SlideShare uma empresa Scribd logo
ALIMENTAÇÃO DOS EQÜINOS
Um Programa de Nutrição deve ser adequado à função desenvolvida pelo
eqüino e à categoria à qual ele pertence. Deve-se levar em consideração as
quantidades mínimas necessárias de energia, proteína, vitaminas e minerais.
Considerações Básicas:
Quando tratamos da alimentação dos cavalos, os nutrientes com os quais
devemos nos preocupar, são os seguintes:
• Carboidratos e Lipídeos: as necessidades energéticas dos animais são atendidas
através dos carboidratos e dos lipídeos que lhes fornecemos. Estas necessidades estão
ligadas principalmente ao tamanho do animal e ao tipo de trabalho que desempenha.
Os lipídeos não são utilizados apenas como fonte de energia, mas também fornecem
os ácidos graxos que são essenciais ao bem estar dos animais. Apenas depois de
termos atendido às necessidades de AG dos animais é que podemos usar os lipídeos
para atender às necessidades energéticas.
• Proteína: As necessidades de proteína dos animais são específicas para prover os
aminoácidos de que o animal necessita, assim como a atividade que desempenham,
como crescimento e reprodução. Devemos nos preocupar, não só com a quantidade da
proteína, mas principalmente com a sua qualidade.
• Minerais: Grupo dividido em macro e micro elementos minerais.
Os macro-elementos estão envolvidos com a estrutura do animal e são perdidos
diariamente durante o desempenho de suas atividades (Ca, P, Na, Cl, K, Mg, S).
Os micro-elementos estão envolvidos, principalmente, com as funções metabólicas
dos animais. (Fe, I, Cu, F, Mn, Mo, Zn, Co, Se, Cr, Sn, Ni, V, Si).
• Vitamina: Estão divididas em duas categorias principais: as hidrossolúveis e as
lipossolúveis.
Com a forragem verde, de alta qualidade, que o cavalo obtém na pastagem,
provavelmente não temos que nos preocupar com a adição de qualquer teor extra de
vitaminas A, D e E para animais em manutenção. No entanto, se o animal é mantido
numa baia e alimentado com feno, provavelmente precisará de uma suplementação de
vitaminas.
A maioria das vitaminas hidrossolúveis é fornecida em níveis suficientes pelos
alimentos normalmente dados ao animal, ou são produzidas em quantidades
adequadas no sistema digestivo.
Sob condições de stress intenso, como corrida, provas ou exposições, o animal
poderá não conseguir as quantidades necessárias de vitaminas através da alimentação
normal. Para estes animais, recomenda-se uma suplementação de vitaminas.
NECESSIDADES BÁSICAS
Em primeiro lugar é necessário ressaltar que o cavalo é um animal Herbívoro,
isto é, se alimenta fundamentalmente de forrageiras. Portanto, em sua dieta habitual,
é necessário o fornecimento de volumoso (capim ou feno).
Para alimentação adequada do cavalo, devemos respeitar sua natureza,
suprindo suas necessidades básicas, que são:
VOLUMOSO: Feno ou Capim fresco de qualidade:
Feno: é a forma desidratada do capim, isto é, o capim com apenas 10-20% de água.
Deve ser feito de capim de qualidade (Coast-cross, tífton, alfafa, etc.) e fenado no
ponto certo, nem muito seco, nem muito úmido. Quando o capim é fenado além do
ïïïKãÉêá~äKÅçã=
ponto correto de corte, pode ficar muito fibroso, o que pode causar cólica nos cavalos.
Se for cortado no ponto certo e deixado secar em demasia, fica muito fibroso, também
podendo causar cólica nos animais. Se for cortado no ponto certo, mas deixado secar
pouco, sendo enfardado úmido, pode ocorrer o aparecimento de fungos que podem
causar problemas nos animais. Desde que feito da forma correta e bem armazenado, é
um excelente alimento para os cavalos.
Capim: este pode ser fornecido sob a forma de pastagens ou suplementado no cocho,
picado. Quando oferecido no cocho picado, deve-se atentar para a qualidade deste
capim. Os mais utilizados sob esta forma são os capins elefantes (napier, colonião,
etc.). O manejo das capineiras deve ser muito bem feito para que o aproveitamento
pelo cavalo seja o melhor possível. É muito comum o corte destes capins com altura
superior a dois metros e meio (às vezes até quatro metros) de altura. Porém, quando
é cortado com altura superior a dois metros e meio, ocorre uma perda considerável da
qualidade, devido à baixa digestibilidade de seu talo. O ideal é cortá-lo entre um metro
e meio e dois metros e meio.
ÁGUA: Fresca, Limpa e Potável
Deve-se ter sempre à disposição do animal água fresca, jamais gelada devido
aos riscos de cólicas que esta pode ocasionar. Deve também estar sempre limpa,
