SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
“Finalmente, sede todos de igual ânimo,
compadecidos, fraternalmente amigos,
misericordiosos, humildes, não
pagando mal por mal ou injúria por
injúria; antes, pelo contrário,
bendizendo, pois para isto mesmo
fostes chamados, a fim de receberdes
bênção por herança. Pois quem quer
amar a vida e ver dias felizes refreie a
língua do mal e evite que os seus lábios
falem dolosamente; aparte-se do mal,
pratique o que é bom, busque a paz e
empenhe-se por alcançá-la. Porque os
olhos do Senhor repousam sobre os
justos, e os seus ouvidos estão abertos
às suas súplicas, mas o rosto do Senhor
está contra aqueles que praticam males.
Ora, quem é que vos há de maltratar, se
fordes zelosos do que é bom? Mas,
ainda que venhais a sofrer por causa da
justiça, bem-aventurados sois. Não vos
amedronteis, portanto, com as suas
ameaças, nem fiqueis alarmados; antes,
santificai a Cristo, como Senhor, em
vosso coração, estando sempre
preparados para responder a todo
2
aquele que vos pedir razão da esperança
que há em vós, fazendo-o, todavia, com
mansidão e temor, com boa
consciência, de modo que, naquilo em
que falam contra vós outros, fiquem
envergonhados os que difamam o vosso
bom procedimento em Cristo, porque,
se for da vontade de Deus, é melhor que
sofrais por praticardes o que é bom do
que praticando o mal.” (I Pedro 3.8-17)
É muito comum ver em nossos dias
Deus sendo buscado por tantos que
apenas têm um interesse em achar nEle
uma proteção para todo tipo de
dificuldade terrena e ter um viver
próspero neste mundo, sem nunca
levarem em consideração qual é o
propósito de Deus nas provas e
tribulações que sobrevêm aos crentes.
A purificação do pecado é igualmente
atribuída nas Escrituras às aflições de
toda sorte. Portanto, elas são chamadas
de "fornalha" de Deus e seu "pote de
3
refinação", Is 31.9, 48.10; Prov 17.3. Por
meio das aflições, ele tira a escória e a
sujeira dos vasos de sua casa. Elas
também são chamadas de "fogo" que
experimenta os caminhos e obras dos
homens, consumindo seu feno e
restolho, e purificando seu ouro e prata,
1 Cor 3.12,13. E as aflições fazem isso
por meio de uma eficácia para esses fins
comunicada a elas no projeto e pelo
Espírito de Deus. Pois, por e na cruz de
Cristo, os homens foram resgatados da
maldição da primeira aliança para a
qual todo o mal e todos os problemas
pertenciam, e eles foram implantados
na aliança da graça. O madeiro da cruz
sendo lançado nas águas da aflição,
tornou-as saudáveis e medicinais. O
Senhor Jesus Cristo sendo o cabeça da
aliança, todas as aflições e perseguições
que sobrevêm aos seus membros são
originalmente suas, Is 63.9, Atos 9.5,
Col 1.24. Da mesma forma, todas elas
tendem a nos levar à conformidade com
ele em pureza e santidade. E elas
trabalham para este abençoado fim de
4
purificar a alma de várias maneiras;
porque -
1. Elas têm em si algum sinal do
desprazer de Deus contra o pecado.
Aqueles que são exercitados por
aflições, ao considerá-las, são levados a
uma nova visão da vileza do pecado.
Pois embora as aflições sejam um efeito
do amor, ainda assim é do amor
misturado com cuidado para prevenir
doenças espirituais. O que mais elas
são, aflições são sempre castigos; e a
correção diz respeito às falhas. Isto é, ao
nosso curso mais seguro em todas as
aflições, apresentar a causa adequada
delas em nosso merecimento próprio,
como fez a mulher em 1 Reis 17.18; e
como Deus dirige no Sl 89.30-32 e
Lam. 3.33. E esta é uma diferença entre
seus castigos e os de nossos pais
carnais: eles não o fizeram "para Sua
vontade", Hb 12.9-10. Agora, uma visão
do pecado sob o sofrimento faz os
homens se odiarem por isso, e ficarem
com vergonha disso. Este é o primeiro
5
passo para nos purificarmos por
