SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
15,1 Característicasgerais
dosartrópodos
O filo Arthropoda (do gregoârtÌmt, ÀÌti
cuÌâção,e podos,pé,pata)reúneâniÍais dota
dosdeesqueÌetoextemoe ptìtâs,Íiculadaspor
juntâsmóveis.Os artrópodosnâis conìecidos
sãooscrustáceos(caranguejos,crÌnaÌõesetc.).
osarâcnídeos(aranhas,escorpiõesetc.)eosin-
s€tos(moscàs.baratdsetc.).O filo Arthropodâ
reúnemaisdeI nilhão deespécies.Sódeinse
tos,por exempÌo,existemq!âse900mìÌ espé
ciescâlâÌogâdâs.
o grande número de espécies.a abundânciâ
de indivíduos em câdauma delas e a enorÌÌe di
veÌsidade de habitâts colocam os aÍrópodos en-
tre osorganismosmaisbem-sucedidosdoplâne-
tâ-(Tìig.15.l)
OrganizaçãocoÌ?oralbásicâ
Comoos ânelídeos,os aúrópodosâpresen-
tammetâmeria, ou seja,têm o coÌ?oorgânizâ-
doenÌmetânerosousllgnentos.NamâìoÌiâdos
âÌaópodos,entretânto.a metameriâé evidente
âpenâsnâsfasesembÌionftias. Nos aúrópodôs
adultos,o coryoé formadopor trêspaÍes bási
j
càs- câbeçâ,tórâx eâbdome . originadasa
paíìr demetâmerosqìe sefundiram.A câbeça
cleuminseto,porexempÌo,éfomada pelatusão
deseismetâmeros-EmâÍrópodoscomooscrus-
táceose âracnídeos.a cabeçâe o tórar também
seIundemduranteo desenvolvimentoembrio-
náÌio,originandoumâeslruturadenominadac€-
falotórax.(Fis.1s.2)
=
rìgurcì5.2 Nosortópodos,ddisiinçõoenheosmefô-
meroslendêodesopor*ernoÍoseoduho,umovezque
vóriosdeless tundmporcÍomorospqrtesbósicos
docoÌpo:coh.çd,lorcxeobdome.Emolsunsôftópo
dôs,ocobeçoeolóroxlombêmseturdem,oriqinordo
ocetudórcx.AsÍoiJsmoshdmdoisesrosiosd; de*n-
volvimeniodeuminsêlo,d moscowreieirc,notosede
lovo{òesquerdo)enoÍo* oduho(ôdireirol.
,pôn'ìic.rìrrcìÌlados
OsartrópodossecaracÌerizâmpor âpresen
lâÌ âpêndic€scorporaisârticulados,especiâli
zâdosnasmaisdiversasfunçõesiandar,nâdâr,
obteralimenÌo,perceberestímulosquímicosoü
Ìnccânicos,copnlâretc.(Fis.15.3)
Loesquerero
O corpodosaíÌópodosérevesúdoexlemr
menteporumaaÌmâduíâresìstente.denominadâ
exoesqueleto(do gregoexos,foÌa. exGrìoÌ). O
exoesqueleto,constituídoporproteínaseporum
244
rìguro15.3 Osopêndicesdosôrirópodosseodopb
rom,ro deconerdo evoluçõô,oo desempenhodos
moisvorioddsÍúnções:locomôçõo,copturodêpresos,
iriiurcçõo,sucçõodeolinenic,limpezodo corpo,rê-
cepçõode eslímuloselc.Os oÉndicesdosinsetose
dôso.ocnid@ssõosimples(unnromosos),enqlanto
osdo cdmorôô$õobiturcodôs(búromosôs).o rèmo
"Uniromìo",nomêdo subÍiloqueengloboosinseios,
derivdêxoiomênlìêdo faio deôsinsetosopresêniorem
opêndicesunnromosos.
poÌÌssâcarídio dtroge.ado, aquitinâ. proregeos
órgãos intemos e fomece pontos firmes para a
fixação da muscuÌatuÌâ,o que permite grande
eficiênciana movimenrâção.(Fig. 15.4)
l,lrdac0esciÌìonr0
Para crescer,um artrópodo precisâ abân-
donar o exoesqueÌelo e produzir uln maior,
aJustadoao novo tamânhodo coÌ?o. Essa"tro-
câ de c.ì!ca". que os cjentisiâs denoìÌinam
muda ou ecdise.ocorreperìodicâmcnredufan-
1eâ vida do animal.
Durantca nrudaa epiderìncsc solmdo ero
elqueleto c um novo exoesquelelocomeça a
ser produzido sob o antigo. Quândo o novo
exoesqueletotcÌrninade sefoÌìÌâr, o exoesque
ìeto antigo serompeâo Ìongo do doÌsoe o âni-
mal sai dedento delÈ.Por serflexíveÌ,o exoes-
queÌeto recém-formado peÌmite que o colpo
cresçaduranteum curto peúodo de tempo.De-
pois disso o exoesqueÌetoendurecee o crescr-
mentocessa.(Fis. ls.s)
Figuro15.4 Ao lodo,ò esqoerdo,escoìpiõo;
ò direiio,corongueioAmbosiêmexoesquelê
losexlernosqlitinosos,cqrocteristicod. usi_
vodoÍiloAdfiropodo.A émdeprcregdô côr
po, o exoesqleleioÍornecepontosde opôlo
15.2DiversidadeeclassiÍicação
dosartrópodos
O filo ArÌhropodaé dividìdo, por alguma!
. l:r*rficJçne.no,lema,.dn,rè..ubhlo5:Crutâ-
,i-r'. ìrË * :^ er..ì.(-helicerât!
ld anhr.. e.corTio('.,i.Jrn pr.  e Unirârniâ íir'-
.io.. quJopnJú,e Jipìn|"J, ì A. princ.odr.cb-
râcteístìcas levMâs em conta nessâcÌassüicâção
.;oa orgâni/âçàodo corpo., númeroetipo.dr
âpèndice..e a presen$ e
"
númerodeânlenâs.
Crustáceos
o subfìloCrustacea.considemdopor âlgüns
uma clâsse.reúne os camarõe!.as lâgostâs.os
lagoslins.os caranguejose as cracas,cntre ou-
tÌos,lotaÌizandomâisde 26 miÌespócies.
A TaioÍiddo. cru.rdceo'remo corT'' Ji'
drdoen cêfâlotórde âbdomee dpre'enÌrdoi
pâresd( ântenâ..O eoe.queeroquirino.o!e
Íd menree imp cgnddoJr' 'ub{ãncir. caìcJri.'.
o queo turâ rígìdo.
Fisurols.s Afolo(ò esquerdo,ocìmo)mostroumexo
esqreeto
'ozo
de cgo'ro o'esoo Lmoro p a c
qoro o obondonoupo.qcrescer/emsegudo rÔmon_
dooJl'o soesqLele'omoior Osort.opodosl'ô(o- oê
e.oe-"eleo"o
'o'*,e'drroreoudo
NosroÍicoo
curuoemvermelhorepresentoo cres.imenlsdesconií_
nuôdosortrópodos.ló foixosemÍosoopontodospelos
.erosde*o om o. perodospóqmudo ondeo orimo
creicêolle( qLeLmrovoexoesqJeeos' or'ôlidê.,
cuwoemozulrepresenroo creÍimentoconiínuopre_
5e'ê"m mJilse.peie.deo.ino5 il L,irdôotÍo
245
-
=
No<imêirÕ ÌEMPO À,lu to
Quelicerados
OsÌ€pÌesentântesmaÌsconhecidosdo subfì-
lo CheliceÌâtasãoosârâcnídeos,qüeconsútuem
aprincipalclassedosubfilo,aArachnida.A cÌas-
seAÌachnidôÌ€Ìínearânhas.escotpiões,cârrâpâ-
tose ácaros,totalizandomaisde60mil espécies.
A maioÍiadosaracnídeostemo coÌ?odjvidi-
do eln cefâloíórar e âbdome.apresentaquatro
paresdepâfâsenãopo6súântenâs.Quasesem
pre possuemum paÍ de queÌícerâs.estÌuturâs
úadas queparticipaÌndacapuradeêlimento.
Unirrâmeos:insetos,
quilópodosediplópodos
O subfilo UniÌamiaÌeúneasclassesInsec-
ta. ChilopodaeDipÌopoda.totalizandocercade
1nÌilhãodeespécies.
os insetosconstituemaclasseÌnaisdiversi
1ìcadado fìÌo, e âlgunsde seusÌepresentantes
comunssãomoscas,mosquitos,gafânhotos.ba
râtas,aâçâs,formigâs,âbelhas,ÌibéÌulasejoam-
nhâs,entreoütÌos.Osinsetostêmo corpodìvi-
d;doemcabeça,tórâx eâbdome,tÌês par€sde
pataseum par deant€nâs.
Os diplópodose os quilópodostêm corpo
vermifoÌmeemuitaspâtas.sendoPoÍìssogene-
ricamentedenominadosmiriápodos (do grego
flrya. inúÌneros,milhares.e podor pé, pâtâ).
Exemplosdequilópodossãoaslacraiasecento-
péias;exemplosdediplópodossãoospiolhos
de-cobrâ.(Tab.1s.1)
Origem eevoluçãodosartÌópodos
Os artrópodostêm esteitas relaçõesde pâ-
rentescoevolutivocom os Ânelídeos.Alguns
cientistasacreditamqueessesdoìsfilos descen-
dem de um mesno ancestraÌ,enquantooutros
achamque os aÍrópodos seo ginâÌâmde um
grupoprirnitivo deanelídeos.
A maior evidênciadasreÌâçõesevolutivâs
enlreanelídeose artrópodosé à segmentâção
metaméricâdo corpo.AÌtrópodosprimitivos
hojeextinlosapÌesentavâm,nasfasesâduÌtâs,o
corponitìdamentedividido emsegmentosseme
Ìhântes.Apesarde nãosertaoevidentenosâÌ'
tÌópodosaduÌtosatuaìs,devidoà fusãoe espe-
ciaÌizaçãodos segmentos,a organizaçãometa
méricaestápresentenâsfasesembÍionáriasde
todasasespéciesdogrupo.(Fig.15.6)
Figuro15.ó Os hilo-
ó00e 250milhõêsde
=
É
Tobelol5.l ClosrificoçõôddsddrópÕdosodolodonesteivrc.
246
OsapênúcesaúiculâdosdosâÌtrópodos,sãoes-
trutÌrrashomólogâs.istoé,têÍnorigemeÍnbrioníÍia
semelhaúe.lssoreforçaâidéiâdePârentescoevoÌu-
tivo entÍear!6podose arìelídeos:osâ!êndicesòs
Ârtropodospodemter seonginadodosparap{idìos
deaneÍd€ospolìquebsancesíâis.
Além dassemelhançasestruturaise em-
briológicas,âhipótesedoparentescoevolutivo
entre anelídeose âÍrópodos é reforçadapelê
existênciadeümfiÌo dnimal- Onycophora-
com câracteísticâsnìtidamenteinteÍmediáÌias
f-i.,lr t,,,i1;.1.' ....,.,'.
Os onicóÍorosapresenlamcaÍacleíísticasinlermediáriasdo anêlídeos
e de arlrópodos.os principaisrepresenlantesdo gÍupop€rtencemao gê-
neroPeripatus,comuma6spécienativado Brasll,o Peripatusacacioi.
Os onicóÍorostêm corpoâlongado,entÍê5 e 10 cm de comprim€nto,
peleaveludada,decormâíromouacinzenlada,e numerosospâresdêpa-
tas curtase grossas,queterminamem pequenasgaÍas aíiâdas,O nome
do fllo,Onycophoía(dogíegoonychos,unha,garra,e p,toros,portâdor),
rêÍêrê-sêêxâtamênteà presençadessasgarÍas.
Nacâbêçâdosonicóforosexisleumpardeantenase umpardepapi-
las secíetorasde muco,comas quaiso animâlpodelançaÍumjato gos-
menìo,que imobilizaas presas.Os onicóforossãocarnívorose capturâm
insetos,vermese lesmas,quêdevoramcoÍno auxíliodedeniêsquilinosos
e aÍlados,
Essesanimaisconstiluemumgrupomuitoantigo.Os Íósseisindicam
quea organizaçãobásicado corpodosonicóíorospoucomudounosúlti-
mos500 milhõesde anos.Atualmentesão conhecidasapênas70 espé-
cies,que habitamambi€ntesmuitopartÌculares,em ÍloÍestâslíopicaisda
AfÍica,Asia,Austráliae Américado Sul.O fato dê eslaíemamplamênto
dislribuídoslevâos cientistâsa pensarqueessesânimaisiá Íorammuito
comunsno passado,
Os onicóÍorosvivememlocaisúmidos.Suacutícula,doladade poucâ
quitina,nãoé imperÍneávelcomoa dosaÍtÍópodos.Nosperíodossecosos
animaisvivemêscondidosem buracosna terraou sob troncospodresê
As semelhançasentreonicóforosê anêlídeosaparecemna oÍganiza-
Çãomusculaí,emcamadassoba p€le,nosislemaexcrêtorconstiluídopof
nelrÍdiose na esÍuluradosóÍgãosíeprodutivos.As semelhançascomos
anrópodossão o sistemaciÍculatóíioabeftoe o sislêmârespiratóÍiolra-
queal.(Fig.Q15.1-1)
FigurdOl5.l-l Oe onicóÍorosopresenlomcorccte-
rhlicosqueos oproxímomton|odo5onelideoscono
dosortópodos.
!ilo
247
15.3Aspectosanatômicose
fisiológicosdosartrópodos
Sistemamuscular
A nusculaturadosaúrópodosébastantede
senvolvida;a partecomeÍíveldocamarão,por
exemplo,é constituídaprincipalmentepormús
Os múscuÌossefixan na paíe internado
exoesqueleÌoetuncionamemantagonismo.É a
atuaçãodemúscuÌosanlagônicos,conjusadaao
exoesqueÌetoúgido, quepeÌmìteagrândevarie-
dadee eficiênciâdosÌnovimentosdosaÍrópo-
dos.(Fig.15.7)
Figuro15.7 O$insetosvôongroçGô múkulosonld-
gônÌcossituodddênhodo lórox,quelhêspermiiem
boierosososmilhoresdewes porsesundo.
Sistemadigestivo
O sistemâdigestivodosaÌrrópodosé com-
pÌeto.A bocasituâ-seemposiçãovenhale,em
tono dela.existemapêndicesqueauxiliamaa1i-
mentação.Osapêndicesbucaisvanamnasd;ver
sasespéciesdeacordocomo tipodealimentâ
ção.(Fìs.15.8)
244
@
Figuro15.8 Dirersidodedosoporelhosbucoisdeinse-
r,os.lAl aporehô lÒmbêdorsugodorde borboleto,
odadodôo lomb€resusorônêctordosÍlores.lBlApo-
rêlhomostÌgodorsugodordeÒbelhomelifera,odopto'
doionlod mosligqçôoemonipuoçõôdecètuquôntoô
sucçõode nércrordosflores.lc) Aporelhopicodorsu-
sodordepercdêio,odopbdoò perÍuroçôodopeledo
hospedeióe sucçôodefluidoscoryorois.
A digestãodosartÌópodosé extracelulâr.
Asenzimasqueatuamnacâvidâdeintestinalsão
seüetadaspela parededo tubo digesnvoe por
órgáosanexos.o hepatopâncÌease os €ecos
gástricos.
Osnutrientessãoabso idospelascélulâsda
paÌedeinrestinaÌe aÌingemo sangue.deondese
distribüempeÌocorpo.Restosdealimentosnão-
digeÌidossãoeiiminadospeÌoânus.
Sistemacirculatório
OsartrópodosaprêsêntamsistenÌaciÍculató
rio dotipo âbeío oulacunâr.Háumcoraçãotu
bular,localizadoemposiçãodorsaÌ,quebombeia
o sangue,ouhemolinfa,a1Ìâvésdâsariérias.Es-
rasseabrememespaçosentÌ€ostecidos,ashe-
moceÌasou lâcunâssângúneâs.DâsÌacunasa
hemolinfarctomaâocoraçãoatÍavésdasveias.
Algunsìnsetospossuem,aindâ,corações
scessoriosqueajudama bombearâ hemoÜoÍ"
pâÌaosvâsosdasextemidadesdo coÍpo,pârti-
culaÌmentepsraâsasas.
A funçãodaheÍnoÌjnfâvarìânosúfeÌentes
aÌtrópodos.Nos crustáceos,por exempÌo,aléÌn
de transpoúaÌnutrientôse excreçõescelulares,
elapossuipigmeútosÌespìrâiódosquetranspor-
lamga.e..Janosin"ero..d hemolinÍarrunpoÍÍ,
Jpenasnulrienleee(cíeçoes.osga.escirculan
por umaredesepaÌadr.queticaemcomunica
Sistemarespirâtório
O 'r'temd Íesprratorioarjt n^qdiferenre.
grupo. de anÍopodo'. relìeündoa udâprdçãodo.
drlerenÌe'âmbienre'.tr5remúè riposdesile-
mr respiÌaiório nos âÌÌÍópodos:
J' brânquiâ|. adâprâdoà re'pirdçãoern
meio líquido, present€nos crustáceôsi
b) trâqueâI, adaptâdo à Íespiração aérea,
preìenreno5 inseros.quilópodos.úplcjpodose
em algunsaracnídeos;
c | ffÌolraqueâ|. adaphdoà recpiracioaéìer.
presentenos arâcnídeos.
Respj'4iobrmquial
O. cÍu'raceosre.pi'.m Jrâve' de brán-
quias. drgào' re.pir.rnrios :Ìddplddo' ao meio
aquálico.qs branquia'ào errurrúdfilamenro
sd.. deücadase dlamenre irÍigddâsde 'angue.
que seprojetaÌnda superfíciede certâsregiões
A circuÌâçãode águaentrcos fiÌamentos
bÌanqüaispermitequeo gásoxigêniodissoÌvi-
do naáguadifundâ-separao sangue.O gáscâÌ-
bônicopÌesentenosângue,porsuavez,difunde'
separaaaguââoÌedor,
Respnrìçiondqueal
os insetos.osquilópodos,osdiplópodos.ê1
gunscanaparose aÌgumasâÌanhasrespirampor
meiodetrâquéiâs.EsÌassãotubosranìificados.
cujâsextremidadesâtingen'ÌpÌaticâmentetodas
aspâíesdo organismo.O sistemâtrâquealse
comunicâcom o aÌ âtmosféricoâtrâvésde mi-
núsculasâbêÍurâsouporosexistentesnâsuper-
fície docorpo,osespiráculos.
Retr!çãollì01Ìrì(rÈaÌ
Muitos ârâcnídeosapresentamestÌutníâs
respiratóriasdenominadaspulmõesfoìiáceos,
locúzadosno interiordo abdoÌnee emcomu
nìcâçãocom o exterioratravésdeumapequena
os pulmõesfoliáceossãoformadospor
ìâminasdetecidoaltamenteiÌrigadopor capila-
ressangüíneos.O aÍ atmosfédcoquepenetra
pela âbertuÍarespiÌatóriacircüÌâ entreaslâmi-
nas,oJ(igenândoa hemoÌinfâe delâÍecebendo
gáscarbônico.
Sistemaexcretor
O sistemaexcretorvariaDosdiferentesgrü
posdeartÌópodosepodeserclassificadoemtrês
tipospdncìpars:
a) glândulas antenais (oü elânduÌas ver-
des),presentesnosüustáceos;
b) túbulos deMalpighi, presentesnosinse-
tose emâÌgunsaÌacnídeos;
c)glândulâscoxâi6,pÌesentesnosaracúdeos"
CÌânduÌdsantonuis
A excreçãodos crustáceosestáâ caÌgo de
um paf deglândulasantenais.{âmbémconhe-
cidaspor glânduÌas v€Ìdes.As glândulasver-
desfiltram a hemoÌìn1ãe deÌâÌemovemasex
creções,eliminando-âsatrâvésde um poro ex-
crctoÍqrÌeseabÍeDabâsealâânlenâ.
249
lìibLro.1ÈÍrlrl.gh
Ostúbulos de Mâlpighi. presenteseminse-
tos e em aÌgunsâracnídeos.sãolubosfinos que
paíc'Ì da região mediana do inlestino e ficam
meÌguÌhadosnr hemocela,em contato direto
comâhemolinfa.OsúbuÌos deMalpighi filrrâm
â hemolinfâe delareÌnoven âs excreções.con
duzindo-asâo intestino,de ondeserãoeÌiminâ
dasluntamentecom as1èzcs.
@
(ìiinrLìlrr!rìrs
As glânduÌascoxaissãoórgãosexcretores
típicosdosamcnídeos.Essasg]ândulasselocali-
zâmno cefàÌotórâxe seabrempaÍao exterìor
atÌavésdeporoslocâÌizadosjuntoàbasedaspa-
As glândulascoxâissãoluncionalmenrê
equìvâlentesàsglândulasanrenâisdoscÌuÍá
ceos.(Fie.15.9)
Porc9ênildl
Fìsuío15.9 AnolomiodëtrêsÌepresentônrêsdoÍiloArihropodô.(Aj Crusráceo.(B)Inseio.lC)Arocnídeo.
250
Sistemasnervosoe sensorial
O sistemaneÌvosodosartrópodoséforÌnâ-
doporumgângliocerebrâlligadoaumacadeia
Íervos ventral. O gângliocerebÍal,localizado
na cabeça,resultada tusãode vários gânglios
menoreseseügaaLÌmacâdeiânervosâqueper-
colreventralmenteo corpo.Do gângliocerebral
edâcadeìanervosapaÍtemneÌvosqueconectam
o sistemane osoaosmúscuÌose àsesfuturas
O sistemas€nsoriâldosaÍÍdpodosémuito
desenvoÌvido.Háestrunrmssensoriatsespeciâlì-
zadasnacaptaçãodeestímúosmecânicos(tato),
químicos(oÌfâtoe pâladd), sonorcs(audição)e
lumìnosos(visão).
Tat0
O sentidodotaronosartÍópodosestáa car-
godepêlostáteis, presentesemdiversaspaÍes
docorpo,princìpalmentenâsantenas.Essespê-
los estãoligadosâ neflos queÌevamassensâ-
çõesdetoqìreaosistemânervosocentral.
0lf,ìloepalôdar
OsartrópodostêmolfâtoepaÌadardesenvol
vidos e sãocapazesde detectaÌe discriminar
quantidadesmínimasde substânciasquímicas
êmsuspensãonaág!â ouno ar.Issopemìte Ìo-
câlizâÌ fontes de alimentoe discÍiminar o âm-
bientepeÌocheirooupeÌogosto.
MlritosârtÌópodossáocapazesdesecomuni-
caÌ atrâvésdaemissãodesubstânciasodoríferas
denoÍúnâdasferomônios.Emcertasespéciesde
maÌiposasio machoé capazdedelectaro cheira
dalèmeaa qujlómeÌÍosdedislancìa.gúandos€
atéela pelo râstÍoquíÍnicode seusferomôúios.
Oscienüsla'acrediÌânquein'eLossociaiscom{'
asabelhase{ormigâcrecoúecemosmembrc'de
suacoÌôniâpormeiodoolfato.
Audìqão
o. âírópodoçsàocaparesdeper.eber.on.
poÍ meiode pelo.especiai(.di.ÍibuÍdo'pelo
corpo.Esse'pelo.crplamondâ''onoradecer-
raslreqüéncias.derecrJndoon' produ/idorpe
la. prera".porinimigo'ou porindìrduosdo
sexooposto.(Fig.15.10)
Fisuro15.10Ospêlossensoídisdo,odrópodossõo
copozsde@pirrcheirc!evìhroções.A obundôncio
dêÉlosnosonlênosdeíemochodepemilonso,pôr
exemplo,|omo-oênrêíndmenlesensÍElòcoplôçõodos
zomhidosprcduzidospeloboterdosososdosÍêmeos.
Muitos inseÌospossuemórgãosâuditivos
constituídosporumamembÌanaesticada,o tím-
pano,quevibÌa emrespostaacenâsfÍeqüências
sonoras.A vibraçáodo tímpanoestimuÌaceÌlos
nervos,qüeaÌertamo sistemanervosocentrâI.
tÌo
Os âÍtrópodospercebemestímuloslumino-
sospormeiodetrêstiposdeórgãosvisuais:oce-
los,olhossimplese olhoscompostos.
Osocelosdetectamâìntensidadee a dneção
daluz, Írâs nãosãocapazesde forrnârimagens.
EstãopÌesentesemcertoscrustáceosenos;nselos.
OsaÌacnídeospossuemdecincoaoitoolhos
simples,dotadosdecristalinoe capazesdefoÍ'
mâÌimagens,A precisãocomqueceÌ1âsaranbas
captu.amsuâspÌesâsÌevelaumaguçadosentido
devisão.
os olhos compostossãofoÍmadospor mi-
lharesdeunidadesvisuâìsdenomìnadasomâtí-
tlios, cadâumdotadodecómeae cristalinopró-
prios.Acreditâ-sequecâdaomaídio capteâima-
gemdeumapaÌtedacenaobseÌvâdaeatransmi-
ta âo sìstemanervoso,quecompõeasitrÌagens
paÌciâisde modoa produziÌumâimagemtotal
bemdefinida.
O oÌho compostodeum insetotemâltaca-
pacidâdedepercebermovimentos.Experiências
demonstrâÌamqueo oÌho deum msetoé câpaz
dedetectaÌmaisde300lampejosÌuminosospoÍ
segundo.enqüanroo olho bumanodetecrâ.no
máximo.50.OsinserosÉm excelenÌevisàodas
corese mútos podem:enxergarradiaçãoultra-
vioÌetâ,inúsívelaosnossosolhosr(Fig.15.11)
z
ã
251
Figurol5.l l O olhôcomposiodosqrlró
podo5éformodopormihore5de!nidod*
15.4Principaisgrupos
deartrópodos
Crustáceos
Os crustíceosâpÌeseÌtâmâs seguintesca
a) corpodividido em cefalotóraxe âbdoÌnei
b) doisparesde.Ìnlcnâsl
c) rpêndicesÌocoÌnotorcsno cefaÌotóraxÈ
Hrìri1ÍúhíLituì
A nâìoriâ doscrustáccosvive eÌnambientes
aquáticos,mariúos ou dc águadoce.Existem
poucN especresrenesrres.
Há crusláceossésseìscomo as ctacrs, pc't
exemp1o,.Ìuevivenìfixasa rochâs.conchas,nâ
deiÍr e diversosoutrossubstrarossubÌnersos.Já
os siris.canrârõcse lâgostrìscâninhâmno fuÌd{)
mãinho. e âìgülnâsespéciesviven enì locason
pâÌcìaÌüìenteenlenêdasno lodoou naareia.
IIá carangueÍrscapâzcsdccrÍegar águanas
câmârâsbrênquiiis,o quc lhcspcnÌite supoúar
longospeíodos forâ dâ ígua. CrustáccostelÌes-
tresconroostatuzinhosde jardim viveìì âpenas
em anrbientesde alta umidade.escondidossob
peúas ou lÍoncosapodrecidos.(Fis. 15.12)
Os hábitosâlimentaresvaÌiamentreoscrüs
táceos.As crâcas,pof erenpÌo. sãoaDjììaisfil
tÍadores.alinrentmdo'sede paÍículas ìetirrdàs
da água.CertoscrustíceossãoheÍbivoros.aìì
=
I
,
-: figúrd 15.12Divenidodedêcrlsió.
cec. (a) corcngueÌomorlnho.(B)
Coúorõoqueviveènkeosrenúc!os
dewq qnêmono-do-mqr.(C)Losos
io. (D)crccos (vistosdê cimo).(Eì
Toluzinho-de-iordim,!m dôspoucos
252
mentândosede a1gas.Outrossãocarnívoros.
âÌìÍrentandosedeênimaisvivos ou decadáve-
res.Oscamarões.porexemplo,alimentam-sede
detritosorgânicosemgeÌa1.
IÍìpoÍincircroÌóSi0r0coonômic!
Os crusiáceosnicÌoscópicos.denominados
genericâÌnentemicrocrustáceos,sãoosorganis-
mosmâisâbundântesdo pÌânctonmarinho.O
plânctoné âcomunidadedeseresflutuantespÌe-
