SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
O que é o dinheiro?
CadernosBC
SérieEducativa
CadernosBC
SérieEducativa
Oqueéodinheiro?
Banco Central do Brasil
Editada em dezembro de 2002.
3
As moedas e as notas usadas para comprar quase tudo aquilo de que você
precisa ou que você quer (comida, roupas, brinquedos) são uma invenção recente na
história da humanidade.
Há milhares de anos, os homens não precisavam do dinheiro.As poucas pessoas
que existiam moravam em cavernas, cobriam seus corpos com peles de animais e comiam
aquilo que caçavam ou pescavam.
Mais tarde, quando o número de pessoas aumentou, formaram-se pequenas
comunidades.Além da caça e da pesca, algumas pessoas passaram a se dedicar à
agricultura e a produzir ferramentas, armas e vasilhas de barro para cozinhar.
Quando as pessoas de uma comunidade precisavam de um objeto que não
produziam, iam a uma comunidade vizinha e faziam a troca por coisas que não existiam
por lá.Assim foi criado o escambo, que é a troca de um objeto por outro.
O escambo foi a primeira forma de comércio.
Éclaro que nem tudo era tão simples. Para trocar um objeto por outro,
primeiro era preciso haver concordância entre as partes.
Se alguém quisesse trocar uma vasilha por uma faca, por exemplo, teria que
procurar por quem tivesse uma faca e verificar se essa pessoa estaria disposta a
receber a vasilha em troca. Às vezes, o negócio acabava sem problemas:
–Tome a sua faca! Dê a minha vasilha!
Outras vezes, porém, não era interesse do dono da faca trocá-la por uma
vasilha e sim por um colar de conchas do mar.
Então, o dono da vasilha, que queria a faca, teria que procurar por alguém
que possuísse um colar de conchas do mar e que quisesse trocá-lo pela vasilha. Em
seguida, se conseguisse trocar a vasilha, voltaria à casa do dono da faca e,
finalmente, faria a troca pelo colar de conchas do mar.
6
7
Como você pode ver, essa troca causava
muita confusão. Por isso, as pessoas entraram em
acordo para dar um valor a alguns objetos ou alimentos
e poder trocá-los por aquilo que cada um quisesse ou de
que necessitasse.
Assim, através do tempo e em diversas comunidades, certos objetos e
alimentos, como conchas, plumas, tabaco, peles, pedras, sementes, cereais e sal
foram usados como dinheiro para comprar e vender mercadorias. Quando alguém
realizava um trabalho para outra pessoa, também podia receber em troca uma
quantidade desses objetos.
No Brasil, após a chegada dos portugueses, o pau-brasil passou a ser a
principal mercadoria utilizada como elemento de troca. Posteriormente, o pano de
algodão, o açúcar, o fumo e o zimbo (tipo de concha utilizada nas trocas entre os
escravos) foram utilizados como moeda-mercadoria.
8
9
10
Muito antes da descoberta do Brasil, à medida que as comunidades cresciam e
aumentava a troca entre diferentes povos, os metais - especialmente os metais
preciosos, como a prata e o ouro - começaram a ser utilizados como instrumento de
troca para facilitar o comércio. Isso porque, além de serem muito desejados, por causa
de sua beleza e dificuldade de obtenção - o que aumentava seu valor -, eram muito
resistentes e podiam ser divididos em pequenas partes.
Assim, os primeiros comerciantes viajavam carregando seus sacos de ouro e
prata e algumas balanças, com as quais pesavam a quantidade necessária de metal para
comprar ou vender mercadorias.
Porém, o trabalho de carregar todo esse peso era complicado. Foi então que
apareceram as primeiras moedas - peças de ouro ou de prata, ou de uma combinação dos
dois metais. Essas moedas, onde eram inscritos seu peso e seu valor, eram marcadas,
também, com os nomes, desenhos ou legendas dos governantes que as faziam circular
em seus domínios.
Mas sair com um saco de moedas para comprar mercadorias não era uma
boa idéia.As estradas estavam cheias de ladrões, assaltantes e bandidos. Então, os
comerciantes encontraram uma solução. Começaram a depositar suas moedas na
