SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
1
2
João Calvino
Breve Forma de uma 
Confissão de Fé 
3
Breve Forma de uma Confissão de Fé
Traduzido a partir da versão em inglês
Brief Form of a Confession of Faith
João Calvino © Domínio Público
Original disponível em:
www.PRCA.org
Tradução e Produção:
www.FirelandMissions.com
Primeira edição: Março de 2014.
Todos os direitos desta publicação estão diponíveis sob a licença Creative                     
Commons Attribution­NonCommercial­NoDerivs 3.0 Unported License e pertencem             
ao site FirelandMissions.com. Você é livre para copiar, distribuir e transmitir esta                       
obra, desde que o crédito seja atribuído ao(s) seu(s) autor(es) ­ mas não de maneira                             
que sugira que este(s) concede(m) qualquer aval a você ou ao seu uso da obra.                             
Você não pode utilizar esta obra para finalidades comerciais, nem alterar seu                       
conteúdo, transforma­lo ou incrementa­lo.
4
Índice
Prefácio ….……………………………………………………………………………….... 06     
.
Breve Forma de uma Confissão de Fé ……………………………………………...…. 07                 
.
.
5
Prefácio
Calvino é, sem sombra de dúvida, uma das figuras mais controversas da teologia. Ao                           
mesmo tempo, aqueles que conhecem suas muitas obras ­ 59 volumes constando                       
das Institutas da Religião Cristã, comentários bíblicos, tratados teológicos, sermões                   
expositivos e cartas pessoais ­ dificilmente não o admiram. Aí é que está um dos                             
maiores problemas: muitos daqueles que o criticam, nunca sequer leram uma só                       
página escrita por ele. Ultimamente, algo ainda pior acontece: muitos dos que se                         
chamam calvinistas também não conhecem as obras daquele a quem afirmam                     
seguir.
Este é um dos menores escritos de Calvino, mas ainda assim, mostra­se importante                         
pelo seu propósito: "o uso daqueles que desejam ter um compêndio da religião cristã                           
sempre à mão". Com frases curtas e objetivas o autor discorre sobre doutrinas                         
essenciais como a trindade, soberania de Deus, criação, homem, pecado original,                     
salvação, santificação, oração, ética, governo da igreja, sacramentos e o magistrado                     
civil. Com um tom pastoral, grandes verdades da fé cristã são afirmadas, e com um                             
toque de apologética vários erros são rejeitados.
É minha sincera oração que esse breve escrito sirva de incentivo para que se                           
conheça mais da vasta e rica teologia produzida nos séculos XVI e XVII.
Soli Deo Gloria
Thiago McHertt
6
Breve Forma de uma Confissão de Fé
Para o Uso Daqueles que Desejam Ter um
Compêndio da Religião Cristã Sempre à Mão
Confesso que há um Deus, em quem devemos descansar, adorando e servindo­o, e                         
colocando toda nossa esperança somente nele. E embora ele seja um em essência,                         
todavia Ele é distinto em três pessoas. Portanto, abomino todas as heresias                       
condenadas pelo primeiro Concílio de Nicéia, e também aquelas condenadas pelo                     
de Éfeso e da Calcedônia, juntamente com todos os erros revividos por Servetus e                           
seus seguidores. Pois concordo com a visão simples que na uma essência de Deus                           
está o Pai, que desde a eternidade gerou o Seu próprio Verbo, e sempre teve em si                                 
mesmo Seu próprio Espírito, e que cada uma dessas pessoas tem suas                       
propriedades particulares, ainda assim que a Divindade sempre permanece                 
completa.
Da mesma forma, confesso que Deus criou não apenas o mundo visível (ou seja, os                             
céus e a terra, e tudo o que neles há), mas também os espíritos invisíveis, alguns dos                                 
quais continuaram obedientes a Deus, enquanto outros, pela sua própria                   
perversidade, lançaram­se na destruição. Reconheço que os primeiros foram                 
preservados por causa da livre eleição de Deus, que antes os amou e os envolveu                             
em sua bondade, concedendo a eles o poder de permanecer firmes e constantes. E                           
consequentemente abomino a heresia dos maniqueus, que criam que o diabo é mal                         
por natureza, e deriva sua origem e começo de si mesmo.
Confesso que outrora Deus criou o mundo para ser o seu governador perpétuo, mas                           
de tal forma que nada pode ser feito ou acontecer sem seu conselho e providência. E                               
embora Satã e os réprobos tramem a ruína de todas as coisas, e mesmo os próprios                               
cristão pervertem a ordem correta pelos seus pecados, ainda reconheço que o                       
Senhor, como o príncipe soberano e regente de tudo, faz com que o mal se faça em                                 
bem; em resumo, direciona todas as coisas como por um tipo de domínio secreto, e                             
prevalece sobre elas por um certo método admirável, que nos leva a adorar com toda                             
a submissão da mente, uma vez que não podemos compreender isso em                       
pensamento.
Confesso que o homem foi criado à imagem de Deus, ou seja, dotado de plena                             
7
integridade de espírito, vontade, e todas as partes da alma, faculdades e sentidos; e                           
que toda nossa corrupção, e os vícios que nos assolam, procedem disso, a saber,                           
que Adão, o pai comum a todos os homens, por sua rebelião, alienou a si mesmo de                                 
Deus, e abandonando a fonte da vida e de toda a bênção, fez a si mesmo sujeito a                                   
todas as misérias. É por isso que cada um de nós é nascido afetado com o pecado                                 
original, e amaldiçoado e condenado por Deus desde o ventre da sua mãe, não                           
apenas por conta do erro dos outros, mas por conta da depravação que está dentro                             
de nós, mesmo quando ela não aparece.
Confesso que no pecado original está incluso a cegueira da mente e a perversidade                           
do coração, de tal forma que somos totalmente corrompidos e destituídos de todas as                           
coisas relacionadas a vida eterna, e mesmo todos os dons naturais em nós estão                           
manchados e depravados. É por isso que de nenhuma forma somos movidos por                         
qualquer consideração a agir corretamente. Portanto, protesto contra aqueles que                   
atribuem a nós qualquer grau de livre­arbítrio, pelo qual podemos preparar a nós                         
mesmos para receber a graça de Deus, ou como se cooperar com o poder que nos é                                 
dado pelo Espírito Santo fosse algo de nós mesmos.
Confesso que pela infinita bondade de Deus, Jesus Cristo foi dado a nós, para que                             
por meio disso nós pudéssemos ser resgatados da morte para a vida, e recuperar                           
tudo o que perdemos em Adão; e que portanto, ele, que é a sabedoria eterna de                               
Deus Pai, e uma essência com ele, assumiu nossa carne, de modo a ser Deus e                               
homem em uma pessoa. Portanto eu odeio todas as heresias contrárias a esse                         
princípio, como as de Márcion, Manes, Nestório, Eutiques e similares, junto com os                         
delírios que Servetus e Schuencfeldius desejaram reviver.
Em relação à maneira de se obter a salvação, confesso que Jesus Cristo, por sua                             
morte e ressurreição, realizou da maneira mais completa tudo o que era requerido                         
para apagar nossas ofensas, a fim de nos reconciliar com Deus Pai, e triunfar sobre                             
a morte e Satã, para que pudéssemos obter o fruto da vitória; em suma, recebeu o                               
Espírito Santo sem medidas, para que com isso, tal medida possa ser concedida a                           
cada um dos seus seguidores conforme lhe apraz.
Portanto confesso que toda nossa justiça, pela qual somos aceitos por Deus, e na                           
única que devemos descansar totalmente, consiste na remissão dos pecados que                     
ele pagou por nós, lavando­nos no seu próprio sangue, e através daquele único                         
sacrifício pelo qual ele aplacou a ira de Deus que havia sido provocada contra nós.                             
E julgo intolerável o orgulho daqueles que atribuem a si mesmos uma única partícula                           
do mérito, no qual uma única partícula da esperança da salvação pode ser                         
encontrada.
8
Enquanto isso, no entanto, reconheço que Jesus Cristo não apenas nos justifica por                         
diminuir todas as nossas faltas e pecados, mas também nos justifica pelo seu                         
Espírito, de modo que as duas coisas (o livre perdão dos pecados e a reforma de                               
uma vida santa) não podem ser divididos e separados um do outro. Porém, uma vez                             
que até que deixemos esse mundo, muita impureza e muitos vícios permanecem em                         
nós (aos quais é devido que qualquer boa obra que façamos pela agência do                           
Espírito Santo, tem alguma mancha junto a elas), nós devemos sempre recorrer                       
