SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
Izabel C.S. Moura 
izabelsmoura@gmail.com 
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 
SUBSECRETARIA DE ENSINO 
COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO 
INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 
ÁREA ESPECÍFICA DE TRANSTORNOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO 
smeiha@rioeduca.netEducação Inclusiva Desafios e PossibilidadesAlunado com TGD (TEA)
•(...)As práticas escolares tem o objetivo de propiciar a superação das dificuldades iniciais e o desenvolvimento de competências sociocognitivasdas pessoas com TGD. (MEC, 2010)
Identidade e Diferenças 
SECADI -SECADI/MEC –Secretaria de EducaçãoContinuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Decreto 7.690 de Março de 2012.
INCLUSÃO ESCOLAR 
ESCOLA DAS DIFERENÇAS 
TODOS
1854 –Imperial Inst. dos Meninos Cegos –IBC 
1857 –Instituto dos Surdos Mudos –INES 
1926 –Pestalozzi RJ 
1954 –APAE Ass. Pais e Amigos dos Excepcionais. 
1992 –SME/RJ autoriza o projeto de atendimento a alunos portadores da Síndrome do Autismo e Síndromes correlatas. 
1993 –Proj. de Classes Especiais de Condutas Típicas. 
1994 –Ampliação de novas classes especiais de CT em escolas regulares. Definição do MEC Política Nacional de Educação Especial –Livro1 /MEC/ SEES Brasília,1994
•2006 –Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (aprovada no Brasil em 2008 e promulgada em 2009, pelo Decreto 6949 de 25 de agosto) 
•2008 –Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Escola Inclusiva Decreto 6571 
•2009 –Parecer 13/2009 -Resolução Nº 4, de 2 de outubro de 2009 (Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial). 
•2011 –DecretoNº 7.611, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõesobrea EducacãoEspecial, o AtendimentoEducacionalEspecializadoe dáoutrasprovidências. 
•2012 –Nota Técnica64 SECADI/MEC
LEGISLAÇÕES 
Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2006, aprovada no Brasil em 2008 e promulgada em 2009, pelo Decreto 6949 de 25 de agosto); 
Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/SEEP/2008) 
Lei nº 7.853/89-punível com 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa, a ação do agente responsável que "recusar, suspender, procrastinar, cancelar ou fazer cessar, sem justa causa, a inscrição de aluno em estabelecimento de ensino de qualquer curso ou grau, público ou privado, por motivos derivados da deficiência que porta". 
Resolução Nº 4, de 2 de outubro de 2009 (Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial). 
DECRETO Nº 7.611, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011.Nota Técnica 62 –MEC/SECADI/DPEE 
Lei 12.764, de 27 de novembro 2012 -Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. 
Deliberação E/CME nº24, de 03.12.2012 –Normas para o atendimento de crianças portadoras de deficiências nas creches e pré-escolas, 
Lei 5.554 de 16 de janeiro de 2013 -Estabelece diretrizes para inclusão educacional de alunos com deficiências, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. RJ. 
Nota Técnica nº 24 / 2013/ MEC/ SECADI/ DPEE; Orientações aos Sistemas de Ensino para implementação da Lei nº 12.764/2012. 
Lei nº 6708 de 13.03.2014 Cria o programa de conscientização e obriga a inclusão e reserva de vagas na rede publica e privada de Educação do estado do Rio de Janeiro para crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista 
As escolas particulares exercem função sujeita à autorização e à fiscalização pelo Poder Público no que se refere ao cumprimento das normas gerais da educação nacional (art. 209, da Constituição Federal). Em face disso, possuem as mesmas obrigações impostas à rede pública de ensino pela política nacional de educação inclusiva adotada pelo Estado brasileiro 
Nota Técnica 04/2014 Orientações para laudos –SECADI/MEC
•A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva tem como objetivo assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, orientando os sistemas de ensino para garantir: acesso ao ensino regular, participação, aprendizagem e continuidade nos níveis mais elevados do ensino; transversalidade da modalidade de educação especial desde a educação infantil até a educação superior; oferta do atendimento educacional especializado; formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais profissionais da educação para a inclusão; participação da família e da comunidade; acessibilidade arquitetônica, nos transportes, nos mobiliários, nas comunicações e informações; e articulação intersetorialna implementação das políticas públicas. 
Política Nacional de Educação Especial
Público alvo da Educação Especial 
DEFICIÊNCIA INTELECTUAL –DI 
DEFICIÊNCIA VISUAL -DV 
SURDEZ 
DEFICIÊNCIA FÍSICA -DF 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA -DMU 
TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO – TGD/TEA 
ALTAS HABILIDADES -AH 
Tati 
André 
Luca 
Humberto 
Dorinha
Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento são aqueles que apresentam alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se nesse grupo alunos com autismo, síndromes do espectro autismo e psicose infantil. 
(MEC/SEESP, 2007) 
Alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento
No âmbito educacional, a influência dos modelos explicativos sobre o autismo, ao longo da história, determinou as primeiras iniciativas de intervenção no ensino que, entretanto, foram muito específicas e distanciadas daquelas desenvolvidas no meio social inerente à escola como conhecemos hoje. 
(...) as representações sociais se apresentam como uma “rede” de ideias, metáforas e imagens mais ou menos interligadas livremente, e por isso, mais móveis e fluidas que teorias”. Moscovici,2003 
“Autismos” & Estigma
O aluno com TGD tem como principais características aspectos que estão diretamente vinculados às relações interpessoais : 
Comportamento 
Interesses e atividades restritos 
Interação Social Recíproca 
LINGUAGEM Modalidades / 
Comunicação 
Simões,2011
http://educacadoresemluta.blogspot.com.br/2013/11/ziraldo-cria-cartilha-para-explicar-o.html
A inclusão escolar tem início na educação infantil, onde se desenvolvem as bases necessárias para a construção do conhecimento e seu desenvolvimento global. 
Do nascimento aos três anos, o atendimento educacional especializado se expressa por meio de serviços de intervenção precoce que objetivam otimizar o processo de desenvolvimento e aprendizagem em interface com os serviços de saúde e assistência social.
