SlideShare uma empresa Scribd logo
Anatomia e
Fisiologia das aves
Classificação
Galiformes – galinha,
peru, galinha d’angola,
pavão e faisão.
Anseriformes – pato,
marreco, ganso e cisne.
Columbiformes –
pombos em geral.
Passeriformes –
pássaros em geral.
Classificação
Reino – Animal
Filo – Chordata
Subfilo – Vertebrata
Classe – Aves
Subclasse – Neormithes
Superordem – Neognathe
Ordem – Galiforme
Subordem – Galli
Família – Phasianinal
Gênero – Gallus
Espécie - Domesticus
• O esqueleto da galinha é composto de 160
ossos que servem de suporte. Do ponto de
vista fisiológico, servem de reserva de Ca e P.
Os ossos esponjosos ou pneumáticos são
cheios de ar e ligados ao aparelho respiratório.
Anatomia e Fisiologia das aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
- proteção para órgãos moles: coração, pulmões,
sistema nervoso central, entre outros;
- confere sustentação e conformação do corpo;
- age como um sistema de alavancas que,
movimentado pelos músculos, permitem o
deslocamento do corpo, no todo ou em parte;
- os ossos também são os locais de produção de
certas células do sangue.
Funções dos ossos
Vértebras cervicais – são em número de 13 e
encontram-se dispostas de tal forma que no seu
conjunto descrevem uma forma de S, que facilita o
amortecimento do choque da região da cabeça após
o salto ou o voo;
Ossos
• Vértebras torácicas – são em número de 7, com a
particularidade de algumas delas se unirem numa
peça óssea única que denominamos de osso
notarium ou dorsal;
Ossos
Osso notarium ou dorsal
• Vértebras lombares e sacrais – logo após o
nascimento essas vértebras se fundem em um osso
único chamado sinsacro ou osso lombossacro, que
inclui também a última vértebra torácica;
Ossos
Sinsacro ou
osso lombossacro
• Vértebras coccígeas ou caudais – as primeiras
estão unidas ao sinsacro.
- porção mais caudal = fusão de 4 a 8 vértebras
caudais embrionárias - o pigóstilo –funções: inserção
dos músculos e penas caudais e sustentação da
glândula uropigeanal.
Ossos
Caudais e Pigóstilo
Glândula uropigeanal - glândula do óleo secretada
pelas aves e que estas espalham pelo corpo
conferindo impermeabilização – muito importante nas
aves aquáticas.
ATENÇÃO
• Costelas – com exceção da primeira e da última
costela, as demais apresentam, no meio do seu
bordo caudal, um processo em forma de gancho
achatado que se sobrepõe à vértebra seguinte,
designado por processo uncinado e que confere
maior rigidez à porção torácica;
Ossos
Ossos
• Esterno – osso extenso, completamente ossificado,
onde se incluem no osso bolsas de ar dos sacos
aéreos.
A galinha doméstica pertence ao grupo das
aves carinatas por possuir no esterno estrutura
chamada de carena ou quilha local, na qual os
músculos peitorais se inserem;
Ossos
• Esqueleto apendicular – na maioria das aves, a
cintura escapular é completamente desenvolvida,
sendo composta pelos osso caracóide, clavícula e
escápula.
Ossos
Clavícula
Escápula
Coracóide
• Úmero – constitui o esqueleto do braço. É um osso
longo, pneumatizado, encurvado, que se mantém
paralelo às vértebras torácicas, exceto no voo;
Ossos
• Rádio e Ulna ou cúbito – formam o esqueleto do
antebraço, que é mais desenvolvida nas aves
voadoras.
Ossos
Rádio
Ulna
• Carpo – é composto por dois ossos – carporradial e
carpoulnar – que se articulam com os respectivos
ossos do antebraço
Ossos
Carpo
• Metacarpo – constituído por 3 metacarpianos
fundidos num só osso
Ossos
Metacarpo
• Dedos – em número de 3. O maior é o dedo II que
apresenta duas falanges. O rudimento do dedo III é
constituído por uma falange e o dedo I é muito
rudimentar e apresenta uma ou duas falanges,
estando colocado junto ao carpo
Ossos
Metacarpo
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
• Cintura pélvica – corresponde ao osso coxal, que
é formado pelo ílio, ísquio e púbis. Nas aves os dois
coxais estão fundidos ao sinsacro na zona do íleo,
constituindo o conjunto a pélvis
Ossos
Sinsacro
• Fêmur – é o osso da coxa e, nas aves, é mais curto
que o esqueleto da perna. Possui forma cilíndrica e
ligeiramente encurvada.
Ossos
• Tíbia e fíbula – a tíbia é o osso mais longo da
perna. Na sua porção lateral existe uma crista para
inserção da fíbula. Também conhecida como
tibiotarso.
Ossos
• Metatarso – constituído por um osso longo,
formado pela união dos metatarsianos II, III e IV e
pelo elemento tarsiano. Do lado medial do osso
