SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
HISTÓRIA DO
ENSINO DE
MEDICINA
Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz
Módulo de História da Medicina e da Bioética
DMI/CCM/UFPB
Como ocorreu a formação médica ao longo
da história?
História do Ensino de Medicina: Primórdios
Relação mestre-discípulo
A preocupação com a preparação profissional daqueles que cuidam
da saúde da população é uma constante na história da humanidade
Em épocas remotas, nas tribos primitivas, os candidatos à função de
pajé eram selecionados e treinados
Em seus primórdios, o ensino da atividade de curar começou de maneira informal -
treinamento profissional orientado por um prático - os discípulos aprendiam as
habilidades profissionais na relação com seus mestres
Botti SHO, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis?. Rev. bras. educ. med. 2008; 32 (3): 363-373.
O ensino médico no Ocidente só foi institucionalizado na Baixa Idade
Média, pela Escola de Salerno, que alcançou fama mundial, e para onde
afluíam estudantes de todas as nações
Há referências ao ensino da medicina em Salerno já no século IX, porém
sua institucionalização só ocorreu em 1075, quando os estudantes
aprovados passaram a receber licença para exercer a medicina
História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
A partir do século XII, a Escola de
Salerno estabeleceu um currículo
regular e passou a receber auxílio
financeiro dos governantes
Os preceitos da Escola de Salerno foram
amplamente divulgados pelo Regimen
Sanitatis Salernitanum, que se baseava em
Galeno e Hipócrates
História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
A educação médica em Salerno começou nos mosteiros, resultando em associação entre ensino
médico e hospitais da Igreja. Como é que Salerno, uma escola fundada por monges, foi capaz
de promover o desenvolvimento das futuras universidades europeias?
A conexão com o mosteiro e as tradições beneditinas promoveram o desenvolvimento intelectual em uma
atmosfera liberal, admitindo-se estudantes de todas as origens, incluindo mulheres, na escola
O clima ameno em Salerno contribuiu para o desenvolvimento da escola de medicina - Os viajantes e a nobreza
vieram se recuperar de várias doenças e a agregação dos doentes em Salerno atraiu muitos médicos gregos, árabes
e judeus
A localização geográfica no sul da Itália - A escola estava localizada no meio de um vale elevado, com vista para a
cidade de Salerno, a sudeste de Nápoles, próxima dos remanescentes da cultura grega, que promoveu o
aprendizado de mestres antigos, como Hipócrates e Aristóteles
História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
As universidades foram um legado da Idade Média à civilização ocidental -
surgiram na Europa Cristã, aproximadamente nos séculos XII e XIII
A palavra latina UNIVERSITAS foi inicialmente empregada a partir do século XII
para designar uma corporação de professores e alunos, que se subdividiu
depois em ramos: a de leis e a de artes e medicina
Somente a partir do século XIV, UNIVERSITAS passou a designar também a própria
instituição, tal como hoje se entende
História do Ensino de Medicina: Surgimento das
universidades
As universidades nasceram de uma iniciativa da Igreja como uma extensão dos
colégios episcopais – onde estudantes aprendiam o domínio das sete artes
liberais, base da educação durante a Idade Média; os eixos programáticos de
estudos, além dos professores – eram integrantes da Igreja
Apesar da origem clerical, a Escola de Salerno passou a ser o primeiro centro
medieval de Medicina laica, com caráter docente e assistencial
História do Ensino de Medicina
Foi na chamada “Idade das Trevas”, a Idade Média, que surgiu a maior
contribuição intelectual para o mundo: o sistema universitário - A universidade foi
um fenômeno totalmente novo na história da Europa – não houve universidades
antes dessa época
Depois da Escola de Salerno, surgiram as universidades de Bolonha, em 1158 (a
primeira Universidade do mundo Ocidental); Paris, em 1200; Cambridge, em 1209;
Pádua, em 1222; Nápoles, em 1224; Toulouse, em 1229; nestas escolas, seguiam-
se os conhecimentos de Galeno e Avicena
História do Ensino de Medicina: Surgimento das universidades
As universidades nasceram de uma iniciativa da Igreja como uma
extensão dos colégios episcopais – onde estudantes aprendiam o
domínio das sete artes liberais, base da educação durante a Idade
Média; os eixos programáticos de estudos, além dos professores,
eram integrantes da Igreja
As faculdades de Medicina das universidades europeias do século XIII
foram as encarregadas de resgatar a herança da Escola de Salerno,
que englobava a melhor da tradição da medicina grega, assim como
textos alimentados nas fontes da medicina árabe e bizantina
História do Ensino de Medicina
A partir do século XVI e da inauguração do período
renascentista, em que o homem passou a ser o centro do
universo, houve grande avanço no estudo da anatomia
A continuidade das descobertas, os avanços da Medicina na Idade Moderna, a
consolidação do hospital como locus privilegiado de prática, de ensino e de
aprendizagem e as mudanças nas técnicas do ensino médico conferiam à Medicina o
caráter de conhecimento que busca a cura ou, pelo menos, a minimização do
sofrimento, dentro dos cânones da racionalidade, da objetividade e da cientificidade.
Configurava-se, assim, o modelo da ciência médica moderna – o modelo biomédico
História do Ensino de Medicina
Batista NA. Et al. Educação Médica no Brasil: Docência Em Formação - Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2015
- Século XIX: “Segunda Revolução Científica”, análoga à do século XVII - criou novos
cânones de verdades que romperam com os fundamentos do conhecimento dos séculos
anteriores; até então, as principais inquietações dos cientistas se concentravam em teologia,
humanismo e filosofia
Predominou nas escolas médicas dos Estados Unidos e do Brasil, o modelo anatomoclínico
francês na primeira metade do século XIX, e depois tornou-se predominante o modelo
germânico, que introduziu as disciplinas laboratoriais e a anatomopatologia
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação
Oswaldo Cruz. 2009.
História do Ensino de Medicina
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação
Oswaldo Cruz. 2009.
Na segunda metade do século XIX, havia uma situação desordenada no ensino
de medicina, que piorou com o número crescente de escolas médicas
As faculdades não dispunham de laboratórios nem de uma tradição de pesquisa e
as disciplinas podiam ser cursadas em qualquer sequência; o corpo docente não
tinha controle sobre seus aprendizes, e as normas educativas eram flexíveis demais
A duração do curso variava entre as escolas; 96% das escolas médicas exigiam três
de curso
História do Ensino de Medicina
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação
Oswaldo Cruz. 2009.
Passou a ocorrer uma intervenção reformadora oriunda das universidades e
inspirada na Alemanha, que havia criado uma tradição de ensino universitário
secular
O principal apoio desta reforma geral foi a faculdade de medicina da
Universidade Johns Hopkins, fundada em 1893 em Baltimore, com um programa
de quatro anos, arraigado nas ciências básicas e na prática hospitalar da
medicina
História do Ensino de Medicina
Em 1903, a American Medical Association (AMA) criou um conselho de educação médica,
encarregado da inspeção e da avaliação das escolas médicas nos EUA, cujo relatório de 1907
evidenciou uma variabilidade de tipos de formação médica
A Carneggie Foundation foi convidada pela AMA a realizar uma pesquisa independente, que por
sua vez contratou Abrahan Flexner, pedagogo não médico, tendo Flexner considerado a Faculdade
de Medicina Johns Hopkins o modelo ideal de formação médica
Flexner visitou, então, todas as escolas médicasnorte-americanas, preparando o relatório que
resultou em uma profunda reforma do ensino médico americano e canadense, com reflexos no
ensino médico da América Latina
S. a., S. d. Maxwell-Puc-Rio. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/4328/4328_5.PDF
História do Ensino de Medicina
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação
Oswaldo Cruz. 2009.
Após ter visitado 155 faculdades de Medicina nos EUA e Canadá, Flexner
