SlideShare uma empresa Scribd logo
Brasil Colonial Expansão e Diversidade Econômica
::: As invasões de nações europeias ::: - A  União Ibérica  (quando Espanha e Portugal estavam sob a mesma coroa) atraiu ao Brasil os inimigos dos castelhanos; -  Franceses:  fundaram, em 1555, uma colônia no Rio de Janeiro, a  França Antártica ; foram expulsos pelo governador-geral Mem de Sá, em 1567; - Os franceses tentaram uma nova colônia, no Maranhão, a  França Equinocial , mas também fracassaram;
 
::: As invasões de nações europeias ::: - Na  Holanda , o desenvolvimento comercial e o calvinismo levaram as autoridades flamengas a lutar contra o domínio espanhol; - Em 1581, os holandeses obtiveram a independência; - Após trégua, os holandeses retomaram a ofensiva militar, fundando a  Companhia das Índias Ocidentais ; - O objetivo era controlar o comércio do açúcar brasileiro e apossar-se dos domínios ibéricos na América e África.
::: Holandeses no Brasil ::: - Tentativa frustrada de invadir Salvador, Bahia; - Uma grande expedição invadiu a região de Olinda e Recife, onde permaneceram por 25 anos; -  Maurício de Nassau (1637 – 1644) : ::: Concedeu empréstimos aos senhores de engenho; ::: Garantiu o aumento da produtividade; ::: Trouxe artistas e cientistas da Europa; ::: Modernizou Recife urbanisticamente.
 
::: A crise dos holandeses no Brasil ::: -  Últimos anos da administração de Maurício de Nassau : queda do preço do açúcar no mercado europeu; perda de safras por incêndios, pragas e inundações; falência de muitos senhores de engenho; - A Companhia determinou cobrança integral das dívidas dos senhores de engenho; - Expulsão dos holandeses de São Luís, Maranhão; -  Insurreição Pernambucana (1645 – 1654) : expulsão definitiva dos holandeses. Paz de Haia (1661).
 
::: Os holandeses nas Antilhas ::: - Implantaram a empresa açucareira em seus domínios nas Antilhas; - Estabeleceram  forte concorrência ao açúcar brasileiro , aproveitando-se dos técnicas de cultivo aprendidas no Brasil; - A concorrência provocou a primeira crise da economia colonial, levando o Nordeste à perder sua supremacia econômica na Colônia;
::: Outras atividades econômicas ::: - Havia certo  dinamismo interno  na colônia, através do comércio de alimentos, empréstimos, escravos, entre outros; - Vários mercadores enriqueceram, comparam terras e escravos, conquistando prestígio social; - A economia colonial também produzia mandioca, arroz, milho, feijão, tabaco e algodão, aguardente e rapadura, tanto para subsistência quanto para exportação; - A  mandioca  estava na base da alimentação colonial.
 
::: Outras atividades econômicas ::: -  Fumo : produzido principalmente na Bahia, era moeda de troca no comércio de escravos nas regiões africanas; - A produção de tabaco era controlada, sobretudo, por mulatos e negros livres, e não foi uma atividade da elite; - A produção de  rapadura  e  aguardente , também era importante na troca por escravos africanos; - O  algodão , no início, estava ligado à confecção de roupas para os escravos. Logo tornou-se em produto de exportação.
 
::: Expansão territorial do Brasil ::: - A  pecuária  e a  extração das drogas do sertão , junto com as expedições para o interior foram decisivas para a ocupação do território brasileiro e sua expansão; - Era comum indígenas servirem de guias nesses deslocamentos pelo interior; - Populações se fixavam nos caminhos dos exploradores para oferecer abrigo as pessoas e descanso aos animais; - Os perigos dessas expedições iam desde animais selvagens, doenças e até ataques indígenas frequentes.
 
::: Ocupação do Nordeste e Amazônia ::: - A  criação de gado  deixou o litoral e avançou para o interior, evitando destruir os canaviais; - A pecuária oferecia força motriz para os engenhos, transporte, alimento e couro; - Surgiram fazendas, chamadas  currais ; - A atividade pecuarista utilizava, principalmente, mão-de-obra livre. O pagamento era em espécie (gado) ; - Muitos colonos foram atraídos para a atividade pecuarista por causa da crise do açúcar.
 
