SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo,
Igreja ou Nação – Parte 3
Por John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
2
Mas, o dia da desolação dos israelitas que haviam
negado a Jesus se aproximou continuamente, e
quando o apóstolo escreveu sua Epístola aos
Hebreus, estava falando da entrada do juízo que
viria sobre eles, pelos romanos em 70DC. "Vede o
dia se aproximando". Hb 10:25
Portanto, podemos aprender:
(1.) Que na aproximação de
julgamentos desoladores em uma igreja ou nação
provocadora e pecadora, Deus tem o prazer de dar
sinais e insinuações anteriores de seu
descontentamento, tanto pelas obras da
Providência, quanto pela regra de sua Palavra. Tais
eram aqueles que foram citados aqui, por nosso
Salvador, em Lucas 13: 1-5.
Isto, digo, é o processo ordinário da Providência
divina; e, pode ser que nenhuma nação pagã ou
cristã pereceu sem perigo, sem advertências divinas
de sua desolação próxima.
Alguns, de fato parecem ser tirados com uma
ação surpreendente, quando Deus ameaça, Salmo
58: 9-11 - mas, isso é proveniente da própria
segurança carnal deles, e não por falta de avisos.
Assim, o velho mundo antes do dilúvio tinha
advertências suficientes de sua destruição, pela
pregação de Noé e pela construção da arca, pela
qual ele "condenou o mundo", Hebreus 11: 7, ou os
deixou inescusáveis para a vingança divina.
3
No entanto, eles não notaram essas coisas, mas
ficaram surpresos com o dilúvio, como se nunca
tivessem ouvido, nem visto nada que devesse dar-
lhes aviso disso, como nosso Salvador declara, em
Mateus 24: 38,39.
E, quando chegar a hora da destruição de Babilônia,
ela deve dizer naquele mesmo dia em que seus
juízos vierem sobre ela: "Eu me sento como uma
rainha, e não vejo tristeza", apesar de todas as
advertências no despejo das taças de julgamentos
anteriores. Apocalipse 18: 7, 8
(2.) É o auge da segurança carnal em tal época e
ocasião, negligenciar a consideração de
providências extraordinárias, ou mal interpretá-las
como qualquer coisa, exceto sinais de julgamentos
divinos que se aproximam, se não forem impedidos.
Nada pode ser questionado aqui, sem uma acusação
da sabedoria divina de nosso Senhor Jesus Cristo,
na interpretação e aplicação que ele faz
desses acidentes. Sem dúvida, foram negligenciadas
e desprezadas pelas coisas mais comuns;
considerar uma grande notícia de tais ocorrências é
estimado como fraqueza, covardia ou superstição.
Assim é por muitos neste dia, em que todas as coisas
como veremos depois, estão cheias de sinais de
desagrado divino, mas as coisas virão em breve para
outra conta. Enquanto isso, é seguro seguir este
exemplo divino, de modo a descobrir avisos
sagrados em tais ocorrências providenciais.
4
(Nota do Tradutor: Aquele que tem o poder e
governo em suas mãos não é o povo, conforme o
dito popular nos modernos regimes democráticos.
Quem detém de fato o poder não é sequer quem é
escolhido para presidir, mas os que têm maior peso
nas canetas que trazem em suas mãos nos demais
poderes que compõem a balança de pesos e
contrapesos (judiciário, legislativo, etc.), e mesmo
nestes há aqueles cujas canetas são mais pesadas do
que as dos demais, conforme temos observado no
mundo e na própria nação brasileira.
É preciso exercer efetivamente o poder executivo,
uma vez que se tenha sido indicado para ocupar a
posição de poder, senão este será impedido por
outros de atuar. Mas, quão difícil e até impossível
isto se torna, quando a mão que segura as dos que
possuem as canetas de veto ou sanção dos atos do
Executivo é a dos dominadores globais que são o
poder oculto, especialmente os megafinancistas,
pelo qual o mundo é regido.
Se o legislativo aprova leis que sejam contrárias aos
valores morais, e se estas são sancionadas pelo
judiciário, o executivo fica de mãos amarradas e tem
que se render a elas, mesmo que contrariem a
maioria da população.
Sabemos que os globalistas em todo o mundo têm
corrompido tais valores, e imposto práticas
anticristãs em seu lugar, e os que se levantarem
contra tal imposição serão penalizados.
5
Então, é vã a esperança de um governo de justiça no
mundo, antes que Jesus volte com poder e grande
glória.
Como Jesus diz que o Seu Reino não é deste mundo,
assim como Ele não é do mundo, tanto quanto os