aquela livre justiça que flui da obediência que Jesus Cristo cumpriu em nosso nome,                           
visto que é em seu nome que somos aceitos, e Deus não imputa a nós os nossos                                 
pecados.
Confesso que somos feitos participantes de Jesus Cristo, e de todas as suas                         
bênçãos, pela fé que temos no evangelho, ou seja, quando somos verdadeira e                         
certamente persuadidos que as promessas compreendidas no evangelho pertencem                 
a nós. Mas uma vez que tudo isso muito ultrapassa nossa capacidade, reconheço                         
que a fé é obtida por nós apenas através do Espírito de Deus, e assim é um dom                                   
especial que é dado apenas aos eleitos, a quem Deus, antes da fundação do                           
mundo, sem considerar qualquer mérito ou virtude neles, livremente predestinou                   
para herdar a salvação.
Confesso que somos justificados pela fé, na medida em que por ela nos apegamos a                             
Jesus Cristo, o Mediador dado a nós pelo Pai, e repousamos sobre as promessas do                             
evangelho, pela qual Deus declara que somos tidos como justos, e livres de toda                           
mácula, porque nossos pecados foram lavados pelo sangue do seu Filho. Portanto                       
odeio os delírios daqueles que tentam nos persuadir que a justiça essencial de Deus                           
existe em nós, e não estão satisfeitos com a livre imputação, a qual é a única que a                                   
Escritura nos ordena concordar.
Confesso que a fé nos dá acesso a Deus em oração (devemos orar com firme                             
confiança que ele nos ouvirá como prometeu), e que apenas a isso pertence a honra                             
de ser o sacrifício primário, pelo qual declaramos que nós atribuímos tudo o que                           
recebemos a ele. E embora sejamos obviamente indignos de nos apresentar diante                       
da majestade, contudo, se temos Jesus Cristo como nosso mediador e advogado,                       
nada mais é requerido de nós. Por isso eu abomino a superstição que alguns                           
inventaram de recorrer aos santos, homens e mulheres, como um tipo de advogado                         
nosso para com Deus.
Confesso que tanto a regra para viver adequadamente, e também a instrução na fé,                           
são mais plenamente entregues nas Sagradas Escrituras, as quais nada pode ­ sem                         
criminalidade ­ ser adicionado, e das quais nada pode ser puramente removido.                       
Portanto odeio toda a imaginação dos homens, a qual eles impõem sobre nós como                           
9
artigos de fé, e vinculam a nossas consciências por leis e estatutos. E assim eu                             
repudio em geral o que quer que tenha sido introduzido na adoração a Deus sem a                               
autoridade da Palavra de Deus. Deste tipo são todas as cerimônias papais. Em                         
resumo, detesto o fardo tirânico pelo qual consciências miseráveis têm sido                     
oprimidas ­ como a lei da confissão auricular, celibato e outras do mesmo tipo.
Confesso que a Igreja deve ser governada por pastores, aos quais tem sido confiado                           
o ofício da pregação da Palavra de Deus e a administração dos sacramentos; e que,                             
a fim de evitar confusão, não é lícito que ninguém usurpe esse ofício à vontade sem                               
eleição legítima. E se qualquer um que chamado a esse ofício não mostrar a                           
fidelidade devida no cumprimento dela, deve ser deposto. Todo seu poder consiste                       
em dirigir o povo confiado a eles de acordo com a Palavra de Deus, de tal forma que                                   
Jesus Cristo possa sempre permanecer o supremo pastor e o único senhor da Igreja,                           
e somente ele seja ouvido. Portanto, o que é chamado de hierarquia papal, abomino                           
como uma confusão diabólica, estabelecida a fim de fazer com que o próprio Deus                           
seja desprezado, e para expor a religião cristã a zombaria e escárnio.
Confesso que nossa fraqueza requer que os sacramentos sejam adicionados à                     
pregação da Palavra, como selos pelos quais as promessas de Deus são seladas                         
aos nosso corações, e que dois sacramentos foram ordenados por Cristo, a saber, o                           
batismo e a ceia do Senhor ­ o primeiro para nossa entrada na Igreja de Deus, o                                 
segundo para nos manter nela. Repudio os cinco sacramentos inventados pelos                     
papistas, e primeiramente inventado na sua própria mente. Mas embora os                     
sacramentos sejam um penhor pelos quais possamos estar seguros das promessas                     
de Deus, porém, reconheço que eles seriam inúteis a nós se o Santo Espírito não os                               
tornasse eficazes como instrumentos, para que nossa confiança, ficando presa a                     
criatura, não se afastasse de Deus. Mais que isso, ainda confesso que os                         
sacramentos são violados e pervertidos quando não são tidos como seu único                       
objetivo fazer­nos olhar para Cristo para cada coisa requerida para nossa salvação,                       
e onde quer que sejam empregados para qualquer outro propósito além de fixar                         
nossa fé completamente nele. Além disso, desde que a promessa da adoção                       
abrange até mesmo a posteridade dos cristãos, reconheço que os filhos dos cristãos                         
devem ser recebidos na Igreja pelo batismo; e quanto a essa questão, eu detesto os                             
delírios dos anabatistas.
Quanto a ceia do Senhor, confesso que ela é uma evidência da nossa união com                             
Cristo, desde que ele não apenas morreu uma única vez e ressuscitou por nós, mas                             
também nos alimenta e nutre verdadeiramente pela sua carne e seu sangue, de tal                           
forma que nós somos um com ele, e sua vida é comum a todos nós. Pois embora ele                                   
esteja no céu por um breve período até que venha para julgar o mundo, creio que                               
ele, através da secreta e incompreensível agência do seu Espírito, confere vida a                         
10
nossa alma pela substância da sua carne e sangue. Em geral, confesso que, na                           
ceia, assim como no batismo, Deus confere na realidade e efetivamente tudo aquilo                         
que ele ilustra neles, mas que para receber deste grande benefício requeremos unir                         
a palavra aos sinais. Nesta questão eu detesto o abuso e perversão dos papistas,                           
que tem privado os sacramentos da sua parte principal, a saber, a doutrina que                           
ensina o verdadeiro uso e benefício que flui deles, e os transformaram em                         
imposturas mágicas.
Igualmente confesso que a água, embora seja um elemento que desaparece                     
gradualmente, verdadeiramente testifica a nós no batismo a verdadeira presença do                     
sangue de Jesus Cristo, e do seu Espírito; e que na ceia do Senhor, o pão e o vinho                                     
são para nós, e de nenhuma maneira são promessas falaciosas, que somos                       
espiritualmente nutridos pela carne e sangue de Cristo. E assim uno aos sinais a                           
propriedade e usufruto do que neles nos é oferecido. Da mesma forma, visto que a                             
ceia sagrada como instituída por Jesus Cristo é para nós um tesouro sagrado de                           
infinito valor, detesto como sacrilégio intolerável a execrável abominação da missa,                     
inútil para qualquer coisa além de contrariar tudo o que Cristo nos deixou, tanto                           
naquilo que é dito ser um sacrifício pelos vivos e pelos mortos, como também em                             
todas as outras coisas que são diametralmente opostas a pureza do sacramento da                         
ceia do Senhor.
Confesso que Deus quer que o mundo seja governado por leis e pela política, a fim                               
de que o governo não deixasse de inibir os movimentos descontrolados dos                       
homens, e para este fim ele estabeleceu reinados, principados e domínios, e tudo o                           
que é relacionado a jurisdição civil; coisas das quais ele deseja ser considerado o                           
autor; para que não apenas autoridade deles esteja submissa a sua causa, mas                         
devemos também reverenciar e honrar os governantes como vice­gerentes de Deus                     
e ministros apontados por ele para desempenhar uma legítima e sagrada função. E                         
portanto eu reconheço que é correto obedecer suas leis e estatutos, pagar impostos,                         
taxas e outras coisas da mesma natureza; em suma, suportar o jugo da sujeição                           
voluntariamente e de bom grado; porém, com uma exceção, que a autoridade de                         
Deus, o príncipe soberano, permaneça sempre completa e intacta.
11
.
12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As exigências de deus spurgeon
As exigências de deus   spurgeonAs exigências de deus   spurgeon
As exigências de deus spurgeonDeusdete Soares
 
