SlideShare uma empresa Scribd logo
INTEGRANTES:
Bárbara Duarte
Gelcine Ângela
Giselle Fernandes
Laura Carolina
INTRODUÇÃO
Toda obra de engenharia requer um estudo sistemático da área a
ser trabalhada. As técnicas de compactação são bastante recentes,
mas se trata de uma operação simples e de grande importância
pelos seus efeitos na estabilidade de terrenos para os diferentes
usos, tais como: para rodovia, pavimentação, barragens e aterros.
A compactação pode ser entendida como um processo manual
ou mecânico que visa reduzir o volume de espaços vazios no solo
aumentando sua resistência e tornando mais estável, segundo
(PINTO, 1988).
O trabalho teve como objetivo o estudo da literatura de técnicas
de equipamentos de compactação e métodos de controle.
POR QUE COMPACTAR?
 Aumentar a capacidade de carga e resistência do solo;
 Evitar recalque;
 Dar estabilidade;
 Reduzir a permeabilidade;
 Reduzir a desagregação do solo.
TIPOS DE COMPACTAÇÃO
 Vibração
 Impacto
 Amassamento
 Pressão
EQUIPAMENTOS DE COMPACTAÇÃO
 Soquetes e compactadores manuais: São compactadores de
impacto utilizados em locais de difícil acesso para os rolos
compressores, como em vala, trincheiras, etc.
Soquete mecânico
Placa vibratória
 Rolos estáticos
Pé de Carneiro: É indicado na compactação de outros tipos de
solo que não a areia e promove um grande entrosamento entre as
camadas compactadas.
Rolo pé de carneiro
 Rolos estáticos
Rolo liso: São usados em bases de estradas, em capeamentos e
são indicados para solos arenosos, pedregulhos e pedra britada .Os
rolos lisos possuem certas desvantagens como, pequena área de
contato e em solos mole afunda demasiadamente dificultando a
tração.
Rolo liso
 Rolos estáticos
Rolo pneumático: São eficientes na compactação de capas
asfálticas, bases e subbases de estradas e indicados para solos de
granulação fina e arenosa.
Rolo pneumático
Rolo vibratório
 Rolos vibratórios : São usados eficientemente na
compactação de solos granulares (areias), onde os
rolos pneumáticos ou pé-de-carneiro não atuam com
eficiência.
VELOCIDADE DE ROLAGEM
Com material solto tem-se maior resistência a rolagem e menor
velocidade, obtendo-se maior esforço de compactação nas passadas
iniciais. O efeito da vibração é bem mais eficiente com menores
velocidades.
TIPOS DE SOLOS APLICÁVEL
A escolha do equipamento para determinado serviço de compactação é
problema bastante complexo, pois, além da diversidade dos
equipamentos disponíveis, há a considerar, ainda, a diversidade dos
tipos de solos existentes, bem como as características próprias do
comportamento de cada um.
MÉTODOS DE CONTROLE DE COMPACTAÇÃO E ATERRO
EM CAMPO, para determinar se a compactação em campo é adequada, foram
desenvolvidos vários métodos para testar a densidade e a umidade da área a ser
compactada. Apresentam-se alguns testes de campo comuns para determinar, no
próprio local, se as densidades de compactação estão sendo alcançadas.
Teste de mão figura 1
Teste umidímetro ou sistema “speed” figura 2
Método da Frigideira figura 3
Figura 1 Figura 3Figura 2
MÉTODOS DE CONTROLE DE COMPACTAÇÃO E ATERRO
Em Laboratório o fenômeno da compactação pode ser simulado por meio de
ensaios laboratoriais próprios. Estes ensaios consistem basicamente em
determinar um valor de umidade para qual o solo que está sendo ensaiado
apresentará o maior peso específico, e dessa forma menor porosidade e maior
resistência. Os ensaios mais utilizados para a determinação do valor da
umidade ótima são os seguintes:
 Ensaio de Proctor Normal: para a obtenção do valor da umidade para obras
pequenas e equipamentos leves;
 Ensaio de Proctor Modificado: para a obtenção do valor da umidade para obras
grandes e equipamentos pesados;