senÌenosmâÌ€senosgrandeslagos,econsrituia
baseâlimentârdamajorpaÍe dalaunaaquática.
Crustáceoscomooscamarões,sìrise lagos-
tâssãoaltamenÌeapreciâdoscomoâlimento,sen'
doconsumidosemtodoo mundo.(Fig.ls.13)
Âpendioes(oÍícicoi
O tórâxdocamâÌãoe deváriosoutroscrus,
táceosé íormadopelafusãodeoito segmentos.
OstÌêsprimeirospossuem,cadâum, urnpaÌ de
apêndicesdenominadosmaxilípedeslcomoo
nomeindicâ,essesapêndicessão"patasma{ila-
res",cujafünçãoé manipülâÌo aliúento,pas-
sândoopaÌaasmâxilasemândíbulas.Osourros
cincoapêndicesdotúax possuem.cadaum.um
par depereiópodos.Ospereiópodossãoaspa-
taspropriamenteditas,âdâptadasparacaminhaÌ
nosfundossubmercos.
rpandicesabdonimj
O abdomedo cammãoé formadopor seis
segmeÍltosdistintostambémnâfâseâdulta.Cada
üm doscinco pÌimeiros segmentosabdominais
âpresêntaum pâr de âpêndicesdenominados
pleópodos,âdâptâdospamnâdare caminhaÌ.O
último segÌÌentoabdominâlcontémuln par de
apêndicesachatâdos,osurópodos,que,junta-
mentecornulnapeçêdenoÌninadatelson.foÍnam
umacâudausadaparanâdâr.(Fig.15.14)
A reproduçãodoscrustáceos
A maioia doscrüstáceosé dióica.Osrna
chosusâmapêndicesespecìaÌizadospâra
tlânslèrìÌseusespermatozóidespâÌâosrecep
tácülossêminâisdâfêmea,ondeelesficamar-
Figurc15.13 Osou3
toceoslêmimpôdôncio
econômicocon,ideró-
vel. Lososidsê como-
lõessdoo Ìmenloslor
gomenleqpreciodos,
oiingindoqhosprcços
O câmârão,um exemplod€crustáceo
A câbeçae o tórar de um camarãoadulto
estãofundidôs,formândoo cefalotôax. Na fase
embrìonáÌiâ,porém, cabeçae tórax sãoclâra
menledistintos.
Apêndicescerílicos
A cabeçado camarâoé formâdapoÌ seis
segmentos.O primeirodelesnãopossuiapên-
diccse osdemaispossuemum pardeapêndi-
cescâda.O segundoeo terceirosegmentopos-
suemicadaum. um par de antetras,quede-
sempenhâmfunçõesnoequilíbio, noÌaÌoe no
paladar.No quartosegÌnenÌo,osapêndicessão
umpardemândíbulasfortes,usadasnamas-
tigâçãoe natritumçãodoalimenlo.O quìnloe
o sexrosegmenroapresenÌam,cadaum.umpar
demaxilasquemânipulâmo alimentoe o en-
caminhâmparaÂboca.'
Figuro15.14 Anoicmiodtemo de umcomdrõo.A
moioriodo5crustoceostêm.orpodivididoemceÍolo-
lórcxe obdomeedoÌspor* dêontenqs.
253
Ë -aPêndic6 Iobdominois
efolôìôúcicG (plópodod
lCyd"p"l {lõsosro)
Zo@
{corcnsuelol
Fisuro15.15A moioriqdoscruslóceosapresentodêsenvovimêntioindndô,cômvôriosÍoseslo*ois.No dese"
nho,tês tlposdelovosdecrustÕceo.
Osóvulossãoelinìinadosparaforadocorpo
e ficaln adeÌidosao abdomepor meio de ulna
espéciede coÌâ. onde os espeflnatozóides aÌma-
zenadosos tècundâÌn.A fecundâçãoé, poltan-
Enl aÌgunìasespécìesdecÌustáceos.os ovos
se desenvolvem diretamente eln fbrmâs jovens.
semeÌhantesaospâis(desenvolvimentodireto).
Em oulIâsespécies,osjovenspassnnpor um ou
mâisestágioslrÌvâis (desenvolüm€nto indire-
io). (Fig.Ì5.15)
Aracnídeos
Os amcnídeosìpresenÌamâsscguintesc,ì
â)corpodivìdidoemcefaLotóÌaxeabdome.
b)qüelíceÍâsepedipalposl
c) ausêncirdeântenas:
d) quarroparesdepatas.(Fig.I5.16)
HxblÌrrehlh (tr
Os âÌâcnídeossãoâniìnaìsterÌestres.Ara-
nhâshâbitânmâtas,pântanos,desertose casas.
=
-
a
2
'a
-2
Í
Figurdl5.ló Osorccnideôssõoonimôkiipico
menleleÍeslrès.Hócercodeó0 milespécÌes,dos
quôÈos reprêsenlonresmoÈcomlnssõoèscor
prões{a), opiiõe5(B),oronhos(c), coroporo5
(Dìeócoros(El.
254
Muitasespéciesvivem no solo,entlerochasou
emburacos:outrasvivememteiasqueeÌasmes-
masconstroem.Escorpiõessãocomunsem re-
giõesdeséÍicas.passandoo dia escondidosem
tocase saindoà noite pffa caçâÍpequenosani.
mais.geÌalmenteinsetos.
AlgumasâÌânhâse osescor?iõessãotemi
dosporqueprodüzernvenenosmu;topoderosos.
AsâÌânhâsinjetamo venenonapresaatravésdâs
qìeÌíceÍâs,enquântoosescor?iõesutilizamum
âguiÌhãocaüdâl.(Fig.15.17)
fiandeiÍas.estrutuÍâsonde desembocamas
glândulasprodutorasdesedaparaa confecção
dateia.(Fis. 15.18)
P
t
ã
Figüro15.18Anoiomioqtemodeumoorcnho.
A repÌodução dosarac d€os
Os aÍacnídeossãodióicos. Nasaranhas.o
machosexuaÌmentemâduÌofabricaumsaquinho
deseda,ondedepositâespermatozóides.Ao en-
conÌIarumalêmeaadultê,eleinroduz osesper-
matozóidesno poro genitalfeminino comauxí
LiodosseüspedipâÌpos.
A fecüdação éint€rna eosovossãocoÌo-
cadosdentrode um casulode sedâtecidopeÌa
fêÌÌeâ,o ovissâco.Algumasespeciesdeârânhas
caregâmconsrgoo seuovrssâco,enquamoou-
trasprendemno nâteiaou eÍnrâmosdeiírvore
próximosà süâhâbitação.
Dosovoseclodempequenasarânhas,seme-
Ìhantesaospais (des€nvolvimentodir€to).
ComooutrosaÍrópodos,aâranhasofresucessì-
vasmudâsdurantesuâvìdâ.(Fis. I5.I9)
tigurc 15.17Copodêun mÒnuoldeoriènioçõôprê
porodôpelolnsliiúloBuion6deSõoPoulosobrepre-
vençõoe lroldmêni. de ocidenlìês.om ônÌópodosve-
A arânhâ, um exemplo de ârâcnídeo
As âranhasapresentâmo cefalotúax Ìigado
ao abdome poÌ rneio de umâ finâ 'tinturâ". Na
região ânierior do cefaÌotóÍâx exisÌem gerâÌmen-
Ìe entrecinco e oito olhos simples,um pâÍ de
queÌícerâsâfilâdâse um pâÌ depedipalpos.
As quelícerassãoutilizadaspara;njetd rm
venenoqueparalisââ vítirìâ. Em seguidââ Íâ
nhaelimina,pelâboca,sücosdigestìvosprodü-
zidos pelâs glândulâssdivâres, que penetrân
peÌos feri.nentos provocrìdos pelas quelíceÌàs e
digerempdcialnente ostecìdos.Os pedipâlpos
âjudaìÌ a espremer a presa e também atuam
comoórgãosgustativos.peÌcebendoo sâbordos
As arânhas,como os outro$ a.âcnídeos,
possuemquâr.o pâÍesde pâ1âsno ceiâlotórâx.
Nâ extremìdade do âbdome localizam-se âs
a
J
Figurc15.19 Fême deumoespé.iêdêoronhôquê
corcgoêcuidddodisso@(sococomosovos).Após
o noscimenlo/os Íilhoiêsvivemdurcnlecedolempo
ebre o corpodo môe.Essêcuidodocomo p@leso-
ron|eoho|oxo de sobsìvên.io do$filholos.
UADROÌ 5.2 QunucnrulosuurNHos:Lnttll-tls
O sulrÍiloCheicerâtaapresenlauínâc asse,Merostomata,culosfe-
presenlanlesv vemno ambienler.afinho.A c asseMêÍostomatareúne
apenâscincoespécesdeuínúnicogênefo:lrmrlrs,o caranguejojeÍfadu-
ra.Apesardeseuaspêclolembrarurrìcarangueloos ínìulosnáosãocrus-
lècêosÌas pàíêÍê< pÍoi-ìosdêsardrrd,. êqcorpòeì.
O cefalotóÍaxdo íÍnuloé proÌegdo por umafortecarapaçaconvexa
êmfofmadefefraduÍa,ondêháumpardeolhoscompostosgrandese dois
O aodorêlÊÍnÍo r d lrdrgudre sêurseg-e'rloccáo r1doo>T SJd
necdoporuÍÌìacarapaçaÍorte,comespnhosnìóves nâsbordasO útimo
segmenloabdomifale móvele pontagudo,eínformadêbâionela.
Linuluspoiyphemushabta aságuasda cosìaatâniicada Aínericado
No e aléo México,e medeentre20e 30cnì inclindoa baonelâcauda.
Viveserai-enteíadonaareiâe nalarnadâspralas,cavandoparaêncontfaí
bivalvese vermespolquetos,seuspfincipas alrnentos.
Naepocade feprodução,osmâcfìosde Llmulussobenìnascoslasdas
Íêmease ambose inìinamseusgameiasnaáguado mar,ondeocorrêa
fecundaaão.Osovossedesenvolvememumalarvaachaiada,deabdorne
segmênladoe seÍncauda.Depos dêdÌversasmudâs,aslarvasadqurenì
o aspeciolípicodosadultos.(Fig.O15.21)
FiguroQl5.2-l LinuluspaVphenus,enbarcchomodocoronsueioÍenodlrÕ,nõoé umc.usrôceomasum
quelicêrodô.A qplkoçõo poroo semehonçÕonorômlco.om oscarons,ueiosé qle ambosvtvemno mare
exporomo mesmôlipodeombìenlê,iendosôkidôddopto.õèssêmelhonies.Têsieshioquímìcosiombémmos
tromorofdessemelhorco5ènireoslímulôse osoutrosorocnídeos
z5t)
Insetos
Os inselosapresenramas segujntescamcre
a)coryodìridicloerÌ câbÈça.Ìórar erbdolÌe;
Dl nìÌ par de rDÌenasi
c) Ìfêsp!ìfesde pausi
d) urÌÌ ou dojs p as de xsas(a rna;oía)ì al-
guÌnasespéciessãoápleras. isto é. sem asãs.
(Fig.15.201
J
í
E
Figurc15.20 Rêpresenlontesdê ln
sêlos.A .lose Insecroeúnê qlosè
um milhõode espécÌes,o dôbrodô
númêrode iodososouhosêspécies
conhêcidos.(A)Borbole|o(BlLìbélu
ro.(c)Moriposo.{DlBoroio.(E)Pll
HaÌrÌrtÈhihrL'
Os inseLos,como os râ.nídcos. csLãoâdrp-
Ìadosao ânrbientctc.rcslrcc liveìì bcm .ì1óclÌ
regnicsdcsóìticâs.Há. pornnr,diversascspócics
cnjasl.ìrvâsc mcsmoos rìduÌlos!ilcnì nâ águâ
doce.Os ìüsctG só nãosnoâbundântcsno lnaÌ:
sãoconhec aspoucasespéciesde insetosmaí
nhos.enüe elasdestacando-seaÌgunsbesouÌos
quelivenì nft prnias r'ìâszonasdâsnarés.
DL: . in'poírnte. .,uc en5ncr.cor.Fìburrirr.
pür queos insetosconcÌuistassemo ambienteler-
reslÌe: a presençade um exoesqueÌetoimpeÍneá-
!cl, âcuículâ, e aexistêncìadexln elìcientesiste
ììr pâriì tÍocasgâsosâsconì o ü, astrâquéiâs.
OsiúselossãoosúnìcosiìnimâìsinreÍÌÈbÌà
d.* c.p.,/e.d( or. Su:'.J,1. .,o<prn.or.Ll-
superlícìecorpofêÌ(epiderìree cutíclÌla).ques€
I ro! In<ìr.,mcmìJ a.r:,,,do'.nJ.cLrlo,oeo.
localizadosdenÌrodo L(írrx.
257
|ìpoInì,1.f. óiriiir 0|01ìiìnrrì
Os inletos têm grandeimpoÌtânciâecológi-
cx conn)elos fundÂmeììtaìsem cadeia!aÜmenta
rcs.Pássanrs.mamíferos.peìxes,anfíbioseÉpteisú-
mentârn-sedeinsetos.As larías dedeterminadosìn-
seix aÌimenÌam-se de cadáveÌes de aninâis e de
pÌantas,contÌibuindopâÌaaÌecicÌagemdenurÍientes.
CeÍas espéciesde insetossãoprâgâse cau-
samenormesprejxízosàpecuúia Èà Ìâvoura.A
Ìnoscado bene, por exempÌo,colocâserìsovos
sobapeÌe do gâdobovino,ondeâsÌârvâssede-
senvoÌvem,câusândoÍèndâsdolorosàs,quelrc
qüentemÈnteinfeccionrm.Asmoscâsdâs frulâs
coÌocâmovosem váriostiposdeírüto.caüsândo
grândesprcjuízoseconômicos.
Mosquiios sug^doresde sangue,piolhos,
pulgas e oütros insetos podeìn transìnitìr
doenças ao homcrn e a aninâis domósticos.
Mâlári{, febre âìn.ìrclae tìÌariosc são rÌguns
ôxemplosde docnçâstransmìtidâspor Ìnosqui
to!. As ììoscrs n.ìnsìitem víÌus c brctódrs
causadoresde discnterìas.Os bafbcircs tmDs
mitem a doençade Chagâsjc aspulgassãove
tores da pestebubônica.
MuÌÌosìnseÌossãoúteisaohoÌnenÌ.As abe-
Ìhas,vespas,besourose outrosinsetossãoagen-
tespoÌinìzadoresde plantâsculÌivadâspeÌoho-
mem. As âbeÌhassãoresporsáveispeÌaprodu-
ção de Ìnel. um ìmpoíânte alimentoparaa hu
m,ìnidrde.A âtÌvidadedaslagârtâsdo bicho-dâ
sedâlomecclììlhões dc toneladâsânuâisdesÈdâ
usâdânâ confccçãodc roupas.Cerlâsespécics
dejornnrha concm pulsõesquecâusânìprcjuí
zosà lavoum.(Fig.15.21)
:
=
J
g
-
Figoro15.21 mportôncioeconômicqdosiôseìos.(A)Colmélode obelhos,queproduzme, prôpois,cerc,
pólenêk. (B).{c) c6o demoÍipososdo sêdoEombixmori(mochopinrododeozu).(Dìcosulosde L non,
c!ÌoenvohórÌoé.oisiiruÍdoporumlonsofio desedo,produzidoe enrolodopelooruo.IEJioontnhoscomem
pllsõesde plonlosê vêmsendoempresodospororeduziro op koçôode inseikidosóxico5 (FltoNosde
borboets e moripososcousompreiuÍzosèlovourc.lG)Godoqtocodoporbeme(nódulôsnÕpêleìBernêssoo
lorvm do moro Hypodermobovn(H).
254
O gâfânhoto,um €xemplodeinseto
A cabeçadeümgâfanhoto,comoa dosde-
maisinsetos,resultadâfusãodeseissegmentos.
NeÌaselocâljzamumpârdeantenas,um parde
oÌhoscômpostose trêsocelos.Na parteinje.ìor
dâcabeçaÌocalizam-seaspe{asbucâis(mandí
buÌâs,mâxilâsetc.).adaptadasparâaingestãode
aÌimentosólido.
O tóra{ é formadopor tÍêssegmentos!cada
qüalcomumpaÌdepatâsâÌticuÌâdâs.No segììn-
do e noterceìÌosegmentotoÌácjco.dependendo
da espéciede inseto,podemestarpÌ€sentesas
asas,emnúmerodeumoudoispares.
O âbdomecompõesede onzesegmentos
não-fundidose semapêndices.É possívelnotar,
naÌat€râlinferior dossegmentosabdominais,as
pequenâsabeÌturâsdo aparelhorespiratórìo,os
êspiÍáculos.Oúltimo segmentoéadâptadopâÌa
asfunçõesreprodutivas.(Fig.15.22)
A reproduçãodosinsetos
Osinsetossãodióicos.Durantea cópülâ,o
machointÍoduzopênisnavaginâdafêrneâ,onde
eÌiminaosespeÍmatozóides.EsÌespâssampaÌâ
umrcservatóriodenominadoesp€rmatecâ,onde
ficamtemporaÍiamentearmazenados.
Osólulos pÍoduzidosnosovâios câminham
p€Ìosovidutose,aopâssarpeÌaespermateca,são
fecundados.A fecundâçãoé,poÍanto, internâ.
Em següida,ocoíe a postuÌadosovos.Em al-
gunsinsetos,â poÍçãoterminâl do âbdomeda
fêmeaformâumapÍojeçãochamadaovopositor,
queperfurâo soÌo,frurasouinesmooutrosani-
mâìspârâapostüÌadosovos.(Fig.15.23)
Figuíq15.22Ànotìômioêxte.nodê
um gofonhoio,reprèsênlonlêdo
F;surot5.23 Acimo,dee-
nhoesqu€môti@do sktemo
rêProdurorde insetos.Ao
lodo,ò êsquêdo,iooninhqs
emcópulo.Nolêd dihrênço
morÍolosicoÍdimorÍismosê-
xuollentrcmochoe bme.
À direìro,iooninhopondo
ovos$h@ umobthq.
259
uaDRo15.3 Asonnnlsnnnqsrros
:
I
=
s
:
A c asseInseclaé subdivdidaemdiversasordens.dasquâs asrnaisconhecdassão:
OrdemThysânurâ(cercade 500 espéciês):
seÍnasas,coÍnuÍn par de antenâslongase tÍês
longas"caudâs"(ceÌcoscaudas). Ex.:tÍâçados
livros,queseallínêntadacoÌausâdanaericader
OrdeÍnOdonatâ(cercade 5 nìllespécies):
doispaÍesde asasf nase tÍansparenlese othos
bastanlegfandes.Predadorêsdê olrtrosinsetos
Narasejovem(ninÍa)vivenaágua.Ex.:ìbéluas.
OrdemOrthoptera(cefcade11milespéces):
a mâoÍiacomdos pâresdêasas,sendoo paran
teÍoÍ menore raaisrígidodoqueo posteriorAlgu
ínâsespéciessão heÒivorase outÍas,onivoras
(alimentaçãovaíiada).Ex.:galanholos,gf os e
OídemHemyptera(cercade 50 m espéces):
a ma oriâcom do s pafêsde asas,sêndoo paÍ an-
ieror maisrígidona basee membÍanosona extíe-
midadê.São paÌasilasexternosde animas e plan-
ias. Ex.: peÍcêvejose bârberos, estes úli mos
iransmssoresda doençade Chagas.
Ordenì Homoptera (cerca de 25 Íni espécìes):
d na onã con doisp.'es dê èsase a guïìa( êspê-
ciessem asas (ápteras).Almentam se de sejvavê-
gêlal, parasiÌandoplantas.Ex.i pulgõese ciqarras.
O'dêrÍ Lêpidoptêra (cer.ê de 105 nr êcpé-
cies): dois paÍes dê gÍandes asas membranosas.
As laÍvas, popularmenieconhecdas como talura
nas ou mandofovás,sáo herbívorase muilo voÍa
zes, Os adultosalimenlamse do néclarde ÍoÍes,
OÍdemDiptêra(ceícade95milespécies):um
parde asasdesenvolvidas,Íinase transparenles,
correspondentesao paranteTioriasasposierores
modiflcadas,qr.reaÌuamcomoórgãosdêequllíbrio
(balancns). A alinìeniaçãovara com a especie.
Ex.:moscase rnosquilos.
Ordem Siphonaptêra (cercade 1.200espé-
cies):sem asas. PeÌnasposieÍioÍeslongase adap-
ladas para salìar. Allmentam-sede sangue de
avese mamíÍeros.Ex.:pu gas.
=
:
OrdemColeoptera(cercâde 400 mil espé-
ciês):doispaÍesde âsas;as poslerioÍesÍinase
membranosas,alojadassob âs asasant€riores
(élitros),convexase dufas.A alimenlaçáovariade
acordocorna espéciê;joaninhas,por exêmplo,
são pÍedadorasde ouìrosinsêtos;certosescara
vehosalimentamse de esterco.Ex.:besourose
OÍdemHymenoptera(cercade 200 mil es-
péces):algumasespéciescomdoispâresdeasas
Íinase membíanosas,outrâssenìasas.Algumas
espécescomaltograudeorganizâçãosocÌal.Ex-:
abêlhas,vespas,Íormigase cupins.
261
fipos d€d€senvolvimeìrto
DesenvohinentodiÈ10eindiÍelo
EmceÍas espéciesdeìnsetos,doovoemer-
ge um indivíduomuitosemeÌhanteâo aduÌto;
fala-se,nessecaso,eÍn d€senvolvimentodire-
to. Em oütrosinsêtos,o indivíduo queemerge
doovodifereâcentuâdâmentêdoâdìÌÌto;faÌâ-se,
então,emdesenvolüm€ntoindireto.
AÍìstáboìor:ìnsetosserÌìÌncLinoose
Os insetosque âprcsentâmdesenvolÌi-
mentodireto sãodenominadosametábolos
(do gregoa, negação,e Deúaòole,transfor
maÌ).O termo"ametábolo"Ìessaltao fato de
nãohavergÍândestÍânsfoÍmâçõesduranteo
desenvolvimentodo inseto,uma vez que a
foÍmâjovemjá seassemelhaao adulto.sen
do âpenêsmenor.Jáos insetosqueapÌesen
tamdesenvolvimentoindiÍetosãodenomina-
dos metábolos,uma vez que o jovem passa
portransformaçõesduranteo desenvolvimen-
to atéatingira formaadulta.
Os insetosmetáboÌossãoclâssìficâdosern
hemim€tábolose holometábolos,de âcordo
com o Ìipo de hansformaçãoque sofrem pâra
aúngiÌ afâseâdulta.
HeÌÌììnìetíboÌos:ìnsetoscommetnmodoseincomphla
NosinsetoshemimetáboÌos(dogregonemr,
metade).asfoÍmasjovensjá têrnâlgurnâseme
lhançacomo adulto.A câdâÍnúda.a selnelhan-
çatoma-semaior.As Íàsespelasquaispassaum
insetohemimetábolosãodenominadasninfâs.
Umâ vez que as mudânçaspa.a a fase aduÌta
ocoÍÍemgaduaìmente,o processoé denominâ-
dometâmorfosehcompletâ ou$âduaÌ.
H.loìcLáboÌ(Á:inselos0oIÌmeÌamorlosecompìera
NosinsetoshoÌometábolos(dogÌegoãoios,
totâl),o indivíduoquee€lodedo ovoé uÌnpe
quenoserveÍmiforme,de corposegmentâdo,
qÌrepodeou naoter patas,e quenãotemolbos
nemasâs.Estâfasevermiforme,châmâdâlarva,
passapor sucessivasmudas,âtésôimobilizar,
transfoÍmando-seemÌrÌnapupa oücrisáida.
A pupasofreprofundâsmudançasiosteci-
dos larvais sãodestruídose novostecidos.câ-
racteústÌcosdo aduÌto,sãofornados. A fasede
pupâreplesenta.assim,o momentocruciaÌda
trânsfoÌmaçãodalãvâ eÌnadulto.UmâvezfoÌ-
mado,o aduÌtorompeacutícúapupaleemerge.
nãosoftendomaisnenhumamuda.
A trânsformaçãode larva em adulto,fenô-
mônoqueocorreâofinaldafasedepupâ,é de
nominadametamoÌfosecompletâ.(Fig.15.24)
tisuro 15.24 (A) De*nvolvimenbdìEio, èm melomoÍos. (B)De*nvolvimenloindireto,commetomoíosen-
conrplerr;05Íohos ioBs s6oosnìnÍos.lcl DesenrclvimenroindiEic, commeromoÀsêcompleto;doovoeclode
o loro que,opôssoÍíerumdiieminodonúmercdemudos,serronsÍormonopupo,deondeemerseo odulic.
262
Insetossociais:abelhasm€líferas
A ordemHymenopterareúnediversasespé'
ciesdeinsetosqueapresentamaltíssimaoÌgâni-
zaçãosociâl.Dentreelasdestaca-sea abelhâ
Apismelrïeiá, muitoestudadâporsuaimportân
ciânâproduçaodemel.
As âbelhâsmeìíferasfolmam colôniasalta-
menteoÍganizadâsdenominadascolméias.Nes-
tâsexistemtrêsclassessociais,oucâstas:a rai-
nha,oszangõeseâsoperáÌiâs.A raiúa éaúú-
cafêmeafértil dacolméìâe suatunçãoé apos-
turadosovos,dosquaisseoriginâmtodososin-
divíduos.OszangõessãoÍnâchoscujâfunçãoé
fecundararainha.As opeÌáÌiâssãofêmeâsesté-
reiscujafunçãoéconstruiracolméiâeclridârde
suamanutenção,fomecendoalimentoesegurân-
çaatodososseusmoradores.
A lâiúa, aosetomaÍ sexualrnentemadura,
voâe seacasatanoâr comdiversoszangões,âr
mâzenandoo espermâemsuaespermateca.A se
guirÌe1omâàcolôniâecomeçaâp& ovosdentro
decélulâshexagonaisdecela,consÌruídaspelas
operáÌâsespe.ialmentepamessafinâlidade.
A Ìaiúa podecolocâÌdoistiposdeovos.de-
pendendodotamanhodâcélulâdeceÍâ:fecunda-
dose não-fecundados.Osovosfecundâdoson-
ginaÌnfêmeasdiplóides.Osovosnão-1ècundados
desenvolvem-sepoÌ urnpÌocessodenominado
pâ.tenogêúeseeonginamrnachoshâpÌóides.
UmafêmeâseÍí operáriaou rainhadepen-
dendoda quaÌìdadeda aljmentaçãoquerecebe
nafaseÌarval.Laflas deoperíriase dezangões
são alimentadaspÍincipalmentecom mel, en-
quantoâslarvasqueoriginaÌãoasrÂiúas sãoali-
mentadascom uma substânciarica em hoÍnô-
nios,a geléiareal, produzidapelasoperáÍias
adultas.(Fig.15.25)
Quilópodose diplópodos
Quilópodos
Os quilópodos, cujos rcpresentantesmais
conh€€idossãoascentopéiaselacralas,tèmumâ
câbeçâpequena,ondeselocaÌizaumpardean-
tenâs,e um tonco aÌongado,semdifeÍencìaçAo
ênrretórâx e âbdome.O tíonco é formâdopoÌ
üm númeÍode segmentosque variâ entre 15e
1?0,dependendodaespécie.Cadâsegmentotem
umpmdepâtas.
Diplópodos
Os diplópodos, cujos representantesÌnais
conhecidossãoospiolhos-de-cobÌa(embuás),
vivememambientesÌímidos,genlmentenosolo
deflorestas.sobfolhaseÌÍoncosemdecomposi-
ção.Eles têm cabeçapequenâ,com um par de
antenas.umtóÍaxcuÍo. lbrmadoporquatroseg-
mentos,e umâbdomelongo,lbmado po.25 a
100segmentos.O segundo,o terceiroeo quârto
segmentotorácicotêm,câdaum, umpârdepa-
tas.CâdasegmentoabdominâÌé,naverdade,for-
mâdopoÍ dois segmentosfundidos,âpresentân-
dodoìsparesdepatas.(Fig.15.26)
Figuro15.25 As ob€
lhqssõo insetossocioìs
pêriêncenlêsò ordêm
Hymênoprêro.(Al As-
pêclìôgeroldõ .olméid.
(B)Roìnholcenho)sendo
cuidddopelosopeú os.
{c)zonsõo(centrolenhê
ôpêrórior.ÍDlDuosôpe-
