SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
A TERRA: Mundo de Expiação e Provas
1804-1869
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal
2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo:
Matéria e EspíritoMatéria e Espírito
3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra
4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza:
Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal
5. Diferentes Categorias de Mundos
Habitados
6. Materialização nos Diferentes Mundos
77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Subsídios
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
607-b - Esse período de humanidade
começa sobre a nossa Terra?
- A Terra não é o ponto de partida da
primeira materialização humana.
O período de humanidade começa, em
geral, nos mundos ainda mais inferiores.
Essa, entretanto, não é uma regra absoluta e
poderia acontecer que um Espírito, desde o seu
início humano, esteja apto a viver na Terra.
Esse caso não é frequente e seria antes uma
exceção (9).
172 - Nossas diferentes existências se
passam todas na Terra?
- Não, mas nos diferentes mundos.
As deste globo não são as primeiras nem as
últimas, mas as mais materiais e distanciadas da
perfeição (8).
4 - A Terra pertence à categoria dos mundos
de expiação e de provas, e é por isso que nela o
homem está exposto a tantas misérias (1).
6 - Admira-se de haver sobre a Terra tantas
maldades e tantas paixões inferiores, tantas
misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-
se que miserável coisa é a espécie humana.
Esse julgamento decorre de uma visão
estreita, que dá uma falsa ideia do conjunto.
É desnecessário considerar que toda a
humanidade não se encontra na Terra, mas
apenas uma pequena fração dela.
Porque a espécie humana abrange todos os
seres dotados de razão, que povoam os
inumeráveis mundos do Universo.
Ora, o que seria a população da Terra, diante
da população total desses mundos?
Bem menos que a de um lugarejo em relação
à de um grande império.
A condição material e moral da Humanidade
terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos
em conta o destino da Terra e a natureza de sua
população (2).
7 - Faríamos uma ideia muito falsa da
população de uma grande cidade, se a julgássemos
pelos moradores dos bairros mais pobres e
sórdidos.
Num hospital, só vemos doentes e
estropiados;
Numa galé, vemos todas as torpezas, todos os
vícios reunidos;
Nas regiões insalubres, a maior parte dos
habitantes são pálidos, fracos e doentes.
Pois bem: consideremos a Terra como um
arrabalde (subúrbio – parte extrema de um
população), um hospital, uma penitenciária, um
pantanal, porque ela é tudo isso a um só tempo, e
Porque não se enviam aos hospitais as
pessoas sadias, nem às casas de correção os que
não praticam crimes, mesmo porque, os hospitais,
as casas de correção, não são lugares de delícias.
Ora, da mesma maneira que, numa cidade,
toda a população não se encontra nos hospitais ou
nas prisões, assim a humanidade inteira não se
encontra na Terra.
E como saímos do hospital quando estamos
curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o
homem sai da Terra para mundos mais felizes,
quando se acha curado de suas enfermidades
morais (3).
A superioridade da inteligência, num grande
número de seus habitantes, indica que ela não é
um mundo primitivo, destinado à encarnação de
Espíritos ainda mal saídos das mãos do Criador.
Suas qualidades inatas são a prova de que
já viveram e realizaram um certo progresso, mas
também os numerosos vícios a que se inclinam
são o indício de uma grande imperfeição moral.
Eis porque Deus os colocou num mundo
ingrato, para expiarem suas faltas através de um
trabalho penoso e das misérias da vida, até que
se façam merecedores de passar para um mundo
mais feliz (4).
205 - Podemos ter uma ideia da extensão de
