SlideShare uma empresa Scribd logo
Era Vargas 1930 – 1945 (1954)
::: O Governo Provisório (1930 – 34) ::: - O novo governo aglutinou diversas forças sociais (oligarquias dissidentes, classes médias, setores da burguesia urbana) e o exército; - As oligarquias não iriam mais exercer o papel hegemônico; - As disputas políticas abriram espaço para a intermediação pessoal de Getúlio Vargas; - As forças do novo governo estavam centradas nas lideranças tenentistas. Nomeou vários para cargos de  interventores ;
 
::: Governo Provisório (1930 – 34) ::: -  O esvaziamento do tenentismo:  a divisão dos tenentistas em direita e esquerda e o fortalecimento do poder pessoal de Vargas; - Vargas acenava às classes trabalhadoras com reformas trabalhistas e benefícios, esboçava-se o  populismo ; - Buscou reeditar a política de apoio ao café, através do  Conselho Nacional do Café (CNC) , promovendo a compra e estocagem do produto; o objetivo era se aproximar da oligarquia paulista;
 
::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: - A política de estocagem do CNC produziu a elevação dos preços, mas levou a formação de estoques imensos; - Em julho de 1931, o governo decidiu pela queima dos estoques do produto; - O sustento da atividade cafeeira manteve os sistemas bancário, ferroviário e comercial – setores que dependiam do café;
 
::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: - Estavam inviabilizadas as importações, pois existia pouca moeda internacional no país; - A emissão de papel-moeda para comprar o café desvalorizava o mil-réis, dificultando ainda mais as importações; -  Resultado:  esses fatores encorajavam o desenvolvimento da produção industrial interna;
::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: -  1933 – 1939:  crescimento expressivo da indústria nacional, principalmente nos setores têxtil e alimentar; -  Nova época:  início da mudança no modelo econômico. O país deixa de ser uma economia predominantemente agro-exportadora; -  Industrialização por substituição de importações ;
::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: - Novamente fortalecida, a oligarquia cafeeira iria questionar o poder de Getúlio Vargas; - Vargas nomeou um  interventor paraibano  (João Alberto) para São Paulo, o que desagradou os cafeeicultores; - Mesmo com a nomeação de um  interventor paulista  (Pedro de Toledo), a insatisfação continuava crescendo;
::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: -  Frente Única Paulista:  Partido Democrático (que rompe com o Governo Vargas) e o PRP; - Propostas: ::: nomeação de interventor civil para São Paulo; ::: volta do Estado de Direito; ::: Constituição para o país; - As promessas de redemocratização e convocação de uma assembleia constituinte eram vagas;
 
::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: - Os motivos por trás da  Frente Única Paulista : A elite cafeeira paulista desejava retornar ao poder; - Em 09 de julho de 1932, São Paulo rompe com o Governo Vargas; - Alistamento de jovens da classe média paulista ao exército constitucionalista; - Não houve adesão do operariado paulista; - Mal equipados e após três meses de escaramuças, os paulistas se renderam;
 
::: A Constituição de 1934 ::: - Vargas buscou uma composição política (acordo) com a oligarquia paulista; -  Código Eleitoral (1933):  introduzia o voto secreto e feminino; justiça eleitoral; “deputados classistas”, eleitos pelos sindicatos; - Em julho de 1934, a Constituinte aprovava uma nova Constituição;
::: A Constituição de 1934 ::: - Características: ::: República federativa, com redução da autonomia dos Estados; ::: Separação e independência dos poderes; ::: Eleição direta para o Executivo e Legislativo; ::: Incorporação do Código Eleitoral à nova carta; ::: Criação do Tribunal do Trabalho e legislação trabalhista (direito à liberdade de organização sindical); ::: Possibilidade de nacionalização de empresas estrangeiras; ::: Monopólio estatal sobre determinadas indústrias; ::: O primeiro presidente seria eleito por voto indireto (pelos deputados e senadores).
 
