SlideShare uma empresa Scribd logo
Eduardo Ottonelli Pithan
Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo
82042277
“Fé, segundo a ótica espírita.”
Referências Bibliográficas
EVANGELHO SEGUNDO ESPIRITISMO, Allan Kardec,
Cap. VI, número 1, Cap. XIX e Cap XXI, número 1.
LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, questões 613,
631, 838, 922 e 943.
Fé
É uma conquista do espírito na grande caminhada evolutiva
ascensional. Em uns a fé é inata, basta apenas uma fagulha
para que ela se manifeste, pois já trazem a base de outras
vidas, noutros, porém, é um grande caminho a ser iniciado.
(ESE)
FÉ
Fé é uma VIRTUDE fundamental na qual desenvolvemos a FORÇA
e ENERGIA necessárias para suportar as provas e expiações da
presente existência, nos propicia ainda a compreensão da moral
de JESUS, base da nossa reforma íntima.
Inteligê
ncia FÉ Caridade e
crescimento
Evangelho Segundo o Espiritismo
1. Quando se dirigia ao povo, um homem se aproximou d'Ele,
ajoelhou-se a seus pés e disse: Senhor, tende piedade de meu filho
que está lunático, sofre muito e frequentemente cai, ora no fogo
ora na água. Apresentei-o a vossos discípulos, mas não puderam
curá-lo. E Jesus respondeu dizendo: Oh, raça incrédula e
depravada! Até quando vos sofrerei? Até quando deverei ficar
convosco? Trazei-me até aqui essa criança. E Jesus, tendo
ameaçado o demônio (obsessor), fez com que ele saísse da criança,
que foi curada no mesmo instante. Então, os discípulos vieram
encontrar Jesus em particular, e Lhe disseram: Por que nós mesmos
não pudemos tirar esse demônio? Jesus lhes respondeu: É por
causa de vossa pouca fé. Pois eu vos digo em verdade que, se
tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta montanha:
transporta-te daqui até lá, e ela se transportaria, e nada vos seria
impossível. (Mateus, 17:14 a 19)
Jesus fala sobre a fé
Diferentes Estados da alma
2. É certo que a confiança do homem em suas próprias forças o torna
capaz de realizar coisas materiais que não se podem fazer quando se
duvida de si mesmo; mas, aqui, é unicamente no sentido moral que é
preciso entender estas palavras.
As montanhas que a fé transporta são as dificuldades, as resistências, a
má vontade, que se encontram entre os homens, mesmo quando se trata
das melhores coisas.
Os preconceitos rotineiros, o interesse material, o egoísmo, a cegueira do
fanatismo, as paixões orgulhosas são também montanhas que barram o
caminho de todo aquele que trabalha pelo progresso da Humanidade.
A fé ROBUSTA dá a perseverança, a energia e os recursos que fazem
vencer os obstáculos, tanto nas pequenas quanto nas grandes coisas. A fé,
que é VACILANTE, provoca incerteza, hesitação, de que se aproveitam os
adversários que devemos combater; ela não procura os meios de vencer,
porque não crê na possibilidade de vitória.
O que faz a fé
Conceito de fé segundo o ESE
3. Entende-se como fé a confiança que se tem no cumprimento de
uma coisa, na certeza de atingir um objetivo. Ela dá uma espécie de
lucidez, que faz ver, pelo pensamento, os fins que se tem em vista e
os meios para atingi-los, de modo que quem a possui caminha, por
assim dizer, com total segurança. Num como noutro caso, ela leva a
realizar grandes coisas.
Característica da fé sincera
3. A fé sincera e verdadeira é sempre calma, dá a
paciência que sabe esperar, porque, apoiando-se na
inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza
de atingir o objetivo. A fé vacilante sente sua própria
fraqueza; quando é estimulada pelo interesse, torna-se
enfurecida e acredita que, aliando-se à violência, obterá a
força que não tem. (Terrorismo praticado segundo aqueles
que se dizem ter fé)
A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança;
a violência, ao contrário, é uma prova de fraqueza e dúvida
de si mesmo.
Fé não é presunção
4. É preciso não confundir a fé com a presunção. A
verdadeira fé se alia à humildade; aquele que a possui
confia mais em Deus do que em si mesmo; sabe que,
simples instrumento da vontade de Deus, nada pode sem
Ele e é por isso que os bons Espíritos o ajudam.
A presunção é mais orgulho do que fé, e o orgulho é
sempre castigado, cedo ou tarde, pela decepção e pelos
fracassos que lhe são impostos.
Presunção
– Orgulho
Fé -
Humildade
Poder da fé – Ação da vontade
5. O poder da fé se demonstra, de modo direto e especial, na ação
magnética; por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente
universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por
assim dizer irresistível. Daí decorre que aquele que a um grande
