SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Gil Vicente
• Viveu entre 1465? – 1537? Aproximadamente. É
considerado o pai do teatro português.
• Pertencente ao Humanismo, movimento que marca a
transição entre a Idade Média e o Renascimento. É o
momento em que a ideia de Deus como explicação
do mundo começa a dar lugar ao pensamento crítico
e à razão do homem
• Autor de autos e farsas, pequenas peças teatrais
representadas para a corte portuguesa
Eram elementos presentes em suas
peças:
- Temática religiosa
- Críticas à sociedade portuguesa da época (inclusive
ao clero e à nobreza)
- Personagens TIPOS (um personagem representando
toda uma classe)
- Comicidade (“O riso é uma maneira de moralizar”)
- Maniqueísmo (divisão do mundo entre o bem e o
mal)
- Redondilha maior (versos com 7 sílabas poéticas)
Auto da Barca do Inferno
O "Auto da Barca do Inferno" (1517) representa o juízo
final católico de forma satírica e com forte apelo moral.
O cenário é uma espécie de porto, onde se encontram
duas barcas: uma com destino ao inferno, comandada
pelo diabo, e a outra, com destino ao paraíso,
comandada por um anjo. Ambos os comandantes
aguardam os mortos, que são as almas que seguirão ao
paraíso ou ao inferno.
Os mortos são:
- Fidalgo (nobre)
- Sapateiro
- O Parvo (bobo)
- Uma alcoviteira
(cafetina)
- Judeu
- Um corregedor e um
procurador
(representantes do
judiciário)
- Enforcado
- Onzeneiro (agiota;
alguém que empresta
dinheiro a juros)
- Frade (representante do
clero) e sua “dama”
- 4 Cavaleiros (cruzados)
Os mortos começam a chegar. Um fidalgo é o primeiro.
Ele representa a nobreza, e é condenado ao inferno por
seus pecados, tirania e luxúria. O diabo ordena ao
fidalgo que embarque. Este, arrogante, julga-se
merecedor do paraíso, pois deixou muita gente rezando
por ele. Recusado pelo anjo, encaminha-se, frustrado,
para a barca do inferno; mas tenta convencer o diabo a
deixá-lo rever sua amada, pois esta "sente muito" sua
falta. O diabo destrói seu argumento, afirmando que
ela o estava enganando.
Um agiota chega a seguir. Ele também é condenado ao
inferno por ganância e avareza. Tenta convencer o anjo
a ir para o céu, mas não consegue. Também pede ao
diabo que o deixe voltar para pegar a riqueza que
acumulou, mas é impedido e acaba na barca do
inferno.
O terceiro indivíduo a chegar é o parvo (um tolo,
ingênuo). O diabo tenta convencê-lo a entrar na barca
do inferno; quando o parvo descobre qual é o destino
dela, vai falar com o anjo. Este, agraciando-o por sua
humildade, permite-lhe entrar na barca do céu.
A alma seguinte é a de um sapateiro, com todos os seus
instrumentos de trabalho. Durante sua vida enganou
muitas pessoas, e tenta enganar também o diabo.
Como não consegue, recorre ao anjo, que o condena
como alguém que roubou do povo.
O frade é o quinto a chegar... com sua amante. Chega
cantarolando. Sente-se ofendido quando o diabo o
convida a entrar na barca do inferno, pois, sendo
representante religioso, crê que teria perdão. Foi,
porém, condenado ao inferno por falso moralismo
religioso.
Brísida Vaz, feiticeira e alcoviteira, é recebida pelo
diabo, que lhe diz que seu o maior bem são "seiscentos
virgos postiços". Virgo é hímen, representa a
virgindade. Compreendemos que essa mulher
prostituiu muitas meninas virgens, e "postiço" nos faz
acreditar que enganara seiscentos homens, dizendo
que tais meninas eram virgens. Brísida Vaz tenta
convencer o anjo a levá-la na barca do céu inutilmente.
Ela é condenada por prostituição e feitiçaria.
A seguir, é a vez do judeu, que chega acompanhado por
um bode. Encaminha-se direto ao diabo, pedindo para
embarcar, mas até o diabo recusa-se a levá-lo. Ele tenta
subornar o diabo, porém este, com a desculpa de não
transportar bodes, o aconselha a procurar outra barca.
O judeu fala então com o anjo, porém não consegue
aproximar-se dele: é impedido, acusado de não aceitar
o cristianismo. Por fim, o diabo aceita levar o judeu e
seu bode, mas não dentro de sua barca, e, sim,
rebocados.
O corregedor e o procurador, representantes do
judiciário, chegam, a seguir, trazendo livros e processos.
Quando convidados pelo diabo para embarcarem,
começam a tecer suas defesas e encaminham-se ao
anjo. Na barca do céu, o anjo os impede de entrar: são
condenados à barca do inferno por manipularem a
justiça em benefício próprio. Ambos farão companhia à
Brísida Vaz, revelando certa familiaridade com a
cafetina - o que nos faz crer em trocas de serviços entre
eles e ela.
