SlideShare uma empresa Scribd logo
A Carta Magna da Paz
Capítulo 2
Regiões de Reequilíbrio na Terra
Sociedade Espírita Renovação
Eduardo Manoel Araujo
Fevereiro/2016
Plano
Espiritual
Plano
Material
Regiões
de
Reequilíbrio
Regiões
de
Reequilíbrio
Regiões
de
Bem-
aventurança
Regiões
de
Bem-
aventurança
Relações entre
Planos e Regiões
Ajuda
- Pedido
- Missão
Ajuda
- Pedido
- Missão
Sintonia
Influência
Sintonia
Inspiração
Ajuda
- Pedido
- Missão
ou
Obsessão
Ajuda
- Pedido
- Missão
Plano
Espiritual
Plano
Material
Relações entre Planos e
Regiões
Bem-
aventurança
Espiritual
Bem-
aventurança
Terrena
Reequilíbrio
Terreno
Requilíbrio
Espiritual
Influencias
Espirituais e
Materiais de
Amor e de Ódio
Influências
Perniciosas
Influências
Amorosas
Influências e
Apoio
Espiritual
Influências e Apoio
Material e
Espiritual
Quando nos detemos para refletir acerca
do problema das faltas e das correções,
dos crimes e dos castigos a eles correspondentes,
temos de encarar maduramente a questão,
para que nenhuma perturbação psicológica ou psiquiátrica
nos impeça de compreender
o processamento da lei de causa e efeito
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 39
Sendo assim, ocorrem fenômenos que obedecem aos princípios
atrativos e repulsivos do magnetismo humano, fazendo com que
criaturas vinculadas a uma mesma banda de frequências mentais se
busquem, se associem, se acerquem umas das outras e passem a
conviver atritando as comuns deformidades morais enquanto trocam as
acumuladas virtudes, como as pedras que rolam na correnteza dos rios,
até que percam suas arestas e transformem opacidade em brilho,
tendo-se que uma das pujantes determinações de Jesus foi para que
fizessemos brilhar a própria luz.
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 41
Na medida em que nos amadurece o entendimento da vida, ... nos imbuímos
da realidade de que somos seres espirituais, fadados aos brilhos do progresso
indefinito, eternidade afora, tudo se altera em nossa compreensão dos
processos divinos de rearmonização pelos quais teremos que passar, toda vez
que cometermos despautério no campo da vida exuberante.
É imenso o numero de Espíritos em trabalhos purificadores encarnados no
planeta.
... A misericórdia de Deus não tem limites.
... nossa felicidade ... uma inalienável conquista.
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 40 , 41 e 44
Atração:busca
osemelhante
Prova do
próprio veneno
Auto-exame
Atrito de deformidades morais
e
Sementes de Virtude
Origem e Dinâmica das Regiões de Reequilíbrio
Belicosas ou Miseráveis
Materiais ou Espirituais
Regiões de
ReequilibrioDiferentes lugares no espaço
• Para o espírito livre
• Para o espírito encarnado
• Diferentes mundos
• Diferentes lugares nos
mundos
Destino: Brilhar a própria luz
Compreensão da nossa
natureza espiritual
Entendimento da vida e suas
leis imutáveis
Viver em harmonia com as
leis - prática do amor
Estar nestes lugares
faz parte do
amor divino
Dinâmica das Regiões de Reequilíbrio
Belicosas ou Miseráveis
Materiais ou Espirituais
Diferentes espíritos estão ali ao longo dos tempos
É uma ilusão acharmos que são sempre os mesmos
Novos
Redimidos
Regiões
de
Reequilíbrio
São lares, cidades, países,
grupos pequenos e grandes
que criam uma
psicosfera
com seus fluidos
1. O que é o sofrimento? Por que sofremos?
2. O que é o sofrimento do sofrimento?
3. Onde principia o sofrimento?
4. Por que existem regiões de sofrimento coletivo?
5. Como estas regiões se formam?
6. Como se sofre nestas regiões?
7. Quando e por que fazermos um movimento
buscando parar de sofrer?
8. Como aprendemos?
1. O que é o bem-aventurança? Por que sentimos
a bem-aventurança?
2. O que é a bem-aventurança da bem-
aventurança?
3. Onde principia a bem-aventurança?
4. Por que existem regiões de bem-aventurança
coletiva?
5. Como estas regiões se formam?
6. Como se vive nestas regiões?
7. Quando e por que fazermos um movimento
buscando a bem-aventurança?
8. Como aprendemos?
Reflita com o seu grupo nestas perguntas e apresente a percepção coletiva desta reflexão.
Veja que os dois conjuntos de perguntas são similares, um com a palavra bem-aventurança e outro com a palavra sofrimento.
A cada pergunta reflita tanto sobre a bem-aventurança como o sofrimento.
1. O que é o sofrimento? Por que sofremos?
2. O que é o sofrimento do sofrimento?
3. Onde principia o sofrimento?
4. Por que existem regiões de sofrimento
coletivo?
5. Como estas regiões se formam?
6. Como se sofre nestas regiões?
7. Quando e por que fazermos um movimento
buscando parar de sofrer?
8. Como aprendemos?
1. O que é o bem-aventurança? Por que
sentimos a bem-aventurança?
2. O que é a bem-aventurança da bem-
aventurança?
3. Onde principia a bem-aventurança?
4. Por que existem regiões de bem-
aventurança coletiva?
5. Como estas regiões se formam?
6. Como se vive nestas regiões?
7. Quando e por que fazermos um movimento
buscando a bem-aventurança?
8. Como aprendemos?
257. Ensaio Teórico da Sensação dos Espíritos
Os sofrimentos deste mundo independem, algumas vezes, de nós; muito mais vezes, contudo,
são devidos à nossa vontade. Remonte cada um à origem deles e verá que a maior parte de tais
sofrimentos são efeitos de causas que lhe teria sido possível evitar. Quantos males, quantas
enfermidades não deve o homem aos seus excessos, à sua ambição, numa palavra: às suas
paixões? Aquele que sempre vivesse com sobriedade, que de nada abusasse, que fosse sempre
simples nos gostos e modesto nos desejos, a muitas tribulações se forraria. O mesmo se dá
com o Espírito. Os sofrimentos por que passa são sempre a conseqüência da maneira por que
viveu na Terra. Certo já não sofrerá mais de gota, nem de Reumatismo; no entanto,
experimentará outros sofrimentos que nada ficam a dever àqueles. Vimos que seu sofrer
resulta dos laços que ainda o prendem à matéria; que quanto mais livre estiver da influência
desta, ou, por outra, quanto mais desmaterializado se achar, menos dolorosas sensações
experimentará. Ora, está nas suas mãos libertar-se de tal influência desde a vida atual. Ele tem
o livre-arbítrio, tem, por conseguinte, a faculdade de escolha entre o fazer e o não fazer. Dome
suas paixões animais; não alimente ódio, nem inveja, nem ciúme, nem orgulho; não se deixe
dominar pelo egoísmo; purifique-se, nutrindo bons sentimentos; pratique o bem; não ligue às
coisas deste mundo importância que não merecem; e, então, embora revestido do invólucro
