SlideShare uma empresa Scribd logo
CHEFIA E LIDERANÇA
Um grupo, sem alguém que o conduza torna-se fonte de anarquia, dedesunião e
dificilmente chegará a qualquer lugar ou concluirá com êxito qualquer
trabalho.Sem um chefe, o grupo é um corpo sem cabeça, que independente da
boa vontade de cada integrante, cujo esforço, inclusive poderá ser oposto ao de
outrem, queima esforços desnecessariamente, esforçs que poderiam ser
empregados proveitosamente em benefício do conjunto
bastando que alguém do
grupo adotasse a iniciativa de coordenar o empenho
comum na direção desejada.
É evidente que, quanto maior o desafio no grupo, q
uanto mais específico
for, maiores serão as exigências para os componente
s do grupo e, portanto
maiores e melhores qualificações serão requeridas d
o seu chefe.
Quando abordamos a figura do chefe, como sendo aqu
ele que deve
interpretar, defender e realizar uma tarefa, à fren
te de um grupo, devemos
entender sobre a “autoridade”
daquele que é o portador do direito de exercer um
papel proeminente na condução do seu grupo.
Contudo, se o exercício coloca em destaque, tal ho
nra é acompanhada pelo
ônus da responsabilidade, o que exige da autoridade
um nível de compreensão
quanto aos seus direitos e deveres.
O exercício da chefia é uma prerrogativa de um
cargo
, muitas vezes
independe da capacidade de seu detentor, visto que
o direito de comandar é um
mandato recebido legalmente. Porém, é claro que um
chefe não cumprirá bem o
seu papel, a não ser que desenvolva em si próprio,
as qualidades que o tornará
um indivíduo digno do seu título; que o tornará um
líder
.
Em resumo, chefiar “é simplesmente, fazer um grupo
funcionar para que
sejam atingidos determinados objetivos. Enquanto, q
ue liderar, é mais do que isso,
é a habilidade de exercer influência e ser influenc
iado pelo grupo, através de um
2
processo de relações interpessoais adequadas para a
consecução de um ou mais
objetivos comuns a todos os participantes”.
Liderar é engajar-se em um ato que
inicia uma estrutura nas interações como parte do p
rocesso de solucionar um
problema mútuo.
Poder e Autoridade segundo
Max
Weber
:
PODER:
“É a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer
sua vontade, por causa
de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferi
sse não o fazer”.
AUTORIDADE:
“É a habilidade de levar as pessoas a fazerem de
boa vontade
o
que você quer por causa de sua influência pessoal”.
CONCEITOS DE LIDERANÇA:
A palavra líder veio do antigo germânico lad,
“caminho”.
Um ladan, ou “líder”, era
“aquele que mostrava o caminho”.
Era o guia, que conduzia caminhantes de um povoado
a outro. Sua principal
responsabilidade, durante a caminhada, era “cuidar
de todos e de cada um”.
Liderança é o processo pelo qual se motiva e ajuda
a trabalhar os outros,
com entusiasmo para atingir seus objetivos. “É o f
ator humano que ajuda
um grupo a identificar o caminho a seguir, motivand
o-o para alcançar suas
metas”. (DAVIS e NETSON, 1991);
A Liderança Militar é a arte de influir nos soldad
os para que cumpram
missões designadas às suas unidades (MilitaryRevie
w, 1993);
A Liderança em todos os níveis é a base do treinam
ento realista e
agressivo, na qual resulta numa equipe com alto gra
u de disposição que
estimula os soldados a trabalharem sob circunstânci
as difíceis e de perigo
para vencer os adversários. (King, 1993);
Liderança é a habilidade de influenciar pessoas pa
ra trabalharem
entusiasticamente visando atingir aos objetivos ide
ntificados como sendo
para o bem comum. (James Hunter, 2004).
Modelo de Liderança
3
James Hunter em O Monge e o Executivo
ESTILOS DE LIDERANÇA:
Líderes Ressonantes
O líder ressonante é empático e expressa esse senti
mento ao grupo. Esse tipo de
ressonância reforça a sincronia da equipe fazendo c
om que as pessoas sintam-se
compreendidas (valorizadas) e compromissadas com su
as atividades profissionais
compartilhandoidéias, aprendendo uns com os outros
, tomando decisões de maneira
colaborativa.
Exemplos de líderes ressonantes:
Visionário
Conselheiro
Agregador
Empreendedor
Democrático
Carismático
Servidor
Líderes Dissonantes
O líder dissonante não só é desprovido de empatia,
como não transmite confiança nos
atos e nas palavras que professa, visa benefício pr
óprio e não coletivo. Pode parecer
eficaz em curto prazo, mas suas atitudes desmentem
seu aparente sucesso. Esse líder
ressoa exclusivamente o lado negativo do aspecto em
ocional, estimulando o lado negativo
do conflito e, mais cedo ou mais tarde acaba por co
ntagiar e exaurir as pessoas, gerando
conflitosingerenciáveis.
Um exemplo de líderes dissonantes são os chefes com
os quais todos têm horror de
trabalhar e resistem em trocar idéias ou “despachar
” o expediente.
LIDERANÇA
AUTORIDADE
SERVIÇO E SACRIFÍCIO
AMOR
VONTADE
4
Exemplos de líderes dissonantes:
Agressivo
Despótico
Autocrático
Arrogante
O líder deve preocupar-se com aquilo que faz e o qu
e diz,
pois terá forte impacto sobre seus subordinados.
FUNÇÕES DA LIDERANÇA
"A função básica dos líderes consiste em imprimir e
m seus liderados um sentimento
positivo. Isso acontece quando o líder cria ressonâ
ncia - um reservatório de positividade que liberta
o melhor que há em cada um. Em sua essência, pois,
a missão básica da liderança é de cunho
emocional". Daniel Go
leman
O poder da Inteligência Emocional é a experiência d
e liderar com
