SlideShare uma empresa Scribd logo
Digestão Humana
GENERALIDADES ,[object Object]
Nutrição  é um processo biológico em que os organismos (animais e vegetais), utilizando-se de alimentos, assimilam nutrientes para a realização de suas funções vitais . Nutrição Macronutrientes São nutrientes necessários ao organismo diariamente e em grandes quantidades.  >Constituem a maior parte na dieta. >Fornecem energia e componentes fundamentais para o crescimento e manutenção do corpo.  >Fazem parte deste grupo carboidratos, proteínas e gorduras. A nutrição envolve as seguintes etapas:   Ingestão  ;   Digestão  ; Absorção   e  Egestão
Funções dos carboidratos no organismo: 1) Principal fonte de energia do corpo.  2) Regulam o metabolismo protéico, poupando proteínas.  3) A quantidade de carboidratos da dieta determina  como as gorduras serão utilizadas para suprir uma fonte  de energia imediata.   4) Necessários para o funcionamento normal  do sistema nervoso central.  5)  A celulose e outros carboidratos  indigeríveis auxiliam na eliminação do bolo  fecal. Estimulam os movimentos  peristálticos do trato gastrointestinal e  absorvem água para dar massa ao  conteúdo intestinal. 6) Apresentam   função estrutural nas membranas plasmáticas da células.
Proteínas As proteínas são compostas de carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e quase todas apresentam enxofre.  São formadas por  ligações peptídicas  estabelecidas entre os  aminoácidos . Classificação das proteínas: 1)  Proteína de alto valor biológico  (AVB): Possuem em sua composição  aminoácidos essenciais em proporções adequadas . É uma proteína completa. Ex.: proteínas da carne, peixe, aves e ovo. 2)  Proteínas de baixo valor biológico  (BVB):  Não  possuem em sua composição  aminoácidos essenciais em proporções adequadas . É uma proteína incompleta. Ex.: cereais integrais e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, etc.). 3)  Proteínas de referência :  Possuem  todos os  aminoácidos essenciais em maior quantidade.  Ex.: ovo, leite humano e leite de vaca.
Classificação dos aminoácidos: Aminoácidos são unidades estruturais das proteínas. Eles se unem em longas cadeias, em várias estruturas geométricas e combinações químicas para formar as proteínas específicas.  1)  Aminoácidos essenciais : Precisam ser fornecidos através da dieta. São eles: Valina, lisina, treonina, leucina, isoleucina, triptofano, fenilalanina e metionina.  A histidina e a arginina são essenciais para crianças até 1 ano de vida. 2)  Aminoácidos não essenciais (naturais):  Podem ser sintetizados pelo organismo em quantidades adequadas para uma função normal.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A digestão das proteínas começa no estômago, que devido a presença de ácido clorídrico, desnatura as proteínas (destrói as ligações de hidrogênio da estrutura química).
Gorduras São substâncias orgânicas de origem animal ou vegetal, formadas predominantemente de produtos de condensação entre  glicerol  e  ácidos graxos , chamados  triacilgliceróis . Além de fonte de energia, são veículos importantes de nutrientes, como vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e ácidos graxos essenciais.  Classificação: Lipídios simples : São triglicerídeos, que quando decompostos originam ácidos graxos e glicerol. Podem ser encontrados na forma sólida ou líquida. Os sólidos à temperatura ambiente são chamados de  gorduras  e os líquidos constituem os  óleos.  Lipídios compostos : São combinações de gorduras e outros componentes, como por exemplo, fósforo, glicídios, nitrogênio e enxofre, dando origem as  fosfolipídeos  (lecitina e cefalina),  glicolipídeos  (glicídios e nitrogênio – cerebrosídeos) e  lipoproteínas . Lipídios derivados : São substâncias produzidas na hidrólise ou decomposição dos lipídeos. São os  ácidos graxos saturados  e  insaturados , o  glicerol   e os  esteróis .  
Funções das Gorduras : 1) Componentes de estruturas celulares (membranas plasmáticas); 2) Principal fonte energética do organismo  (1 grama fornece 9 Kcal); 3) Importante isolante térmico e físico; 4) Sintetizam hormônios e ácidos biliares; 5) Veículos de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K); 6) Proporcionam mais palatabilidade aos alimentos. A digestão das gorduras ocorre quase totalmente no intestino delgado, porém, a ação preparatória ocorre nas paredes anteriores do trato gastrointestinal. No estomago apenas as gorduras emulsionadas (gordura do leite e da gema do ovo) recebem a ação da lípase gástrica, que desdobra as gorduras em ácidos graxos e glicerol.
Fibras Alimentares As fibras alimentares são os polissacarídios vegetais da dieta, como celulose, hemiceluloses, pectinas, gomas, mucilagens e a lignina (não polissacarídio) que não são hidrolisados pelo trato gastrointestinal humano. Funções das fibras no organismo 1) Estimulam a mastigação, e assim, a secreção da saliva e suco gástrico; 2) Enchem o estômago proporcionando uma sensação de saciedade; 3) Promovem regulação do tempo de trânsito intestinal, atrasando o esvaziamento gástrico, tornando mais lento a digestão e absorção;  4) No cólon devido a sua capacidade de absorver água, forma fezes volumosas e macias; 5) São substratos para fermentação por colônias de bactérias; 6) Atuam no metabolismo dos carboidratos no controle da glicemia formando um gel (pectina e goma) no intestino tornando mais lento a velocidade na qual a glicose entra na corrente sanguínea; 7) Na absorção e na regulação de lípideos sanguíneos as fibras insolúveis se ligam aos sais biliares e reduzem a absorção das gorduras e colesterol; as fibras solúveis diminuem especificamente o colesterol LDL;  8) São substratos para formação de ácidos graxos de cadeia curta.