corporal, já estará depurado, já estará liberto do jugo da matéria e, quando deixar esse
invólucro, não mais lhe sofrerá a influência. Nenhuma recordação dolorosa lhe advirá dos
sofrimentos físicos que haja padecido; nenhuma impressão desagradável eles deixarão, porque
apenas terão atingido o corpo e não a alma. Sentir-se-á feliz por se haver libertado deles e a
paz da sua consciência o isentará de qualquer sofrimento moral.
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
Interrogamos, aos milhares, Espíritos que na Terra pertenceram a todas as classes da
sociedade, ocuparam todas as posições sociais; estudamo-los em todos os períodos da vida
espírita, a partir do momento em que abandonaram o corpo; acompanhamo-los passo a passo
na vida de além-túmulo, para observar as mudanças que se operavam neles, nas suas idéias,
nos seus sentimentos e, sob esse aspecto, não foram os que aqui se contaram entre os homens
mais vulgares os que nos proporcionaram menos preciosos elementos de estudo. Ora, notamos
sempre que os sofrimentos guardavam relação com o proceder que eles tiveram e cujas
conseqüências experimentavam; que a outra vida é fonte de inefável ventura para os que
seguiram o bom caminho. Deduz-se daí que, aos que sofrem, isso acontece porque o quiseram;
que, portanto, só de si mesmos se devem queixar, quer no outro mundo, quer neste.
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
258. Quando na erraticidade, antes de começar nova existência corporal, tem o
Espírito consciência e previsão do que lhe sucederá no curso da vida terrena?
“Ele próprio escolhe o gênero de provas por que há de passar e nisso consiste o
seu livre-arbítrio.”
a)- Mas, então, de que serve aos Espíritos terem seguido o caminho do bem, se
isso não os isenta dos sofrimentos da vida corporal?
“Chegam mais depressa ao fim. Demais, as aflições da vida são muitas vezes a
conseqüência da imperfeição do Espírito. Quanto menos imperfeições, tanto
menos tormentos. Aquele que não é invejoso, nem ciumento, nem avaro, nem
ambicioso, não sofrerá as torturas que se originam desses defeitos.”
167. Qual o fim objetivado com a reencarnação?
“Expiação, melhoramento progressivo da Humanidade. Sem isto, onde a justiça?”
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
259. Do fato de pertencer ao Espírito a escolha do gênero de provas que deva sofrer, seguir-se-á
que todas as tribulações que experimentamos na vida nós as previmos e buscamos?
“Todas, não, porque não escolhestes e previstes tudo o que vos sucede no mundo,
até às mínimas coisas. Escolhestes apenas o gênero das provações. As particularidades
correm por conta da posição em que vos achais; são, muitas vezes, conseqüências das
vossas próprias ações. Escolhendo, por exemplo, nascer entre malfeitores, sabia o Espírito a
que arrastamentos se expunha; ignorava, porém, quais os atos que viria a praticar. Esses
atos resultam do exercício da sua vontade, ou do seu livre-arbítrio. Sabe o Espírito que,
escolhendo tal caminho, terá que sustentar lutas de determinada espécie; sabe, portanto, de
que natureza serão as vicissitudes que se lhe depararão, mas ignora se se verificará este ou
aquele êxito. Os acontecimentos secundários se originam das circunstâncias e da força
mesma das coisas. Previstos só são os fatos principais, os que influem no destino. Se
tomares uma estrada cheia de sulcos profundos, sabes que terás de andar cautelosamente,
porque há muitas probabilidades de caíres; ignoras, contudo, em que ponto cairás e bem
pode suceder que não caias, se fores bastante prudente. Se, ao percorreres uma rua, uma
telha te cair na cabeça, não creias que estava escrito, segundo vulgarmente se diz.”
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
260. Como pode o Espírito desejar nascer entre gente de má vida?
“Forçoso é que seja posto num meio onde possa sofrer a prova que pediu. Pois bem!
É necessário que haja analogia. Para lutar contra o instinto do roubo, preciso é que se ache em
contacto com gente dada à prática de roubar.”
264. Que é o que dirige o Espírito na escolha das provas que queira sofrer?
“Ele escolhe, de acordo com a natureza de suas faltas, as que o levem à expiação destas e a
progredir mais depressa. Uns, portanto, impõem a si mesmos uma vida de misérias e privações,
objetivando suportá-las com coragem; outros preferem experimentar as tentações da riqueza e
do poder, muito mais perigosas, pelos abusos e má aplicação a que podem dar lugar, pelas
paixões inferiores que uma e outros desenvolvem; muitos, finalmente, se decidem a
experimentar suas forças nas lutas que terão de sustentar em contacto com o vício.”
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
959. Donde nasce, para o homem, o sentimento instintivo da vida futura?
“Já temos dito: antes de encarnar, o Espírito conhecia todas essas coisas e a alma
conserva vaga lembrança do que sabe e do que viu no estado espiritual.”
960. Donde se origina a crença, com que deparamos entre todos os povos, na existência de
penas e recompensas porvindouras?
“É sempre a mesma coisa: pressentimento da realidade, trazido ao homem pelo
Espírito nele encarnado. Porque, sabei-o bem, não é debalde que uma voz interior vos fala.
O vosso erro consiste em não lhe prestardes bastante atenção. Melhores vos tornaríeis, se
nisso pensásseis muito, e muitas vezes.”
965. Têm alguma coisa de material as penas e gozos da alma depois da morte?
“Não podem ser materiais, di-lo o bom-senso, pois que a alma não é matéria. Nada têm de
carnal essas penas e gozos; entretanto, são mil vezes mais vivos do que os experimentais na
Terra, porque o Espírito, uma vez liberto, é mais impressionável. Então, já a matéria não lhe
embota as sensações.”
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
1004. Em que se baseia a duração dos sofrimentos do culpado?
“No tempo necessário a que se melhore. Sendo o estado de sofrimento ou de felicidade
proporcionado ao grau de purificação do Espírito, a duração e a natureza de seus sofrimentos
dependem do tempo que ele gaste em melhorar-se. À medida que progride e que os
sentimentos se lhe depuram, seus sofrimentos diminuem e mudam de natureza.”
SÃO LUÍS.
Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
auto -
percepção de
valor
vulnerabilidade
do espírito
aceitação de
ajuda
aprendizado
realização
reconhecimento
críticas e
elogios
Diagrama de
Pensamento Sistêmico

