SlideShare uma empresa Scribd logo

Direito penal i fontes do direito penal

Atualizado até 21/02/2016

1 de 34
Baixar para ler offline
DIREITO
PENAL I
Prof. Dr. Urbano Félix Pugliese
Fontes do Direito Penal
Quais são as fontes do DP?
 O significado de “fonte” remete a origem
(lugar no qual vamos buscar o DP); e
 O surgimento do DP, em um Estado
Democrático de Direito, tem duas espécies de
fontes: 1) Materiais; e 2) Formais.
Fontes materiais do DP?
 Quando se fala em fontes materiais se busca
saber quem pode fazer o DP no Brasil
(produção);
 CF: Art. 22. Compete privativamente à União
legislar sobre: I - direito civil, comercial, penal,
processual, eleitoral, agrário, marítimo,
aeronáutico, espacial e do trabalho; [...]
Parágrafo único. Lei complementar poderá
autorizar os Estados a legislar sobre questões
específicas das matérias relacionadas neste artigo;
e
Fontes formais (conhecimento) do
DP?
 Quando se fala em fontes formais imediatas
busca-se aplicar o DP de maneira direta; e
 Quando se fala em fontes formais mediatas
(que medeiam) busca-se interpretar e só
depois aplicar o DP.
Imediatas Mediatas
Fontes formais imediatas do DP?
 As fontes formais imediatas são as normas penais
(norma (comando/ordem [regra e princípio]) ≠ lei
(texto));
Normas penais em sentido amplo: Explicativas e
permissivas;
 Normas penais em sentido restrito: Incriminadora; e
 Norma primária (visa ao cidadão) e norma secundária
(visa ao magistrado).
Sentido
amplo
Sentido
restrito
Leis penais incriminadoras:
 As leis penais incriminadoras são realizadas
pelo Congresso Nacional;
 A CF indica quais são os bens jurídicos que
devem ser tutelados através de lei penal;
 Os tratados internacionais podem indicar
normas penais (devem ser introjetados no
organograma brasileiro); e
 As súmulas vinculantes (STF) em matéria
penal também podem indicar normas penais
aplicáveis diretamente.
Questão a respeito:
Analista do DETRAN/CESPE/2009: C ou E: O
Estado é a única fonte de produção do direito penal,
já que compete privativamente à União legislar sobre
normas gerais em matéria penal.
Agente de Policia/CESPE/2012: C ou E: Em caso de
urgência, a definição do que é crime pode ser
realizada por meio de medida provisória.
PRF/CESPE/2012: C ou E: O princípio da
legalidade é parâmetro fixador do conteúdo das
normas penais incriminadoras, ou seja, os tipos
penais de tal natureza somente podem ser criados por
meio de lei em sentido estrito.
Leis penais incriminadoras:
 Não pode haver qualquer outras espécie
normativa referente às normas penais
incriminadoras a não ser leis em sentido
formal (Emendas, medidas provisórias,
decretos legislativos e resoluções não podem);
e
 Caso sejam permissivas ou explicativas
podem ser realizadas por outras espécies
normativas (como medidas provisórias para
beneficiar os réus).
Fontes formais mediatas do DP?
 As fontes mediatas são utilizadas na
interpretação da lei penal; e
 Podem ser
Doutrina Jurisprudência
Costumes
Normas não
leis formais
Fontes formais mediatas do DP?
 Doutrina: Dizer dos doutos a respeito do DP (A
exposição de motivos é uma fonte doutrinária, apesar de
estar contida no CP; palestra de Ministro do STF é
doutrinária);
 Jurisprudência: Coletivo de decisões em mesmo sentido
(exceção: Súmula vinculante) ≠ decisão precedente;
 Normas não penais: Decretos, portarias e MP’s podem
funcionar explicando/interpretando ou favorecendo o réu;
e
 Costumes: Prática reiterada cuja obrigatoriedade é
inferida (secundum legem [segundo a lei], praeter legem
[na omissão da lei] e contra legem [em desacordo com a
lei]).
Classificação das normas do DP?
Princípio: Alto
grau de
abstração;
funciona com
ponderação
(pesos); aplica-
se,
normalmente,
na interpretação
da norma
(fundamenta a
materialidade)
Ronald
Dworkin
Robert
Alexy
 Regra: Grau de abstração reduzido; funciona
com tudo ou nada; aplica-se imediatamente.
Classificação das normas do DP?
Humberto
Ávila
“Os princípios são normas
imediatamente finalísticas,
primariamente prospectivas e
com pretensão de
complementaridade e de
parcialidade, para cuja
aplicação se demanda uma
avaliação da correlação entre
o estado de coisas a ser
promovido e os efeitos de
correntes da conduta havida
como necessária à sua
promoção” ≠ postulado.