poder fluídico normal junta ardente fé, pode, só pela força da sua
vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de
cura e outros, tidos antigamente por prodígios, mas que não
passam de efeito de uma lei natural (PASSE). Tal o motivo por que
Jesus disse a seus apóstolos: se não o curastes, foi porque não
tínheis fé.
Fé e Razão
6. Do ponto de vista religioso, a fé consiste na crença em dogmas
especiais, que constituem as diferentes religiões. Todas elas têm seus
artigos de fé. Sob esse aspecto, pode a fé ser raciocinada ou cega. FÉ
CEGA
Nada examina. Aceita tudo
sem verificação, assim o
verdadeiro como o falso, e a
cada passo se choca com a
evidência e a razão. Levada ao
excesso, produz o fanatismo.
Assentando no erro, cedo ou
tarde desmorona
FANATISMO
RACIOCINADA
baseia na verdade garante o
futuro, porque nada tem a
temer do progresso das luzes,
dado que o que é verdadeiro
na obscuridade, também o é à
luz meridiana
FÉ
VERDADEIRA
Fé quem pode ter?
7. (...) ela se adquire e ninguém há que esteja impedido de possuí-la, mesmo
entre os mais refratários. Falamos das verdades espirituais básicas e não de tal ou
qual crença particular. NÃO É À FÉ QUE COMPETE PROCURÁ-LOS; a eles é que
cumpre ir-lhe ao encontro e, se a buscarem sinceramente, não deixarão de achá-
la.
(...) Em certas pessoas, a fé parece de algum modo inata; uma centelha basta para
desenvolvê-la. Essa facilidade de assimilar as verdades espirituais é sinal evidente
de anterior progresso. Em outras pessoas, ao contrário, elas dificilmente
penetram, sinal não menos evidente de naturezas retardatárias.
As primeiras já creram e compreenderam; trazem, ao renascerem,
a intuição do que souberam: estão com a educação feita; as segundas tudo têm de
aprender: estão com a educação por fazer. Ela, entretanto, se fará e, se não ficar
concluída nesta existência, ficará em outra.
Bases da fé
INTELIGÊNCIA COMPREENSÃO
RACIOCÍNIO LIVRE-ARBÍTRIO
FÉ
Base da fé (inteligência e razão)
(...)A fé necessita de uma base, base que é a inteligência perfeita
daquilo em que se deve crer. E, para crer, não basta ver; é preciso,
sobretudo, compreender. A fé cega já não é deste século, tanto
assim que precisamente o dogma da fé cega é que produz hoje o
maior número dos incrédulos, porque ela pretende impor-se,
exigindo a abdicação de uma das mais preciosas prerrogativas do
homem: o raciocínio e o livre-arbítrio.
(...)A criatura então crê, porque tem certeza, e ninguém tem certeza
senão porque compreendeu.
Parábola de JESUS sobre a fé
Parábola da Figueira que Secou
8. Quando saíam de Betânia, Ele teve fome; e, vendo ao longe uma
figueira, para ela encaminhou-se, a ver se acharia alguma coisa;
tendo-se, porém, aproximado, só achou folhas, visto não ser tempo
de figos. Então, disse Jesus à figueira: “Que ninguém coma de ti fruto
algum.” — o que seus discípulos ouviram. No dia seguinte, ao
passarem pela figueira, viram que secara até a raiz. Pedro,
lembrando-se do que dissera Jesus, disse: “Mestre, olha como secou
a figueira que Tu amaldiçoaste.” — Jesus, tomando a palavra, lhes
disse: “TENDE FÉ EM DEUS. Digo-vos, em verdade, que aquele que
disser a esta montanha: ‘Tira-te daí e lança-te ao mar’, mas sem
hesitar no seu coração, crente, ao contrário, firmemente, de que
tudo o que houver dito acontecerá, verá que, com efeito,
acontece.’” (Marcos, 11:12 a 14 e 20 a 23.)
Explicação da parábola - ALERTA
9. A figueira que secou é o símbolo dos que apenas aparentam propensão
para o bem, mas que, em realidade, nada de bom produzem; dos
oradores que mais brilho têm do que solidez, cujas palavras trazem
superficial verniz, de sorte que agradam aos ouvidos, sem que, entretanto,
revelem, quando perscrutadas, algo de substancial para os corações. É de
perguntar-se que proveito tiraram delas os que as escutaram. Simboliza
também todos aqueles que, tendo meios de ser úteis, não o são; todas as
utopias, todos os sistemas ocos, todas as doutrinas carentes de base
sólida. O que as mais das vezes falta é a verdadeira fé, a fé produtiva, a fé
que abala as fibras do coração, a fé, numa palavra, que transporta
montanhas. São árvores cobertas de folhas, porém, baldas de frutos. Por
isso é que Jesus as condena à esterilidade, porquanto dia virá em que se
acharão secas até a raiz. Quer dizer que todos os sistemas, todas as
doutrinas que nenhum bem para a Humanidade houverem produzido,
cairão reduzidas a nada; que todos os homens deliberadamente inúteis,
por não terem posto em ação os recursos que traziam consigo, serão
