SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Barroco
Crise do Renascimento
• Reforma protestante
• Fortalecimento da Burguesia
• Crise econômica na península ibérica
Vida harmoniosa dá lugar à angústia e
temeridade
Renascimento
• Equilíbrio
• Elegância
• Harmonia
• Clareza
Barroco
• Contradições
• Pessimismo
• Dilaceramento
• Desarmonia
Características
• Arte da contrarreforma (volta à religiosidade)
• Conflito entre corpo e alma
• Desengano com a vida
• Uso de antíteses
• Preferência pelo soneto (dois quartetos e
dois tercetos)
• Temática da passagem do tempo
Davi com a cabeça de Golias,
do pintor italiano Caravaggio.
Essa pintura ressalta o jogo de
antítese entre luz e sobra,
característico da arte barroca.
A incredulidade de São Tomé, também do pintor italiano
Caravaggio. Reparem como elemento divino no barroco, ao
contrário do Renascimento, é representado como carnal, mais
próximo do humano.
Barroco ibérico
Divisão entre cultismo e conceptismo
Cultismo:
- Estilo excessivo, verborrágico
- Uso frequente de neologismos
- (Gôngora)
Conceptismo:
- Tentativa de dizer o máximo com o mínimo de palavras
- Uso de elipses; duplos sentidos; paradoxos e alegorias
- (Quevedo)
Barroco no Brasil
• Submissão aos valores estéticos portugueses
• Crise da sociedade açucareira
(endividamento; disputa do mercado com os
holandeses)
• Contrarreforma
(forte rigor do ensino jesuíta confrontando-se com
sexo à disposição favorecido pelo sistema
escravista)
Principais autores:
• Gregório de Matos Guerra
• Antônio Vieira
Gregório de Matos
(1633 – 1695)
Biografia
• Nasceu na Bahia, filho de família rica
• Ingressou na Universidade de Coimbra, em Portugal,
aos 16 anos
• Formado em Direito, foi juiz em Portugal
• Retorna ao Brasil aos 46 anos
• Nomeado clérigo, sendo destituído dois anos depois
por levar uma “vida sem modo de cristão”
• Conhecido como Boca do Inferno
Características da obra:
• Obra poética vasta e desigual
• Duvidosa autoria
• Três principais temas:
Poesia religiosa
Poesia amorosa
Poesia satírica
Poesia religiosa
• Elementos contraditórios:
Licenciosidade moral
arrependimento
Posterior consciência da infâmia
• Culpa por haver pecado
• Poeta implora perdão, se ajoelha diante de Deus
• Promete redimir-se
A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR
Pequei, Senhor, mas não por que hei pecado,
Da vossa piedade me despido,
Porque quanto mais tenho delinquido,
Vos tenho a perdoar mais empenhado.
Se basta a vos irar tanto um pecado,
A abrandar-vos sobeja um só gemido,
Que a mesma culpa, que vos há ofendido,
Vos tem para o perdão lisonjeado.
Se uma ovelha perdida, e já cobrada
Glória tal, e prazer tão repentino
Vos deu, como afirmais na Sacra História:
Eu sou, Senhor, ovelha desgarrada
Cobrai-a, e não queirais, Pastor divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória.
• Soneto decassílabo
• Confissão do pecado
• Antecipação do perdão (feita pelo eu poético)
• Jesus (Pastor divino)
• Eu poético (ovelha desgarrada)
• Conclusão do soneto: se salvou a ovelha, há
de salvar o eu poético.
Poesia amorosa:
Amor elevado
• Visão controversa do amor
Amor obsceno-satírico
 Amor elevado
• Idealização dos afetos em linguagem elevada
 Amor obsceno-satírico
• Abordagem crua e agressiva da sexualidade em linguagem
vulgar
• Obscenidade: protesto contra o sistema moral, contra as
concepções dominantes de amor e de sexo. Culto rude e
subversivo do prazer contra os tabus que impedem a plena
realização da libido
• Visão agressiva e galhofeira (engraçada) do amor físico
• Desprezo pela concepção cristã do amor (espiritual)
• Descrições debochadas e repletas de palavrões
Anjo no nome, Angélica na cara
Anjo no nome, Angélica na cara!
Isso é ser flor, e Anjo juntamente:
Ser Angélica flor, e Anjo florente.
Em quem, senão em vós, se uniformara?
Quem vira uma flor, que a não cortara,
De verde pé, da rama florescente?
A quem um Anjo vira tão luzente
Que por seu Deus o não idolatrara?
Se pois como Anjo sois dos meus altares,
Fôreis o meu custódio, e minha guarda,
Livrara eu de diabólicos azares.
Mas vejo que tão bela, e tão galharda,
Posto que os Anjos nunca dão pesares,
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.
O amor é finalmente um embaraço de
pernas...
O Amor é finalmente
um embaraço de pernas,
uma união de barrigas,
um breve tremor de artérias.
Uma confusão de bocas,
uma batalha de veias,
um rebuliço de ancas,
quem diz outra coisa, é besta.
Ardor em firme coração nascido,
Pranto por belos olhos derramado,
Incêndio em mares de água disfarçado,
Rio de neve em fogo convertido:
Tu, que em um peito abrasas escondido;
Tu, que em um rosto corres desatado;
Quando fogo, em cristais aprisionado;
Quando cristal, em chamas derretido.
Poesia satírica
