SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Por John Owen
Traduzido e adaptado por Silvio Dutra
2
Em primeiro lugar, uma devida
consideração de Deus, o Juiz de todos, é
necessária para a afirmação correta e
apreensão da doutrina da justificação.
Em segundo lugar, uma devida
consideração daquele com quem nesse
assunto temos que lidar, e que
imediatamente é necessário para uma
declaração correta de nossos pensamentos
sobre o assunto.
A Escritura expressa enfaticamente que é
"Deus que justifica", Rom 8. 33; e ele assume
como prerrogativa fazer o que lhe pertence.
"Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas
transgressões por amor de mim, e não me
lembrarei dos teus pecados", Is 43. 25. E é
difícil, em minha apreensão, sugerir-lhe
qualquer outra razão ou consideração do
perdão de nossos pecados, visto que ele
assumiu a responsabilidade de fazê-lo por
3
seu próprio bem; isto é, “para o Senhor”,
Dan 9. 17, em quem "toda a semente de Israel
é justificada", Is 45. 25. A seu ver, perante
seu tribunal, é que os homens são
justificados ou condenados, Sl 143. 2: “Não
entre em julgamento com teu servo; pois
aos teus olhos nenhum homem vivo será
justificado.” E toda a obra da justificação,
com tudo o que pertence a isso, é
representado, à maneira de um processo
jurídico perante o tribunal de Deus; como
veremos depois. “Portanto”, diz o apóstolo,
“pelas obras da lei nenhuma carne será
justificada diante dele”, Rom 3. 20. Contudo,
qualquer homem se considere justificado
aos olhos de homens ou anjos por sua
própria obediência ou obras da lei; contudo,
aos Seus olhos, ninguém pode ser assim.
É necessário a qualquer homem que for a
julgamento, na sentença da qual ele está
muito interessado, considerar devidamente
4
o juiz diante de quem ele deve comparecer
e por quem sua causa será finalmente
determinada. E se administrarmos nossas
disputas sobre justificação sem
consideração contínua àquele por quem
devemos ser expulsos ou absolvidos, não
entenderemos corretamente qual deve ser
o nosso apelo.
Portanto, a grandeza, a majestade, a
santidade e a autoridade soberana de Deus
devem estar sempre presentes conosco no
devido sentido delas, quando perguntamos
como podemos ser justificados diante dele.
No entanto, é difícil discernir como as
mentes de alguns homens são influenciados
pela consideração destas coisas, em suas
competições ferozes para o interesse de
suas próprias obras em sua justificação.
Mas as Escrituras representam para nós
5
que pensamentos sobre ela e sobre si
mesmos, não apenas os pecadores, mas
também os santos, tiveram, e não podem
deixar de ter, após descobertas e
concepções eficazes de Deus e de sua
grandeza.
Os pensamentos que se seguiram sobre o
sentimento de culpa do pecado encheram
nossos primeiros pais de medo e vergonha
e os colocaram naquela tentativa tola de se
esconder dele.
Tampouco é melhor a sabedoria de sua
posteridade sob suas convicções, sem a
descoberta da promessa. Somente isso faz
com que os pecadores sejam sábios, o que
lhes proporciona alívio.
6
Atualmente, a generalidade dos homens é
segura carnalmente, e não há muita dúvida,
mas eles devem sair bem o suficiente, de
uma maneira ou de outra, no julgamento a
que serão submetidos. E como essas
pessoas são totalmente indiferentes que
doutrina concernente à justificação é
ensinada e recebida; assim, na maioria das
vezes, por si mesmos, eles se inclinam para
a declaração dela que melhor se adequa à
sua própria razão, influenciada pela
autopresunção e afeições corruptas. A
soma disso é que o que eles não podem
fazer por si mesmos, o que está faltando
para que eles sejam salvos, seja mais ou
menos, deve, de uma maneira ou de outra,
ser constituído por Cristo; ou o uso ou abuso
de qual persuasão é a maior fonte de
pecado do mundo, próximo à depravação de
nossa natureza. E qualquer que seja, ou
possa ser, fingido o contrário, pessoas não
convencidas do pecado, não humilhadas por
isso, estão em todas as suas relações com
coisas espirituais, sob a conduta de
princípios muito viciados e corrompidos.
Veja Mat 18. 3, 4. Mas quando Deus se agrada
de qualquer maneira em manifestar sua
glória aos pecadores, todas as suas
preferências e artifícios surgem em horror
7
e angústia terríveis. Um relato de seu
temperamento é dado a nós, Is 33. 14: “Os
pecadores em Sião têm medo; o medo
surpreendeu os hipócritas. Quem entre nós
habitará com o fogo devorador? Quem
dentre nós habitará com chamas eternas?”
Assim também não é apenas com algum
tipo peculiar de pecador. O mesmo será o
pensamento de todas as pessoas culpadas
em algum momento ou outro. Para aqueles
que, por sensualidade, segurança ou
superstição, se escondem da irritação deles
neste mundo, não deixarão de se encontrar
com eles quando o terror deles aumentar, e
ficarem sem remédio. Nosso Deus é um
8
fogo consumidor; e os homens um dia
descobrirão como é inútil porem seus
espinhos e cardos contra ele em ordem de
batalha. E podemos ver que artifícios
extravagantes convenceram os pecadores a
se colocarem, sob qualquer visão real da
majestade e santidade de Deus, Miq 6. 6, 7,
“Com que”, diz ele, “me apresentarei diante
do Senhor, e me prostrarei perante o Deus
excelso? Irei adiante dele com holocaustos,
com bezerros de um ano de idade? O
Senhor ficará satisfeito com milhares de
carneiros, ou com dez milhares de rios de
azeite? Darei meu primogênito por minha
transgressão, o fruto do meu corpo pelo
pecado da minha alma?”
Esse é o efeito apropriado da convicção do
pecado, fortalecida e aguçada com a
9
consideração do terror do Senhor, que deve
julgar a respeito. E é isso que, no papado,
encontrando uma ignorância da justiça de
Deus, produziu inúmeras invenções
supersticiosas para apaziguar as
consciências dos homens que, de qualquer
maneira, caem sob a inquietação de tantas
convicções. Pois eles veem que nada da
obediência que Deus exige deles, como é
realizada por eles, os justificará diante
