SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
ASSISTÊNCIA À SAÚDE DA MULHER DA
CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
NATAL/RN
2018
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
FISIOLOGIA DA GESTAÇÃO
NATAL/RN
2018
Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
 Após a nidação, o organismo materno precisa se ajustar à
nova situação de modo que proporcione nutrição,
crescimento e desenvolvimento ao feto.
• Enzimas e hormônios;
• Volume e circulação sanguínea do útero;
• Solicitações fetais de oxigênio e nutrientes.
As alterações se dão por meio de 3 fatores principais:
•Tumefeitas, amolecidas, pigmentadas – sinal de
Jacquemier ou Chadwick (coloração violácea do meato
urinário e da vulva);
Vulva e vagina
•Mais vascularizados, levados para cima
Trompas e ovários
•Peso do útero em:
•Nulíparas: 40-50 g.
•Multípara 60-70 g,
•No fim da gravidez: 30-35 cm de comp.; 20-
25 cm de largura e 22cm de profundidade.
Útero
•Em anteversoflexão (polaciúria), amolecimento
no sítio de implantação do ovo progredindo por
todo o órgão devido a embebição gravídica
Consistência
 Afrouxamento do tecido
conjuntivo com
Amolecimento do colo –
sinal de Hegar
 Amolecimento do ístmo –
sinal de Mac-Donald
 Tampão mucoso
 Sinal de Piskacek – o útero cresce de forma desigual mais
no local de implantação do ovo.
 Forma antes da gravidez era piriforme passa a ser
globosa
 Sinal de Nobile-Budin – fundos de saco preenchidos e
pulsação da artéria uterina é percebida
 Até 12 semanas de gravidez o
útero é pélvico passando a ser
palpável na parede abdominal.
Cresce 1cm/semana medindo-
se a partir da sínfise púbica ao
fundo uterino.
Postura e
deambulação
Sistema
cardiovascular
Sistema
sanguíneo
Sistema
respiratório
Metabolismo
Vitaminas
Metabolismo
hidoeletrolitico
Sistema
Disgestivo
Pele e fâneros
Ossos e
articulações
Sistema
nervoso
Órgãos dos
sentidos
Mamas
 Mamas crescidas pesam no tórax, útero crescido
e disposto sobre a parede abdominal desviam o
centro de gravidade para diante. Para manter o
equilíbrio a mulher empina o ventre surgindo a
lordose da coluna lombar. Os pés se afastam e
os ombros se jogam para trás. O andar oscilante
lembra a deambulação dos gansos –marcha
anserina.
 Queixas comuns:
Fadiga
Dores cervicais
e lombares
• Devido a elevação do diafragma o ápice do coração desvia –se para
cima e para a esquerda e roda ligeiramente para a frente.
• Débito cardíaco aumenta
• Sopros sistólicos –redução na viscosidade do sangue, murmúrios
sistólicos,
• Frequência cardíaca–cresce de 70 bpm para 85 bpm em torno da
38 – 40 semanas.
Coração
 As mais extensas e significativas modificações da gestação.
Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
•Pressão arterial - a PS sofre queda ligeira no 1º trimestre (3-5 mmHg) e a PD queda
significativa (5-15 mmHg). Atinge os valores mais baixos no 2º trimestre e retorna ao
estado pré-gravídico no 3º trimestre.
•Fluxo sanguíneo - está elevado no útero, outros órgãos pélvicos, nas extremidades
superiores. Está diminuído nas extremidades inferiores. Estima-se um aumento de 500 ml
na circulação cutânea, o que causa mãos pegajosas e sensação de calor nas gestantes.
•Síndrome da hipotensão supina -em decúbito dorsal ou em pé as mulheres sofrem
compressão da veia cava inferior. E artéria aorta. Ocorre então, queda de 30% da pressão
sistólica –4 a 5 min. bradicardiae hipotensão = redução do débito cardíaco em 50%.
Coração
 As mais extensas e significativas modificações da gestação.
Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
• Pressão venosa–aumenta cerca de 3 vezes nos MMII pela
distensibilidade venosa e pela compressão da veia cava
inferior e nas veias ilíacas.
• Causa:
• Hipotensão, lipotimia ortostática, edema de MMII,
varicosidades (pernas, vulva) e hemorróidas.
Coração
 As mais extensas e significativas modificações da gestação.
Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
 Aumenta a necessidade de ferro
 Fluxo de urina retardado –
predisposição à infecção
urinária
 Bexiga comprimida pelo útero
engrandecido (polaciúria)
 Dispnéia, sangramentos
nasais, alterações na voz
 Elevação do diafrágma,
respiração mais
diafragmática e menos
costal;
 Expansão da caixa torácica
(relaxamento dos
ligamentos das costelas)
 Metabolismo glicídico
◦ O feto extraí glicose e aminoácidos da gestante (parasitismo
verdadeiro). Os teores de glicemia de jejum estão reduzidos. À
medida que a preenhez evolui, o organismo materno utiliza menos
glicose periférica. A gestante torna se progressivamente resistente
à insulina.
 Metabolismo lipídico
◦ Os depósitos de gordura se mobilizam e a concentração de ácidos
graxos cresce no plasma materno. Ocorre acúmulo de gorduras na
gravidez.
 Comprovada teratogenicidade na hipovitaminose materna
da vitamina A, e do ácido fólico. A carência de vitamina C
causa abortamentos ou morte do concepto.
Aumento do apetite e da sede
Preferência ou aversão a certos alimentos
Náuseas e vômitos –preferencialmente no 1º trimestre (a hiperêmesegravídica é uma complicação)
Pirose
Gengiva-hiperemiada e sangrante (gengivite gravídica)
Ptialismo –excessiva secreção de saliva
 Aumento da pigmentação: na face -cloasma gravídico, no
abdome –lineanigra, na mama – sinal de Hunter
(escurecimento da aréola primária e formação da
secundária), Efeito da progesterona sobre os
melanoblastos epidérmicos
 Estrias - são linhas que surgem
a partir do 6º mês de gestação
de cor violácea e depois
tornam-se brancas. Causadas
pela distensão gradual da pele
e a rotura das camadas
subjacentes do tecido epitelial.
 Pelos, cabelos e unhas –hipertricose, crescimento de
cabelos, eritema palmar.
 Glândulas sudoríparas e sebáceas hipersecreção sebácea e
transpiração abundante.
 Aumento da vascularização e
espessura da mucosa nasal –efeito
estrogênico –causam epistaxe,
obstrução nasal, rinite.
 Perversão do olfato, zumbido no
ouvido, vertigens, diminuição da
acuidade auditiva.
 Aumento de volume, peso e turgor
 Aparecimento de colostro
 Sinal de Hunter: aréola mais
pigmentada, limites imprecisos ao
redor da aréola primária (formação da
secundária)
 Tubérculos de Montgomery: glândulas
sebáceas hipertrofiadas na aréola
primária
 Rede venosa de Haller: dilatação da
rede venosa superficial
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
SEMANAS GESTACIONAIS
NATAL/RN
2018
Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
 O ovo ou zigoto se forma com a fecundação do
espermatozóide com o óvulo.
 24 horas depois da fecundação, o ovo se divide em duas
células, que se dividem em quatro e assim por diante.
 O zigoto começa a produzir um hormônio especial, que é
exclusivo da gravidez - a gonadotrofina coriônica, cuja
missão é proteger o feto e colá-lo na parede uterina.
 A placenta começa a se
formar, trata-se de um filtro
que escolhe o que o feto
necessita e o que ele rejeita.
 O bebê está cercado pelo
líquido amniótico, que contém
glicose, sais e serve para
