SlideShare uma empresa Scribd logo
Higiene Ocupacional
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO
ESTUDO COMPARATIVO: NR 15 x NHO 01
Professora: Tatiane Oliveira
Andreza Rodrigues
Flávia Luz
Fernanda Lopes
Gelcine Ângela
Lydiane Cristina
Lucas Alvarenga
Rafaelli Camila
INTRODUÇÃO:
Nos dias atuais estamos constantemente expostos a níveis elevados de
ruído, seja em casa, na rua, no lazer ou no ambiente de trabalho. Tratando-
se de ambiente ocupacional, a exposição a níveis altos de ruídos, pode levar
o trabalhador a danos auditivos e até mesmo perdas irreparáveis de
audição.
O agente ruído, de modo geral, se constitui em um dos maiores riscos
potenciais para saúde do trabalhador em sua atividade laboral. Ele pode
variar na sua composição, no que se refere à frequência, intensidade e
duração.
OBJETIVOS
Geral:
Realizar um estudo comparativo entre a NR 15 (Anexos I e II) e a NHO 01.
Específicos:
 Listar as diferenças e semelhanças entre as normas;
 Conhecer em que situação são aplicadas as normas;
 Aplicar a norma no processo produtivo de armador de construção civil.
RUÍDO
Segundo os autores Brevigliero, Possebom e Spinelli
(2009), o ruído é:
“O fenômeno físico vibratório com características indefinidas de variações
de pressão ( no caso, ar) em função da frequência, isto é, para uma dada
frequência podem existir, em forma aleatória através do tempo, variações de
diferentes pressões. Essa é uma situação real e frequente, por isso utilizamos a
palavra ruído, mas não nos referindo necessariamente à sensação objetiva do
barulho.’’
RUÍDO
O ruído pode ser classificado em (BRAGA, 2002):
Contínuo: Som que se mantém no tempo
Intermitente: som não contínuo, em que nos intervalos há dissipação de
pressão
Impulsivo: som proveniente de certas máquinas, como prensa gráfica, por
exemplo
A medida do nível do ruído é feita pelo decibelémetro/dosímetro e a
unidade de medida do som é o decibel.
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
De acordo com o Art. 189 da CLT – Consolidação das
Leis de Trabalho:
“Serão consideradas atividades ou operações insalubres, aquelas que, por
sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a
agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da
natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.”
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
Pela norma entende-se que limite de tolerância é:
“a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a
natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do
trabalhador, durante a sua vida laboral.”
O que é de grande importância para a determinação da insalubridade são
os riscos ambientais (agentes físicos, químicos e biológicos). Estes tipos de
riscos são ocupacionais e promovem quando ultrapassados o limite de
tolerância a insalubridade.
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
Anexo 01 - Limites de tolerância para ruído contínuo ou
intermitente
Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação
de Limites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto.
Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites
de tolerância para ruído continuo ou intermitente de acordo o quadro anexo.
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
ANEXO-01 – NR 15
Limite de tolerância para Ruído Continuo ou Intermitente
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será
considerada a máxima exposição diária permissível relativa ao nível
imediatamente mais elevado.
As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de
ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção
adequada, oferecerão risco grave e iminente.
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
Anexo 02 - Limites de tolerância para ruídos de
impacto
Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia
acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um)
segundo.
O limite de tolerância para ruído de impacto será de 130 dB (linear). Nos
intervalos entre os picos, o ruído existente deverá ser avaliado como ruído
contínuo.
NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES
INSALUBRES
As atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção
adequada, a níveis de ruído de impacto superiores a 140 dB (LINEAR), medidos
no circuito de resposta para impacto, ou superiores a 130 dB(C), medidos no
circuito de resposta rápida (FAST), oferecerão risco grave e iminente. ( NR 15).
Objetivo e aplicação da NHO-01
O objetivo da NHO-01 é estabelecer critérios e procedimentos para a
avaliação da exposição ocupacional ao ruído, que implica no risco potencial de
surdez ocupacional.
Sua aplicação é na exposição ocupacional a ruído continuo ou intermitente
e ruído de impactos, em quaisquer situações de trabalho, contudo não voltada
para característica das condições de conforto acústico.
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
A avaliação de ruído deverá ser feita de forma a caracterizar a
exposição de todos os trabalhadores considerados no estudo.
Identificando-se grupos de trabalhadores que apresentem iguais
características de exposição - grupos homogêneos - não precisarão ser
avaliados todos os trabalhadores.
Deverão ser obtidas informações administrativas, a serem ratificadas
por observações de campo, necessárias na caracterização da exposição
dos trabalhadores, com base no critério utilizado.
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
Equipamentos de medição
Especificações mínimas
 Medidores integradores de uso pessoal;
 Medidores integradores portados pelo avaliador;
 Medidores de leitura instantânea;
 Calibradores acústicos;
 Interferentes ambientais no desempenho dos equipamentos;
 Aferição e certificação dos equipamentos.
