SlideShare uma empresa Scribd logo
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurado: Aquele que goza da felicidade perfeita
Aflito: ANSIOSO, APREENSIVO, INQUIETO, PREOCUPADO
Aflição: Estado do ânimo perturbado de algo que o
atormenta. Atribulação, tormento.
Bem-aventurados os aflitos
• Não para absoluta maioria das pessoas.
• Há quem pense que o conhecimento da lei de
reencarnação e da Lei de causa e efeito seriam
suficientes para a pessoa se sentir feliz na hora
do sofrimento.
• A aflição gera dor, sofrimento, tristeza e desperta
o desejo de sair dela o mais rápido possível.
Há um equívoco de algumas pessoas
que julgam que quando Jesus disse:
Bem-aventurados os que choram, seria
um sinônimo de “seja feliz durante sua
aflição”
O Mestre não disse: sejam felizes
durante o sofrimento
Não existe lei da dor
Existe Lei do Amor
Sérgio Lopes – Código do Monte
• Quais as origens das aflições?
• Quando teremos felicidade plena?
Para melhor compreensão precisamos ver ou
rever alguns princípios da Doutrina Espírita
Bem-aventurados os aflitos
LE1 - Que é Deus ?
Bem-aventurados os aflitos
DEUS É O CRIADOR
DE TUDO O QUE EXISTE
LE. 76 - Que definição se pode dar dos
Espíritos?
• “Pode dizer-se que os Espíritos são os seres
inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do
mundo material.”
Qual a diferença de Espírito e alma?
• Ambos são a mesma coisa. Só utilizamos o
termo ESPÍRITO quando este está desencarnado
e ALMA quando o Espírito está encarnado.
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
A fé no futuro pode consolar e infundir paciência, mas
não explica essas anomalias, que parecem desmentir a
Justiça de Deus.
Entretanto, desde que admita a existência de
Deus, ninguém o pode conceber sem o infinito
das perfeições.
Ele é todo o poder, toda a justiça, toda a bondade, sem
o que não seria Deus.
Como Deus é Justo, justa há de ser estas causas.
Se Deus é Justo e Bom:
Por que sofrem uns mais do que outros?
Por que uns nascem na miséria e outros na riqueza, sem
coisa alguma haverem feito que justifique essas posições?
Por que uns nada conseguem, ao passo que a outros tudo
parece sorrir?
O que menos se compreende é que os bens e os males
sejam tão desigualmente repartidos entre o vício e a
virtude; e que os homens virtuosos sofram, ao lado dos
maus que prosperam.
Por que? Por que? Por que?
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
• Quantos homens caem por sua própria culpa!
• Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de
sua ambição!
• Quantos se arruínam por falta de ordem, de perseverança, pelo
mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos!
• Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo
de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou
parte alguma.
• Quantas dissensões (divergência de opiniões) e funestas
disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e
menos suscetibilidade! (melindres)
• Quantas doenças e enfermidades decorrem da
intemperança e dos excessos de todo gênero!
• Quantos pais são infelizes com seus filhos, porque não lhes
combateram desde o princípio as más tendências! Por
fraqueza, ou indiferença, deixaram que neles se
desenvolvessem os gérmens do orgulho, do egoísmo e da
tola vaidade, que produzem a secura do coração; depois,
mais tarde, quando colhem o que semearam, admiram-se
e se afligem com a ingratidão de que são tratados.
A quem, então, há de o homem responsabilizar por
todas essas aflições, senão a si mesmo?
O homem, pois, em grande número de casos, é o
causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez
de reconhecê-lo, acha mais simples, menos
humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a
Providência, a má fortuna, ao azar, sendo que azar
é a sua falta de cuidado.
Interroguem friamente suas consciências todos os que
são feridos no coração pelas vicissitudes e decepções da
Vida:
Remontem passo a passo à origem dos males que os
torturam e verifiquem se, as mais das vezes, não poderão
dizer:
- Ahh! Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa,
não estaria em semelhante condição...
Há males nesta vida cuja causa primária é
o homem, outros há também, pelo menos
na aparência, ele é completamente
estranho e que parecem atingi-lo como
por fatalidade...
Por vezes, a falta não se acha nesta vida. Então
acusa-se a justiça de Deus, nega-se a sua
bondade, duvida-se, até, de sua existência.
Aí está a prova mais escabrosa: a dúvida sobre
a divindade. Quem quer que admita um Deus
soberanamente justo e bom deve dizer que só
agirá com sabedoria, mesmo naquilo que não
compreendamos; e que se sofremos uma pena,