ajudar as trocas entre o
organismo materno e o feto e
ainda protege o bebê.
 O bebê já tem de 5 a 6 mm, é do
tamanho de um grão de arroz e
os órgãos começam a se formar.”
 Já se pode falar em um ser
humano, apesar dele ainda estar
no período embrionário..
 O coração do bebê está em
desenvolvimento e formam-se
as quatro cavidades. O bebê já
mede entre 8 e 11 mm.
 O sexo é decidido na sétima
semana de vida do embrião, apesar
de ser determinado no momento
da fecundação.
 Nessa fase o tamanho do bebê é de
cerca de 25 mm, o coração dele
bate mais ou menos 150 vezes por
minuto e já estão definidos os
olhos, nariz, lábios, orelha, órgãos
internos e sistema nervoso central.
 A mulher começa a sentir desejos e
não é frescura. Ela precisa
compensar alguma deficiência
nutricional ou estabilizar alterações
hormonais”
 O embrião está na transição para
feto, já tem o aspecto humano e
todos os órgãos. O bebê cresceu
rápido e já cabe na palma da mão
de uma mulher, pois ele tem cerca
de 31 mm.
 O bebê já está com 4 cm e pesa
pouco mais de 1 g, Nessa
semana que começa a formação
do esqueleto.
 Ele já consegue fazer
movimentos simples, como
mexer o braço e a perna.
 O bebê tem uma intensa
movimentação na
placenta.
 As costelas começam a se
formar, assim como
ossos dos dedos das
mãos e dos
 Esse é um período difícil do
ponto de vista emocional.
Geralmente as mães tem muitas
dúvidas e angustias.
 A partir de agora o bebê está
totalmente formado e crescerá
até o nascimento. É nessa
semana que ele coloca, pela
primeira vez, a mãozinha no
rosto.
 O bebê tem 9 cm e pesa
entre 14 g e 30 g. Ele já está
totalmente formado e a salvo
dos riscos de anomalias
físicas.
 No início do quarto mês o bebê
começa a brincar - dá pontapés
e se espreguiça no líquido
amniótico.
 A mãe não sente porque a
placenta está completa para
sustentá-lo. Ele começa a sugar
e a engolir, movimentos
essenciais para a sobrevivência.
 O paladar e o tato do bebê
estão se desenvolvendo. Os
movimentos têm a
finalidade de testar os
reflexos e treinar a
coordenação motora do
feto. Daqui para frente, ele
faz exercícios respiratórios.
 O bebê vê, escuta, cresce e
ganha peso rapidamente. Já
passou dos 10 cm e tem 50 g.
 Pelo ultrassom já é possível saber
o sexo do bebê e observar como
ele faz movimentos constantes,
ainda não perceptíveis pela mãe.
 O bebê já chupa o dedo. Tem 16
cm e pesa até 110 g na 17º
semana, vai dobrar de peso até o
final da 19º semana.
 Com um exame de
ultrassom 3D é possível ter
até uma noção do rosto do
bebê.
 O bebê tem 330 g e mede
25 cm. Ele se movimenta
como um astronauta e os
dedos já estão totalmente
separados.
 O bebê pesa 350 g tem cílios, sobrancelhas e unhas.
 Agora, sim, o bebê chuta forte, e com frequência. É a hora
de fazer o ultrassom morfológico, para ter certeza do sexo
e do desenvolvimento do bebê.”
41
 O feto aos seis meses está feliz da vida: tem 32
centímetros e pesa 850 gramas. Reconhece a voz da
mãe e do pai. Cresce rápido e ganha peso. Brinca,
chuta, faz alongamento, se espreguiça e adora
receber carinho dos pais!
42
 Neste período o bebê pode dormir enquanto a mãe
está acordada e passar a noite toda em atividade,
atrapalhando o sono da mãe.
43
 Nessa fase, os pés incham.
As recomendações são: repouso, evitar esforço excessivo e
não ficar muito tempo em pé.”
 O bebê começa a ganhar peso rapidamente a partir da 28ª
semana. Ele já tem 1,1 kg.
44
 Nessa quinzena o bebê engorda e chega a pesar 1,6
kg e tem 35 cm a 40 cm.