 Ensaio de Proctor Intermediário: para a obtenção do valor da umidade para obras
de terra compactada e equipamentos de médio porte
DNER é a sigla de Departamento Nacional de Estradas de Rodagem,
que é um órgão federal e está vinculado ao Ministério dos
Transportes. Em 2001, o DNER foi substituído pelo DNIT, que significa
Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes.
Segundo (DNER, 2008) para os efeitos desta norma são adotadas as
definições de 3.1 a 3.5.
3.1 aterros
3.2 corpos do aterro
3.3 Camada final
3.4 Rachão
3.5 Bota-fora
ESPECIFICAÇÕES DE TERRAPLANAGEM DO DNER
MÉTODO DE HILF
Para controle rápido da compactação. O qual permite conhecer o
grau de compactação e o desvio da umidade de compactação, em
relação a umidade ótima, sem a necessidade de traçar a curva de
compactação do solo (PINTO,1988 pag. 178 e 229).
O método de Hilf (Jack Hilf – 1950) é utilizado na compactação
de barragens de terra. Ele permite o conhecimento do grau de
compactação Gc = [ys (campo)/ ys max (lab.)].100 e do desvio da
umidade ótima, sem a necessidade de traçar a curva de compactação
do solo, ou seja, sem a necessidade de secar o solo.
MÉTODO DE HILF
MÉTODO DAS FAMÍLIAS DE CURVAS DE COMPACTAÇÃO
Esta curva nos mostra que há um determinado ponto, para o qual ys é
máximo. A umidade correspondente a este ponto de peso específico
aparente máximo (ys, max) é denominado umidade ótima(hot). Para cada
solo sob uma dada energia de compactação existem então hot e um ysmax.
As curvas de compactação , embora difiram para cada tipo de solo, se assemelham á
forma. O comportamento do solo, indicado na figura 4, pode ser explicado
considerando que á medida que cresce o teor de umidade, ate o valor (Hot), o solo
torna-se mais trabalhável, dai resultando Ys maiores e teor de ar menores. Como,
porém, não é possível expulsar todo o ar existente nos vazios do solo, a curva de
compactação não poderá nunca alcançar a curva de saturação (que é, teoricamente, a
curva de Var=0), justificando-se, assim, a partir de Ys,máx, o ramo descendente.
CURVAS DE COMPACTAÇÃO
figura 4
Fonte( Caputo, pinto 1988)
CONCLUSÃO
O trabalho possibilitou a visão de que se pode realizar a
compactação de maneira correta seguindo as técnicas de
compactação e métodos. Dessa maneira, chegamos à conclusão
que o conhecimento e grandioso para o futuro engenheiro civil e
devemos sempre mais buscar novos conhecimentos.
REFERÊNCIA
 PINTO, C.H. Mecânica dos Solos e suas Aplicações V 1. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC
– Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1988.
 TRINDADE.T.P. Compactação dos solos 1 ed. Viçosa: UFV – Universidade Federal
de Viçosa Editora, 2011.
 DNER. Terraplenagem-aterros, Rio de janeiro, 2008. Disponível em:
<http://www.grupocultivar.com.br/artigos/compactacao-planejada>. Acesso em: 12
março. 2017.
 Eiras Silva.L.R. Compactação do solo, monografia, 2008. Itatiba / SP Disponível em:
< http://lyceumonline.usf.edu.br/salavirtual/documentos/1191.pdf >. Acesso em: 12
março. 2017.
 Disponível em: <http://www.grupocultivar.com.br/artigos/compactacao-planejada>.
Acesso em: 12 março. 2017.
 Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA_tcAL/compactacao-solo-
2013-proctor-modificado>. Acesso em: 12 março. 2017.
 Disponível em: <https://www.passeidireto.com/arquivo/24838548/dner-es282-97---
terraplenagem---aterros >. Acesso em: 12 março. 2017.
 Disponível mecânica dos solos, unidade 10 em: <
https://engenhariacivilfsp.files.wordpress.com/2014/05/unidade_10.pd f>. Acesso
em: 13 março. 2017.
 Disponível em: https://www.significados.com.br/dner/ . Acesso em: 13 março. 2017.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
marciotecsoma
 
