SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Ana Karoline Maia
karoline.quimica@gmail.com
Com base na teoria das colisões...
Por que os alimentos se conservam por muito
mais tempo quando colocados na geladeira do
que quando estão em temperatura ambiente?
1- Temperatura
• De uma forma geral, um aumento de
temperatura gera aumento na rapidez das
reações químicas.
• Quanto maior a energia cinética, maior será o
número de colisões e maior será a rapidez de
uma reação química.
• A rapidez de uma reação é proporcional a sua
temperatura.
• “ Navios naufragados no litoral brasileiro, como o Corveta do
Ipiranga, em Fernando de Noronha, enferrujam mais
rapidamente do que os navios naufragados próximos aos
polos norte e sul...” Química Cidadã, 2011.
• Por que um escoteiro sabe que para acender
uma fogueira é necessário juntar gravetos
bem finos, ao invés de usar lenha?
2- Superfície de contato
• Aumentando a superfície de contato entre as
partículas dos reagentes, aumenta-se a
frequencia de choques entre elas, o que
provoca um aumento nas colisões eficazes,
influenciando na rapidez da reação.
• Quanto maior a superfície de contato, maior a
rapidez de uma reação.
“Um incêndio destruiu um
pequeno depósito de
reciclados numa fábrica de
papelão, na Lagoinha,
Ribeirão Preto.” Gazeta,
27/8/2012
• Por que assoprar uma brasa aumenta a
combustão enquanto assoprar uma vela a
interrompe?
3- Concentração
• Quanto maior o número de partículas dos
reagentes, maior a probabilidade de choque
entre elas e consequentemente, mais rápida
será a reação.
Aumentando a concentração de
oxigênio fornecida para bebês recém
nascidos, as reações de oxigenação de
seu corpo são aceleradas e com isso
eles gastam menos energia.
4- Mecanismo da reação
• Normalmente, uma reação química se desenvolve por etapas.
Cada etapa recebe o nome de reação elementar.
A sequencia dessas etapas conduz à reação global.
• Ter conhecimento do mecanismo de uma reação é conhecer
todas as etapas que levam os reagentes aos produtos.
• A velocidade da reação global é determinada pela etapa lenta
da reação, que é denominada etapa determinante da
velocidade, visto que a velocidade da reação global é a
mesma velocidade da etapa lenta
A etapa mais lenta da reação é a
que determina a rapidez de uma
reação.
Reação não elementar é aquele que ocorre em etapas.
5- Catalisador
• 1835: Berzelius publicou um trabalho
comunicando que poderia aumentar a rapidez
de uma reação química acrescentando
determinadas substâncias, que no entanto,
não eram consumidas.
• O mecanismo de ação dos catalisadores são
complexos e ainda não foram totalmente
esclarecidos.
• A maioria dos catalisadores pode ser
recuperado no final do processo.
• A maioria age na etapa mais lenta da reação.
• Facilita a formação do complexo ativado por
exigir menor quantidade de energia para a sua
formação.
Inibidores
• Atua diminuindo a rapidez de uma reação
química.
• Exemplo: conservantes
Catalisador automotivo
Exercícios para revisão
• 1-Em um incêndio, causado por vazamento de
gás. Qual seria o procedimento mais fácil para
apagar a chama do gás: despejar água na
chama ou jogar uma toalha molhada em cima
do local onde está escapando gás? Justifique.
• 2-O que é energia de ativação de uma reação?
• 3- Por que o aumento da temperatura
aumenta a rapidez de uma reação química?
• 4-Explique o que é o complexo ativado.
• 5-Qual medicamento teria um efeito mais
rápido: o líquido ou o em comprimido?
Explique
• 6-(U. F. Juiz de Fora-MG) Muitas das reações químicas que
ocorrem no nosso organismo, nas indústrias químicas e na
atmosfera são afetadas por certos catalisadores. Por exemplo,
no homem, as enzimas são os catalisadores das reações
bioquímicas. A função destes nas reações químicas é:
• a) diminuir a energia de ativação da reação.
• b) tornar espontânea uma reação não espontânea.
• c) deslocar o equilíbrio da reação.
• d) diminuir a entalpia total de uma reação.
• 7-(Unifor - CE) A água atua com maior intensidade (maior
rapidez de reação) sobre o ferro quando ela
•
• a) está quente e o ferro, em barras, está à temperatura
ambiente.
• b) é vapor e o ferro, em limalha, está aquecido.
• c) está fria e o ferro, em barras, está frio.
• d) é sólida e o ferro, em limalha, está aquecido.
• e) é vapor e o ferro, em limalha, está à temperatura ambiente.
• 8-(Unioeste - PR - Adaptada) Em vários processos industriais é de
grande importância o controle da velocidade das reações químicas
envolvidas. Em relação à cinética das reações químicas, podemos
afirmar que:
• (01) o aumento da concentração dos reagentes diminui a
velocidade das reações.
• (02) a velocidade de uma reação independe da superfície de
contato.
• (04) em geral, o aumento da temperatura leva a um aumento da
velocidade das reações químicas.
• (08) um catalisador tem como função diminuir a energia de ativação
e, consequentemente, aumentar a velocidade da reação.
• (16) as enzimas são proteínas que atuam como catalisadores
biológicos.
• (32) para que uma reação se processe rapidamente, é necessário
que as moléculas de reagentes não colidam entre si.
• (64) a concentração de apenas um reagente não influencia a
velocidade de uma reação química.
• 9-(UESC-BA) No interior das células do organismo humano,
existe uma substância denominada catalase, que atua como
catalisador na decomposição da água oxigenada. Com base
nessa equação e nos conhecimentos sobre cinética química, é
correto afirmar:
• a) A catalase é consumida durante a reação.
• b) A catalase acelera a decomposição da água oxigenada,
aumentando a energia de ativação da reação.
• c) A catalase possibilita a diminuição de energia de ativação
da etapa determinante da velocidade de reação.
• d) O aumento da concentração de água oxigenada diminui a
velocidade da reação.
• e) O aumento da temperatura favorece a decomposição da
água oxigenada.
•
• 10- (UnB-DF-Modificado) considere os estudos cinéticos de
uma reação química e julgue os itens abaixo.
• 1) Toda reação é produzida por colisões, mas nem toda
colisão gera uma reação.
• 2) Uma colisão altamente energética pode produzir uma
reação.
• 3) Toda colisão com orientação adequada produz uma reação.
• 4) A velocidade média de uma reação pode ser determinada
pela expressão:
• v = quantidade dos produtos/ quantidade dos reagentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Vinicius Bispo Viana
 