evitando-se as águas barrentas que podem causar distúrbios digestivos pelo acúmulo
da terra dentro do aparelho digestivo do cavalo. Deve ser fornecida ainda à vontade,
pois as necessidades de água pelo cavalo são elevadas, de 20 a 75 litros por dia,
dependendo do porte do animal, do clima, da intensidade do trabalho e da natureza da
alimentação. As fêmeas em lactação têm suas necessidades aumentadas em 15 a 30
litros por dia.
COMPLEMENTAÇÃO MINERAL
Esta também é de fundamental importância para suprir as necessidades básicas
do cavalo, que são relativamente elevadas com relação aos minerais. Estes devem ser
oferecidos de maneira equilibrada, através de sais minerais de empresas idôneas e à
vontade, num cocho à parte.
SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL
Após termos suprido as mínimas necessidades para manutenção do cavalo, aí
sim, conforme atividade a que vamos submetê-lo, seja um potro em crescimento,
égua em reprodução ou cavalo de esporte e trabalho, devemos oferecer-lhe os
complementos de uma alimentação, para que possamos atingir os níveis Energéticos
e/ou Protéicos suficientes para suprir estas novas necessidades, mas sempre
respeitando sua natureza valorizando o volumoso.
RAÇÃO (COMPLEMENTO CORRETOR)
Esta deve ser equilibrada, oriunda de empresas idôneas para se ter garantia da
qualidade do produto.
Existem vários tipos de apresentação de ração: Farelada, Peletizada, Laminada
ou Extrusada. As rações industrializadas (Peletizadas, Laminadas ou Extrusadas)
possuem 03 vantagens fundamentais sobre as fareladas, principalmente as misturadas
na propriedade:
1. Toda matéria prima que chega à fábrica de ração é classificada e analisada para se ter
certeza da qualidade de seus nutrientes (Umidade, Proteína, Minerais, etc.). Com base
nessas análises, é possível garantir a qualidade e os níveis do produto final (com
relação à proteína, minerais, fibra, etc.). Como não é possível analisar a matéria prima
na propriedade, não há garantia de manutenção do padrão do produto final.
ïïïKãÉêá~äKÅçã=
2. As rações fareladas produzem muito pó que, se inspirados pelo cavalo, podem levar a
problemas respiratórios. Além disso, este pó pode causar obstrução do canal naso-
lacrimal (canal que liga a narina ao olho) levando a produção excessiva de secreções
oculares.
3. Para se evitar este pó, é muito comum molhar a ração antes do fornecimento ao
animal. Ocorre que as rações fareladas, por serem mais leves que as peletizadas,
ocupam um volume maior, portanto os cavalos demoram mais tempo para comer esta
ração. Em temperaturas mais elevadas, podem ocorrer processos de fermentação
desta ração molhada levando a quadros de cólicas.
Existem ainda as matérias-primas (aveia, trigo, milho, etc.) que muitos
criadores/proprietários de animais oferecem misturado à ração balanceada. Ocorre que
estas matérias-primas são, em geral, muito ricas em fósforo (a relação Ca:P pode ser
de 1:3 quando o ideal é 1,8:1) o que leva a um desbalanceamento na relação
cálcio/fósforo sangüíneo levando a graves problemas como a cara inchada.
Quanto às apresentações de rações industrializadas, não devemos nos preocupar
com a aparência do produto (peletizada, laminada ou extrusada), mas principalmente
com os níveis de garantia destes produtos.
Tecnicamente falando, um produto extrusado é superior a este mesmo produto
laminado e este mesmo produto peletizado. Isto não quer dizer que qualquer produto
extrusado é superior a outros, nem que toda ração laminada é superior às peletizadas.
O que mais importa na avaliação da qualidade de um produto são seus níveis de
garantia, principalmente valores de qualidade de energia e proteína. A qualidade de
sua energia também pode ser avaliada através do valor de seu extrato etéreo, que é o
valor de gordura de uma ração, onde se este valor for alto, a qualidade de sua
energia, e também de sua proteína, serão elevados.
Existem rações peletizadas no mercado que possuem qualidade energética e
protéica muito superiores às laminadas e extrusadas.
Devemos estabelecer realmente quais as necessidades do cavalo para podermos
suprir de forma adequada e obtermos os melhores resultados de performance e
também na saúde do animal. Para isso devemos observar qual o tempo de digestão de
cada tipo de alimento para podermos dividir e ocupar melhor o tempo de cada animal.
André Galvão Cintra
Consultoria Nutricional Eqüina
Médico Veterinário
CRMV SP 6765
Fone/fax: (19) 3807.7974
Celular: (19) 9794.5849
e-mail : acintra_agprima@uol.com.br
ïïïKãÉêá~äKÅçã=

