SlideShare uma empresa Scribd logo
O que é esta educação inclusiva?
• Transformação de uma sociedade inclusiva
• Conta com a participação de todos
• Percebe o sujeito e suas singularidades
• Busca atender a necessidade em sala de aula
comum em um sistema de ensino regular.
Será que a escola sempre teve
uma proposta inclusiva?
• Um sistema separado de
educação para crianças
com deficiência.
• Fora do ensino regular.
Ensino Especial
Educação
Inclusiva
• Fazendo uso da
concepção Vygostskyana
principalmente, entende
que a participação
inclusiva dos alunos
facilita o aprendizado
para todos.
• Este entendimento está
baseado no conceito da
Zona de Desenvolvimento
Proximal.
O conceito de inclusão
A inclusão é :
• atender aos estudantes portadores de necessidades
especiais na vizinhanças da sua residência.
• propiciar a ampliação do acesso destes alunos às classes
comuns.
• propiciar aos professores da classe comum um suporte
técnico.
• perceber que as crianças podem aprender juntas, embora
tendo objetivos e processos diferentes.
• levar os professores a estabelecer formas criativas de
atuação com as crianças portadoras de deficiência.
• propiciar um atendimento integrado ao professor de classe
comum
O conceito de inclusão
A inclusão nãoé :
• levar crianças às classes comuns sem o acompanhamento do
professor especializado.
• ignorar as necessidades específicas da criança
• fazer as crianças seguirem um processo único de
desenvolvimento, ao mesmo tempo e para todas as idades
• extinguir o atendimento de educação especial antes do
tempo
• esperar que os professores de classe regular ensinem as
crianças portadoras de necessidades especiais sem um
suporte técnico.
Um breve resgate
histórico
• Na época do império já existia atendimento as pessoas
com deficiência.
• 1854 – Imperial Instituto dos meninos cegos
• 1857 – Instituto dos surdos mudos
• 1926 – Pestalozzi (RJ)
• 1945 – Helena Antipoff
• 1954 - APAE
• No Brasil começou na década de 70,
com aceitação de alunos por parte de algumas escolas.
Classificando os educandos com
necessidades especiais.
Mental
Auditiva
Visual
Superdotação
Física Múltipla
Mental
Deficiência mental é a designação
que caracteriza os problemas que
ocorrem no cérebro e levam a um baixo
rendimento, mas que não afetam
outras regiões ou áreas cerebrais.
Deficiente mental são “todas as
pessoas que tenham um QI abaixo de
70 e cujos sintomas tenham aparecido
antes dos dezoito anos considera-se
que têm deficiência mental.”
Visual
A deficiência visual é definida
como a perda total ou parcial,
congênita ou adquirida, da visão. O
nível de acuidade visual pode variar, o
que determina dois grupos de
deficiência:
• Cegueira
• Baixa visão ou visão subnormal
Auditiva
É a perda parcial ou total da audição,
causada por má-formação (causa genética),
lesão na orelha ou nas estruturas que compõem
o aparelho auditivo.
A deficiência auditiva moderada é a
incapacidade de ouvir sons com intensidade
menor que 50 decibéis e costuma ser
compensada com a ajuda de aparelhos e
acompanhamento terapêutico.
Em graus mais avançados, como na perda
auditiva severa, aparelhos e órteses ajudam
parcialmente, mas o aprendizado de Libras e da
leitura orofacial, sempre que possível, é
recomendado.
Física
São complicações que levam à limitação
da mobilidade e da coordenação geral,
podendo também afetar a fala, em diferentes
graus. As causas são variadas - desde lesões
neurológicas e neuromusculares até má-
formação congênita ou paralisia cerebral.
Os principais tipos de deficiência física
são: Paraplegia, tetraplegias e hemiplegia.
Ainda são consideradas as amputações, os
casos de paralisia cerebral e as ostomias
(aberturas abdominais para uso de sondas).
Múltipla
A deficiência múltipla é a
ocorrência de duas ou mais
deficiências simultaneamente -
sejam deficiências intelectuais,
físicas ou ambas combinadas.
Não existem estudos que
comprovem quais são as mais
recorrentes.
Superdotação
Os Portadores de Altas Habilidades, como também podem ser
chamados os superdotados, são curiosos, criativos e aprendem tarefas com
facilidade. Muitas vezes, surpreendem os pais com habilidades precoces,
vocabulário avançado em comparação com crianças da sua idade e
raciocínios complexos.
