Caderno de coco ped

1.540 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.540
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno de coco ped

  1. 1. Primeira Prova de Pediatria 2011.2Transcrições do Caderno de Vinícius CarruegoPor: Daniela Campos, Francisco Bastos, Thaizza Correia e Vanessa Boeira1ª AulaDaniela Campos  A termo: 37 semanas – 41 semanas e 6 dias  Peso: 3200g/3400g - Peso insuficiente: 2500 – 2999 g - Baixo peso: < 2500  Estatura: 46 – 54 cm  Perímetro cefálico: 33 – 37 cm  O crescimento e o desenvolvimento são as principais características da criança.  Pacientes: Recém-nascido, lactente, pré-escolar, escolar, adolescente.  Aspectos Físicos, psíquicos, socioeconômicos, culturais, família, comunidade  Pele e fâneros: eritema tóxico, vérnix caseoso, millium (região mentoniona, nariz), mancha mongólica (normalmente em região sacrococcígea  desaparece a partir do 1º ano de vida), lanugo (desaparece na 1ª semana de vida).  No bebê a termo, a unha ultrapassa o leito ungueal  Cabeça: - Pode haver deformidades por passar pelo sinal do parto - Simetria; orelha (apêndice auricular, implantação, assimetria); fontanela anterior e posterior, olhos (teste do olhinho para avaliar catarata e retinoblastoma), boca (olhar língua, fenda palatina, dente, desvio de comissura) e nariz (permeabilidade das narinas). - Oftalmoscopia  faz parte do exame físico do recém nascido  o pediatra que faz.  Examinar pescoço (observar torcicolo congênito), clavícula (palpar para observar fraturas),  Tórax: simetria, expansibilidade, mamilo - O mamilo vai dar idéia de idade gestacional - Há doenças cromossômicas que o bebê a termo não tem o mamilo. - FR: 30 a 40 ipm - MV: limpo 3hs após o parto - PA: 80x40; FC: 120 – 160 - Sopro Sistólico suave no REE  Abdome: globoso, flácido, RHA presentes. Observar cordão umbilical: 2 artérias e 1 veia. Pode-se palpar fígado (até 2 cm do rebordo), baço (até 1 cm do rebordo) e rins.  Palpar pulso femoral.
  2. 2.  Genitália Masculina: rafe mediana, bolsa escrotal enrugada, fimose fisiológica. Testículos devem migrar até o 1º ano de vida. Pode haver algum grau de hidrocele (desaparece depois em 6 meses).  Genitália Feminina: uma secreção branca as vezes é normal (relacionada ao estrógeno materno)  Pé do recém nascido: dá idéia de idade gestacional (pé liso é de prematuro!).  Extremidades: Manobra de Ortolani (clique quando há uma abdução e uma flexão da articulação coxo-femoral) e/ ou assimetria de prega glútea indica displasia de quadril. Se os dois estiverem juntos o diagnóstico clínico é firmado. Se apenas um estiver presente é necessário fazer ultrassom.  Neurológico: Postura; reflexo de Moro: centralização das extremidades; reflexo da marcha, preensão palmar e plantar Atendimento em sala de parto  Anamnese: Idade materna, antecedentes familiares, grupo sanguíneo, medicações, data da última menstrução (padrão ouro para idade do bebê), fumo, exames complementares (sorologias, ultrassonografias).  Nascimento: quando há o clampeamento do cordão.  Humanização na sala de parto/ alojamento conjunto.  Boletim de Apgar.  Clampeia o cordão há 2 cm da pele.  Fazer exame da placenta.  Teste do pezinho (triagem neonatal): 3-5 dias  Triagem auditivaTriagem Neonatal (TN)  Triagem neonatal: modificar história natural de doenças graves -Teste do pezinho: realizado entre o 3º e 5º dias - Triagem auditiva  Prevenção: - Primária: pré-concepcional - Secundária: pré-natal - Terciária: pós-natal  Objetivo: - Desenvolvimento de ações de TN em fase pré-sintomática - Acompanhamento e tratamento das doenças congênitas detectadas - Promover acesso, incremento e qualidade - Modificar o desfecho de doenças graves  Doenças incluídas no teste do pezinho (o que o governo banca): - Fenilcetonúria - Hipotireoidismo congênito - Anemia falciforme (a mais importante) - Fibrose Cística  Estrutura do serviço:
  3. 3. - Fase I: HC e PKU - Fase II: HC, PKU, hemoglobinopatias. - Fase III: HC, PKU, hemoglobinopatias, FC.  Outras doenças incluídas na portaria (n são feitas comumente): Hiperplasia adrenal congênita, galactosemia, aminoacidopatias, deficiência de G6PD  Pontos importantes - Coleta precoce (3º a 7º dias) - Processamento rápido (48 – 72hs)  se for observado alguma alteração , repete-se o teste - Busca ativa dos casos positivos - Agilidade e eficiência na investigação confirmatória, permitindo o início do tratamento em tempo hábil - Atenção!: Prematuridade (imaturidade hepática Falso positivo)PKU  Deficiência da fenilalanina hidroxilase (que a transforma em tirosina)  acúmulo de fenilalanina que é tóxica ao cérebro  Consequências: - Atraso no DNPM - Deficiência mental grave - Distúrbios de comportamento - Convulsões  1:1600  Tratamento: como Phe é um aminoácido essencial, basta controlar a dieta. - Fórmula metabólica isenta de Phe - Início: 15 dias de vida - Rigoroso até 3 anos, mas deve ser seguida por toda a vida - O tratamento é benéfico em qualquer idade - BH4 (cofator para quem ainda tem enzima residual); reposição enzimática: caro  Mães PKU ou HPA benigna: anomalias fetais (microcefalia, cardiopatia, RM grave, heterozigóticos com mutação)  Manter Phe < 4 na pré-concepçãoHipotireoidismo Congênito  Definição: Distúrbio metabólico sistêmico devido a insuficiência na produção ou secreção de hormônios tireoidianos. - Defeitos anatômicos, funcionais ou genéticos (herança autossômica recessiva) - Esporádicos - Familiar - Associação com Síndrome de Down  Diagnóstico: aumento de TSH e baixos níveis de T4 - Deficiência mental, baixa estatura, cretinismo - Incidência: 1: 1367  Tratamento: - levotiroxina diária (ideal com menos de 3 dias) - acompanhamento laboratorial - Tardios: Acompanhar crescimento, performance e saúde geral
  4. 4. HEMOGLOBINOPATIAS  Anemia falciforme tem distribuição regional  Prevalência de heterozigotos  Incidência: 1:617  Diagnóstico qualitativo (tipo de hemoglobina) - Normal: Hemoglobinas F (alto no recém nascido e muito pouco no adulto) e A (é a predominante no adulto) - Traço: Hemoglobinas F, A e S - Falcemia: Hemoglobinas F e S  Heterozigoto para anemia falciforme é saudável. Sintomas em altitudes > 4000m  Talassemia também pode ser detectada no teste do pezinho  Diagnóstico precoce diminui morbimortalidade  Taxa de mortalidade nos primeiros 5 anos é de 3%.  Recomendações: - Profilaxia contra infecções e treinamento familiar - Imunização: anti-pneumocócica, HIB, anti-meningocócica, anti-influenza - Penicilina ProfiláticaFIBROSE CÍSTICA  Comum em caucasianos  Detecção precoce com impacto no prognóstico  Diagnóstico clínico e laboratorial com falhas  Necessidade de exames confirmatóriosATENÇÃO!!!  Um resultado ALTERADO não significa um diagnóstico  O laudo entregue é o definitivo, já foi confirmado  Um resultado normal não garante que não apresente nenhum problema NOTA:
  5. 5. ____________________________________________________________PrematuridadeThaizza Correia_______________________________________________________________________Incidência:8-10%EUA: 12% dos nascimentos 2% < 32 semanas de IGBrasil-USP, 1998: Berçário anexo a maternidadeBahia 10-13% dos nascimentosOMS: Até 36 semanas e 6 dias (abaixo de 37 semanas)Prematuro: todo bebê com menos de 38 semanas ?? essa eh boa mas não é considerada??Quanto à idade gestacional RNPT tardio: 34 a 36 semanas e 6 dias RNPT moderada: 31 a 33 semanas e 6 dias RNTP extremo: 23 a 30 semanas e 6 diasAbaixo de 23 semanas não reanima RN baixo peso: 2500g RN muito baixo peso: 1500g RN baixíssimo 1000gMelhor método para descobrir IG: última menstruação Postura Ângulo do punhoPontuação de Ballard Retração do braço Ângulo poplíteo Sinal do Cachecol Calcanhar - OrelhaCaracterísticas dos Prematuros Pele Lanugo (muitos pelinhos) Não tem pregas plantares Aréola Pavilhão auricular sem cartilagem pavilhão auricular não muda