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
André Ferreira
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
RodrigoMenck2
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Marília Gomes
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
Marília Gomes
 
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdfaula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
DeniseGuerreiro4
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
UFSC
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
Glaucia Barbosa Coelho
 
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticosAção da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
marianarhaylla
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Marília Gomes
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Lilian De Rezende Jordão
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Michel Oliveira
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
Vanderlei Holz Lermen
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 

Mais procurados (20)

Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdfaula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
 
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticosAção da temperatura sobre os animais domésticos
Ação da temperatura sobre os animais domésticos
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
Considerações sobre a anatomofisiologia do sistema digestório dos equinos: ap...
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 

Destaque

Arraçoamento de equinos
Arraçoamento de equinosArraçoamento de equinos
Arraçoamento de equinos
Larissa Brasileiro
 
Alimentação em éguas em gestação e lactação
Alimentação em éguas em gestação e lactaçãoAlimentação em éguas em gestação e lactação
Alimentação em éguas em gestação e lactação
Maira Veruska
 
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangueSoja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Michel Oliveira
 
Equideocultura
EquideoculturaEquideocultura
Equideocultura
Roger Moreira
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Natália Borges
 
Fisiologia animal II fotoperíodo.ppt
Fisiologia animal II fotoperíodo.pptFisiologia animal II fotoperíodo.ppt
Fisiologia animal II fotoperíodo.ppt
Antonia Geliane de Sousa
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
Lourdes Piedade
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
Killer Max
 
Vacinação de equinos
Vacinação de equinosVacinação de equinos
Vacinação de equinos
Pedro Carvalho
 
Parasitos equinos
Parasitos equinosParasitos equinos
Parasitos equinos
virbaccolombia
 
Parasitos Equinos
Parasitos EquinosParasitos Equinos
Parasitos Equinos
graff95
 
Pelagem de Equinos
Pelagem de EquinosPelagem de Equinos
Pelagem de Equinos
Killer Max
 
Cavalos
CavalosCavalos

Destaque (13)

Arraçoamento de equinos
Arraçoamento de equinosArraçoamento de equinos
Arraçoamento de equinos
 
Alimentação em éguas em gestação e lactação
Alimentação em éguas em gestação e lactaçãoAlimentação em éguas em gestação e lactação
Alimentação em éguas em gestação e lactação
 
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangueSoja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
 
Equideocultura
EquideoculturaEquideocultura
Equideocultura
 
Verminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e OvinosVerminoses em Caprinos e Ovinos
Verminoses em Caprinos e Ovinos
 
Fisiologia animal II fotoperíodo.ppt
Fisiologia animal II fotoperíodo.pptFisiologia animal II fotoperíodo.ppt
Fisiologia animal II fotoperíodo.ppt
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
 
Vacinação de equinos
Vacinação de equinosVacinação de equinos
Vacinação de equinos
 