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdfFot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
Marcelo de Lima Beloni
 
2 classificacao de_solos
2 classificacao de_solos2 classificacao de_solos
2 classificacao de_solos
Marcela de Avelar
 
Ensaio de limite de liquidez e plasticidade
Ensaio de limite de liquidez e plasticidadeEnsaio de limite de liquidez e plasticidade
Ensaio de limite de liquidez e plasticidade
Ezequiel Borges
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
debvieir
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
Janine Silotti
 
Compressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamentoCompressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamento
Bráulio Naya
 
Aula fundações profundas
Aula   fundações profundasAula   fundações profundas
Aula fundações profundas
Carlos Alexandre
 
Aula fundações 2
Aula fundações 2Aula fundações 2
Aula fundações 2
Viviane Vieira
 
1 permeabilidade-exercícios mv
1   permeabilidade-exercícios mv1   permeabilidade-exercícios mv
1 permeabilidade-exercícios mv
raphaelcava
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
UNAERP
 
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPTEnsaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Caio Talarico
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Anderson Carvalho
 
Ensaio de granulometria
Ensaio de granulometriaEnsaio de granulometria
Ensaio de granulometria
Ezequiel Borges
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
Hidraúlica agrícola
Hidraúlica agrícolaHidraúlica agrícola
Hidraúlica agrícola
Rogério Caiado Machado
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
Lucas Sant'ana
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
Elton Mendes
 
Infiltração
InfiltraçãoInfiltração
Infiltração
Hidrologia UFC
 
Compactacao
CompactacaoCompactacao
Compactacao
Samuel Nolasco
 

Mais procurados (20)

Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
 
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdfFot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
Fot 2873lista exeucicios_mec_solos_i_ufv_paut_01_pdf
 
2 classificacao de_solos
2 classificacao de_solos2 classificacao de_solos
2 classificacao de_solos
 
Ensaio de limite de liquidez e plasticidade
Ensaio de limite de liquidez e plasticidadeEnsaio de limite de liquidez e plasticidade
Ensaio de limite de liquidez e plasticidade
 
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solosEstruturas, plasticidade e consistência dos solos
Estruturas, plasticidade e consistência dos solos
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Compressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamentoCompressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamento
 
Aula fundações profundas
Aula   fundações profundasAula   fundações profundas
Aula fundações profundas
 
Aula fundações 2
Aula fundações 2Aula fundações 2
Aula fundações 2
 
1 permeabilidade-exercícios mv
1   permeabilidade-exercícios mv1   permeabilidade-exercícios mv
1 permeabilidade-exercícios mv
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
 
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPTEnsaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
 
Ensaio de granulometria
Ensaio de granulometriaEnsaio de granulometria
Ensaio de granulometria
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
Hidraúlica agrícola
Hidraúlica agrícolaHidraúlica agrícola
Hidraúlica agrícola
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Infiltração
InfiltraçãoInfiltração
Infiltração
 
Compactacao
CompactacaoCompactacao
Compactacao
 

Destaque

La Poesia Trobadoresca
La Poesia TrobadorescaLa Poesia Trobadoresca
La Poesia Trobadoresca
Sílvia Montals
 
Typusとadministrateを比較してみよう
Typusとadministrateを比較してみようTypusとadministrateを比較してみよう
Typusとadministrateを比較してみよう
baban ba-n
 
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
William Marco Locañas
 
3Com PC3C589C
3Com PC3C589C3Com PC3C589C
3Com PC3C589C
savomir
 
MOPAN 2015-16 Assessments
MOPAN 2015-16 AssessmentsMOPAN 2015-16 Assessments
MOPAN 2015-16 Assessments
MOPANOnline
 
Agamaimankepadakitab kitaballah-
Agamaimankepadakitab kitaballah-Agamaimankepadakitab kitaballah-
Agamaimankepadakitab kitaballah-
jidsink
 
Alimentação e nutrição
Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutrição
Luciana Foerstnow
 
Avaliação diagnóstica 6º ano
Avaliação diagnóstica   6º anoAvaliação diagnóstica   6º ano
Avaliação diagnóstica 6º ano
Jacirene Pereira Passarinho
 
Presentación krisiel chirinos
Presentación krisiel chirinosPresentación krisiel chirinos
Presentación krisiel chirinos
Krisiel Chirinos
 
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbanoEje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
Adda Vargas
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
gelcine Angela
 
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
Työterveyslaitos
 
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1) ​
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1)  ​Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1)  ​
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1) ​
Zoho Corporation
 
Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
gelcine Angela
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
gelcine Angela
 
TRIZ
TRIZTRIZ
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
gelcine Angela
 
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
Open Education Global (OEGlobal)
 
Designing digitally-enhanced curricula
Designing digitally-enhanced curriculaDesigning digitally-enhanced curricula
Designing digitally-enhanced curricula
Jisc
 
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos) carlos ...
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos)   carlos ...Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos)   carlos ...
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos) carlos ...
marcopesoa
 

Destaque (20)

La Poesia Trobadoresca
La Poesia TrobadorescaLa Poesia Trobadoresca
La Poesia Trobadoresca
 
Typusとadministrateを比較してみよう
Typusとadministrateを比較してみようTypusとadministrateを比較してみよう
Typusとadministrateを比較してみよう
 
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
[CASE STUDY] 378% ROI On Your Sales Funnel Using Facebook Ads
 
3Com PC3C589C
3Com PC3C589C3Com PC3C589C
3Com PC3C589C
 
MOPAN 2015-16 Assessments
MOPAN 2015-16 AssessmentsMOPAN 2015-16 Assessments
MOPAN 2015-16 Assessments
 
Agamaimankepadakitab kitaballah-
Agamaimankepadakitab kitaballah-Agamaimankepadakitab kitaballah-
Agamaimankepadakitab kitaballah-
 
Alimentação e nutrição
Alimentação e nutriçãoAlimentação e nutrição
Alimentação e nutrição
 
Avaliação diagnóstica 6º ano
Avaliação diagnóstica   6º anoAvaliação diagnóstica   6º ano
Avaliação diagnóstica 6º ano
 
Presentación krisiel chirinos
Presentación krisiel chirinosPresentación krisiel chirinos
Presentación krisiel chirinos
 
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbanoEje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
Eje 3 expandir la eep y adaptar ecológica el suelo urbano
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
 
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
TUURA-valmennus – ryhmämenetelmä mielenterveysperäisen työkyvyttömyyden ehkäi...
 
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1) ​
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1)  ​Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1)  ​
Decrypting the security mystery with SIEM (Part 1) ​
 
Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
 
TRIZ
TRIZTRIZ
TRIZ
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
 
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
Impact of OER on Cost and Quality of Course Materials in Postgraduate Distanc...
 
Designing digitally-enhanced curricula
Designing digitally-enhanced curriculaDesigning digitally-enhanced curricula
Designing digitally-enhanced curricula
 
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos) carlos ...
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos)   carlos ...Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos)   carlos ...
Livro curso bã¡sico de mecã¢nica dos solos (exercã­cios resolvidos) carlos ...
 

Semelhante a Apresentação mecânica do solo

Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdfMecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
OsvaldoPenicela
 
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Fabricio Daiany
 
Aula8 ppt
Aula8 pptAula8 ppt
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdfCOMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
Priscila Duarte
 
Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02
Sérgio Peixoto
 
Apostila movimento terra
Apostila movimento terraApostila movimento terra
Apostila movimento terra
Rafael L. Fraga
 
Aula 19 equipamentos para escavação e compactação e transporte vl
Aula 19 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vlAula 19 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vl
Aula 19 equipamentos para escavação e compactação e transporte vl
Homero Alves de Lima
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
Tamires Sir jales
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
Renata Santos
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
rafael dias
 

Semelhante a Apresentação mecânica do solo (10)

Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdfMecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
Mecânica de solos Compactacao MS I_2009 (2).pdf
 
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
 
Aula8 ppt
Aula8 pptAula8 ppt
Aula8 ppt
 
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdfCOMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
COMPACTAÇÃO MARIA EUGENIA GIMENEZ BOSCOV.pdf
 
Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02  Trabalhos em solos aula 02
Trabalhos em solos aula 02
 
Apostila movimento terra
Apostila movimento terraApostila movimento terra
Apostila movimento terra
 
Aula 19 equipamentos para escavação e compactação e transporte vl
Aula 19 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vlAula 19 equipamentos para  escavação e compactação e transporte vl
Aula 19 equipamentos para escavação e compactação e transporte vl
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
 

Mais de gelcine Angela

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
gelcine Angela
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
gelcine Angela
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
gelcine Angela
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
gelcine Angela
 