Cinética química 2012
Cinética química 2012Cinética química 2012
Cinética química 2012
José Marcelo Cangemi
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
kirkfc
 
Velocidade das reacções químicas - FQ
Velocidade das reacções químicas - FQVelocidade das reacções químicas - FQ
Velocidade das reacções químicas - FQ
estudabem
 
Velocidade de uma reacção química
Velocidade de uma reacção químicaVelocidade de uma reacção química
Velocidade de uma reacção química
Isadora Girio
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
rejane moraes
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
Marilena Meira
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Íngrede Silva
 
Relatorio
Relatorio Relatorio
Relatorio
Fernando Mendes
 
Experimento 8 Cinética química
Experimento 8   Cinética químicaExperimento 8   Cinética química
Experimento 8 Cinética química
Silvanildo Macário
 
Relatório 10
Relatório 10Relatório 10
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
Elisama Cella
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Elisama Cella
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicas
catarina1982
 
CINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdfCINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdf
CarolinnaSousa1
 
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações QuímicasLei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Fabio Santos Nery
 
Cinetica Química
Cinetica QuímicaCinetica Química
Cinetica Química
Mariana Cypriano
 
Mayara
MayaraMayara
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
Roberval G
 

Mais procurados (20)

Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética química 2012
Cinética química 2012Cinética química 2012
Cinética química 2012
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Velocidade das reacções químicas - FQ
Velocidade das reacções químicas - FQVelocidade das reacções químicas - FQ
Velocidade das reacções químicas - FQ
 
Velocidade de uma reacção química
Velocidade de uma reacção químicaVelocidade de uma reacção química
Velocidade de uma reacção química
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Relatorio
Relatorio Relatorio
Relatorio
 
Experimento 8 Cinética química
Experimento 8   Cinética químicaExperimento 8   Cinética química
Experimento 8 Cinética química
 
Relatório 10
Relatório 10Relatório 10
Relatório 10
 
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicas
 
CINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdfCINÉTICA QUÍMICA.pdf
CINÉTICA QUÍMICA.pdf
 
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações QuímicasLei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
Lei de Lavoisiere Estequiometriade Reações Químicas
 
Cinetica Química
Cinetica QuímicaCinetica Química
Cinetica Química
 
Mayara
MayaraMayara
Mayara
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 

Semelhante a Cinética parte ii

Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Valnei Nascimento Nascimento
 
Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimica
Isabele Félix
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
Escola Técnica Ana Nery
 
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9   lei de lavoisier e lei de proustAula 9   lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
profNICODEMOS
 
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdfEstudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
NeireNaianaCostaFaia
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
marcosp08
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
Giovanna Mariotti
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
IgorAngel1
 