::: Ocupação do Nordeste e Amazônia ::: - O  combate aos estrangeiros  estimulou o surgimento de fortificações no Nordeste e região amazônica; - A ocupação dessas terras contou ainda com apresadores de índios e com jesuítas; - A principal base econômica da ocupação da Amazônia foi a coleta de recursos florestais ( drogas do sertão ), como cacau, baunilha, guaraná, ervas medicinais e aromáticas; - A atividade substituiu o comércio de especiarias com a Índia.
 
::: A expansão bandeirante ::: -  Bandeiras : expedições cujo objetivo era procurar riquezas no interior da Colônia e capturar nativos para vender como escravos; - A ocupação holandesa dos principais portos africanos de fornecimento de escravos estimulou a escravidão indígena e as bandeiras; - Muitas bandeiras atacaram as  missões jesuíticas , pois os índios aculturados valiam mais no mercado de escravos (mais adaptados ao trabalho na lavoura);
 
::: A expansão bandeirante ::: - As principais bandeiras eram destinadas à  procura de metais preciosos , incentivadas pela Metrópole; - O financiamento das expedições permitiu a descoberta de ouro na região de Minas Gerais; - Os bandeirantes se instalaram na região que viria a ser  São Paulo  por meio de  acordo  com indígenas (casamentos com mulheres indígenas); - O bandeirante foi, em geral, um mestiço que aprendeu com os indígenas como fazer a guerra contra outras tribos;
 
::: A expansão bandeirante ::: - Portugueses, estrangeiros e colonos, apelidados pelo paulista de  emboabas  (“estrangeiros”) foram atraídos para a região das minas, entrando em conflitos armados; - Expulsos da região, os paulistas dirigiram-se para a região central da Colônia; - Descobriram ouro em Mato Grosso e em Goiás; - Apesar de terem submetidos milhares de indígenas a escravidão, os bandeirantes foram responsáveis pelo povoamento do interior, a descoberto de ouro e a expansão do território.
 
::: A conquista do Sul ::: -  Domínio Português:  Destruição das missões jesuíticas pelos bandeirantes e fundação da Colônia do Sacramento, em 1680; - A  Colônia do Sacramento  rivalizava com o domínio espanhol na Região do Prata e era apoiada pela Inglaterra; - Criação das estâncias, fazendas de gado; - A pecuária no RS foi favorecida pelos campos e pela economia mineira, em desenvolvimento no sudeste.
 
 
 
 
::: A conquista do Sul ::: -  Produção do charque : carne-seca durável, fácil de transportar e utilizar; - A produção de charque transformou-se na base da economia da região, controlada pelos portugueses; - Após a anulação do  Tratado de Tordesilhas , novos tratados foram tentados: ::: Tratado de Madri (1750); ::: Tratado de Santo Ildefonso (1777); ::: Tratado de Badajós (1801).
 
 
::: Bibliografia ::: VICENTINO, C. História Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2010. www.google.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guerra fria 3os
Guerra fria   3osGuerra fria   3os
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Aulas de História
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
historiando
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
CBM
 
GUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOSGUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOS
Louise Caldart Colombo
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
Edenilson Morais
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
Portal do Vestibulando
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
Anderson Torres
 
Fragmentação da Iugoslavia
Fragmentação da IugoslaviaFragmentação da Iugoslavia
Fragmentação da Iugoslavia
Deto - Geografia
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 

Mais procurados (20)

Guerra fria 3os
Guerra fria   3osGuerra fria   3os
Guerra fria 3os
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
 
GUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOSGUERRA DE CANUDOS
GUERRA DE CANUDOS
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
Fragmentação da Iugoslavia
Fragmentação da IugoslaviaFragmentação da Iugoslavia
Fragmentação da Iugoslavia
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 

Destaque

O projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
O projeto agrícola da exploração colonial portuguesaO projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
O projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
Jose Ribamar Santos
 
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIADIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
Jackeline Póvoas
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
Bruna Azevedo
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
Alexandre Protásio
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
José Augusto Fiorin
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Descoberta e Povoamento da Madeira
Descoberta e Povoamento da MadeiraDescoberta e Povoamento da Madeira
Descoberta e Povoamento da Madeira
Constança Lopes
 
A diversidade regional brasileira
A diversidade regional brasileiraA diversidade regional brasileira
A diversidade regional brasileira
fernandesrafael
 
Brasil colonia ou América Portuguesa
Brasil colonia ou América PortuguesaBrasil colonia ou América Portuguesa
Brasil colonia ou América Portuguesa
Pérysson Nogueira
 