5
:
-
Í
Fig!rc 15.2ôlA)Loíoìo,reprêsenloniedoclosseChiôpodo.(B)Deiohedo.esiõoonteriordêumolocroioem
vistololercl.{C)Piolho-dê'cobro,rcpresenl,ontedo clossêDipìopodo(D)Detohe do regÌôoonleriorde !m
piolhodecobroemvisil lolerol.
& Quoooo-*rruno anrnópooos
Diagnosedos artrópodosAnimaìsdotadosdeêxoesqueleÌoquilinosoe apéndicêsarticuados.
CoÍpometamezado,cornváriossegmentosÍundidos.Sirnelra bilateral.TÌiblásticos,celomados.
OndeêncontraraÍtróoodos?Os anróoodosconsÌiluemo maor e maisdiversiÍcadof lo dê
animais.Eslãopr€sênlesemtodososambientes,teÍêstrese aquáiicos,deáguadocee salga-
da.A maiora dos aÍtrópodostem vidalivÍe,mashá dlversasespéciespaíaslas dê p aniase
anìmais.Crustácêossão,emsuamaiorla,aquálicose vivemno mâÍ,er. riose lagos;exislem
poucasêspéciosde crusláceosieÍrestÍes,comoo laÌuzinho-de-jâídim,que habiiaambientes
de allaumidade,InsetossãoarlrópodospíedominanÌementêleíestres,compoucosÍepresen-
tânlesaquáticos;sáoosúnicosinvertêbradoscapazesdêvoar,AracnÍdeossãoatrópodospÍe-
dominaniementeieÍrestÍes,que,comoosinsetos,podemhabitartanioosaínbienlesúmidosde
ílorestascomoregiôssdeséÍlicâs,Sãoexemplosdê crustáceos:Callinectesdanae(sÍl-azul),
Balanuspeúoratuslctaca)e Armadillidiunvulgare(taluzinho-de-jardm);deinselos:Perplane-
ta americana(l:,aâïa),Muscadonestica(mascadoméslica)e Áplsmêl/ifera(abelhadomést-
ca);de aracnídeos:tactrodectus(aranhaviúva'negíâ),Cenlruroldés(escotpiào)e Dernacen-
ClassiíicaçãoOÍiloAÌthropodareúnetfês subÍilos:Crustacea(crusláceos),Chelicerala(arac-
nídeos)ê Uniramia(insetos,quilópodosê dlplópodos).As pÍincipaiscaÍacterísticasparaêssâ
classilicâçãosão a organizaçãocoÍporal-eo númeroe tiposde apêndicêsaÌticulados(pâlas,
antenasetc,),
264
Dadoscleanalomiae fisjologia
SistemãdigestivoPresente,complêto(combocae ânus).PeçasbucaisadapÌadâsà ali-
menlaçáo(mandíbulas,maxilas,quelícêÍasetc.).TubodigesUvocomregiõesdiíerenciadas
(estômago,cecosgástÍicosetc-),comglânduladigeslivaassociada(hepalopâncreas).Di-
geslãoexlíacelulaÍ.
SistemaciÍculâtório Preseniê,dolipoabeno(lacunar).Coraçãodorsal,queimpulsionaa
hemolinÍâporvasosque vão a lodo o cofpo.Crusláceose aracnÍdeoslêm hemocianina
comopigmenìorespifaióriodissolvidona hemolinla;inselosnãotêm pigmenlosrêspirató-
riosnahemolinía.
SislemarespiratórioPresente.Cíusláceosiêrnbrânquìas,queíealizamlrocasgasosasentre
a águae a hemolinfa;insetosÌêmlraquéias,quelevamardiíetarnenleaostecidos;aÍacnídeos
lêmÍ lotraq!éiasoupulmõesíoliáceos,quercalizamlÍocasgasosasentÍêo are a h€molinfa.
SìstemaêxcrelorPíesente.Crusìáceosiêm glânduas antenais(glândulasverdes)iinselos
lêmiúbulosdel.4alpighiiaíacnídeosiêm,alémdelúbulosde lúalpighi,glândulascoxais.
SistemanervosoPÍesenle.ConstiiuídopoÍumpardegânglioscerebraissobÍea Íâ nge,poÍ
gângliossubesofágicose porumcordãonervosovenÍal,comumpardegângliosporsegmenlo.
SistemasensorialPresenle,bemdesenvolvÌdo,Todosos arirópodoslêm péloscomlun-
çãotáclile quimoÍrecepiora.Crustáceose insetostêmolhoscompostos,queÍorínarnima-
gêns,alémdeoihossimples(ocelos),€slestâmbémpresentesernaíacnídeosiasantenas,
pÍesentesemcrusláceose inseÌos,sãoimpoítânlesórgãostáctes; inselostêmórgãosau-
ditivos(rnembranastimpânicas)e crusláceoslêm ófgáosde equilíbÍio(estalocislos).
BeprocluçãoSexuada.A maioriadosarlrópodosé diólca.CíusláceostêmÍecundaçáoexieÍna
e o desenvolvimêntopodeserdireÌoouindireto,comváÍioseslágioslaruais.ìnselostêmÍêcun-
daçãointernae o desenvolvimentopodeserdireto(insêtosamelábolos)ou indireto,comÍneta
moÍose gradual(hemimelábolos)ou completa(melábolos).AíacnídeostêrnÍecundaçãoinler_
nae desenvolvimenlodìrêto,semestágo larval.
Ì*lo iroduzidoe odoptododo ortìgo"Chorlotes Poient- Spiderwebs
ondoher proteinsinspireensiners", deÊlizobethcorcoron,publìcodo
no revisloScienrtiicAmenton, vol.2ó6, neÁ, o. 146, 1992.
Nofinaldâdécadade1960,oexércitonorte-americanodescobrìuquea sedaprodu-
zidapela6aranhasna construçãodasteiasé tão resisìenlee elásticaquepoderiaseÌ
usadanaconfecçãodecoletêsà píovadebalas.Eniretânto,neÍrìmesmoasforçasarma-
dasamericanaspoderiamsuportâroscuslosde equiparsuastlopascomcoleiesíabrica-
doscomfiosdeleiasdearanha.
Oscientistasestãoestudandoa estruturafísico-químicadasteiasdasaranhascom
oobjelivodecriarmateriaissinléticoscomasmesmaspropriedâdes-Essanovaáreacien-
tíficanapesquisademaleriaisbiomolêculares,denominadaÍísicabiomimética,aindânào
deulucros,masospesquisadoresestãoentusiasmadoscomafabricaçãodenovassubs-
tânciasbaseadasemêstruturasprotéicas.
"O potenciâlé mâgnífico!",declaraStephenJ- Brewêr,quecontrolaa quÍmicade
bioprodutosda indústÍaMonsânto,emSaintLouis(EUA)."Aindaestâmoslongedeobler
produtoscomêrcializávêis',eleâcrêscênta,"masestamosaprendendomuitosobrea quí-
micadasprotêínas,o quêpodêrápêrmitiro desenvoìvimentodeoulrosprodutos".
OsnovosmatêriaissãoumexemplodoquepodesurgirdacombinaÇãodêdisciplinas
científicasdistintas.Durântedécadas,osquímicosespecializadosempolímerosdesenvol-
veramcompostospêlacombinaçãodedivorsosmonômeros.l,,las,mêsmoquandosêtoma
o máxìmode cuidâdonaproduçãode umpolímero,o resultadoé umamisturadêcâdeias
poliméricasdediversoscomprimentos,o queafêtaaspropÍedadêsdoproduloÍinal.
Os êngenheirosgenéticos,poroutrolado,se especializaramem copiarprotêínâs
comenormêprêcisão.Inserindogenesemmicroorganismos,elesjá sãocapazesdê pro-
duzirmilharesdemoléculasabsolutamenteidênticas.
EssêÌipode procisãotemsidoo sonhodosquímicosquetrâbalhamcompolímêros.
"Historicâmênte,aciênciadospolímerostemavançadosêmprêquêaumentamosocontrole
quepodemosoxercersobreascadêiaspoliméricas',informaDâvidA.Tifiêll,diretordoLa-
boratóo deCiênciasdosMatêdaisdaUnivêrsidadêdêlrâssachusetts,êmAmherst(EUA).
"Assim,o control€absolutodeprocêssamentopêmìtidopêlaEngênhaíaGenéticapromete
levarâ umdomíniodemateriaisaléagorainêxplorâdos",êleacresconta.
"Entendercomoumaaranhalibêrasuasêdâtambémé muitoimportante",acrescen-
ta DâvidKaplan,ummembrodo Cêntrodê Pêsquisa,Desenvolvimenloê Engenhariade
Armamenlos,em lvassachusêtts(EIJA).Fibrâssintéticastêm de sêr produzidascoma
ulilizaçãodeácidosÍoítese rêquêremprocessâmenlostécnicosespeciâis,como empre-
godealtastemperaÌuras.Jáa arânhâtêmumsegredo:sintotizaumaproteÍnasolúvelem
água,masa sêcrêtana Íormâdê fortíssimosfiosinsolúvoisom águâ.O conhecimento
sobrea conshuçãodasteiâspodelançarnovaluzsobrea técnicadè produçãode matê-
riâissinléticos.
I
266
tividodes
FICHAI
CAtd{crERÍsrrcÀscERAtsE cl,AssrFÍcaÇÃoDosaRTRópoDos
1. Qüâi! os pdncipâisg.uposde aniÌnâisnuÌidos no fito AÌrhropoda?
2. O queé nìetanìeÌiâ?
3. QuâissãoaspaÍtesbásicasdo corpode um â(rópodol
4. Qual a característicâquemoiìvou â utilizâçàodo termo 'ârrrcpodo"?
5. EÌpìique brevementccm que consisreo exoesquelerodos aÍlrópodose quaisâs suas
lL'nções.
6. QuâÌa rclaçãoentrcx p.esençado exoesqtreleloe a Ìnuda(oLìccdìse)t ÈxpÌiquercsu
mrdanÌenÌecomo â nrudaocoÌÌe.
7. Quaisos sublìlosqueconìpõerÌro ÍìÌo A.thropoda?EIn quesc baseiressadìrjsãoenì
8. Façâum,ìtabelaquecÌâcrerize cadasubtilocìofikr AÍhropodâ de acoÍlo com os se
â) organizaçãocorporâl búìca (dlvìsÕesdo coÌ?o): c) presençâe núÌnerode anrenâs:
b) númerode âpêDdiceslocomotorcslorácicost d) númcÌoâproxjmadode espécìes.
9. Qual o filo de animaisquesesupõeseÍo maisestreìtâmenre.ctacionâdocom osârrú
podos?QuâìssãoâseridênciasdesseparentescoevoÌurivo?
AspEcros ÁNATôMlcosEFrsror,óclcos DosÂRTRópoDos
Descrevaasprìncipaiscrìracrcrísticasdecadauìndossistemasde órgãosprcseütesnos
a)sislemrmusculãr: d) sisÌenìarespnÌrófi{)r f) sìsrenÌanervoso:
bl sìstcnradigestivo: e)sìstenaexcreto.i g) sìstelnllscnsodaÌ.
c)siúemaclrcuÌâtó.ioi ;.:..:.::.:.::t:::::,.i::.,::. ..-..:..::::
267
I . QüâisâsprincipaiscaracterísticâsquedistinguemoscÌlÌstáceosdosoutrosârrópodos?
2. ErÌìqüetiposdeambientevivemoscrustáceos?DêcxempÌos.
3. ExpÌiqueÌesumidamente,ìiÍnpoÍânciaecológicae cconômicàdoscÍusúceos.
,1. Aponle,paÌacâdêpaúedocorpodeumcamârão(càbeçâ,tóraxe abdome),ostiposde
âpêndicesarticúadospresentes,explicandoresumidamentesuasÌespectivâsfunções.
5. Câr,ìcteizeareproduçãodoscrusráceoscomrel4ãoâo:
a)sexodosindivíduos: b) tipodefecundaçãoi c) tipodedcsenvolviìnento.
6. QuaisâsprìncipâiscaÌacterísticasquedisringuemosaracnídeosdosoutrosaÌtrópodos?
7. En quetiposdeanìbientevivemosârâcnídeos?Dêexemplos.
8. SobreâorgânizaçãocorporalbásicâdeümaaÍanha,respondâ:
a)Qualonúmerodedivisõesdocorpo? c) Qualafunçãodospedipalpos?
b) QualatunçãodasquelíceÌaíl
9. CaÌactedzeareprcduçãodos3Ìâcnídeoscoln rehçãoâo:
â)sexodosindivíduos; b)tipodefecundaçãoi c) tipodedesenvolvimcnlo.
10. QuâisâsprÌncipaiscaraterísticrìsqueústinguemosinsetosdosoutÌosâíÌópodos?
11. EmquetiposdeambienteviveÌnosinsclos?Dêexemplos
12. CìteduascarâcteÌística-squecontrìbuíamparaqueosinsetosconquistâssemo ambien-
te tenestre,explicandobrevemenlecadâumadelas.
13. Expliquercsumidâmenleâ impofânciaecológicâe econômicadosinsetos.
14, Sobrea orgânizaçãocorporalbásjcâdeürngâtànhoto,respondâ:
a)Quaisasdivisõesdocorpo?
b) QueÌiposdeapêndicespodemesÌaÌpresentesnotórâa?
c) O quesáoespiráculoseemquepaÍe docorposelocâlizam/
15. CaÌacteÍizearepÌlduçãodosinsetoscomrelaçãoxo:
â) sexodosindivíduos: b) lipo defècundaçãoi c) úpo dedesenvolvimento.
16. Expliqueo quesãoinsetosâmetábolos.hemimetábolosehoÌomeráboÌos.Dêumexem-
pÌo decâdatipo.
17, SobÌea sociedâdedasabeÌhas,responda:
â) Quaissãoa.!classessociâisencontradasemuÍÌâ colméia?
b) QuetiposdeabelhassãopÌoduzidos.respectivâmente,poróvúos fecundâdosenão
c)OqüeépaÍenogênese?
18. Carâcterize,emliúas gerâis.qüiÌópodose diplópodos.Dê exempÌode um represeD-
Ìante de câdag$po.
268
À. TESTES
Bloco 1. Característicâsgeraise
classificâçãodosâúrópodos
r. (UFRS)A presençadeumesqueleroexteúoqui-
tinosoedepatasaÍiculadascúacrerizaofilo:
a)túbulosdèMalpighi- d)célula$flama.
b) glândularvordes. e)slândulascoxais.
E. (F. OswaldoCÍuzSP)EÌn um arrópodo.com
cefaÌolóraxe abdome.de respjraçãobrdquiai.
cujotipo básicodeextremidâdèé ! bineme,es
leramosenconlrarjtambém:
arum parqedEnàs.
b) doispNs dedièna!.
c) excreçãolor nibulosdeMalpighi.
d) sislem circulatóriofechado.2. (F.M. ABC SP)Doscmcteresúâixô. o único
comumâosartltpodoseeelideos é:
a)ãpêndicesaÍiculadospares.
b) segnentaçãodo corpoveÍdadeim.
c) ceìomâbemdesenvolüdo.
d)exoesqueletoesencialmenlequitiDoso.
e)sisleM circulatóriofechâdo.
3. (LlFNtrA)SãocâmcteísdcasdoscruÍáceos:
a)doispdes deântenas.cabeça,tóraxeabdome.
b) umpardeantenas,cefalotórd eâbdone.
c) doislâres deantems,cefaÌolórd e abdone.
d) uÌnpd d€anteMs,cabeçâ.tórd eabdone.
â)EscoÌ?ião.
d) diplóide.
9. (Fiube-MG)Emquealtemativaascüacteríílcâ!
apftsentadasìdenúficm oscrusúceos?
Branquiâl
a)
4. (FuvestSP)Um invertebradocujocorpoécons
ltuÍdo por cefalotóraxeâbdone,quenãoposui
ânteÍa!,quetemquarropms depalaslocoúoro-
raseuÌnpe dequelÍceraséum:
s. (UIRS) UÌn dosúimais abaixoalresenraasse-
gúntes cdaclerísticâsrcorpodivÌdido em cabe
ça,tóru e abdome,cômhêsparcsdepatastorá
cicâseum!d demtenas.Indjque-o.
r0. (UFSC)Sãoânimaisqueapresentd apârelho
cìrculatóriodo tipo aheÍo:
âl noluscô eútópodo. d)!Ì]eíf€rc emolusco.
b)molúso eâneìídm. e)mmífero eaÍrtrtodo.
c) ânelídeoeâÌtrópodo.
6, (FuvestsP) O queéqueamÌnhocateme amos
a) SistemacircÌlatório fechado.
c) ResliÌaçãocuiânea.
d) Hermafroditismo.
e)Desenvolvimentodirelo.
Bloco 2. Asp€ctos anatômicos e
ffsiológicos dos aÌarópodos
7. (F. Ibero-Americea SP)Em cnstÁ@osos resí-
duosoigânicoseo sânguedascavidadesdo cor
!o sãoretindos eexcr€tâdosporesrrutM deno
mÌnadas:
rr. (Mackenzie-SP)Corsidereascârâcre.ístìcd:res
!úação traquealisistemacirculâtóío abertosem
!ÌgnenÌos rcsliÌa1órios;excreçãofeitâpo. túbu
Ìos deMâlpigìii corporevestidolor üm exoes-
queìetoquÍinosoi nacabeçaumpe deantenas.
Os aninâis queapresentâmessascaracredsticas
a)aÌâcnídeos. d) anelÍdeos.
b) cruÉceos. e) insetos.
12, (vuresp) O sistemacjrculatóriodosin*1os não
pemile .Ápjdâcirculâçãodo sdgue. nas eses
eimais podemconsegDirgrândesqlanÌÌdadesde
energiarapidmente porque:
a) sãoameróbicos.
b) conlêmpigme.tosexclusivospâ.ao úâÌrspor
c) sóarmaz€nâmaÌimentosna foÌm decúboi-
d) asÌacunasdo seusìstem circularó.ioâmaze
e) sus cólulasnãodepend€mdo súgue pda re-
269
13. (FMU-SP)A in€xis€nciâdè úenentos respiÉ
tónosnosãúguedosinsetoseslárelrcionadacon
o fatodequeeles:
a)sãoseresúeróbicos.
b) nãolêmconiÍoledasuatemperaturacorporal.
c) lên pêqüenâatividâdemetabólica.
d) nãopossuenapelho ciÍculatório.
e)possuemÌubosquelevaD o âr È!Ìnosféricodi
retamcDteos tecrdos.
14. (U. AMonas AM) Ostúbul6 deMâlpighi são
estruturd especìaliailasna elimindçãodosex
crelasnitrogeDdosnos:
!) aneÌídeos. c) irsetos.
b) plateìnintos- d) celenlemdos.
15.(FespPE)Obsere adescriçãodaexcreçãodè
uma ceÍta cÌase de uimaÌ: as estrutüiìs èx-
cretorassãofilifomes. coú umaêxtremidade
desembocandono intestinofrédio è ã oÌtra
mersoÌhaddnaíefrolinfa (sú8te) deondere
lira os pÍodutos dè exfieção qne sãolançados
no intèslino,sendoe.tão elimiMdoscom as
fezes.O màterialexcretadoeslácorstìtuído
pri.cipâlme.tedeácidoúrico.
Mdquè r altmativa queindica a cÌase de âni-
malqueexcrelã.se8udo adescriçãoeim4 esüã
respecnvaesruÌuraexcreÌora.
a)Arachnida;célulaflama.
b) Crustacearprotonefrídìo.
c) IoeÌibrânqDios: nefrídio.
d) Insstâ; lúbulosdeMabighi.
e)Asteróides:solenócilo.
BÌoco 3. PÌitrcipais grupos de artrópodos
16. (UFCE)Numjmtd emqueseserviulagost4ca'
mdão, ostra.ÌuÌa e poÌvo, podeaèafiI]ú que
â)somenÌemoruscos.
b) crustáceos,moÌuscosepeixes.
c) soneite peüesecrustáceos.
d) sometrtecrusráccosemoluscos.
el someDÌecrosaceos.
17. (Mdkeüie-SP) Enrrcosorusúcèosèncontmos
â)excluivânentè nd;úhos.
b) exclusjvâmenÈdeáguâdoce.
c) €xcÌusivamenleÌnarinhosedeáguadce.
d) m{inhos. deáguadoceetènestres.
e)N.d.a.
lE. íUFMCì ACo.loe elemh'.
';
r Ò.me'e eL
quemlis aparecefrèscorpjões,lois é justa
menrence mee.queele Lèmseu!e,iodn
deÍeproduçáo.O in.etoe retugratro' maid,-
iereúreslupdes.como'monloldo. Llêaadei
270
ra, pedras,entulhos.fetrdasnã paÍedeou atrás
de móvois.Diâtiân€nt€, peÌomenosumape$
soapicadapor esco.piãoé atendidano Contro
de Toxologirdo HospilaìJoõoXXIu." (Esla-
do de Mìaas,1,'7Oa90)
Esã mtéria sobrcoqorpião incoÍè èmeÍo ao:
a)descreverseucompoÍmedo.
b) indiú seuhabilat.
c) indicnÍsèupeíodo derclrodução.
d) rcfeúr-seàsDaclãssificaçãotaxonômicè
e)roÈn.-sè àsDanocividado.
19.(IÌFPA) ..- 1rôpeçoem'rMpedra€scavoaca-
vidadedesc.berlâe ümaeaúa imensade Élo
vemolho ne olha fixmenÌe, imóvel.grande
comocaÍú8uejo. ..un besourodouÍâdone lú-
ça suàèraíação melÌ1iüì enqurmtodesâpdece
cono un reÌâmpa8oseDradinnteaÍcoJrjs..."
Nesrctreho Nerudaúo cirÌ ânimâisdÒEnpodos:
d) diplópodos.
z). (Uúio)
L escor?ião l. Cruste€a
z.lagosta tr.Insecra
3. cerlopóia Itr. Afrcbnida
4. gaf.nhoto IV. chilopoda
5-piolho de cobra V. Diplopoda
aL Onychophora
AssinâleaopçãoabaixoqueâssociacoÍetmen
teosdimais apresenlâdosnâcolunâdaesquerda
(en âlsdismosüábicos)comasdiveBâscÌa$es
dofilo AÌthropoalâapresentadasM colunadadi
eita (emaÌgarisÌnosrc'ruot:
a) 1-Ilr,2-IV.3-II,4-I,5-V.
b) IJII. 21, 3-ry,4,IÌ, 5-V.
c) 1-1,2-II,3'Itr, :l-IV,5-V.
d) 1-I,2-VI,3-W,4-ü, 5-nt.
e) I IV. 2-VI.3-tr.4-r.5-III.
21. (UnB-DF) Nuna coleta,um estudoto cdptuÌou
algunsanimaise. baseândo-seapenãsèú uma
cdactêístio. separou-osemÍês Crupos,confor
meo disúiminado abâlxo.
Crupol Cúpo 3
Aúnha Tatuziúcde'jddìn Fomiga
Ercorpião CmaÌão Cupim
CâÍâpato Sti Bmta d'água
Dentreasopções
'ìbaüo,
a úrica queapresnta
umacdactêística quepemitiu ao estudân1èse-
a)pre"sênçadeapêndicèsaÍiculadosnocorpo.
b) pÍsènça desegrentaçãonocorpo.
22.(UFGO) 27. (Fuvest-SP)ObseÍveo anjmaldesenhâdo
C,qa bdìdo Tmstrc
No qÌadro anièrior,cadãcôlunaserefe.e a ca-
racleísticasdeumaclassededt ópodÒ.
AsinaÌe aaltèmâtivaqueindicaaorden coÍelâ
a) I crustíceo;II iNeb; IlI mcnídeo.
b) I inseto:tI úacúdeo; III crusláceo.
c) I inseto:II cnsúceo: trI úacrídeo.
d) I denídeo: tr crusáceo;Itr inselo.
e) I * crustác@;tI üacnideo;Itr inseto.
23. (Fuvest-SP)Metamorfoseé a trdsformação do
estágiojovem pâmo adulro.Algunsinsetostêm
metmortosèonplelâ (hetábolos).enquantoem
outrcsamtamorfoseégnduâ1(henjmètábolos).
QuaisinsetosexempliJicamoprìmeiroeo segun-
dotìlo demelmorfose, respecúvanenle?
a)Gafanhobeübé]ula.
b) Borbolelâèbasta.
c) Mdiposâ èabelha.
d) PercevèjoeÌnosquito.
e)Besoúro€ Dosca.
I DoÀF6 C€idorórd Ìndiero Âquíti.o
eúdome
itr ÂNrlc Colìloúd Dircb Teftsh
a)A quelilo ecÌ6se elêpeÍence?
b) CÍe duascdacteríúicâ!, visíveisno desenho,
quco disiDguemdeu inseto.
(PUC SP)NÌm aìlâ deBioÌogiaosâtunosclÀç
sincüam osarlrólodosqueoprofesor ths apÉ
seDtouemtrês8ruposjdêacordocomcdaclerís
tiçs quedisringuim ca.lagrupodosdemais:
I arânhÈ€besouro;
II bdata eescorpião;
Itr cdusuejo esiri
Otrofssor dissèqueacla$ìfi€ção estltvâemda.
à)ReàgÍupèosanimais,côrìgindo osenos.
b) Cite urâ câÍâcteísticãeÌtema exclusivade
cãdagrulo quevocêfomou.
(Fa1&-SP)Façàum rabelâconpârandoìnstos.
dacnídos e mstÁceos.em relâçãoàsseguinrès
cecteísticas: divisõesdo corpo,númerodepã,
tasededtenas. Íespiraçãoeexcreção-
(FuvestSP)"Comochegavasdo casulo.
inacabadasedalida
luasdtenas fios soÌtos
.la tÍma dequeeÍâstecida,
elèusolhos,doisg.ãosdanoile
deondeo teunistério surgia."
CecílìaMenele.
a) A qu€fiÌo o cÌassepertenceo dimal de que
b) QuaÌ a seqüênciadosesúgiosde seudesen
(Unicârp'SP) IndiquedoisaspeciosdislintÒsque
resalleft aimloíância ecoúômicadosinsetos.
(Unicamp-SP)ExpÌique seiúbÌção no sistema
circuÌaúnode
'rm
bdatâinterfercounãoemsua
lU. F.LlbeÍlândia'Mc)Desrcvâ sncin(menteos
sistems neroso, ci.culatórioe exc€tor deuma
(Fuvest-SP)Qutissãoosestágiosdedesènvolvi-
mentodeumabdala edeumâbdboleta?
24.
29.
3{ì.
B. QUESTÕESDISCURSIVAS
24. (FúVêí-SP)No anìvo$áÌiodellm cidadeàbei-
ra tÚ. m re.slaunntèpronoveuur "Feíivâl dè
Crustdceos":iagostâ,iula. cmúão, ostrae mè-
xiÌhão.
Quaisdeses dimais !ão deveriamesI!Ì itrcÌuí
dosnocddápjo?Porquê?
25. (Unicamp-SP)JoãoziÌhoéestuddre do2egraue
lassou a naúã todaobservúdo os mimais em
umânatà. I iquequrìlo filo demimais quede-
veriaestd maisrèpresèntãdonrìsobservÀçõesde
Joãoziúo eduascdacterísticasimpoÍartes des
2ó. (Fuvêsl-SP)Porquosefsem necessárias!s nu-
dasnosaí.ópodos?
31.
33.
34,
271
1. Enquânloa maior paÌ1edosÀniMis 1emcrcsci-
mentoconlínuo,um art!ópodo,se analisadoao
loÌìgodesuavida.lodena rero seucr6omènLo
rcgisbàdonogÍáfrcoaseeüir.Expliqueeditcüta
o queesse8ráJiconosbâ.
2. Cruúáceosrespirm por brânquias.etrquanìoin-
setosrespne por tfaquéias-Quecorelâção se
podeestabeÌecerentreo tipo de sistemaÍespira
tório apresentadopelodìnal eo anbieúteonde
f,. Noscrusiáceos.acxcreçãoéfeìtãatavésdegìân-
dulasqueseabrcmnasupedciedo corpo.Nos
ìnsotos,osprodutosdeexcreçãosaolançâdosno
tubodigestivopelostúbulosdeMalpighi.Rela
cioneesas diforentesestrarógilsde elimjnâção
dosexcreLsdo corpocom o modode vlda dos
membrosdessasclassesdèãÌÚópodos.
4. hdique os tertos quedevúiam substìtuÌ !s le-
tms(d),(b), (c) e (d) paracompÌetaro quadro
&útrrúlekÍstod TipodercsNaçào
{c)
272