casa de uma pessoa em quem confiavam: o ourives, que era o encarregado de
trabalhar com o ouro e com os outros metais nobres.Ali suas moedas estariam
seguras.
Em troca das moedas que lhe davam para guardar, o ourives entregava um
recibo no qual prometia devolvê-las quando o dono as pedisse. Sempre que
comprava mercadorias, o comerciante ia à casa do ourives para retirar parte de suas
moedas. Por sua vez, o dono da mercadoria recebia as moedas do comerciante e
também as depositava na casa do ourives.
12
13
Os ourives estavam cansados de tanto
dar recibos pelas mesmas moedas.Tiveram,
então, uma grande idéia: em vez de ficarem
entregando e guardando o ouro e a prata, era melhor que o comprador pagasse o
vendedor com o recibo, que era, no final das contas, a prova de que o comprador
tinha depósitos na casa do ourives. Essas foram as primeiras cédulas: recibos de
papel que representavam uma quantidade de ouro e de prata.
Além de guardar o dinheiro, os ourives começaram a emprestá-lo a reis,
governantes e outras pessoas em troca de algum benefício ou favor.Assim, muitos
ourives se tornaram os primeiros banqueiros.
Durante muito tempo, os recibos dos ourives foram usados como cédulas,
trocados pelo ouro e prata depositados nas arcas dos banqueiros. Hoje, continuamos
usando cédulas, mas já não as trocamos por ouro e prata, como se fazia antes. Com
elas, compramos as coisas de que precisamos ou que queremos.
14
15
No mundo moderno, quase tudo tem um preço. Se você quer, por exemplo,
um chocolate, deve pagar o valor que o vendedor pede.A mesma coisa acontece com
os outros alimentos que você come, com a roupa que você usa, com a luz que ilumina a
sua casa à noite, com a água que você usa para tomar banho e com o telefone que você
usa para conversar com seus amigos. Como você pode ver, cada coisa tem um preço
que se mede com dinheiro. E sendo o preço uma medida comum, expressa por cédulas
e moedas, pode-se comparar o valor dos diferentes bens
e serviços.
Pode-se também guardar o dinheiro para usá-lo de outras maneiras.As
pessoas trabalham e, por seu trabalho, recebem um pagamento em dinheiro. Esse
pagamento é chamado de salário. Com o salário que recebem, as pessoas pagam a
comida, a roupa, o lugar onde moram, a escola, a luz, a água e as demais coisas de
que necessitam. Se, depois de todos esses gastos, lhes sobra algum dinheiro, elas o
guardam em um banco, fazendo uma poupança para utilizar no futuro. Pode ser
para comprar um carro novo, viajar, pagar um médico se ficarem doentes, ou ainda
para abrir um negócio próprio, como uma sorveteria, um restaurante ou uma
fábrica de sapatos, e assim ganhar mais dinheiro.
18
19
Atualmente, além das moedas e das cédulas, existem outras formas de
pagamento.Você se lembra de que os ourives entregavam aos comerciantes um
recibo em troca do ouro e da prata? Da mesma maneira, se tivermos dinheiro em um
banco, poderemos receber um talão de cheques ou um cartão de crédito. Com o
desenvolvimento da informática, outras formas de pagamento passaram a ser
usadas, como o pagamento eletrônico, feito também com cartão ou por computador.
Não parece mais cômodo e seguro pagar assim?
20
21
Ofato é que, quando uma família trabalha, usa bem o dinheiro e tem alguma
poupança, pode viver melhor.
A mesma coisa acontece com os países. Por isso se diz que a verdadeira riqueza
de um país é a capacidade de produção de seus habitantes.
Quanto mais eles produzirem, melhor viverão.
Curiosidades...
24
Apalavra dinheiro vem do latim denarius,
nome dado a uma antiga moeda romana. Essa
palavra foi usada para denominar uma moeda
de prata e cobre que circulava em Castilha, na
Espanha; depois foi utilizada para todas as
moedas e todo o tipo de dinheiro.
Apalavra troca vem do Catalão troc e quer
dizer “golpear”, “chocar”, pelo choque ou
aperto de mãos que se davam os comerciantes
no momento de fechar um negócio.
Apalavra comércio vem do
latim comercium, formada com
as palavras cum e merx-cis, que
queriam dizer comércio de coisas miúdas ou de
