SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DO
DINHEIRO NO BRASIL
Marcos Faber
www.historialivre.com
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Introdução
Numismática (do grego antigo νόµισµα - nomisma, através do latim numisma, moeda) é a ciência
que tem por objetivo o estudo das moedas, das cédulas e das medalhas.
Moedas e cédulas são importantes fontes históricas, pois possibilitam ao historiador compreender
mais sobre a forma de governo, a língua, a religião, os governantes e a situação econômica do país
que emitiu a moeda. Cada vez mais a numismática tem sido utilizada nas pesquisas de povos e
nações do passado.
Ao lado, um Denário (Roma, 211 a.C.) e
uma Drácma (Lucânia, Grécia, 535 a.C.).
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
A partir de 1642, dois anos após o fim da União Ibérica, os reis de Portugal, D. João IV e
seu sucessor D. Afonso VI, tomaram uma série de decisões relativas ao dinheiro, entre
elas, determinaram a carimbagem das moedas espanholas. O carimbo aumentava o valor
da moeda e restringia sua circulação a Portugal e suas colônias.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Documento que acompanhava cada uma das barras de ouro produzidas nas Casas de Fundição,
em 1809. Comprovava o pagamento do quinto e era aceito como moeda no comércio local.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
O crescimento dos gastos com a presença da Corte portuguesa no Rio de Janeiro e a falta de metal
precioso levaram à necessidade de emissão de moeda de papel para atender ao comércio. Criou-
se o Banco do Brasil e, em 1810, foram lançados em circulação os primeiros bilhetes de banco no
país, precursores das atuais cédulas.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
As notas para o Troco do Cobre foram as primeiras emissões do Tesouro Nacional, órgão criado
pelo governo para emitir o dinheiro do Brasil. As cédulas foram fabricadas para serem trocadas
pelas moedas falsas de cobre.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
O crescimento do comércio, no 2º Reinado, fez com que alguns bancos particulares tivessem
permissão para emitir notas em diversas cidades do país. Esta cédula circulou na Bahia, entre 1845
e 1855.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
As emissões em papel ficavam cada vez mais importantes, à medida que a população crescia e , no
mundo inteiro, faltavam os metais preciosos usados na fabricação das moedas de valor alto. A
cédula acima foi emitida pelo Tesouro Nacional, o único emissor legal de 1866 até o final do período
imperial.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Sob o governo de D. Pedro II a situação melhorou um pouco, principalmente devido à produção
cafeeira (que seria o centro da economia brasileira nos próximos 100 anos) e à construção de
ferrovias e estradas. Acima nota de mil réis com a imagem de Dom Pedro II de 1879.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Cédula de mil réis, emitida durante o Segundo Império. Imagem em destaque de Dom Pedro II.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
O Governo Provisório republicano também permitiu que alguns bancos emitissem notas. As
emissões multiplicaram-se muito e retornou-se à ideia de um único emissor que, de 1892 a 1896, foi
o Banco da República do Brasil.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Durante os primeiros anos da República, além de diversos bancos, vários órgãos do Governo foram
encarregados da emissão de notas. O principal deles foi o Tesouro Nacional, que emitiu esta cédula
em 1903.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em 1906 foi criada a Caixa de Conversão, para combater crise no mercado do café e manter
equilibrado o poder de troca da moeda do Brasil no comércio com outras nações. A cédula ficou
conhecida como papel-ouro, porque tinha a garantia de ser trocada por moedas de ouro. A Caixa
teve suas atividades encerradas em 1920.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de Um Mil Réis, de 1923. A efígie da cédula é de Campos Salles.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota do Banco do Brasil, que foi autorizado a emitir moeda de papel entre 1923 e 1926. As cédulas
de um conto de réis equivaliam a um milhão de réis.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em 1942, durante o governo Getúlio Vargas, ocorreu uma reforma monetária sendo lançado o