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prova.2.ano.3.unidade
Prova.2.ano.3.unidadeProva.2.ano.3.unidade
Prova.2.ano.3.unidadeSuely Santos
 
Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Alice MLK
 
Artrópodes Exercícios
Artrópodes Exercícios Artrópodes Exercícios
Artrópodes Exercícios ADÃO Graciano
 
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Ercio Novaes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
ArtrópodesURCA
 
Equinodermos
EquinodermosEquinodermos
EquinodermosURCA
 
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados)
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados) Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados)
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados) Carlos Priante
 
Exerc. de-artropodeseqweq
Exerc. de-artropodeseqweqExerc. de-artropodeseqweq
Exerc. de-artropodeseqweqV1ctorDelnero
 
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferosElizabete Costa
 
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabarito
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabaritoAval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabarito
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabaritoErcio Novaes
 
Aval 7 ano(vertebrados)_3
Aval 7 ano(vertebrados)_3Aval 7 ano(vertebrados)_3
Aval 7 ano(vertebrados)_3Ercio Novaes
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
AnelideosURCA
 
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdfAndré Moraes
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vidaURCA
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
AnfíbiosURCA
 
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadas
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadasMais de 100exercícios de zoo com respostas comentadas
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadasIonara Urrutia Moura
 

Mais procurados (20)

Prova.2.ano.3.unidade
Prova.2.ano.3.unidadeProva.2.ano.3.unidade
Prova.2.ano.3.unidade
 
2 anfibios
2 anfibios2 anfibios
2 anfibios
 
5 mamiferos
5 mamiferos5 mamiferos
5 mamiferos
 
Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10Canidários - Capítulo 10
Canidários - Capítulo 10
 
Artrópodes Exercícios
Artrópodes Exercícios Artrópodes Exercícios
Artrópodes Exercícios
 
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Equinodermos
EquinodermosEquinodermos
Equinodermos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados)
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados) Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados)
Lista de exercícios VIII Cordados (Protocordados e Vertebrados)
 
Exerc. de-artropodeseqweq
Exerc. de-artropodeseqweqExerc. de-artropodeseqweq
Exerc. de-artropodeseqweq
 
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
 
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabarito
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabaritoAval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabarito
Aval 7 ano(vertebrados)-dif2-gabarito
 
Aval 7 ano(vertebrados)_3
Aval 7 ano(vertebrados)_3Aval 7 ano(vertebrados)_3
Aval 7 ano(vertebrados)_3
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
3ª atividade avaliativa de ciências 4º ano pdf
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Anfíbios
AnfíbiosAnfíbios
Anfíbios
 
Atividades
AtividadesAtividades
Atividades
 
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadas
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadasMais de 100exercícios de zoo com respostas comentadas
Mais de 100exercícios de zoo com respostas comentadas
 

Destaque

Capitulo 04 - Fungos
Capitulo 04 -   Fungos   Capitulo 04 -   Fungos
Capitulo 04 - Fungos Alice MLK
 
Cap.11 platelmintos
Cap.11 platelmintosCap.11 platelmintos
Cap.11 platelmintosAlice MLK
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoAlice MLK
 
