SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo,
Igreja ou Nação – Parte 4
Por John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
2
II. Os acidentes providenciais mencionados em
Lucas 13.1-5 são dois, e de dois tipos.
1. O primeiro foi aquele em que a crueldade
sangrenta dos homens teve uma participação:
"Os galileus, cujo sangue Pilatos misturara com
seus sacrifícios". Quando isso aconteceu, em
que ocasião e qual foi o número das pessoas
mortas, a Escritura é silenciosa quanto a isto.
No entanto, é certo que foi feito em Jerusalém;
pois os sacrifícios não podiam ser oferecidos em
nenhum outro lugar. Aí vieram os galileus com
seus sacrifícios; - ou seja, os animais que
trouxeram aos sacerdotes para oferecer para
eles, pois eles próprios não podem oferecer
sacrifícios. Enquanto eles estavam envolvidos
nesta obra, Pilatos, o sangrento governador
romano (em que ocasião ou provocação é
desconhecido), veio sobre eles e os matou
de maneira cruel; intimado com essa expressão,
que "ele misturou seu sangue com seus
sacrifícios". E esta providência é mais notável,
na medida em que caiu enquanto eles estavam
envolvidos em seu sagrado culto; - que traz
indicação de severidade divina. E, pode ser, que
houve, como sucede na ruína da humanidade
todos os dias, uma ocasião tomada
pela diferença entre dois governadores
perversos, Pilatos e Herodes, a cuja jurisdição
pertenciam esses galileus, em cujo sangue
Pilatos pensou em vingar-se de seu inimigo. No
entanto, ambos combinaram, finalmente, no
3
assassinato de Cristo, - como outros costumam
fazer no mundo; e assim se tornaram amigos,
deixando seu exemplo para seus sucessores.
(Nota do Tradutor: Especialmente no caso da
crueldade de Pilatos, aqueles judeus que haviam
abordado a Jesus, esperavam que Ele
manifestasse uma opinião favorável a que
Pilatos deveria ser atingido por um juízo divino
imediato, ou mesmo que o Rei em Roma tivesse
conhecimento do fato para as devidas
providências, ou por qualquer outra expectativa
semelhante. E assim sucede conosco em nossos
dias ao ver tanta injustiça e violência ao nosso
redor sendo acompanhada de tanta impunidade
ou mesmo de corrupção dos poderes
constituídos para evitá-las. Mas, tal como
aqueles judeus do passado estamos cegados por
nossa paixão e desejo de justiça humana
imediata para ser aplicada, que esquecemos,
como Jesus os instruiu na ocasião, que tudo
aquilo era apenas um sinal da parte de Deus de
que uma destruição maior estaria vindo em
sequência, em razão da falta de arrependimento
das pessoas da nação, e a rejeição da salvação
que lhes está sendo oferecida gratuitamente por
Jesus. Assim, todos os males que estão se
intensificando em nossos dias são um grande
sinal da parte de Deus de que virá um grande
juízo sobre o mundo, para vindicar toda a
rejeição do Evangelho e de um viver santo e
piedoso.)
4
2. O outro era um mero efeito da divina
Providência; - a morte de dezoito homens pela
queda de uma torre em Siloé; isto é, um lugar de
águas e um fluxo corrente em Jerusalém. E
nosso Senhor Jesus Cristo declara aqui, não só
que todos esses acidentes estão dispostos pela
Providência de Deus, mas que ele fala neles para
nossa instrução. Tanto estes, como eles eram
avisos, como veremos, eram figuras
da destruição próxima da cidade e das pessoas;
porque isso, em primeiro lugar, é a aparência
aqui pretendida, como é manifestado na
parábola subsequente, em que a igreja-estado
dos judeus é comparada a uma figueira estéril,
que deveria ser cortada e destruída. E,
consequentemente, essa destruição aconteceu
com eles, em parte pela crueldade sangrenta dos
romanos, e em parte pela queda e ruína do