é porque o merecemos; é, pois, uma expiação.
Pela Reencarnação, o Espiritismo levanta
completamente o véu sob o qual esta questão
deixava obscuridade.
• perda de entes queridos e a dos que são o
amparo da família;
• Os acidentes que nenhuma previsão poderia
impedir;
• Os reveses da fortuna, que frustram todas as
precauções;
• Os flagelos naturais;
• As enfermidades de nascença;
• Crianças que morrem em tenra idade e da
vida só conheceram sofrimentos...
Aquele que hoje sofre está expiando
o seu passado.
“... São provas impostas por Deus, ou
que vós mesmos escolhestes como
Espíritos, antes de encarnardes, para
expiação das faltas cometidas em
outra existência...”
Bem-aventurados os aflitos
A prosperidade do mau é apenas momentânea e se
ele não expiar os seus erros agora, virá a expiá-los
futuramente.
O infortúnio que, à primeira vista, parece não
merecido, tem a sua razão de ser.
Toda ação há uma reação: todo efeito tem uma
causa.
Aquele que hoje sofre pode sempre dizer:
“Perdoe-me, Senhor, porque pequei”.
Nem todo sofrimento deste mundo denota a
existência de uma determinada falta. Muitas
vezes são simples provas buscadas pelo Espírito
para concluir a sua depuração e ativar o seu
progresso...
A expiação serve sempre de prova, mas nem
sempre a prova é uma expiação de erros do
passado
"Não basta sofrer simplesmente para
evoluir moral e espiritualmente.
Indispensável é saber sofrer, extraindo as
boas lições de cada vivência por mais
difícil que pareça."
Emmanuel/Chico Xavier - Livro Vinha de Luz - item 80
Dependerá de si mesmo, pela
resignação, de tornar proveitoso para si
o seu sofrimento, a fim de não perder o
fruto pelas suas queixas, uma vez que se
perder a oportunidade, terá de começar
de novo
• Não somos vítimas da vida. Estamos diante das
consequências dos atos que produzimos
NÃO HÁ VITIMA NEM INOCENTE
• Estamos em processo de reeducação, tendo
oportunidade de acertar nossos débitos com a vida...
• Aquele, pois, que muito sofre deve reconhecer que
muito tinha a expiar.
• A dor não é castigo: é contingência inerente à vida, é
para a restauração e o progresso individual ou
coletivo.
Fica claro, pois, que o próprio espírito, utilizando o
livre arbítrio que Deus concede a todos, traça a sua
trajetória:
 de deslizes e crimes hoje e grande sofrimentos no
futuro...
 ou de aprendizado, lutas e sofrimentos hoje e
felicidade no futuro....
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Qual a diferença entre expiação e prova?
Como identificar o espírito
em expiação?
Geralmente é o indivíduo
que não aceita seus
sofrimentos, as situações
difíceis que enfrenta,
rebelando-se. Atravessa a
existência a reclamar do
peso de sua cruz.
É sempre assim?
Nada é definitivo no
comportamento humano, já que
exercitamos o livre-arbítrio. Um
espírito em provação, que fez
louváveis planos para a vida
presente, pode refugar o que
planejou. Da mesma forma, um
espírito em expiação pode
experimentar um despertamento
da consciência, dispondo-se a
enfrentar suas dores com
dignidade, buscando o melhor.
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
* se sofremos é por ignorância ou
rebeldia, ficamos em débito com a Lei
Divina, seja nesta ou em vidas anteriores.
*Fomos criados para a felicidade plena,
no entanto, só a conheceremos
quando formos perfeitos;
Para que isso ocorra necessitamos das várias e sucessivas
experiências encarnatórias, através das quais vamos nos
depurando, vamos nos burilando, reajuste este que se dá por
meio das provas, expiações sofrimentos e dores e pela forma pela
qual os vivenciamos. Ou pelo amor a escolha sempre é nossa.
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Se você começou a ler não sabe bem por
onde começar
Comece pelo cap. V “Bem-Aventurados os Aflitos”
Não está acostumado a leitura? Leia duas páginas por dia. É muito? Leia
um item ou dois... Pela manhã... pela tarde e ou outro a noite de acordo
com sua disponibilidade... Dorme durante a leitura? Leia em pé, leia
caminhando. Leu todo o capítulo? Comece de novo... Leia em voz alta...
Releia muitas vezes e sempre que tiver com uma aflição. Então, agora
comece uma leitura “normal”, desde a introdução.
Sempre que estiver com alguma dificuldade ou antes de fazer uma oração
e no Evangelho no Lar, abra ao “acaso” os Benfeitores Espirituais
proporcionar-lhe ão alguma mensagem que lhe dará o conforto e
esclarecimento necessário naquele momento.
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Bibliografia:
Evangelho Segundo o Espiritismo
Livro dos Espíritos
Revista Espírita 1863
O Código do Monte
A força das ideias
Pão Nosso
Vinha de Luz