Cinética química aula 02
Cinética química   aula 02Cinética química   aula 02
Cinética química aula 02
Flávio Carmo da Silva
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
MistaelPantojaLeao
 
Trabalho de quimica Vituriano
Trabalho de quimica ViturianoTrabalho de quimica Vituriano
Trabalho de quimica Vituriano
Vituriano
 
Lista de exercícios 02 2014
Lista de exercícios 02   2014Lista de exercícios 02   2014
Lista de exercícios 02 2014
professoraludmila
 

Semelhante a Cinética parte ii (14)

Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimica
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
 
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9   lei de lavoisier e lei de proustAula 9   lei de lavoisier e lei de proust
Aula 9 lei de lavoisier e lei de proust
 
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdfEstudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
Estudo sobre a cinética quimica spostila.pdf
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
 
Cinética química aula 02
Cinética química   aula 02Cinética química   aula 02
Cinética química aula 02
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
 
Trabalho de quimica Vituriano
Trabalho de quimica ViturianoTrabalho de quimica Vituriano
Trabalho de quimica Vituriano
 
Lista de exercícios 02 2014
Lista de exercícios 02   2014Lista de exercícios 02   2014
Lista de exercícios 02 2014
 

Mais de Karol Maia

Ligações
LigaçõesLigações
Ligações
Karol Maia
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
Karol Maia
 
Questões Química Orgânica
Questões Química OrgânicaQuestões Química Orgânica
Questões Química Orgânica
Karol Maia
 
Turma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química OrgânicaTurma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química Orgânica
Karol Maia
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
Karol Maia
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Karol Maia
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
Karol Maia
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
Karol Maia
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
Karol Maia
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Karol Maia
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Karol Maia
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
Karol Maia
 
Balanceamento
BalanceamentoBalanceamento
Balanceamento
Karol Maia
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
Karol Maia
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
Karol Maia
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oano
Karol Maia
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
Karol Maia
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica  Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica
Karol Maia
 

Mais de Karol Maia (20)

Ligações
LigaçõesLigações
Ligações
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
 
Questões Química Orgânica
Questões Química OrgânicaQuestões Química Orgânica
Questões Química Orgânica
 
Turma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química OrgânicaTurma avançada - Química Orgânica
Turma avançada - Química Orgânica
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
 
Trabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicosTrabalho elementos químicos
Trabalho elementos químicos
 
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bimLista ciencias 9oano_karol_2bim
Lista ciencias 9oano_karol_2bim
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Balanceamento
BalanceamentoBalanceamento
Balanceamento
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Notações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tiposNotações reações químicas- tipos
Notações reações químicas- tipos
 
Lista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oanoLista de exercícios 9oano
Lista de exercícios 9oano
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica  Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 