templo, torres e muros da cidade; ambos
incluídos na palavra "da mesma forma
vós também perecereis", ou da mesma maneira.
Mas, embora fossem de vários tipos, e os
homens conseguem evadir-se da consideração
deles em vários pretextos, sendo o primeiro
atribuído apenas ao furor tirânico de Pilatos, e o
outro apenas a um acidente de algo incomum, -
no entanto, nosso Senhor Jesus Cristo descobre
a mão e o conselho de Deus nos dois, e declara o
mesmo idioma para ser falado nesses dois. Os
sinais do mesmo evento são duplicados, para
mostrar a certeza disso, como os sonhos do
faraó. E podemos observar, primeiro, que todos
5
os tipos de acidentes incomuns ou efeitos
da Providência, em uma época de pecado e
julgamentos próximos, são da mesma indicação
e devem ter a mesma interpretação. Assim, é o
mesmo aviso feito por ambos os diferentes
sinais e advertências do nosso Salvador; - eles
têm, disse ele, a mesma língua, a mesma
significação. Não havia nada nesse momento
que endurecesse os judeus até a sua total ruína,
do que a falsa aplicação que fizeram de sinais e
advertências providenciais, que foram
todos multiplicados entre eles, como para o seu
bem e libertação, quando eram todos sinais da
sua ruína que estava próxima. Quando tais
coisas são rejeitadas como advertências,
chamando ao arrependimento e à reforma,
como eles foram por eles, com a presunção de
que eram sinais da aparência de Deus em seu
favor, tornaram-se apenas alguns precursores
de julgamentos maiores, e provas infalíveis de
destruição; e assim eles serão igualmente para
aqueles por quem eles ainda são desprezados.
Aquela destruição de uma torre localizada em
Siloé prenunciava uma destruição muito maior
da parte dos romanos que viria sobre toda a
Judá e Jerusalém.
Em segundo lugar, agradou a Deus às vezes dar
avisos de julgamentos próximos, não só quanto
à questão deles, para que sejam acompanhados
com severidade, mas também com a natureza e
maneira especiais deles. Assim foi com estes
6
dois sinais, de sangue pela espada; e morte
pela queda da torre; representando como num
espelho aquela calamidade comum que deveria
acontecer com a cidade e a nação. E peço a Deus
que a aparência prodigiosa de meteoritos de
fogo, como espadas, exércitos e armas, com
outras coisas da
natureza semelhante, não possa ser enviada
para apontar a natureza dos julgamentos que
estão chegando na Inglaterra, se não forem
desviados; pois, quanto a esses sinais, não só a
Escritura, mas todas as histórias pagãs são
preenchidas com uma conta deles. Antes da
aproximação dos juízos desoladores, a natureza,
o pai comum da humanidade, sempre se
apresentava em atos irregulares e incomuns, -
em meteoritos ardentes, cometas, terremotos,
aparências estranhas no ar, vozes ouvidas e
similares. Os elementos brutos tremem nas
aproximações de Deus em seu julgamento
contra os habitantes da terra. Então o profeta o
expressa, Habacuque 3:10: "Os montes te veem,
e se contorcem; inundação das águas passa;
o abismo faz ouvir a sua voz, e levanta bem alto
as suas mãos." Eles são como se fossem,
lançados em uma postura de tremores e súplica.
E Ésquilo, um poeta pagão sobre Justino Mártir,
assim escreve: "Quando o espantoso olho de
Deus (na sua providência) é levantado", todas as
coisas tremem diante dele. Na interpretação e
aplicação desses acidentes graves pelo nosso
7
Salvador, em sua sabedoria divina, podemos
observar:
1. Os julgamentos especiais em tal ocasião,
acontecendo em algum lugar, não provam uma
culpa ou provocação especial neles. Isto nosso
Salvador negou expressamente, e que
com respeito a ambos os exemplos
apresentados, e isso claramente, versículos 2,4.
Eu, portanto, não estabeleço uma regra geral
