SlideShare uma empresa Scribd logo
Literatura
Resumo das EscolasLiterárias.
BARROCO
Foi um movimento
literário da
Contrarreforma, ou
seja, da
transformação da
Igreja Católica, em
detrimento da
Protestante. Os
autores barrocos
expressam o conflito
interno que as
pessoas viviam na
época, os principais
foram: Gregório de
Características do Barroco
Todo o rebuscamento presente na arte e
literatura barroca é reflexo dos conflitos dualistas
entre o terreno e o celestial, o homem
(antropocentrismo) e Deus (teocentrismo), o
pecado e o perdão, a religiosidade medieval e o
paganismo presente no período renascentista.
1) A arte da contrarreforma;
2) Conflito entre corpo e alma ;
3) O tema da passagem do tempo ;
4) Forma tumultuosa ;
5) Cultismo e conceptismo;
Figuras de Linguagem no
Barroco
Metáfora: “Se és fogo, como passas
brandamente?
Se és neve, como queimas com porfia?”
Antítese:reflete a contradição do homem
barroco, seu dualismo.
Paradoxo: Opõe-se ao racionalismo da arte
renascentista.
“Ardor em firme Coração nascido;pranto por
belos olhos derramado;incêndio em mares de
água disfarçado;rio de neve em fogo convertido.”
Hipérbole: traduz ideia de grandiosidade,
pompa.
“É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.”
Prosopopeia: personificação de seres inanimados
para dinamizar a realidade.
*Trecho escrito pelo Padre Antonio Vieira:
“No diamante agradou-me o forte, no cedro o
incorruptível, na águia o sublime, no Leão o
generoso, no Sol o excesso de Luz.”
Didaticamente, o Barroco brasileiro tem seu
marco inicial em 1601, com a publicação do
poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira.
Autores:
BENTO TEIXEIRA (1561-1600);
MANUEL BOTELHO DE OLIVEIRA (1636-1711);
FREI MANOEL DE SANTA MARIA ITAPARICA;
PADRE ANTÔNIO VIEIRA (1608-1697);
[GREGÓRIO DE MATOS] GUERRA (1633-1693)
ARCADISMO
Foi um movimento resultado de uma reação
antibarroca, surgindo nos finais do Século XVIII.
Retomou algumas características literárias do
Classicismo, como o equilíbrio e a racionalidade,
ficando também conhecida como
Neoclassicismo.
**O Arcadismo brasileiro rompe com a tradição
bucólica europeia, colocando na ordem do dia a
cor local e o sentimento nativista. Além disso, a
proximidade dos poetas árcades com a
Inconfidência Mineira os insere em um contexto
histórico que não pode ser desprezado por quem
pretende compreender o Brasil do século 18.
AUTORES:
Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu): o principal
de sua obra está em Cartas Chilenas (poema
satírico em que denuncia os desmandos morais e
administrativos do governador de Minas Gerais
da época) e em Liras a Marília de Dirceu (em que
relata seu amor por Marília, pseudônimo da
jovem Maria Dorotéia Joaquina de Seixas).
Cláudio Manuel da Costa (Glauceste
Satúrnio): publicado em 1768, seu livro Obras
(composto de cem sonetos, várias éclogas,
epístolas e outras formas líricas) é considerado o
marco inicial do Arcadismo no Brasil. O poema
épico Vila Rica também se destaca por descrever
a descoberta do ouro em Minas Gerais e a
formação de Vila Rica - atual Ouro Preto.
José Basílio da Gama (Termindo Sípílio): seu
poema épico O Uraguai celebra a vitória do
comissário real Gomes Freire de Andrade sobre
os índios de Sete Povos das Missões - região
atualmente pertencente ao Rio Grande do Sul.
Frei José de Santa Rita Durão: discute o mito
do amor universal no épico Caramuru. A obra
conta a história de amor entre o português Diogo
Álvares Correa, o Caramuru, e a índia
Paraguaçu.
ROMANTISMO
Foi o movimento da expressão burguesa nas
