SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA
DISCIPLINA: QUÍMICA PRÁTICA
EXPERIMENTO 8
Aluno: Mônica Suelem, Jainy Carneiro, Laura Castro, Silvanildo Macário
Professor(a): Andréa Ferraz
Turma: 1° Período de Engenharia Mecânica
Data: 13 de Julho de 2014
EXPERIMENTO 8: CINÉTICA QUÍMICA
INTRODUÇÃO
A cinética química é a ciência que estuda a velocidade das reações químicas e os
fatores que influência as condições do aumento da velocidade e os mecanismos
envolvidos nas reações químicas. A velocidade de uma reação é a rapidez com que os
reagentes são consumidos ou rapidez com que os produtos são formados. A taxa de reação
para uma determinada alteração química é definida como sendo a velocidade em que seus
reagentes desaparecem e se formam em produtos.
-Fatores que afetam as velocidades de reação:
Como as reações envolvem a quebra e formação de ligações respectivas
velocidades dependem da natureza dos reagentes. Entretanto existem 4 fatores que fazem
com que ocorra variação de velocidade
1-O estado físico dos reagentes: Quando os reagentes estão em fases diferentes como
quando um gás reage com um sólido, a reação está limitada a área de contato. Portanto as
reações que envolvem sólidos, tendem a prosseguir mais rapidamente.
2-As concentrações dos reagentes: A medida que as concentrações aumentam, a
frequência de choque molecular, também aumenta, levando a um aumento da velocidade
3- A temperatura na qual a reação ocorre: O aumento da temperatura faz aumentar a
energia cinética das moléculas que se movem mais velozmente, ocasionando um aumento
da velocidade
4-A presença de um catalizador: Catalizadores são substâncias que aumentam a
velocidade das reações sem serem usados, eles afetam os tipos de mecanismos que levam
a reação. Podem ser homogêneos (mesma fase dos reagentes), e heterogêneos (fase
diferente da dos reagentes).
A meia vida de uma reação é o tempo necessário para que a concentração de um
reagente caia para a metade do seu valor inicial. A meia-vida é uma maneira conveniente
de descrever com que rapidez uma reação ocorre. Uma reação rápida tem uma meia-vida
curta.
O processo pelo qual a reação ocorre é chamado mecanismo de reação. Ele
descreve a ordem na qual as ligações são quebradas e formadas, bem como as variações
nas posições relativas dos átomos no curso da reação.
O número de moléculas que participam como reagente em uma etapa elementar
define a molecularidade da etapa. Se uma única molécula está envolvida, a reação é
unimolecular. As etapas elementares envolvendo a colisão de duas moléculas de
reagentes são bimoleculares, e entre duas, termonucleares.
As etapas elementares em um mecanismo de várias etapas devem ser sempre
adicionadas para fornecer a equação química do processo total. Mecanismos de várias
etapas envolvem um ou mais intermediários, ou seja, que não é reagente nem produto na
reação.
Se soubermos que uma reação [e uma etapa elementar, saberemos sua lei de
velocidade. A lei de velocidade de qualquer etapa elementar é baseada diretamente em
sua molecularidade. Portanto, trata-se de um processo unimolecular e sua velocidade será
de primeira ordem:
Velocidade= k[A]
No caso de elementares bimoleculares, a lei de velocidade é de segunda ordem:
Velocidade= k[A][B]
Se dobrarmos a concentração de A, o número de colisões entre A e B dobrará, e
vice-versa. Logo, a lei da velocidade será de primeira ordem tanto em A quanto em B, e
