SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
PRISÃO EM FLAGRANTE
Flagrante: vem do latim “flagrare” (queimar) e flagrans,
ntis (ardente, abrasador, que queima)
Medida cautelar restritiva de liberdade consistente na
prisão, independente de ordem judicial, de quem é
surpreendido cometendo ou logo após cometer uma
infração penal (crime ou contravenção).
Certeza visual da infração penal (Frederico Marques)
“Mais eloquente prova de uma infração penal”
(Tornaghi)
PRISÃO EM FLAGRANTE
Objetivos:
Assegura a colheita imediata de provas sensíveis da
autoria e materialidade da infração penal.
No caso do “estar cometendo a infração penal”, faz
cessar a prática criminosa; nos demais casos, evitar
o exaurimento
CLASSIFICAÇÃO
Quanto à situação do agente no momento da
captura:
a) Flagrante próprio (perfeito, real,
verdadeiro ou propriamente dito): art. 302,
I e II, do CPP. Agente está cometendo
(consumado ou não) a infração ou acaba
de cometê-la (não há intervalo de tempo)
CLASSIFICAÇÃO
Flagrante próprio (1): art. 302, I CPP.
Agente está cometendo (consumado ou
não) a infração.
Flagrante próprio (2): ou acaba de cometê-
la. O agente NÃO SE DESLIGOU DA
CENA DO CRIME
B) FLAGRANTE IMPRÓPRIO
(IRREAL, IMPERFEITO OU
QUASE-FLAGRANTE)
Agente perseguido “logo após” a infração pela
autoridade, vítima ou qualquer outra pessoa,
em situação que faça presumir ser ele o autor
da infração (art. 302, III, do CP).
LOGO APÓS: não há prazo determinado
PERSEGUIÇÃO IMEDIATA E
ININTERRUPTA, “não restando ao autor do
delito nenhum momento de tranquilidade”
B) FLAGRANTE IMPRÓPRIO
(IRREAL, IMPERFEITO OU
QUASE-FLAGRANTE)
Requisitos do flagrante impróprio:
A) Perseguição de agente perfeitamente
identificado;
B) Perseguição iniciada LOGO APÓS a ação
criminosa (pode durar horas ou dias)
C) FLAGRANTE PRESUMIDO
OU FICTO
O agente é preso, LOGO DEPOIS de cometer a
infração penal, com instrumentos, armas, objetos ou
papéis que façam presumir ser ele o autor da
infração (art. 302, IV, do CPP)
Não precisa haver perseguição
Comum nos crimes patrimoniais (vítima comunica o
fato à Polícia, que sai em busca do autor do crime)
C) FLAGRANTE
PRESUMIDO (FICTO OU
ASSIMILADO)
Requisitos:
a)Seja encontrado “no máximo algumas horas” depois
do crime;
b)Com coisas relacionadas ao fato
c)Em circunstâncias que façam supor, com razoável
certeza, ser ele o autor da infração penal
QUANTO ÀS
CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE
SE EFETUA A PRISÃOa) Flagrante preparado ou provocado: autoridade
instiga a prática da infração penal.
Ex: policial induz sujeito a vender entorpecente
Súmula 145 do STF: “Não há crime quando a
preparação do flagrante pela polícia torna
impossível a sua consumação”
“Crime de experiência ou de ensaio”
Sujeito é “protagonista inconsciente de uma comédia”
(Hungria)
B) FLAGRANTE
ESPERADO
Autoridade ou terceiro aguarda o momento do
crime pra efetuar a prisão.
Não há induzimento. Flagrante é válido.
C) FLAGRANTE DIFERIDO
OU RETARDADO
O agente policial pode retardar a lavratura do
flagrante, aguardando o momento mais
adequado do ponto de vista da formação da
prova e do fornecimento de informações para
a realização da prisão
AÇÃO CONTROLADA
Lei 12.850/2013
Art. 8o
  Consiste a ação controlada em retardar a
intervenção policial ou administrativa relativa à ação
praticada por organização criminosa ou a ela
vinculada, desde que mantida sob observação e