artes, nas ciências e na cultura. Defendendo a
liberdade de expressão, inspirado na frase
célebre da Revolução francesa "Liberdade,
igualdade e fraternidade".
Marco inicial
Publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades",
de Gonçalves de Magalhães, em 1836.
Marco final
Publicação de "Memórias Póstumas de Brás
Cubas", de Machado de Assis, em 1881, que
inaugura o realismo.
Contexto histórico
A Independência é o principal fato político do
século 19 e vai determinar os rumos políticos,
econômicos e sociais do Brasil até a
Proclamação da República (1889). Merece
destaque também o Segundo reinado, em que o
país conheceu um período de grande
desenvolvimento em relação aos três séculos
anteriores. Apesar disso tudo, o Brasil continuou
um país fundamentalmente agrário, cuja
economia se baseava no latifúndio, na
monocultura e na mão de obra escrava.
Poesia ultrarromântica; romances históricos;
verso livre; verso branco; nacionalidade ;
sentimentos; emoções; Geração Mal-do-
Século.
AUTORES:
Primeira Geração Romântica: nacionalista ou
indianista:
Gonçalves de Magalhães (1811-1882);
Gonçalves Dias (1823-1864);
Araújo Porto Alegre (1806-1879);
Segunda Geração Romântica: mal-do-século:
Álvares de Azevedo (1831 - 1852);
Casimiro de Abreu (1839 - 1860);
Junqueira Freire (1832 - 1855);
Fagundes Varela (1841 - 1875);
Terceira geração romântica:
condoeira
Castro Alves (1847 - 1871) ;
Sousândrade (1833 - 1902);
O desenvolvimento da prosa:
Os principais autores do período são: Joaquim
Manoel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida,
José de Alencar e, constituindo o teatro nacional,
Martins Pena.
REALISMO
É uma reação contra o romantismo: o
romantismo era a apoteose do sentimento; o
Realismo é anatomia do caráter. É a crítica do
homem. É a arte que pinta a nossos próprios
olhos - para condenar o que houver na nossa
sociedade". Eça de Queiroz.
Naturalismo: Pode ser considerado como um
realismo mais radical, pois também utilizava a
literatura para descrever a realidade, porém com
a diferença de se munir de teorias científicas
poderosíssimas para constituir seu ponto de vista
em relação ao mundo: o materialismo e o
determinismo.
O Realismo brasileiro é completamente diferente
do europeu. A obra de seu principal autor,
Machado de Assis, escapa de qualquer tentativa
de classificação esquemática.
Naturalismo
O principal autor naturalista no Brasil é Aluísio
Azevedo. O determinismo social predomina em
sua obra, construída através de observação
rigorosa do mundo físico e da zoomorfização das
personagens. Aluísio é autor de O mulato, Casa
de pensão e O cortiço, obras com acentuado
caráter investigativo e cuidadosa análise de
comportamentos sociais.
Parnasianismo: Foi a escola literária que
consagrou o labor do poeta. Foi este movimento
que retornou ao clássico, buscando sempre a
perfeição poética e estética em suas obras.
Refletiu bastante através da poesia sobre o
próprio ato poético. Além de caracterizar-se por
um exagero nas formas de seus sonetos.
Características gerais
Preciosismo: focaliza-se o detalhe; cada objeto deve
singularizar-se, daí as palavras raras e rimas ricas.
Objetividade e impessoalidade: O poeta apresenta
o fato, a personagem, as coisas como são e
acontecem na realidade, sem deformá-los pela sua
maneira pessoal de ver, sentir e pensar. Esta posição
combate o exagerado subjetivismo romântico.
Arte Pela Arte: A poesia vale por si mesma, não tem
nenhum tipo de compromisso, e se justifica por sua
beleza. Faz referências ao prosaico, e o texto mostra