tratados como a figueira que secou.
Jesus ainda nos diz
A árvore que produz maus frutos não é boa, e a árvore que produz
bons frutos não é má. Assim, cada árvore é conhecida pelo fruto
que produz. Não se colhem figos dos espinheiros e nem cachos de
uvas do abrolhos. O homem de bem tira coisas boas do seu coração
e o homem mau tira as coisas ruins do seu coração, pois a boca
fala daquilo que o coração esta cheio.
Cap XXI do ESE, número 1. (Lc 6,43-45)
Que tipo de árvore somos nós?
FRONDOSAS
FRUTÍFERAS SECAS
Fé proveitosa
11. Para ser proveitosa, a FÉ TEM DE SER ATIVA; não deve
entorpecer-se. Mãe de todas as virtudes que CONDUZEM A DEUS,
cumpre-lhe velar atentamente pelo desenvolvimento dos filhos que
gerou. A esperança e a caridade são corolários da fé e formam com
esta uma trindade inseparável. Não é a fé que faculta a esperança
na realização das promessas do Senhor? Se não tiverdes fé, que
esperareis? Não é a fé que dá o amor? Se não tendes fé, qual será o
vosso reconhecimento e, portanto, o vosso amor? Inspiração divina,
a fé desperta todos os instintos nobres que encaminham o homem
para o bem. É a base da regeneração.
FÉ
CARIDADE
ESPERANÇA
DIFERENÇA ENTRE FÉ e CRENÇA
DEUS
EU
CRENÇA FÉ
DEUS
próximoJESUS
egoísmo caridadevazio
tristeza depressão
sentido
Alegria de viver
EU
Jesus nos falou sobre o caminho
Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a
verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão
por mim.
(João 14, 6 )
Fé = Caridade , Obras, Trabalho
Fé, como deve ser
Confiar na
palavra
que é a FÉ
Agir, por em
prática, que
são as obras
CARIDADE
Ouvir a
moral de
JESUS
JESUS FALA SOBRE FÉ NOS
EVANGELHOS
Existe fé sem obras?
Mt 7, 21-23
Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus,
mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós
em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu
nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de
mim, vós que praticais a iniquidade.
Fé sem prática não é nada
Tiago 2,14-17
Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver
as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã
estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano,
E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e
não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá
daí? Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si
mesma. Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-
me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas
minhas obras.
Fé, segundo Jesus
Entrando Jesus em Cafarnaum, dirigiu-se a ele um centurião,
pedindo-lhe ajuda. E disse: "Senhor, meu servo está em casa,
paralítico, em terrível sofrimento". Jesus lhe disse: "Eu irei
curá-lo". Respondeu o centurião: "Senhor, não mereço
receber-te debaixo do meu teto. Mas dize apenas uma
palavra, e o meu servo será curado. Pois eu também sou
homem sujeito à autoridade e com soldados sob o meu
comando. Digo a um: Vá, e ele vai; e a outro: Venha, e ele
vem. Digo a meu servo: Faça isto, e ele faz". Ao ouvir isso,
Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam: "Digo a vocês a
verdade: Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé.
Eu digo que muitos virão do oriente e do ocidente e se
sentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos
céus. Mas os súditos do Reino serão lançados para fora, nas
trevas, onde haverá choro e ranger de dentes".
Então Jesus disse ao centurião: "Vá! Como você creu, assim
acontecerá!" Na mesma hora o seu servo foi curado.
Mt 8,6-13
Fé, segundo Jesus
Alguns homens trouxeram-lhe um paralítico, deitado numa cama.
Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: "Tenha bom
ânimo, filho; os seus pecados estão perdoados".
Mateus 9:2
Fé, segundo Jesus
Falava ele ainda quando um dos dirigentes da sinagoga chegou,
ajoelhou-se diante dele e disse: "Minha filha acaba de morrer. Vem e
impõe a tua mão sobre ela, e ela viverá".
Jesus levantou-se e foi com ele, e também os seus discípulos.
Nisso uma mulher que havia doze anos vinha sofrendo de uma
hemorragia, chegou por trás dele e tocou na borda do seu manto,
pois dizia a si mesma: "Se eu tão-somente tocar em seu manto,
ficarei curada".
Voltando-se, Jesus a viu e disse: "Ânimo, filha, a sua fé a curou! " E
desde aquele instante a mulher ficou curada.
Mateus 9:18-22
Fé, falta de fé, segundo Jesus
E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter
contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do
barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o
vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou,
dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão,
segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?
(homens de pouca fé afundam no mundo)
Mateus 14:28-31
Fé, segundo Jesus, perseverar sempre
Saindo daquele lugar, Jesus retirou-se para a região de
Tiro e de Sidom. Uma mulher cananeia, natural dali,
veio a ele, gritando: "Senhor, Filho de Davi, tem
misericórdia de mim! Minha filha está endemoninhada
e está sofrendo muito". Mas Jesus não lhe respondeu
palavra. Então seus discípulos se aproximaram dele e
pediram: "Manda-a embora, pois vem gritando atrás
de nós". Ele respondeu: "Eu fui enviado apenas às
ovelhas perdidas de Israel".
A mulher veio, adorou-o de joelhos e disse: "Senhor,
ajuda-me!"
Ele respondeu: "Não é certo tirar o pão dos filhos e
lançá-lo aos cachorrinhos". Disse ela, porém: "Sim,
Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas
que caem da mesa dos seus donos". Jesus respondeu:
"Mulher, grande é a sua fé! Seja conforme você deseja".
E, naquele mesmo instante, a sua filha foi curada.
Livro dos Espíritos
LIVRO DOS ESPÍRITOS
613. Embora de todo errônea, a ideia ligada à metempsicose não
terá resultado do sentimento intuitivo que o homem possui de suas
diferentes existências?
“Nessa, como em muitas outras crenças, se depara esse sentimento
intuitivo. O homem, porém, o desnaturou, como costuma fazer com a
maioria de suas ideias intuitivas.”
(...) O que é constante, o que ressalta do raciocínio e da experiência é
a sobrevivência do Espírito, a conservação de sua individualidade após
a morte, a progressividade de suas faculdades, seu estado feliz ou
desgraçado de acordo com o seu adiantamento na senda do bem e
todas as verdades morais decorrentes deste princípio.
631. Tem meios o homem de distinguir por si mesmo o que é bem do
que é mal?
“Sim, quando crê em Deus e o quer saber. Deus lhe deu inteligência
para distinguir um do outro.”
LIVRO DOS ESPÍRITOS
838. Será respeitável toda e qualquer crença, ainda quando notoriamente falsa?
“Toda crença é respeitável, quando sincera e conducente à prática do bem.
Condenáveis são as crenças que conduzam ao mal.”
922. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a
felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de
felicidade comum a todos os homens?
“Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, a
consciência tranquila e a fé no futuro.”
943. Donde nasce o desgosto da vida, que, sem motivos plausíveis, se apodera de
certos indivíduos?
“Efeito da ociosidade, da falta de fé e, também, da saciedade. “Para aquele que usa
de suas faculdades com fim útil e de acordo com as suas aptidões naturais, o
trabalho nada tem de árido e a vida se escoa mais rapidamente. Ele lhe suporta as
vicissitudes com tanto mais paciência e resignação, quanto obra com o fito da
felicidade mais sólida e mais durável que o espera.”
UM DOS REMÉDIOS PARA DEPRESSÃO É A CARIDADE
BOA NOITE!
Obrigado!
Fé humana e fé divina
12. No homem, a fé é o sentimento inato de seus destinos futuros; é a consciência
que ele tem das faculdades imensas depositadas em gérmen no seu íntimo, a
princípio em estado latente, e que lhe cumpre fazer que desabrochem e cresçam
pela ação da sua vontade.
(...)Enfim, com a fé, não há maus pendores que se não chegue a vencer. O
Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé posta em ação. É pela fé
que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de
milagres. Repito: a fé é humana e divina. Se todos os encarnados se achassem
bem persuadidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a
serviço dessa força, seriam capazes de realizar o a que, até hoje, eles chamaram
prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades
humanas. – Um Espírito protetor. (Paris, 1863.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
igmateus
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Ricardo Azevedo
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
Izabel Cristina Fonseca
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
Ponte de Luz ASEC
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
Denise Tofoli
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Izabel Cristina Fonseca
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
Ricardo Azevedo
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Influencias espirituais
Influencias espirituaisInfluencias espirituais
Influencias espirituais
Lisete B.
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 