acompanhamento para que a medida legal se
concretize no momento mais eficaz à formação de
provas e obtenção de informações.
§ 1o
  O retardamento da intervenção policial ou
administrativa será previamente comunicado ao juiz
competente que, se for o caso, estabelecerá os seus
limites e comunicará ao Ministério Público.
LEI N. 11.343, DE 23 DE
AGOSTO DE 2006 – LEI DE
DROGAS
seguintes procedimentos investigatórios:
II - a não-atuação policial sobre os portadores de
drogas, seus precursores químicos ou outros
produtos utilizados em sua produção, que se
encontrem no território brasileiro, com a finalidade
de identificar e responsabilizar maior número de
integrantes de operações de tráfico e distribuição,
sem prejuízo da ação penal cabível.
D) FLAGRANTE FORJADO
Policiais ou particulares “plantam”
elementos probatórios para incriminar
alguém
Abuso de autoridade para quem forjou o
flagrante
FLAGRANTE EM
DIVERSOS TIPOS DE
CRIMES
Crimes permanentes: art. 303 do CPP
Crimes habituais. Ex: exercício ilegal da medicina.
Divergências doutrinárias
Crimes de ação penal privada: precisa de
autorização do ofendido
Crime continuado: flagrante em relação a cada
um deles.
SUJEITOS DO
FLAGRANTE
A) Sujeito ativo: pessoa que efetua a prisão. Art. 301: qualquer
do povo “poderá”…
B) Sujeito passivo: é o indivíduo preso em situação de
flagrância.
Não podem ser sujeito passivo:
Menores de 18 anos
Presidente da república e diplomatas estrangeiros
SUJEITOS DO
FLAGRANTE
(CONTINUAÇÃO)
Agente que socorre vítima de acidente de trânsito (art. 301 do
CTB)
Pessoa que se apresenta espontaneamente (não há flagrante
“por apresentação”)
Juizados Especiais Criminais (art.69, par. único, Lei 9099)
Podem ser presos por crimes inafiançáveis:
Membros do Congresso Nacional, Juízes, Promotores e
Advogados
SUJEITOS DO
FLAGRANTE
(CONTINUAÇÃO)
C) Autoridade: a autoridade competente é a do local DA
PRISÃO, e não do crime. Deve ser remetido, em seguida, à
autoridade competente para o inquérito. A comunicação deve
ser feita ao juiz competente.
RELAXAMENTO DO
FLAGRANTE
É ato judicial, e ocorre nos seguintes casos:
A) quando o auto noticia fato atípico.
B) quando não há situação de flagrância.
C) quando alguma formalidade essencial deixou de ser
observada (ex: nota de culpa).
IMPORTANTE: o relaxamento do flagrante afeta a prisão, mas
nem sempre o julgamento de mérito.
FORMALIDADES
•Comunicação imediata ao juiz, ao MP e à família (art. 306,
repetindo o artigo 5º, LXII, da CF)
•Prazo de 24 horas: remessa de cópia do auto ao juiz e, se o
caso, à Defensoria Pública.
•Mesmo prazo: nota de culpa (documento informativo oficial,
dirigido ao indiciado, com os motivos da prisão e a autoridade
responsável)
•Falta de observância das formalidades: acarreta o relaxamento
do flagrante (ex: falta de assinatura do condutor, inversão na
ordem de oitiva das pessoas)
REMESSA AO JUDICIÁRIO
•Ao receber o flagrante, o juiz deverá, fundamentadamente:
•I – relaxar a prisão ilegal;
•II – converter o flagrante em preventiva, se presentes os
requisitos legais;
•III – conceder liberdade provisória, com ou sem fiança
•Parágrafo único: excludentes da antijuridicidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
edgardrey
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionais
Daniele Moura
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
edgardrey
 