deste Deus elevado e santo. Portanto, eles
procuram abrigo em artifícios sobre coisas
que ele não ordenou, para tentar se eles
podem enganar suas consciências e
encontrar alívio.
Tampouco é assim apenas com pecadores
esbanjadores em suas convicções; mas o
melhor dos homens, quando eles têm
10
representações próximas e eficazes da
grandeza, santidade e glória de Deus, foram
lançados no mais profundo aborrecimento e
na mais grave renúncia a toda confiança em
si mesmos. Assim, o profeta Isaías, em sua
visão da glória do Santo, clamou: “Ai de mim!
Pois estou perdido; porque sou homem de
lábios impuros”, Is 6. 5; nem ficou aliviado
por uma evidência do perdão gratuito do
pecado, versículo 7. O grande santo Jó, em
todas as suas disputas com seus amigos,
que o acusaram de hipocrisia, e por ser um
pecador culpado de maneira peculiar
diferente de outros homens, com confiança
e perseverança garantidas, justificou sua
sinceridade, fé e confiança em Deus, contra
todas as acusações. E isso ele faz com uma
satisfação tão completa de sua própria
integridade, que não apenas ele insiste
amplamente em sua reivindicação, mas
frequentemente apela ao próprio Deus
como à verdade de seu apelo; pois ele segue
diretamente esse conselho, com grande
segurança, que o apóstolo Tiago tanto
tempo depois dá a todos os crentes.
Tampouco a doutrina desse apóstolo é mais
eminentemente exemplificada em qualquer
instância em toda a Escritura do que nele;
pois ele mostra sua fé por suas obras, e
11
alega sua justificação. Como Jó se justificou
e foi justificado por suas obras, também
permitimos que seja o dever de todo crente.
Seu pedido de justificação pelas obras, no
sentido em que é assim, foi o mais nobre
que já existiu no mundo, e nenhuma
controvérsia foi gerida em uma ocasião
maior.
Por fim, este Jó é chamado à presença
imediata de Deus, para defender sua
própria causa; agora não, como declarado
entre ele e seus amigos, se ele era um
hipócrita ou não, ou se sua fé ou confiança
em Deus era sincera; mas como foi
afirmado entre Deus e ele, em que ele
parecia ter feito algumas suposições
indevidas em seu próprio nome. A questão
foi agora reduzida a isso: - com que
fundamento ele poderia ou poderia ser
12
justificado aos olhos de Deus? Para
preparar sua mente para um julgamento
correto nesse caso, Deus manifesta sua
glória a ele e o instrui na grandeza de sua
majestade e poder. E isso ele fez por uma
multiplicação de instâncias, porque, sob
nossas tentações, somos muito lentos em
admitir as concepções corretas de Deus.
Aqui, o homem santo reconheceu
rapidamente que o estado do caso estava
completamente alterado. Todas as suas
alegações anteriores de fé, esperança e
confiança em Deus, de sinceridade na
obediência, que com tanta seriedade com a
qual ele antes insistia, são agora bastante
deixadas de lado. Ele viu bem o suficiente
para que elas não fossem invocáveis no
tribunal em que ele apareceu agora, para
que Deus entrasse em julgamento com ele,
com respeito à sua justificação. Portanto, no
mais profundo aborrecimento e aversão,
ele se lança à graça e misericórdia
soberanas. Pois “Jó respondeu ao SENHOR
e disse: Sou indigno; que te responderia eu?
Ponho a mão na minha boca. Uma vez falei e
não replicarei, aliás, duas vezes, porém não
prosseguirei.”, Jó 40. 3-5. E novamente:
“Escuta-me, pois, havias dito, e eu falarei; eu
te perguntarei, e tu me ensinarás. Eu te
13
conhecia só de ouvir, mas agora os meus
olhos te veem. Por isso, me abomino e me
arrependo no pó e na cinza.” , cap. 42. 4-6.
Que qualquer homem se coloque na
condição em que agora Jó estava, - na
presença imediata de Deus; deixe-os atende
ao que ele realmente lhes fala na sua
palavra, - ou seja, o que eles vão responder
à acusação de que ele tem contra eles, e
qual será o seu melhor apelo diante de seu
tribunal, para que possam ser justificados.
Não acredito que qualquer homem que viva
tenha motivos mais encorajadores para se
interessar por sua própria fé e obediência,
em sua justificação diante de Deus, do que
Jó; embora suponha que ele não tivesse
tanta habilidade para administrar um apelo
14
a esse propósito, com noções e distinções
escolásticas, como os jesuítas; mas, por
mais que sejamos apegados a argumentos
e soluções sutis, temo que não seja seguro
nos aventurarmos mais em Deus do que ele
deseja.
Antigamente havia uma direção para a visita
dos doentes, composta, como dizem, por
Anselmo, e publicada por Casparus
Ulenbergius, que expressa um sentido
melhor dessas coisas do que alguns
parecem convencidos: - “Você acredita que
não pode ser salvo senão pela morte de
Cristo? O homem doente responde: 'Sim';
então diga-lhe: Vai, então, e enquanto tua
alma permanece em ti, deposita toda a tua
confiança somente nesta morte, não
deposita tua confiança em nenhuma outra
coisa; comprometa-se totalmente a esta
morte, cubra-se totalmente com isso
somente, lance-se totalmente a esta morte,
15
envolva-se inteiramente nesta morte. E se
Deus te julgar, diga: 'Senhor, coloco a morte
de nosso Senhor Jesus Cristo entre mim e
o teu julgamento; e, caso contrário, não
discutirei nem julgarei contigo.' E se ele te
disser que você é um pecador, diga: ' Coloco
a morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre
mim e meus pecados.' Se ele te disser que é
merecida a tua condenação, diga, 'Senhor,
eu coloquei a morte de nosso Senhor Jesus
Cristo entre ti e todos os meus pecados; e
ofereço seus méritos pelos meus, que eu
deveria ter, e não tenho'. Se ele disser que
está irado contigo, diga: 'Senhor, coloco a
morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre
mim e a tua ira.'” Aquele que deu essas
orientações parece ter sido sensato do que
é a comparecer perante o tribunal de Deus,
e como não seguro será para nós insistir em
alguma coisa em nós mesmos.
16
Portanto, são as palavras do mesmo
Anselmo em suas Meditações: “Minha
consciência mereceu condenação e meu
