SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Caridade
e
amor ao próximo
Sociedade Espírita Renovação
Eduardo Manoel Araujo
15/05/2019
Lógica
O amor é a base da criação divina.
Evolução - caminhada do ego para o espírito.
Isto exige o cultivo do espírito.
Aos poucos ampliamos o alcance do próximo.
Estamos aqui para aprender a amar incondicionalmente.
A caridade é o meio mais eficaz.
Benevolência, Indulgência e Perdão.
Caridade desconhecida ou moral. Beneficiência ou benemerência
O amor
O amor é a alma do universo
Fonte: Segue em harmonia – cap 5 – Amor e saúde – Divaldo Franco pelo espírito Joana de Angelis
O amor
O amor é a celeste atração das almas e dos mundos,
a potência divina que liga os Universos,
governa-os e fecunda; o amor é o olhar de Deus!
Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
O amor
O amor é a celeste atração das almas e dos mundos, a potência divina que liga os Universos,
governa-os e fecunda; o amor é o olhar de Deus!
...
O amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do
coração; é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da caridade, da bondade; é a
manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo
todos os seres e despertando em nós a felicidade íntima, que se afasta extraordinariamente de
todas as volúpias terrestres.
Amar é sentir-se viver em todos e por todos, é consagrar-se ao sacrifício, até à morte, em
benefício de uma causa ou de um ser. Se quiserdes saber o que é amar, considerai os grandes
vultos da Humanidade e, acima de todos, o Cristo, o amor encarnado, o Cristo, para quem o amor
era toda a moral e toda a religião. Não disse ele: “Amai os vossos inimigos”?
Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
Amor imbatível amor
O amor é substância criadora e mantenedora do Universo,
constituído por essência divina.
É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica,
e se enriquece à medida que se reparte.
Mais se agiganta, na razão que mais se doa.
Assim como o ar é indispensável para a existência orgânica,
o amor é o oxigênio para a alma,
sem o qual a mesma se enfraquece e perde o sentido de viver
Fonte: Amor imbatível amor– Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
O mandamento maior
“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito;
este o maior e o primeiro mandamento.
E aqui tendes o segundo, semelhante a esse:
Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. –
Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos.”
(S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – item 1 – O mandamento maior – Allan Kardec
O amor
Amar é sentir-se viver em todos e por todos, é consagrar-se ao sacrifício,
até à morte, em benefício de uma causa ou de um ser.
...
Não disse ele: “Amai os vossos inimigos”?
Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
O cultivo
A lei de amor
8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira
...
Em sua origem, o homem só tem instintos;
quando mais avançado e corrompido, só tem sensações;
quando instruído e depurado, tem sentimentos.
...
A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres ...
Lázaro. (Paris, 1862.)
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – Instruções dos Espíritos – item 8 – A lei do amor - Allan Kardec
A lei de amor
A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos,
em proveito dos sentimentos...
O Espírito precisa ser cultivado, como um campo ...
compreendendo a lei de amor que liga todos os seres,
buscareis nela os gozos suavíssimos da alma,
prelúdios das alegrias celestes.
Lázaro. (Paris, 1862.)
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – Instruções dos Espíritos – item 8 – A lei do amor - Allan Kardec
“Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, lei divina,
mediante a qual governa Deus os mundos.
O amor é a lei de atração para os seres vivos e organizados.
A atração é a lei de amor para a matéria inorgânica.
SÃO VICENTE DE PAULO
Fonte: O Livro dos Espíritos – Terceira Parte – cap XI – Questão 888 – Allan Kardec
Libertação pelo amor
Na perspectiva da Psicologia Profunda, o ser vive para amar e ser amado,
iluminar a sombra e fazer prevalecer o Self.
...
Terapia eficiente para superação da sombra,
o amor é o medicamento salutar para o ego enfermo,
estímulo eficiente para o Self que desabrocha soberano
quando irrigado pelo fluxo desse sentimento superior da vida.
...
Amar é abrir o coração sem reservas, encontrar-se desarmado de sentimentos de oposição,
sempre favorável ao bem e ao progresso, mesmo quando discordando das colocações que são
apresentadas.
Fonte: Jesus e o evangelho à luz da psicologia profunda – Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
Libertação pelo amor
Invariavelmente as pessoas, pensam que são amadas porque se fazem especiais,
esquecendo-se de que por amarem tornam-se especiais.
...
O amor dinamiza os potenciais internos do ser,
contribuindo para que os neurônios e as glândulas do sistema endócrino produzam
imunoglobulinas que imunizam o ser em relação a diversas infecções,
enquanto vitalizam o emocional e o psíquico.
...
É graças ao amor que os relacionamentos atingem a sua plenitude,
porque o egoísmo cede lugar ao altruísmo e o entendimento de respeito como de confiança
alicerça mais os sentimentos que se harmonizam,
produzindo bem-estar em quem doa, tanto quanto em quem recebe.
Fonte: Jesus e o evangelho à luz da psicologia profunda – Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
Fonte: O problema do ser, do destino e da dor – Leon Denis
Há em toda alma humana
dois centros
ou, melhor,
duas esferas de ação e expressão.
Uma delas, a exterior, manifesta a personalidade, o “eu”,
com suas paixões, suas fraquezas, sua mobilidade, sua insuficiência.
Enquanto ela for a reguladora de nosso proceder,
teremos a vida inferior, semeada de provações e males.
A outra, interna, profunda, imutável, é, ao mesmo tempo,
a sede da consciência, a fonte da vida espiritual, o templo de Deus em nós.
É somente quando esse centro de ação domina o outro,
quando suas impulsões nos dirigem,
que se revelam nossas potências ocultas e que
o Espírito se afirma em seu brilho e beleza.
É por ele que estamos em comunhão com “o Pai que habita em nós”,
segundo as palavras do Cristo,
com o Pai que é o foco de todo o amor,
o princípio de todas as ações.
O eu e a ilusão
A trajetória de predominância do ego no ser é larga. A descoberta do eu profundo, do ser real, da
individuação é, mais difícil, mais sacrificial, exigindo todo o empenho e dedicação.
Vivendo em um mundo físico, no qual a ilusão da forma confunde a realidade, o que parece tem
predomínio sobre o que é, o visível e o temporal dominam os sentidos, em detrimento do não visível e
do atemporal, jungindo o ser à projeção, com prejuízo para o que é real, e é compreensível que haja
engano na eleição do total em detrimento do incompleto.
Esse conflito — parecer e ser — responde pelos equívocos existenciais, que dão preferência ao que fere
os sentidos, substituindo as emoções da alma, além das estruturas orgânicas.
Estabelece-se, então, a prevalência da ilusão derivada do sensorial que a tudo comanda, no campo das