O autismo é um transtorno do desenvolvimento que deve ser diagnosticado oficialmente até os três anos de idade (DSM-IV/2002 ou CID10/1998). Estudos tem demonstrado que o autismo pode ser diagnosticado com segurança aos 24 meses e indícios podem ser percebidos por volta dos 12 meses. A importância de uma identificação de risco precoce é a possibilidade de uma intervenção também precoce, o que pode minimizar as características do transtorno, e permitir um melhor prognóstico. 
No Brasil o diagnóstico é da área da Saúde, e nos casos de Autismo, geralmente, é Clínico.
O autismo é um distúrbio do neurodesenvolvimento. Ele não é um distúrbio mental, ou seja, não é uma psicose ou esquizofrenia, nem constitui um atraso no desenvolvimento mas envolve um desvio do desenvolvimento. 
O transtorno autista é uma combinação de características comportamentais específicas que constitui um padrão específico. Lampreia.2012
•Os bebes nascem com uma notável capacidade para prestar atenção no mundo físico ao seu redor e uma grandiosa habilidade para comunicar-se com as pessoas, demonstrada logo após o nascimento. 
É na sutileza do repertório comunicativo das crianças, bem antes da emergência das primeiras palavras, que se encontra a chave do reconhecimento de possíveis comprometimento, que vão além de um “atraso” do desenvolvimento. (Bosa,C.2002)
•No início, o apego é em relação àqueles que lhe deram a vida, protegem, afagam e alimentam; 
•Os pais constituem a fonte inicial de conforto e segurança (Bowlby,1969; Brazelton, 1988). 
•aos poucos, o interesse amplia- se para incluir outros, com os quais vai dividir as suas descobertas pelo mundo. O primeiro interesse do ser humano é, sem dúvida, um outro ser humano.
•As trocas afetivas são a primeira forma de relações recíprocas que o bebê vivencia. Cedo ele aprende que suas ações não são em vão. Logo percebe que o mundo ao seu redor possui uma natureza “relativa” 
•Buscar, responder ou manter a atenção de outro ser humano é tarefa precoce, que possui desdobramentos importantes o futuro desenvolvimento global do bebê. 
•Desenvolvimento habilidades motoras (comportamento exploratório) 
•Curiosidade / comunicação / Interações Sociais /Cultura
•Desde o primeiro olhar para o rosto humano até a compreensão das emoções e ações dos outros e das regras que regem uma cultura, há uma grande caminhada. 
•Infelizmente, nem todas as crianças constroem facilmente esta caminhada. O autismo parece ser o protótipo dessa situação. Acredita-se que os fatores que dificultam esse percurso podem estar presentes desde a “largada” dessa caminhada ou mesmo antes dela. (Tanguay,2000)
Especificidades ...TGDAlterações no sono –posições estranhas Choro persistenteReações inapropriadas nas interações (apatia, irritação, aconchego, rigidez....) Rituais na hora da alimentaçãoManutenção de rotinas 
Todos os bebês com desenvolvimento normal apresentam as mesmas características que não são comuns nem constantes nos que têm Autismo: alegria, curiosidade, prazer no contato fisicocom os outros –o aconchego; busca pela “atenção” das pessoas; busca pelo olhar das outras pessoas; alternância alegria / irritação e acordado / dormindo. 
É importante ressaltar que essas características podem ocorrer, mas não são frequentes nem constantes nos que tem Autismo.(Camargos Jr. 2010)
Especificidades ...TGD 
•Olham menos para mãe e outras pessoas 
•Há menos trocas comunicativas 
•Ausência do Olhar nos olhos como forma de comunicação 
•Não acompanha com o olhar a movimentação da mãe. 
•Aconchego físico pode ser rejeitado 
•Demonstração de sentir-se melhor sozinho 
•Não antecipar a ação de ser “pego no colo” 
•Não demonstrar alegria com mudanças da mímica facial e corporal 
•Não reagir a barulho próximo ou reação exagerada 
•Alterações alimentares 
•Não responder ao próprio nome (5 meses) 
•Não apontar os objetos desejados (8 meses) 
•Especificidades na fala ( linguagem) 
•Estereotipias
ESPECIFICIDADES 
TGD
izabelsmoura@ig.com.brAspectos Observados na INTERAÇÃO SOCIAL 
Jacy Perissinoto: 
•Conjunto de inabilidade de comportamentos sociais: 
–Raramente iniciam interação social / conversação; 
–Mantém pouca atenção às outras pessoas; 
–Comportamentos não verbais de iniciação e manutenção de contato; 
–Dificuldades em reconhecer e expressar emoções (valores culturais); 
–Raramente buscam referências sociais (atitude do outro / auto-regulação) 
–Falta de empatia (ausência / limitação de respostas) 
Filme Dudu 1
izabelsmoura@ig.com.brCOMUNICAÇÃO por J. Perissinoto 
•Apresentam grande variedade de comportamentos incomuns. 
•Utilização de gestos sem “intenção comunicativa”. 
•Ausência de fala ou fala tardia com algumas especificidades. 
-Inabilidade na prosódia; 
-Fala repetitiva 
-Uso idiossincrático de palavras. 
-Dificuldade nos aspectos pragmáticos da comunicação e 
na estruturação da narrativa. 
-Limitação na compreensão da função da linguagem e 
interpretação de narrativas. 
Filme Dudu 2
izabelsmoura@ig.com.brPADRÃO DE INTERESSES E ATIVIDADES por J. Perissinoto 
•Tendem a engajar-se em atividades repetitivas e estereotipadas com os objetos. 
•Raro comportamento de jogo simbólico (faz de conta). 
•Interesse por números, datas, horários, figuras, fotos, mapas, leitura de palavras, de forma sistemática / persistente. 
•Maior interesse em atividades relacionadas àmemória. 
•Resistência a mudanças de rotina de vida diária e a incorporação de novos hábitos. 
•Estruturação de rituais sem funcionalidade real. 
Filme Dudu 3
Conceitos Importantes
TGD relação com DI (Deficiência Intelectual) 
Antes do anos 90 –TGD acreditava que 90% DI 
Anos 90 TGD 75% DI 
2000 –TGD 50% DI 
Estudos recentes –TGD 25%? DI
Os precursores da linguagem 
Intersubjetividade Primária 
(0 a 9 meses) Mãe-filho –interação face a face (olhar e entonação da voz) 
Intersubjetividade Secundária 
protolinguageme relação tripartite 
mãe –bebê –objeto 
A criança autista desenvolve suas habilidades prélinguísticae linguísticas de modo diverso, apresentando falhas no desenvolvimento do jogo simbólico e da atenção compartilhada. (Lampreia,2008) Observações ...TGD
AtençãoCompartilhada 
Consistenacapacidadedacriançacompartilharseuinteresseporumobjetocomoutrapessoa–éumfatorfundamentalparaodesenvolvimentodaintersubjetividadesecundáriaetempapelfundamentalnodesenvolvimentodacapacidadesimbólicadobebê.Seguiraatençãodooutroeosdedirigirsuaatenção- comunicaçãointencional/funçãoimperativaefunçãodeclarativa. 
(Lampreia,2008)
Função Executiva 
Conjunto de condutas de pensamentos que permite a utilização de estratégias adequadas para se alcançar um objetivo.(Fuster,1997) 