O próximo a chegar é o enforcado, que acredita ter
perdão para seus pecados, pois em vida foi julgado e
enforcado. Mas também é condenado a ir ao inferno
por corrupção.
Por fim, chegam à barca quatro cavaleiros que lutaram
e morreram defendendo o cristianismo. Estes são
recebidos pelo anjo e perdoados imediatamente.
Exemplo de redondilha maior:
DIABO
Vai/ ou /vem!/ Em/bar/cai/ pres/tes!
Se/gun/do /lá /es/co/lhes/tes,
As/sim/ cá/ vos/ com/tem/tai./
Pois/ que/ já a /mor/te pas/sas/tes,
Ha/veis /de /pas/sar /o /ri/o.
Obs: lembrando que a contagem deve ser feita até a
última sílaba forte de cada verso
A Farsa de Inês Pereira
Peça construída para comprovar o provérbio popular “Mais
vale asno que me leve que cavalo que me derrube”.
A peça conta a história de Inês Pereira, moça simples e
sonhadora que procura, por meio do casamento com um
homem que saiba tanger viola, fugir à rotina doméstica.
Despreza a proposta de Pero Marques, filho de um
camponês rico, homem tolo e ingênuo, e aceita se casar
com Brás da Mata, um escudeiro cretino e pobretão. No
entanto, essa união se torna desastrosa para Inês, pois Brás
da Mata viaja para a África para lutar pelas colônias
portuguesas e ordena que Moço, seu criado, vigie Inês e
que quando saísse da casa da protagonista a trancasse.
Brás da Mata é morto na África. Inês, ensinada pela
dura experiência, toma consciência da realidade e
aceita se casar com Pero Marques, seu primeiro
pretendente. Depressa também a jovem aceita a corte
de um falso ermitão. A farsa termina com o marido
(cantado por ela como cuco, gamo e cervo,
tradicionalmente concebidos como símbolos do
homem traído) levando-a às costas (asno que me
carregue) até a gruta em que vive o ermitão, para um
“encontro”.
Personagens:
Inês Pereira
Mãe (de Inês Pereira)
Lianor Vaz (alcoviteira, mulher que à época arranjava
casamentos)
Latão e Vidal (judeus casamenteiros que apresentaram
Brás da Mata a Inês)
Pero Marques
Brás da Mata
Moço (criado de Brás da Mata, o primeiro marido de
Inês)
Ermitão (amante de Inês)
Questões
26. (UFRGS/2010)
Assinale com V (Verdadeiro) ou F (Falso) as seguintes afirmações
sobre o teatro do português Gil Vicente e do brasileiro Ariano
Suassuna.
( ) Nos autos vicentinos, são comuns figuras da Igreja que não
cumprem seus votos, a exemplo de padres envolvidos com amantes
ou com a venda de indulgências.
( ) No Auto da Compadecida, a santa é apresentada de acordo com a
perspectiva popular, já que protege os oprimidos.
( ) A postura moralista de Gil Vicente contraria a visão de mundo
estratificada da Idade Média, pois condena os personagens a partir
de seus defeitos individuais.
( ) Ariano Suassuna, inspirado nas tradições populares ibéricas, criou
heróis que sobrevivem graças ao uso da astúcia que burla a ordem
social, como é o caso de
João Grilo.
A sequência correta de preenchimento dos
parênteses de cima para baixo, é
(A) F – F – V – F.
(B) F – F – F – V.
(C) V – F – V – V.
(D) V – V – F – V.
(E) V – V – V – F.
A primeira afirmação é verdadeira, pois, de fato,
aparecem nas obras de Gil Vicente personagens
representantes do clero que não cumprem os
mandamentos católicos, como por exemplo o Frade de
O Auto da Barca do Inferno.
A terceira afirmação é falsa, pois, Gil Vicente não
condena seus personagens por problemas individuais,
já que eles são representantes de toda uma classe
(personagens TIPOS)
A alternativa correta, portanto, é a letra D.
(UFRGS/2004) Considere as seguintes afirmações, relacionadas ao
episódio do embarque do fidalgo, da obra Auto da Barca do
Inferno, de Gil Vicente.
I. A acusação de tirania e presunção dirigida ao fidalgo configura
uma crítica não ao indivíduo, mas à classe a que ele pertence.
II. Gil Vicente critica as desigualdades sociais ao apontar o desprezo
do fidalgo aos pequenos, aos desfavorecidos.
III. No momento em que o fidalgo pensa ser salvo por haver
deixado, em terra, alguém orando por ele, evidencia-se a crítica
vicentina à fé religiosa.
Quais estão corretas?
(A) Apenas I. (D) Apenas II e III.
(B) Apenas I e II. (E) I, II e III.
(C) Apenas I e III.
A primeira afirmativa está correta. Como vimos, os
personagens vicentinos representam toda uma classe.
A segunda afirmativa também é verdadeira. A crítica
social está muito presente na obra de Gil Vicente.
A terceira afirmativa é FALSA. Gil Vicente não crítica a
fé católica, e sim o falso moralismo dos padres.
A alternativa correta, portanto, é a letra B.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

O Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - PersonagensO Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Auto da barca argumentos
Auto da barca   argumentosAuto da barca   argumentos
Auto da barca argumentos
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno -  Gil VicenteAuto da Barca do Inferno -  Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil VicenteO Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Barca gvicente
Barca gvicenteBarca gvicente
Barca gvicente
 
Resumos de português (3º teste)
Resumos de português (3º teste)Resumos de português (3º teste)
Resumos de português (3º teste)
 

Destaque (9)

Trabalho de português 1ºa
Trabalho de português 1ºaTrabalho de português 1ºa
Trabalho de português 1ºa
 
Trabalho 1°F
Trabalho 1°FTrabalho 1°F
Trabalho 1°F
 
Inespereira
 Inespereira Inespereira
Inespereira
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Gil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereiraGil vicente e a farsa de ines pereira
Gil vicente e a farsa de ines pereira
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 

Semelhante a Gil vicente aula resgate

Trabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 bTrabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 bteresakashino
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteMarco Gomes
 
O auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil VicenteO auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil VicenteOtivo Junior
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasClaudia Lazarini
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanteresakashino
 
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTXElisabete Laginha
 
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTXMarciaSilva440561
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Diógenes Zigar
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraBenvinda Céu
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteLurdes Augusto
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAfmr Rodrigues
 
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao pptpaulaoliveiraoliveir2
 
dial9cdr_teste_auto_1.pptx
dial9cdr_teste_auto_1.pptxdial9cdr_teste_auto_1.pptx
dial9cdr_teste_auto_1.pptxAnaFevereiro2
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoBruna Silva
 

Semelhante a Gil vicente aula resgate (20)

Trabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 bTrabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 b
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011Auto da Barca do Inferno     3ª  A  - 2011
Auto da Barca do Inferno 3ª A - 2011
 
O auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil VicenteO auto da barca do inferno de Gil Vicente
O auto da barca do inferno de Gil Vicente
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatanAuto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
Auto da barca do inferno (3)joseff, jonatan
 
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
 
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
«Auto da Barca do Inferno», Gil Vicente.PPTX
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
 
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil VicenteAuto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto barca do inferno
Auto barca do infernoAuto barca do inferno
Auto barca do inferno
 
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
 
dial9cdr_teste_auto_1.pptx
dial9cdr_teste_auto_1.pptxdial9cdr_teste_auto_1.pptx
dial9cdr_teste_auto_1.pptx
 
Abi analise em ppt
Abi analise em pptAbi analise em ppt
Abi analise em ppt
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular (20)

Dançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto AlegreDançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto Alegre
 
A noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantorasA noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantoras
 
Vanguardas e Modernismo
Vanguardas e ModernismoVanguardas e Modernismo
Vanguardas e Modernismo
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
Portas abertas 2014
Portas abertas 2014Portas abertas 2014
Portas abertas 2014
 
Romantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetasRomantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetas
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Preposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maioPreposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maio
 
Transcrição e tradução
Transcrição e traduçãoTranscrição e tradução
Transcrição e tradução
 
Artigos - espanhol
Artigos - espanholArtigos - espanhol
Artigos - espanhol
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Aula caminha
Aula caminhaAula caminha
Aula caminha
 
Aula arcadismo
Aula arcadismoAula arcadismo
Aula arcadismo
 
Aula barroco
Aula barrocoAula barroco
Aula barroco
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Falsos cognatos
Falsos cognatosFalsos cognatos
Falsos cognatos
 
