 35
  • 36. OS DILEMAS DA INCLUSÃO Norwich(1993) apresentou quatro dilemas principais: O dilema do currículo comum: um aluno com graves problemas de aprendizagem deve aprender os mesmos conteúdos diferentes dos seus colegas? O dilema da identificação: a identificação dos alunos com NEE ajuda-os ou, pelo contrário, marca-os negativamente? 36
  • 37. ESCOLA INCLUSIVA Cada municipio organize para: 1.Identificar o perfil de seu alunado; 2.Identificar o conjunto das necessidades educacionais presentes nesse conjunto; 3.Desenvolver experiências piloto para aprendizagem; 4.Desenvolver um projeto pedagógico condizente com os resultados dessas avaliações 37
  • 38. ESCOLA INCLUSIVA Necessidade das Seguintes Modificações • Qualificação das equipes de apoio especializado; • Qualificação do pessoal docente com investimento em nível de graduação e especialização; • Estrutura curricular com métodos, técnicas e recursos educativos; • Treinamento para lidar com a estruturação e organização curricular e com técnicas especializadas; • Instrumentalização das escolas para o uso de novos recursos educativos. 38
  • 39. A ESCOLA INCLUSIVA REQUER: • Sistema de colaboração e cooperação nas relações sociais, formando uma rede de auto-ajuda na escola; • Estabelecimento de uma infra-estrutura de serviços; • Parceria com os pais; • Ambientes educacionais flexíveis; • Estratégias educativas com base em pesquisas; • Facilitação do acesso físico dos portadores de deficiência; 39
  • 40. A ESCOLA INCLUSIVA REQUER: • Condições adequadas de trabalho para a equipe técnica dedicada ao projeto de inclusão; • Assistência às escolas para obter os recursos necessários à implementação do projeto; • Auxílio na criação de novas formas de estruturação do processo de ensino-aprendizagem, direcionadas às necessidades dos alunos; • Fornecimento de informações apropriadas a respeito das dificuldades da criança, de seus processos de aprendizagem e de seu desenvolvimento social e individual aos professores da classe comum; 40
  • 41. A ESCOLA INCLUSIVA REQUER: • Compreensão, por parte dos professores, da necessidade de ir além dos limites que as crianças se colocam, no sentido de levá-las a alcançar o máximo de suas potencialidades; • Oferecimento de novas alternativas aos professores, no sentido de implementar formas mais adequadas de trabalho. 41
  • 42. Braille Falado Teclado Falado Reglete sorobã Impressora Braille 42
  • 43. PARADIGMA DO “EMPOWERMENT” “EMPOWERMENT” significa: “garantir o poder”; “assegurar, a alguém, o poder de escolha e administração sobre sua própria vida”. 43
  • 44. A Inclusão é um processo: -de transformações, pequenas e grandes; -Ambientes Físicos; -Mentalidade das pessoas; -Da própria pessoa com necessidades especiais; 44
  • 45. Diferenças principais entre a Integração e a Inclusão(Porter, 1997) Integração Inclusão Centrada no aluno Centrada na sala de aula Resultados diagnóstico- Resolução de problemas em prescritivos colaboração Programa para o aluno Estratégias para os professores Colocação adequada às Sala de aula favorecendo a necessidades dos alunos adaptação e o apoio 45
  • 46. FILMES Os sinos de Enya * Nenhum a menos A primeira vista * Ana e o Rei Sempre Amigos * A Cura 12 Homens e uma Sentença Homens de Honra Sociedade dos Poetas Mortos O Milagre de Helen Sulivan O Adorável Professor 46
  • 47. FILMES O Demolidor * Oitavo Dia Óleo de Lorenzo * Perfume de Mulher Frida *Clube do Imperador Shreck *A Princesinha A Era do Gelo * Tigrão A Bela e a Fera *Vida de Insetos 47
  • 48. FILMES Roda Amarela Corrida Rumo ao Sol Fernão Capelo Gaivota Pathy Adams Diário de um Adolescente Duelo de Titãs Meu nome é Rádio Revolução dos Bichos Chocolate O Campeão O Sorriso de Monalisa Filadélfia A Fábrica de Chocolate Meu Filho e meu mundo As duas faces de um professor O céu de Outubro Uma lição de vida 48
  • 49. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A política de educação inclusiva implementada pelo MEC tem como foco a garantia do acesso de todos à escolarização, a implementação das condições de acessibilidade necessárias e o fortalecimento dos serviços da educação especial para atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos, visando reverter os quadros históricos de exclusão educacional. 49
  • 50. ACESSIBILIDADE Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. Decreto Nº 5296/04 50
  • 51. ACESSIBILIDADE CF, Art. 227 – “... facilitação de acesso aos bens e serviços coletivos, com a eliminação de preconceitos e obstáculos arquitetônicos”. Decreto Nº 5.296/04 – Acessibilidade Portaria Nº 3.284/03 – Normas e critérios de acessibilidade para o Ensino Superior Decreto Nº 5.626/05 – Regulamentação da Libras Portaria Nº 976/06 – Acessibilidade nos eventos promovidos pelo MEC Portaria Nº 1.010/06 – Uso do Soroban SINAES – avalia o PDI das IES que deve estar elaborado de acordo com o Decreto 5.773/2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das IES e cursos superiores de graduação e seqüenciais no sistema federal de ensino (IES públicas e privadas) e que trata da promoção de acessibilidade de alunos com deficiência na letra c do inciso VII do art. 16. 51