Drogas do sertão
Drogas do sertãoDrogas do sertão
Drogas do sertão
Danilo Costa
 
Economia do açucar
Economia do açucarEconomia do açucar
Economia do açucar
Chris Tomazini
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
Vitor Ferreira
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
José Eustáquio Chaves
 
Aula colonização do brasil
Aula colonização do brasilAula colonização do brasil
Aula colonização do brasil
Adriana Gomes Messias
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
nnnnEmergentes
nnnnEmergentesnnnnEmergentes
nnnnEmergentes
Maria De Jesus Lourenço
 
Questões de interpretação história guerras e conflitos
Questões de interpretação história guerras e conflitosQuestões de interpretação história guerras e conflitos
Questões de interpretação história guerras e conflitos
Atividades Diversas Cláudia
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Auxiliadora
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
nefthales
 
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
 

Destaque (20)

O projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
O projeto agrícola da exploração colonial portuguesaO projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
O projeto agrícola da exploração colonial portuguesa
 
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIADIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
DIVERSIDADE ECONÔMICA: TRABALHO DE SOCIOLOGIA
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Descoberta e Povoamento da Madeira
Descoberta e Povoamento da MadeiraDescoberta e Povoamento da Madeira
Descoberta e Povoamento da Madeira
 
A diversidade regional brasileira
A diversidade regional brasileiraA diversidade regional brasileira
A diversidade regional brasileira
 
Brasil colonia ou América Portuguesa
Brasil colonia ou América PortuguesaBrasil colonia ou América Portuguesa
Brasil colonia ou América Portuguesa
 
Drogas do sertão
Drogas do sertãoDrogas do sertão
Drogas do sertão
 
Economia do açucar
Economia do açucarEconomia do açucar
Economia do açucar
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
 
Aula colonização do brasil
Aula colonização do brasilAula colonização do brasil
Aula colonização do brasil
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
nnnnEmergentes
nnnnEmergentesnnnnEmergentes
nnnnEmergentes
 
Questões de interpretação história guerras e conflitos
Questões de interpretação história guerras e conflitosQuestões de interpretação história guerras e conflitos
Questões de interpretação história guerras e conflitos
 
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorialCap 25 brasil colonia a expansão territorial
Cap 25 brasil colonia a expansão territorial
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
BIOMAS BRASILEIROS E CIDADANIA - Palestra campfrat 2017
 

Semelhante a Brasil Colonial - expansao e diversidade economica

América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômicaAmérica Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
isameucci
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
Lídia Barreto
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
paeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçaopaeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçao
Flávio Márcio
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
Patrícia Sanches
 
Economia
EconomiaEconomia
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
Kaíne Colodetti
 
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Lucir Antonio de Souza
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
Elizeu filho
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
Péricles Penuel
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
smece4e5
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
Isabel Aguiar
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
Isabel Aguiar
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
ValniksonViana
 

Semelhante a Brasil Colonial - expansao e diversidade economica (20)

América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômicaAmérica Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
América Portuguesa - Expansão e diversidade econômica
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
paeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçaopaeponte da colonoziçao
paeponte da colonoziçao
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandesesAula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
Aula brasil-colonial-ac3a7ucar-holandeses
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
aula_11_de_historia_-_7º_ano_8º_quinzena_-_conquista_e_colonizacao_da_america...
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Colonização da america
Colonização da americaColonização da america
Colonização da america
 
Slides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdfSlides - Brasil Colonial.pdf
Slides - Brasil Colonial.pdf
 

Mais de Alexandre Protásio

Os caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino PolitecnicoOs caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino Politecnico
Alexandre Protásio
 
Mudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialMudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialAlexandre Protásio
 
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialeticoBreve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Alexandre Protásio
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Alexandre Protásio
 
Brasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura MilitarBrasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura Militar
Alexandre Protásio
 
II Guerra Mundial
II Guerra MundialII Guerra Mundial
II Guerra Mundial
Alexandre Protásio
 
Importancia do Trabalho
Importancia do TrabalhoImportancia do Trabalho
Importancia do Trabalho
Alexandre Protásio
 
Desigualdades Sociais
Desigualdades SociaisDesigualdades Sociais
Desigualdades Sociais
Alexandre Protásio
 
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Alexandre Protásio
 
Descolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e AsiaDescolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e Asia
Alexandre Protásio
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
Alexandre Protásio
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
Alexandre Protásio
 
Brasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeuBrasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeu
Alexandre Protásio
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
Alexandre Protásio
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Alexandre Protásio
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Alexandre Protásio
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
Alexandre Protásio
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IITransicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IIAlexandre Protásio
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Alexandre Protásio
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Alexandre Protásio
 