arrependimento não é suficiente para a
satisfação da justiça divina; mas o mais
certo é que a tua misericórdia é abundante
acima de toda ofensa.” E isso parece-me
uma direção melhor do que aquelas mais
recentemente dadas por alguns da igreja
romana; - como a oração sugerida por
Johan a um homem doente.
Jerônimo, muito antes de Anselmo, falou
para o mesmo propósito: “Quando chegar o
dia do julgamento ou da morte, todas as
mãos serão dissolvidas” (ou seja,
desmaiarão ou cairão); “O qual é dito em
outro lugar: “Fortalecei as mãos que
pendem." Mas todas as mãos devem ser
descaídas ” (isto é, toda a força e confiança
dos homens falhará), porque não há obras a
17
serem encontradas que possam responder
à justiça de Deus; pois nenhuma carne será
justificada aos seus olhos. De onde o
profeta diz no salmo: 'Se tu, Senhor, marcar
a iniquidade, quem deve permanecer?'”
E Ambrósio, com o mesmo objetivo:
“Ninguém arrogue nada para si mesmo,
ninguém se glorie em seus próprios
méritos ou boas ações, ninguém se glorie
de seu poder: todos esperemos encontrar
misericórdia por nosso Senhor Jesus; pois
todos estaremos diante do seu tribunal.
Dele pedirei perdão, dele desejarei
indulgência; que outra esperança existe
para os pecadores?"
Portanto, se os homens serão desligados de
uma consideração contínua pela grandeza,
santidade e majestade de Deus, por suas
18
invenções no calor da disputa; se eles se
esquecem de uma consideração reverente
sobre o que eles se tornarão, e com o que
eles podem se comprometer quando
estiverem diante de seu tribunal; eles
podem se envolver em tais apreensões que
não ousam respeitar em seu próprio
julgamento pessoal. Pois “como deve o
homem ser justo com Deus?” Por isso, foi
observado que os próprios escolásticos, em
suas meditações e escritos devocionais,
onde eles tinham pensamentos imediatos
de Deus, com quem eles tinham que lidar,
falaram bem outra linguagem como a
justificação diante de Deus do que eles
fazem em suas disputas filosóficas e
ardentes sobre isso. E preferia aprender o
que alguns homens realmente julgam sobre
suas próprias justificativas com suas
orações do que com seus escritos.
19
Também não me lembro de que já ouvi
algum homem bom em suas orações usar
expressões sobre justificação, perdão de
pecado e justiça diante de Deus, em que
qualquer apelo de qualquer coisa em nós
mesmos era apresentado ou utilizado.
A oração de Daniel tem sido, neste assunto,
a substância de suas súplicas: “A ti, ó
Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o
corar de vergonha, como hoje se vê; aos
homens de Judá, os moradores de
Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto,
quer os de longe, em todas as terras por
onde os tens lançado, por causa das suas
transgressões que cometeram contra ti...
Inclina, ó Deus meu, os ouvidos e ouve; abre
os olhos e olha para a nossa desolação e
20
para a cidade que é chamada pelo teu nome,
porque não lançamos as nossas súplicas
perante a tua face fiados em nossas
justiças, mas em tuas muitas
misericórdias. Ó Senhor, ouve; ó Senhor,
perdoa; ó Senhor, atende-nos e age; não te
retardes, por amor de ti mesmo, ó Deus
meu; porque a tua cidade e o teu povo são
chamados pelo teu nome.”, Dan. 9. 7, 18, 19.
Ou o do salmista: “ Não entre em julgamento
com teu servo, ó Senhor, pois aos seus
olhos nenhum homem vivo será justificado
” , Sl. 143.2. Ou: “Se tu, Senhor, marcares
iniquidades, ó Senhor, quem subsistirá?
Mas há perdão contigo, para que sejas
temido” , Sl. 130. 3, 4. Em quais palavras a
exposição de Agostinho é notável, falando
de Davi e aplicando-a a si mesmo: “E,
embora possamos e devamos representar a
Deus, em nossas súplicas, nossa fé ou no
que acreditamos aqui, questiono muito se
alguns homens podem encontrar em seus
corações para orar e implorar diante dele,
todos os argumentos e distinções que eles
usam para provar o interesse de nossas
obras e a obediência em nossa justificação
diante dele, ou " entrar em julgamento " com
ele nas conclusões que eles fazem deles.
21
Nem muitos serão satisfeitos para fazer uso
daquela oração que Pelágio ensinou à viúva,
que se opôs a ele no Sínodo Diospolitan: “Tu
sabes, ó Senhor, quão santo, quão inocente,
quão puro de todo engano e rapina, são as
mãos que eu te estendo; quão justos, quão
limpos de maldade, quão livres de mentira,
são estes lábios com os quais eu faço
orações a ti, para que tenhas piedade de
mim.” E, no entanto, embora ele ensinou-lhe
assim para pleitear sua própria pureza,
inocência e justiça diante de Deus, ele o faz
não como aqueles em que ela pode ser
absolutamente justificado, mas apenas
como condição de sua obtenção de
misericórdia. Também não observei que
quaisquer liturgias públicas (exceto as
missas, em que há um recurso frequente
aos méritos e intercessão dos santos)
orientam os homens em suas orações
diante de Deus para implorar qualquer coisa
por sua aceitação com ele, ou como os
meios ou condição disso, senão graça,
misericórdia, a justiça e o sangue de Cristo
somente.
Portanto, não posso deixar de julgá-lo
melhor (outros podem pensar nisso como
bem entenderem), para aqueles que
22
ensinariam ou aprenderiam a doutrina da
justificação de maneira adequada,
colocarem suas consciências na presença
de Deus e suas pessoas perante seu
tribunal. e, depois de uma devida
consideração de sua grandeza, poder,
majestade, retidão, santidade, do terror de
sua glória e autoridade soberana, para
indagar o que as Escrituras e um senso de
sua própria condição os direcionam para
seu alívio e refúgio e para o apelo que
devem fazer para eles mesmos.
Pensamentos secretos de Deus e de nós
mesmos, meditações em retirados, conduta
do espírito em súplicas humildes,
preparativos no leito de morte para uma
aparição imediata diante de Deus, fé e amor
no exercício de Cristo, falam outras coisas,
na maioria das vezes, do que muitos
defendem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5Silvio Dutra
 