existe uma projeção aguda e encurvada (processo
calcaris) que serve de apoio ao esporão, muito
desenvolvido no macho.
Ossos
• Dedos – as aves domésticas possuem, geralmente,
4 dedos no membro pélvico
Ossos
 1º dígito: metatarso curto e uma falange
 2º, 3º e 4º dígito são contados de dentro
para fora e são formados por 2, 3 e 4
falanges respectivamente
 5º dedo: esporão – defesa (galinha)
• A musculatura corresponde a 75% do peso
das aves sendo maior em regiões que fazem
acentuado esforço físico, coxas e músculos
peitorais.
Anatomia e Fisiologia das aves
Forma a parte
comestível da
ave (carne)
Constitui cerca
de 75% do
peso da ave
• Possuem três tipos de músculos:
-Músculos peitorais – representam 1/12 do peso
do corpo e são de cor branca.
- Músculos lisos ou involuntários – paredes
das artérias e veias, pele, traqueia, órgãos
reprodutores, olhos e tubo digestivo.
- Músculo cardíaco – forma o coração, é uma
combinação de musculatura lisa e estriada.
Anatomia e Fisiologia das aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
• Aparelho digestivo tem aproximadamente
250 cm de comprimento na ave adulta, inicia-
se no bico e termina na cloaca.
Anatomia e Fisiologia das aves
• Parte da ração ingerida pelas aves precisa
de diversas reações antes de poder ser
utilizada pelo organismo. Essas reações são:
- Digestão
- Absorção
- Metabolismo
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
São mudanças que ocorrem nos
alimentos durante a sua passagem pelo canal
alimentar para tornar possível a absorção dos
nutrientes através da parede intestinal e em
seguida serem transportados pela corrente
sanguínea até as células.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
A passagem do bolo alimentar pelo tubo
digestivo depende do movimento peristáltico
que se inicia no esôfago e é desencadeado
sucessivamente no papo, na moela e no
intestino.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Boca – função de apreensão, escolha e
ingestão do alimento. A cavidade bucal
compreende o bico, língua, glândulas salivares
e faringe.
Esôfago – é um tubo relativamente longo por
onde passa o alimento. Possui glândulas
mucosas para lubrificar o alimento
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Papo – o divertículo ou papo é originário da
distensão da parede do esôfago e separa o
esôfago em porções superior e inferior. O
papo é considerado na ave um reservatório de
alimento.
Anatomia e Fisiologia das aves
Proventrículo (estômago glandular) – está
localizado entre o esôfago inferior e a moela. O bolo
alimentar caminha pelo proventrículo e é embebido
pelo suco gástrico composto por água, ácido
clorídrico (HCl), sais, pepsinogênio e mucina.
Pepsina – enzima que digere
as proteínas.
Mucina – Muco que recobre a
parede do estômago,
protegendo-o do ambiente
ácido.
- Digestão
Moela (estômago muscular) – responsável
pela trituração e maceração do alimento,
apresentando uma musculatura altamente
desenvolvida e forte, resistente à ação do HCl.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Intestino delgado - composto por duodeno,
jejuno e íleo. O intestino delgado é a porção
mais longa do sistema digestivo. Tem a função
de realizar a digestão final do alimento e
absorção dos nutrientes.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Pâncreas – glândula ligada ao sistema
digestivo. O pâncreas lança no duodeno um
fluido alcalino rico em enzimas proteolíticas,
aminolíticas e lipolíticas, importantes para a
neutralização do quimo ácido que penetra no
duodeno.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Fígado – órgão que possui funções vitais no
processo de digestão e absorção. A bile é
sintetizada no fígado, armazenada na vesícula
biliar chegando ao duodeno pelo ducto biliar. A
bile facilita a absorção das gorduras e a
digestão dos carboidratos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Intestino grosso – é um tubo curto presente na
última seção do trato digestivo e é dividido em cecos,
cólon e reto ou cloaca. Nos cecos, ocorre a absorção
de água, digestão da fibra bruta (celulose e ainda a
lignina que pode ser utilizada entre 10% e 40% do
total) além da síntese de vitaminas do complexo B e
vitamina K.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Cloaca – estrutura dilatada em forma de bolsa
comum aos aparelhos digestivos, urinário e