Virtudes
ou
Vícios
auto -
percepção de
valor
vulnerabilidade
do espírito
aceitação de
ajuda espiritual
aprendizado
espiritual
realização
espiritual
reconhecimento
espiritual
B
críticas
positivas e
elogios
Bcríticas
negativas
R
aceitação de
viciações
Identidade com o
vicio e
intensidade de
viciações
R
R – Ciclo Reforçador
C – Ciclo Balanceador
Diagrama de
Pensamento Sistêmico
auto
percepção de
valor
vulnerabilidade
do espírito
críticas
negativas
R
críticas
positivas e
elogios
B
reconhecimento
do grupo
R
ações
malévolas
sofrimento
causado
R
conhecimento de
outros vicios
R
informação que
facilita o vício
R
atração para
comunidades de
viciados
R
aceitação de
ajuda espiritual
aprendizado
espiritual
realização
espiritual
reconhecimento
espiritual
B
Karma
sofrimento
pessoal
B
B
prática de
virtudes
B
aceitação de
viciações
Identidade com
o vício e
intensidade de
viciações
R
R – Ciclo Reforçador
C – Ciclo Balanceador
Diagrama de
Pensamento Sistêmico
uso de
drogas
R
Harmonia com
a criação, com Deus
Harmonia
com o outro
Harmonia
consigo mesmo
Harmonia
com a natureza
Harmonia
REFLEXÃO SOBRE O MECANISMO DE
APRENDIZADO COM OS ERROS
PARA ELIMINAÇÃO DOS VÍCIOS
ERRO
ciclo
InconscientePERCEPÇÃO
ciclo de percepção
consciente
REMORSO &
ARREPENDIMENTO
ciclo de sentimento
consciente
REPARAÇÃO
ciclo de ação consciente
Para cada padrão de comportamento
vicioso passamos por estes ciclos
até a completa aprendizagem
Fonte: Eduardo Manoel Araujo – palestras em casas espíritas
APRENDIZADO
superação
dos ciclos
REFLEXÃO SOBRE O MECANISMO DE
APRENDIZADO DAS VIRTUDES
VIRTUDE
ciclo
inconscientePERCEPÇÃO
ciclo de percepção
consciente
INSPIRAÇÃO
ciclo de sentimento
consciente
REALIZAÇÃO
ciclo de ação consciente
Para cada padrão de comportamento
virtuoso passamos por estes ciclos
até a completa aprendizagem
Fonte: Eduardo Manoel Araujo – palestras em casas espíritas
APRENDIZADO
incorporação
da virtude
Porque somos imortais, o Criador vai-nos concedendo tempo devido para que
todos nos possamos conscientizar do compromisso de avançar pela senda do
progresso, que nos trouxe à Terra, verificando com assiduidade como andam
nossos impulsos perniciosos, bem como nossos movimentos para Deus, nosso
teotropismo.
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 46
Assim como as plantas buscam o sol, no fenômeno conhecido por
heliotropismo, assim também o ser humano busca a Luz Maior, num
fenômeno que poderíamos chamar de “Teotropismo”, a busca de Deus. Só
assim teremos encontrado a felicidade suprema, sem mescla, que tanto temos
buscado de forma equivocada.
Fonte: Momento Espírita ao vivo
Regiões de reequlíbrio, via expiação, há muitas pelo mundo.
Resta-nos saber se não nos estaremos candidatando
a renascer em seu bojo, nos seus núcleos,
diante da distância ou da omissão
que mantenhamos em relação
ao amor e ao bem.
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 47
Ser Espiritual na Experiência Material
Valoriza as coisas espirituais
a compreensão das leis da vida
sua natureza espiritual
seu processo de auto-educação
a natureza espiritual das outras
pessoas e dos outros seres
a relação com o plano espiritual
o apoio espiritual as pessoas
Dá o valor adequado as coisas materiais
cuidado com a saúde do corpo
(alimentação, higiene, exercícios,…)
cuidado com a sobrevivência
administra o poder e a riqueza a
serviço da evolução da sociedade
Inadiável será aproveitar a presente oportunidade reencarnatória,
na terra que se transforma, aos poucos,
em aprazível moradia sideral,
a fim de cooperarmos com Cristo
que tanto investe nas possibilidades de progresso do seu rebanho,
e para que nos tornemos
agentes do amor e semeadores da paz,
nossa coroa sublimada, nosso refugio de luz.
Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 47
Gratidão!
Eduardo e Gilana
Descentralização
Inovação
Rede
Autonomia
Externo
E ao invés de OU
Modos de Aprender