quaisquer caminhos indicados para
isso. A satisfação própria é o pecado no
mais alto grau de nossa poluição;
quando nos detestamos por isso, pelo
menos somos colocados no caminho de
buscar um remédio.
2. Aflições tiram a beleza, os atrativos e
os confortos de todos os seres criados,
que são coisas boas que solicitam que as
afeições cometam tolice e lascívia com
elas - para abraçá-las e agarrar-se a elas
desordenadamente - do qual muitas
contaminações se seguem, Gal 6.14.
Deus projeta aflições para isso: para dar
alívio a todos os encantamentos deste
mundo nas mentes dos homens,
revelando seu vazio, vaidade e
insuficiência. Isso intercepta a relação
íntima desordenada que existe entre
elas e nossos afetos, pelos quais nossas
mentes são poluídas. A poluição
acompanha os atos menos
desordenados de nossa mente e afeições
para com objetos que são pecaminosos
6
em sua própria natureza, ou que podem
se tornar pecaminosos por um excesso
em nós em relação a eles - pois estamos
sob o comando de amar o Senhor nosso
Deus com todas as nossas mentes,
almas e força, e para fazer isso sempre.
3. Aflições tiram o limite e colocam uma
morte nessas afeições desordenadas
porque as concupiscências corruptas da
mente e da carne agem, que são a fonte
e a causa de todas as nossas
contaminações. Elas restringem aquelas
afeições vigorosas e vivas que estavam
sempre prontas para o serviço da
luxúria, e que às vezes carregavam a
alma na busca do pecado com loucura e
fúria, como o cavalo na batalha. Não
existem mais canais preparados para a
podridão da concupiscência para se
esvaziar na conduta, nem tais veículos
para os espíritos de luxúrias e
inclinações corruptas. Pelas aflições,
Deus traz sobre os desejos e afeições da
alma, uma espécie de morte para o
mundo e seus prazeres, que os torna
7
inutilizáveis para o resquícios das
concupiscências e corrupções
contaminantes. Em alguns, isto, na
verdade, dura apenas por um período -
como quando na doença, necessidades,
medos, angústias, perdas ou tristezas,
pode haver uma grande aparência de
mortificação; ainda, sobre o mínimo
alívio externo dessas aflições, a força do
pecado e o vigor das afeições carnais
revivem rapidamente. Mas com os
crentes não é assim; melhorados, por
todos os seus castigos, eles são
realmente cada vez mais libertados da
poluição do pecado, e tornados
participantes da santidade de Deus.
Pelas aflições, Deus excita, desperta e
atrai todas as graças do Espírito em um
constante, diligente, e vigoroso
exercício; e nisso, o trabalho de limpeza
da alma da poluição do pecado é
realizada. Um momento de aflição é a
ocasião especial para o exercício
particular de toda graça; pois a alma
pode então em nenhuma outra maneira
se apoiar ou aliviar. Pois é interrompido
8
ou removido de outros confortos e
relevos; todas as coisas doces se tornam
amargas para ela. Deve, portanto, viver
não apenas pela fé e amor e deleite em
Deus, mas em algum sentido sobre eles;
porque se apoio e conforto não são
obtidos em seu exercício, então não
podemos ter nenhum. Portanto, a alma
aflita acha necessário abundar
constantemente no exercício da graça,
de modo que possa em qualquer
medida ser capaz de se sustentar sob
seus problemas ou sofrimentos.
Novamente, não há outra maneira pela
qual um homem possa ter um uso
santificado de aflições, ou um bom
resultado delas, do que pelo assíduo
exercício da graça. Deus pede isso; ele o
projeta; e sem ele, as aflições têm
nenhum outro fim senão tornar os
homens miseráveis. Eles também não
terão libertação delas, ou será uma
libertação tal que tenderá à sua miséria
e ruína.
9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretaçãoSaltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
Silvio Dutra
 