concluiu que apenas cinco delas tinham condições de formar médicos
Flexner recomendou reduzir o número e melhorar a qualidade das escolas,
propondo um modelo de curso que foi adotado inicialmente nos Estados
Unidos e, logo depois, em grande parte do mundo
Com o Relatório Flexner, houve redução do número de escolas médicas - em
1915, o número de escolas havia se reduzido para 95
História do Ensino de Medicina
O “modelo flexneriano” é visto como uma incorporação pelas faculdades
brasileiras de medicina, ao longo dos anos 1950 e 1960, das reformas do ensino
médico norte-americano a partir do Relatório Flexner
O Relatório Flexner foi encomendado devido às constatações da American
Medical Association sobre a precariedade das escolas médicas norte-
americanas entre as últimas décadas do século XIX e o início do XX
História do Ensino de Medicina
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo
Cruz. 2009.
“Relatório Flexner”: determinou uma série de modificações nos currículos médicos,
baseando-se em determinados pressupostos ideológicos para a Medicina
Mecanicismo (o homem é comparável a uma máquina)
Biologicismo (predominância da natureza biológica das doenças)
Unicausalidade, com exclusão dos aspectos sociais
Superespecialização do médico
Tecnificação crescente do ato médico
Ênfase na doença e na medicina curativa
Cenário de práticas predominantemente hospitalar
Segmentação do curso em ciclos básico e profissional
História do Ensino de Medicina
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo
Cruz. 2009.
“O modelo flexneriano começou a ser implantado no Brasil na
década de 40, influenciando os novos cursos de Medicina,
Odontologia e Enfermagem, além de reformular os cursos já
existentes. Paradoxalmente, o rápido e contínuo desenvolvimento
científico-tecnológico conduziu o modelo flexneriano ao topo e o
derrubou do mesmo. Os crescentes gastos, o consumo
desenfreado das possibilidades de diagnóstico e tratamento em
contraste com a escassez de recursos para o custeio são pontos
marcantes à derrocada deste modelo, principalmente em países
pobres ou em desenvolvimento” (p.552)
González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570
História do Ensino de Medicina
A introdução do “Estado de Bem-Estar Social” nos países europeus e, principalmente, a
Medicina Social na Inglaterra, impulsionaram aos Estados Unidos a repensar e discutir a
questão da assistência médica
O “Movimento Preventivista” e a “Medicina Integral” surgiram nos Estados Unidos e na
América Latina ainda na década de 1950 (no Brasil, a partir da década de 60) e foram bases
para as mudanças no ensino
Houve surgimento dos departamentos de Medicina Preventiva, por forte influência da
Organização Pan-Americana de Saúde que, na década de 1950 passou a se interessar pelo
ensino médico, ao considerar a educação latino-americana desarticulada da prevenção
González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570
História do Ensino de Medicina
No início dos anos 1970, foi elaborado um informe para os Estados Unidos e Canadá, pela Carneggie Commission
of Higher Education, chamado de “Integração Docente-Assistencial (IDA)”, que postulava uma redefinição geral do
ensino médico norte-americano, no sentido de formar o “médico generalista” ou “de família e daecomunidade”
Com a implantação dos programas de Integração Docente Assistencial (IDA), definidos pela Organização Pan-
Americana da Saúde (Opas) nos anos 1980, procurou-se priorizar a atenção primária à saúde, tendo como meta
"saúde para todos no ano 2000“ (Conferência de Alma-Ata)
Passou-se a preconizar uma articulação entre as instituições de educação e o sistema de saúde,
levando a mudanças no currículo das faculdades de Medicina e demais áreas da saúde
Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493.
História do Ensino de Medicina
Os programas de IDA, embora reconhecidos como de valor inestimável para as escolas médicas e para o sistema de
saúde, não foram praticados em sua plenitude, e as mudanças resultantes de sua implantação foram pequenas
Em 1985, surgiram os programas UNI, projetados para a América Latina e que definiram “Uma Nova Iniciativa” na
formação de profissionais da saúde: união com a comunidade.
A UNI visava à integração escola x serviço x comunidade, reunindo os estudos epidemiológicos, a interdisciplinaridade, o
trabalho em equipe multiprofissional e a utilização do serviço como cenário de ensino e aprendizagem
O projeto foi implementado em poucas escolas médicas, com alguns avanços nas mudanças curriculares, mas a
participação de docentes e profissionais da saúde ainda foi escassa
Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493.
História do Ensino de Medicina
O primeiro curso de Medicina no Brasil foi criado em fevereiro de 1808 em Salvador, após a chegada da família real
portuguesa na Bahia; em abril de 1808, criou-se a segunda escola médica do país, a Escola de Anatomia e Cirurgia no Rio
de Janeiro
As escolas da Bahia e do Rio eram "escolas de cirurgia", pois formavam cirurgiões e não médicos, pois estes continuavam
a se formar na Europa, sobretudo em Portugal - O curso tinha duração de quatro anos
Entre 1812 e 1815, ocorreram as primeiras reformas dessas duas escolas médicas, que passaram a ser chamadas
Academias Médico-Cirúrgicas, e a duração dos cursos foi ampliada para cinco anos
Em 1822, com a passagem do Brasil a Império, surgem os médicos formados nas escolas nacionais; D Pedro I firma a lei
que estabelece a autonomia dessas escolas, concedendo-lhes o direito de diplomar seus alunos, que até 1822 recebiam
diplomas de Portugal, mesmo tendo se graduado nas escolas brasileiras
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação O
swaldo Cruz. 2009.
História do Ensino de Medicina no Brasil
1832, as duas escolas de medicina existentes no Brasil foram transformadas em Faculdades
de Medicina, adotando as regras e programas da Escola Médica de Paris, com cursos com e
duração de seis anos; a terceira escola médica brasileira só surgiu 90 anos depois, na
República, em 1899 (Rio Grande do Sul), fazendo com que o Brasil tivesse até o início do
século XX, apenas três escolas médicas
A influência francesa foi marcante no ensino médico no Brasil: todo o material escolar -
livros, métodos, regulamentos, programas, leituras - era importado da França e
eminentemente teórico; o modelo pedagógico adotado até então era marcado pelo
academicismo francês, mas a pesquisa era influenciada pela escola alemã
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009.
História do Ensino de Medicina no Brasil
As reformas sucessivas e o tempo fizeram com que este modelo
baseado nas escolas europeias fosse totalmente substituído pelo
modelo americano, que passou a ser hegemônico no início do
século XX
1915: novos rumos para o ensino médico no Brasil e aumento de
três para dez escolas médicas; as escolas médicas no Brasil, que
eram isoladas até 1930, quando foi criada, então, a primeira
universidade brasileira, a Universidade de São Paulo
Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009.
História do Ensino de Medicina no Brasil
- 1911 - Desoficialização do ensino no país - Lei Orgânica do Ensino Superior e Fundamental,
na República (Lei Rivadávia) – firmava a a criação do ensino livre e particular no Brasil
- Com a Lei Rivadávia, as escolas superiores passaram a ser autônomas em relação ao
governo federal no que dizia respeito ao seu sustento econômico e organização
estatutária
- Em consequência, houve grande aumento da criação de faculdades particulares, com
aparecimento de diversas instituições que tinham por único fim “negociar diplomas”
- 1915- Reforma Maximiliano - Governo de Venceslau Brás - restabeleceu a ordem no
campo educacional
História do Ensino de Medicina - Brasil
Abreu Júnior, JMC. A Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará: da fundação à federalização 1919-1950. Rev Pan-Amaz Saude 2010; 1(4):11-16
O ensino superior, a partir das décadas de 60 e 70, sofre uma importante
inflexão com um boom de universidades e vagas verificado entre 1965 e 1975
Até 1970 foram criadas 43 novas escolas médicas sendo, a maioria delas, de
iniciativa privada, com subsídios governamentais