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6
hannahxa
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Deus não premia nem castiga
Deus não premia nem castigaDeus não premia nem castiga
Deus não premia nem castiga
Joyce Baena
 
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convémTudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Cemica Missionários da Caridade
 
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
O Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
O Destino - a fatalidade e as escolhas na VidaO Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
O Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Livre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e DeterminismoLivre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e Determinismo
Associação Espirita Lagos
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
manumino
 
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
Eduardo Manoel Araujo
 
Apostila 02 doc
Apostila 02 docApostila 02 doc
Causa e efeito
Causa e efeitoCausa e efeito
Causa e efeito
Loise Goes
 
Aula Vida Espirita
Aula Vida EspiritaAula Vida Espirita
Aula Vida Espirita
Ceile Bernardo
 
Slide livre arbítrio
Slide  livre arbítrioSlide  livre arbítrio
Slide livre arbítrio
bonattinho
 
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.netLivre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
Fórum Espírita
 
Trecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o InfernoTrecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o Inferno
Darlene Cesar
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
Rosângela Elias
 

Mais procurados (19)

Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6Livro dos espiritos capitulo 6
Livro dos espiritos capitulo 6
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Deus não premia nem castiga
Deus não premia nem castigaDeus não premia nem castiga
Deus não premia nem castiga
 
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convémTudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
 
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
O Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
O Destino - a fatalidade e as escolhas na VidaO Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
O Destino - a fatalidade e as escolhas na Vida
 
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
090527 livre arbítrio – fatalidade – conhecimento do futuro –livro iii, cap 10
 
Livre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e DeterminismoLivre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e Determinismo
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
 
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
O Céu e o Inferno - capítulo VII - Código penal da vida futura 1 a 8
 
Apostila 02 doc
Apostila 02 docApostila 02 doc
Apostila 02 doc
 
Causa e efeito
Causa e efeitoCausa e efeito
Causa e efeito
 
Aula Vida Espirita
Aula Vida EspiritaAula Vida Espirita
Aula Vida Espirita
 
Slide livre arbítrio
Slide  livre arbítrioSlide  livre arbítrio
Slide livre arbítrio
 
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.netLivre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
Livre arbitrio estudo mensal www.forumespirita.net
 
Trecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o InfernoTrecho: O Céu e o Inferno
Trecho: O Céu e o Inferno
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
 

Semelhante a A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra

Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
Ponte de Luz ASEC
 
Mediunidade o que é isso apostila 038
Mediunidade o que é isso   apostila 038Mediunidade o que é isso   apostila 038
Mediunidade o que é isso apostila 038
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
ceudeagartha1
 
Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17
PABLO SOBRINHO
 
Plenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimentoPlenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimento
Leonardo Pereira
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Da Vida Espírita
Da Vida EspíritaDa Vida Espírita
Da Vida Espírita
Sergio Menezes
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
Lena Lopez
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
hamletcrs
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
Alfweb Sistemas
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do PensametoAula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Breno Ortiz Tavares Costa
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
petrus genuino
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
meebpeixotinho
 
Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!
Leonardo Pereira
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eduardo Manoel Araujo
 

Semelhante a A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra (20)

Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
Mediunidade o que é isso apostila 038
Mediunidade o que é isso   apostila 038Mediunidade o que é isso   apostila 038
Mediunidade o que é isso apostila 038
 
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
CANALIZAÇÃO 3: Todos nós somos o UNO ...
 
Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17Reencarnação agosto17
Reencarnação agosto17
 
Plenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimentoPlenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimento
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Da Vida Espírita
Da Vida EspíritaDa Vida Espírita
Da Vida Espírita
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do PensametoAula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
Aula 1 - Introdução ao Estudo sobre o Mundo Espiritual - Força do Pensameto
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
 
Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
 

Mais de Eduardo Manoel Araujo

Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Eduardo Manoel Araujo
 
O que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasilO que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasil
Eduardo Manoel Araujo
 
Pureza
PurezaPureza
Ecologia integral enciclica do papa francisco
Ecologia integral   enciclica do papa franciscoEcologia integral   enciclica do papa francisco
Ecologia integral enciclica do papa francisco
Eduardo Manoel Araujo
 
Termo de referencia vivendo com jesus
Termo de referencia   vivendo com jesusTermo de referencia   vivendo com jesus
Termo de referencia vivendo com jesus
Eduardo Manoel Araujo
 
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa FranciscoTeses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Eduardo Manoel Araujo
 
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa FranciscoExtrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Eduardo Manoel Araujo
 
Conduta evangelica
Conduta evangelicaConduta evangelica
Conduta evangelica
Eduardo Manoel Araujo
 
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espiritoEsperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Eduardo Manoel Araujo
 
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viiiQuadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
Eduardo Manoel Araujo
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
Eduardo Manoel Araujo
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Eduardo Manoel Araujo
 
Convite ao valor
Convite ao valorConvite ao valor
Convite ao valor
Eduardo Manoel Araujo
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espírita
Eduardo Manoel Araujo
 
Bem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansosBem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansos
Eduardo Manoel Araujo
 
Atitude Espírita
Atitude EspíritaAtitude Espírita
Atitude Espírita
Eduardo Manoel Araujo
 
Nossos filhos
Nossos filhosNossos filhos
Nossos filhos
Eduardo Manoel Araujo
 
Orgulho e humildade
Orgulho e humildadeOrgulho e humildade
Orgulho e humildade
Eduardo Manoel Araujo
 
Caridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximoCaridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximo
Eduardo Manoel Araujo
 
A alegria de servir
A alegria de servirA alegria de servir
A alegria de servir
Eduardo Manoel Araujo
 

Mais de Eduardo Manoel Araujo (20)

Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
Queremos realmente evitar 80% das mortes por Covid19?
 
O que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasilO que mata hoje no brasil
O que mata hoje no brasil
 
Pureza
PurezaPureza
Pureza
 
Ecologia integral enciclica do papa francisco
Ecologia integral   enciclica do papa franciscoEcologia integral   enciclica do papa francisco
Ecologia integral enciclica do papa francisco
 
Termo de referencia vivendo com jesus
Termo de referencia   vivendo com jesusTermo de referencia   vivendo com jesus
Termo de referencia vivendo com jesus
 
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa FranciscoTeses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
Teses da encíclica Laudato Si do Papa Francisco
 
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa FranciscoExtrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
Extrato resumo da enciclica Laudato Si do Papa Francisco
 
Conduta evangelica
Conduta evangelicaConduta evangelica
Conduta evangelica
 
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espiritoEsperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
Esperanca - sementeira de coragem no solo do espirito
 
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viiiQuadro comparativo dos espiritos em expiacao   o ceu e o inferno - viii
Quadro comparativo dos espiritos em expiacao o ceu e o inferno - viii
 
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestresO céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
O céu e o inferno - cap VIII - expiacoes terrestres
 
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII  de: O céu e o infernoDinâmica - capitulo VII  de: O céu e o inferno
Dinâmica - capitulo VII de: O céu e o inferno
 
Convite ao valor
Convite ao valorConvite ao valor
Convite ao valor
 
Vivência com consciência espírita
Vivência com consciência espíritaVivência com consciência espírita
Vivência com consciência espírita
 
Bem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansosBem aventurados os mansos
Bem aventurados os mansos
 
Atitude Espírita
Atitude EspíritaAtitude Espírita
Atitude Espírita
 
Nossos filhos
Nossos filhosNossos filhos
Nossos filhos
 
Orgulho e humildade
Orgulho e humildadeOrgulho e humildade
Orgulho e humildade
 
Caridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximoCaridade e amor ao próximo
Caridade e amor ao próximo
 