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
A cura das almas abatidas 2  -  Christopher LoveA cura das almas abatidas 2  -  Christopher Love
A cura das almas abatidas 2 - Christopher LoveSilvio Dutra
 
O apagar das graças do Espírito - John Dod
O apagar das graças do Espírito  -  John DodO apagar das graças do Espírito  -  John Dod
O apagar das graças do Espírito - John DodSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34Silvio Dutra
 
Isaias 55.1 3 - John Dod
Isaias 55.1 3 - John DodIsaias 55.1 3 - John Dod
Isaias 55.1 3 - John DodSilvio Dutra
 
Como saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristãoComo saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristãoinfomerso
 
Pecadores nas maos de um deus irado jonathan edwards
Pecadores nas maos de um deus irado   jonathan edwardsPecadores nas maos de um deus irado   jonathan edwards
Pecadores nas maos de um deus irado jonathan edwardsFrancisco Deuzilene
 
Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 52
Deus requer santificação aos cristãos 52Deus requer santificação aos cristãos 52
Deus requer santificação aos cristãos 52Silvio Dutra
 
Comentário jó
Comentário   jóComentário   jó
Comentário jóJonas Lima
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintoshdjalmabose
 
II corintios cap 10 e 11
II corintios cap 10 e 11II corintios cap 10 e 11
II corintios cap 10 e 11Andreia Quesada
 
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesA Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesSilvio Dutra
 
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo   charles haddon spurgeonA obra do espírito santo   charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo charles haddon spurgeonDeusdete Soares
 
Ajuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard SibbesAjuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard SibbesSilvio Dutra
 
Por trás da máscara_1012015_GGR
Por trás da máscara_1012015_GGRPor trás da máscara_1012015_GGR
Por trás da máscara_1012015_GGRGerson G. Ramos
 
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)Deusdete Soares
 

Mais procurados (20)

As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5
 
II Corintios cap 8 a 10
II Corintios cap 8 a 10II Corintios cap 8 a 10
II Corintios cap 8 a 10
 
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
A cura das almas abatidas 2  -  Christopher LoveA cura das almas abatidas 2  -  Christopher Love
A cura das almas abatidas 2 - Christopher Love
 
O apagar das graças do Espírito - John Dod
O apagar das graças do Espírito  -  John DodO apagar das graças do Espírito  -  John Dod
O apagar das graças do Espírito - John Dod
 
Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34Deus requer santificação aos cristãos 34
Deus requer santificação aos cristãos 34
 
Isaias 55.1 3 - John Dod
Isaias 55.1 3 - John DodIsaias 55.1 3 - John Dod
Isaias 55.1 3 - John Dod
 
Como saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristãoComo saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristão
 
Pecadores nas maos de um deus irado jonathan edwards
Pecadores nas maos de um deus irado   jonathan edwardsPecadores nas maos de um deus irado   jonathan edwards
Pecadores nas maos de um deus irado jonathan edwards
 
Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51
 
Deus requer santificação aos cristãos 52
Deus requer santificação aos cristãos 52Deus requer santificação aos cristãos 52
Deus requer santificação aos cristãos 52
 
Comentário jó
Comentário   jóComentário   jó
Comentário jó
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
 
II corintios cap 10 e 11
II corintios cap 10 e 11II corintios cap 10 e 11
II corintios cap 10 e 11
 
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesA Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
 
Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo   charles haddon spurgeonA obra do espírito santo   charles haddon spurgeon
A obra do espírito santo charles haddon spurgeon
 
Ajuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard SibbesAjuda para os Fracos - Richard Sibbes
Ajuda para os Fracos - Richard Sibbes
 
Por trás da máscara_1012015_GGR
Por trás da máscara_1012015_GGRPor trás da máscara_1012015_GGR
Por trás da máscara_1012015_GGR
 