Cap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoCap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoAlice MLK
 
Cap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasCap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasAlice MLK
 
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaCap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaAlice MLK
 
Cap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oCap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oAlice MLK
 
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasCap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasAlice MLK
 
Cap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasCap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasAlice MLK
 
Cap.19 sistemas circulat rios
Cap.19 sistemas circulat riosCap.19 sistemas circulat rios
Cap.19 sistemas circulat riosAlice MLK
 
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisCap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisAlice MLK
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoAlice MLK
 
Quimica 2° Bim
Quimica 2° BimQuimica 2° Bim
Quimica 2° BimAlice MLK
 
Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Alice MLK
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Alice MLK
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Alice MLK
 
Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1Alice MLK
 

Destaque (17)

Capitulo 04 - Fungos
Capitulo 04 -   Fungos   Capitulo 04 -   Fungos
Capitulo 04 - Fungos
 
Cap.11 platelmintos
Cap.11 platelmintosCap.11 platelmintos
Cap.11 platelmintos
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
 
Cap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpoCap.26 defesas do corpo
Cap.26 defesas do corpo
 
Cap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algasCap.4 reino protista(i)-algas
Cap.4 reino protista(i)-algas
 
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floemaCap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
Cap.30 sistemas de transporte-xilema e floema
 
Cap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç oCap.20 respiraç o
Cap.20 respiraç o
 
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermasCap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
Cap.28 morfologia externa das plantas angiospermas
 
Cap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantasCap.31 nutriç o das plantas
Cap.31 nutriç o das plantas
 
Cap.19 sistemas circulat rios
Cap.19 sistemas circulat riosCap.19 sistemas circulat rios
Cap.19 sistemas circulat rios
 
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animaisCap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
Cap.27 reproduç o e desenvolvimento dos animais
 
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crinoCap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
Cap.23 integraç o e controle (i)-sistema end-crino
 
Quimica 2° Bim
Quimica 2° BimQuimica 2° Bim
Quimica 2° Bim
 
Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM Fisica 1EM 2BIM
Fisica 1EM 2BIM
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2
 
Memorex Biologia 1.1
Memorex Biologia  1.1Memorex Biologia  1.1
Memorex Biologia 1.1
 

Semelhante a Cap.15 artr podos

Semelhante a Cap.15 artr podos (20)

Fanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementesFanerógamas: plantas com sementes
Fanerógamas: plantas com sementes
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
 
Artrópodes.ppt
 Artrópodes.ppt  Artrópodes.ppt
Artrópodes.ppt
 
Artrópodes.ppt
Artrópodes.pptArtrópodes.ppt
Artrópodes.ppt
 
Filo artrópodes 01 características e anatomia
Filo artrópodes 01   características e anatomiaFilo artrópodes 01   características e anatomia
Filo artrópodes 01 características e anatomia
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Diversidade animal ii
Diversidade animal iiDiversidade animal ii
Diversidade animal ii
 
Dinossauros
DinossaurosDinossauros
Dinossauros
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Plantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamasPlantas sem sementes: criptógamas
Plantas sem sementes: criptógamas
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James MartinsLista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
Lista de exercícios - Invertebrados - Prof. James Martins
 
Artropodes e equinodermos
Artropodes e equinodermosArtropodes e equinodermos
Artropodes e equinodermos
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
 
Resumo de Zoologia
Resumo de ZoologiaResumo de Zoologia
Resumo de Zoologia
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
 
artropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptxartropodes 2021(1).pptx
artropodes 2021(1).pptx
 
Introducao zoologia licenciatura
Introducao zoologia licenciaturaIntroducao zoologia licenciatura
Introducao zoologia licenciatura
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 

Mais de Alice MLK

Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosAlice MLK
 
Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Alice MLK
 
Matematica 1EM 1BIM
Matematica  1EM 1BIM Matematica  1EM 1BIM
Matematica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Historia 1EM 1BIM
Historia  1EM 1BIM Historia  1EM 1BIM
Historia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Geografia 1EM 1BIM
Geografia  1EM 1BIM Geografia  1EM 1BIM
Geografia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Alice MLK
 
Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Alice MLK
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaAlice MLK
 
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasCap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasAlice MLK
 
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialCap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialAlice MLK
 
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoCap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoAlice MLK
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oAlice MLK
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oAlice MLK
 
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoCap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoAlice MLK
 

Mais de Alice MLK (16)

Bio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostosBio01 livro-propostos
Bio01 livro-propostos
 
Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM
 
Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM Portugues 1EM 1BIM
Portugues 1EM 1BIM
 
Matematica 1EM 1BIM
Matematica  1EM 1BIM Matematica  1EM 1BIM
Matematica 1EM 1BIM
 
Historia 1EM 1BIM
Historia  1EM 1BIM Historia  1EM 1BIM
Historia 1EM 1BIM
 
Geografia 1EM 1BIM
Geografia  1EM 1BIM Geografia  1EM 1BIM
Geografia 1EM 1BIM
 
Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM Biologia 1EM 1BIM
Biologia 1EM 1BIM
 
Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM Fisica 1EM 1BIM
Fisica 1EM 1BIM
 
Química
QuímicaQuímica
Química
 
Exercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologiaExercicios biologia parasitologia
Exercicios biologia parasitologia
 
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermasCap.29 anatomia das plantas angiospermas
Cap.29 anatomia das plantas angiospermas
 
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorialCap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
Cap.25 integraç o e controle (iii)-percepç-o sensorial
 
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervosoCap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
Cap.24 integraç o e controle (ii)-sistema nervoso
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
 
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-oCap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
Cap.21 controle do meio interno-osmorregulaç o e excreç-o
 
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimentoCap.22 proteç o,suporte e movimento
Cap.22 proteç o,suporte e movimento
 