interesse a coisas pertinentes a todos.
Estética/Culto à forma: Como os poemas não
assumem nenhum tipo de compromisso, a estética é
muito valorizada. O poeta parnasiano busca a
perfeição formal a todo custo, e por vezes, se mostra
incapaz para tal.
Aspectos importantes para essa
estética perfeita são:
Rimas Ricas: São evitadas palavras da mesma
classe gramatical.
Valorização dos Sonetos: É dada preferência
para os sonetos, composição dividida em duas
estrofes de quatro versos, e duas estrofes de três
versos. Revelando, no entanto, a "chave" do
texto no último verso.
Metrificação Rigorosa: O número de sílabas
poéticas deve ser o mesmo em cada verso,
preferencialmente com dez (decassílabos) ou
doze sílabas(versos alexandrinos), os mais
utilizados no período. Ou apresentar uma
simetria constante, exemplo: primeiro verso de
dez sílabas, segundo de seis sílabas, terceiro de
Descritivismo: Grande parte da poesia
parnasiana é baseada em objetos inertes,
sempre optando pelos que exigem uma
descrição bem detalhada como "A Estátua",
"Vaso Chinês" e "Vaso Grego" de Alberto de
Oliveira.
Temática Greco-Romana - A estética é muito
valorizada no Parnasianismo, mas mesmo assim,
o texto precisa de um conteúdo. A temática
abordada pelos parnasianos recupera temas da
antiguidade clássica, características de sua
história e sua mitologia. É bem comum os textos
descreverem deuses, heróis, fatos lendários,
Cavalgamento ou encadeamento sintático
(enjambement) - Ocorre quando o verso termina
quanto à métrica (pois chegou na décima sílaba),
mas não terminou quanto à ideia, quanto ao
conteúdo, que se encerra no verso de baixo. O
verso depende do contexto para ser entendido.
Tática para priorizar a métrica e o conjunto de
rimas. Como exemplo, este verso de Olavo Bilac:
Cheguei, chegaste. Vinhas fatigada e triste. E
triste e fatigado eu vinha.
A partir de 1890, o Simbolismo começou a superar o
Parnasianismo. O realismo classicizante do
Parnasianismo teve grande aceitação no Brasil, graças
certamente à facilidade oferecida por sua poética, mais de
técnica e forma que de inspiração e essência. Assim, ele
foi muito além de seus limites cronológicos e se manteve
paralelo ao Simbolismo e mesmo ao Modernismo em sua
primeira fase.
Olavo Bilac
Alberto de Oliveira
Raimundo Correia
Francisca Júlia
Vicente de Carvalho
Luís Delfino
Mário de Lima
Simbolismo: O que mais caracterizou essa
escola foi o seu misticismo. Os poetas
simbolistas não tentavam fazer poesias
compreensíveis, pois eles queriam que os
leitores se sensibilizassem para a construção
poética, por isso utilizavam muitos símbolos,
metáforas, linguagem figurada que sugerissem
sensações aos leitores.
Principais características
Subjetivismo :Os simbolistas terão maior
interesse pelo particular e individual do que pela
visão mais geral. A visão objetiva da realidade
não desperta mais interesse, e, sim, está
focalizada sob o ponto de vista de um único
indivíduo.
Musicalidade :A musicalidade é uma das
características mais destacadas da estética
simbolista
Transcendentalismo: Ênfase no imaginário e na
fantasia.
"Ó Formas alvas, brancas, Formas claras De
luares, de neves, de neblinas!... Ó Formas vagas,
fluidas, cristalinas... Incensos dos turíbulos das
aras..." [...]
Dado esse poema de Cruz e Sousa, percebe-se
a obsessão pelo branco.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
whybells
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
FERNANDO ERNO
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Conto
ContoConto
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 

