SlideShare uma empresa Scribd logo
Arcadismo
(Neoclassicismo)
Características gerais:
• arte mais baseado no racional do que no sensitivo (ao contrário do
barroco)
• vinculação ao Iluminismo
• domínio da razão
• imitação dos clássicos
• aproximação à natureza
• simplicidade
• ausência de subjetividade
• amor galante
Iluminismo
• Movimento intelectual surgido no fim do século XVII que diz que
todas as coisas podem ser compreendidas, resolvidas e decididas pela
razão. A razão é o guia infalível da verdade.
Imitação dos clássicos
• A imitação significa, aqui, seguir modelos, e não copiá-los. Os
escritores árcades buscavam nos clássicos a racionalidade e a
simplicidade. Além disso eles acreditavam encontrar nos modelos da
cultura greco-romana a mais perfeita representação da natureza.
"Fazer poesia (literatura) é pintar com palavras" - Horácio
Apróximação à natureza
• Vimos, portanto, que os árcades buscavam nos clássicos uma
perfeita imitação da natureza. Eles buscam na vida natural uma
simplicidade e harmonia que não estava presente na obra
barroca, de caráter mais urbano. A obra árcade cultua a
serenidade da natureza, a integração serena, tranquila, entre
indivíduo e paisagem natural. À essa integração chamamos
bucolismo.
• Essa aproximação se dá por meio de uma literatura chamada
pastoril. Nela acontece a representação da tranquilidade da
vida no campo. Isso tudo, entretanto, era mais uma convenção
do que um modo de vida real dos poetas. Por isso podemos
enxergar nessa poesia uma certa artificialidade.
Simplicidade
• Verdade = razão = simplicidade
• Ao contrário das contradições e confusões barrocas, os artistas
árcades buscavam a simplicidade. E onde eles a encontravam? Como
já vimos, na imitação da natureza e das obras da Antiguidade clássica.
Ausência de subjetividade
• O artista árcade é contra os sentimentos extravagantes. Sua busca é
pela simplicidade, pelos sentimentos médios, comuns, genéricos. A
individualidade do poeta acaba escondida.
• Mesmo nas poesias de amor o poeta árcade respeita um jogo de
etiquetas, de gestos elegantes e nunca demonstra uma paixão
impulsiva, exagerada. Essa poesia de amor educada e que respeita as
etiquetas é chamada de poesia de amor galante: uma poesia
característica do Arcadismo.
Arcadismo no Brasil
• Descoberta de ouro no interior do Brasil (Minas Gerais)
• Riqueza rápida
• Formação de uma clásse média: comerciantes que invadem o espaço
urbano dessas cidades recem surgidas e todo o aparato da burocracia
estatal portuguesa que vem fiscalizar a tributação do ouro
• Surgimento de arcádias e academias literárias onde acontecem saraus
e debates sobre questões estéticas
• Formação de um público leitor
Inconfidência mineira (1789)
• Endividamento devido à alta carga tributária imposta pela metrópole
• Circulação de ideias iluministas
• Independência americana (1776)
• Participação de poetas árcades
Formação de sistema literário
• autores
• obras na mesma língua e mesma perspectiva estética
• público leitor permanente
Cláudio Manuel da Costa (1729 - 1789)
• Poeta de transição entre o barroco e o arcadismo (racionalmente um
árcade, emotivamente um barroco)
• Gosto pela antítese e pelo soneto (características barrocas)
• Temáticas semelhantes às barrocas, tais como o desencanto com a
vida e a brevidade do amor e dos demais sentimentos
"Destes penhascos fez a natureza
O berço em que nasci! Oh, quem cuidara
Que entre penhas* tão duras se criara
Uma al terna, um peito sem dureza!"
*rochas
Tomás Antônio Gonzaga (1744 - 1810)
• Principal obra: Marília de Dirceu (dividida em tres partes)
• Na parte I, escrita quando o poeta estava em liberdade, temos os poemas
mais caracteristicamente árcades de sua obra, seus principais aspectos são:
- vida poastoril
- recusa a intensificar a subjetividade
- o canto da natureza convencional
- galanteria
- clareza de estilo
- desejo da vida comum
"Tú, Marília, agora vendo
Do Amor o lindo retrato
Contigo estarás dizendo
Que é este o retrato teu.
Sim, Marília, a cópia é tua,
Que Cupido é Deus suposto:
Se há Cupido, é só teu rosto
Que ele foi quem me venceu."
Lira II
"O ser herói, Marília, não consste
Em queimar os Impérios: move a gerra,
Espalha o sangue humano,
E despovoa a terra
Também o mau tirano.
Consiste o ser herói em viver justo:
E tanto pode ser herói o pobre,
Como o maior Augusto."
Lira XXVII
• A parte II de Marília de Dirceu foi escrita na prisão, nela prevalecem:
• - Tom de desabafo
- Tristeza pelo sofrimento vivido por Dirceu
- Características vistas como pré-românticas:
subjetividade, sentimentalidade
"Eu tenho um coração maior que o mundo,
Tu formosa Marília, bem o sabes:
Um coração, e basta:
Onde tu mesma cabes"
• A parte III de Marília de Dirceu foi publicada em condições
confusas, reúne material de valor expressivo diversificado e no fim
das contas, não acrescenta nada ao sentido final da obra.
Basílio da Gama (1741 – 1795)
• Principal obra: O Uraguai (1769)
- Tentativa de poema épico dividido em 5 cantos
- Versos brancos (sem rimas) decassílabos
- Tema: tomada das missões jesuíticas pela expedição de Gomes
Freire, em 1756, cumprindo o tratado de Madrid.
- Dedicado ao Senhor Conde de Oeiras (irmão do Marquês do Pombal)
O Uraguai (1769)
O poema se inicia pela reunião das tropas portuguesas e espanholas
sob o comando de Gomes Freire de Andrade, que, primeiramente, em
longa fala, descreve a guerra informando sobre os motivos históricos
da obra. O canto dois é dedicado à narrativa da batalha travada entre
os índios e conquistadores brancos, cabendo a vitória aos
portugueses e espanhóis.
No terceiro canto surge a sombra de um chefe indígena desaparecido
em combate, que aconselha o cacique Cacambo a incendiar o
acampamento dos brancos e a fugir. O cacique acata o conselho e
depois de voltar a sua aldeia encontra o jesuíta Balda que manda
prendê-lo e o envenenar.
Paralelamente, a feiticeira Tanajura faz Lindóia, mulher de Cacambo, ter
visões, e ela de modo pouco claro contempla nessas visões a cidade
de Lisboa, destruída pelo terremoto de 1755 e, a seguir, reconstruída.
Aqui, transparece o objetivo de Basílio da Gama de lembrar a figura
do Marquês do Pombal.
O canto quarto nos mostra o encontro dos índios para a cerimônia de
casamento de Lindóia com o índio Baldeta, protegido e suposto filho
do jesuíta Balda. A heroína Lindóia, entretanto, suicida-se, deixando-
se picar por uma cobra. Neste momento, as tropas portuguesas e
espanholas já se achavam nas cercanias da aldeia e os índios batem
em retirada. Por fim, o quinto e último canto descreve um templo
religioso, os crimes cometidos pelos jesuítas e a prisão dos religiosos.
Características
• Fracassa como épico, mas possui força no lirismo e poeticidade
• Tenta glorificar tanto o conquistador europeu quanto o índio. O alvo
de suas críticas são os jesuítas.
• Por tentar valorizar os índios, é lido por alguns críticos como um
precursor do indianismo, que virá a ser um assunto valorizado pelos
autores do Romantismo.
Leia as afirmações abaixo sobre o Arcadismo brasileiro.
• I - Os poetas árcades colocavam-se como pastores para realizarem, dessa
forma, o ideal de uma vida simples em contato com a natureza.
• II - O Arcadismo brasileiro, embora tenha reproduzido muito dos modelos
europeus, apresentou características próprias, como a incorporação do
elemento indígena e a sátira política.
• III- O tema do Carpe diem, em que o poeta expressa o desejo de aproveitar
intensamente o momento presente, fugaz e passageiro, foi ignorado pelos
árcades brasileiros, excessivamente racionalistas.
Quais estão corretas?
(A) Apenas I
(B) Apenas III
(C) Apenas I e II
(D) Apenas II e III
(E) I, II e III
A alternativa certa é a letra C.
As afirmativas I e II são verdadeiras, mas a III é falsa, pois o carpe diem
não foi ignorado pelos árcades brasileiros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
claudia tc
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
Cynthia Funchal
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Gleidson Luis
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
Péricles Penuel
 
