SlideShare uma empresa Scribd logo
Não basta não fazer o mal
é preciso fazer o bem
Basta não fazer o mal para ser
agradável a Deus e assegurar um
futuro melhor?
– Não. É preciso fazer o bem no
limite de suas forças, porque cada
um responderá por todo o mal que
resulte do bem que não tiver feito.
Allan Kardec – O livro dos Espíritos, q. 642.
O bem e o mal que fazemos
decorrem das qualidades que
possuímos. Não fazer o bem quando
podemos e, portanto, o resultado de
uma imperfeição.
Allan Kardec – O céu e o inferno,
capítulo VII primeira parte, n. 6º.
Se toda imperfeição é fonte de
sofrimento, o Espírito deve sofrer
não somente pelo mal que fez como
pelo bem que deixou de fazer na vida
terrestre.
Allan Kardec – O céu e o inferno,
capítulo VII primeira parte, n. 6º.
ANGÈLE, nulidade sobre a Terra (Bordéus, 1862)
Um Espírito se apresenta espontaneamente ao
médium sob o nome de Angèle.
1. Arrependei-vos de vossas faltas? – R. Não.
– Então por que viestes até nós? – R. Para
tentar. – Não sois, pois, feliz? – R. Não. –
Sofreis? – R. Não. – O que vos falta? – R. A
paz.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
Certos Espíritos não consideram como
sofrimentos senão aqueles que lhes
lembrem as dores físicas, tudo convindo
que o seu estado moral é intolerável.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
2. Como pode a paz vos faltar na vida
espiritual? – R. Um lamento do passado.
– O lamento do passado é um remorso;
portanto, vos arrependestes? – R. Não; é
por medo do futuro. – Que temeis? – R. O
desconhecido.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
3. Quereis dizer-me o que fizestes na
vossa última existência? Isto me ajudará,
talvez, a vos esclarecer. – R. Nada.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
4. Em qual posição social estáveis? – R.
Mediana. – Fostes casada? – R. Casada e
mãe. – Cumpristes com zelo os deveres
dessa dupla posição? – R. Não; meu
marido me entediava, meus filhos
também.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
5. Como se passou a vossa vida? – R. A
me divertir na juventude, e a me
aborrecer na madureza. – Quais eram
vossas ocupações? – R. Nenhuma. –
Quem, pois, cuidava de vossa casa? – R.
A doméstica.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
6. Não será nessa inutilidade que será
preciso procurar a causa de vossos
lamentos e de vossos temores? – R. Talvez
tenhas razão. – Não basta com isso
convir.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
6. Quereis, para reparar essa existência
inútil, ajudar os Espíritos culpados que
sofrem ao nosso redor? – R. Como? –
Ajudando-os a melhorarem-se pelos
vossos conselhos e vossas preces. – R. Eu
não sei orar. – Fá-lo-emos em conjunto, o
aprendereis; quereis isto? – R. Não. – Por
quê? – R. A fadiga.
Allan Kardec - O céu e o inferno,
segunda parte - exemplos - capítulo VII.
Instrução do guia do médium
Damos-te instruções colocando-te, sob os
olhos, diversos graus de sofrimento e de
posição de Espíritos condenados à
expiação, em consequência de suas faltas.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Angèle era uma dessas criaturas sem
iniciativa, cuja vida era tão inútil aos
outros quanto a ela mesma.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Não gostando senão do prazer, incapaz de
procurar no estudo, no cumprimento dos
deveres da família e da sociedade, essas
satisfações do coração, unicas que podem
dar o encanto da vida, porque são de todas
as idades, não pôde empregar os seus jovens
anos senão nas distrações frívolas;
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
...depois, quando os deveres sérios
chegaram, o mundo fizera o vazio ao
redor dela, porque fizera o vazio em seu
coração.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Sem defeitos sérios, mas sem qualidades,
ela fez a infelicidade de seu marido,