nossa capacidade?
- A capacidade intelectual do homem
terrestre é excessivamente reduzida, em face dos
elevados poderes da personalidade espiritual
independente dos laços da matéria.
Os elos da rematerialização fazem o papel
de quebra-luz sobre todas as conquistas
anteriores do Espírito rematerializado.
Nessa sombra reside o acervo de
lembranças vagas, de vocações inatas, de
numerosas experiências, de valores naturais e
espontâneos, a que chamais subconsciência.
O homem comum é uma representação
parcial do homem transcendente, que será
reintegrado nas suas aquisições do passado,
depois de haver cumprido a prova ou a missão
exigidas pelas suas condições morais, no
mecanismo da justiça divina.
Aliás, a incapacidade intelectual do homem
físico tem sua origem na sua própria situação,
caracterizada pela necessidade de provas
amargas.
O cérebro humano é um aparelho frágil e
deficiente, onde o Espírito em queda tem de
valorizar as suas realizações de trabalho (12).
7 - É dessa maneira que se explicam, pela
pluralidade das existências e pelo destino da
Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias
da distribuição da felicidade e da desgraça, entre
os bons e os maus neste mundo.
Essa anomalia é apenas aparente, porque só
encaramos o problema em relação à vida
presente;
Mas quando nos elevamos, pelo
pensamento, de maneira a abranger uma série de
existências, compreendemos que a cada um é
dado o que merece¹, sem prejuízo do que lhe cabe
no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus
nunca falha (nunca se interrompe) (5).
Vejamos: Romanos 2:6 “O qual
recompensará a cada um segundo suas obras”.
9 - Não se deve crer, entretanto, que todo
sofrimento por que se passa neste mundo seja
necessariamente o indício de uma determinada
falta;
Trata-se frequentemente de simples provas
escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua
purificação e acelerar o seu adiantamento.
Assim, a expiação serve sempre de prova,
mas a prova nem sempre é uma expiação.
Mas provas e expiações são sempre sinais de
uma inferioridade relativa, pois aquele que é
perfeito não precisa ser provado.
Um Espírito pode, portanto, ter conquistado
um certo grau de elevação, mas querendo avançar
mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual
será tanto mais recompensado, se sair vitorioso
quanto mais penosa tiver sido a sua luta (6).
27 - Para que os homens sejam felizes sobre
a Terra, é necessário que ela seja povoada apenas
por bons Espíritos materializados e
desmaterializados, que apenas queiram o bem.
Tendo chegado tal tempo, uma grande
emigração se realiza neste momento entre os que
a habitam;
Aqueles que praticam o mal pelo mal, e que o
sentimento do bem não atinge, não sendo mais
dignos da Terra transformada, dela serão
excluídos porque eles lhe trariam novamente
perturbações e confusão, e seriam um obstáculo
ao progresso.
Irão expiar seu endurecimento, uns em
mundos inferiores, outros em raças terrestres
atrasadas, que serão o equivalente a mundos
inferiores, onde levarão os conhecimentos
adquiridos, tendo por missão fazê-las avançar.
Serão substituídos por Espíritos melhores,
que farão reinar entre si a justiça, a paz e a
fraternidade.
607-b - Esse período de humanidade começa
sobre a nossa Terra?
- A Terra não é o ponto de partida da primeira
materialização humana.
O período de humanidade começa, em
geral, nos mundos ainda mais inferiores.
Essa, entretanto, não é uma regra absoluta e
poderia acontecer que um Espírito, desde o seu
início humano, esteja apto a viver na Terra.
Esse caso não é frequente e seria antes uma
exceção (9).
172 - Nossas diferentes existências se
passam todas na Terra?
- Não, mas nos diferentes mundos.
No dizer dos Espíritos, a Terra não deve ser
transformada por um cataclismo que aniquile de
súbito uma geração.
A geração atual desaparecerá