A prosa de 30
A prosa de 30A prosa de 30
A prosa de 30
Douglas Barreto
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
Flavio Maia Custodio
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo NetoMorte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Rafael Leite
 

Mais procurados (20)

Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
A prosa de 30
A prosa de 30A prosa de 30
A prosa de 30
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo NetoMorte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
 

Destaque

Pe antonio vieira
Pe antonio vieiraPe antonio vieira
Aula barroco
Aula barrocoAula barroco
A noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantorasA noite das mulheres cantoras
Aula caminha
Aula caminhaAula caminha
Barroco
BarrocoBarroco
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Dançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto AlegreDançar tango em Porto Alegre
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Vanguardas e Modernismo
Vanguardas e ModernismoVanguardas e Modernismo
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetasRomantismo contexto e poetas
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
O universo e tudo mais
O universo e tudo maisO universo e tudo mais
Revisão
RevisãoRevisão
Aulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 PopulaçãoAulas 3 e 4 População
Ejercicios de revisión
Ejercicios de revisiónEjercicios de revisión
Botânica parte 1
Botânica parte 1Botânica parte 1
Sistemas e Fenômenos
Sistemas e FenômenosSistemas e Fenômenos

Destaque (20)

Pe antonio vieira
Pe antonio vieiraPe antonio vieira
Pe antonio vieira
 
Aula barroco
Aula barrocoAula barroco
Aula barroco
 
A noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantorasA noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantoras
 
Aula caminha
Aula caminhaAula caminha
Aula caminha
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Dançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto AlegreDançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto Alegre
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Vanguardas e Modernismo
Vanguardas e ModernismoVanguardas e Modernismo
Vanguardas e Modernismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
Romantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetasRomantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetas
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
O universo e tudo mais
O universo e tudo maisO universo e tudo mais
O universo e tudo mais
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Aulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 PopulaçãoAulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 População
 
Ejercicios de revisión
Ejercicios de revisiónEjercicios de revisión
Ejercicios de revisión
 
Botânica parte 1
Botânica parte 1Botânica parte 1
Botânica parte 1
 
Sistemas e Fenômenos
Sistemas e FenômenosSistemas e Fenômenos
Sistemas e Fenômenos
 

Semelhante a Aula arcadismo

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Mônica Almeida Neves
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
Larissa Lima
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
ISJ
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
MariaEmliaCosta1
 
39498 1322245685291
39498 132224568529139498 1322245685291
39498 1322245685291
Beatriz pereira
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
Miguel Silva Bastos
 
ARCADISMO.ppt
ARCADISMO.pptARCADISMO.ppt
ARCADISMO.ppt
RildeniceSantos
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
ssuser6e334c1
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
ISJ
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
guesta61019
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
arcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdfarcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdf
Sil Queiroz
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
Ana Karina Silva
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
espanhol1979a
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
Chrys Novaes
 
ARCADISMO 1º A.pptx.pdf
ARCADISMO 1º A.pptx.pdfARCADISMO 1º A.pptx.pdf
ARCADISMO 1º A.pptx.pdf
MAURICIOMARQUESDACOS
 

Semelhante a Aula arcadismo (20)

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. nevesArcadismo aula profª mônica a. neves
Arcadismo aula profª mônica a. neves
 
Resumo Literatura
Resumo LiteraturaResumo Literatura
Resumo Literatura
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
39498 1322245685291
39498 132224568529139498 1322245685291
39498 1322245685291
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
ARCADISMO.ppt
ARCADISMO.pptARCADISMO.ppt
ARCADISMO.ppt
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
 
Arcadismo brasil
Arcadismo   brasilArcadismo   brasil
Arcadismo brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
arcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdfarcadismo pdf.pdf
arcadismo pdf.pdf
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)Apostila quinhentismo (1)
Apostila quinhentismo (1)
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
Arcadismo ou neoclacissismo ou setecentismo brasileiro (1768 1808
 
ARCADISMO 1º A.pptx.pdf
ARCADISMO 1º A.pptx.pdfARCADISMO 1º A.pptx.pdf
ARCADISMO 1º A.pptx.pdf
 

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular

Portas abertas 2014
Portas abertas 2014Portas abertas 2014
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Preposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maioPreposiciones 05 de maio
Transcrição e tradução
Transcrição e traduçãoTranscrição e tradução
Artigos - espanhol
Artigos - espanholArtigos - espanhol
Falsos cognatos
Falsos cognatosFalsos cognatos
Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014Composição química da célula 2014
As artes no renascimento
As artes no renascimentoAs artes no renascimento
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Idade média oriental
Idade média orientalIdade média oriental
Portas abertas 2013
Portas abertas 2013Portas abertas 2013
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Folhetos embrionários
Folhetos embrionáriosFolhetos embrionários
Fisiologia
FisiologiaFisiologia

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular (16)

Portas abertas 2014
Portas abertas 2014Portas abertas 2014
Portas abertas 2014
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Preposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maioPreposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maio
 
Transcrição e tradução
Transcrição e traduçãoTranscrição e tradução
Transcrição e tradução
 