  • 53. ESCOLA INCLUSIVA- Cada municipio organize para 1.Identificar o perfil de seu alunado; 2.Identificar o conjunto das necessidades educacionais presentes nesse conjunto; 3.Desenvolver experiências piloto para aprendizagem; 4.Desenvolver um projeto pedagógico condizente com os resultados dessas avaliações 53
  • 54. Necessidade das Seguintes Modificações Qualificação das equipes de apoio especializado; Qualificação do pessoal docente com investimento em nível de graduação e especialização; Estrutura curricular com métodos, técnicas e recursos educativos; Treinamento para lidar com a estruturação e organização curricular e com técnicas especializadas; Instrumentalização das escolas para o uso de novos recursos educativos. 54
  • 55. A ESCOLA INCLUSIVA REQUER Sistema de colaboração e cooperação nas relações sociais, formando uma rede de auto-ajuda na escola; Estabelecimento de uma infra-estrutura de serviços; Parceria com os pais; Ambientes educacionais flexíveis; Estratégias educativas com base em pesquisas; Facilitação do acesso físico dos portadores de deficiência; Condições adequadas de trabalho para a equipe técnica dedicada ao projeto de inclusão; Assistência às escolas para obter os recursos necessários à implementação do projeto; Auxílio na criação de novas formas de estruturação do processo de ensino-aprendizagem, direcionadas às necessidades dos alunos; 55
  • 56. A ESCOLA INCLUSIVA REQUER Fornecimento de informações apropriadas a respeito das dificuldades da criança, de seus processos de aprendizagem e de seu desenvolvimento social e individual aos professores da classe comum; Compreensão, por parte dos professores, da necessidade de ir além dos limites que as crianças se colocam, no sentido de levá-las a alcançar o máximo de suas potencialidades; Oferecimento de novas alternativas aos professores, no sentido de implementar formas mais adequadas de trabalho. 56
  • 57. 3.DOCUMENTOS E LEGISLAÇÃO:MARCOS LEGAIS. A Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) uniu os povos do mundo todo, no reconhecimento de que: “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade” (Art.1º). 57
  • 58. •Nações Unidas, da UNESCO, da UNICEF, do Banco mundial e de outras entidades •Todas as crianças têm o direito de ser educadas umas com as outras, independentemente das suas condições físicas, intelectuais, afetivas, sociais, linguísticas ou outras. •A inclusão é benéfica quer no plano educativo quer no plano social. •Uma dezena de instrumentos e de documentos internacionais defende o princípio da educação inclusiva: 58
  • 59. A Convenção dos Direitos da Criança das Nações Unidas em 1989 a Conferência Mundial sobre a Educação para Todos: para responder às necessidades educativas fundamentais em 1990 o Regulamento das Nações Unidas para a Igualdade de Oportunidades dos Deficientes, em 1993. 59
  • 60. Hoje, a Declaração de Salamanca e o Quadro de Ação para as Necessidades Educativas Especiais constituem o apelo mais claro e inequívoco à educação inclusiva. Eles reforçam as idéias já expressas em muitos outros documentos internacionais. A educação inclusiva evoluiu como um movimento cuja vocação é pôr em questão as políticas e as práticas de exclusão. 60
  • 61. Somente a partir do final do século XX, com a força dos movimentos internacionais e de todos os documentos produzidos (e dos compromissos assumidos) é que esta preocupação passou a se estender ao conjunto das diferenças humanas. De acordo com Werneck (2002) e Carneiro (2003) deve-se à Resolução nº. 45/91, da ONU, não somente o surgimento do termo inclusão, mas também de sociedade inclusiva. 61
  • 62. UNESCO (1995) sobre os desenvolvimentos da educação no que diz respeito a necessidades especiais em 63 países, revelou que a inclusão é uma idéia crucial nas políticas de muitos dos países da amostra estudada, ainda que só um pequeno número tenha explicitado, de uma forma clara, os seus princípios diretores neste assunto. É o Ministério da Educação que, em 96% dos casos estudados, está encarregado de gerir e de implantar os serviços destinados às crianças deficientes. Os fundos públicos constituem a principal fonte de financiamento, outros provêm de instituições de beneficência privadas ou públicas. 62
  • 63. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E A INCLUSÃO. A sociedade brasileira tem elaborado dispositivos legais que, tanto explicitam sua opção política pela construção de uma sociedade para todos, como orientam as políticas públicas e sua prática social. A legislação brasileira assegura uma sociedade para todos, por meio da Constituição de 1988, que assumiu os mesmos princípios postos na Declaração Universal dos Direitos Humanos; O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990, dispõe, em seu Art. 3º, 4º,53,54,55. 63