As doutrinas da graça não levam ao pecado charles haddon spurgeon
As doutrinas da graça não levam ao pecado   charles haddon spurgeonAs doutrinas da graça não levam ao pecado   charles haddon spurgeon
As doutrinas da graça não levam ao pecado charles haddon spurgeonDeusdete Soares
 
Deus requer santificação aos cristãos 35
Deus requer santificação aos cristãos 35Deus requer santificação aos cristãos 35
Deus requer santificação aos cristãos 35Silvio Dutra
 
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesA Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesSilvio Dutra
 
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwards
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwardsAquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwards
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwardsDeusdete Soares
 
Deus requer santificação aos cristãos 62
Deus requer santificação aos cristãos 62Deus requer santificação aos cristãos 62
Deus requer santificação aos cristãos 62Silvio Dutra
 
A salvação pertence ao senhor charles haddon spurgeon
A salvação pertence ao senhor   charles haddon spurgeonA salvação pertence ao senhor   charles haddon spurgeon
A salvação pertence ao senhor charles haddon spurgeonDeusdete Soares
 
Exame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livretoExame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livretoAlexandria Católica
 
Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 18
Deus requer santificação aos cristãos 18Deus requer santificação aos cristãos 18
Deus requer santificação aos cristãos 18Silvio Dutra
 
A livre graça charles haddon spurgeon
A livre graça   charles haddon spurgeonA livre graça   charles haddon spurgeon
A livre graça charles haddon spurgeonDeusdete Soares
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas HookerSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 33
Deus requer santificação aos cristãos 33Deus requer santificação aos cristãos 33
Deus requer santificação aos cristãos 33Silvio Dutra
 
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014Gerson G. Ramos
 
Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Silvio Dutra
 
As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5Silvio Dutra
 

Mais procurados (20)

