SlideShare uma empresa Scribd logo
ERA  VARGAS Professora  Elaine  Pavani
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],REVOLUÇÃO  DE  30
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],“ Façamos a revolução antes que o povo a faça”  do governador mineiro Antônio Carlos.
[object Object],[object Object],[object Object],GOVERNO  PROVISÓRIO (1930 A 1934) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
As oligarquias paulistas tentam retomar o poder no  Movimento Constitucionalista  de 1932 mas são derrotados porque os outros estados não aderiram ao movimento. A Revolução Constitucionalista lança a campanha pela imediata convocação de uma Assembléia Constituinte e o fim das intervenções nos Estados. REVOLUÇÃO  CONSTITUCIONALISTA 1932
                  
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONSTITUIÇÃO DE 1934
 
INTEGRALISTAS   clero, oficiais da Forças Armadas,  empresários, profissionais liberais tendência fascista GOVERNO CONSTITUCIONAL 1934 A 1937  Líder: Plínio Salgado – AIB –  Ação Integralista Brasileira
 
ALIANCISTAS socialistas, comunistas, sociais democratas defendiam a reforma agrária, liberdade individual, não pagamento da dívida externa, nacionalização  das empresas estrangeiras. Líder Luís Carlos Prestes – ANL  Aliança Nacional Libertadora Organizaram em 1935 a  Intentona Comunista  rapidamente contida pelas forças do governo.
PLANO  COHEN ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
ESTADO  NOVO (1937-1945) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Investiu na imagem de  Pai dos pobres  Foi marcante seu estilo populista: concede aos trabalhadores urbanos alguns benefícios para obter apoio da população e passa a ser chamado carinhosamente de “pai dos pobres”. A outra face do governo de Getúlio mostrava seu caráter autoritário, que limitava seriamente a participação dos brasileiros no processo político, impunha a censura, restringia a liberdade controlando severamente os sindicatos (pelegos), reprimia com dureza os opositores..
ESTADO  NOVO Livros didáticos
 