Generalidades Tipos de Digestão 1) Digestão intracelular : ocorre  somente no interior da célula . A  partícula é englobada, por pinocitose ou fagocitose, sendo  então  digerida no interior de vacúolos através das enzimas  lisossômicas.  Esse tipo de digestão é encontrado em  protozoário s ,  poríferos,   celenterados  e  platelmintos. A  digestão  é o conjunto das transformações,  mecânicas  e  químicas  que os  alimentos  orgânicos sofrem ao longo de um sistema digestivo, para se converterem em compostos menores hidrossolúveis e absorvíveis.
Nos animais pluricelulares mais simples, como as  esponjas,  a digestão é exclusivamente  intracelular  e ocorre no interior de células especiais conhecidas como  coanócitos   e  amebócitos .  Nos celenterados e platelmintos, já existe uma  cavidade digestiva incompleta , isto é, como uma única abertura - a boca. Nesses animais, a digestão inicia-se numa cavidade digestiva mas o término ainda é intracelular.
À medida que os grupos animais ficam mais complexos, a digestão ocorre exclusivamente na  cavidade digestiva , ou seja, é  totalmente extracelular . É o que acontece  a partir dos nematelmintos , nos quais a eficiência do processo digestivo garante a fragmentação total do alimento na cavidade digestiva. A digestão nos celenterados é parte na cavidade gastrovascular e parte no interior de células. Lembrem-se que aqui o tubo digestivo é incompleto
Generalidades ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Sistema Digestório Humano Boca Cavidade oral Faringe Esôfago Estômago Duodeno Intestino Delgado Cólon Ascendente Ceco Apêndice Cólon Transversal Cólon Descendente Reto Ânus Tubo Digestório Fígado Vesícula Biliar Pâncreas Órgãos Anexos Glândulas Salivares
DIGESTÃO NA BOCA ,[object Object]
Digestão Mecânica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Controle da Digestão Os processos mecânico são controlados pelo Sistema nervoso. Os processos químicos dependem de estímulos do sistema neuro-hormonal.
Digestão na Boca 1) Dentes: - Digestão Mecânica - mastigação essencial para digestão; - Função:  triturar alimentos;   Dentes: pré-molares, molares, caninos, incisivos; Obs:  as aves não possuem dentes. A trituração de seus alimentos é feita por um órgão chamado de moela, que tem a função de um estômago mecânico.    2) Língua:  Função de deglutição (engolir o alimento). Promove a sensação dos sabores, em função da  presença das  papilas gustativas .
3) Glândulas salivares:  -  Glândulas exócrinas  que têm função de  produzir a  saliva , que atua na  digestão química  dos alimentos ingeridos ; - 3 tipos de glândulas: submaxilar, submandibular (ou sublingual ) e parótida;
Digestão Química ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Digestão Humana
-  Água : umidifica o alimento; - Sais minerais:  Tiocianeto, bactericida principalmente contra os estreptococos - cárie); além deste, há presença de A  Lisozima  exerce importante ação bactericida e cicatrizante. - Muco:  (glicoproteína) - torna o alimento deslizável, ajudando no peristaltismo;  - Enzima ptialina   ou amilase salivar  - age sobre os carboidratos de reserva (amido  e glicogênio) , fazendo a primeira quebra, e transformando-os em maltose (dissacarídeo) e dextrina (oligossacarídeo); -Ions:  Entre os ânions, particularmente, o bicarbonato, o  monofosfato  e o  bifosfato , que exercem um  efeito tamponante  eficaz, frente aos ácidos e às bases, o que  permite a constância do pH salivar em torno de 6,9 . Obs:  As enzimas digestivas são todas hidrolíticas, ou seja, realizam a reação na presença de água. Composição da Saliva:
Boca/Glândulas Salivares/ Saliva ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Os  dentes  e a  língua  preparam o alimento para a digestão, por meio da mastigação, os dentes reduzem os alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à  saliva , o que irá facilitar a futura ação das enzimas. A língua movimenta o alimento empurrando-o em direção a garganta, para que seja engolido. Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários:  doce, azedo, salgado e amargo . A presença de alimento na boca, como sua visão e cheiro, estimula as glândulas salivares a secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias.
Enzimas  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Boca / Digestão Alimento + Dentes e Língua (Ação mecânica) ‏ Mastigação e Ensalivação Bolo Alimentar Saliva ‏ (Ação química)
Generalidades ,[object Object],[object Object],[object Object]
Generalidades ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Faringe / Deglutição O bolo alimentar é empurrado da BOCA  ESOFAGO Deglutição – designação dada ao ato de engolir. É um ato voluntário. Durante a deglutição a epiglote fecha para não deixar o bolo alimentar passar para a laringe e obstruir as vias respiratórias A faringe é um órgão comum ao Sistema Respiratório e Digestivo.
Esôfago O bolo alimentar atravessa o ESÔFAGO   Movimentos Peristálticos   (Ação mecânica) ESTÔMAGO
No  intestino grosso , a propulsão é realizada por contracções maiores das paredes do intestino, denominadas movimentos de massa. Movimentos peristálticos   são contrações musculares rítmicas que se verificam em vários órgãos do tubo digestivo. A  contração rítmica destes músculos gera uma “onda” que vai empurrando os alimentos . Os movimentos peristálticos são tão eficazes que atuam mesmo contra a força da gravidade, obrigando ao prosseguimento do bolo alimentar para o estômago, mesmo se estivermos de cabeça para baixo. O esófago também produz  mucina  que tem a função de lubrificar. Ao longo do esófago a  amilase salivar  continua a atuar sobre o amido . Os  movimentos peristálticos do esôfago estimulam o  cárdia  (esfincter) , que deixa passar o bolo alimentar para o estômago. Todos os restantes órgãos do tubo digestivo possuem músculos idênticos que realizam este tipo de movimento e são responsáveis pela progressão dos nutrientes até à sua absorção.
Esfíncteres Cárdia Piloro Esfíncter Anal Esfíncter Ileocólico
DIGESTÃO NO ESTÔMAGO ,[object Object]
Digestão no Estômago ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Região Fundica Corpo