Último

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 

Cap.15 artr podos

  • 1. 15,1 Característicasgerais dosartrópodos O filo Arthropoda (do gregoârtÌmt, ÀÌti cuÌâção,e podos,pé,pata)reúneâniÍais dota dosdeesqueÌetoextemoe ptìtâs,Íiculadaspor juntâsmóveis.Os artrópodosnâis conìecidos sãooscrustáceos(caranguejos,crÌnaÌõesetc.). osarâcnídeos(aranhas,escorpiõesetc.)eosin- s€tos(moscàs.baratdsetc.).O filo Arthropodâ reúnemaisdeI nilhão deespécies.Sódeinse tos,por exempÌo,existemq!âse900mìÌ espé ciescâlâÌogâdâs. o grande número de espécies.a abundânciâ de indivíduos em câdauma delas e a enorÌÌe di veÌsidade de habitâts colocam os aÍrópodos en- tre osorganismosmaisbem-sucedidosdoplâne- tâ-(Tìig.15.l) OrganizaçãocoÌ?oralbásicâ Comoos ânelídeos,os aúrópodosâpresen- tammetâmeria, ou seja,têm o coÌ?oorgânizâ- doenÌmetânerosousllgnentos.NamâìoÌiâdos âÌaópodos,entretânto.a metameriâé evidente âpenâsnâsfasesembÌionftias. Nos aúrópodôs adultos,o coryoé formadopor trêspaÍes bási j
  • 2. càs- câbeçâ,tórâx eâbdome . originadasa paíìr demetâmerosqìe sefundiram.A câbeça cleuminseto,porexempÌo,éfomada pelatusão deseismetâmeros-EmâÍrópodoscomooscrus- táceose âracnídeos.a cabeçâe o tórar também seIundemduranteo desenvolvimentoembrio- náÌio,originandoumâeslruturadenominadac€- falotórax.(Fis.1s.2) = rìgurcì5.2 Nosortópodos,ddisiinçõoenheosmefô- meroslendêodesopor*ernoÍoseoduho,umovezque vóriosdeless tundmporcÍomorospqrtesbósicos docoÌpo:coh.çd,lorcxeobdome.Emolsunsôftópo dôs,ocobeçoeolóroxlombêmseturdem,oriqinordo ocetudórcx.AsÍoiJsmoshdmdoisesrosiosd; de*n- volvimeniodeuminsêlo,d moscowreieirc,notosede lovo{òesquerdo)enoÍo* oduho(ôdireirol. ,pôn'ìic.rìrrcìÌlados OsartrópodossecaracÌerizâmpor âpresen lâÌ âpêndic€scorporaisârticulados,especiâli zâdosnasmaisdiversasfunçõesiandar,nâdâr, obteralimenÌo,perceberestímulosquímicosoü Ìnccânicos,copnlâretc.(Fis.15.3) Loesquerero O corpodosaíÌópodosérevesúdoexlemr menteporumaaÌmâduíâresìstente.denominadâ exoesqueleto(do gregoexos,foÌa. exGrìoÌ). O exoesqueleto,constituídoporproteínaseporum 244 rìguro15.3 Osopêndicesdosôrirópodosseodopb rom,ro deconerdo evoluçõô,oo desempenhodos moisvorioddsÍúnções:locomôçõo,copturodêpresos, iriiurcçõo,sucçõodeolinenic,limpezodo corpo,rê- cepçõode eslímuloselc.Os oÉndicesdosinsetose dôso.ocnid@ssõosimples(unnromosos),enqlanto osdo cdmorôô$õobiturcodôs(búromosôs).o rèmo "Uniromìo",nomêdo subÍiloqueengloboosinseios, derivdêxoiomênlìêdo faio deôsinsetosopresêniorem opêndicesunnromosos. poÌÌssâcarídio dtroge.ado, aquitinâ. proregeos órgãos intemos e fomece pontos firmes para a fixação da muscuÌatuÌâ,o que permite grande eficiênciana movimenrâção.(Fig. 15.4) l,lrdac0esciÌìonr0 Para crescer,um artrópodo precisâ abân- donar o exoesqueÌelo e produzir uln maior, aJustadoao novo tamânhodo coÌ?o. Essa"tro- câ de c.ì!ca". que os cjentisiâs denoìÌinam muda ou ecdise.ocorreperìodicâmcnredufan- 1eâ vida do animal.
  • 3. Durantca nrudaa epiderìncsc solmdo ero elqueleto c um novo exoesquelelocomeça a ser produzido sob o antigo. Quândo o novo exoesqueletotcÌrninade sefoÌìÌâr, o exoesque ìeto antigo serompeâo Ìongo do doÌsoe o âni- mal sai dedento delÈ.Por serflexíveÌ,o exoes- queÌeto recém-formado peÌmite que o colpo cresçaduranteum curto peúodo de tempo.De- pois disso o exoesqueÌetoendurecee o crescr- mentocessa.(Fis. ls.s) Figuro15.4 Ao lodo,ò esqoerdo,escoìpiõo; ò direiio,corongueioAmbosiêmexoesquelê losexlernosqlitinosos,cqrocteristicod. usi_ vodoÍiloAdfiropodo.A émdeprcregdô côr po, o exoesqleleioÍornecepontosde opôlo 15.2DiversidadeeclassiÍicação dosartrópodos O filo ArÌhropodaé dividìdo, por alguma! . l:r*rficJçne.no,lema,.dn,rè..ubhlo5:Crutâ- ,i-r'. ìrË * :^ er..ì.(-helicerât! ld anhr.. e.corTio('.,i.Jrn pr. e Unirârniâ íir'- .io.. quJopnJú,e Jipìn|"J, ì A. princ.odr.cb- râcteístìcas levMâs em conta nessâcÌassüicâção .;oa orgâni/âçàodo corpo., númeroetipo.dr âpèndice..e a presen$ e " númerodeânlenâs. Crustáceos o subfìloCrustacea.considemdopor âlgüns uma clâsse.reúne os camarõe!.as lâgostâs.os lagoslins.os caranguejose as cracas,cntre ou- tÌos,lotaÌizandomâisde 26 miÌespócies. A TaioÍiddo. cru.rdceo'remo corT'' Ji' drdoen cêfâlotórde âbdomee dpre'enÌrdoi pâresd( ântenâ..O eoe.queeroquirino.o!e Íd menree imp cgnddoJr' 'ub{ãncir. caìcJri.'. o queo turâ rígìdo. Fisurols.s Afolo(ò esquerdo,ocìmo)mostroumexo esqreeto 'ozo de cgo'ro o'esoo Lmoro p a c qoro o obondonoupo.qcrescer/emsegudo rÔmon_ dooJl'o soesqLele'omoior Osort.opodosl'ô(o- oê e.oe-"eleo"o 'o'*,e'drroreoudo NosroÍicoo curuoemvermelhorepresentoo cres.imenlsdesconií_ nuôdosortrópodos.ló foixosemÍosoopontodospelos .erosde*o om o. perodospóqmudo ondeo orimo creicêolle( qLeLmrovoexoesqJeeos' or'ôlidê., cuwoemozulrepresenroo creÍimentoconiínuopre_ 5e'ê"m mJilse.peie.deo.ino5 il L,irdôotÍo 245 - = No<imêirÕ ÌEMPO À,lu to
  • 4. Quelicerados OsÌ€pÌesentântesmaÌsconhecidosdo subfì- lo CheliceÌâtasãoosârâcnídeos,qüeconsútuem aprincipalclassedosubfilo,aArachnida.A cÌas- seAÌachnidôÌ€Ìínearânhas.escotpiões,cârrâpâ- tose ácaros,totalizandomaisde60mil espécies. A maioÍiadosaracnídeostemo coÌ?odjvidi- do eln cefâloíórar e âbdome.apresentaquatro paresdepâfâsenãopo6súântenâs.Quasesem pre possuemum paÍ de queÌícerâs.estÌuturâs úadas queparticipaÌndacapuradeêlimento. Unirrâmeos:insetos, quilópodosediplópodos O subfilo UniÌamiaÌeúneasclassesInsec- ta. ChilopodaeDipÌopoda.totalizandocercade 1nÌilhãodeespécies. os insetosconstituemaclasseÌnaisdiversi 1ìcadado fìÌo, e âlgunsde seusÌepresentantes comunssãomoscas,mosquitos,gafânhotos.ba râtas,aâçâs,formigâs,âbelhas,ÌibéÌulasejoam- nhâs,entreoütÌos.Osinsetostêmo corpodìvi- d;doemcabeça,tórâx eâbdome,tÌês par€sde pataseum par deant€nâs. Os diplópodose os quilópodostêm corpo vermifoÌmeemuitaspâtas.sendoPoÍìssogene- ricamentedenominadosmiriápodos (do grego flrya. inúÌneros,milhares.e podor pé, pâtâ). Exemplosdequilópodossãoaslacraiasecento- péias;exemplosdediplópodossãoospiolhos de-cobrâ.(Tab.1s.1) Origem eevoluçãodosartÌópodos Os artrópodostêm esteitas relaçõesde pâ- rentescoevolutivocom os Ânelídeos.Alguns cientistasacreditamqueessesdoìsfilos descen- dem de um mesno ancestraÌ,enquantooutros achamque os aÍrópodos seo ginâÌâmde um grupoprirnitivo deanelídeos. A maior evidênciadasreÌâçõesevolutivâs enlreanelídeose artrópodosé à segmentâção metaméricâdo corpo.AÌtrópodosprimitivos hojeextinlosapÌesentavâm,nasfasesâduÌtâs,o corponitìdamentedividido emsegmentosseme Ìhântes.Apesarde nãosertaoevidentenosâÌ' tÌópodosaduÌtosatuaìs,devidoà fusãoe espe- ciaÌizaçãodos segmentos,a organizaçãometa méricaestápresentenâsfasesembÍionáriasde todasasespéciesdogrupo.(Fig.15.6) Figuro15.ó Os hilo- ó00e 250milhõêsde = É Tobelol5.l ClosrificoçõôddsddrópÕdosodolodonesteivrc. 246
  • 5. OsapênúcesaúiculâdosdosâÌtrópodos,sãoes- trutÌrrashomólogâs.istoé,têÍnorigemeÍnbrioníÍia semelhaúe.lssoreforçaâidéiâdePârentescoevoÌu- tivo entÍear!6podose arìelídeos:osâ!êndicesòs Ârtropodospodemter seonginadodosparap{idìos deaneÍd€ospolìquebsancesíâis. Além dassemelhançasestruturaise em- briológicas,âhipótesedoparentescoevolutivo entre anelídeose âÍrópodos é reforçadapelê existênciadeümfiÌo dnimal- Onycophora- com câracteísticâsnìtidamenteinteÍmediáÌias f-i.,lr t,,,i1;.1.' ....,.,'. Os onicóÍorosapresenlamcaÍacleíísticasinlermediáriasdo anêlídeos e de arlrópodos.os principaisrepresenlantesdo gÍupop€rtencemao gê- neroPeripatus,comuma6spécienativado Brasll,o Peripatusacacioi. Os onicóÍorostêm corpoâlongado,entÍê5 e 10 cm de comprim€nto, peleaveludada,decormâíromouacinzenlada,e numerosospâresdêpa- tas curtase grossas,queterminamem pequenasgaÍas aíiâdas,O nome do fllo,Onycophoía(dogíegoonychos,unha,garra,e p,toros,portâdor), rêÍêrê-sêêxâtamênteà presençadessasgarÍas. Nacâbêçâdosonicóforosexisleumpardeantenase umpardepapi- las secíetorasde muco,comas quaiso animâlpodelançaÍumjato gos- menìo,que imobilizaas presas.Os onicóforossãocarnívorose capturâm insetos,vermese lesmas,quêdevoramcoÍno auxíliodedeniêsquilinosos e aÍlados, Essesanimaisconstiluemumgrupomuitoantigo.Os Íósseisindicam quea organizaçãobásicado corpodosonicóíorospoucomudounosúlti- mos500 milhõesde anos.Atualmentesão conhecidasapênas70 espé- cies,que habitamambi€ntesmuitopartÌculares,em ÍloÍestâslíopicaisda AfÍica,Asia,Austráliae Américado Sul.O fato dê eslaíemamplamênto dislribuídoslevâos cientistâsa pensarqueessesânimaisiá Íorammuito comunsno passado, Os onicóÍorosvivememlocaisúmidos.Suacutícula,doladade poucâ quitina,nãoé imperÍneávelcomoa dosaÍtÍópodos.Nosperíodossecosos animaisvivemêscondidosem buracosna terraou sob troncospodresê As semelhançasentreonicóforosê anêlídeosaparecemna oÍganiza- Çãomusculaí,emcamadassoba p€le,nosislemaexcrêtorconstiluídopof nelrÍdiose na esÍuluradosóÍgãosíeprodutivos.As semelhançascomos anrópodossão o sistemaciÍculatóíioabeftoe o sislêmârespiratóÍiolra- queal.(Fig.Q15.1-1) FigurdOl5.l-l Oe onicóÍorosopresenlomcorccte- rhlicosqueos oproxímomton|odo5onelideoscono dosortópodos. !ilo 247
  • 6. 15.3Aspectosanatômicose fisiológicosdosartrópodos Sistemamuscular A nusculaturadosaúrópodosébastantede senvolvida;a partecomeÍíveldocamarão,por exemplo,é constituídaprincipalmentepormús Os múscuÌossefixan na paíe internado exoesqueleÌoetuncionamemantagonismo.É a atuaçãodemúscuÌosanlagônicos,conjusadaao exoesqueÌetoúgido, quepeÌmìteagrândevarie- dadee eficiênciâdosÌnovimentosdosaÍrópo- dos.(Fig.15.7) Figuro15.7 O$insetosvôongroçGô múkulosonld- gônÌcossituodddênhodo lórox,quelhêspermiiem boierosososmilhoresdewes porsesundo. Sistemadigestivo O sistemâdigestivodosaÌrrópodosé com- pÌeto.A bocasituâ-seemposiçãovenhale,em tono dela.existemapêndicesqueauxiliamaa1i- mentação.Osapêndicesbucaisvanamnasd;ver sasespéciesdeacordocomo tipodealimentâ ção.(Fìs.15.8) 244 @ Figuro15.8 Dirersidodedosoporelhosbucoisdeinse- r,os.lAl aporehô lÒmbêdorsugodorde borboleto, odadodôo lomb€resusorônêctordosÍlores.lBlApo- rêlhomostÌgodorsugodordeÒbelhomelifera,odopto' doionlod mosligqçôoemonipuoçõôdecètuquôntoô sucçõode nércrordosflores.lc) Aporelhopicodorsu- sodordepercdêio,odopbdoò perÍuroçôodopeledo hospedeióe sucçôodefluidoscoryorois.
  • 7. A digestãodosartÌópodosé extracelulâr. Asenzimasqueatuamnacâvidâdeintestinalsão seüetadaspela parededo tubo digesnvoe por órgáosanexos.o hepatopâncÌease os €ecos gástricos. Osnutrientessãoabso idospelascélulâsda paÌedeinrestinaÌe aÌingemo sangue.deondese distribüempeÌocorpo.Restosdealimentosnão- digeÌidossãoeiiminadospeÌoânus. Sistemacirculatório OsartrópodosaprêsêntamsistenÌaciÍculató rio dotipo âbeío oulacunâr.Háumcoraçãotu bular,localizadoemposiçãodorsaÌ,quebombeia o sangue,ouhemolinfa,a1Ìâvésdâsariérias.Es- rasseabrememespaçosentÌ€ostecidos,ashe- moceÌasou lâcunâssângúneâs.DâsÌacunasa hemolinfarctomaâocoraçãoatÍavésdasveias. Algunsìnsetospossuem,aindâ,corações scessoriosqueajudama bombearâ hemoÜoÍ" pâÌaosvâsosdasextemidadesdo coÍpo,pârti- culaÌmentepsraâsasas. A funçãodaheÍnoÌjnfâvarìânosúfeÌentes aÌtrópodos.Nos crustáceos,por exempÌo,aléÌn de transpoúaÌnutrientôse excreçõescelulares, elapossuipigmeútosÌespìrâiódosquetranspor- lamga.e..Janosin"ero..d hemolinÍarrunpoÍÍ, Jpenasnulrienleee(cíeçoes.osga.escirculan por umaredesepaÌadr.queticaemcomunica Sistemarespirâtório O 'r'temd Íesprratorioarjt n^qdiferenre. grupo. de anÍopodo'. relìeündoa udâprdçãodo. drlerenÌe'âmbienre'.tr5remúè riposdesile- mr respiÌaiório nos âÌÌÍópodos: J' brânquiâ|. adâprâdoà re'pirdçãoern meio líquido, present€nos crustáceôsi b) trâqueâI, adaptâdo à Íespiração aérea, preìenreno5 inseros.quilópodos.úplcjpodose em algunsaracnídeos; c | ffÌolraqueâ|. adaphdoà recpiracioaéìer. presentenos arâcnídeos. Respj'4iobrmquial O. cÍu'raceosre.pi'.m Jrâve' de brán- quias. drgào' re.pir.rnrios :Ìddplddo' ao meio aquálico.qs branquia'ào errurrúdfilamenro sd.. deücadase dlamenre irÍigddâsde 'angue. que seprojetaÌnda superfíciede certâsregiões A circuÌâçãode águaentrcos fiÌamentos bÌanqüaispermitequeo gásoxigêniodissoÌvi- do naáguadifundâ-separao sangue.O gáscâÌ- bônicopÌesentenosângue,porsuavez,difunde' separaaaguââoÌedor, Respnrìçiondqueal os insetos.osquilópodos,osdiplópodos.ê1 gunscanaparose aÌgumasâÌanhasrespirampor meiodetrâquéiâs.EsÌassãotubosranìificados. cujâsextremidadesâtingen'ÌpÌaticâmentetodas aspâíesdo organismo.O sistemâtrâquealse comunicâcom o aÌ âtmosféricoâtrâvésde mi- núsculasâbêÍurâsouporosexistentesnâsuper- fície docorpo,osespiráculos. Retr!çãollì01Ìrì(rÈaÌ Muitos ârâcnídeosapresentamestÌutníâs respiratóriasdenominadaspulmõesfoìiáceos, locúzadosno interiordo abdoÌnee emcomu nìcâçãocom o exterioratravésdeumapequena os pulmõesfoliáceossãoformadospor ìâminasdetecidoaltamenteiÌrigadopor capila- ressangüíneos.O aÍ atmosfédcoquepenetra pela âbertuÍarespiÌatóriacircüÌâ entreaslâmi- nas,oJ(igenândoa hemoÌinfâe delâÍecebendo gáscarbônico. Sistemaexcretor O sistemaexcretorvariaDosdiferentesgrü posdeartÌópodosepodeserclassificadoemtrês tipospdncìpars: a) glândulas antenais (oü elânduÌas ver- des),presentesnosüustáceos; b) túbulos deMalpighi, presentesnosinse- tose emâÌgunsaÌacnídeos; c)glândulâscoxâi6,pÌesentesnosaracúdeos" CÌânduÌdsantonuis A excreçãodos crustáceosestáâ caÌgo de um paf deglândulasantenais.{âmbémconhe- cidaspor glânduÌas v€Ìdes.As glândulasver- desfiltram a hemoÌìn1ãe deÌâÌemovemasex creções,eliminando-âsatrâvésde um poro ex- crctoÍqrÌeseabÍeDabâsealâânlenâ. 249
  • 8. lìibLro.1ÈÍrlrl.gh Ostúbulos de Mâlpighi. presenteseminse- tos e em aÌgunsâracnídeos.sãolubosfinos que paíc'Ì da região mediana do inlestino e ficam meÌguÌhadosnr hemocela,em contato direto comâhemolinfa.OsúbuÌos deMalpighi filrrâm â hemolinfâe delareÌnoven âs excreções.con duzindo-asâo intestino,de ondeserãoeÌiminâ dasluntamentecom as1èzcs. @ (ìiinrLìlrr!rìrs As glânduÌascoxaissãoórgãosexcretores típicosdosamcnídeos.Essasg]ândulasselocali- zâmno cefàÌotórâxe seabrempaÍao exterìor atÌavésdeporoslocâÌizadosjuntoàbasedaspa- As glândulascoxâissãoluncionalmenrê equìvâlentesàsglândulasanrenâisdoscÌuÍá ceos.(Fie.15.9) Porc9ênildl Fìsuío15.9 AnolomiodëtrêsÌepresentônrêsdoÍiloArihropodô.(Aj Crusráceo.(B)Inseio.lC)Arocnídeo. 250
  • 9. Sistemasnervosoe sensorial O sistemaneÌvosodosartrópodoséforÌnâ- doporumgângliocerebrâlligadoaumacadeia Íervos ventral. O gângliocerebÍal,localizado na cabeça,resultada tusãode vários gânglios menoreseseügaaLÌmacâdeiânervosâqueper- colreventralmenteo corpo.Do gângliocerebral edâcadeìanervosapaÍtemneÌvosqueconectam o sistemane osoaosmúscuÌose àsesfuturas O sistemas€nsoriâldosaÍÍdpodosémuito desenvoÌvido.Háestrunrmssensoriatsespeciâlì- zadasnacaptaçãodeestímúosmecânicos(tato), químicos(oÌfâtoe pâladd), sonorcs(audição)e lumìnosos(visão). Tat0 O sentidodotaronosartÍópodosestáa car- godepêlostáteis, presentesemdiversaspaÍes docorpo,princìpalmentenâsantenas.Essespê- los estãoligadosâ neflos queÌevamassensâ- çõesdetoqìreaosistemânervosocentral. 0lf,ìloepalôdar OsartrópodostêmolfâtoepaÌadardesenvol vidos e sãocapazesde detectaÌe discriminar quantidadesmínimasde substânciasquímicas êmsuspensãonaág!â ouno ar.Issopemìte Ìo- câlizâÌ fontes de alimentoe discÍiminar o âm- bientepeÌocheirooupeÌogosto. MlritosârtÌópodossáocapazesdesecomuni- caÌ atrâvésdaemissãodesubstânciasodoríferas denoÍúnâdasferomônios.Emcertasespéciesde maÌiposasio machoé capazdedelectaro cheira dalèmeaa qujlómeÌÍosdedislancìa.gúandos€ atéela pelo râstÍoquíÍnicode seusferomôúios. Oscienüsla'acrediÌânquein'eLossociaiscom{' asabelhase{ormigâcrecoúecemosmembrc'de suacoÌôniâpormeiodoolfato. Audìqão o. âírópodoçsàocaparesdeper.eber.on. poÍ meiode pelo.especiai(.di.ÍibuÍdo'pelo corpo.Esse'pelo.crplamondâ''onoradecer- raslreqüéncias.derecrJndoon' produ/idorpe la. prera".porinimigo'ou porindìrduosdo sexooposto.(Fig.15.10) Fisuro15.10Ospêlossensoídisdo,odrópodossõo copozsde@pirrcheirc!evìhroções.A obundôncio dêÉlosnosonlênosdeíemochodepemilonso,pôr exemplo,|omo-oênrêíndmenlesensÍElòcoplôçõodos zomhidosprcduzidospeloboterdosososdosÍêmeos. Muitos inseÌospossuemórgãosâuditivos constituídosporumamembÌanaesticada,o tím- pano,quevibÌa emrespostaacenâsfÍeqüências sonoras.A vibraçáodo tímpanoestimuÌaceÌlos nervos,qüeaÌertamo sistemanervosocentrâI. tÌo Os âÍtrópodospercebemestímuloslumino- sospormeiodetrêstiposdeórgãosvisuais:oce- los,olhossimplese olhoscompostos. Osocelosdetectamâìntensidadee a dneção daluz, Írâs nãosãocapazesde forrnârimagens. EstãopÌesentesemcertoscrustáceosenos;nselos. OsaÌacnídeospossuemdecincoaoitoolhos simples,dotadosdecristalinoe capazesdefoÍ' mâÌimagens,A precisãocomqueceÌ1âsaranbas captu.amsuâspÌesâsÌevelaumaguçadosentido devisão. os olhos compostossãofoÍmadospor mi- lharesdeunidadesvisuâìsdenomìnadasomâtí- tlios, cadâumdotadodecómeae cristalinopró- prios.Acreditâ-sequecâdaomaídio capteâima- gemdeumapaÌtedacenaobseÌvâdaeatransmi- ta âo sìstemanervoso,quecompõeasitrÌagens paÌciâisde modoa produziÌumâimagemtotal bemdefinida. O oÌho compostodeum insetotemâltaca- pacidâdedepercebermovimentos.Experiências demonstrâÌamqueo oÌho deum msetoé câpaz dedetectaÌmaisde300lampejosÌuminosospoÍ segundo.enqüanroo olho bumanodetecrâ.no máximo.50.OsinserosÉm excelenÌevisàodas corese mútos podem:enxergarradiaçãoultra- vioÌetâ,inúsívelaosnossosolhosr(Fig.15.11) z ã 251
  • 10. Figurol5.l l O olhôcomposiodosqrlró podo5éformodopormihore5de!nidod* 15.4Principaisgrupos deartrópodos Crustáceos Os crustíceosâpÌeseÌtâmâs seguintesca a) corpodividido em cefalotóraxe âbdoÌnei b) doisparesde.Ìnlcnâsl c) rpêndicesÌocoÌnotorcsno cefaÌotóraxÈ Hrìri1ÍúhíLituì A nâìoriâ doscrustáccosvive eÌnambientes aquáticos,mariúos ou dc águadoce.Existem poucN especresrenesrres. Há crusláceossésseìscomo as ctacrs, pc't exemp1o,.Ìuevivenìfixasa rochâs.conchas,nâ deiÍr e diversosoutrossubstrarossubÌnersos.Já os siris.canrârõcse lâgostrìscâninhâmno fuÌd{) mãinho. e âìgülnâsespéciesviven enì locason pâÌcìaÌüìenteenlenêdasno lodoou naareia. IIá carangueÍrscapâzcsdccrÍegar águanas câmârâsbrênquiiis,o quc lhcspcnÌite supoúar longospeíodos forâ dâ ígua. CrustáccostelÌes- tresconroostatuzinhosde jardim viveìì âpenas em anrbientesde alta umidade.escondidossob peúas ou lÍoncosapodrecidos.(Fis. 15.12) Os hábitosâlimentaresvaÌiamentreoscrüs táceos.As crâcas,pof erenpÌo. sãoaDjììaisfil tÍadores.alinrentmdo'sede paÍículas ìetirrdàs da água.CertoscrustíceossãoheÍbivoros.aìì = I , -: figúrd 15.12Divenidodedêcrlsió. cec. (a) corcngueÌomorlnho.(B) Coúorõoqueviveènkeosrenúc!os dewq qnêmono-do-mqr.(C)Losos io. (D)crccos (vistosdê cimo).(Eì Toluzinho-de-iordim,!m dôspoucos 252