Características de um superdotado
• Dorme pouco.
• Aprende a ler em um curto espaço de
tempo. 3. Fala sua primeira palavra com
seis meses.
• Diz sua primeira frase com 12 meses.
• Mantém uma conversação entre 18 e 24
meses. Vocabulário impróprio para sua
idade.
• Aprende o abecedário e conta até 10
aos dois anos e meio.
• Resolve mentalmente problemas de
soma e subtração até 10 com três anos.
• Pergunta por palavras que não conhece
desde os três anos.
• Preocupação por assuntos de
moralidade e justiça.
• Enérgico e confiante em suas
possibilidades.
• Muito observador e aberto a situações
não usuais.
• Muito crítico consigo mesmo e com os
demais.
• Grande capacidade de atenção e
concentração.
• Gosta de relacionar-se com as crianças
de maior idade.
• Baixa auto-estima, tendência à
depressão.
• Se aborrece na sala de aula porque suas
capacidades superam os programas de
estudos convencionais.
• São, aparentemente, muito distraídos.
• Seu pensamento é produtivo mais que
reprodutivo. Baseiam-se na construção
das coisas.
• Tem muito pouca motivação para com o
professor.
• Chegam a sentir-se incompreendidos,
estranhos.
• São independentes e introvertidos.
A FAMILIA E A EDUCAÇÃO
INCLUSIVA
Segundo PARPINELLI (1997 p. 61), cabe a família.
Destacar para a pessoa portadora de deficiência e para o seu
circulo de convivência o que ela pode fazer.
Ver a pessoa integra, e digna com qualidades e defeitos como
toda pessoa, com características próprias, um individuo que
merece respeito como qualquer outra pessoa.
Valorizar as suas realizações, pelo que elas representam para
essa pessoa em particular, sem compará-las a outras pessoas
deficiente ou não.
Ser capaz de perceber que muitas limitações são contornáveis,
não exigindo muitas vezes recurso especial, apenas boa vontade e
criatividade por parte da pessoa portadora de deficiência;
Sobre a família é importante
destacar:
• É importante o acompanhamento de um profissional
especialista.
• Uma ajuda psicológica é sempre bem vinda.
• O tratamento para com a criança requer atenção.
• E se além da criança especial tiver outros filhos?
O PAPEL DO PROFESSOR DO
ENSINO REGULAR
O papel do professor deve ser o
de agente facilitador, e não
desmotivador, na situação do ensino
/ aprendizagem. Se o professor
interagir com o aluno da mesma
forma que ele age com outras
pessoas – com respeito, amabilidade
e, sobretudo com segurança, o
processo de ensino e aprendizagem
terá grande possibilidade de se
efetivar.
Competências do professor de Educação Especial
• Demonstrar conhecimento dos aspectos históricos da
relação da sociedade com as deficiências e com a pessoa
com deficiência.
• Conhecer as várias tendências de abordagem teórica da
educação em relação às pessoas que apresentam
necessidades educacionais especiais.
• Ser capaz de produzir e selecionar material didático com
vistas ao trabalho pedagógico.
• Identificar as necessidades educacionais de cada aluno por
meio de avaliação pedagógica.
• Elaborar Plano de Atendimento no Serviço de Apoio
Pedagógico Especializado – SAPE, visando intervenção
pedagógica nas áreas do desenvolvimento global e
encaminhamentos educacionais necessários.
• Desenvolver com os alunos matriculados em classes
comuns atividades escolares complementares,
submetendo-as a flexibilizações, promovendo adaptações
de acesso ao currículo e recursos específicos necessários.
• Conhecer os indicadores que definam a evolução do
aluno em relação ao domínio dos conteúdos curriculares
e elaborar os registros adequados.
DEFICIENTES FÍSICOS
E A SUPERAÇÃO!
Stephen Hawking – Famoso físico teórico inglês, com mais de quarenta anos de
carreira seus livros o tornaram um membro da Sociedade Real das Artes, membro
da Pontificia Academia de Ciências e ainda ganhou a Medalha Presidencial da
Liberdade Stephen tem ELA, esclerose amniótica lateral, que compromete todo
seu corpo, mas que não afeta seu intelectual, os médicos disseram que ele não
sobreviveria mais de três anos quando a doença foi detectada quando ainda era
um estudante universitário. Stephen tem grande orgulho de sua capacidade e
inteligência.
O impossível
só existiu até
o dia em que
inventaram a
superação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
Lucas Silva
 

