SlideShare uma empresa Scribd logo
(KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Cap. XIII, item 4).
Nas grandes calamidades, a caridade se manifesta, e veem-se generosos
impulsos para reparar os desastres; mas, ao lado desses desastres gerais, há
milhares de desastres particulares que passam despercebidos, de pessoas que
jazem sobre um catre sem se lamentarem. São a esses infortúnios discretos e
ocultos que a verdadeira generosidade sabe ir descobrir, sem esperar que eles
venham pedir assistência.
Quem é esta mulher de ar distinto, vestida de maneira simples mas cuidada, seguida de uma
jovem vestida também modestamente? Entra numa casa de sórdida aparência, onde é conhecida,
sem duvida, porque, à porta, a saúdam com respeito. Onde vai ela? Sobe até a mansarda: lá
mora uma mãe de família cercada de filhos pequenos; à sua chegada, a alegria brilha nesses
semblantes emagrecidos; é que ela vem acalmar todas essas dores; trás o necessário, temperado
com doces e consoladoras palavras, que fazem aceitar o beneficio sem corar, porque esses
infortunados não são mendigos profissionais; o pai está no hospital e, durante esse tempo, a mãe
não pode bastar às necessidades. Graças a ela, essas pobres crianças não sofrerão nem o frio, nem a
fome; irão à escola agasalhadas e o seio da mãe não secará para as criancinhas. Se há um doente
entre eles, nenhum, cuidado material a repugnará.[...]
[...] De lá, ela se dirige ao hospital, para levar ao pai algum consolo e tranquilizá-lo sobre a sorte
da família. No canto da rua a espera uma viatura, verdadeira loja de tudo o que leva aos seus
protegidos, que visita assim sucessivamente; não lhes pergunta nem sua crença, nem sua opinião,
porque, para ela, todos os homens são irmãos e filhos de Deus. Terminada a excursão, ela se diz:
Comecei bem o meu dia. Qual é seu nome? Onde mora? Ninguém o sabe; para os infelizes, é um
nome que não revela nada; mas é o anjo de consolação; e, à noite, uma sinfonia de bênçãos se
eleva para ela até o Criador: católicos, judeus, protestantes, todos a bendizem.
Por que ela se veste de maneira tão simples? É que não quer insultar a miséria com o seu luxo. Por
que se faz acompanhar da filha adolescente? É para ensinar-lhe como se deve praticar a
benevolência. A filha também quer fazer a caridade, mas sua mãe lhe diz: “Que podes dar, minha
criança, uma vez que nada tens de ti? Se eu te entregar alguma coisa para passá-la aos outros, que
mérito terás? Em realidade, eu é que farei a caridade, e tu que dela terás o mérito; isso não é justo.
Quando vamos visitar os enfermos, tu me ajudas a cuidar deles; ora, dar cuidados é dar alguma
coisa. Isso não parece bastante? Nada é mais simples; aprende a fazer obras uteis, e tu
confeccionarás roupinhas para essas criancinhas; deste modo, darás alguma coisa vinda de ti”. É
assim que essa mãe, verdadeiramente cristã, forma sua filha na pratica das virtudes ensinadas pelo
Cristo. É espírita? Que importa!
No seu lar, é a mulher do mundo, porque a sua
posição o exige; mas ignora-se o que ela faz, porque
não quer outra aprovação senão a de Deus e da
sua consciência. Um dia, porém, uma circunstância
imprevista conduziu até ela uma das suas
protegidas, que lhe produzia obras; esta a
reconheceu e quis abençoar a sua benfeitora:
“Silencio! Disse-lhe; não o digas a ninguém”. Assim
falava Jesus. (KARDEC, Allan. O Evangelho
Segundo o Espiritismo. Cap. XIII, item 4).
Nas grandes calamidades, a caridade se manifesta:
• Comoção coletiva;
• Grande visibilidade da solidariedade;
• Fomenta a esperança;
(**) Há colaboradores e aproveitadores
• Humildade;
• Ausência de preconceito;
• Doa com respeito e consideração, sem vaidade;
• “Procura” oportunidades de auxílio;
• Não espera retribuição/reconhecimento (Lucas, 14:12-14);
• Dá de si mesma;
• Estimula ao bem pelo exemplo;
“Todos os seres são de essência divina,
porque procedentes do Psiquismo
Criador, que estabelece o processo de
evolução mediante as experiências
infinitas do progresso incessante.
Como consequência, torna-se imperiosa
a necessidade de cada qual desenvolver
os sentimentos que se aprimoram,
superando os atavismos que
remanescem das experiências anteriores,
ainda predominantes em sua natureza.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o
Evangelho à Luz da Psicologia
Profunda. Cap. 17).
“Das penosas conjunturas do começo até aos momentos de sublimação, etapas se
sucedem ricas de possibilidades que, aproveitadas apressam o desabrochar dos
valores adormecidos, encarregados de ampliar-se no rumo das estrelas.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Na planta, a inteligência fica adormecida; no animal, ela sonha; apenas no
homem ela acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente.” (DENIS, Leon. O