sensibilidade e eficácia.
Ao longo da história e em diferentes culturas, o lí
der de qualquer
agrupamento humano sempre foi aquele a quem os dema
is recorrem em busca de
conforto e clareza diante de incertezas, do perigo
ou na realização de algum
trabalho.
Na organização moderna, essa tarefa emocional conti
nua sendo a principal
das muitas funções da liderança; a competência rela
tiva à inteligência emocional,
ou seja, como os líderes lidam consigo próprio e co
m seus relacionamentos.
Em conseqüência, uma das tarefas do líder na organi
zação é canalizar as
emoções do grupo numa direção positiva e fiel aos o
bjetivos comuns de seus
membros e retirar os nevoeiros produzidos pelas emo
ções tóxicas ocasionando
ruídos na comunicação e desequilíbrio nas relações
interpessoais.
Se as pessoas forem impelidas para o lado do entusi
asmo, o desempenho
aumentará.
Se forem incitadas ao rancor e à ansiedade extremad
a, perderão o rumo do
5
desempenho produtivo.
A capacidade do líder de administrar conflitos e di
recionar os sentimentos
de modo a ajudar o grupo a cumprir suas metas depen
dede seu nível de
equilíbrio emocional.
"Os grandes líderes nos mobilizam. Inflamam nossa p
aixão e inspiram o
melhor dentro de nós. Quando tentamos explicar a ca
usa de tamanha eficácia,
pensamos em estratégia, visão ou idéias poderosas.
Na realidade, porém eles
atuam em um nível mais fundamental: os grandes líde
res agem por meio das
emoções".
O líder tem a grande responsabilidade de motivar e
estimular a equipe. Para isso, ele
deve ter consciência da importância de uma comunica
ção eficaz, deve desenvolver sua
capacidade de lidar com as adversidades, saber argu
mentar e ter boa estratégia de
negociação.
QUALIDADES DE LIDERANÇA
1. Entusiasmo –
Você consegue
pensar em algum líder que não tenha entusiasmo? É
difícil, não?
2. Integridade
– Essa é a qualidade que faz com que as pessoas ac
reditem em você. E
confiança é essencial em todos os relacionamentos h
umanos, sejam profissionais ou
pessoais. Integridade significa tanto inteireza pes
soal quanto à adesão a valores externos
a você, principalmente bondade e sinceridade.
3. Imparcialidade
– Líderes eficientes tratam indivíduos diferenteme
nte, porém, de forma
igualitária. Eles não têm favoritos. São imparciais
ao darem recompensas ou penalidades
pelo rendimento.
4. Firmeza
– Muitas vezes os líderes são pessoas exigentes, s
endo incômodo tê-los por
perto pelo fato de seus padrões serem muito elevado
s. Eles são obstinados e persistentes.
Líderes querem ser respeitados, mas não necessariam
ente populares.
5. Zelo
– A insensibilidade não leva a bons líderes. A lid
erança envolve o coração, assim
como a mente. Gostar do que você faz e importar-se
com as pessoas é igualmente
essencial.
6. Confiança
– É essencial. As pessoas sentem a sua presença, e
, portanto, o
desenvolvimento de autoconfiança é sempre anterior
ao exercício da liderança. Mas não
se permita que a autoconfiança seja excessiva, atit
ude que é o primeiro passo para o
caminho da arrogância.
7. Humildade
– Uma qualidade própria dos grandes líderes. O opo
sto da humildade é a
arrogância. Os sinais de um bom líder são o desejo
de ouvir as pessoas e a ausência de
egocentrismo.
Podemos citar ainda entre ouras tantas qualidades
o
Comprometimento,
6
Altruísmo, Abnegação , Bom ouvinte, Iniciativa,
Ambição,
Empatia, Maturidade, Sociabilidade, Bom senso, Co
nhecimento
OBS: Fundamentalmente o líder precisa gostar de
PESSOAS.
CONCEITO DE CHEFIA:
É aquele que tem a tarefa de fazer funcionar o pes
soal, ou de tomar
deliberações e incorporá-los em ordens e instruções
gerais específicas.
Chefiar e assumir a responsabilidade pelo resultado
final da atividade de
várias pessoas que operam em conjunto.
TIPOS DE CHEFIA
•
Democrática ou persuasiva.
É aquela cuja autoridade emana do seu exemplo, da s
ua habilidade, da sua
capacidade e se alicerça no elevado padrão de disci
plina e eficiência, que exige
de si e de seus subordinados.
•
Autoritária
É predominantemente despótica. É aquele que insiste
na obediência cega
com completa subordinação à sua vontade; qualquer c
rítica ou indagação lhe
parecerá insolente e perigosa. Busca uma obediênci
a imposta por não ter
capacidade de discuti-la.
•
Liberal ou laissez-faire:
É aquele que se limita a fazer o que o grupo preten
de. Em geral é uma
pessoa muita insegura, que tem receio de assumir re
sponsabilidades; não dá
instrução nenhuma, cada um de seus subordinados faz
o que quer, a confusão é
completa.
7
•
Carismática:
É o dom natural de liderar. O grupo funciona submi
sso às suas idéias.
•
Paternalista:
É o protetor, mas não é inspirador como o democráti
co. O grupo não
desenvolve a livre iniciativa.
CHEFIA MILITAR:
“É a arte de influenciar e conduzir homens a um de
terminado objetivo
obtendo sua obediência, confiança, respeito e leal
cooperação”.
A chefia militar é em essência, o próprio exercíci
o do comando.
O objetivo é fazer da Corporação uma organização c
apaz de cumprir
fielmente qualquer missão e em condições de agir co
nvenientemente, mesmo na
ausência de ordens.
“Comando é a autoridade que o militar exerce legal
mente sobre seus
subordinados, em virtude do posto, graduação ou fun
ção”.
CHEFE: Tem a visão de que
LÍDER: Tem a visão de que
Administra recursos humanos Lidera pessoas
Tem todo o poder Tem competência
Conflitos são aborrecimentos Conflitos são lições