reprodutor.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
É constituído de dois rins e dois ureteres.
Não possuem bexiga e os ureteres
desembocam na porção final do intestino (cloaca).
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
Os produtos finais do metabolismo das
proteínas e água transportada pela corrente
sanguínea são depositados nos túbulos dos rins.
A ave não possui bexiga e por isso a urina
passa pelos ureteres diretamente à cloaca. Ao
passar pelos ureteres, a maior parte da água da
urina é reabsorvida pelo corpo e, por isso, a urina
das aves é pastosa.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
Ao chegar à cloaca, a urina mistura-se com as
fezes do intestino grosso e é eliminada junto com
esta, sendo que a parte branca e pastosa
corresponde à urina.
A mistura de fezes e urina das aves contém
aproximadamente: 1,4% de nitrogênio, 0,99% de
ácido fosfórico e 0,39% de potássio, sendo o
adubo natural mais completo para a agricultura.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Composto de:
• Boca;
• orifícios nasais;
• Faringe;
• Traqueia;
• Pulmões, e;
• Sacos aéreos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Composto de:
• Boca;
• orifícios nasais;
• Faringe;
• Traqueia;
• Pulmões, e;
• Sacos aéreos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Orifícios nasais – também conhecido como
cavidades nasais. São curtas, situadas na parte
superior do bico. Comunica-se com a boca e a
faringe por uma abertura, uma fenda localizada no
palato.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral
ao esôfago.
Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem
que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe-
filtração do ar e resfriamento evaporativo.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral
ao esôfago.
Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem
que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe-
filtração do ar e resfriamento evaporativo.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Siringe – órgão que produz som.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Brônquios - formam o sistema tubular do pulmão,
subdividindo-se em primário ou principal, secundário
e muitos parabronquiais.
Anatomia e Fisiologia das aves
De cada um dos
brônquios principais
surgem quatro grupos de
brônquios secundários:
brônquios secundários
medioventrais;
brônquios secundários
mediodorsais;
brônquios secundários
lateroventrais, e;
brônquios secundários
laterodorsais.
Os brônquios
secundários irão emitir
numerosos
parabrônquios, que se
ligam por canais uns
com os outros.
É nestes
parabrônquios que se
vai processar a
hematose
(transformação do
sangue venoso em
sangue arterial).
- Aparelho respiratório
Pulmões – relativamente pequenos, ocupam a
cavidade torácica. Os pulmões não contraem e nem
se expandem. Estão ligados aos sacos aéreos, os
quais tem função de reservatório.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – estruturas que se comunicam com
os brônquios e estão distribuídos em toda a cavidade
torácico-abdominal.
• um saco interclavicular único;
• um par de sacos cervicais;
• um par de sacos torácicos craniais (anteriores);
• um par de sacos torácicos caudais (posteriores); e
• um par de sacos abdominais.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – Funções:
• permitem uma circulação rápida do ar pelos
pulmões – auxilia na respiração;
• tornam as aves mais leves para o voo;
• permitem que o corpo da ave fique em equilíbrio
com o centro da região ventral durante o voo;
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – Funções:
• diminuem a fricção entre os músculos em
movimento;
• ajudam a manter a temperatura corporal pela
difusão do vapor e da água pelos pulmões;
• constituem um reservatório de ar para as aves de
voo rápido.
Anatomia e Fisiologia das aves
371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves
- Aparelho respiratório
Ossos pneumáticos – ossos que contém cavidades
aéreas (câmaras de ar) possuindo como função
reduzir o peso (facilitar o voo) e alguns reforços
ósseos que lhes conferem resistência.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Como ocorre a respiração?
• Dois ciclos – Primeira e segunda inspiração.
Anatomia e Fisiologia das aves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório Cães
Helena Amaral
 