Fé e obras
Fé e obrasFé e obras
Fé e obras
 
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)
A eleição não desanima as almas buscadoras (charles h. spurgeon)
 

Semelhante a É Necessária uma Devida Consideração De Deus

Deus requer santificação aos cristãos 13
Deus requer santificação aos cristãos 13Deus requer santificação aos cristãos 13
Deus requer santificação aos cristãos 13Silvio Dutra
 
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da GraçaUm Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da GraçaSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43Silvio Dutra
 
A Natureza Geral da Justificação - John Owen
A Natureza Geral da Justificação - John OwenA Natureza Geral da Justificação - John Owen
A Natureza Geral da Justificação - John OwenSilvio Dutra
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais altapohlos
 
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus charles simeon
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus   charles simeonA necessidade de se atender ao convite da graça de Deus   charles simeon
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus charles simeonSilvio Dutra
 
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGRGerson G. Ramos
 
Textos calvinistas e arminianos
Textos calvinistas e arminianosTextos calvinistas e arminianos
Textos calvinistas e arminianosLÊNIO GRAVAÇÕES
 
Como posso saber que sou perdoado - livro
Como posso saber que sou perdoado - livroComo posso saber que sou perdoado - livro
Como posso saber que sou perdoado - livroSilvio Dutra
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher LoveSilvio Dutra
 
Argumentos de Justificação pela Imputação - John Owen
Argumentos de Justificação pela Imputação - John OwenArgumentos de Justificação pela Imputação - John Owen
Argumentos de Justificação pela Imputação - John OwenSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60Silvio Dutra
 
Avaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaAvaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaSilvio Dutra
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oraçãopohlos
 
Avaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avaliaAvaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avaliaSilvio Dutra
 
Justificado para Ser Justo
Justificado para Ser JustoJustificado para Ser Justo
Justificado para Ser JustoSilvio Dutra
 
Encíclica Acerbo Nimis - São pio X
Encíclica Acerbo Nimis - São pio XEncíclica Acerbo Nimis - São pio X
Encíclica Acerbo Nimis - São pio XTradição Católica
 
As batalhas espirituais finais parte 2
As batalhas espirituais finais   parte 2As batalhas espirituais finais   parte 2
As batalhas espirituais finais parte 2Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Silvio Dutra
 

Semelhante a É Necessária uma Devida Consideração De Deus (20)

Deus requer santificação aos cristãos 13
Deus requer santificação aos cristãos 13Deus requer santificação aos cristãos 13
Deus requer santificação aos cristãos 13
 
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da GraçaUm Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
 
Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43Deus requer santificação aos cristãos 43
Deus requer santificação aos cristãos 43
 
A Natureza Geral da Justificação - John Owen
A Natureza Geral da Justificação - John OwenA Natureza Geral da Justificação - John Owen
A Natureza Geral da Justificação - John Owen
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
 
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus charles simeon
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus   charles simeonA necessidade de se atender ao convite da graça de Deus   charles simeon
A necessidade de se atender ao convite da graça de Deus charles simeon
 
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR
❉ Respostas 4 - Repreensão e represália_GGR
 
Textos calvinistas e arminianos
Textos calvinistas e arminianosTextos calvinistas e arminianos
Textos calvinistas e arminianos
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Como posso saber que sou perdoado - livro
Como posso saber que sou perdoado - livroComo posso saber que sou perdoado - livro
Como posso saber que sou perdoado - livro
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
 
Argumentos de Justificação pela Imputação - John Owen
Argumentos de Justificação pela Imputação - John OwenArgumentos de Justificação pela Imputação - John Owen
Argumentos de Justificação pela Imputação - John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60Deus requer santificação aos cristãos 60
Deus requer santificação aos cristãos 60
 
Avaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaAvaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus Avalia
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
 
Avaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avaliaAvaliando conforme Deus avalia
Avaliando conforme Deus avalia
 
Justificado para Ser Justo
Justificado para Ser JustoJustificado para Ser Justo
Justificado para Ser Justo
 
Encíclica Acerbo Nimis - São pio X
Encíclica Acerbo Nimis - São pio XEncíclica Acerbo Nimis - São pio X
Encíclica Acerbo Nimis - São pio X
 
As batalhas espirituais finais parte 2
As batalhas espirituais finais   parte 2As batalhas espirituais finais   parte 2
As batalhas espirituais finais parte 2
 
Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48
 

Mais de Silvio Dutra

A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaSilvio Dutra
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...Silvio Dutra
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSilvio Dutra
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSilvio Dutra
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Silvio Dutra
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdfSilvio Dutra
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfSilvio Dutra
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfSilvio Dutra
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialSilvio Dutra
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Silvio Dutra
 

Mais de Silvio Dutra (20)

Poder
PoderPoder
Poder
 
A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma Aliança
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 1.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
 
O Começo e o Fim
O Começo e o FimO Começo e o Fim
O Começo e o Fim
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67
 

Último

Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024thandreola
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Priscilatrigodecamar
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 

Último (15)

Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
O SAGRADO CORAÇÃO DA JUSTIÇA II / 25/05/2024
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 