pouco valor.
Em geral, cada país
tem a sua própria moeda:
no Japão, o iene; nos Estados
Unidos, o dólar; no México,
o peso mexicano; naVenezuela, o bolívar. Porém,
vários países do Continente Europeu, a exemplo
deAlemanha, Espanha, França, Itália e Portugal,
uniram-se, formando a Comunidade Econômica
Européia, e, a partir de 2002, adotaram uma
moeda única para todos eles. Essa moeda chama-
se “euro”. No Brasil, a moeda que nós utilizamos
é o real.
Apalavra moeda significa peça de metal,
normalmente de formato circular, usada como
meio de pagamento. Pode também ter um sentido
mais amplo, significando dinheiro, englobando as
moedas propriamente ditas e as cédulas.
Oprimeiro papel-moeda
(as primeiras cédulas) foram utilizadas na China,
no séculoVII,
há mais de mil anos.
As primeiras formas de dinheiro conhecidas são
os lingotes (ou barras de metal), que eram
usados na Babilônia há uns 5.000 anos.
As moedas foram inventadas na Lídia, uma
parte daTurquia atual, há uns 2.500 anos. Não
eram totalmente de forma redonda e somente um
dos lados era gravado.
Osal também foi usado como dinheiro em
determinada época
da história. Os soldados romanos eram pagos em
sal. Daí a
origem da palavra salário
para definir o pagamento
que os trabalhadores
recebem dos seus patrões.
25
Ogado foi uma mercadoria muito utilizada
como dinheiro. Era um tipo de dinheiro
interessante porque se multiplicava quando as
vacas davam cria; porém davam prejuízo quando
o gado ficava doente e morria.Além disso, era
uma moeda de difícil transporte. Em latim, gado
se chama pecus. Dessa palavra surgiu a
expressão "valores pecuniários" que até hoje
significa "valores em dinheiro".
Um dos benefícios que o aparecimento do
dinheiro trouxe para as pessoas foi o de facilitar
a vida daqueles que pretendiam guardar parte
dos seus ganhos para gastar no futuro. É muito
mais fácil guardar dinheiro do que vacas,
cereais, sal, que podem desaparecer
repentinamente.
Há muito tempo, existem provérbios, adivinhações, trava-
línguas, rimas, versos, canções e até orações que expressam bem a
sabedoria popular sobre o dinheiro.A seguir, damos alguns exemplos.
Caso você tenha dúvidas, pergunte a alguém mais velho o que
significam.
Branco sou,
da água nasci,
pobres e ricos comem de mim.
Na água nasci,
na água me criei.
Se na água me jogarem,
na água morrerei.
Nem tudo que reluz é ouro.
Quem tudo quer
tudo perde.
Quem parte e reparte
fica com a melhor parte.
26
Mais vale um pássaro na mão
do que dois voando.
De grão em grão,
a galinha enche o papo.
Por que a moeda é redonda?
Mais vale um amigo na praça
do que dinheiro no bolso.
Quando a esmola é demais,
o santo desconfia.
27
Agradecemos a autorização para
reprodução e adaptação concedida pelo
Banco Central da Venezuela.
Gerência de Comunicações Institucionais:
Mary Batista Lorenzo
Créditos da publicação original:
Créditos da publicação original
Dirección Editorial:
María Elena Maggi y Pedro Parra Deleaud
Asesoría técnica:Víctor Fajardo Cortez
Diseño e ilustraciones: Rosana Faría
Producción y supervisión de imprenta:
Mirna Ferrer
ISBN 980-6395-00-X
Impreso enVenezuela por Refolit
Textos e ilustrações adaptados pelo
Banco Central do Brasil
Secretaria Executiva da Diretoria,
Secretaria de Relações Institucionais.
Ilustração da página 9 por
Paulo Eduardo Flores.
A palavra economia vem do grego oikos (casa) e
némein (administrar). Desse significado de cuidar e lidar
com os bens de uma casa, a palavra tomou o sentido que
tem agora de administrar a riqueza pública de uma
comunidade, região ou país. Daí também vem o nome da
ciência que estuda os processos econômicos.
Com esta série de cadernos, o Banco Central do
Brasil acredita estar oferecendo às crianças brasileiras,
por meio de textos simples e ilustrações divertidas,
alguns temas e conceitos básicos de economia
que permitirão a elas compreender a complexidade do
mundo econômico
de hoje.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (6)