Problema do Ser, do Destino e da Dor).
“Para esse logro, o trabalho é árduo e
gratificante, porque à medida que se libera de
cada impositivo, torna-se mais factível vencer o
próximo, ensejando-se mais amplos recursos de
iluminação interior.
[...]
O Cristo histórico, neste contexto, cede lugar ao
Jesus-Homem, mergulhado na turbamulta e
entre os caprichos da mole humana,
mantendo-se em neutralidade total, não
obstante tomado de profunda compaixão por
aqueles que O não entendiam e se
engalfinhavam nas lutas ridículas das disputas
transitórias pela conquista de migalhas,
ouropéis, metais das entranhas da Terra, que
passaram a adquirir valor relativo...”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho
à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
“Aquele Jesus das teologias igrejistas, embora compadecido das multidões
parecia distante dos seus sentimentos, procurando a sua comunhão com Deus,
longe dos tormentos das massas, que se apresentavam necessitadas desse
processo depurador.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da
Psicologia Profunda. Cap. 17).
“Colocado como redentor, liberador de culpas, também estava isento de
qualquer tentação, de qualquer condição de humanidade, inalcançável pelos
fenômenos do mundo, portanto, de certo modo, também, impossível de ser
imitado, acompanhado, inacessível...”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Na proposta da psicologia profunda que humaniza o Vencedor de si mesmo,
que triunfou sobre as conjunturas em que se encontrava graças aos valores
conquistados, tornava-se companheiro do infortúnio por conhecer a sua origem
e as contingências perigosas para o processo de evolução, ao mesmo tempo
oferecendo recurso terapêutico para as mazelas morais e espirituais daqueles
que as padeciam.
Instava com os infelizes, mesclava-se com eles, mas não se tornava um deles,
porque a gema preciosa, mesmo no pântano, quando o Sol a alcança mantém
o seu brilho.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Jesus é o diamante que se tornou estelar, mantendo o brilho interior, sem
permitir-se ofuscar as débeis claridades individuais, no entanto, clareando as
consciências e amando-as.
Todo o Seu é um ministério de esperança e de amor, de compaixão e de auxílio,
movimentado pela ação do Bem, único recurso para minimizar ou anular as
ocorrências dos infortúnios ocultos.
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Conhecendo cada pessoa que dEle se acercava, graças à capacidade de
penetrar o insondável do coração e da mente, sem humilhar ou jactar-se,
conseguia oferecer combustível de amor para a transformação interior que se
deveria operar, e quando essa não ocorria, assim mesmo estimulava ao seu
prosseguimento, pois que um dia seria alcançada...
A Sua divindade estava na essência interior d'Ele mesmo - assim como se
encontra em todos nós — mas, sobretudo, na forma de viver a Mensagem, que
expressa o amor inefável de Deus pelas Suas criaturas.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Fossem conforme se apresentassem as calamidades físicas, morais, políticas,
econômicas, os infortúnios de qualquer expressão, Ele se utilizava da caridade
misericordiosa, entendendo a angústia e a aflição, procurando remediar, quando
não as devesse eliminar, porque delas poderiam resultar abençoados frutos para
o porvir de cada qual.
Quantos desastres ocultos, quantos desalinhos que não chegavam a ser
conhecidos, porém foram identificados pela sua superior qualidade espiritual.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Silenciosa ou verbalmente contribuía
para que tudo se resolvesse, sem impedir
que o paciente ou a vítima oferecesse sua
contribuição de esforço e sacrifício, a fim
de crescer e aprender a construir o bem
em si mesmo, sem permitir-se elogios,
gratidões ou aplausos, que sempre os
desconsiderou.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o
Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
Simão, o cireneu, é o testemunho da
solidariedade que o mundo nos solicita até
hoje:
“E, quando o iam levando, tomaram um
certo Simão, cireneu, que vinha do campo,
e puseram-lhe a cruz às costas, para que a
levasse após Jesus.” (Lucas, 23:26).
“Arrancando as pústulas em decomposição
orgânica, por intermédio da renovação
celular, propunha a profunda mudança de
atitude mental e moral do paciente, para
que os campos vibratórios modeladores da
forma mantivessem o ritmo do equilíbrio
para a preservação da harmonia dos
orgãos. Igualmente induzia ao respeito pelo
que estava estabelecido, de modo que
educasse o indivíduo para viver
dignamente no grupamento social em que
se encontrava.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o
Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“O Seu lado humano exigia que a comunidade vivesse em equilíbrio emocional
vinculada aos seus estatutos legais.
A caridade não arrosta consequências da insubordinação, do desrespeito, da
agressão ao status quo, antes ilumina-o, contribui para a sua renovação
incessante, por ser semelhante à luz que dilui trevas sem alarde nem violência.
Ninguém se pode escusar de atender aos infortúnios ocultos, conforme Ele o fez.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“Os infortúnios ocultos encontram-se em todos os seres humanos, sem qualquer
exceção. Dissimulados, escondidos, ignorados eles são as presenças-apelos da
vida para o crescimento interior, ao esforço para alcançar os patamares da paz
e da alegria perfeita. Sem o seu concurso todos se contentariam com as
paisagens menos belas da névoa carnal, não aspirando ascensão nem
imortalidade!”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“A humanidade de Jesus está muito bem-delineada na parábola do bom
samaritano, exemplo máximo de solidariedade, de elevação de sentimentos, de
caridade... como Ele próprio o fazia.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
“ O homem moderno necessita ouvir Jesus com os olhos. Sentir os exemplos que
ressumam da Sua história e que estão ressuscitados em seus seguidores, que
procuram fazer conforme Ele realizava na direção do alvo essencial, que é a
libertação das paixões constritoras que remanescem no egotismo da natureza
animal, transformando-se em realidade espiritual.”
(FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda.
Cap. 17).
Senhor,
quando eu tiver fome, dai-me alguém que necessita de comida;
Quando tiver sede, dai-me alguém que precise de água;
Quando tiver frio, dai-me alguém que necessite de calor.
Quando tiver um aborrecimento, dai-me alguém que necessite de consolo;
Quando minha cruz parecer pesada, dai-me compartilhar a cruz do outro;
Quando me achar pobre, ponde a meu lado alguém necessitado.
Quando não tiver tempo, dai-me alguém que precise de alguns dos meus minutos;
Quando sofrer humilhação, dai-me ocasião para elogiar alguém;
Quando estiver desanimada, dai-me alguém para lhe dar novo ânimo.
Quando sentir necessidade da compreensão dos outros, dai-me alguém que necessite
da minha;
Quando sentir necessidade de que cuidem de mim, dai-me alguém que eu tenha de
atender;
Quando pensar em mim mesma, voltai minha atenção para outra pessoa.
Tornai-nos dignos, Senhor, de servir nossos irmãos que vivem e morrem pobres e com
fome no mundo de hoje.
Dai-lhes, através de nossas mãos, o pão de cada dia, e dai-lhes, graças ao nosso amor
compassivo, a paz e a alegria.
O autor Leo Buscaglia foi certa vez convidado a ser jurado de um
concurso numa escola, cujo tema era: “a criança que mais se
preocupa com os outros”.
O vencedor foi um menino cujo vizinho – um senhor de mais de
oitenta anos – acabara de ficar viúvo. Ao notar o velhinho no seu
quintal, em lágrimas, garoto pulou a cerca, sentou-se no seu colo,
e ali ficou por muito tempo.
Quando voltou para sua casa, a mãe lhe perguntou o que dissera
ao pobre homem.
- Nada – disse o menino. – Ele tinha perdido a sua mulher, e isso
deve ter doído muito. Eu fui apenas ajudá-lo a chorar.
(COELHO, Paulo. Histórias para os pais, filhos, e netos - Volume 1).
A pureza do coração das crianças é sempre fonte de ensinamentos
profundos.
Caridade: benevolência para com todos, indulgência para imperfeições dos outros,
perdão das ofensas. (KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos. Questão 886).
Caridade
Q.886. Qual o verdadeiro sentido da palavra
caridade, como a entendia Jesus?
• benevolência para com todos,
• indulgência para imperfeições dos outros,
• perdão das ofensas.
• Boa vontade para com alguém; disposição bondosa de promover
a felicidade e prazer na prática de boas ações; Se exprime na
boa vontade e na disposição para praticar o Bem; Trabalho em
favor do semelhante;
• Que é clemência e misericórdia para com as imperfeições alheias;
Solidariedade em face das limitações e fraquezas do próximo,
evitando discriminá-lo;
• que é o ato de desculpar ofensas; tolerância, disposição para
desculpar. Esquecimento do mal que se tenha sofrido de alguém,
num ato de tolerância esclarecida que se exprime na
compreensão.
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
Ricardo Azevedo
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
VisualBee.com
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
Vanda Machado
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
igmateus
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
igmateus
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS  Obreiros do SenhorCapitulo XX - OS  Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Jean Dias
 