Cruzeiro. A denominação se baseava na constelação do Cruzeiro do Sul. A cédula foi emitida pelo
Banco Central. Acima cédula de Cr$ 1,00 (um cruzeiro) com a imagem do Marques de Tamandaré.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em 1942 foi lançada a nota de Cr$ 10,00 (dez cruzeiros), emitida pelo Banco Central, traz em
destaque a imagem do presidente Getúlio Vargas.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros), emitida pelo Banco Central em 1942, em destaque a
imagem de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Depois receberia o carimbo de NCr$ 5,00
(cinco cruzeiros novos).
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de NCr$ 10 (dez cruzeiros novos) – ver carimbo, com a imagem de Alberto Santos Dumont
(1873-1932). O Cruzeiro Novo (1967-1970) foi uma moeda temporária criada para que a população
não fizesse confusão com o corte de três zeros. Por isso, as notas são carimbadas com os novos
valores.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de NCr$ 1 (um cruzeiro novo), com foto do navegador português Pedro Álvares Cabral (1467-
1520). Ficou em circulação de 1967 a 1973. Em 1970 seria substituída pela nota de Cr 1,00 (um
cruzeiro).
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em conclusão a reforma monetária iniciada em 1967, com a criação do padrão transitório Cruzeiro
Novo, a partir do dia 15 de maio de 1970, foram colocadas novas cédulas em circulação com o
nome de Cruzeiro. Note a semelhança desta cédula com a nota de um Real lançada em 1994.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Acima a nota de Cr$ 5,00 com a efigie de Dom Pedro I, nota lançada em 1970.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Acima a nota de Cr$ 10,00 com a efigie de Dom Pedro II, nota lançada em 1970.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
A nota de Cr$ 100,00 (cem cruzeiros), lançada na década de 1970, com a efígie do Marechal
Floriano Peixoto.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
No final da década de 1970 a nota de Cr$ 100,00 (cem cruzeiros), foi relançada atendendo aos
novos padrões de segurança contra falsificação. Efígie de Duque de Caxias.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Retrato do diplomata brasileiro José Maria da Silva Paranhos (1845-1912), mais conhecido como
Barão do Rio Branco. A imagem é inspirada em fotos oficiais da época em que era Ministro de
Estado (1902-1912). A nota de Cr$ 1.000 (mil cruzeiros) ficou em circulação de 1978 a 1989 e foi
popularmente chamada de "Um Barão".
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de Cr$ 500,00, ficou em circulação de 1972 a 1987. O desenho mostra a variedade étnica da
população brasileira, com características dos povos que colonizaram o país.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Figura do sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz (1872-1917), pioneiro no estudo das moléstias
tropicais no Brasil. A cédula de Cr$ 50.000 (cinqüenta mil cruzeiros) ficou em circulação de 1984 a
1990.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
O maestro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), ladeado por representação de vitórias-régias, em alusão
à Amazônia. A cédula de Cz$ 500 (quinhentos cruzados) ficou em circulação por quatro anos, de
1986 a 1990.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de Cz$ 1.000 (mil cruzados) com o retrato do escritor Machado de Assis (1839-1908), tendo à
esquerda o emblema da Academia Brasileira de Letras, da qual foi fundador. A nota depois virou
NCz$ 1 (um cruzado novo), com carimbo. No total das duas moedas, ficou em circulação de 1987 a
1990.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Retrato de Cândido Torquato Portinari (1903-1962) com detalhe de gravura do painel "Tiradentes",
concluído pelo pintor em 1949. A cédula de Cz$ 5.000,00 (cinco mil cruzados) ficou em circulação
por pouco mais de dois anos, de 1988 a 1990.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
A cédula de NCz$ 500 (quinhentos cruzados novos) traz a imagem do cientista Augusto Ruschi
(1915-1986), ladeada por alegorias de flora e fauna, destacando-se uma representação de uma
orquídea. Ficou em circulação de 1990 a 1994.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota com retrato da escritora Cecília Meireles (1901-1964), com alguns versos manuscritos