Princípios do DP:
Legalidade
Reserva legal
Anterioridade
penal
Taxatividade
(clareza)
Princípio da legalidade:
CF: Art. 5º, XXXIX: “não há crime sem lei anterior
que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;”
CP: Art. 1º: “Não há crime sem lei anterior que o
defina. Não há pena sem prévia cominação legal”; e
 Pacto de São José da Costa Rica: “Artigo 9º -
Princípio da legalidade e da retroatividade: Ninguém
poderá ser condenado por atos ou omissões que, no
momento em que foram cometidos, não constituam
delito, de acordo com o direito aplicável. Tampouco
poder-se-á impor pena mais grave do que a aplicável
no momento da ocorrência do delito. Se, depois de
perpetrado o delito, a lei estipular a imposição de pena
mais leve, o deliquente deverá dela beneficiar-se.”
Princípio da legalidade:
 Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos: Art.
15: “1. ninguém poderá ser condenado por atos omissões
que não constituam delito de acordo com o direito nacional
ou internacional, no momento em que foram cometidos.
Tampouco poder-se-á impor pena mais grave do que a
aplicável no momento da ocorrência do delito. Se, depois de
perpetrado o delito, a lei estipular a imposição de pena mais
leve, o delinqüente deverá dela beneficiar-se. 2. Nenhuma
disposição do presente Pacto impedirá o julgamento ou a
condenação de qualquer individuo por atos ou omissões que,
momento em que forma cometidos, eram considerados
delituosos de acordo com os princípios gerais de direito
reconhecidos pela comunidade das nações”; e
 Brocardo: Nullum crimen, nulla poena sine lege.
Reserva legal:
 Também chamado de legalidade estrita, ou
intervenção legalizada;
 Somente a lei (nenhum outro diploma legal),
originário da União, pode produzir normas penais;
 Antigamente não era assim pois normas penais eram
feitas por quem detinha alguma parcela de poder;
 Garantia às pessoas de não utilização do Estado para
oprimir, efetuar desmandos pois costume não cria lei
penal; e
 Medidas Provisórias e analogias (≠ interpretação
analógica) podem ser utilizadas em benefício do réu.
Anterioridade legal:
A norma precisa ser anterior à conduta para que a
pessoa saiba como deve se conduzir;
 Os artigos que nós já vimos dizem sempre: prévia;
 O princípio que domina é que a lei a ser aplicada é
a do momento da atividade criminosa;
 Princípio da irretroatividade da norma penal (salvo
em benefício do réu); e
Vigência (estar pronta para ser aplicada
regularmente [e a vacatio legis?]) ≠ validez (ter
sido feita de forma regular, sem infringir o
ordenamento jurídico) ≠ eficaz (ter peso aplicativo).
Taxatividade legal:
 Também chamado de princípio da clareza;
 A norma penal deve ser clara, lúcida,
límpida, não deve haver dúvidas ou
ambiguidades das palavras, termos, locuções;
 No entanto a Lei n. 7.643/87 assim versa:
“Art. 1º Fica proibida a pesca, ou qualquer
forma de molestamento intencional, de toda
espécie de cetáceo nas águas jurisdicionais
brasileiras.”
Direito penal i   fontes do direito penal
Direito penal i   fontes do direito penal
Norma penal em branco:
 Classificação da norma penal: 1)
Incriminadora (completa e não completa); e
2) Não incriminadora (permissivas ou
explicativas)
Leis penais
incompletas Norma penal
em branco
Tipo aberto
(conceito
indeterminado)
Norma penal em branco:
 O preceito primário precisa ser
complementado para ser aplicado (pode ser
determinável através de outra norma);
Sentido amplo;
lato; imprópria;
homogênea ou
homóloga
Instância
legislativa
diversa
Mesma
instância
legislativa
Sentido estrito;
própria; ou
heterogênea
Norma penal em branco:
Sentido
amplo; lato;
imprópria;
homogênea ou
homóloga Heterovitelina
(Diploma
diverso)
Homovitelina
(Mesmo
diploma)
Normas penais em branco:
 Ao revés, ao inverso, ao avesso: Quando o
preceito secundário não for completo e precisar
de uma complementação (pode ser chamado
também de tipo penal remetido);
 Só pode ser complementado por lei em sentido
formal; e
 Exemplo: Uso de documento falso Art. 304
Fazer uso de qualquer dos papéis falsificados
ou alterados, a que se referem os arts. 297 a
302: Pena - a cominada à falsificação ou à
alteração.
Promotor de Justiça /MS/2011:
O que vem a ser a norma penal em branco?
a) Norma penal em branco é aquela que não prevê a sanção a