As exigências de deus spurgeon
As exigências de deus   spurgeonAs exigências de deus   spurgeon
As exigências de deus spurgeon
 
As doutrinas da graça não levam ao pecado charles haddon spurgeon
As doutrinas da graça não levam ao pecado   charles haddon spurgeonAs doutrinas da graça não levam ao pecado   charles haddon spurgeon
As doutrinas da graça não levam ao pecado charles haddon spurgeon
 
Deus requer santificação aos cristãos 35
Deus requer santificação aos cristãos 35Deus requer santificação aos cristãos 35
Deus requer santificação aos cristãos 35
 
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard SibbesA Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
A Dificuldade de Salvação - Richard Sibbes
 
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwards
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwardsAquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwards
Aquietai vos e sabei que eu sou deus - jonathan edwards
 
Deus requer santificação aos cristãos 62
Deus requer santificação aos cristãos 62Deus requer santificação aos cristãos 62
Deus requer santificação aos cristãos 62
 
A salvação pertence ao senhor charles haddon spurgeon
A salvação pertence ao senhor   charles haddon spurgeonA salvação pertence ao senhor   charles haddon spurgeon
A salvação pertence ao senhor charles haddon spurgeon
 
Exame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livretoExame de consciência para adultos livreto
Exame de consciência para adultos livreto
 
Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55Deus requer santificação aos cristãos 55
Deus requer santificação aos cristãos 55
 
Adversidade
AdversidadeAdversidade
Adversidade
 
Deus requer santificação aos cristãos 18
Deus requer santificação aos cristãos 18Deus requer santificação aos cristãos 18
Deus requer santificação aos cristãos 18
 
A livre graça charles haddon spurgeon
A livre graça   charles haddon spurgeonA livre graça   charles haddon spurgeon
A livre graça charles haddon spurgeon
 
Santa brigida
Santa brigidaSanta brigida
Santa brigida
 
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas HookerA Preparação da Alma para Cristo  - Parte 3 - Thomas Hooker
A Preparação da Alma para Cristo - Parte 3 - Thomas Hooker
 
Deus requer santificação aos cristãos 33
Deus requer santificação aos cristãos 33Deus requer santificação aos cristãos 33
Deus requer santificação aos cristãos 33
 
Adversidade
AdversidadeAdversidade
Adversidade
 
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
Estudo adicional_Crescimento em Cristo_632014
 
Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64Deus requer santificação aos cristãos 64
Deus requer santificação aos cristãos 64
 
Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63Deus requer santificação aos cristãos 63
Deus requer santificação aos cristãos 63
 
As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5As batalhas espirituais finais – parte 5
As batalhas espirituais finais – parte 5
 

Destaque

As institutas - João Calvino 04 classica
As institutas - João Calvino 04   classicaAs institutas - João Calvino 04   classica
As institutas - João Calvino 04 classicaRosangela Borkoski
 
As Institutas - João Calvino 02 classica
As Institutas - João Calvino 02   classicaAs Institutas - João Calvino 02   classica
As Institutas - João Calvino 02 classicaRosangela Borkoski
 
As Institutas - João Calvino 03 classica
As Institutas - João Calvino 03   classicaAs Institutas - João Calvino 03   classica
As Institutas - João Calvino 03 classicaRosangela Borkoski
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IV
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IVAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IV
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IVTeol. Sandra Ferreira
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL III
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IIIAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL III
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IIITeol. Sandra Ferreira
 
As institutas 01 estudo
 As institutas 01   estudo As institutas 01   estudo
As institutas 01 estudoJonatas Mendes
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL II
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IIAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL II
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IITeol. Sandra Ferreira
 
Livro da oração comum loc
Livro da oração comum   locLivro da oração comum   loc
Livro da oração comum locDouglas Martins
 
Os legados da reforma protestante 5
Os legados da reforma protestante 5Os legados da reforma protestante 5
Os legados da reforma protestante 5Pedro Siena
 
As marcas da igreja na teologia reformada
As marcas da igreja na teologia reformadaAs marcas da igreja na teologia reformada
As marcas da igreja na teologia reformadaLaressa Guimarães
 
A pura pregação da Palavra de Deus - João Calvino
A pura pregação da Palavra de Deus - João CalvinoA pura pregação da Palavra de Deus - João Calvino
A pura pregação da Palavra de Deus - João CalvinoIgreja Vitória
 
Jesus e as estruturas de seu tempo
Jesus e as estruturas de seu tempoJesus e as estruturas de seu tempo
Jesus e as estruturas de seu tempoRosangela Borkoski
 
Comentario Biblico Isaías vol 3
Comentario Biblico Isaías vol 3Comentario Biblico Isaías vol 3
Comentario Biblico Isaías vol 3Rosangela Borkoski
 
Comentario Biblico Isaías vol 1
Comentario Biblico Isaías vol 1Comentario Biblico Isaías vol 1
Comentario Biblico Isaías vol 1Rosangela Borkoski
 
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historica
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historicaLivro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historica
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historicaSamuel Rodrigues
 

Destaque (17)

As institutas - João Calvino 04 classica
As institutas - João Calvino 04   classicaAs institutas - João Calvino 04   classica
As institutas - João Calvino 04 classica
 
As Institutas - João Calvino 02 classica
As Institutas - João Calvino 02   classicaAs Institutas - João Calvino 02   classica
As Institutas - João Calvino 02 classica
 
As Institutas - João Calvino 03 classica
As Institutas - João Calvino 03   classicaAs Institutas - João Calvino 03   classica
As Institutas - João Calvino 03 classica
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IV
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IVAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IV
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IV
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL III
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IIIAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL III
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL III
 
As institutas 01 estudo
 As institutas 01   estudo As institutas 01   estudo
As institutas 01 estudo
 
Breve instrução cristã
Breve instrução cristãBreve instrução cristã
Breve instrução cristã
 
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL II
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL IIAS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL II
AS INSTITUTAS - TRATADO DA RELIGIÃO CRISTÃ - JOÃO CALVINO - VOL II
 
Livro da oração comum loc
Livro da oração comum   locLivro da oração comum   loc
Livro da oração comum loc
 