Crises são riscos Crises são oportunidades
Pessoas trabalham por dinheiro Pessoas também traba
lham por dinheiro
Tem subordinados Tem parceiros
Manda
Orienta
Amedronta Entusiasma
Diz: Vá!
Diz: Vamos!
Baseia-se no poder Baseia-se na cooperação
Procura culpado Assume responsabilidade
Faz mistério Comunica
Fiscaliza Acompanha
Promete e não cumpre Nunca promete o que não pode c
umprir
8
LIDERANÇA E COMUNICAÇÃO
Comunicação
é a capacidade de transmitir e expressar idéias, f
eedback,
pensamentos, imagens, emoções e informações de modo
a gerar no outro um
motivo para a ação.
Em geral, as pessoas dão maior importância à transm
issão de idéias porque é
através dela que informamos, ensinamos e pensamos.
No entanto, a base para
um bom relacionamento interpessoal está em saber co
municar emoções e
sentimentos.
Cada vez mais a busca da excelência nas comunicaçõe
s é um desafio para quem
pretende atingir um alto nível de profissionalismo.
Em um mundo competitivo, onde um bom marketing pess
oal pode ser a senha
para o sucesso, há necessidade da competência técni
ca, aliada às competências
comportamentais e emocionais, que incluem relações
interpessoais mais
enriquecedoras e sustentáveis.
Objetivo da mensagem:
Se fazer entender
A COMUNICAÇÃO EFICAZ FORTALECE O RELACIONAMENTO
INTERPESSOAL E PORTANTO, FACILITA A ATUAÇÃO DO LÍDE
R
Para uma boa comunicação interpessoal, é necessário
compreender alguns
componentes críticos que distinguem claramente os b
ons dos maus
comunicadores.
São eles:
1- AUTO-IMAGEM OU AUTOCONCEITO
Um dos componentes mais importantes que afeta a com
unicação entre as
pessoas é a sua auto-imagem, ou seja, a imagem que
tem de si mesma e das
situações que vivenciam.
Cada um tem um conceito de si mesmo: quem é, o que
faz, o que representa, o
9
que valoriza e no que acredita. E tem valores que a
través dos quais ele percebe,
ouve, avalia e compreende todas as coisas.
A auto-imagem é o seu filtro individual frente ao m
undo que o cerca; e
conseqüentemente afeta a maneira como este se comun
ica com os outros.
2- SABER OUVIR
O ato de ouvir, naturalmente é algo muito mais comp
licado do que se pensa. O
ouvinte eficaz não só escuta as palavras em si, com
o também seus significados
subjacentes. Ele é capaz de ouvir nas entrelinhas,
ou seja, aquilo que não é dito
por palavras, aquilo que se expressa silenciosament
e.
Ele interage com o interlocutor no sentido de desen
volver os significados e chegar
à compreensão.
Escutar, sabendo ouvir, é uma aptidão que mantém as
relações interpessoais
mais próximas.
3- CLAREZA DE EXPRESSÃO
Ouvir de forma eficaz é uma habilidade necessária e
negligenciada na
comunicação, porém muitas pessoas consideram igualm
ente difícil dizer aquilo
que querem, pensam ou sentem.
Freqüentemente as pessoas presumem simplesmente que
o outro compreende a
sua mensagem, mesmo que sejam descuidadas ou confus
as em sua fala. Esta
suposição é uma das maiores barreiras para a comuni
cação.
4- CAPACIDADE PARA LIDAR COM SENTIMENTOS DE CONTRAR
IEDADE
Normalmente as pessoas não têm capacidade para lida
r com sentimentos de
contrariedade, ocasionando grandes curtos-circuitos
na comunicação. Evitam
confrontos por temerem os conflitos nas relações in
terpessoais.
Expor as emoções mesmo negativas não significa dest
ruir relações.
5- TRANSPARÊNCIA
A capacidade de falar francamente a respeito de si
mesmo é necessária à
comunicação eficaz. Uma pessoa não pode ter boa com
unicação com outra sem
buscar a transparência nas comunicações.
Este processo é recíproco.
O comunicador eficaz é aquele que consegue criar um
clima de confiança em que
a abertura recíproca pode florescer. Confiança gera
confiança.
Se numa equipe de trabalho os sentimentos dos membr
os são claros e positivos
(se existir simpatia, empatia e respeito mútuo, por
exemplo), os relacionamentos
tendem a ser produtivo, gerando participação, coope
ração e envolvimento.
No entanto, se os sentimentos forem negativos (se e
xistir antipatia, rejeição,
medo, insegurança, por exemplo) os relacionamentos
tendem a ser improdutivos,
gerando afastamento, rivalidade e agressão física e
/ou verbal.
Utilize as técnicas:
•
CCFF
– Compreensão, correção, flexibilidade e franqueza
;
•
BBB
– Bom humor, bom senso e boa vontade.
ZIG-ZAG DA COMUNICAÇÃO = RUÍDOS NA COMUNICAÇÃO
1
O que queria dizer O que ainda não foi dito
O que foi dito Ainda não foi ouvido
O ouvido Ainda não foi compreendido
O compreendido Ainda não foi aprovado
O aprovado Ainda não foi aplicado
O aplicado Ainda não foi continuado
Os ruídos na comunicação podem prejudicar o proces
so da comunicação e
o relacionamento interpessoal.
TIPOS DE COMUNICAÇÃO
A LINGUAGEM DO CORPO
Até 90% do conteúdo de uma mensagem é transmitido
através do corpo.
Rugas na testa – atenção.
Olhos permitem contato ou controle.
Nariz – Superioridade ou Submissão.
Canto da boca
- Levantado – Satisfação
- Horizontal – Indiferença
- Baixo – Insatisfação
Quanto mais próximo e mais aberto, mais chances de
persuadir.
SABER OUVIR
A comunicação, em geral, consiste:
45% Saber ouvir
16% ler
30% em falar
9% em escrever
Outras questões importantes:
Saber perguntar
Saber persuadir
COMUNICAÇÃO VERBAL
- Oral ou Escrita (através de palavras escritas ou
faladas)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estilo de liderança
Estilo de liderançaEstilo de liderança
Estilo de liderançaMkrH Uniesp
 