  • 64. Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394, de 20.12.1996 a universalização do ensino para os cidadãos de 0 a 14 anos de idade, e a responsabilidade do município de desenvolver os passos necessários para implementar, em sua realidade sociogeográfica, a educação inclusiva, no âmbito da Educação Infantil e Fundamental. A Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência prevista no Decreto 3.298/99 estabelece: a matrícula compulsória de pessoas com deficiência, em cursos regulares, a consideração da educação especial como modalidade de educação escolar que permeia transversalmente todos os níveis e modalidades de ensino, a oferta obrigatória e gratuita da educação especial em estabelecimentos públicos de ensino, dentre outras medidas (Art. 24,I,II,IV). A Lei nº 10.172/01, aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. 64
  • 65. O PNE estabelece objetivos e metas para a educação das pessoas com necessidades educacionais especiais, que dentre eles, destacam- se os que tratam: - dos padrões mínimos de infra-estrutura das escolas para atendimento de alunos com necessidades educacionais especiais;- -da formação inicial e continuada dos professores para atendimento às necessidades dos alunos; --da disponibilização de recursos didáticos especializados de apoio à aprendizagem nas áreas visual e auditiva; -- da articulação das ações de educação especial com a política de educação para o trabalho; --do incentivo à realização de estudos e pesquisas nas diversas áreas relacionadas com as necessidades educacionais dos alunos; 65
  • 66. -do sistema de informações sobre a população a ser atendida pela educação especial. Em 08 de outubro de 2001, o Brasil através do Decreto 3.956, promulgou a Convenção Interamericana para a eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Ao instituir esse Decreto, o Brasil comprometeu-se a: Tomar as medidas de caráter legislativo, social, educacional, trabalhista ou de qualquer outra natureza, que sejam necessárias para eliminar a discriminação contra as pessoas portadoras de deficiência e proporcionar a sua plena integração à sociedade (...). 66
  • 67. A Resolução CNE/CEB nº 02/2001, instituiu as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, que manifesta o compromisso do país com “o desafio de construir coletivamente as condições para atender bem à diversidade de seus alunos”. Esta Resolução representa um avanço na perspectiva da universalização do ensino e um marco da atenção à diversidade, na educação brasileira, quando ratifica a obrigatoriedade da matrícula de todos os alunos e assim declara: Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo às escolas organizarem-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos. Dessa forma, não é o aluno que tem que se adaptar à escola, mas é ela que, consciente da sua função, coloca-se à disposição do aluno, 67
  • 68. A proposição da política expressa nas Diretrizes traduz o conceito de escola inclusiva, pois centra seu foco na discussão sobre a função social da escola e no seu projeto pedagógico. Em consonância com os instrumentos legais acima mencionados, o Brasil elaborou documentos norteadores para a prática educacional, visando especialmente superar a tradição segregatória da atenção ao segmento populacional constituído de crianças, jovens e adultos com necessidades educacionais especiais. 68
  • 69. O documento “Saberes e Práticas da Inclusão no Ensino Fundamental”, publicado em 2003 reconhece que: Toda pessoa tem direito à educação, independentemente de gênero, etnia, deficiência, idade, classe social ou qualquer outra condição. O acesso à escola extrapola o ato da matrícula, implicando na apropriação do saber, da aprendizagem e na formação do saber, da aprendizagem e na formação do cidadão crítico e participativo; A população escolar é constituída de grande diversidade e a ação educativa deve atender às maneiras peculiares dos alunos aprenderem. 69
  • 70. outras Diretrizes (Parecer 17/2001) outras Leis como a Lei 10098/00 que estabelece normas gerais e critérios básicos para promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências; A Lei 10216/2001,Lei 10436/2001, Lei10845/2004 que institui o programa de Complementação ao Atendimento Educacional Especializado às pessoas portadoras de deficiência, e dá outras providências- PAED. 70
  • 71. Os direitos dos Portadores de Necessidades Especiais são regulados pela Portaria do MEC nº 3.284 de 7 de novembro de 2003, pelo Decreto da Presidência da República nº 5296 de 02 de dezembro de 2004 e pela Constituição Brasileira que prevêem a integração do portador de deficiência, o pleno exercício de seus direitos básicos com respeito e dignidade, iguais oportunidades no meio social, sem privilégio ou paternalismo bem como a existência de condições básicas de acesso ao ensino superior, de mobilidade e utilização de equipamentos e instalações das Instituições de Ensino Superior. 71
  • 72. Portadores de quaisquer tipos de deficiências (sejam elas temporárias ou permanentes) são essencialmente o público alvo destas orientações, abrangendo a deficiência física, visual e auditiva, além dos portadores de deficiências múltiplas. 72
  • 73. INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM EDUCAÇÃO ESPECIAL EMENTA- A INTERDISCIPLINARIDADE NA E.E. PLANEJAMENTO COLETIVO. A HETEROGENEIDADE COMO RECURSO PEDAGÓGICO. A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O ATENDIMENTO A DIVERSIDADE. RECURSOS DIDÁTICOS/PEDAGÓGICOS EM E.E. (OFICINA). 73