Mais procurados (20)

Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Semelhante a Resumo das escola literárias.

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
ssuser6e334c1
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
GrazielaLima12
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
MichellyMadalena1
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
MaiteFerreira4
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
guesta61019
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obrasArcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
mariaArajo934492
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
Nádia França
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Daniel Brito
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
MoniqueSousa25
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
Tio Pablo Virtual
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
MarianaSantosdaSilva8
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Andriane Cursino
 

Semelhante a Resumo das escola literárias. (20)

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptxNeoclassicismo ou Arcadismo.pptx
Neoclassicismo ou Arcadismo.pptx
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obrasArcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
Arcadismo no Brasil - contexto, características, autores e obras
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
 
Arcadismo
Arcadismo Arcadismo
Arcadismo
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Ajudar Pessoas

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
Ajudar Pessoas
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
Ajudar Pessoas
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Ajudar Pessoas
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Ajudar Pessoas
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Ajudar Pessoas
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Ajudar Pessoas
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Ajudar Pessoas
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Ajudar Pessoas
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Ajudar Pessoas
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
Ajudar Pessoas
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
Ajudar Pessoas
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
Ajudar Pessoas
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
Ajudar Pessoas
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
Ajudar Pessoas
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
Ajudar Pessoas
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
Ajudar Pessoas
 

Mais de Ajudar Pessoas (20)

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
 

Último

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Último (20)

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

Resumo das escola literárias.