Competências de liderança
Competências de liderançaCompetências de liderança
Competências de liderançaJose Soares Lara
 
Liderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacionalLiderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacionalRicardo Albuquerque
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDertati_spazziano
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipeMarcely Santos
 
Curso de chefia e liderança parte 2/6
Curso de chefia e liderança   parte 2/6Curso de chefia e liderança   parte 2/6
Curso de chefia e liderança parte 2/6ABCursos OnLine
 
Liderança: o conceito em múltiplas abordagens
Liderança: o conceito em múltiplas abordagensLiderança: o conceito em múltiplas abordagens
Liderança: o conceito em múltiplas abordagensMarcus Vinícius
 
LideranÇa O Caminho Para O Sucesso
LideranÇa   O Caminho Para O SucessoLideranÇa   O Caminho Para O Sucesso
LideranÇa O Caminho Para O SucessoThiago Ferreira
 
Liderança aulas 1, 2
Liderança   aulas 1, 2Liderança   aulas 1, 2
Liderança aulas 1, 2Katiana Diniz
 
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio Pascoal
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio PascoalLiderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio Pascoal
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio PascoalJulio Pascoal
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderRenato Martinelli
 

Mais procurados (20)

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 
Estilo de liderança
Estilo de liderançaEstilo de liderança
Estilo de liderança
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Treinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - EmbaliTreinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - Embali
 
Competências de liderança
Competências de liderançaCompetências de liderança
Competências de liderança
 
Liderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacionalLiderança e comportamento organizacional
Liderança e comportamento organizacional
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipe
 
Liderança 01
Liderança 01Liderança 01
Liderança 01
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Curso de chefia e liderança parte 2/6
Curso de chefia e liderança   parte 2/6Curso de chefia e liderança   parte 2/6
Curso de chefia e liderança parte 2/6
 
Liderança: o conceito em múltiplas abordagens
Liderança: o conceito em múltiplas abordagensLiderança: o conceito em múltiplas abordagens
Liderança: o conceito em múltiplas abordagens
 
LideranÇa O Caminho Para O Sucesso
LideranÇa   O Caminho Para O SucessoLideranÇa   O Caminho Para O Sucesso
LideranÇa O Caminho Para O Sucesso
 
