SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
SEMIOLOGIA NEONATAL
Docente: Lucas Batista Ferreira
NATAL/RN
2018
 Laqueadura do cordão umbilical;
 Colocar RN sob calor radiante;
 Posicionar a cabeça com discreta extensão do pescoço;
 Secar superfície corpórea;
 Avaliar o ritmo respiratório, a frequência cardíaca e a
saturação periférica;
 Aplicar Boletim de Apgar;
 Vitamina K, vacina BCG e Hepatite B
 A Unidade Neonatal surgiu a fim de criar condições para
atender às necessidades do RN com algum
comprometimento a saúde.
 RN de baixo, médio e alto risco
 Receber o RN na UTI, avaliando as condições gerais e ao
mesmo tempo priorizando o atendimento ao sistema
respiratório e cardíaco;
 Pesar, quando as condições permitem;
 Colocar o RN na incubadora ou berço ambos previamente
aquecidos;
 Avaliar o padrão respiratório e administrar oxigênio conforme
prescrição médica;
 Instalar o monitor multiparâmetros e/ou oxímetro de pulso;
 Puncionar uma veia ou auxiliar na colocação de cateter
umbilical;
 Verificar os sinais vitais;
 Verificar a glicemia periférica;
 Medir comprimento, PC e PT quando as condições permitem;
 Administrar medicação prescrita;
 Preencher a ficha de identificação do RN e demais impressos.
 IDENTIFICAÇÃO DO RN
◦ RN (mãe), cor, sexo, ...
◦ ANTECEDENTES FAMILIARES: Doenças genéticas e infecto-
contagiosas ativas.
 MÃE:
◦ Condições de saúde da mãe (diabetes, doenças infecciosas,
hipertensão arterial, nefropatias, cardiopatias, distúrbios
metabólicos, neurológicos e uso de droga).
 ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS: Nº de gestações e abortos,
tipo de parto, nºde natimortos e nascidos vivos com peso
< 2.500g.
 Temperatura axilar: 36,5º a 37,5ºC. Manter dentro da zona
termoneutra.
 Frequência cardíaca: em torno de 120 a 140 BPM.
Arritmias e sopros podem aparecer nos 1ºs dias
 Pressão arterial: média de 65/45 com 1 a 3 dias de idade
(MMII e MMSS deverão ser semelhantes).
 F.R.: 40 a 60 irpm (após transição). Observar dificuldade
respiratória, gemido, tiragem esternal ou diafragmática
 Por idade gestacional:
◦ Pré-termo: <37 semanas
◦ A termo: ≥37 e <42 semanas
◦ Pós-termo: ≥42 semanas
 Por peso ao nascer:
◦ Baixo peso: ≤2500g
◦ Muito baixo peso: ≤1500g
◦ Extremo baixo peso: ≤1000g
 Pele:
◦ Cor, textura, lanugem, vérnix, lesões, manchas, marcas, tugor,
temperatura, equimoses, milia, eritemas, hemangiomas, nevos
congênitos e edema.
 Cabeça:
◦ Crânio: Simetria, fontanelas, suturas, hematomas subperiósteos,
PC, tamanho, etc.
◦ Face: fácies, olhos, orelhas, nariz, boca, reflexo de sucção, etc.
 Pescoço:
◦ É curto e simétrico. Checar mobilidade.
 Tórax:
◦ Mamilos: observar aumento ou espaçamento
◦ Clavícula: normalmente lisa e uniforme à palpação
◦ Pulmões: normalmente a respiração é abdominal
◦ Simetria
 Cardiovascular:
◦ Palpação: palpar todos os pulsos periféricos. Comparar a amplitude dos pulsos dos
membros superiores e inferiores.
◦ Ausculta: FC, ritmo e sopros.
◦ Enchimento capilar, cor e perfusão periférica.
 Abdome:
◦ Simetria, conformação, presença ou não de distensão, alças intestinais,,presença de
massas, RG, parede abdominal, hérnias, visceromegalias.
◦ Exame do umbigo: consistência e presença de vasos.
 Geniturinário/reto:
◦ Genitália: masculina, feminina
 Reto: Permeabilidade anal, posicionamento em relação a genitália, fístulas
ou outras anomalias.
 Extremidades:
◦ Simetria, forma de movimento, amplitude, fraturas, deformidades e edemas.
 Neurológico:
◦ Reflexos primitivos
◦ Postura
◦ Comportamento
 Controle da temperatura corporal em temperatura ambiente;
 Boa coordenação sucção-deglutição-respiração
 Ganho de peso satisfatório e regular;
 Habilidade de manter função cardiorrespiratória estável e sem
evidências de apnéia ou bradicardia na semana anterior (sem
uso de medicação).
Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
CUIDADOS COM A PELE DO RECÉM-
NASCIDO
NATAL/RN
2018
 Pré-termo: pele fina, transparente, avermelhada,
com veias e vênulas visíveis; presença de lanugem
cobrindo todo o corpo.
 A Termo: pele mais espessa e mais rosada, diminui
quantidade de vasos visíveis; lanugem apenas nos
ombros.
 Pós-termo: espessa, com fissuras e descamação,
poucos ou nenhum vaso visível; raramente aparece
lanugem; por vezes é tinta de mecônio.
 Proteção física: serve de barreira química, mecânica e
biológica.
