SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
D638
Dod, John (1549-1645)
O Apagar das Graças do Espírito – John Dod
Traduzido e adaptado por Silvio Dutra
Rio de Janeiro, 2021.
24p, 14,8 x 21 cm
1. Teologia. 2. Vida cristã. I. Título
CDD 230
“Não apagueis o Espírito.” (I Tessalonicenses 5.19)
O apóstolo, com grande e pesada consideração,
entrega este preceito aos tessalonicenses, “não
extingais o Espírito”; pois embora todos sejam
digna e justamente condenados, que nunca
provaram do Espírito de Deus, uma condenação
mais temerosa é a que vem sobre aqueles que
tendo uma vez recebido alguns dons do Espírito,
depois perdem o mesmo novamente.
Agora, quanto a esta Igreja, quando o apóstolo diz:
Não extingais o espírito, parece que eles
receberam o Espírito. Pois assim como não se
pode dizer que o fogo seja apagado onde não está;
assim também não pode o Espírito naqueles que
não o possuem. Portanto, deixem-nos saber que
isto pertence propriamente àqueles que
receberam o Espírito de Deus, e eles
especialmente devem observar isto. Quanto a
outros, não pode aproveitá-los, visto que, como a
semente que fica por muito tempo na terra,
depois floresce e se torna fecunda; então isso
continua em suas mentes, até eles
experimentarem (em algum tipo bom) do Espírito
de Deus, e então gerou neles algum cuidado para
que não o apaguem.
Mas, para aprofundar este texto, duas questões
devem ser respondidas.
[1. Pergunta.] A primeira é, como podemos saber
se temos o Espírito Santo ou não?
2
[Resposta.] Pois, ao que devemos entender, que
assim como aquele que sabe melhor que tem a
vida porque a sente em si mesmo, assim é para o
Espírito de Deus, etc. No entanto, se quisermos
saber isso mais particularmente pelos seus
efeitos, consideremos os argumentos que se
seguem.
Em primeiro lugar, se não há nada no homem
senão aquilo que por natureza e trabalho pode ser
atingido, então certamente ele não tem nele o
Espírito de Deus; pois isso é sobre a natureza e
opera efeitos sobrenaturais; a respeito do qual o
Apóstolo opõe o Espírito de Deus ao espírito do
mundo, dizendo: Recebemos o espírito, não do
mundo, mas de Deus. 1 Coríntios 2. 14.
Em segundo lugar, considere se há em ti alguma
alteração e mudança; pois na regeneração, deve
haver uma corrupção do pecado, para que, como
semente na terra, assim o pecado em nossas
almas possa se deteriorar, para que o novo
homem possa ser ressuscitado pelo Espírito de
Deus tomando posse de nossas almas. Portanto, o
Evangelista João afirma que o primeiro trabalho
do Espírito, é o de convencer o mundo do pecado;
o qual é tão necessário, que sem ele Cristo Jesus
nunca pode entrar no coração; porque ele
promete habitar somente com os humildes de
espírito e contritos de coração, pela visão de suas
iniquidades e do desprazer de Deus justamente
por eles merecido; e chama somente os que estão
cansados e sobrecarregados de peso, gemendo e
suspirando por causa do fardo de seus pecados.
Assim, vemos que ser repreendido em nossas
3
consciências dessa maneira, é a primeira obra do
Espírito, que também é operada em graus.
1. Porque, primeiro há um grande e geral espanto
em razão de todos aqueles muitos e gigantescos
pecados que cometemos; e isto nos ataca, nos
aterroriza e nos mantém maravilhados.
2. Em seguida, nos trata mais particularmente; e
nos traz a uma tristeza especial pelos nossos
pecados; ele nos priva de nossos desejos mais
importantes; e nos tira da vaidade e gosto com as
melhores coisas que estão em nós; pois, então,
mostram-se diante da vaidade e escuridão de
nossa compreensão, como somos adequados e
incompreensíveis para compreender e conceber
essas coisas, que fazem parte de todas as outras
coisas mais importantes para nós.
3. Então nos deixará ver a corrupção de nosso
julgamento, como nas coisas que pertencem a
Deus, somos como bestas feras, incapazes de
discernir as coisas que diferem, nem de colocar
uma diferença sã entre o bem e o mal.
4. Então, ele mostra que nossa razão é irracional,
ou melhor, que é prejudicial para nós, um grande
inimigo da fé e um grande patrono da infidelidade
e da fé.
5. Então vem para nossas afeições, e as vira de
lado; transforma nossa alegria em luto, nosso
prazer em dor, e nosso maior deleite na mais
amarga tristeza. Se ela prosseguir e chegar uma
vez ao coração, e ao golpe e à ira que está em nós,
então o quebra e o derruba com humildade na
mão de Deus, ao passo que, quando tínhamos que
negociar com os homens, éramos tão fortes como
qualquer um e não começávamos bem. Tínhamos
4
razão para dizer por nós mesmos, e coragem para
nos defender contra todos os que lutaram contra
nós; mas agora o Espírito nos atrai para a presença
de Deus; permite-nos ver o que temos que fazer
com Deus e que nossa força é enfraquecida em
relação a Ele. Então, nossos corações começam a
fraquejar; então colocamos nossas mãos sobre
nossas bocas, e não ousamos responder. Veja aqui
como o Espírito age em convencer a consciência
dos homens de pecado; o que quem quer que
possa encontrar em si mesmo, pode dizer com
certeza que o Espírito de Deus está nele.
A terceira nota e efeito é a antecipação desta obra
para a justificação; pois, quando o Espírito nos
trouxe até aqui, então começa a abrir-se uma
porta para a graça e o favor de Deus. Coloca em
nossa mente que há misericórdia de Deus e,
portanto, nos desperta para buscarmos
misericórdia em suas mãos; depois, vamos ver
como Cristo sofreu para tirar os pecados do
mundo, para que na justiças de Cristo, possamos
ser justificados diante de Deus. E isto não nos
deixa ver apenas, mas efetivamente trabalha uma
persuasão segura disso em nossos corações, e
confirmo isto por dois notáveis efeitos:
O primeiro é o mais inefável e glorioso, com o que
nossos corações devem ser totalmente tomados,
quando nos vemos pela justiça de Cristo, da
misericórdia e graça de Deus, redimidos da
morte, libertados do inferno e libertos da terrível
condenação dos ímpios.
A segunda é a paz de consciência, que de fato
ultrapassa todo entendimento. Enquanto o
5
pecado e a culpa do pecado permaneceram, não
havia paz, nem descanso, nem quietude para ser
encontrado, senão medo por dentro, e terrores
por fora, e problemas em todos os lados; mas
quando o pecado é pregado na cruz de Cristo;
quando a culpa por isso é tirada de nossas
consciências, e o castigo por isso removido, então
deve haver grande paz, porque Deus é um
conosco; e para isso temos a garantia e
testemunho do Espírito; e contra essa certeza
sagrada e celestial. carne e sangue não podem
trabalhar.
E daí surge uma quarta nota, a saber, a vida e
agilidade que está em nós para fazer o bem;
porque quando um homem culpado diante de
busca o perdão de seus pecados, então o amor de
Deus o constrange, e aquela alegria que ele
concebe o fortalece e põe a vida nele para o
desempenho daquelas coisas que são agradáveis a
Deus. Então ele começa a encontrar a si mesmo,
não apenas recuperado do mal, mas também
moldado para o que é bom. Então seu
entendimento é iluminado para ver os mistérios
de Deus, então seu julgamento é reformado, de
modo que ele seja capaz de discernir entre a
verdade e a falsidade, entre o que é bom e o que é
mau. Então, suas afeições são em boa medida
alteradas; seu desejo está estabelecido, não nas
coisas terrenas, mas nas coisas celestiais; seus
benefícios não estão na terra, mas nos céus; sua
ira foi desperdiçada e consumida, não por causa
de sua própria causa e brigas, mas por seus
próprios pecados e contra o que quer que impeça
a glória de seu Deus. Esta é a vida de Deus nele;
6
assim aquele que recebeu o Espírito, e assim leva
sua vida continuamente; pois aqueles que
receberam o Espírito são guiados pelo Espírito e
vivem de acordo, trazendo os frutos do Espírito.
Mas isso tem fraqueza aliado a ele, e os homens
por causa da fraqueza podem então cair; portanto,
se não obstante isso, saberemos se ainda retemos
o Espírito, devemos provar a nós mesmos por
estas regras:
Primeiro, se por causa da fraqueza, caímos, (como
quem não o faz) e saberemos se por meio disso
perdemos o Espírito de Deus, ou não, vamos
examinar do que gostamos ou do que não
gostamos quanto ao pecado; pois se ainda
mantemos nosso antigo ódio por isso, e quanto
mais frequentemente caímos, mais ódio mortal e
completo teremos concebido contra ele, sem
dúvida que a fragilidade ainda não nos privou do
Espírito; pois essa santa detestação do pecado é
um fruto do Espírito.
Em segundo lugar, considere como isso se aplica
à sua tristeza; enquanto a tua tristeza pelo pecado
aumentar, não pode acontecer que o Espírito seja
apagado em ti.
Em terceiro lugar, tente o seu cuidado, e se você
encontrar a si mesmo mais cuidadoso tanto para
lutar contra o pecado quanto para evitá-lo,
auxiliando-o nas ocasiões dele, então saiba que,
não ele, mas a graça tem domínio em teu coração.
Mas o último é o mais certo, e é isso, quando tu
tens o cuidado de resgatar aquilo que por tua
queda tu perdeste, e tens o cuidado de correr
muito mais rápido para a frente, por quanto mais
que tenhas deixado com a tua queda; então parece
7
que o espírito está em ti, sim, e é leal e poderoso
em operação, e nunca será tirado de ti, até o dia
de Cristo.
Além disso, quando o apóstolo diz: não extingais o
Espírito, está implícito que o Espírito é, em alguns
aspectos, como o fogo; portanto, se
considerarmos apenas um pouco a natureza do
fogo, faremos um grande julgamento do Espírito.
Em primeiro lugar, consumirá coisas que são
combustíveis; e, portanto, acendendo palha,
restolho etc, ela reduz tudo a cinzas; assim o
Espírito em nossas almas se apagou, e por fim
reduziu a nada todas as luxúrias nocivas, seja o
que for.
Em segundo lugar, o fogo purifica as coisas; e
assim o Espírito nos purifica da escória de pecado
diariamente mais e mais, para que possamos ser
templos sagrados para ele habitar.
Em terceiro lugar, o fogo dá luz mesmo nos
lugares mais escuros; e assim é o Espírito uma
lamparina brilhante, sempre dando luz para nós
no meio das trevas deste mundo.
E, por último, o fogo dá calor e, por assim dizer, dá
vida às coisas que são capazes de vida; pois
enquanto um homem está congelado, fica
entorpecido e, por assim dizer, sem vida; sendo
levado ao fogo, ele se enrubesce e se alegra, e se
torna ativo e ágil; também assim o Espírito põe o
calor e inflama-nos com um zelo pela glória de
Deus, com um cuidado de nossos deveres, e com
um amor de todos os homens; sim, dá vida a nós
para andarmos no bom caminho que conduz à
vida.
8
Assim, vemos que particularidade existe entre o
Espírito e o fogo, razão pela qual às vezes é
chamado de fogo; como em Mat. 3. 11. Portanto,
tão verdadeira e certamente como podemos dizer,
há fogo onde vemos palha ou gravetos
consumidos, ouro ou prata purgados, grande luz
em lugares escuros, ou grande calor e linhas de
luz em corpos que foram banhados antes; assim
verdadeiramente podemos dizer, e então
certamente podemos persuadir a nós mesmos