gradualmente, e a nova lhe sucederá do mesmo
modo, sem que nada seja mudado na ordem
natural das coisas.
Portanto, tudo se processará exteriormente,
como de costume, com esta única diferença,
porém capital, que uma parte dos Espíritos que aí
se materializam não mais se materializarão.
Num menino que venha a nascer, em lugar
de um Espírito atrasado e inclinado ao mal, virá
um Espírito mais adiantado e inclinado ao bem (7).
1018 - O reino do bem poderá um dia
realizar-se na Terra?
- O bem reinará na Terra quando entre os
Espíritos que vêm habitar os bons superarem os
maus.
Então eles farão reinar o amor e a justiça,
que são fonte do bem e da felicidade.
É pelo progresso moral e pela prática das
leis de Deus que o homem atrairá para a Terra
os bons Espíritos e afastará os maus.
Mas os maus só a deixarão (a Terra)
quando o homem tiver banido o orgulho e o
egoísmo.
AA
GêneseGênese
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Nos diz que: [...] o planeta sofrido
experimenta convulsões especiais (perturbações -
agitações), tanto na sua estrutura física e
atmosférica, ajustando as suas diversas camadas
tectônicas, quanto na sua constituição moral.
Salienta que: Os Espíritos que caminham na
faixas da inferioridade, estão sendo substituídos
por outros mais elevados que impulsionarão pelas
trilhas do progresso moral, dando lugar a uma
nova era de paz e de felicidade.
Portanto!!!
Não acrediteis, porém, no fim do
mundo material. (...)
A Terra não será transformada por um
cataclismo que aniquile de súbito uma
geração. (...)
O que se prepara não é, pois, o fim doO que se prepara não é, pois, o fim do
mundo material, mas o fim do mundomundo material, mas o fim do mundo
moral. (...)moral. (...)
Fundação de instituições protetoras,
civilizadoras e emancipadoras.
Leis penais impregnadas de sentimentos mais
humanos.
Enfraquecimento dos preconceitos de raças.
Supressão de barreiras que separam os povos.
Repulsão às ideias materialistas.
Fortalecimento dos movimentos em prol da
conservação da natureza.
A ascensão da Terra na hierarquia dos
mundos depende essencialmente da
elevação moral de seus habitantes.
Portanto, é grande nossa
responsabilidade nesse processo de
transformação do planeta para um mundo
de regeneração, onde a prevalência do bem
sobre o mal atrairá para a Terra os bons
Espíritos, afastando dela os maus.
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª
ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 -
Cap. III – Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai
– Item: Diversas Categorias de Mundos Habitados
- Qst. 4 – Pág. 53.
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
2.________,Questão 6 - Pág. 54.
3.________,Questão 7 - Págs. 54-55.
4.________,Questão 13 - Págs. 57-58.
5.________,Cap. V – Bem-Aventurados as
Aflitos – Item: Causas Anteriores das Aflições -
Questão 7 - Págs. 78-79.
6.________,Questão 9 - Pág. 79.
7.________,A Gênese. Tradução de J.
Herculano Pires. 23ª ed. Brás - São Paulo: LAKE,
Março 2010 - Cap. XVIII – OS TEMPOS ESTÃO
CHAGADOS – Item: A Nova Geração – Questão
27 - Pág. 348.
8________,O livro dos Espíritos. Tradução de J.
Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE,
Janeiro 2009 – Livro Segundo – PLURALIDADE DAS
EXISTÊNCIAS - Item III – Materializações nos
Diferentes Mundos – Questão 172 - Pág. 106.
9.________,Cap. XI – OS TRÊS REINOS - Item
III – Os Animais e os Homens – Qst. 607-b – Pág. 219.
10.______,Livro 4º - Cap. II – PENAS E GOZOS
FUTUROS – Item IX – Paraíso, Inferno, Purgatório.
Paraíso Perdido. Pecado Original.–Qst.1018–Pág. 340
11.______,Págs. 340-341.
12.______,O Consolador. 2ª parte – Filosofia -
Cap. III – CULTURA – Item: Intelectualismo – Questão
205 - Pág. 123.
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdfFundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Rosimeire Alves
 