crentes não são, então não se deve pensar que haja
qualquer expectativa da parte de Deus, em reformar
o mundo como um todo até a perfeição moral e
espiritual, para que Jesus possa retornar com poder
e glória para reinar sobre todas as nações da Terra.
Antes, Ele tem um juízo vingador sobre aqueles que
de antemão preparou como vasos de ira, para que
neles manifeste os seus justos juízos condenadores
da impiedade em que viveram, para que estabeleça
o Seu reino eterno com os vasos de misericórdia,
que também de antemão preparou, para mostrar
Sua bondade e amor para com eles, perdoando-lhes
todos os seus pecados. (Romanos 9)
Então, importa conhecer este caráter de justiça e
juízo de Deus, ao lado de Sua misericórdia,
conforme Ele se expressa em Sua Palavra, que é da
Sua vontade que assim o conheçamos: "mas o que se
gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que
eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e
justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz
o SENHOR." (Jeremias 9: 24)
Os juízos do Senhor consistem nas ameaças e
penalizações, que Ele fixou para as transgressões de
Suas leis e estatutos. Assim, pouco ou nada tem a
6
ver com os julgamentos de tribunais terrenos, em
que a pena é determinada pela transgressão não da
lei de Deus, mas das leis de cada nação.
Além disso, deve ser considerado que o modo e o
tempo da fixação das penas determinadas por Deus
são diferentes daqueles dos tribunais terrenos. Deus
é longânimo e tem fixado um Dia de Juízo Final,
quando todos terão que prestar contas diante dEle
de todos os seus atos realizados enquanto viviam na
Terra.
Devemos então, conhecer quais são os juízos do
Senhor e a sua forma de aplicação, a bem de nossas
almas. Estes juízos são ensinados na Bíblia, e podem
ser vistos sendo aplicados na história da
humanidade, de modo que venhamos a temer o
Senhor, e amar Suas leis e estatutos com um
coração voluntário, que é a única maneira de
agradá-Lo, para que nossa obediência a Ele e Sua
vontade seja de fato verdadeira.
Quando Deus buscou separar um povo para Si, Ele
não procurou uma nação forte e poderosa para lhe
dar alguns mandamentos para que fossem
observados, mas, começou a formar um povo a
partir de um homem (Abraão), ao qual deu
mandamentos, estatutos e juízos para serem
guardados por todos os seus descendentes, que
seriam trazidos à existência a partir de Isaque e
Jacó, respectivamente, seu filho e neto. Isto
prefigurava a formação de uma outra nação
espiritual que seria composta por pessoas de todas
7
as partes do mundo, por meio da fé em Jesus Cristo.
Por meio de Um, um povo numerosíssimo seria
trazido à existência. E este povo, seria lavado de seu
pecado no sangue de Jesus, e receberia uma nova
natureza para serem santificados por meio da
operação do Espírito Santo e aplicação da Lei em
suas mentes e corações.
Este povo de Deus é formado de forma separada e
recebendo mandamentos específicos para guardar,
de modo que se diferenciem dos modos e costumes
mundanos das nações. A não do Senhor deve ser em
essência uma nação santa (pura e separada, que
reflita o caráter do próprio Cristo).
A Lei é a prescrição do que se deve fazer ou não
fazer. Os juízos são as ameaças, penalidades e
cominações quanto à desobediência da Lei.
Como Juiz que é, Deus prescreveu leis e estatutos
(que regulam as leis), e também juízos para serem
observados, temidos e cumpridos, de forma
voluntária e com um coração puro, como podemos
ver nas passagens bíblicas que destacamos a seguir:
Gên 18.19; Êx 12.12; 28.30; Lev 18.4,5; 19.15, 35, 37;
20.22; 25,18; 26.15...43; Nm 36.13; Dt 1.17; 4.1,5,8;
5.31; 7.12; 11.1; 26.16; 2 Sm 22.23; 2 Reis 17.37.
Esdras 7.10; Salmo 19.9; 97.2; 119.7, 52; Pv 19.29;
21.3; Isaías 5.7; 26.9; 66.16; Jer 8.7; 9.24; 23.5;
25.31; Ez 5.8; 11.12; 36.27; 37.24; Joel 3.2; Amós
5.15; Mq 3.8; Mt 10.15; 11.22; 12.18,20; 23.14; João
5.24,29; 16.8,11; Atos 24.25; Rom 2.2,3,5. 5.18;
11.22; 2 Tes 1.5; Hb 9.27; Tg 2.13; 3.1; I Pe 4.17; II
Pe 2.9; 3.7; Apo 19.2.
8
No Velho Testamento é usado para juízo a palavra
hebraica mishpat, que significa julgamento,
condenação do erro, sentença de um juiz, punição
segundo a sentença, etc, e a sua equivalente no
Novo Testamento é a palavra grega krino.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf

Reavivamento e seus resultados
Reavivamento e seus resultadosReavivamento e seus resultados
Reavivamento e seus resultados
iasdvilaveronica
 
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
Deusdete Soares
 

Semelhante a Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf (20)

Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
Livreto: O maior erro das testemunhas de jeová.
 
Lição 11 - O Juízo Final
Lição 11 - O Juízo FinalLição 11 - O Juízo Final
Lição 11 - O Juízo Final
 
Reavivamento e seus resultados
Reavivamento e seus resultadosReavivamento e seus resultados
Reavivamento e seus resultados
 
Cristo, a lei e o evangelho_922014_GGR
Cristo, a lei e o evangelho_922014_GGRCristo, a lei e o evangelho_922014_GGR
Cristo, a lei e o evangelho_922014_GGR
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 053º trimestre 2015 juvenis lição 05
3º trimestre 2015 juvenis lição 05
 
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
 
7. EXPOSIÇÃO DE ROMANOS - C 1.17
7. EXPOSIÇÃO DE ROMANOS -  C  1.177. EXPOSIÇÃO DE ROMANOS -  C  1.17
7. EXPOSIÇÃO DE ROMANOS - C 1.17
 
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
EBD CPAD LIÇÕES BÍBLICAS 1° TRIMESTRE 2016 Lição 11 O juizo final.
 
A perpetuidade da Lei Deus - C. H. Spurgeon
A perpetuidade da Lei Deus - C. H. SpurgeonA perpetuidade da Lei Deus - C. H. Spurgeon
A perpetuidade da Lei Deus - C. H. Spurgeon
 
Do Conflito para a Vitoria - Richard Sibbes
Do Conflito para a Vitoria  - Richard SibbesDo Conflito para a Vitoria  - Richard Sibbes
Do Conflito para a Vitoria - Richard Sibbes
 
Cristo, o fim da lei_Lição_original com textos_722014
Cristo, o fim da lei_Lição_original com textos_722014Cristo, o fim da lei_Lição_original com textos_722014
Cristo, o fim da lei_Lição_original com textos_722014
 
Juízo final lição 11 completo
Juízo final   lição 11 completoJuízo final   lição 11 completo
Juízo final lição 11 completo
 
Deus, o legislador
Deus, o legisladorDeus, o legislador
Deus, o legislador
 
Nenhuma Condenação
Nenhuma CondenaçãoNenhuma Condenação
Nenhuma Condenação
 
O Juízo Final
O Juízo FinalO Juízo Final
O Juízo Final
 
Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51Deus requer santificação aos cristãos 51
Deus requer santificação aos cristãos 51
 
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
A perpetuidade da lei de deus (charles h. spurgeon)
 
Racismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos HumanosRacismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos Humanos
 
Cristo e a lei no Sermão da Montanha_Respostas_422014
Cristo e a lei no Sermão da Montanha_Respostas_422014Cristo e a lei no Sermão da Montanha_Respostas_422014
Cristo e a lei no Sermão da Montanha_Respostas_422014
 
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016
 

Mais de Silvio Dutra

Mais de Silvio Dutra (20)

Poder
PoderPoder
Poder
 
A Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma AliançaA Vida Alcançada por uma Aliança
A Vida Alcançada por uma Aliança
 
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
AJUSTE CRONOLÓGICO DAS VISÕES DO APOCALIPSE (segunda edição corrigida e ampli...
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdfSinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 4.pdf
 
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2Sinais e Ameaças de Julgamentos  de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 2
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 75.pdf
 
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz MundialO Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
O Pecado Inviabiliza a Paz Mundial
 
O Começo e o Fim
O Começo e o FimO Começo e o Fim
O Começo e o Fim
 
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John OwenA firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
A firmeza das promessas e a pecaminosidade de cambalear -John Owen
 
Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74Deus requer santificação aos cristãos 74
Deus requer santificação aos cristãos 74
 
Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73Deus requer santificação aos cristãos 73
Deus requer santificação aos cristãos 73
 
Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72Deus requer santificação aos cristãos 72
Deus requer santificação aos cristãos 72
 
Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71Deus requer santificação aos cristãos 71
Deus requer santificação aos cristãos 71
 
Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70Deus requer santificação aos cristãos 70
Deus requer santificação aos cristãos 70
 
Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69Deus requer santificação aos cristãos 69
Deus requer santificação aos cristãos 69
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68
 
Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67Deus requer santificação aos cristãos 67
Deus requer santificação aos cristãos 67
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65
 

Último (7)

Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 

Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3.pdf

  • 1. Sinais e Ameaças de Julgamentos de um Povo, Igreja ou Nação – Parte 3 Por John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
  • 2. 2 Mas, o dia da desolação dos israelitas que haviam negado a Jesus se aproximou continuamente, e quando o apóstolo escreveu sua Epístola aos Hebreus, estava falando da entrada do juízo que viria sobre eles, pelos romanos em 70DC. "Vede o dia se aproximando". Hb 10:25 Portanto, podemos aprender: (1.) Que na aproximação de julgamentos desoladores em uma igreja ou nação provocadora e pecadora, Deus tem o prazer de dar sinais e insinuações anteriores de seu descontentamento, tanto pelas obras da Providência, quanto pela regra de sua Palavra. Tais eram aqueles que foram citados aqui, por nosso Salvador, em Lucas 13: 1-5. Isto, digo, é o processo ordinário da Providência divina; e, pode ser que nenhuma nação pagã ou cristã pereceu sem perigo, sem advertências divinas de sua desolação próxima. Alguns, de fato parecem ser tirados com uma ação surpreendente, quando Deus ameaça, Salmo 58: 9-11 - mas, isso é proveniente da própria segurança carnal deles, e não por falta de avisos. Assim, o velho mundo antes do dilúvio tinha advertências suficientes de sua destruição, pela pregação de Noé e pela construção da arca, pela qual ele "condenou o mundo", Hebreus 11: 7, ou os deixou inescusáveis para a vingança divina.
  • 3. 3 No entanto, eles não notaram essas coisas, mas ficaram surpresos com o dilúvio, como se nunca tivessem ouvido, nem visto nada que devesse dar- lhes aviso disso, como nosso Salvador declara, em Mateus 24: 38,39. E, quando chegar a hora da destruição de Babilônia, ela deve dizer naquele mesmo dia em que seus juízos vierem sobre ela: "Eu me sento como uma rainha, e não vejo tristeza", apesar de todas as advertências no despejo das taças de julgamentos anteriores. Apocalipse 18: 7, 8 (2.) É o auge da segurança carnal em tal época e ocasião, negligenciar a consideração de providências extraordinárias, ou mal interpretá-las como qualquer coisa, exceto sinais de julgamentos divinos que se aproximam, se não forem impedidos. Nada pode ser questionado aqui, sem uma acusação da sabedoria divina de nosso Senhor Jesus Cristo, na interpretação e aplicação que ele faz desses acidentes. Sem dúvida, foram negligenciadas e desprezadas pelas coisas mais comuns; considerar uma grande notícia de tais ocorrências é estimado como fraqueza, covardia ou superstição. Assim é por muitos neste dia, em que todas as coisas como veremos depois, estão cheias de sinais de desagrado divino, mas as coisas virão em breve para outra conta. Enquanto isso, é seguro seguir este exemplo divino, de modo a descobrir avisos sagrados em tais ocorrências providenciais.
  • 4. 4 (Nota do Tradutor: Aquele que tem o poder e governo em suas mãos não é o povo, conforme o dito popular nos modernos regimes democráticos. Quem detém de fato o poder não é sequer quem é escolhido para presidir, mas os que têm maior peso nas canetas que trazem em suas mãos nos demais poderes que compõem a balança de pesos e contrapesos (judiciário, legislativo, etc.), e mesmo nestes há aqueles cujas canetas são mais pesadas do que as dos demais, conforme temos observado no mundo e na própria nação brasileira. É preciso exercer efetivamente o poder executivo, uma vez que se tenha sido indicado para ocupar a posição de poder, senão este será impedido por outros de atuar. Mas, quão difícil e até impossível isto se torna, quando a mão que segura as dos que possuem as canetas de veto ou sanção dos atos do Executivo é a dos dominadores globais que são o poder oculto, especialmente os megafinancistas, pelo qual o mundo é regido. Se o legislativo aprova leis que sejam contrárias aos valores morais, e se estas são sancionadas pelo judiciário, o executivo fica de mãos amarradas e tem que se render a elas, mesmo que contrariem a maioria da população. Sabemos que os globalistas em todo o mundo têm corrompido tais valores, e imposto práticas anticristãs em seu lugar, e os que se levantarem contra tal imposição serão penalizados.