 
ESTADO  NOVO EM CRISE As primeiras contestações populares ao poder de Vargas surgiram quando o ditador se viu constrangido a participar diretamente da  Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados, contra o Eixo nazi-fascista. A partir de 1944, mais de 25 mil soldados integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) foram combater na Europa. Vargas utilizou o estado de guerra contra o Eixo para permanecer no cargo mas as pressões contra o presidente cresciam.
FIM  DO  ESTADO  NOVO Percebendo que a derrota dos ditadores fascistas na Segunda Guerra Mundial criou uma onda democrática e elevou o prestígio dos militares das Forças Armadas, Vargas tomou algumas medidas como: marcar eleição presidencial, anistiar presos e exilados políticos, liberar a formação de partidos políticos. Getúlio participou diretamente da criação do Partido Social Democrata (PSD), lançando o general Eurico Gaspar Dutra como candidato.  Criou ainda o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) com o objetivo de lançar sua própria candidatura. No total, doze partidos foram organizados, inclusive o Partido Comunista Brasileiro (PCB) que voltou à legalidade. Os principais adversários políticos de Vargas reuniram-se e formaram a União Democrática Nacional (UDN), um partido que aproximou políticos e intelectuais que defendiam o fim da ditadura.
Nos meses que antecederam as eleições, marcadas para 2 de dezembro de 1945, Getúlio Vargas demonstrou a intenção de permanecer no poder estimulando o  Queremismo,  um movimento popular que reivindicava sua candidatura nas eleições. FIM  DO  ESTADO  NOVO Na tarde de 29 de outubro, líderes do Exército cercaram o palácio do Catete, sede do governo, exigindo a renúncia do presidente.
O GOVERNO DUTRA (1946-1951) O ministro do Supremo Tribunal Federal, José Linhares ocupou a presidência até a realização das eleições. O brigadeiro Eduardo Gomes era o candidato da UDN e o favorito para vencer o pleito. No entanto, prevaleceu a influência de Vargas sobre as massas e seu apoio ao candidato do PSD, Eurico Gaspar Dutra que saiu vitorioso.  Primeiro presidente eleito pelo voto direto desde 1926, Dutra desfrutou de estabilidade política sobretudo porque os partidos que o elegeram, eram maioria na Câmara Federal. Vargas foi eleito senador pelo Rio Grande do Sul mas ainda enfrentava muitas críticas e denúncias.
O PLANO SALTE Contando com empréstimos norte-americanos, o governo Dutra buscou elaborar um plano econômico que beneficiasse as classes trabalhadoras e também  modernizasse a infra-estrutura necessária para o aumento da produção industrial. O Plano Salte, elaborado com a orientação dos Estados Unidos, priorizava investimentos em quatro áreas:  s aúde,  al imentação,  t ransporte e  e nergia. No entanto, as medidas oficiais não tiveram continuidade e as verbas públicas destinadas aos setores sociais não foram suficientes. O projeto governamental teve poucos resultados práticos e foi abandonado em 1950. A inflação não foi controlada e o salário mínimo permanecia congelado desde 1942 o que dificultava a vida da população trabalhadora. Várias categorias entraram em greve: os bancários, os metalúrgicos, os ferroviários.
A CONSTITUIÇÃO DE 1946 Promulgada em 18 de setembro, restaurava a ordem democrática e liberal, contando com a independência dos três poderes e amplas liberdades individuais. Preservou o centralismo estatal do Estado Novo e decretou a cassação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) O governo ainda realizou intervenção nos sindicatos e  fechou a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT). Ressurgiu uma onda anticomunista no país e o Brasil rompeu relações diplomaticas com a URSS. Em 1949 foi criada a Escola Superior de Guerra (ESG), organizada segundo um modelo proposto pelos Estados Unidos.
Vargas voltou ao poder de 1951 a 1954, com 48, 7%  dos votos. Demonstrou posição contrária em relação aos Estados Unidos denunciando que empresas norte-americanas com filiais no Brasil estavam roubando a riqueza do país ao remeter para suas matrizes boa parte dos lucros que conseguiam aqui. A  VOLTA  DE  VARGAS Vargas limitou as remessas de lucro para 8% (anual) do valor do investimento realizado no país. Em 1953, o presidente Getúlio Vargas criou a Petrobrás e instituiu o monopólio estatal no setor com a campanha “O petróleo é nosso. Enfrentando um conturbado momento político, Vargas nomeia João Goulart como Ministro do Trabalho.
A  MORTE  DE  VARGAS No dia 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda, jornalista que fazia forte oposição a Vargas, sofreu um atentado no qual morreu seu guarda-costas Rubens Florentino Vaz. Acusado de mandante do crime, Vargas foi pressionado pela oposição, principalmente das forças Armadas. Sob a ameaça de um golpe, Getúlio suicidou-se com um tiro no coração na madrugada de  24 de agosto de 1954. Gregório Fortunato, chefe da guarda pessoal de Vargas, contratou dois pistoleiros para  assassinar Lacerda.
 
  " Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim.  Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam e não me dão o direito de defesa.  Precisam  sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes. Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo.  CARTA  TESTAMENTO
A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se às dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás; mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente   Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder. Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser meu sangue.
Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.  Escolho este meio de estar sempre ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão. E aos que pensam que me derrotaram, respondo com a minha vitória.  Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia, não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio.  Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História."