• Não perdoa nenhum grupo social
• Ironia cáustica e por vezes obscena
• Caricatura, ofensa, cinismo cru e impiedoso
• Denuncia a corrupção, negociata, oportunismo,
mentira, desonra, injustiça, imoralidade, quebra das
normas e das leis, completa inversão de valores
Define sua Cidade
De dous ff se compõe
Esta cidade ao meu ver
um furtar, outro foder.
Recopilou-se o direito,
e quem o recopilou
com dous ff o explicou
por estar feito, e bem feito:
Por bem digesto, e colheito,
Só com dous ff o expõe,
E assim quem os olhos põe
No trato, que aqui se encerra,
Há de dizer que esta terra
De dous ff se compõe.
Se de dous ff composta
Está a nossa Bahia,
Errada a ortografia
A grande dano está posta:
Eu quero fazer a aposta,
E quero um tostão perder,
Que a isso a há de perverter,
Se o furtar e o foder bem
Não são os ff que tem
Esta cidade a meu ver.
Provo a conjetura já
Prontamente com um brinco:
Bahia tem letras cinco
Que são B-A-H-I-A:
Logo ninguém me dirá
Que dous ff chega a ter,
Pois nenhum contém sequer,
Salvo se em boa vontade
são os ff da cidade
Um furtar, outro foder.
Antônio Vieira
(1608 – 1697)
Biografia:
• Nasceu em Lisboa, em 1608, e faleceu na Bahia, em
1697.
• Educou-se no Colégio dos Jesuítas da Bahia, onde foi
professor.
• Padre
• Diplomata português
• Envolvido com a Inquisição
Características da obra:
• Sermões (discurso oral feito por um profeta ou membro
do clero sobre temas bíblicos, teológicos, religiosos ou morais,
normalmente sustentando uma crença, lei ou comportamento
humano num contexto presente ou pretérito. Os elementos
da pregação incluem exposição, exortação e aplicação
prática.)
• Escritos sobre as coisas sacras e sobre a vida social brasileira e
portuguesa
• Oratória vigorosa e estética barroca
• Lógica bíblica (citações, episódios, etc.)
• Temas religiosos e do cotidiano
• Combate aos hereges e defesa dos índios (escravidão)
Principais Obras:
• Sermões:
 Sermão pelo bom sucesso das Armas de Portugal
contra as de Holanda
Sermão da Sexagésima
Sermão pelo bom sucesso das Armas de
Portugal contra as de Holanda
• Sermão pregado por Padre António Vieira na igreja de Nossa Senhora da
Ajuda, na Bahia, no ano de 1640. No sermão, Padre Vieira ameaça deixar Deus
se ele deixar o Brasil ser entregado aos holandeses. O sermão mostra a
importância da oratória da época.
• Alguns trechos importantes do texto:
“E depois de tantos perigos, depois de tantas desgraças, depois de tantas e tão
lastimosas mortes, ou nas praias desertas sem sepultura, ou sepultados nas
entranhas das árvores, das feras, dos peixes, que as terras que assim ganharmos,
as hajamos de perder assim!”
“Assim se queixava Josué a Deus, e assim nos podemos nós queixar, e com muito
maior razão que ele.”
“Entregai aos Holandeses o Brasil, entregai-lhe as Índias, entregai-lhe as Espanhas
(que não são menos perigosas as consequências do Brasil perdido), entregai-lhe
quanto temos e possuímos (como já lhe entregastes tanta parte), ponde em suas
mãos o Mundo; e a nós, aos portugueses e espanhóis, deixai-nos, repudiai-nos,
desfazei-nos, acabai-nos. Mas só digo e lembro a Vossa Majestade, Senhor, que
estes mesmos que agora desfavoreceis e lançais de vós, pode ser que os queirais
algum dia, e que os não tenhais.”
Sermão da Sexagésima
Durante o Sermão da Sexagésima o tema é tratado fazendo alusões à
“Parábola do semeador”, tirada do Evangelho de Lucas. Ele discursa que
pregar é o mesmo que semear. Esta é uma parábola que diz que um
semeador semeou suas sementes em locais diferentes, as primeiras entre as
pedras, outras nos espinhos, outras pelo caminho e as últimas foram
semeadas em uma terra boa. As que caíram entre os espinhos e pedras não
vingaram, as do caminho não frutificou, apenas as que foram semeadas em
terra boa vingaram e deram bons frutos.
Vieira junto a esta parábola faz uma crítica ao estilo de outros religiosos que,
segundo ele, não sabiam pregar: falavam de vários assuntos, sendo alguns ao
mesmo tempo, eram ineficazes em suas palavras e tentavam agradar as
vontades dos homens e não a de Deus. Ele coloca a culpa nos pregadores e
analisa a sua própria pregação. Analisa qual o motivo da pregação católica
não estar surtindo efeito, já que a palavra de Deus é muito poderosa. Depois
de muita reflexão ele conclui que a culpa é dos próprios padres.
O livro faz uma feroz crítica a todos aqueles que usam a palavra de Deus para
defender interesses mundanos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poemas de gregório de matos guerra
Poemas de gregório de matos guerraPoemas de gregório de matos guerra
Poemas de gregório de matos guerraagnes2012
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerraaluna1f
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)luisprista
 