  6. 6. Genitália: pode haver genitália ambíguaHá a curva que avalia idade gestacional com o peso ao nascer! Nesse caso o bebe é adequadose estiver entre o percentil 10 e 90! Pode ter resultado de bebê adequado e de baixo peso aonascer ao mesmo tempo.Fatores Epidemiológicos Baixo nível socioeconômico Más condições de higiene Nutrição inadequada Raça negra Gravidez na adolescência Gravidez indesejada Fumo, drogas e pré-natal inadequado Prematuridade anteriorFatores Obstétricos Infecção urinaria Alterações hormonais Ruptura de Incompetência do istmo cervical SangramentoFatores Maternos idade materna atividade materna doença materna infecçõesfatores fetais restrição do crescimento intra uterino hidropsia má formaçãoProblemas da Prematuridade Termorregulação inadequada Grande superfície corpora l  principalmente na cabeça Ausência da camada de gorduras  ausência de gordura marrom: isolante térmicaSistema Respiratório: Deficiência da qualidade e quantidade de surfactante Depressão perinatal transitória Síndrome do desconforto respiratório Apneia Displasia broncopulmonar Síndrome do desconforto respiratório: doença das membranas hialinas
  7. 7. Sistema Cardiovascular o Sopro em locomotiva Persistência do canal lateral o Precórdio hiperdinâmico o Pulsos amplos  falta de perfusão periféricas Hipotensão o Hipovolemia o Disfunção cardíaca o Vasodilatação secundaria à sépse o Uso de drogasDistúrbios Metabólicos Hipo e hiperglicemia Hipocalcemia Depósito de glicogênio e engorda é feito Hipomagnesimia no 3º trimestre Acidose metabólica Aumento do catabolismo proteico Doença metabólica óssea de prematuridadeSistema Gatrointestinal Risco para Enterocolite Necrosante Motilidade diminuída Volume gástrico diminuído Tempo de esvaziamento gástrico aumentado Refluxo gastroesofágico Sucção e deglutição débeisAlterações Hepáticas Hipoproteinemia Conjugação deficiente de bilirrubina Icterícia mais acentuada Maior chance de Kernicterus Diminuição de Transaminases?Alterações Renais Imaturidade renal (< 35 semanas) Filtração glomerular diminuída Inabilidade para manipular volume e eletrólitosAlterações Hematológicas Anemia (iatrogênica) Diminuição dos fatores de coagulação Maior fragilidade capilar
  8. 8. Nutricional Dieta leite materno Nutrição parenteralAlterações imunológicas ImunocompetentesAlterações Neurológicas Imaturidade dos reflexos Regulação inadequada do fluxo sanguíneo cerebral Hemorragia intracraniana Leucomalácia periventricular??!! Asfixia perinatalRetinopatia da Prematuridade Retina imatura Uso de oxigênioDéficit AuditivoHérnias Inguinal  cirurgia Umbilical  aguardar até os 2 anosControle Térmico Alimento ideal  Leite materno Gorro Toca Pode acrescentar leite materno Reanimar em saco plástico + fortifireSuporte Ventilatótio  evitar pressões elevadas surfactante exógeno xantinapersistência do canal arterial Oxigenação adequada Restrição hídrica e diuréticos Antagonistas de prosntaglandinas  ibuprofeno ou indometacina Ligadura cirúrgicaO prematuro tem mais água corpórea que o bebê a termo
  9. 9. Hiperbilirrubinemia Avaliação rigorosa Fototerapia Exanguineotransfusão Chance de KernicterusInfecção:Lesões cerebrais  Se forem primárias do cérebro o prognostico é pior do que se foremsecundarias Sempre fazer EEGCritérios pra Alta Ausência de apneia e bradicardia Coordenação de sucçãoTriagem Neonatal  Fazer o teste do pezinho: Não pode ser feito enquanto há nutrição parenteral NOTA:
  10. 10. Aleitamento MaternoThaizza CorreiaA criança deve receber só leite materno ate os 06 mesesA cidade do Brasil que mais faz o aleitamento exclusivo é feira de Santana  45,40%Risco de mortalidade associado a ausência de aleitamento maternoHipertensão, dislipidemia, sobrepeso e obesidade estão associados à ausência de aleitamentomaternoLeite materno  proteção imunológica, psicológica, afetiva, bom desenvolvimento docoeficiente de inteligênciaMenor risco de desenvolver algumas patologias (otite, obesidade, diabetes, dermatite atópica,diarreia, infecção respiratória)A criança que mama raramente adoece e quando adoece, adoecem de forma mais brandaO aleitamento beneficia também a mãe  diminui sangramento, risco de câncer de mama, éum método contraceptivo e é econômicoComponentes do LM: IgA secretora Lactoferrina Flora da criança amamentada é diferente das não amamentadas Oligossacarídeos Células Citocina Enzimas AntioxidantesA amamentação é o fator mais importante que todos os fatores de vacina, infra estrutura eetc.Em pacientes com HIV a amamentação é contra indicadaSe a criança for amamentada ainda na sala de parto ela tem maior chance de mamar maistempoA mama depende da pega  o pediatra tem que ver a mãe amamentando  pode darcomplicações na mamaA amamentação tem que ser livre demandaNa mamada seguinte a mama tem que ser no último peito da mamada anterior
  11. 11. Muito leite no peito inibe a produção de leiteOcitocina atua na liberação do leite  reflexo de afeto, do ato de sugar Relaxamento estimula a sua liberaçãoMães desnutridas produzem um leite quase igual a mães eutróficaObservar 3 pontos: Posicionamento Pega Mãe confortável, corpo e cabeça alinhados, manter a barriga da criança em Reflexo contato com a barriga da mãe, tem que pegar os seios em formato de CReflexo de busca e apreensão, reflexo de sucção e reflexo de deglutiçãoO queixo do bebê toca a mama! Lábio inferior para fora e a criança deve aboconhar todo omamilo  A aréola não tem que aparecerÉ importante o completo esvaziamento das duas mamas  o bebê precisa mamar o leiteanterior e o posteriorApós a mamada colocar o bebê para arrotarMonitorar crescimentoPode evacuar todas as vezes que mamam ou com intervalos longosOferecer leite humano por sondaFavorecer sucções não nutritivasDepois de 35 semanas todos devem ser amamentados < 32 semanas  avaliar se ele já possui os reflexos para deglutirContraindicação de Amamentação Uso de antimetabólicos Abuso de Drogas Tuberculose não tratada (bacilifera) HTLV e HIV Varicela-zoster Doenças graves e debilitantes Psicose Hanseníase Doenças de chagas, Leptospirose, brucelose, listerioseO leite pode ser conservado em geladeira por 24 horas, congelado por 5 dias e no freezer por20 dias Se for pasteurizado pode ficar no freezer por 6 meses
  12. 12. Se o leite for dado em outras refeições dar no copoHepatite B e C, febre, fumo, álcool, icterícia e hiperbilirrubinemia, e mães de idade a termocom CMV, tem que amamentarSuplementos, chupetas e mamadeira devem ser evitadosAmamentar de 8 a 12 vezes por diaLeite integral  não é apropriado para o primeiro ano de vidaAlbumina e IgA são os mais encontrados no leite maternoLeite de vaca  inadequado de conteúdo de ca+, k+, o leite humano é o que menos temcaseínaNutrição adequada diminui 30% da mortalidade infantilwww.sbp.com.br  Amamentação muito mais que alimentar  Questão de prova!! NOTA:
  13. 13. Anemia na InfânciaFonte: Caderno de CocoTranscrição: Vanessinha e Kikoso ♥ O nível de hemoglobina varia de acordo com a idade. ♥ OMS: anemia ocorre com Hb< 11 g/dl (5 meses a 6 anos) ♥ Varia com a raça, altitude, prática esportiva, estado nutricional ♥ Até o nascimento a hematopoiese ocorre no saco vitelino. De 6 a 8 semanas ocorre no fígado; na Medula a partir do segundo semestre. O teste do pezinho não pode ser feito em bebês muito prematuros pois eles tem muita hemoglobina fetal e pouca Hb beta.Anemia fisiológica do nascenteNo útero há uma hipóxia relativa, no nascimento há uma hiper-oxigenação e tem anemia!Depois que a eritropoetina é produzida: ocorre entre as 6 e 8 semanas no bebê a termo e na4ª semana no pré-termo.♥ A eritropoetina é produzida no fígado do bebe ate nascer.☺Hb fetal deixa a heme grandePeseudoanemia na gravidezPsedudofibrocitose e hemoconcentrado ♥ Parâmetros: RDW: índice de anisocitose VCM: volume corpuscular médio CHCM: cor da hemácia HCM:! Reticulócitos: anemia por sangramento e hemólise  Tem que corrigir os reticulócitos de acordo com o Htc e ver se ele está perdendo, hemolisando ou não produzindo.  Baixa produção, falência medular, diminuição da produção de eritropoetina, carencial.  Eritropoiese ineficaz  Aumento da destruição : ceftriaxona  Perdas agudas ou crônicas☺Micrócitos: deficiência de ferro, talassemia, intoxicação aguda por chumbo, anemiasideroblástica, doenças crônicas.☺Anemias macrocíticas: deficiência de B12, ác fólico, aplasia, doença hepática,hipotireoidismo e neoplaisas☺Anemias normocíticas: congênitas (menos as talassemias),perdas agudas, seqüestroesplênico e doenças crônicas!!! Esfregaço do sangue periférico: corpos de Howell-jolly: criança não tem baço =/☺Período neonatal: prematuridade, perdas, hemólise, infecções, esferocitose. 3 e 6 meses: Anemias congênitas, carencial 6-9 meses: carencial, congênitas, doenças crônicas
  14. 14. Neurofibromatose: perda de sangue dá anemia!Medir a pressão dos pcts porque alguns podem ter insuficiência renal não oligúrica! Menos de 6 meses Hemograma Reticulócitos Baixo= Alto défict de (?) produção supressão Anemia por aplásica drogas♥Crianças com anemia ferropriva crescem normais, mas podem ter déficit neurológico: pediresfregaço de sangue periférico.♥Na anemia ferropriva, no início o VCM está normal!→ O corpo, mesmo em anemias congênitas poupa ferro, o que pode ser perigoso. Tem que tercuidado com o ferro reposto para não fazer hemossiderose. Se suspeitar de anemia falciforme,pedir eletroforese de proteínasAnemia de doença crônica: ferritina altaAnemia de deficiência de ferro: ferritina baixa NOTA:
  15. 15. Desenvolvimento e DNPNFonte: Caderno de CocoTranscrição: Vanessinha e KikosoDesenvolvimento e transtornos neuropsiquiátricos  Autismo aumentou em 2000% em 100 anos!  25 a 30% das crianças ficam aptas a viver em comunidade  Mortalidade infantil caiu em 70,9 de óbitos por mil em 1984 para 32,7 por mil em 2001  Bem estar e qualidade de vida das ciranças  A principal causa de inteligência limítrofe e de RM true é ambiental  Relação entre a escolariade da mãe e o QI da cirança!☺A criança que está na fase sensoriomotora é a que está se desenvolvendo maisrapidamente: intelectual, motricidade e sensibilidade.O desenvolvimento é crânio-caudal: 3 meses: sustenta o pescoço 6 meses: senta 9 meses: engatinha 12 meses: anda! 1-3 anos: fica de pé 4-5 anos: pula de um pé 6-11 anos: anda de bike A laterização da cirança destra ou canhota é importante!O destro é o hemisfério esquerdo quem comanda e a linguagem está no HE, por essehemisfério esquerdo é maior (Coco escreveu isso, mas pra Vanessinha é pq é o hemisfériocomandante... não existe essa relação de hemisfério maior e sim de dominância!)Problemas na lateralização podem dar dificuldade de aprendizado, de ler, etc!Os transtornos do desenvolvimento ocorrem mais no canhotoA maioria dos canhotos tem o lado esquerdo como o da linguagem, mas 15% tem o ladodireito dominante.Pessoal-social→Brincar muito importante e a criança tem abstração (ti fofis! ;)→Mamar sem olhar nos olhos da mãe, o bebe não brinca, não devolve a bola, não correquando dá um susto= risco para ser autista!Emoções  Resolução das crises de birra por volta dos 3 anos: maior controle emocional  A partir dos 6 meses faz a leitura do rosto da mãe!  O autista mantém birra por toda a infância!  Sorriso-reflexo: recém-nascido