como a todos os tempos e pessoas. Porque, -
Primeiro, a observação é aqui confinada e
limitada a uma ocasião como essa
em consideração; ou seja, um tempo de
provocação dos pecados na generalidade do
povo, e os julgamentos próximos. Em tal
ocasião, nenhuma atribuição de culpa especial
deve ser feita com sofrimentos especiais
calamitosos.
Em segundo lugar, algumas pessoas podem ser
culpadas de pecados tão atrevidos e
presunçosos que, se forem visitados com
juízos especiais neste mundo, é o auge da
impiedade não perceber a especial mão
vingadora de Deus em sua destruição. Tal foi a
morte de Herodes, Atos 12:22,23.
2. Os julgamentos em homens privados em uma
época desse tipo são avisos para o público. Isto é
intimado pelo nosso Salvador neste lugar; a
saber, que Deus usa uma soberania aqui, ao
8
identificar quem ele deseja, para torná-los
exemplos para os outros. Isto, diz ele, foi o
único motivo, no que diz respeito a julgar ou a
saber, por que Deus trouxe essas desagradáveis
doenças sobre eles; a saber, que por estes avisos
ele poderia chamá-los para o arrependimento.
No entanto, eu julgo que Deus não exerce
normalmente sua soberania neste tipo, a menos
que seja quando todos mereceram
ser destruídos; e, como na sedição e motim dos
laços militares, eles os dizimaram ou mataram
alguns para serem um exemplo e terror para os
outros; então Deus chama de uma multidão
culpada a quem ele quiser, para fazer com que
sejam exemplos anteriores de julgamentos
próximos.
3. Aqueles que primeiro se enquadram em
julgamentos não são sempre os piores daqueles
sobre os quais os julgamentos devem ocorrer;
nem os primeiros julgamentos são os mais
severos; - por que isso é claro nestes casos, e
porque temos exemplos desta natureza entre
nós, devemos considerar como perceber
corretamente um julgamento a respeito deles. E
estas três coisas podemos determinar
com segurança:
1. Que os que sofreram também
eram pecadores, embora não fossem tão
somente, ou de maneira especial. Isto é
9
necessário para a reivindicação da justiça de
Deus.
2. Que aquele que foi julgado foi um aviso para
nós. Aqui, a sua soberania e misericórdia para
conosco que escapamos é manifesta.
3. Que também temos uma mão nessa culpa,
antecipando tais providências até onde haja
alguma penalidade nelas. Porque
tais julgamentos anteriores particulares são o
efeito de provocações públicas.
(Nota do tradutor: Uma evidência de um
julgamento geral de Deus sobre todas as nações,
nós tivemos com a Covid 19, e com os governos
esquerdistas e globalistas que rejeitam a Cristo
em várias partes do mundo, e que agora ameaça
ocupar toda a América Latina. Os israelitas
foram expulsos de sua terra em 70 d.C. pelos
romanos e muitos foram mortos não somente
por terem rejeitado a Jesus como o Messias
prometido que foi enviado a eles, mas também
por terem agravado o seu pecado com a escolha
de um ladrão e malfeitor (Barrabás), em vez
dEle. Isto foi um sinal do endurecimento que
havia vindo sobre eles e que prenunciava a
proximidade de um duro juízo divino sobre eles,
tal como sucederá ao mundo presente, por sua
iniquidade e rejeição de Jesus Cristo e do
Evangelho.
10
Sempre que há uma mudança geral de
dispensação segundo o decreto eterno de Deus,
isto sempre é feito em relação a Jesus Cristo,
sobretudo por se trazer juízos sobre aqueles que
o rejeitaram: Isto foi feito com os judeus na Sua
primeira vinda, quando por ser rejeitado por
eles, houve uma mudança da Antiga Aliança
para a Nova. E na Sua segunda vinda haverá
antes uma grande tribulação sob o Anticristo
para marcar o fim da dispensação da graça e o
início do Milênio.)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf

Lição 10 - Escapando da Ira Futura
Lição 10 - Escapando da Ira FuturaLição 10 - Escapando da Ira Futura
Lição 10 - Escapando da Ira FuturaÉder Tomé
 
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes Acontecimentos
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes AcontecimentosApocalipse 6 - Estamos à Porta destes Acontecimentos
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes AcontecimentosSilvio Dutra
 
Encontro com as profecias 1 trombeta
Encontro com as profecias   1 trombetaEncontro com as profecias   1 trombeta
Encontro com as profecias 1 trombetaDiego Fortunatto
 
A autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus IIA autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus IIRicardo Gondim
 
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01Alvaro Eduardo Antonio
 
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)Deusdete Soares
 
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorRamón Zazatt
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSilvio Dutra
 
A predeterminada morte de cristo
A predeterminada morte de cristoA predeterminada morte de cristo
A predeterminada morte de cristoDeusdete Soares
 
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014Gerson G. Ramos
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesRamón Zazatt
 
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveMortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveSilvio Dutra
 
Romanos 5.12 21 - John Owen
Romanos 5.12 21 - John OwenRomanos 5.12 21 - John Owen
Romanos 5.12 21 - John OwenSilvio Dutra
 
A escritura sagrada e a revolução francesa
A escritura sagrada e a revolução francesaA escritura sagrada e a revolução francesa
A escritura sagrada e a revolução francesaDiego Fortunatto
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das NaçõesRamón Zazatt
 
A cruz e o santuário.pdf
A cruz e o santuário.pdfA cruz e o santuário.pdf
A cruz e o santuário.pdfHerivelto Matos
 

Semelhante a Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf (20)

Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
Uxvofimdasnacoes 091209200019-phpapp01
 
Lição 10 - Escapando da Ira Futura
Lição 10 - Escapando da Ira FuturaLição 10 - Escapando da Ira Futura
Lição 10 - Escapando da Ira Futura
 
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes Acontecimentos
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes AcontecimentosApocalipse 6 - Estamos à Porta destes Acontecimentos
Apocalipse 6 - Estamos à Porta destes Acontecimentos
 
Encontro com as profecias 1 trombeta
Encontro com as profecias   1 trombetaEncontro com as profecias   1 trombeta
Encontro com as profecias 1 trombeta
 
A autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus IIA autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus II
 
Lição 11 - O Juízo Final
Lição 11 - O Juízo FinalLição 11 - O Juízo Final
Lição 11 - O Juízo Final
 
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01
Acidentesnaocastigos sermaodespurgeon-140322075305-phpapp01
 
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)
Acidentes, não castigos (charles haddon spurgeon)
 
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
 
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do SenhorUnidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
Unidade 14 - O Grande e Terrível Dia do Senhor
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
 
A predeterminada morte de cristo
A predeterminada morte de cristoA predeterminada morte de cristo
A predeterminada morte de cristo
 
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014
Respostas_Leis no tempo de Cristo_122014
 
U.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das NaçõesU.XV - O Fim Das Nações
U.XV - O Fim Das Nações
 
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveMortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
 
Julgamento de Deus
Julgamento de DeusJulgamento de Deus
Julgamento de Deus
 
Romanos 5.12 21 - John Owen
Romanos 5.12 21 - John OwenRomanos 5.12 21 - John Owen
Romanos 5.12 21 - John Owen
 
A escritura sagrada e a revolução francesa
A escritura sagrada e a revolução francesaA escritura sagrada e a revolução francesa
A escritura sagrada e a revolução francesa
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
 
A cruz e o santuário.pdf
A cruz e o santuário.pdfA cruz e o santuário.pdf
A cruz e o santuário.pdf
 

Mais de Silvio Dutra

A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaSilvio Dutra
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...Silvio Dutra
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfSilvio Dutra
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfSilvio Dutra
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialSilvio Dutra
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Silvio Dutra
 