formas, desempenhando finalidade dominante em quase todos os aspectos da vida.
Submerso no oceano da matéria o ser profundo — o eu — encontrando-se em período de imaturidade
psicológica, deixa-se conduzir pelo exterior, supondo-se diante da realidade, sem dar-se conta da
mobilidade e estrutura de todas as coisas, na sua constituição molecular.
...
A dilatação do processo existencial, começando antes do berço e prosseguindo além do túmulo,
oferece objetivos ampliados, que se eternizam, se transformam em realizações espirituais de
valorização da vida.
Fonte: Amor imbatível amor– Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
Evolução
Fonte: O problema do ser, do destino e da dor – Leon Denis
Esplendores da luz
e da Liberdade
ESPÍRITO
Paixão
Desejo carnal
EGO
Por ele atrai para si todos os pobres seres
retardados nos antros da paixão, os
Espíritos cativos na matéria; eleva-os e
arrasta-os na espiral da ascensão infinita
para os esplendores da luz e da liberdade.
O Próximo
O bom samaritano
Sacerdote
Levita
Samaritano
‘Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de
assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora
deixando-o quase morto.
Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o
homem, seguiu adiante, pelo outro lado.
O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu
adiante, pelo outro lado.
Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu
compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas
feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma
pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e
entregou-as ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando
eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais.’
E Jesus perguntou: Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que
caiu nas mãos dos assaltantes?’ Ele respondeu: ‘Aquele que usou de
misericórdia para com ele ‘ Então Jesus lhe disse: ‘Vai e faze a mesma coisa.‘
O bom samaritano
A alegria de servir no lar
O lar é a escola das almas, o templo onde a sabedoria divina nos habilita,
pouco a pouco, ao grande entendimento da Humanidade.
...
O que nos parece aflição ou sofrimento dentro dele é recurso espiritual.
...
O lar é um curso ligeiro para a fraternidade que desfrutaremos na vida eterna.
Sofrimentos e conflitos naturais, em seu círculo, são lições.
Fonte: Jesus no Lar – Francisco Candido Xavier pelo espírito Néio Lúcio
Casal
Ego
Família
SociedadeAmigos
Religião
Nação
Humanidade
Criação
Deus
Ora, qual o limite com relação ao próximo?
Será a família, a seita, a nação?
Não; é a Humanidade inteira.
Fénelon. (Bordéus, 1861.)
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – A lei do amor – item 9 – Allan Kardec
Evolução
Esplendores da luz
e da Liberdade
ESPÍRITO
Paixão
Desejo carnal
EGO
1
1 – Eu comigo mesmo
2
2 – Eu na relação com o outro
3
3 – Eu na familia e na sociedade
Família
1
2
3
Amigos
1
2
3
Nação
1
2
3
Humanidade
1
2
3
Criação Divina
A caridade
Fora da Caridade não há salvação.
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XV– Fora da Caridade não há salvação- Allan Kardec
Orgulho
&
Egoísmo
Humildade
&
Altruismo
Amor
Instinto > Sensação > SentimentoCARIDADE
Visível
Temporal
Prazer
Personalidade
Invisível
Atemporal
Plenitude
Fusão dos seres
Ego
Espírito
Caridade e amor ao próximo
886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?
“Benevolência para com todos,
indulgência para as imperfeições dos outros,
perdão das ofensas.”
Fonte: Livro dos Espíitos- Allan Kardec
A Caridade Desconhecida
Como expressar a compaixão,
sem dinheiro?
Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier
Sincero devoto foi exortado ao exercício da beneficência;
entretanto, vivia em pobreza extrema
dava de si mesmo, quanto possível,
em boas palavras e gestos pessoais de conforto e estímulo
magoava-lhe o coração a impossibilidade de distribuir agasalho e pão
se lhe era vedado o esforço na caridade pública,
podia perfeitamente guerrear o mal
A Caridade Desconhecida
Assim é que
•passou a extinguir os pensamentos inferiores ;
•na maledicência, retraía-se, cortês e recordava essa ou aquela pequena virtude da vítima;
•diante da cólera recolhia-se à quietude;
•diante dos insultos alheios, além de não reagir, prosseguia tratando o ofensor com a
fraternidade habitual;
•a calúnia não encontrava acesso em sua alma, toda denúncia torpe se perdia em seu grande
silêncio;
•reparando ameaças sobre a tranquilidade de alguém, tentava desfazer as nuvens da
incompreensão, sem alarde;
•se alguma sentença condenatória bailava em torno do próximo, fazia defesa delicada e
imperceptível;
•chegava a retirar detritos e pedras da via pública, para que não oferecessem perigo aos
transeuntes.
Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier
A Caridade Desconhecida
Jamais pudera estender uma tigela de sopa ou ofertar uma pele de carneiro aos irmãos
necessitados.
A morte buscou-o ao tribunal divino, quando, de improviso, foi aureolado por brilhante diadema,
a sublime recompensa se referia à sua triunfante posição na guerra contra o mal
Fixou o Mestre nos aprendizes o olhar percuciente e calmo e concluiu, em tom amigo:
— Distribuamos o pão e a cobertura, acendamos luz para a ignorância e intensifiquemos a
fraternidade aniquilando a discórdia, mas não nos esqueçamos do combate metódico e sereno
contra o mal, em esforço diário, convictos de que, nessa batalha santificante, conquistaremos a
divina coroa da caridade desconhecida.
Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier
Caridade material e caridade moral
A caridade moral consiste em:
se suportarem umas às outras as criaturas
e é o que menos fazeis nesse mundo inferior;
Saber calar-se;
Saber ser surdo quando uma palavra zombeteira
se escapa de uma boca habituada a escarnecer;
não ver o sorriso de desdém com que vos recebem pessoas;
não dar atenção ao mau proceder de outrem.
Irmã Rosália. (Paris, 1860.)
Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. XIII – Instruções dos Espíritos - Allan kardec
Amor
Dedicação
Bondade
Gentileza
Compaixão
Afeto
Compreensão
Perdão
Gratidão
Generosidade
Caridade
Alegria
Harmonia
Renúncia
Fraternidade
Simpatia
Sacrifício
Aceitação
Atenção
Otimismo
Desapego
Contemplação
Paciência
Tolerância
Ternura
Fonte: Eduardo Manoel Araujo – palestras espíritas
Caridade para …
Faminto – é prato de sopa
Triste – é a palavra consoladora
Mau – é a paciência em auxiliá-lo
Desesperado – é o auxílio do coração
Ignorante – é o ensino despretensioso
Ingrato – é o esquecimento
Enfermo – é a visita pessoal
Estudante – é o concurso no aprendizado
Criança – é a proteção construtiva
Velho – é o braço irmão
Fonte: Viajor – Francisco Candido Xavier pelo espírto Emmanuel
Caridade para …
Inimigo – é o silêncio
Amigo – é o estímulo
Transviado – é o entendimento
Orgulhoso – é a humildade
Colérico – é a calma
Preguiçoso – é o trabalho
Impulsivo – é a serenidade
Leviano – é a tolerância
Deserdado da Terra – é a expressão de carinho
Fonte: Viajor – Francisco Candido Xavier pelo espírto Emmanuel
Gratidão
pela oportunidade
de reflexão!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infortúnios ocultos
Infortúnios ocultosInfortúnios ocultos
Infortúnios ocultosNertan Jucá
 