::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Um dia após a promulgação da Constituição de 1934, Vargas foi eleito presidente de forma indireta; - Vargas continuava aproveitando a crise política (ausência de hegemonia de um grupo social) para intensificar sua liderança pessoal; -  A radicalização da política:  fortalecimento das influências comunista e fascista entre os grupos políticos brasileiros; o liberalismo estava em crise.
::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: -  Ação Integralista Brasileira (AIB):  repudiavam a democracia liberal, propondo um governo autoritário, chefiado por um líder autoritário; nacionalistas (xenofobia); líder: Plínio Salgado; - Rejeitavam o comunismo, pois acreditavam na desigualdade entre os homens; - O símbolo do movimento era o Sigma ( ∑ ) e seus membros saudavam-se com um cumprimento tupi-guarani “anauê!”; inspiravam-se no nazismo alemão;
 
 
::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: -  Aliança Nacional Libertadora (ANL):  rejeição ao fascismo; as desconfianças em relação a democracia liberal; mobilização popular; frente ampla com os comunistas à frente; - Modelo excludente escravista e critério censitário, não representativo da sociedade brasileira; - Criada em março de 1935, contava com um número crescente de adeptos por todo o país;
 
::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: -  Propostas da ANL:   ::: suspensão do pagamento da dívida externa e seu cancelamento unilateral; ::: nacionalização das empresas estrangeiras; ::: defesa das liberdades individuais; ::: combate ao fascismo; ::: criação de um governo popular; ::: reforma agrária, com a manutenção da pequena e média propriedade.
 
::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Crescia a defesa da revolução entre os seguidores da ANL; para eles a revolução nasceria nos quartéis e o povo a seguiria; - A frase,  “Todo poder à ANL” , e o apelo revolucionário do movimento tornam-se justificativas para Vargas colocá-lo na ilegalidade; -  Intentona Comunista (1935):  a quartelada comunista foi derrotada e a adesão popular ao movimento não ocorreu; a tentativa de golpe deu motivo para Vargas decretar o estado de sítio;
 
 
::: O golpe do Estado Novo (1937) ::: - A disputa eleitoral de 1934 iniciou com três candidatos:  Armando de Salles Oliveira  (paulista, Partido Democrático),  José Américo de Almeida  (candidato do Governo Vargas, paraibano) e  Plínio Salgado  (candidato da AIB);  - Góis Monteiro e Vargas conspiravam para um golpe; - Nascia um modelo de  desenvolvimento industrial estatizante  e ligado às Forças Armadas, cada vez mais atraídas pela ideia de uma ditadura;
::: O golpe do Estado Novo (1937) ::: - O golpe militar recebia apoio dos governadores dos Estados;  - O governo divulgou a existência de um falso plano, o  Plano Cohen  (redigido por um integralista, o Capitão Olympio de Mourão Filho, previa uma revolução comunista); - O falso plano foi mais um pretexto para o golpe. Em 10 de novembro de 1937, Vargas ordenou o fechamento do Congresso, a extinção dos partidos, a suspensão da campanha presidencial e da Constitução.
 
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: -  Nova Constituição (a Polaca, 1937):  com inspiração fascista. Características: ::: Centralização política, com fortalecimento do Executivo; ::: Extinção do Legislativo, cujas funções passariam ao Executivo; ::: Subordinação do Judiciário ao Executivo; ::: Indicação dos governadores (interventores) dos Estados pelo presidente; ::: Legislação trabalhista.
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - A oposição ao golpe foi mínima, recebido com relativa tranquilidade pela população; - A campanha anticomunista dos anos anteriores mostrava sinais de funcionar; - O Estado Novo  não deve ser considerado um regime fascista  (apesar da inspiração), pois lhe faltava um partido político;  - Faltava também ao  Estado Novo um  “passado”  (como o nazismo alemão, que dizia-se herdeiro de uma história ariana);
 
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: -  Intentona Integralista (1938) : a AIB, mantida à margem do Estado Novo, tentou derrubar Vargas; Plínio Salgado foi enviado ao exílio e a AIB foi extinta;  - Criação do  Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) :  ::: enaltecer o governo e o presidente; ::: controlar os meios de comunicação (censura prévia); ::: promoção de eventos culturais (de interesse nacional).
 