Parasitos equinos
Parasitos equinosParasitos equinos
Parasitos equinos
 
Parasitos Equinos
Parasitos EquinosParasitos Equinos
Parasitos Equinos
 
Pelagem de Equinos
Pelagem de EquinosPelagem de Equinos
Pelagem de Equinos
 
Cavalos
CavalosCavalos
Cavalos
 

Semelhante a Alimentacao dos equinos

Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Farmina racao-para-caes-gatos
Farmina racao-para-caes-gatosFarmina racao-para-caes-gatos
Farmina racao-para-caes-gatos
Marcio Waldman
 
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptxApresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
GernimoDaElizabethNi
 
Alimentação e nutrição de felídeos silvestres
Alimentação e nutrição de felídeos silvestresAlimentação e nutrição de felídeos silvestres
Alimentação e nutrição de felídeos silvestres
Universidade Federal de Viçosa
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
LarissaFerreira258
 
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
Priscila de Oliveira
 
Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03
gepaunipampa
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
Carls Tavares
 
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
JosIgnacioAchiaga
 
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
David Quintino
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Celtaagro
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Moicano Jason
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
AgriPoint
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
António Carvalho
 
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdfCCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
Ruben Alejandro Ovelar Centurión
 
O leite e seus derivados
O leite e seus derivadosO leite e seus derivados
O leite e seus derivados
Cristovão Filho
 
gado deLeite
gado deLeitegado deLeite
gado deLeite
Silvio Lopes
 
Alimentao 2
Alimentao 2Alimentao 2
Alimentao 2
miguelpim
 
Roda dos Alimentos
Roda dos AlimentosRoda dos Alimentos
Roda dos Alimentos
recurso1
 
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo IvomboaZootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
Ivaristo Americo
 

Semelhante a Alimentacao dos equinos (20)

Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Farmina racao-para-caes-gatos
Farmina racao-para-caes-gatosFarmina racao-para-caes-gatos
Farmina racao-para-caes-gatos
 
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptxApresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
Apresentação1 - Classificacao biotipica.pptx
 
Alimentação e nutrição de felídeos silvestres
Alimentação e nutrição de felídeos silvestresAlimentação e nutrição de felídeos silvestres
Alimentação e nutrição de felídeos silvestres
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
 
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
ALFA-TOCOFEROL E BETA-CAROTENO EM VOLUMOSOS E LEITE EM REBANHOS LEITEIROS ORG...
 
Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03Jornal o momento.(11 set2013).n03
Jornal o momento.(11 set2013).n03
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
43 Modulo VI semana 10 POR.pptx
 
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
Relatório Semestral (Ovinos e Caprinos)
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdfCCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
CCU UNIVERSIDADE NACIONAL DE CONCEPCION.pdf
 
O leite e seus derivados
O leite e seus derivadosO leite e seus derivados
O leite e seus derivados
 
gado deLeite
gado deLeitegado deLeite
gado deLeite
 
Alimentao 2
Alimentao 2Alimentao 2
Alimentao 2
 
Roda dos Alimentos
Roda dos AlimentosRoda dos Alimentos
Roda dos Alimentos
 
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo IvomboaZootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
Zootecnia dos suinos da categoria engorda segundo Ivomboa
 

