SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
“Quanto mais próximo do estado primitivo, mais material é
o homem.” (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VI, item 3).
“A carne só é fraca porque o Espírito é fraco.” (KARDEC,
Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII).
“Todos os espíritos partem do mesmo ponto. São criados
simples e ignorantes.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos,
Questão 115).
Naquele tempo, na China, um discípulo perguntou ao Mestre:
- Mestre, qual a diferença entre o céu e o inferno?
E o Mestre respondeu:
- É muito pequena, mas com grandes conseqüências.
E o Mestre explicou:
- Vi um grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento. Ao
redor dele, havia muitos homens, quase morrendo de fome. Eles não
podiam se aproximar do monte de arroz, mas possuíam longos palitos de 2
a 3 metros de comprimento. No entanto, embora conseguissem apanhar o
arroz, não conseguiam levá-lo à boca porque os palitos, em suas mãos,
eram longos demais. Assim, famintos e moribundos, embora juntos,
permaneciam solitários, curtindo uma fome eterna, diante de uma fartura
inesgotável. Meu amigo, isto é o Inferno.
E o Mestre prosseguiu:
- Vi outro grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento. Ao
redor dele, havia também, muitos homens famintos, mas cheios de
vitalidade. Eles, também, não podiam se aproximar do monte de arroz,
mas possuíam longos palitos de 2 a 3 metros de comprimento. Eles,
também, encontravam as mesmas dificuldades para levar à própria boca o
arroz, já que os palitos eram longo demais. Porém, eis a grande novidade:
com seus longos palitos, em vez de levarem à própria boca, eles serviam o
arroz uns aos outros. Dessa forma, numa grande comunhão fraterna,
juntos e solidários, matavam sua fome. Meu amigo, isso é o Céu.
2º - Toda imperfeição é, por sua vez, causa de sofrimento e de
privação de gozo. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII,
item 2).
1º - A alma ou Espírito sofre na vida espiritual as conseqüências
de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na vida
corporal. O seu estado, feliz ou desgraçado, é inerente ao seu
grau de pureza ou impureza. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno,
Cap. VII, item 1).
4º - Deus não repudia nenhum de seus filhos. (KARDEC, Allan, O
Céu e o Inferno, Cap. VII, item 4).
5º - A alma traz consigo o próprio castigo ou prêmio ou, onde
quer que se encontre.
O céu ou o inferno estão por toda a parte, onde existam almas
felizes ou sofredoras. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap.
VII, item 5).
6º - O bem e o mal que fazemos decorrem das qualidades que
possuímos. Não fazer o bem quando podemos é, portanto, o
resultado de uma imperfeição. Se toda imperfeição é fonte de
sofrimento, o Espírito deve sofrer não somente pelo mal que fez
como pelo bem que deixou de fazer na vida terrestre. (KARDEC,
Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 6).
8º - Sendo infinita a justiça de Deus, o bem e o mal são
rigorosamente considerados, não havendo uma só ação, um só
pensamento mau que não tenha conseqüências fatais, como não
há uma única ação meritória, um só bom movimento da alma
que se perca […]. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII,
item 8).
9º - Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida
contraída que deverá ser paga. (KARDEC, Allan, O Céu e o
Inferno, Cap. VII, item 9).
O que provoca o arrependimento sincero?
a) Apaga a falta;
b) Suaviza a falta;
c) Apaga o sofrimento;
d) Suaviza o sofrimento;
16º - O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a
regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a
reparação. [...]
Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as
três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e
suas conseqüências. O arrependimento suaviza os travos da
expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; Só
a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a
causa. [...] (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 16).
=====================================================
Assim, só o arrependimento não basta para apagar a falta. É
preciso: expiar as faltas (cumprir a pena) e reparar o mal
(indenizar o credor);
13º - A duração do castigo depende da melhoria do Espírito
culpado. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 13).
11º - A expiação varia segundo a natureza e gravidade da falta.
(KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 11).
15º - Não há penas eternas. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno,
Cap. VII, item 15).
17º - A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se
havia feito o mal. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII,
item 17).
19º - Não há espírito incapaz de progredir, votado a eterna
inferioridade, o que seria a negação da lei de progresso.
(KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 19).
20º - Quaisquer que sejam a inferioridade e perversidade dos
Espíritos, Deus jamais os abandona.
Espírito deve progredir por impulso da própria vontade, nunca
por qualquer sujeição. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap.
VII, item 20).
29º - Certo, a misericórdia de Deus é infinita, mas não é cega. O
culpado que ela atinge não fica exonerado, e, enquanto não
houver satisfeito à justiça, sofre a consequência dos seus erros.
(KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 29).
21º - Ninguém sofre por erros alheios (a menos que tenha dado
causa ou impelido alguém ao erro). (KARDEC, Allan, O Céu e o
Inferno, Cap. VII, item 21).
1. O Sofrimento é inerente à imperfeição.
2. Toda imperfeição, assim como toda falta dela promanada, traz
consigo o próprio castigo nas conseqüências naturais e
inevitáveis: assim, a moléstia pune os excessos e da
ociosidade nasce o tédio, sem que haja mister de uma
condenação especial para cada falta ou indivíduo.
3. Podendo todo homem libertar-se das imperfeições por efeito
da vontade, pode igualmente anular os males consecutivos e
assegurar a futura felicidade.
A cada um segundo suas obras, no Céu como na Terra: - tal
a lei da Justiça Divina.
Existe uma lenda chinesa que ilustra perfeitamente a necessidade de
dar antes de receber.
Um mendigo vivia em uma rua de uma cidade chinesa e segurava uma
caneca o dia inteiro, pedindo arroz ou qualquer outra coisa que os passantes
tivessem para dar.
Um dia, o mendigo viu um grande cortejo descendo a rua, liderado pelo
imperador em seu imponente riquixá, entregando presentes aos seus súditos. O
mendigo se encheu de felicidade. “Chegou a minha grande oportunidade”,
pensou Woo. “Dessa vez receberei um presente valioso”, e dançou com alegria.
Quando o imperador chegou perto dele, Woo exibiu sua caneca com
grande determinação, mas em lugar de receber o esperado presente do
imperador, sua Majestade pediu a Woo um presente.
O pobre Woo ficou extremamente desapontado e envergonhado; pegou
os dois menores grãos de arroz que conseguiu encontrar em sua caneca e, muito
a contragosto, entregou-os ao imperador, que depois foi embora.
Durante todo o dia, Woo reclamou e resmungou. Censurou o imperador,
culpou Buda, tratou mal os que se dirigiam a ele; e poucas pessoas pararam para
lhe falar ou colocar grãos de arroz em sua caneca.
Nessa noite, quando chegou à sua pobre cabana e derramou seu escasso
suprimento de arroz, Woo encontrou duas pepitas de ouro do tamanho exato dos
grãos de arroz que tinha dado ao imperador.
O Fator Aladim
Jack Canfield e Mark Victor Hansen
Ediouro
Cap. I – Penas e gozos terremos
“O Homem é quase sempre obreiro da sua própria
infelicidade.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, Questão
921).
Cap. II – Penas e gozos futuros
“A reponsabilidade dos atos é a consequência da
realidade da vida futura.” (KARDEC, Allan. O Livro dos
Espíritos, Questão 962).
Um pensamento de ódio ou
ressentimento é um veneno
mental. Não pense no mal para
outra pessoa, pois assim fazer é
pensar o mal para você mesmo.
Você é o único ser pensante em
seu universo e todos os seus
pensamentos são criadores.
(MURPHY, Joseph. O Poder do
Subconsciente).
“Não há cura para as nossas
doenças da alma, quando
nossa alma não se rende ao
impositivo de recuperar a si
mesmo.”
(Bezerra de Menezes).
“Quem não se educa para o bem e
para a verdade e não contribui para
que seu semelhante tenha
condições de se educar, inclusive
pelo seu exemplo pessoal, ainda
não entendeu sua missão aqui na
terra”.
“Se não houver frutos,
Valeu a beleza das flores...
Se não houver flores,
Valeu a sombra das folhas...
Se não houver folhas,
Valeu a intenção da semente.”
(Heinfil).
“Eu sou a luz do mundo. Quem me
segue nunca andará em trevas, mas
terá a luz da vida.” (João, 8:12).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
Dalila Melo
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Graça Maciel
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
Graça Maciel
 