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
Graça Maciel
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
JulianoCarvalho29
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
Ricardo Azevedo
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
Infortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestraInfortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestra
Débora Homobono
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Patricia Farias
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
Anderson Dias
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
Graça Maciel
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra Espírita
Thiago Garcia
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
Denise Tofoli
 

Mais procurados (20)

Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
Infortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestraInfortunios ocultos palestra
Infortunios ocultos palestra
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
O cristo consolador
O cristo consoladorO cristo consolador
O cristo consolador
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Fora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvaçãoFora da caridade não há salvação
Fora da caridade não há salvação
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra Espírita
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
O homem no mundo
O homem no mundoO homem no mundo
O homem no mundo
 

Semelhante a Bem-aventurados os aflitos

A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
M.R.L
 
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOSBEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
Sergio Menezes
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
meebpeixotinho
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
Patricia Farias
 
Dor e bênção
Dor e bênçãoDor e bênção
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
Patricia Farias
 
Considerando o arrependimento
Considerando o arrependimentoConsiderando o arrependimento
Considerando o arrependimento
Bernadete Costa
 
Bem Aventurados os Aflitos.pptx
Bem Aventurados os Aflitos.pptxBem Aventurados os Aflitos.pptx
Bem Aventurados os Aflitos.pptx
AnnaPaula5710
 
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leveDiante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Auto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpaAuto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpa
Lisete B.
 
Por que comigo
Por que comigoPor que comigo
Por que comigo
Lisete B.
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
Rosângela Elias
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
Dalila Melo
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
Ceile Bernardo
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 
Motivos de resignação
Motivos de resignaçãoMotivos de resignação
Motivos de resignação
Ponte de Luz ASEC
 
Tomada de consciência
Tomada de consciênciaTomada de consciência
Tomada de consciência
Helio Cruz
 

Semelhante a Bem-aventurados os aflitos (20)

A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOSBEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Penas E Gozos Terrenos
Penas E  Gozos  TerrenosPenas E  Gozos  Terrenos
Penas E Gozos Terrenos
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4Evangelho Cap 5 item 4
Evangelho Cap 5 item 4
 
Dor e bênção
Dor e bênçãoDor e bênção
Dor e bênção
 
Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26Evangelho Cap5 item26
Evangelho Cap5 item26
 
Considerando o arrependimento
Considerando o arrependimentoConsiderando o arrependimento
Considerando o arrependimento
 
Bem Aventurados os Aflitos.pptx
Bem Aventurados os Aflitos.pptxBem Aventurados os Aflitos.pptx
Bem Aventurados os Aflitos.pptx
 
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leveDiante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
Diante das Aflições todo fardo com Jesus fica mais leve
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Auto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpaAuto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpa
 
Por que comigo
Por que comigoPor que comigo
Por que comigo
 
Suicidio parte-dois
Suicidio parte-doisSuicidio parte-dois
Suicidio parte-dois
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 
Motivos de resignação
Motivos de resignaçãoMotivos de resignação
Motivos de resignação
 
Tomada de consciência
Tomada de consciênciaTomada de consciência
Tomada de consciência
 

Último

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 

Último (14)