Capacidade de antecipar, planificar, controlar impulsos, inibir respostas inadequadas, flexibilizar pensamento e ação. 
Há evidências consistentes de déficits da Função Executiva em pessoas com TGD (Goldman –Rakic1987)
Teoria da Mente 
“Capacidade de atribuir estados mentais a outras pessoas e predizer o seu comportamento em função destas atribuições” (Premack& Woodruff,1978 –in MEC/UFCeará.2010
Especificidades motoras 
“A conduta motora tem grande peso na análise do comportamento, devido a numerosas implicações de ordem neurológica, e por permitir, também, que por meio dela seja feita a estimativa de sua maturidade física e mental” (Marcondes e Alcântara,1978.45)
No autismo aparecem vários distúrbios da percepção... 
Essas crianças manifestam falhas na modulação de estímulos, com distorções na hierarquia normal, na preferência dos receptores e uma incapacidade na habilidade de usar estímulos sensoriais para discriminar o que é importante ou não. Acontece também uma ausência de feed-backnos receptores.(Gauderer,1992) 
Especificidades senso perceptíveis
Sensação –processo de sentir o meio ambiente através dos órgãos dos sentidos 
Percepção –Forma de interpretar as sensações 
•Monoprocessamento: Somente uma modalidade por vez é processada pelo cérebro; Desligamento do Sistema, percepção periférica, memoria perceptiva e associativa e sinestesia (Estimulação de uma área provoca percepção simultânea em outra (cor e forma) 
•Percepção gestáltica–Sons e ruídos percebidos simultaneamente; 
•Intensidade de trabalho dos sentidos –hipoou hipersensibilidades; 
•Perturbação por estímulos –estímulos podem causar e dor; 
•Fascinação por estímulos –ficam horas observando um determinado estímulo; 
•Agnosias–Dificuldade par interpretar um estímulo, é capaz de ver, ouvir , mas incapaz de dar sentido a essas sensações; 
•Percepção flutuante, fragmentada, distorcida e atrasada 
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAf3O0AI/processos-psicologicos-basicos- sensacao-percepcao-no-autismo“Aprender como os sentidos de cada pessoa autista funcionam é a chave crucial para compreender aquela pessoa “ (O’ Neil l/1999)
O autista, sendo um indivíduo único, é exclusivo enquanto pessoa. Embora tenha características peculiares no que se refere ao transtorno, suas manifestações comportamentais diferenciam-se segundo seu nível linguístico e simbólico, quociente intelectual, temperamento, acentuação sintomática, histórico de vida, ambiente, condições clínicas, assim como todos nós.
“o modo pelo qual a criança autista se protege da sua maior vulnerabilidade é gerando a ilusão de ter uma outra cobertura sobre seu corpo, como uma concha dura, desenvolvida pelo uso idiossincrático e pervertido de suas sensações corporais. Esse encapsulamento é a característica psicodinâmica específica do autismo (s)”. (Araújo,1997) 
Vídeo Mateus
INCLUSÃO ESCOLAR 
•Acesso 
•Permanência 
•Participação 
•Aprendizagem
.
O acesso à escola extrapola o ato da matrícula e implica apropriação do saber e das oportunidades educacionais oferecidas à totalidade dos alunos com vistas a atingir as finalidades da educação, a despeito da diversidade na população escolar.
Aspectos importantes para Inclusão
Arquitetura –(Acessibilidade) 
Localização da Sala 
Ambiente Facilitador da Aprendizagem 
Uso de Tecnologias Assistiva 
Espaços estruturados 
Outros...
Importância na Prática Pedagógica 
Aprendizagem Significativa 
Funcionalidade da Aprendizagem 
Presença do Lúdico 
Planejamento –Possibilidades 
Múltiplas Linguagens 
Uso de recursos visuais –Ambiente Alfabetizador 
Trocas entre pares 
E outras...
Comunicação / Interação 
Comunicação 
Interação 
Identificação 
Potencialidades/ 
Necessidades 
Como ele se comunica? 
Como ele interage? 
Procure descobrir como 
éo aluno 
aos olhos de 
diferentes 
pessoas – 
familiares, alunos, 
professores, merendeiras, 
etc... 
Quais as suas possibilidades? 
Por gestos? Quais? 
Com o que interage? 
O que gosta de aprender? 
Pelo olhar? De que forma? 
Com quem interage? 
Quais as suas preferencias? 
Quando se comunica? 
Quando ele interage? 
Quais suas necessidades? 
Qual a finalidade desta comunicação? 
Em que situaçãointerage? 
Tem algum tipo de comportamento específico? 
O que ele comunica? 
O aluno demonstra algum tipo de intencionalidade? 
É compreensível o que ele deseja comunicar? 
Comunica através de estereotipias? 
Ocorre de forma espontânea? 
Qual o tempo de duração desta comunicação? 
MEC/SECADI/UFSC.2014
•Entrevistacomoresponsável 
•Observaçãodoaluno 
•AtençãoaoPPP 
•Descritores 
•CompetênciaseHabilidades 
–ConstruçãodeConhecimentosacadêmicos 
–Alfabetização/Letramento 
–Independência 
–Autonomia
Levantamento Necessidades Específicas 
Identificação 
Potencialidades 
Necessidades 
Estratégias 
Recursos 
Pedagógicos
Grupo de Referência– alunos da mesma idade 
AGRUPADOS POR FAIXA ETÁRIA 
Escola : PPP 
Habilidades e competências 
Saberes científicos para a série /ciclos 
CONSTRUÇAO DO CONHECIMENTO 
Aluno 
Habilidades, 
COMPETÊNCIAS E SABERES 
Especificidades
•ComoseComunica? 
•Comoreageasoutraspessoas? 
•Qualseuinteresse?Oqueolha? 
•Oquemantêmsuaatenção? 
•Oquecompreendequandofalo? 
•Apresenta“leiturademundo”? 
•Comoestaseuprocessodeconstruçãodaleituraedaescrita?Decodifica?Lê? 
•...
Dez Coisas que o Aluno com Autismo Gostaria que a Professora Soubesse 
•Comportamento é comunicação 
•Nunca presuma nada 
•Dê um intervalo para a auto regulação, antes que eu necessite dele 
•Diga o que você quer que eu faça de forma positiva e não imperativa 
•Tenha uma expectativa razoável 
•Ajude-me a fazer a transição entre as atividades 
•Não torne pior uma situação ruim 
•Critique gentilmente 
•Ofereça escolhas reais 
•A última palavra: acredite. Acredite que você pode fazer uma diferença para mim. É preciso acomodação e adaptação mas autismo é um distúrbio não préfixado. Não há limites superiores inerentes para aquisições. Posso sentir muito mais que posso comunicar e a coisa que mais posso perceber é se você acredita ou não que “eu posso”. Espere mais e você receberá mais. Incentive-me a ser tudo que posso ser, de modo que possa seguir o caminho muito depois de já ter saído de sua classe. 
Por Ellen Notbohntraduzido por HeloizaGoodrich
PARCERIA FAMÍLA – ESCOLA 
*Família participativa presente 
na Escola 
*Compreensão Familiar da 
Função da Escola 
*Acompanhamento do 
desenvolvimento do filho. 
*Trabalho Cooperativo Família- 
Escola 
**ACREDITAR QUE 
É POSSÍVEL ! 
FAMÍLIA & ESCOLA
Obrigada!! 
Izabel Moura 
izabelsmoura@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularJanderly Reis
 