Mais procurados (20)

Noções De Direito Penal
Noções De Direito PenalNoções De Direito Penal
Noções De Direito Penal
 
Prisão
PrisãoPrisão
Prisão
 
Aula 12 parte ii - prisões
Aula 12   parte ii - prisõesAula 12   parte ii - prisões
Aula 12 parte ii - prisões
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaço
 
Aula procedimento tribunal do júri
Aula procedimento tribunal do júriAula procedimento tribunal do júri
Aula procedimento tribunal do júri
 
Aula 11 parte 1 - prisões
Aula 11   parte 1 - prisõesAula 11   parte 1 - prisões
Aula 11 parte 1 - prisões
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
 
Direito penal i fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penalDireito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i fontes do direito penal
 
Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii   crimes contra a liberdade pessoalDireito penal iii   crimes contra a liberdade pessoal
Direito penal iii crimes contra a liberdade pessoal
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geral
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativa
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionais
 
Direito penal i lei penal do tempo
Direito penal i   lei penal do tempoDireito penal i   lei penal do tempo
Direito penal i lei penal do tempo
 
Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
 
Noções de direito processual penal pronta
Noções de direito processual penal prontaNoções de direito processual penal pronta
Noções de direito processual penal pronta
 
Homicídio
HomicídioHomicídio
Homicídio
 
Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delito
 
Ilicitude
IlicitudeIlicitude
Ilicitude
 

Destaque

Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PECartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
Portal NE10
 
Trabalho as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
Trabalho   as garantias de liberdade e a prisão no processo penalTrabalho   as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
Trabalho as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
Marcio Oliver
 
Código penal militar
Código penal militarCódigo penal militar
Código penal militar
ACS PM RN
 
Direito Penal Militar 1ª aula
Direito Penal Militar   1ª aulaDireito Penal Militar   1ª aula
Direito Penal Militar 1ª aula
PrismaTocantins
 
Crimes militares
Crimes militaresCrimes militares
Crimes militares
crisdupret
 
Dpp aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
Dpp   aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)Dpp   aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
Dpp aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
Paula Ribeiro
 

Destaque (15)

Prisões Cautelares Final
Prisões Cautelares FinalPrisões Cautelares Final
Prisões Cautelares Final
 
Prisão
PrisãoPrisão
Prisão
 
DPP2 - Aula 01 - da prisão
DPP2 - Aula 01 - da prisãoDPP2 - Aula 01 - da prisão
DPP2 - Aula 01 - da prisão
 
Espécies de prisão
Espécies de prisãoEspécies de prisão
Espécies de prisão
 
Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PECartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
Cartilha legal- Delegados Policia Civil de PE
 
Trabalho as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
Trabalho   as garantias de liberdade e a prisão no processo penalTrabalho   as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
Trabalho as garantias de liberdade e a prisão no processo penal
 
Código penal militar
Código penal militarCódigo penal militar
Código penal militar
 
Termo de audiência, processo nº 530-67.2012.6.14.0104, 104º Zona Eleitoral - ...
Termo de audiência, processo nº 530-67.2012.6.14.0104, 104º Zona Eleitoral - ...Termo de audiência, processo nº 530-67.2012.6.14.0104, 104º Zona Eleitoral - ...
Termo de audiência, processo nº 530-67.2012.6.14.0104, 104º Zona Eleitoral - ...
 
Direito Penal Militar 1ª aula
Direito Penal Militar   1ª aulaDireito Penal Militar   1ª aula
Direito Penal Militar 1ª aula
 
Como Fazer Peças Práticas de Delegado
Como Fazer Peças Práticas de DelegadoComo Fazer Peças Práticas de Delegado
Como Fazer Peças Práticas de Delegado
 
Crimes militares
Crimes militaresCrimes militares
Crimes militares
 
Execução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do presoExecução da pena e direitos do preso
Execução da pena e direitos do preso
 
As características de um verdadeiro líder de vendas
As características de um verdadeiro líder de vendas As características de um verdadeiro líder de vendas
As características de um verdadeiro líder de vendas
 
Dpp aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
Dpp   aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)Dpp   aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
Dpp aula tema 1 - visão do mundo (respostas corretas)
 
Lei de execução penal
Lei de execução penalLei de execução penal
Lei de execução penal
 

Semelhante a DPP II - Aula 2 - prisão em flagrante

Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Amanda Vaz
 
7 inquritopolicialnotitiacriminis
7 inquritopolicialnotitiacriminis7 inquritopolicialnotitiacriminis
7 inquritopolicialnotitiacriminis
direitounimonte
 
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_eadProcesso penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
Tatiana Coelho
 
Código de processo penal
Código de processo penalCódigo de processo penal
Código de processo penal
ACS PM RN
 

Semelhante a DPP II - Aula 2 - prisão em flagrante (20)

Flagrante
FlagranteFlagrante
Flagrante
 
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
Codigo processual penal_pc_sp_perito_criminal_2013_01
 
7 inquritopolicialnotitiacriminis
7 inquritopolicialnotitiacriminis7 inquritopolicialnotitiacriminis
7 inquritopolicialnotitiacriminis
 
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
Direitopenal slides-partegeral-150202161153-conversion-gate01
 