Mais procurados (20)

Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretaçãoSaltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
Saltando muralhas - Salmos - livro ii - interpretação
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65
 
Deus requer santificação aos cristãos 49
Deus requer santificação aos cristãos 49Deus requer santificação aos cristãos 49
Deus requer santificação aos cristãos 49
 
Deus requer santificação aos cristãos 47
Deus requer santificação aos cristãos 47Deus requer santificação aos cristãos 47
Deus requer santificação aos cristãos 47
 
Deus requer santificação aos cristãos 46
Deus requer santificação aos cristãos 46Deus requer santificação aos cristãos 46
Deus requer santificação aos cristãos 46
 
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
A cura das almas abatidas 2  -  Christopher LoveA cura das almas abatidas 2  -  Christopher Love
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
 
Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60
 
Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34
 
Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36
 
Deus requer santificação aos cristãos 38
Deus requer santificação aos cristãos 38Deus requer santificação aos cristãos 38
Deus requer santificação aos cristãos 38
 
“Aceitos no amado.” (efésios 1.6)
“Aceitos no amado.” (efésios 1.6)“Aceitos no amado.” (efésios 1.6)
“Aceitos no amado.” (efésios 1.6)
 
Deus requer santificação aos cristãos 37
Deus requer santificação aos cristãos 37Deus requer santificação aos cristãos 37
Deus requer santificação aos cristãos 37
 
As batalhas espirituais finais - parte 6
As batalhas espirituais finais  - parte 6As batalhas espirituais finais  - parte 6
As batalhas espirituais finais - parte 6
 
O Que É Vida Eterna
O Que É Vida EternaO Que É Vida Eterna
O Que É Vida Eterna
 
Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55
 
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
 
Deus requer santificação aos cristãos 32
Deus requer santificação aos cristãos 32Deus requer santificação aos cristãos 32
Deus requer santificação aos cristãos 32
 
Deus requer santificação aos cristãos 16
Deus requer santificação aos cristãos 16Deus requer santificação aos cristãos 16
Deus requer santificação aos cristãos 16
 

Semelhante a Deus requer santificação aos cristãos 62

10 sermões por robert murray m cheyne volume-ii
10 sermões por robert murray m cheyne   volume-ii10 sermões por robert murray m cheyne   volume-ii
10 sermões por robert murray m cheyne volume-ii
Deusdete Soares
 

Semelhante a Deus requer santificação aos cristãos 62 (20)

Estudo adicional_A lei de Deus e a lei de Cristo_822014
Estudo adicional_A lei de Deus e a lei de Cristo_822014Estudo adicional_A lei de Deus e a lei de Cristo_822014
Estudo adicional_A lei de Deus e a lei de Cristo_822014
 
Boletim IPPI 29.12.2013
Boletim IPPI 29.12.2013Boletim IPPI 29.12.2013
Boletim IPPI 29.12.2013
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
O apagar das graças do Espírito - John Dod
O apagar das graças do Espírito  -  John DodO apagar das graças do Espírito  -  John Dod
O apagar das graças do Espírito - John Dod
 
Tu e a confissão
Tu e a confissãoTu e a confissão
Tu e a confissão
 
As batalhas espirituais finais - parte 8
As batalhas espirituais finais  - parte 8As batalhas espirituais finais  - parte 8
As batalhas espirituais finais - parte 8
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
 
ORAÇÃO.pptx
ORAÇÃO.pptxORAÇÃO.pptx
ORAÇÃO.pptx
 
É Necessária uma Devida Consideração De Deus
É Necessária uma Devida Consideração De DeusÉ Necessária uma Devida Consideração De Deus
É Necessária uma Devida Consideração De Deus
 
As Coisas deste Mundo - John Owen
As Coisas deste Mundo -  John Owen  As Coisas deste Mundo -  John Owen
As Coisas deste Mundo - John Owen
 
Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino
Breve forma de uma confissão de fé - João CalvinoBreve forma de uma confissão de fé - João Calvino
Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino
 
Deus requer santificação aos cristãos 11
Deus requer santificação aos cristãos 11Deus requer santificação aos cristãos 11
Deus requer santificação aos cristãos 11
 
10 sermões por robert murray m cheyne volume-ii
10 sermões por robert murray m cheyne   volume-ii10 sermões por robert murray m cheyne   volume-ii
10 sermões por robert murray m cheyne volume-ii
 