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
maida marciano
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
eiprofessor
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
dmflores21
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
homago
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Edenilson Morais
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Marilia Pimentel
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ócio do Ofício
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
Edenilson Morais
 
Brasil república populista 1945 1964
Brasil república populista 1945 1964Brasil república populista 1945 1964
Brasil república populista 1945 1964
dmflores21
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
Isaquel Silva
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
Edenilson Morais
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Douglas Barraqui
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
Janaína Tavares
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
O populismo no brasil
O populismo no brasilO populismo no brasil
O populismo no brasil
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
 
Ditadura militar brasileira 1964 1985
Ditadura militar brasileira 1964   1985Ditadura militar brasileira 1964   1985
Ditadura militar brasileira 1964 1985
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
Brasil república populista 1945 1964
Brasil república populista 1945 1964Brasil república populista 1945 1964
Brasil república populista 1945 1964
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Do governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulartDo governo dutra ao governo joão goulart
Do governo dutra ao governo joão goulart
 

Destaque

Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
secretaria estadual de educação
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
diogovalesousa8
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Valéria Shoujofan
 
Extrativismo vegetal e mineral
Extrativismo vegetal e mineralExtrativismo vegetal e mineral
Extrativismo vegetal e mineral
RATHES SILVA
 

Destaque (9)

Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
Extrativismo vegetal e mineral
Extrativismo vegetal e mineralExtrativismo vegetal e mineral
Extrativismo vegetal e mineral
 

Semelhante a Era Vargas

Principais temas: ENEM 2013
Principais temas: ENEM 2013Principais temas: ENEM 2013
Principais temas: ENEM 2013
Secretaria Municipal de Educação
 
Brasil contemporâneo rep. parte ii
Brasil contemporâneo   rep. parte iiBrasil contemporâneo   rep. parte ii
Brasil contemporâneo rep. parte ii
Silvia Basso
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
Ânderson Nunes
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
Edenilson Morais
 
Era vargas.
Era vargas.Era vargas.
Era vargas.
Chaldean555
 
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula 20 era vargas
Aula 20   era vargasAula 20   era vargas
Aula 20 era vargas
Jonatas Carlos
 
Era vargas 1
Era vargas 1Era vargas 1
Era vargas 1
Isabel Aguiar
 
República democrática
República democráticaRepública democrática
República democrática
eunamahcado
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
Udison Brito Oliveira
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
harlissoncarvalho
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
harlissoncarvalho
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Amin Zahluth
 
Populismo
PopulismoPopulismo
Populismo
Isabel Aguiar
 
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Ana Carolina Rodrigues
 
A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)
profabiorodrigues
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
Jose Antonio
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
Edenilson Morais
 
Da era vargas %e0 nova rep%f ablica
Da era vargas %e0 nova rep%f ablicaDa era vargas %e0 nova rep%f ablica
Da era vargas %e0 nova rep%f ablica
Escola Adventista de Amaralina
 

Semelhante a Era Vargas (20)

Principais temas: ENEM 2013
Principais temas: ENEM 2013Principais temas: ENEM 2013
Principais temas: ENEM 2013
 
Brasil contemporâneo rep. parte ii
Brasil contemporâneo   rep. parte iiBrasil contemporâneo   rep. parte ii
Brasil contemporâneo rep. parte ii
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
 
Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
 
Era vargas.
Era vargas.Era vargas.
Era vargas.
 
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
O Brasil de Vargas e Jango. Governos entre duas ditaduras.
 
Aula 20 era vargas
Aula 20   era vargasAula 20   era vargas
Aula 20 era vargas
 
Era vargas 1
Era vargas 1Era vargas 1
Era vargas 1
 
República democrática
República democráticaRepública democrática
República democrática
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Populismo
PopulismoPopulismo
Populismo
 
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
Governos de Vargas até Sarney (Ditadura e Nova República)
 
A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)A era vargas boa (1)
A era vargas boa (1)
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
Slideexplicativo 110619173024-phpapp02
 
A Era Vargas
A Era Vargas A Era Vargas
A Era Vargas
 
Da era vargas %e0 nova rep%f ablica
Da era vargas %e0 nova rep%f ablicaDa era vargas %e0 nova rep%f ablica
Da era vargas %e0 nova rep%f ablica
 

Mais de Elaine Bogo Pavani

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Elaine Bogo Pavani
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Elaine Bogo Pavani
 
Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
Elaine Bogo Pavani
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptxRevisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptx
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Elaine Bogo Pavani
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Elaine Bogo Pavani
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
Elaine Bogo Pavani
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
Elaine Bogo Pavani
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Elaine Bogo Pavani
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Elaine Bogo Pavani
 