Literatura de formação
Literatura de formaçãoLiteratura de formação
Literatura de formaçãoCarolina Gomes
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112luisprista
 
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoQuestões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoGabriella Lima
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83luisprista
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismorafabebum
 
Poesia no brasil
Poesia no brasilPoesia no brasil
Poesia no brasilrafabebum
 

Mais procurados (20)

Poemas de gregório de matos guerra
Poemas de gregório de matos guerraPoemas de gregório de matos guerra
Poemas de gregório de matos guerra
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 
Gregório de Matos
Gregório de MatosGregório de Matos
Gregório de Matos
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011
Barroco 2011
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
 
Literatura de formação
Literatura de formaçãoLiteratura de formação
Literatura de formação
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoQuestões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
 
Poesia no brasil
Poesia no brasilPoesia no brasil
Poesia no brasil
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Revisão (ii)
Revisão (ii)Revisão (ii)
Revisão (ii)
 

Destaque

Destaque (20)

Vanguardas e Modernismo
Vanguardas e ModernismoVanguardas e Modernismo
Vanguardas e Modernismo
 
A noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantorasA noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantoras
 
Aula arcadismo
Aula arcadismoAula arcadismo
Aula arcadismo
 
Aula caminha
Aula caminhaAula caminha
Aula caminha
 
Pe antonio vieira
Pe antonio vieiraPe antonio vieira
Pe antonio vieira
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Dançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto AlegreDançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto Alegre
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
O universo e tudo mais
O universo e tudo maisO universo e tudo mais
O universo e tudo mais
 