 
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: -  Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) : ::: aumento das atribuições do Estado brasileiro; ::: intervenção maior do Estado sobre a economia; ::: função de coordenar e controlar os serviços públicos; ::: aumento da eficiência dos serviços públicos; - A criação do  DASP  representou uma revolução no serviço público, tradicional reduto de  nepotismo, favorecimentos e privilégios ;
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - O poder policial se fortaleceu, principalmente a Polícia Especial, chefiada por  Filinto Müller ;  - Prisão de  Luís Carlos Prestes  (por dez anos) e tortura de comunistas; -  Olga Benário , militante comunista, é presa e deportada para a Alemanha nazista. Estava grávida, sendo confinada num campo de concentração. Poucos anos depois foi assassinada numa câmara de gás;
 
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: -  Aproximação de Vargas dos trabalhadores urbanos , configurando o populismo;  - Os novos operários, ao contrário dos imigrantes, eram oriundos do campo e despolitizados; - Não parecia ser necessário uma organização sindical, pois o governo atendia aos interesses dos trabalhadores; - Mesmo assim, Vargas  atrelou os sindicatos ao Estado , sendo os líderes sindicais meros funcionários estatais;
::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - “Duas faces da mesma moeda”: de um lado,  sofisticação modernizadora do paternalismo ; do outro,  sujeição agradecida e amorfa da população ; -  Concessões populares:  introdução do salário mínimo; semana de 44 horas de trabalho; Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), carteira profissional, férias remuneradas;  - As reformas de Vargas  distensionava as relações entre operariado e burguesia , o que diminuía o ímpeto revolucionário dos trabalhadores;
 
::: Intervenção do Estado na Economia ::: - Os  órgãos de coordenação macroeconômica  do Estado Novo promoviam a  expansão de setores tradicionais e fomentavam novas atividades , viabilizando a instalação de empresas estatais;  - A indústria pesada estava concentrada nas empresas estatais, pois exigiam investimentos além das capacidades do empresariado; -  Setores com presença do Estado:  siderurgia, mineração, mecânica pesada, química e geração de energia, principalmente hidrelétrica;
::: Intervenção do Estado na Economia ::: - A Segunda Guerra Mundial trouxe efeitos benéficos para a economia brasileira;  - Aumento no preço dos produtos agrícolas exportados pelo Brasil; - Por outro lado, a dificuldade para a importação de máquinas, equipamentos e matérias-primas desaceleraram a produção industrial; - A Era Vargas é considera um período de modernização conservadora (industrialização num período de ditadura).
 
::: Brasil na Segunda Guerra Mundial ::: - A posição do Governo Vargas pendia entre os aliados e o eixo (nazi-fascismo);  - Em  11 de junho de 1940 , entusiasmado com as vitórias nazistas na guerra, Vargas saudou o sucesso nazista; - Os EUA enviam 20 milhões de dólares para a construção da  Usina Siderúrgica de Volta Redonda , o que fez o Brasil pender para os Aliados na guerra; -  1942:  após o torpedeamento de vários navios brasileiros, o Governo Vargas declara guerra as forças do Eixo;
::: Brasil na Segunda Guerra Mundial ::: -  FEB (Força Expedicionária Brasileira) e FAB (Força Aérea Brasileira) : 25 mil homens;  - Em  11 de junho de 1940 , entusiasmado com as vitórias nazistas na guerra, Vargas saudou o sucesso nazista; - Os brasileiros lutaram na Itália; - Enfrentaram forças alemãs mal equipadas e desabastecidas, mas demonstraram desempenho satisfatório;
 