Mais procurados (20)

Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
 
Caridade na ótica espirita
Caridade na ótica espiritaCaridade na ótica espirita
Caridade na ótica espirita
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obrasReconhece se o cristãos pelas suas obras
Reconhece se o cristãos pelas suas obras
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
O sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a DeusO sacrificio mais agradável a Deus
O sacrificio mais agradável a Deus
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Influencias espirituais
Influencias espirituaisInfluencias espirituais
Influencias espirituais
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 

Semelhante a Fé pela ótica espírita

A fé remove montanhas
A fé remove montanhasA fé remove montanhas
A fé remove montanhas
grupodepaisceb
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
ctollin
 
A fé que transporta Montanhas!.
A fé que transporta Montanhas!.A fé que transporta Montanhas!.
A fé que transporta Montanhas!.
ThiagoPereiraSantos2
 
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Convisa Construtora e Incorporadora Ltda.
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
Candeia 18 julho e agosto de 20112
Candeia  18   julho  e agosto   de 20112Candeia  18   julho  e agosto   de 20112
Candeia 18 julho e agosto de 20112
rivaer2002
 
Aula otimismo e fé
Aula  otimismo e féAula  otimismo e fé
Aula otimismo e fé
Ceile Bernardo
 
Boletim o pae agosto 2017 final
Boletim o pae   agosto 2017 finalBoletim o pae   agosto 2017 final
Boletim o pae agosto 2017 final
O PAE PAE
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
LuizHenriqueTDias
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
Leonardo Pereira
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
Ricardo Akerman
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Fe fundamental
Fe fundamentalFe fundamental
Fe fundamental
AlexSteeve
 
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de DeusLição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
Éder Tomé
 
Compromisso com a Fé
Compromisso com a FéCompromisso com a Fé
Compromisso com a Fé
Izabel Cristina Fonseca
 
A fé
A féA fé
Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1
Cleison Sampaio
 
Fé e crise
Fé e criseFé e crise
Fé e crise
Ricardo Azevedo
 
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptxA Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
CanelaLuizCarlosoliv
 

Semelhante a Fé pela ótica espírita (20)

A fé remove montanhas
A fé remove montanhasA fé remove montanhas
A fé remove montanhas
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
 
A fé que transporta Montanhas!.
A fé que transporta Montanhas!.A fé que transporta Montanhas!.
A fé que transporta Montanhas!.
 
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
Aftransportamontanhascap19ese 110501172205-phpapp01
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
Candeia 18 julho e agosto de 20112
Candeia  18   julho  e agosto   de 20112Candeia  18   julho  e agosto   de 20112
Candeia 18 julho e agosto de 20112
 
Aula otimismo e fé
Aula  otimismo e féAula  otimismo e fé
Aula otimismo e fé
 
Boletim o pae agosto 2017 final
Boletim o pae   agosto 2017 finalBoletim o pae   agosto 2017 final
Boletim o pae agosto 2017 final
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
 
A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)A comunhão com deus (sef)
A comunhão com deus (sef)
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Fe fundamental
Fe fundamentalFe fundamental
Fe fundamental
 
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de DeusLição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
Lição 2 - Revelação Divina e a Razão são Dádivas de Deus
 
Compromisso com a Fé
Compromisso com a FéCompromisso com a Fé
Compromisso com a Fé
 
A fé
A féA fé
A fé
 
Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1
 
Fé e crise
Fé e criseFé e crise
Fé e crise
 
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptxA Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan

Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan (20)

Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deusCapítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
Capítulo 4 ese ninguém pode ver o reino de deus
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e leiCapítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
Capítulo 1 do Evangelho Segundo o Espiritsmo - Não vim destruir e lei
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
 

Último

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (16)

DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

Fé pela ótica espírita

  • 1. Eduardo Ottonelli Pithan Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo 82042277 “Fé, segundo a ótica espírita.”
  • 2. Referências Bibliográficas EVANGELHO SEGUNDO ESPIRITISMO, Allan Kardec, Cap. VI, número 1, Cap. XIX e Cap XXI, número 1. LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, questões 613, 631, 838, 922 e 943.
  • 3. Fé É uma conquista do espírito na grande caminhada evolutiva ascensional. Em uns a fé é inata, basta apenas uma fagulha para que ela se manifeste, pois já trazem a base de outras vidas, noutros, porém, é um grande caminho a ser iniciado. (ESE)
  • 4. FÉ Fé é uma VIRTUDE fundamental na qual desenvolvemos a FORÇA e ENERGIA necessárias para suportar as provas e expiações da presente existência, nos propicia ainda a compreensão da moral de JESUS, base da nossa reforma íntima. Inteligê ncia FÉ Caridade e crescimento
  • 5. Evangelho Segundo o Espiritismo
  • 6. 1. Quando se dirigia ao povo, um homem se aproximou d'Ele, ajoelhou-se a seus pés e disse: Senhor, tende piedade de meu filho que está lunático, sofre muito e frequentemente cai, ora no fogo ora na água. Apresentei-o a vossos discípulos, mas não puderam curá-lo. E Jesus respondeu dizendo: Oh, raça incrédula e depravada! Até quando vos sofrerei? Até quando deverei ficar convosco? Trazei-me até aqui essa criança. E Jesus, tendo ameaçado o demônio (obsessor), fez com que ele saísse da criança, que foi curada no mesmo instante. Então, os discípulos vieram encontrar Jesus em particular, e Lhe disseram: Por que nós mesmos não pudemos tirar esse demônio? Jesus lhes respondeu: É por causa de vossa pouca fé. Pois eu vos digo em verdade que, se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta montanha: transporta-te daqui até lá, e ela se transportaria, e nada vos seria impossível. (Mateus, 17:14 a 19) Jesus fala sobre a fé
  • 7. Diferentes Estados da alma 2. É certo que a confiança do homem em suas próprias forças o torna capaz de realizar coisas materiais que não se podem fazer quando se duvida de si mesmo; mas, aqui, é unicamente no sentido moral que é preciso entender estas palavras. As montanhas que a fé transporta são as dificuldades, as resistências, a má vontade, que se encontram entre os homens, mesmo quando se trata das melhores coisas. Os preconceitos rotineiros, o interesse material, o egoísmo, a cegueira do fanatismo, as paixões orgulhosas são também montanhas que barram o caminho de todo aquele que trabalha pelo progresso da Humanidade. A fé ROBUSTA dá a perseverança, a energia e os recursos que fazem vencer os obstáculos, tanto nas pequenas quanto nas grandes coisas. A fé, que é VACILANTE, provoca incerteza, hesitação, de que se aproveitam os adversários que devemos combater; ela não procura os meios de vencer, porque não crê na possibilidade de vitória. O que faz a fé
  • 8. Conceito de fé segundo o ESE 3. Entende-se como fé a confiança que se tem no cumprimento de uma coisa, na certeza de atingir um objetivo. Ela dá uma espécie de lucidez, que faz ver, pelo pensamento, os fins que se tem em vista e os meios para atingi-los, de modo que quem a possui caminha, por assim dizer, com total segurança. Num como noutro caso, ela leva a realizar grandes coisas.
  • 9. Característica da fé sincera 3. A fé sincera e verdadeira é sempre calma, dá a paciência que sabe esperar, porque, apoiando-se na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de atingir o objetivo. A fé vacilante sente sua própria fraqueza; quando é estimulada pelo interesse, torna-se enfurecida e acredita que, aliando-se à violência, obterá a força que não tem. (Terrorismo praticado segundo aqueles que se dizem ter fé) A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança; a violência, ao contrário, é uma prova de fraqueza e dúvida de si mesmo.
  • 10. Fé não é presunção 4. É preciso não confundir a fé com a presunção. A verdadeira fé se alia à humildade; aquele que a possui confia mais em Deus do que em si mesmo; sabe que, simples instrumento da vontade de Deus, nada pode sem Ele e é por isso que os bons Espíritos o ajudam. A presunção é mais orgulho do que fé, e o orgulho é sempre castigado, cedo ou tarde, pela decepção e pelos fracassos que lhe são impostos. Presunção – Orgulho Fé - Humildade
  • 11. Poder da fé – Ação da vontade 5. O poder da fé se demonstra, de modo direto e especial, na ação magnética; por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por assim dizer irresistível. Daí decorre que aquele que a um grande poder fluídico normal junta ardente fé, pode, só pela força da sua vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de cura e outros, tidos antigamente por prodígios, mas que não passam de efeito de uma lei natural (PASSE). Tal o motivo por que Jesus disse a seus apóstolos: se não o curastes, foi porque não tínheis fé.
  • 12. Fé e Razão 6. Do ponto de vista religioso, a fé consiste na crença em dogmas especiais, que constituem as diferentes religiões. Todas elas têm seus artigos de fé. Sob esse aspecto, pode a fé ser raciocinada ou cega. FÉ CEGA Nada examina. Aceita tudo sem verificação, assim o verdadeiro como o falso, e a cada passo se choca com a evidência e a razão. Levada ao excesso, produz o fanatismo. Assentando no erro, cedo ou tarde desmorona FANATISMO RACIOCINADA baseia na verdade garante o futuro, porque nada tem a temer do progresso das luzes, dado que o que é verdadeiro na obscuridade, também o é à luz meridiana FÉ VERDADEIRA