Palestra Inclusão
Palestra InclusãoPalestra Inclusão
Palestra InclusãoPaty Almada
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricularKaren Araki
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivasaiadufmg
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anoscatialipa
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoamorimjuvenal
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxpaInformatica
 
100548961 projeto-da-educacao-inclusiva
100548961 projeto-da-educacao-inclusiva100548961 projeto-da-educacao-inclusiva
100548961 projeto-da-educacao-inclusivaAdrianoAbreu AldaIris
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência IntelectualEdilene Sampaio
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência físicayurigadelha
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioRosana Santos
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolamarleneevang
 

Mais procurados (20)

Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Palestra Inclusão
Palestra InclusãoPalestra Inclusão
Palestra Inclusão
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptxO Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
O Papel do Profissional de apoio.mediador na sala comum.pptx
 
100548961 projeto-da-educacao-inclusiva
100548961 projeto-da-educacao-inclusiva100548961 projeto-da-educacao-inclusiva
100548961 projeto-da-educacao-inclusiva
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
 
dislexia
dislexiadislexia
dislexia
 
PEI
PEIPEI
PEI
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
 

Destaque (8)

Transtorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do DesenvolvimentoTranstorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do Desenvolvimento
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Alunos com TGD e a escola - Lugar de aprender
Alunos com TGD e a escola - Lugar de aprenderAlunos com TGD e a escola - Lugar de aprender
Alunos com TGD e a escola - Lugar de aprender
 