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala EspíritaProgressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Ponte de Luz ASEC
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
Denise Tofoli
 
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso IISegundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
CeiClarencio
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
igmateus
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritosPalestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
Divulgador do Espiritismo
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 

Mais procurados (20)

Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdfFundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
 
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala EspíritaProgressão dos espíritos e a Escala Espírita
Progressão dos espíritos e a Escala Espírita
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
 
Obsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espíritaObsessão do ponto de vista espírita
Obsessão do ponto de vista espírita
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
 
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso IISegundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
 
Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritosPalestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
Palestra Espírita - Ocupações e missões dos espíritos
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 

Destaque

Mundos de expiações e provas
Mundos de expiações e provasMundos de expiações e provas
Mundos de expiações e provas
caminhodaluz41
 
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãO
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãOEnviado por Welli Prova E ExpiaçãO
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãO
Aurora Boreal
 
Terra, Planeta de Provas e Expiações
Terra, Planeta de Provas e ExpiaçõesTerra, Planeta de Provas e Expiações
Terra, Planeta de Provas e Expiações
Angelo Baptista
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações
Mima Badan
 
Mundos regeneradores
Mundos regeneradoresMundos regeneradores
Mundos regeneradores
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Transição provas e expiações para regeneração (1)
Transição   provas e expiações para regeneração (1)Transição   provas e expiações para regeneração (1)
Transição provas e expiações para regeneração (1)
Euzebio Raimundo da Silva
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Dalila Melo
 
Provas e Expiações no Lar
Provas e Expiações no LarProvas e Expiações no Lar
Provas e Expiações no Lar
igmateus
 
Mundos de Regeneração
Mundos de RegeneraçãoMundos de Regeneração
Mundos de Regeneração
Leonardo Araújo
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
Elso Rodrigues
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
helenaimendes
 
( Espiritismo) # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
( Espiritismo)   # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i( Espiritismo)   # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
( Espiritismo) # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provas
Helio Cruz
 
Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24
Graça Maciel
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provas
Bloguinho Espírita
 
Palestra Transição Planetária: de Capela a Nibiru
Palestra  Transição Planetária: de Capela a NibiruPalestra  Transição Planetária: de Capela a Nibiru
Palestra Transição Planetária: de Capela a Nibiru
Marcelo Suster
 

Destaque (20)

Mundos de expiações e provas
Mundos de expiações e provasMundos de expiações e provas
Mundos de expiações e provas
 
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãO
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãOEnviado por Welli Prova E ExpiaçãO
Enviado por Welli Prova E ExpiaçãO
 
Terra, Planeta de Provas e Expiações
Terra, Planeta de Provas e ExpiaçõesTerra, Planeta de Provas e Expiações
Terra, Planeta de Provas e Expiações
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações
 
Mundos regeneradores
Mundos regeneradoresMundos regeneradores
Mundos regeneradores
 
Transição provas e expiações para regeneração (1)
Transição   provas e expiações para regeneração (1)Transição   provas e expiações para regeneração (1)
Transição provas e expiações para regeneração (1)
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
 
Provas e Expiações no Lar
Provas e Expiações no LarProvas e Expiações no Lar
Provas e Expiações no Lar
 
Mundos de Regeneração
Mundos de RegeneraçãoMundos de Regeneração
Mundos de Regeneração
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
( Espiritismo) # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
( Espiritismo)   # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i( Espiritismo)   # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
( Espiritismo) # - alexandre f fonseca - fisica quantica e espiritismo i
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provas
 
Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provas
 
Palestra Transição Planetária: de Capela a Nibiru
Palestra  Transição Planetária: de Capela a NibiruPalestra  Transição Planetária: de Capela a Nibiru
Palestra Transição Planetária: de Capela a Nibiru
 

Semelhante a Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas

Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
Ana Karina Andrade
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
petrus genuino
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
Alfweb Sistemas
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
hamletcrs
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
cab3032
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
Lena Lopez
 
Terra escola planetária!
Terra escola planetária!Terra escola planetária!
Terra escola planetária!
Leonardo Pereira
 
Informativo nov-12
Informativo   nov-12Informativo   nov-12
quem são os espiritos, espiritismo! .pptx
quem são os espiritos, espiritismo! .pptxquem são os espiritos, espiritismo! .pptx
quem são os espiritos, espiritismo! .pptx
Graça Crisanto
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
Eder Freyre
 
Higienização espiritual da Terra
Higienização espiritual da TerraHigienização espiritual da Terra
Higienização espiritual da Terra
carlos freire
 