A alegria de servir
A alegria de servirA alegria de servir
A alegria de servir
 

Último

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra

  • 1. A Carta Magna da Paz Capítulo 2 Regiões de Reequilíbrio na Terra Sociedade Espírita Renovação Eduardo Manoel Araujo Fevereiro/2016
  • 2.
  • 3. Plano Espiritual Plano Material Regiões de Reequilíbrio Regiões de Reequilíbrio Regiões de Bem- aventurança Regiões de Bem- aventurança Relações entre Planos e Regiões Ajuda - Pedido - Missão Ajuda - Pedido - Missão Sintonia Influência Sintonia Inspiração Ajuda - Pedido - Missão ou Obsessão Ajuda - Pedido - Missão
  • 4.
  • 5. Plano Espiritual Plano Material Relações entre Planos e Regiões Bem- aventurança Espiritual Bem- aventurança Terrena Reequilíbrio Terreno Requilíbrio Espiritual Influencias Espirituais e Materiais de Amor e de Ódio Influências Perniciosas Influências Amorosas Influências e Apoio Espiritual Influências e Apoio Material e Espiritual
  • 6. Quando nos detemos para refletir acerca do problema das faltas e das correções, dos crimes e dos castigos a eles correspondentes, temos de encarar maduramente a questão, para que nenhuma perturbação psicológica ou psiquiátrica nos impeça de compreender o processamento da lei de causa e efeito Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 39
  • 7.
  • 8. Sendo assim, ocorrem fenômenos que obedecem aos princípios atrativos e repulsivos do magnetismo humano, fazendo com que criaturas vinculadas a uma mesma banda de frequências mentais se busquem, se associem, se acerquem umas das outras e passem a conviver atritando as comuns deformidades morais enquanto trocam as acumuladas virtudes, como as pedras que rolam na correnteza dos rios, até que percam suas arestas e transformem opacidade em brilho, tendo-se que uma das pujantes determinações de Jesus foi para que fizessemos brilhar a própria luz. Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 41
  • 9.
  • 10. Na medida em que nos amadurece o entendimento da vida, ... nos imbuímos da realidade de que somos seres espirituais, fadados aos brilhos do progresso indefinito, eternidade afora, tudo se altera em nossa compreensão dos processos divinos de rearmonização pelos quais teremos que passar, toda vez que cometermos despautério no campo da vida exuberante. É imenso o numero de Espíritos em trabalhos purificadores encarnados no planeta. ... A misericórdia de Deus não tem limites. ... nossa felicidade ... uma inalienável conquista. Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 40 , 41 e 44
  • 11. Atração:busca osemelhante Prova do próprio veneno Auto-exame Atrito de deformidades morais e Sementes de Virtude Origem e Dinâmica das Regiões de Reequilíbrio Belicosas ou Miseráveis Materiais ou Espirituais Regiões de ReequilibrioDiferentes lugares no espaço • Para o espírito livre • Para o espírito encarnado • Diferentes mundos • Diferentes lugares nos mundos Destino: Brilhar a própria luz Compreensão da nossa natureza espiritual Entendimento da vida e suas leis imutáveis Viver em harmonia com as leis - prática do amor Estar nestes lugares faz parte do amor divino
  • 12.
  • 13. Dinâmica das Regiões de Reequilíbrio Belicosas ou Miseráveis Materiais ou Espirituais Diferentes espíritos estão ali ao longo dos tempos É uma ilusão acharmos que são sempre os mesmos Novos Redimidos Regiões de Reequilíbrio São lares, cidades, países, grupos pequenos e grandes que criam uma psicosfera com seus fluidos
  • 14. 1. O que é o sofrimento? Por que sofremos? 2. O que é o sofrimento do sofrimento? 3. Onde principia o sofrimento? 4. Por que existem regiões de sofrimento coletivo? 5. Como estas regiões se formam? 6. Como se sofre nestas regiões? 7. Quando e por que fazermos um movimento buscando parar de sofrer? 8. Como aprendemos? 1. O que é o bem-aventurança? Por que sentimos a bem-aventurança? 2. O que é a bem-aventurança da bem- aventurança? 3. Onde principia a bem-aventurança? 4. Por que existem regiões de bem-aventurança coletiva? 5. Como estas regiões se formam? 6. Como se vive nestas regiões? 7. Quando e por que fazermos um movimento buscando a bem-aventurança? 8. Como aprendemos? Reflita com o seu grupo nestas perguntas e apresente a percepção coletiva desta reflexão. Veja que os dois conjuntos de perguntas são similares, um com a palavra bem-aventurança e outro com a palavra sofrimento. A cada pergunta reflita tanto sobre a bem-aventurança como o sofrimento.
  • 15. 1. O que é o sofrimento? Por que sofremos? 2. O que é o sofrimento do sofrimento? 3. Onde principia o sofrimento? 4. Por que existem regiões de sofrimento coletivo? 5. Como estas regiões se formam? 6. Como se sofre nestas regiões? 7. Quando e por que fazermos um movimento buscando parar de sofrer? 8. Como aprendemos? 1. O que é o bem-aventurança? Por que sentimos a bem-aventurança? 2. O que é a bem-aventurança da bem- aventurança? 3. Onde principia a bem-aventurança? 4. Por que existem regiões de bem- aventurança coletiva? 5. Como estas regiões se formam? 6. Como se vive nestas regiões? 7. Quando e por que fazermos um movimento buscando a bem-aventurança? 8. Como aprendemos?