Artigos - espanhol
Artigos - espanholArtigos - espanhol
Artigos - espanhol
 
Falsos cognatos
Falsos cognatosFalsos cognatos
Falsos cognatos
 
Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014
 
As artes no renascimento
As artes no renascimentoAs artes no renascimento
As artes no renascimento
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gabaritos 2013
Gabaritos 2013Gabaritos 2013
Gabaritos 2013
 
Idade média oriental
Idade média orientalIdade média oriental
Idade média oriental
 
Portas abertas 2013
Portas abertas 2013Portas abertas 2013
Portas abertas 2013
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Folhetos embrionários
Folhetos embrionáriosFolhetos embrionários
Folhetos embrionários
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Aula arcadismo

  • 2. Características gerais: • arte mais baseado no racional do que no sensitivo (ao contrário do barroco) • vinculação ao Iluminismo • domínio da razão • imitação dos clássicos • aproximação à natureza • simplicidade • ausência de subjetividade • amor galante
  • 3. Iluminismo • Movimento intelectual surgido no fim do século XVII que diz que todas as coisas podem ser compreendidas, resolvidas e decididas pela razão. A razão é o guia infalível da verdade.
  • 4. Imitação dos clássicos • A imitação significa, aqui, seguir modelos, e não copiá-los. Os escritores árcades buscavam nos clássicos a racionalidade e a simplicidade. Além disso eles acreditavam encontrar nos modelos da cultura greco-romana a mais perfeita representação da natureza. "Fazer poesia (literatura) é pintar com palavras" - Horácio
  • 5. Apróximação à natureza • Vimos, portanto, que os árcades buscavam nos clássicos uma perfeita imitação da natureza. Eles buscam na vida natural uma simplicidade e harmonia que não estava presente na obra barroca, de caráter mais urbano. A obra árcade cultua a serenidade da natureza, a integração serena, tranquila, entre indivíduo e paisagem natural. À essa integração chamamos bucolismo. • Essa aproximação se dá por meio de uma literatura chamada pastoril. Nela acontece a representação da tranquilidade da vida no campo. Isso tudo, entretanto, era mais uma convenção do que um modo de vida real dos poetas. Por isso podemos enxergar nessa poesia uma certa artificialidade.
  • 6. Simplicidade • Verdade = razão = simplicidade • Ao contrário das contradições e confusões barrocas, os artistas árcades buscavam a simplicidade. E onde eles a encontravam? Como já vimos, na imitação da natureza e das obras da Antiguidade clássica.
  • 7. Ausência de subjetividade • O artista árcade é contra os sentimentos extravagantes. Sua busca é pela simplicidade, pelos sentimentos médios, comuns, genéricos. A individualidade do poeta acaba escondida. • Mesmo nas poesias de amor o poeta árcade respeita um jogo de etiquetas, de gestos elegantes e nunca demonstra uma paixão impulsiva, exagerada. Essa poesia de amor educada e que respeita as etiquetas é chamada de poesia de amor galante: uma poesia característica do Arcadismo.
  • 8. Arcadismo no Brasil • Descoberta de ouro no interior do Brasil (Minas Gerais) • Riqueza rápida • Formação de uma clásse média: comerciantes que invadem o espaço urbano dessas cidades recem surgidas e todo o aparato da burocracia estatal portuguesa que vem fiscalizar a tributação do ouro • Surgimento de arcádias e academias literárias onde acontecem saraus e debates sobre questões estéticas • Formação de um público leitor
  • 9. Inconfidência mineira (1789) • Endividamento devido à alta carga tributária imposta pela metrópole • Circulação de ideias iluministas • Independência americana (1776) • Participação de poetas árcades
  • 10. Formação de sistema literário • autores • obras na mesma língua e mesma perspectiva estética • público leitor permanente
  • 11. Cláudio Manuel da Costa (1729 - 1789) • Poeta de transição entre o barroco e o arcadismo (racionalmente um árcade, emotivamente um barroco) • Gosto pela antítese e pelo soneto (características barrocas) • Temáticas semelhantes às barrocas, tais como o desencanto com a vida e a brevidade do amor e dos demais sentimentos
  • 12. "Destes penhascos fez a natureza O berço em que nasci! Oh, quem cuidara Que entre penhas* tão duras se criara Uma al terna, um peito sem dureza!" *rochas