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Tiburcio Santos
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Leonardo Pereira
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
VIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITAVIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITA
Jorge Luiz dos Santos
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comumDe Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
Anderson Santos
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Patricia Farias
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 

Mais procurados (20)

Reencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familiaReencarnação e os laços de familia
Reencarnação e os laços de familia
 
Alegria de Viver
Alegria de Viver Alegria de Viver
Alegria de Viver
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS  Obreiros do SenhorCapitulo XX - OS  Obreiros do Senhor
Capitulo XX - OS Obreiros do Senhor
 
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
Estudos do evangelho "Caridade com os criminosos".
 
A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
VIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITAVIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITA
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comumDe Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
De Francisco de Assis para Você- Vamos cuidar da casa comum
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 

Semelhante a Evangeliza - Infortúnios Ocultos

2 Jesus e Assistência.
2 Jesus e Assistência.2 Jesus e Assistência.
2 Jesus e Assistência.
ThiagoPereiraSantos2
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
CEJG
 
Sublime renovação
Sublime renovaçãoSublime renovação
Sublime renovação
Helio Cruz
 
Curso visitação fraterna
Curso visitação fraternaCurso visitação fraterna
Curso visitação fraterna
Movimento da Fraternidade
 
Renovando Valores Morais
Renovando Valores MoraisRenovando Valores Morais
Renovando Valores Morais
Prof. Paulo Ratki
 
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_PORTriduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
Maike Loes
 
Boletim informatio o consolador maio 2014 impressão
Boletim informatio o consolador   maio 2014 impressãoBoletim informatio o consolador   maio 2014 impressão
Boletim informatio o consolador maio 2014 impressão
Ume Maria
 
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
Gerson G. Ramos
 
O retorno
O retornoO retorno
O retorno
Paz Mel
 
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à EspiritualidadeO retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O mensageiro fev-14-publicação
O  mensageiro fev-14-publicaçãoO  mensageiro fev-14-publicação
O mensageiro fev-14-publicação
Ume Maria
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
livroparabaixar
 
3 missionarios da-luz-1945
3 missionarios da-luz-19453 missionarios da-luz-1945
3 missionarios da-luz-1945
paulasa pin
 
A cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvadaA cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvada
Eduardo Henrique Marçal
 
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvaçãoEvangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Antonino Silva
 
Sexo e destino chico xavier
Sexo e destino   chico xavierSexo e destino   chico xavier
Sexo e destino chico xavier
Francisco de Morais
 
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
Rogério Prevedel
 
Missionários da luz
Missionários da luzMissionários da luz
Missionários da luz
guestae3c203
 
Andre luiz chico xavier - missionários da luz
Andre luiz   chico xavier - missionários da luzAndre luiz   chico xavier - missionários da luz
Andre luiz chico xavier - missionários da luz
havatar
 

Semelhante a Evangeliza - Infortúnios Ocultos (20)

2 Jesus e Assistência.
2 Jesus e Assistência.2 Jesus e Assistência.
2 Jesus e Assistência.
 
Fonte viva
Fonte vivaFonte viva
Fonte viva
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
 
Sublime renovação
Sublime renovaçãoSublime renovação
Sublime renovação
 
Curso visitação fraterna
Curso visitação fraternaCurso visitação fraterna
Curso visitação fraterna
 
Renovando Valores Morais
Renovando Valores MoraisRenovando Valores Morais
Renovando Valores Morais
 
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_PORTriduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
Triduo_ Gli sguardi di suor Maria Troncatti_POR
 
Boletim informatio o consolador maio 2014 impressão
Boletim informatio o consolador   maio 2014 impressãoBoletim informatio o consolador   maio 2014 impressão
Boletim informatio o consolador maio 2014 impressão
 