 Regulação (Termorregulação): regulação e manutenção da
temperatura corporal com equilíbrio hídrico.
 “Órgão” sensorial: estímulos táteis, térmicos e dolorosos.
 Propriedades Imunológicas: propriedades bactericidas.
 Propriedades de Renovação
 Produção de vitaminas
 Os neonatos perdem calor facilmente porque a superfície corporal é
relativamente grande e a camada de gordura subcutânea é fina e não
oferece isolamento suficiente.
 O controle térmico depende da IG, da idade pós-natal, do peso de
nascimento e das condições clínicas do RN.
 Recém-nascidos tentam ganhar calor através:
◦ Aumento da taxa metabólica;
◦ Metabolismo da gordura marrom;
◦ Aumento do tônus motor;
◦ Vasoconstricção.
 Dificuldades para gerar calor por:
◦ Menor isolamento;
◦ Superfície de contato maior em relação ao peso;
◦ Reserva de energia limitada;
◦ Menor controle da regulação de sua temperatura.
 Alteração de temperatura corporal
 Apnéia, taquipnéia, dificuldade respiratória
 Cianose, aumento da demanda de oxigênio
 Bradicardia, má perfusão
 Hipoglicemia
 Inquietação, irritabilidade, agitação
 Letargia
 Intolerância alimentar
 Acidose
 A pele lesionada aumenta a perda de água e calor; aumenta o
risco de infecção e aumenta o consumo calórico.
 Manter a integridade das camadas da pele para que ela possa
continuar suas funções normais de fornecer uma barreira.
(TAMEZ, 2009; BRASIL, 2011)
 Objetivos a serem alcançados:
◦ Manter a integridade da pele;
◦ Prevenir injúria física e química;
◦ Minimizar a perda insensível de água;
◦ Manter a temperatura estável;
◦ Prevenir infecção;
◦ Proteção de absorção de agentes tópicos.
(TAMEZ, 2009; BRASIL, 2011; ADRIANO, 2009)
 O Ministério da Saúde recomenda:
 Promover limpeza suave com material neutro não tóxico e não
abrasivo;
 Deve-se fazer remoção delicada do sangue da face e cabeça, e
do mecônio acumulado na área perianal, por meio de lavagem
com água.
(BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009;
MARTINS, 2009)
 O Ministério da Saúde recomenda:
 As nádegas e região perianal devem ser limpas com água e
algodão ou tecido macio.
 Deve-se evitar uso de compostos contendo hexaclorofeno.
(BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009;
MARTINS, 2009)
 Para higienização do cordão umbilical, o mais seguro é o uso de
clorexidina ou álcool a 70%.
 Não se deve usar iodo rotineiramente pelo risco de absorção
sistêmica do iodo e surgimento de hipotireoidismo transitório.
 Prevenir infiltração de medicamentos ou soluções endovenosas.
 Monitorar o local da punção.
 Evitar uso de cremes ou loções, salvo quando prescritos.
(BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009;
MARTINS, 2009)
 Manter o RN em incubadora aquecida;
 Usar oxigênio umidificado e aquecido;
 Fixação com base de micropore evitando excesso de
esparadrapo;
 Utilizar sabonetes neutros para não modificar o pH da
pele.
 CUIDADOS COM O BANHO
 O primeiro banho do RN deve ser realizado somente com água,
deixando o vérnix para que seja absorvida naturalmente (até 2
a 4 sem).
 A higiene das cavidades deve ser realizada diariamente.
 Limpeza de sujidades aparentes sempre que ocorrer.
(ADRIANO, 2009)
 CUIDADOS COM O BANHO
 RN < 32 semanas – água esterilizada morna (36ª 37ºC).
 RN < 26 semanas – água esterilizada é fundamental.
 USO DE SABONETE E DERGEMANTE
 O uso frequente pode causar irritação.
 Aumenta o pH da pele (interferindo na proteção).
 Dissolve a gordura da superfície da epiderme.
 Predispõe à secura e descamação da pele.
 FREQUÊNCIA DO BANHO
 Neonatos com peso inferior à 1000g, banha-se com bolas de
algodão e água morna, 2 a 3 vezes por semana.
 O primeiro banho deverá ser realizado quando a temperatura
axilar for igual ou maior de 36,8ºC.
(ADRIANO, 2009)
 Não recomendado o uso de anti-sépticos que contenham álcool a
70% ou álcool isopropril a 70%.
 Não recomendado o uso de polivinilpirolidona (PVPI).
 A clorexidine a 0,5% isolada é mais a recomendada e segura entre
todos os anti-sépticos. ANTISSEPSIA EM PROCEDIMENTO
INVASIVOS
(ADRIANO, 2009)
 CUIDADOS COM O CORDÃO UMBILICAL
 O primeiro curativo umbilical deve ser realizado
empregando-se gaze esterilizada embebida em solução
alcoólica de clorexidine aplicada somente no local.
(ADRIANO, 2009)
MILIUM SEBÁCEO
LANUGO / LANUGEM
VÉRNIX CASEOSA
MANCHA MONGÓLICA CÉFALO-HEMATOMA
IMPETIGO
ERITEMA TÓXICO
Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha

Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
MirnaKathary1
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
MirnaKathary1
 
AULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptxAULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptx
BeatrizWilmann
 
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptxAula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
AnaCarolinaAlves84
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
Farmacêutico Digital
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
JessicaAngelo5
 
QUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptxQUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptx
JessicaAngelo5
 
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.pptPRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
consultingtecnico
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
JessicaAngelo5
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Alexandre Donha
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptxAula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
MarceloSousa567636
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdf
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdfModulo 7 Primeiros Socorros.pdf
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 
Aula 7 Primeiros Socorros.pdf
Aula 7 Primeiros Socorros.pdfAula 7 Primeiros Socorros.pdf
Aula 7 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 
gestantes.pptx
gestantes.pptxgestantes.pptx
gestantes.pptx
leidianerodrigues35
 
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptxcuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
MarcosRicardoLeite
 
2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais
Juanito Florentino
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
SuaMeKksh
 
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
DiegoMenezes36
 

Semelhante a Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha (20)

Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 
AULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptxAULA CURATIVOS.pptx
AULA CURATIVOS.pptx
 
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptxAula - Curativos simples e termoterapia.pptx
Aula - Curativos simples e termoterapia.pptx
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
 
QUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptxQUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptx
 
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.pptPRIMEIROSSOCORROS.ppt
PRIMEIROSSOCORROS.ppt
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptxAula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
Aula 6 - O recem nato e os cuidados de enfermagem.pptx
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdf
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdfModulo 7 Primeiros Socorros.pdf
Modulo 7 Primeiros Socorros.pdf
 