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 

Bem-aventurados os aflitos

  • 4. Bem-aventurado: Aquele que goza da felicidade perfeita Aflito: ANSIOSO, APREENSIVO, INQUIETO, PREOCUPADO Aflição: Estado do ânimo perturbado de algo que o atormenta. Atribulação, tormento.
  • 6. • Não para absoluta maioria das pessoas. • Há quem pense que o conhecimento da lei de reencarnação e da Lei de causa e efeito seriam suficientes para a pessoa se sentir feliz na hora do sofrimento. • A aflição gera dor, sofrimento, tristeza e desperta o desejo de sair dela o mais rápido possível.
  • 7. Há um equívoco de algumas pessoas que julgam que quando Jesus disse: Bem-aventurados os que choram, seria um sinônimo de “seja feliz durante sua aflição” O Mestre não disse: sejam felizes durante o sofrimento Não existe lei da dor Existe Lei do Amor Sérgio Lopes – Código do Monte
  • 8. • Quais as origens das aflições? • Quando teremos felicidade plena? Para melhor compreensão precisamos ver ou rever alguns princípios da Doutrina Espírita
  • 10. LE1 - Que é Deus ?
  • 12. DEUS É O CRIADOR DE TUDO O QUE EXISTE
  • 13. LE. 76 - Que definição se pode dar dos Espíritos? • “Pode dizer-se que os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.” Qual a diferença de Espírito e alma? • Ambos são a mesma coisa. Só utilizamos o termo ESPÍRITO quando este está desencarnado e ALMA quando o Espírito está encarnado.
  • 18. A fé no futuro pode consolar e infundir paciência, mas não explica essas anomalias, que parecem desmentir a Justiça de Deus. Entretanto, desde que admita a existência de Deus, ninguém o pode conceber sem o infinito das perfeições. Ele é todo o poder, toda a justiça, toda a bondade, sem o que não seria Deus. Como Deus é Justo, justa há de ser estas causas.
  • 19. Se Deus é Justo e Bom: Por que sofrem uns mais do que outros? Por que uns nascem na miséria e outros na riqueza, sem coisa alguma haverem feito que justifique essas posições? Por que uns nada conseguem, ao passo que a outros tudo parece sorrir? O que menos se compreende é que os bens e os males sejam tão desigualmente repartidos entre o vício e a virtude; e que os homens virtuosos sofram, ao lado dos maus que prosperam. Por que? Por que? Por que?
  • 23. • Quantos homens caem por sua própria culpa! • Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! • Quantos se arruínam por falta de ordem, de perseverança, pelo mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos! • Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou parte alguma. • Quantas dissensões (divergência de opiniões) e funestas disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e menos suscetibilidade! (melindres)
  • 24. • Quantas doenças e enfermidades decorrem da intemperança e dos excessos de todo gênero! • Quantos pais são infelizes com seus filhos, porque não lhes combateram desde o princípio as más tendências! Por fraqueza, ou indiferença, deixaram que neles se desenvolvessem os gérmens do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que produzem a secura do coração; depois, mais tarde, quando colhem o que semearam, admiram-se e se afligem com a ingratidão de que são tratados.
  • 25. A quem, então, há de o homem responsabilizar por todas essas aflições, senão a si mesmo? O homem, pois, em grande número de casos, é o causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, menos humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a má fortuna, ao azar, sendo que azar é a sua falta de cuidado.
  • 26. Interroguem friamente suas consciências todos os que são feridos no coração pelas vicissitudes e decepções da Vida: Remontem passo a passo à origem dos males que os torturam e verifiquem se, as mais das vezes, não poderão dizer: - Ahh! Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa, não estaria em semelhante condição...
  • 27. Há males nesta vida cuja causa primária é o homem, outros há também, pelo menos na aparência, ele é completamente estranho e que parecem atingi-lo como por fatalidade...
  • 28. Por vezes, a falta não se acha nesta vida. Então acusa-se a justiça de Deus, nega-se a sua bondade, duvida-se, até, de sua existência. Aí está a prova mais escabrosa: a dúvida sobre a divindade. Quem quer que admita um Deus soberanamente justo e bom deve dizer que só agirá com sabedoria, mesmo naquilo que não compreendamos; e que se sofremos uma pena, é porque o merecemos; é, pois, uma expiação. Pela Reencarnação, o Espiritismo levanta completamente o véu sob o qual esta questão deixava obscuridade.