Os legados da reforma protestante 5
Os legados da reforma protestante 5Os legados da reforma protestante 5
Os legados da reforma protestante 5
 
As marcas da igreja na teologia reformada
As marcas da igreja na teologia reformadaAs marcas da igreja na teologia reformada
As marcas da igreja na teologia reformada
 
A pura pregação da Palavra de Deus - João Calvino
A pura pregação da Palavra de Deus - João CalvinoA pura pregação da Palavra de Deus - João Calvino
A pura pregação da Palavra de Deus - João Calvino
 
Jesus e as estruturas de seu tempo
Jesus e as estruturas de seu tempoJesus e as estruturas de seu tempo
Jesus e as estruturas de seu tempo
 
Comentario Biblico Isaías vol 3
Comentario Biblico Isaías vol 3Comentario Biblico Isaías vol 3
Comentario Biblico Isaías vol 3
 
Comentario Biblico Isaías vol 1
Comentario Biblico Isaías vol 1Comentario Biblico Isaías vol 1
Comentario Biblico Isaías vol 1
 
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historica
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historicaLivro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historica
Livro ebook-teologia-sistematica-biblica-e-historica
 
EFÉSIOS - JOÃO CALVINO
EFÉSIOS - JOÃO CALVINO EFÉSIOS - JOÃO CALVINO
EFÉSIOS - JOÃO CALVINO
 

Semelhante a Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino

As batalhas espirituais finais - parte 8
As batalhas espirituais finais  - parte 8As batalhas espirituais finais  - parte 8
As batalhas espirituais finais - parte 8Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Silvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Silvio Dutra
 
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1Silvio Dutra
 
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John OwenTratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John OwenSilvio Dutra
 
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas Hooker
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas HookerPara o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas Hooker
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas HookerSilvio Dutra
 
Deus requer santificação aos cristãos 6
Deus requer santificação aos cristãos 6Deus requer santificação aos cristãos 6
Deus requer santificação aos cristãos 6Silvio Dutra
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfSilvio Dutra
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher LoveSilvio Dutra
 
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveMortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveSilvio Dutra
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxKARINEVONEYVIEIRABAR
 
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintosh
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintoshA total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintosh
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintoshDavidson Da Costa Ramos
 
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)FABIANO FERREIRA
 
Deus requer santificação aos cristãos 4
Deus requer santificação aos cristãos 4Deus requer santificação aos cristãos 4
Deus requer santificação aos cristãos 4Silvio Dutra
 
Um espírito evangélico
Um espírito evangélicoUm espírito evangélico
Um espírito evangélicoSilvio Dutra
 
Avaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaAvaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaSilvio Dutra
 

Semelhante a Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino (20)

As batalhas espirituais finais - parte 8
As batalhas espirituais finais  - parte 8As batalhas espirituais finais  - parte 8
As batalhas espirituais finais - parte 8
 
Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66Deus requer santificação aos cristãos 66
Deus requer santificação aos cristãos 66
 
Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36Deus requer santificação aos cristãos 36
Deus requer santificação aos cristãos 36
 
Traducaoknox libre
Traducaoknox libreTraducaoknox libre
Traducaoknox libre
 
Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68Deus requer santificação aos cristãos 68
Deus requer santificação aos cristãos 68
 
Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48Deus requer santificação aos cristãos 48
Deus requer santificação aos cristãos 48
 
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
A Preparação da Alma para Cristo – Parte 1
 
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John OwenTratado sobre o Espirito Santo   livro iv - parte 2 - John Owen
Tratado sobre o Espirito Santo livro iv - parte 2 - John Owen
 
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas Hooker
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas HookerPara o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas Hooker
Para o p Pobre Cristão Duvidoso - Thomas Hooker
 
Deus requer santificação aos cristãos 6
Deus requer santificação aos cristãos 6Deus requer santificação aos cristãos 6
Deus requer santificação aos cristãos 6
 
Olhando Para o Alto (OA) - MM
Olhando Para o Alto (OA) - MMOlhando Para o Alto (OA) - MM
Olhando Para o Alto (OA) - MM
 
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdfDeus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
Deus Requer Santificação aos Cristãos 76.pdf
 
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
Mortificação do pecado 4  - Christopher LoveMortificação do pecado 4  - Christopher Love
Mortificação do pecado 4 - Christopher Love
 
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher LoveMortificação do pecado 2 - Christopher Love
Mortificação do pecado 2 - Christopher Love
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintosh
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintoshA total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintosh
A total-suficiencia-de-cristo-c-h-mackintosh
 
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)
Os trinta e nove artigos da religião2015 (2)
 
Deus requer santificação aos cristãos 4
Deus requer santificação aos cristãos 4Deus requer santificação aos cristãos 4
Deus requer santificação aos cristãos 4
 
Um espírito evangélico
Um espírito evangélicoUm espírito evangélico
Um espírito evangélico
 
Avaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus AvaliaAvaliando Como Deus Avalia
Avaliando Como Deus Avalia
 

Mais de Igreja Vitória

Comentário à Carta aos Gálatas - João Calvino
Comentário à Carta aos Gálatas - João CalvinoComentário à Carta aos Gálatas - João Calvino
Comentário à Carta aos Gálatas - João CalvinoIgreja Vitória
 
A guerra pela verdade - John MaCarthur
A guerra pela verdade - John MaCarthurA guerra pela verdade - John MaCarthur
A guerra pela verdade - John MaCarthurIgreja Vitória
 
Nossa herança reformada - Joel Beeke
Nossa herança reformada - Joel BeekeNossa herança reformada - Joel Beeke
Nossa herança reformada - Joel BeekeIgreja Vitória
 
Crer é tambem pensar - John Stott
Crer é tambem pensar - John StottCrer é tambem pensar - John Stott
Crer é tambem pensar - John StottIgreja Vitória
 
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan Edwards
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan EdwardsDeus a melhor porção do cristão - Jonathan Edwards
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan EdwardsIgreja Vitória
 
A doutrina da eleição - João Calvino
A doutrina da eleição - João CalvinoA doutrina da eleição - João Calvino
A doutrina da eleição - João CalvinoIgreja Vitória
 
A gloriosa predestinação - C. H. Spurgeon
A gloriosa predestinação - C. H. SpurgeonA gloriosa predestinação - C. H. Spurgeon
A gloriosa predestinação - C. H. SpurgeonIgreja Vitória
 