Mais de Silvio Dutra (20)

Poder
PoderPoder
Poder
 
A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma Aliança
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
 
O Começo e o Fim
O Começo e o FimO Começo e o Fim
O Começo e o Fim
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65
 
Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64
 
Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63
 

Último

Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoFabioLofrano
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfnestorsouza36
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 

Último (10)

Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 

Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf

  • 1. Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4 Por John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
  • 2. 2 II. Os acidentes providenciais mencionados em Lucas 13.1-5 são dois, e de dois tipos. 1. O primeiro foi aquele em que a crueldade sangrenta dos homens teve uma participação: "Os galileus, cujo sangue Pilatos misturara com seus sacrifícios". Quando isso aconteceu, em que ocasião e qual foi o número das pessoas mortas, a Escritura é silenciosa quanto a isto. No entanto, é certo que foi feito em Jerusalém; pois os sacrifícios não podiam ser oferecidos em nenhum outro lugar. Aí vieram os galileus com seus sacrifícios; - ou seja, os animais que trouxeram aos sacerdotes para oferecer para eles, pois eles próprios não podem oferecer sacrifícios. Enquanto eles estavam envolvidos nesta obra, Pilatos, o sangrento governador romano (em que ocasião ou provocação é desconhecido), veio sobre eles e os matou de maneira cruel; intimado com essa expressão, que "ele misturou seu sangue com seus sacrifícios". E esta providência é mais notável, na medida em que caiu enquanto eles estavam envolvidos em seu sagrado culto; - que traz indicação de severidade divina. E, pode ser, que houve, como sucede na ruína da humanidade todos os dias, uma ocasião tomada pela diferença entre dois governadores perversos, Pilatos e Herodes, a cuja jurisdição pertenciam esses galileus, em cujo sangue Pilatos pensou em vingar-se de seu inimigo. No entanto, ambos combinaram, finalmente, no
  • 3. 3 assassinato de Cristo, - como outros costumam fazer no mundo; e assim se tornaram amigos, deixando seu exemplo para seus sucessores. (Nota do Tradutor: Especialmente no caso da crueldade de Pilatos, aqueles judeus que haviam abordado a Jesus, esperavam que Ele manifestasse uma opinião favorável a que Pilatos deveria ser atingido por um juízo divino imediato, ou mesmo que o Rei em Roma tivesse conhecimento do fato para as devidas providências, ou por qualquer outra expectativa semelhante. E assim sucede conosco em nossos dias ao ver tanta injustiça e violência ao nosso redor sendo acompanhada de tanta impunidade ou mesmo de corrupção dos poderes constituídos para evitá-las. Mas, tal como aqueles judeus do passado estamos cegados por nossa paixão e desejo de justiça humana imediata para ser aplicada, que esquecemos, como Jesus os instruiu na ocasião, que tudo aquilo era apenas um sinal da parte de Deus de que uma destruição maior estaria vindo em sequência, em razão da falta de arrependimento das pessoas da nação, e a rejeição da salvação que lhes está sendo oferecida gratuitamente por Jesus. Assim, todos os males que estão se intensificando em nossos dias são um grande sinal da parte de Deus de que virá um grande juízo sobre o mundo, para vindicar toda a rejeição do Evangelho e de um viver santo e piedoso.)