extraídos de seus "Cânticos". O lançamento do Plano Collor transformou a nota de NCz$ 100 (cem
cruzados novos) em Cr$ 100 (cem cruzeiros), com um carimbo. No total, considerando as duas
moedas, ficou em circulação de 1989 a 1992.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Figura do compositor Carlos Gomes (1836-1896), com detalhes de três figuras que representam "O
Guarani", "Salvador Rosa" e "O Escravo", três de suas mais importantes óperas. A cédula de Cr$
5.000 (cinco mil cruzeiros) ficou em circulação de 1990 a 1994.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nota de CR$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros reais). Efígie de “gaúcho”, ladeada por painel que retrata,
em visão simultânea, a fachada e o interior das ruínas da Igreja de São Miguel das Missões (RS),
construída pelos Jesuítas na primeira metade do século XVII.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Ainda em circulação, a nota de R$ 1 (um real), marcou o período de transição do Cruzeiro Real para
o Real. Lançada em 1º de julho de 1994, a nota não é mais fabricada, mas ainda continua em
circulação.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em 2000, por motivo de comemoração dos 500 anos do Descobrimento do Brasil, foi lançada a nota
de R$ 10 com a efigie de Pedro Álvares Cabral. Esta nota foi produzida com tecnologia inovadora a
prova de falsificação. Sua emissão restringiu-se somente ao ano de lançamento. Ficou conhecida
como a “nota de plástico”.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Em 2010 foram lançadas novas cédulas de real, as novas cédulas têm tecnologia de segurança
avançada, de acordo com o Banco Central. Até 2012 todas as notas antigas serão substituídas.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Com tamanhos diferenciados e detalhes em alto relevo, o Banco Central afirma que as novas notas
atendem às necessidades dos deficientes visuais, que têm dificuldade em reconhecer o valor das
cédulas atuais.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Nomes das moedas que circularam no Brasil - Fonte: Banco Central do Brasil
REAL : nome da moeda que vigorou no Brasil desde o início da colonização (1500) até 1942.
CRUZEIRO: criado no governo do presidente Getúlio Vargas, em 5 de outubro de 1942. Ao criar o Cruzeiro, o governo realizou o corte de zeros e
estabeleceu que cada Cruzeiro equivaleria a mil réis.
CRUZEIRO NOVO: entrou em circulação em 13 de fevereiro de 1967, durante o regime militar. Circulou até 14 de maio de 1970. Durante sua
implantação, o Cruzeiro perdeu três zeros.
CRUZEIRO: voltou em 15 de maio de 1970, sem corte de zeros.
CRUZADO: entrou em circulação em 28 de fevereiro de 1986, durante o Plano Cruzado no governo de José Sarney. Houve o corte de três zeros em
relação ao Cruzeiro.
CRUZADO NOVO: novamente, em função da inflação elevada, houve a criação de uma nova moeda e o corte de três zeros em relação a moeda
anterior. Entrou em circulação em 16 de janeiro de 1989.
CRUZEIRO: em 16 de março de 1990, durante o primeiro ano do Governo de Fernando Collor, a moeda retomou o nome de Cruzeiro. Nesta
mudança não ocorreu corte de zeros.
CRUZEIRO REAL: já em preparação para o Plano Real, o governo de Itamar Franco criou o Cruzeiro Real que entrou em circulação em 1 de agosto
de 1993. Houve o corte de três zeros.
REAL: moeda que entrou em circulação em 1 de julho de 1994, durante o Plano Real, implementado no governo de Itamar Franco. Os brasileiros
tiveram que trocar a moeda antiga pela nova (2.750 Cruzeiros Reais por 1 Real). O Real (R$) é a moeda em circulação até os dias de hoje.
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Referências
Banco Central do Brasil. Disponível em: http://www.bcb.gov.br
História Livre. Disponível em: http://www.historialivre.com/.
Padrões Monetários no Brasil. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/?PADMONET
História do Dinheiro no Brasil. Disponível em:
http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/cedulasantigasenovas_album.jhtm?abrefoto=1
História do Brasil. Disponível em: http://www.historialivre.com/brasil/index.htm
H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L
Fim
Professor Marcos Faber
marfaber@hotmail.com
www.historialivre.com