 
::: Crise do Estado Novo ::: -  Situação insólita:  combatia-se a ditadura fascista na Europa, enquanto, no Brasil, mantinha-se um regime ditatorial, desgastado e inspirado no fascismo;  - Góis Monteiro, aliado de Vargas no golpe do Estado Novo, passou a defender eleições democráticas; - Vargas, pressionado, emite decreto possibilitando a criação de partidos políticos e marcando eleições para o final de 1945;
::: Crise do Estado Novo ::: - O objetivo de Vargas era redemocratizar o país e se apresentar como um grande democrata;  - Vargas organizou dois partidos:  PTB (Partido Trabalhista Brasileiro , composto pelos sindicalistas varguistas) e  PSD (Partido Social Democrático , formado pelos interventores e burocracia estatal); -  Queremismo:  Vargas estimulava movimentos e comícios, onde repetia-se  “Queremos Getúlio!” ; o movimento envolveu, inclusive, o PCB;
 
::: Crise do Estado Novo ::: -  Nova situação insólita:  temendo uma guinada à esquerda de Vargas, o General Góis Monteiro e o General Eurico Gaspar Dutra derrubam-no, colocando fim ao Estado Novo;  - Vargas continuava um político influente, capaz de estabelecer as pautas da política nacional; - Os partidos  PTB e PSD , em aliança, lançam o General  Eurico Gaspar Dutra , que também recebeu o apoio de Getúlio Vargas;
 
::: Bibliografia ::: - www.google.com.br/imagens - VICENTINO, C. História do Ensino Médio: história geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Valéria Shoujofan
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
Edenilson Morais
 
Slide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militarSlide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militar
estudosacademicospedag
 
A república liberal
A república liberalA república liberal
A república liberal
Bruno E Geyse Ornelas
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
Crise da República Velha
Crise da República VelhaCrise da República Velha
Crise da República Velha
Valéria Shoujofan
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
Edenilson Morais
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Edenilson Morais
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
Expedito Martins
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
Portal do Vestibulando
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Douglas Lima
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Fatima Freitas
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
Janaína Tavares
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Estado novo vargas
Estado novo vargasEstado novo vargas
Estado novo vargas
Dilermando12
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 

Mais procurados (20)

Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo ConstitucionalEra vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
Era vargas – 1934 1937 - Governo Constitucional
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
O governo Eurico Gaspar Dutra (1946-1950)
 
Slide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militarSlide educação da ditadura militar
Slide educação da ditadura militar
 
A república liberal
A república liberalA república liberal
A república liberal
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Crise da República Velha
Crise da República VelhaCrise da República Velha
Crise da República Velha
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Estado novo vargas
Estado novo vargasEstado novo vargas
Estado novo vargas
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 

Destaque

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
krrico93
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
drycaaa
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
nanasimao
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
Sílvia Mendonça
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
liea
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
diuguitofelgas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
alanac
 
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. MedeirosA Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
João Medeiros
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rui Neto
 

Destaque (10)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
A RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos CravosA RevoluçãO Dos Cravos
A RevoluçãO Dos Cravos
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. MedeirosA Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
A Era Vargas (1930-1945). Prof. Medeiros
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 

Semelhante a Brasil Era Vargas (1930 - 45)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Iara Simiquelli
 
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).pptA ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
MarcelMonteiro3
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
harlissoncarvalho
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
harlissoncarvalho
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Lú Carvalho
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Laércio Góes
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Amin Zahluth
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
Edenilson Morais
 
ERA VARGAS (1930-1945).pptx
ERA VARGAS (1930-1945).pptxERA VARGAS (1930-1945).pptx
ERA VARGAS (1930-1945).pptx
LucianaAbrantesNobre
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
felipewatz
 
Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)
Dinei2814
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
isameucci
 
Getulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles VargasGetulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles Vargas
sissapb
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
André Ubinski
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Lú Carvalho
 
Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945
Privada
 
A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945
Pedro Artigas Daiha
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
Udison Brito Oliveira
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Nelia Salles Nantes
 
Era vargas
Era vargasEra vargas

Semelhante a Brasil Era Vargas (1930 - 45) (20)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).pptA ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
A ERA VARGAS - ETAPAS DO GOVERNO(1930-1945).ppt
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
 
ERA VARGAS (1930-1945).pptx
ERA VARGAS (1930-1945).pptxERA VARGAS (1930-1945).pptx
ERA VARGAS (1930-1945).pptx
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
 
Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)Era vargas (1930-1945)
Era vargas (1930-1945)
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Getulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles VargasGetulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles Vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945Era Vargas 1930 - 1945
Era Vargas 1930 - 1945
 
A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945A Era Vargas: 1930-1945
A Era Vargas: 1930-1945
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 

Mais de Alexandre Protásio

Os caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino PolitecnicoOs caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino Politecnico
Alexandre Protásio
 
Mudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialMudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialAlexandre Protásio
 
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialeticoBreve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Alexandre Protásio
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Alexandre Protásio
 
Brasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura MilitarBrasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura Militar
Alexandre Protásio
 
II Guerra Mundial
II Guerra MundialII Guerra Mundial
II Guerra Mundial
Alexandre Protásio
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Alexandre Protásio
 
Importancia do Trabalho
Importancia do TrabalhoImportancia do Trabalho
Importancia do Trabalho
Alexandre Protásio
 
Desigualdades Sociais
Desigualdades SociaisDesigualdades Sociais
Desigualdades Sociais
Alexandre Protásio
 
Descolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e AsiaDescolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e Asia
Alexandre Protásio
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
Alexandre Protásio
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
Alexandre Protásio
 
Brasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeuBrasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeu
Alexandre Protásio
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
Alexandre Protásio
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Alexandre Protásio
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Alexandre Protásio
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
Alexandre Protásio
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
Alexandre Protásio
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IITransicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IIAlexandre Protásio
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Alexandre Protásio
 

Mais de Alexandre Protásio (20)

Os caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino PolitecnicoOs caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino Politecnico
 
Mudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialMudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao social
 
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialeticoBreve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
 
Brasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura MilitarBrasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura Militar
 
II Guerra Mundial
II Guerra MundialII Guerra Mundial
II Guerra Mundial
 
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economicaBrasil Colonial - expansao e diversidade economica
Brasil Colonial - expansao e diversidade economica
 
Importancia do Trabalho
Importancia do TrabalhoImportancia do Trabalho
Importancia do Trabalho
 
Desigualdades Sociais
Desigualdades SociaisDesigualdades Sociais
Desigualdades Sociais
 
Descolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e AsiaDescolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e Asia
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
 
Brasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeuBrasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeu
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IITransicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 

Último

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Brasil Era Vargas (1930 - 45)