Persecussão Penal
Persecussão PenalPersecussão Penal
Persecussão Penal
 
Flagrante delito e fiança
Flagrante delito e fiançaFlagrante delito e fiança
Flagrante delito e fiança
 
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptxPrisão Pena e Prisão Processual I.pptx
Prisão Pena e Prisão Processual I.pptx
 
Consumacao e tentativa
Consumacao e tentativaConsumacao e tentativa
Consumacao e tentativa
 
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
Marco Regulatório das Investigações Criminais no Brasil (PL 5776/2013)
 
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_eadProcesso penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
Processo penal davi_07004011_persecucao_penal1_parte1_finalizado_ead
 
Acao penal
Acao penalAcao penal
Acao penal
 
Flagrante Delito
Flagrante DelitoFlagrante Delito
Flagrante Delito
 
Mapas mental inquerito
Mapas mental   inqueritoMapas mental   inquerito
Mapas mental inquerito
 
Lei 25-15-tex
Lei 25-15-texLei 25-15-tex
Lei 25-15-tex
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPPANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
ANTONIO INACIO FERRAZ-DIREITO PENAL-CPP
 
Código de processo penal
Código de processo penalCódigo de processo penal
Código de processo penal
 
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
Aula 09 e aula 10   provas em espécieAula 09 e aula 10   provas em espécie
Aula 09 e aula 10 provas em espécie
 
Dorival XVI Congresso Virtual - Direito de Defesa no Inquérito Policial
Dorival XVI Congresso Virtual - Direito de Defesa no Inquérito PolicialDorival XVI Congresso Virtual - Direito de Defesa no Inquérito Policial
Dorival XVI Congresso Virtual - Direito de Defesa no Inquérito Policial
 
100 Dicas sobre processo penal para OAB
100 Dicas sobre processo penal para OAB100 Dicas sobre processo penal para OAB
100 Dicas sobre processo penal para OAB
 
Processo penal aula 05
Processo penal aula 05Processo penal aula 05
Processo penal aula 05
 

Mais de direitoturmamanha

Mais de direitoturmamanha (20)

DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
DPP II - Aula 01 -   busca e apreensãoDPP II - Aula 01 -   busca e apreensão
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
 
DPP II - Delação premiada
DPP II - Delação premiadaDPP II - Delação premiada
DPP II - Delação premiada
 
DPP II - Aula 10 sigilo das comunicações-2015
DPP II - Aula 10   sigilo das comunicações-2015DPP II - Aula 10   sigilo das comunicações-2015
DPP II - Aula 10 sigilo das comunicações-2015
 
DPP II - Aula 11 prova pericial-2015
DPP II - Aula 11   prova pericial-2015DPP II - Aula 11   prova pericial-2015
DPP II - Aula 11 prova pericial-2015
 
Administrativo - Bens públicos (2)
Administrativo - Bens públicos (2)Administrativo - Bens públicos (2)
Administrativo - Bens públicos (2)
 
Administrativo - Bens públicos (1)
Administrativo - Bens públicos (1)Administrativo - Bens públicos (1)
Administrativo - Bens públicos (1)
 
Administrativo II - Utilização de bens públicos - espaços públicos
Administrativo II - Utilização de bens públicos - espaços públicosAdministrativo II - Utilização de bens públicos - espaços públicos
Administrativo II - Utilização de bens públicos - espaços públicos
 
Civil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reaisCivil IV - direitos reais
Civil IV - direitos reais
 
Estágio Civil - peça 02 procuração
Estágio Civil - peça 02   procuraçãoEstágio Civil - peça 02   procuração
Estágio Civil - peça 02 procuração
 
Civil IV - Da Posse
Civil IV - Da PosseCivil IV - Da Posse
Civil IV - Da Posse
 
DPP - Aula 7 - da prova
DPP - Aula 7 - da provaDPP - Aula 7 - da prova
DPP - Aula 7 - da prova
 
DPP - Aula 6 - fiança
DPP - Aula 6 - fiançaDPP - Aula 6 - fiança
DPP - Aula 6 - fiança
 
Administrativo - Serviços públicos
Administrativo - Serviços públicosAdministrativo - Serviços públicos
Administrativo - Serviços públicos
 
Estágio Civil - Contrato de honorários
Estágio Civil - Contrato de honoráriosEstágio Civil - Contrato de honorários
Estágio Civil - Contrato de honorários
 