Mais de Elaine Bogo Pavani (16)

Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução RussaPrimeira Guerra Mundial e Revolução Russa
Primeira Guerra Mundial e Revolução Russa
 
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e MercantilismoRenascimento, Reforma e Mercantilismo
Renascimento, Reforma e Mercantilismo
 
Grécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PASGrécia Antiga - PAS
Grécia Antiga - PAS
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
 
Revisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptxRevisão – pas.1pptx
Revisão – pas.1pptx
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010Revisão vestibular 2010
Revisão vestibular 2010
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
De Juscelino a Jango
De Juscelino a JangoDe Juscelino a Jango
De Juscelino a Jango
 
Roma - República e início do Império
Roma - República e início do ImpérioRoma - República e início do Império
Roma - República e início do Império
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29Guerra Civil Espanhola/Crise 29
Guerra Civil Espanhola/Crise 29
 

Era Vargas

  • 1. ERA VARGAS Professora Elaine Pavani
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. As oligarquias paulistas tentam retomar o poder no Movimento Constitucionalista de 1932 mas são derrotados porque os outros estados não aderiram ao movimento. A Revolução Constitucionalista lança a campanha pela imediata convocação de uma Assembléia Constituinte e o fim das intervenções nos Estados. REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA 1932
  • 7.
  • 8.  
  • 9. INTEGRALISTAS clero, oficiais da Forças Armadas, empresários, profissionais liberais tendência fascista GOVERNO CONSTITUCIONAL 1934 A 1937 Líder: Plínio Salgado – AIB – Ação Integralista Brasileira
  • 10.  
  • 11. ALIANCISTAS socialistas, comunistas, sociais democratas defendiam a reforma agrária, liberdade individual, não pagamento da dívida externa, nacionalização das empresas estrangeiras. Líder Luís Carlos Prestes – ANL Aliança Nacional Libertadora Organizaram em 1935 a Intentona Comunista rapidamente contida pelas forças do governo.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. Investiu na imagem de Pai dos pobres Foi marcante seu estilo populista: concede aos trabalhadores urbanos alguns benefícios para obter apoio da população e passa a ser chamado carinhosamente de “pai dos pobres”. A outra face do governo de Getúlio mostrava seu caráter autoritário, que limitava seriamente a participação dos brasileiros no processo político, impunha a censura, restringia a liberdade controlando severamente os sindicatos (pelegos), reprimia com dureza os opositores..
  • 16. ESTADO NOVO Livros didáticos
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. ESTADO NOVO EM CRISE As primeiras contestações populares ao poder de Vargas surgiram quando o ditador se viu constrangido a participar diretamente da Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados, contra o Eixo nazi-fascista. A partir de 1944, mais de 25 mil soldados integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) foram combater na Europa. Vargas utilizou o estado de guerra contra o Eixo para permanecer no cargo mas as pressões contra o presidente cresciam.
  • 20. FIM DO ESTADO NOVO Percebendo que a derrota dos ditadores fascistas na Segunda Guerra Mundial criou uma onda democrática e elevou o prestígio dos militares das Forças Armadas, Vargas tomou algumas medidas como: marcar eleição presidencial, anistiar presos e exilados políticos, liberar a formação de partidos políticos. Getúlio participou diretamente da criação do Partido Social Democrata (PSD), lançando o general Eurico Gaspar Dutra como candidato. Criou ainda o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) com o objetivo de lançar sua própria candidatura. No total, doze partidos foram organizados, inclusive o Partido Comunista Brasileiro (PCB) que voltou à legalidade. Os principais adversários políticos de Vargas reuniram-se e formaram a União Democrática Nacional (UDN), um partido que aproximou políticos e intelectuais que defendiam o fim da ditadura.