de segunda ordem como um todo. A etapa mais lenta da reação é chamada etapa
determinante da velocidade (ou etapa limitante da velocidade), logo, ela governa a lei da
velocidade como um todo.
OBJETIVO
Estudar a variação da velocidade em função de diferentes parâmetros reacionais.
PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
A- Efeito da temperatura
1- Colocou-se 100 mL de água da torneira em um béquer, 100 mL de água gelada em
outro e 100 mL de água à 40 °C em outro;
2- Colocou-se um terço de um comprimido efervescente em cada béquer;
3- Anotou-se o tempo que levou para cada comprimido reagir.
B- Efeito da superfície de contato
1- Colocou-se 100 mL de água da torneira em dois béqueres;
2- Cortou-se em duas partes um comprimido efervescente;
3- Triturou-se uma das partes do comprimido;
4- Anoutou-se o tempo que levou para cada comprimido reagir.
C- Efeito da concentração
1- Numerou-se oito tubos de ensaios e colocou-se ácido nítrico, tiossulfato de sódio
e água, conforme a tabela:
Tubos nº Na2S2O3 (mL) Água destilada
(mL)
HNO3 (mL)
1 8 0 2
2 7 1 2
3 6 2 2
4 5 3 2
5 4 4 2
6 3 5 2
7 2 6 2
8 1 7 2
2- Anotou-se o tempo necessário para o desaparecimento da marca vista através do
tubo.
D- Ação de catalisadores
1- Colocou-se em vidros relógios diferentes rodelas finas de banana crua, rodelas
finas de banana cozida;
2- Em outros vidros de relógio colocou-se pequenas porções de MnO2, PbO e SiO2.
3- Adicionou-se gotas de água oxigenada e verifica sua decomposição.
RESULTADOS
A- O aumento da temperatura faz aumentar a energia cinética das moléculas e com
isso acarreta no maior choque entre elas. Logo quanto mais alta a temperatura
mais rápida a reação ocorre.
Assim no tubo com água quente o comprimido dissolveu-se mais rápido do que
na água da torneira e que por sua vez dissolveu-se mais rápido do que o tubo com
água gelada.
B- Quanto maior a superfície de contato dos reagentes mais rápido a reação ocorre
devido o aumento dos choques entre as moléculas. Assim no béquer com o
comprimido pulverizado a reação ocorreu mais rápido.
C- Quanto maior a concentração de um dos reagentes maior a quantidade de
partículas da mesma na solução. Assim o número de colisões é maior.
Então nos tubos onde há maior concentração de Na2S2O3 as reações se
processaram mais rápido, na mesma ordem crescente de numeração dos tubos.
Reação observada:
Na2S2O3(aq) +2 HNO3 (aq)  2NaNO3 (aq) + H2S2O3 (aq)
O H2S2O3 é muito instável e logo se decompõe em:
H2S2O3 (aq)  H2O (l) + S (s)+ SO2 (aq)
D- No vidro de relógio contendo banana crua houve a decomposição da banana
devido a uma enzima, catalise, contida na banana. No vidro de relógio contendo
banana cozida quase não houve decomposição da água oxigenada, pois a catalise
foi destruída com o aquecimento.
No vidro de relógio contendo o SiO2 não houve desprendimento de gás, assim
concluímos que não houve reação. Já no vidro contendo o MnO2 houve liberação
de gás e formação de água, assim como no recipiente contendo PbO, indicando
que a decomposição ocorreu.
O MnO2 e a catálise atuaram como catalisadores e com isso a reação pode ocorrer
Reação de decomposição da água oxigenada:
H2O2(aq)  H2O(l) + 1/2O2(g)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista de exercícios cinética química
Lista de exercícios   cinética químicaLista de exercícios   cinética química
Lista de exercícios cinética químicaDaiane Gris
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Railane Freitas
 
Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaDanilo Alves
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Nai Mariano
 
Tabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesTabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesDaniellycc
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕESJessica Amaral
 
Apostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoApostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoGraziela Leal
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaLuaneGS
 
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção  HidrogenioRelatório de Química Inorgânica obtenção  Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção HidrogenioKarina Costa
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaTurma Olímpica
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxRômulo Alexandrino Silva
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoJosé Nunes da Silva Jr.
 
Listas de exercício Cinética Química
Listas de exercício Cinética QuímicaListas de exercício Cinética Química
Listas de exercício Cinética QuímicaMárcio Martins
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaIvys Antônio
 

Mais procurados (20)

Lista de exercícios cinética química
Lista de exercícios   cinética químicaLista de exercícios   cinética química
Lista de exercícios cinética química
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-química
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
 
Tabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidadesTabela de dimensões e unidades
Tabela de dimensões e unidades
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Obtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenioObtenção de hidrogenio
Obtenção de hidrogenio
 
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕESQuimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO  E PADRONIZAÇÃO  DE SOLUÇÕES
Quimica experimental - Relatorio PREPARAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES
 
Apostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirreduçãoApostila volumetria de oxirredução
Apostila volumetria de oxirredução
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção  HidrogenioRelatório de Química Inorgânica obtenção  Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
 
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Listas de exercício Cinética Química
Listas de exercício Cinética QuímicaListas de exercício Cinética Química
Listas de exercício Cinética Química
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
 

Destaque

50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de químicaEmiliano Alvarez
 
Prática 3 alteração da concentração dos reagentes
Prática 3 alteração da concentração dos reagentesPrática 3 alteração da concentração dos reagentes
Prática 3 alteração da concentração dos reagentesprofessoraludmila
 
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)profzwipp
 
Experiencias 1ano
Experiencias 1anoExperiencias 1ano
Experiencias 1anoLia Moura
 
Materiais e reagente
Materiais e reagenteMateriais e reagente
Materiais e reagenteDenny Jabs
 
Apostila experimentos
Apostila experimentosApostila experimentos
Apostila experimentosFabinho Silva
 
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURAPROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURAVictor Said
 
Experimentos de Química do cotidiano
Experimentos de Química do cotidianoExperimentos de Química do cotidiano
Experimentos de Química do cotidianolouquimicos
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Princípios de lógica
Princípios de lógicaPrincípios de lógica
Princípios de lógicafiloscar
 
Chemical reaction engineering
Chemical reaction engineeringChemical reaction engineering
Chemical reaction engineeringNurul Ain
 
Projeto formas geométrica
Projeto formas geométricaProjeto formas geométrica
Projeto formas geométricapositivasibiuna
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioJamildo Melo
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estelaEstela Oliveira
 
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasPiedade Alves
 

Destaque (20)

50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química
 
Prática 3 alteração da concentração dos reagentes
Prática 3 alteração da concentração dos reagentesPrática 3 alteração da concentração dos reagentes
Prática 3 alteração da concentração dos reagentes
 
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)
2010 volume1 cadernodoaluno_quimica_ensinomedio_3aserie_gabarito (1)
 
Experiencias 1ano
Experiencias 1anoExperiencias 1ano
Experiencias 1ano
 
Materiais e reagente
Materiais e reagenteMateriais e reagente
Materiais e reagente
 
Experimento 9 - Eletroquímica
Experimento 9   -  EletroquímicaExperimento 9   -  Eletroquímica
Experimento 9 - Eletroquímica
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Apostila experimentos
Apostila experimentosApostila experimentos
Apostila experimentos
 
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURAPROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA
PROCESSO DE SÍNTESE INDUSTRIAL DE UREIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA
 
Experimentos de Química do cotidiano
Experimentos de Química do cotidianoExperimentos de Química do cotidiano
Experimentos de Química do cotidiano
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
 
Princípios de lógica
Princípios de lógicaPrincípios de lógica
Princípios de lógica
 
Chemical reaction engineering
Chemical reaction engineeringChemical reaction engineering
Chemical reaction engineering
 
Projeto formas geométrica
Projeto formas geométricaProjeto formas geométrica
Projeto formas geométrica
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do Relatório
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estela
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicas
 

Semelhante a Cinética Química Experimento UFVSFP

Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaIsabele Félix
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoIgorAngel1
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxMistaelPantojaLeao
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICAeglailima
 
Cinética parte ii
Cinética parte iiCinética parte ii
Cinética parte iiKarol Maia
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAcolegioexpansao
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicascatarina1982
 
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reações
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reaçõesModelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reações
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reaçõesEdelcio de Azevedo
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimicamarcosp08
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimicamarcosp08
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoMarilena Meira
 

Semelhante a Cinética Química Experimento UFVSFP (20)

Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
 
Aula de cinética quimica
Aula de cinética quimicaAula de cinética quimica
Aula de cinética quimica
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICA
 
Cinética parte ii
Cinética parte iiCinética parte ii
Cinética parte ii
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicas
 
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reações
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reaçõesModelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reações
Modelo de transformações químicas rapidez ou velocidade das reações
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Mecanismos de reacao_-_parte_i
Mecanismos de reacao_-_parte_iMecanismos de reacao_-_parte_i
Mecanismos de reacao_-_parte_i
 
cinética quimica
cinética quimicacinética quimica
cinética quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Relat. quimica
Relat. quimicaRelat. quimica
Relat. quimica
 
Mayara
MayaraMayara
Mayara
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
 
Cinetica quimica trabalho
Cinetica quimica trabalhoCinetica quimica trabalho
Cinetica quimica trabalho
 
"Somos Físicos" Reações Quimicas
"Somos Físicos" Reações Quimicas"Somos Físicos" Reações Quimicas
"Somos Físicos" Reações Quimicas
 

Último

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Cinética Química Experimento UFVSFP

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: QUÍMICA PRÁTICA EXPERIMENTO 8 Aluno: Mônica Suelem, Jainy Carneiro, Laura Castro, Silvanildo Macário Professor(a): Andréa Ferraz Turma: 1° Período de Engenharia Mecânica Data: 13 de Julho de 2014
  • 2. EXPERIMENTO 8: CINÉTICA QUÍMICA INTRODUÇÃO A cinética química é a ciência que estuda a velocidade das reações químicas e os fatores que influência as condições do aumento da velocidade e os mecanismos envolvidos nas reações químicas. A velocidade de uma reação é a rapidez com que os reagentes são consumidos ou rapidez com que os produtos são formados. A taxa de reação para uma determinada alteração química é definida como sendo a velocidade em que seus reagentes desaparecem e se formam em produtos. -Fatores que afetam as velocidades de reação: Como as reações envolvem a quebra e formação de ligações respectivas velocidades dependem da natureza dos reagentes. Entretanto existem 4 fatores que fazem com que ocorra variação de velocidade 1-O estado físico dos reagentes: Quando os reagentes estão em fases diferentes como quando um gás reage com um sólido, a reação está limitada a área de contato. Portanto as reações que envolvem sólidos, tendem a prosseguir mais rapidamente. 2-As concentrações dos reagentes: A medida que as concentrações aumentam, a frequência de choque molecular, também aumenta, levando a um aumento da velocidade 3- A temperatura na qual a reação ocorre: O aumento da temperatura faz aumentar a energia cinética das moléculas que se movem mais velozmente, ocasionando um aumento da velocidade 4-A presença de um catalizador: Catalizadores são substâncias que aumentam a velocidade das reações sem serem usados, eles afetam os tipos de mecanismos que levam a reação. Podem ser homogêneos (mesma fase dos reagentes), e heterogêneos (fase diferente da dos reagentes). A meia vida de uma reação é o tempo necessário para que a concentração de um reagente caia para a metade do seu valor inicial. A meia-vida é uma maneira conveniente de descrever com que rapidez uma reação ocorre. Uma reação rápida tem uma meia-vida curta. O processo pelo qual a reação ocorre é chamado mecanismo de reação. Ele descreve a ordem na qual as ligações são quebradas e formadas, bem como as variações nas posições relativas dos átomos no curso da reação. O número de moléculas que participam como reagente em uma etapa elementar define a molecularidade da etapa. Se uma única molécula está envolvida, a reação é unimolecular. As etapas elementares envolvendo a colisão de duas moléculas de reagentes são bimoleculares, e entre duas, termonucleares. As etapas elementares em um mecanismo de várias etapas devem ser sempre adicionadas para fornecer a equação química do processo total. Mecanismos de várias etapas envolvem um ou mais intermediários, ou seja, que não é reagente nem produto na reação. Se soubermos que uma reação [e uma etapa elementar, saberemos sua lei de velocidade. A lei de velocidade de qualquer etapa elementar é baseada diretamente em