Houve uma verdadeira explosão de escolas médicas, com uma tendência à
concentração no Sul e Sudeste e uma inversão na relação público-privada
Pierantoni CR, Varella TC, França T. A formação médica: capacidade regulatória de estados nacionais e demanda dos sistemas de saúde. Disponível em: http://www.obsnetims.org.br/upload
ed/16_5_2013__0_A_formacao_medica.pdf
História do Ensino de Medicina - Brasil
Houve simultaneamente grande expansão do número de vagas nas escolas
existentes, e novas escolas médicas foram sendo criadas de forma indiscriminada
Em 1930, existiam no Brasil 12 escolas médicas, todas públicas; entre 1930 e
1960, foram fundadas mais 19, em sua maioria públicas
Em 1964, existiam 37 cursos de Medicina, dos quais 81% eram públicos, sendo
24 em universidades federais e seis em estaduais
Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493.
Década de 1960 - industrialização no país - desencadeia-se a criação acelerada de novas
escolas: Em apenas cinco anos, criaram-se 35 escolas, chegando-se ao final do século XX
com 113 escolas médicas
O crescimento dos cursos de Medicina ocorreu, especialmente, nas décadas de 1970 e
1990, vinculado à expansão da rede privada de ensino e, trazendo para a agenda uma
crescente preocupação com a qualidade da formação dos egressos
A oferta de vagas nas escolas privadas cresceu 98,9%, enquanto nas públicas apenas 15%
História do Ensino de Medicina no Brasil
Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493.
Atualmente (2017) há 294 escolas médicas em atividade no Brasil; as escolas
privadas já são maioria: 164; 78 federais, 34 estaduais e 16 municipais
Considerando-se o número de cursos de Medicina em relação à população e comparando
o Brasil com outros países, o maior número de cursos de Medicina do mundo ocorre aqui
(China - 150 escolas para 1,3 bilhão de habitantes; Índia - 202 cursos para 1,07 bilhão de
habitantes; Estados Unidos - 125 cursos para 278 milhões de habitantes
História do Ensino de Medicina no Brasil
Há mais de 50 anos o ensino médico encontra-se sob crítica recorrente em todo o mundo
No Brasil, especialmente nas últimas duas décadas, têm ocorrido análises e debates pelos profissionais
da área e pela sociedade em geral sobre a qualidade do ensino de medicina
Existe um consenso quanto à necessidade de reformulação de determinados aspectos da formação
médica com vistas a uma satisfação das demandas assistenciais atuais
Estudos e avaliações do ensino médico no Brasil contemporâneo, contudo, mostram que a maioria dos
cursos de Medicina se encontra ainda organizada de acordo com as proposições do Relatório Flexner
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Segunda metade da década de 1970 no Brasil – Surgiu o Movimento
Sanitário
A partir da realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986,
desenhou-se, então, o projeto de construção de um sistema público de
saúde pautado em uma concepção ampliada de saúde e no lema –
“Saúde como direito de todos e dever do Estado”
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Aprovação da nova constituição em 1988 e criação do SUS – propiciaram a criação do Programa Saúde da
Família (PSF) na década de 1990 - o Ministério da Saúde define o PSF como a estratégia inicial de
reorientação do modelo assistencial
A expansão do PSF trouxe a necessidade de se buscar uma prática clínica ampliada e integradora das
dimensões biopsicossociais do adoecimento e capaz de promover o cuidado em saúde mediante o trabalho
de uma equipe multidisciplinar
Uma constatação se evidenciou: as faculdades de Medicina não estavam formando o tipo de profissional que
a sociedade necessitava – foi imprescindível adotar medidas voltadas à formação e à capacitação desse
profissional por meio da viabilização de mudanças na graduação para atender os interesses apontados por
um novo modelo de atenção à saúde
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
1991: Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), Conselho Federal de Medicina (CFM) e mais nove
instituições relacionadas à profissão médica constituíram a Comissão Interinstitucional Nacional de Avaliação
das Escolas Médicas (Cinaem) com a finalidade de avaliar a educação médica e fomentar o aperfeiçoamento
do Sistema de Saúde
Cinaem - Segunda fase - Identificação de questões importantes: necessidade de mudança dos métodos
pedagógicos, do sistema de avaliação docente e discente e da proposta curricular
Cinaem – Terceira fase – 1998 - “Transformação do Ensino Médico no Brasil” - adesão significativa das escolas
médicas do país para um movimento de mudanças cujo objetivo maior seria o real atendimento das
necessidades de saúde da população
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Após um longo processo de discussão e de negociação, foram homologadas em 2001, pelo
Conselho Nacional de Educação, as Diretrizes Curriculares do Ensino Médico, tendo como
eixo norteador o papel social do aparelho formador
Premissas das novas diretrizes: integração entre teoria e prática, pesquisa e ensino, e entre
conteúdos biológicos, psicológicos, sociais e ambientais do processo saúde-doença; inserção
precoce dos estudantes em atividades nos serviços de saúde, com ênfase na atenção
primária; estímulo à participação ativa dos estudantes na construção do conhecimento;
formação médica humanista, generalista, crítica e reflexiva
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Ensino centrado no processo de trabalho e no princípio da integralidade das ações em saúde
A inserção do aluno na realidade social e sanitária da população
A diversificação dos cenários de aprendizagem – comunidade, família, unidades básicas de saúde
Deslocamento do hospital como único espaço de aprendizagem
A perspectiva da formação em saúde inserida na transdisciplinaridade e na intersetorialidade
A valorização das dimensões psicossocial e antropológica do adoecer
Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2):
262-270.
História do Ensino de Medicina no Brasil
Questões primordiais definidoras de uma nova concepção para a política de formação de
recursos humanos para o SUS
A medicina teve suas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) aprovadas no final de 2001 e, já em 2002,
por meio da parceria entre os Ministérios da Saúde e Educação e a Organização Pan-americana da Saúde,
foi lançado o Programa de Incentivo a Mudanças Curriculares nos Cursos de Medicina (PROMED)
O PROMED fortalecia o movimento de mudança na formação médica e contou com a
participação ativa da Associação Brasileira de Educação Médica e da Rede Unida
2005 – criação do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde
(PRÓ-SAÚDE) para os cursos de Medicina, mas também para os de enfermagem e odontologia;
2010 – Criação do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde)
González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570
História do Ensino de Medicina no Brasil
A Faculdade de Medicina da Paraíba foi fundada em 1950 - Faculdade de Medicina,
Odontologia e Farmácia do Estado da Paraíba – centro da cidade – Rua das Trincheiras
A autorização de funcionamento do Curso de Medicina foi assinada pela Presidência
da República em 1951, e o Curso de Medicina foi reconhecido oficialmente pelo
Governo Federal em 1955
Em 1955 foi fundada a Universidade da Paraíba, com a agregação dos cursos de
Medicina, de Odontologia e de Farmácia; primeira turma de Médicos formados na
Paraíba: 15 de dezembro de 1957
História do Ensino de Medicina na Paraíba
1960: federalização da Universidade da Paraíba – criação da Universidade
Federal da Paraíba, composta pela Faculdade de Medicina e outras nove
faculdades - neste processo de fusão das instituições, a Faculdade de
Medicina contribuiu com cerca de 40% do acervo de bens que constituíram o
patrimônio da nova Universidade
2012: Centro de Ciências Médicas - o curso de medicina do Centro de
Ciências da Saúde (CCS), que foi um dos primeiros a constituírem a
instituição, foi a base para a criação de uma outra instância político-
administrativa, o Centro de Ciências Médicas (CCM)
História do Ensino de Medicina na Paraíba
História do Ensino Médico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6Medidas da Saúde Coletiva aula 6
Medidas da Saúde Coletiva aula 6
 