  • 13. Tomás Antônio Gonzaga (1744 - 1810) • Principal obra: Marília de Dirceu (dividida em tres partes) • Na parte I, escrita quando o poeta estava em liberdade, temos os poemas mais caracteristicamente árcades de sua obra, seus principais aspectos são: - vida poastoril - recusa a intensificar a subjetividade - o canto da natureza convencional - galanteria - clareza de estilo - desejo da vida comum
  • 14. "Tú, Marília, agora vendo Do Amor o lindo retrato Contigo estarás dizendo Que é este o retrato teu. Sim, Marília, a cópia é tua, Que Cupido é Deus suposto: Se há Cupido, é só teu rosto Que ele foi quem me venceu." Lira II
  • 15. "O ser herói, Marília, não consste Em queimar os Impérios: move a gerra, Espalha o sangue humano, E despovoa a terra Também o mau tirano. Consiste o ser herói em viver justo: E tanto pode ser herói o pobre, Como o maior Augusto." Lira XXVII
  • 16. • A parte II de Marília de Dirceu foi escrita na prisão, nela prevalecem: • - Tom de desabafo - Tristeza pelo sofrimento vivido por Dirceu - Características vistas como pré-românticas: subjetividade, sentimentalidade "Eu tenho um coração maior que o mundo, Tu formosa Marília, bem o sabes: Um coração, e basta: Onde tu mesma cabes"
  • 17. • A parte III de Marília de Dirceu foi publicada em condições confusas, reúne material de valor expressivo diversificado e no fim das contas, não acrescenta nada ao sentido final da obra.
  • 18. Basílio da Gama (1741 – 1795) • Principal obra: O Uraguai (1769) - Tentativa de poema épico dividido em 5 cantos - Versos brancos (sem rimas) decassílabos - Tema: tomada das missões jesuíticas pela expedição de Gomes Freire, em 1756, cumprindo o tratado de Madrid. - Dedicado ao Senhor Conde de Oeiras (irmão do Marquês do Pombal)
  • 19. O Uraguai (1769) O poema se inicia pela reunião das tropas portuguesas e espanholas sob o comando de Gomes Freire de Andrade, que, primeiramente, em longa fala, descreve a guerra informando sobre os motivos históricos da obra. O canto dois é dedicado à narrativa da batalha travada entre os índios e conquistadores brancos, cabendo a vitória aos portugueses e espanhóis. No terceiro canto surge a sombra de um chefe indígena desaparecido em combate, que aconselha o cacique Cacambo a incendiar o acampamento dos brancos e a fugir. O cacique acata o conselho e depois de voltar a sua aldeia encontra o jesuíta Balda que manda prendê-lo e o envenenar.
  • 20. Paralelamente, a feiticeira Tanajura faz Lindóia, mulher de Cacambo, ter visões, e ela de modo pouco claro contempla nessas visões a cidade de Lisboa, destruída pelo terremoto de 1755 e, a seguir, reconstruída. Aqui, transparece o objetivo de Basílio da Gama de lembrar a figura do Marquês do Pombal. O canto quarto nos mostra o encontro dos índios para a cerimônia de casamento de Lindóia com o índio Baldeta, protegido e suposto filho do jesuíta Balda. A heroína Lindóia, entretanto, suicida-se, deixando- se picar por uma cobra. Neste momento, as tropas portuguesas e espanholas já se achavam nas cercanias da aldeia e os índios batem em retirada. Por fim, o quinto e último canto descreve um templo religioso, os crimes cometidos pelos jesuítas e a prisão dos religiosos.
  • 21. Características • Fracassa como épico, mas possui força no lirismo e poeticidade • Tenta glorificar tanto o conquistador europeu quanto o índio. O alvo de suas críticas são os jesuítas. • Por tentar valorizar os índios, é lido por alguns críticos como um precursor do indianismo, que virá a ser um assunto valorizado pelos autores do Romantismo.
  • 22. Leia as afirmações abaixo sobre o Arcadismo brasileiro. • I - Os poetas árcades colocavam-se como pastores para realizarem, dessa forma, o ideal de uma vida simples em contato com a natureza. • II - O Arcadismo brasileiro, embora tenha reproduzido muito dos modelos europeus, apresentou características próprias, como a incorporação do elemento indígena e a sátira política. • III- O tema do Carpe diem, em que o poeta expressa o desejo de aproveitar intensamente o momento presente, fugaz e passageiro, foi ignorado pelos árcades brasileiros, excessivamente racionalistas. Quais estão corretas?
  • 23. (A) Apenas I (B) Apenas III (C) Apenas I e II (D) Apenas II e III (E) I, II e III
  • 24. A alternativa certa é a letra C. As afirmativas I e II são verdadeiras, mas a III é falsa, pois o carpe diem não foi ignorado pelos árcades brasileiros.