Pepsina ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Regulação Hormonal ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Estômago / Digestão Bolo alimentar Movimentos peristálticos (acção mecânica) +  Suco gástrico Ácido clorídrico + muco + enzimas (acção química) Quimo
O Suco gástrico ou estomacal é produzido pelas glândulas que existem na parede do estômago. O suco gástrico contém muco, enzimas e ácido clorídrico. O muco protege as paredes da acção do ácido clorídrico. As enzimas gástricas são, essencialmente, a protease (pepsina) que inicia a digestão das proteínas e a lipáse gástrica, que inicia a digestão de alguns lípidos. O Ácido clorídrico baixa o pH do estômago para cerca de 1 a 3, facilitando a acção das enzimas e eliminando a maioria das bactérias que existem nos alimentos. O quimo é uma mistura semilíquida e espessa
Esófago / “Refluxo Esofágico”
Estômago / Ácido / Bulimia
Estômago / Suco Gástrico /   Muco
DIGESTÃO NO INTESTINO ,[object Object]
Intestino Delgado Jejuno-ileo
Fígado e Pâncreas
Fígado / Bile /  emulsão das gorduras A bílis não possui enzimas mas é fundamental na divisão das gorduras em partículas de pequenas dimensões. Ajuda a neutralizar a acidez do quimo o que permite a actuação das enzimas. gordura água bílis gotículas de gordura
Bile ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Suco Pancreático ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],células acinares secretam  enzimas digestivas Células dos dutos secretar uma solução aquosa com NaHCO 3 D uodeno porção endócrina do pâncreas   (Ilhotas de Langerhans) sangue hormônios insulina e glucagon ,[object Object],[object Object]
Tripsina ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Quimiotripsina ,[object Object],[object Object],[object Object]
Outras Enzimas Pancreáticas ,[object Object],[object Object],[object Object]
Controle da Secreção Pancreática ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Suco Entérico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Enzimas do Suco Entérico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Enzimas do Suco Entérico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Regulação da Secreção Entérica ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Intestino delgado /  digestão Quimo Bílis ( ação química) Suco pancreático  (ação química)   Suco intestinal  (ação química) + Movimentos peristálticos (acção mecânica) Quilo
Mecanismo básico da Digestão Alimento Bolo alimentar Saliva Mastigação Quimo Suco gástrico Movimentos peristálticos Quilo Movimentos peristálticos Suco pancreático Bílis Suco intestinal Acção química Acção mecânica
Digestão química BOCA Suco digestivo:  Saliva Enzima digestiva:  Amilase salivar ESTÔMAGO  Suco digestivo:  Suco gástrico Enzimas digestivas:  Proteases Lipases   INTESTINO DELGADO Sucos digestivos:  Suco pancreático Suco intestinal (entérico) Enzimas digestivas:  Amilase pancreática, Maltase, Proteases, Peptidase e Lipases
A presença de alimento na boca, a simples visão, pensamento ou o cheiro do alimento, estimulam a produção de saliva. Enquanto o alimento ainda está na boca, o sistema nervoso, por meio do  nervo vago , envia estímulos ao estômago, iniciando a liberação de suco gástrico. Quando o alimento chega ao estômago, este começa a secretar  gastrina (1) , hormônio produzido pela própria mucosa gástrica e que estimula a produção do suco gástrico. Com a passagem do alimento para o duodeno, a mucosa duodenal secreta outro hormônio, a  secretina (2) , que estimula o pâncreas a produzir suco pancreático e liberar bicarbonato. Ao mesmo tempo, a mucosa duodenal produz  colecistocinina   (3) , que é estimulada principalmente pela presença de gorduras no quimo e provoca a secreção do suco pancreático e contração da vesícula biliar  (4) , que lança a bile no duodeno. Em resposta ainda ao quimo rico em gordura, o duodeno secreta  enterogastrona (5) , que inibe os movimentos de esvaziamento do estômago, a produção de gastrina e, indiretamente, de suco gástrico.
ABSORÇÃO DOS NUTRIENTES ,[object Object]
Absorção dos Nutrientes ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Intestino delgado/  final digestão No final da digestão, no intestino delgado pode encontrar-se: •  Um conjunto de nutrientes muito simples, como a  água ,  íons, minerais ,  glicose ,  ácidos gordos ,  aminoácidos  e  vitaminas . •  Grandes moléculas não digeridas como a  celulose .
Intestino Delgado
Intestino Delgado
Aminoácidos Monossacarídeos (glicose) sais minerais Vitaminas alguma água Ácidos gordos e glicerol Vitaminas lipossoluveis Os produtos resultantes da digestão passam através de vilosidades para o sangue ou para a linfa. Intestino delgado / absorção intestinal
Intestino Grosso
Intestino grosso /  absorção As substâncias não digeridas passam para o intestino grosso misturadas com água. Ocorre a absorção de minerais e de  grande quantidade de água
No Intestino Grosso… Movimentos peristálticos são efetuados pelo intestino grosso até à expulsão das fezes. Os nutrientes passam, em grande parte, para o sistema circulatório, sendo posteriormente utilizados pelas células. Os restantes materiais passam para o intestino grosso, onde vão formar as fezes. Os alimentos não digeridos, os nutrientes não absorvidos, o muco e as células mortas, constituem as fezes, expulsas pelo ânus.
Intestino grosso /  papel das fibras
As fibras essencialmente constituídas por celulose, ajudam a reter a água, o que torna as fezes mais volumosas, macias e fáceis de expelir, ficando, por isso, a parede do intestino sujeita durante menos tempo ao contacto com substâncias tóxicas dos resíduos dos alimentos. Tal facto reduz o risco de cancro no intestino e de outras doenças, como apendicite, hemorróidas, etc
Alimentos que protegem a parede intestinal da ação de bactérias  Alimentos que alteram microbiota intestinal ,[object Object],[object Object]
Intestino grosso /  eliminação de resíduos The End