  • 1. Era Vargas 1930 – 1945 (1954)
  • 2. ::: O Governo Provisório (1930 – 34) ::: - O novo governo aglutinou diversas forças sociais (oligarquias dissidentes, classes médias, setores da burguesia urbana) e o exército; - As oligarquias não iriam mais exercer o papel hegemônico; - As disputas políticas abriram espaço para a intermediação pessoal de Getúlio Vargas; - As forças do novo governo estavam centradas nas lideranças tenentistas. Nomeou vários para cargos de interventores ;
  • 3.  
  • 4. ::: Governo Provisório (1930 – 34) ::: - O esvaziamento do tenentismo: a divisão dos tenentistas em direita e esquerda e o fortalecimento do poder pessoal de Vargas; - Vargas acenava às classes trabalhadoras com reformas trabalhistas e benefícios, esboçava-se o populismo ; - Buscou reeditar a política de apoio ao café, através do Conselho Nacional do Café (CNC) , promovendo a compra e estocagem do produto; o objetivo era se aproximar da oligarquia paulista;
  • 5.  
  • 6. ::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: - A política de estocagem do CNC produziu a elevação dos preços, mas levou a formação de estoques imensos; - Em julho de 1931, o governo decidiu pela queima dos estoques do produto; - O sustento da atividade cafeeira manteve os sistemas bancário, ferroviário e comercial – setores que dependiam do café;
  • 7.  
  • 8. ::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: - Estavam inviabilizadas as importações, pois existia pouca moeda internacional no país; - A emissão de papel-moeda para comprar o café desvalorizava o mil-réis, dificultando ainda mais as importações; - Resultado: esses fatores encorajavam o desenvolvimento da produção industrial interna;
  • 9. ::: Defesa do setor cafeeiro e indústria ::: - 1933 – 1939: crescimento expressivo da indústria nacional, principalmente nos setores têxtil e alimentar; - Nova época: início da mudança no modelo econômico. O país deixa de ser uma economia predominantemente agro-exportadora; - Industrialização por substituição de importações ;
  • 10. ::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: - Novamente fortalecida, a oligarquia cafeeira iria questionar o poder de Getúlio Vargas; - Vargas nomeou um interventor paraibano (João Alberto) para São Paulo, o que desagradou os cafeeicultores; - Mesmo com a nomeação de um interventor paulista (Pedro de Toledo), a insatisfação continuava crescendo;
  • 11. ::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: - Frente Única Paulista: Partido Democrático (que rompe com o Governo Vargas) e o PRP; - Propostas: ::: nomeação de interventor civil para São Paulo; ::: volta do Estado de Direito; ::: Constituição para o país; - As promessas de redemocratização e convocação de uma assembleia constituinte eram vagas;
  • 12.  
  • 13. ::: Revolução Constitucionalista (1932) ::: - Os motivos por trás da Frente Única Paulista : A elite cafeeira paulista desejava retornar ao poder; - Em 09 de julho de 1932, São Paulo rompe com o Governo Vargas; - Alistamento de jovens da classe média paulista ao exército constitucionalista; - Não houve adesão do operariado paulista; - Mal equipados e após três meses de escaramuças, os paulistas se renderam;
  • 14.  
  • 15. ::: A Constituição de 1934 ::: - Vargas buscou uma composição política (acordo) com a oligarquia paulista; - Código Eleitoral (1933): introduzia o voto secreto e feminino; justiça eleitoral; “deputados classistas”, eleitos pelos sindicatos; - Em julho de 1934, a Constituinte aprovava uma nova Constituição;
  • 16. ::: A Constituição de 1934 ::: - Características: ::: República federativa, com redução da autonomia dos Estados; ::: Separação e independência dos poderes; ::: Eleição direta para o Executivo e Legislativo; ::: Incorporação do Código Eleitoral à nova carta; ::: Criação do Tribunal do Trabalho e legislação trabalhista (direito à liberdade de organização sindical); ::: Possibilidade de nacionalização de empresas estrangeiras; ::: Monopólio estatal sobre determinadas indústrias; ::: O primeiro presidente seria eleito por voto indireto (pelos deputados e senadores).
  • 17.  
  • 18. ::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Um dia após a promulgação da Constituição de 1934, Vargas foi eleito presidente de forma indireta; - Vargas continuava aproveitando a crise política (ausência de hegemonia de um grupo social) para intensificar sua liderança pessoal; - A radicalização da política: fortalecimento das influências comunista e fascista entre os grupos políticos brasileiros; o liberalismo estava em crise.