É Necessária uma Devida Consideração De Deus

  • 1. Por John Owen Traduzido e adaptado por Silvio Dutra
  • 2. 2 Em primeiro lugar, uma devida consideração de Deus, o Juiz de todos, é necessária para a afirmação correta e apreensão da doutrina da justificação. Em segundo lugar, uma devida consideração daquele com quem nesse assunto temos que lidar, e que imediatamente é necessário para uma declaração correta de nossos pensamentos sobre o assunto. A Escritura expressa enfaticamente que é "Deus que justifica", Rom 8. 33; e ele assume como prerrogativa fazer o que lhe pertence. "Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e não me lembrarei dos teus pecados", Is 43. 25. E é difícil, em minha apreensão, sugerir-lhe qualquer outra razão ou consideração do perdão de nossos pecados, visto que ele assumiu a responsabilidade de fazê-lo por
  • 3. 3 seu próprio bem; isto é, “para o Senhor”, Dan 9. 17, em quem "toda a semente de Israel é justificada", Is 45. 25. A seu ver, perante seu tribunal, é que os homens são justificados ou condenados, Sl 143. 2: “Não entre em julgamento com teu servo; pois aos teus olhos nenhum homem vivo será justificado.” E toda a obra da justificação, com tudo o que pertence a isso, é representado, à maneira de um processo jurídico perante o tribunal de Deus; como veremos depois. “Portanto”, diz o apóstolo, “pelas obras da lei nenhuma carne será justificada diante dele”, Rom 3. 20. Contudo, qualquer homem se considere justificado aos olhos de homens ou anjos por sua própria obediência ou obras da lei; contudo, aos Seus olhos, ninguém pode ser assim. É necessário a qualquer homem que for a julgamento, na sentença da qual ele está muito interessado, considerar devidamente
  • 4. 4 o juiz diante de quem ele deve comparecer e por quem sua causa será finalmente determinada. E se administrarmos nossas disputas sobre justificação sem consideração contínua àquele por quem devemos ser expulsos ou absolvidos, não entenderemos corretamente qual deve ser o nosso apelo. Portanto, a grandeza, a majestade, a santidade e a autoridade soberana de Deus devem estar sempre presentes conosco no devido sentido delas, quando perguntamos como podemos ser justificados diante dele. No entanto, é difícil discernir como as mentes de alguns homens são influenciados pela consideração destas coisas, em suas competições ferozes para o interesse de suas próprias obras em sua justificação. Mas as Escrituras representam para nós
  • 5. 5 que pensamentos sobre ela e sobre si mesmos, não apenas os pecadores, mas também os santos, tiveram, e não podem deixar de ter, após descobertas e concepções eficazes de Deus e de sua grandeza. Os pensamentos que se seguiram sobre o sentimento de culpa do pecado encheram nossos primeiros pais de medo e vergonha e os colocaram naquela tentativa tola de se esconder dele. Tampouco é melhor a sabedoria de sua posteridade sob suas convicções, sem a descoberta da promessa. Somente isso faz com que os pecadores sejam sábios, o que lhes proporciona alívio.
  • 6. 6 Atualmente, a generalidade dos homens é segura carnalmente, e não há muita dúvida, mas eles devem sair bem o suficiente, de uma maneira ou de outra, no julgamento a que serão submetidos. E como essas pessoas são totalmente indiferentes que doutrina concernente à justificação é ensinada e recebida; assim, na maioria das vezes, por si mesmos, eles se inclinam para a declaração dela que melhor se adequa à sua própria razão, influenciada pela autopresunção e afeições corruptas. A soma disso é que o que eles não podem fazer por si mesmos, o que está faltando para que eles sejam salvos, seja mais ou menos, deve, de uma maneira ou de outra, ser constituído por Cristo; ou o uso ou abuso de qual persuasão é a maior fonte de pecado do mundo, próximo à depravação de nossa natureza. E qualquer que seja, ou possa ser, fingido o contrário, pessoas não convencidas do pecado, não humilhadas por isso, estão em todas as suas relações com coisas espirituais, sob a conduta de princípios muito viciados e corrompidos. Veja Mat 18. 3, 4. Mas quando Deus se agrada de qualquer maneira em manifestar sua glória aos pecadores, todas as suas preferências e artifícios surgem em horror
  • 7. 7 e angústia terríveis. Um relato de seu temperamento é dado a nós, Is 33. 14: “Os pecadores em Sião têm medo; o medo surpreendeu os hipócritas. Quem entre nós habitará com o fogo devorador? Quem dentre nós habitará com chamas eternas?” Assim também não é apenas com algum tipo peculiar de pecador. O mesmo será o pensamento de todas as pessoas culpadas em algum momento ou outro. Para aqueles que, por sensualidade, segurança ou superstição, se escondem da irritação deles neste mundo, não deixarão de se encontrar com eles quando o terror deles aumentar, e ficarem sem remédio. Nosso Deus é um
  • 8. 8 fogo consumidor; e os homens um dia descobrirão como é inútil porem seus espinhos e cardos contra ele em ordem de batalha. E podemos ver que artifícios extravagantes convenceram os pecadores a se colocarem, sob qualquer visão real da majestade e santidade de Deus, Miq 6. 6, 7, “Com que”, diz ele, “me apresentarei diante do Senhor, e me prostrarei perante o Deus excelso? Irei adiante dele com holocaustos, com bezerros de um ano de idade? O Senhor ficará satisfeito com milhares de carneiros, ou com dez milhares de rios de azeite? Darei meu primogênito por minha transgressão, o fruto do meu corpo pelo pecado da minha alma?” Esse é o efeito apropriado da convicção do pecado, fortalecida e aguçada com a
  • 9. 9 consideração do terror do Senhor, que deve julgar a respeito. E é isso que, no papado, encontrando uma ignorância da justiça de Deus, produziu inúmeras invenções supersticiosas para apaziguar as consciências dos homens que, de qualquer maneira, caem sob a inquietação de tantas convicções. Pois eles veem que nada da obediência que Deus exige deles, como é realizada por eles, os justificará diante deste Deus elevado e santo. Portanto, eles procuram abrigo em artifícios sobre coisas que ele não ordenou, para tentar se eles podem enganar suas consciências e encontrar alívio. Tampouco é assim apenas com pecadores esbanjadores em suas convicções; mas o melhor dos homens, quando eles têm