Mais de Alexandre Protásio (20)

Os caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino PolitecnicoOs caminhos do Ensino Politecnico
Os caminhos do Ensino Politecnico
 
Mudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao socialMudanca, revolucao e transformacao social
Mudanca, revolucao e transformacao social
 
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialeticoBreve ensaio sobre o metodo dialetico
Breve ensaio sobre o metodo dialetico
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
 
Brasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura MilitarBrasil Ditadura Militar
Brasil Ditadura Militar
 
II Guerra Mundial
II Guerra MundialII Guerra Mundial
II Guerra Mundial
 
Importancia do Trabalho
Importancia do TrabalhoImportancia do Trabalho
Importancia do Trabalho
 
Desigualdades Sociais
Desigualdades SociaisDesigualdades Sociais
Desigualdades Sociais
 
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
 
Descolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e AsiaDescolonizacao da Africa e Asia
Descolonizacao da Africa e Asia
 
Diaspora Africana
Diaspora AfricanaDiaspora Africana
Diaspora Africana
 
Brasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinioBrasil Republica Velha - declinio
Brasil Republica Velha - declinio
 
Brasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeuBrasil Republica Velha - apogeu
Brasil Republica Velha - apogeu
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IITransicao do Feudalismo para o Capitalismo II
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo II
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Brasil Colonial - expansao e diversidade economica