  • 19. ::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Ação Integralista Brasileira (AIB): repudiavam a democracia liberal, propondo um governo autoritário, chefiado por um líder autoritário; nacionalistas (xenofobia); líder: Plínio Salgado; - Rejeitavam o comunismo, pois acreditavam na desigualdade entre os homens; - O símbolo do movimento era o Sigma ( ∑ ) e seus membros saudavam-se com um cumprimento tupi-guarani “anauê!”; inspiravam-se no nazismo alemão;
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. ::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Aliança Nacional Libertadora (ANL): rejeição ao fascismo; as desconfianças em relação a democracia liberal; mobilização popular; frente ampla com os comunistas à frente; - Modelo excludente escravista e critério censitário, não representativo da sociedade brasileira; - Criada em março de 1935, contava com um número crescente de adeptos por todo o país;
  • 23.  
  • 24. ::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Propostas da ANL: ::: suspensão do pagamento da dívida externa e seu cancelamento unilateral; ::: nacionalização das empresas estrangeiras; ::: defesa das liberdades individuais; ::: combate ao fascismo; ::: criação de um governo popular; ::: reforma agrária, com a manutenção da pequena e média propriedade.
  • 25.  
  • 26. ::: Governo Constitucional (1934 – 37) ::: - Crescia a defesa da revolução entre os seguidores da ANL; para eles a revolução nasceria nos quartéis e o povo a seguiria; - A frase, “Todo poder à ANL” , e o apelo revolucionário do movimento tornam-se justificativas para Vargas colocá-lo na ilegalidade; - Intentona Comunista (1935): a quartelada comunista foi derrotada e a adesão popular ao movimento não ocorreu; a tentativa de golpe deu motivo para Vargas decretar o estado de sítio;
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. ::: O golpe do Estado Novo (1937) ::: - A disputa eleitoral de 1934 iniciou com três candidatos: Armando de Salles Oliveira (paulista, Partido Democrático), José Américo de Almeida (candidato do Governo Vargas, paraibano) e Plínio Salgado (candidato da AIB); - Góis Monteiro e Vargas conspiravam para um golpe; - Nascia um modelo de desenvolvimento industrial estatizante e ligado às Forças Armadas, cada vez mais atraídas pela ideia de uma ditadura;
  • 30. ::: O golpe do Estado Novo (1937) ::: - O golpe militar recebia apoio dos governadores dos Estados; - O governo divulgou a existência de um falso plano, o Plano Cohen (redigido por um integralista, o Capitão Olympio de Mourão Filho, previa uma revolução comunista); - O falso plano foi mais um pretexto para o golpe. Em 10 de novembro de 1937, Vargas ordenou o fechamento do Congresso, a extinção dos partidos, a suspensão da campanha presidencial e da Constitução.
  • 31.  
  • 32. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - Nova Constituição (a Polaca, 1937): com inspiração fascista. Características: ::: Centralização política, com fortalecimento do Executivo; ::: Extinção do Legislativo, cujas funções passariam ao Executivo; ::: Subordinação do Judiciário ao Executivo; ::: Indicação dos governadores (interventores) dos Estados pelo presidente; ::: Legislação trabalhista.
  • 33. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - A oposição ao golpe foi mínima, recebido com relativa tranquilidade pela população; - A campanha anticomunista dos anos anteriores mostrava sinais de funcionar; - O Estado Novo não deve ser considerado um regime fascista (apesar da inspiração), pois lhe faltava um partido político; - Faltava também ao Estado Novo um “passado” (como o nazismo alemão, que dizia-se herdeiro de uma história ariana);
  • 34.  
  • 35. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - Intentona Integralista (1938) : a AIB, mantida à margem do Estado Novo, tentou derrubar Vargas; Plínio Salgado foi enviado ao exílio e a AIB foi extinta; - Criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) : ::: enaltecer o governo e o presidente; ::: controlar os meios de comunicação (censura prévia); ::: promoção de eventos culturais (de interesse nacional).
  • 36.  
  • 37.  
  • 38. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) : ::: aumento das atribuições do Estado brasileiro; ::: intervenção maior do Estado sobre a economia; ::: função de coordenar e controlar os serviços públicos; ::: aumento da eficiência dos serviços públicos; - A criação do DASP representou uma revolução no serviço público, tradicional reduto de nepotismo, favorecimentos e privilégios ;