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
gelcine Angela
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
gelcine Angela
 
Kanban
Kanban Kanban
Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
gelcine Angela
 
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
gelcine Angela
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
gelcine Angela
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
gelcine Angela
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
gelcine Angela
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
gelcine Angela
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
gelcine Angela
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
gelcine Angela
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
gelcine Angela
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
gelcine Angela
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
gelcine Angela
 
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
gelcine Angela
 

Mais de gelcine Angela (19)

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
 
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
 
Kanban
Kanban Kanban
Kanban
 
Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
 
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
 
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
 

Último

Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 

Último (8)

Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 

Apresentação mecânica do solo

  • 2. INTRODUÇÃO Toda obra de engenharia requer um estudo sistemático da área a ser trabalhada. As técnicas de compactação são bastante recentes, mas se trata de uma operação simples e de grande importância pelos seus efeitos na estabilidade de terrenos para os diferentes usos, tais como: para rodovia, pavimentação, barragens e aterros. A compactação pode ser entendida como um processo manual ou mecânico que visa reduzir o volume de espaços vazios no solo aumentando sua resistência e tornando mais estável, segundo (PINTO, 1988). O trabalho teve como objetivo o estudo da literatura de técnicas de equipamentos de compactação e métodos de controle.
  • 3. POR QUE COMPACTAR?  Aumentar a capacidade de carga e resistência do solo;  Evitar recalque;  Dar estabilidade;  Reduzir a permeabilidade;  Reduzir a desagregação do solo.
  • 4. TIPOS DE COMPACTAÇÃO  Vibração  Impacto  Amassamento  Pressão
  • 5. EQUIPAMENTOS DE COMPACTAÇÃO  Soquetes e compactadores manuais: São compactadores de impacto utilizados em locais de difícil acesso para os rolos compressores, como em vala, trincheiras, etc. Soquete mecânico Placa vibratória
  • 6.  Rolos estáticos Pé de Carneiro: É indicado na compactação de outros tipos de solo que não a areia e promove um grande entrosamento entre as camadas compactadas. Rolo pé de carneiro
  • 7.  Rolos estáticos Rolo liso: São usados em bases de estradas, em capeamentos e são indicados para solos arenosos, pedregulhos e pedra britada .Os rolos lisos possuem certas desvantagens como, pequena área de contato e em solos mole afunda demasiadamente dificultando a tração. Rolo liso
  • 8.  Rolos estáticos Rolo pneumático: São eficientes na compactação de capas asfálticas, bases e subbases de estradas e indicados para solos de granulação fina e arenosa. Rolo pneumático
  • 9. Rolo vibratório  Rolos vibratórios : São usados eficientemente na compactação de solos granulares (areias), onde os rolos pneumáticos ou pé-de-carneiro não atuam com eficiência.
  • 10. VELOCIDADE DE ROLAGEM Com material solto tem-se maior resistência a rolagem e menor velocidade, obtendo-se maior esforço de compactação nas passadas iniciais. O efeito da vibração é bem mais eficiente com menores velocidades.
  • 11. TIPOS DE SOLOS APLICÁVEL A escolha do equipamento para determinado serviço de compactação é problema bastante complexo, pois, além da diversidade dos equipamentos disponíveis, há a considerar, ainda, a diversidade dos tipos de solos existentes, bem como as características próprias do comportamento de cada um.
  • 12. MÉTODOS DE CONTROLE DE COMPACTAÇÃO E ATERRO EM CAMPO, para determinar se a compactação em campo é adequada, foram desenvolvidos vários métodos para testar a densidade e a umidade da área a ser compactada. Apresentam-se alguns testes de campo comuns para determinar, no próprio local, se as densidades de compactação estão sendo alcançadas. Teste de mão figura 1 Teste umidímetro ou sistema “speed” figura 2 Método da Frigideira figura 3 Figura 1 Figura 3Figura 2