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
GGR_As mulheres no ministério de Jesus_622015
 
O retorno
O retornoO retorno
O retorno
 
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à EspiritualidadeO retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
 
O mensageiro fev-14-publicação
O  mensageiro fev-14-publicaçãoO  mensageiro fev-14-publicação
O mensageiro fev-14-publicação
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
 
3 missionarios da-luz-1945
3 missionarios da-luz-19453 missionarios da-luz-1945
3 missionarios da-luz-1945
 
A cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvadaA cura de uma mulher encurvada
A cura de uma mulher encurvada
 
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvaçãoEvangeliza - Fora da caridade não há salvação
Evangeliza - Fora da caridade não há salvação
 
Sexo e destino chico xavier
Sexo e destino   chico xavierSexo e destino   chico xavier
Sexo e destino chico xavier
 
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
Mensagem de Bezerra de Menezes (by Divaldo P. Franco)
 
Missionários da luz
Missionários da luzMissionários da luz
Missionários da luz
 
Andre luiz chico xavier - missionários da luz
Andre luiz   chico xavier - missionários da luzAndre luiz   chico xavier - missionários da luz
Andre luiz chico xavier - missionários da luz
 

Mais de Antonino Silva

Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O TesteEvangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Antonino Silva
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Antonino Silva
 
Evangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoEvangeliza - Reconciliação
Evangeliza - Reconciliação
Antonino Silva
 
Evangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerEvangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do Ser
Antonino Silva
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
Antonino Silva
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
Antonino Silva
 
Tecnologia 5G
Tecnologia 5GTecnologia 5G
Tecnologia 5G
Antonino Silva
 
O Método Stutz
O Método StutzO Método Stutz
O Método Stutz
Antonino Silva
 
Evangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A PáscoaEvangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A Páscoa
Antonino Silva
 
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do DinheiroEvangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Antonino Silva
 
Evangeliza - A Busca
Evangeliza - A BuscaEvangeliza - A Busca
Evangeliza - A Busca
Antonino Silva
 
Evangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça RealEvangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça Real
Antonino Silva
 
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de JesusEvangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
Antonino Silva
 
Evangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorEvangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de Amor
Antonino Silva
 
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráterEvangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Antonino Silva
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Antonino Silva
 
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do AmorEvangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Antonino Silva
 
Evangeliza - Mandalas
Evangeliza - MandalasEvangeliza - Mandalas
Evangeliza - Mandalas
Antonino Silva
 
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueireEvangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Antonino Silva
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
Antonino Silva
 

Mais de Antonino Silva (20)

Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O TesteEvangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
Evangeliza - Religião dos Espíritos - O Teste
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
Evangeliza - Reconciliação
Evangeliza - ReconciliaçãoEvangeliza - Reconciliação
Evangeliza - Reconciliação
 
Evangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do SerEvangeliza - Problema do Ser
Evangeliza - Problema do Ser
 
Missão dos Espíritas
Missão dos EspíritasMissão dos Espíritas
Missão dos Espíritas
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Tecnologia 5G
Tecnologia 5GTecnologia 5G
Tecnologia 5G
 
O Método Stutz
O Método StutzO Método Stutz
O Método Stutz
 
Evangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A PáscoaEvangeliza - A Páscoa
Evangeliza - A Páscoa
 
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do DinheiroEvangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
Evangeliza - Quatro Forças do Dinheiro
 
Evangeliza - A Busca
Evangeliza - A BuscaEvangeliza - A Busca
Evangeliza - A Busca
 
Evangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça RealEvangeliza - Desgraça Real
Evangeliza - Desgraça Real
 
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de JesusEvangeliza - O Evangelho de Jesus
Evangeliza - O Evangelho de Jesus
 
Evangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de AmorEvangeliza - A Lei de Amor
Evangeliza - A Lei de Amor
 
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráterEvangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
Evangeliza - A disciplina do pensamento e a reforma do caráter
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
 
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do AmorEvangeliza - As 5 Linguagens do Amor
Evangeliza - As 5 Linguagens do Amor
 
Evangeliza - Mandalas
Evangeliza - MandalasEvangeliza - Mandalas
Evangeliza - Mandalas
 
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueireEvangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
 
Evangeliza - O dever
Evangeliza - O deverEvangeliza - O dever
Evangeliza - O dever
 