Planos e eixos
Planos e eixosPlanos e eixos
Planos e eixos
Larissa Vaccarini Ávila
 
Apresentação membro torácico
Apresentação membro torácicoApresentação membro torácico
Apresentação membro torácico
Med. Veterinária 2011
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Bioclimatologia aves
Bioclimatologia avesBioclimatologia aves
Bioclimatologia aves
Hévelyn Gonçalves
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
mvezzone
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
Jamile Vitória
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Marília Gomes
 
Anatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção iAnatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção i
Francismara Carreira
 
Digestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espéciesDigestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espécies
Patrícia Oliver
 
Introdução à Anatomia Animal
Introdução à Anatomia AnimalIntrodução à Anatomia Animal
Introdução à Anatomia Animal
angelica luna
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeosCriação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
Renato de Paula
 
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de SuínosHigiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Lucas Maciel Gomes Olini
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Portal Canal Rural
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
Killer Max
 
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal IIntrodução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Introdução ao estudo da anatomia animal
Introdução ao estudo da anatomia animalIntrodução ao estudo da anatomia animal
Introdução ao estudo da anatomia animal
Caio Maximino
 

Mais procurados (20)

Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório Cães
 
Planos e eixos
Planos e eixosPlanos e eixos
Planos e eixos
 
Apresentação membro torácico
Apresentação membro torácicoApresentação membro torácico
Apresentação membro torácico
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Bioclimatologia aves
Bioclimatologia avesBioclimatologia aves
Bioclimatologia aves
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Exame fisico geral
Exame fisico geralExame fisico geral
Exame fisico geral
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterinária
 
Anatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção iAnatomia dos animais de produção i
Anatomia dos animais de produção i
 
Digestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espéciesDigestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espécies
 
Introdução à Anatomia Animal
Introdução à Anatomia AnimalIntrodução à Anatomia Animal
Introdução à Anatomia Animal
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Criação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeosCriação e exploração dos equídeos
Criação e exploração dos equídeos
 
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de SuínosHigiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
 
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal IIntrodução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
 
Introdução ao estudo da anatomia animal
Introdução ao estudo da anatomia animalIntrodução ao estudo da anatomia animal
Introdução ao estudo da anatomia animal
 

Semelhante a 371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves

Reino animalia - aves
Reino animalia - avesReino animalia - aves
Reino animalia - aves
Matheus Alves
 
classe das aves
classe das avesclasse das aves
classe das aves
Iago Feitosa
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
Thiago Vieira
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
Aline Melo
 
Biologia anglo Aulas 1 a 4
Biologia anglo Aulas 1 a 4Biologia anglo Aulas 1 a 4
Biologia anglo Aulas 1 a 4
Leandro Alves dos Santos
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
Janis Rodrigues
 
Vertebrados e invertebrados 1003
Vertebrados e invertebrados 1003Vertebrados e invertebrados 1003
Vertebrados e invertebrados 1003
thaymoreira
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
rickriordan
 
Tabela vertebrados
Tabela vertebrados Tabela vertebrados
Tabela vertebrados
Almir Caputo
 
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
jucajp
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
URCA
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Janaina Luciane Fraga
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
GunScript
 
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
Michelle2789
 
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
Laís Uchôa
 
Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.
beatrizvasconcelos4
 
Aves
AvesAves
Mamiferos e aves
Mamiferos e avesMamiferos e aves
Mamiferos e aves
SESI 422 - Americana
 
Mamiferos e aves 1o a
Mamiferos e aves 1o aMamiferos e aves 1o a
Mamiferos e aves 1o a
SESI 422 - Americana
 

Semelhante a 371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves (20)

Reino animalia - aves
Reino animalia - avesReino animalia - aves
Reino animalia - aves
 
classe das aves
classe das avesclasse das aves
classe das aves
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Biologia anglo Aulas 1 a 4
Biologia anglo Aulas 1 a 4Biologia anglo Aulas 1 a 4
Biologia anglo Aulas 1 a 4
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
 
Vertebrados e invertebrados 1003
Vertebrados e invertebrados 1003Vertebrados e invertebrados 1003
Vertebrados e invertebrados 1003
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
 
Tabela vertebrados
Tabela vertebrados Tabela vertebrados
Tabela vertebrados
 
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
Aula 13 Mamíferos Eutérios 1
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
 
Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes Apresentação slides sobre os peixes
Apresentação slides sobre os peixes
 
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
Os mamíferos - Biologia, 1° ano E.M.
 
Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Mamiferos e aves
Mamiferos e avesMamiferos e aves
Mamiferos e aves
 
Mamiferos e aves 1o a
Mamiferos e aves 1o aMamiferos e aves 1o a
Mamiferos e aves 1o a
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

371742336 anatomia-e-fisiologia-das-aves

  • 2. Classificação Galiformes – galinha, peru, galinha d’angola, pavão e faisão. Anseriformes – pato, marreco, ganso e cisne. Columbiformes – pombos em geral. Passeriformes – pássaros em geral.
  • 3. Classificação Reino – Animal Filo – Chordata Subfilo – Vertebrata Classe – Aves Subclasse – Neormithes Superordem – Neognathe Ordem – Galiforme Subordem – Galli Família – Phasianinal Gênero – Gallus Espécie - Domesticus
  • 4. • O esqueleto da galinha é composto de 160 ossos que servem de suporte. Do ponto de vista fisiológico, servem de reserva de Ca e P. Os ossos esponjosos ou pneumáticos são cheios de ar e ligados ao aparelho respiratório. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 7. - proteção para órgãos moles: coração, pulmões, sistema nervoso central, entre outros; - confere sustentação e conformação do corpo; - age como um sistema de alavancas que, movimentado pelos músculos, permitem o deslocamento do corpo, no todo ou em parte; - os ossos também são os locais de produção de certas células do sangue. Funções dos ossos
  • 8. Vértebras cervicais – são em número de 13 e encontram-se dispostas de tal forma que no seu conjunto descrevem uma forma de S, que facilita o amortecimento do choque da região da cabeça após o salto ou o voo; Ossos
  • 9. • Vértebras torácicas – são em número de 7, com a particularidade de algumas delas se unirem numa peça óssea única que denominamos de osso notarium ou dorsal; Ossos Osso notarium ou dorsal
  • 10. • Vértebras lombares e sacrais – logo após o nascimento essas vértebras se fundem em um osso único chamado sinsacro ou osso lombossacro, que inclui também a última vértebra torácica; Ossos Sinsacro ou osso lombossacro
  • 11. • Vértebras coccígeas ou caudais – as primeiras estão unidas ao sinsacro. - porção mais caudal = fusão de 4 a 8 vértebras caudais embrionárias - o pigóstilo –funções: inserção dos músculos e penas caudais e sustentação da glândula uropigeanal. Ossos Caudais e Pigóstilo
  • 12. Glândula uropigeanal - glândula do óleo secretada pelas aves e que estas espalham pelo corpo conferindo impermeabilização – muito importante nas aves aquáticas. ATENÇÃO
  • 13. • Costelas – com exceção da primeira e da última costela, as demais apresentam, no meio do seu bordo caudal, um processo em forma de gancho achatado que se sobrepõe à vértebra seguinte, designado por processo uncinado e que confere maior rigidez à porção torácica; Ossos
  • 14. Ossos
  • 15. • Esterno – osso extenso, completamente ossificado, onde se incluem no osso bolsas de ar dos sacos aéreos. A galinha doméstica pertence ao grupo das aves carinatas por possuir no esterno estrutura chamada de carena ou quilha local, na qual os músculos peitorais se inserem; Ossos
  • 16. • Esqueleto apendicular – na maioria das aves, a cintura escapular é completamente desenvolvida, sendo composta pelos osso caracóide, clavícula e escápula. Ossos Clavícula Escápula Coracóide
  • 17. • Úmero – constitui o esqueleto do braço. É um osso longo, pneumatizado, encurvado, que se mantém paralelo às vértebras torácicas, exceto no voo; Ossos
  • 18. • Rádio e Ulna ou cúbito – formam o esqueleto do antebraço, que é mais desenvolvida nas aves voadoras. Ossos Rádio Ulna
  • 19. • Carpo – é composto por dois ossos – carporradial e carpoulnar – que se articulam com os respectivos ossos do antebraço Ossos Carpo
  • 20. • Metacarpo – constituído por 3 metacarpianos fundidos num só osso Ossos Metacarpo
  • 21. • Dedos – em número de 3. O maior é o dedo II que apresenta duas falanges. O rudimento do dedo III é constituído por uma falange e o dedo I é muito rudimentar e apresenta uma ou duas falanges, estando colocado junto ao carpo Ossos Metacarpo
  • 23. • Cintura pélvica – corresponde ao osso coxal, que é formado pelo ílio, ísquio e púbis. Nas aves os dois coxais estão fundidos ao sinsacro na zona do íleo, constituindo o conjunto a pélvis Ossos Sinsacro
  • 24. • Fêmur – é o osso da coxa e, nas aves, é mais curto que o esqueleto da perna. Possui forma cilíndrica e ligeiramente encurvada. Ossos
  • 25. • Tíbia e fíbula – a tíbia é o osso mais longo da perna. Na sua porção lateral existe uma crista para inserção da fíbula. Também conhecida como tibiotarso. Ossos