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo

Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do BrasilOracy Filho
 
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdfCartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdfisraelf3
 
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002+ Aloisio Magalhães
 
Planos EconôMicos ApóS 1985
Planos EconôMicos ApóS 1985Planos EconôMicos ApóS 1985
Planos EconôMicos ApóS 1985ecsette
 
Trabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo ETrabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo Emariasrt4
 
Trabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo ETrabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo Emariasrt4
 
Nascimento e morte do tostao a5
Nascimento e morte do tostao a5Nascimento e morte do tostao a5
Nascimento e morte do tostao a5mongedasilva
 
Slides sistema monetário
Slides sistema monetárioSlides sistema monetário
Slides sistema monetárioeucenir
 
História da moeda em portugal paulo soares
História da moeda em portugal paulo soaresHistória da moeda em portugal paulo soares
História da moeda em portugal paulo soaresturmaec11a
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR Luis Nassif
 
Padrões Monetários Brasileiros
Padrões Monetários BrasileirosPadrões Monetários Brasileiros
Padrões Monetários Brasileirosnumisbrazilis
 
Brasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilBrasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilElicardna
 

Semelhante a Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo (20)

Dinheiro brasil
Dinheiro brasilDinheiro brasil
Dinheiro brasil
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
 
Cédulas do brasil histórico
Cédulas do brasil históricoCédulas do brasil histórico
Cédulas do brasil histórico
 
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdfCartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
 
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002
Iconografia do meio circulante brasileiro entre 1960 e 2002
 
Planos EconôMicos ApóS 1985
Planos EconôMicos ApóS 1985Planos EconôMicos ApóS 1985
Planos EconôMicos ApóS 1985
 
Moeda portuguesa
Moeda portuguesaMoeda portuguesa
Moeda portuguesa
 
Trabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo ETrabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo E
 
Trabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo ETrabalhos Alunos Grupo E
Trabalhos Alunos Grupo E
 
Nascimento e morte do tostao a5
Nascimento e morte do tostao a5Nascimento e morte do tostao a5
Nascimento e morte do tostao a5
 
Slides sistema monetário
Slides sistema monetárioSlides sistema monetário
Slides sistema monetário
 
Slides sistema monetário
Slides sistema monetárioSlides sistema monetário
Slides sistema monetário
 
História da moeda em portugal paulo soares
História da moeda em portugal paulo soaresHistória da moeda em portugal paulo soares
História da moeda em portugal paulo soares
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 
Padroes monetarios brasileiros
Padroes monetarios brasileirosPadroes monetarios brasileiros
Padroes monetarios brasileiros
 
Padrões Monetários Brasileiros
Padrões Monetários BrasileirosPadrões Monetários Brasileiros
Padrões Monetários Brasileiros
 
Catálogo "A História Através do Colecionismo"
Catálogo "A História Através do Colecionismo"Catálogo "A História Através do Colecionismo"
Catálogo "A História Através do Colecionismo"
 
Dinheiro
DinheiroDinheiro
Dinheiro
 
Brasil v - editora abril
Brasil v - editora abrilBrasil v - editora abril
Brasil v - editora abril
 

Mais de Alexandre Cavalcanti

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Alexandre Cavalcanti
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaAlexandre Cavalcanti
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuAlexandre Cavalcanti
 
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.Alexandre Cavalcanti
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón JrAlexandre Cavalcanti
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Alexandre Cavalcanti
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemAlexandre Cavalcanti
 
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Alexandre Cavalcanti
 

Mais de Alexandre Cavalcanti (20)

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.
 
Trabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe RhTrabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe Rh
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Histórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanosHistórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanos
 
Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.
 