  • 13. Fé quem pode ter? 7. (...) ela se adquire e ninguém há que esteja impedido de possuí-la, mesmo entre os mais refratários. Falamos das verdades espirituais básicas e não de tal ou qual crença particular. NÃO É À FÉ QUE COMPETE PROCURÁ-LOS; a eles é que cumpre ir-lhe ao encontro e, se a buscarem sinceramente, não deixarão de achá- la. (...) Em certas pessoas, a fé parece de algum modo inata; uma centelha basta para desenvolvê-la. Essa facilidade de assimilar as verdades espirituais é sinal evidente de anterior progresso. Em outras pessoas, ao contrário, elas dificilmente penetram, sinal não menos evidente de naturezas retardatárias. As primeiras já creram e compreenderam; trazem, ao renascerem, a intuição do que souberam: estão com a educação feita; as segundas tudo têm de aprender: estão com a educação por fazer. Ela, entretanto, se fará e, se não ficar concluída nesta existência, ficará em outra.
  • 14. Bases da fé INTELIGÊNCIA COMPREENSÃO RACIOCÍNIO LIVRE-ARBÍTRIO FÉ
  • 15. Base da fé (inteligência e razão) (...)A fé necessita de uma base, base que é a inteligência perfeita daquilo em que se deve crer. E, para crer, não basta ver; é preciso, sobretudo, compreender. A fé cega já não é deste século, tanto assim que precisamente o dogma da fé cega é que produz hoje o maior número dos incrédulos, porque ela pretende impor-se, exigindo a abdicação de uma das mais preciosas prerrogativas do homem: o raciocínio e o livre-arbítrio. (...)A criatura então crê, porque tem certeza, e ninguém tem certeza senão porque compreendeu.
  • 16. Parábola de JESUS sobre a fé Parábola da Figueira que Secou 8. Quando saíam de Betânia, Ele teve fome; e, vendo ao longe uma figueira, para ela encaminhou-se, a ver se acharia alguma coisa; tendo-se, porém, aproximado, só achou folhas, visto não ser tempo de figos. Então, disse Jesus à figueira: “Que ninguém coma de ti fruto algum.” — o que seus discípulos ouviram. No dia seguinte, ao passarem pela figueira, viram que secara até a raiz. Pedro, lembrando-se do que dissera Jesus, disse: “Mestre, olha como secou a figueira que Tu amaldiçoaste.” — Jesus, tomando a palavra, lhes disse: “TENDE FÉ EM DEUS. Digo-vos, em verdade, que aquele que disser a esta montanha: ‘Tira-te daí e lança-te ao mar’, mas sem hesitar no seu coração, crente, ao contrário, firmemente, de que tudo o que houver dito acontecerá, verá que, com efeito, acontece.’” (Marcos, 11:12 a 14 e 20 a 23.)
  • 17. Explicação da parábola - ALERTA 9. A figueira que secou é o símbolo dos que apenas aparentam propensão para o bem, mas que, em realidade, nada de bom produzem; dos oradores que mais brilho têm do que solidez, cujas palavras trazem superficial verniz, de sorte que agradam aos ouvidos, sem que, entretanto, revelem, quando perscrutadas, algo de substancial para os corações. É de perguntar-se que proveito tiraram delas os que as escutaram. Simboliza também todos aqueles que, tendo meios de ser úteis, não o são; todas as utopias, todos os sistemas ocos, todas as doutrinas carentes de base sólida. O que as mais das vezes falta é a verdadeira fé, a fé produtiva, a fé que abala as fibras do coração, a fé, numa palavra, que transporta montanhas. São árvores cobertas de folhas, porém, baldas de frutos. Por isso é que Jesus as condena à esterilidade, porquanto dia virá em que se acharão secas até a raiz. Quer dizer que todos os sistemas, todas as doutrinas que nenhum bem para a Humanidade houverem produzido, cairão reduzidas a nada; que todos os homens deliberadamente inúteis, por não terem posto em ação os recursos que traziam consigo, serão tratados como a figueira que secou.
  • 18. Jesus ainda nos diz A árvore que produz maus frutos não é boa, e a árvore que produz bons frutos não é má. Assim, cada árvore é conhecida pelo fruto que produz. Não se colhem figos dos espinheiros e nem cachos de uvas do abrolhos. O homem de bem tira coisas boas do seu coração e o homem mau tira as coisas ruins do seu coração, pois a boca fala daquilo que o coração esta cheio. Cap XXI do ESE, número 1. (Lc 6,43-45)
  • 19. Que tipo de árvore somos nós? FRONDOSAS FRUTÍFERAS SECAS
  • 20. Fé proveitosa 11. Para ser proveitosa, a FÉ TEM DE SER ATIVA; não deve entorpecer-se. Mãe de todas as virtudes que CONDUZEM A DEUS, cumpre-lhe velar atentamente pelo desenvolvimento dos filhos que gerou. A esperança e a caridade são corolários da fé e formam com esta uma trindade inseparável. Não é a fé que faculta a esperança na realização das promessas do Senhor? Se não tiverdes fé, que esperareis? Não é a fé que dá o amor? Se não tendes fé, qual será o vosso reconhecimento e, portanto, o vosso amor? Inspiração divina, a fé desperta todos os instintos nobres que encaminham o homem para o bem. É a base da regeneração. FÉ CARIDADE ESPERANÇA
  • 21. DIFERENÇA ENTRE FÉ e CRENÇA DEUS EU CRENÇA FÉ DEUS próximoJESUS egoísmo caridadevazio tristeza depressão sentido Alegria de viver EU
  • 22. Jesus nos falou sobre o caminho Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (João 14, 6 ) Fé = Caridade , Obras, Trabalho
  • 23. Fé, como deve ser Confiar na palavra que é a FÉ Agir, por em prática, que são as obras CARIDADE Ouvir a moral de JESUS
  • 24. JESUS FALA SOBRE FÉ NOS EVANGELHOS
  • 25. Existe fé sem obras? Mt 7, 21-23 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.