Ejercicios de revisión
Ejercicios de revisiónEjercicios de revisión
Ejercicios de revisión
 
Sistemas e Fenômenos
Sistemas e FenômenosSistemas e Fenômenos
Sistemas e Fenômenos
 
Aulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 PopulaçãoAulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 População
 
Botânica parte 1
Botânica parte 1Botânica parte 1
Botânica parte 1
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Preposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maioPreposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maio
 
Aula 7 indústria
Aula 7   indústriaAula 7   indústria
Aula 7 indústria
 
Idade média oriental
Idade média orientalIdade média oriental
Idade média oriental
 

Semelhante a Aula barroco

Semelhante a Aula barroco (20)

Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Aula barroco 1ano
Aula barroco 1anoAula barroco 1ano
Aula barroco 1ano
 
Literatura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barrocoLiteratura portuguesa barroco
Literatura portuguesa barroco
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
 
Barroco seicentismo
Barroco  seicentismoBarroco  seicentismo
Barroco seicentismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no BrasilBarroco e Arcadismo no Brasil
Barroco e Arcadismo no Brasil
 
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
Barroco (Contexto Histórico, Arte, Literatura)
 
Barroco resumo
Barroco   resumoBarroco   resumo
Barroco resumo
 
Barroco resumo
Barroco   resumoBarroco   resumo
Barroco resumo
 
Barroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
Barroco no Brasil e no mundo, contexto históricoBarroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
Barroco no Brasil e no mundo, contexto histórico
 

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular (14)

Portas abertas 2014
Portas abertas 2014Portas abertas 2014
Portas abertas 2014
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Transcrição e tradução
Transcrição e traduçãoTranscrição e tradução
Transcrição e tradução
 
Artigos - espanhol
Artigos - espanholArtigos - espanhol
Artigos - espanhol
 
Falsos cognatos
Falsos cognatosFalsos cognatos
Falsos cognatos
 
Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014
 
As artes no renascimento
As artes no renascimentoAs artes no renascimento
As artes no renascimento
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gabaritos 2013
Gabaritos 2013Gabaritos 2013
Gabaritos 2013
 
Portas abertas 2013
Portas abertas 2013Portas abertas 2013
Portas abertas 2013
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Folhetos embrionários
Folhetos embrionáriosFolhetos embrionários
Folhetos embrionários
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Aula barroco