Está numa festa: brinca e até soluça... é fácil a mãe
escutar o "ploc-ploc", achando que é batimento
cardíaco mais lento, mas na verdade é soluço!
45
46
 O bebê já passou dos 2 kg e mede de 40 a 45 cm.
47
 O bebê está com oito meses em acabamento, o
rostinho está rechonchudo e cor de rosa.
 Pode ter bastante cabelo. O peso dele está em 2,4 kg
e o bebê está “pronto para nascer”.
48
 O bebê está em posição de parto de
cabeça para baixo. A partir dessa
época, os pulmões produzem uma
substância chamada surfactante, que
faz com que eles sequem e fiquem
prontos para respirar de verdade.
Pesa mais de 2,5 kg.
 Comprimento – 45 cm; peso – 2.750 g. O rosto dele está
completo, liso e gordinho, com a característica das
bochechas rechonchudas. O crânio está firme, mas não é
duro. Ele está com elasticidade suficiente para os ossos se
encavalarem quando passar pelo canal do parto. O bebê
poderá se encaixar.
49
 Comprimento – 45 cm; peso – 2.950 g. A partir de
agora, o bebê está clinicamente maduro e pronto
para nascer. Ele continua se desenvolvendo. A
gordura está sendo depositada a uma taxa de 14 g
por dia.
50
 Comprimento – 45 cm; peso – 3.100 g. Nas últimas
semanas, o bebê começou a formar excrementos nos
intestinos de cor verde escura, chamados mecônio.
 Este é um produto da destruição das células eliminadas
pelo revestimento do intestino, das células da pele e da
lanugem, que desprenderam-se no líquido amniótico e
depois ele engoliu. O mecônio será a primeira evacuação do
bebê após o nascimento.
51
 Comprimento – 46 cm; peso – 3.250 g. O cordão umbilical
ainda está suprindo o bebê com muitos nutrientes e ele
continua a ganhar peso. Alguns dos seus anticorpos
atravessam a barreira placentária, passando para a corrente
sangüínea, dando ao sistema imunológico um auxílio
temporário.
52
 Comprimento – 48 a 51 cm; peso – 3.500 g. Um bebê recém-nascido
é frequentemente uma surpresa. A cabeça pode nascer deformada,
mas volta ao normal em dois dias. Após o nascimento, ele
apresentará choro forte. Isto pode não ocorrer imediatamente, mas
após a enfermeira obstetra e o pediatra neonatologista iniciarem a
secagem e o exame físico.
53
Fisiologia da gestação e desenvolvimento fetal semanal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaAmanda Thaysa
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Caroline Reis Gonçalves
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)SMS - Petrópolis
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto tvf
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaLaped Ufrn
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoHIURYGOMES
 