Chefia e liderança
Chefia e liderançaChefia e liderança
Chefia e liderança
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
 
O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2
 
Atividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais PompeuAtividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais Pompeu
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
 
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
 
1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr
 
4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
 
3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
 
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
 

Último

00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 

Último (20)

00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 

Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo

  • 1. HISTÓRIA DO DINHEIRO NO BRASIL Marcos Faber www.historialivre.com
  • 2. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Introdução Numismática (do grego antigo νόµισµα - nomisma, através do latim numisma, moeda) é a ciência que tem por objetivo o estudo das moedas, das cédulas e das medalhas. Moedas e cédulas são importantes fontes históricas, pois possibilitam ao historiador compreender mais sobre a forma de governo, a língua, a religião, os governantes e a situação econômica do país que emitiu a moeda. Cada vez mais a numismática tem sido utilizada nas pesquisas de povos e nações do passado. Ao lado, um Denário (Roma, 211 a.C.) e uma Drácma (Lucânia, Grécia, 535 a.C.).
  • 3. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L A partir de 1642, dois anos após o fim da União Ibérica, os reis de Portugal, D. João IV e seu sucessor D. Afonso VI, tomaram uma série de decisões relativas ao dinheiro, entre elas, determinaram a carimbagem das moedas espanholas. O carimbo aumentava o valor da moeda e restringia sua circulação a Portugal e suas colônias.
  • 4. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Documento que acompanhava cada uma das barras de ouro produzidas nas Casas de Fundição, em 1809. Comprovava o pagamento do quinto e era aceito como moeda no comércio local.
  • 5. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L O crescimento dos gastos com a presença da Corte portuguesa no Rio de Janeiro e a falta de metal precioso levaram à necessidade de emissão de moeda de papel para atender ao comércio. Criou- se o Banco do Brasil e, em 1810, foram lançados em circulação os primeiros bilhetes de banco no país, precursores das atuais cédulas.
  • 6. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L As notas para o Troco do Cobre foram as primeiras emissões do Tesouro Nacional, órgão criado pelo governo para emitir o dinheiro do Brasil. As cédulas foram fabricadas para serem trocadas pelas moedas falsas de cobre.
  • 7. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L O crescimento do comércio, no 2º Reinado, fez com que alguns bancos particulares tivessem permissão para emitir notas em diversas cidades do país. Esta cédula circulou na Bahia, entre 1845 e 1855.
  • 8. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L As emissões em papel ficavam cada vez mais importantes, à medida que a população crescia e , no mundo inteiro, faltavam os metais preciosos usados na fabricação das moedas de valor alto. A cédula acima foi emitida pelo Tesouro Nacional, o único emissor legal de 1866 até o final do período imperial.
  • 9. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Sob o governo de D. Pedro II a situação melhorou um pouco, principalmente devido à produção cafeeira (que seria o centro da economia brasileira nos próximos 100 anos) e à construção de ferrovias e estradas. Acima nota de mil réis com a imagem de Dom Pedro II de 1879.
  • 10. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Cédula de mil réis, emitida durante o Segundo Império. Imagem em destaque de Dom Pedro II.
  • 11. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L O Governo Provisório republicano também permitiu que alguns bancos emitissem notas. As emissões multiplicaram-se muito e retornou-se à ideia de um único emissor que, de 1892 a 1896, foi o Banco da República do Brasil.
  • 12. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Durante os primeiros anos da República, além de diversos bancos, vários órgãos do Governo foram encarregados da emissão de notas. O principal deles foi o Tesouro Nacional, que emitiu esta cédula em 1903.
  • 13. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em 1906 foi criada a Caixa de Conversão, para combater crise no mercado do café e manter equilibrado o poder de troca da moeda do Brasil no comércio com outras nações. A cédula ficou conhecida como papel-ouro, porque tinha a garantia de ser trocada por moedas de ouro. A Caixa teve suas atividades encerradas em 1920.