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonO que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonIgreja Vitória
 
Boletim Igreja Vitória 2014 246 - 191014
Boletim Igreja Vitória 2014   246 - 191014Boletim Igreja Vitória 2014   246 - 191014
Boletim Igreja Vitória 2014 246 - 191014Igreja Vitória
 

Mais de Igreja Vitória (10)

Comentário à Carta aos Gálatas - João Calvino
Comentário à Carta aos Gálatas - João CalvinoComentário à Carta aos Gálatas - João Calvino
Comentário à Carta aos Gálatas - João Calvino
 
Amor - C. H. Spurgeon
Amor - C. H. SpurgeonAmor - C. H. Spurgeon
Amor - C. H. Spurgeon
 
A guerra pela verdade - John MaCarthur
A guerra pela verdade - John MaCarthurA guerra pela verdade - John MaCarthur
A guerra pela verdade - John MaCarthur
 
Nossa herança reformada - Joel Beeke
Nossa herança reformada - Joel BeekeNossa herança reformada - Joel Beeke
Nossa herança reformada - Joel Beeke
 
Crer é tambem pensar - John Stott
Crer é tambem pensar - John StottCrer é tambem pensar - John Stott
Crer é tambem pensar - John Stott
 
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan Edwards
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan EdwardsDeus a melhor porção do cristão - Jonathan Edwards
Deus a melhor porção do cristão - Jonathan Edwards
 
A doutrina da eleição - João Calvino
A doutrina da eleição - João CalvinoA doutrina da eleição - João Calvino
A doutrina da eleição - João Calvino
 
A gloriosa predestinação - C. H. Spurgeon
A gloriosa predestinação - C. H. SpurgeonA gloriosa predestinação - C. H. Spurgeon
A gloriosa predestinação - C. H. Spurgeon
 
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. SpurgeonO que é avivamento? - C. H. Spurgeon
O que é avivamento? - C. H. Spurgeon
 
Boletim Igreja Vitória 2014 246 - 191014
Boletim Igreja Vitória 2014   246 - 191014Boletim Igreja Vitória 2014   246 - 191014
Boletim Igreja Vitória 2014 246 - 191014
 

Último

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusVini Master
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19PIB Penha
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 

Último (12)

Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 

Breve forma de uma confissão de fé - João Calvino

  • 1. 1
  • 2. 2
  • 4. Breve Forma de uma Confissão de Fé Traduzido a partir da versão em inglês Brief Form of a Confession of Faith João Calvino © Domínio Público Original disponível em: www.PRCA.org Tradução e Produção: www.FirelandMissions.com Primeira edição: Março de 2014. Todos os direitos desta publicação estão diponíveis sob a licença Creative                      Commons Attribution­NonCommercial­NoDerivs 3.0 Unported License e pertencem              ao site FirelandMissions.com. Você é livre para copiar, distribuir e transmitir esta                        obra, desde que o crédito seja atribuído ao(s) seu(s) autor(es) ­ mas não de maneira                              que sugira que este(s) concede(m) qualquer aval a você ou ao seu uso da obra.                              Você não pode utilizar esta obra para finalidades comerciais, nem alterar seu                        conteúdo, transforma­lo ou incrementa­lo. 4
  • 5. Índice Prefácio ….……………………………………………………………………………….... 06      . Breve Forma de uma Confissão de Fé ……………………………………………...…. 07                  . . 5
  • 6. Prefácio Calvino é, sem sombra de dúvida, uma das figuras mais controversas da teologia. Ao                            mesmo tempo, aqueles que conhecem suas muitas obras ­ 59 volumes constando                        das Institutas da Religião Cristã, comentários bíblicos, tratados teológicos, sermões                    expositivos e cartas pessoais ­ dificilmente não o admiram. Aí é que está um dos                              maiores problemas: muitos daqueles que o criticam, nunca sequer leram uma só                        página escrita por ele. Ultimamente, algo ainda pior acontece: muitos dos que se                          chamam calvinistas também não conhecem as obras daquele a quem afirmam                      seguir. Este é um dos menores escritos de Calvino, mas ainda assim, mostra­se importante                          pelo seu propósito: "o uso daqueles que desejam ter um compêndio da religião cristã                            sempre à mão". Com frases curtas e objetivas o autor discorre sobre doutrinas                          essenciais como a trindade, soberania de Deus, criação, homem, pecado original,                      salvação, santificação, oração, ética, governo da igreja, sacramentos e o magistrado                      civil. Com um tom pastoral, grandes verdades da fé cristã são afirmadas, e com um                              toque de apologética vários erros são rejeitados. É minha sincera oração que esse breve escrito sirva de incentivo para que se                            conheça mais da vasta e rica teologia produzida nos séculos XVI e XVII. Soli Deo Gloria Thiago McHertt 6
  • 7. Breve Forma de uma Confissão de Fé Para o Uso Daqueles que Desejam Ter um Compêndio da Religião Cristã Sempre à Mão Confesso que há um Deus, em quem devemos descansar, adorando e servindo­o, e                          colocando toda nossa esperança somente nele. E embora ele seja um em essência,                          todavia Ele é distinto em três pessoas. Portanto, abomino todas as heresias                        condenadas pelo primeiro Concílio de Nicéia, e também aquelas condenadas pelo                      de Éfeso e da Calcedônia, juntamente com todos os erros revividos por Servetus e                            seus seguidores. Pois concordo com a visão simples que na uma essência de Deus                            está o Pai, que desde a eternidade gerou o Seu próprio Verbo, e sempre teve em si                                  mesmo Seu próprio Espírito, e que cada uma dessas pessoas tem suas                        propriedades particulares, ainda assim que a Divindade sempre permanece                  completa. Da mesma forma, confesso que Deus criou não apenas o mundo visível (ou seja, os                              céus e a terra, e tudo o que neles há), mas também os espíritos invisíveis, alguns dos                                  quais continuaram obedientes a Deus, enquanto outros, pela sua própria                    perversidade, lançaram­se na destruição. Reconheço que os primeiros foram                  preservados por causa da livre eleição de Deus, que antes os amou e os envolveu                              em sua bondade, concedendo a eles o poder de permanecer firmes e constantes. E                            consequentemente abomino a heresia dos maniqueus, que criam que o diabo é mal                          por natureza, e deriva sua origem e começo de si mesmo. Confesso que outrora Deus criou o mundo para ser o seu governador perpétuo, mas                            de tal forma que nada pode ser feito ou acontecer sem seu conselho e providência. E                                embora Satã e os réprobos tramem a ruína de todas as coisas, e mesmo os próprios                                cristão pervertem a ordem correta pelos seus pecados, ainda reconheço que o                        Senhor, como o príncipe soberano e regente de tudo, faz com que o mal se faça em                                  bem; em resumo, direciona todas as coisas como por um tipo de domínio secreto, e                              prevalece sobre elas por um certo método admirável, que nos leva a adorar com toda                              a submissão da mente, uma vez que não podemos compreender isso em                        pensamento. Confesso que o homem foi criado à imagem de Deus, ou seja, dotado de plena                              7
  • 8. integridade de espírito, vontade, e todas as partes da alma, faculdades e sentidos; e                            que toda nossa corrupção, e os vícios que nos assolam, procedem disso, a saber,                            que Adão, o pai comum a todos os homens, por sua rebelião, alienou a si mesmo de                                  Deus, e abandonando a fonte da vida e de toda a bênção, fez a si mesmo sujeito a                                    todas as misérias. É por isso que cada um de nós é nascido afetado com o pecado                                  original, e amaldiçoado e condenado por Deus desde o ventre da sua mãe, não                            apenas por conta do erro dos outros, mas por conta da depravação que está dentro                              de nós, mesmo quando ela não aparece. Confesso que no pecado original está incluso a cegueira da mente e a perversidade                            do coração, de tal forma que somos totalmente corrompidos e destituídos de todas as                            coisas relacionadas a vida eterna, e mesmo todos os dons naturais em nós estão                            manchados e depravados. É por isso que de nenhuma forma somos movidos por                          qualquer consideração a agir corretamente. Portanto, protesto contra aqueles que                    atribuem a nós qualquer grau de livre­arbítrio, pelo qual podemos preparar a nós                          mesmos para receber a graça de Deus, ou como se cooperar com o poder que nos é                                  dado pelo Espírito Santo fosse algo de nós mesmos. Confesso que pela infinita bondade de Deus, Jesus Cristo foi dado a nós, para que                              por meio disso nós pudéssemos ser resgatados da morte para a vida, e recuperar                            tudo o que perdemos em Adão; e que portanto, ele, que é a sabedoria eterna de                                Deus Pai, e uma essência com ele, assumiu nossa carne, de modo a ser Deus e                                homem em uma pessoa. Portanto eu odeio todas as heresias contrárias a esse                          princípio, como as de Márcion, Manes, Nestório, Eutiques e similares, junto com os                          delírios que Servetus e Schuencfeldius desejaram reviver. Em relação à maneira de se obter a salvação, confesso que Jesus Cristo, por sua                              morte e ressurreição, realizou da maneira mais completa tudo o que era requerido                          para apagar nossas ofensas, a fim de nos reconciliar com Deus Pai, e triunfar sobre                              a morte e Satã, para que pudéssemos obter o fruto da vitória; em suma, recebeu o                                Espírito Santo sem medidas, para que com isso, tal medida possa ser concedida a                            cada um dos seus seguidores conforme lhe apraz. Portanto confesso que toda nossa justiça, pela qual somos aceitos por Deus, e na                            única que devemos descansar totalmente, consiste na remissão dos pecados que                      ele pagou por nós, lavando­nos no seu próprio sangue, e através daquele único                          sacrifício pelo qual ele aplacou a ira de Deus que havia sido provocada contra nós.                              E julgo intolerável o orgulho daqueles que atribuem a si mesmos uma única partícula                            do mérito, no qual uma única partícula da esperança da salvação pode ser                          encontrada. 8