Último

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

Evangeliza - Infortúnios Ocultos

  • 1. (KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XIII, item 4).
  • 2. Nas grandes calamidades, a caridade se manifesta, e veem-se generosos impulsos para reparar os desastres; mas, ao lado desses desastres gerais, há milhares de desastres particulares que passam despercebidos, de pessoas que jazem sobre um catre sem se lamentarem. São a esses infortúnios discretos e ocultos que a verdadeira generosidade sabe ir descobrir, sem esperar que eles venham pedir assistência.
  • 3. Quem é esta mulher de ar distinto, vestida de maneira simples mas cuidada, seguida de uma jovem vestida também modestamente? Entra numa casa de sórdida aparência, onde é conhecida, sem duvida, porque, à porta, a saúdam com respeito. Onde vai ela? Sobe até a mansarda: lá mora uma mãe de família cercada de filhos pequenos; à sua chegada, a alegria brilha nesses semblantes emagrecidos; é que ela vem acalmar todas essas dores; trás o necessário, temperado com doces e consoladoras palavras, que fazem aceitar o beneficio sem corar, porque esses infortunados não são mendigos profissionais; o pai está no hospital e, durante esse tempo, a mãe não pode bastar às necessidades. Graças a ela, essas pobres crianças não sofrerão nem o frio, nem a fome; irão à escola agasalhadas e o seio da mãe não secará para as criancinhas. Se há um doente entre eles, nenhum, cuidado material a repugnará.[...]
  • 4. [...] De lá, ela se dirige ao hospital, para levar ao pai algum consolo e tranquilizá-lo sobre a sorte da família. No canto da rua a espera uma viatura, verdadeira loja de tudo o que leva aos seus protegidos, que visita assim sucessivamente; não lhes pergunta nem sua crença, nem sua opinião, porque, para ela, todos os homens são irmãos e filhos de Deus. Terminada a excursão, ela se diz: Comecei bem o meu dia. Qual é seu nome? Onde mora? Ninguém o sabe; para os infelizes, é um nome que não revela nada; mas é o anjo de consolação; e, à noite, uma sinfonia de bênçãos se eleva para ela até o Criador: católicos, judeus, protestantes, todos a bendizem.
  • 5. Por que ela se veste de maneira tão simples? É que não quer insultar a miséria com o seu luxo. Por que se faz acompanhar da filha adolescente? É para ensinar-lhe como se deve praticar a benevolência. A filha também quer fazer a caridade, mas sua mãe lhe diz: “Que podes dar, minha criança, uma vez que nada tens de ti? Se eu te entregar alguma coisa para passá-la aos outros, que mérito terás? Em realidade, eu é que farei a caridade, e tu que dela terás o mérito; isso não é justo. Quando vamos visitar os enfermos, tu me ajudas a cuidar deles; ora, dar cuidados é dar alguma coisa. Isso não parece bastante? Nada é mais simples; aprende a fazer obras uteis, e tu confeccionarás roupinhas para essas criancinhas; deste modo, darás alguma coisa vinda de ti”. É assim que essa mãe, verdadeiramente cristã, forma sua filha na pratica das virtudes ensinadas pelo Cristo. É espírita? Que importa! No seu lar, é a mulher do mundo, porque a sua posição o exige; mas ignora-se o que ela faz, porque não quer outra aprovação senão a de Deus e da sua consciência. Um dia, porém, uma circunstância imprevista conduziu até ela uma das suas protegidas, que lhe produzia obras; esta a reconheceu e quis abençoar a sua benfeitora: “Silencio! Disse-lhe; não o digas a ninguém”. Assim falava Jesus. (KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap. XIII, item 4).
  • 6. Nas grandes calamidades, a caridade se manifesta: • Comoção coletiva; • Grande visibilidade da solidariedade; • Fomenta a esperança; (**) Há colaboradores e aproveitadores
  • 7. • Humildade; • Ausência de preconceito; • Doa com respeito e consideração, sem vaidade; • “Procura” oportunidades de auxílio; • Não espera retribuição/reconhecimento (Lucas, 14:12-14); • Dá de si mesma; • Estimula ao bem pelo exemplo;
  • 8. “Todos os seres são de essência divina, porque procedentes do Psiquismo Criador, que estabelece o processo de evolução mediante as experiências infinitas do progresso incessante. Como consequência, torna-se imperiosa a necessidade de cada qual desenvolver os sentimentos que se aprimoram, superando os atavismos que remanescem das experiências anteriores, ainda predominantes em sua natureza.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 9. “Das penosas conjunturas do começo até aos momentos de sublimação, etapas se sucedem ricas de possibilidades que, aproveitadas apressam o desabrochar dos valores adormecidos, encarregados de ampliar-se no rumo das estrelas.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17). “Na planta, a inteligência fica adormecida; no animal, ela sonha; apenas no homem ela acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente.” (DENIS, Leon. O Problema do Ser, do Destino e da Dor).