  • 11. mentândosede a1gas.Outrossãocarnívoros. âÌìÍrentandosedeênimaisvivos ou decadáve- res.Oscamarões.porexemplo,alimentam-sede detritosorgânicosemgeÌa1. IÍìpoÍincircroÌóSi0r0coonômic! Os crusiáceosnicÌoscópicos.denominados genericâÌnentemicrocrustáceos,sãoosorganis- mosmâisâbundântesdo pÌânctonmarinho.O plânctoné âcomunidadedeseresflutuantespÌe- senÌenosmâÌ€senosgrandeslagos,econsrituia baseâlimentârdamajorpaÍe dalaunaaquática. Crustáceoscomooscamarões,sìrise lagos- tâssãoaltamenÌeapreciâdoscomoâlimento,sen' doconsumidosemtodoo mundo.(Fig.ls.13) Âpendioes(oÍícicoi O tórâxdocamâÌãoe deváriosoutroscrus, táceosé íormadopelafusãodeoito segmentos. OstÌêsprimeirospossuem,cadâum, urnpaÌ de apêndicesdenominadosmaxilípedeslcomoo nomeindicâ,essesapêndicessão"patasma{ila- res",cujafünçãoé manipülâÌo aliúento,pas- sândoopaÌaasmâxilasemândíbulas.Osourros cincoapêndicesdotúax possuem.cadaum.um par depereiópodos.Ospereiópodossãoaspa- taspropriamenteditas,âdâptadasparacaminhaÌ nosfundossubmercos. rpandicesabdonimj O abdomedo cammãoé formadopor seis segmeÍltosdistintostambémnâfâseâdulta.Cada üm doscinco pÌimeiros segmentosabdominais âpresêntaum pâr de âpêndicesdenominados pleópodos,âdâptâdospamnâdare caminhaÌ.O último segÌÌentoabdominâlcontémuln par de apêndicesachatâdos,osurópodos,que,junta- mentecornulnapeçêdenoÌninadatelson.foÍnam umacâudausadaparanâdâr.(Fig.15.14) A reproduçãodoscrustáceos A maioia doscrüstáceosé dióica.Osrna chosusâmapêndicesespecìaÌizadospâra tlânslèrìÌseusespermatozóidespâÌâosrecep tácülossêminâisdâfêmea,ondeelesficamar- Figurc15.13 Osou3 toceoslêmimpôdôncio econômicocon,ideró- vel. Lososidsê como- lõessdoo Ìmenloslor gomenleqpreciodos, oiingindoqhosprcços O câmârão,um exemplod€crustáceo A câbeçae o tórar de um camarãoadulto estãofundidôs,formândoo cefalotôax. Na fase embrìonáÌiâ,porém, cabeçae tórax sãoclâra menledistintos. Apêndicescerílicos A cabeçado camarâoé formâdapoÌ seis segmentos.O primeirodelesnãopossuiapên- diccse osdemaispossuemum pardeapêndi- cescâda.O segundoeo terceirosegmentopos- suemicadaum. um par de antetras,quede- sempenhâmfunçõesnoequilíbio, noÌaÌoe no paladar.No quartosegÌnenÌo,osapêndicessão umpardemândíbulasfortes,usadasnamas- tigâçãoe natritumçãodoalimenlo.O quìnloe o sexrosegmenroapresenÌam,cadaum.umpar demaxilasquemânipulâmo alimentoe o en- caminhâmparaÂboca.' Figuro15.14 Anoicmiodtemo de umcomdrõo.A moioriodo5crustoceostêm.orpodivididoemceÍolo- lórcxe obdomeedoÌspor* dêontenqs. 253 Ë -aPêndic6 Iobdominois efolôìôúcicG (plópodod
  • 12. lCyd"p"l {lõsosro) Zo@ {corcnsuelol Fisuro15.15A moioriqdoscruslóceosapresentodêsenvovimêntioindndô,cômvôriosÍoseslo*ois.No dese" nho,tês tlposdelovosdecrustÕceo. Osóvulossãoelinìinadosparaforadocorpo e ficaln adeÌidosao abdomepor meio de ulna espéciede coÌâ. onde os espeflnatozóides aÌma- zenadosos tècundâÌn.A fecundâçãoé, poltan- Enl aÌgunìasespécìesdecÌustáceos.os ovos se desenvolvem diretamente eln fbrmâs jovens. semeÌhantesaospâis(desenvolvimentodireto). Em oulIâsespécies,osjovenspassnnpor um ou mâisestágioslrÌvâis (desenvolüm€nto indire- io). (Fig.Ì5.15) Aracnídeos Os amcnídeosìpresenÌamâsscguintesc,ì â)corpodivìdidoemcefaLotóÌaxeabdome. b)qüelíceÍâsepedipalposl c) ausêncirdeântenas: d) quarroparesdepatas.(Fig.I5.16) HxblÌrrehlh (tr Os âÌâcnídeossãoâniìnaìsterÌestres.Ara- nhâshâbitânmâtas,pântanos,desertose casas. = - a 2 'a -2 Í Figurdl5.ló Osorccnideôssõoonimôkiipico menleleÍeslrès.Hócercodeó0 milespécÌes,dos quôÈos reprêsenlonresmoÈcomlnssõoèscor prões{a), opiiõe5(B),oronhos(c), coroporo5 (Dìeócoros(El. 254
  • 13. Muitasespéciesvivem no solo,entlerochasou emburacos:outrasvivememteiasqueeÌasmes- masconstroem.Escorpiõessãocomunsem re- giõesdeséÍicas.passandoo dia escondidosem tocase saindoà noite pffa caçâÍpequenosani. mais.geÌalmenteinsetos. AlgumasâÌânhâse osescor?iõessãotemi dosporqueprodüzernvenenosmu;topoderosos. AsâÌânhâsinjetamo venenonapresaatravésdâs qìeÌíceÍâs,enquântoosescor?iõesutilizamum âguiÌhãocaüdâl.(Fig.15.17) fiandeiÍas.estrutuÍâsonde desembocamas glândulasprodutorasdesedaparaa confecção dateia.(Fis. 15.18) P t ã Figüro15.18Anoiomioqtemodeumoorcnho. A repÌodução dosarac d€os Os aÍacnídeossãodióicos. Nasaranhas.o machosexuaÌmentemâduÌofabricaumsaquinho deseda,ondedepositâespermatozóides.Ao en- conÌIarumalêmeaadultê,eleinroduz osesper- matozóidesno poro genitalfeminino comauxí LiodosseüspedipâÌpos. A fecüdação éint€rna eosovossãocoÌo- cadosdentrode um casulode sedâtecidopeÌa fêÌÌeâ,o ovissâco.Algumasespeciesdeârânhas caregâmconsrgoo seuovrssâco,enquamoou- trasprendemno nâteiaou eÍnrâmosdeiírvore próximosà süâhâbitação. Dosovoseclodempequenasarânhas,seme- Ìhantesaospais (des€nvolvimentodir€to). ComooutrosaÍrópodos,aâranhasofresucessì- vasmudâsdurantesuâvìdâ.(Fis. I5.I9) tigurc 15.17Copodêun mÒnuoldeoriènioçõôprê porodôpelolnsliiúloBuion6deSõoPoulosobrepre- vençõoe lroldmêni. de ocidenlìês.om ônÌópodosve- A arânhâ, um exemplo de ârâcnídeo As âranhasapresentâmo cefalotúax Ìigado ao abdome poÌ rneio de umâ finâ 'tinturâ". Na região ânierior do cefaÌotóÍâx exisÌem gerâÌmen- Ìe entrecinco e oito olhos simples,um pâÍ de queÌícerâsâfilâdâse um pâÌ depedipalpos. As quelícerassãoutilizadaspara;njetd rm venenoqueparalisââ vítirìâ. Em seguidââ Íâ nhaelimina,pelâboca,sücosdigestìvosprodü- zidos pelâs glândulâssdivâres, que penetrân peÌos feri.nentos provocrìdos pelas quelíceÌàs e digerempdcialnente ostecìdos.Os pedipâlpos âjudaìÌ a espremer a presa e também atuam comoórgãosgustativos.peÌcebendoo sâbordos As arânhas,como os outro$ a.âcnídeos, possuemquâr.o pâÍesde pâ1âsno ceiâlotórâx. Nâ extremìdade do âbdome localizam-se âs a J Figurc15.19 Fême deumoespé.iêdêoronhôquê corcgoêcuidddodisso@(sococomosovos).Após o noscimenlo/os Íilhoiêsvivemdurcnlecedolempo ebre o corpodo môe.Essêcuidodocomo p@leso- ron|eoho|oxo de sobsìvên.io do$filholos.
  • 14. UADROÌ 5.2 QunucnrulosuurNHos:Lnttll-tls O sulrÍiloCheicerâtaapresenlauínâc asse,Merostomata,culosfe- presenlanlesv vemno ambienler.afinho.A c asseMêÍostomatareúne apenâscincoespécesdeuínúnicogênefo:lrmrlrs,o caranguejojeÍfadu- ra.Apesardeseuaspêclolembrarurrìcarangueloos ínìulosnáosãocrus- lècêosÌas pàíêÍê< pÍoi-ìosdêsardrrd,. êqcorpòeì. O cefalotóÍaxdo íÍnuloé proÌegdo por umafortecarapaçaconvexa êmfofmadefefraduÍa,ondêháumpardeolhoscompostosgrandese dois O aodorêlÊÍnÍo r d lrdrgudre sêurseg-e'rloccáo r1doo>T SJd necdoporuÍÌìacarapaçaÍorte,comespnhosnìóves nâsbordasO útimo segmenloabdomifale móvele pontagudo,eínformadêbâionela. Linuluspoiyphemushabta aságuasda cosìaatâniicada Aínericado No e aléo México,e medeentre20e 30cnì inclindoa baonelâcauda. Viveserai-enteíadonaareiâe nalarnadâspralas,cavandoparaêncontfaí bivalvese vermespolquetos,seuspfincipas alrnentos. Naepocade feprodução,osmâcfìosde Llmulussobenìnascoslasdas Íêmease ambose inìinamseusgameiasnaáguado mar,ondeocorrêa fecundaaão.Osovossedesenvolvememumalarvaachaiada,deabdorne segmênladoe seÍncauda.Depos dêdÌversasmudâs,aslarvasadqurenì o aspeciolípicodosadultos.(Fig.O15.21) FiguroQl5.2-l LinuluspaVphenus,enbarcchomodocoronsueioÍenodlrÕ,nõoé umc.usrôceomasum quelicêrodô.A qplkoçõo poroo semehonçÕonorômlco.om oscarons,ueiosé qle ambosvtvemno mare exporomo mesmôlipodeombìenlê,iendosôkidôddopto.õèssêmelhonies.Têsieshioquímìcosiombémmos tromorofdessemelhorco5ènireoslímulôse osoutrosorocnídeos z5t)
  • 15. Insetos Os inselosapresenramas segujntescamcre a)coryodìridicloerÌ câbÈça.Ìórar erbdolÌe; Dl nìÌ par de rDÌenasi c) Ìfêsp!ìfesde pausi d) urÌÌ ou dojs p as de xsas(a rna;oía)ì al- guÌnasespéciessãoápleras. isto é. sem asãs. (Fig.15.201 J í E Figurc15.20 Rêpresenlontesdê ln sêlos.A .lose Insecroeúnê qlosè um milhõode espécÌes,o dôbrodô númêrode iodososouhosêspécies conhêcidos.(A)Borbole|o(BlLìbélu ro.(c)Moriposo.{DlBoroio.(E)Pll HaÌrÌrtÈhihrL' Os inseLos,como os râ.nídcos. csLãoâdrp- Ìadosao ânrbientctc.rcslrcc liveìì bcm .ì1óclÌ regnicsdcsóìticâs.Há. pornnr,diversascspócics cnjasl.ìrvâsc mcsmoos rìduÌlos!ilcnì nâ águâ doce.Os ìüsctG só nãosnoâbundântcsno lnaÌ: sãoconhec aspoucasespéciesde insetosmaí nhos.enüe elasdestacando-seaÌgunsbesouÌos quelivenì nft prnias r'ìâszonasdâsnarés. DL: . in'poírnte. .,uc en5ncr.cor.Fìburrirr. pür queos insetosconcÌuistassemo ambienteler- reslÌe: a presençade um exoesqueÌetoimpeÍneá- !cl, âcuículâ, e aexistêncìadexln elìcientesiste ììr pâriì tÍocasgâsosâsconì o ü, astrâquéiâs. OsiúselossãoosúnìcosiìnimâìsinreÍÌÈbÌà d.* c.p.,/e.d( or. Su:'.J,1. .,o<prn.or.Ll- superlícìecorpofêÌ(epiderìree cutíclÌla).ques€ I ro! In<ìr.,mcmìJ a.r:,,,do'.nJ.cLrlo,oeo. localizadosdenÌrodo L(írrx. 257
  • 16. |ìpoInì,1.f. óiriiir 0|01ìiìnrrì Os inletos têm grandeimpoÌtânciâecológi- cx conn)elos fundÂmeììtaìsem cadeia!aÜmenta rcs.Pássanrs.mamíferos.peìxes,anfíbioseÉpteisú- mentârn-sedeinsetos.As larías dedeterminadosìn- seix aÌimenÌam-se de cadáveÌes de aninâis e de pÌantas,contÌibuindopâÌaaÌecicÌagemdenurÍientes. CeÍas espéciesde insetossãoprâgâse cau- samenormesprejxízosàpecuúia Èà Ìâvoura.A Ìnoscado bene, por exempÌo,colocâserìsovos sobapeÌe do gâdobovino,ondeâsÌârvâssede- senvoÌvem,câusândoÍèndâsdolorosàs,quelrc qüentemÈnteinfeccionrm.Asmoscâsdâs frulâs coÌocâmovosem váriostiposdeírüto.caüsândo grândesprcjuízoseconômicos. Mosquiios sug^doresde sangue,piolhos, pulgas e oütros insetos podeìn transìnitìr doenças ao homcrn e a aninâis domósticos. Mâlári{, febre âìn.ìrclae tìÌariosc são rÌguns ôxemplosde docnçâstransmìtidâspor Ìnosqui to!. As ììoscrs n.ìnsìitem víÌus c brctódrs causadoresde discnterìas.Os bafbcircs tmDs mitem a doençade Chagâsjc aspulgassãove tores da pestebubônica. MuÌÌosìnseÌossãoúteisaohoÌnenÌ.As abe- Ìhas,vespas,besourose outrosinsetossãoagen- tespoÌinìzadoresde plantâsculÌivadâspeÌoho- mem. As âbeÌhassãoresporsáveispeÌaprodu- ção de Ìnel. um ìmpoíânte alimentoparaa hu m,ìnidrde.A âtÌvidadedaslagârtâsdo bicho-dâ sedâlomecclììlhões dc toneladâsânuâisdesÈdâ usâdânâ confccçãodc roupas.Cerlâsespécics dejornnrha concm pulsõesquecâusânìprcjuí zosà lavoum.(Fig.15.21) : = J g - Figoro15.21 mportôncioeconômicqdosiôseìos.(A)Colmélode obelhos,queproduzme, prôpois,cerc, pólenêk. (B).{c) c6o demoÍipososdo sêdoEombixmori(mochopinrododeozu).(Dìcosulosde L non, c!ÌoenvohórÌoé.oisiiruÍdoporumlonsofio desedo,produzidoe enrolodopelooruo.IEJioontnhoscomem pllsõesde plonlosê vêmsendoempresodospororeduziro op koçôode inseikidosóxico5 (FltoNosde borboets e moripososcousompreiuÍzosèlovourc.lG)Godoqtocodoporbeme(nódulôsnÕpêleìBernêssoo lorvm do moro Hypodermobovn(H). 254
  • 17. O gâfânhoto,um €xemplodeinseto A cabeçadeümgâfanhoto,comoa dosde- maisinsetos,resultadâfusãodeseissegmentos. NeÌaselocâljzamumpârdeantenas,um parde oÌhoscômpostose trêsocelos.Na parteinje.ìor dâcabeçaÌocalizam-seaspe{asbucâis(mandí buÌâs,mâxilâsetc.).adaptadasparâaingestãode aÌimentosólido. O tóra{ é formadopor tÍêssegmentos!cada qüalcomumpaÌdepatâsâÌticuÌâdâs.No segììn- do e noterceìÌosegmentotoÌácjco.dependendo da espéciede inseto,podemestarpÌ€sentesas asas,emnúmerodeumoudoispares. O âbdomecompõesede onzesegmentos não-fundidose semapêndices.É possívelnotar, naÌat€râlinferior dossegmentosabdominais,as pequenâsabeÌturâsdo aparelhorespiratórìo,os êspiÍáculos.Oúltimo segmentoéadâptadopâÌa asfunçõesreprodutivas.(Fig.15.22) A reproduçãodosinsetos Osinsetossãodióicos.Durantea cópülâ,o machointÍoduzopênisnavaginâdafêrneâ,onde eÌiminaosespeÍmatozóides.EsÌespâssampaÌâ umrcservatóriodenominadoesp€rmatecâ,onde ficamtemporaÍiamentearmazenados. Osólulos pÍoduzidosnosovâios câminham p€Ìosovidutose,aopâssarpeÌaespermateca,são fecundados.A fecundâçãoé,poÍanto, internâ. Em següida,ocoíe a postuÌadosovos.Em al- gunsinsetos,â poÍçãoterminâl do âbdomeda fêmeaformâumapÍojeçãochamadaovopositor, queperfurâo soÌo,frurasouinesmooutrosani- mâìspârâapostüÌadosovos.(Fig.15.23) Figuíq15.22Ànotìômioêxte.nodê um gofonhoio,reprèsênlonlêdo F;surot5.23 Acimo,dee- nhoesqu€môti@do sktemo rêProdurorde insetos.Ao lodo,ò êsquêdo,iooninhqs emcópulo.Nolêd dihrênço morÍolosicoÍdimorÍismosê- xuollentrcmochoe bme. À direìro,iooninhopondo ovos$h@ umobthq. 259
  • 18. uaDRo15.3 Asonnnlsnnnqsrros : I = s : A c asseInseclaé subdivdidaemdiversasordens.dasquâs asrnaisconhecdassão: OrdemThysânurâ(cercade 500 espéciês): seÍnasas,coÍnuÍn par de antenâslongase tÍês longas"caudâs"(ceÌcoscaudas). Ex.:tÍâçados livros,queseallínêntadacoÌausâdanaericader OrdeÍnOdonatâ(cercade 5 nìllespécies): doispaÍesde asasf nase tÍansparenlese othos bastanlegfandes.Predadorêsdê olrtrosinsetos Narasejovem(ninÍa)vivenaágua.Ex.:ìbéluas. OrdemOrthoptera(cefcade11milespéces): a mâoÍiacomdos pâresdêasas,sendoo paran teÍoÍ menore raaisrígidodoqueo posteriorAlgu ínâsespéciessão heÒivorase outÍas,onivoras (alimentaçãovaíiada).Ex.:galanholos,gf os e OídemHemyptera(cercade 50 m espéces): a ma oriâcom do s pafêsde asas,sêndoo paÍ an- ieror maisrígidona basee membÍanosona extíe- midadê.São paÌasilasexternosde animas e plan- ias. Ex.: peÍcêvejose bârberos, estes úli mos iransmssoresda doençade Chagas. Ordenì Homoptera (cerca de 25 Íni espécìes): d na onã con doisp.'es dê èsase a guïìa( êspê- ciessem asas (ápteras).Almentam se de sejvavê- gêlal, parasiÌandoplantas.Ex.i pulgõese ciqarras.
  • 19. O'dêrÍ Lêpidoptêra (cer.ê de 105 nr êcpé- cies): dois paÍes dê gÍandes asas membranosas. As laÍvas, popularmenieconhecdas como talura nas ou mandofovás,sáo herbívorase muilo voÍa zes, Os adultosalimenlamse do néclarde ÍoÍes, OÍdemDiptêra(ceícade95milespécies):um parde asasdesenvolvidas,Íinase transparenles, correspondentesao paranteTioriasasposierores modiflcadas,qr.reaÌuamcomoórgãosdêequllíbrio (balancns). A alinìeniaçãovara com a especie. Ex.:moscase rnosquilos. Ordem Siphonaptêra (cercade 1.200espé- cies):sem asas. PeÌnasposieÍioÍeslongase adap- ladas para salìar. Allmentam-sede sangue de avese mamíÍeros.Ex.:pu gas. = : OrdemColeoptera(cercâde 400 mil espé- ciês):doispaÍesde âsas;as poslerioÍesÍinase membranosas,alojadassob âs asasant€riores (élitros),convexase dufas.A alimenlaçáovariade acordocorna espéciê;joaninhas,por exêmplo, são pÍedadorasde ouìrosinsêtos;certosescara vehosalimentamse de esterco.Ex.:besourose OÍdemHymenoptera(cercade 200 mil es- péces):algumasespéciescomdoispâresdeasas Íinase membíanosas,outrâssenìasas.Algumas espécescomaltograudeorganizâçãosocÌal.Ex-: abêlhas,vespas,Íormigase cupins. 261
  • 20. fipos d€d€senvolvimeìrto DesenvohinentodiÈ10eindiÍelo EmceÍas espéciesdeìnsetos,doovoemer- ge um indivíduomuitosemeÌhanteâo aduÌto; fala-se,nessecaso,eÍn d€senvolvimentodire- to. Em oütrosinsêtos,o indivíduo queemerge doovodifereâcentuâdâmentêdoâdìÌÌto;faÌâ-se, então,emdesenvolüm€ntoindireto. AÍìstáboìor:ìnsetosserÌìÌncLinoose Os insetosque âprcsentâmdesenvolÌi- mentodireto sãodenominadosametábolos (do gregoa, negação,e Deúaòole,transfor maÌ).O termo"ametábolo"Ìessaltao fato de nãohavergÍândestÍânsfoÍmâçõesduranteo desenvolvimentodo inseto,uma vez que a foÍmâjovemjá seassemelhaao adulto.sen do âpenêsmenor.Jáos insetosqueapÌesen tamdesenvolvimentoindiÍetosãodenomina- dos metábolos,uma vez que o jovem passa portransformaçõesduranteo desenvolvimen- to atéatingira formaadulta. Os insetosmetáboÌossãoclâssìficâdosern hemim€tábolose holometábolos,de âcordo com o Ìipo de hansformaçãoque sofrem pâra aúngiÌ afâseâdulta. HeÌÌììnìetíboÌos:ìnsetoscommetnmodoseincomphla NosinsetoshemimetáboÌos(dogregonemr, metade).asfoÍmasjovensjá têrnâlgurnâseme lhançacomo adulto.A câdâÍnúda.a selnelhan- çatoma-semaior.As Íàsespelasquaispassaum insetohemimetábolosãodenominadasninfâs. Umâ vez que as mudânçaspa.a a fase aduÌta ocoÍÍemgaduaìmente,o processoé denominâ- dometâmorfosehcompletâ ou$âduaÌ. H.loìcLáboÌ(Á:inselos0oIÌmeÌamorlosecompìera NosinsetoshoÌometábolos(dogÌegoãoios, totâl),o indivíduoquee€lodedo ovoé uÌnpe quenoserveÍmiforme,de corposegmentâdo, qÌrepodeou naoter patas,e quenãotemolbos nemasâs.Estâfasevermiforme,châmâdâlarva, passapor sucessivasmudas,âtésôimobilizar, transfoÍmando-seemÌrÌnapupa oücrisáida. A pupasofreprofundâsmudançasiosteci- dos larvais sãodestruídose novostecidos.câ- racteústÌcosdo aduÌto,sãofornados. A fasede pupâreplesenta.assim,o momentocruciaÌda trânsfoÌmaçãodalãvâ eÌnadulto.UmâvezfoÌ- mado,o aduÌtorompeacutícúapupaleemerge. nãosoftendomaisnenhumamuda. A trânsformaçãode larva em adulto,fenô- mônoqueocorreâofinaldafasedepupâ,é de nominadametamoÌfosecompletâ.(Fig.15.24) tisuro 15.24 (A) De*nvolvimenbdìEio, èm melomoÍos. (B)De*nvolvimenloindireto,commetomoíosen- conrplerr;05Íohos ioBs s6oosnìnÍos.lcl DesenrclvimenroindiEic, commeromoÀsêcompleto;doovoeclode o loro que,opôssoÍíerumdiieminodonúmercdemudos,serronsÍormonopupo,deondeemerseo odulic. 262
  • 21. Insetossociais:abelhasm€líferas A ordemHymenopterareúnediversasespé' ciesdeinsetosqueapresentamaltíssimaoÌgâni- zaçãosociâl.Dentreelasdestaca-sea abelhâ Apismelrïeiá, muitoestudadâporsuaimportân ciânâproduçaodemel. As âbelhâsmeìíferasfolmam colôniasalta- menteoÍganizadâsdenominadascolméias.Nes- tâsexistemtrêsclassessociais,oucâstas:a rai- nha,oszangõeseâsoperáÌiâs.A raiúa éaúú- cafêmeafértil dacolméìâe suatunçãoé apos- turadosovos,dosquaisseoriginâmtodososin- divíduos.OszangõessãoÍnâchoscujâfunçãoé fecundararainha.As opeÌáÌiâssãofêmeâsesté- reiscujafunçãoéconstruiracolméiâeclridârde suamanutenção,fomecendoalimentoesegurân- çaatodososseusmoradores. A lâiúa, aosetomaÍ sexualrnentemadura, voâe seacasatanoâr comdiversoszangões,âr mâzenandoo espermâemsuaespermateca.A se guirÌe1omâàcolôniâecomeçaâp& ovosdentro decélulâshexagonaisdecela,consÌruídaspelas operáÌâsespe.ialmentepamessafinâlidade. A Ìaiúa podecolocâÌdoistiposdeovos.de- pendendodotamanhodâcélulâdeceÍâ:fecunda- dose não-fecundados.Osovosfecundâdoson- ginaÌnfêmeasdiplóides.Osovosnão-1ècundados desenvolvem-sepoÌ urnpÌocessodenominado pâ.tenogêúeseeonginamrnachoshâpÌóides. UmafêmeâseÍí operáriaou rainhadepen- dendoda quaÌìdadeda aljmentaçãoquerecebe nafaseÌarval.Laflas deoperíriase dezangões são alimentadaspÍincipalmentecom mel, en- quantoâslarvasqueoriginaÌãoasrÂiúas sãoali- mentadascom uma substânciarica em hoÍnô- nios,a geléiareal, produzidapelasoperáÍias adultas.(Fig.15.25) Quilópodose diplópodos Quilópodos Os quilópodos, cujos rcpresentantesmais conh€€idossãoascentopéiaselacralas,tèmumâ câbeçâpequena,ondeselocaÌizaumpardean- tenâs,e um tonco aÌongado,semdifeÍencìaçAo ênrretórâx e âbdome.O tíonco é formâdopoÌ üm númeÍode segmentosque variâ entre 15e 1?0,dependendodaespécie.Cadâsegmentotem umpmdepâtas. Diplópodos Os diplópodos, cujos representantesÌnais conhecidossãoospiolhos-de-cobÌa(embuás), vivememambientesÌímidos,genlmentenosolo deflorestas.sobfolhaseÌÍoncosemdecomposi- ção.Eles têm cabeçapequenâ,com um par de antenas.umtóÍaxcuÍo. lbrmadoporquatroseg- mentos,e umâbdomelongo,lbmado po.25 a 100segmentos.O segundo,o terceiroeo quârto segmentotorácicotêm,câdaum, umpârdepa- tas.CâdasegmentoabdominâÌé,naverdade,for- mâdopoÍ dois segmentosfundidos,âpresentân- dodoìsparesdepatas.(Fig.15.26) Figuro15.25 As ob€ lhqssõo insetossocioìs pêriêncenlêsò ordêm Hymênoprêro.(Al As- pêclìôgeroldõ .olméid. (B)Roìnholcenho)sendo cuidddopelosopeú os. {c)zonsõo(centrolenhê ôpêrórior.ÍDlDuosôpe-