  • 21. Nos meses que antecederam as eleições, marcadas para 2 de dezembro de 1945, Getúlio Vargas demonstrou a intenção de permanecer no poder estimulando o Queremismo, um movimento popular que reivindicava sua candidatura nas eleições. FIM DO ESTADO NOVO Na tarde de 29 de outubro, líderes do Exército cercaram o palácio do Catete, sede do governo, exigindo a renúncia do presidente.
  • 22. O GOVERNO DUTRA (1946-1951) O ministro do Supremo Tribunal Federal, José Linhares ocupou a presidência até a realização das eleições. O brigadeiro Eduardo Gomes era o candidato da UDN e o favorito para vencer o pleito. No entanto, prevaleceu a influência de Vargas sobre as massas e seu apoio ao candidato do PSD, Eurico Gaspar Dutra que saiu vitorioso. Primeiro presidente eleito pelo voto direto desde 1926, Dutra desfrutou de estabilidade política sobretudo porque os partidos que o elegeram, eram maioria na Câmara Federal. Vargas foi eleito senador pelo Rio Grande do Sul mas ainda enfrentava muitas críticas e denúncias.
  • 23. O PLANO SALTE Contando com empréstimos norte-americanos, o governo Dutra buscou elaborar um plano econômico que beneficiasse as classes trabalhadoras e também modernizasse a infra-estrutura necessária para o aumento da produção industrial. O Plano Salte, elaborado com a orientação dos Estados Unidos, priorizava investimentos em quatro áreas: s aúde, al imentação, t ransporte e e nergia. No entanto, as medidas oficiais não tiveram continuidade e as verbas públicas destinadas aos setores sociais não foram suficientes. O projeto governamental teve poucos resultados práticos e foi abandonado em 1950. A inflação não foi controlada e o salário mínimo permanecia congelado desde 1942 o que dificultava a vida da população trabalhadora. Várias categorias entraram em greve: os bancários, os metalúrgicos, os ferroviários.
  • 24. A CONSTITUIÇÃO DE 1946 Promulgada em 18 de setembro, restaurava a ordem democrática e liberal, contando com a independência dos três poderes e amplas liberdades individuais. Preservou o centralismo estatal do Estado Novo e decretou a cassação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) O governo ainda realizou intervenção nos sindicatos e fechou a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT). Ressurgiu uma onda anticomunista no país e o Brasil rompeu relações diplomaticas com a URSS. Em 1949 foi criada a Escola Superior de Guerra (ESG), organizada segundo um modelo proposto pelos Estados Unidos.
  • 25. Vargas voltou ao poder de 1951 a 1954, com 48, 7% dos votos. Demonstrou posição contrária em relação aos Estados Unidos denunciando que empresas norte-americanas com filiais no Brasil estavam roubando a riqueza do país ao remeter para suas matrizes boa parte dos lucros que conseguiam aqui. A VOLTA DE VARGAS Vargas limitou as remessas de lucro para 8% (anual) do valor do investimento realizado no país. Em 1953, o presidente Getúlio Vargas criou a Petrobrás e instituiu o monopólio estatal no setor com a campanha “O petróleo é nosso. Enfrentando um conturbado momento político, Vargas nomeia João Goulart como Ministro do Trabalho.
  • 26. A MORTE DE VARGAS No dia 5 de agosto de 1954, Carlos Lacerda, jornalista que fazia forte oposição a Vargas, sofreu um atentado no qual morreu seu guarda-costas Rubens Florentino Vaz. Acusado de mandante do crime, Vargas foi pressionado pela oposição, principalmente das forças Armadas. Sob a ameaça de um golpe, Getúlio suicidou-se com um tiro no coração na madrugada de 24 de agosto de 1954. Gregório Fortunato, chefe da guarda pessoal de Vargas, contratou dois pistoleiros para assassinar Lacerda.
  • 27.  
  • 28.   " Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim.  Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes. Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. CARTA TESTAMENTO
  • 29. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se às dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás; mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder. Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser meu sangue.
  • 30. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida. Escolho este meio de estar sempre ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão. E aos que pensam que me derrotaram, respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia, não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História."