ser aplicada no caso de condenação do autor do delito;
b) Norma penal em branco é aquela que não descreve
expressamente os elementos do tipo;
c) Norma penal em branco é aquela cujo preceito primário
(descrição da conduta é indeterminado quanto a seu conteúdo,
porém determinável, e o preceito sancionador é sempre certo;
d) Norma penal em branco é aquela que não faz menção à
dosagem da pena a ser aplicada;
e) Norma penal em branco é aquela que não descreve a conduta
do co-autor do delito em se tratando de crime que admite co-
autoria.
Princípios do DP:
Intervenção
mínima
Fragmentariedade
Subsidiariedade
Ofensividade
Intervenção mínima (última ratio;
última razão):
 O DP só pode ser utilizado como uma última
opção de controle social por ser violento
(aprisionamento);
 Deve atuar minimamente; e
 O DP não
pode ser a
prima ratio
na opção de
controle
social do
Estado.
Princípio da fragmentariedade
(esssencialidade):
 Há duas vertentes: 1) Somente o essencial
deve ser defendido pelo DP (alguns bens não
podem ou devem ser protegidos pelo DP); e 2)
Mesmo bens protegidos pelo DP só devem ser
plenamente protegidos os ataques intoleráveis.
Princípio da subsidiariedade:
 O DP deve ser subsidiário (só atua se outra
forma de controle social não funcionar) a
outros controles sociais do Estado.
Princípio da ofensividade
(lesividade): O comportamento criminoso não basta ser formalmente
delituoso, precisa ser materialmente lesivo ao bem
jurídico tutelado (de minimas non curat praetor).
1) Atitudes internas não podem ser incriminadas
(alguém que pensa em cometer crimes mas nada faz);
 2) Comportamentos que não atingem terceiros não
podem ser punidos (tatuagens, lesões na pele, drogas);
 3) Não podem ser punidos estados existenciais
(mendigos, pessoa que não quer trabalhar); e
 4) Condutas não causadoras de danos (que não afetam
nem causam perigo de lesão aos bens jurídicos) não
podem ser punidas.
Princípio da insignificância (bagatela):
 O comportamento insignificante (nonada) não deve ser
punido pelo DP;
 Critérios concomitantes: 1) Pequena expressão
econômica do bem (caso haja outros valores, como
saudade e amor há crime); e 2) Reduzida
reprovabilidade da conduta (pegar um bago de uva no
mercado, pisar no pé de uma pessoa, dar um pequeno
empurrão); e
 Para o STF são quatro critérios: (1) mínima ofensividade
da conduta do agente, (2) nenhuma periculosidade social
da ação, (3) reduzido grau de reprovabilidade do
comportamento e (4) inexpressividade da lesão jurídica
provocada.
Algumas curiosidades jurisprudenciais:
 Estilo de vida criminoso tira a insignificância da
conduta (mas, pode ser aceita a tese da
insignificância);
 A habitualidade criminosa e reincidência quebram a
teorização da insignificância (mas, pode ser aceita a
tese da insignificância);
 Cabe nos crimes ambientais;
 Não cabe no roubo;
 Descaminho insignificante até R$ 20.000,00 (vinte
mil reais); e
Furto acima de um salário mínimo não é
insignificante.
Algumas curiosidades jurisprudenciais:
 Porte de drogas pode ser insignificante (mas,
como o bem jurídico é a saúde pública pode não
ser aceita a tese);
 Na Justiça Militar não há insignificância em regra
(somente como exceção excepcionalíssima);
 Cabe insignificância da conduta de prefeito que
utiliza de máquinas da prefeitura para terraplenar
terrenos de sua propriedade;
 5 (cinco) livros da biblioteca são insignificantes; e
 DVD’s e CD’s piratas não são ofensas
insignificantes.
Questões:
Defensor Público da União/Cespe/2015: C ou E: Um militar
das Forças Armadas, durante a prestação de serviço na
organização militar onde ele servia, foi preso em flagrante
delito por estar na posse de substância entorpecente. Nessa
situação, segundo o entendimento do STF, se a quantidade
da substância entorpecente for pequena, poder-se-á aplicar ao
caso o princípio da insignificância.
Analista/Cespe/2014: C ou E: O princípio da insignificância,
com previsão legal expressa na parte geral do Código Penal
(CP), é causa excludente da ilicitude do crime e exige, nos
termos da jurisprudência do STF, mínima ofensividade da
conduta do agente, nenhuma periculosidade social da ação,
reduzido grau de reprovabilidade do comportamento e
inexpressividade da lesão jurídica provocada.