  • 16. 257. Ensaio Teórico da Sensação dos Espíritos Os sofrimentos deste mundo independem, algumas vezes, de nós; muito mais vezes, contudo, são devidos à nossa vontade. Remonte cada um à origem deles e verá que a maior parte de tais sofrimentos são efeitos de causas que lhe teria sido possível evitar. Quantos males, quantas enfermidades não deve o homem aos seus excessos, à sua ambição, numa palavra: às suas paixões? Aquele que sempre vivesse com sobriedade, que de nada abusasse, que fosse sempre simples nos gostos e modesto nos desejos, a muitas tribulações se forraria. O mesmo se dá com o Espírito. Os sofrimentos por que passa são sempre a conseqüência da maneira por que viveu na Terra. Certo já não sofrerá mais de gota, nem de Reumatismo; no entanto, experimentará outros sofrimentos que nada ficam a dever àqueles. Vimos que seu sofrer resulta dos laços que ainda o prendem à matéria; que quanto mais livre estiver da influência desta, ou, por outra, quanto mais desmaterializado se achar, menos dolorosas sensações experimentará. Ora, está nas suas mãos libertar-se de tal influência desde a vida atual. Ele tem o livre-arbítrio, tem, por conseguinte, a faculdade de escolha entre o fazer e o não fazer. Dome suas paixões animais; não alimente ódio, nem inveja, nem ciúme, nem orgulho; não se deixe dominar pelo egoísmo; purifique-se, nutrindo bons sentimentos; pratique o bem; não ligue às coisas deste mundo importância que não merecem; e, então, embora revestido do invólucro corporal, já estará depurado, já estará liberto do jugo da matéria e, quando deixar esse invólucro, não mais lhe sofrerá a influência. Nenhuma recordação dolorosa lhe advirá dos sofrimentos físicos que haja padecido; nenhuma impressão desagradável eles deixarão, porque apenas terão atingido o corpo e não a alma. Sentir-se-á feliz por se haver libertado deles e a paz da sua consciência o isentará de qualquer sofrimento moral. Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 17. Interrogamos, aos milhares, Espíritos que na Terra pertenceram a todas as classes da sociedade, ocuparam todas as posições sociais; estudamo-los em todos os períodos da vida espírita, a partir do momento em que abandonaram o corpo; acompanhamo-los passo a passo na vida de além-túmulo, para observar as mudanças que se operavam neles, nas suas idéias, nos seus sentimentos e, sob esse aspecto, não foram os que aqui se contaram entre os homens mais vulgares os que nos proporcionaram menos preciosos elementos de estudo. Ora, notamos sempre que os sofrimentos guardavam relação com o proceder que eles tiveram e cujas conseqüências experimentavam; que a outra vida é fonte de inefável ventura para os que seguiram o bom caminho. Deduz-se daí que, aos que sofrem, isso acontece porque o quiseram; que, portanto, só de si mesmos se devem queixar, quer no outro mundo, quer neste. Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 18. 258. Quando na erraticidade, antes de começar nova existência corporal, tem o Espírito consciência e previsão do que lhe sucederá no curso da vida terrena? “Ele próprio escolhe o gênero de provas por que há de passar e nisso consiste o seu livre-arbítrio.” a)- Mas, então, de que serve aos Espíritos terem seguido o caminho do bem, se isso não os isenta dos sofrimentos da vida corporal? “Chegam mais depressa ao fim. Demais, as aflições da vida são muitas vezes a conseqüência da imperfeição do Espírito. Quanto menos imperfeições, tanto menos tormentos. Aquele que não é invejoso, nem ciumento, nem avaro, nem ambicioso, não sofrerá as torturas que se originam desses defeitos.” 167. Qual o fim objetivado com a reencarnação? “Expiação, melhoramento progressivo da Humanidade. Sem isto, onde a justiça?” Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 19. 259. Do fato de pertencer ao Espírito a escolha do gênero de provas que deva sofrer, seguir-se-á que todas as tribulações que experimentamos na vida nós as previmos e buscamos? “Todas, não, porque não escolhestes e previstes tudo o que vos sucede no mundo, até às mínimas coisas. Escolhestes apenas o gênero das provações. As particularidades correm por conta da posição em que vos achais; são, muitas vezes, conseqüências das vossas próprias ações. Escolhendo, por exemplo, nascer entre malfeitores, sabia o Espírito a que arrastamentos se expunha; ignorava, porém, quais os atos que viria a praticar. Esses atos resultam do exercício da sua vontade, ou do seu livre-arbítrio. Sabe o Espírito que, escolhendo tal caminho, terá que sustentar lutas de determinada espécie; sabe, portanto, de que natureza serão as vicissitudes que se lhe depararão, mas ignora se se verificará este ou aquele êxito. Os acontecimentos secundários se originam das circunstâncias e da força mesma das coisas. Previstos só são os fatos principais, os que influem no destino. Se tomares uma estrada cheia de sulcos profundos, sabes que terás de andar cautelosamente, porque há muitas probabilidades de caíres; ignoras, contudo, em que ponto cairás e bem pode suceder que não caias, se fores bastante prudente. Se, ao percorreres uma rua, uma telha te cair na cabeça, não creias que estava escrito, segundo vulgarmente se diz.” Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 20. 260. Como pode o Espírito desejar nascer entre gente de má vida? “Forçoso é que seja posto num meio onde possa sofrer a prova que pediu. Pois bem! É necessário que haja analogia. Para lutar contra o instinto do roubo, preciso é que se ache em contacto com gente dada à prática de roubar.” 264. Que é o que dirige o Espírito na escolha das provas que queira sofrer? “Ele escolhe, de acordo com a natureza de suas faltas, as que o levem à expiação destas e a progredir mais depressa. Uns, portanto, impõem a si mesmos uma vida de misérias e privações, objetivando suportá-las com coragem; outros preferem experimentar as tentações da riqueza e do poder, muito mais perigosas, pelos abusos e má aplicação a que podem dar lugar, pelas paixões inferiores que uma e outros desenvolvem; muitos, finalmente, se decidem a experimentar suas forças nas lutas que terão de sustentar em contacto com o vício.” Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 21. 