Higienização espiritual da terra
Higienização espiritual da terraHigienização espiritual da terra
Higienização espiritual da terra
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Antonino Silva
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
Graça Maciel
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
Patricia Farias
 

Semelhante a Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas (20)

Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
 
Terra, es..
Terra, es..Terra, es..
Terra, es..
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Terra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de EspiritosTerra - Escola de Espiritos
Terra - Escola de Espiritos
 
Terra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos EspíritosTerra Escola dos Espíritos
Terra Escola dos Espíritos
 
Terraescolados Espiritos
Terraescolados EspiritosTerraescolados Espiritos
Terraescolados Espiritos
 
Terraescoladeespiritos
TerraescoladeespiritosTerraescoladeespiritos
Terraescoladeespiritos
 
Terra escola planetária!
Terra escola planetária!Terra escola planetária!
Terra escola planetária!
 
Informativo nov-12
Informativo   nov-12Informativo   nov-12
Informativo nov-12
 
quem são os espiritos, espiritismo! .pptx
quem são os espiritos, espiritismo! .pptxquem são os espiritos, espiritismo! .pptx
quem são os espiritos, espiritismo! .pptx
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
 
Higienização espiritual da Terra
Higienização espiritual da TerraHigienização espiritual da Terra
Higienização espiritual da Terra
 
Higienização espiritual da terra
Higienização espiritual da terraHigienização espiritual da terra
Higienização espiritual da terra
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Regeneração da humanidade
Regeneração da humanidadeRegeneração da humanidade
Regeneração da humanidade
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
ESE Cap. 3 Item 6/7 - 13/15
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 

Último

16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (14)