  • 3. sua molecularidade. Portanto, trata-se de um processo unimolecular e sua velocidade será de primeira ordem: Velocidade= k[A] No caso de elementares bimoleculares, a lei de velocidade é de segunda ordem: Velocidade= k[A][B] Se dobrarmos a concentração de A, o número de colisões entre A e B dobrará, e vice-versa. Logo, a lei da velocidade será de primeira ordem tanto em A quanto em B, e de segunda ordem como um todo. A etapa mais lenta da reação é chamada etapa determinante da velocidade (ou etapa limitante da velocidade), logo, ela governa a lei da velocidade como um todo. OBJETIVO Estudar a variação da velocidade em função de diferentes parâmetros reacionais. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A- Efeito da temperatura 1- Colocou-se 100 mL de água da torneira em um béquer, 100 mL de água gelada em outro e 100 mL de água à 40 °C em outro; 2- Colocou-se um terço de um comprimido efervescente em cada béquer; 3- Anotou-se o tempo que levou para cada comprimido reagir. B- Efeito da superfície de contato 1- Colocou-se 100 mL de água da torneira em dois béqueres; 2- Cortou-se em duas partes um comprimido efervescente; 3- Triturou-se uma das partes do comprimido; 4- Anoutou-se o tempo que levou para cada comprimido reagir. C- Efeito da concentração 1- Numerou-se oito tubos de ensaios e colocou-se ácido nítrico, tiossulfato de sódio e água, conforme a tabela: Tubos nº Na2S2O3 (mL) Água destilada (mL) HNO3 (mL) 1 8 0 2 2 7 1 2 3 6 2 2 4 5 3 2 5 4 4 2 6 3 5 2 7 2 6 2 8 1 7 2
  • 4. 2- Anotou-se o tempo necessário para o desaparecimento da marca vista através do tubo. D- Ação de catalisadores 1- Colocou-se em vidros relógios diferentes rodelas finas de banana crua, rodelas finas de banana cozida; 2- Em outros vidros de relógio colocou-se pequenas porções de MnO2, PbO e SiO2. 3- Adicionou-se gotas de água oxigenada e verifica sua decomposição. RESULTADOS A- O aumento da temperatura faz aumentar a energia cinética das moléculas e com isso acarreta no maior choque entre elas. Logo quanto mais alta a temperatura mais rápida a reação ocorre. Assim no tubo com água quente o comprimido dissolveu-se mais rápido do que na água da torneira e que por sua vez dissolveu-se mais rápido do que o tubo com água gelada. B- Quanto maior a superfície de contato dos reagentes mais rápido a reação ocorre devido o aumento dos choques entre as moléculas. Assim no béquer com o comprimido pulverizado a reação ocorreu mais rápido. C- Quanto maior a concentração de um dos reagentes maior a quantidade de partículas da mesma na solução. Assim o número de colisões é maior. Então nos tubos onde há maior concentração de Na2S2O3 as reações se processaram mais rápido, na mesma ordem crescente de numeração dos tubos. Reação observada: Na2S2O3(aq) +2 HNO3 (aq)  2NaNO3 (aq) + H2S2O3 (aq) O H2S2O3 é muito instável e logo se decompõe em: H2S2O3 (aq)  H2O (l) + S (s)+ SO2 (aq) D- No vidro de relógio contendo banana crua houve a decomposição da banana devido a uma enzima, catalise, contida na banana. No vidro de relógio contendo banana cozida quase não houve decomposição da água oxigenada, pois a catalise foi destruída com o aquecimento. No vidro de relógio contendo o SiO2 não houve desprendimento de gás, assim concluímos que não houve reação. Já no vidro contendo o MnO2 houve liberação de gás e formação de água, assim como no recipiente contendo PbO, indicando que a decomposição ocorreu. O MnO2 e a catálise atuaram como catalisadores e com isso a reação pode ocorrer Reação de decomposição da água oxigenada: H2O2(aq)  H2O(l) + 1/2O2(g)