Inclusão escolar mediada: desafios e possibilidades do aluno TGD
Inclusão escolar mediada: desafios e possibilidades do aluno TGDInclusão escolar mediada: desafios e possibilidades do aluno TGD
Inclusão escolar mediada: desafios e possibilidades do aluno TGD
 
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
Transtorno global de desenvolvimento - Capacitação 2011
 
Transtornos globais do desenvolvimento
Transtornos globais do desenvolvimentoTranstornos globais do desenvolvimento
Transtornos globais do desenvolvimento
 
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGDTRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO - TGD
 
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
 

Semelhante a Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA

Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012planetaaspie
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaCarina Zandonai
 
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdfJÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdfAparecidadeArajoSilv
 
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de ppt
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de pptTEA e Amparo Legal (novo) apresentação de ppt
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de pptLucianaLu48
 
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfmetodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfromaofreire
 
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.katiaregyna
 
Inclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaInclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaRebecaRuan
 
Pedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em AngolaPedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em AngolaGourgel Abias
 
Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008dri303030
 
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdfAPOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdfAndrea491870
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalRosana Santos
 
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...GiulianeStauski
 
Revista inclusão 7
Revista inclusão 7Revista inclusão 7
Revista inclusão 7Edson Silva
 
2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini
2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini
2016 artigo ped_unioeste_wivianebeniniRose Locatelli
 

Semelhante a Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA (20)

Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
Planeta Aspie, Izabel Moura 2012
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
 
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdfJÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
JÚNIOR e CUNHA 2010 - a_educacao_especial_na_perspectiva_da_inclusao_escolar.pdf
 
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de ppt
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de pptTEA e Amparo Legal (novo) apresentação de ppt
TEA e Amparo Legal (novo) apresentação de ppt
 
Fasciculo 9
Fasciculo 9Fasciculo 9
Fasciculo 9
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfmetodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
 
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
Educação Especial em uma perspectiva inclusiva.
 
Inclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiênciaInclusão de crianças com deficiência
Inclusão de crianças com deficiência
 
Pedagogia special
Pedagogia specialPedagogia special
Pedagogia special
 
Pedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em AngolaPedagogia especial em Angola
Pedagogia especial em Angola
 
Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008
 
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BAIX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
 
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdfAPOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
APOSTILA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL.pdf
 
Educacao inclusiva
Educacao inclusivaEducacao inclusiva
Educacao inclusiva
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
 
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...
PIBIDIANOS_DA_UTFPR_MEDIANTE_A_EDUCAÇÃO_INCLUSIVA_COM_NEURODIVERGENTES,_DEFIC...
 
Revistadiversidades 20
Revistadiversidades 20Revistadiversidades 20
Revistadiversidades 20
 
Revista inclusão 7
Revista inclusão 7Revista inclusão 7
Revista inclusão 7
 
2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini
2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini
2016 artigo ped_unioeste_wivianebenini
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 