perdeu o futuro de seus filhos, arruinou o
seu bem-estar por sua incúria e seu
desleixo.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Ela falseou o seu julgamento e o seu
coração, pelo seu exemplo primeiro, e
abandonando-os aos cuidados dos
domésticos que ela não se dava mesmo ao
trabalho de escolha.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Sua vida foi inútil ao bem e, por isso
mesmo, culpável, porque o mal nasce do
bem negligenciado. Compreendei bem,
todos, que não basta vos abster das faltas:
é necessário praticar as virtudes que lhes
são opostas.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Estudai os mandamentos do Senhor,
meditai-os, e compreendei que, se vos
colocam uma barreira que vos detêm à
margem do mau caminho, vos forçam, ao
mesmo tempo, a retornar para trás para
tomar a rota oposta, que conduz ao bem.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
O mal é oposto ao bem; portanto, aquele
que quer evitá-lo deve entrar no caminho
oposto, sem o que a sua vida é nula; suas
obras são mortas e Deus, nosso Pai, não é
o Deus dos mortos, mas o Deus dos vivos.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
P. Posso vos perguntar qual foi a
existência anterior de Angèle? A última
devia ser-lhe a consequência.
R. Ela viveu na preguiça beata e a
inutilidade da vida monástica.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Preguiçosa e egoísta por gosto, quis
tentar a vida de família, mas o Espírito
tem muito pouco progredido. Ela sempre
repeliu a voz íntima que lhe mostrava o
perigo; a inclinação era doce, e gostava
mais de se abandonar que fazer um
esforço para se deter no início.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Hoje, ainda compreende o perigo que há
em manter-se nessa neutralidade, mas não
sente força para tentar o menor esforço
para dele sair. Orai por ela, despertai-a;
forçai os seus olhos a se abrirem à luz: é
um dever, ninguém o negligencie.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
O homem foi criado para a atividade: a
atividade de Espírito, é a sua essência; a
atividade do corpo, é uma necessidade.
Cumpri, pois, as condições de vossas
existências, como Espírito destinado à paz
eterna.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Como corpo destinado ao serviço do
Espírito, o vosso corpo não é senão uma
máquina submetida à vossa inteligência;
trabalhai, cultivai, pois, a inteligência, a
fim de que ela dê um impulso salutar ao
instrumento que deve ajudá-la a cumprir
a sua tarefa;
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
...não a deixeis nem em repouso nem em
trégua, e lembrai-vos de que a paz à qual
aspirais não vos será dada senão depois
do trabalho; portanto, assim como por
longo tempo negligenciastes o trabalho,
assim por longo tempo durará para vós a
ansiedade de esperá-lo.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Trabalhai, trabalhai sem cessar; cumpri
todos os vossos deveres, sem exceção;
cumpri-os com zelo, com coragem, com
perseverança, e a vossa fé o sustentará.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Aquele que cumpre com consciência a tarefa
mais ingrata, a mais vil em vossa sociedade,
é cem vezes mais elevado, aos olhos do Mais
Alto, do que aquele que impõe essa tarefa
aos outros e negligencia a sua.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Tudo são degraus para subir ao céu: não os
quebreis, pois, sob os vossos pés, e contai
com que estais cercados de amigos que vos
estendem as mãos, e sustentam aqueles que
colocam a sua força no Senhor.
Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte
- exemplos - capítulo VII. MONOD.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
igmateus
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Divulgador do Espiritismo
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
JulianoCarvalho29
 
Palestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritualPalestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritual
Jose Ferreira Almeida
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
Lorena Dias
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
LUCAS CANAVARRO
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
gmo1973
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão EspíritaPalestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Marcelo Suster
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
Depressão na visão Espírita
Depressão na visão EspíritaDepressão na visão Espírita
Depressão na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
Izabel Cristina Fonseca
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
meebpeixotinho
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
grupodepaisceb
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
Dalila Melo
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 

Mais procurados (20)

O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiososPalestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
Palestra Espírita - Bem aventurados os misericordiosos
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
Palestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritualPalestra 8 obsessão espiritual
Palestra 8 obsessão espiritual
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.A felicidade nao e deste mundo.
A felicidade nao e deste mundo.
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão EspíritaPalestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Depressão na visão Espírita
Depressão na visão EspíritaDepressão na visão Espírita
Depressão na visão Espírita
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 

Destaque

Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
Departamento de Comunicação - DECOM | FEEES
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
Graça Maciel
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
Graça Maciel
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Graça Maciel
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
Graça Maciel
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
Divulgador do Espiritismo
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
Graça Maciel
 
O porquê da dor
O porquê da dorO porquê da dor
O porquê da dor
Luzia Gabriele
 
Jesus no evangelho de marcos pe. bonifácio
Jesus no evangelho de marcos   pe. bonifácioJesus no evangelho de marcos   pe. bonifácio
Jesus no evangelho de marcos pe. bonifácio
Clarisse Kopp
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profundaJesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
Leonardo Pereira
 
Espiritismo e o Lar
Espiritismo e o LarEspiritismo e o Lar
Espiritismo e o Lar
Rodrigo Da Silva Girio
 
Evangelho por emmanuel marcos
Evangelho por emmanuel marcosEvangelho por emmanuel marcos
Evangelho por emmanuel marcos
André de Vasconcelos
 
Estudos do evangelho 12
Estudos do evangelho 12Estudos do evangelho 12
Estudos do evangelho 12
Leonardo Pereira
 
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligentePalestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
Taisy Silva
 
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
Departamento de Comunicação - DECOM | FEEES
 
Causas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshareCausas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshare
Almir Silva
 
Transição planetária e os trabalhadores da última
Transição planetária e os trabalhadores da últimaTransição planetária e os trabalhadores da última
Transição planetária e os trabalhadores da última
familiaelopaz
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 

Destaque (20)

Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
Como criar boas apresentações em powerpoint [Palestra Espírita]
 
Afastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritosAfastamento dos maus espíritos
Afastamento dos maus espíritos
 
O mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconheceO mau pensamento como se reconhece
O mau pensamento como se reconhece
 
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
Moisés e sua missão - os hebreus na terra prometida n.7
 
Respeito a crença alheia
Respeito a crença alheiaRespeito a crença alheia
Respeito a crença alheia
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
 
O porquê da dor
O porquê da dorO porquê da dor
O porquê da dor
 
Jesus no evangelho de marcos pe. bonifácio
Jesus no evangelho de marcos   pe. bonifácioJesus no evangelho de marcos   pe. bonifácio
Jesus no evangelho de marcos pe. bonifácio
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profundaJesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
Jesus e o evangelho a luz da psicologia profunda
 
Espiritismo e o Lar
Espiritismo e o LarEspiritismo e o Lar
Espiritismo e o Lar
 
Evangelho por emmanuel marcos
Evangelho por emmanuel marcosEvangelho por emmanuel marcos
Evangelho por emmanuel marcos
 
Estudos do evangelho 12
Estudos do evangelho 12Estudos do evangelho 12
Estudos do evangelho 12
 
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligentePalestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
Palestra Espírita | Evangelho Segundo o Espiritismo: Missão do homem inteligente
 
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
10º SIMCADE | Exposição Espírita - Pesquisa e Organização [Palestra Espírita]
 
Causas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshareCausas das aflições slideshare
Causas das aflições slideshare
 
Transição planetária e os trabalhadores da última
Transição planetária e os trabalhadores da últimaTransição planetária e os trabalhadores da última
Transição planetária e os trabalhadores da última
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 

Semelhante a Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.

As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o EspiritismoAs Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
Antonino Silva
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
Graça Maciel
 
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestresCei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
Carlos Alberto Freire De Souza
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
Ricardo Azevedo
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
grupodepaisceb
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianosCei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Suicidio na visão espirita
Suicidio  na visão espiritaSuicidio  na visão espirita
Suicidio na visão espirita
Lisete B.
 

Semelhante a Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem. (8)

As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o EspiritismoAs Penas Futuras Segundo o Espiritismo
As Penas Futuras Segundo o Espiritismo
 
Missão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terraMissão do homem inteligente na terra
Missão do homem inteligente na terra
 
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestresCei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
Cei 100505-ii-cap.7 e 8-espíritos endurecidos e expiações terrestres
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
 
Lei de justiça
Lei de justiça Lei de justiça
Lei de justiça
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
 
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianosCei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
Cei 100414-ii-cap.2 e 3-espíritos felizes e medianos
 
Suicidio na visão espirita
Suicidio  na visão espiritaSuicidio  na visão espirita
Suicidio na visão espirita
 

Mais de Graça Maciel

Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
Graça Maciel
 
Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
Graça Maciel
 
Missão dos espíritas
Missão dos espíritasMissão dos espíritas
Missão dos espíritas
Graça Maciel
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
Graça Maciel
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
Graça Maciel
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
Graça Maciel
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
Graça Maciel
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
Graça Maciel
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
Graça Maciel
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
Graça Maciel
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
Graça Maciel
 
Obsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritasObsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritas
Graça Maciel
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
Graça Maciel
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
Graça Maciel
 

Mais de Graça Maciel (20)

Missao dos Espiritas
Missao dos EspiritasMissao dos Espiritas
Missao dos Espiritas
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4Obsessão por fascinação - parte 4
Obsessão por fascinação - parte 4
 
Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3Obsessão por fascinação - parte 3
Obsessão por fascinação - parte 3
 
Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2Obsessão por fascinação - parte 2
Obsessão por fascinação - parte 2
 
Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1Obsessão por fascinação - parte 1
Obsessão por fascinação - parte 1
 
Missão dos espíritas
Missão dos espíritasMissão dos espíritas
Missão dos espíritas
 
Não vim destruir a lei
Não vim destruir a leiNão vim destruir a lei
Não vim destruir a lei
 
Pecado por pensamento
Pecado por pensamentoPecado por pensamento
Pecado por pensamento
 
Amai os vossos inimigos
Amai  os  vossos  inimigosAmai  os  vossos  inimigos
Amai os vossos inimigos
 
Ação da prece
Ação da preceAção da prece
Ação da prece
 
Pressentimentos
PressentimentosPressentimentos
Pressentimentos
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
Pensamento benévolo
Pensamento benévoloPensamento benévolo
Pensamento benévolo
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
 
Obsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritasObsessão nos grupos espíritas
Obsessão nos grupos espíritas
 
Consolador prometido
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
 
O homem depois da morte
O homem depois da morte O homem depois da morte
O homem depois da morte
 

Último

DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 

Último (16)

DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 

Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.