Aula 7 Primeiros Socorros.pdf
Aula 7 Primeiros Socorros.pdfAula 7 Primeiros Socorros.pdf
Aula 7 Primeiros Socorros.pdf
 
gestantes.pptx
gestantes.pptxgestantes.pptx
gestantes.pptx
 
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptxcuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
cuidados ao recem nascido ENFERMAGEM .pptx
 
2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais2º parte da aula sinais vitais
2º parte da aula sinais vitais
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
 
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
Treinamento de Primeiros Socorros.pptIT 17
 

Mais de Gustavo Henrique

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
Gustavo Henrique
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
Gustavo Henrique
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Gustavo Henrique
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Gustavo Henrique
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
Gustavo Henrique
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Gustavo Henrique
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Gustavo Henrique
 
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionaisAula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Gustavo Henrique
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Gustavo Henrique
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
Gustavo Henrique
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Gustavo Henrique
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Gustavo Henrique
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Gustavo Henrique
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
Gustavo Henrique
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Gustavo Henrique
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
Gustavo Henrique
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Gustavo Henrique
 

Mais de Gustavo Henrique (20)

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 3
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 2
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 1
 
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetriciaAula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
Aula 6 -_mecanismo_do_parto__classificacao_de_risco_na_obstetricia
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicosAula 7 -_disturbios_hemorragicos
Aula 7 -_disturbios_hemorragicos
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
 
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionaisAula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
Aula 2 -__fisiologia_da_gestacao__semanas_gestacionais
 
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetalAula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
Aula 5 -_pelve_ossea__estatica_fetal
 
Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
 
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hmAula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
Aula 9 -_complicacoes_puerperais__dm_hm
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundoPsiquiatria no brasil_e_no_mundo
Psiquiatria no brasil_e_no_mundo
 
Exame psiquico
Exame psiquicoExame psiquico
Exame psiquico
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 

Último

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 

Último (7)