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão
Oncoguia
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Auro Gonçalves
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
Rodolfo Pimentel Oliveira
 
1º aula introdução a fisiologia
1º aula   introdução a fisiologia1º aula   introdução a fisiologia
1º aula introdução a fisiologia
Tayslane Rocha
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2
itsufpr
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
Ricardo Portela
 
Anatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia HumanaAnatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia Humana
Sou Enfermagem
 
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
AndressonSimplicio
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
Marco Antonio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Róger Fraga
 
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoGASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
Enfº Ícaro Araújo
 
Aula 1 introdução a anatomia humana
Aula 1  introdução a anatomia humanaAula 1  introdução a anatomia humana
Aula 1 introdução a anatomia humana
digaomedina
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Aula sistema digestorio
Aula sistema digestorioAula sistema digestorio
Aula sistema digestorio
Fernando Mori Miyazawa
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
bandeiraneidi
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Luciana Correia
 

Mais procurados (20)

SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão Câncer de Pulmão
Câncer de Pulmão
 
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de coloLesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
Lesões pré neoplasicas do colo uterino cancer de colo
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...1a aula   sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
1a aula sangue (composição, caracterização geral e origem das células sangü...
 
1º aula introdução a fisiologia
1º aula   introdução a fisiologia1º aula   introdução a fisiologia
1º aula introdução a fisiologia
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
 
Anatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia HumanaAnatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia Humana
 
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
CUIDADO EM ENFERMAGEM E SAÚDE: OS DESAFIOS DO ENFERMEIRO FRENTE AOS CUIDADOS ...
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de CasoGASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
GASTRECTOMIA - Enfermagem Cirúrgica - Estudo de Caso
 
Aula 1 introdução a anatomia humana
Aula 1  introdução a anatomia humanaAula 1  introdução a anatomia humana
Aula 1 introdução a anatomia humana
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Aula sistema digestorio
Aula sistema digestorioAula sistema digestorio
Aula sistema digestorio
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 

Destaque

Nh aula 1 - intro, tmb, dr is
Nh   aula 1 - intro, tmb, dr isNh   aula 1 - intro, tmb, dr is
Nh aula 1 - intro, tmb, dr is
Eric Liberato
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
edu.biologia
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
guest692575
 
Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2
edu.biologia
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
edu.biologia
 
Variable
VariableVariable
Mistério Da Vida Humana
Mistério Da Vida HumanaMistério Da Vida Humana
Mistério Da Vida Humana
GSU
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Marcos Anicio
 
Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
  Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)  Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Gisele Sena
 
Recomendacoes nutricionais
Recomendacoes nutricionaisRecomendacoes nutricionais
Recomendacoes nutricionais
Tiago Pereiras
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
E.E.B Profª Maria Garcia Pessi
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Digestão e sistema digestivo cn6tr
Digestão e sistema digestivo cn6trDigestão e sistema digestivo cn6tr
Digestão e sistema digestivo cn6tr
Tânia Reis
 
Sistema Urin�rio
Sistema Urin�rioSistema Urin�rio
Sistema Urin�rio
Digux
 
Curso de Alimentação Orgânica
Curso de Alimentação OrgânicaCurso de Alimentação Orgânica
Curso de Alimentação Orgânica
Douglas Carrara
 
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
32148989
 
07. sistema digestivo
07. sistema digestivo07. sistema digestivo
07. sistema digestivo
Deolinda Silva
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
espacoaberto
 
Anatomia - SISTEMA URINÁRIO
Anatomia - SISTEMA URINÁRIOAnatomia - SISTEMA URINÁRIO
Anatomia - SISTEMA URINÁRIO
Maria Mariana Rocha Gomes
 
Nutrição humana
Nutrição humanaNutrição humana
Nutrição humana
Adriana Azambuja
 

Destaque (20)

Nh aula 1 - intro, tmb, dr is
Nh   aula 1 - intro, tmb, dr isNh   aula 1 - intro, tmb, dr is
Nh aula 1 - intro, tmb, dr is
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
 
Variable
VariableVariable
Variable
 
Mistério Da Vida Humana
Mistério Da Vida HumanaMistério Da Vida Humana
Mistério Da Vida Humana
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
  Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)  Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
Anatomia do Sistema urinário: Por Gisele Sena (Flor Radioativa)
 
Recomendacoes nutricionais
Recomendacoes nutricionaisRecomendacoes nutricionais
Recomendacoes nutricionais
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Digestão e sistema digestivo cn6tr
Digestão e sistema digestivo cn6trDigestão e sistema digestivo cn6tr
Digestão e sistema digestivo cn6tr
 
Sistema Urin�rio
Sistema Urin�rioSistema Urin�rio
Sistema Urin�rio
 
Curso de Alimentação Orgânica
Curso de Alimentação OrgânicaCurso de Alimentação Orgânica
Curso de Alimentação Orgânica
 
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
13227647 estudos-no-livro-de-apocalipse-hernandes-dias-lopes
 
07. sistema digestivo
07. sistema digestivo07. sistema digestivo
07. sistema digestivo
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Anatomia - SISTEMA URINÁRIO
Anatomia - SISTEMA URINÁRIOAnatomia - SISTEMA URINÁRIO
Anatomia - SISTEMA URINÁRIO
 
Nutrição humana
Nutrição humanaNutrição humana
Nutrição humana
 

Semelhante a Aula Fisiologia Humana

NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdfNUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
tuttitutti1
 
Sistema digestório-08-2017
Sistema digestório-08-2017Sistema digestório-08-2017
Sistema digestório-08-2017
José Alexandre de Olim Câmara
 
ciências 9º ano
ciências 9º anociências 9º ano
ciências 9º ano
Carla Carvalho
 
Fisiologia Humana
Fisiologia HumanaFisiologia Humana
Fisiologia Humana
BIOGERALDO
 
Seminário fisiologia
Seminário fisiologiaSeminário fisiologia
Seminário fisiologia
Franciele Cristina
 
Composição química da célula.
Composição química da célula.Composição química da célula.
Composição química da célula.
Anauhe Gabriel
 
Fisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema DigestorioFisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema Digestorio
Pedro Miguel
 
Aula 09 sistema digestório
Aula 09   sistema digestórioAula 09   sistema digestório
Aula 09 sistema digestório
Jonatas Carlos
 
Composição química da célula - Biologia
Composição química da célula - BiologiaComposição química da célula - Biologia
Composição química da célula - Biologia
Anauhe Gabriel
 