Liderança aulas 1, 2
Liderança   aulas 1, 2Liderança   aulas 1, 2
Liderança aulas 1, 2
 
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio Pascoal
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio PascoalLiderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio Pascoal
Liderança - Despertando seu Líder Interior - Por Julio Pascoal
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 
agt_2_a03
agt_2_a03agt_2_a03
agt_2_a03
 

Semelhante a Chefia e liderança

Liderança - Jovem Candango
Liderança - Jovem CandangoLiderança - Jovem Candango
Liderança - Jovem CandangoJader Windson
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2Marcus Pimenta
 
Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Universidade Unesa
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãReginaldo Pacheco
 
O papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipeO papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipeEditora Moderna
 
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAMessias Matusse
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfThiago Thome
 
O Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipe
O  Papel Do Gestor Como Líder De Sua EquipeO  Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipe
O Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipetelasnorte1
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxNorberto Tomasini Jr
 
Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita NorbertoTomasini
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Tania Montandon
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismorobsonnasc
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoDeomari Fragoso
 
Aula sobre liderança
Aula sobre liderançaAula sobre liderança
Aula sobre liderançaSarah Bruck
 
Lideranca 120402214620-phpapp01
Lideranca 120402214620-phpapp01Lideranca 120402214620-phpapp01
Lideranca 120402214620-phpapp01Universidade Unesa
 
Liderança aula 7
Liderança   aula 7 Liderança   aula 7
Liderança aula 7 Sarah Bruck
 

Semelhante a Chefia e liderança (20)

O Papel do Líder no Comportamento Organizacional
O Papel do Líder no Comportamento OrganizacionalO Papel do Líder no Comportamento Organizacional
O Papel do Líder no Comportamento Organizacional
 
Liderança - Jovem Candango
Liderança - Jovem CandangoLiderança - Jovem Candango
Liderança - Jovem Candango
 
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2inMBA - Tema Liderança - Aula 2
inMBA - Tema Liderança - Aula 2
 
Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristã
 
O papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipeO papel do gestor como lider de sua equipe
O papel do gestor como lider de sua equipe
 
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançA
 
teste
testeteste
teste
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
O Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipe
O  Papel Do Gestor Como Líder De Sua EquipeO  Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipe
O Papel Do Gestor Como Líder De Sua Equipe
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
 
Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Aula sobre liderança
Aula sobre liderançaAula sobre liderança
Aula sobre liderança
 
Lideranca 120402214620-phpapp01
Lideranca 120402214620-phpapp01Lideranca 120402214620-phpapp01
Lideranca 120402214620-phpapp01
 
Liderança aula 7
Liderança   aula 7 Liderança   aula 7
Liderança aula 7
 

Mais de Alexandre Cavalcanti

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Alexandre Cavalcanti
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaAlexandre Cavalcanti
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuAlexandre Cavalcanti
 
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.Alexandre Cavalcanti
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón JrAlexandre Cavalcanti
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Alexandre Cavalcanti
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemAlexandre Cavalcanti
 
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldoHistoria do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldoAlexandre Cavalcanti
 
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Alexandre Cavalcanti
 

Mais de Alexandre Cavalcanti (20)

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.
 
Trabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe RhTrabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe Rh
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Histórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanosHistórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanos
 
Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
 
O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2
 
Atividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais PompeuAtividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais Pompeu
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
 
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
 
1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr
 
4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
 
3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
 
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldoHistoria do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
 
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 

Último (20)