16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ A TERRA: Mundo de Expiação e Provas
  • 4. 1.O Fluído Cósmico Universal1.O Fluído Cósmico Universal 2. Elementos Gerais do Universo:2. Elementos Gerais do Universo: Matéria e EspíritoMatéria e Espírito 3. Formação dos Mundos e da Terra3. Formação dos Mundos e da Terra 4. Os Reinos da Natureza:4. Os Reinos da Natureza: Mineral, Vegetal, Animal e HominalMineral, Vegetal, Animal e Hominal 5. Diferentes Categorias de Mundos Habitados 6. Materialização nos Diferentes Mundos 77.. A Terra: Mundo de Expiação e ProvasA Terra: Mundo de Expiação e Provas
  • 8. 607-b - Esse período de humanidade começa sobre a nossa Terra? - A Terra não é o ponto de partida da primeira materialização humana. O período de humanidade começa, em geral, nos mundos ainda mais inferiores. Essa, entretanto, não é uma regra absoluta e poderia acontecer que um Espírito, desde o seu início humano, esteja apto a viver na Terra. Esse caso não é frequente e seria antes uma exceção (9). 172 - Nossas diferentes existências se passam todas na Terra?
  • 9. - Não, mas nos diferentes mundos. As deste globo não são as primeiras nem as últimas, mas as mais materiais e distanciadas da perfeição (8). 4 - A Terra pertence à categoria dos mundos de expiação e de provas, e é por isso que nela o homem está exposto a tantas misérias (1). 6 - Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo- se que miserável coisa é a espécie humana. Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa ideia do conjunto.
  • 10. É desnecessário considerar que toda a humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela. Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo. Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos? Bem menos que a de um lugarejo em relação à de um grande império. A condição material e moral da Humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população (2).
  • 11. 7 - Faríamos uma ideia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos. Num hospital, só vemos doentes e estropiados; Numa galé, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; Nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e doentes. Pois bem: consideremos a Terra como um arrabalde (subúrbio – parte extrema de um população), um hospital, uma penitenciária, um pantanal, porque ela é tudo isso a um só tempo, e
  • 12. Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticam crimes, mesmo porque, os hospitais, as casas de correção, não são lugares de delícias. Ora, da mesma maneira que, numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra. E como saímos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais (3).
  • 13. A superioridade da inteligência, num grande número de seus habitantes, indica que ela não é um mundo primitivo, destinado à encarnação de Espíritos ainda mal saídos das mãos do Criador. Suas qualidades inatas são a prova de que já viveram e realizaram um certo progresso, mas também os numerosos vícios a que se inclinam são o indício de uma grande imperfeição moral. Eis porque Deus os colocou num mundo ingrato, para expiarem suas faltas através de um trabalho penoso e das misérias da vida, até que se façam merecedores de passar para um mundo mais feliz (4).
  • 14. 205 - Podemos ter uma ideia da extensão de nossa capacidade? - A capacidade intelectual do homem terrestre é excessivamente reduzida, em face dos elevados poderes da personalidade espiritual independente dos laços da matéria. Os elos da rematerialização fazem o papel de quebra-luz sobre todas as conquistas anteriores do Espírito rematerializado. Nessa sombra reside o acervo de lembranças vagas, de vocações inatas, de numerosas experiências, de valores naturais e espontâneos, a que chamais subconsciência.
  • 15. O homem comum é uma representação parcial do homem transcendente, que será reintegrado nas suas aquisições do passado, depois de haver cumprido a prova ou a missão exigidas pelas suas condições morais, no mecanismo da justiça divina. Aliás, a incapacidade intelectual do homem físico tem sua origem na sua própria situação, caracterizada pela necessidade de provas amargas. O cérebro humano é um aparelho frágil e deficiente, onde o Espírito em queda tem de valorizar as suas realizações de trabalho (12).
  • 16. 7 - É dessa maneira que se explicam, pela pluralidade das existências e pelo destino da Terra, como mundo expiatório que é, as anomalias da distribuição da felicidade e da desgraça, entre os bons e os maus neste mundo. Essa anomalia é apenas aparente, porque só encaramos o problema em relação à vida presente; Mas quando nos elevamos, pelo pensamento, de maneira a abranger uma série de existências, compreendemos que a cada um é dado o que merece¹, sem prejuízo do que lhe cabe no Mundo dos Espíritos, e que a justiça de Deus nunca falha (nunca se interrompe) (5).
  • 17. Vejamos: Romanos 2:6 “O qual recompensará a cada um segundo suas obras”. 9 - Não se deve crer, entretanto, que todo sofrimento por que se passa neste mundo seja necessariamente o indício de uma determinada falta; Trata-se frequentemente de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas a prova nem sempre é uma expiação. Mas provas e expiações são sempre sinais de uma inferioridade relativa, pois aquele que é perfeito não precisa ser provado.