Cinética parte ii

  • 1. Professora Ana Karoline Maia karoline.quimica@gmail.com
  • 2. Com base na teoria das colisões... Por que os alimentos se conservam por muito mais tempo quando colocados na geladeira do que quando estão em temperatura ambiente?
  • 3. 1- Temperatura • De uma forma geral, um aumento de temperatura gera aumento na rapidez das reações químicas. • Quanto maior a energia cinética, maior será o número de colisões e maior será a rapidez de uma reação química. • A rapidez de uma reação é proporcional a sua temperatura.
  • 4. • “ Navios naufragados no litoral brasileiro, como o Corveta do Ipiranga, em Fernando de Noronha, enferrujam mais rapidamente do que os navios naufragados próximos aos polos norte e sul...” Química Cidadã, 2011.
  • 5. • Por que um escoteiro sabe que para acender uma fogueira é necessário juntar gravetos bem finos, ao invés de usar lenha?
  • 6. 2- Superfície de contato • Aumentando a superfície de contato entre as partículas dos reagentes, aumenta-se a frequencia de choques entre elas, o que provoca um aumento nas colisões eficazes, influenciando na rapidez da reação. • Quanto maior a superfície de contato, maior a rapidez de uma reação.
  • 7. “Um incêndio destruiu um pequeno depósito de reciclados numa fábrica de papelão, na Lagoinha, Ribeirão Preto.” Gazeta, 27/8/2012
  • 8. • Por que assoprar uma brasa aumenta a combustão enquanto assoprar uma vela a interrompe?
  • 9. 3- Concentração • Quanto maior o número de partículas dos reagentes, maior a probabilidade de choque entre elas e consequentemente, mais rápida será a reação.
  • 10. Aumentando a concentração de oxigênio fornecida para bebês recém nascidos, as reações de oxigenação de seu corpo são aceleradas e com isso eles gastam menos energia.
  • 11. 4- Mecanismo da reação • Normalmente, uma reação química se desenvolve por etapas. Cada etapa recebe o nome de reação elementar. A sequencia dessas etapas conduz à reação global. • Ter conhecimento do mecanismo de uma reação é conhecer todas as etapas que levam os reagentes aos produtos. • A velocidade da reação global é determinada pela etapa lenta da reação, que é denominada etapa determinante da velocidade, visto que a velocidade da reação global é a mesma velocidade da etapa lenta
  • 12. A etapa mais lenta da reação é a que determina a rapidez de uma reação. Reação não elementar é aquele que ocorre em etapas.
  • 13. 5- Catalisador • 1835: Berzelius publicou um trabalho comunicando que poderia aumentar a rapidez de uma reação química acrescentando determinadas substâncias, que no entanto, não eram consumidas. • O mecanismo de ação dos catalisadores são complexos e ainda não foram totalmente esclarecidos.
  • 14. • A maioria dos catalisadores pode ser recuperado no final do processo. • A maioria age na etapa mais lenta da reação. • Facilita a formação do complexo ativado por exigir menor quantidade de energia para a sua formação.
  • 15. Inibidores • Atua diminuindo a rapidez de uma reação química. • Exemplo: conservantes
  • 17.
  • 18. Exercícios para revisão • 1-Em um incêndio, causado por vazamento de gás. Qual seria o procedimento mais fácil para apagar a chama do gás: despejar água na chama ou jogar uma toalha molhada em cima do local onde está escapando gás? Justifique.
  • 19. • 2-O que é energia de ativação de uma reação? • 3- Por que o aumento da temperatura aumenta a rapidez de uma reação química? • 4-Explique o que é o complexo ativado. • 5-Qual medicamento teria um efeito mais rápido: o líquido ou o em comprimido? Explique
  • 20. • 6-(U. F. Juiz de Fora-MG) Muitas das reações químicas que ocorrem no nosso organismo, nas indústrias químicas e na atmosfera são afetadas por certos catalisadores. Por exemplo, no homem, as enzimas são os catalisadores das reações bioquímicas. A função destes nas reações químicas é: • a) diminuir a energia de ativação da reação. • b) tornar espontânea uma reação não espontânea. • c) deslocar o equilíbrio da reação. • d) diminuir a entalpia total de uma reação.
  • 21. • 7-(Unifor - CE) A água atua com maior intensidade (maior rapidez de reação) sobre o ferro quando ela • • a) está quente e o ferro, em barras, está à temperatura ambiente. • b) é vapor e o ferro, em limalha, está aquecido. • c) está fria e o ferro, em barras, está frio. • d) é sólida e o ferro, em limalha, está aquecido. • e) é vapor e o ferro, em limalha, está à temperatura ambiente.
  • 22. • 8-(Unioeste - PR - Adaptada) Em vários processos industriais é de grande importância o controle da velocidade das reações químicas envolvidas. Em relação à cinética das reações químicas, podemos afirmar que: • (01) o aumento da concentração dos reagentes diminui a velocidade das reações. • (02) a velocidade de uma reação independe da superfície de contato. • (04) em geral, o aumento da temperatura leva a um aumento da velocidade das reações químicas. • (08) um catalisador tem como função diminuir a energia de ativação e, consequentemente, aumentar a velocidade da reação. • (16) as enzimas são proteínas que atuam como catalisadores biológicos. • (32) para que uma reação se processe rapidamente, é necessário que as moléculas de reagentes não colidam entre si. • (64) a concentração de apenas um reagente não influencia a velocidade de uma reação química.
  • 23. • 9-(UESC-BA) No interior das células do organismo humano, existe uma substância denominada catalase, que atua como catalisador na decomposição da água oxigenada. Com base nessa equação e nos conhecimentos sobre cinética química, é correto afirmar: • a) A catalase é consumida durante a reação. • b) A catalase acelera a decomposição da água oxigenada, aumentando a energia de ativação da reação. • c) A catalase possibilita a diminuição de energia de ativação da etapa determinante da velocidade de reação. • d) O aumento da concentração de água oxigenada diminui a velocidade da reação. • e) O aumento da temperatura favorece a decomposição da água oxigenada. •
  • 24. • 10- (UnB-DF-Modificado) considere os estudos cinéticos de uma reação química e julgue os itens abaixo. • 1) Toda reação é produzida por colisões, mas nem toda colisão gera uma reação. • 2) Uma colisão altamente energética pode produzir uma reação. • 3) Toda colisão com orientação adequada produz uma reação. • 4) A velocidade média de uma reação pode ser determinada pela expressão: • v = quantidade dos produtos/ quantidade dos reagentes