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
Hipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor RobsonHipertensao Arterial   Caso Clínico    Professor Robson
Hipertensao Arterial Caso Clínico Professor Robson
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
A saúde coletiva no brasil slides atual 2.1 (1)
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Técnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiarTécnicas de abordagem familiar
Técnicas de abordagem familiar
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Claudio Porto
Claudio PortoClaudio Porto
Claudio Porto
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 

Destaque

Semiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátricaSemiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátricaIsadora Ribeiro
 
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátricaSemiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátricaJucie Vasconcelos
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozAnormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
semiologia-psiquiatrica
semiologia-psiquiatricasemiologia-psiquiatrica
semiologia-psiquiatricav1c7or1n0
 

Destaque (6)

História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Semiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátricaSemiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátrica
 
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátricaSemiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
 
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do CâncerO Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
O Papel do Médico Generalista na Detecção do Câncer
 
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-MuñozAnormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
Anormalidades das Unhas - GESME - Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz
 
semiologia-psiquiatrica
semiologia-psiquiatricasemiologia-psiquiatrica
semiologia-psiquiatrica
 

Semelhante a História do Ensino Médico

períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxJessiellyGuimares
 
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxCarlosSilva338371
 
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalho
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalhoAbertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalho
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalhoPaulo Marostica
 
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdfDheniseMikaelly
 
Enfermagem moderna no Brasil
Enfermagem moderna no BrasilEnfermagem moderna no Brasil
Enfermagem moderna no BrasilPedro Miguel
 
Post Sandra e Porto 01
Post Sandra e Porto 01Post Sandra e Porto 01
Post Sandra e Porto 01LACENF
 
2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdfMichelleSoares58
 
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptx
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptxHISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptx
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptxJessiellyGuimares
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfAnderson Macedo
 
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxx
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxxHistória da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxx
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxxJamiliSilva3
 
História da enfermagem .pptx…………………… ..
História da enfermagem .pptx…………………… ..História da enfermagem .pptx…………………… ..
História da enfermagem .pptx…………………… ..JamiliSilva3
 
História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..JamiliSilva3
 
História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..JamiliSilva3
 
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEMINTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEMLuanMiguelCosta
 
Saúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológicoSaúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológicoFlávia Rodrigues
 
Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)enfanhanguera
 

Semelhante a História do Ensino Médico (20)

períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
 
historia da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docxhistoria da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docx
 
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptxENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
ENF. SLIDS - HISTORIA DA ENFERMAGEM, ETICA E LEGISLACAO.pptx
 