Educação Inclusiva: Desafios e Possibilidades do Alunado com TGD / TEA

  • 1. Izabel C.S. Moura izabelsmoura@gmail.com SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF ÁREA ESPECÍFICA DE TRANSTORNOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO smeiha@rioeduca.netEducação Inclusiva Desafios e PossibilidadesAlunado com TGD (TEA)
  • 2. •(...)As práticas escolares tem o objetivo de propiciar a superação das dificuldades iniciais e o desenvolvimento de competências sociocognitivasdas pessoas com TGD. (MEC, 2010)
  • 3. Identidade e Diferenças SECADI -SECADI/MEC –Secretaria de EducaçãoContinuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Decreto 7.690 de Março de 2012.
  • 4. INCLUSÃO ESCOLAR ESCOLA DAS DIFERENÇAS TODOS
  • 5. 1854 –Imperial Inst. dos Meninos Cegos –IBC 1857 –Instituto dos Surdos Mudos –INES 1926 –Pestalozzi RJ 1954 –APAE Ass. Pais e Amigos dos Excepcionais. 1992 –SME/RJ autoriza o projeto de atendimento a alunos portadores da Síndrome do Autismo e Síndromes correlatas. 1993 –Proj. de Classes Especiais de Condutas Típicas. 1994 –Ampliação de novas classes especiais de CT em escolas regulares. Definição do MEC Política Nacional de Educação Especial –Livro1 /MEC/ SEES Brasília,1994
  • 6. •2006 –Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (aprovada no Brasil em 2008 e promulgada em 2009, pelo Decreto 6949 de 25 de agosto) •2008 –Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Escola Inclusiva Decreto 6571 •2009 –Parecer 13/2009 -Resolução Nº 4, de 2 de outubro de 2009 (Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial). •2011 –DecretoNº 7.611, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõesobrea EducacãoEspecial, o AtendimentoEducacionalEspecializadoe dáoutrasprovidências. •2012 –Nota Técnica64 SECADI/MEC
  • 7. LEGISLAÇÕES Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2006, aprovada no Brasil em 2008 e promulgada em 2009, pelo Decreto 6949 de 25 de agosto); Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/SEEP/2008) Lei nº 7.853/89-punível com 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa, a ação do agente responsável que "recusar, suspender, procrastinar, cancelar ou fazer cessar, sem justa causa, a inscrição de aluno em estabelecimento de ensino de qualquer curso ou grau, público ou privado, por motivos derivados da deficiência que porta". Resolução Nº 4, de 2 de outubro de 2009 (Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial). DECRETO Nº 7.611, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011.Nota Técnica 62 –MEC/SECADI/DPEE Lei 12.764, de 27 de novembro 2012 -Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Deliberação E/CME nº24, de 03.12.2012 –Normas para o atendimento de crianças portadoras de deficiências nas creches e pré-escolas, Lei 5.554 de 16 de janeiro de 2013 -Estabelece diretrizes para inclusão educacional de alunos com deficiências, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. RJ. Nota Técnica nº 24 / 2013/ MEC/ SECADI/ DPEE; Orientações aos Sistemas de Ensino para implementação da Lei nº 12.764/2012. Lei nº 6708 de 13.03.2014 Cria o programa de conscientização e obriga a inclusão e reserva de vagas na rede publica e privada de Educação do estado do Rio de Janeiro para crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista As escolas particulares exercem função sujeita à autorização e à fiscalização pelo Poder Público no que se refere ao cumprimento das normas gerais da educação nacional (art. 209, da Constituição Federal). Em face disso, possuem as mesmas obrigações impostas à rede pública de ensino pela política nacional de educação inclusiva adotada pelo Estado brasileiro Nota Técnica 04/2014 Orientações para laudos –SECADI/MEC
  • 8. •A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva tem como objetivo assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, orientando os sistemas de ensino para garantir: acesso ao ensino regular, participação, aprendizagem e continuidade nos níveis mais elevados do ensino; transversalidade da modalidade de educação especial desde a educação infantil até a educação superior; oferta do atendimento educacional especializado; formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais profissionais da educação para a inclusão; participação da família e da comunidade; acessibilidade arquitetônica, nos transportes, nos mobiliários, nas comunicações e informações; e articulação intersetorialna implementação das políticas públicas. Política Nacional de Educação Especial
  • 9. Público alvo da Educação Especial DEFICIÊNCIA INTELECTUAL –DI DEFICIÊNCIA VISUAL -DV SURDEZ DEFICIÊNCIA FÍSICA -DF DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA -DMU TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO – TGD/TEA ALTAS HABILIDADES -AH Tati André Luca Humberto Dorinha
  • 10. Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento são aqueles que apresentam alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se nesse grupo alunos com autismo, síndromes do espectro autismo e psicose infantil. (MEC/SEESP, 2007) Alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento
  • 11. No âmbito educacional, a influência dos modelos explicativos sobre o autismo, ao longo da história, determinou as primeiras iniciativas de intervenção no ensino que, entretanto, foram muito específicas e distanciadas daquelas desenvolvidas no meio social inerente à escola como conhecemos hoje. (...) as representações sociais se apresentam como uma “rede” de ideias, metáforas e imagens mais ou menos interligadas livremente, e por isso, mais móveis e fluidas que teorias”. Moscovici,2003 “Autismos” & Estigma
  • 12. O aluno com TGD tem como principais características aspectos que estão diretamente vinculados às relações interpessoais : Comportamento Interesses e atividades restritos Interação Social Recíproca LINGUAGEM Modalidades / Comunicação Simões,2011
  • 14.
  • 15. A inclusão escolar tem início na educação infantil, onde se desenvolvem as bases necessárias para a construção do conhecimento e seu desenvolvimento global. Do nascimento aos três anos, o atendimento educacional especializado se expressa por meio de serviços de intervenção precoce que objetivam otimizar o processo de desenvolvimento e aprendizagem em interface com os serviços de saúde e assistência social.