Cap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvaçãoCap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvaçãogmo1973
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direitagmo1973
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaThiago Garcia
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalosigmateus
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Leonardo Pereira
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Leonardo Pereira
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridadeigmateus
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCEENA_SS
 
Reconciliai-vos com vosso adversário
Reconciliai-vos com vosso adversárioReconciliai-vos com vosso adversário
Reconciliai-vos com vosso adversáriohome
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6Graça Maciel
 
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espíritoESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espíritogrupodepaisceb
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioGraça Maciel
 

Mais procurados (20)

ESDE - Módulo XVII - Roteiro 1: a perfeiçao moral.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 1: a perfeiçao moral.ESDE - Módulo XVII - Roteiro 1: a perfeiçao moral.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 1: a perfeiçao moral.
 
Infortúnios ocultos
Infortúnios ocultosInfortúnios ocultos
Infortúnios ocultos
 
Cap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvaçãoCap 15 Fora da caridade não há salvação
Cap 15 Fora da caridade não há salvação
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra Espírita
 
Escândalos
EscândalosEscândalos
Escândalos
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridade
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do Espírito
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
Reconciliai-vos com vosso adversário
Reconciliai-vos com vosso adversárioReconciliai-vos com vosso adversário
Reconciliai-vos com vosso adversário
 
O perdão
O perdãoO perdão
O perdão
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
A cólera e a revolta
A cólera e a revoltaA cólera e a revolta
A cólera e a revolta
 
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espíritoESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
A colera
A coleraA colera
A colera
 

Semelhante a Caridade e amor ao próximo

Campanha viver em familia tema 1 - amor fonte de vida
Campanha viver em familia   tema 1 - amor fonte de vidaCampanha viver em familia   tema 1 - amor fonte de vida
Campanha viver em familia tema 1 - amor fonte de vidaEduardo Manoel Araujo
 
Evangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerEvangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerAntonino Silva
 
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5Patricia Farias
 
Evangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorEvangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorAntonino Silva
 
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64Patricia Farias
 
Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento Victor Passos
 
Amor bandeira da humanidade
Amor bandeira da humanidadeAmor bandeira da humanidade
Amor bandeira da humanidadeBruno Amaro
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshareEduardo Manoel Araujo
 
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12José Augusto Vieira
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCeile Bernardo
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCeile Maria Bernardo
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessaoHenrique Vieira
 
Boletim o pae agosto 2016
Boletim o pae   agosto 2016Boletim o pae   agosto 2016
Boletim o pae agosto 2016O PAE PAE
 

Semelhante a Caridade e amor ao próximo (20)

Campanha viver em familia tema 1 - amor fonte de vida
Campanha viver em familia   tema 1 - amor fonte de vidaCampanha viver em familia   tema 1 - amor fonte de vida
Campanha viver em familia tema 1 - amor fonte de vida
 
Mod-4-Rot-6-Amor-e-evolucao.pdf
Mod-4-Rot-6-Amor-e-evolucao.pdfMod-4-Rot-6-Amor-e-evolucao.pdf
Mod-4-Rot-6-Amor-e-evolucao.pdf
 
Aula a lei do amor
Aula   a  lei do amorAula   a  lei do amor
Aula a lei do amor
 
Evangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerEvangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do Ser
 
Aula Vida Espirita
Aula Vida EspiritaAula Vida Espirita
Aula Vida Espirita
 
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5
Livro dos Espiritos Q 298 e 299 ESE cap25 item 4 e 5
 
Evangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorEvangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de Amor
 