959. Donde nasce, para o homem, o sentimento instintivo da vida futura? “Já temos dito: antes de encarnar, o Espírito conhecia todas essas coisas e a alma conserva vaga lembrança do que sabe e do que viu no estado espiritual.” 960. Donde se origina a crença, com que deparamos entre todos os povos, na existência de penas e recompensas porvindouras? “É sempre a mesma coisa: pressentimento da realidade, trazido ao homem pelo Espírito nele encarnado. Porque, sabei-o bem, não é debalde que uma voz interior vos fala. O vosso erro consiste em não lhe prestardes bastante atenção. Melhores vos tornaríeis, se nisso pensásseis muito, e muitas vezes.” 965. Têm alguma coisa de material as penas e gozos da alma depois da morte? “Não podem ser materiais, di-lo o bom-senso, pois que a alma não é matéria. Nada têm de carnal essas penas e gozos; entretanto, são mil vezes mais vivos do que os experimentais na Terra, porque o Espírito, uma vez liberto, é mais impressionável. Então, já a matéria não lhe embota as sensações.” Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 22. 1004. Em que se baseia a duração dos sofrimentos do culpado? “No tempo necessário a que se melhore. Sendo o estado de sofrimento ou de felicidade proporcionado ao grau de purificação do Espírito, a duração e a natureza de seus sofrimentos dependem do tempo que ele gaste em melhorar-se. À medida que progride e que os sentimentos se lhe depuram, seus sofrimentos diminuem e mudam de natureza.” SÃO LUÍS. Fonte: Livro dos Espíritos – Allan Kardec
  • 23. auto - percepção de valor vulnerabilidade do espírito aceitação de ajuda aprendizado realização reconhecimento críticas e elogios Diagrama de Pensamento Sistêmico  Virtudes ou Vícios
  • 24. auto - percepção de valor vulnerabilidade do espírito aceitação de ajuda espiritual aprendizado espiritual realização espiritual reconhecimento espiritual B críticas positivas e elogios Bcríticas negativas R aceitação de viciações Identidade com o vicio e intensidade de viciações R R – Ciclo Reforçador C – Ciclo Balanceador Diagrama de Pensamento Sistêmico
  • 25. auto percepção de valor vulnerabilidade do espírito críticas negativas R críticas positivas e elogios B reconhecimento do grupo R ações malévolas sofrimento causado R conhecimento de outros vicios R informação que facilita o vício R atração para comunidades de viciados R aceitação de ajuda espiritual aprendizado espiritual realização espiritual reconhecimento espiritual B Karma sofrimento pessoal B B prática de virtudes B aceitação de viciações Identidade com o vício e intensidade de viciações R R – Ciclo Reforçador C – Ciclo Balanceador Diagrama de Pensamento Sistêmico uso de drogas R
  • 26. Harmonia com a criação, com Deus Harmonia com o outro Harmonia consigo mesmo Harmonia com a natureza Harmonia
  • 27. REFLEXÃO SOBRE O MECANISMO DE APRENDIZADO COM OS ERROS PARA ELIMINAÇÃO DOS VÍCIOS ERRO ciclo InconscientePERCEPÇÃO ciclo de percepção consciente REMORSO & ARREPENDIMENTO ciclo de sentimento consciente REPARAÇÃO ciclo de ação consciente Para cada padrão de comportamento vicioso passamos por estes ciclos até a completa aprendizagem Fonte: Eduardo Manoel Araujo – palestras em casas espíritas APRENDIZADO superação dos ciclos
  • 28. REFLEXÃO SOBRE O MECANISMO DE APRENDIZADO DAS VIRTUDES VIRTUDE ciclo inconscientePERCEPÇÃO ciclo de percepção consciente INSPIRAÇÃO ciclo de sentimento consciente REALIZAÇÃO ciclo de ação consciente Para cada padrão de comportamento virtuoso passamos por estes ciclos até a completa aprendizagem Fonte: Eduardo Manoel Araujo – palestras em casas espíritas APRENDIZADO incorporação da virtude
  • 29. Porque somos imortais, o Criador vai-nos concedendo tempo devido para que todos nos possamos conscientizar do compromisso de avançar pela senda do progresso, que nos trouxe à Terra, verificando com assiduidade como andam nossos impulsos perniciosos, bem como nossos movimentos para Deus, nosso teotropismo. Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 46
  • 30. Assim como as plantas buscam o sol, no fenômeno conhecido por heliotropismo, assim também o ser humano busca a Luz Maior, num fenômeno que poderíamos chamar de “Teotropismo”, a busca de Deus. Só assim teremos encontrado a felicidade suprema, sem mescla, que tanto temos buscado de forma equivocada. Fonte: Momento Espírita ao vivo
  • 31. Regiões de reequlíbrio, via expiação, há muitas pelo mundo. Resta-nos saber se não nos estaremos candidatando a renascer em seu bojo, nos seus núcleos, diante da distância ou da omissão que mantenhamos em relação ao amor e ao bem. Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 47
  • 32. Ser Espiritual na Experiência Material Valoriza as coisas espirituais a compreensão das leis da vida sua natureza espiritual seu processo de auto-educação a natureza espiritual das outras pessoas e dos outros seres a relação com o plano espiritual o apoio espiritual as pessoas Dá o valor adequado as coisas materiais cuidado com a saúde do corpo (alimentação, higiene, exercícios,…) cuidado com a sobrevivência administra o poder e a riqueza a serviço da evolução da sociedade
  • 33. Inadiável será aproveitar a presente oportunidade reencarnatória, na terra que se transforma, aos poucos, em aprazível moradia sideral, a fim de cooperarmos com Cristo que tanto investe nas possibilidades de progresso do seu rebanho, e para que nos tornemos agentes do amor e semeadores da paz, nossa coroa sublimada, nosso refugio de luz. Fonte: Carta Magna da Paz – José Raul Teixeira – Espírito Camilo – pg 47

Notas do Editor

  1. Administração de Conflitos, Viés no Diálogo, Percepção de desbalanceamentos