Mais procurados (20)

Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervirDiagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
Diagnóstico das distocias intraparto e quando intervir
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Aula desenv fetal
Aula desenv fetalAula desenv fetal
Aula desenv fetal
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 

Semelhante a Fisiologia da gestação e desenvolvimento fetal semanal

Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência Diana Resendes
 
gestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.pptgestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.pptEltonfreire8
 
Trabalho embriologia
Trabalho embriologiaTrabalho embriologia
Trabalho embriologiaEmilydarosa
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptjhenicacamila123
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalBruno Oliveira
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEMMagnoSouza37
 
Recém nascido
Recém nascidoRecém nascido
Recém nascidoPaula Melo
 
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Larissa Lemos
 
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Iriene Castro
 
Apresentação a saúde da grávida e a puberdade
Apresentação a saúde da grávida e a puberdadeApresentação a saúde da grávida e a puberdade
Apresentação a saúde da grávida e a puberdade5eeugeiocastro
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoRafaela Rezende
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt5feugeniocastro
 
Gravides de ciencias lara
Gravides de ciencias laraGravides de ciencias lara
Gravides de ciencias laraCarla Gomes
 

Semelhante a Fisiologia da gestação e desenvolvimento fetal semanal (20)

Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Trabalho de ciências 8° ano.pptx
Trabalho de ciências  8° ano.pptxTrabalho de ciências  8° ano.pptx
Trabalho de ciências 8° ano.pptx
 
gestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.pptgestacao normal-2013.ppt
gestacao normal-2013.ppt
 
Trabalho embriologia
Trabalho embriologiaTrabalho embriologia
Trabalho embriologia
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
 
Word 9 d_6
Word 9 d_6Word 9 d_6
Word 9 d_6
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Manual da Gestante
Manual da GestanteManual da Gestante
Manual da Gestante
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
 
Recém nascido
Recém nascidoRecém nascido
Recém nascido
 
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
 
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
 
Apresentação a saúde da grávida e a puberdade
Apresentação a saúde da grávida e a puberdadeApresentação a saúde da grávida e a puberdade
Apresentação a saúde da grávida e a puberdade
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitado
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
 
Gravides de ciencias lara
Gravides de ciencias laraGravides de ciencias lara
Gravides de ciencias lara
 
Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
 

Mais de Gustavo Henrique

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1Gustavo Henrique
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaGustavo Henrique
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoGustavo Henrique
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosGustavo Henrique
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasGustavo Henrique
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalGustavo Henrique
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilGustavo Henrique
 
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manhaAula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manhaGustavo Henrique
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasGustavo Henrique
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoGustavo Henrique
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmGustavo Henrique
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalGustavo Henrique
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoGustavo Henrique
 

Mais de Gustavo Henrique (20)

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
 
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manhaAula 11 -_semio_neonatal_-_manha
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 

Último

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 

Último (12)