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64
Livro dos Espíritos Q. 386 ESE cap.28 item 64
 
Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento Mediunidade no relacionamento
Mediunidade no relacionamento
 
Lesões afetivas
Lesões afetivas Lesões afetivas
Lesões afetivas
 
Amor bandeira da humanidade
Amor bandeira da humanidadeAmor bandeira da humanidade
Amor bandeira da humanidade
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
 
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
Curso de-passe-2012-aula-1-29.09.12
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
 
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - SexualidadeCurso de Entrevistadores - Sexualidade
Curso de Entrevistadores - Sexualidade
 
Pureza
PurezaPureza
Pureza
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
 
Conquiste o inimigo venca a obsessao
Conquiste o inimigo   venca a obsessaoConquiste o inimigo   venca a obsessao
Conquiste o inimigo venca a obsessao
 
Boletim o pae agosto 2016
Boletim o pae   agosto 2016Boletim o pae   agosto 2016
Boletim o pae agosto 2016
 

Mais de Eduardo Manoel Araujo

Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?Eduardo Manoel Araujo
 
Ecologia integral enciclica do papa francisco
Ecologia integral   enciclica do papa franciscoEcologia integral   enciclica do papa francisco
Ecologia integral enciclica do papa franciscoEduardo Manoel Araujo
 
Termo de referencia vivendo com jesus
Termo de referencia   vivendo com jesusTermo de referencia   vivendo com jesus
Termo de referencia vivendo com jesusEduardo Manoel Araujo
 
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa FranciscoTeses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa FranciscoEduardo Manoel Araujo
 
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa FranciscoExtrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa FranciscoEduardo Manoel Araujo
 
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espiritoEsperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espiritoEduardo Manoel Araujo
 
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viiiQuadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viiiEduardo Manoel Araujo
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresEduardo Manoel Araujo
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o infernoEduardo Manoel Araujo
 
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8Eduardo Manoel Araujo
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraEduardo Manoel Araujo
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaEduardo Manoel Araujo
 

Mais de Eduardo Manoel Araujo (20)

Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
 
O que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasilO que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasil
 
Ecologia integral enciclica do papa francisco
Ecologia integral   enciclica do papa franciscoEcologia integral   enciclica do papa francisco
Ecologia integral enciclica do papa francisco
 
Termo de referencia vivendo com jesus
Termo de referencia   vivendo com jesusTermo de referencia   vivendo com jesus
Termo de referencia vivendo com jesus
 
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa FranciscoTeses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
 
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa FranciscoExtrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
 
Conduta evangelica
Conduta evangelicaConduta evangelica
Conduta evangelica
 
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espiritoEsperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
 
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viiiQuadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
 
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
 
Convite ao valor
Convite ao valorConvite ao valor
Convite ao valor
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espírita
 
Bem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansosBem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansos
 
Atitude Espírita
Atitude EspíritaAtitude Espírita
Atitude Espírita
 
Nossos filhos
Nossos filhosNossos filhos
Nossos filhos
 
Orgulho e humildade
Orgulho e humildadeOrgulho e humildade
Orgulho e humildade
 
A alegria de servir
A alegria de servirA alegria de servir
A alegria de servir
 

Último

pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfnestorsouza36
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (8)

pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 

Caridade e amor ao próximo

  • 1. Caridade e amor ao próximo Sociedade Espírita Renovação Eduardo Manoel Araujo 15/05/2019
  • 2. Lógica O amor é a base da criação divina. Evolução - caminhada do ego para o espírito. Isto exige o cultivo do espírito. Aos poucos ampliamos o alcance do próximo. Estamos aqui para aprender a amar incondicionalmente. A caridade é o meio mais eficaz. Benevolência, Indulgência e Perdão. Caridade desconhecida ou moral. Beneficiência ou benemerência
  • 4. O amor é a alma do universo Fonte: Segue em harmonia – cap 5 – Amor e saúde – Divaldo Franco pelo espírito Joana de Angelis
  • 5. O amor O amor é a celeste atração das almas e dos mundos, a potência divina que liga os Universos, governa-os e fecunda; o amor é o olhar de Deus! Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
  • 6. O amor O amor é a celeste atração das almas e dos mundos, a potência divina que liga os Universos, governa-os e fecunda; o amor é o olhar de Deus! ... O amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do coração; é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da caridade, da bondade; é a manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo todos os seres e despertando em nós a felicidade íntima, que se afasta extraordinariamente de todas as volúpias terrestres. Amar é sentir-se viver em todos e por todos, é consagrar-se ao sacrifício, até à morte, em benefício de uma causa ou de um ser. Se quiserdes saber o que é amar, considerai os grandes vultos da Humanidade e, acima de todos, o Cristo, o amor encarnado, o Cristo, para quem o amor era toda a moral e toda a religião. Não disse ele: “Amai os vossos inimigos”? Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
  • 7. Amor imbatível amor O amor é substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por essência divina. É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se enriquece à medida que se reparte. Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Assim como o ar é indispensável para a existência orgânica, o amor é o oxigênio para a alma, sem o qual a mesma se enfraquece e perde o sentido de viver Fonte: Amor imbatível amor– Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
  • 8. O mandamento maior “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. – Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos.” (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.) Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – item 1 – O mandamento maior – Allan Kardec
  • 9. O amor Amar é sentir-se viver em todos e por todos, é consagrar-se ao sacrifício, até à morte, em benefício de uma causa ou de um ser. ... Não disse ele: “Amai os vossos inimigos”? Fonte: Depois da Morte – Leon Denis
  • 11. A lei de amor 8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira ... Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos. ... A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres ... Lázaro. (Paris, 1862.) Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – Instruções dos Espíritos – item 8 – A lei do amor - Allan Kardec
  • 12. A lei de amor A fim de avançar para a meta, tem a criatura que vencer os instintos, em proveito dos sentimentos... O Espírito precisa ser cultivado, como um campo ... compreendendo a lei de amor que liga todos os seres, buscareis nela os gozos suavíssimos da alma, prelúdios das alegrias celestes. Lázaro. (Paris, 1862.) Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – Instruções dos Espíritos – item 8 – A lei do amor - Allan Kardec
  • 13. “Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei, lei divina, mediante a qual governa Deus os mundos. O amor é a lei de atração para os seres vivos e organizados. A atração é a lei de amor para a matéria inorgânica. SÃO VICENTE DE PAULO Fonte: O Livro dos Espíritos – Terceira Parte – cap XI – Questão 888 – Allan Kardec
  • 14. Libertação pelo amor Na perspectiva da Psicologia Profunda, o ser vive para amar e ser amado, iluminar a sombra e fazer prevalecer o Self. ... Terapia eficiente para superação da sombra, o amor é o medicamento salutar para o ego enfermo, estímulo eficiente para o Self que desabrocha soberano quando irrigado pelo fluxo desse sentimento superior da vida. ... Amar é abrir o coração sem reservas, encontrar-se desarmado de sentimentos de oposição, sempre favorável ao bem e ao progresso, mesmo quando discordando das colocações que são apresentadas. Fonte: Jesus e o evangelho à luz da psicologia profunda – Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
  • 15. Libertação pelo amor Invariavelmente as pessoas, pensam que são amadas porque se fazem especiais, esquecendo-se de que por amarem tornam-se especiais. ... O amor dinamiza os potenciais internos do ser, contribuindo para que os neurônios e as glândulas do sistema endócrino produzam imunoglobulinas que imunizam o ser em relação a diversas infecções, enquanto vitalizam o emocional e o psíquico. ... É graças ao amor que os relacionamentos atingem a sua plenitude, porque o egoísmo cede lugar ao altruísmo e o entendimento de respeito como de confiança alicerça mais os sentimentos que se harmonizam, produzindo bem-estar em quem doa, tanto quanto em quem recebe. Fonte: Jesus e o evangelho à luz da psicologia profunda – Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
  • 16. Fonte: O problema do ser, do destino e da dor – Leon Denis Há em toda alma humana dois centros ou, melhor, duas esferas de ação e expressão. Uma delas, a exterior, manifesta a personalidade, o “eu”, com suas paixões, suas fraquezas, sua mobilidade, sua insuficiência. Enquanto ela for a reguladora de nosso proceder, teremos a vida inferior, semeada de provações e males. A outra, interna, profunda, imutável, é, ao mesmo tempo, a sede da consciência, a fonte da vida espiritual, o templo de Deus em nós. É somente quando esse centro de ação domina o outro, quando suas impulsões nos dirigem, que se revelam nossas potências ocultas e que o Espírito se afirma em seu brilho e beleza. É por ele que estamos em comunhão com “o Pai que habita em nós”, segundo as palavras do Cristo, com o Pai que é o foco de todo o amor, o princípio de todas as ações.