  16. 16.  Sorriso reativo: 2 meses  O mais simpático com 4 meses pq não reconhece e sorri pra td mundo! ( é Coqueiro todo...)  Sentimento de culpa: 2 anos  Medo de animais, pesadelos e trovões: 3-5 anos  Medo de machucar-se: 6 a 10 anos  Ansiedade social : Adolescência Linguagem oral  1ª fase 0-12 meses: pré verbal “mamá”, “papá”  2ª fase de 1-5 anos: verbal  1 ano e 3 meses: associa palavras  1 ano e 6 meses: frases não gramaticais  3ª fase 5 anos: Linguística Amor, raiva, dúvida, se vc não ensinar uma linguagem de símbolos para as crianças mudas esurdas elas vão apresentar retardo mental! Nunca vão saber o que é isso =/Autistas tem conhecimento, mas não sabem associar!Pessoas inteligentes usam mais palavras e menos gestos para se expressarem!Apontar é fundamental para o bebê, o autista não faz isso!Paralisia Cerebral1º trimestre: → Hipotonia cranial → Resposta extensora → Mãos fechadas → Hipertonia de MMI → Artelhos (calcanhares) em hiperextensão ou muito fletidos → AssimetriaTDAHO diagnóstico só pode ser feito a partir dos 6 anosEsquizofrênico7 anos, não brinca muito com os colegas, medo de ET, não sabe ser simpático, não temempatia ( o gênio é assim, estudou muito pro vestibular e fez surto psicótico!) NOTA:
  17. 17. CrescimentoFonte: Caderno de CocoTranscrição: Vanessinha e KikosoCrescimento Desenvolvimento éAumento do tamanho corporal Mais complexo!!!Hipertorfia e hiperplasia celularAvaliação por medidasmaturação celular e diferenciação Oferta alimentar, ação hormonal, fatores genéticos (o mais importante!!!!), influência pscico-social e ambiental ( falta de banho de sol, atividade física, drogas que a mãe usou na gestação, etc.).Medidas:→Peso, altura, perímetro cefálico (entre a glabela e proeminência occipital), torácico(intermamilar), IMC, perímetro abdominal (sobre a cicatriz umbilical). A circunferência abdominal é o ponto médio entre a CI ântero-superior e o RC. ♣ Estadiômetro: aparelho que mede o bebê deitado, nos dando o comprimento. ♣ Estatura: envolve o comprimento e a altura (mede em pé)! ♣ Perímetros, segmentos, envergadura e peso. ♣ Longitudinal x Transversal De 28 dias a 2 anosPadrão de referência: percentil e score Z incompletos é lactente!!!Interpretação dos percentisVelocidade do crescimento: padrão-ouroHá medidas em libras e polegadas→Quando uma criança está no percentil 5 o peso é maior que 5% das crianças de mesmaidade e sexo!→A referência é uma curva CDC que envolvem diversos países. O percentil 50 é a mediana!No escore z = zero é o percentil 50. É a melhor curva, disparadamente, para analisarmoscrescimento! >+3 : obesidade +2 a +3= sopbrepeso +2 e + 1 = risco de sobrepeso +1 e -2: IMC normal -2 e -3: magreza <-3: magreza acentuada Escore Z: a curva dá mais segurança para investigar a criança!
  18. 18. ♣ Para avaliar crescimento é peso, estatura, perímetros e IMC. ♣ Registrar no cartão e depois analisar a curva!!!Peso:Peso ao nascer: +/- 3250 gPrimeiros 7 dias: perda hídrica de 5 a 10% do peso4 primeiros meses: ganho de 25 a 30 g por diaDuplica de peso no 5º mês de vida Em relação aoTriplica o peso com um ano peso que nasceu!Quadruplica de peso com 2 anosAté a puberdade ganho de 2 a 3 kg por ano ♣ Criança com peso superior ao +2 no escore z: peso elevado ♣ Criança entre o +2 e o -2: peso normal (só não é válido para IMC) ♣ Criança entre o -2 e o -3: magro ♣ Criança menor que -3: peso muuito baixo!Estatutra:  Estatura ao nascer: +/- 50 cm  15 cm nos primeiros 6 meses  10 cm no segundo semestre  Totalizando 25 cm no 1º ano  +12 cm do 12º ao 24º mês + 8 cm do 24º ao 36º mês  A partir do 4º ano de vida: 5-7 cm até a chegada da puberdadePerímetro cefálico:  Perímetro cefálico acima do esperado para a idade!! ( quer dizer o quê mesmo?!)  