  • 16. O autismo é um transtorno do desenvolvimento que deve ser diagnosticado oficialmente até os três anos de idade (DSM-IV/2002 ou CID10/1998). Estudos tem demonstrado que o autismo pode ser diagnosticado com segurança aos 24 meses e indícios podem ser percebidos por volta dos 12 meses. A importância de uma identificação de risco precoce é a possibilidade de uma intervenção também precoce, o que pode minimizar as características do transtorno, e permitir um melhor prognóstico. No Brasil o diagnóstico é da área da Saúde, e nos casos de Autismo, geralmente, é Clínico.
  • 17. O autismo é um distúrbio do neurodesenvolvimento. Ele não é um distúrbio mental, ou seja, não é uma psicose ou esquizofrenia, nem constitui um atraso no desenvolvimento mas envolve um desvio do desenvolvimento. O transtorno autista é uma combinação de características comportamentais específicas que constitui um padrão específico. Lampreia.2012
  • 18. •Os bebes nascem com uma notável capacidade para prestar atenção no mundo físico ao seu redor e uma grandiosa habilidade para comunicar-se com as pessoas, demonstrada logo após o nascimento. É na sutileza do repertório comunicativo das crianças, bem antes da emergência das primeiras palavras, que se encontra a chave do reconhecimento de possíveis comprometimento, que vão além de um “atraso” do desenvolvimento. (Bosa,C.2002)
  • 19. •No início, o apego é em relação àqueles que lhe deram a vida, protegem, afagam e alimentam; •Os pais constituem a fonte inicial de conforto e segurança (Bowlby,1969; Brazelton, 1988). •aos poucos, o interesse amplia- se para incluir outros, com os quais vai dividir as suas descobertas pelo mundo. O primeiro interesse do ser humano é, sem dúvida, um outro ser humano.
  • 20. •As trocas afetivas são a primeira forma de relações recíprocas que o bebê vivencia. Cedo ele aprende que suas ações não são em vão. Logo percebe que o mundo ao seu redor possui uma natureza “relativa” •Buscar, responder ou manter a atenção de outro ser humano é tarefa precoce, que possui desdobramentos importantes o futuro desenvolvimento global do bebê. •Desenvolvimento habilidades motoras (comportamento exploratório) •Curiosidade / comunicação / Interações Sociais /Cultura
  • 21. •Desde o primeiro olhar para o rosto humano até a compreensão das emoções e ações dos outros e das regras que regem uma cultura, há uma grande caminhada. •Infelizmente, nem todas as crianças constroem facilmente esta caminhada. O autismo parece ser o protótipo dessa situação. Acredita-se que os fatores que dificultam esse percurso podem estar presentes desde a “largada” dessa caminhada ou mesmo antes dela. (Tanguay,2000)
  • 22. Especificidades ...TGDAlterações no sono –posições estranhas Choro persistenteReações inapropriadas nas interações (apatia, irritação, aconchego, rigidez....) Rituais na hora da alimentaçãoManutenção de rotinas Todos os bebês com desenvolvimento normal apresentam as mesmas características que não são comuns nem constantes nos que têm Autismo: alegria, curiosidade, prazer no contato fisicocom os outros –o aconchego; busca pela “atenção” das pessoas; busca pelo olhar das outras pessoas; alternância alegria / irritação e acordado / dormindo. É importante ressaltar que essas características podem ocorrer, mas não são frequentes nem constantes nos que tem Autismo.(Camargos Jr. 2010)
  • 23. Especificidades ...TGD •Olham menos para mãe e outras pessoas •Há menos trocas comunicativas •Ausência do Olhar nos olhos como forma de comunicação •Não acompanha com o olhar a movimentação da mãe. •Aconchego físico pode ser rejeitado •Demonstração de sentir-se melhor sozinho •Não antecipar a ação de ser “pego no colo” •Não demonstrar alegria com mudanças da mímica facial e corporal •Não reagir a barulho próximo ou reação exagerada •Alterações alimentares •Não responder ao próprio nome (5 meses) •Não apontar os objetos desejados (8 meses) •Especificidades na fala ( linguagem) •Estereotipias
  • 25. izabelsmoura@ig.com.brAspectos Observados na INTERAÇÃO SOCIAL Jacy Perissinoto: •Conjunto de inabilidade de comportamentos sociais: –Raramente iniciam interação social / conversação; –Mantém pouca atenção às outras pessoas; –Comportamentos não verbais de iniciação e manutenção de contato; –Dificuldades em reconhecer e expressar emoções (valores culturais); –Raramente buscam referências sociais (atitude do outro / auto-regulação) –Falta de empatia (ausência / limitação de respostas) Filme Dudu 1
  • 26. izabelsmoura@ig.com.brCOMUNICAÇÃO por J. Perissinoto •Apresentam grande variedade de comportamentos incomuns. •Utilização de gestos sem “intenção comunicativa”. •Ausência de fala ou fala tardia com algumas especificidades. -Inabilidade na prosódia; -Fala repetitiva -Uso idiossincrático de palavras. -Dificuldade nos aspectos pragmáticos da comunicação e na estruturação da narrativa. -Limitação na compreensão da função da linguagem e interpretação de narrativas. Filme Dudu 2
  • 27. izabelsmoura@ig.com.brPADRÃO DE INTERESSES E ATIVIDADES por J. Perissinoto •Tendem a engajar-se em atividades repetitivas e estereotipadas com os objetos. •Raro comportamento de jogo simbólico (faz de conta). •Interesse por números, datas, horários, figuras, fotos, mapas, leitura de palavras, de forma sistemática / persistente. •Maior interesse em atividades relacionadas àmemória. •Resistência a mudanças de rotina de vida diária e a incorporação de novos hábitos. •Estruturação de rituais sem funcionalidade real. Filme Dudu 3
  • 29. TGD relação com DI (Deficiência Intelectual) Antes do anos 90 –TGD acreditava que 90% DI Anos 90 TGD 75% DI 2000 –TGD 50% DI Estudos recentes –TGD 25%? DI
  • 30. Os precursores da linguagem Intersubjetividade Primária (0 a 9 meses) Mãe-filho –interação face a face (olhar e entonação da voz) Intersubjetividade Secundária protolinguageme relação tripartite mãe –bebê –objeto A criança autista desenvolve suas habilidades prélinguísticae linguísticas de modo diverso, apresentando falhas no desenvolvimento do jogo simbólico e da atenção compartilhada. (Lampreia,2008) Observações ...TGD
  • 32. Função Executiva Conjunto de condutas de pensamentos que permite a utilização de estratégias adequadas para se alcançar um objetivo.(Fuster,1997) Capacidade de antecipar, planificar, controlar impulsos, inibir respostas inadequadas, flexibilizar pensamento e ação. Há evidências consistentes de déficits da Função Executiva em pessoas com TGD (Goldman –Rakic1987)