  • 17. O eu e a ilusão A trajetória de predominância do ego no ser é larga. A descoberta do eu profundo, do ser real, da individuação é, mais difícil, mais sacrificial, exigindo todo o empenho e dedicação. Vivendo em um mundo físico, no qual a ilusão da forma confunde a realidade, o que parece tem predomínio sobre o que é, o visível e o temporal dominam os sentidos, em detrimento do não visível e do atemporal, jungindo o ser à projeção, com prejuízo para o que é real, e é compreensível que haja engano na eleição do total em detrimento do incompleto. Esse conflito — parecer e ser — responde pelos equívocos existenciais, que dão preferência ao que fere os sentidos, substituindo as emoções da alma, além das estruturas orgânicas. Estabelece-se, então, a prevalência da ilusão derivada do sensorial que a tudo comanda, no campo das formas, desempenhando finalidade dominante em quase todos os aspectos da vida. Submerso no oceano da matéria o ser profundo — o eu — encontrando-se em período de imaturidade psicológica, deixa-se conduzir pelo exterior, supondo-se diante da realidade, sem dar-se conta da mobilidade e estrutura de todas as coisas, na sua constituição molecular. ... A dilatação do processo existencial, começando antes do berço e prosseguindo além do túmulo, oferece objetivos ampliados, que se eternizam, se transformam em realizações espirituais de valorização da vida. Fonte: Amor imbatível amor– Joanna de Angelis – psicografia de Divaldo Pereira Franco
  • 18. Evolução Fonte: O problema do ser, do destino e da dor – Leon Denis Esplendores da luz e da Liberdade ESPÍRITO Paixão Desejo carnal EGO Por ele atrai para si todos os pobres seres retardados nos antros da paixão, os Espíritos cativos na matéria; eleva-os e arrasta-os na espiral da ascensão infinita para os esplendores da luz e da liberdade.
  • 21. ‘Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora deixando-o quase morto. Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado. Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais.’ E Jesus perguntou: Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?’ Ele respondeu: ‘Aquele que usou de misericórdia para com ele ‘ Então Jesus lhe disse: ‘Vai e faze a mesma coisa.‘ O bom samaritano
  • 22. A alegria de servir no lar O lar é a escola das almas, o templo onde a sabedoria divina nos habilita, pouco a pouco, ao grande entendimento da Humanidade. ... O que nos parece aflição ou sofrimento dentro dele é recurso espiritual. ... O lar é um curso ligeiro para a fraternidade que desfrutaremos na vida eterna. Sofrimentos e conflitos naturais, em seu círculo, são lições. Fonte: Jesus no Lar – Francisco Candido Xavier pelo espírito Néio Lúcio
  • 23. Casal Ego Família SociedadeAmigos Religião Nação Humanidade Criação Deus Ora, qual o limite com relação ao próximo? Será a família, a seita, a nação? Não; é a Humanidade inteira. Fénelon. (Bordéus, 1861.) Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XI – Amar ao próximo como a si mesmo – A lei do amor – item 9 – Allan Kardec
  • 24. Evolução Esplendores da luz e da Liberdade ESPÍRITO Paixão Desejo carnal EGO 1 1 – Eu comigo mesmo 2 2 – Eu na relação com o outro 3 3 – Eu na familia e na sociedade Família 1 2 3 Amigos 1 2 3 Nação 1 2 3 Humanidade 1 2 3 Criação Divina
  • 26. Fora da Caridade não há salvação. Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap XV– Fora da Caridade não há salvação- Allan Kardec
  • 27. Orgulho & Egoísmo Humildade & Altruismo Amor Instinto > Sensação > SentimentoCARIDADE Visível Temporal Prazer Personalidade Invisível Atemporal Plenitude Fusão dos seres Ego Espírito
  • 28. Caridade e amor ao próximo 886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? “Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.” Fonte: Livro dos Espíitos- Allan Kardec
  • 29. A Caridade Desconhecida Como expressar a compaixão, sem dinheiro? Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier Sincero devoto foi exortado ao exercício da beneficência; entretanto, vivia em pobreza extrema dava de si mesmo, quanto possível, em boas palavras e gestos pessoais de conforto e estímulo magoava-lhe o coração a impossibilidade de distribuir agasalho e pão se lhe era vedado o esforço na caridade pública, podia perfeitamente guerrear o mal
  • 30. A Caridade Desconhecida Assim é que •passou a extinguir os pensamentos inferiores ; •na maledicência, retraía-se, cortês e recordava essa ou aquela pequena virtude da vítima; •diante da cólera recolhia-se à quietude; •diante dos insultos alheios, além de não reagir, prosseguia tratando o ofensor com a fraternidade habitual; •a calúnia não encontrava acesso em sua alma, toda denúncia torpe se perdia em seu grande silêncio; •reparando ameaças sobre a tranquilidade de alguém, tentava desfazer as nuvens da incompreensão, sem alarde; •se alguma sentença condenatória bailava em torno do próximo, fazia defesa delicada e imperceptível; •chegava a retirar detritos e pedras da via pública, para que não oferecessem perigo aos transeuntes. Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier
  • 31. A Caridade Desconhecida Jamais pudera estender uma tigela de sopa ou ofertar uma pele de carneiro aos irmãos necessitados. A morte buscou-o ao tribunal divino, quando, de improviso, foi aureolado por brilhante diadema, a sublime recompensa se referia à sua triunfante posição na guerra contra o mal Fixou o Mestre nos aprendizes o olhar percuciente e calmo e concluiu, em tom amigo: — Distribuamos o pão e a cobertura, acendamos luz para a ignorância e intensifiquemos a fraternidade aniquilando a discórdia, mas não nos esqueçamos do combate metódico e sereno contra o mal, em esforço diário, convictos de que, nessa batalha santificante, conquistaremos a divina coroa da caridade desconhecida. Fonte: Jesus no lar – Neio Lúcio – psicografia de Francisco Candido Xavier
  • 32. Caridade material e caridade moral A caridade moral consiste em: se suportarem umas às outras as criaturas e é o que menos fazeis nesse mundo inferior; Saber calar-se; Saber ser surdo quando uma palavra zombeteira se escapa de uma boca habituada a escarnecer; não ver o sorriso de desdém com que vos recebem pessoas; não dar atenção ao mau proceder de outrem. Irmã Rosália. (Paris, 1860.) Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. XIII – Instruções dos Espíritos - Allan kardec
  • 34. Caridade para … Faminto – é prato de sopa Triste – é a palavra consoladora Mau – é a paciência em auxiliá-lo Desesperado – é o auxílio do coração Ignorante – é o ensino despretensioso Ingrato – é o esquecimento Enfermo – é a visita pessoal Estudante – é o concurso no aprendizado Criança – é a proteção construtiva Velho – é o braço irmão Fonte: Viajor – Francisco Candido Xavier pelo espírto Emmanuel
  • 35. Caridade para … Inimigo – é o silêncio Amigo – é o estímulo Transviado – é o entendimento Orgulhoso – é a humildade Colérico – é a calma Preguiçoso – é o trabalho Impulsivo – é a serenidade Leviano – é a tolerância Deserdado da Terra – é a expressão de carinho Fonte: Viajor – Francisco Candido Xavier pelo espírto Emmanuel