Recomendados

Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power pointedgardrey
 
Direito penal i teoria geral do delito
Direito penal i   teoria geral do delitoDireito penal i   teoria geral do delito
Direito penal i teoria geral do delitoUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaçoUrbano Felix Pugliese
 
Crimes contra administração pública (1)
Crimes contra administração pública (1)Crimes contra administração pública (1)
Crimes contra administração pública (1)Thiago Camara
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativaUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal parte geral
Direito penal parte geralDireito penal parte geral
Direito penal parte geralmariocanel
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - cadernoedgardrey
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geraledgardrey
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaçoUrbano Felix Pugliese
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaIgor Porto
 
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeUrbano Felix Pugliese
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delitoUrbano Felix Pugliese
 
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisDPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisdireitoturmamanha
 
Direito penal i fontes do direito penal ii
Direito penal i   fontes do direito penal iiDireito penal i   fontes do direito penal ii
Direito penal i fontes do direito penal iiUrbano Felix Pugliese
 
Lei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçoLei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçocrisdupret
 
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupret
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane DupretDireito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupret
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupretcrisdupret
 
Aula de direito penal parte especial
Aula de direito penal   parte especialAula de direito penal   parte especial
Aula de direito penal parte especialPrismaTocantins
 

Mais procurados (20)

Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
 
Direito penal parte geral - slides - caderno
Direito penal   parte geral - slides - cadernoDireito penal   parte geral - slides - caderno
Direito penal parte geral - slides - caderno
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
 
Direito penal i culpabilidade
Direito penal i   culpabilidadeDireito penal i   culpabilidade
Direito penal i culpabilidade
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
 
Lei de execução penal
Lei de execução penalLei de execução penal
Lei de execução penal
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaço
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
 
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
 
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuaisDPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
DPP - Aula 11 - Sujeitos processuais
 
Direito penal i fontes do direito penal ii
Direito penal i   fontes do direito penal iiDireito penal i   fontes do direito penal ii
Direito penal i fontes do direito penal ii
 
Ilicitude
IlicitudeIlicitude
Ilicitude
 
Lei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaçoLei penal no tempo e no espaço
Lei penal no tempo e no espaço
 
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupret
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane DupretDireito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupret
Direito penal - Parte Geral - Profa. Cristiane Dupret
 
Erro
Erro Erro
Erro
 
Aula de direito penal parte especial
Aula de direito penal   parte especialAula de direito penal   parte especial
Aula de direito penal parte especial
 
Direito penal i culpabilidade
Direito penal i   culpabilidadeDireito penal i   culpabilidade
Direito penal i culpabilidade
 
Direito penal i a conduta
Direito penal i   a condutaDireito penal i   a conduta
Direito penal i a conduta
 
Direito penal ii concurso de crimes
Direito penal ii   concurso de crimesDireito penal ii   concurso de crimes
Direito penal ii concurso de crimes
 

Destaque

DPP - Aula 2 - Lei Processual
DPP - Aula 2 - Lei ProcessualDPP - Aula 2 - Lei Processual
DPP - Aula 2 - Lei Processualdireitoturmamanha
 
Escola clássica do direito penal
Escola clássica do direito penalEscola clássica do direito penal
Escola clássica do direito penalFilipe Simão Kembo
 
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Criminologia e escola positiva do direito penal
Criminologia e escola positiva do direito penalCriminologia e escola positiva do direito penal
Criminologia e escola positiva do direito penalHenrique Araújo
 
Teorias legitimadoras da pena
Teorias legitimadoras da penaTeorias legitimadoras da pena
Teorias legitimadoras da penarenanmedonho
 
Questões 1 – 10 sob: Conceito, fontes, regime administrativo e Princípi...
Questões 1 – 10 sob:  Conceito,  fontes,  regime  administrativo  e  Princípi...Questões 1 – 10 sob:  Conceito,  fontes,  regime  administrativo  e  Princípi...
Questões 1 – 10 sob: Conceito, fontes, regime administrativo e Princípi...William Soph
 
Aula 6 fatp tipico direito penal
Aula 6 fatp tipico direito penalAula 6 fatp tipico direito penal
Aula 6 fatp tipico direito penalDanny de Campos
 
Direito Penal - Princípios
Direito Penal - PrincípiosDireito Penal - Princípios
Direito Penal - PrincípiosDayane Barros
 
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
DPP II - Aula 01 -   busca e apreensãoDPP II - Aula 01 -   busca e apreensão
DPP II - Aula 01 - busca e apreensãodireitoturmamanha
 
Resumo Direito Penal I - 3° Período.
Resumo Direito Penal I - 3° Período. Resumo Direito Penal I - 3° Período.
Resumo Direito Penal I - 3° Período. Raquel Dias
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurançaUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especialUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredosDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredosUrbano Felix Pugliese
 

Destaque (20)

DPP - Aula 2 - Lei Processual
DPP - Aula 2 - Lei ProcessualDPP - Aula 2 - Lei Processual
DPP - Aula 2 - Lei Processual
 
Facemp 2017 - estudar e escrever
Facemp   2017 - estudar e escreverFacemp   2017 - estudar e escrever
Facemp 2017 - estudar e escrever
 
Escola clássica do direito penal
Escola clássica do direito penalEscola clássica do direito penal
Escola clássica do direito penal
 
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...
Urbano Félix Pugliese do Bomfim - Uma nova visão do Princípio da Intervenção ...
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
 
Criminologia e escola positiva do direito penal
Criminologia e escola positiva do direito penalCriminologia e escola positiva do direito penal
Criminologia e escola positiva do direito penal
 
Escolas penais
Escolas penaisEscolas penais
Escolas penais
 
Teorias legitimadoras da pena
Teorias legitimadoras da penaTeorias legitimadoras da pena
Teorias legitimadoras da pena
 
39 43-fontes-do-direito net
39 43-fontes-do-direito net39 43-fontes-do-direito net
39 43-fontes-do-direito net
 
Questões 1 – 10 sob: Conceito, fontes, regime administrativo e Princípi...
Questões 1 – 10 sob:  Conceito,  fontes,  regime  administrativo  e  Princípi...Questões 1 – 10 sob:  Conceito,  fontes,  regime  administrativo  e  Princípi...
Questões 1 – 10 sob: Conceito, fontes, regime administrativo e Princípi...
 