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 

Chefia e liderança

  • 1. CHEFIA E LIDERANÇA Um grupo, sem alguém que o conduza torna-se fonte de anarquia, dedesunião e dificilmente chegará a qualquer lugar ou concluirá com êxito qualquer trabalho.Sem um chefe, o grupo é um corpo sem cabeça, que independente da boa vontade de cada integrante, cujo esforço, inclusive poderá ser oposto ao de outrem, queima esforços desnecessariamente, esforçs que poderiam ser empregados proveitosamente em benefício do conjunto bastando que alguém do grupo adotasse a iniciativa de coordenar o empenho comum na direção desejada. É evidente que, quanto maior o desafio no grupo, q uanto mais específico for, maiores serão as exigências para os componente s do grupo e, portanto maiores e melhores qualificações serão requeridas d o seu chefe. Quando abordamos a figura do chefe, como sendo aqu ele que deve interpretar, defender e realizar uma tarefa, à fren te de um grupo, devemos entender sobre a “autoridade” daquele que é o portador do direito de exercer um papel proeminente na condução do seu grupo. Contudo, se o exercício coloca em destaque, tal ho nra é acompanhada pelo ônus da responsabilidade, o que exige da autoridade um nível de compreensão quanto aos seus direitos e deveres. O exercício da chefia é uma prerrogativa de um cargo , muitas vezes independe da capacidade de seu detentor, visto que o direito de comandar é um mandato recebido legalmente. Porém, é claro que um chefe não cumprirá bem o seu papel, a não ser que desenvolva em si próprio, as qualidades que o tornará um indivíduo digno do seu título; que o tornará um líder . Em resumo, chefiar “é simplesmente, fazer um grupo funcionar para que sejam atingidos determinados objetivos. Enquanto, q ue liderar, é mais do que isso, é a habilidade de exercer influência e ser influenc iado pelo grupo, através de um 2 processo de relações interpessoais adequadas para a consecução de um ou mais objetivos comuns a todos os participantes”. Liderar é engajar-se em um ato que
  • 2. inicia uma estrutura nas interações como parte do p rocesso de solucionar um problema mútuo. Poder e Autoridade segundo Max Weber : PODER: “É a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferi sse não o fazer”. AUTORIDADE: “É a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal”. CONCEITOS DE LIDERANÇA: A palavra líder veio do antigo germânico lad, “caminho”. Um ladan, ou “líder”, era “aquele que mostrava o caminho”. Era o guia, que conduzia caminhantes de um povoado a outro. Sua principal responsabilidade, durante a caminhada, era “cuidar de todos e de cada um”. Liderança é o processo pelo qual se motiva e ajuda a trabalhar os outros, com entusiasmo para atingir seus objetivos. “É o f ator humano que ajuda um grupo a identificar o caminho a seguir, motivand o-o para alcançar suas metas”. (DAVIS e NETSON, 1991); A Liderança Militar é a arte de influir nos soldad os para que cumpram missões designadas às suas unidades (MilitaryRevie w, 1993); A Liderança em todos os níveis é a base do treinam ento realista e agressivo, na qual resulta numa equipe com alto gra u de disposição que estimula os soldados a trabalharem sob circunstânci as difíceis e de perigo para vencer os adversários. (King, 1993); Liderança é a habilidade de influenciar pessoas pa ra trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos ide ntificados como sendo para o bem comum. (James Hunter, 2004). Modelo de Liderança 3 James Hunter em O Monge e o Executivo
  • 3. ESTILOS DE LIDERANÇA: Líderes Ressonantes O líder ressonante é empático e expressa esse senti mento ao grupo. Esse tipo de ressonância reforça a sincronia da equipe fazendo c om que as pessoas sintam-se compreendidas (valorizadas) e compromissadas com su as atividades profissionais compartilhandoidéias, aprendendo uns com os outros , tomando decisões de maneira colaborativa. Exemplos de líderes ressonantes: Visionário Conselheiro Agregador Empreendedor Democrático Carismático Servidor Líderes Dissonantes O líder dissonante não só é desprovido de empatia, como não transmite confiança nos atos e nas palavras que professa, visa benefício pr óprio e não coletivo. Pode parecer eficaz em curto prazo, mas suas atitudes desmentem seu aparente sucesso. Esse líder ressoa exclusivamente o lado negativo do aspecto em ocional, estimulando o lado negativo do conflito e, mais cedo ou mais tarde acaba por co ntagiar e exaurir as pessoas, gerando conflitosingerenciáveis. Um exemplo de líderes dissonantes são os chefes com os quais todos têm horror de trabalhar e resistem em trocar idéias ou “despachar ” o expediente. LIDERANÇA AUTORIDADE SERVIÇO E SACRIFÍCIO AMOR VONTADE 4 Exemplos de líderes dissonantes: Agressivo Despótico Autocrático Arrogante O líder deve preocupar-se com aquilo que faz e o qu e diz, pois terá forte impacto sobre seus subordinados. FUNÇÕES DA LIDERANÇA "A função básica dos líderes consiste em imprimir e m seus liderados um sentimento positivo. Isso acontece quando o líder cria ressonâ