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 

Fisiologia da gestação e desenvolvimento fetal semanal

  • 1. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde ASSISTÊNCIA À SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira NATAL/RN 2018
  • 2. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde FISIOLOGIA DA GESTAÇÃO NATAL/RN 2018 Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
  • 3.  Após a nidação, o organismo materno precisa se ajustar à nova situação de modo que proporcione nutrição, crescimento e desenvolvimento ao feto. • Enzimas e hormônios; • Volume e circulação sanguínea do útero; • Solicitações fetais de oxigênio e nutrientes. As alterações se dão por meio de 3 fatores principais:
  • 4. •Tumefeitas, amolecidas, pigmentadas – sinal de Jacquemier ou Chadwick (coloração violácea do meato urinário e da vulva); Vulva e vagina •Mais vascularizados, levados para cima Trompas e ovários
  • 5. •Peso do útero em: •Nulíparas: 40-50 g. •Multípara 60-70 g, •No fim da gravidez: 30-35 cm de comp.; 20- 25 cm de largura e 22cm de profundidade. Útero •Em anteversoflexão (polaciúria), amolecimento no sítio de implantação do ovo progredindo por todo o órgão devido a embebição gravídica Consistência
  • 6.  Afrouxamento do tecido conjuntivo com Amolecimento do colo – sinal de Hegar  Amolecimento do ístmo – sinal de Mac-Donald  Tampão mucoso
  • 7.  Sinal de Piskacek – o útero cresce de forma desigual mais no local de implantação do ovo.  Forma antes da gravidez era piriforme passa a ser globosa  Sinal de Nobile-Budin – fundos de saco preenchidos e pulsação da artéria uterina é percebida
  • 8.  Até 12 semanas de gravidez o útero é pélvico passando a ser palpável na parede abdominal. Cresce 1cm/semana medindo- se a partir da sínfise púbica ao fundo uterino.
  • 10.  Mamas crescidas pesam no tórax, útero crescido e disposto sobre a parede abdominal desviam o centro de gravidade para diante. Para manter o equilíbrio a mulher empina o ventre surgindo a lordose da coluna lombar. Os pés se afastam e os ombros se jogam para trás. O andar oscilante lembra a deambulação dos gansos –marcha anserina.  Queixas comuns: Fadiga Dores cervicais e lombares
  • 11. • Devido a elevação do diafragma o ápice do coração desvia –se para cima e para a esquerda e roda ligeiramente para a frente. • Débito cardíaco aumenta • Sopros sistólicos –redução na viscosidade do sangue, murmúrios sistólicos, • Frequência cardíaca–cresce de 70 bpm para 85 bpm em torno da 38 – 40 semanas. Coração  As mais extensas e significativas modificações da gestação. Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
  • 12. •Pressão arterial - a PS sofre queda ligeira no 1º trimestre (3-5 mmHg) e a PD queda significativa (5-15 mmHg). Atinge os valores mais baixos no 2º trimestre e retorna ao estado pré-gravídico no 3º trimestre. •Fluxo sanguíneo - está elevado no útero, outros órgãos pélvicos, nas extremidades superiores. Está diminuído nas extremidades inferiores. Estima-se um aumento de 500 ml na circulação cutânea, o que causa mãos pegajosas e sensação de calor nas gestantes. •Síndrome da hipotensão supina -em decúbito dorsal ou em pé as mulheres sofrem compressão da veia cava inferior. E artéria aorta. Ocorre então, queda de 30% da pressão sistólica –4 a 5 min. bradicardiae hipotensão = redução do débito cardíaco em 50%. Coração  As mais extensas e significativas modificações da gestação. Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
  • 13. • Pressão venosa–aumenta cerca de 3 vezes nos MMII pela distensibilidade venosa e pela compressão da veia cava inferior e nas veias ilíacas. • Causa: • Hipotensão, lipotimia ortostática, edema de MMII, varicosidades (pernas, vulva) e hemorróidas. Coração  As mais extensas e significativas modificações da gestação. Têm importância clínica pela sobrecarga na cardiopata
  • 14.  Aumenta a necessidade de ferro
  • 15.  Fluxo de urina retardado – predisposição à infecção urinária  Bexiga comprimida pelo útero engrandecido (polaciúria)
  • 16.  Dispnéia, sangramentos nasais, alterações na voz  Elevação do diafrágma, respiração mais diafragmática e menos costal;  Expansão da caixa torácica (relaxamento dos ligamentos das costelas)