  • 10. 10 representações próximas e eficazes da grandeza, santidade e glória de Deus, foram lançados no mais profundo aborrecimento e na mais grave renúncia a toda confiança em si mesmos. Assim, o profeta Isaías, em sua visão da glória do Santo, clamou: “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou homem de lábios impuros”, Is 6. 5; nem ficou aliviado por uma evidência do perdão gratuito do pecado, versículo 7. O grande santo Jó, em todas as suas disputas com seus amigos, que o acusaram de hipocrisia, e por ser um pecador culpado de maneira peculiar diferente de outros homens, com confiança e perseverança garantidas, justificou sua sinceridade, fé e confiança em Deus, contra todas as acusações. E isso ele faz com uma satisfação tão completa de sua própria integridade, que não apenas ele insiste amplamente em sua reivindicação, mas frequentemente apela ao próprio Deus como à verdade de seu apelo; pois ele segue diretamente esse conselho, com grande segurança, que o apóstolo Tiago tanto tempo depois dá a todos os crentes. Tampouco a doutrina desse apóstolo é mais eminentemente exemplificada em qualquer instância em toda a Escritura do que nele; pois ele mostra sua fé por suas obras, e
  • 11. 11 alega sua justificação. Como Jó se justificou e foi justificado por suas obras, também permitimos que seja o dever de todo crente. Seu pedido de justificação pelas obras, no sentido em que é assim, foi o mais nobre que já existiu no mundo, e nenhuma controvérsia foi gerida em uma ocasião maior. Por fim, este Jó é chamado à presença imediata de Deus, para defender sua própria causa; agora não, como declarado entre ele e seus amigos, se ele era um hipócrita ou não, ou se sua fé ou confiança em Deus era sincera; mas como foi afirmado entre Deus e ele, em que ele parecia ter feito algumas suposições indevidas em seu próprio nome. A questão foi agora reduzida a isso: - com que fundamento ele poderia ou poderia ser
  • 12. 12 justificado aos olhos de Deus? Para preparar sua mente para um julgamento correto nesse caso, Deus manifesta sua glória a ele e o instrui na grandeza de sua majestade e poder. E isso ele fez por uma multiplicação de instâncias, porque, sob nossas tentações, somos muito lentos em admitir as concepções corretas de Deus. Aqui, o homem santo reconheceu rapidamente que o estado do caso estava completamente alterado. Todas as suas alegações anteriores de fé, esperança e confiança em Deus, de sinceridade na obediência, que com tanta seriedade com a qual ele antes insistia, são agora bastante deixadas de lado. Ele viu bem o suficiente para que elas não fossem invocáveis no tribunal em que ele apareceu agora, para que Deus entrasse em julgamento com ele, com respeito à sua justificação. Portanto, no mais profundo aborrecimento e aversão, ele se lança à graça e misericórdia soberanas. Pois “Jó respondeu ao SENHOR e disse: Sou indigno; que te responderia eu? Ponho a mão na minha boca. Uma vez falei e não replicarei, aliás, duas vezes, porém não prosseguirei.”, Jó 40. 3-5. E novamente: “Escuta-me, pois, havias dito, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me ensinarás. Eu te
  • 13. 13 conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem. Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza.” , cap. 42. 4-6. Que qualquer homem se coloque na condição em que agora Jó estava, - na presença imediata de Deus; deixe-os atende ao que ele realmente lhes fala na sua palavra, - ou seja, o que eles vão responder à acusação de que ele tem contra eles, e qual será o seu melhor apelo diante de seu tribunal, para que possam ser justificados. Não acredito que qualquer homem que viva tenha motivos mais encorajadores para se interessar por sua própria fé e obediência, em sua justificação diante de Deus, do que Jó; embora suponha que ele não tivesse tanta habilidade para administrar um apelo
  • 14. 14 a esse propósito, com noções e distinções escolásticas, como os jesuítas; mas, por mais que sejamos apegados a argumentos e soluções sutis, temo que não seja seguro nos aventurarmos mais em Deus do que ele deseja. Antigamente havia uma direção para a visita dos doentes, composta, como dizem, por Anselmo, e publicada por Casparus Ulenbergius, que expressa um sentido melhor dessas coisas do que alguns parecem convencidos: - “Você acredita que não pode ser salvo senão pela morte de Cristo? O homem doente responde: 'Sim'; então diga-lhe: Vai, então, e enquanto tua alma permanece em ti, deposita toda a tua confiança somente nesta morte, não deposita tua confiança em nenhuma outra coisa; comprometa-se totalmente a esta morte, cubra-se totalmente com isso somente, lance-se totalmente a esta morte,
  • 15. 15 envolva-se inteiramente nesta morte. E se Deus te julgar, diga: 'Senhor, coloco a morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre mim e o teu julgamento; e, caso contrário, não discutirei nem julgarei contigo.' E se ele te disser que você é um pecador, diga: ' Coloco a morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre mim e meus pecados.' Se ele te disser que é merecida a tua condenação, diga, 'Senhor, eu coloquei a morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre ti e todos os meus pecados; e ofereço seus méritos pelos meus, que eu deveria ter, e não tenho'. Se ele disser que está irado contigo, diga: 'Senhor, coloco a morte de nosso Senhor Jesus Cristo entre mim e a tua ira.'” Aquele que deu essas orientações parece ter sido sensato do que é a comparecer perante o tribunal de Deus, e como não seguro será para nós insistir em alguma coisa em nós mesmos.