Aula 6 fatp tipico direito penal
Aula 6 fatp tipico direito penalAula 6 fatp tipico direito penal
Aula 6 fatp tipico direito penal
 
Direito Penal - Princípios
Direito Penal - PrincípiosDireito Penal - Princípios
Direito Penal - Princípios
 
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
DPP II - Aula 01 -   busca e apreensãoDPP II - Aula 01 -   busca e apreensão
DPP II - Aula 01 - busca e apreensão
 
Semana juridica algemas e inocencia
Semana juridica   algemas e inocenciaSemana juridica   algemas e inocencia
Semana juridica algemas e inocencia
 
Resumo Direito Penal I - 3° Período.
Resumo Direito Penal I - 3° Período. Resumo Direito Penal I - 3° Período.
Resumo Direito Penal I - 3° Período.
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
 
Direito penal iii introdução a parte especial
Direito penal iii   introdução a parte especialDireito penal iii   introdução a parte especial
Direito penal iii introdução a parte especial
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredosDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade dos segredos
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade dos segredos
 

Semelhante a Direito penal i fontes do direito penal

,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...Antonio Inácio Ferraz
 
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito2012sl08
 
Teoria geral do direito penal
Teoria geral do direito penalTeoria geral do direito penal
Teoria geral do direito penalDay Cristina
 
Direito processual penal i 4º semestre - josé reinaldo carneiro
Direito processual penal i   4º semestre - josé reinaldo carneiroDireito processual penal i   4º semestre - josé reinaldo carneiro
Direito processual penal i 4º semestre - josé reinaldo carneiroFábio Peres
 
Direito penal geral rogerio sanches
Direito penal geral   rogerio sanchesDireito penal geral   rogerio sanches
Direito penal geral rogerio sanchesLuciana Melo
 
antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos completa e atualizada
 antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos   completa e atualizada antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos   completa e atualizada
antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos completa e atualizadaAntonio Inácio Ferraz
 
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01Jeferson Lima
 
Introdução ao Direito Penal 1
Introdução ao Direito Penal 1Introdução ao Direito Penal 1
Introdução ao Direito Penal 1Elder Leite
 
Direito penal 2ª apostila
Direito penal 2ª apostilaDireito penal 2ª apostila
Direito penal 2ª apostilaDireito2012sl08
 
Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito2012sl08
 
Transcrição penal - parte geral
Transcrição   penal - parte geralTranscrição   penal - parte geral
Transcrição penal - parte geralprccbr
 

Semelhante a Direito penal i fontes do direito penal (20)

Aulapenal0205
Aulapenal0205Aulapenal0205
Aulapenal0205
 
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
 
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
,Antonio inacio ferraz-direito penal-técnico em eletronica/agropecuária (colé...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostila
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Teoria geral do direito penal
Teoria geral do direito penalTeoria geral do direito penal
Teoria geral do direito penal
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Direito processual penal i 4º semestre - josé reinaldo carneiro
Direito processual penal i   4º semestre - josé reinaldo carneiroDireito processual penal i   4º semestre - josé reinaldo carneiro
Direito processual penal i 4º semestre - josé reinaldo carneiro
 
Direito penal geral rogerio sanches
Direito penal geral   rogerio sanchesDireito penal geral   rogerio sanches
Direito penal geral rogerio sanches
 
antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos completa e atualizada
 antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos   completa e atualizada antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos   completa e atualizada
antonio inacio ferraz-Lei de crimes hediondos completa e atualizada
 
Direito penal
Direito penalDireito penal
Direito penal
 
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01Direito Penal I - RESUMO PART. 01
Direito Penal I - RESUMO PART. 01
 
Introdução ao Direito Penal 1
Introdução ao Direito Penal 1Introdução ao Direito Penal 1
Introdução ao Direito Penal 1
 
Direito penal 2ª apostila
Direito penal 2ª apostilaDireito penal 2ª apostila
Direito penal 2ª apostila
 
Perícia Criminal e Segurança Pública
Perícia Criminal e Segurança PúblicaPerícia Criminal e Segurança Pública
Perícia Criminal e Segurança Pública
 
Apostila penal 1
Apostila penal 1Apostila penal 1
Apostila penal 1
 
Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila Direito penal 13ª apostila
Direito penal 13ª apostila
 