história do Dinheiro no Brasil
história do Dinheiro no Brasilhistória do Dinheiro no Brasil
história do Dinheiro no Brasil
 
Cédulas do brasil histórico
Cédulas do brasil históricoCédulas do brasil histórico
Cédulas do brasil histórico
 
0 cédulas do-brasil
0  cédulas do-brasil0  cédulas do-brasil
0 cédulas do-brasil
 
Cédulas do brasil (xxv)
Cédulas do brasil (xxv)Cédulas do brasil (xxv)
Cédulas do brasil (xxv)
 
Sistema monetário brasileiro
Sistema monetário brasileiroSistema monetário brasileiro
Sistema monetário brasileiro
 
História da moeda
História da moedaHistória da moeda
História da moeda
 

Semelhante a Historia do dinheiro_banco_central doc 3

A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
turmaec11a
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
turmaec11a
 
Trabalho de matemática financeira
Trabalho de matemática financeiraTrabalho de matemática financeira
Trabalho de matemática financeira
junior585
 
A atividade de penhor e a química
A atividade de penhor e a químicaA atividade de penhor e a química
A atividade de penhor e a química
Adriano S Rodrigues
 
Tipos de moeda
Tipos de moedaTipos de moeda
Tipos de moeda
12434
 
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdfCartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
israelf3
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
guest13c802
 

Semelhante a Historia do dinheiro_banco_central doc 3 (20)

Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
História da moeda
História da moedaHistória da moeda
História da moeda
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
 
Trabalho de matemática financeira
Trabalho de matemática financeiraTrabalho de matemática financeira
Trabalho de matemática financeira
 
A atividade de penhor e a química
A atividade de penhor e a químicaA atividade de penhor e a química
A atividade de penhor e a química
 
Tipos de moeda
Tipos de moedaTipos de moeda
Tipos de moeda
 
A história da moeda
A história da moedaA história da moeda
A história da moeda
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
 
SISTEMA MONETÁRIO [Salvo automaticamente].pptx
SISTEMA MONETÁRIO [Salvo automaticamente].pptxSISTEMA MONETÁRIO [Salvo automaticamente].pptx
SISTEMA MONETÁRIO [Salvo automaticamente].pptx
 
História da Moeda
História da MoedaHistória da Moeda
História da Moeda
 
Matfin parte i_cefet
Matfin parte i_cefetMatfin parte i_cefet
Matfin parte i_cefet
 
Matfin parte i_cefet
Matfin parte i_cefetMatfin parte i_cefet
Matfin parte i_cefet
 
Moeda
MoedaMoeda
Moeda
 
O que é a moeda
O que é a moedaO que é a moeda
O que é a moeda
 
A história da moeda
A história da moedaA história da moeda
A história da moeda
 
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdfCartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
Cartilha_Dinheiro_no_Brasil.pdf
 
Moeda inesoares
Moeda   inesoaresMoeda   inesoares
Moeda inesoares
 
Denário novembro-2012-nº5
Denário novembro-2012-nº5Denário novembro-2012-nº5
Denário novembro-2012-nº5
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 

Mais de Alexandre Cavalcanti

Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
Alexandre Cavalcanti
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Alexandre Cavalcanti
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
Alexandre Cavalcanti
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Alexandre Cavalcanti
 

Mais de Alexandre Cavalcanti (20)

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.
 
Trabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe RhTrabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe Rh
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Histórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanosHistórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanos
 
Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.
 
Chefia e liderança
Chefia e liderançaChefia e liderança
Chefia e liderança
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
 
O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2
 
Atividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais PompeuAtividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais Pompeu
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
 
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.
 