  • 39. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - O poder policial se fortaleceu, principalmente a Polícia Especial, chefiada por Filinto Müller ; - Prisão de Luís Carlos Prestes (por dez anos) e tortura de comunistas; - Olga Benário , militante comunista, é presa e deportada para a Alemanha nazista. Estava grávida, sendo confinada num campo de concentração. Poucos anos depois foi assassinada numa câmara de gás;
  • 40.  
  • 41. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - Aproximação de Vargas dos trabalhadores urbanos , configurando o populismo; - Os novos operários, ao contrário dos imigrantes, eram oriundos do campo e despolitizados; - Não parecia ser necessário uma organização sindical, pois o governo atendia aos interesses dos trabalhadores; - Mesmo assim, Vargas atrelou os sindicatos ao Estado , sendo os líderes sindicais meros funcionários estatais;
  • 42. ::: Estado Novo (1937 – 45) ::: - “Duas faces da mesma moeda”: de um lado, sofisticação modernizadora do paternalismo ; do outro, sujeição agradecida e amorfa da população ; - Concessões populares: introdução do salário mínimo; semana de 44 horas de trabalho; Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), carteira profissional, férias remuneradas; - As reformas de Vargas distensionava as relações entre operariado e burguesia , o que diminuía o ímpeto revolucionário dos trabalhadores;
  • 43.  
  • 44. ::: Intervenção do Estado na Economia ::: - Os órgãos de coordenação macroeconômica do Estado Novo promoviam a expansão de setores tradicionais e fomentavam novas atividades , viabilizando a instalação de empresas estatais; - A indústria pesada estava concentrada nas empresas estatais, pois exigiam investimentos além das capacidades do empresariado; - Setores com presença do Estado: siderurgia, mineração, mecânica pesada, química e geração de energia, principalmente hidrelétrica;
  • 45. ::: Intervenção do Estado na Economia ::: - A Segunda Guerra Mundial trouxe efeitos benéficos para a economia brasileira; - Aumento no preço dos produtos agrícolas exportados pelo Brasil; - Por outro lado, a dificuldade para a importação de máquinas, equipamentos e matérias-primas desaceleraram a produção industrial; - A Era Vargas é considera um período de modernização conservadora (industrialização num período de ditadura).
  • 46.  
  • 47. ::: Brasil na Segunda Guerra Mundial ::: - A posição do Governo Vargas pendia entre os aliados e o eixo (nazi-fascismo); - Em 11 de junho de 1940 , entusiasmado com as vitórias nazistas na guerra, Vargas saudou o sucesso nazista; - Os EUA enviam 20 milhões de dólares para a construção da Usina Siderúrgica de Volta Redonda , o que fez o Brasil pender para os Aliados na guerra; - 1942: após o torpedeamento de vários navios brasileiros, o Governo Vargas declara guerra as forças do Eixo;
  • 48. ::: Brasil na Segunda Guerra Mundial ::: - FEB (Força Expedicionária Brasileira) e FAB (Força Aérea Brasileira) : 25 mil homens; - Em 11 de junho de 1940 , entusiasmado com as vitórias nazistas na guerra, Vargas saudou o sucesso nazista; - Os brasileiros lutaram na Itália; - Enfrentaram forças alemãs mal equipadas e desabastecidas, mas demonstraram desempenho satisfatório;
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. ::: Crise do Estado Novo ::: - Situação insólita: combatia-se a ditadura fascista na Europa, enquanto, no Brasil, mantinha-se um regime ditatorial, desgastado e inspirado no fascismo; - Góis Monteiro, aliado de Vargas no golpe do Estado Novo, passou a defender eleições democráticas; - Vargas, pressionado, emite decreto possibilitando a criação de partidos políticos e marcando eleições para o final de 1945;
  • 52. ::: Crise do Estado Novo ::: - O objetivo de Vargas era redemocratizar o país e se apresentar como um grande democrata; - Vargas organizou dois partidos: PTB (Partido Trabalhista Brasileiro , composto pelos sindicalistas varguistas) e PSD (Partido Social Democrático , formado pelos interventores e burocracia estatal); - Queremismo: Vargas estimulava movimentos e comícios, onde repetia-se “Queremos Getúlio!” ; o movimento envolveu, inclusive, o PCB;
  • 53.  
  • 54. ::: Crise do Estado Novo ::: - Nova situação insólita: temendo uma guinada à esquerda de Vargas, o General Góis Monteiro e o General Eurico Gaspar Dutra derrubam-no, colocando fim ao Estado Novo; - Vargas continuava um político influente, capaz de estabelecer as pautas da política nacional; - Os partidos PTB e PSD , em aliança, lançam o General Eurico Gaspar Dutra , que também recebeu o apoio de Getúlio Vargas;
  • 55.  
  • 56. ::: Bibliografia ::: - www.google.com.br/imagens - VICENTINO, C. História do Ensino Médio: história geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2008.