Notas do Editor

  1. Na perspectiva da Psicologia Profunda, o ser vive para amar e ser amado, iluminar a sombra e fazer prevalecer o Self. Esse processo encerra toda a saga da autoconquista de cada ser, que deve transformar impulsos em sentimentos, atavismos em atividades lúcidas, heranças dominadoras em aquisições plenas, instintos arraigados em emoções harmônicas, hábitos estratificados em realizações edificantes, tendências inferiores em aspirações elevadas sob os impulsos do amor. ... Terapia eficiente para superação da sombra, o amor é o medicamento salutar para o ego enfermo, estímulo eficiente para o Self que desabrocha soberano quando irrigado pelo fluxo desse sentimento superior da vida. ... Amar é abrir o coração sem reservas, encontrar-se desarmado de sentimentos de oposição, sempre favorável ao bem e ao progresso, mesmo quando discordando das colocações que são apresentadas. ... O amor é o liame sutil que une o interior ao exterior do ser, o profano ao sagrado, o ego ao Self, que lhe passa a comandar o comportamento, o material ao espiritual. O amor nunca se ofende e sempre está lúcido para entender que na sua vibração tudo se harmoniza.
  2. Invariavelmente as pessoas que ainda não aprenderam com o Homem-Jesus a excelência do amor, pensam que são amadas porque se fazem especiais, esquecendo-se de que por amarem tornam-se especiais. O amor dinamiza os potenciais internos do ser, contribuindo para que os neurônios e as glândulas do sistema endócrino produzam imunoglobulinas que imunizam o ser em relação a diversas infecções, enquanto vitalizam o emocional e o psíquico, afinal de onde dimana essa energia poderosa... É graças ao amor que os relacionamentos atingem a sua plenitude, porque o egoísmo cede lugar ao altruísmo e o entendimento de respeito como de confiança alicerça mais os sentimentos que se harmonizam, produzindo bem-estar em quem doa, tanto quanto em quem recebe. Somente o amor permite que se vejam as pessoas como são. Sem ele, percebem-se os reflexos da personalidade que deseja impressionar e conquistar lugar e afeto, sem a qualidade essencial que é o sentimento profundo de doar para depois receber, ou ofertar sem o escuso interesse de negociar uma recompensa. Por isso, quando não está vitalizado esse desejo pelo hálito do amor real, a frustração e a amargura sempre acompanham os insucessos, que são decorrentes da ausência de pureza do ofertório. Amando-se, ultrapassa-se a própria humanidade na qual se encontra o ser, para alcançar-se uma forma de angelitude, que o alça do mundo físico ao espiritual mesmo que sem ruptura dos laços materiais. Todo esse concerto de afetividade inicia-se no respeito por si mesmo, na educação da vontade e no bom direcionamento dos sentimentos, de forma que a autodescoberta trace conduta saudável que irradie harmonia e alegria de viver, tornando a existência física aprazível seja em que forma se apresente, não sofrendo as alterações dos estados apaixonados e dos gostos atrabiliários. Esse sentido de autoamor que se transmuda em aloamor, alcança a etapa mais elevada que é o amor a Deus acima de todas as coisas e condições, por significar a perfeita identificação da criatura com o seu Criador, haurindo sempre mais força e beleza para o autocrescimento.
  3. A trajetória de predominância do ego no ser é larga. A descoberta do eu profundo, do ser real, da individuação é, por conseqüência, mais difícil, mais sacrificial, exigindo todo o empenho e dedicação para ser lograda. Vivendo em um mundo físico, no qual a ilusão da forma confunde a realidade, o que parece tem predomínio sobre o que é, o visível e o temporal dominam os sentidos, em detrimento do não visível e do atemporal, jungindo o ser à projeção, com prejuízo para o que é real, e é compreensível que haja engano na eleição do total em detrimento do incompleto. Esse conflito — parecer e ser — responde pelos equívocos existenciais, que dão preferência ao que fere os sentidos, substituindo as emoções da alma, além das estruturas orgânicas. Estabelece-se, então, a prevalência da ilusão derivada do sensorial que a tudo comanda, no campo das formas, desempenhando finalidade dominante em quase todos os aspectos da vida. Submerso no oceano da matéria o ser profundo — o eu — encontrando-se em período de imaturidade psicológica, deixa-se conduzir pelo exterior, supondo-se diante da realidade, sem dar-se conta da mobilidade e estrutura de todas as coisas, na sua constituição molecular. ... A dilatação do processo existencial, começando antes do berço e prosseguindo além do túmulo, oferece objetivos ampliados, que se eternizam, proporcionando contentos satisfatórios que se transformam em realizações espirituais de valorização da vida em todos os seus atributos.
  4. Samaritanos. - Após o cisma das dez tribos, Samaria se constituiu a capital do reino dissidente de Israel. Destruída e reconstruída várias vezes, tomou-se, sob os romanos, a cabeça da Samaria, uma das quatro divisões da Palestina. Herodes, chamado o Grande, a embelezou de suntuosos monumentos e, para lisonjear Augusto, lhe deu o nome de Augusta, em grego Sebaste. Os samaritanos estiveram quase constantemente em guerra com os reis de Judá. Aversão profunda, datando da época da separação, perpetuou-se entre os dois povos, que evitavam todas as relações recíprocas. Aqueles, para tornarem maior a cisão e não terem de vir a Jerusalém pela celebração das festas religiosas, construfram para si um templo particular e adotaram algumas reformas. Somente admitiam o Pentateuco, que continha a lei de Moisés, e rejeitavam todos os outros livros que a esse foram posteriormente anexados. Seus livros sagrados eram escritos em caracteres hebraicos da mais alta antigüidade. Para os judeus ortodoxos, eles eram heréticos e, portanto, desprezados, anatematizados e perseguidos. Ó antagonismo das duas nações tinha, pois, por fundamento único a divergência das opiniões religiosas; se bem fosse a mesma a origem das crenças de uma e outra. Eram os protestantes desse tempo. Ainda hoje se encontram samaritanos em algumas regiões do Levante, particularmente em Nablus e em Jafa. Observam a lei de Moisés com mais rigor que os outros judeus e só entre si contraem alianças. (ESE-Introdução)