Mais procurados (20)

Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Sócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismoSócrates e platão prec. espiritismo
Sócrates e platão prec. espiritismo
 
Vencendo a morte
Vencendo a morteVencendo a morte
Vencendo a morte
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
 
Motivos de resignação
Motivos de resignaçãoMotivos de resignação
Motivos de resignação
 
Os trabalhadores da última hora
Os trabalhadores da última horaOs trabalhadores da última hora
Os trabalhadores da última hora
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
 
A reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundoA reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundo
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdfO esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
 
CARNAVAL, UMA ABORDAGEM ESPÍRITA
CARNAVAL, UMA ABORDAGEM ESPÍRITACARNAVAL, UMA ABORDAGEM ESPÍRITA
CARNAVAL, UMA ABORDAGEM ESPÍRITA
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 

Destaque

Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
Graça Maciel
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
CeiClarencio
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
meebpeixotinho
 

Destaque (18)

Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
Penas e gozos futuros e duração das penas - n.18
 
Ceu e inferno
Ceu e infernoCeu e inferno
Ceu e inferno
 
Penas e gozos futuros
Penas e gozos futurosPenas e gozos futuros
Penas e gozos futuros
 
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 15 - Penas e gozos futuros
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 2: penas e gozos futuros.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 2: penas e gozos futuros.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 2: penas e gozos futuros.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 2: penas e gozos futuros.
 
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
ESDE - Módulo XVIII - Roteiro 1: penas e gozos terrestres.
 
EADE - O Calvário, a Crucificação e a Ressureição de Jesus
EADE - O Calvário, a Crucificação e a Ressureição de JesusEADE - O Calvário, a Crucificação e a Ressureição de Jesus
EADE - O Calvário, a Crucificação e a Ressureição de Jesus
 
Palestra penas e gozos terrestres
Palestra penas e gozos terrestresPalestra penas e gozos terrestres
Palestra penas e gozos terrestres
 
Natureza das penas e gozos futuros ref
Natureza das penas e gozos futuros refNatureza das penas e gozos futuros ref
Natureza das penas e gozos futuros ref
 
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futurosSegundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
Segundo Módulo - Aula 16 - Penas e gozos futuros
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
 
Palestra a fé e sua vivência
Palestra  a fé e sua vivênciaPalestra  a fé e sua vivência
Palestra a fé e sua vivência
 
Coragem da fé
Coragem da féCoragem da fé
Coragem da fé
 
O poder da fé
O poder da féO poder da fé
O poder da fé
 
A fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 eseA fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 ese
 
FéFé
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 

Semelhante a As Penas Futuras Segundo o Espiritismo

Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Graça Maciel
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
Graça Maciel
 
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
Joao Paulo Gonsales
 
Refletindo com Kardec - 1
Refletindo com Kardec - 1Refletindo com Kardec - 1
Refletindo com Kardec - 1
Graça Maciel
 

Semelhante a As Penas Futuras Segundo o Espiritismo (20)

Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
 
LE Q.688 e ESE cap 7
LE Q.688 e ESE cap 7 LE Q.688 e ESE cap 7
LE Q.688 e ESE cap 7
 
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e HumildadeLei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
Lei de reproducao: Populacao do Globo / Orgulho e Humildade
 
150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
 
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
 
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
 
Desprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenosDesprendimento dos bens terrenos
Desprendimento dos bens terrenos
 
Aflito, Porem Bem Aventurado
Aflito,  Porem Bem Aventurado Aflito,  Porem Bem Aventurado
Aflito, Porem Bem Aventurado
 
Bem aventurados os pobres de espírito / Blessed are the poor in spirit / Блаж...
Bem aventurados os pobres de espírito / Blessed are the poor in spirit / Блаж...Bem aventurados os pobres de espírito / Blessed are the poor in spirit / Блаж...
Bem aventurados os pobres de espírito / Blessed are the poor in spirit / Блаж...
 