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalho
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalhoAbertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalho
Abertura de um eixo reflexivo para a educação da saúde o ensino e o trabalho
 
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
 
Enfermagem moderna no Brasil
Enfermagem moderna no BrasilEnfermagem moderna no Brasil
Enfermagem moderna no Brasil
 
Post Sandra e Porto 01
Post Sandra e Porto 01Post Sandra e Porto 01
Post Sandra e Porto 01
 
2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf2 História da enfermagem brasileira.pdf
2 História da enfermagem brasileira.pdf
 
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptx
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptxHISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptx
HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 2.pptx
 
Enfermagem e sociedade - UFBA
Enfermagem e sociedade -  UFBAEnfermagem e sociedade -  UFBA
Enfermagem e sociedade - UFBA
 
História da Enfermagem 2.pdf
História da Enfermagem 2.pdfHistória da Enfermagem 2.pdf
História da Enfermagem 2.pdf
 
História da Fisioterapia
História da Fisioterapia História da Fisioterapia
História da Fisioterapia
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
 
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxx
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxxHistória da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxx
História da enfermagem.pptxxxxxxxxxxxxx
 
História da enfermagem .pptx…………………… ..
História da enfermagem .pptx…………………… ..História da enfermagem .pptx…………………… ..
História da enfermagem .pptx…………………… ..
 
História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..
 
História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..História da enfermagem .pptx………………………..
História da enfermagem .pptx………………………..
 
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEMINTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
 
Saúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológicoSaúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológico
 
Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICARilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais de Rilva Lopes de Sousa Muñoz (20)

Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
Introdução à Estatística Inferencial - Parte 1
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das DoençasHistória da Teoria Microbiana das Doenças
História da Teoria Microbiana das Doenças
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICAORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO  INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
ORIGEM E EVOLUÇÃO DO CONSENTIMENTO INFORMADO NA PRÁTICA MÉDICA
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Semiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em EvidênciasSemiologia Baseada em Evidências
Semiologia Baseada em Evidências
 
Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos" Aula "Atestados Médicos"
Aula "Atestados Médicos"
 
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESMEElaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
Elaboração e Publicação de um Artigo Científico Original - GESME
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESMEValidade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Validade e Reprodutibilidade de Exames - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. RilvaNoções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
Noções de Exame Neurológico - Parte II - Profa. Rilva
 
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESMETeoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
Teoria da Amostragem - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem QuantitativaModelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
Modelos de Pesquisa Científica de Abordagem Quantitativa
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
 
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESMEDor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
Dor Crônica: Anamnese - Profa. Rilva - GESME
 
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
Pesquisa Científica como Prática Pedagógica na Graduação em Medicina - Profa....
 
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESMESíndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
Síndromes Demenciais - Profa. Rilva Muñoz - GESME
 

Último

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 

Último (20)