Transcrição penal - parte geral
Transcrição   penal - parte geralTranscrição   penal - parte geral
Transcrição penal - parte geral
 

Mais de Urbano Felix Pugliese

Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academiaUrbano Felix Pugliese
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiUrbano Felix Pugliese
 
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04   direito penal iii - restante dos crimesAula 04   direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimesUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especialUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídioUrbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii estelionato e outras fraudes
Direito penal iii   estelionato e outras fraudesDireito penal iii   estelionato e outras fraudes
Direito penal iii estelionato e outras fraudesUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal iii apropriação indébita
Direito penal iii   apropriação indébitaDireito penal iii   apropriação indébita
Direito penal iii apropriação indébitaUrbano Felix Pugliese
 

Mais de Urbano Felix Pugliese (19)

Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academia
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
 
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04   direito penal iii - restante dos crimesAula 04   direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídio
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
 
Espiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidadeEspiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidade
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
 
Algemas
AlgemasAlgemas
Algemas
 
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
 
Abolicionismo penal
Abolicionismo penalAbolicionismo penal
Abolicionismo penal
 
Direito penal iii estelionato e outras fraudes
Direito penal iii   estelionato e outras fraudesDireito penal iii   estelionato e outras fraudes
Direito penal iii estelionato e outras fraudes
 
Direito penal iii apropriação indébita
Direito penal iii   apropriação indébitaDireito penal iii   apropriação indébita
Direito penal iii apropriação indébita
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
 
Direito penal iii usurpação
Direito penal iii   usurpaçãoDireito penal iii   usurpação
Direito penal iii usurpação
 
Direito penal III - Usurpação
Direito penal III   - UsurpaçãoDireito penal III   - Usurpação
Direito penal III - Usurpação
 

Último

B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Prime Assessoria
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
1. Qual é a principal política pública que está sendo negada às Marias no víd...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 