  • 26. • Metatarso – constituído por um osso longo, formado pela união dos metatarsianos II, III e IV e pelo elemento tarsiano. Do lado medial do osso existe uma projeção aguda e encurvada (processo calcaris) que serve de apoio ao esporão, muito desenvolvido no macho. Ossos
  • 27. • Dedos – as aves domésticas possuem, geralmente, 4 dedos no membro pélvico Ossos  1º dígito: metatarso curto e uma falange  2º, 3º e 4º dígito são contados de dentro para fora e são formados por 2, 3 e 4 falanges respectivamente  5º dedo: esporão – defesa (galinha)
  • 28. • A musculatura corresponde a 75% do peso das aves sendo maior em regiões que fazem acentuado esforço físico, coxas e músculos peitorais. Anatomia e Fisiologia das aves Forma a parte comestível da ave (carne) Constitui cerca de 75% do peso da ave
  • 29. • Possuem três tipos de músculos: -Músculos peitorais – representam 1/12 do peso do corpo e são de cor branca. - Músculos lisos ou involuntários – paredes das artérias e veias, pele, traqueia, órgãos reprodutores, olhos e tubo digestivo. - Músculo cardíaco – forma o coração, é uma combinação de musculatura lisa e estriada. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 31. • Aparelho digestivo tem aproximadamente 250 cm de comprimento na ave adulta, inicia- se no bico e termina na cloaca. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 32. • Parte da ração ingerida pelas aves precisa de diversas reações antes de poder ser utilizada pelo organismo. Essas reações são: - Digestão - Absorção - Metabolismo Anatomia e Fisiologia das aves
  • 33. - Digestão São mudanças que ocorrem nos alimentos durante a sua passagem pelo canal alimentar para tornar possível a absorção dos nutrientes através da parede intestinal e em seguida serem transportados pela corrente sanguínea até as células. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 34. - Digestão Anatomia e Fisiologia das aves
  • 35. - Digestão A passagem do bolo alimentar pelo tubo digestivo depende do movimento peristáltico que se inicia no esôfago e é desencadeado sucessivamente no papo, na moela e no intestino. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 36. - Digestão Boca – função de apreensão, escolha e ingestão do alimento. A cavidade bucal compreende o bico, língua, glândulas salivares e faringe. Esôfago – é um tubo relativamente longo por onde passa o alimento. Possui glândulas mucosas para lubrificar o alimento Anatomia e Fisiologia das aves
  • 37. - Digestão Papo – o divertículo ou papo é originário da distensão da parede do esôfago e separa o esôfago em porções superior e inferior. O papo é considerado na ave um reservatório de alimento. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 38. Proventrículo (estômago glandular) – está localizado entre o esôfago inferior e a moela. O bolo alimentar caminha pelo proventrículo e é embebido pelo suco gástrico composto por água, ácido clorídrico (HCl), sais, pepsinogênio e mucina. Pepsina – enzima que digere as proteínas. Mucina – Muco que recobre a parede do estômago, protegendo-o do ambiente ácido.
  • 39. - Digestão Moela (estômago muscular) – responsável pela trituração e maceração do alimento, apresentando uma musculatura altamente desenvolvida e forte, resistente à ação do HCl. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 40. - Digestão Intestino delgado - composto por duodeno, jejuno e íleo. O intestino delgado é a porção mais longa do sistema digestivo. Tem a função de realizar a digestão final do alimento e absorção dos nutrientes. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 41. - Digestão Pâncreas – glândula ligada ao sistema digestivo. O pâncreas lança no duodeno um fluido alcalino rico em enzimas proteolíticas, aminolíticas e lipolíticas, importantes para a neutralização do quimo ácido que penetra no duodeno. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 42. - Digestão Fígado – órgão que possui funções vitais no processo de digestão e absorção. A bile é sintetizada no fígado, armazenada na vesícula biliar chegando ao duodeno pelo ducto biliar. A bile facilita a absorção das gorduras e a digestão dos carboidratos. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 43. - Digestão Intestino grosso – é um tubo curto presente na última seção do trato digestivo e é dividido em cecos, cólon e reto ou cloaca. Nos cecos, ocorre a absorção de água, digestão da fibra bruta (celulose e ainda a lignina que pode ser utilizada entre 10% e 40% do total) além da síntese de vitaminas do complexo B e vitamina K. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 44. - Digestão Cloaca – estrutura dilatada em forma de bolsa comum aos aparelhos digestivos, urinário e reprodutor. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 45. - Aparelho urinário É constituído de dois rins e dois ureteres. Não possuem bexiga e os ureteres desembocam na porção final do intestino (cloaca). Anatomia e Fisiologia das aves