  • 10. “Para esse logro, o trabalho é árduo e gratificante, porque à medida que se libera de cada impositivo, torna-se mais factível vencer o próximo, ensejando-se mais amplos recursos de iluminação interior. [...] O Cristo histórico, neste contexto, cede lugar ao Jesus-Homem, mergulhado na turbamulta e entre os caprichos da mole humana, mantendo-se em neutralidade total, não obstante tomado de profunda compaixão por aqueles que O não entendiam e se engalfinhavam nas lutas ridículas das disputas transitórias pela conquista de migalhas, ouropéis, metais das entranhas da Terra, que passaram a adquirir valor relativo...” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 11. “Aquele Jesus das teologias igrejistas, embora compadecido das multidões parecia distante dos seus sentimentos, procurando a sua comunhão com Deus, longe dos tormentos das massas, que se apresentavam necessitadas desse processo depurador.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 12. “Colocado como redentor, liberador de culpas, também estava isento de qualquer tentação, de qualquer condição de humanidade, inalcançável pelos fenômenos do mundo, portanto, de certo modo, também, impossível de ser imitado, acompanhado, inacessível...” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 13. “Na proposta da psicologia profunda que humaniza o Vencedor de si mesmo, que triunfou sobre as conjunturas em que se encontrava graças aos valores conquistados, tornava-se companheiro do infortúnio por conhecer a sua origem e as contingências perigosas para o processo de evolução, ao mesmo tempo oferecendo recurso terapêutico para as mazelas morais e espirituais daqueles que as padeciam. Instava com os infelizes, mesclava-se com eles, mas não se tornava um deles, porque a gema preciosa, mesmo no pântano, quando o Sol a alcança mantém o seu brilho.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 14. “Jesus é o diamante que se tornou estelar, mantendo o brilho interior, sem permitir-se ofuscar as débeis claridades individuais, no entanto, clareando as consciências e amando-as. Todo o Seu é um ministério de esperança e de amor, de compaixão e de auxílio, movimentado pela ação do Bem, único recurso para minimizar ou anular as ocorrências dos infortúnios ocultos. (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 15. “Conhecendo cada pessoa que dEle se acercava, graças à capacidade de penetrar o insondável do coração e da mente, sem humilhar ou jactar-se, conseguia oferecer combustível de amor para a transformação interior que se deveria operar, e quando essa não ocorria, assim mesmo estimulava ao seu prosseguimento, pois que um dia seria alcançada... A Sua divindade estava na essência interior d'Ele mesmo - assim como se encontra em todos nós — mas, sobretudo, na forma de viver a Mensagem, que expressa o amor inefável de Deus pelas Suas criaturas.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 16. “Fossem conforme se apresentassem as calamidades físicas, morais, políticas, econômicas, os infortúnios de qualquer expressão, Ele se utilizava da caridade misericordiosa, entendendo a angústia e a aflição, procurando remediar, quando não as devesse eliminar, porque delas poderiam resultar abençoados frutos para o porvir de cada qual. Quantos desastres ocultos, quantos desalinhos que não chegavam a ser conhecidos, porém foram identificados pela sua superior qualidade espiritual.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 17. “Silenciosa ou verbalmente contribuía para que tudo se resolvesse, sem impedir que o paciente ou a vítima oferecesse sua contribuição de esforço e sacrifício, a fim de crescer e aprender a construir o bem em si mesmo, sem permitir-se elogios, gratidões ou aplausos, que sempre os desconsiderou.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17). Simão, o cireneu, é o testemunho da solidariedade que o mundo nos solicita até hoje: “E, quando o iam levando, tomaram um certo Simão, cireneu, que vinha do campo, e puseram-lhe a cruz às costas, para que a levasse após Jesus.” (Lucas, 23:26).