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 

História do Ensino Médico

  • 1. HISTÓRIA DO ENSINO DE MEDICINA Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz Módulo de História da Medicina e da Bioética DMI/CCM/UFPB
  • 2. Como ocorreu a formação médica ao longo da história?
  • 3. História do Ensino de Medicina: Primórdios Relação mestre-discípulo A preocupação com a preparação profissional daqueles que cuidam da saúde da população é uma constante na história da humanidade Em épocas remotas, nas tribos primitivas, os candidatos à função de pajé eram selecionados e treinados Em seus primórdios, o ensino da atividade de curar começou de maneira informal - treinamento profissional orientado por um prático - os discípulos aprendiam as habilidades profissionais na relação com seus mestres Botti SHO, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis?. Rev. bras. educ. med. 2008; 32 (3): 363-373.
  • 4. O ensino médico no Ocidente só foi institucionalizado na Baixa Idade Média, pela Escola de Salerno, que alcançou fama mundial, e para onde afluíam estudantes de todas as nações Há referências ao ensino da medicina em Salerno já no século IX, porém sua institucionalização só ocorreu em 1075, quando os estudantes aprovados passaram a receber licença para exercer a medicina História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
  • 5. A partir do século XII, a Escola de Salerno estabeleceu um currículo regular e passou a receber auxílio financeiro dos governantes Os preceitos da Escola de Salerno foram amplamente divulgados pelo Regimen Sanitatis Salernitanum, que se baseava em Galeno e Hipócrates História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
  • 6. A educação médica em Salerno começou nos mosteiros, resultando em associação entre ensino médico e hospitais da Igreja. Como é que Salerno, uma escola fundada por monges, foi capaz de promover o desenvolvimento das futuras universidades europeias? A conexão com o mosteiro e as tradições beneditinas promoveram o desenvolvimento intelectual em uma atmosfera liberal, admitindo-se estudantes de todas as origens, incluindo mulheres, na escola O clima ameno em Salerno contribuiu para o desenvolvimento da escola de medicina - Os viajantes e a nobreza vieram se recuperar de várias doenças e a agregação dos doentes em Salerno atraiu muitos médicos gregos, árabes e judeus A localização geográfica no sul da Itália - A escola estava localizada no meio de um vale elevado, com vista para a cidade de Salerno, a sudeste de Nápoles, próxima dos remanescentes da cultura grega, que promoveu o aprendizado de mestres antigos, como Hipócrates e Aristóteles História do Ensino de Medicina: Escola de Salerno
  • 7. As universidades foram um legado da Idade Média à civilização ocidental - surgiram na Europa Cristã, aproximadamente nos séculos XII e XIII A palavra latina UNIVERSITAS foi inicialmente empregada a partir do século XII para designar uma corporação de professores e alunos, que se subdividiu depois em ramos: a de leis e a de artes e medicina Somente a partir do século XIV, UNIVERSITAS passou a designar também a própria instituição, tal como hoje se entende História do Ensino de Medicina: Surgimento das universidades
  • 8. As universidades nasceram de uma iniciativa da Igreja como uma extensão dos colégios episcopais – onde estudantes aprendiam o domínio das sete artes liberais, base da educação durante a Idade Média; os eixos programáticos de estudos, além dos professores – eram integrantes da Igreja Apesar da origem clerical, a Escola de Salerno passou a ser o primeiro centro medieval de Medicina laica, com caráter docente e assistencial História do Ensino de Medicina
  • 9. Foi na chamada “Idade das Trevas”, a Idade Média, que surgiu a maior contribuição intelectual para o mundo: o sistema universitário - A universidade foi um fenômeno totalmente novo na história da Europa – não houve universidades antes dessa época Depois da Escola de Salerno, surgiram as universidades de Bolonha, em 1158 (a primeira Universidade do mundo Ocidental); Paris, em 1200; Cambridge, em 1209; Pádua, em 1222; Nápoles, em 1224; Toulouse, em 1229; nestas escolas, seguiam- se os conhecimentos de Galeno e Avicena História do Ensino de Medicina: Surgimento das universidades
  • 10. As universidades nasceram de uma iniciativa da Igreja como uma extensão dos colégios episcopais – onde estudantes aprendiam o domínio das sete artes liberais, base da educação durante a Idade Média; os eixos programáticos de estudos, além dos professores, eram integrantes da Igreja As faculdades de Medicina das universidades europeias do século XIII foram as encarregadas de resgatar a herança da Escola de Salerno, que englobava a melhor da tradição da medicina grega, assim como textos alimentados nas fontes da medicina árabe e bizantina História do Ensino de Medicina
  • 11. A partir do século XVI e da inauguração do período renascentista, em que o homem passou a ser o centro do universo, houve grande avanço no estudo da anatomia A continuidade das descobertas, os avanços da Medicina na Idade Moderna, a consolidação do hospital como locus privilegiado de prática, de ensino e de aprendizagem e as mudanças nas técnicas do ensino médico conferiam à Medicina o caráter de conhecimento que busca a cura ou, pelo menos, a minimização do sofrimento, dentro dos cânones da racionalidade, da objetividade e da cientificidade. Configurava-se, assim, o modelo da ciência médica moderna – o modelo biomédico História do Ensino de Medicina Batista NA. Et al. Educação Médica no Brasil: Docência Em Formação - Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2015
  • 12. - Século XIX: “Segunda Revolução Científica”, análoga à do século XVII - criou novos cânones de verdades que romperam com os fundamentos do conhecimento dos séculos anteriores; até então, as principais inquietações dos cientistas se concentravam em teologia, humanismo e filosofia Predominou nas escolas médicas dos Estados Unidos e do Brasil, o modelo anatomoclínico francês na primeira metade do século XIX, e depois tornou-se predominante o modelo germânico, que introduziu as disciplinas laboratoriais e a anatomopatologia Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. História do Ensino de Medicina
  • 13. Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. Na segunda metade do século XIX, havia uma situação desordenada no ensino de medicina, que piorou com o número crescente de escolas médicas As faculdades não dispunham de laboratórios nem de uma tradição de pesquisa e as disciplinas podiam ser cursadas em qualquer sequência; o corpo docente não tinha controle sobre seus aprendizes, e as normas educativas eram flexíveis demais A duração do curso variava entre as escolas; 96% das escolas médicas exigiam três de curso História do Ensino de Medicina
  • 14. Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. Passou a ocorrer uma intervenção reformadora oriunda das universidades e inspirada na Alemanha, que havia criado uma tradição de ensino universitário secular O principal apoio desta reforma geral foi a faculdade de medicina da Universidade Johns Hopkins, fundada em 1893 em Baltimore, com um programa de quatro anos, arraigado nas ciências básicas e na prática hospitalar da medicina História do Ensino de Medicina
  • 15. Em 1903, a American Medical Association (AMA) criou um conselho de educação médica, encarregado da inspeção e da avaliação das escolas médicas nos EUA, cujo relatório de 1907 evidenciou uma variabilidade de tipos de formação médica A Carneggie Foundation foi convidada pela AMA a realizar uma pesquisa independente, que por sua vez contratou Abrahan Flexner, pedagogo não médico, tendo Flexner considerado a Faculdade de Medicina Johns Hopkins o modelo ideal de formação médica Flexner visitou, então, todas as escolas médicasnorte-americanas, preparando o relatório que resultou em uma profunda reforma do ensino médico americano e canadense, com reflexos no ensino médico da América Latina S. a., S. d. Maxwell-Puc-Rio. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/4328/4328_5.PDF História do Ensino de Medicina