  • 4. 4 2. O outro era um mero efeito da divina Providência; - a morte de dezoito homens pela queda de uma torre em Siloé; isto é, um lugar de águas e um fluxo corrente em Jerusalém. E nosso Senhor Jesus Cristo declara aqui, não só que todos esses acidentes estão dispostos pela Providência de Deus, mas que ele fala neles para nossa instrução. Tanto estes, como eles eram avisos, como veremos, eram figuras da destruição próxima da cidade e das pessoas; porque isso, em primeiro lugar, é a aparência aqui pretendida, como é manifestado na parábola subsequente, em que a igreja-estado dos judeus é comparada a uma figueira estéril, que deveria ser cortada e destruída. E, consequentemente, essa destruição aconteceu com eles, em parte pela crueldade sangrenta dos romanos, e em parte pela queda e ruína do templo, torres e muros da cidade; ambos incluídos na palavra "da mesma forma vós também perecereis", ou da mesma maneira. Mas, embora fossem de vários tipos, e os homens conseguem evadir-se da consideração deles em vários pretextos, sendo o primeiro atribuído apenas ao furor tirânico de Pilatos, e o outro apenas a um acidente de algo incomum, - no entanto, nosso Senhor Jesus Cristo descobre a mão e o conselho de Deus nos dois, e declara o mesmo idioma para ser falado nesses dois. Os sinais do mesmo evento são duplicados, para mostrar a certeza disso, como os sonhos do faraó. E podemos observar, primeiro, que todos
  • 5. 5 os tipos de acidentes incomuns ou efeitos da Providência, em uma época de pecado e julgamentos próximos, são da mesma indicação e devem ter a mesma interpretação. Assim, é o mesmo aviso feito por ambos os diferentes sinais e advertências do nosso Salvador; - eles têm, disse ele, a mesma língua, a mesma significação. Não havia nada nesse momento que endurecesse os judeus até a sua total ruína, do que a falsa aplicação que fizeram de sinais e advertências providenciais, que foram todos multiplicados entre eles, como para o seu bem e libertação, quando eram todos sinais da sua ruína que estava próxima. Quando tais coisas são rejeitadas como advertências, chamando ao arrependimento e à reforma, como eles foram por eles, com a presunção de que eram sinais da aparência de Deus em seu favor, tornaram-se apenas alguns precursores de julgamentos maiores, e provas infalíveis de destruição; e assim eles serão igualmente para aqueles por quem eles ainda são desprezados. Aquela destruição de uma torre localizada em Siloé prenunciava uma destruição muito maior da parte dos romanos que viria sobre toda a Judá e Jerusalém. Em segundo lugar, agradou a Deus às vezes dar avisos de julgamentos próximos, não só quanto à questão deles, para que sejam acompanhados com severidade, mas também com a natureza e maneira especiais deles. Assim foi com estes
  • 6. 6 dois sinais, de sangue pela espada; e morte pela queda da torre; representando como num espelho aquela calamidade comum que deveria acontecer com a cidade e a nação. E peço a Deus que a aparência prodigiosa de meteoritos de fogo, como espadas, exércitos e armas, com outras coisas da natureza semelhante, não possa ser enviada para apontar a natureza dos julgamentos que estão chegando na Inglaterra, se não forem desviados; pois, quanto a esses sinais, não só a Escritura, mas todas as histórias pagãs são preenchidas com uma conta deles. Antes da aproximação dos juízos desoladores, a natureza, o pai comum da humanidade, sempre se apresentava em atos irregulares e incomuns, - em meteoritos ardentes, cometas, terremotos, aparências estranhas no ar, vozes ouvidas e similares. Os elementos brutos tremem nas aproximações de Deus em seu julgamento contra os habitantes da terra. Então o profeta o expressa, Habacuque 3:10: "Os montes te veem, e se contorcem; inundação das águas passa; o abismo faz ouvir a sua voz, e levanta bem alto as suas mãos." Eles são como se fossem, lançados em uma postura de tremores e súplica. E Ésquilo, um poeta pagão sobre Justino Mártir, assim escreve: "Quando o espantoso olho de Deus (na sua providência) é levantado", todas as coisas tremem diante dele. Na interpretação e aplicação desses acidentes graves pelo nosso