  • 29. • perda de entes queridos e a dos que são o amparo da família; • Os acidentes que nenhuma previsão poderia impedir; • Os reveses da fortuna, que frustram todas as precauções; • Os flagelos naturais; • As enfermidades de nascença; • Crianças que morrem em tenra idade e da vida só conheceram sofrimentos...
  • 30. Aquele que hoje sofre está expiando o seu passado. “... São provas impostas por Deus, ou que vós mesmos escolhestes como Espíritos, antes de encarnardes, para expiação das faltas cometidas em outra existência...”
  • 32. A prosperidade do mau é apenas momentânea e se ele não expiar os seus erros agora, virá a expiá-los futuramente. O infortúnio que, à primeira vista, parece não merecido, tem a sua razão de ser. Toda ação há uma reação: todo efeito tem uma causa. Aquele que hoje sofre pode sempre dizer: “Perdoe-me, Senhor, porque pequei”.
  • 33. Nem todo sofrimento deste mundo denota a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso... A expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação de erros do passado
  • 34. "Não basta sofrer simplesmente para evoluir moral e espiritualmente. Indispensável é saber sofrer, extraindo as boas lições de cada vivência por mais difícil que pareça." Emmanuel/Chico Xavier - Livro Vinha de Luz - item 80 Dependerá de si mesmo, pela resignação, de tornar proveitoso para si o seu sofrimento, a fim de não perder o fruto pelas suas queixas, uma vez que se perder a oportunidade, terá de começar de novo
  • 35. • Não somos vítimas da vida. Estamos diante das consequências dos atos que produzimos NÃO HÁ VITIMA NEM INOCENTE • Estamos em processo de reeducação, tendo oportunidade de acertar nossos débitos com a vida... • Aquele, pois, que muito sofre deve reconhecer que muito tinha a expiar. • A dor não é castigo: é contingência inerente à vida, é para a restauração e o progresso individual ou coletivo.
  • 36. Fica claro, pois, que o próprio espírito, utilizando o livre arbítrio que Deus concede a todos, traça a sua trajetória:  de deslizes e crimes hoje e grande sofrimentos no futuro...  ou de aprendizado, lutas e sofrimentos hoje e felicidade no futuro....
  • 39. Qual a diferença entre expiação e prova?
  • 40. Como identificar o espírito em expiação? Geralmente é o indivíduo que não aceita seus sofrimentos, as situações difíceis que enfrenta, rebelando-se. Atravessa a existência a reclamar do peso de sua cruz.
  • 41. É sempre assim? Nada é definitivo no comportamento humano, já que exercitamos o livre-arbítrio. Um espírito em provação, que fez louváveis planos para a vida presente, pode refugar o que planejou. Da mesma forma, um espírito em expiação pode experimentar um despertamento da consciência, dispondo-se a enfrentar suas dores com dignidade, buscando o melhor.
  • 44. * se sofremos é por ignorância ou rebeldia, ficamos em débito com a Lei Divina, seja nesta ou em vidas anteriores. *Fomos criados para a felicidade plena, no entanto, só a conheceremos quando formos perfeitos; Para que isso ocorra necessitamos das várias e sucessivas experiências encarnatórias, através das quais vamos nos depurando, vamos nos burilando, reajuste este que se dá por meio das provas, expiações sofrimentos e dores e pela forma pela qual os vivenciamos. Ou pelo amor a escolha sempre é nossa.
  • 47. Se você começou a ler não sabe bem por onde começar Comece pelo cap. V “Bem-Aventurados os Aflitos” Não está acostumado a leitura? Leia duas páginas por dia. É muito? Leia um item ou dois... Pela manhã... pela tarde e ou outro a noite de acordo com sua disponibilidade... Dorme durante a leitura? Leia em pé, leia caminhando. Leu todo o capítulo? Comece de novo... Leia em voz alta... Releia muitas vezes e sempre que tiver com uma aflição. Então, agora comece uma leitura “normal”, desde a introdução. Sempre que estiver com alguma dificuldade ou antes de fazer uma oração e no Evangelho no Lar, abra ao “acaso” os Benfeitores Espirituais proporcionar-lhe ão alguma mensagem que lhe dará o conforto e esclarecimento necessário naquele momento.
  • 50. Bibliografia: Evangelho Segundo o Espiritismo Livro dos Espíritos Revista Espírita 1863 O Código do Monte A força das ideias Pão Nosso Vinha de Luz