  • 26. Fé sem prática não é nada Tiago 2,14-17 Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra- me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
  • 27. Fé, segundo Jesus Entrando Jesus em Cafarnaum, dirigiu-se a ele um centurião, pedindo-lhe ajuda. E disse: "Senhor, meu servo está em casa, paralítico, em terrível sofrimento". Jesus lhe disse: "Eu irei curá-lo". Respondeu o centurião: "Senhor, não mereço receber-te debaixo do meu teto. Mas dize apenas uma palavra, e o meu servo será curado. Pois eu também sou homem sujeito à autoridade e com soldados sob o meu comando. Digo a um: Vá, e ele vai; e a outro: Venha, e ele vem. Digo a meu servo: Faça isto, e ele faz". Ao ouvir isso, Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam: "Digo a vocês a verdade: Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé. Eu digo que muitos virão do oriente e do ocidente e se sentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos céus. Mas os súditos do Reino serão lançados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes". Então Jesus disse ao centurião: "Vá! Como você creu, assim acontecerá!" Na mesma hora o seu servo foi curado. Mt 8,6-13
  • 28. Fé, segundo Jesus Alguns homens trouxeram-lhe um paralítico, deitado numa cama. Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: "Tenha bom ânimo, filho; os seus pecados estão perdoados". Mateus 9:2
  • 29. Fé, segundo Jesus Falava ele ainda quando um dos dirigentes da sinagoga chegou, ajoelhou-se diante dele e disse: "Minha filha acaba de morrer. Vem e impõe a tua mão sobre ela, e ela viverá". Jesus levantou-se e foi com ele, e também os seus discípulos. Nisso uma mulher que havia doze anos vinha sofrendo de uma hemorragia, chegou por trás dele e tocou na borda do seu manto, pois dizia a si mesma: "Se eu tão-somente tocar em seu manto, ficarei curada". Voltando-se, Jesus a viu e disse: "Ânimo, filha, a sua fé a curou! " E desde aquele instante a mulher ficou curada. Mateus 9:18-22
  • 30. Fé, falta de fé, segundo Jesus E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? (homens de pouca fé afundam no mundo) Mateus 14:28-31
  • 31. Fé, segundo Jesus, perseverar sempre Saindo daquele lugar, Jesus retirou-se para a região de Tiro e de Sidom. Uma mulher cananeia, natural dali, veio a ele, gritando: "Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! Minha filha está endemoninhada e está sofrendo muito". Mas Jesus não lhe respondeu palavra. Então seus discípulos se aproximaram dele e pediram: "Manda-a embora, pois vem gritando atrás de nós". Ele respondeu: "Eu fui enviado apenas às ovelhas perdidas de Israel". A mulher veio, adorou-o de joelhos e disse: "Senhor, ajuda-me!" Ele respondeu: "Não é certo tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos". Disse ela, porém: "Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos". Jesus respondeu: "Mulher, grande é a sua fé! Seja conforme você deseja". E, naquele mesmo instante, a sua filha foi curada.
  • 33. LIVRO DOS ESPÍRITOS 613. Embora de todo errônea, a ideia ligada à metempsicose não terá resultado do sentimento intuitivo que o homem possui de suas diferentes existências? “Nessa, como em muitas outras crenças, se depara esse sentimento intuitivo. O homem, porém, o desnaturou, como costuma fazer com a maioria de suas ideias intuitivas.” (...) O que é constante, o que ressalta do raciocínio e da experiência é a sobrevivência do Espírito, a conservação de sua individualidade após a morte, a progressividade de suas faculdades, seu estado feliz ou desgraçado de acordo com o seu adiantamento na senda do bem e todas as verdades morais decorrentes deste princípio. 631. Tem meios o homem de distinguir por si mesmo o que é bem do que é mal? “Sim, quando crê em Deus e o quer saber. Deus lhe deu inteligência para distinguir um do outro.”
  • 34. LIVRO DOS ESPÍRITOS 838. Será respeitável toda e qualquer crença, ainda quando notoriamente falsa? “Toda crença é respeitável, quando sincera e conducente à prática do bem. Condenáveis são as crenças que conduzam ao mal.” 922. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens? “Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, a consciência tranquila e a fé no futuro.” 943. Donde nasce o desgosto da vida, que, sem motivos plausíveis, se apodera de certos indivíduos? “Efeito da ociosidade, da falta de fé e, também, da saciedade. “Para aquele que usa de suas faculdades com fim útil e de acordo com as suas aptidões naturais, o trabalho nada tem de árido e a vida se escoa mais rapidamente. Ele lhe suporta as vicissitudes com tanto mais paciência e resignação, quanto obra com o fito da felicidade mais sólida e mais durável que o espera.” UM DOS REMÉDIOS PARA DEPRESSÃO É A CARIDADE
  • 36. Fé humana e fé divina 12. No homem, a fé é o sentimento inato de seus destinos futuros; é a consciência que ele tem das faculdades imensas depositadas em gérmen no seu íntimo, a princípio em estado latente, e que lhe cumpre fazer que desabrochem e cresçam pela ação da sua vontade. (...)Enfim, com a fé, não há maus pendores que se não chegue a vencer. O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de milagres. Repito: a fé é humana e divina. Se todos os encarnados se achassem bem persuadidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a serviço dessa força, seriam capazes de realizar o a que, até hoje, eles chamaram prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades humanas. – Um Espírito protetor. (Paris, 1863.)