Direito penal i fontes do direito penal

  • 1. DIREITO PENAL I Prof. Dr. Urbano Félix Pugliese Fontes do Direito Penal
  • 2. Quais são as fontes do DP?  O significado de “fonte” remete a origem (lugar no qual vamos buscar o DP); e  O surgimento do DP, em um Estado Democrático de Direito, tem duas espécies de fontes: 1) Materiais; e 2) Formais.
  • 3. Fontes materiais do DP?  Quando se fala em fontes materiais se busca saber quem pode fazer o DP no Brasil (produção);  CF: Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho; [...] Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas neste artigo; e
  • 4. Fontes formais (conhecimento) do DP?  Quando se fala em fontes formais imediatas busca-se aplicar o DP de maneira direta; e  Quando se fala em fontes formais mediatas (que medeiam) busca-se interpretar e só depois aplicar o DP. Imediatas Mediatas
  • 5. Fontes formais imediatas do DP?  As fontes formais imediatas são as normas penais (norma (comando/ordem [regra e princípio]) ≠ lei (texto)); Normas penais em sentido amplo: Explicativas e permissivas;  Normas penais em sentido restrito: Incriminadora; e  Norma primária (visa ao cidadão) e norma secundária (visa ao magistrado). Sentido amplo Sentido restrito
  • 6. Leis penais incriminadoras:  As leis penais incriminadoras são realizadas pelo Congresso Nacional;  A CF indica quais são os bens jurídicos que devem ser tutelados através de lei penal;  Os tratados internacionais podem indicar normas penais (devem ser introjetados no organograma brasileiro); e  As súmulas vinculantes (STF) em matéria penal também podem indicar normas penais aplicáveis diretamente.
  • 7. Questão a respeito: Analista do DETRAN/CESPE/2009: C ou E: O Estado é a única fonte de produção do direito penal, já que compete privativamente à União legislar sobre normas gerais em matéria penal. Agente de Policia/CESPE/2012: C ou E: Em caso de urgência, a definição do que é crime pode ser realizada por meio de medida provisória. PRF/CESPE/2012: C ou E: O princípio da legalidade é parâmetro fixador do conteúdo das normas penais incriminadoras, ou seja, os tipos penais de tal natureza somente podem ser criados por meio de lei em sentido estrito.
  • 8. Leis penais incriminadoras:  Não pode haver qualquer outras espécie normativa referente às normas penais incriminadoras a não ser leis em sentido formal (Emendas, medidas provisórias, decretos legislativos e resoluções não podem); e  Caso sejam permissivas ou explicativas podem ser realizadas por outras espécies normativas (como medidas provisórias para beneficiar os réus).
  • 9. Fontes formais mediatas do DP?  As fontes mediatas são utilizadas na interpretação da lei penal; e  Podem ser Doutrina Jurisprudência Costumes Normas não leis formais
  • 10. Fontes formais mediatas do DP?  Doutrina: Dizer dos doutos a respeito do DP (A exposição de motivos é uma fonte doutrinária, apesar de estar contida no CP; palestra de Ministro do STF é doutrinária);  Jurisprudência: Coletivo de decisões em mesmo sentido (exceção: Súmula vinculante) ≠ decisão precedente;  Normas não penais: Decretos, portarias e MP’s podem funcionar explicando/interpretando ou favorecendo o réu; e  Costumes: Prática reiterada cuja obrigatoriedade é inferida (secundum legem [segundo a lei], praeter legem [na omissão da lei] e contra legem [em desacordo com a lei]).
  • 11. Classificação das normas do DP? Princípio: Alto grau de abstração; funciona com ponderação (pesos); aplica- se, normalmente, na interpretação da norma (fundamenta a materialidade) Ronald Dworkin Robert Alexy  Regra: Grau de abstração reduzido; funciona com tudo ou nada; aplica-se imediatamente.
  • 12. Classificação das normas do DP? Humberto Ávila “Os princípios são normas imediatamente finalísticas, primariamente prospectivas e com pretensão de complementaridade e de parcialidade, para cuja aplicação se demanda uma avaliação da correlação entre o estado de coisas a ser promovido e os efeitos de correntes da conduta havida como necessária à sua promoção” ≠ postulado.
  • 13. Princípios do DP: Legalidade Reserva legal Anterioridade penal Taxatividade (clareza)
  • 14. Princípio da legalidade: CF: Art. 5º, XXXIX: “não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;” CP: Art. 1º: “Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal”; e  Pacto de São José da Costa Rica: “Artigo 9º - Princípio da legalidade e da retroatividade: Ninguém poderá ser condenado por atos ou omissões que, no momento em que foram cometidos, não constituam delito, de acordo com o direito aplicável. Tampouco poder-se-á impor pena mais grave do que a aplicável no momento da ocorrência do delito. Se, depois de perpetrado o delito, a lei estipular a imposição de pena mais leve, o deliquente deverá dela beneficiar-se.”
  • 15. Princípio da legalidade:  Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos: Art. 15: “1. ninguém poderá ser condenado por atos omissões que não constituam delito de acordo com o direito nacional ou internacional, no momento em que foram cometidos. Tampouco poder-se-á impor pena mais grave do que a aplicável no momento da ocorrência do delito. Se, depois de perpetrado o delito, a lei estipular a imposição de pena mais leve, o delinqüente deverá dela beneficiar-se. 2. Nenhuma disposição do presente Pacto impedirá o julgamento ou a condenação de qualquer individuo por atos ou omissões que, momento em que forma cometidos, eram considerados delituosos de acordo com os princípios gerais de direito reconhecidos pela comunidade das nações”; e  Brocardo: Nullum crimen, nulla poena sine lege.
  • 16. Reserva legal:  Também chamado de legalidade estrita, ou intervenção legalizada;  Somente a lei (nenhum outro diploma legal), originário da União, pode produzir normas penais;  Antigamente não era assim pois normas penais eram feitas por quem detinha alguma parcela de poder;  Garantia às pessoas de não utilização do Estado para oprimir, efetuar desmandos pois costume não cria lei penal; e  Medidas Provisórias e analogias (≠ interpretação analógica) podem ser utilizadas em benefício do réu.