  • 2. BARROCO Foi um movimento literário da Contrarreforma, ou seja, da transformação da Igreja Católica, em detrimento da Protestante. Os autores barrocos expressam o conflito interno que as pessoas viviam na época, os principais foram: Gregório de
  • 3. Características do Barroco Todo o rebuscamento presente na arte e literatura barroca é reflexo dos conflitos dualistas entre o terreno e o celestial, o homem (antropocentrismo) e Deus (teocentrismo), o pecado e o perdão, a religiosidade medieval e o paganismo presente no período renascentista. 1) A arte da contrarreforma; 2) Conflito entre corpo e alma ; 3) O tema da passagem do tempo ; 4) Forma tumultuosa ; 5) Cultismo e conceptismo;
  • 4. Figuras de Linguagem no Barroco Metáfora: “Se és fogo, como passas brandamente? Se és neve, como queimas com porfia?” Antítese:reflete a contradição do homem barroco, seu dualismo. Paradoxo: Opõe-se ao racionalismo da arte renascentista. “Ardor em firme Coração nascido;pranto por belos olhos derramado;incêndio em mares de água disfarçado;rio de neve em fogo convertido.” Hipérbole: traduz ideia de grandiosidade, pompa.
  • 5. “É a vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada, Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida.” Prosopopeia: personificação de seres inanimados para dinamizar a realidade. *Trecho escrito pelo Padre Antonio Vieira: “No diamante agradou-me o forte, no cedro o incorruptível, na águia o sublime, no Leão o generoso, no Sol o excesso de Luz.”
  • 6. Didaticamente, o Barroco brasileiro tem seu marco inicial em 1601, com a publicação do poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira. Autores: BENTO TEIXEIRA (1561-1600); MANUEL BOTELHO DE OLIVEIRA (1636-1711); FREI MANOEL DE SANTA MARIA ITAPARICA; PADRE ANTÔNIO VIEIRA (1608-1697); [GREGÓRIO DE MATOS] GUERRA (1633-1693)
  • 7. ARCADISMO Foi um movimento resultado de uma reação antibarroca, surgindo nos finais do Século XVIII. Retomou algumas características literárias do Classicismo, como o equilíbrio e a racionalidade, ficando também conhecida como Neoclassicismo. **O Arcadismo brasileiro rompe com a tradição bucólica europeia, colocando na ordem do dia a cor local e o sentimento nativista. Além disso, a proximidade dos poetas árcades com a Inconfidência Mineira os insere em um contexto histórico que não pode ser desprezado por quem pretende compreender o Brasil do século 18.
  • 8. AUTORES: Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu): o principal de sua obra está em Cartas Chilenas (poema satírico em que denuncia os desmandos morais e administrativos do governador de Minas Gerais da época) e em Liras a Marília de Dirceu (em que relata seu amor por Marília, pseudônimo da jovem Maria Dorotéia Joaquina de Seixas).
  • 9. Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio): publicado em 1768, seu livro Obras (composto de cem sonetos, várias éclogas, epístolas e outras formas líricas) é considerado o marco inicial do Arcadismo no Brasil. O poema épico Vila Rica também se destaca por descrever a descoberta do ouro em Minas Gerais e a formação de Vila Rica - atual Ouro Preto.
  • 10. José Basílio da Gama (Termindo Sípílio): seu poema épico O Uraguai celebra a vitória do comissário real Gomes Freire de Andrade sobre os índios de Sete Povos das Missões - região atualmente pertencente ao Rio Grande do Sul. Frei José de Santa Rita Durão: discute o mito do amor universal no épico Caramuru. A obra conta a história de amor entre o português Diogo Álvares Correa, o Caramuru, e a índia Paraguaçu.
  • 11. ROMANTISMO Foi o movimento da expressão burguesa nas artes, nas ciências e na cultura. Defendendo a liberdade de expressão, inspirado na frase célebre da Revolução francesa "Liberdade, igualdade e fraternidade". Marco inicial Publicação de "Suspiros Poéticos e Saudades", de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Marco final Publicação de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis, em 1881, que inaugura o realismo.
  • 12. Contexto histórico A Independência é o principal fato político do século 19 e vai determinar os rumos políticos, econômicos e sociais do Brasil até a Proclamação da República (1889). Merece destaque também o Segundo reinado, em que o país conheceu um período de grande desenvolvimento em relação aos três séculos anteriores. Apesar disso tudo, o Brasil continuou um país fundamentalmente agrário, cuja economia se baseava no latifúndio, na monocultura e na mão de obra escrava.
  • 13. Poesia ultrarromântica; romances históricos; verso livre; verso branco; nacionalidade ; sentimentos; emoções; Geração Mal-do- Século.
  • 14. AUTORES: Primeira Geração Romântica: nacionalista ou indianista: Gonçalves de Magalhães (1811-1882); Gonçalves Dias (1823-1864); Araújo Porto Alegre (1806-1879); Segunda Geração Romântica: mal-do-século: Álvares de Azevedo (1831 - 1852); Casimiro de Abreu (1839 - 1860); Junqueira Freire (1832 - 1855); Fagundes Varela (1841 - 1875);
  • 15. Terceira geração romântica: condoeira Castro Alves (1847 - 1871) ; Sousândrade (1833 - 1902); O desenvolvimento da prosa: Os principais autores do período são: Joaquim Manoel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida, José de Alencar e, constituindo o teatro nacional, Martins Pena.