PC ao nascimento= +- 34 cm na fêmea e 35 cm no macho  Primeiro ano: +12 cm  1º trimestre: 2 cm por mês  2º trimestre: 1 cm por mês  2º semestre: 0,5 cm por mês  A partir do segundo ano: 0,5-1 cm por ano!  Cresce até os 20 anos! ♣ Abaixo de menos 3 e acima de +2, onde são encontradas patologias! (scoreZ) ♣ Os indivíduos nascem entre 38 e 41 semanas e 6 dias. ♣ Para crianças pré-termo, utiliza-se o cálculo corrigido. ♣ O lactente tem até os 2 anos para normalizar a curva (IMC, estatura e peso) ♣ Sobrepeso: entre 85 e 95 ♣ Obesidade: acima e 95 Nota:
  19. 19. Refluxo gastro-esofágicoFonte: Caderno de CocoTranscrição: Vanessinha e Kikoso → Aumento da pressão intra-abdominal → Liberação de neurotransmissores → Esvaziamento gástrico lento → Clearance esofagiano :corre principalmente no esfíncter esofagiano anterior! Fica relaxado sem correlação com a deglutição. → RGE: passagem involuntária do conteúdo gástrico para o esôfago. → Regurgitação: conteúdo sai do estômago para a boca sem contrações musculares. Gofar é normal, o vomitador feliz é normal (se ganha peso e dá risada, então é feliz, não precisa fazer nada!)FsiológicoPatológico:Primário, secundário e ocultoSintomas: → perda de peso, desconforto, não sorri, não dorme bem!RGE secundário:  Pseudo-obstrução intestinal  Hérnia hiatal  Pâncreas anular  Atresia de esôfago  Alergia alimentar  Fibrose cística  Distúrbio neurológico  Úlcera gástrica duodenalManifestações esofágicas: Esofagite e carcinomaExtra-esofágicas: Desnutrição, respiratórias, e otorrinonaringológicasLactentes e Crianças maiores: Grupo de risco: neuropatas, atresia de esôfago, portadores de doença, obesas, pcts em quimioterapiaLactentes → Vômitos e regurgitação → Choro → Cólica
  20. 20. → Apnéia, estridor → Síndrome da morte súbita → Hematêmese / melena → Síndrome de Sndeffler: refluxo, esofagite e irritabilidade; hiperextensão do pescoço para aliviar o esôfago!Na criança maior: → Dor epigpastrica, náuseas, regurgitação, vômitos, anorexia, pirose, dor torácica.  5 mecanismos do refluxo gerando doenças respiratórias: → Micro e macroaspiração → Acidificação traqueal → Estímulo esôfago-brônquico (há o refluxo não ácido por sais biliares) → LaringiteFatores de risco:Medicamentos: anticonvulsivantes, corticoides, broncodilatadores, teofilina, morfina,bloqueadores do canal de cálcio!Anamnese complementar do RGE: → Soluços freqüentes → Salivação excessiva → Geme dormindo → Chora muito → Prefere dormir de bruçoes → Mãe ouve barulho do leite caindo no estômago → Sono agitado → Pigarro → Eructações freqüentes → Ruminação → Cabeça em posição inclinada → Torcicolos → Tosse → Obstrução nasal → IrritabilidadeDiagnósticoHistóriaEREED: exame radiográfico contrastado do esôfago → Avalia alterações anatômicas e também o clearance → Alta sensibilidadeCinitilografia gastro-esofágica: → Detecção de aspiração pulmonares e esvaziamento gástricoLaringoscopia
  21. 21. Ph metria: → Padrão-ouro, diferencia do refluxo patológico, → correlação com os sintomas como a tosse, sintomas atpipicos e pesquisa de refluxo oculto, → avaliar resposta de tto clínico e cirúrgico!EDABroncoscopiaEsvazaimento gástrico com radioisótopoMonometria esofágica: nao faz na criança!!!Impedanciometria: vê se o refluxo é ácido ou básicoBilirrubinas no esôfago! Criança faz endoscopia com anestesia geral! Pedir biopsia do esôfago, duodeno estomago! Todo pct com esofagite tem refluxo! Se não melhorou com o tto habitual tem que ver se o refluxo não é alcalinoTratamento:Psotura: 30 min em pé após cada refeição!Dieta: - volume e + freqüência, evitar alimentos ácidos ou que diminuam o tônus do EEIPró-cinéticos: aumentam o esvaziamento gástrico! Domperidona: primeira escolha, causa cólica Metoclororpramide branmoprimidaAnti-acidos: só funcionam na hora que são aplicadosInibidores de secreção ácidaBloqueadores dos receptores de H2: 2mg/kg/dia Ranitidina: 5 a 10 mg/kg/dia VOInibidores da bomba de próton: Omeprazol: 0,5 a 2 mg/kg/dia# Tempo de uso : 2 a 3 mesesCirurgia: fundoplicatura aberta ou por vídeo.