  • 2. Crise do Renascimento • Reforma protestante • Fortalecimento da Burguesia • Crise econômica na península ibérica Vida harmoniosa dá lugar à angústia e temeridade
  • 3. Renascimento • Equilíbrio • Elegância • Harmonia • Clareza Barroco • Contradições • Pessimismo • Dilaceramento • Desarmonia
  • 4. Características • Arte da contrarreforma (volta à religiosidade) • Conflito entre corpo e alma • Desengano com a vida • Uso de antíteses • Preferência pelo soneto (dois quartetos e dois tercetos) • Temática da passagem do tempo
  • 5. Davi com a cabeça de Golias, do pintor italiano Caravaggio. Essa pintura ressalta o jogo de antítese entre luz e sobra, característico da arte barroca.
  • 6. A incredulidade de São Tomé, também do pintor italiano Caravaggio. Reparem como elemento divino no barroco, ao contrário do Renascimento, é representado como carnal, mais próximo do humano.
  • 7. Barroco ibérico Divisão entre cultismo e conceptismo Cultismo: - Estilo excessivo, verborrágico - Uso frequente de neologismos - (Gôngora) Conceptismo: - Tentativa de dizer o máximo com o mínimo de palavras - Uso de elipses; duplos sentidos; paradoxos e alegorias - (Quevedo)
  • 8. Barroco no Brasil • Submissão aos valores estéticos portugueses • Crise da sociedade açucareira (endividamento; disputa do mercado com os holandeses) • Contrarreforma (forte rigor do ensino jesuíta confrontando-se com sexo à disposição favorecido pelo sistema escravista)
  • 9. Principais autores: • Gregório de Matos Guerra • Antônio Vieira
  • 11. Biografia • Nasceu na Bahia, filho de família rica • Ingressou na Universidade de Coimbra, em Portugal, aos 16 anos • Formado em Direito, foi juiz em Portugal • Retorna ao Brasil aos 46 anos • Nomeado clérigo, sendo destituído dois anos depois por levar uma “vida sem modo de cristão” • Conhecido como Boca do Inferno
  • 12. Características da obra: • Obra poética vasta e desigual • Duvidosa autoria • Três principais temas: Poesia religiosa Poesia amorosa Poesia satírica
  • 13. Poesia religiosa • Elementos contraditórios: Licenciosidade moral arrependimento Posterior consciência da infâmia • Culpa por haver pecado • Poeta implora perdão, se ajoelha diante de Deus • Promete redimir-se
  • 14. A JESUS CRISTO NOSSO SENHOR Pequei, Senhor, mas não por que hei pecado, Da vossa piedade me despido, Porque quanto mais tenho delinquido, Vos tenho a perdoar mais empenhado. Se basta a vos irar tanto um pecado, A abrandar-vos sobeja um só gemido, Que a mesma culpa, que vos há ofendido, Vos tem para o perdão lisonjeado. Se uma ovelha perdida, e já cobrada Glória tal, e prazer tão repentino Vos deu, como afirmais na Sacra História: Eu sou, Senhor, ovelha desgarrada Cobrai-a, e não queirais, Pastor divino, Perder na vossa ovelha a vossa glória.
  • 15. • Soneto decassílabo • Confissão do pecado • Antecipação do perdão (feita pelo eu poético) • Jesus (Pastor divino) • Eu poético (ovelha desgarrada) • Conclusão do soneto: se salvou a ovelha, há de salvar o eu poético.
  • 16. Poesia amorosa: Amor elevado • Visão controversa do amor Amor obsceno-satírico
  • 17.  Amor elevado • Idealização dos afetos em linguagem elevada  Amor obsceno-satírico • Abordagem crua e agressiva da sexualidade em linguagem vulgar • Obscenidade: protesto contra o sistema moral, contra as concepções dominantes de amor e de sexo. Culto rude e subversivo do prazer contra os tabus que impedem a plena realização da libido • Visão agressiva e galhofeira (engraçada) do amor físico • Desprezo pela concepção cristã do amor (espiritual) • Descrições debochadas e repletas de palavrões
  • 18. Anjo no nome, Angélica na cara Anjo no nome, Angélica na cara! Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Ser Angélica flor, e Anjo florente. Em quem, senão em vós, se uniformara? Quem vira uma flor, que a não cortara, De verde pé, da rama florescente? A quem um Anjo vira tão luzente Que por seu Deus o não idolatrara? Se pois como Anjo sois dos meus altares, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Mas vejo que tão bela, e tão galharda, Posto que os Anjos nunca dão pesares, Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. O amor é finalmente um embaraço de pernas... O Amor é finalmente um embaraço de pernas, uma união de barrigas, um breve tremor de artérias. Uma confusão de bocas, uma batalha de veias, um rebuliço de ancas, quem diz outra coisa, é besta. Ardor em firme coração nascido, Pranto por belos olhos derramado, Incêndio em mares de água disfarçado, Rio de neve em fogo convertido: Tu, que em um peito abrasas escondido; Tu, que em um rosto corres desatado; Quando fogo, em cristais aprisionado; Quando cristal, em chamas derretido.