  • 17.  Metabolismo glicídico ◦ O feto extraí glicose e aminoácidos da gestante (parasitismo verdadeiro). Os teores de glicemia de jejum estão reduzidos. À medida que a preenhez evolui, o organismo materno utiliza menos glicose periférica. A gestante torna se progressivamente resistente à insulina.  Metabolismo lipídico ◦ Os depósitos de gordura se mobilizam e a concentração de ácidos graxos cresce no plasma materno. Ocorre acúmulo de gorduras na gravidez.
  • 18.  Comprovada teratogenicidade na hipovitaminose materna da vitamina A, e do ácido fólico. A carência de vitamina C causa abortamentos ou morte do concepto.
  • 19. Aumento do apetite e da sede Preferência ou aversão a certos alimentos Náuseas e vômitos –preferencialmente no 1º trimestre (a hiperêmesegravídica é uma complicação) Pirose Gengiva-hiperemiada e sangrante (gengivite gravídica) Ptialismo –excessiva secreção de saliva
  • 20.  Aumento da pigmentação: na face -cloasma gravídico, no abdome –lineanigra, na mama – sinal de Hunter (escurecimento da aréola primária e formação da secundária), Efeito da progesterona sobre os melanoblastos epidérmicos
  • 21.  Estrias - são linhas que surgem a partir do 6º mês de gestação de cor violácea e depois tornam-se brancas. Causadas pela distensão gradual da pele e a rotura das camadas subjacentes do tecido epitelial.
  • 22.  Pelos, cabelos e unhas –hipertricose, crescimento de cabelos, eritema palmar.  Glândulas sudoríparas e sebáceas hipersecreção sebácea e transpiração abundante.
  • 23.  Aumento da vascularização e espessura da mucosa nasal –efeito estrogênico –causam epistaxe, obstrução nasal, rinite.  Perversão do olfato, zumbido no ouvido, vertigens, diminuição da acuidade auditiva.
  • 24.  Aumento de volume, peso e turgor  Aparecimento de colostro  Sinal de Hunter: aréola mais pigmentada, limites imprecisos ao redor da aréola primária (formação da secundária)  Tubérculos de Montgomery: glândulas sebáceas hipertrofiadas na aréola primária  Rede venosa de Haller: dilatação da rede venosa superficial
  • 25. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde SEMANAS GESTACIONAIS NATAL/RN 2018 Docente: Enf° Lucas Batista Ferreira
  • 26.  O ovo ou zigoto se forma com a fecundação do espermatozóide com o óvulo.  24 horas depois da fecundação, o ovo se divide em duas células, que se dividem em quatro e assim por diante.  O zigoto começa a produzir um hormônio especial, que é exclusivo da gravidez - a gonadotrofina coriônica, cuja missão é proteger o feto e colá-lo na parede uterina.
  • 27.  A placenta começa a se formar, trata-se de um filtro que escolhe o que o feto necessita e o que ele rejeita.  O bebê está cercado pelo líquido amniótico, que contém glicose, sais e serve para ajudar as trocas entre o organismo materno e o feto e ainda protege o bebê.
  • 28.  O bebê já tem de 5 a 6 mm, é do tamanho de um grão de arroz e os órgãos começam a se formar.”  Já se pode falar em um ser humano, apesar dele ainda estar no período embrionário..
  • 29.  O coração do bebê está em desenvolvimento e formam-se as quatro cavidades. O bebê já mede entre 8 e 11 mm.
  • 30.  O sexo é decidido na sétima semana de vida do embrião, apesar de ser determinado no momento da fecundação.  Nessa fase o tamanho do bebê é de cerca de 25 mm, o coração dele bate mais ou menos 150 vezes por minuto e já estão definidos os olhos, nariz, lábios, orelha, órgãos internos e sistema nervoso central.
  • 31.  A mulher começa a sentir desejos e não é frescura. Ela precisa compensar alguma deficiência nutricional ou estabilizar alterações hormonais”  O embrião está na transição para feto, já tem o aspecto humano e todos os órgãos. O bebê cresceu rápido e já cabe na palma da mão de uma mulher, pois ele tem cerca de 31 mm.
  • 32.  O bebê já está com 4 cm e pesa pouco mais de 1 g, Nessa semana que começa a formação do esqueleto.  Ele já consegue fazer movimentos simples, como mexer o braço e a perna.
  • 33.  O bebê tem uma intensa movimentação na placenta.  As costelas começam a se formar, assim como ossos dos dedos das mãos e dos
  • 34.  Esse é um período difícil do ponto de vista emocional. Geralmente as mães tem muitas dúvidas e angustias.  A partir de agora o bebê está totalmente formado e crescerá até o nascimento. É nessa semana que ele coloca, pela primeira vez, a mãozinha no rosto.
  • 35.  O bebê tem 9 cm e pesa entre 14 g e 30 g. Ele já está totalmente formado e a salvo dos riscos de anomalias físicas.