  • 1. Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem
  • 2. Basta não fazer o mal para ser agradável a Deus e assegurar um futuro melhor? – Não. É preciso fazer o bem no limite de suas forças, porque cada um responderá por todo o mal que resulte do bem que não tiver feito. Allan Kardec – O livro dos Espíritos, q. 642.
  • 3. O bem e o mal que fazemos decorrem das qualidades que possuímos. Não fazer o bem quando podemos e, portanto, o resultado de uma imperfeição. Allan Kardec – O céu e o inferno, capítulo VII primeira parte, n. 6º.
  • 4. Se toda imperfeição é fonte de sofrimento, o Espírito deve sofrer não somente pelo mal que fez como pelo bem que deixou de fazer na vida terrestre. Allan Kardec – O céu e o inferno, capítulo VII primeira parte, n. 6º.
  • 5. ANGÈLE, nulidade sobre a Terra (Bordéus, 1862) Um Espírito se apresenta espontaneamente ao médium sob o nome de Angèle. 1. Arrependei-vos de vossas faltas? – R. Não. – Então por que viestes até nós? – R. Para tentar. – Não sois, pois, feliz? – R. Não. – Sofreis? – R. Não. – O que vos falta? – R. A paz. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 6. Certos Espíritos não consideram como sofrimentos senão aqueles que lhes lembrem as dores físicas, tudo convindo que o seu estado moral é intolerável. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 7. 2. Como pode a paz vos faltar na vida espiritual? – R. Um lamento do passado. – O lamento do passado é um remorso; portanto, vos arrependestes? – R. Não; é por medo do futuro. – Que temeis? – R. O desconhecido. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 8. 3. Quereis dizer-me o que fizestes na vossa última existência? Isto me ajudará, talvez, a vos esclarecer. – R. Nada. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 9. 4. Em qual posição social estáveis? – R. Mediana. – Fostes casada? – R. Casada e mãe. – Cumpristes com zelo os deveres dessa dupla posição? – R. Não; meu marido me entediava, meus filhos também. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 10. 5. Como se passou a vossa vida? – R. A me divertir na juventude, e a me aborrecer na madureza. – Quais eram vossas ocupações? – R. Nenhuma. – Quem, pois, cuidava de vossa casa? – R. A doméstica. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 11. 6. Não será nessa inutilidade que será preciso procurar a causa de vossos lamentos e de vossos temores? – R. Talvez tenhas razão. – Não basta com isso convir. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 12. 6. Quereis, para reparar essa existência inútil, ajudar os Espíritos culpados que sofrem ao nosso redor? – R. Como? – Ajudando-os a melhorarem-se pelos vossos conselhos e vossas preces. – R. Eu não sei orar. – Fá-lo-emos em conjunto, o aprendereis; quereis isto? – R. Não. – Por quê? – R. A fadiga. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII.
  • 13. Instrução do guia do médium Damos-te instruções colocando-te, sob os olhos, diversos graus de sofrimento e de posição de Espíritos condenados à expiação, em consequência de suas faltas. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 14. Angèle era uma dessas criaturas sem iniciativa, cuja vida era tão inútil aos outros quanto a ela mesma. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 15. Não gostando senão do prazer, incapaz de procurar no estudo, no cumprimento dos deveres da família e da sociedade, essas satisfações do coração, unicas que podem dar o encanto da vida, porque são de todas as idades, não pôde empregar os seus jovens anos senão nas distrações frívolas; Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 16. ...depois, quando os deveres sérios chegaram, o mundo fizera o vazio ao redor dela, porque fizera o vazio em seu coração. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 17. Sem defeitos sérios, mas sem qualidades, ela fez a infelicidade de seu marido, perdeu o futuro de seus filhos, arruinou o seu bem-estar por sua incúria e seu desleixo. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 18. Ela falseou o seu julgamento e o seu coração, pelo seu exemplo primeiro, e abandonando-os aos cuidados dos domésticos que ela não se dava mesmo ao trabalho de escolha. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 19. Sua vida foi inútil ao bem e, por isso mesmo, culpável, porque o mal nasce do bem negligenciado. Compreendei bem, todos, que não basta vos abster das faltas: é necessário praticar as virtudes que lhes são opostas. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 20. Estudai os mandamentos do Senhor, meditai-os, e compreendei que, se vos colocam uma barreira que vos detêm à margem do mau caminho, vos forçam, ao mesmo tempo, a retornar para trás para tomar a rota oposta, que conduz ao bem. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 21. O mal é oposto ao bem; portanto, aquele que quer evitá-lo deve entrar no caminho oposto, sem o que a sua vida é nula; suas obras são mortas e Deus, nosso Pai, não é o Deus dos mortos, mas o Deus dos vivos. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 22. P. Posso vos perguntar qual foi a existência anterior de Angèle? A última devia ser-lhe a consequência. R. Ela viveu na preguiça beata e a inutilidade da vida monástica. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 23. Preguiçosa e egoísta por gosto, quis tentar a vida de família, mas o Espírito tem muito pouco progredido. Ela sempre repeliu a voz íntima que lhe mostrava o perigo; a inclinação era doce, e gostava mais de se abandonar que fazer um esforço para se deter no início. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 24. Hoje, ainda compreende o perigo que há em manter-se nessa neutralidade, mas não sente força para tentar o menor esforço para dele sair. Orai por ela, despertai-a; forçai os seus olhos a se abrirem à luz: é um dever, ninguém o negligencie. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 25. O homem foi criado para a atividade: a atividade de Espírito, é a sua essência; a atividade do corpo, é uma necessidade. Cumpri, pois, as condições de vossas existências, como Espírito destinado à paz eterna. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 26. Como corpo destinado ao serviço do Espírito, o vosso corpo não é senão uma máquina submetida à vossa inteligência; trabalhai, cultivai, pois, a inteligência, a fim de que ela dê um impulso salutar ao instrumento que deve ajudá-la a cumprir a sua tarefa; Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 27. ...não a deixeis nem em repouso nem em trégua, e lembrai-vos de que a paz à qual aspirais não vos será dada senão depois do trabalho; portanto, assim como por longo tempo negligenciastes o trabalho, assim por longo tempo durará para vós a ansiedade de esperá-lo. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 28. Trabalhai, trabalhai sem cessar; cumpri todos os vossos deveres, sem exceção; cumpri-os com zelo, com coragem, com perseverança, e a vossa fé o sustentará. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 29. Aquele que cumpre com consciência a tarefa mais ingrata, a mais vil em vossa sociedade, é cem vezes mais elevado, aos olhos do Mais Alto, do que aquele que impõe essa tarefa aos outros e negligencia a sua. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.
  • 30. Tudo são degraus para subir ao céu: não os quebreis, pois, sob os vossos pés, e contai com que estais cercados de amigos que vos estendem as mãos, e sustentam aqueles que colocam a sua força no Senhor. Allan Kardec - O céu e o inferno, segunda parte - exemplos - capítulo VII. MONOD.