  • 13. MÉTODOS DE CONTROLE DE COMPACTAÇÃO E ATERRO Em Laboratório o fenômeno da compactação pode ser simulado por meio de ensaios laboratoriais próprios. Estes ensaios consistem basicamente em determinar um valor de umidade para qual o solo que está sendo ensaiado apresentará o maior peso específico, e dessa forma menor porosidade e maior resistência. Os ensaios mais utilizados para a determinação do valor da umidade ótima são os seguintes:  Ensaio de Proctor Normal: para a obtenção do valor da umidade para obras pequenas e equipamentos leves;  Ensaio de Proctor Modificado: para a obtenção do valor da umidade para obras grandes e equipamentos pesados;  Ensaio de Proctor Intermediário: para a obtenção do valor da umidade para obras de terra compactada e equipamentos de médio porte
  • 14. DNER é a sigla de Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, que é um órgão federal e está vinculado ao Ministério dos Transportes. Em 2001, o DNER foi substituído pelo DNIT, que significa Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes. Segundo (DNER, 2008) para os efeitos desta norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.5. 3.1 aterros 3.2 corpos do aterro 3.3 Camada final 3.4 Rachão 3.5 Bota-fora ESPECIFICAÇÕES DE TERRAPLANAGEM DO DNER
  • 15. MÉTODO DE HILF Para controle rápido da compactação. O qual permite conhecer o grau de compactação e o desvio da umidade de compactação, em relação a umidade ótima, sem a necessidade de traçar a curva de compactação do solo (PINTO,1988 pag. 178 e 229). O método de Hilf (Jack Hilf – 1950) é utilizado na compactação de barragens de terra. Ele permite o conhecimento do grau de compactação Gc = [ys (campo)/ ys max (lab.)].100 e do desvio da umidade ótima, sem a necessidade de traçar a curva de compactação do solo, ou seja, sem a necessidade de secar o solo.
  • 17. MÉTODO DAS FAMÍLIAS DE CURVAS DE COMPACTAÇÃO Esta curva nos mostra que há um determinado ponto, para o qual ys é máximo. A umidade correspondente a este ponto de peso específico aparente máximo (ys, max) é denominado umidade ótima(hot). Para cada solo sob uma dada energia de compactação existem então hot e um ysmax. As curvas de compactação , embora difiram para cada tipo de solo, se assemelham á forma. O comportamento do solo, indicado na figura 4, pode ser explicado considerando que á medida que cresce o teor de umidade, ate o valor (Hot), o solo torna-se mais trabalhável, dai resultando Ys maiores e teor de ar menores. Como, porém, não é possível expulsar todo o ar existente nos vazios do solo, a curva de compactação não poderá nunca alcançar a curva de saturação (que é, teoricamente, a curva de Var=0), justificando-se, assim, a partir de Ys,máx, o ramo descendente.
  • 18. CURVAS DE COMPACTAÇÃO figura 4 Fonte( Caputo, pinto 1988)
  • 19. CONCLUSÃO O trabalho possibilitou a visão de que se pode realizar a compactação de maneira correta seguindo as técnicas de compactação e métodos. Dessa maneira, chegamos à conclusão que o conhecimento e grandioso para o futuro engenheiro civil e devemos sempre mais buscar novos conhecimentos.
  • 20. REFERÊNCIA  PINTO, C.H. Mecânica dos Solos e suas Aplicações V 1. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1988.  TRINDADE.T.P. Compactação dos solos 1 ed. Viçosa: UFV – Universidade Federal de Viçosa Editora, 2011.  DNER. Terraplenagem-aterros, Rio de janeiro, 2008. Disponível em: <http://www.grupocultivar.com.br/artigos/compactacao-planejada>. Acesso em: 12 março. 2017.  Eiras Silva.L.R. Compactação do solo, monografia, 2008. Itatiba / SP Disponível em: < http://lyceumonline.usf.edu.br/salavirtual/documentos/1191.pdf >. Acesso em: 12 março. 2017.  Disponível em: <http://www.grupocultivar.com.br/artigos/compactacao-planejada>. Acesso em: 12 março. 2017.  Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA_tcAL/compactacao-solo- 2013-proctor-modificado>. Acesso em: 12 março. 2017.  Disponível em: <https://www.passeidireto.com/arquivo/24838548/dner-es282-97--- terraplenagem---aterros >. Acesso em: 12 março. 2017.  Disponível mecânica dos solos, unidade 10 em: < https://engenhariacivilfsp.files.wordpress.com/2014/05/unidade_10.pd f>. Acesso em: 13 março. 2017.  Disponível em: https://www.significados.com.br/dner/ . Acesso em: 13 março. 2017.