Boletim ippi 30.06.2013
Boletim ippi 30.06.2013Boletim ippi 30.06.2013
Boletim ippi 30.06.2013
 
Olhando Para o Alto (OA) - MM
Olhando Para o Alto (OA) - MMOlhando Para o Alto (OA) - MM
Olhando Para o Alto (OA) - MM
 
Boletim ippi 30.06.2013
Boletim ippi 30.06.2013Boletim ippi 30.06.2013
Boletim ippi 30.06.2013
 
❉ Respostas_712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito_GGR
❉ Respostas_712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito_GGR❉ Respostas_712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito_GGR
❉ Respostas_712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito_GGR
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
 
Ajuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard SibbesAjuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard Sibbes
 

Mais de Silvio Dutra

Mais de Silvio Dutra (20)

Poder
PoderPoder
Poder
 
A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma Aliança
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
 
O Começo e o Fim
O Começo e o FimO Começo e o Fim
O Começo e o Fim
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67
 
Deus requer santificação aos cristãos 61
Deus requer santificação aos cristãos 61Deus requer santificação aos cristãos 61
Deus requer santificação aos cristãos 61
 
Deus requer santificação aos cristãos 59
Deus requer santificação aos cristãos 59Deus requer santificação aos cristãos 59
Deus requer santificação aos cristãos 59
 

Último (7)