Alimentaçao
AlimentaçaoAlimentaçao
Alimentaçao
guest7e1a40
 
Sistema digestório 2
Sistema digestório 2Sistema digestório 2
Sistema digestório 2
Angela Mombach
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
Seleste Mendes Pereira
 
Aula 2 - Nutrientes .pdf
Aula 2 - Nutrientes                               .pdfAula 2 - Nutrientes                               .pdf
Aula 2 - Nutrientes .pdf
viviannelima016
 
Nutrição i e-learning
Nutrição i   e-learningNutrição i   e-learning
Nutrição i e-learning
e.ferreira
 
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptxFISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
RonaldoAlves313237
 
Digestório
DigestórioDigestório
Digestório
paramore146
 
Sistema digestório.pptx
Sistema digestório.pptxSistema digestório.pptx
Sistema digestório.pptx
SmiaSantos7
 
Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos AlimentosComo Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Tookmed
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
Alexandre Donha
 
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptxAula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
EsterCome1
 

Semelhante a Aula Fisiologia Humana (20)

NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdfNUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
NUTRIÇÃO LIDERANÇA.pdf
 
Sistema digestório-08-2017
Sistema digestório-08-2017Sistema digestório-08-2017
Sistema digestório-08-2017
 
ciências 9º ano
ciências 9º anociências 9º ano
ciências 9º ano
 
Fisiologia Humana
Fisiologia HumanaFisiologia Humana
Fisiologia Humana
 
Seminário fisiologia
Seminário fisiologiaSeminário fisiologia
Seminário fisiologia
 
Composição química da célula.
Composição química da célula.Composição química da célula.
Composição química da célula.
 
Fisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema DigestorioFisiologia - Sistema Digestorio
Fisiologia - Sistema Digestorio
 
Aula 09 sistema digestório
Aula 09   sistema digestórioAula 09   sistema digestório
Aula 09 sistema digestório
 
Composição química da célula - Biologia
Composição química da célula - BiologiaComposição química da célula - Biologia
Composição química da célula - Biologia
 
Alimentaçao
AlimentaçaoAlimentaçao
Alimentaçao
 
Sistema digestório 2
Sistema digestório 2Sistema digestório 2
Sistema digestório 2
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Aula 2 - Nutrientes .pdf
Aula 2 - Nutrientes                               .pdfAula 2 - Nutrientes                               .pdf
Aula 2 - Nutrientes .pdf
 
Nutrição i e-learning
Nutrição i   e-learningNutrição i   e-learning
Nutrição i e-learning
 
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptxFISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
 
Digestório
DigestórioDigestório
Digestório
 
Sistema digestório.pptx
Sistema digestório.pptxSistema digestório.pptx
Sistema digestório.pptx
 
Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos AlimentosComo Funciona o processo de digestão dos Alimentos
Como Funciona o processo de digestão dos Alimentos
 
Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6Anatomia corpo humano parte 6
Anatomia corpo humano parte 6
 
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptxAula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
Aula 4 & 5 Sistema digestivo 1 Monogastricos.pptx
 

Mais de edu.biologia

Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactive
edu.biologia
 
Organografia vegetal
Organografia vegetalOrganografia vegetal
Organografia vegetal
edu.biologia
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
edu.biologia
 
Biosfera em Foco
Biosfera em FocoBiosfera em Foco
Biosfera em Foco
edu.biologia
 
Biosferaemfoco
BiosferaemfocoBiosferaemfoco
Biosferaemfoco
edu.biologia
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparo
edu.biologia
 
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
edu.biologia
 
Aula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossínteseAula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossíntese
edu.biologia
 
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema DigestórioAula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
edu.biologia
 
Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)
edu.biologia
 

Mais de edu.biologia (10)

Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactive
 
Organografia vegetal
Organografia vegetalOrganografia vegetal
Organografia vegetal
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
 
Biosfera em Foco
Biosfera em FocoBiosfera em Foco
Biosfera em Foco
 
Biosferaemfoco
BiosferaemfocoBiosferaemfoco
Biosferaemfoco
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparo
 
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
 
Aula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossínteseAula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossíntese
 
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema DigestórioAula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
 
Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Aula Fisiologia Humana

  • 2.
  • 3. Nutrição é um processo biológico em que os organismos (animais e vegetais), utilizando-se de alimentos, assimilam nutrientes para a realização de suas funções vitais . Nutrição Macronutrientes São nutrientes necessários ao organismo diariamente e em grandes quantidades. >Constituem a maior parte na dieta. >Fornecem energia e componentes fundamentais para o crescimento e manutenção do corpo. >Fazem parte deste grupo carboidratos, proteínas e gorduras. A nutrição envolve as seguintes etapas: Ingestão ; Digestão ; Absorção e Egestão
  • 4. Funções dos carboidratos no organismo: 1) Principal fonte de energia do corpo. 2) Regulam o metabolismo protéico, poupando proteínas. 3) A quantidade de carboidratos da dieta determina como as gorduras serão utilizadas para suprir uma fonte de energia imediata. 4) Necessários para o funcionamento normal do sistema nervoso central. 5) A celulose e outros carboidratos indigeríveis auxiliam na eliminação do bolo fecal. Estimulam os movimentos peristálticos do trato gastrointestinal e absorvem água para dar massa ao conteúdo intestinal. 6) Apresentam função estrutural nas membranas plasmáticas da células.
  • 5. Proteínas As proteínas são compostas de carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e quase todas apresentam enxofre. São formadas por ligações peptídicas estabelecidas entre os aminoácidos . Classificação das proteínas: 1) Proteína de alto valor biológico (AVB): Possuem em sua composição aminoácidos essenciais em proporções adequadas . É uma proteína completa. Ex.: proteínas da carne, peixe, aves e ovo. 2) Proteínas de baixo valor biológico (BVB): Não possuem em sua composição aminoácidos essenciais em proporções adequadas . É uma proteína incompleta. Ex.: cereais integrais e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, etc.). 3) Proteínas de referência : Possuem todos os aminoácidos essenciais em maior quantidade. Ex.: ovo, leite humano e leite de vaca.
  • 6. Classificação dos aminoácidos: Aminoácidos são unidades estruturais das proteínas. Eles se unem em longas cadeias, em várias estruturas geométricas e combinações químicas para formar as proteínas específicas.  1) Aminoácidos essenciais : Precisam ser fornecidos através da dieta. São eles: Valina, lisina, treonina, leucina, isoleucina, triptofano, fenilalanina e metionina. A histidina e a arginina são essenciais para crianças até 1 ano de vida. 2) Aminoácidos não essenciais (naturais): Podem ser sintetizados pelo organismo em quantidades adequadas para uma função normal.
  • 7.
  • 8. Gorduras São substâncias orgânicas de origem animal ou vegetal, formadas predominantemente de produtos de condensação entre glicerol e ácidos graxos , chamados triacilgliceróis . Além de fonte de energia, são veículos importantes de nutrientes, como vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e ácidos graxos essenciais. Classificação: Lipídios simples : São triglicerídeos, que quando decompostos originam ácidos graxos e glicerol. Podem ser encontrados na forma sólida ou líquida. Os sólidos à temperatura ambiente são chamados de gorduras e os líquidos constituem os óleos. Lipídios compostos : São combinações de gorduras e outros componentes, como por exemplo, fósforo, glicídios, nitrogênio e enxofre, dando origem as fosfolipídeos (lecitina e cefalina), glicolipídeos (glicídios e nitrogênio – cerebrosídeos) e lipoproteínas . Lipídios derivados : São substâncias produzidas na hidrólise ou decomposição dos lipídeos. São os ácidos graxos saturados e insaturados , o glicerol e os esteróis .  
  • 9. Funções das Gorduras : 1) Componentes de estruturas celulares (membranas plasmáticas); 2) Principal fonte energética do organismo (1 grama fornece 9 Kcal); 3) Importante isolante térmico e físico; 4) Sintetizam hormônios e ácidos biliares; 5) Veículos de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K); 6) Proporcionam mais palatabilidade aos alimentos. A digestão das gorduras ocorre quase totalmente no intestino delgado, porém, a ação preparatória ocorre nas paredes anteriores do trato gastrointestinal. No estomago apenas as gorduras emulsionadas (gordura do leite e da gema do ovo) recebem a ação da lípase gástrica, que desdobra as gorduras em ácidos graxos e glicerol.
  • 10. Fibras Alimentares As fibras alimentares são os polissacarídios vegetais da dieta, como celulose, hemiceluloses, pectinas, gomas, mucilagens e a lignina (não polissacarídio) que não são hidrolisados pelo trato gastrointestinal humano. Funções das fibras no organismo 1) Estimulam a mastigação, e assim, a secreção da saliva e suco gástrico; 2) Enchem o estômago proporcionando uma sensação de saciedade; 3) Promovem regulação do tempo de trânsito intestinal, atrasando o esvaziamento gástrico, tornando mais lento a digestão e absorção; 4) No cólon devido a sua capacidade de absorver água, forma fezes volumosas e macias; 5) São substratos para fermentação por colônias de bactérias; 6) Atuam no metabolismo dos carboidratos no controle da glicemia formando um gel (pectina e goma) no intestino tornando mais lento a velocidade na qual a glicose entra na corrente sanguínea; 7) Na absorção e na regulação de lípideos sanguíneos as fibras insolúveis se ligam aos sais biliares e reduzem a absorção das gorduras e colesterol; as fibras solúveis diminuem especificamente o colesterol LDL; 8) São substratos para formação de ácidos graxos de cadeia curta.
  • 11. Generalidades Tipos de Digestão 1) Digestão intracelular : ocorre somente no interior da célula . A partícula é englobada, por pinocitose ou fagocitose, sendo então digerida no interior de vacúolos através das enzimas lisossômicas. Esse tipo de digestão é encontrado em protozoário s , poríferos, celenterados e platelmintos. A digestão é o conjunto das transformações, mecânicas e químicas que os alimentos orgânicos sofrem ao longo de um sistema digestivo, para se converterem em compostos menores hidrossolúveis e absorvíveis.
  • 12. Nos animais pluricelulares mais simples, como as esponjas, a digestão é exclusivamente intracelular e ocorre no interior de células especiais conhecidas como coanócitos e amebócitos . Nos celenterados e platelmintos, já existe uma cavidade digestiva incompleta , isto é, como uma única abertura - a boca. Nesses animais, a digestão inicia-se numa cavidade digestiva mas o término ainda é intracelular.
  • 13. À medida que os grupos animais ficam mais complexos, a digestão ocorre exclusivamente na cavidade digestiva , ou seja, é totalmente extracelular . É o que acontece a partir dos nematelmintos , nos quais a eficiência do processo digestivo garante a fragmentação total do alimento na cavidade digestiva. A digestão nos celenterados é parte na cavidade gastrovascular e parte no interior de células. Lembrem-se que aqui o tubo digestivo é incompleto
  • 14.
  • 15. Sistema Digestório Humano Boca Cavidade oral Faringe Esôfago Estômago Duodeno Intestino Delgado Cólon Ascendente Ceco Apêndice Cólon Transversal Cólon Descendente Reto Ânus Tubo Digestório Fígado Vesícula Biliar Pâncreas Órgãos Anexos Glândulas Salivares
  • 16.
  • 17.
  • 18. Controle da Digestão Os processos mecânico são controlados pelo Sistema nervoso. Os processos químicos dependem de estímulos do sistema neuro-hormonal.
  • 19. Digestão na Boca 1) Dentes: - Digestão Mecânica - mastigação essencial para digestão; - Função: triturar alimentos; Dentes: pré-molares, molares, caninos, incisivos; Obs: as aves não possuem dentes. A trituração de seus alimentos é feita por um órgão chamado de moela, que tem a função de um estômago mecânico.   2) Língua: Função de deglutição (engolir o alimento). Promove a sensação dos sabores, em função da presença das papilas gustativas .