Alimentacao dos equinos

  • 1. ALIMENTAÇÃO DOS EQÜINOS Um Programa de Nutrição deve ser adequado à função desenvolvida pelo eqüino e à categoria à qual ele pertence. Deve-se levar em consideração as quantidades mínimas necessárias de energia, proteína, vitaminas e minerais. Considerações Básicas: Quando tratamos da alimentação dos cavalos, os nutrientes com os quais devemos nos preocupar, são os seguintes: • Carboidratos e Lipídeos: as necessidades energéticas dos animais são atendidas através dos carboidratos e dos lipídeos que lhes fornecemos. Estas necessidades estão ligadas principalmente ao tamanho do animal e ao tipo de trabalho que desempenha. Os lipídeos não são utilizados apenas como fonte de energia, mas também fornecem os ácidos graxos que são essenciais ao bem estar dos animais. Apenas depois de termos atendido às necessidades de AG dos animais é que podemos usar os lipídeos para atender às necessidades energéticas. • Proteína: As necessidades de proteína dos animais são específicas para prover os aminoácidos de que o animal necessita, assim como a atividade que desempenham, como crescimento e reprodução. Devemos nos preocupar, não só com a quantidade da proteína, mas principalmente com a sua qualidade. • Minerais: Grupo dividido em macro e micro elementos minerais. Os macro-elementos estão envolvidos com a estrutura do animal e são perdidos diariamente durante o desempenho de suas atividades (Ca, P, Na, Cl, K, Mg, S). Os micro-elementos estão envolvidos, principalmente, com as funções metabólicas dos animais. (Fe, I, Cu, F, Mn, Mo, Zn, Co, Se, Cr, Sn, Ni, V, Si). • Vitamina: Estão divididas em duas categorias principais: as hidrossolúveis e as lipossolúveis. Com a forragem verde, de alta qualidade, que o cavalo obtém na pastagem, provavelmente não temos que nos preocupar com a adição de qualquer teor extra de vitaminas A, D e E para animais em manutenção. No entanto, se o animal é mantido numa baia e alimentado com feno, provavelmente precisará de uma suplementação de vitaminas. A maioria das vitaminas hidrossolúveis é fornecida em níveis suficientes pelos alimentos normalmente dados ao animal, ou são produzidas em quantidades adequadas no sistema digestivo. Sob condições de stress intenso, como corrida, provas ou exposições, o animal poderá não conseguir as quantidades necessárias de vitaminas através da alimentação normal. Para estes animais, recomenda-se uma suplementação de vitaminas. NECESSIDADES BÁSICAS Em primeiro lugar é necessário ressaltar que o cavalo é um animal Herbívoro, isto é, se alimenta fundamentalmente de forrageiras. Portanto, em sua dieta habitual, é necessário o fornecimento de volumoso (capim ou feno). Para alimentação adequada do cavalo, devemos respeitar sua natureza, suprindo suas necessidades básicas, que são: VOLUMOSO: Feno ou Capim fresco de qualidade: Feno: é a forma desidratada do capim, isto é, o capim com apenas 10-20% de água. Deve ser feito de capim de qualidade (Coast-cross, tífton, alfafa, etc.) e fenado no ponto certo, nem muito seco, nem muito úmido. Quando o capim é fenado além do ïïïKãÉêá~äKÅçã=
  • 2. ponto correto de corte, pode ficar muito fibroso, o que pode causar cólica nos cavalos. Se for cortado no ponto certo e deixado secar em demasia, fica muito fibroso, também podendo causar cólica nos animais. Se for cortado no ponto certo, mas deixado secar pouco, sendo enfardado úmido, pode ocorrer o aparecimento de fungos que podem causar problemas nos animais. Desde que feito da forma correta e bem armazenado, é um excelente alimento para os cavalos. Capim: este pode ser fornecido sob a forma de pastagens ou suplementado no cocho, picado. Quando oferecido no cocho picado, deve-se atentar para a qualidade deste capim. Os mais utilizados sob esta forma são os capins elefantes (napier, colonião, etc.). O manejo das capineiras deve ser muito bem feito para que o aproveitamento pelo cavalo seja o melhor possível. É muito comum o corte destes capins com altura superior a dois metros e meio (às vezes até quatro metros) de altura. Porém, quando é cortado com altura superior a dois metros e meio, ocorre uma perda considerável da qualidade, devido à baixa digestibilidade de seu talo. O ideal é cortá-lo entre um metro e meio e dois metros e meio. ÁGUA: Fresca, Limpa e Potável Deve-se ter sempre à disposição do animal água fresca, jamais gelada devido aos riscos de cólicas que esta pode ocasionar. Deve também estar sempre limpa, evitando-se as águas barrentas que