Parábola do Mau Rico
Parábola do Mau RicoParábola do Mau Rico
Parábola do Mau Rico
 
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
Palestra - Coletânea de frases 20/01/2011
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Livro dos Espiritos Q682 ESEcap7item11
Livro dos Espiritos Q682 ESEcap7item11Livro dos Espiritos Q682 ESEcap7item11
Livro dos Espiritos Q682 ESEcap7item11
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Refletindo com Kardec - 1
Refletindo com Kardec - 1Refletindo com Kardec - 1
Refletindo com Kardec - 1
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
 

Mais de Antonino Silva

Mais de Antonino Silva (20)

Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O TesteEvangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
Evangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoEvangeliza - Reconciliação
Evangeliza - Reconciliação
 
Evangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerEvangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do Ser
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Tecnologia 5G
Tecnologia 5GTecnologia 5G
Tecnologia 5G
 
O Método Stutz
O Método StutzO Método Stutz
O Método Stutz
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
 
Evangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A PáscoaEvangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A Páscoa
 
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do DinheiroEvangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
 
Evangeliza - A Busca
Evangeliza - A BuscaEvangeliza - A Busca
Evangeliza - A Busca
 
Evangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça RealEvangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça Real
 
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de JesusEvangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
 
Evangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorEvangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de Amor
 
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráterEvangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
 
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do AmorEvangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
 
Evangeliza - Mandalas
Evangeliza - MandalasEvangeliza - Mandalas
Evangeliza - Mandalas
 
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueireEvangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 

Último (8)

Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 

As Penas Futuras Segundo o Espiritismo

  • 1.
  • 2. “Quanto mais próximo do estado primitivo, mais material é o homem.” (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VI, item 3). “A carne só é fraca porque o Espírito é fraco.” (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII). “Todos os espíritos partem do mesmo ponto. São criados simples e ignorantes.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, Questão 115).
  • 3. Naquele tempo, na China, um discípulo perguntou ao Mestre: - Mestre, qual a diferença entre o céu e o inferno? E o Mestre respondeu: - É muito pequena, mas com grandes conseqüências. E o Mestre explicou: - Vi um grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento. Ao redor dele, havia muitos homens, quase morrendo de fome. Eles não podiam se aproximar do monte de arroz, mas possuíam longos palitos de 2 a 3 metros de comprimento. No entanto, embora conseguissem apanhar o arroz, não conseguiam levá-lo à boca porque os palitos, em suas mãos, eram longos demais. Assim, famintos e moribundos, embora juntos, permaneciam solitários, curtindo uma fome eterna, diante de uma fartura inesgotável. Meu amigo, isto é o Inferno. E o Mestre prosseguiu: - Vi outro grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento. Ao redor dele, havia também, muitos homens famintos, mas cheios de vitalidade. Eles, também, não podiam se aproximar do monte de arroz, mas possuíam longos palitos de 2 a 3 metros de comprimento. Eles, também, encontravam as mesmas dificuldades para levar à própria boca o arroz, já que os palitos eram longo demais. Porém, eis a grande novidade: com seus longos palitos, em vez de levarem à própria boca, eles serviam o arroz uns aos outros. Dessa forma, numa grande comunhão fraterna, juntos e solidários, matavam sua fome. Meu amigo, isso é o Céu.
  • 4. 2º - Toda imperfeição é, por sua vez, causa de sofrimento e de privação de gozo. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 2). 1º - A alma ou Espírito sofre na vida espiritual as conseqüências de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na vida corporal. O seu estado, feliz ou desgraçado, é inerente ao seu grau de pureza ou impureza. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 1). 4º - Deus não repudia nenhum de seus filhos. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 4). 5º - A alma traz consigo o próprio castigo ou prêmio ou, onde quer que se encontre. O céu ou o inferno estão por toda a parte, onde existam almas felizes ou sofredoras. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 5).
  • 5. 6º - O bem e o mal que fazemos decorrem das qualidades que possuímos. Não fazer o bem quando podemos é, portanto, o resultado de uma imperfeição. Se toda imperfeição é fonte de sofrimento, o Espírito deve sofrer não somente pelo mal que fez como pelo bem que deixou de fazer na vida terrestre. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 6). 8º - Sendo infinita a justiça de Deus, o bem e o mal são rigorosamente considerados, não havendo uma só ação, um só pensamento mau que não tenha conseqüências fatais, como não há uma única ação meritória, um só bom movimento da alma que se perca […]. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 8). 9º - Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida contraída que deverá ser paga. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 9).
  • 6. O que provoca o arrependimento sincero? a) Apaga a falta; b) Suaviza a falta; c) Apaga o sofrimento; d) Suaviza o sofrimento; 16º - O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a reparação. [...] Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas conseqüências. O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; Só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. [...] (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 16). ===================================================== Assim, só o arrependimento não basta para apagar a falta. É preciso: expiar as faltas (cumprir a pena) e reparar o mal (indenizar o credor);
  • 7. 13º - A duração do castigo depende da melhoria do Espírito culpado. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 13). 11º - A expiação varia segundo a natureza e gravidade da falta. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 11). 15º - Não há penas eternas. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 15). 17º - A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 17). 19º - Não há espírito incapaz de progredir, votado a eterna inferioridade, o que seria a negação da lei de progresso. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 19).
  • 8. 20º - Quaisquer que sejam a inferioridade e perversidade dos Espíritos, Deus jamais os abandona. Espírito deve progredir por impulso da própria vontade, nunca por qualquer sujeição. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 20). 29º - Certo, a misericórdia de Deus é infinita, mas não é cega. O culpado que ela atinge não fica exonerado, e, enquanto não houver satisfeito à justiça, sofre a consequência dos seus erros. (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 29). 21º - Ninguém sofre por erros alheios (a menos que tenha dado causa ou impelido alguém ao erro). (KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, Cap. VII, item 21).
  • 9. 1. O Sofrimento é inerente à imperfeição. 2. Toda imperfeição, assim como toda falta dela promanada, traz consigo o próprio castigo nas conseqüências naturais e inevitáveis: assim, a moléstia pune os excessos e da ociosidade nasce o tédio, sem que haja mister de uma condenação especial para cada falta ou indivíduo. 3. Podendo todo homem libertar-se das imperfeições por efeito da vontade, pode igualmente anular os males consecutivos e assegurar a futura felicidade. A cada um segundo suas obras, no Céu como na Terra: - tal a lei da Justiça Divina.
  • 10. Existe uma lenda chinesa que ilustra perfeitamente a necessidade de dar antes de receber. Um mendigo vivia em uma rua de uma cidade chinesa e segurava uma caneca o dia inteiro, pedindo arroz ou qualquer outra coisa que os passantes tivessem para dar. Um dia, o mendigo viu um grande cortejo descendo a rua, liderado pelo imperador em seu imponente riquixá, entregando presentes aos seus súditos. O mendigo se encheu de felicidade. “Chegou a minha grande oportunidade”, pensou Woo. “Dessa vez receberei um presente valioso”, e dançou com alegria. Quando o imperador chegou perto dele, Woo exibiu sua caneca com grande determinação, mas em lugar de receber o esperado presente do imperador, sua Majestade pediu a Woo um presente. O pobre Woo ficou extremamente desapontado e envergonhado; pegou os dois menores grãos de arroz que conseguiu encontrar em sua caneca e, muito a contragosto, entregou-os ao imperador, que depois foi embora. Durante todo o dia, Woo reclamou e resmungou. Censurou o imperador, culpou Buda, tratou mal os que se dirigiam a ele; e poucas pessoas pararam para lhe falar ou colocar grãos de arroz em sua caneca. Nessa noite, quando chegou à sua pobre cabana e derramou seu escasso suprimento de arroz, Woo encontrou duas pepitas de ouro do tamanho exato dos grãos de arroz que tinha dado ao imperador. O Fator Aladim Jack Canfield e Mark Victor Hansen Ediouro
  • 11. Cap. I – Penas e gozos terremos “O Homem é quase sempre obreiro da sua própria infelicidade.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, Questão 921). Cap. II – Penas e gozos futuros “A reponsabilidade dos atos é a consequência da realidade da vida futura.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, Questão 962).
  • 12. Um pensamento de ódio ou ressentimento é um veneno mental. Não pense no mal para outra pessoa, pois assim fazer é pensar o mal para você mesmo. Você é o único ser pensante em seu universo e todos os seus pensamentos são criadores. (MURPHY, Joseph. O Poder do Subconsciente).
  • 13. “Não há cura para as nossas doenças da alma, quando nossa alma não se rende ao impositivo de recuperar a si mesmo.” (Bezerra de Menezes).
  • 14. “Quem não se educa para o bem e para a verdade e não contribui para que seu semelhante tenha condições de se educar, inclusive pelo seu exemplo pessoal, ainda não entendeu sua missão aqui na terra”.
  • 15. “Se não houver frutos, Valeu a beleza das flores... Se não houver flores, Valeu a sombra das folhas... Se não houver folhas, Valeu a intenção da semente.” (Heinfil).
  • 16. “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (João, 8:12).