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 

Aula 11 -_semio_neonatal_-_manha

  • 1. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde SEMIOLOGIA NEONATAL Docente: Lucas Batista Ferreira NATAL/RN 2018
  • 2.  Laqueadura do cordão umbilical;  Colocar RN sob calor radiante;  Posicionar a cabeça com discreta extensão do pescoço;  Secar superfície corpórea;  Avaliar o ritmo respiratório, a frequência cardíaca e a saturação periférica;  Aplicar Boletim de Apgar;  Vitamina K, vacina BCG e Hepatite B
  • 3.
  • 4.  A Unidade Neonatal surgiu a fim de criar condições para atender às necessidades do RN com algum comprometimento a saúde.  RN de baixo, médio e alto risco
  • 5.  Receber o RN na UTI, avaliando as condições gerais e ao mesmo tempo priorizando o atendimento ao sistema respiratório e cardíaco;  Pesar, quando as condições permitem;  Colocar o RN na incubadora ou berço ambos previamente aquecidos;  Avaliar o padrão respiratório e administrar oxigênio conforme prescrição médica;
  • 6.  Instalar o monitor multiparâmetros e/ou oxímetro de pulso;  Puncionar uma veia ou auxiliar na colocação de cateter umbilical;
  • 7.  Verificar os sinais vitais;  Verificar a glicemia periférica;  Medir comprimento, PC e PT quando as condições permitem;  Administrar medicação prescrita;  Preencher a ficha de identificação do RN e demais impressos.
  • 8.  IDENTIFICAÇÃO DO RN ◦ RN (mãe), cor, sexo, ... ◦ ANTECEDENTES FAMILIARES: Doenças genéticas e infecto- contagiosas ativas.
  • 9.  MÃE: ◦ Condições de saúde da mãe (diabetes, doenças infecciosas, hipertensão arterial, nefropatias, cardiopatias, distúrbios metabólicos, neurológicos e uso de droga).  ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS: Nº de gestações e abortos, tipo de parto, nºde natimortos e nascidos vivos com peso < 2.500g.
  • 10.  Temperatura axilar: 36,5º a 37,5ºC. Manter dentro da zona termoneutra.  Frequência cardíaca: em torno de 120 a 140 BPM. Arritmias e sopros podem aparecer nos 1ºs dias
  • 11.  Pressão arterial: média de 65/45 com 1 a 3 dias de idade (MMII e MMSS deverão ser semelhantes).  F.R.: 40 a 60 irpm (após transição). Observar dificuldade respiratória, gemido, tiragem esternal ou diafragmática
  • 12.  Por idade gestacional: ◦ Pré-termo: <37 semanas ◦ A termo: ≥37 e <42 semanas ◦ Pós-termo: ≥42 semanas  Por peso ao nascer: ◦ Baixo peso: ≤2500g ◦ Muito baixo peso: ≤1500g ◦ Extremo baixo peso: ≤1000g
  • 13.  Pele: ◦ Cor, textura, lanugem, vérnix, lesões, manchas, marcas, tugor, temperatura, equimoses, milia, eritemas, hemangiomas, nevos congênitos e edema.  Cabeça: ◦ Crânio: Simetria, fontanelas, suturas, hematomas subperiósteos, PC, tamanho, etc. ◦ Face: fácies, olhos, orelhas, nariz, boca, reflexo de sucção, etc.  Pescoço: ◦ É curto e simétrico. Checar mobilidade.
  • 14.  Tórax: ◦ Mamilos: observar aumento ou espaçamento ◦ Clavícula: normalmente lisa e uniforme à palpação ◦ Pulmões: normalmente a respiração é abdominal ◦ Simetria  Cardiovascular: ◦ Palpação: palpar todos os pulsos periféricos. Comparar a amplitude dos pulsos dos membros superiores e inferiores. ◦ Ausculta: FC, ritmo e sopros. ◦ Enchimento capilar, cor e perfusão periférica.  Abdome: ◦ Simetria, conformação, presença ou não de distensão, alças intestinais,,presença de massas, RG, parede abdominal, hérnias, visceromegalias. ◦ Exame do umbigo: consistência e presença de vasos.
  • 15.  Geniturinário/reto: ◦ Genitália: masculina, feminina  Reto: Permeabilidade anal, posicionamento em relação a genitália, fístulas ou outras anomalias.  Extremidades: ◦ Simetria, forma de movimento, amplitude, fraturas, deformidades e edemas.  Neurológico: ◦ Reflexos primitivos ◦ Postura ◦ Comportamento
  • 16.  Controle da temperatura corporal em temperatura ambiente;  Boa coordenação sucção-deglutição-respiração  Ganho de peso satisfatório e regular;  Habilidade de manter função cardiorrespiratória estável e sem evidências de apnéia ou bradicardia na semana anterior (sem uso de medicação).
  • 17. Centro de Ensino Profissionalizante do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde CUIDADOS COM A PELE DO RECÉM- NASCIDO NATAL/RN 2018
  • 18.  Pré-termo: pele fina, transparente, avermelhada, com veias e vênulas visíveis; presença de lanugem cobrindo todo o corpo.
  • 19.  A Termo: pele mais espessa e mais rosada, diminui quantidade de vasos visíveis; lanugem apenas nos ombros.