Mais procurados (20)

Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 

Destaque

Relação Família Escola
Relação Família EscolaRelação Família Escola
Relação Família Escola
Joaquim Colôa
 
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
Conceição pires
 
Inclusão escolar: práticas e compromissos para com os educandos
Inclusão escolar:  práticas e compromissos  para com os educandosInclusão escolar:  práticas e compromissos  para com os educandos
Inclusão escolar: práticas e compromissos para com os educandos
SimoneHelenDrumond
 
8. curriculo escolar
8. curriculo escolar8. curriculo escolar
8. curriculo escolar
liliana-liz
 
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação InclusivaJoiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
alexrrosaueja
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 

Destaque (20)

Educação Inclusiva: à conquista das aprendizagens!
Educação Inclusiva: à conquista das aprendizagens!Educação Inclusiva: à conquista das aprendizagens!
Educação Inclusiva: à conquista das aprendizagens!
 
Ed inclusiva
Ed inclusivaEd inclusiva
Ed inclusiva
 
Mesa 3 profa. sabrina de castro
Mesa 3   profa. sabrina de castroMesa 3   profa. sabrina de castro
Mesa 3 profa. sabrina de castro
 
Relação Família Escola
Relação Família EscolaRelação Família Escola
Relação Família Escola
 
Publ alunos cegos
Publ alunos cegosPubl alunos cegos
Publ alunos cegos
 
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
 
O terapeuta ocupacional_em_contexto_escolar (1)
O terapeuta ocupacional_em_contexto_escolar (1)O terapeuta ocupacional_em_contexto_escolar (1)
O terapeuta ocupacional_em_contexto_escolar (1)
 
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
Necessidades especiais de_educacao_parceria_entre_a_escola_e_o_cri_uma_estrat...
 
Avaliação da Formação Continua de Professores num Centro de Formação
Avaliação da Formação Continua de Professores num Centro de FormaçãoAvaliação da Formação Continua de Professores num Centro de Formação
Avaliação da Formação Continua de Professores num Centro de Formação
 
Carvalho
CarvalhoCarvalho
Carvalho
 
Inclusão escolar: práticas e compromissos para com os educandos
Inclusão escolar:  práticas e compromissos  para com os educandosInclusão escolar:  práticas e compromissos  para com os educandos
Inclusão escolar: práticas e compromissos para com os educandos
 
E D Especial
E D  EspecialE D  Especial
E D Especial
 
8. curriculo escolar
8. curriculo escolar8. curriculo escolar
8. curriculo escolar
 
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação InclusivaJoiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
Joiran M. da Silva - MEC - Educação Inclusiva
 
Ed Esp Prefeitura
Ed Esp PrefeituraEd Esp Prefeitura
Ed Esp Prefeitura
 
RESUMO :declaração de Jomtien
RESUMO :declaração de JomtienRESUMO :declaração de Jomtien
RESUMO :declaração de Jomtien
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
Htpc currículo
Htpc currículoHtpc currículo
Htpc currículo
 
Fundamentos da Educação Inclusiva
Fundamentos da Educação InclusivaFundamentos da Educação Inclusiva
Fundamentos da Educação Inclusiva
 

Semelhante a Educação inclusiva

Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marcia
eemariomanoel
 
Intelectual
IntelectualIntelectual
Intelectual
Patikaka
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
unidadebetinho
 

Semelhante a Educação inclusiva (20)

Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marcia
 
Síntese do caderno
Síntese do cadernoSíntese do caderno
Síntese do caderno
 
A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA SALA DE AULA.ppt
A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA SALA DE AULA.pptA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA SALA DE AULA.ppt
A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA SALA DE AULA.ppt
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
 
Intelectual
IntelectualIntelectual
Intelectual
 
Investigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptxInvestigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptx
 
Altas habilidades superdotados 2
Altas habilidades   superdotados 2Altas habilidades   superdotados 2
Altas habilidades superdotados 2
 
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
Educação especial ciências possibilidades e perspectivas - 2013
 
Trabalho do inesp
Trabalho do inespTrabalho do inesp
Trabalho do inesp
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
 
Apresentação Bel
Apresentação BelApresentação Bel
Apresentação Bel
 
Apresentação Bel
Apresentação BelApresentação Bel
Apresentação Bel
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
 
Aula educacaoespecial 1_2
Aula educacaoespecial 1_2Aula educacaoespecial 1_2
Aula educacaoespecial 1_2
 