  • 20. 3) Glândulas salivares:  - Glândulas exócrinas que têm função de produzir a saliva , que atua na digestão química dos alimentos ingeridos ; - 3 tipos de glândulas: submaxilar, submandibular (ou sublingual ) e parótida;
  • 21.
  • 23. - Água : umidifica o alimento; - Sais minerais: Tiocianeto, bactericida principalmente contra os estreptococos - cárie); além deste, há presença de A Lisozima exerce importante ação bactericida e cicatrizante. - Muco: (glicoproteína) - torna o alimento deslizável, ajudando no peristaltismo;  - Enzima ptialina ou amilase salivar - age sobre os carboidratos de reserva (amido e glicogênio) , fazendo a primeira quebra, e transformando-os em maltose (dissacarídeo) e dextrina (oligossacarídeo); -Ions: Entre os ânions, particularmente, o bicarbonato, o monofosfato e o bifosfato , que exercem um efeito tamponante eficaz, frente aos ácidos e às bases, o que permite a constância do pH salivar em torno de 6,9 . Obs: As enzimas digestivas são todas hidrolíticas, ou seja, realizam a reação na presença de água. Composição da Saliva:
  • 24.
  • 25.
  • 26. Os dentes e a língua preparam o alimento para a digestão, por meio da mastigação, os dentes reduzem os alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à saliva , o que irá facilitar a futura ação das enzimas. A língua movimenta o alimento empurrando-o em direção a garganta, para que seja engolido. Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários: doce, azedo, salgado e amargo . A presença de alimento na boca, como sua visão e cheiro, estimula as glândulas salivares a secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias.
  • 27.
  • 28. Boca / Digestão Alimento + Dentes e Língua (Ação mecânica) ‏ Mastigação e Ensalivação Bolo Alimentar Saliva ‏ (Ação química)
  • 29.
  • 30.
  • 31. Faringe / Deglutição O bolo alimentar é empurrado da BOCA ESOFAGO Deglutição – designação dada ao ato de engolir. É um ato voluntário. Durante a deglutição a epiglote fecha para não deixar o bolo alimentar passar para a laringe e obstruir as vias respiratórias A faringe é um órgão comum ao Sistema Respiratório e Digestivo.
  • 32. Esôfago O bolo alimentar atravessa o ESÔFAGO Movimentos Peristálticos (Ação mecânica) ESTÔMAGO
  • 33. No intestino grosso , a propulsão é realizada por contracções maiores das paredes do intestino, denominadas movimentos de massa. Movimentos peristálticos são contrações musculares rítmicas que se verificam em vários órgãos do tubo digestivo. A contração rítmica destes músculos gera uma “onda” que vai empurrando os alimentos . Os movimentos peristálticos são tão eficazes que atuam mesmo contra a força da gravidade, obrigando ao prosseguimento do bolo alimentar para o estômago, mesmo se estivermos de cabeça para baixo. O esófago também produz mucina que tem a função de lubrificar. Ao longo do esófago a amilase salivar continua a atuar sobre o amido . Os movimentos peristálticos do esôfago estimulam o cárdia (esfincter) , que deixa passar o bolo alimentar para o estômago. Todos os restantes órgãos do tubo digestivo possuem músculos idênticos que realizam este tipo de movimento e são responsáveis pela progressão dos nutrientes até à sua absorção.
  • 34. Esfíncteres Cárdia Piloro Esfíncter Anal Esfíncter Ileocólico
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. Estômago / Digestão Bolo alimentar Movimentos peristálticos (acção mecânica) + Suco gástrico Ácido clorídrico + muco + enzimas (acção química) Quimo
  • 40. O Suco gástrico ou estomacal é produzido pelas glândulas que existem na parede do estômago. O suco gástrico contém muco, enzimas e ácido clorídrico. O muco protege as paredes da acção do ácido clorídrico. As enzimas gástricas são, essencialmente, a protease (pepsina) que inicia a digestão das proteínas e a lipáse gástrica, que inicia a digestão de alguns lípidos. O Ácido clorídrico baixa o pH do estômago para cerca de 1 a 3, facilitando a acção das enzimas e eliminando a maioria das bactérias que existem nos alimentos. O quimo é uma mistura semilíquida e espessa
  • 41. Esófago / “Refluxo Esofágico”
  • 42. Estômago / Ácido / Bulimia
  • 43. Estômago / Suco Gástrico / Muco
  • 44.
  • 47. Fígado / Bile / emulsão das gorduras A bílis não possui enzimas mas é fundamental na divisão das gorduras em partículas de pequenas dimensões. Ajuda a neutralizar a acidez do quimo o que permite a actuação das enzimas. gordura água bílis gotículas de gordura
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58. Intestino delgado / digestão Quimo Bílis ( ação química) Suco pancreático (ação química) Suco intestinal (ação química) + Movimentos peristálticos (acção mecânica) Quilo
  • 59. Mecanismo básico da Digestão Alimento Bolo alimentar Saliva Mastigação Quimo Suco gástrico Movimentos peristálticos Quilo Movimentos peristálticos Suco pancreático Bílis Suco intestinal Acção química Acção mecânica
  • 60. Digestão química BOCA Suco digestivo: Saliva Enzima digestiva: Amilase salivar ESTÔMAGO Suco digestivo: Suco gástrico Enzimas digestivas: Proteases Lipases INTESTINO DELGADO Sucos digestivos: Suco pancreático Suco intestinal (entérico) Enzimas digestivas: Amilase pancreática, Maltase, Proteases, Peptidase e Lipases
  • 61. A presença de alimento na boca, a simples visão, pensamento ou o cheiro do alimento, estimulam a produção de saliva. Enquanto o alimento ainda está na boca, o sistema nervoso, por meio do nervo vago , envia estímulos ao estômago, iniciando a liberação de suco gástrico. Quando o alimento chega ao estômago, este começa a secretar gastrina (1) , hormônio produzido pela própria mucosa gástrica e que estimula a produção do suco gástrico. Com a passagem do alimento para o duodeno, a mucosa duodenal secreta outro hormônio, a secretina (2) , que estimula o pâncreas a produzir suco pancreático e liberar bicarbonato. Ao mesmo tempo, a mucosa duodenal produz colecistocinina (3) , que é estimulada principalmente pela presença de gorduras no quimo e provoca a secreção do suco pancreático e contração da vesícula biliar (4) , que lança a bile no duodeno. Em resposta ainda ao quimo rico em gordura, o duodeno secreta enterogastrona (5) , que inibe os movimentos de esvaziamento do estômago, a produção de gastrina e, indiretamente, de suco gástrico.
  • 62.
  • 63.
  • 64. Intestino delgado/ final digestão No final da digestão, no intestino delgado pode encontrar-se: • Um conjunto de nutrientes muito simples, como a água , íons, minerais , glicose , ácidos gordos , aminoácidos e vitaminas . • Grandes moléculas não digeridas como a celulose .
  • 67. Aminoácidos Monossacarídeos (glicose) sais minerais Vitaminas alguma água Ácidos gordos e glicerol Vitaminas lipossoluveis Os produtos resultantes da digestão passam através de vilosidades para o sangue ou para a linfa. Intestino delgado / absorção intestinal
  • 69. Intestino grosso / absorção As substâncias não digeridas passam para o intestino grosso misturadas com água. Ocorre a absorção de minerais e de grande quantidade de água
  • 70. No Intestino Grosso… Movimentos peristálticos são efetuados pelo intestino grosso até à expulsão das fezes. Os nutrientes passam, em grande parte, para o sistema circulatório, sendo posteriormente utilizados pelas células. Os restantes materiais passam para o intestino grosso, onde vão formar as fezes. Os alimentos não digeridos, os nutrientes não absorvidos, o muco e as células mortas, constituem as fezes, expulsas pelo ânus.
  • 71. Intestino grosso / papel das fibras
  • 72. As fibras essencialmente constituídas por celulose, ajudam a reter a água, o que torna as fezes mais volumosas, macias e fáceis de expelir, ficando, por isso, a parede do intestino sujeita durante menos tempo ao contacto com substâncias tóxicas dos resíduos dos alimentos. Tal facto reduz o risco de cancro no intestino e de outras doenças, como apendicite, hemorróidas, etc
  • 73.
  • 74. Intestino grosso / eliminação de resíduos The End