  • 46. - Aparelho urinário Os produtos finais do metabolismo das proteínas e água transportada pela corrente sanguínea são depositados nos túbulos dos rins. A ave não possui bexiga e por isso a urina passa pelos ureteres diretamente à cloaca. Ao passar pelos ureteres, a maior parte da água da urina é reabsorvida pelo corpo e, por isso, a urina das aves é pastosa. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 47. - Aparelho urinário Ao chegar à cloaca, a urina mistura-se com as fezes do intestino grosso e é eliminada junto com esta, sendo que a parte branca e pastosa corresponde à urina. A mistura de fezes e urina das aves contém aproximadamente: 1,4% de nitrogênio, 0,99% de ácido fosfórico e 0,39% de potássio, sendo o adubo natural mais completo para a agricultura. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 48. - Aparelho respiratório Composto de: • Boca; • orifícios nasais; • Faringe; • Traqueia; • Pulmões, e; • Sacos aéreos. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 49. - Aparelho respiratório Composto de: • Boca; • orifícios nasais; • Faringe; • Traqueia; • Pulmões, e; • Sacos aéreos. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 50. - Aparelho respiratório Orifícios nasais – também conhecido como cavidades nasais. São curtas, situadas na parte superior do bico. Comunica-se com a boca e a faringe por uma abertura, uma fenda localizada no palato. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 51. - Aparelho respiratório Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral ao esôfago. Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe- filtração do ar e resfriamento evaporativo. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 52. - Aparelho respiratório Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral ao esôfago. Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe- filtração do ar e resfriamento evaporativo. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 53. - Aparelho respiratório Siringe – órgão que produz som. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 54. - Aparelho respiratório Brônquios - formam o sistema tubular do pulmão, subdividindo-se em primário ou principal, secundário e muitos parabronquiais. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 55. De cada um dos brônquios principais surgem quatro grupos de brônquios secundários: brônquios secundários medioventrais; brônquios secundários mediodorsais; brônquios secundários lateroventrais, e; brônquios secundários laterodorsais.
  • 56. Os brônquios secundários irão emitir numerosos parabrônquios, que se ligam por canais uns com os outros. É nestes parabrônquios que se vai processar a hematose (transformação do sangue venoso em sangue arterial).
  • 57. - Aparelho respiratório Pulmões – relativamente pequenos, ocupam a cavidade torácica. Os pulmões não contraem e nem se expandem. Estão ligados aos sacos aéreos, os quais tem função de reservatório. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 58. - Aparelho respiratório Sacos aéreos – estruturas que se comunicam com os brônquios e estão distribuídos em toda a cavidade torácico-abdominal. • um saco interclavicular único; • um par de sacos cervicais; • um par de sacos torácicos craniais (anteriores); • um par de sacos torácicos caudais (posteriores); e • um par de sacos abdominais. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 59. - Aparelho respiratório Sacos aéreos – Funções: • permitem uma circulação rápida do ar pelos pulmões – auxilia na respiração; • tornam as aves mais leves para o voo; • permitem que o corpo da ave fique em equilíbrio com o centro da região ventral durante o voo; Anatomia e Fisiologia das aves
  • 60. - Aparelho respiratório Sacos aéreos – Funções: • diminuem a fricção entre os músculos em movimento; • ajudam a manter a temperatura corporal pela difusão do vapor e da água pelos pulmões; • constituem um reservatório de ar para as aves de voo rápido. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 62. - Aparelho respiratório Ossos pneumáticos – ossos que contém cavidades aéreas (câmaras de ar) possuindo como função reduzir o peso (facilitar o voo) e alguns reforços ósseos que lhes conferem resistência. Anatomia e Fisiologia das aves
  • 63. - Como ocorre a respiração? • Dois ciclos – Primeira e segunda inspiração. Anatomia e Fisiologia das aves