  • 17. Anterioridade legal: A norma precisa ser anterior à conduta para que a pessoa saiba como deve se conduzir;  Os artigos que nós já vimos dizem sempre: prévia;  O princípio que domina é que a lei a ser aplicada é a do momento da atividade criminosa;  Princípio da irretroatividade da norma penal (salvo em benefício do réu); e Vigência (estar pronta para ser aplicada regularmente [e a vacatio legis?]) ≠ validez (ter sido feita de forma regular, sem infringir o ordenamento jurídico) ≠ eficaz (ter peso aplicativo).
  • 18. Taxatividade legal:  Também chamado de princípio da clareza;  A norma penal deve ser clara, lúcida, límpida, não deve haver dúvidas ou ambiguidades das palavras, termos, locuções;  No entanto a Lei n. 7.643/87 assim versa: “Art. 1º Fica proibida a pesca, ou qualquer forma de molestamento intencional, de toda espécie de cetáceo nas águas jurisdicionais brasileiras.”
  • 21. Norma penal em branco:  Classificação da norma penal: 1) Incriminadora (completa e não completa); e 2) Não incriminadora (permissivas ou explicativas) Leis penais incompletas Norma penal em branco Tipo aberto (conceito indeterminado)
  • 22. Norma penal em branco:  O preceito primário precisa ser complementado para ser aplicado (pode ser determinável através de outra norma); Sentido amplo; lato; imprópria; homogênea ou homóloga Instância legislativa diversa Mesma instância legislativa Sentido estrito; própria; ou heterogênea
  • 23. Norma penal em branco: Sentido amplo; lato; imprópria; homogênea ou homóloga Heterovitelina (Diploma diverso) Homovitelina (Mesmo diploma)
  • 24. Normas penais em branco:  Ao revés, ao inverso, ao avesso: Quando o preceito secundário não for completo e precisar de uma complementação (pode ser chamado também de tipo penal remetido);  Só pode ser complementado por lei em sentido formal; e  Exemplo: Uso de documento falso Art. 304 Fazer uso de qualquer dos papéis falsificados ou alterados, a que se referem os arts. 297 a 302: Pena - a cominada à falsificação ou à alteração.
  • 25. Promotor de Justiça /MS/2011: O que vem a ser a norma penal em branco? a) Norma penal em branco é aquela que não prevê a sanção a ser aplicada no caso de condenação do autor do delito; b) Norma penal em branco é aquela que não descreve expressamente os elementos do tipo; c) Norma penal em branco é aquela cujo preceito primário (descrição da conduta é indeterminado quanto a seu conteúdo, porém determinável, e o preceito sancionador é sempre certo; d) Norma penal em branco é aquela que não faz menção à dosagem da pena a ser aplicada; e) Norma penal em branco é aquela que não descreve a conduta do co-autor do delito em se tratando de crime que admite co- autoria.
  • 27. Intervenção mínima (última ratio; última razão):  O DP só pode ser utilizado como uma última opção de controle social por ser violento (aprisionamento);  Deve atuar minimamente; e  O DP não pode ser a prima ratio na opção de controle social do Estado.
  • 28. Princípio da fragmentariedade (esssencialidade):  Há duas vertentes: 1) Somente o essencial deve ser defendido pelo DP (alguns bens não podem ou devem ser protegidos pelo DP); e 2) Mesmo bens protegidos pelo DP só devem ser plenamente protegidos os ataques intoleráveis.
  • 29. Princípio da subsidiariedade:  O DP deve ser subsidiário (só atua se outra forma de controle social não funcionar) a outros controles sociais do Estado.
  • 30. Princípio da ofensividade (lesividade): O comportamento criminoso não basta ser formalmente delituoso, precisa ser materialmente lesivo ao bem jurídico tutelado (de minimas non curat praetor). 1) Atitudes internas não podem ser incriminadas (alguém que pensa em cometer crimes mas nada faz);  2) Comportamentos que não atingem terceiros não podem ser punidos (tatuagens, lesões na pele, drogas);  3) Não podem ser punidos estados existenciais (mendigos, pessoa que não quer trabalhar); e  4) Condutas não causadoras de danos (que não afetam nem causam perigo de lesão aos bens jurídicos) não podem ser punidas.
  • 31. Princípio da insignificância (bagatela):  O comportamento insignificante (nonada) não deve ser punido pelo DP;  Critérios concomitantes: 1) Pequena expressão econômica do bem (caso haja outros valores, como saudade e amor há crime); e 2) Reduzida reprovabilidade da conduta (pegar um bago de uva no mercado, pisar no pé de uma pessoa, dar um pequeno empurrão); e  Para o STF são quatro critérios: (1) mínima ofensividade da conduta do agente, (2) nenhuma periculosidade social da ação, (3) reduzido grau de reprovabilidade do comportamento e (4) inexpressividade da lesão jurídica provocada.
  • 32. Algumas curiosidades jurisprudenciais:  Estilo de vida criminoso tira a insignificância da conduta (mas, pode ser aceita a tese da insignificância);  A habitualidade criminosa e reincidência quebram a teorização da insignificância (mas, pode ser aceita a tese da insignificância);  Cabe nos crimes ambientais;  Não cabe no roubo;  Descaminho insignificante até R$ 20.000,00 (vinte mil reais); e Furto acima de um salário mínimo não é insignificante.
  • 33. Algumas curiosidades jurisprudenciais:  Porte de drogas pode ser insignificante (mas, como o bem jurídico é a saúde pública pode não ser aceita a tese);  Na Justiça Militar não há insignificância em regra (somente como exceção excepcionalíssima);  Cabe insignificância da conduta de prefeito que utiliza de máquinas da prefeitura para terraplenar terrenos de sua propriedade;  5 (cinco) livros da biblioteca são insignificantes; e  DVD’s e CD’s piratas não são ofensas insignificantes.
  • 34. Questões: Defensor Público da União/Cespe/2015: C ou E: Um militar das Forças Armadas, durante a prestação de serviço na organização militar onde ele servia, foi preso em flagrante delito por estar na posse de substância entorpecente. Nessa situação, segundo o entendimento do STF, se a quantidade da substância entorpecente for pequena, poder-se-á aplicar ao caso o princípio da insignificância. Analista/Cespe/2014: C ou E: O princípio da insignificância, com previsão legal expressa na parte geral do Código Penal (CP), é causa excludente da ilicitude do crime e exige, nos termos da jurisprudência do STF, mínima ofensividade da conduta do agente, nenhuma periculosidade social da ação, reduzido grau de reprovabilidade do comportamento e inexpressividade da lesão jurídica provocada.