que o Espírito de Deus está em nós, quando vemos
nossas corrupções consumidas, nossas almas
purgadas, nossos corações iluminados e
aquecidos no caminhar e trabalhar de acordo com
essa luz.
A segunda pergunta a ser considerada é; se
aquele homem que uma vez provou
verdadeiramente o Espírito, pode perdê-lo e tê-lo
apagado nele?
Resposta: A isso pode-se dizer que, porque o
Espírito de Deus vem e atua nos homens de
maneira diferente e em medidas diferentes.
[1] Primeiro, há um trabalho mais leve e menor do
Espírito, que pode ser extinto; como aparece nos
dois tipos de solo, Lucas 8, a saber, o solo
pedregoso e espinhoso, que duvidosamente
sentiu algum trabalho do Espírito; pois se diz que
eles recebem a palavra com fidelidade e
acreditam por um tempo, embora depois ou os
prazeres e lucros desta vida sufocassem as graças
de Deus, ou então o calor feroz da perseguição os
secasse, não sendo tais graças santificadoras que
são concedidas aos eleitos. Se alguém quiser ver a
9
verdade disso com mais clareza, deixe-o ler,
Hebreus 6, versos 1 a 5.
[2] Há um segundo tipo de trabalho do Espírito,
que é mais eficaz, que pode nunca ser perdido.
Este Pedro descreve, dizendo, que os escolhidos
de Deus são gerados novamente da semente
imortal da palavra; isto não é uma luz, mas uma
prova profunda da palavra, pela qual os homens
são regenerados e entregues a Deus. O apóstolo
João estabelece outra nota sobre isso, dizendo que
aqueles que são assim nascidos de novo, não
pecam, isto é, eles não podem fazer uma
ocupação de pecado; eles não podem cair de
repente por pecado; e por que? Até porque a
semente de Deus permanece neles, a saber,
aquela semente onde foram gerados novamente,
que permanecerá neles até o fim, de modo que
nunca mais por seduções secretas, nem por
violência aberta serão tirados das mãos de Deus.
Assim, então, vemos a pergunta respondida; nem
deve ser estranho, muito menos ofensivo contra
nós, que o Senhor tome alguns e deixe outros; ou
que ele deve trabalhar eficazmente em alguns,
para sua salvação eterna, e mais ligeiramente em
outros, para o aumento de sua condenação; pois
assim procedeu Deus desde o princípio, e com
muita justiça, porque ele pode agir com o que é
seu como ele quiser; Rom. 9. 20, 21.
Vamos ver antes o que podemos fazer com isso.
Primeiro, vamos tomar cuidado para não
extinguir qualquer graça de Deus.
Em segundo lugar, ainda trabalhe para ter uma
quantidade maior de dons, visto que pequenos
dons podem ser retirados.
10
Por último, vamos aprender a fazer uma diferença
entre hipócritas e cristãos sãos; porque um dura
apenas por um tempo, mas o outro dura
eternamente.
Mas se ainda precisamos de uma diferença mais
clara entre todas essas operações do Espírito,
vamos estabelecer estas regras:
Em primeiro lugar, vamos experimentar que
visão temos sobre a Palavra de Deus; com certeza
é que tanto o crente quanto o ímpio são
iluminados, mas distintamente; pois o
conhecimento dos piedosos é certo e distinto e,
portanto, em coisas particulares, eles são capazes
de aplicar as ameaças de Deus para sua
humilhação e Suas promessas para seu consolo;
ao passo que o conhecimento dos ímpios é
confundido e não os faz aplicar nada a si mesmos
para o bem.
[2] Ainda, o conhecimento dos homens piedosos é
suficiente para direcioná-los de maneira geral, e
em tarefas particulares; ao passo que o
conhecimento dos homens piedosos é apenas
geral.
Por último, o conhecimento de um continua com
eles até o fim; mas o conhecimento do outro os
deixa no final. Portanto, o conhecimento dos
piedosos é para a certeza e suficiência dele, em
comparação com o Sol; e o conhecimento dos
ímpios com o relâmpago, que é apenas para um
clarão repentino, e quando ele desaparece, os
homens têm uma visão mais turva do que antes.
Assim, vemos uma diferença em seus
julgamentos.
11
Em segundo lugar, vamos às suas afeições.
Certamente que os ímpios desejam a ajuda e o
favor de Deus, mas a diferença está na causa; eles
buscam ajuda apenas por causa de algum
extremo em que se encontram; e suplicam pelo
favor de Deus, porque eles desejam ser libertos de
dores; e, portanto, é usual para eles dizer: Oh, que
eu estivesse fora dessa dor! Oh, que esta minha
tristeza fosse tirada de mim! Pelos discursos que
eles mostram, para que eles possam descansar e
ficarem à vontade, eles pouco pesam sobre a
ajuda e o favor de Deus; mas o Deus piedoso
encontra tal doçura em seu amor, que eles
consideram isso melhor do que a própria vida; na
medida em que para a sua obtenção, eles podem
se contentar em abrir mão de todos os prazeres
desta vida, sim e para sofrer o que quer que seja
do agrado do Senhor infligir-lhes.
Além disso, não somente o piedoso, mas o
perverso também se entristecem quando pecam;
mas os ímpios, portanto, se entristecem, porque o
seu pecado tem ou trará algum castigo sobre eles;
e a tristeza segundo Deus principalmente porque
eles têm ofendido a Deus e deu-lhe a
oportunidade de retirar Seu favor deles.
A terceira diferença está em seu nome; embora
ambos amem a Deus, mas é de maneira diferente;
o do primeiro é por sinceridade, o do outro
apenas para vantagens. Uma pobre cria que é
levada, alimentada e vestida, ama aquele que
assim a alimenta e veste; mas se ele não recebeu
mais daquele homem do que de outro, ele não
gostaria dele ou o desejaria mais do que outro; e é
mesmo assim com os ímpios: se sua barrigas
12
estão cheias, suas bolsas entupidas, e eles têm o
desejo de seus corações, eles amam a Deus, mas
apenas por sua barriga e suas bolsas. Assim Saul
amava a Deus por seu reino; Aitofel por sua
promoção; Judas por seu lugar de apostolado; mas
o que aconteceu com seu amor? Saul um pouco
aflito, abandonou a Deus; Aitofel, desapontado
com suas esperanças, enforcou-se; e Judas, por
ganho traiu a Cristo.
Algumas experiências disto podem ser vistas
entre nós; os cortesãos serão professantes, e os
estudiosos de inteligência madura serão
religiosos, se os cortesãos puderem tornam-se
Conselheiros, e os Estudiosos podem ser
preferidos para os lugares mais importantes; mas
se a promoção não vier, então sua profissão será
abandonada e sua religião deixada de lado.
Os filhos de Deus amam dessa maneira? Não, o
Espírito Santo que eles receberam de maneira
eficaz, derrama a semente de Deus em seus
corações, e a faz trabalhar neles um gosto especial
pela sua bondade e pela sua santidade, para que
não desejem somente suas bênçãos, mas
principalmente para si mesmo; como a cria
natural ama seu pai naturalmente. Eles têm
alimentado e infundido neles uma natureza
piedosa, de modo que eles amam
voluntariamente a Deus seu Pai; e embora ele os
aflija, ou os oprima em seus desejos, ainda assim
eles o amam, e em amor executam sua obediência
a ele continuamente. Portanto, Jó disse; embora
ele me mate, vou confiar nele. E esta é a terceira
marca ou regra por meio da qual devemos
experimentar e provar nossos valores.
13
[3] A última regra é considerar o efeito das
misericórdias de Deus recebidas. Pois aqui os
ímpios mostram suas maldades de duas maneiras.
Em primeiro lugar, à direita, as misericórdias de
Deus operam neles um contentamento
maravilhoso, mas não tal que os faça retornar a
glória a Deus, mas antes atribuí-la a si mesmos;
porque as graças de Deus os inflam, e torna-os
presunçosos em si mesmos. Disto lá está uma
grande segurança, que traz primeiro abandono e
depois desprezo de todos os bons meios. Do lado
esquerdo, outros ofendem, não ficando nem
satisfeitos nem contentes com o que têm; na
verdade, esquecendo, ou desprezando
levianamente o que têm, e ainda desejando algo
novo. Esses homens, além de serem ingratos, eles
também murmuram contra Deus, e não estão
nem um pouco satisfeitos com ele. Entre esses
dois, os filhos de Deus seguem um curso
intermediário e médio e, portanto, veremos essas
coisas neles. Primeiro, uma visão e
reconhecimento de suas necessidades, que os
leva ao leite sincero da palavra, para que assim
suas necessidades sejam supridas e suas graças
aumentadas; e tão longe eles estão de serem
elevados com orgulho, que eles se alegram
quando seu orgulho pode ser abatido, seja por
repreensões, ou ameaças, ou correções do
Senhor. Pois eles sabem que, se Paulo precisava
de meios para humilhá-lo (2 Cor. 12), muito mais
eles.
Além disso, como eles desejam a Palavra, assim
eles esperam até que agrade ao Senhor trabalhar
mais neles; e esta espera é tão séria quanto a
14
deles, que tendo vigiado a noite toda, esperam e
aguardam o amanhecer do dia.
Em segundo lugar, como eles veem seus desejos,
eles também também veem as graças que eles
receberam, e estão por aquele tempo bem
ansiosos e contentes com elas; e, portanto, como
suas necessidades os humilham, as graças de
Deus os confortam; e como suas necessidades os
chamam a buscar mais, assim os Seus dons, eles
os levaram para ficarem gratos pelo que
receberam. E isso quanto à última regra de
julgamento. Essas propriedades nomeadas, quem
quer que possa encontrar em si mesmo, pode ter
a certeza de que o Espírito operou nele de forma
tão eficaz, que nunca mais lhe será tirado.
Mas e então? Podem rejeitar todos os cuidados?
Não, o apóstolo diz aos tais, não extingais o
Espírito. E não sem motivo; pois embora o próprio
Espírito nunca possa ser completamente tirado
deles, ainda assim, duvido que o orgulho, a
segurança ou qualquer outro pecado comece a
ocorrer neles, as graças do Espírito podem decair
e a compreensão e os sentimentos de conforto
podem ter desaparecido, de modo que em seus
próprios julgamentos e nos de outros, o Espírito
pode parecer completamente extinto.
Tampouco deve parecer estranho; pois se a
imagem de Deus, que estava mais perfeitamente
colocada em Adão, pudesse ser totalmente
perdida, então nada de errado se as graças do
Espírito se afogassem em nós por um tempo. Os
gálatas foram verdadeiramente regenerados, e
receberam Cristo em seus corações; ainda assim,
suas graças foram tão sufocadas e apagadas, que
15
fez o apóstolo como que trabalhar novamente, até
que Cristo fosse formado de novo neles. Davi
também com o cometimento de seu pecado foi
trazido a esse caso, que ele orou a Deus para criar
nele um novo espírito. O Espírito foi embora? Não,
pois logo depois ele orou para que Deus não
tirasse o Seu Espírito Santo dele; mas as graças
dele foram maravilhosamente decadentes e,
portanto, ele desejou que elas pudessem ser
renovadas.
Mas para que ninguém abuse desta doutrina,
consideremos quais punições se seguem à
extinção do Espírito neste tipo.
[1] Em primeiro lugar, devemos saber que embora
o Espírito não seja obtido por nosso trabalho, ele é
necessário para obtê-lo, e deve custar muitas
dores antes de podermos colocá-lo em nossos
corações; tudo o que parece estar perdido quando
as graças do Espírito secam.
[2] Em segundo lugar, toda aquela paz e alegria,
antes falada, se foi, com quão grande tristeza e
desgraça eles sabem que em qualquer medida a
provaram.
[3] Em terceiro lugar, para que o tempo que eles