  • 1. Brasil Colonial Expansão e Diversidade Econômica
  • 2. ::: As invasões de nações europeias ::: - A União Ibérica (quando Espanha e Portugal estavam sob a mesma coroa) atraiu ao Brasil os inimigos dos castelhanos; - Franceses: fundaram, em 1555, uma colônia no Rio de Janeiro, a França Antártica ; foram expulsos pelo governador-geral Mem de Sá, em 1567; - Os franceses tentaram uma nova colônia, no Maranhão, a França Equinocial , mas também fracassaram;
  • 3.  
  • 4. ::: As invasões de nações europeias ::: - Na Holanda , o desenvolvimento comercial e o calvinismo levaram as autoridades flamengas a lutar contra o domínio espanhol; - Em 1581, os holandeses obtiveram a independência; - Após trégua, os holandeses retomaram a ofensiva militar, fundando a Companhia das Índias Ocidentais ; - O objetivo era controlar o comércio do açúcar brasileiro e apossar-se dos domínios ibéricos na América e África.
  • 5. ::: Holandeses no Brasil ::: - Tentativa frustrada de invadir Salvador, Bahia; - Uma grande expedição invadiu a região de Olinda e Recife, onde permaneceram por 25 anos; - Maurício de Nassau (1637 – 1644) : ::: Concedeu empréstimos aos senhores de engenho; ::: Garantiu o aumento da produtividade; ::: Trouxe artistas e cientistas da Europa; ::: Modernizou Recife urbanisticamente.
  • 6.  
  • 7. ::: A crise dos holandeses no Brasil ::: - Últimos anos da administração de Maurício de Nassau : queda do preço do açúcar no mercado europeu; perda de safras por incêndios, pragas e inundações; falência de muitos senhores de engenho; - A Companhia determinou cobrança integral das dívidas dos senhores de engenho; - Expulsão dos holandeses de São Luís, Maranhão; - Insurreição Pernambucana (1645 – 1654) : expulsão definitiva dos holandeses. Paz de Haia (1661).
  • 8.  
  • 9. ::: Os holandeses nas Antilhas ::: - Implantaram a empresa açucareira em seus domínios nas Antilhas; - Estabeleceram forte concorrência ao açúcar brasileiro , aproveitando-se dos técnicas de cultivo aprendidas no Brasil; - A concorrência provocou a primeira crise da economia colonial, levando o Nordeste à perder sua supremacia econômica na Colônia;
  • 10. ::: Outras atividades econômicas ::: - Havia certo dinamismo interno na colônia, através do comércio de alimentos, empréstimos, escravos, entre outros; - Vários mercadores enriqueceram, comparam terras e escravos, conquistando prestígio social; - A economia colonial também produzia mandioca, arroz, milho, feijão, tabaco e algodão, aguardente e rapadura, tanto para subsistência quanto para exportação; - A mandioca estava na base da alimentação colonial.
  • 11.  
  • 12. ::: Outras atividades econômicas ::: - Fumo : produzido principalmente na Bahia, era moeda de troca no comércio de escravos nas regiões africanas; - A produção de tabaco era controlada, sobretudo, por mulatos e negros livres, e não foi uma atividade da elite; - A produção de rapadura e aguardente , também era importante na troca por escravos africanos; - O algodão , no início, estava ligado à confecção de roupas para os escravos. Logo tornou-se em produto de exportação.
  • 13.  
  • 14. ::: Expansão territorial do Brasil ::: - A pecuária e a extração das drogas do sertão , junto com as expedições para o interior foram decisivas para a ocupação do território brasileiro e sua expansão; - Era comum indígenas servirem de guias nesses deslocamentos pelo interior; - Populações se fixavam nos caminhos dos exploradores para oferecer abrigo as pessoas e descanso aos animais; - Os perigos dessas expedições iam desde animais selvagens, doenças e até ataques indígenas frequentes.
  • 15.  
  • 16. ::: Ocupação do Nordeste e Amazônia ::: - A criação de gado deixou o litoral e avançou para o interior, evitando destruir os canaviais; - A pecuária oferecia força motriz para os engenhos, transporte, alimento e couro; - Surgiram fazendas, chamadas currais ; - A atividade pecuarista utilizava, principalmente, mão-de-obra livre. O pagamento era em espécie (gado) ; - Muitos colonos foram atraídos para a atividade pecuarista por causa da crise do açúcar.
  • 17.  
  • 18. ::: Ocupação do Nordeste e Amazônia ::: - O combate aos estrangeiros estimulou o surgimento de fortificações no Nordeste e região amazônica; - A ocupação dessas terras contou ainda com apresadores de índios e com jesuítas; - A principal base econômica da ocupação da Amazônia foi a coleta de recursos florestais ( drogas do sertão ), como cacau, baunilha, guaraná, ervas medicinais e aromáticas; - A atividade substituiu o comércio de especiarias com a Índia.
  • 19.  
  • 20. ::: A expansão bandeirante ::: - Bandeiras : expedições cujo objetivo era procurar riquezas no interior da Colônia e capturar nativos para vender como escravos; - A ocupação holandesa dos principais portos africanos de fornecimento de escravos estimulou a escravidão indígena e as bandeiras; - Muitas bandeiras atacaram as missões jesuíticas , pois os índios aculturados valiam mais no mercado de escravos (mais adaptados ao trabalho na lavoura);
  • 21.  
  • 22. ::: A expansão bandeirante ::: - As principais bandeiras eram destinadas à procura de metais preciosos , incentivadas pela Metrópole; - O financiamento das expedições permitiu a descoberta de ouro na região de Minas Gerais; - Os bandeirantes se instalaram na região que viria a ser São Paulo por meio de acordo com indígenas (casamentos com mulheres indígenas); - O bandeirante foi, em geral, um mestiço que aprendeu com os indígenas como fazer a guerra contra outras tribos;
  • 23.  
  • 24. ::: A expansão bandeirante ::: - Portugueses, estrangeiros e colonos, apelidados pelo paulista de emboabas (“estrangeiros”) foram atraídos para a região das minas, entrando em conflitos armados; - Expulsos da região, os paulistas dirigiram-se para a região central da Colônia; - Descobriram ouro em Mato Grosso e em Goiás; - Apesar de terem submetidos milhares de indígenas a escravidão, os bandeirantes foram responsáveis pelo povoamento do interior, a descoberto de ouro e a expansão do território.
  • 25.  
  • 26. ::: A conquista do Sul ::: - Domínio Português: Destruição das missões jesuíticas pelos bandeirantes e fundação da Colônia do Sacramento, em 1680; - A Colônia do Sacramento rivalizava com o domínio espanhol na Região do Prata e era apoiada pela Inglaterra; - Criação das estâncias, fazendas de gado; - A pecuária no RS foi favorecida pelos campos e pela economia mineira, em desenvolvimento no sudeste.
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31. ::: A conquista do Sul ::: - Produção do charque : carne-seca durável, fácil de transportar e utilizar; - A produção de charque transformou-se na base da economia da região, controlada pelos portugueses; - Após a anulação do Tratado de Tordesilhas , novos tratados foram tentados: ::: Tratado de Madri (1750); ::: Tratado de Santo Ildefonso (1777); ::: Tratado de Badajós (1801).
  • 32.  
  • 33.  
  • 34. ::: Bibliografia ::: VICENTINO, C. História Geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2010. www.google.com.br