  • 14. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de Um Mil Réis, de 1923. A efígie da cédula é de Campos Salles.
  • 15. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota do Banco do Brasil, que foi autorizado a emitir moeda de papel entre 1923 e 1926. As cédulas de um conto de réis equivaliam a um milhão de réis.
  • 16. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em 1942, durante o governo Getúlio Vargas, ocorreu uma reforma monetária sendo lançado o Cruzeiro. A denominação se baseava na constelação do Cruzeiro do Sul. A cédula foi emitida pelo Banco Central. Acima cédula de Cr$ 1,00 (um cruzeiro) com a imagem do Marques de Tamandaré.
  • 17. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em 1942 foi lançada a nota de Cr$ 10,00 (dez cruzeiros), emitida pelo Banco Central, traz em destaque a imagem do presidente Getúlio Vargas.
  • 18. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros), emitida pelo Banco Central em 1942, em destaque a imagem de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Depois receberia o carimbo de NCr$ 5,00 (cinco cruzeiros novos).
  • 19. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de NCr$ 10 (dez cruzeiros novos) – ver carimbo, com a imagem de Alberto Santos Dumont (1873-1932). O Cruzeiro Novo (1967-1970) foi uma moeda temporária criada para que a população não fizesse confusão com o corte de três zeros. Por isso, as notas são carimbadas com os novos valores.
  • 20. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de NCr$ 1 (um cruzeiro novo), com foto do navegador português Pedro Álvares Cabral (1467- 1520). Ficou em circulação de 1967 a 1973. Em 1970 seria substituída pela nota de Cr 1,00 (um cruzeiro).
  • 21. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em conclusão a reforma monetária iniciada em 1967, com a criação do padrão transitório Cruzeiro Novo, a partir do dia 15 de maio de 1970, foram colocadas novas cédulas em circulação com o nome de Cruzeiro. Note a semelhança desta cédula com a nota de um Real lançada em 1994.
  • 22. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Acima a nota de Cr$ 5,00 com a efigie de Dom Pedro I, nota lançada em 1970.
  • 23. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Acima a nota de Cr$ 10,00 com a efigie de Dom Pedro II, nota lançada em 1970.
  • 24. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L A nota de Cr$ 100,00 (cem cruzeiros), lançada na década de 1970, com a efígie do Marechal Floriano Peixoto.
  • 25. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L No final da década de 1970 a nota de Cr$ 100,00 (cem cruzeiros), foi relançada atendendo aos novos padrões de segurança contra falsificação. Efígie de Duque de Caxias.
  • 26. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Retrato do diplomata brasileiro José Maria da Silva Paranhos (1845-1912), mais conhecido como Barão do Rio Branco. A imagem é inspirada em fotos oficiais da época em que era Ministro de Estado (1902-1912). A nota de Cr$ 1.000 (mil cruzeiros) ficou em circulação de 1978 a 1989 e foi popularmente chamada de "Um Barão".
  • 27. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de Cr$ 500,00, ficou em circulação de 1972 a 1987. O desenho mostra a variedade étnica da população brasileira, com características dos povos que colonizaram o país.
  • 28. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Figura do sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz (1872-1917), pioneiro no estudo das moléstias tropicais no Brasil. A cédula de Cr$ 50.000 (cinqüenta mil cruzeiros) ficou em circulação de 1984 a 1990.
  • 29. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L O maestro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), ladeado por representação de vitórias-régias, em alusão à Amazônia. A cédula de Cz$ 500 (quinhentos cruzados) ficou em circulação por quatro anos, de 1986 a 1990.
  • 30. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de Cz$ 1.000 (mil cruzados) com o retrato do escritor Machado de Assis (1839-1908), tendo à esquerda o emblema da Academia Brasileira de Letras, da qual foi fundador. A nota depois virou NCz$ 1 (um cruzado novo), com carimbo. No total das duas moedas, ficou em circulação de 1987 a 1990.
  • 31. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Retrato de Cândido Torquato Portinari (1903-1962) com detalhe de gravura do painel "Tiradentes", concluído pelo pintor em 1949. A cédula de Cz$ 5.000,00 (cinco mil cruzados) ficou em circulação por pouco mais de dois anos, de 1988 a 1990.