  • 4. ncia - um reservatório de positividade que liberta o melhor que há em cada um. Em sua essência, pois, a missão básica da liderança é de cunho emocional". Daniel Go leman O poder da Inteligência Emocional é a experiência d e liderar com sensibilidade e eficácia. Ao longo da história e em diferentes culturas, o lí der de qualquer agrupamento humano sempre foi aquele a quem os dema is recorrem em busca de conforto e clareza diante de incertezas, do perigo ou na realização de algum trabalho. Na organização moderna, essa tarefa emocional conti nua sendo a principal das muitas funções da liderança; a competência rela tiva à inteligência emocional, ou seja, como os líderes lidam consigo próprio e co m seus relacionamentos. Em conseqüência, uma das tarefas do líder na organi zação é canalizar as emoções do grupo numa direção positiva e fiel aos o bjetivos comuns de seus membros e retirar os nevoeiros produzidos pelas emo ções tóxicas ocasionando ruídos na comunicação e desequilíbrio nas relações interpessoais. Se as pessoas forem impelidas para o lado do entusi asmo, o desempenho aumentará. Se forem incitadas ao rancor e à ansiedade extremad a, perderão o rumo do 5 desempenho produtivo. A capacidade do líder de administrar conflitos e di recionar os sentimentos de modo a ajudar o grupo a cumprir suas metas depen dede seu nível de equilíbrio emocional. "Os grandes líderes nos mobilizam. Inflamam nossa p aixão e inspiram o melhor dentro de nós. Quando tentamos explicar a ca usa de tamanha eficácia, pensamos em estratégia, visão ou idéias poderosas. Na realidade, porém eles atuam em um nível mais fundamental: os grandes líde res agem por meio das emoções". O líder tem a grande responsabilidade de motivar e estimular a equipe. Para isso, ele deve ter consciência da importância de uma comunica
  • 5. ção eficaz, deve desenvolver sua capacidade de lidar com as adversidades, saber argu mentar e ter boa estratégia de negociação. QUALIDADES DE LIDERANÇA 1. Entusiasmo – Você consegue pensar em algum líder que não tenha entusiasmo? É difícil, não? 2. Integridade – Essa é a qualidade que faz com que as pessoas ac reditem em você. E confiança é essencial em todos os relacionamentos h umanos, sejam profissionais ou pessoais. Integridade significa tanto inteireza pes soal quanto à adesão a valores externos a você, principalmente bondade e sinceridade. 3. Imparcialidade – Líderes eficientes tratam indivíduos diferenteme nte, porém, de forma igualitária. Eles não têm favoritos. São imparciais ao darem recompensas ou penalidades pelo rendimento. 4. Firmeza – Muitas vezes os líderes são pessoas exigentes, s endo incômodo tê-los por perto pelo fato de seus padrões serem muito elevado s. Eles são obstinados e persistentes. Líderes querem ser respeitados, mas não necessariam ente populares. 5. Zelo – A insensibilidade não leva a bons líderes. A lid erança envolve o coração, assim como a mente. Gostar do que você faz e importar-se com as pessoas é igualmente essencial. 6. Confiança – É essencial. As pessoas sentem a sua presença, e , portanto, o desenvolvimento de autoconfiança é sempre anterior ao exercício da liderança. Mas não se permita que a autoconfiança seja excessiva, atit ude que é o primeiro passo para o caminho da arrogância. 7. Humildade – Uma qualidade própria dos grandes líderes. O opo sto da humildade é a arrogância. Os sinais de um bom líder são o desejo de ouvir as pessoas e a ausência de egocentrismo. Podemos citar ainda entre ouras tantas qualidades o
  • 6. Comprometimento, 6 Altruísmo, Abnegação , Bom ouvinte, Iniciativa, Ambição, Empatia, Maturidade, Sociabilidade, Bom senso, Co nhecimento OBS: Fundamentalmente o líder precisa gostar de PESSOAS. CONCEITO DE CHEFIA: É aquele que tem a tarefa de fazer funcionar o pes soal, ou de tomar deliberações e incorporá-los em ordens e instruções gerais específicas. Chefiar e assumir a responsabilidade pelo resultado final da atividade de várias pessoas que operam em conjunto. TIPOS DE CHEFIA • Democrática ou persuasiva. É aquela cuja autoridade emana do seu exemplo, da s ua habilidade, da sua capacidade e se alicerça no elevado padrão de disci plina e eficiência, que exige de si e de seus subordinados. • Autoritária É predominantemente despótica. É aquele que insiste na obediência cega com completa subordinação à sua vontade; qualquer c rítica ou indagação lhe parecerá insolente e perigosa. Busca uma obediênci a imposta por não ter capacidade de discuti-la. • Liberal ou laissez-faire: É aquele que se limita a fazer o que o grupo preten de. Em geral é uma pessoa muita insegura, que tem receio de assumir re sponsabilidades; não dá instrução nenhuma, cada um de seus subordinados faz o que quer, a confusão é completa. 7 • Carismática: É o dom natural de liderar. O grupo funciona submi sso às suas idéias. • Paternalista: É o protetor, mas não é inspirador como o democráti co. O grupo não desenvolve a livre iniciativa.