  • 19. Poesia satírica • Não perdoa nenhum grupo social • Ironia cáustica e por vezes obscena • Caricatura, ofensa, cinismo cru e impiedoso • Denuncia a corrupção, negociata, oportunismo, mentira, desonra, injustiça, imoralidade, quebra das normas e das leis, completa inversão de valores
  • 20. Define sua Cidade De dous ff se compõe Esta cidade ao meu ver um furtar, outro foder. Recopilou-se o direito, e quem o recopilou com dous ff o explicou por estar feito, e bem feito: Por bem digesto, e colheito, Só com dous ff o expõe, E assim quem os olhos põe No trato, que aqui se encerra, Há de dizer que esta terra De dous ff se compõe. Se de dous ff composta Está a nossa Bahia, Errada a ortografia A grande dano está posta: Eu quero fazer a aposta, E quero um tostão perder, Que a isso a há de perverter, Se o furtar e o foder bem Não são os ff que tem Esta cidade a meu ver. Provo a conjetura já Prontamente com um brinco: Bahia tem letras cinco Que são B-A-H-I-A: Logo ninguém me dirá Que dous ff chega a ter, Pois nenhum contém sequer, Salvo se em boa vontade são os ff da cidade Um furtar, outro foder.
  • 22. Biografia: • Nasceu em Lisboa, em 1608, e faleceu na Bahia, em 1697. • Educou-se no Colégio dos Jesuítas da Bahia, onde foi professor. • Padre • Diplomata português • Envolvido com a Inquisição
  • 23. Características da obra: • Sermões (discurso oral feito por um profeta ou membro do clero sobre temas bíblicos, teológicos, religiosos ou morais, normalmente sustentando uma crença, lei ou comportamento humano num contexto presente ou pretérito. Os elementos da pregação incluem exposição, exortação e aplicação prática.) • Escritos sobre as coisas sacras e sobre a vida social brasileira e portuguesa • Oratória vigorosa e estética barroca • Lógica bíblica (citações, episódios, etc.) • Temas religiosos e do cotidiano • Combate aos hereges e defesa dos índios (escravidão)
  • 24. Principais Obras: • Sermões:  Sermão pelo bom sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda Sermão da Sexagésima
  • 25. Sermão pelo bom sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda • Sermão pregado por Padre António Vieira na igreja de Nossa Senhora da Ajuda, na Bahia, no ano de 1640. No sermão, Padre Vieira ameaça deixar Deus se ele deixar o Brasil ser entregado aos holandeses. O sermão mostra a importância da oratória da época. • Alguns trechos importantes do texto: “E depois de tantos perigos, depois de tantas desgraças, depois de tantas e tão lastimosas mortes, ou nas praias desertas sem sepultura, ou sepultados nas entranhas das árvores, das feras, dos peixes, que as terras que assim ganharmos, as hajamos de perder assim!” “Assim se queixava Josué a Deus, e assim nos podemos nós queixar, e com muito maior razão que ele.” “Entregai aos Holandeses o Brasil, entregai-lhe as Índias, entregai-lhe as Espanhas (que não são menos perigosas as consequências do Brasil perdido), entregai-lhe quanto temos e possuímos (como já lhe entregastes tanta parte), ponde em suas mãos o Mundo; e a nós, aos portugueses e espanhóis, deixai-nos, repudiai-nos, desfazei-nos, acabai-nos. Mas só digo e lembro a Vossa Majestade, Senhor, que estes mesmos que agora desfavoreceis e lançais de vós, pode ser que os queirais algum dia, e que os não tenhais.”
  • 26. Sermão da Sexagésima Durante o Sermão da Sexagésima o tema é tratado fazendo alusões à “Parábola do semeador”, tirada do Evangelho de Lucas. Ele discursa que pregar é o mesmo que semear. Esta é uma parábola que diz que um semeador semeou suas sementes em locais diferentes, as primeiras entre as pedras, outras nos espinhos, outras pelo caminho e as últimas foram semeadas em uma terra boa. As que caíram entre os espinhos e pedras não vingaram, as do caminho não frutificou, apenas as que foram semeadas em terra boa vingaram e deram bons frutos. Vieira junto a esta parábola faz uma crítica ao estilo de outros religiosos que, segundo ele, não sabiam pregar: falavam de vários assuntos, sendo alguns ao mesmo tempo, eram ineficazes em suas palavras e tentavam agradar as vontades dos homens e não a de Deus. Ele coloca a culpa nos pregadores e analisa a sua própria pregação. Analisa qual o motivo da pregação católica não estar surtindo efeito, já que a palavra de Deus é muito poderosa. Depois de muita reflexão ele conclui que a culpa é dos próprios padres. O livro faz uma feroz crítica a todos aqueles que usam a palavra de Deus para defender interesses mundanos.