têm nenhum coração para fazer o bem, mas são
feitos imprestáveis.
[4] Além disso, os tais estão em perigo de cair em
males repletos e, assim, obter a mão cortante e
corretiva de Deus contra si mesmos, que disse
que, embora ele não receba suas misericórdias
de seus filhos, ainda assim ele visitará seus
pecados com a vara, e suas iniquidades com
flagelos; como ele tratou com Davi.
16
[5] Por último, quando as graças do Espírito de
Deus são uma vez decaídas, elas não podem ser
reparadas, senão com muita tristeza; pois que
será doloroso chamar à memória nossas
transgressões anteriores; agravá-las em todas as
circunstâncias, aplicar as terríveis ameaças da lei
aos nossos desvios? A consideração de todos os
inconvenientes deve fazer com que sejamos
cautelosos em como apagamos o Espírito.
No entanto, aqui está uma questão de conforto
também; pois embora possamos sofrer uma
grande degradação das graças de Deus, ainda
assim, pela vara ou pela Palavra, ou por ambos,
eles serão renovados em nós novamente.
De murmurar na hora da aflição.
Muitos homens que ouvem as murmurações
frequentes dos israelitas, julgam-nos o pior povo
do mundo; mas esses não consideram muito, ou
as tentações pelas quais foram provocados a
murmurar, ou a corrupção de seus próprios
corações, que serão dados a murmurar
amargamente sob a menor ocasião. Pois embora
fossem um povo obstinado e de pescoço duro,
ainda assim foram veementemente tentados, que
vieram da fartura no Egito, para as cicatrizes no
deserto, não tendo comido nem bebido por toda
aquela multidão, sendo de seiscentos mil
homens, além de mulheres e crianças. Portanto,
deixemos de nos maravilhar com este povo e
neles ver nossa própria corrupção. Pois não há
muitos pontos entre nós, contemplando a
abundância que o Senhor concedeu aos
magistrados ou ministros para o cumprimento de
seus deveres.
17
É verdade que, não obstante a grandeza da
tentação deste povo, seu pecado era muito
penoso; pois as misericórdias de Deus foram
maravilhosas para com eles mesmo
imediatamente antes, e que o mais grato deles
havia sido levado à confissão; ainda assim, eles
desejavam retornar à sua antiga escravidão, ao
invés de serem levados a tais dificuldades; mas
apesar da gravidade deste seu pecado, muitos
agora vêm atrás deles; porque seus olhos estão tão
colocados em suas necessidades, que a falta de
uma coisa que eles desejam, embora se for
pequena, os inquietará mais, então múltiplas
bênçãos os confortarão, para torná-los
agradecidos.
Mas contra esse descontentamento devemos nos
armar; o que seremos, se pudermos receber o
favor de Deus por si mesmo, embora venha
sozinho, ainda que venha daí o problema; por
obtê-lo, temos todas as coisas e, na sua falta, nada
temos. Mais uma vez, se tivermos, nenhuma
miséria pode nos tornar miseráveis; e se não
tivermos, na maior prosperidade somos os mais
miseráveis.
Mas os israelitas aqui agiram de maneira
purificada; pois a falta de pão no deserto, sendo
apenas para seus corpos, fez com que eles
desprezassem sua grande e maravilhosa
libertação do Egito, que era para eles um signo de
sua libertação espiritual. E esta é a natureza de
todos os mundanos: preferem renunciar a muitos
benefícios espirituais, do que a uma comunhão
corporal; eles perdem mais e se divertem mais
com a riqueza do que com a piedade.
18
Mas, voltando ao ponto em questão, se a
murmuração é um pecado tão grande, será
proveitoso considerar alguns remédios contra ela.
Remédios contra murmúrio.
Ora, por mais que a impaciência proceda da
infidelidade, o remédio para ela deve ser obtido
da fé nas misericórdias de Deus, nos méritos de
Cristo, na esperança da ressurreição e na soberba
paternal de Deus.
[1] Em primeiro lugar (eu digo) a rica misericórdia
de Deus no trato conosco, sendo devidamente
considerada, não pode deixar de trabalhar com
paciência contra nós; visto que o Senhor nos
tolera, e que quando pelos amadurecimentos de
nossos pecados ele possa confundir-nos, ele
prefere amontoar bênçãos contra nós, isto não
pode deixar de refrear-nos de murmurar, embora
todas as coisas não caiam de acordo com o desejo
de nosso coração. Especialmente vendo que o
Senhor negociará conosco ainda como fez com os
israelitas, que quando os meios ordinários
falharam, teve uma proteção extraordinária feita
por eles; as nuvens dando-lhes pão, e a rocha
água, para nos ensinar que o homem não vive
apenas de pão (como Moisés o aplica,
Deuteronômio 8), mas da Palavra de Deus.
[2] Um segundo remédio é ter uma fé genuína na
obra de nossa redenção, a saber, a remissão de
nossos pecados, a imputação de Cristo por sua
justiça e santificação inerente.
Em primeiro lugar, se pudermos acreditar
firmemente que Deus, por amor de Cristo,
perdoou gratuitamente todos os nossos pecados e
deu seu filho, para que nele possamos ser
19
abençoados, não podemos deixar de estar certos
de que com ele ele nos dará juntamente todas as
coisas. Por ver o pecado, que é a causa de toda
miséria, ser tirado de nós, podemos ter certeza de
que nenhuma cruzada jamais nos ferirá.
Ainda, se pudéssemos acreditar que como Deus
coloca nossos pecados em Cristo, para que ele
impute seus direitos a nós, como devemos
duvidar de comida ou ração, etc? Pois por este
meio ele é feito nosso Pai adorável, que está por
poder, capacidade e por vontade, pronto para
ajudar em todas as nossas necessidades. E assim
ele permanece eternamente e nunca muda.
[3] A estes dois primeiros, deve ser adicionada a
segunda parte de nossa redenção, a saber, a
santificação do espírito, que se sentirmos por nós
mesmos, pode ser um grande auxílio contra a
impaciência; pois é uma coisa maior santificar um
pecador, do que fazer maravilhas na natureza.
Portanto, se pudermos acreditar em nossos
corações que Deus é capaz de fazer dos homens
pecadores e ímpios, santos e justos, dos
prostitutos, pessoas castas, etc, e que ele é capaz e
deseja livrar-nos de todas as nossas corrupções,
sejam elas nunca tão fortes por natureza ou
custódia; se, digo eu, podemos dar crédito a isso,
por que deveríamos duvidar que ele falhe nas
coisas exteriores?
[4] Além disso, se pudermos acreditar que Deus
preparou um reino para nós, e que ele nos
levantará no último dia em corpo e alma para nos
regozijarmos nEle; como podemos, senão estar
certos de que ele dará conta de todos assuntos
menores, de todas as coisas desta vida?
20
[5] Outra coisa para deter nossos corações quando
a murmuração nos assalta, é a fé na onipotência
de Deus.
A onipotência geral de Deus deve ser
considerada, primeiro na criação de todas as
coisas; depois, na preservação delas.
Acredite, então, que o Senhor fez todas as coisas
do nada, e devemos duvidar de sua habilidade
para nos guardar? Quando Deus criou a luz antes
do Sol, da Lua ou das Estrelas; e fez a grama
crescer sobre a terra, antes que houvesse chuva
ou orvalho para regá-la, ele assim nos ensinou;
primeiro, que não devemos colocar muita
confiança neles enquanto os possuímos; e ainda,
que antes que antes que devêssemos sofrer pela
falta de luz, grama ou outras coisas semelhantes,
o Senhor poderia e cuidaria de nós sem eles. No
entanto, agora, se não tivéssemos o Sol,
pensaríamos que a luz foi tirada de nós; e se no
faltasse chuvas, então pensaríamos que não
deveríamos ter grama, nem trigo; mas o Senhor
ordenou estes meios para servir à sua
onipotência, não para Si mesmo, pois não
depende deles, mas para nós que somos fracos,
que de outra forma não poderíamos ser
facilmente assegurados de sua bondade.
Em segundo lugar, devemos acreditar que Deus
preserva tudo; para que o pardal não caia no chão
sem Sua vontade, e ele tem um grande cuidado
com os animais e aves; o Senhor cuida deles, e
não cuidará do homem, para quem foram feitos e
são preservados? Por isso devemos reconhecer a
onipotência particular de Deus; Ele fez os nossos
corpos e não nos vestirá? Ele deu a vida e não
21
ministrará a comida para o seu sustento? Ele
poderia cuidar dos israelitas no deserto árido por
quarenta anos seguidos; sim, ele poderia
preservar Moisés e Elias por quarenta dias sem
qualquer refeição; o que prova que a bênção de
Deus é tudo em todos, quer haja ou não meios.
Davi observou pela experiência que a semente
justa dos justos nunca foi abandonada nem
implorou pelo pão; e se pudéssemos ser justos
como muitos o foram, deveríamos encontrar a
mesma verdade em nossa própria experiência
como ele o fez.
Essas coisas bem consideradas, nos levarão:
Primeiro a se contentar com o que quer que seja o
que Senhor envia, sempre reconhecendo a
piedade como sendo grande riqueza; pois não
devemos procurar grandes questões, nem
permitir que nossos desejos sejam levados a
coisas altas; por isso o Profeta Jeremias
repreendeu Baruque. E Cristo a ensinar que
devemos orar apenas pelo pão de cada dia; que
também era a oração de Jacó, que ele pudesse ter
comida e roupas, com as quais o apóstolo nos
ordenar a nos contentarmos. Vamos primeiro
buscar o reino dos céus, etc, e então, se o Senhor
nos der em abundância, sejamos mais gratos e
dignos; se não, seu favor é suficiente por si
mesmo, e será mais confortável com um pouco,
do que outros que estão em grande abundância
sem isso. Mas se não podemos descansar no amor
de Deus, quando temos falta dessas coisas
exteriores, é certo que não o estimamos
verdadeiramente, nem temos naquele momento
22
qualquer garantia confortável da remissão de
nossos pecados.
[2] A segunda propriedade de uma mente
paciente é simplicidade para nos elevar a Deus, e
nos encomendarmos na Sua mão, esperando em
todos os momentos pela Sua ajuda, que só é ele o
autor de toda bondade, e ainda não prescrevendo
os meios, nem designando o tempo; porque o
Senhor terá a disposição de suas misericórdias
livre para Si mesmo, para dar onde e quando lhe
agrade, e como for mais para sua glória; e,
portanto, devemos nos resignar totalmente a ele.
O que, se pudermos fazer, com muita
misericórdia Deus nos concede que quando
menos desejarmos as coisas exteriores, então as
teremos; e se nós as dermos livremente a ele, ele
as dará a nós novamente.
Abraão deu ao Senhor Isaque, seu filho, o qual
quando o Senhor o viu, rapidamente lhe deu seu
filho outra vez; e assim ele negociará conosco
também. A maneira mais rápida de reter vidas,
bens etc, é entregá-los inteiramente nas mãos de
Deus; não com esta condição, que ele deve dá-los
a nós novamente, (pois isso seria para zombar do
Senhor), mas sem todo o cuidado de recebê-los,
devemos entregá-los a ele, ficando cordialmente
contentes pela sua glória de esquecê-los, e então
se eles forem bons para nós, nós os receberemos
novamente; se não, receberemos alguma graça
espiritual, que suprirá melhor a falta deles. Sim, a
infinita sabedoria e misericórdia de Deus apela-se
maravilhosamente aqui, que às vezes ele nos
guarda por muito tempo sem essas coisas, porque
23
se as tivéssemos, ele vê que abusaríamos delas e
as preferiríamos antes das bênçãos espirituais.
24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