DPP II - Aula 5 - outras medidas cautelares
DPP II - Aula 5 - outras medidas cautelaresDPP II - Aula 5 - outras medidas cautelares
DPP II - Aula 5 - outras medidas cautelares
 
DPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporáriaDPP II - Aula 4 - temporária
DPP II - Aula 4 - temporária
 
DPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventivaDPP II - Aula 3 - preventiva
DPP II - Aula 3 - preventiva
 
Estágio II - Pensando direito - direito ao lazer e a desconexão do trabalho c...
Estágio II - Pensando direito - direito ao lazer e a desconexão do trabalho c...Estágio II - Pensando direito - direito ao lazer e a desconexão do trabalho c...
Estágio II - Pensando direito - direito ao lazer e a desconexão do trabalho c...
 
Estágio II - O direito ao lazer nas relações de trabalho
Estágio II - O direito ao lazer nas relações de trabalhoEstágio II - O direito ao lazer nas relações de trabalho
Estágio II - O direito ao lazer nas relações de trabalho
 
Estágio II - O dano existencial e o direito do trabalho
Estágio II - O dano existencial e o direito do trabalhoEstágio II - O dano existencial e o direito do trabalho
Estágio II - O dano existencial e o direito do trabalho
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

DPP II - Aula 2 - prisão em flagrante

  • 1. PRISÃO EM FLAGRANTE Flagrante: vem do latim “flagrare” (queimar) e flagrans, ntis (ardente, abrasador, que queima) Medida cautelar restritiva de liberdade consistente na prisão, independente de ordem judicial, de quem é surpreendido cometendo ou logo após cometer uma infração penal (crime ou contravenção). Certeza visual da infração penal (Frederico Marques) “Mais eloquente prova de uma infração penal” (Tornaghi)
  • 2. PRISÃO EM FLAGRANTE Objetivos: Assegura a colheita imediata de provas sensíveis da autoria e materialidade da infração penal. No caso do “estar cometendo a infração penal”, faz cessar a prática criminosa; nos demais casos, evitar o exaurimento
  • 3. CLASSIFICAÇÃO Quanto à situação do agente no momento da captura: a) Flagrante próprio (perfeito, real, verdadeiro ou propriamente dito): art. 302, I e II, do CPP. Agente está cometendo (consumado ou não) a infração ou acaba de cometê-la (não há intervalo de tempo)
  • 4. CLASSIFICAÇÃO Flagrante próprio (1): art. 302, I CPP. Agente está cometendo (consumado ou não) a infração. Flagrante próprio (2): ou acaba de cometê- la. O agente NÃO SE DESLIGOU DA CENA DO CRIME
  • 5. B) FLAGRANTE IMPRÓPRIO (IRREAL, IMPERFEITO OU QUASE-FLAGRANTE) Agente perseguido “logo após” a infração pela autoridade, vítima ou qualquer outra pessoa, em situação que faça presumir ser ele o autor da infração (art. 302, III, do CP). LOGO APÓS: não há prazo determinado PERSEGUIÇÃO IMEDIATA E ININTERRUPTA, “não restando ao autor do delito nenhum momento de tranquilidade”
  • 6. B) FLAGRANTE IMPRÓPRIO (IRREAL, IMPERFEITO OU QUASE-FLAGRANTE) Requisitos do flagrante impróprio: A) Perseguição de agente perfeitamente identificado; B) Perseguição iniciada LOGO APÓS a ação criminosa (pode durar horas ou dias)
  • 7. C) FLAGRANTE PRESUMIDO OU FICTO O agente é preso, LOGO DEPOIS de cometer a infração penal, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele o autor da infração (art. 302, IV, do CPP) Não precisa haver perseguição Comum nos crimes patrimoniais (vítima comunica o fato à Polícia, que sai em busca do autor do crime)
  • 8. C) FLAGRANTE PRESUMIDO (FICTO OU ASSIMILADO) Requisitos: a)Seja encontrado “no máximo algumas horas” depois do crime; b)Com coisas relacionadas ao fato c)Em circunstâncias que façam supor, com razoável certeza, ser ele o autor da infração penal
  • 9. QUANTO ÀS CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE SE EFETUA A PRISÃOa) Flagrante preparado ou provocado: autoridade instiga a prática da infração penal. Ex: policial induz sujeito a vender entorpecente Súmula 145 do STF: “Não há crime quando a preparação do flagrante pela polícia torna impossível a sua consumação” “Crime de experiência ou de ensaio” Sujeito é “protagonista inconsciente de uma comédia” (Hungria)