  • 16. REALISMO É uma reação contra o romantismo: o romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que pinta a nossos próprios olhos - para condenar o que houver na nossa sociedade". Eça de Queiroz. Naturalismo: Pode ser considerado como um realismo mais radical, pois também utilizava a literatura para descrever a realidade, porém com a diferença de se munir de teorias científicas poderosíssimas para constituir seu ponto de vista em relação ao mundo: o materialismo e o determinismo.
  • 17. O Realismo brasileiro é completamente diferente do europeu. A obra de seu principal autor, Machado de Assis, escapa de qualquer tentativa de classificação esquemática. Naturalismo O principal autor naturalista no Brasil é Aluísio Azevedo. O determinismo social predomina em sua obra, construída através de observação rigorosa do mundo físico e da zoomorfização das personagens. Aluísio é autor de O mulato, Casa de pensão e O cortiço, obras com acentuado caráter investigativo e cuidadosa análise de comportamentos sociais.
  • 18. Parnasianismo: Foi a escola literária que consagrou o labor do poeta. Foi este movimento que retornou ao clássico, buscando sempre a perfeição poética e estética em suas obras. Refletiu bastante através da poesia sobre o próprio ato poético. Além de caracterizar-se por um exagero nas formas de seus sonetos.
  • 19. Características gerais Preciosismo: focaliza-se o detalhe; cada objeto deve singularizar-se, daí as palavras raras e rimas ricas. Objetividade e impessoalidade: O poeta apresenta o fato, a personagem, as coisas como são e acontecem na realidade, sem deformá-los pela sua maneira pessoal de ver, sentir e pensar. Esta posição combate o exagerado subjetivismo romântico. Arte Pela Arte: A poesia vale por si mesma, não tem nenhum tipo de compromisso, e se justifica por sua beleza. Faz referências ao prosaico, e o texto mostra interesse a coisas pertinentes a todos. Estética/Culto à forma: Como os poemas não assumem nenhum tipo de compromisso, a estética é muito valorizada. O poeta parnasiano busca a perfeição formal a todo custo, e por vezes, se mostra incapaz para tal.
  • 20. Aspectos importantes para essa estética perfeita são: Rimas Ricas: São evitadas palavras da mesma classe gramatical. Valorização dos Sonetos: É dada preferência para os sonetos, composição dividida em duas estrofes de quatro versos, e duas estrofes de três versos. Revelando, no entanto, a "chave" do texto no último verso. Metrificação Rigorosa: O número de sílabas poéticas deve ser o mesmo em cada verso, preferencialmente com dez (decassílabos) ou doze sílabas(versos alexandrinos), os mais utilizados no período. Ou apresentar uma simetria constante, exemplo: primeiro verso de dez sílabas, segundo de seis sílabas, terceiro de
  • 21. Descritivismo: Grande parte da poesia parnasiana é baseada em objetos inertes, sempre optando pelos que exigem uma descrição bem detalhada como "A Estátua", "Vaso Chinês" e "Vaso Grego" de Alberto de Oliveira. Temática Greco-Romana - A estética é muito valorizada no Parnasianismo, mas mesmo assim, o texto precisa de um conteúdo. A temática abordada pelos parnasianos recupera temas da antiguidade clássica, características de sua história e sua mitologia. É bem comum os textos descreverem deuses, heróis, fatos lendários,
  • 22. Cavalgamento ou encadeamento sintático (enjambement) - Ocorre quando o verso termina quanto à métrica (pois chegou na décima sílaba), mas não terminou quanto à ideia, quanto ao conteúdo, que se encerra no verso de baixo. O verso depende do contexto para ser entendido. Tática para priorizar a métrica e o conjunto de rimas. Como exemplo, este verso de Olavo Bilac: Cheguei, chegaste. Vinhas fatigada e triste. E triste e fatigado eu vinha.
  • 23. A partir de 1890, o Simbolismo começou a superar o Parnasianismo. O realismo classicizante do Parnasianismo teve grande aceitação no Brasil, graças certamente à facilidade oferecida por sua poética, mais de técnica e forma que de inspiração e essência. Assim, ele foi muito além de seus limites cronológicos e se manteve paralelo ao Simbolismo e mesmo ao Modernismo em sua primeira fase. Olavo Bilac Alberto de Oliveira Raimundo Correia Francisca Júlia Vicente de Carvalho Luís Delfino Mário de Lima
  • 24. Simbolismo: O que mais caracterizou essa escola foi o seu misticismo. Os poetas simbolistas não tentavam fazer poesias compreensíveis, pois eles queriam que os leitores se sensibilizassem para a construção poética, por isso utilizavam muitos símbolos, metáforas, linguagem figurada que sugerissem sensações aos leitores.
  • 25. Principais características Subjetivismo :Os simbolistas terão maior interesse pelo particular e individual do que pela visão mais geral. A visão objetiva da realidade não desperta mais interesse, e, sim, está focalizada sob o ponto de vista de um único indivíduo. Musicalidade :A musicalidade é uma das características mais destacadas da estética simbolista Transcendentalismo: Ênfase no imaginário e na fantasia.
  • 26. "Ó Formas alvas, brancas, Formas claras De luares, de neves, de neblinas!... Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas... Incensos dos turíbulos das aras..." [...] Dado esse poema de Cruz e Sousa, percebe-se a obsessão pelo branco.