  • 36.  No início do quarto mês o bebê começa a brincar - dá pontapés e se espreguiça no líquido amniótico.  A mãe não sente porque a placenta está completa para sustentá-lo. Ele começa a sugar e a engolir, movimentos essenciais para a sobrevivência.
  • 37.  O paladar e o tato do bebê estão se desenvolvendo. Os movimentos têm a finalidade de testar os reflexos e treinar a coordenação motora do feto. Daqui para frente, ele faz exercícios respiratórios.
  • 38.  O bebê vê, escuta, cresce e ganha peso rapidamente. Já passou dos 10 cm e tem 50 g.
  • 39.  Pelo ultrassom já é possível saber o sexo do bebê e observar como ele faz movimentos constantes, ainda não perceptíveis pela mãe.  O bebê já chupa o dedo. Tem 16 cm e pesa até 110 g na 17º semana, vai dobrar de peso até o final da 19º semana.
  • 40.  Com um exame de ultrassom 3D é possível ter até uma noção do rosto do bebê.  O bebê tem 330 g e mede 25 cm. Ele se movimenta como um astronauta e os dedos já estão totalmente separados.
  • 41.  O bebê pesa 350 g tem cílios, sobrancelhas e unhas.  Agora, sim, o bebê chuta forte, e com frequência. É a hora de fazer o ultrassom morfológico, para ter certeza do sexo e do desenvolvimento do bebê.” 41
  • 42.  O feto aos seis meses está feliz da vida: tem 32 centímetros e pesa 850 gramas. Reconhece a voz da mãe e do pai. Cresce rápido e ganha peso. Brinca, chuta, faz alongamento, se espreguiça e adora receber carinho dos pais! 42
  • 43.  Neste período o bebê pode dormir enquanto a mãe está acordada e passar a noite toda em atividade, atrapalhando o sono da mãe. 43
  • 44.  Nessa fase, os pés incham. As recomendações são: repouso, evitar esforço excessivo e não ficar muito tempo em pé.”  O bebê começa a ganhar peso rapidamente a partir da 28ª semana. Ele já tem 1,1 kg. 44
  • 45.  Nessa quinzena o bebê engorda e chega a pesar 1,6 kg e tem 35 cm a 40 cm.  Está numa festa: brinca e até soluça... é fácil a mãe escutar o "ploc-ploc", achando que é batimento cardíaco mais lento, mas na verdade é soluço! 45
  • 46. 46  O bebê já passou dos 2 kg e mede de 40 a 45 cm.
  • 47. 47  O bebê está com oito meses em acabamento, o rostinho está rechonchudo e cor de rosa.  Pode ter bastante cabelo. O peso dele está em 2,4 kg e o bebê está “pronto para nascer”.
  • 48. 48  O bebê está em posição de parto de cabeça para baixo. A partir dessa época, os pulmões produzem uma substância chamada surfactante, que faz com que eles sequem e fiquem prontos para respirar de verdade. Pesa mais de 2,5 kg.
  • 49.  Comprimento – 45 cm; peso – 2.750 g. O rosto dele está completo, liso e gordinho, com a característica das bochechas rechonchudas. O crânio está firme, mas não é duro. Ele está com elasticidade suficiente para os ossos se encavalarem quando passar pelo canal do parto. O bebê poderá se encaixar. 49
  • 50.  Comprimento – 45 cm; peso – 2.950 g. A partir de agora, o bebê está clinicamente maduro e pronto para nascer. Ele continua se desenvolvendo. A gordura está sendo depositada a uma taxa de 14 g por dia. 50
  • 51.  Comprimento – 45 cm; peso – 3.100 g. Nas últimas semanas, o bebê começou a formar excrementos nos intestinos de cor verde escura, chamados mecônio.  Este é um produto da destruição das células eliminadas pelo revestimento do intestino, das células da pele e da lanugem, que desprenderam-se no líquido amniótico e depois ele engoliu. O mecônio será a primeira evacuação do bebê após o nascimento. 51
  • 52.  Comprimento – 46 cm; peso – 3.250 g. O cordão umbilical ainda está suprindo o bebê com muitos nutrientes e ele continua a ganhar peso. Alguns dos seus anticorpos atravessam a barreira placentária, passando para a corrente sangüínea, dando ao sistema imunológico um auxílio temporário. 52
  • 53.  Comprimento – 48 a 51 cm; peso – 3.500 g. Um bebê recém-nascido é frequentemente uma surpresa. A cabeça pode nascer deformada, mas volta ao normal em dois dias. Após o nascimento, ele apresentará choro forte. Isto pode não ocorrer imediatamente, mas após a enfermeira obstetra e o pediatra neonatologista iniciarem a secagem e o exame físico. 53

Notas do Editor

  1. O bebê cresce rápido e ganha peso. Brinca, chuta, faz alongamento, se espreguiça e adora receber carinho dos pais! Beba água: é essencial para evitar cistites.” O bebê
  2. O desejo sexual aumenta e o casal entra numa fase muito harmônica. Aproveite para curtir o crescimento da barriga, a alegria do bebê e os movimentos que ele faz”