1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr
 
4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
 
3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
 
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldoHistoria do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Historia do dinheiro_banco_central doc 3

  • 1. O que é o dinheiro? CadernosBC SérieEducativa
  • 2.
  • 4. Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002.
  • 5. 3 As moedas e as notas usadas para comprar quase tudo aquilo de que você precisa ou que você quer (comida, roupas, brinquedos) são uma invenção recente na história da humanidade.
  • 6. Há milhares de anos, os homens não precisavam do dinheiro.As poucas pessoas que existiam moravam em cavernas, cobriam seus corpos com peles de animais e comiam aquilo que caçavam ou pescavam. Mais tarde, quando o número de pessoas aumentou, formaram-se pequenas comunidades.Além da caça e da pesca, algumas pessoas passaram a se dedicar à agricultura e a produzir ferramentas, armas e vasilhas de barro para cozinhar. Quando as pessoas de uma comunidade precisavam de um objeto que não produziam, iam a uma comunidade vizinha e faziam a troca por coisas que não existiam por lá.Assim foi criado o escambo, que é a troca de um objeto por outro. O escambo foi a primeira forma de comércio.
  • 7.
  • 8. Éclaro que nem tudo era tão simples. Para trocar um objeto por outro, primeiro era preciso haver concordância entre as partes. Se alguém quisesse trocar uma vasilha por uma faca, por exemplo, teria que procurar por quem tivesse uma faca e verificar se essa pessoa estaria disposta a receber a vasilha em troca. Às vezes, o negócio acabava sem problemas: –Tome a sua faca! Dê a minha vasilha! Outras vezes, porém, não era interesse do dono da faca trocá-la por uma vasilha e sim por um colar de conchas do mar. Então, o dono da vasilha, que queria a faca, teria que procurar por alguém que possuísse um colar de conchas do mar e que quisesse trocá-lo pela vasilha. Em seguida, se conseguisse trocar a vasilha, voltaria à casa do dono da faca e, finalmente, faria a troca pelo colar de conchas do mar. 6
  • 9. 7
  • 10. Como você pode ver, essa troca causava muita confusão. Por isso, as pessoas entraram em acordo para dar um valor a alguns objetos ou alimentos e poder trocá-los por aquilo que cada um quisesse ou de que necessitasse. Assim, através do tempo e em diversas comunidades, certos objetos e alimentos, como conchas, plumas, tabaco, peles, pedras, sementes, cereais e sal foram usados como dinheiro para comprar e vender mercadorias. Quando alguém realizava um trabalho para outra pessoa, também podia receber em troca uma quantidade desses objetos. No Brasil, após a chegada dos portugueses, o pau-brasil passou a ser a principal mercadoria utilizada como elemento de troca. Posteriormente, o pano de algodão, o açúcar, o fumo e o zimbo (tipo de concha utilizada nas trocas entre os escravos) foram utilizados como moeda-mercadoria. 8
  • 11. 9
  • 12. 10 Muito antes da descoberta do Brasil, à medida que as comunidades cresciam e aumentava a troca entre diferentes povos, os metais - especialmente os metais preciosos, como a prata e o ouro - começaram a ser utilizados como instrumento de troca para facilitar o comércio. Isso porque, além de serem muito desejados, por causa de sua beleza e dificuldade de obtenção - o que aumentava seu valor -, eram muito resistentes e podiam ser divididos em pequenas partes. Assim, os primeiros comerciantes viajavam carregando seus sacos de ouro e prata e algumas balanças, com as quais pesavam a quantidade necessária de metal para comprar ou vender mercadorias. Porém, o trabalho de carregar todo esse peso era complicado. Foi então que apareceram as primeiras moedas - peças de ouro ou de prata, ou de uma combinação dos dois metais. Essas moedas, onde eram inscritos seu peso e seu valor, eram marcadas, também, com os nomes, desenhos ou legendas dos governantes que as faziam circular em seus domínios.
  • 13.