3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia
 
Anexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexiaAnexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexia
 
Anexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotadosAnexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotados
 
Deficiencia intelectual
Deficiencia intelectualDeficiencia intelectual
Deficiencia intelectual
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
 
Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido Altas habilidades Trabalho concluido
Altas habilidades Trabalho concluido
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 

Educação inclusiva

  • 1.
  • 2. O que é esta educação inclusiva?
  • 3. • Transformação de uma sociedade inclusiva • Conta com a participação de todos • Percebe o sujeito e suas singularidades • Busca atender a necessidade em sala de aula comum em um sistema de ensino regular.
  • 4. Será que a escola sempre teve uma proposta inclusiva?
  • 5. • Um sistema separado de educação para crianças com deficiência. • Fora do ensino regular. Ensino Especial Educação Inclusiva • Fazendo uso da concepção Vygostskyana principalmente, entende que a participação inclusiva dos alunos facilita o aprendizado para todos. • Este entendimento está baseado no conceito da Zona de Desenvolvimento Proximal.
  • 6. O conceito de inclusão A inclusão é : • atender aos estudantes portadores de necessidades especiais na vizinhanças da sua residência. • propiciar a ampliação do acesso destes alunos às classes comuns. • propiciar aos professores da classe comum um suporte técnico. • perceber que as crianças podem aprender juntas, embora tendo objetivos e processos diferentes. • levar os professores a estabelecer formas criativas de atuação com as crianças portadoras de deficiência. • propiciar um atendimento integrado ao professor de classe comum
  • 7. O conceito de inclusão A inclusão nãoé : • levar crianças às classes comuns sem o acompanhamento do professor especializado. • ignorar as necessidades específicas da criança • fazer as crianças seguirem um processo único de desenvolvimento, ao mesmo tempo e para todas as idades • extinguir o atendimento de educação especial antes do tempo • esperar que os professores de classe regular ensinem as crianças portadoras de necessidades especiais sem um suporte técnico.
  • 8. Um breve resgate histórico • Na época do império já existia atendimento as pessoas com deficiência. • 1854 – Imperial Instituto dos meninos cegos • 1857 – Instituto dos surdos mudos • 1926 – Pestalozzi (RJ) • 1945 – Helena Antipoff • 1954 - APAE • No Brasil começou na década de 70, com aceitação de alunos por parte de algumas escolas.
  • 9. Classificando os educandos com necessidades especiais. Mental Auditiva Visual Superdotação Física Múltipla
  • 10. Mental Deficiência mental é a designação que caracteriza os problemas que ocorrem no cérebro e levam a um baixo rendimento, mas que não afetam outras regiões ou áreas cerebrais. Deficiente mental são “todas as pessoas que tenham um QI abaixo de 70 e cujos sintomas tenham aparecido antes dos dezoito anos considera-se que têm deficiência mental.”
  • 11. Visual A deficiência visual é definida como a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, da visão. O nível de acuidade visual pode variar, o que determina dois grupos de deficiência: • Cegueira • Baixa visão ou visão subnormal
  • 12. Auditiva É a perda parcial ou total da audição, causada por má-formação (causa genética), lesão na orelha ou nas estruturas que compõem o aparelho auditivo. A deficiência auditiva moderada é a incapacidade de ouvir sons com intensidade menor que 50 decibéis e costuma ser compensada com a ajuda de aparelhos e acompanhamento terapêutico. Em graus mais avançados, como na perda auditiva severa, aparelhos e órteses ajudam parcialmente, mas o aprendizado de Libras e da leitura orofacial, sempre que possível, é recomendado.
  • 13. Física São complicações que levam à limitação da mobilidade e da coordenação geral, podendo também afetar a fala, em diferentes graus. As causas são variadas - desde lesões neurológicas e neuromusculares até má- formação congênita ou paralisia cerebral. Os principais tipos de deficiência física são: Paraplegia, tetraplegias e hemiplegia. Ainda são consideradas as amputações, os casos de paralisia cerebral e as ostomias (aberturas abdominais para uso de sondas).
  • 14. Múltipla A deficiência múltipla é a ocorrência de duas ou mais deficiências simultaneamente - sejam deficiências intelectuais, físicas ou ambas combinadas. Não existem estudos que comprovem quais são as mais recorrentes.