  • 20.  Pós-termo: espessa, com fissuras e descamação, poucos ou nenhum vaso visível; raramente aparece lanugem; por vezes é tinta de mecônio.
  • 21.  Proteção física: serve de barreira química, mecânica e biológica.  Regulação (Termorregulação): regulação e manutenção da temperatura corporal com equilíbrio hídrico.  “Órgão” sensorial: estímulos táteis, térmicos e dolorosos.
  • 22.  Propriedades Imunológicas: propriedades bactericidas.  Propriedades de Renovação  Produção de vitaminas
  • 23.  Os neonatos perdem calor facilmente porque a superfície corporal é relativamente grande e a camada de gordura subcutânea é fina e não oferece isolamento suficiente.  O controle térmico depende da IG, da idade pós-natal, do peso de nascimento e das condições clínicas do RN.
  • 24.  Recém-nascidos tentam ganhar calor através: ◦ Aumento da taxa metabólica; ◦ Metabolismo da gordura marrom; ◦ Aumento do tônus motor; ◦ Vasoconstricção.  Dificuldades para gerar calor por: ◦ Menor isolamento; ◦ Superfície de contato maior em relação ao peso; ◦ Reserva de energia limitada; ◦ Menor controle da regulação de sua temperatura.
  • 25.
  • 26.  Alteração de temperatura corporal  Apnéia, taquipnéia, dificuldade respiratória  Cianose, aumento da demanda de oxigênio  Bradicardia, má perfusão  Hipoglicemia  Inquietação, irritabilidade, agitação  Letargia  Intolerância alimentar  Acidose
  • 27.  A pele lesionada aumenta a perda de água e calor; aumenta o risco de infecção e aumenta o consumo calórico.  Manter a integridade das camadas da pele para que ela possa continuar suas funções normais de fornecer uma barreira. (TAMEZ, 2009; BRASIL, 2011)
  • 28.  Objetivos a serem alcançados: ◦ Manter a integridade da pele; ◦ Prevenir injúria física e química; ◦ Minimizar a perda insensível de água; ◦ Manter a temperatura estável; ◦ Prevenir infecção; ◦ Proteção de absorção de agentes tópicos. (TAMEZ, 2009; BRASIL, 2011; ADRIANO, 2009)
  • 29.  O Ministério da Saúde recomenda:  Promover limpeza suave com material neutro não tóxico e não abrasivo;  Deve-se fazer remoção delicada do sangue da face e cabeça, e do mecônio acumulado na área perianal, por meio de lavagem com água. (BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009; MARTINS, 2009)
  • 30.  O Ministério da Saúde recomenda:  As nádegas e região perianal devem ser limpas com água e algodão ou tecido macio.  Deve-se evitar uso de compostos contendo hexaclorofeno. (BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009; MARTINS, 2009)
  • 31.  Para higienização do cordão umbilical, o mais seguro é o uso de clorexidina ou álcool a 70%.  Não se deve usar iodo rotineiramente pelo risco de absorção sistêmica do iodo e surgimento de hipotireoidismo transitório.  Prevenir infiltração de medicamentos ou soluções endovenosas.  Monitorar o local da punção.  Evitar uso de cremes ou loções, salvo quando prescritos. (BRASIL, 2011; TAMEZ, 2009; MARTINS, 2009)
  • 32.  Manter o RN em incubadora aquecida;  Usar oxigênio umidificado e aquecido;  Fixação com base de micropore evitando excesso de esparadrapo;  Utilizar sabonetes neutros para não modificar o pH da pele.
  • 33.  CUIDADOS COM O BANHO  O primeiro banho do RN deve ser realizado somente com água, deixando o vérnix para que seja absorvida naturalmente (até 2 a 4 sem).  A higiene das cavidades deve ser realizada diariamente.  Limpeza de sujidades aparentes sempre que ocorrer. (ADRIANO, 2009)
  • 34.  CUIDADOS COM O BANHO  RN < 32 semanas – água esterilizada morna (36ª 37ºC).  RN < 26 semanas – água esterilizada é fundamental.
  • 35.  USO DE SABONETE E DERGEMANTE  O uso frequente pode causar irritação.  Aumenta o pH da pele (interferindo na proteção).  Dissolve a gordura da superfície da epiderme.  Predispõe à secura e descamação da pele.
  • 36.  FREQUÊNCIA DO BANHO  Neonatos com peso inferior à 1000g, banha-se com bolas de algodão e água morna, 2 a 3 vezes por semana.  O primeiro banho deverá ser realizado quando a temperatura axilar for igual ou maior de 36,8ºC. (ADRIANO, 2009)
  • 37.  Não recomendado o uso de anti-sépticos que contenham álcool a 70% ou álcool isopropril a 70%.  Não recomendado o uso de polivinilpirolidona (PVPI).  A clorexidine a 0,5% isolada é mais a recomendada e segura entre todos os anti-sépticos. ANTISSEPSIA EM PROCEDIMENTO INVASIVOS (ADRIANO, 2009)
  • 38.  CUIDADOS COM O CORDÃO UMBILICAL  O primeiro curativo umbilical deve ser realizado empregando-se gaze esterilizada embebida em solução alcoólica de clorexidine aplicada somente no local. (ADRIANO, 2009)