  • 22. 5 : - Í Fig!rc 15.2ôlA)Loíoìo,reprêsenloniedoclosseChiôpodo.(B)Deiohedo.esiõoonteriordêumolocroioem vistololercl.{C)Piolho-dê'cobro,rcpresenl,ontedo clossêDipìopodo(D)Detohe do regÌôoonleriorde !m piolhodecobroemvisil lolerol. & Quoooo-*rruno anrnópooos Diagnosedos artrópodosAnimaìsdotadosdeêxoesqueleÌoquilinosoe apéndicêsarticuados. CoÍpometamezado,cornváriossegmentosÍundidos.Sirnelra bilateral.TÌiblásticos,celomados. OndeêncontraraÍtróoodos?Os anróoodosconsÌiluemo maor e maisdiversiÍcadof lo dê animais.Eslãopr€sênlesemtodososambientes,teÍêstrese aquáiicos,deáguadocee salga- da.A maiora dos aÍtrópodostem vidalivÍe,mashá dlversasespéciespaíaslas dê p aniase anìmais.Crustácêossão,emsuamaiorla,aquálicose vivemno mâÍ,er. riose lagos;exislem poucasêspéciosde crusláceosieÍrestÍes,comoo laÌuzinho-de-jâídim,que habiiaambientes de allaumidade,InsetossãoarlrópodospíedominanÌementêleíestres,compoucosÍepresen- tânlesaquáticos;sáoosúnicosinvertêbradoscapazesdêvoar,AracnÍdeossãoatrópodospÍe- dominaniementeieÍrestÍes,que,comoosinsetos,podemhabitartanioosaínbienlesúmidosde ílorestascomoregiôssdeséÍlicâs,Sãoexemplosdê crustáceos:Callinectesdanae(sÍl-azul), Balanuspeúoratuslctaca)e Armadillidiunvulgare(taluzinho-de-jardm);deinselos:Perplane- ta americana(l:,aâïa),Muscadonestica(mascadoméslica)e Áplsmêl/ifera(abelhadomést- ca);de aracnídeos:tactrodectus(aranhaviúva'negíâ),Cenlruroldés(escotpiào)e Dernacen- ClassiíicaçãoOÍiloAÌthropodareúnetfês subÍilos:Crustacea(crusláceos),Chelicerala(arac- nídeos)ê Uniramia(insetos,quilópodosê dlplópodos).As pÍincipaiscaÍacterísticasparaêssâ classilicâçãosão a organizaçãocoÍporal-eo númeroe tiposde apêndicêsaÌticulados(pâlas, antenasetc,), 264
  • 23. Dadoscleanalomiae fisjologia SistemãdigestivoPresente,complêto(combocae ânus).PeçasbucaisadapÌadâsà ali- menlaçáo(mandíbulas,maxilas,quelícêÍasetc.).TubodigesUvocomregiõesdiíerenciadas (estômago,cecosgástÍicosetc-),comglânduladigeslivaassociada(hepalopâncreas).Di- geslãoexlíacelulaÍ. SistemaciÍculâtório Preseniê,dolipoabeno(lacunar).Coraçãodorsal,queimpulsionaa hemolinÍâporvasosque vão a lodo o cofpo.Crusláceose aracnÍdeoslêm hemocianina comopigmenìorespifaióriodissolvidona hemolinla;inselosnãotêm pigmenlosrêspirató- riosnahemolinía. SislemarespiratórioPresente.Cíusláceosiêrnbrânquìas,queíealizamlrocasgasosasentre a águae a hemolinfa;insetosÌêmlraquéias,quelevamardiíetarnenleaostecidos;aÍacnídeos lêmÍ lotraq!éiasoupulmõesíoliáceos,quercalizamlÍocasgasosasentÍêo are a h€molinfa. SìstemaêxcrelorPíesente.Crusìáceosiêm glânduas antenais(glândulasverdes)iinselos lêmiúbulosdel.4alpighiiaíacnídeosiêm,alémdelúbulosde lúalpighi,glândulascoxais. SistemanervosoPÍesenle.ConstiiuídopoÍumpardegânglioscerebraissobÍea Íâ nge,poÍ gângliossubesofágicose porumcordãonervosovenÍal,comumpardegângliosporsegmenlo. SistemasensorialPresenle,bemdesenvolvÌdo,Todosos arirópodoslêm péloscomlun- çãotáclile quimoÍrecepiora.Crustáceose insetostêmolhoscompostos,queÍorínarnima- gêns,alémdeoihossimples(ocelos),€slestâmbémpresentesernaíacnídeosiasantenas, pÍesentesemcrusláceose inseÌos,sãoimpoítânlesórgãostáctes; inselostêmórgãosau- ditivos(rnembranastimpânicas)e crusláceoslêm ófgáosde equilíbÍio(estalocislos). BeprocluçãoSexuada.A maioriadosarlrópodosé diólca.CíusláceostêmÍecundaçáoexieÍna e o desenvolvimêntopodeserdireÌoouindireto,comváÍioseslágioslaruais.ìnselostêmÍêcun- daçãointernae o desenvolvimentopodeserdireto(insêtosamelábolos)ou indireto,comÍneta moÍose gradual(hemimelábolos)ou completa(melábolos).AíacnídeostêrnÍecundaçãoinler_ nae desenvolvimenlodìrêto,semestágo larval. Ì*lo iroduzidoe odoptododo ortìgo"Chorlotes Poient- Spiderwebs ondoher proteinsinspireensiners", deÊlizobethcorcoron,publìcodo no revisloScienrtiicAmenton, vol.2ó6, neÁ, o. 146, 1992. Nofinaldâdécadade1960,oexércitonorte-americanodescobrìuquea sedaprodu- zidapela6aranhasna construçãodasteiasé tão resisìenlee elásticaquepoderiaseÌ usadanaconfecçãodecoletêsà píovadebalas.Eniretânto,neÍrìmesmoasforçasarma- dasamericanaspoderiamsuportâroscuslosde equiparsuastlopascomcoleiesíabrica- doscomfiosdeleiasdearanha. Oscientistasestãoestudandoa estruturafísico-químicadasteiasdasaranhascom oobjelivodecriarmateriaissinléticoscomasmesmaspropriedâdes-Essanovaáreacien- tíficanapesquisademaleriaisbiomolêculares,denominadaÍísicabiomimética,aindânào deulucros,masospesquisadoresestãoentusiasmadoscomafabricaçãodenovassubs- tânciasbaseadasemêstruturasprotéicas.
  • 24. "O potenciâlé mâgnífico!",declaraStephenJ- Brewêr,quecontrolaa quÍmicade bioprodutosda indústÍaMonsânto,emSaintLouis(EUA)."Aindaestâmoslongedeobler produtoscomêrcializávêis',eleâcrêscênta,"masestamosaprendendomuitosobrea quí- micadasprotêínas,o quêpodêrápêrmitiro desenvoìvimentodeoulrosprodutos". OsnovosmatêriaissãoumexemplodoquepodesurgirdacombinaÇãodêdisciplinas científicasdistintas.Durântedécadas,osquímicosespecializadosempolímerosdesenvol- veramcompostospêlacombinaçãodedivorsosmonômeros.l,,las,mêsmoquandosêtoma o máxìmode cuidâdonaproduçãode umpolímero,o resultadoé umamisturadêcâdeias poliméricasdediversoscomprimentos,o queafêtaaspropÍedadêsdoproduloÍinal. Os êngenheirosgenéticos,poroutrolado,se especializaramem copiarprotêínâs comenormêprêcisão.Inserindogenesemmicroorganismos,elesjá sãocapazesdê pro- duzirmilharesdemoléculasabsolutamenteidênticas. EssêÌipode procisãotemsidoo sonhodosquímicosquetrâbalhamcompolímêros. "Historicâmênte,aciênciadospolímerostemavançadosêmprêquêaumentamosocontrole quepodemosoxercersobreascadêiaspoliméricas',informaDâvidA.Tifiêll,diretordoLa- boratóo deCiênciasdosMatêdaisdaUnivêrsidadêdêlrâssachusetts,êmAmherst(EUA). "Assim,o control€absolutodeprocêssamentopêmìtidopêlaEngênhaíaGenéticapromete levarâ umdomíniodemateriaisaléagorainêxplorâdos",êleacresconta. "Entendercomoumaaranhalibêrasuasêdâtambémé muitoimportante",acrescen- ta DâvidKaplan,ummembrodo Cêntrodê Pêsquisa,Desenvolvimenloê Engenhariade Armamenlos,em lvassachusêtts(EIJA).Fibrâssintéticastêm de sêr produzidascoma ulilizaçãodeácidosÍoítese rêquêremprocessâmenlostécnicosespeciâis,como empre- godealtastemperaÌuras.Jáa arânhâtêmumsegredo:sintotizaumaproteÍnasolúvelem água,masa sêcrêtana Íormâdê fortíssimosfiosinsolúvoisom águâ.O conhecimento sobrea conshuçãodasteiâspodelançarnovaluzsobrea técnicadè produçãode matê- riâissinléticos. I 266
  • 25. tividodes FICHAI CAtd{crERÍsrrcÀscERAtsE cl,AssrFÍcaÇÃoDosaRTRópoDos 1. Qüâi! os pdncipâisg.uposde aniÌnâisnuÌidos no fito AÌrhropoda? 2. O queé nìetanìeÌiâ? 3. QuâissãoaspaÍtesbásicasdo corpode um â(rópodol 4. Qual a característicâquemoiìvou â utilizâçàodo termo 'ârrrcpodo"? 5. EÌpìique brevementccm que consisreo exoesquelerodos aÍlrópodose quaisâs suas lL'nções. 6. QuâÌa rclaçãoentrcx p.esençado exoesqtreleloe a Ìnuda(oLìccdìse)t ÈxpÌiquercsu mrdanÌenÌecomo â nrudaocoÌÌe. 7. Quaisos sublìlosqueconìpõerÌro ÍìÌo A.thropoda?EIn quesc baseiressadìrjsãoenì 8. Façâum,ìtabelaquecÌâcrerize cadasubtilocìofikr AÍhropodâ de acoÍlo com os se â) organizaçãocorporâl búìca (dlvìsÕesdo coÌ?o): c) presençâe núÌnerode anrenâs: b) númerode âpêDdiceslocomotorcslorácicost d) númcÌoâproxjmadode espécìes. 9. Qual o filo de animaisquesesupõeseÍo maisestreìtâmenre.ctacionâdocom osârrú podos?QuâìssãoâseridênciasdesseparentescoevoÌurivo? AspEcros ÁNATôMlcosEFrsror,óclcos DosÂRTRópoDos Descrevaasprìncipaiscrìracrcrísticasdecadauìndossistemasde órgãosprcseütesnos a)sislemrmusculãr: d) sisÌenìarespnÌrófi{)r f) sìsrenÌanervoso: bl sìstcnradigestivo: e)sìstenaexcreto.i g) sìstelnllscnsodaÌ. c)siúemaclrcuÌâtó.ioi ;.:..:.::.:.::t:::::,.i::.,::. ..-..:..:::: 267
  • 26. I . QüâisâsprincipaiscaracterísticâsquedistinguemoscÌlÌstáceosdosoutrosârrópodos? 2. ErÌìqüetiposdeambientevivemoscrustáceos?DêcxempÌos. 3. ExpÌiqueÌesumidamente,ìiÍnpoÍânciaecológicae cconômicàdoscÍusúceos. ,1. Aponle,paÌacâdêpaúedocorpodeumcamârão(càbeçâ,tóraxe abdome),ostiposde âpêndicesarticúadospresentes,explicandoresumidamentesuasÌespectivâsfunções. 5. Câr,ìcteizeareproduçãodoscrusráceoscomrel4ãoâo: a)sexodosindivíduos: b) tipodefecundaçãoi c) tipodedcsenvolviìnento. 6. QuaisâsprìncipâiscaÌacterísticasquedisringuemosaracnídeosdosoutrosaÌtrópodos? 7. En quetiposdeanìbientevivemosârâcnídeos?Dêexemplos. 8. SobreâorgânizaçãocorporalbásicâdeümaaÍanha,respondâ: a)Qualonúmerodedivisõesdocorpo? c) Qualafunçãodospedipalpos? b) QualatunçãodasquelíceÌaíl 9. CaÌactedzeareprcduçãodos3Ìâcnídeoscoln rehçãoâo: â)sexodosindivíduos; b)tipodefecundaçãoi c) tipodedesenvolvimcnlo. 10. QuâisâsprÌncipaiscaraterísticrìsqueústinguemosinsetosdosoutÌosâíÌópodos? 11. EmquetiposdeambienteviveÌnosinsclos?Dêexemplos 12. CìteduascarâcteÌística-squecontrìbuíamparaqueosinsetosconquistâssemo ambien- te tenestre,explicandobrevemenlecadâumadelas. 13. Expliquercsumidâmenleâ impofânciaecológicâe econômicadosinsetos. 14, Sobrea orgânizaçãocorporalbásjcâdeürngâtànhoto,respondâ: a)Quaisasdivisõesdocorpo? b) QueÌiposdeapêndicespodemesÌaÌpresentesnotórâa? c) O quesáoespiráculoseemquepaÍe docorposelocâlizam/ 15. CaÌacteÍizearepÌlduçãodosinsetoscomrelaçãoxo: â) sexodosindivíduos: b) lipo defècundaçãoi c) úpo dedesenvolvimento. 16. Expliqueo quesãoinsetosâmetábolos.hemimetábolosehoÌomeráboÌos.Dêumexem- pÌo decâdatipo. 17, SobÌea sociedâdedasabeÌhas,responda: â) Quaissãoa.!classessociâisencontradasemuÍÌâ colméia? b) QuetiposdeabelhassãopÌoduzidos.respectivâmente,poróvúos fecundâdosenão c)OqüeépaÍenogênese? 18. Carâcterize,emliúas gerâis.qüiÌópodose diplópodos.Dê exempÌode um represeD- Ìante de câdag$po. 268
  • 27. À. TESTES Bloco 1. Característicâsgeraise classificâçãodosâúrópodos r. (UFRS)A presençadeumesqueleroexteúoqui- tinosoedepatasaÍiculadascúacrerizaofilo: a)túbulosdèMalpighi- d)célula$flama. b) glândularvordes. e)slândulascoxais. E. (F. OswaldoCÍuzSP)EÌn um arrópodo.com cefaÌolóraxe abdome.de respjraçãobrdquiai. cujotipo básicodeextremidâdèé ! bineme,es leramosenconlrarjtambém: arum parqedEnàs. b) doispNs dedièna!. c) excreçãolor nibulosdeMalpighi. d) sislem circulatóriofechado.2. (F.M. ABC SP)Doscmcteresúâixô. o único comumâosartltpodoseeelideos é: a)ãpêndicesaÍiculadospares. b) segnentaçãodo corpoveÍdadeim. c) ceìomâbemdesenvolüdo. d)exoesqueletoesencialmenlequitiDoso. e)sisleM circulatóriofechâdo. 3. (LlFNtrA)SãocâmcteísdcasdoscruÍáceos: a)doispdes deântenas.cabeça,tóraxeabdome. b) umpardeantenas,cefalotórd eâbdone. c) doislâres deantems,cefaÌolórd e abdone. d) uÌnpd d€anteMs,cabeçâ.tórd eabdone. â)EscoÌ?ião. d) diplóide. 9. (Fiube-MG)Emquealtemativaascüacteríílcâ! apftsentadasìdenúficm oscrusúceos? Branquiâl a) 4. (FuvestSP)Um invertebradocujocorpoécons ltuÍdo por cefalotóraxeâbdone,quenãoposui ânteÍa!,quetemquarropms depalaslocoúoro- raseuÌnpe dequelÍceraséum: s. (UIRS) UÌn dosúimais abaixoalresenraasse- gúntes cdaclerísticâsrcorpodivÌdido em cabe ça,tóru e abdome,cômhêsparcsdepatastorá cicâseum!d demtenas.Indjque-o. r0. (UFSC)Sãoânimaisqueapresentd apârelho cìrculatóriodo tipo aheÍo: âl noluscô eútópodo. d)!Ì]eíf€rc emolusco. b)molúso eâneìídm. e)mmífero eaÍrtrtodo. c) ânelídeoeâÌtrópodo. 6, (FuvestsP) O queéqueamÌnhocateme amos a) SistemacircÌlatório fechado. c) ResliÌaçãocuiânea. d) Hermafroditismo. e)Desenvolvimentodirelo. Bloco 2. Asp€ctos anatômicos e ffsiológicos dos aÌarópodos 7. (F. Ibero-Americea SP)Em cnstÁ@osos resí- duosoigânicoseo sânguedascavidadesdo cor !o sãoretindos eexcr€tâdosporesrrutM deno mÌnadas: rr. (Mackenzie-SP)Corsidereascârâcre.ístìcd:res !úação traquealisistemacirculâtóío abertosem !ÌgnenÌos rcsliÌa1órios;excreçãofeitâpo. túbu Ìos deMâlpigìii corporevestidolor üm exoes- queìetoquÍinosoi nacabeçaumpe deantenas. Os aninâis queapresentâmessascaracredsticas a)aÌâcnídeos. d) anelÍdeos. b) cruÉceos. e) insetos. 12, (vuresp) O sistemacjrculatóriodosin*1os não pemile .Ápjdâcirculâçãodo sdgue. nas eses eimais podemconsegDirgrândesqlanÌÌdadesde energiarapidmente porque: a) sãoameróbicos. b) conlêmpigme.tosexclusivospâ.ao úâÌrspor c) sóarmaz€nâmaÌimentosna foÌm decúboi- d) asÌacunasdo seusìstem circularó.ioâmaze e) sus cólulasnãodepend€mdo súgue pda re- 269
  • 28. 13. (FMU-SP)A in€xis€nciâdè úenentos respiÉ tónosnosãúguedosinsetoseslárelrcionadacon o fatodequeeles: a)sãoseresúeróbicos. b) nãolêmconiÍoledasuatemperaturacorporal. c) lên pêqüenâatividâdemetabólica. d) nãopossuenapelho ciÍculatório. e)possuemÌubosquelevaD o âr È!Ìnosféricodi retamcDteos tecrdos. 14. (U. AMonas AM) Ostúbul6 deMâlpighi são estruturd especìaliailasna elimindçãodosex crelasnitrogeDdosnos: !) aneÌídeos. c) irsetos. b) plateìnintos- d) celenlemdos. 15.(FespPE)Obsere adescriçãodaexcreçãodè uma ceÍta cÌase de uimaÌ: as estrutüiìs èx- cretorassãofilifomes. coú umaêxtremidade desembocandono intestinofrédio è ã oÌtra mersoÌhaddnaíefrolinfa (sú8te) deondere lira os pÍodutos dè exfieção qne sãolançados no intèslino,sendoe.tão elimiMdoscom as fezes.O màterialexcretadoeslácorstìtuído pri.cipâlme.tedeácidoúrico. Mdquè r altmativa queindica a cÌase de âni- malqueexcrelã.se8udo adescriçãoeim4 esüã respecnvaesruÌuraexcreÌora. a)Arachnida;célulaflama. b) Crustacearprotonefrídìo. c) IoeÌibrânqDios: nefrídio. d) Insstâ; lúbulosdeMabighi. e)Asteróides:solenócilo. BÌoco 3. PÌitrcipais grupos de artrópodos 16. (UFCE)Numjmtd emqueseserviulagost4ca' mdão, ostra.ÌuÌa e poÌvo, podeaèafiI]ú que â)somenÌemoruscos. b) crustáceos,moÌuscosepeixes. c) soneite peüesecrustáceos. d) sometrtecrusráccosemoluscos. el someDÌecrosaceos. 17. (Mdkeüie-SP) Enrrcosorusúcèosèncontmos â)excluivânentè nd;úhos. b) exclusjvâmenÈdeáguâdoce. c) €xcÌusivamenleÌnarinhosedeáguadce. d) m{inhos. deáguadoceetènestres. e)N.d.a. lE. íUFMCì ACo.loe elemh'. '; r Ò.me'e eL quemlis aparecefrèscorpjões,lois é justa menrence mee.queele Lèmseu!e,iodn deÍeproduçáo.O in.etoe retugratro' maid,- iereúreslupdes.como'monloldo. Llêaadei 270 ra, pedras,entulhos.fetrdasnã paÍedeou atrás de móvois.Diâtiân€nt€, peÌomenosumape$ soapicadapor esco.piãoé atendidano Contro de Toxologirdo HospilaìJoõoXXIu." (Esla- do de Mìaas,1,'7Oa90) Esã mtéria sobrcoqorpião incoÍè èmeÍo ao: a)descreverseucompoÍmedo. b) indiú seuhabilat. c) indicnÍsèupeíodo derclrodução. d) rcfeúr-seàsDaclãssificaçãotaxonômicè e)roÈn.-sè àsDanocividado. 19.(IÌFPA) ..- 1rôpeçoem'rMpedra€scavoaca- vidadedesc.berlâe ümaeaúa imensade Élo vemolho ne olha fixmenÌe, imóvel.grande comocaÍú8uejo. ..un besourodouÍâdone lú- ça suàèraíação melÌ1iüì enqurmtodesâpdece cono un reÌâmpa8oseDradinnteaÍcoJrjs..." Nesrctreho Nerudaúo cirÌ ânimâisdÒEnpodos: d) diplópodos. z). (Uúio) L escor?ião l. Cruste€a z.lagosta tr.Insecra 3. cerlopóia Itr. Afrcbnida 4. gaf.nhoto IV. chilopoda 5-piolho de cobra V. Diplopoda aL Onychophora AssinâleaopçãoabaixoqueâssociacoÍetmen teosdimais apresenlâdosnâcolunâdaesquerda (en âlsdismosüábicos)comasdiveBâscÌa$es dofilo AÌthropoalâapresentadasM colunadadi eita (emaÌgarisÌnosrc'ruot: a) 1-Ilr,2-IV.3-II,4-I,5-V. b) IJII. 21, 3-ry,4,IÌ, 5-V. c) 1-1,2-II,3'Itr, :l-IV,5-V. d) 1-I,2-VI,3-W,4-ü, 5-nt. e) I IV. 2-VI.3-tr.4-r.5-III. 21. (UnB-DF) Nuna coleta,um estudoto cdptuÌou algunsanimaise. baseândo-seapenãsèú uma cdactêístio. separou-osemÍês Crupos,confor meo disúiminado abâlxo. Crupol Cúpo 3 Aúnha Tatuziúcde'jddìn Fomiga Ercorpião CmaÌão Cupim CâÍâpato Sti Bmta d'água Dentreasopções 'ìbaüo, a úrica queapresnta umacdactêística quepemitiu ao estudân1èse- a)pre"sênçadeapêndicèsaÍiculadosnocorpo. b) pÍsènça desegrentaçãonocorpo.
  • 29. 22.(UFGO) 27. (Fuvest-SP)ObseÍveo anjmaldesenhâdo C,qa bdìdo Tmstrc No qÌadro anièrior,cadãcôlunaserefe.e a ca- racleísticasdeumaclassededt ópodÒ. AsinaÌe aaltèmâtivaqueindicaaorden coÍelâ a) I crustíceo;II iNeb; IlI mcnídeo. b) I inseto:tI úacúdeo; III crusláceo. c) I inseto:II cnsúceo: trI úacrídeo. d) I denídeo: tr crusáceo;Itr inselo. e) I * crustác@;tI üacnideo;Itr inseto. 23. (Fuvest-SP)Metamorfoseé a trdsformação do estágiojovem pâmo adulro.Algunsinsetostêm metmortosèonplelâ (hetábolos).enquantoem outrcsamtamorfoseégnduâ1(henjmètábolos). QuaisinsetosexempliJicamoprìmeiroeo segun- dotìlo demelmorfose, respecúvanenle? a)Gafanhobeübé]ula. b) Borbolelâèbasta. c) Mdiposâ èabelha. d) PercevèjoeÌnosquito. e)Besoúro€ Dosca. I DoÀF6 C€idorórd Ìndiero Âquíti.o eúdome itr ÂNrlc Colìloúd Dircb Teftsh a)A quelilo ecÌ6se elêpeÍence? b) CÍe duascdacteríúicâ!, visíveisno desenho, quco disiDguemdeu inseto. (PUC SP)NÌm aìlâ deBioÌogiaosâtunosclÀç sincüam osarlrólodosqueoprofesor ths apÉ seDtouemtrês8ruposjdêacordocomcdaclerís tiçs quedisringuim ca.lagrupodosdemais: I arânhÈ€besouro; II bdata eescorpião; Itr cdusuejo esiri Otrofssor dissèqueacla$ìfi€ção estltvâemda. à)ReàgÍupèosanimais,côrìgindo osenos. b) Cite urâ câÍâcteísticãeÌtema exclusivade cãdagrulo quevocêfomou. (Fa1&-SP)Façàum rabelâconpârandoìnstos. dacnídos e mstÁceos.em relâçãoàsseguinrès cecteísticas: divisõesdo corpo,númerodepã, tasededtenas. Íespiraçãoeexcreção- (FuvestSP)"Comochegavasdo casulo. inacabadasedalida luasdtenas fios soÌtos .la tÍma dequeeÍâstecida, elèusolhos,doisg.ãosdanoile deondeo teunistério surgia." CecílìaMenele. a) A qu€fiÌo o cÌassepertenceo dimal de que b) QuaÌ a seqüênciadosesúgiosde seudesen (Unicârp'SP) IndiquedoisaspeciosdislintÒsque resalleft aimloíância ecoúômicadosinsetos. (Unicamp-SP)ExpÌique seiúbÌção no sistema circuÌaúnode 'rm bdatâinterfercounãoemsua lU. F.LlbeÍlândia'Mc)Desrcvâ sncin(menteos sistems neroso, ci.culatórioe exc€tor deuma (Fuvest-SP)Qutissãoosestágiosdedesènvolvi- mentodeumabdala edeumâbdboleta? 24. 29. 3{ì. B. QUESTÕESDISCURSIVAS 24. (FúVêí-SP)No anìvo$áÌiodellm cidadeàbei- ra tÚ. m re.slaunntèpronoveuur "Feíivâl dè Crustdceos":iagostâ,iula. cmúão, ostrae mè- xiÌhão. Quaisdeses dimais !ão deveriamesI!Ì itrcÌuí dosnocddápjo?Porquê? 25. (Unicamp-SP)JoãoziÌhoéestuddre do2egraue lassou a naúã todaobservúdo os mimais em umânatà. I iquequrìlo filo demimais quede- veriaestd maisrèpresèntãdonrìsobservÀçõesde Joãoziúo eduascdacterísticasimpoÍartes des 2ó. (Fuvêsl-SP)Porquosefsem necessárias!s nu- dasnosaí.ópodos? 31. 33. 34, 271
  • 30. 1. Enquânloa maior paÌ1edosÀniMis 1emcrcsci- mentoconlínuo,um art!ópodo,se analisadoao loÌìgodesuavida.lodena rero seucr6omènLo rcgisbàdonogÍáfrcoaseeüir.Expliqueeditcüta o queesse8ráJiconosbâ. 2. Cruúáceosrespirm por brânquias.etrquanìoin- setosrespne por tfaquéias-Quecorelâção se podeestabeÌecerentreo tipo de sistemaÍespira tório apresentadopelodìnal eo anbieúteonde f,. Noscrusiáceos.acxcreçãoéfeìtãatavésdegìân- dulasqueseabrcmnasupedciedo corpo.Nos ìnsotos,osprodutosdeexcreçãosaolançâdosno tubodigestivopelostúbulosdeMalpighi.Rela cioneesas diforentesestrarógilsde elimjnâção dosexcreLsdo corpocom o modode vlda dos membrosdessasclassesdèãÌÚópodos. 4. hdique os tertos quedevúiam substìtuÌ !s le- tms(d),(b), (c) e (d) paracompÌetaro quadro &útrrúlekÍstod TipodercsNaçào {c) 272