20. a condição da igreja ii
20. a condição da igreja ii20. a condição da igreja ii
20. a condição da igreja ii
pohlos
 
A livre graça charles haddon spurgeon
A livre graça   charles haddon spurgeonA livre graça   charles haddon spurgeon
A livre graça charles haddon spurgeon
Deusdete Soares
 
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo   charles haddon spurgeonA obra do espírito santo   charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
Deusdete Soares
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
pohlos
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
pohlos
 

Mais procurados (20)

Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
20. a condição da igreja ii
20. a condição da igreja ii20. a condição da igreja ii
20. a condição da igreja ii
 
A livre graça charles haddon spurgeon
A livre graça   charles haddon spurgeonA livre graça   charles haddon spurgeon
A livre graça charles haddon spurgeon
 
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
A cura das almas abatidas 2  -  Christopher LoveA cura das almas abatidas 2  -  Christopher Love
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
 
Deus requer santificação aos cristãos 20
Deus requer santificação aos cristãos 20Deus requer santificação aos cristãos 20
Deus requer santificação aos cristãos 20
 
Deus requer santificação aos cristãos 17
Deus requer santificação aos cristãos 17Deus requer santificação aos cristãos 17
Deus requer santificação aos cristãos 17
 
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo   charles haddon spurgeonA obra do espírito santo   charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
 
Deus requer santificação aos cristãos 42
Deus requer santificação aos cristãos 42Deus requer santificação aos cristãos 42
Deus requer santificação aos cristãos 42
 
Deus requer santificação aos cristãos 16
Deus requer santificação aos cristãos 16Deus requer santificação aos cristãos 16
Deus requer santificação aos cristãos 16
 
Deus requer santificação aos cristãos 39
Deus requer santificação aos cristãos 39Deus requer santificação aos cristãos 39
Deus requer santificação aos cristãos 39
 
Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43
 
O aperfeiçoamento da fé_242014_GGR
O aperfeiçoamento da fé_242014_GGRO aperfeiçoamento da fé_242014_GGR
O aperfeiçoamento da fé_242014_GGR
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
 
Um chamado para um viver santo, por c. h. spurgeon
Um chamado para um viver santo, por c. h. spurgeonUm chamado para um viver santo, por c. h. spurgeon
Um chamado para um viver santo, por c. h. spurgeon
 