  • 18. “Arrancando as pústulas em decomposição orgânica, por intermédio da renovação celular, propunha a profunda mudança de atitude mental e moral do paciente, para que os campos vibratórios modeladores da forma mantivessem o ritmo do equilíbrio para a preservação da harmonia dos orgãos. Igualmente induzia ao respeito pelo que estava estabelecido, de modo que educasse o indivíduo para viver dignamente no grupamento social em que se encontrava.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 19. “O Seu lado humano exigia que a comunidade vivesse em equilíbrio emocional vinculada aos seus estatutos legais. A caridade não arrosta consequências da insubordinação, do desrespeito, da agressão ao status quo, antes ilumina-o, contribui para a sua renovação incessante, por ser semelhante à luz que dilui trevas sem alarde nem violência. Ninguém se pode escusar de atender aos infortúnios ocultos, conforme Ele o fez.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 20. “Os infortúnios ocultos encontram-se em todos os seres humanos, sem qualquer exceção. Dissimulados, escondidos, ignorados eles são as presenças-apelos da vida para o crescimento interior, ao esforço para alcançar os patamares da paz e da alegria perfeita. Sem o seu concurso todos se contentariam com as paisagens menos belas da névoa carnal, não aspirando ascensão nem imortalidade!” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 21. “A humanidade de Jesus está muito bem-delineada na parábola do bom samaritano, exemplo máximo de solidariedade, de elevação de sentimentos, de caridade... como Ele próprio o fazia.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 22. “ O homem moderno necessita ouvir Jesus com os olhos. Sentir os exemplos que ressumam da Sua história e que estão ressuscitados em seus seguidores, que procuram fazer conforme Ele realizava na direção do alvo essencial, que é a libertação das paixões constritoras que remanescem no egotismo da natureza animal, transformando-se em realidade espiritual.” (FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda. Cap. 17).
  • 23. Senhor, quando eu tiver fome, dai-me alguém que necessita de comida; Quando tiver sede, dai-me alguém que precise de água; Quando tiver frio, dai-me alguém que necessite de calor. Quando tiver um aborrecimento, dai-me alguém que necessite de consolo; Quando minha cruz parecer pesada, dai-me compartilhar a cruz do outro; Quando me achar pobre, ponde a meu lado alguém necessitado. Quando não tiver tempo, dai-me alguém que precise de alguns dos meus minutos; Quando sofrer humilhação, dai-me ocasião para elogiar alguém; Quando estiver desanimada, dai-me alguém para lhe dar novo ânimo. Quando sentir necessidade da compreensão dos outros, dai-me alguém que necessite da minha; Quando sentir necessidade de que cuidem de mim, dai-me alguém que eu tenha de atender; Quando pensar em mim mesma, voltai minha atenção para outra pessoa. Tornai-nos dignos, Senhor, de servir nossos irmãos que vivem e morrem pobres e com fome no mundo de hoje. Dai-lhes, através de nossas mãos, o pão de cada dia, e dai-lhes, graças ao nosso amor compassivo, a paz e a alegria.
  • 24. O autor Leo Buscaglia foi certa vez convidado a ser jurado de um concurso numa escola, cujo tema era: “a criança que mais se preocupa com os outros”. O vencedor foi um menino cujo vizinho – um senhor de mais de oitenta anos – acabara de ficar viúvo. Ao notar o velhinho no seu quintal, em lágrimas, garoto pulou a cerca, sentou-se no seu colo, e ali ficou por muito tempo. Quando voltou para sua casa, a mãe lhe perguntou o que dissera ao pobre homem. - Nada – disse o menino. – Ele tinha perdido a sua mulher, e isso deve ter doído muito. Eu fui apenas ajudá-lo a chorar. (COELHO, Paulo. Histórias para os pais, filhos, e netos - Volume 1). A pureza do coração das crianças é sempre fonte de ensinamentos profundos.
  • 25. Caridade: benevolência para com todos, indulgência para imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos. Questão 886). Caridade Q.886. Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? • benevolência para com todos, • indulgência para imperfeições dos outros, • perdão das ofensas.
  • 26. • Boa vontade para com alguém; disposição bondosa de promover a felicidade e prazer na prática de boas ações; Se exprime na boa vontade e na disposição para praticar o Bem; Trabalho em favor do semelhante; • Que é clemência e misericórdia para com as imperfeições alheias; Solidariedade em face das limitações e fraquezas do próximo, evitando discriminá-lo; • que é o ato de desculpar ofensas; tolerância, disposição para desculpar. Esquecimento do mal que se tenha sofrido de alguém, num ato de tolerância esclarecida que se exprime na compreensão.

Notas do Editor

  1. E dizia também ao que o tinha convidado: Quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado. Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos, E serás bem-aventurado, porque estes não têm como retribuir. A sua recompensa virá na ressurreição dos justos". Lucas 14:12-14