  • 14. Mas sair com um saco de moedas para comprar mercadorias não era uma boa idéia.As estradas estavam cheias de ladrões, assaltantes e bandidos. Então, os comerciantes encontraram uma solução. Começaram a depositar suas moedas na casa de uma pessoa em quem confiavam: o ourives, que era o encarregado de trabalhar com o ouro e com os outros metais nobres.Ali suas moedas estariam seguras. Em troca das moedas que lhe davam para guardar, o ourives entregava um recibo no qual prometia devolvê-las quando o dono as pedisse. Sempre que comprava mercadorias, o comerciante ia à casa do ourives para retirar parte de suas moedas. Por sua vez, o dono da mercadoria recebia as moedas do comerciante e também as depositava na casa do ourives. 12
  • 15. 13
  • 16. Os ourives estavam cansados de tanto dar recibos pelas mesmas moedas.Tiveram, então, uma grande idéia: em vez de ficarem entregando e guardando o ouro e a prata, era melhor que o comprador pagasse o vendedor com o recibo, que era, no final das contas, a prova de que o comprador tinha depósitos na casa do ourives. Essas foram as primeiras cédulas: recibos de papel que representavam uma quantidade de ouro e de prata. Além de guardar o dinheiro, os ourives começaram a emprestá-lo a reis, governantes e outras pessoas em troca de algum benefício ou favor.Assim, muitos ourives se tornaram os primeiros banqueiros. Durante muito tempo, os recibos dos ourives foram usados como cédulas, trocados pelo ouro e prata depositados nas arcas dos banqueiros. Hoje, continuamos usando cédulas, mas já não as trocamos por ouro e prata, como se fazia antes. Com elas, compramos as coisas de que precisamos ou que queremos. 14
  • 17. 15
  • 18. No mundo moderno, quase tudo tem um preço. Se você quer, por exemplo, um chocolate, deve pagar o valor que o vendedor pede.A mesma coisa acontece com os outros alimentos que você come, com a roupa que você usa, com a luz que ilumina a sua casa à noite, com a água que você usa para tomar banho e com o telefone que você usa para conversar com seus amigos. Como você pode ver, cada coisa tem um preço que se mede com dinheiro. E sendo o preço uma medida comum, expressa por cédulas e moedas, pode-se comparar o valor dos diferentes bens e serviços.
  • 19.
  • 20. Pode-se também guardar o dinheiro para usá-lo de outras maneiras.As pessoas trabalham e, por seu trabalho, recebem um pagamento em dinheiro. Esse pagamento é chamado de salário. Com o salário que recebem, as pessoas pagam a comida, a roupa, o lugar onde moram, a escola, a luz, a água e as demais coisas de que necessitam. Se, depois de todos esses gastos, lhes sobra algum dinheiro, elas o guardam em um banco, fazendo uma poupança para utilizar no futuro. Pode ser para comprar um carro novo, viajar, pagar um médico se ficarem doentes, ou ainda para abrir um negócio próprio, como uma sorveteria, um restaurante ou uma fábrica de sapatos, e assim ganhar mais dinheiro. 18
  • 21. 19
  • 22. Atualmente, além das moedas e das cédulas, existem outras formas de pagamento.Você se lembra de que os ourives entregavam aos comerciantes um recibo em troca do ouro e da prata? Da mesma maneira, se tivermos dinheiro em um banco, poderemos receber um talão de cheques ou um cartão de crédito. Com o desenvolvimento da informática, outras formas de pagamento passaram a ser usadas, como o pagamento eletrônico, feito também com cartão ou por computador. Não parece mais cômodo e seguro pagar assim? 20
  • 23. 21
  • 24.
  • 25. Ofato é que, quando uma família trabalha, usa bem o dinheiro e tem alguma poupança, pode viver melhor. A mesma coisa acontece com os países. Por isso se diz que a verdadeira riqueza de um país é a capacidade de produção de seus habitantes. Quanto mais eles produzirem, melhor viverão.