Deus requer santificação aos cristãos 19
Deus requer santificação aos cristãos 19Deus requer santificação aos cristãos 19
Deus requer santificação aos cristãos 19
 
Como orar com Importunação 3 - Christopher Love
Como orar com Importunação 3 - Christopher LoveComo orar com Importunação 3 - Christopher Love
Como orar com Importunação 3 - Christopher Love
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
 
O Caminho de Santidade de Deus Horatius Bonar
O Caminho de Santidade de Deus   Horatius BonarO Caminho de Santidade de Deus   Horatius Bonar
O Caminho de Santidade de Deus Horatius Bonar
 
Livro ebook-perguntas-e-respostas-desde-a-cruz
Livro ebook-perguntas-e-respostas-desde-a-cruzLivro ebook-perguntas-e-respostas-desde-a-cruz
Livro ebook-perguntas-e-respostas-desde-a-cruz
 

Semelhante a O apagar das graças do Espírito - John Dod

O homem e as bem aventuranças
O homem e as bem aventurançasO homem e as bem aventuranças
O homem e as bem aventuranças
Helio Cruz
 
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex SalustinoSe há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
AlexSalustino
 

Semelhante a O apagar das graças do Espírito - John Dod (20)

Avaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaAvaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus Avalia
 
Avaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avaliaAvaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avalia
 
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
 
Só se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livroSó se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livro
 
Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino
Breve forma de uma confissão de fé - João CalvinoBreve forma de uma confissão de fé - João Calvino
Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino
 
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John OwenTratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
 
40 reavivamento verdadeiro completo
40   reavivamento verdadeiro completo40   reavivamento verdadeiro completo
40 reavivamento verdadeiro completo
 
Breve instrução cristã
Breve instrução cristãBreve instrução cristã
Breve instrução cristã
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
 
A cura das almas abatidas 4 christopher love
A cura das almas abatidas 4   christopher loveA cura das almas abatidas 4   christopher love
A cura das almas abatidas 4 christopher love
 
O homem e as bem aventuranças
O homem e as bem aventurançasO homem e as bem aventuranças
O homem e as bem aventuranças
 
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex SalustinoSe há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
Se há graça não se pode permanecer no pecado - Alex Salustino
 
Ebd lições séries 04 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 04 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 04 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 04 - 2ºtrimestre 2016
 
Deus requer santificação aos cristãos 14
Deus requer santificação aos cristãos 14Deus requer santificação aos cristãos 14
Deus requer santificação aos cristãos 14
 
Deus, a Causa Primeira - Negando a Autodependência. - Thomas Manton
Deus, a Causa Primeira - Negando a Autodependência. - Thomas MantonDeus, a Causa Primeira - Negando a Autodependência. - Thomas Manton
Deus, a Causa Primeira - Negando a Autodependência. - Thomas Manton
 
A Pratica Crista - Henry Smith
A Pratica Crista  - Henry SmithA Pratica Crista  - Henry Smith
A Pratica Crista - Henry Smith
 
As batalhas espirituais finais - parte 3
As batalhas espirituais finais  - parte 3As batalhas espirituais finais  - parte 3
As batalhas espirituais finais - parte 3
 
As batalhas espirituais finais - parte 8
As batalhas espirituais finais  - parte 8As batalhas espirituais finais  - parte 8
As batalhas espirituais finais - parte 8
 

Mais de Silvio Dutra

Mais de Silvio Dutra (20)

Poder
PoderPoder
Poder
 
A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma Aliança
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
 
O Começo e o Fim
O Começo e o FimO Começo e o Fim
O Começo e o Fim
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66
 

Último (7)