Pe antonio vieira
Pe antonio vieiraPe antonio vieira
Pe antonio vieira
 
Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Gil vicente aula resgate

  • 2. • Viveu entre 1465? – 1537? Aproximadamente. É considerado o pai do teatro português. • Pertencente ao Humanismo, movimento que marca a transição entre a Idade Média e o Renascimento. É o momento em que a ideia de Deus como explicação do mundo começa a dar lugar ao pensamento crítico e à razão do homem • Autor de autos e farsas, pequenas peças teatrais representadas para a corte portuguesa
  • 3. Eram elementos presentes em suas peças: - Temática religiosa - Críticas à sociedade portuguesa da época (inclusive ao clero e à nobreza) - Personagens TIPOS (um personagem representando toda uma classe) - Comicidade (“O riso é uma maneira de moralizar”) - Maniqueísmo (divisão do mundo entre o bem e o mal) - Redondilha maior (versos com 7 sílabas poéticas)
  • 4. Auto da Barca do Inferno O "Auto da Barca do Inferno" (1517) representa o juízo final católico de forma satírica e com forte apelo moral. O cenário é uma espécie de porto, onde se encontram duas barcas: uma com destino ao inferno, comandada pelo diabo, e a outra, com destino ao paraíso, comandada por um anjo. Ambos os comandantes aguardam os mortos, que são as almas que seguirão ao paraíso ou ao inferno.
  • 5. Os mortos são: - Fidalgo (nobre) - Sapateiro - O Parvo (bobo) - Uma alcoviteira (cafetina) - Judeu - Um corregedor e um procurador (representantes do judiciário) - Enforcado - Onzeneiro (agiota; alguém que empresta dinheiro a juros) - Frade (representante do clero) e sua “dama” - 4 Cavaleiros (cruzados)
  • 6. Os mortos começam a chegar. Um fidalgo é o primeiro. Ele representa a nobreza, e é condenado ao inferno por seus pecados, tirania e luxúria. O diabo ordena ao fidalgo que embarque. Este, arrogante, julga-se merecedor do paraíso, pois deixou muita gente rezando por ele. Recusado pelo anjo, encaminha-se, frustrado, para a barca do inferno; mas tenta convencer o diabo a deixá-lo rever sua amada, pois esta "sente muito" sua falta. O diabo destrói seu argumento, afirmando que ela o estava enganando.
  • 7. Um agiota chega a seguir. Ele também é condenado ao inferno por ganância e avareza. Tenta convencer o anjo a ir para o céu, mas não consegue. Também pede ao diabo que o deixe voltar para pegar a riqueza que acumulou, mas é impedido e acaba na barca do inferno. O terceiro indivíduo a chegar é o parvo (um tolo, ingênuo). O diabo tenta convencê-lo a entrar na barca do inferno; quando o parvo descobre qual é o destino dela, vai falar com o anjo. Este, agraciando-o por sua humildade, permite-lhe entrar na barca do céu.
  • 8. A alma seguinte é a de um sapateiro, com todos os seus instrumentos de trabalho. Durante sua vida enganou muitas pessoas, e tenta enganar também o diabo. Como não consegue, recorre ao anjo, que o condena como alguém que roubou do povo. O frade é o quinto a chegar... com sua amante. Chega cantarolando. Sente-se ofendido quando o diabo o convida a entrar na barca do inferno, pois, sendo representante religioso, crê que teria perdão. Foi, porém, condenado ao inferno por falso moralismo religioso.
  • 9. Brísida Vaz, feiticeira e alcoviteira, é recebida pelo diabo, que lhe diz que seu o maior bem são "seiscentos virgos postiços". Virgo é hímen, representa a virgindade. Compreendemos que essa mulher prostituiu muitas meninas virgens, e "postiço" nos faz acreditar que enganara seiscentos homens, dizendo que tais meninas eram virgens. Brísida Vaz tenta convencer o anjo a levá-la na barca do céu inutilmente. Ela é condenada por prostituição e feitiçaria.
  • 10. A seguir, é a vez do judeu, que chega acompanhado por um bode. Encaminha-se direto ao diabo, pedindo para embarcar, mas até o diabo recusa-se a levá-lo. Ele tenta subornar o diabo, porém este, com a desculpa de não transportar bodes, o aconselha a procurar outra barca. O judeu fala então com o anjo, porém não consegue aproximar-se dele: é impedido, acusado de não aceitar o cristianismo. Por fim, o diabo aceita levar o judeu e seu bode, mas não dentro de sua barca, e, sim, rebocados.
  • 11. O corregedor e o procurador, representantes do judiciário, chegam, a seguir, trazendo livros e processos. Quando convidados pelo diabo para embarcarem, começam a tecer suas defesas e encaminham-se ao anjo. Na barca do céu, o anjo os impede de entrar: são condenados à barca do inferno por manipularem a justiça em benefício próprio. Ambos farão companhia à Brísida Vaz, revelando certa familiaridade com a cafetina - o que nos faz crer em trocas de serviços entre eles e ela.