  • 16. Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. Após ter visitado 155 faculdades de Medicina nos EUA e Canadá, Flexner concluiu que apenas cinco delas tinham condições de formar médicos Flexner recomendou reduzir o número e melhorar a qualidade das escolas, propondo um modelo de curso que foi adotado inicialmente nos Estados Unidos e, logo depois, em grande parte do mundo Com o Relatório Flexner, houve redução do número de escolas médicas - em 1915, o número de escolas havia se reduzido para 95 História do Ensino de Medicina
  • 17. O “modelo flexneriano” é visto como uma incorporação pelas faculdades brasileiras de medicina, ao longo dos anos 1950 e 1960, das reformas do ensino médico norte-americano a partir do Relatório Flexner O Relatório Flexner foi encomendado devido às constatações da American Medical Association sobre a precariedade das escolas médicas norte- americanas entre as últimas décadas do século XIX e o início do XX História do Ensino de Medicina Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009.
  • 18. “Relatório Flexner”: determinou uma série de modificações nos currículos médicos, baseando-se em determinados pressupostos ideológicos para a Medicina Mecanicismo (o homem é comparável a uma máquina) Biologicismo (predominância da natureza biológica das doenças) Unicausalidade, com exclusão dos aspectos sociais Superespecialização do médico Tecnificação crescente do ato médico Ênfase na doença e na medicina curativa Cenário de práticas predominantemente hospitalar Segmentação do curso em ciclos básico e profissional História do Ensino de Medicina Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009.
  • 19. “O modelo flexneriano começou a ser implantado no Brasil na década de 40, influenciando os novos cursos de Medicina, Odontologia e Enfermagem, além de reformular os cursos já existentes. Paradoxalmente, o rápido e contínuo desenvolvimento científico-tecnológico conduziu o modelo flexneriano ao topo e o derrubou do mesmo. Os crescentes gastos, o consumo desenfreado das possibilidades de diagnóstico e tratamento em contraste com a escassez de recursos para o custeio são pontos marcantes à derrocada deste modelo, principalmente em países pobres ou em desenvolvimento” (p.552) González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570 História do Ensino de Medicina
  • 20. A introdução do “Estado de Bem-Estar Social” nos países europeus e, principalmente, a Medicina Social na Inglaterra, impulsionaram aos Estados Unidos a repensar e discutir a questão da assistência médica O “Movimento Preventivista” e a “Medicina Integral” surgiram nos Estados Unidos e na América Latina ainda na década de 1950 (no Brasil, a partir da década de 60) e foram bases para as mudanças no ensino Houve surgimento dos departamentos de Medicina Preventiva, por forte influência da Organização Pan-Americana de Saúde que, na década de 1950 passou a se interessar pelo ensino médico, ao considerar a educação latino-americana desarticulada da prevenção González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570 História do Ensino de Medicina
  • 21. No início dos anos 1970, foi elaborado um informe para os Estados Unidos e Canadá, pela Carneggie Commission of Higher Education, chamado de “Integração Docente-Assistencial (IDA)”, que postulava uma redefinição geral do ensino médico norte-americano, no sentido de formar o “médico generalista” ou “de família e daecomunidade” Com a implantação dos programas de Integração Docente Assistencial (IDA), definidos pela Organização Pan- Americana da Saúde (Opas) nos anos 1980, procurou-se priorizar a atenção primária à saúde, tendo como meta "saúde para todos no ano 2000“ (Conferência de Alma-Ata) Passou-se a preconizar uma articulação entre as instituições de educação e o sistema de saúde, levando a mudanças no currículo das faculdades de Medicina e demais áreas da saúde Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493. História do Ensino de Medicina
  • 22. Os programas de IDA, embora reconhecidos como de valor inestimável para as escolas médicas e para o sistema de saúde, não foram praticados em sua plenitude, e as mudanças resultantes de sua implantação foram pequenas Em 1985, surgiram os programas UNI, projetados para a América Latina e que definiram “Uma Nova Iniciativa” na formação de profissionais da saúde: união com a comunidade. A UNI visava à integração escola x serviço x comunidade, reunindo os estudos epidemiológicos, a interdisciplinaridade, o trabalho em equipe multiprofissional e a utilização do serviço como cenário de ensino e aprendizagem O projeto foi implementado em poucas escolas médicas, com alguns avanços nas mudanças curriculares, mas a participação de docentes e profissionais da saúde ainda foi escassa Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493. História do Ensino de Medicina
  • 23. O primeiro curso de Medicina no Brasil foi criado em fevereiro de 1808 em Salvador, após a chegada da família real portuguesa na Bahia; em abril de 1808, criou-se a segunda escola médica do país, a Escola de Anatomia e Cirurgia no Rio de Janeiro As escolas da Bahia e do Rio eram "escolas de cirurgia", pois formavam cirurgiões e não médicos, pois estes continuavam a se formar na Europa, sobretudo em Portugal - O curso tinha duração de quatro anos Entre 1812 e 1815, ocorreram as primeiras reformas dessas duas escolas médicas, que passaram a ser chamadas Academias Médico-Cirúrgicas, e a duração dos cursos foi ampliada para cinco anos Em 1822, com a passagem do Brasil a Império, surgem os médicos formados nas escolas nacionais; D Pedro I firma a lei que estabelece a autonomia dessas escolas, concedendo-lhes o direito de diplomar seus alunos, que até 1822 recebiam diplomas de Portugal, mesmo tendo se graduado nas escolas brasileiras Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação O swaldo Cruz. 2009. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 24. 1832, as duas escolas de medicina existentes no Brasil foram transformadas em Faculdades de Medicina, adotando as regras e programas da Escola Médica de Paris, com cursos com e duração de seis anos; a terceira escola médica brasileira só surgiu 90 anos depois, na República, em 1899 (Rio Grande do Sul), fazendo com que o Brasil tivesse até o início do século XX, apenas três escolas médicas A influência francesa foi marcante no ensino médico no Brasil: todo o material escolar - livros, métodos, regulamentos, programas, leituras - era importado da França e eminentemente teórico; o modelo pedagógico adotado até então era marcado pelo academicismo francês, mas a pesquisa era influenciada pela escola alemã Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 25. As reformas sucessivas e o tempo fizeram com que este modelo baseado nas escolas europeias fosse totalmente substituído pelo modelo americano, que passou a ser hegemônico no início do século XX 1915: novos rumos para o ensino médico no Brasil e aumento de três para dez escolas médicas; as escolas médicas no Brasil, que eram isoladas até 1930, quando foi criada, então, a primeira universidade brasileira, a Universidade de São Paulo Guimarães MRC. Os catedráticos de clínica médica e as propostas de reforma do ensino médico no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Tese - Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. 2009. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 26. - 1911 - Desoficialização do ensino no país - Lei Orgânica do Ensino Superior e Fundamental, na República (Lei Rivadávia) – firmava a a criação do ensino livre e particular no Brasil - Com a Lei Rivadávia, as escolas superiores passaram a ser autônomas em relação ao governo federal no que dizia respeito ao seu sustento econômico e organização estatutária - Em consequência, houve grande aumento da criação de faculdades particulares, com aparecimento de diversas instituições que tinham por único fim “negociar diplomas” - 1915- Reforma Maximiliano - Governo de Venceslau Brás - restabeleceu a ordem no campo educacional História do Ensino de Medicina - Brasil Abreu Júnior, JMC. A Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará: da fundação à federalização 1919-1950. Rev Pan-Amaz Saude 2010; 1(4):11-16
  • 27. O ensino superior, a partir das décadas de 60 e 70, sofre uma importante inflexão com um boom de universidades e vagas verificado entre 1965 e 1975 Até 1970 foram criadas 43 novas escolas médicas sendo, a maioria delas, de iniciativa privada, com subsídios governamentais Houve uma verdadeira explosão de escolas médicas, com uma tendência à concentração no Sul e Sudeste e uma inversão na relação público-privada Pierantoni CR, Varella TC, França T. A formação médica: capacidade regulatória de estados nacionais e demanda dos sistemas de saúde. Disponível em: http://www.obsnetims.org.br/upload ed/16_5_2013__0_A_formacao_medica.pdf História do Ensino de Medicina - Brasil