Notas do Editor

  1. Uma vez que não ingerimos alimentos de forma contínua, é importante que só sejam produzidas enzimas digestivas quando existem alimentos no tubo digestivo. A produção de secreções digestivas é controlada por nervos e por hormonas que realizam um trabalho conjunto. O sistema nervoso capta informações a partir do aspecto, cheiro e paladar dos alimentos, as quais são transmitidas ao hipotálamo e ao córtex cerebral. O próprio contacto físico do conteúdo alimentar com as diferentes partes do tubo digestivo proporciona reflexos que conduzem à produção de movimentos e de secreções.
  2. Xerostomia – boca seca Pode ser crónica ou ser uma situação ocasional. Quando é crónica a pessoa com xerostomia pode sofrer alterações de voz e paladar, dificuldade em engolir, candidíase (provocada por um fungo) e maior formação de tártaro.
  3. As enzimas catalisam reacções catabólicas e anabólicas. As enzimas são classificadas em função da substância sobre a qual actuam e a sua designação termina geralmente, com o sufixo ase.
  4. A saliva é constituída, essencialmente, por mucina (com função lubrificante) e amilase salivar ou ptialina (com função enzimática). A amilase salivar é uma enzima que intervém na digestão química do amido, transformando-o em maltose.
  5. O Suco gástrico ou estomacal é produzido pelas glândulas que existem na parede do estômago. O suco gástrico contém muco, enzimas e ácido clorídrico. O muco protege as paredes da acção do ácido clorídrico. As enzimas gástricas são, essencialmente, a prótease (pepsina) que inicia a digestão das proteínas e a lipáse gástrica, que inicia a digestão de alguns lípidos. O Ácido clorídrico baixa o pH do estômago para cerca de 1 a 3, facilitando a acção das enzimas e eliminando a maioria das bactérias que
  6. O Suco gástrico ou estomacal é produzido pelas glândulas que existem na parede do estômago. O suco gástrico contém muco, enzimas e ácido clorídrico. O muco protege as paredes da acção do ácido clorídrico. As enzimas gástricas são, essencialmente, a prótease (pepsina) que inicia a digestão das proteínas e a lipáse gástrica, que inicia a digestão de alguns lípidos. O Ácido clorídrico baixa o pH do estômago para cerca de 1 a 3, facilitando a acção das enzimas e eliminando a maioria das bactérias que existem nos alimentos. O quimo é uma mistura semilíquida e espessa.
  7. O intestino delgado é o órgão mais comprido (cerca de 6m) e está dividido em três partes: o duodeno, o jejuno e o íleo.
  8. Funções do fígado: Controlar os níveis de glicose no sangue; Metabolizar aminoácidos e gorduras, Armazenar vitaminas e minerais, Eliminar elementos tóxicos, como medicamentos e toxinas do sangue; Produzir proteínas do plasma; Gerar calor, ajudando o corpo a manter-se quente.
  9. Funções do fígado: Controlar os níveis de glicose no sangue; Metabolizar aminoácidos e gorduras, Armazenar vitaminas e minerais, Eliminar elementos tóxicos, como medicamentos e toxinas do sangue; Produzir proteínas do plasma; Gerar calor, ajudando o corpo a manter-se quente.
  10. O intestino delgado é o órgão mais comprido (cerca de 6m) e está dividido em três partes: o duodeno, o jejuno e o íleo.
  11. Os nutrientes passam, em grande parte, para o sistema circulatório, sendo posteriormente utilizados pelas células. Os restantes materiais passam para o intestino grosso, onde vão formar as fezes.
  12. As fibras essencialmente constituídas por celulose, ajudam a reter a água, o que torna as fezes mais volumosas, macias e fáceis de expelir, ficando, por isso, a parede do intestino sujeita durante menos tempo ao contacto com substâncias tóxicas dos resíduos dos alimentos. Tal facto reduz o risco de cancro no intestino e de outras doenças, como apendicite, hemorróidas, etc