  • 7. 7 Salvador, em sua sabedoria divina, podemos observar: 1. Os julgamentos especiais em tal ocasião, acontecendo em algum lugar, não provam uma culpa ou provocação especial neles. Isto nosso Salvador negou expressamente, e que com respeito a ambos os exemplos apresentados, e isso claramente, versículos 2,4. Eu, portanto, não estabeleço uma regra geral como a todos os tempos e pessoas. Porque, - Primeiro, a observação é aqui confinada e limitada a uma ocasião como essa em consideração; ou seja, um tempo de provocação dos pecados na generalidade do povo, e os julgamentos próximos. Em tal ocasião, nenhuma atribuição de culpa especial deve ser feita com sofrimentos especiais calamitosos. Em segundo lugar, algumas pessoas podem ser culpadas de pecados tão atrevidos e presunçosos que, se forem visitados com juízos especiais neste mundo, é o auge da impiedade não perceber a especial mão vingadora de Deus em sua destruição. Tal foi a morte de Herodes, Atos 12:22,23. 2. Os julgamentos em homens privados em uma época desse tipo são avisos para o público. Isto é intimado pelo nosso Salvador neste lugar; a saber, que Deus usa uma soberania aqui, ao
  • 8. 8 identificar quem ele deseja, para torná-los exemplos para os outros. Isto, diz ele, foi o único motivo, no que diz respeito a julgar ou a saber, por que Deus trouxe essas desagradáveis doenças sobre eles; a saber, que por estes avisos ele poderia chamá-los para o arrependimento. No entanto, eu julgo que Deus não exerce normalmente sua soberania neste tipo, a menos que seja quando todos mereceram ser destruídos; e, como na sedição e motim dos laços militares, eles os dizimaram ou mataram alguns para serem um exemplo e terror para os outros; então Deus chama de uma multidão culpada a quem ele quiser, para fazer com que sejam exemplos anteriores de julgamentos próximos. 3. Aqueles que primeiro se enquadram em julgamentos não são sempre os piores daqueles sobre os quais os julgamentos devem ocorrer; nem os primeiros julgamentos são os mais severos; - por que isso é claro nestes casos, e porque temos exemplos desta natureza entre nós, devemos considerar como perceber corretamente um julgamento a respeito deles. E estas três coisas podemos determinar com segurança: 1. Que os que sofreram também eram pecadores, embora não fossem tão somente, ou de maneira especial. Isto é
  • 9. 9 necessário para a reivindicação da justiça de Deus. 2. Que aquele que foi julgado foi um aviso para nós. Aqui, a sua soberania e misericórdia para conosco que escapamos é manifesta. 3. Que também temos uma mão nessa culpa, antecipando tais providências até onde haja alguma penalidade nelas. Porque tais julgamentos anteriores particulares são o efeito de provocações públicas. (Nota do tradutor: Uma evidência de um julgamento geral de Deus sobre todas as nações, nós tivemos com a Covid 19, e com os governos esquerdistas e globalistas que rejeitam a Cristo em várias partes do mundo, e que agora ameaça ocupar toda a América Latina. Os israelitas foram expulsos de sua terra em 70 d.C. pelos romanos e muitos foram mortos não somente por terem rejeitado a Jesus como o Messias prometido que foi enviado a eles, mas também por terem agravado o seu pecado com a escolha de um ladrão e malfeitor (Barrabás), em vez dEle. Isto foi um sinal do endurecimento que havia vindo sobre eles e que prenunciava a proximidade de um duro juízo divino sobre eles, tal como sucederá ao mundo presente, por sua iniquidade e rejeição de Jesus Cristo e do Evangelho.
  • 10. 10 Sempre que há uma mudança geral de dispensação segundo o decreto eterno de Deus, isto sempre é feito em relação a Jesus Cristo, sobretudo por se trazer juízos sobre aqueles que o rejeitaram: Isto foi feito com os judeus na Sua primeira vinda, quando por ser rejeitado por eles, houve uma mudança da Antiga Aliança para a Nova. E na Sua segunda vinda haverá antes uma grande tribulação sob o Anticristo para marcar o fim da dispensação da graça e o início do Milênio.)