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 

Deus requer santificação aos cristãos 62

  • 1.
  • 2. “Finalmente, sede todos de igual ânimo, compadecidos, fraternalmente amigos, misericordiosos, humildes, não pagando mal por mal ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo, pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de receberdes bênção por herança. Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente; aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la. Porque os olhos do Senhor repousam sobre os justos, e os seus ouvidos estão abertos às suas súplicas, mas o rosto do Senhor está contra aqueles que praticam males. Ora, quem é que vos há de maltratar, se fordes zelosos do que é bom? Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem-aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados; antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo 2
  • 3. aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo, porque, se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal.” (I Pedro 3.8-17) É muito comum ver em nossos dias Deus sendo buscado por tantos que apenas têm um interesse em achar nEle uma proteção para todo tipo de dificuldade terrena e ter um viver próspero neste mundo, sem nunca levarem em consideração qual é o propósito de Deus nas provas e tribulações que sobrevêm aos crentes. A purificação do pecado é igualmente atribuída nas Escrituras às aflições de toda sorte. Portanto, elas são chamadas de "fornalha" de Deus e seu "pote de 3
  • 4. refinação", Is 31.9, 48.10; Prov 17.3. Por meio das aflições, ele tira a escória e a sujeira dos vasos de sua casa. Elas também são chamadas de "fogo" que experimenta os caminhos e obras dos homens, consumindo seu feno e restolho, e purificando seu ouro e prata, 1 Cor 3.12,13. E as aflições fazem isso por meio de uma eficácia para esses fins comunicada a elas no projeto e pelo Espírito de Deus. Pois, por e na cruz de Cristo, os homens foram resgatados da maldição da primeira aliança para a qual todo o mal e todos os problemas pertenciam, e eles foram implantados na aliança da graça. O madeiro da cruz sendo lançado nas águas da aflição, tornou-as saudáveis e medicinais. O Senhor Jesus Cristo sendo o cabeça da aliança, todas as aflições e perseguições que sobrevêm aos seus membros são originalmente suas, Is 63.9, Atos 9.5, Col 1.24. Da mesma forma, todas elas tendem a nos levar à conformidade com ele em pureza e santidade. E elas trabalham para este abençoado fim de 4
  • 5. purificar a alma de várias maneiras; porque - 1. Elas têm em si algum sinal do desprazer de Deus contra o pecado. Aqueles que são exercitados por aflições, ao considerá-las, são levados a uma nova visão da vileza do pecado. Pois embora as aflições sejam um efeito do amor, ainda assim é do amor misturado com cuidado para prevenir doenças espirituais. O que mais elas são, aflições são sempre castigos; e a correção diz respeito às falhas. Isto é, ao nosso curso mais seguro em todas as aflições, apresentar a causa adequada delas em nosso merecimento próprio, como fez a mulher em 1 Reis 17.18; e como Deus dirige no Sl 89.30-32 e Lam. 3.33. E esta é uma diferença entre seus castigos e os de nossos pais carnais: eles não o fizeram "para Sua vontade", Hb 12.9-10. Agora, uma visão do pecado sob o sofrimento faz os homens se odiarem por isso, e ficarem com vergonha disso. Este é o primeiro 5
  • 6. passo para nos purificarmos por quaisquer caminhos indicados para isso. A satisfação própria é o pecado no mais alto grau de nossa poluição; quando nos detestamos por isso, pelo menos somos colocados no caminho de buscar um remédio. 2. Aflições tiram a beleza, os atrativos e os confortos de todos os seres criados, que são coisas boas que solicitam que as afeições cometam tolice e lascívia com elas - para abraçá-las e agarrar-se a elas desordenadamente - do qual muitas contaminações se seguem, Gal 6.14. Deus projeta aflições para isso: para dar alívio a todos os encantamentos deste mundo nas mentes dos homens, revelando seu vazio, vaidade e insuficiência. Isso intercepta a relação íntima desordenada que existe entre elas e nossos afetos, pelos quais nossas mentes são poluídas. A poluição acompanha os atos menos desordenados de nossa mente e afeições para com objetos que são pecaminosos 6
  • 7. em sua própria natureza, ou que podem se tornar pecaminosos por um excesso em nós em relação a eles - pois estamos sob o comando de amar o Senhor nosso Deus com todas as nossas mentes, almas e força, e para fazer isso sempre. 3. Aflições tiram o limite e colocam uma morte nessas afeições desordenadas porque as concupiscências corruptas da mente e da carne agem, que são a fonte e a causa de todas as nossas contaminações. Elas restringem aquelas afeições vigorosas e vivas que estavam sempre prontas para o serviço da luxúria, e que às vezes carregavam a alma na busca do pecado com loucura e fúria, como o cavalo na batalha. Não existem mais canais preparados para a podridão da concupiscência para se esvaziar na conduta, nem tais veículos para os espíritos de luxúrias e inclinações corruptas. Pelas aflições, Deus traz sobre os desejos e afeições da alma, uma espécie de morte para o mundo e seus prazeres, que os torna 7
  • 8. inutilizáveis para o resquícios das concupiscências e corrupções contaminantes. Em alguns, isto, na verdade, dura apenas por um período - como quando na doença, necessidades, medos, angústias, perdas ou tristezas, pode haver uma grande aparência de mortificação; ainda, sobre o mínimo alívio externo dessas aflições, a força do pecado e o vigor das afeições carnais revivem rapidamente. Mas com os crentes não é assim; melhorados, por todos os seus castigos, eles são realmente cada vez mais libertados da poluição do pecado, e tornados participantes da santidade de Deus. Pelas aflições, Deus excita, desperta e atrai todas as graças do Espírito em um constante, diligente, e vigoroso exercício; e nisso, o trabalho de limpeza da alma da poluição do pecado é realizada. Um momento de aflição é a ocasião especial para o exercício particular de toda graça; pois a alma pode então em nenhuma outra maneira se apoiar ou aliviar. Pois é interrompido 8
  • 9. ou removido de outros confortos e relevos; todas as coisas doces se tornam amargas para ela. Deve, portanto, viver não apenas pela fé e amor e deleite em Deus, mas em algum sentido sobre eles; porque se apoio e conforto não são obtidos em seu exercício, então não podemos ter nenhum. Portanto, a alma aflita acha necessário abundar constantemente no exercício da graça, de modo que possa em qualquer medida ser capaz de se sustentar sob seus problemas ou sofrimentos. Novamente, não há outra maneira pela qual um homem possa ter um uso santificado de aflições, ou um bom resultado delas, do que pelo assíduo exercício da graça. Deus pede isso; ele o projeta; e sem ele, as aflições têm nenhum outro fim senão tornar os homens miseráveis. Eles também não terão libertação delas, ou será uma libertação tal que tenderá à sua miséria e ruína. 9