  • 26. Curiosidades... 24 Apalavra dinheiro vem do latim denarius, nome dado a uma antiga moeda romana. Essa palavra foi usada para denominar uma moeda de prata e cobre que circulava em Castilha, na Espanha; depois foi utilizada para todas as moedas e todo o tipo de dinheiro. Apalavra troca vem do Catalão troc e quer dizer “golpear”, “chocar”, pelo choque ou aperto de mãos que se davam os comerciantes no momento de fechar um negócio. Apalavra comércio vem do latim comercium, formada com as palavras cum e merx-cis, que queriam dizer comércio de coisas miúdas ou de pouco valor. Em geral, cada país tem a sua própria moeda: no Japão, o iene; nos Estados Unidos, o dólar; no México, o peso mexicano; naVenezuela, o bolívar. Porém, vários países do Continente Europeu, a exemplo deAlemanha, Espanha, França, Itália e Portugal, uniram-se, formando a Comunidade Econômica Européia, e, a partir de 2002, adotaram uma moeda única para todos eles. Essa moeda chama- se “euro”. No Brasil, a moeda que nós utilizamos é o real. Apalavra moeda significa peça de metal, normalmente de formato circular, usada como meio de pagamento. Pode também ter um sentido mais amplo, significando dinheiro, englobando as moedas propriamente ditas e as cédulas. Oprimeiro papel-moeda (as primeiras cédulas) foram utilizadas na China, no séculoVII, há mais de mil anos.
  • 27. As primeiras formas de dinheiro conhecidas são os lingotes (ou barras de metal), que eram usados na Babilônia há uns 5.000 anos. As moedas foram inventadas na Lídia, uma parte daTurquia atual, há uns 2.500 anos. Não eram totalmente de forma redonda e somente um dos lados era gravado. Osal também foi usado como dinheiro em determinada época da história. Os soldados romanos eram pagos em sal. Daí a origem da palavra salário para definir o pagamento que os trabalhadores recebem dos seus patrões. 25 Ogado foi uma mercadoria muito utilizada como dinheiro. Era um tipo de dinheiro interessante porque se multiplicava quando as vacas davam cria; porém davam prejuízo quando o gado ficava doente e morria.Além disso, era uma moeda de difícil transporte. Em latim, gado se chama pecus. Dessa palavra surgiu a expressão "valores pecuniários" que até hoje significa "valores em dinheiro". Um dos benefícios que o aparecimento do dinheiro trouxe para as pessoas foi o de facilitar a vida daqueles que pretendiam guardar parte dos seus ganhos para gastar no futuro. É muito mais fácil guardar dinheiro do que vacas, cereais, sal, que podem desaparecer repentinamente.
  • 28. Há muito tempo, existem provérbios, adivinhações, trava- línguas, rimas, versos, canções e até orações que expressam bem a sabedoria popular sobre o dinheiro.A seguir, damos alguns exemplos. Caso você tenha dúvidas, pergunte a alguém mais velho o que significam. Branco sou, da água nasci, pobres e ricos comem de mim. Na água nasci, na água me criei. Se na água me jogarem, na água morrerei. Nem tudo que reluz é ouro. Quem tudo quer tudo perde. Quem parte e reparte fica com a melhor parte. 26
  • 29. Mais vale um pássaro na mão do que dois voando. De grão em grão, a galinha enche o papo. Por que a moeda é redonda? Mais vale um amigo na praça do que dinheiro no bolso. Quando a esmola é demais, o santo desconfia. 27
  • 30. Agradecemos a autorização para reprodução e adaptação concedida pelo Banco Central da Venezuela. Gerência de Comunicações Institucionais: Mary Batista Lorenzo Créditos da publicação original: Créditos da publicação original Dirección Editorial: María Elena Maggi y Pedro Parra Deleaud Asesoría técnica:Víctor Fajardo Cortez Diseño e ilustraciones: Rosana Faría Producción y supervisión de imprenta: Mirna Ferrer ISBN 980-6395-00-X Impreso enVenezuela por Refolit Textos e ilustrações adaptados pelo Banco Central do Brasil Secretaria Executiva da Diretoria, Secretaria de Relações Institucionais. Ilustração da página 9 por Paulo Eduardo Flores.
  • 31.
  • 32. A palavra economia vem do grego oikos (casa) e némein (administrar). Desse significado de cuidar e lidar com os bens de uma casa, a palavra tomou o sentido que tem agora de administrar a riqueza pública de uma comunidade, região ou país. Daí também vem o nome da ciência que estuda os processos econômicos. Com esta série de cadernos, o Banco Central do Brasil acredita estar oferecendo às crianças brasileiras, por meio de textos simples e ilustrações divertidas, alguns temas e conceitos básicos de economia que permitirão a elas compreender a complexidade do mundo econômico de hoje.