  • 16. 16 Portanto, são as palavras do mesmo Anselmo em suas Meditações: “Minha consciência mereceu condenação e meu arrependimento não é suficiente para a satisfação da justiça divina; mas o mais certo é que a tua misericórdia é abundante acima de toda ofensa.” E isso parece-me uma direção melhor do que aquelas mais recentemente dadas por alguns da igreja romana; - como a oração sugerida por Johan a um homem doente. Jerônimo, muito antes de Anselmo, falou para o mesmo propósito: “Quando chegar o dia do julgamento ou da morte, todas as mãos serão dissolvidas” (ou seja, desmaiarão ou cairão); “O qual é dito em outro lugar: “Fortalecei as mãos que pendem." Mas todas as mãos devem ser descaídas ” (isto é, toda a força e confiança dos homens falhará), porque não há obras a
  • 17. 17 serem encontradas que possam responder à justiça de Deus; pois nenhuma carne será justificada aos seus olhos. De onde o profeta diz no salmo: 'Se tu, Senhor, marcar a iniquidade, quem deve permanecer?'” E Ambrósio, com o mesmo objetivo: “Ninguém arrogue nada para si mesmo, ninguém se glorie em seus próprios méritos ou boas ações, ninguém se glorie de seu poder: todos esperemos encontrar misericórdia por nosso Senhor Jesus; pois todos estaremos diante do seu tribunal. Dele pedirei perdão, dele desejarei indulgência; que outra esperança existe para os pecadores?" Portanto, se os homens serão desligados de uma consideração contínua pela grandeza, santidade e majestade de Deus, por suas
  • 18. 18 invenções no calor da disputa; se eles se esquecem de uma consideração reverente sobre o que eles se tornarão, e com o que eles podem se comprometer quando estiverem diante de seu tribunal; eles podem se envolver em tais apreensões que não ousam respeitar em seu próprio julgamento pessoal. Pois “como deve o homem ser justo com Deus?” Por isso, foi observado que os próprios escolásticos, em suas meditações e escritos devocionais, onde eles tinham pensamentos imediatos de Deus, com quem eles tinham que lidar, falaram bem outra linguagem como a justificação diante de Deus do que eles fazem em suas disputas filosóficas e ardentes sobre isso. E preferia aprender o que alguns homens realmente julgam sobre suas próprias justificativas com suas orações do que com seus escritos.
  • 19. 19 Também não me lembro de que já ouvi algum homem bom em suas orações usar expressões sobre justificação, perdão de pecado e justiça diante de Deus, em que qualquer apelo de qualquer coisa em nós mesmos era apresentado ou utilizado. A oração de Daniel tem sido, neste assunto, a substância de suas súplicas: “A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê; aos homens de Judá, os moradores de Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto, quer os de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas transgressões que cometeram contra ti... Inclina, ó Deus meu, os ouvidos e ouve; abre os olhos e olha para a nossa desolação e
  • 20. 20 para a cidade que é chamada pelo teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias. Ó Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e age; não te retardes, por amor de ti mesmo, ó Deus meu; porque a tua cidade e o teu povo são chamados pelo teu nome.”, Dan. 9. 7, 18, 19. Ou o do salmista: “ Não entre em julgamento com teu servo, ó Senhor, pois aos seus olhos nenhum homem vivo será justificado ” , Sl. 143.2. Ou: “Se tu, Senhor, marcares iniquidades, ó Senhor, quem subsistirá? Mas há perdão contigo, para que sejas temido” , Sl. 130. 3, 4. Em quais palavras a exposição de Agostinho é notável, falando de Davi e aplicando-a a si mesmo: “E, embora possamos e devamos representar a Deus, em nossas súplicas, nossa fé ou no que acreditamos aqui, questiono muito se alguns homens podem encontrar em seus corações para orar e implorar diante dele, todos os argumentos e distinções que eles usam para provar o interesse de nossas obras e a obediência em nossa justificação diante dele, ou " entrar em julgamento " com ele nas conclusões que eles fazem deles.
  • 21. 21 Nem muitos serão satisfeitos para fazer uso daquela oração que Pelágio ensinou à viúva, que se opôs a ele no Sínodo Diospolitan: “Tu sabes, ó Senhor, quão santo, quão inocente, quão puro de todo engano e rapina, são as mãos que eu te estendo; quão justos, quão limpos de maldade, quão livres de mentira, são estes lábios com os quais eu faço orações a ti, para que tenhas piedade de mim.” E, no entanto, embora ele ensinou-lhe assim para pleitear sua própria pureza, inocência e justiça diante de Deus, ele o faz não como aqueles em que ela pode ser absolutamente justificado, mas apenas como condição de sua obtenção de misericórdia. Também não observei que quaisquer liturgias públicas (exceto as missas, em que há um recurso frequente aos méritos e intercessão dos santos) orientam os homens em suas orações diante de Deus para implorar qualquer coisa por sua aceitação com ele, ou como os meios ou condição disso, senão graça, misericórdia, a justiça e o sangue de Cristo somente. Portanto, não posso deixar de julgá-lo melhor (outros podem pensar nisso como bem entenderem), para aqueles que
  • 22. 22 ensinariam ou aprenderiam a doutrina da justificação de maneira adequada, colocarem suas consciências na presença de Deus e suas pessoas perante seu tribunal. e, depois de uma devida consideração de sua grandeza, poder, majestade, retidão, santidade, do terror de sua glória e autoridade soberana, para indagar o que as Escrituras e um senso de sua própria condição os direcionam para seu alívio e refúgio e para o apelo que devem fazer para eles mesmos. Pensamentos secretos de Deus e de nós mesmos, meditações em retirados, conduta do espírito em súplicas humildes, preparativos no leito de morte para uma aparição imediata diante de Deus, fé e amor no exercício de Cristo, falam outras coisas, na maioria das vezes, do que muitos defendem.