  • 5. 5 Então, é vã a esperança de um governo de justiça no mundo, antes que Jesus volte com poder e grande glória. Como Jesus diz que o Seu Reino não é deste mundo, assim como Ele não é do mundo, tanto quanto os crentes não são, então não se deve pensar que haja qualquer expectativa da parte de Deus, em reformar o mundo como um todo até a perfeição moral e espiritual, para que Jesus possa retornar com poder e glória para reinar sobre todas as nações da Terra. Antes, Ele tem um juízo vingador sobre aqueles que de antemão preparou como vasos de ira, para que neles manifeste os seus justos juízos condenadores da impiedade em que viveram, para que estabeleça o Seu reino eterno com os vasos de misericórdia, que também de antemão preparou, para mostrar Sua bondade e amor para com eles, perdoando-lhes todos os seus pecados. (Romanos 9) Então, importa conhecer este caráter de justiça e juízo de Deus, ao lado de Sua misericórdia, conforme Ele se expressa em Sua Palavra, que é da Sua vontade que assim o conheçamos: "mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR." (Jeremias 9: 24) Os juízos do Senhor consistem nas ameaças e penalizações, que Ele fixou para as transgressões de Suas leis e estatutos. Assim, pouco ou nada tem a
  • 6. 6 ver com os julgamentos de tribunais terrenos, em que a pena é determinada pela transgressão não da lei de Deus, mas das leis de cada nação. Além disso, deve ser considerado que o modo e o tempo da fixação das penas determinadas por Deus são diferentes daqueles dos tribunais terrenos. Deus é longânimo e tem fixado um Dia de Juízo Final, quando todos terão que prestar contas diante dEle de todos os seus atos realizados enquanto viviam na Terra. Devemos então, conhecer quais são os juízos do Senhor e a sua forma de aplicação, a bem de nossas almas. Estes juízos são ensinados na Bíblia, e podem ser vistos sendo aplicados na história da humanidade, de modo que venhamos a temer o Senhor, e amar Suas leis e estatutos com um coração voluntário, que é a única maneira de agradá-Lo, para que nossa obediência a Ele e Sua vontade seja de fato verdadeira. Quando Deus buscou separar um povo para Si, Ele não procurou uma nação forte e poderosa para lhe dar alguns mandamentos para que fossem observados, mas, começou a formar um povo a partir de um homem (Abraão), ao qual deu mandamentos, estatutos e juízos para serem guardados por todos os seus descendentes, que seriam trazidos à existência a partir de Isaque e Jacó, respectivamente, seu filho e neto. Isto prefigurava a formação de uma outra nação espiritual que seria composta por pessoas de todas
  • 7. 7 as partes do mundo, por meio da fé em Jesus Cristo. Por meio de Um, um povo numerosíssimo seria trazido à existência. E este povo, seria lavado de seu pecado no sangue de Jesus, e receberia uma nova natureza para serem santificados por meio da operação do Espírito Santo e aplicação da Lei em suas mentes e corações. Este povo de Deus é formado de forma separada e recebendo mandamentos específicos para guardar, de modo que se diferenciem dos modos e costumes mundanos das nações. A não do Senhor deve ser em essência uma nação santa (pura e separada, que reflita o caráter do próprio Cristo). A Lei é a prescrição do que se deve fazer ou não fazer. Os juízos são as ameaças, penalidades e cominações quanto à desobediência da Lei. Como Juiz que é, Deus prescreveu leis e estatutos (que regulam as leis), e também juízos para serem observados, temidos e cumpridos, de forma voluntária e com um coração puro, como podemos ver nas passagens bíblicas que destacamos a seguir: Gên 18.19; Êx 12.12; 28.30; Lev 18.4,5; 19.15, 35, 37; 20.22; 25,18; 26.15...43; Nm 36.13; Dt 1.17; 4.1,5,8; 5.31; 7.12; 11.1; 26.16; 2 Sm 22.23; 2 Reis 17.37. Esdras 7.10; Salmo 19.9; 97.2; 119.7, 52; Pv 19.29; 21.3; Isaías 5.7; 26.9; 66.16; Jer 8.7; 9.24; 23.5; 25.31; Ez 5.8; 11.12; 36.27; 37.24; Joel 3.2; Amós 5.15; Mq 3.8; Mt 10.15; 11.22; 12.18,20; 23.14; João 5.24,29; 16.8,11; Atos 24.25; Rom 2.2,3,5. 5.18; 11.22; 2 Tes 1.5; Hb 9.27; Tg 2.13; 3.1; I Pe 4.17; II Pe 2.9; 3.7; Apo 19.2.
  • 8. 8 No Velho Testamento é usado para juízo a palavra hebraica mishpat, que significa julgamento, condenação do erro, sentença de um juiz, punição segundo a sentença, etc, e a sua equivalente no Novo Testamento é a palavra grega krino.