podem causar distúrbios digestivos pelo acúmulo da terra dentro do aparelho digestivo do cavalo. Deve ser fornecida ainda à vontade, pois as necessidades de água pelo cavalo são elevadas, de 20 a 75 litros por dia, dependendo do porte do animal, do clima, da intensidade do trabalho e da natureza da alimentação. As fêmeas em lactação têm suas necessidades aumentadas em 15 a 30 litros por dia. COMPLEMENTAÇÃO MINERAL Esta também é de fundamental importância para suprir as necessidades básicas do cavalo, que são relativamente elevadas com relação aos minerais. Estes devem ser oferecidos de maneira equilibrada, através de sais minerais de empresas idôneas e à vontade, num cocho à parte. SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL Após termos suprido as mínimas necessidades para manutenção do cavalo, aí sim, conforme atividade a que vamos submetê-lo, seja um potro em crescimento, égua em reprodução ou cavalo de esporte e trabalho, devemos oferecer-lhe os complementos de uma alimentação, para que possamos atingir os níveis Energéticos e/ou Protéicos suficientes para suprir estas novas necessidades, mas sempre respeitando sua natureza valorizando o volumoso. RAÇÃO (COMPLEMENTO CORRETOR) Esta deve ser equilibrada, oriunda de empresas idôneas para se ter garantia da qualidade do produto. Existem vários tipos de apresentação de ração: Farelada, Peletizada, Laminada ou Extrusada. As rações industrializadas (Peletizadas, Laminadas ou Extrusadas) possuem 03 vantagens fundamentais sobre as fareladas, principalmente as misturadas na propriedade: 1. Toda matéria prima que chega à fábrica de ração é classificada e analisada para se ter certeza da qualidade de seus nutrientes (Umidade, Proteína, Minerais, etc.). Com base nessas análises, é possível garantir a qualidade e os níveis do produto final (com relação à proteína, minerais, fibra, etc.). Como não é possível analisar a matéria prima na propriedade, não há garantia de manutenção do padrão do produto final. ïïïKãÉêá~äKÅçã=
  • 3. 2. As rações fareladas produzem muito pó que, se inspirados pelo cavalo, podem levar a problemas respiratórios. Além disso, este pó pode causar obstrução do canal naso- lacrimal (canal que liga a narina ao olho) levando a produção excessiva de secreções oculares. 3. Para se evitar este pó, é muito comum molhar a ração antes do fornecimento ao animal. Ocorre que as rações fareladas, por serem mais leves que as peletizadas, ocupam um volume maior, portanto os cavalos demoram mais tempo para comer esta ração. Em temperaturas mais elevadas, podem ocorrer processos de fermentação desta ração molhada levando a quadros de cólicas. Existem ainda as matérias-primas (aveia, trigo, milho, etc.) que muitos criadores/proprietários de animais oferecem misturado à ração balanceada. Ocorre que estas matérias-primas são, em geral, muito ricas em fósforo (a relação Ca:P pode ser de 1:3 quando o ideal é 1,8:1) o que leva a um desbalanceamento na relação cálcio/fósforo sangüíneo levando a graves problemas como a cara inchada. Quanto às apresentações de rações industrializadas, não devemos nos preocupar com a aparência do produto (peletizada, laminada ou extrusada), mas principalmente com os níveis de garantia destes produtos. Tecnicamente falando, um produto extrusado é superior a este mesmo produto laminado e este mesmo produto peletizado. Isto não quer dizer que qualquer produto extrusado é superior a outros, nem que toda ração laminada é superior às peletizadas. O que mais importa na avaliação da qualidade de um produto são seus níveis de garantia, principalmente valores de qualidade de energia e proteína. A qualidade de sua energia também pode ser avaliada através do valor de seu extrato etéreo, que é o valor de gordura de uma ração, onde se este valor for alto, a qualidade de sua energia, e também de sua proteína, serão elevados. Existem rações peletizadas no mercado que possuem qualidade energética e protéica muito superiores às laminadas e extrusadas. Devemos estabelecer realmente quais as necessidades do cavalo para podermos suprir de forma adequada e obtermos os melhores resultados de performance e também na saúde do animal. Para isso devemos observar qual o tempo de digestão de cada tipo de alimento para podermos dividir e ocupar melhor o tempo de cada animal. André Galvão Cintra Consultoria Nutricional Eqüina Médico Veterinário CRMV SP 6765 Fone/fax: (19) 3807.7974 Celular: (19) 9794.5849 e-mail : acintra_agprima@uol.com.br ïïïKãÉêá~äKÅçã=