# não se opera antes dos 5 anos!Indicações para cirurgia: → Estenose de esôfago secundaria ao RGE → Pcts com necessidade de gastrostomia → Neuropatas → Hérnia hiatal → Esôfago de barret → Refratariedade ao tto clínico em crianças maiores de 5 anos → Falha terapêutica em pcts com risco de vida em qualquer idade → Apnéia do sono! Nota:
  22. 22. Alimentação no 1º ano de vidaCaderno e transcrição: Daniela Campos =]_____________________________________________________________________________  Tipos de aleitamento materno (AM): - Exclusivo: ocasionalmente gotas, xaropes, remédios, vitaminas - Predominante: recebe também outros líquidos (chás, água) - Complementar: recebe outros líquidos ou sólidos  Desmame: introdução de qualquer outro alimento que não seja o leite materno Período de transição alimentar: desde a introdução de outro alimento até a última vez que mama no peito  Objetivo: fornecer nutrientes que complementem aqueles oferecidos pelo leite materno, por meio da introdução de novos alimentos, aumentando gradualmente a consistência e volume, até chegar à alimentação da família.  Alimentação complementar: alimentos ricos em energia e micronutrientes (Fe, Zn, Ca, folato, vitaminas A e C)  Quando começar: 6 meses de idade  Como realizar: - Processo Gradual: quantidade, qualidade e consistência. - Respeitar hábitos alimentares e culturais da família - Observar disponibilidade dos alimentos (regionalidade, variações sazonais, preço de mercado) - Evitar dietas muito diluídas e volumosas: NUNCA liquidificar - Oferecidas com utensílios adequados: colher, copo, prato. - Cuidado com a higiene (a mãe não deve soprar, lamber a colher) - Oferecer diversos alimentos - Durante essa fase a criança continua tomando leite materno  O que se deve usarIdade Energia (Kcal) Frequência Consistência6- 8 meses 200 2x – 3x/dia Amassada9 – 11 meses 300 3x – 4x/dia Branda12 – 24 meses 550 3x – 4x/dia Normal  Sucos e Papas de Frutas: - Laxantes: laranja, mamão, abacate, ameixa - Obstipantes: banana, maçã, pêra, goiaba  Papa salgada: cereais, tubérculos, carnes, legumes, verduras, leguminosas, gordura. - Fase 1: tubérculo + proteína animal + legume + óleo vegetal (ex: batata+ carne + cenoura + óleo de soja)
  23. 23. - Fase 2: tubérculo + proteína animal + legume + verdura + óleo vegetal (ex: mandioquinha + frango + abóbora + espinafre + óleo vegetal) - Fase 3: tubérculo ou cereal + leguminosa + proteína animal + legume + verdura + óleo vegetal  Deve-se iniciar pela papinha de fruta/ suco no intervalo das mamadas pela manhã. Tentar variar a fruta. Quando oferecer papinha de fruta pela manhã, oferecer suco de outra fruta à tarde.  Quando a criança estiver adaptada com as papinhas de fruta, iniciar papinha salgada no horário do almoço. Após a adaptação com a papinha salgada no almoço, introduzir papinha salgada no final da tarde.  Iniciar Sulfato Ferroso profilático Crianças em aleitamento artificial  Leite integral: inadequado para crianças abaixo de 12 meses (baixo ácido linoléico – envolvido no desenvolvimento neurológico; carboidratos insuficientes; vitaminas C, D e E baixos; oligoelementos insuficientes; minerais: Ferro baixo e sódio alto )  Alternativa aceitável: fórmulas lácteas.  Alterações no desmame: - 0 – 4 meses: fórmula láctea - 4 – 6 meses: fórmula láctea + frutas (introduzida mais precocemente) - 6 – 8 meses: igual a qualquer criança com aleitamento materno. Usar no mínimo 500 ml de fórmula infantil /dia.Nota:

×