  • 9. Enquanto isso, no entanto, reconheço que Jesus Cristo não apenas nos justifica por                          diminuir todas as nossas faltas e pecados, mas também nos justifica pelo seu                          Espírito, de modo que as duas coisas (o livre perdão dos pecados e a reforma de                                uma vida santa) não podem ser divididos e separados um do outro. Porém, uma vez                              que até que deixemos esse mundo, muita impureza e muitos vícios permanecem em                          nós (aos quais é devido que qualquer boa obra que façamos pela agência do                            Espírito Santo, tem alguma mancha junto a elas), nós devemos sempre recorrer                        aquela livre justiça que flui da obediência que Jesus Cristo cumpriu em nosso nome,                            visto que é em seu nome que somos aceitos, e Deus não imputa a nós os nossos                                  pecados. Confesso que somos feitos participantes de Jesus Cristo, e de todas as suas                          bênçãos, pela fé que temos no evangelho, ou seja, quando somos verdadeira e                          certamente persuadidos que as promessas compreendidas no evangelho pertencem                  a nós. Mas uma vez que tudo isso muito ultrapassa nossa capacidade, reconheço                          que a fé é obtida por nós apenas através do Espírito de Deus, e assim é um dom                                    especial que é dado apenas aos eleitos, a quem Deus, antes da fundação do                            mundo, sem considerar qualquer mérito ou virtude neles, livremente predestinou                    para herdar a salvação. Confesso que somos justificados pela fé, na medida em que por ela nos apegamos a                              Jesus Cristo, o Mediador dado a nós pelo Pai, e repousamos sobre as promessas do                              evangelho, pela qual Deus declara que somos tidos como justos, e livres de toda                            mácula, porque nossos pecados foram lavados pelo sangue do seu Filho. Portanto                        odeio os delírios daqueles que tentam nos persuadir que a justiça essencial de Deus                            existe em nós, e não estão satisfeitos com a livre imputação, a qual é a única que a                                    Escritura nos ordena concordar. Confesso que a fé nos dá acesso a Deus em oração (devemos orar com firme                              confiança que ele nos ouvirá como prometeu), e que apenas a isso pertence a honra                              de ser o sacrifício primário, pelo qual declaramos que nós atribuímos tudo o que                            recebemos a ele. E embora sejamos obviamente indignos de nos apresentar diante                        da majestade, contudo, se temos Jesus Cristo como nosso mediador e advogado,                        nada mais é requerido de nós. Por isso eu abomino a superstição que alguns                            inventaram de recorrer aos santos, homens e mulheres, como um tipo de advogado                          nosso para com Deus. Confesso que tanto a regra para viver adequadamente, e também a instrução na fé,                            são mais plenamente entregues nas Sagradas Escrituras, as quais nada pode ­ sem                          criminalidade ­ ser adicionado, e das quais nada pode ser puramente removido.                        Portanto odeio toda a imaginação dos homens, a qual eles impõem sobre nós como                            9
  • 10. artigos de fé, e vinculam a nossas consciências por leis e estatutos. E assim eu                              repudio em geral o que quer que tenha sido introduzido na adoração a Deus sem a                                autoridade da Palavra de Deus. Deste tipo são todas as cerimônias papais. Em                          resumo, detesto o fardo tirânico pelo qual consciências miseráveis têm sido                      oprimidas ­ como a lei da confissão auricular, celibato e outras do mesmo tipo. Confesso que a Igreja deve ser governada por pastores, aos quais tem sido confiado                            o ofício da pregação da Palavra de Deus e a administração dos sacramentos; e que,                              a fim de evitar confusão, não é lícito que ninguém usurpe esse ofício à vontade sem                                eleição legítima. E se qualquer um que chamado a esse ofício não mostrar a                            fidelidade devida no cumprimento dela, deve ser deposto. Todo seu poder consiste                        em dirigir o povo confiado a eles de acordo com a Palavra de Deus, de tal forma que                                    Jesus Cristo possa sempre permanecer o supremo pastor e o único senhor da Igreja,                            e somente ele seja ouvido. Portanto, o que é chamado de hierarquia papal, abomino                            como uma confusão diabólica, estabelecida a fim de fazer com que o próprio Deus                            seja desprezado, e para expor a religião cristã a zombaria e escárnio. Confesso que nossa fraqueza requer que os sacramentos sejam adicionados à                      pregação da Palavra, como selos pelos quais as promessas de Deus são seladas                          aos nosso corações, e que dois sacramentos foram ordenados por Cristo, a saber, o                            batismo e a ceia do Senhor ­ o primeiro para nossa entrada na Igreja de Deus, o                                  segundo para nos manter nela. Repudio os cinco sacramentos inventados pelos                      papistas, e primeiramente inventado na sua própria mente. Mas embora os                      sacramentos sejam um penhor pelos quais possamos estar seguros das promessas                      de Deus, porém, reconheço que eles seriam inúteis a nós se o Santo Espírito não os                                tornasse eficazes como instrumentos, para que nossa confiança, ficando presa a                      criatura, não se afastasse de Deus. Mais que isso, ainda confesso que os                          sacramentos são violados e pervertidos quando não são tidos como seu único                        objetivo fazer­nos olhar para Cristo para cada coisa requerida para nossa salvação,                        e onde quer que sejam empregados para qualquer outro propósito além de fixar                          nossa fé completamente nele. Além disso, desde que a promessa da adoção                        abrange até mesmo a posteridade dos cristãos, reconheço que os filhos dos cristãos                          devem ser recebidos na Igreja pelo batismo; e quanto a essa questão, eu detesto os                              delírios dos anabatistas. Quanto a ceia do Senhor, confesso que ela é uma evidência da nossa união com                              Cristo, desde que ele não apenas morreu uma única vez e ressuscitou por nós, mas                              também nos alimenta e nutre verdadeiramente pela sua carne e seu sangue, de tal                            forma que nós somos um com ele, e sua vida é comum a todos nós. Pois embora ele                                    esteja no céu por um breve período até que venha para julgar o mundo, creio que                                ele, através da secreta e incompreensível agência do seu Espírito, confere vida a                          10
  • 11. nossa alma pela substância da sua carne e sangue. Em geral, confesso que, na                            ceia, assim como no batismo, Deus confere na realidade e efetivamente tudo aquilo                          que ele ilustra neles, mas que para receber deste grande benefício requeremos unir                          a palavra aos sinais. Nesta questão eu detesto o abuso e perversão dos papistas,                            que tem privado os sacramentos da sua parte principal, a saber, a doutrina que                            ensina o verdadeiro uso e benefício que flui deles, e os transformaram em                          imposturas mágicas. Igualmente confesso que a água, embora seja um elemento que desaparece                      gradualmente, verdadeiramente testifica a nós no batismo a verdadeira presença do                      sangue de Jesus Cristo, e do seu Espírito; e que na ceia do Senhor, o pão e o vinho                                      são para nós, e de nenhuma maneira são promessas falaciosas, que somos                        espiritualmente nutridos pela carne e sangue de Cristo. E assim uno aos sinais a                            propriedade e usufruto do que neles nos é oferecido. Da mesma forma, visto que a                              ceia sagrada como instituída por Jesus Cristo é para nós um tesouro sagrado de                            infinito valor, detesto como sacrilégio intolerável a execrável abominação da missa,                      inútil para qualquer coisa além de contrariar tudo o que Cristo nos deixou, tanto                            naquilo que é dito ser um sacrifício pelos vivos e pelos mortos, como também em                              todas as outras coisas que são diametralmente opostas a pureza do sacramento da                          ceia do Senhor. Confesso que Deus quer que o mundo seja governado por leis e pela política, a fim                                de que o governo não deixasse de inibir os movimentos descontrolados dos                        homens, e para este fim ele estabeleceu reinados, principados e domínios, e tudo o                            que é relacionado a jurisdição civil; coisas das quais ele deseja ser considerado o                            autor; para que não apenas autoridade deles esteja submissa a sua causa, mas                          devemos também reverenciar e honrar os governantes como vice­gerentes de Deus                      e ministros apontados por ele para desempenhar uma legítima e sagrada função. E                          portanto eu reconheço que é correto obedecer suas leis e estatutos, pagar impostos,                          taxas e outras coisas da mesma natureza; em suma, suportar o jugo da sujeição                            voluntariamente e de bom grado; porém, com uma exceção, que a autoridade de                          Deus, o príncipe soberano, permaneça sempre completa e intacta. 11
  • 12. . 12