  • 12. O próximo a chegar é o enforcado, que acredita ter perdão para seus pecados, pois em vida foi julgado e enforcado. Mas também é condenado a ir ao inferno por corrupção. Por fim, chegam à barca quatro cavaleiros que lutaram e morreram defendendo o cristianismo. Estes são recebidos pelo anjo e perdoados imediatamente.
  • 13. Exemplo de redondilha maior: DIABO Vai/ ou /vem!/ Em/bar/cai/ pres/tes! Se/gun/do /lá /es/co/lhes/tes, As/sim/ cá/ vos/ com/tem/tai./ Pois/ que/ já a /mor/te pas/sas/tes, Ha/veis /de /pas/sar /o /ri/o. Obs: lembrando que a contagem deve ser feita até a última sílaba forte de cada verso
  • 14. A Farsa de Inês Pereira Peça construída para comprovar o provérbio popular “Mais vale asno que me leve que cavalo que me derrube”. A peça conta a história de Inês Pereira, moça simples e sonhadora que procura, por meio do casamento com um homem que saiba tanger viola, fugir à rotina doméstica. Despreza a proposta de Pero Marques, filho de um camponês rico, homem tolo e ingênuo, e aceita se casar com Brás da Mata, um escudeiro cretino e pobretão. No entanto, essa união se torna desastrosa para Inês, pois Brás da Mata viaja para a África para lutar pelas colônias portuguesas e ordena que Moço, seu criado, vigie Inês e que quando saísse da casa da protagonista a trancasse.
  • 15. Brás da Mata é morto na África. Inês, ensinada pela dura experiência, toma consciência da realidade e aceita se casar com Pero Marques, seu primeiro pretendente. Depressa também a jovem aceita a corte de um falso ermitão. A farsa termina com o marido (cantado por ela como cuco, gamo e cervo, tradicionalmente concebidos como símbolos do homem traído) levando-a às costas (asno que me carregue) até a gruta em que vive o ermitão, para um “encontro”.
  • 16. Personagens: Inês Pereira Mãe (de Inês Pereira) Lianor Vaz (alcoviteira, mulher que à época arranjava casamentos) Latão e Vidal (judeus casamenteiros que apresentaram Brás da Mata a Inês) Pero Marques Brás da Mata Moço (criado de Brás da Mata, o primeiro marido de Inês) Ermitão (amante de Inês)
  • 18. 26. (UFRGS/2010) Assinale com V (Verdadeiro) ou F (Falso) as seguintes afirmações sobre o teatro do português Gil Vicente e do brasileiro Ariano Suassuna. ( ) Nos autos vicentinos, são comuns figuras da Igreja que não cumprem seus votos, a exemplo de padres envolvidos com amantes ou com a venda de indulgências. ( ) No Auto da Compadecida, a santa é apresentada de acordo com a perspectiva popular, já que protege os oprimidos. ( ) A postura moralista de Gil Vicente contraria a visão de mundo estratificada da Idade Média, pois condena os personagens a partir de seus defeitos individuais. ( ) Ariano Suassuna, inspirado nas tradições populares ibéricas, criou heróis que sobrevivem graças ao uso da astúcia que burla a ordem social, como é o caso de João Grilo.
  • 19. A sequência correta de preenchimento dos parênteses de cima para baixo, é (A) F – F – V – F. (B) F – F – F – V. (C) V – F – V – V. (D) V – V – F – V. (E) V – V – V – F.
  • 20. A primeira afirmação é verdadeira, pois, de fato, aparecem nas obras de Gil Vicente personagens representantes do clero que não cumprem os mandamentos católicos, como por exemplo o Frade de O Auto da Barca do Inferno. A terceira afirmação é falsa, pois, Gil Vicente não condena seus personagens por problemas individuais, já que eles são representantes de toda uma classe (personagens TIPOS) A alternativa correta, portanto, é a letra D.
  • 21. (UFRGS/2004) Considere as seguintes afirmações, relacionadas ao episódio do embarque do fidalgo, da obra Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. I. A acusação de tirania e presunção dirigida ao fidalgo configura uma crítica não ao indivíduo, mas à classe a que ele pertence. II. Gil Vicente critica as desigualdades sociais ao apontar o desprezo do fidalgo aos pequenos, aos desfavorecidos. III. No momento em que o fidalgo pensa ser salvo por haver deixado, em terra, alguém orando por ele, evidencia-se a crítica vicentina à fé religiosa. Quais estão corretas? (A) Apenas I. (D) Apenas II e III. (B) Apenas I e II. (E) I, II e III. (C) Apenas I e III.
  • 22. A primeira afirmativa está correta. Como vimos, os personagens vicentinos representam toda uma classe. A segunda afirmativa também é verdadeira. A crítica social está muito presente na obra de Gil Vicente. A terceira afirmativa é FALSA. Gil Vicente não crítica a fé católica, e sim o falso moralismo dos padres. A alternativa correta, portanto, é a letra B.