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 

O apagar das graças do Espírito - John Dod

  • 1. D638 Dod, John (1549-1645) O Apagar das Graças do Espírito – John Dod Traduzido e adaptado por Silvio Dutra Rio de Janeiro, 2021. 24p, 14,8 x 21 cm 1. Teologia. 2. Vida cristã. I. Título CDD 230
  • 2. “Não apagueis o Espírito.” (I Tessalonicenses 5.19) O apóstolo, com grande e pesada consideração, entrega este preceito aos tessalonicenses, “não extingais o Espírito”; pois embora todos sejam digna e justamente condenados, que nunca provaram do Espírito de Deus, uma condenação mais temerosa é a que vem sobre aqueles que tendo uma vez recebido alguns dons do Espírito, depois perdem o mesmo novamente. Agora, quanto a esta Igreja, quando o apóstolo diz: Não extingais o espírito, parece que eles receberam o Espírito. Pois assim como não se pode dizer que o fogo seja apagado onde não está; assim também não pode o Espírito naqueles que não o possuem. Portanto, deixem-nos saber que isto pertence propriamente àqueles que receberam o Espírito de Deus, e eles especialmente devem observar isto. Quanto a outros, não pode aproveitá-los, visto que, como a semente que fica por muito tempo na terra, depois floresce e se torna fecunda; então isso continua em suas mentes, até eles experimentarem (em algum tipo bom) do Espírito de Deus, e então gerou neles algum cuidado para que não o apaguem. Mas, para aprofundar este texto, duas questões devem ser respondidas. [1. Pergunta.] A primeira é, como podemos saber se temos o Espírito Santo ou não? 2
  • 3. [Resposta.] Pois, ao que devemos entender, que assim como aquele que sabe melhor que tem a vida porque a sente em si mesmo, assim é para o Espírito de Deus, etc. No entanto, se quisermos saber isso mais particularmente pelos seus efeitos, consideremos os argumentos que se seguem. Em primeiro lugar, se não há nada no homem senão aquilo que por natureza e trabalho pode ser atingido, então certamente ele não tem nele o Espírito de Deus; pois isso é sobre a natureza e opera efeitos sobrenaturais; a respeito do qual o Apóstolo opõe o Espírito de Deus ao espírito do mundo, dizendo: Recebemos o espírito, não do mundo, mas de Deus. 1 Coríntios 2. 14. Em segundo lugar, considere se há em ti alguma alteração e mudança; pois na regeneração, deve haver uma corrupção do pecado, para que, como semente na terra, assim o pecado em nossas almas possa se deteriorar, para que o novo homem possa ser ressuscitado pelo Espírito de Deus tomando posse de nossas almas. Portanto, o Evangelista João afirma que o primeiro trabalho do Espírito, é o de convencer o mundo do pecado; o qual é tão necessário, que sem ele Cristo Jesus nunca pode entrar no coração; porque ele promete habitar somente com os humildes de espírito e contritos de coração, pela visão de suas iniquidades e do desprazer de Deus justamente por eles merecido; e chama somente os que estão cansados e sobrecarregados de peso, gemendo e suspirando por causa do fardo de seus pecados. Assim, vemos que ser repreendido em nossas 3
  • 4. consciências dessa maneira, é a primeira obra do Espírito, que também é operada em graus. 1. Porque, primeiro há um grande e geral espanto em razão de todos aqueles muitos e gigantescos pecados que cometemos; e isto nos ataca, nos aterroriza e nos mantém maravilhados. 2. Em seguida, nos trata mais particularmente; e nos traz a uma tristeza especial pelos nossos pecados; ele nos priva de nossos desejos mais importantes; e nos tira da vaidade e gosto com as melhores coisas que estão em nós; pois, então, mostram-se diante da vaidade e escuridão de nossa compreensão, como somos adequados e incompreensíveis para compreender e conceber essas coisas, que fazem parte de todas as outras coisas mais importantes para nós. 3. Então nos deixará ver a corrupção de nosso julgamento, como nas coisas que pertencem a Deus, somos como bestas feras, incapazes de discernir as coisas que diferem, nem de colocar uma diferença sã entre o bem e o mal. 4. Então, ele mostra que nossa razão é irracional, ou melhor, que é prejudicial para nós, um grande inimigo da fé e um grande patrono da infidelidade e da fé. 5. Então vem para nossas afeições, e as vira de lado; transforma nossa alegria em luto, nosso prazer em dor, e nosso maior deleite na mais amarga tristeza. Se ela prosseguir e chegar uma vez ao coração, e ao golpe e à ira que está em nós, então o quebra e o derruba com humildade na mão de Deus, ao passo que, quando tínhamos que negociar com os homens, éramos tão fortes como qualquer um e não começávamos bem. Tínhamos 4
  • 5. razão para dizer por nós mesmos, e coragem para nos defender contra todos os que lutaram contra nós; mas agora o Espírito nos atrai para a presença de Deus; permite-nos ver o que temos que fazer com Deus e que nossa força é enfraquecida em relação a Ele. Então, nossos corações começam a fraquejar; então colocamos nossas mãos sobre nossas bocas, e não ousamos responder. Veja aqui como o Espírito age em convencer a consciência dos homens de pecado; o que quem quer que possa encontrar em si mesmo, pode dizer com certeza que o Espírito de Deus está nele. A terceira nota e efeito é a antecipação desta obra para a justificação; pois, quando o Espírito nos trouxe até aqui, então começa a abrir-se uma porta para a graça e o favor de Deus. Coloca em nossa mente que há misericórdia de Deus e, portanto, nos desperta para buscarmos misericórdia em suas mãos; depois, vamos ver como Cristo sofreu para tirar os pecados do mundo, para que na justiças de Cristo, possamos ser justificados diante de Deus. E isto não nos deixa ver apenas, mas efetivamente trabalha uma persuasão segura disso em nossos corações, e confirmo isto por dois notáveis efeitos: O primeiro é o mais inefável e glorioso, com o que nossos corações devem ser totalmente tomados, quando nos vemos pela justiça de Cristo, da misericórdia e graça de Deus, redimidos da morte, libertados do inferno e libertos da terrível condenação dos ímpios. A segunda é a paz de consciência, que de fato ultrapassa todo entendimento. Enquanto o 5
  • 6. pecado e a culpa do pecado permaneceram, não havia paz, nem descanso, nem quietude para ser encontrado, senão medo por dentro, e terrores por fora, e problemas em todos os lados; mas quando o pecado é pregado na cruz de Cristo; quando a culpa por isso é tirada de nossas consciências, e o castigo por isso removido, então deve haver grande paz, porque Deus é um conosco; e para isso temos a garantia e testemunho do Espírito; e contra essa certeza sagrada e celestial. carne e sangue não podem trabalhar. E daí surge uma quarta nota, a saber, a vida e agilidade que está em nós para fazer o bem; porque quando um homem culpado diante de busca o perdão de seus pecados, então o amor de Deus o constrange, e aquela alegria que ele concebe o fortalece e põe a vida nele para o desempenho daquelas coisas que são agradáveis a Deus. Então ele começa a encontrar a si mesmo, não apenas recuperado do mal, mas também moldado para o que é bom. Então seu entendimento é iluminado para ver os mistérios de Deus, então seu julgamento é reformado, de modo que ele seja capaz de discernir entre a verdade e a falsidade, entre o que é bom e o que é mau. Então, suas afeições são em boa medida alteradas; seu desejo está estabelecido, não nas coisas terrenas, mas nas coisas celestiais; seus benefícios não estão na terra, mas nos céus; sua ira foi desperdiçada e consumida, não por causa de sua própria causa e brigas, mas por seus próprios pecados e contra o que quer que impeça a glória de seu Deus. Esta é a vida de Deus nele; 6
  • 7. assim aquele que recebeu o Espírito, e assim leva sua vida continuamente; pois aqueles que receberam o Espírito são guiados pelo Espírito e vivem de acordo, trazendo os frutos do Espírito. Mas isso tem fraqueza aliado a ele, e os homens por causa da fraqueza podem então cair; portanto, se não obstante isso, saberemos se ainda retemos o Espírito, devemos provar a nós mesmos por estas regras: Primeiro, se por causa da fraqueza, caímos, (como quem não o faz) e saberemos se por meio disso perdemos o Espírito de Deus, ou não, vamos examinar do que gostamos ou do que não gostamos quanto ao pecado; pois se ainda mantemos nosso antigo ódio por isso, e quanto mais frequentemente caímos, mais ódio mortal e completo teremos concebido contra ele, sem dúvida que a fragilidade ainda não nos privou do Espírito; pois essa santa detestação do pecado é um fruto do Espírito. Em segundo lugar, considere como isso se aplica à sua tristeza; enquanto a tua tristeza pelo pecado aumentar, não pode acontecer que o Espírito seja apagado em ti. Em terceiro lugar, tente o seu cuidado, e se você encontrar a si mesmo mais cuidadoso tanto para lutar contra o pecado quanto para evitá-lo, auxiliando-o nas ocasiões dele, então saiba que, não ele, mas a graça tem domínio em teu coração. Mas o último é o mais certo, e é isso, quando tu tens o cuidado de resgatar aquilo que por tua queda tu perdeste, e tens o cuidado de correr muito mais rápido para a frente, por quanto mais que tenhas deixado com a tua queda; então parece 7
  • 8. que o espírito está em ti, sim, e é leal e poderoso em operação, e nunca será tirado de ti, até o dia de Cristo. Além disso, quando o apóstolo diz: não extingais o Espírito, está implícito que o Espírito é, em alguns aspectos, como o fogo; portanto, se considerarmos apenas um pouco a natureza do fogo, faremos um grande julgamento do Espírito. Em primeiro lugar, consumirá coisas que são combustíveis; e, portanto, acendendo palha, restolho etc, ela reduz tudo a cinzas; assim o Espírito em nossas almas se apagou, e por fim reduziu a nada todas as luxúrias nocivas, seja o que for. Em segundo lugar, o fogo purifica as coisas; e assim o Espírito nos purifica da escória de pecado diariamente mais e mais, para que possamos ser templos sagrados para ele habitar. Em terceiro lugar, o fogo dá luz mesmo nos lugares mais escuros; e assim é o Espírito uma lamparina brilhante, sempre dando luz para nós no meio das trevas deste mundo. E, por último, o fogo dá calor e, por assim dizer, dá vida às coisas que são capazes de vida; pois enquanto um homem está congelado, fica entorpecido e, por assim dizer, sem vida; sendo levado ao fogo, ele se enrubesce e se alegra, e se torna ativo e ágil; também assim o Espírito põe o calor e inflama-nos com um zelo pela glória de Deus, com um cuidado de nossos deveres, e com um amor de todos os homens; sim, dá vida a nós para andarmos no bom caminho que conduz à vida. 8