  • 33. Teoria da Mente “Capacidade de atribuir estados mentais a outras pessoas e predizer o seu comportamento em função destas atribuições” (Premack& Woodruff,1978 –in MEC/UFCeará.2010
  • 34. Especificidades motoras “A conduta motora tem grande peso na análise do comportamento, devido a numerosas implicações de ordem neurológica, e por permitir, também, que por meio dela seja feita a estimativa de sua maturidade física e mental” (Marcondes e Alcântara,1978.45)
  • 35. No autismo aparecem vários distúrbios da percepção... Essas crianças manifestam falhas na modulação de estímulos, com distorções na hierarquia normal, na preferência dos receptores e uma incapacidade na habilidade de usar estímulos sensoriais para discriminar o que é importante ou não. Acontece também uma ausência de feed-backnos receptores.(Gauderer,1992) Especificidades senso perceptíveis
  • 36. Sensação –processo de sentir o meio ambiente através dos órgãos dos sentidos Percepção –Forma de interpretar as sensações •Monoprocessamento: Somente uma modalidade por vez é processada pelo cérebro; Desligamento do Sistema, percepção periférica, memoria perceptiva e associativa e sinestesia (Estimulação de uma área provoca percepção simultânea em outra (cor e forma) •Percepção gestáltica–Sons e ruídos percebidos simultaneamente; •Intensidade de trabalho dos sentidos –hipoou hipersensibilidades; •Perturbação por estímulos –estímulos podem causar e dor; •Fascinação por estímulos –ficam horas observando um determinado estímulo; •Agnosias–Dificuldade par interpretar um estímulo, é capaz de ver, ouvir , mas incapaz de dar sentido a essas sensações; •Percepção flutuante, fragmentada, distorcida e atrasada http://www.ebah.com.br/content/ABAAAf3O0AI/processos-psicologicos-basicos- sensacao-percepcao-no-autismo“Aprender como os sentidos de cada pessoa autista funcionam é a chave crucial para compreender aquela pessoa “ (O’ Neil l/1999)
  • 37. O autista, sendo um indivíduo único, é exclusivo enquanto pessoa. Embora tenha características peculiares no que se refere ao transtorno, suas manifestações comportamentais diferenciam-se segundo seu nível linguístico e simbólico, quociente intelectual, temperamento, acentuação sintomática, histórico de vida, ambiente, condições clínicas, assim como todos nós.
  • 38. “o modo pelo qual a criança autista se protege da sua maior vulnerabilidade é gerando a ilusão de ter uma outra cobertura sobre seu corpo, como uma concha dura, desenvolvida pelo uso idiossincrático e pervertido de suas sensações corporais. Esse encapsulamento é a característica psicodinâmica específica do autismo (s)”. (Araújo,1997) Vídeo Mateus
  • 39. INCLUSÃO ESCOLAR •Acesso •Permanência •Participação •Aprendizagem
  • 40. .
  • 41. O acesso à escola extrapola o ato da matrícula e implica apropriação do saber e das oportunidades educacionais oferecidas à totalidade dos alunos com vistas a atingir as finalidades da educação, a despeito da diversidade na população escolar.
  • 43. Arquitetura –(Acessibilidade) Localização da Sala Ambiente Facilitador da Aprendizagem Uso de Tecnologias Assistiva Espaços estruturados Outros...
  • 44. Importância na Prática Pedagógica Aprendizagem Significativa Funcionalidade da Aprendizagem Presença do Lúdico Planejamento –Possibilidades Múltiplas Linguagens Uso de recursos visuais –Ambiente Alfabetizador Trocas entre pares E outras...
  • 45. Comunicação / Interação Comunicação Interação Identificação Potencialidades/ Necessidades Como ele se comunica? Como ele interage? Procure descobrir como éo aluno aos olhos de diferentes pessoas – familiares, alunos, professores, merendeiras, etc... Quais as suas possibilidades? Por gestos? Quais? Com o que interage? O que gosta de aprender? Pelo olhar? De que forma? Com quem interage? Quais as suas preferencias? Quando se comunica? Quando ele interage? Quais suas necessidades? Qual a finalidade desta comunicação? Em que situaçãointerage? Tem algum tipo de comportamento específico? O que ele comunica? O aluno demonstra algum tipo de intencionalidade? É compreensível o que ele deseja comunicar? Comunica através de estereotipias? Ocorre de forma espontânea? Qual o tempo de duração desta comunicação? MEC/SECADI/UFSC.2014
  • 46. •Entrevistacomoresponsável •Observaçãodoaluno •AtençãoaoPPP •Descritores •CompetênciaseHabilidades –ConstruçãodeConhecimentosacadêmicos –Alfabetização/Letramento –Independência –Autonomia
  • 47. Levantamento Necessidades Específicas Identificação Potencialidades Necessidades Estratégias Recursos Pedagógicos
  • 48. Grupo de Referência– alunos da mesma idade AGRUPADOS POR FAIXA ETÁRIA Escola : PPP Habilidades e competências Saberes científicos para a série /ciclos CONSTRUÇAO DO CONHECIMENTO Aluno Habilidades, COMPETÊNCIAS E SABERES Especificidades
  • 49. •ComoseComunica? •Comoreageasoutraspessoas? •Qualseuinteresse?Oqueolha? •Oquemantêmsuaatenção? •Oquecompreendequandofalo? •Apresenta“leiturademundo”? •Comoestaseuprocessodeconstruçãodaleituraedaescrita?Decodifica?Lê? •...
  • 50. Dez Coisas que o Aluno com Autismo Gostaria que a Professora Soubesse •Comportamento é comunicação •Nunca presuma nada •Dê um intervalo para a auto regulação, antes que eu necessite dele •Diga o que você quer que eu faça de forma positiva e não imperativa •Tenha uma expectativa razoável •Ajude-me a fazer a transição entre as atividades •Não torne pior uma situação ruim •Critique gentilmente •Ofereça escolhas reais •A última palavra: acredite. Acredite que você pode fazer uma diferença para mim. É preciso acomodação e adaptação mas autismo é um distúrbio não préfixado. Não há limites superiores inerentes para aquisições. Posso sentir muito mais que posso comunicar e a coisa que mais posso perceber é se você acredita ou não que “eu posso”. Espere mais e você receberá mais. Incentive-me a ser tudo que posso ser, de modo que possa seguir o caminho muito depois de já ter saído de sua classe. Por Ellen Notbohntraduzido por HeloizaGoodrich
  • 51. PARCERIA FAMÍLA – ESCOLA *Família participativa presente na Escola *Compreensão Familiar da Função da Escola *Acompanhamento do desenvolvimento do filho. *Trabalho Cooperativo Família- Escola **ACREDITAR QUE É POSSÍVEL ! FAMÍLIA & ESCOLA
  • 52. Obrigada!! Izabel Moura izabelsmoura@gmail.com