  • 10. B) FLAGRANTE ESPERADO Autoridade ou terceiro aguarda o momento do crime pra efetuar a prisão. Não há induzimento. Flagrante é válido.
  • 11. C) FLAGRANTE DIFERIDO OU RETARDADO O agente policial pode retardar a lavratura do flagrante, aguardando o momento mais adequado do ponto de vista da formação da prova e do fornecimento de informações para a realização da prisão
  • 12. AÇÃO CONTROLADA Lei 12.850/2013 Art. 8o   Consiste a ação controlada em retardar a intervenção policial ou administrativa relativa à ação praticada por organização criminosa ou a ela vinculada, desde que mantida sob observação e acompanhamento para que a medida legal se concretize no momento mais eficaz à formação de provas e obtenção de informações. § 1o   O retardamento da intervenção policial ou administrativa será previamente comunicado ao juiz competente que, se for o caso, estabelecerá os seus limites e comunicará ao Ministério Público.
  • 13. LEI N. 11.343, DE 23 DE AGOSTO DE 2006 – LEI DE DROGAS seguintes procedimentos investigatórios: II - a não-atuação policial sobre os portadores de drogas, seus precursores químicos ou outros produtos utilizados em sua produção, que se encontrem no território brasileiro, com a finalidade de identificar e responsabilizar maior número de integrantes de operações de tráfico e distribuição, sem prejuízo da ação penal cabível.
  • 14. D) FLAGRANTE FORJADO Policiais ou particulares “plantam” elementos probatórios para incriminar alguém Abuso de autoridade para quem forjou o flagrante
  • 15. FLAGRANTE EM DIVERSOS TIPOS DE CRIMES Crimes permanentes: art. 303 do CPP Crimes habituais. Ex: exercício ilegal da medicina. Divergências doutrinárias Crimes de ação penal privada: precisa de autorização do ofendido Crime continuado: flagrante em relação a cada um deles.
  • 16. SUJEITOS DO FLAGRANTE A) Sujeito ativo: pessoa que efetua a prisão. Art. 301: qualquer do povo “poderá”… B) Sujeito passivo: é o indivíduo preso em situação de flagrância. Não podem ser sujeito passivo: Menores de 18 anos Presidente da república e diplomatas estrangeiros
  • 17. SUJEITOS DO FLAGRANTE (CONTINUAÇÃO) Agente que socorre vítima de acidente de trânsito (art. 301 do CTB) Pessoa que se apresenta espontaneamente (não há flagrante “por apresentação”) Juizados Especiais Criminais (art.69, par. único, Lei 9099) Podem ser presos por crimes inafiançáveis: Membros do Congresso Nacional, Juízes, Promotores e Advogados
  • 18. SUJEITOS DO FLAGRANTE (CONTINUAÇÃO) C) Autoridade: a autoridade competente é a do local DA PRISÃO, e não do crime. Deve ser remetido, em seguida, à autoridade competente para o inquérito. A comunicação deve ser feita ao juiz competente.
  • 19. RELAXAMENTO DO FLAGRANTE É ato judicial, e ocorre nos seguintes casos: A) quando o auto noticia fato atípico. B) quando não há situação de flagrância. C) quando alguma formalidade essencial deixou de ser observada (ex: nota de culpa). IMPORTANTE: o relaxamento do flagrante afeta a prisão, mas nem sempre o julgamento de mérito.
  • 20. FORMALIDADES •Comunicação imediata ao juiz, ao MP e à família (art. 306, repetindo o artigo 5º, LXII, da CF) •Prazo de 24 horas: remessa de cópia do auto ao juiz e, se o caso, à Defensoria Pública. •Mesmo prazo: nota de culpa (documento informativo oficial, dirigido ao indiciado, com os motivos da prisão e a autoridade responsável) •Falta de observância das formalidades: acarreta o relaxamento do flagrante (ex: falta de assinatura do condutor, inversão na ordem de oitiva das pessoas)
  • 21. REMESSA AO JUDICIÁRIO •Ao receber o flagrante, o juiz deverá, fundamentadamente: •I – relaxar a prisão ilegal; •II – converter o flagrante em preventiva, se presentes os requisitos legais; •III – conceder liberdade provisória, com ou sem fiança •Parágrafo único: excludentes da antijuridicidade