  5. O lar é a escola das almas, o templo onde a sabedoria divina nos habilita,  pouco a pouco, ao grande entendimento da Humanidade.  Que fazes inicialmente às lentilha,antes de servi-­las à refeição?  A interpelada respondeu, titubeante:  — Naturalmente, Senhor, cabe­me levá­las ao fogo para que se façam  suficientemente cozidas. Depois, devo temperá­las, tornando­as agradáveis ao sabor.  Pretenderias, também, porventura,servir pão cru à mesa?  — De modo algum — tornou a velha humilde —; antes de entregá-­lo ao  consumo caseiro, compete­-me guardá-­lo ao calor do forno. Sem essa medida...  O Divino Amigo então considerou:  Há  também  um  banquete  festivo,  na  vida  celestial,  onde  nossos  sentimentos devem servir à glória do Pai. O lar,  na maioria das vezes, é o cadinho  santo ou o forno preparador.  O que nos parece aflição ou sofrimento dentro dele é recurso espiritual.  O coração acordado para a Vontade do Senhor retira as mais luminosas bênçãos de suas lutas renovadoras, porque,somente aí, de encontro uns  com os outros, examinando aspirações e tendências que não são nossas, observando  defeitos alheios e suportando­-os, aprendemos a desfazer as próprias imperfeições.  Nunca notou a rapidez da existência de um homem? A vida carnal é idêntica à flor  da erva. Pela manhã emite perfume, à noite, desaparece...  O lar é um curso ligeiro para a fraternidade que desfrutaremos na vida eterna. Sofrimentos e conflitos naturais, em seu círculo, são lições.
  6. Ao tempo de Kardec a igreja romana usava o slogan: Fora da Igreja não há Salvação. Era um slogan exclusivista que mostrava que só havia um caminho para se salvar. É uma concepção das doutrinas chamadas salvacionistas que preconizam a existência do Céu e do Inferno e as pessoas com medo de ir para o inferno querem ser salvas. Kardec substitui o termo igreja por caridade, mostrando que é o ato de amor que precisamos realizar independente da crença. O espiritismo por outro lado não é uma doutrina salvacionista, porque não preconiza a existência de céu e inferno como lugares circunscritos e muito menos de moradia eterna após apenas uma encarnação. No espiritismo todos somos espíritos criados simples e ignorantes e destinados à luz. A evolução acontece inexoravelmente pelas leis divinas que estão presentes na criação, então pelo amor ou pela dor cada espírito escolhe seu caminho mais ou menos longo, de maior ou menor sofrimento, mas todos chegaremos lá. Então o termo salvação utilizado por Kardec tem esta conotação de progresso, de evolução. Sem a prática da caridade fica muito mais difícil e dolorido evoluir, simplesmente porque escolhemos estar fora do amor que é a essência da criação divina.
  7. A vida é um convite a humildade e ao altruismo, que são aspectos do amor. Convite a humildade – dimensão do macrocosmos, complexidade do microcosmos, somos apenas espíritos em evolução (crianças) Convite ao altruísmo – possibilidade de perceber outros aspectos da verdade e partilhar experiências na tentativa de alargar nossa visão e aumentar nossa compreensão.
  8. 886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? “Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.” O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça. pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos. A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores. Ela nos prescreve a indulgência, porque da indulgência precisamos nós mesmos, e nos proíbe que humilhemos os desafortunados, contrariamente ao que se costuma fazer. ... O homem verdadeiramente bom procura elevar, aos seus próprios olhos, aquele que lhe é inferior, diminuindo a distância que os separa.
  9. A conversação em casa de Pedro versava, nessa noite, sobre a prática do bem, com a viva colaboração verbal de todos. Como expressar a compaixão, sem dinheiro? Por que meios incentivar a beneficência, sem recursos monetários? Com essas interrogativas, grandes nomes da fortuna material eram invocados e a maioria inclinava-se a admitir que somente os poderosos da Terra se encontravam à altura de estimular a piedade ativa, quando o Mestre interferiu, opinando, bondoso: — Um sincero devoto da Lei foi exortado por determinações do Céu ao exercício da beneficência; entretanto, vivia em pobreza extrema e não podia, de modo algum, retirar a mínima parcela de seu salário para o socorro aos semelhantes. Em verdade, dava de si mesmo, quanto possível, em boas palavras e gestos pessoais de conforto e estímulo a quantos se achavam em sofrimento e dificuldade; porém, magoava-lhe o coração a impossibilidade de distribuir agasalho e pão com os andrajosos e famintos à margem de sua estrada. Rodeado de filhinhos pequeninos, era escravo do lar que lhe absorvia o suor. Reconheceu, todavia, que, se lhe era vedado o esforço na caridade pública, podia perfeitamente guerrear o mal, em todas as circunstâncias de sua marcha pela Terra.
  10. Assim é que passou a extinguir, com incessante atenção, todos os pensamentos inferiores que lhe eram sugeridos; quando em contato com pessoas interessadas na maledicência, retraía-se, cortês, e, em respondendo a alguma interpelação direta, recordava essa ou aquela pequena virtude da vítima ausente; se alguém, diante dele, dava pasto à cólera fácil, considerava a ira como enfermidade digna de tratamento e recolhia-se à quietude; insultos alheios batiam-lhe no espírito à maneira de calhaus em barril de mel, porquanto, além de não reagir, prosseguia tratando o ofensor com a fraternidade habitual; a calúnia não encontrava acesso em sua alma, de vez que toda denúncia torpe se perdia, inútil, em seu grande silêncio; reparando ameaças sobre a tranquilidade de alguém, tentava desfazer as nuvens da incompreensão, sem alarde, antes que assumissem feição tempestuosa; se alguma sentença condenatória bailava em torno do próximo, mobilizava, espontâneo, todas as possibilidades ao seu alcance na defesa delicada e imperceptível; seu zelo contra a incursão e a extensão do mal era tão fortemente minucioso que chegava a retirar detritos e pedras da via pública, para que não oferecessem perigo aos transeuntes.
  11. Adotando essas diretrizes, chegou ao termo da jornada humana, incapaz de atender às sugestões da beneficência que o mundo conhece. Jamais pudera estender uma tigela de sopa ou ofertar uma pele de carneiro aos irmãos necessitados. Nessa posição, a morte buscou-o ao tribunal divino, onde o servidor humilde compareceu receoso e desalentado. Temia o julgamento das autoridades celestes, quando, de improviso, foi aureolado por brilhante diadema, e, porque indagasse, em lágrimas, a razão do inesperado prêmio, foi informado de que a sublime recompensa se referia à sua triunfante posição na guerra contra o mal, em que se fizera valoroso empreiteiro. Fixou o Mestre nos aprendizes o olhar percuciente e calmo e concluiu, em tom amigo: — Distribuamos o pão e a cobertura, acendamos luz para a ignorância e intensifiquemos a fraternidade aniquilando a discórdia, mas não nos esqueçamos do combate metódico e sereno contra o mal, em esforço diário, convictos de que, nessa batalha santificante, conquistaremos a divina coroa da caridade desconhecida.