  • 32. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L A cédula de NCz$ 500 (quinhentos cruzados novos) traz a imagem do cientista Augusto Ruschi (1915-1986), ladeada por alegorias de flora e fauna, destacando-se uma representação de uma orquídea. Ficou em circulação de 1990 a 1994.
  • 33. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota com retrato da escritora Cecília Meireles (1901-1964), com alguns versos manuscritos extraídos de seus "Cânticos". O lançamento do Plano Collor transformou a nota de NCz$ 100 (cem cruzados novos) em Cr$ 100 (cem cruzeiros), com um carimbo. No total, considerando as duas moedas, ficou em circulação de 1989 a 1992.
  • 34. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Figura do compositor Carlos Gomes (1836-1896), com detalhes de três figuras que representam "O Guarani", "Salvador Rosa" e "O Escravo", três de suas mais importantes óperas. A cédula de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros) ficou em circulação de 1990 a 1994.
  • 35. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nota de CR$ 5.000,00 (cinco mil cruzeiros reais). Efígie de “gaúcho”, ladeada por painel que retrata, em visão simultânea, a fachada e o interior das ruínas da Igreja de São Miguel das Missões (RS), construída pelos Jesuítas na primeira metade do século XVII.
  • 36. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Ainda em circulação, a nota de R$ 1 (um real), marcou o período de transição do Cruzeiro Real para o Real. Lançada em 1º de julho de 1994, a nota não é mais fabricada, mas ainda continua em circulação.
  • 37. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em 2000, por motivo de comemoração dos 500 anos do Descobrimento do Brasil, foi lançada a nota de R$ 10 com a efigie de Pedro Álvares Cabral. Esta nota foi produzida com tecnologia inovadora a prova de falsificação. Sua emissão restringiu-se somente ao ano de lançamento. Ficou conhecida como a “nota de plástico”.
  • 38. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Em 2010 foram lançadas novas cédulas de real, as novas cédulas têm tecnologia de segurança avançada, de acordo com o Banco Central. Até 2012 todas as notas antigas serão substituídas.
  • 39. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Com tamanhos diferenciados e detalhes em alto relevo, o Banco Central afirma que as novas notas atendem às necessidades dos deficientes visuais, que têm dificuldade em reconhecer o valor das cédulas atuais.
  • 40. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Nomes das moedas que circularam no Brasil - Fonte: Banco Central do Brasil REAL : nome da moeda que vigorou no Brasil desde o início da colonização (1500) até 1942. CRUZEIRO: criado no governo do presidente Getúlio Vargas, em 5 de outubro de 1942. Ao criar o Cruzeiro, o governo realizou o corte de zeros e estabeleceu que cada Cruzeiro equivaleria a mil réis. CRUZEIRO NOVO: entrou em circulação em 13 de fevereiro de 1967, durante o regime militar. Circulou até 14 de maio de 1970. Durante sua implantação, o Cruzeiro perdeu três zeros. CRUZEIRO: voltou em 15 de maio de 1970, sem corte de zeros. CRUZADO: entrou em circulação em 28 de fevereiro de 1986, durante o Plano Cruzado no governo de José Sarney. Houve o corte de três zeros em relação ao Cruzeiro. CRUZADO NOVO: novamente, em função da inflação elevada, houve a criação de uma nova moeda e o corte de três zeros em relação a moeda anterior. Entrou em circulação em 16 de janeiro de 1989. CRUZEIRO: em 16 de março de 1990, durante o primeiro ano do Governo de Fernando Collor, a moeda retomou o nome de Cruzeiro. Nesta mudança não ocorreu corte de zeros. CRUZEIRO REAL: já em preparação para o Plano Real, o governo de Itamar Franco criou o Cruzeiro Real que entrou em circulação em 1 de agosto de 1993. Houve o corte de três zeros. REAL: moeda que entrou em circulação em 1 de julho de 1994, durante o Plano Real, implementado no governo de Itamar Franco. Os brasileiros tiveram que trocar a moeda antiga pela nova (2.750 Cruzeiros Reais por 1 Real). O Real (R$) é a moeda em circulação até os dias de hoje.
  • 41. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Referências Banco Central do Brasil. Disponível em: http://www.bcb.gov.br História Livre. Disponível em: http://www.historialivre.com/. Padrões Monetários no Brasil. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/?PADMONET História do Dinheiro no Brasil. Disponível em: http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/cedulasantigasenovas_album.jhtm?abrefoto=1 História do Brasil. Disponível em: http://www.historialivre.com/brasil/index.htm
  • 42. H I S T Ó R I A D O D I N H E I R O N O B R A S I L Fim Professor Marcos Faber marfaber@hotmail.com www.historialivre.com