  • 9. Assim, vemos que particularidade existe entre o Espírito e o fogo, razão pela qual às vezes é chamado de fogo; como em Mat. 3. 11. Portanto, tão verdadeira e certamente como podemos dizer, há fogo onde vemos palha ou gravetos consumidos, ouro ou prata purgados, grande luz em lugares escuros, ou grande calor e linhas de luz em corpos que foram banhados antes; assim verdadeiramente podemos dizer, e então certamente podemos persuadir a nós mesmos que o Espírito de Deus está em nós, quando vemos nossas corrupções consumidas, nossas almas purgadas, nossos corações iluminados e aquecidos no caminhar e trabalhar de acordo com essa luz. A segunda pergunta a ser considerada é; se aquele homem que uma vez provou verdadeiramente o Espírito, pode perdê-lo e tê-lo apagado nele? Resposta: A isso pode-se dizer que, porque o Espírito de Deus vem e atua nos homens de maneira diferente e em medidas diferentes. [1] Primeiro, há um trabalho mais leve e menor do Espírito, que pode ser extinto; como aparece nos dois tipos de solo, Lucas 8, a saber, o solo pedregoso e espinhoso, que duvidosamente sentiu algum trabalho do Espírito; pois se diz que eles recebem a palavra com fidelidade e acreditam por um tempo, embora depois ou os prazeres e lucros desta vida sufocassem as graças de Deus, ou então o calor feroz da perseguição os secasse, não sendo tais graças santificadoras que são concedidas aos eleitos. Se alguém quiser ver a 9
  • 10. verdade disso com mais clareza, deixe-o ler, Hebreus 6, versos 1 a 5. [2] Há um segundo tipo de trabalho do Espírito, que é mais eficaz, que pode nunca ser perdido. Este Pedro descreve, dizendo, que os escolhidos de Deus são gerados novamente da semente imortal da palavra; isto não é uma luz, mas uma prova profunda da palavra, pela qual os homens são regenerados e entregues a Deus. O apóstolo João estabelece outra nota sobre isso, dizendo que aqueles que são assim nascidos de novo, não pecam, isto é, eles não podem fazer uma ocupação de pecado; eles não podem cair de repente por pecado; e por que? Até porque a semente de Deus permanece neles, a saber, aquela semente onde foram gerados novamente, que permanecerá neles até o fim, de modo que nunca mais por seduções secretas, nem por violência aberta serão tirados das mãos de Deus. Assim, então, vemos a pergunta respondida; nem deve ser estranho, muito menos ofensivo contra nós, que o Senhor tome alguns e deixe outros; ou que ele deve trabalhar eficazmente em alguns, para sua salvação eterna, e mais ligeiramente em outros, para o aumento de sua condenação; pois assim procedeu Deus desde o princípio, e com muita justiça, porque ele pode agir com o que é seu como ele quiser; Rom. 9. 20, 21. Vamos ver antes o que podemos fazer com isso. Primeiro, vamos tomar cuidado para não extinguir qualquer graça de Deus. Em segundo lugar, ainda trabalhe para ter uma quantidade maior de dons, visto que pequenos dons podem ser retirados. 10
  • 11. Por último, vamos aprender a fazer uma diferença entre hipócritas e cristãos sãos; porque um dura apenas por um tempo, mas o outro dura eternamente. Mas se ainda precisamos de uma diferença mais clara entre todas essas operações do Espírito, vamos estabelecer estas regras: Em primeiro lugar, vamos experimentar que visão temos sobre a Palavra de Deus; com certeza é que tanto o crente quanto o ímpio são iluminados, mas distintamente; pois o conhecimento dos piedosos é certo e distinto e, portanto, em coisas particulares, eles são capazes de aplicar as ameaças de Deus para sua humilhação e Suas promessas para seu consolo; ao passo que o conhecimento dos ímpios é confundido e não os faz aplicar nada a si mesmos para o bem. [2] Ainda, o conhecimento dos homens piedosos é suficiente para direcioná-los de maneira geral, e em tarefas particulares; ao passo que o conhecimento dos homens piedosos é apenas geral. Por último, o conhecimento de um continua com eles até o fim; mas o conhecimento do outro os deixa no final. Portanto, o conhecimento dos piedosos é para a certeza e suficiência dele, em comparação com o Sol; e o conhecimento dos ímpios com o relâmpago, que é apenas para um clarão repentino, e quando ele desaparece, os homens têm uma visão mais turva do que antes. Assim, vemos uma diferença em seus julgamentos. 11
  • 12. Em segundo lugar, vamos às suas afeições. Certamente que os ímpios desejam a ajuda e o favor de Deus, mas a diferença está na causa; eles buscam ajuda apenas por causa de algum extremo em que se encontram; e suplicam pelo favor de Deus, porque eles desejam ser libertos de dores; e, portanto, é usual para eles dizer: Oh, que eu estivesse fora dessa dor! Oh, que esta minha tristeza fosse tirada de mim! Pelos discursos que eles mostram, para que eles possam descansar e ficarem à vontade, eles pouco pesam sobre a ajuda e o favor de Deus; mas o Deus piedoso encontra tal doçura em seu amor, que eles consideram isso melhor do que a própria vida; na medida em que para a sua obtenção, eles podem se contentar em abrir mão de todos os prazeres desta vida, sim e para sofrer o que quer que seja do agrado do Senhor infligir-lhes. Além disso, não somente o piedoso, mas o perverso também se entristecem quando pecam; mas os ímpios, portanto, se entristecem, porque o seu pecado tem ou trará algum castigo sobre eles; e a tristeza segundo Deus principalmente porque eles têm ofendido a Deus e deu-lhe a oportunidade de retirar Seu favor deles. A terceira diferença está em seu nome; embora ambos amem a Deus, mas é de maneira diferente; o do primeiro é por sinceridade, o do outro apenas para vantagens. Uma pobre cria que é levada, alimentada e vestida, ama aquele que assim a alimenta e veste; mas se ele não recebeu mais daquele homem do que de outro, ele não gostaria dele ou o desejaria mais do que outro; e é mesmo assim com os ímpios: se sua barrigas 12
  • 13. estão cheias, suas bolsas entupidas, e eles têm o desejo de seus corações, eles amam a Deus, mas apenas por sua barriga e suas bolsas. Assim Saul amava a Deus por seu reino; Aitofel por sua promoção; Judas por seu lugar de apostolado; mas o que aconteceu com seu amor? Saul um pouco aflito, abandonou a Deus; Aitofel, desapontado com suas esperanças, enforcou-se; e Judas, por ganho traiu a Cristo. Algumas experiências disto podem ser vistas entre nós; os cortesãos serão professantes, e os estudiosos de inteligência madura serão religiosos, se os cortesãos puderem tornam-se Conselheiros, e os Estudiosos podem ser preferidos para os lugares mais importantes; mas se a promoção não vier, então sua profissão será abandonada e sua religião deixada de lado. Os filhos de Deus amam dessa maneira? Não, o Espírito Santo que eles receberam de maneira eficaz, derrama a semente de Deus em seus corações, e a faz trabalhar neles um gosto especial pela sua bondade e pela sua santidade, para que não desejem somente suas bênçãos, mas principalmente para si mesmo; como a cria natural ama seu pai naturalmente. Eles têm alimentado e infundido neles uma natureza piedosa, de modo que eles amam voluntariamente a Deus seu Pai; e embora ele os aflija, ou os oprima em seus desejos, ainda assim eles o amam, e em amor executam sua obediência a ele continuamente. Portanto, Jó disse; embora ele me mate, vou confiar nele. E esta é a terceira marca ou regra por meio da qual devemos experimentar e provar nossos valores. 13
  • 14. [3] A última regra é considerar o efeito das misericórdias de Deus recebidas. Pois aqui os ímpios mostram suas maldades de duas maneiras. Em primeiro lugar, à direita, as misericórdias de Deus operam neles um contentamento maravilhoso, mas não tal que os faça retornar a glória a Deus, mas antes atribuí-la a si mesmos; porque as graças de Deus os inflam, e torna-os presunçosos em si mesmos. Disto lá está uma grande segurança, que traz primeiro abandono e depois desprezo de todos os bons meios. Do lado esquerdo, outros ofendem, não ficando nem satisfeitos nem contentes com o que têm; na verdade, esquecendo, ou desprezando levianamente o que têm, e ainda desejando algo novo. Esses homens, além de serem ingratos, eles também murmuram contra Deus, e não estão nem um pouco satisfeitos com ele. Entre esses dois, os filhos de Deus seguem um curso intermediário e médio e, portanto, veremos essas coisas neles. Primeiro, uma visão e reconhecimento de suas necessidades, que os leva ao leite sincero da palavra, para que assim suas necessidades sejam supridas e suas graças aumentadas; e tão longe eles estão de serem elevados com orgulho, que eles se alegram quando seu orgulho pode ser abatido, seja por repreensões, ou ameaças, ou correções do Senhor. Pois eles sabem que, se Paulo precisava de meios para humilhá-lo (2 Cor. 12), muito mais eles. Além disso, como eles desejam a Palavra, assim eles esperam até que agrade ao Senhor trabalhar mais neles; e esta espera é tão séria quanto a 14
  • 15. deles, que tendo vigiado a noite toda, esperam e aguardam o amanhecer do dia. Em segundo lugar, como eles veem seus desejos, eles também também veem as graças que eles receberam, e estão por aquele tempo bem ansiosos e contentes com elas; e, portanto, como suas necessidades os humilham, as graças de Deus os confortam; e como suas necessidades os chamam a buscar mais, assim os Seus dons, eles os levaram para ficarem gratos pelo que receberam. E isso quanto à última regra de julgamento. Essas propriedades nomeadas, quem quer que possa encontrar em si mesmo, pode ter a certeza de que o Espírito operou nele de forma tão eficaz, que nunca mais lhe será tirado. Mas e então? Podem rejeitar todos os cuidados? Não, o apóstolo diz aos tais, não extingais o Espírito. E não sem motivo; pois embora o próprio Espírito nunca possa ser completamente tirado deles, ainda assim, duvido que o orgulho, a segurança ou qualquer outro pecado comece a ocorrer neles, as graças do Espírito podem decair e a compreensão e os sentimentos de conforto podem ter desaparecido, de modo que em seus próprios julgamentos e nos de outros, o Espírito pode parecer completamente extinto. Tampouco deve parecer estranho; pois se a imagem de Deus, que estava mais perfeitamente colocada em Adão, pudesse ser totalmente perdida, então nada de errado se as graças do Espírito se afogassem em nós por um tempo. Os gálatas foram verdadeiramente regenerados, e receberam Cristo em seus corações; ainda assim, suas graças foram tão sufocadas e apagadas, que 15
  • 16. fez o apóstolo como que trabalhar novamente, até que Cristo fosse formado de novo neles. Davi também com o cometimento de seu pecado foi trazido a esse caso, que ele orou a Deus para criar nele um novo espírito. O Espírito foi embora? Não, pois logo depois ele orou para que Deus não tirasse o Seu Espírito Santo dele; mas as graças dele foram maravilhosamente decadentes e, portanto, ele desejou que elas pudessem ser renovadas. Mas para que ninguém abuse desta doutrina, consideremos quais punições se seguem à extinção do Espírito neste tipo. [1] Em primeiro lugar, devemos saber que embora o Espírito não seja obtido por nosso trabalho, ele é necessário para obtê-lo, e deve custar muitas dores antes de podermos colocá-lo em nossos corações; tudo o que parece estar perdido quando as graças do Espírito secam. [2] Em segundo lugar, toda aquela paz e alegria, antes falada, se foi, com quão grande tristeza e desgraça eles sabem que em qualquer medida a provaram. [3] Em terceiro lugar, para que o tempo que eles têm nenhum coração para fazer o bem, mas são feitos imprestáveis. [4] Além disso, os tais estão em perigo de cair em males repletos e, assim, obter a mão cortante e corretiva de Deus contra si mesmos, que disse que, embora ele não receba suas misericórdias de seus filhos, ainda assim ele visitará seus pecados com a vara, e suas iniquidades com flagelos; como ele tratou com Davi. 16