  • 28. Houve simultaneamente grande expansão do número de vagas nas escolas existentes, e novas escolas médicas foram sendo criadas de forma indiscriminada Em 1930, existiam no Brasil 12 escolas médicas, todas públicas; entre 1930 e 1960, foram fundadas mais 19, em sua maioria públicas Em 1964, existiam 37 cursos de Medicina, dos quais 81% eram públicos, sendo 24 em universidades federais e seis em estaduais Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 29. Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493. Década de 1960 - industrialização no país - desencadeia-se a criação acelerada de novas escolas: Em apenas cinco anos, criaram-se 35 escolas, chegando-se ao final do século XX com 113 escolas médicas O crescimento dos cursos de Medicina ocorreu, especialmente, nas décadas de 1970 e 1990, vinculado à expansão da rede privada de ensino e, trazendo para a agenda uma crescente preocupação com a qualidade da formação dos egressos A oferta de vagas nas escolas privadas cresceu 98,9%, enquanto nas públicas apenas 15% História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 30. Gonçalves MB, Benevides-Pereira AMT. Considerações sobre o ensino médico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med 2009; 33 (3): 482-493. Atualmente (2017) há 294 escolas médicas em atividade no Brasil; as escolas privadas já são maioria: 164; 78 federais, 34 estaduais e 16 municipais Considerando-se o número de cursos de Medicina em relação à população e comparando o Brasil com outros países, o maior número de cursos de Medicina do mundo ocorre aqui (China - 150 escolas para 1,3 bilhão de habitantes; Índia - 202 cursos para 1,07 bilhão de habitantes; Estados Unidos - 125 cursos para 278 milhões de habitantes História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 31.
  • 32. Há mais de 50 anos o ensino médico encontra-se sob crítica recorrente em todo o mundo No Brasil, especialmente nas últimas duas décadas, têm ocorrido análises e debates pelos profissionais da área e pela sociedade em geral sobre a qualidade do ensino de medicina Existe um consenso quanto à necessidade de reformulação de determinados aspectos da formação médica com vistas a uma satisfação das demandas assistenciais atuais Estudos e avaliações do ensino médico no Brasil contemporâneo, contudo, mostram que a maioria dos cursos de Medicina se encontra ainda organizada de acordo com as proposições do Relatório Flexner Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 33. Segunda metade da década de 1970 no Brasil – Surgiu o Movimento Sanitário A partir da realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986, desenhou-se, então, o projeto de construção de um sistema público de saúde pautado em uma concepção ampliada de saúde e no lema – “Saúde como direito de todos e dever do Estado” Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 34. Aprovação da nova constituição em 1988 e criação do SUS – propiciaram a criação do Programa Saúde da Família (PSF) na década de 1990 - o Ministério da Saúde define o PSF como a estratégia inicial de reorientação do modelo assistencial A expansão do PSF trouxe a necessidade de se buscar uma prática clínica ampliada e integradora das dimensões biopsicossociais do adoecimento e capaz de promover o cuidado em saúde mediante o trabalho de uma equipe multidisciplinar Uma constatação se evidenciou: as faculdades de Medicina não estavam formando o tipo de profissional que a sociedade necessitava – foi imprescindível adotar medidas voltadas à formação e à capacitação desse profissional por meio da viabilização de mudanças na graduação para atender os interesses apontados por um novo modelo de atenção à saúde Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 35. 1991: Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), Conselho Federal de Medicina (CFM) e mais nove instituições relacionadas à profissão médica constituíram a Comissão Interinstitucional Nacional de Avaliação das Escolas Médicas (Cinaem) com a finalidade de avaliar a educação médica e fomentar o aperfeiçoamento do Sistema de Saúde Cinaem - Segunda fase - Identificação de questões importantes: necessidade de mudança dos métodos pedagógicos, do sistema de avaliação docente e discente e da proposta curricular Cinaem – Terceira fase – 1998 - “Transformação do Ensino Médico no Brasil” - adesão significativa das escolas médicas do país para um movimento de mudanças cujo objetivo maior seria o real atendimento das necessidades de saúde da população Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 36. Após um longo processo de discussão e de negociação, foram homologadas em 2001, pelo Conselho Nacional de Educação, as Diretrizes Curriculares do Ensino Médico, tendo como eixo norteador o papel social do aparelho formador Premissas das novas diretrizes: integração entre teoria e prática, pesquisa e ensino, e entre conteúdos biológicos, psicológicos, sociais e ambientais do processo saúde-doença; inserção precoce dos estudantes em atividades nos serviços de saúde, com ênfase na atenção primária; estímulo à participação ativa dos estudantes na construção do conhecimento; formação médica humanista, generalista, crítica e reflexiva Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 37. Ensino centrado no processo de trabalho e no princípio da integralidade das ações em saúde A inserção do aluno na realidade social e sanitária da população A diversificação dos cenários de aprendizagem – comunidade, família, unidades básicas de saúde Deslocamento do hospital como único espaço de aprendizagem A perspectiva da formação em saúde inserida na transdisciplinaridade e na intersetorialidade A valorização das dimensões psicossocial e antropológica do adoecer Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev. bras. educ. med. 2009; 33 (2): 262-270. História do Ensino de Medicina no Brasil Questões primordiais definidoras de uma nova concepção para a política de formação de recursos humanos para o SUS
  • 38.
  • 39. A medicina teve suas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) aprovadas no final de 2001 e, já em 2002, por meio da parceria entre os Ministérios da Saúde e Educação e a Organização Pan-americana da Saúde, foi lançado o Programa de Incentivo a Mudanças Curriculares nos Cursos de Medicina (PROMED) O PROMED fortalecia o movimento de mudança na formação médica e contou com a participação ativa da Associação Brasileira de Educação Médica e da Rede Unida 2005 – criação do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (PRÓ-SAÚDE) para os cursos de Medicina, mas também para os de enfermagem e odontologia; 2010 – Criação do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) González AD, Almeida MJ. Movimentos de mudança na formação em saúde: da medicina comunitária às diretrizes curriculares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20 (2): 551-570 História do Ensino de Medicina no Brasil
  • 40. A Faculdade de Medicina da Paraíba foi fundada em 1950 - Faculdade de Medicina, Odontologia e Farmácia do Estado da Paraíba – centro da cidade – Rua das Trincheiras A autorização de funcionamento do Curso de Medicina foi assinada pela Presidência da República em 1951, e o Curso de Medicina foi reconhecido oficialmente pelo Governo Federal em 1955 Em 1955 foi fundada a Universidade da Paraíba, com a agregação dos cursos de Medicina, de Odontologia e de Farmácia; primeira turma de Médicos formados na Paraíba: 15 de dezembro de 1957 História do Ensino de Medicina na Paraíba
  • 41. 1960: federalização da Universidade da Paraíba – criação da Universidade Federal da Paraíba, composta pela Faculdade de Medicina e outras nove faculdades - neste processo de fusão das instituições, a Faculdade de Medicina contribuiu com cerca de 40% do acervo de bens que constituíram o patrimônio da nova Universidade 2012: Centro de Ciências Médicas - o curso de medicina do Centro de Ciências da Saúde (CCS), que foi um dos primeiros a constituírem a instituição, foi a base para a criação de uma outra instância político- administrativa, o Centro de Ciências Médicas (CCM) História do Ensino de Medicina na Paraíba