  • 15. Superdotação Os Portadores de Altas Habilidades, como também podem ser chamados os superdotados, são curiosos, criativos e aprendem tarefas com facilidade. Muitas vezes, surpreendem os pais com habilidades precoces, vocabulário avançado em comparação com crianças da sua idade e raciocínios complexos.
  • 16. Características de um superdotado • Dorme pouco. • Aprende a ler em um curto espaço de tempo. 3. Fala sua primeira palavra com seis meses. • Diz sua primeira frase com 12 meses. • Mantém uma conversação entre 18 e 24 meses. Vocabulário impróprio para sua idade. • Aprende o abecedário e conta até 10 aos dois anos e meio. • Resolve mentalmente problemas de soma e subtração até 10 com três anos. • Pergunta por palavras que não conhece desde os três anos. • Preocupação por assuntos de moralidade e justiça. • Enérgico e confiante em suas possibilidades. • Muito observador e aberto a situações não usuais. • Muito crítico consigo mesmo e com os demais. • Grande capacidade de atenção e concentração. • Gosta de relacionar-se com as crianças de maior idade. • Baixa auto-estima, tendência à depressão. • Se aborrece na sala de aula porque suas capacidades superam os programas de estudos convencionais. • São, aparentemente, muito distraídos. • Seu pensamento é produtivo mais que reprodutivo. Baseiam-se na construção das coisas. • Tem muito pouca motivação para com o professor. • Chegam a sentir-se incompreendidos, estranhos. • São independentes e introvertidos.
  • 17. A FAMILIA E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA Segundo PARPINELLI (1997 p. 61), cabe a família. Destacar para a pessoa portadora de deficiência e para o seu circulo de convivência o que ela pode fazer. Ver a pessoa integra, e digna com qualidades e defeitos como toda pessoa, com características próprias, um individuo que merece respeito como qualquer outra pessoa. Valorizar as suas realizações, pelo que elas representam para essa pessoa em particular, sem compará-las a outras pessoas deficiente ou não. Ser capaz de perceber que muitas limitações são contornáveis, não exigindo muitas vezes recurso especial, apenas boa vontade e criatividade por parte da pessoa portadora de deficiência;
  • 18. Sobre a família é importante destacar: • É importante o acompanhamento de um profissional especialista. • Uma ajuda psicológica é sempre bem vinda. • O tratamento para com a criança requer atenção. • E se além da criança especial tiver outros filhos?
  • 19.
  • 20. O PAPEL DO PROFESSOR DO ENSINO REGULAR O papel do professor deve ser o de agente facilitador, e não desmotivador, na situação do ensino / aprendizagem. Se o professor interagir com o aluno da mesma forma que ele age com outras pessoas – com respeito, amabilidade e, sobretudo com segurança, o processo de ensino e aprendizagem terá grande possibilidade de se efetivar.
  • 21.
  • 22. Competências do professor de Educação Especial • Demonstrar conhecimento dos aspectos históricos da relação da sociedade com as deficiências e com a pessoa com deficiência. • Conhecer as várias tendências de abordagem teórica da educação em relação às pessoas que apresentam necessidades educacionais especiais. • Ser capaz de produzir e selecionar material didático com vistas ao trabalho pedagógico. • Identificar as necessidades educacionais de cada aluno por meio de avaliação pedagógica.
  • 23. • Elaborar Plano de Atendimento no Serviço de Apoio Pedagógico Especializado – SAPE, visando intervenção pedagógica nas áreas do desenvolvimento global e encaminhamentos educacionais necessários. • Desenvolver com os alunos matriculados em classes comuns atividades escolares complementares, submetendo-as a flexibilizações, promovendo adaptações de acesso ao currículo e recursos específicos necessários. • Conhecer os indicadores que definam a evolução do aluno em relação ao domínio dos conteúdos curriculares e elaborar os registros adequados.
  • 24. DEFICIENTES FÍSICOS E A SUPERAÇÃO!
  • 25. Stephen Hawking – Famoso físico teórico inglês, com mais de quarenta anos de carreira seus livros o tornaram um membro da Sociedade Real das Artes, membro da Pontificia Academia de Ciências e ainda ganhou a Medalha Presidencial da Liberdade Stephen tem ELA, esclerose amniótica lateral, que compromete todo seu corpo, mas que não afeta seu intelectual, os médicos disseram que ele não sobreviveria mais de três anos quando a doença foi detectada quando ainda era um estudante universitário. Stephen tem grande orgulho de sua capacidade e inteligência.
  • 26. O impossível só existiu até o dia em que inventaram a superação.