  • 7. CHEFIA MILITAR: “É a arte de influenciar e conduzir homens a um de terminado objetivo obtendo sua obediência, confiança, respeito e leal cooperação”. A chefia militar é em essência, o próprio exercíci o do comando. O objetivo é fazer da Corporação uma organização c apaz de cumprir fielmente qualquer missão e em condições de agir co nvenientemente, mesmo na ausência de ordens. “Comando é a autoridade que o militar exerce legal mente sobre seus subordinados, em virtude do posto, graduação ou fun ção”. CHEFE: Tem a visão de que LÍDER: Tem a visão de que Administra recursos humanos Lidera pessoas Tem todo o poder Tem competência Conflitos são aborrecimentos Conflitos são lições Crises são riscos Crises são oportunidades Pessoas trabalham por dinheiro Pessoas também traba lham por dinheiro Tem subordinados Tem parceiros Manda Orienta Amedronta Entusiasma Diz: Vá! Diz: Vamos! Baseia-se no poder Baseia-se na cooperação Procura culpado Assume responsabilidade Faz mistério Comunica Fiscaliza Acompanha Promete e não cumpre Nunca promete o que não pode c umprir 8 LIDERANÇA E COMUNICAÇÃO Comunicação é a capacidade de transmitir e expressar idéias, f eedback, pensamentos, imagens, emoções e informações de modo a gerar no outro um motivo para a ação. Em geral, as pessoas dão maior importância à transm issão de idéias porque é através dela que informamos, ensinamos e pensamos. No entanto, a base para um bom relacionamento interpessoal está em saber co municar emoções e sentimentos. Cada vez mais a busca da excelência nas comunicaçõe
  • 8. s é um desafio para quem pretende atingir um alto nível de profissionalismo. Em um mundo competitivo, onde um bom marketing pess oal pode ser a senha para o sucesso, há necessidade da competência técni ca, aliada às competências comportamentais e emocionais, que incluem relações interpessoais mais enriquecedoras e sustentáveis. Objetivo da mensagem: Se fazer entender A COMUNICAÇÃO EFICAZ FORTALECE O RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E PORTANTO, FACILITA A ATUAÇÃO DO LÍDE R Para uma boa comunicação interpessoal, é necessário compreender alguns componentes críticos que distinguem claramente os b ons dos maus comunicadores. São eles: 1- AUTO-IMAGEM OU AUTOCONCEITO Um dos componentes mais importantes que afeta a com unicação entre as pessoas é a sua auto-imagem, ou seja, a imagem que tem de si mesma e das situações que vivenciam. Cada um tem um conceito de si mesmo: quem é, o que faz, o que representa, o 9 que valoriza e no que acredita. E tem valores que a través dos quais ele percebe, ouve, avalia e compreende todas as coisas. A auto-imagem é o seu filtro individual frente ao m undo que o cerca; e conseqüentemente afeta a maneira como este se comun ica com os outros. 2- SABER OUVIR O ato de ouvir, naturalmente é algo muito mais comp licado do que se pensa. O ouvinte eficaz não só escuta as palavras em si, com o também seus significados subjacentes. Ele é capaz de ouvir nas entrelinhas, ou seja, aquilo que não é dito por palavras, aquilo que se expressa silenciosament e. Ele interage com o interlocutor no sentido de desen volver os significados e chegar à compreensão. Escutar, sabendo ouvir, é uma aptidão que mantém as relações interpessoais mais próximas. 3- CLAREZA DE EXPRESSÃO
  • 9. Ouvir de forma eficaz é uma habilidade necessária e negligenciada na comunicação, porém muitas pessoas consideram igualm ente difícil dizer aquilo que querem, pensam ou sentem. Freqüentemente as pessoas presumem simplesmente que o outro compreende a sua mensagem, mesmo que sejam descuidadas ou confus as em sua fala. Esta suposição é uma das maiores barreiras para a comuni cação. 4- CAPACIDADE PARA LIDAR COM SENTIMENTOS DE CONTRAR IEDADE Normalmente as pessoas não têm capacidade para lida r com sentimentos de contrariedade, ocasionando grandes curtos-circuitos na comunicação. Evitam confrontos por temerem os conflitos nas relações in terpessoais. Expor as emoções mesmo negativas não significa dest ruir relações. 5- TRANSPARÊNCIA A capacidade de falar francamente a respeito de si mesmo é necessária à comunicação eficaz. Uma pessoa não pode ter boa com unicação com outra sem buscar a transparência nas comunicações. Este processo é recíproco. O comunicador eficaz é aquele que consegue criar um clima de confiança em que a abertura recíproca pode florescer. Confiança gera confiança. Se numa equipe de trabalho os sentimentos dos membr os são claros e positivos (se existir simpatia, empatia e respeito mútuo, por exemplo), os relacionamentos tendem a ser produtivo, gerando participação, coope ração e envolvimento. No entanto, se os sentimentos forem negativos (se e xistir antipatia, rejeição, medo, insegurança, por exemplo) os relacionamentos tendem a ser improdutivos, gerando afastamento, rivalidade e agressão física e /ou verbal. Utilize as técnicas: • CCFF – Compreensão, correção, flexibilidade e franqueza ; • BBB – Bom humor, bom senso e boa vontade.
  • 10. ZIG-ZAG DA COMUNICAÇÃO = RUÍDOS NA COMUNICAÇÃO 1 O que queria dizer O que ainda não foi dito O que foi dito Ainda não foi ouvido O ouvido Ainda não foi compreendido O compreendido Ainda não foi aprovado O aprovado Ainda não foi aplicado O aplicado Ainda não foi continuado Os ruídos na comunicação podem prejudicar o proces so da comunicação e o relacionamento interpessoal. TIPOS DE COMUNICAÇÃO A LINGUAGEM DO CORPO Até 90% do conteúdo de uma mensagem é transmitido através do corpo. Rugas na testa – atenção. Olhos permitem contato ou controle. Nariz – Superioridade ou Submissão. Canto da boca - Levantado – Satisfação - Horizontal – Indiferença - Baixo – Insatisfação Quanto mais próximo e mais aberto, mais chances de persuadir. SABER OUVIR A comunicação, em geral, consiste: 45% Saber ouvir 16% ler 30% em falar 9% em escrever Outras questões importantes: Saber perguntar Saber persuadir COMUNICAÇÃO VERBAL - Oral ou Escrita (através de palavras escritas ou faladas)