  • 17. [5] Por último, quando as graças do Espírito de Deus são uma vez decaídas, elas não podem ser reparadas, senão com muita tristeza; pois que será doloroso chamar à memória nossas transgressões anteriores; agravá-las em todas as circunstâncias, aplicar as terríveis ameaças da lei aos nossos desvios? A consideração de todos os inconvenientes deve fazer com que sejamos cautelosos em como apagamos o Espírito. No entanto, aqui está uma questão de conforto também; pois embora possamos sofrer uma grande degradação das graças de Deus, ainda assim, pela vara ou pela Palavra, ou por ambos, eles serão renovados em nós novamente. De murmurar na hora da aflição. Muitos homens que ouvem as murmurações frequentes dos israelitas, julgam-nos o pior povo do mundo; mas esses não consideram muito, ou as tentações pelas quais foram provocados a murmurar, ou a corrupção de seus próprios corações, que serão dados a murmurar amargamente sob a menor ocasião. Pois embora fossem um povo obstinado e de pescoço duro, ainda assim foram veementemente tentados, que vieram da fartura no Egito, para as cicatrizes no deserto, não tendo comido nem bebido por toda aquela multidão, sendo de seiscentos mil homens, além de mulheres e crianças. Portanto, deixemos de nos maravilhar com este povo e neles ver nossa própria corrupção. Pois não há muitos pontos entre nós, contemplando a abundância que o Senhor concedeu aos magistrados ou ministros para o cumprimento de seus deveres. 17
  • 18. É verdade que, não obstante a grandeza da tentação deste povo, seu pecado era muito penoso; pois as misericórdias de Deus foram maravilhosas para com eles mesmo imediatamente antes, e que o mais grato deles havia sido levado à confissão; ainda assim, eles desejavam retornar à sua antiga escravidão, ao invés de serem levados a tais dificuldades; mas apesar da gravidade deste seu pecado, muitos agora vêm atrás deles; porque seus olhos estão tão colocados em suas necessidades, que a falta de uma coisa que eles desejam, embora se for pequena, os inquietará mais, então múltiplas bênçãos os confortarão, para torná-los agradecidos. Mas contra esse descontentamento devemos nos armar; o que seremos, se pudermos receber o favor de Deus por si mesmo, embora venha sozinho, ainda que venha daí o problema; por obtê-lo, temos todas as coisas e, na sua falta, nada temos. Mais uma vez, se tivermos, nenhuma miséria pode nos tornar miseráveis; e se não tivermos, na maior prosperidade somos os mais miseráveis. Mas os israelitas aqui agiram de maneira purificada; pois a falta de pão no deserto, sendo apenas para seus corpos, fez com que eles desprezassem sua grande e maravilhosa libertação do Egito, que era para eles um signo de sua libertação espiritual. E esta é a natureza de todos os mundanos: preferem renunciar a muitos benefícios espirituais, do que a uma comunhão corporal; eles perdem mais e se divertem mais com a riqueza do que com a piedade. 18
  • 19. Mas, voltando ao ponto em questão, se a murmuração é um pecado tão grande, será proveitoso considerar alguns remédios contra ela. Remédios contra murmúrio. Ora, por mais que a impaciência proceda da infidelidade, o remédio para ela deve ser obtido da fé nas misericórdias de Deus, nos méritos de Cristo, na esperança da ressurreição e na soberba paternal de Deus. [1] Em primeiro lugar (eu digo) a rica misericórdia de Deus no trato conosco, sendo devidamente considerada, não pode deixar de trabalhar com paciência contra nós; visto que o Senhor nos tolera, e que quando pelos amadurecimentos de nossos pecados ele possa confundir-nos, ele prefere amontoar bênçãos contra nós, isto não pode deixar de refrear-nos de murmurar, embora todas as coisas não caiam de acordo com o desejo de nosso coração. Especialmente vendo que o Senhor negociará conosco ainda como fez com os israelitas, que quando os meios ordinários falharam, teve uma proteção extraordinária feita por eles; as nuvens dando-lhes pão, e a rocha água, para nos ensinar que o homem não vive apenas de pão (como Moisés o aplica, Deuteronômio 8), mas da Palavra de Deus. [2] Um segundo remédio é ter uma fé genuína na obra de nossa redenção, a saber, a remissão de nossos pecados, a imputação de Cristo por sua justiça e santificação inerente. Em primeiro lugar, se pudermos acreditar firmemente que Deus, por amor de Cristo, perdoou gratuitamente todos os nossos pecados e deu seu filho, para que nele possamos ser 19
  • 20. abençoados, não podemos deixar de estar certos de que com ele ele nos dará juntamente todas as coisas. Por ver o pecado, que é a causa de toda miséria, ser tirado de nós, podemos ter certeza de que nenhuma cruzada jamais nos ferirá. Ainda, se pudéssemos acreditar que como Deus coloca nossos pecados em Cristo, para que ele impute seus direitos a nós, como devemos duvidar de comida ou ração, etc? Pois por este meio ele é feito nosso Pai adorável, que está por poder, capacidade e por vontade, pronto para ajudar em todas as nossas necessidades. E assim ele permanece eternamente e nunca muda. [3] A estes dois primeiros, deve ser adicionada a segunda parte de nossa redenção, a saber, a santificação do espírito, que se sentirmos por nós mesmos, pode ser um grande auxílio contra a impaciência; pois é uma coisa maior santificar um pecador, do que fazer maravilhas na natureza. Portanto, se pudermos acreditar em nossos corações que Deus é capaz de fazer dos homens pecadores e ímpios, santos e justos, dos prostitutos, pessoas castas, etc, e que ele é capaz e deseja livrar-nos de todas as nossas corrupções, sejam elas nunca tão fortes por natureza ou custódia; se, digo eu, podemos dar crédito a isso, por que deveríamos duvidar que ele falhe nas coisas exteriores? [4] Além disso, se pudermos acreditar que Deus preparou um reino para nós, e que ele nos levantará no último dia em corpo e alma para nos regozijarmos nEle; como podemos, senão estar certos de que ele dará conta de todos assuntos menores, de todas as coisas desta vida? 20
  • 21. [5] Outra coisa para deter nossos corações quando a murmuração nos assalta, é a fé na onipotência de Deus. A onipotência geral de Deus deve ser considerada, primeiro na criação de todas as coisas; depois, na preservação delas. Acredite, então, que o Senhor fez todas as coisas do nada, e devemos duvidar de sua habilidade para nos guardar? Quando Deus criou a luz antes do Sol, da Lua ou das Estrelas; e fez a grama crescer sobre a terra, antes que houvesse chuva ou orvalho para regá-la, ele assim nos ensinou; primeiro, que não devemos colocar muita confiança neles enquanto os possuímos; e ainda, que antes que antes que devêssemos sofrer pela falta de luz, grama ou outras coisas semelhantes, o Senhor poderia e cuidaria de nós sem eles. No entanto, agora, se não tivéssemos o Sol, pensaríamos que a luz foi tirada de nós; e se no faltasse chuvas, então pensaríamos que não deveríamos ter grama, nem trigo; mas o Senhor ordenou estes meios para servir à sua onipotência, não para Si mesmo, pois não depende deles, mas para nós que somos fracos, que de outra forma não poderíamos ser facilmente assegurados de sua bondade. Em segundo lugar, devemos acreditar que Deus preserva tudo; para que o pardal não caia no chão sem Sua vontade, e ele tem um grande cuidado com os animais e aves; o Senhor cuida deles, e não cuidará do homem, para quem foram feitos e são preservados? Por isso devemos reconhecer a onipotência particular de Deus; Ele fez os nossos corpos e não nos vestirá? Ele deu a vida e não 21
  • 22. ministrará a comida para o seu sustento? Ele poderia cuidar dos israelitas no deserto árido por quarenta anos seguidos; sim, ele poderia preservar Moisés e Elias por quarenta dias sem qualquer refeição; o que prova que a bênção de Deus é tudo em todos, quer haja ou não meios. Davi observou pela experiência que a semente justa dos justos nunca foi abandonada nem implorou pelo pão; e se pudéssemos ser justos como muitos o foram, deveríamos encontrar a mesma verdade em nossa própria experiência como ele o fez. Essas coisas bem consideradas, nos levarão: Primeiro a se contentar com o que quer que seja o que Senhor envia, sempre reconhecendo a piedade como sendo grande riqueza; pois não devemos procurar grandes questões, nem permitir que nossos desejos sejam levados a coisas altas; por isso o Profeta Jeremias repreendeu Baruque. E Cristo a ensinar que devemos orar apenas pelo pão de cada dia; que também era a oração de Jacó, que ele pudesse ter comida e roupas, com as quais o apóstolo nos ordenar a nos contentarmos. Vamos primeiro buscar o reino dos céus, etc, e então, se o Senhor nos der em abundância, sejamos mais gratos e dignos; se não, seu favor é suficiente por si mesmo, e será mais confortável com um pouco, do que outros que estão em grande abundância sem isso. Mas se não podemos descansar no amor de Deus, quando temos falta dessas coisas exteriores, é certo que não o estimamos verdadeiramente, nem temos naquele momento 22
  • 23. qualquer garantia confortável da remissão de nossos pecados. [2] A segunda propriedade de uma mente paciente é simplicidade para nos elevar a Deus, e nos encomendarmos na Sua mão, esperando em todos os momentos pela Sua ajuda, que só é ele o autor de toda bondade, e ainda não prescrevendo os meios, nem designando o tempo; porque o Senhor terá a disposição de suas misericórdias livre para Si mesmo, para dar onde e quando lhe agrade, e como for mais para sua glória; e, portanto, devemos nos resignar totalmente a ele. O que, se pudermos fazer, com muita misericórdia Deus nos concede que quando menos desejarmos as coisas exteriores, então as teremos; e se nós as dermos livremente a ele, ele as dará a nós novamente. Abraão deu ao Senhor Isaque, seu filho, o qual quando o Senhor o viu, rapidamente lhe deu seu filho outra vez; e assim ele negociará conosco também. A maneira mais rápida de reter vidas, bens etc, é entregá-los inteiramente nas mãos de Deus; não com esta condição, que ele deve dá-los a nós novamente, (pois isso seria para zombar do Senhor), mas sem todo o cuidado de recebê-los, devemos entregá-los a ele, ficando cordialmente contentes pela sua glória de esquecê-los, e então se eles forem bons para nós, nós os receberemos novamente; se não, receberemos alguma graça espiritual, que suprirá melhor a falta deles. Sim, a infinita sabedoria e misericórdia de Deus apela-se maravilhosamente aqui, que às vezes ele nos guarda por muito tempo sem essas coisas, porque 23
  • 24. se as tivéssemos, ele vê que abusaríamos delas e as preferiríamos antes das bênçãos espirituais. 24