  • 18. Um Espírito pode, portanto, ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta (6). 27 - Para que os homens sejam felizes sobre a Terra, é necessário que ela seja povoada apenas por bons Espíritos materializados e desmaterializados, que apenas queiram o bem. Tendo chegado tal tempo, uma grande emigração se realiza neste momento entre os que a habitam;
  • 19. Aqueles que praticam o mal pelo mal, e que o sentimento do bem não atinge, não sendo mais dignos da Terra transformada, dela serão excluídos porque eles lhe trariam novamente perturbações e confusão, e seriam um obstáculo ao progresso. Irão expiar seu endurecimento, uns em mundos inferiores, outros em raças terrestres atrasadas, que serão o equivalente a mundos inferiores, onde levarão os conhecimentos adquiridos, tendo por missão fazê-las avançar. Serão substituídos por Espíritos melhores, que farão reinar entre si a justiça, a paz e a fraternidade.
  • 20. 607-b - Esse período de humanidade começa sobre a nossa Terra? - A Terra não é o ponto de partida da primeira materialização humana. O período de humanidade começa, em geral, nos mundos ainda mais inferiores. Essa, entretanto, não é uma regra absoluta e poderia acontecer que um Espírito, desde o seu início humano, esteja apto a viver na Terra. Esse caso não é frequente e seria antes uma exceção (9). 172 - Nossas diferentes existências se passam todas na Terra? - Não, mas nos diferentes mundos.
  • 21. No dizer dos Espíritos, a Terra não deve ser transformada por um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. A geração atual desaparecerá gradualmente, e a nova lhe sucederá do mesmo modo, sem que nada seja mudado na ordem natural das coisas. Portanto, tudo se processará exteriormente, como de costume, com esta única diferença, porém capital, que uma parte dos Espíritos que aí se materializam não mais se materializarão. Num menino que venha a nascer, em lugar de um Espírito atrasado e inclinado ao mal, virá um Espírito mais adiantado e inclinado ao bem (7).
  • 22. 1018 - O reino do bem poderá um dia realizar-se na Terra? - O bem reinará na Terra quando entre os Espíritos que vêm habitar os bons superarem os maus. Então eles farão reinar o amor e a justiça, que são fonte do bem e da felicidade. É pelo progresso moral e pela prática das leis de Deus que o homem atrairá para a Terra os bons Espíritos e afastará os maus. Mas os maus só a deixarão (a Terra) quando o homem tiver banido o orgulho e o egoísmo.
  • 26. Nos diz que: [...] o planeta sofrido experimenta convulsões especiais (perturbações - agitações), tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Salienta que: Os Espíritos que caminham na faixas da inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados que impulsionarão pelas trilhas do progresso moral, dando lugar a uma nova era de paz e de felicidade.
  • 27. Portanto!!! Não acrediteis, porém, no fim do mundo material. (...) A Terra não será transformada por um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. (...) O que se prepara não é, pois, o fim doO que se prepara não é, pois, o fim do mundo material, mas o fim do mundomundo material, mas o fim do mundo moral. (...)moral. (...)
  • 28. Fundação de instituições protetoras, civilizadoras e emancipadoras. Leis penais impregnadas de sentimentos mais humanos. Enfraquecimento dos preconceitos de raças. Supressão de barreiras que separam os povos. Repulsão às ideias materialistas. Fortalecimento dos movimentos em prol da conservação da natureza.
  • 29. A ascensão da Terra na hierarquia dos mundos depende essencialmente da elevação moral de seus habitantes. Portanto, é grande nossa responsabilidade nesse processo de transformação do planeta para um mundo de regeneração, onde a prevalência do bem sobre o mal atrairá para a Terra os bons Espíritos, afastando dela os maus.
  • 30. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. III – Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai – Item: Diversas Categorias de Mundos Habitados - Qst. 4 – Pág. 53. ReferênciaReferência BibliográficaBibliográfica
  • 31. 2.________,Questão 6 - Pág. 54. 3.________,Questão 7 - Págs. 54-55. 4.________,Questão 13 - Págs. 57-58. 5.________,Cap. V – Bem-Aventurados as Aflitos – Item: Causas Anteriores das Aflições - Questão 7 - Págs. 78-79. 6.________,Questão 9 - Pág. 79. 7.________,A Gênese. Tradução de J. Herculano Pires. 23ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Março 2010 - Cap. XVIII – OS TEMPOS ESTÃO CHAGADOS – Item: A Nova Geração – Questão 27 - Pág. 348.
  • 32. 8________,O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Janeiro 2009 – Livro Segundo – PLURALIDADE DAS EXISTÊNCIAS - Item III – Materializações nos Diferentes Mundos – Questão 172 - Pág. 106. 9.________,Cap. XI – OS TRÊS REINOS - Item III – Os Animais e os Homens – Qst. 607-b – Pág. 219. 10.______,Livro 4º - Cap. II – PENAS E GOZOS FUTUROS – Item IX – Paraíso, Inferno, Purgatório. Paraíso Perdido. Pecado Original.–Qst.1018–Pág. 340 11.______,Págs. 340-341. 12.______,O Consolador. 2ª parte – Filosofia - Cap. III – CULTURA – Item: Intelectualismo – Questão 205 - Pág. 123.

Notas do Editor

  1. Imagem captada no seguinte endereço eletrônico, em 24 de março de 2008: http://notitial.blogspot.com/2006/02/ndice-do-estudo-de-o-livro-dos.html