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
Procedimentos específicos de medição de ruído contínuo ou
intermitente
 Utilizando medidor integrador de uso pessoal
 Utilizando medidor integrador portado pelo avaliador
 Utilizando medidor de leitura instantânea
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
Procedimentos específicos de medição de ruído de impacto
 Realize os ajustes preliminares no equipamento e sua calibração, com
base nas instruções do manual de operação;
 Mantenha o microfone do medidor dentro da zona auditiva do
trabalhador;
 Acompanhamento do funcionário para uma correta avaliação
 Efetue medições em número suficiente para determinar os níveis de
impacto a que fica submetido o trabalhador avaliado;
 Determine o número de impactos por dia a que fica exposto o
trabalhador avaliado;
 O número de impactos e os níveis medidos em um período menor que
a jornada diária de trabalho poderão ser extrapolados para toda a
jornada, desde que o período avaliado seja representativo de toda a
exposição do trabalhador.
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
Interpretação dos resultados
Ruído contínuo ou intermitente
 Dose diária
• Nível de exposição normalizado
• Critério de julgamento e tomada de decisão
Dose diária
(%)
NEN dB(A) Consideração
técnica
Atuação
recomendada
0 a 50 até 82 aceitável no mínimo
manutenção da
condição existente
50 a 80 82 a 84 acima do nível de
ação
adoção de medidas
preventivas
80 a 100 84 a 85 região de
incerteza
adoção de medidas
preventivas e
corretivas visando a
redução da dose diária
Acima de
100
> 85 acima do limite de
exposição
adoção imediata de
medidas corretivas
Procedimento de Avaliação de acordo com
NHO-01
Interpretação dos resultados
 Ruído de impacto
 Ruído contínuo ou intermitente simultâneo com ruído de impacto
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
1. Entende-se por Ruído
Contínuo ou Intermitente, para
os fins de aplicação de Limites
de Tolerância, o ruído que não
seja ruído de impacto.
Ruído Contínuo ou Intermitente: todo e qualquer
ruído que não está classificado como ruído de
impacto ou impulsivo. Semelhante
2. Os níveis de ruído contínuo
ou intermitente devem ser
medidos em decibéis (dB) com
instrumento de nível de pressão
sonora operando no circuito de
compensação "A" e circuito
de resposta lenta (SLOW).
circuito de ponderação = "A"
circuito de resposta = lenta (slow) ou rápida
(fast), quando especificado pelo fabricante
critério de referência =85 dB(A), que
corresponde a dose de 100% para uma
exposição de 8 horas
nível limiar de integração = 80 dB(A)
faixa de medição mínima = 80 a 115 dB(A)
incremento de duplicação de dose = 3 (q = 3)
indicação da ocorrência de níveis superiores a
115 dB(A)
Semelhante
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
As leituras devem ser feitas
próximas ao ouvido do
trabalhador.
A avaliação deve ser realizada utilizando-se
medidores integradores de uso pessoal, fixados
no trabalhador
Semelhante
3. Os tempos de exposição aos
níveis de ruído não devem
exceder os limites de tolerância
para ruído continuo ou
intermitente e de 85 dB(A) para
máxima exposição diária
permissível de 8 horas
Critério de referencia que embasa os limites de
exposição diária adotados para ruído continuo
ou intermitente a uma dose de 100% para
exposição de 8 horas aos nível de 85dB(A) Semelhante
Intepretação no guardo de
exposição ao ruído
Critério de avaliação considera, além do critério
de referencia, o incremento de duplicação de
duplicação de dose (q) igual a 3 e o nível limiar
de integração igual a 80 dB(A) Semelhante
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
4. Para os valores encontrados de
nível de ruído intermediário será
considerada a máxima exposição
diária permissível relativa ao nível
imediatamente mais elevado.
Para os valores encontrados de nível
de ruído intermediário será
considerada a máxima exposição
diária permissível relativa ao nível
imediatamente mais elevado.
Igual
5. Não é permitida exposição a
níveis de ruído acima de 115 dB(A)
para indivíduos que não estejam
adequadamente protegidos.
O limite de exposição valor teto para
o ruído contínuo ou intermitente é
115 dB(A). Semelhante
7. As atividades ou operações que
exponham os trabalhadores a níveis
de ruído, contínuo ou intermitente,
superiores a 115 dB(A), sem
proteção adequada, oferecerão
risco grave e iminente.
Não e permitida, em nenhum
momento da jornada de trabalho,
exposição a níveis de ruído continuo
ou intermitente acima de 115
dB(A),para indivíduos que não
estejam adequadamente protegidos,
independentemente dos valores
obtidos para dose diária ou para o
nível de exposição.
Semelhante
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
6. Se durante a jornada de trabalho
ocorrerem dois ou mais períodos
de exposição a ruído de
diferentes níveis, devem ser
considerados os seus efeitos
combinados, de forma que, se a
soma das seguintes frações:
exceder a unidade, a exposição
estará acima do limite de tolerância.
Na equação acima, Cn indica o
tempo total que o trabalhador fica
exposto a um nível de ruído
específico, e Tn indica a máxima
exposição diária permissível a
este nível, segundo o Quadro deste
Anexo.
Na impossibilidade da utilização de
medidores integradores de uso pessoal,
poderão ser utilizados medidores
portados pelo avaliador. Neste caso a
dose diária pode ser determinada por meio
da seguinte expressão.
Semelhante
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
Não cita
Na indisponibilidade destes equipamentos,
a Norma oferece procedimentos
alternativos para outros tipos de
medidores integradores ou medidores de
leitura instantânea, não fixados no
trabalhador, que poderão ser utilizados na
avaliação de determinadas situações de
exposição ocupacional.
Diferente
Não cita
No entanto, as condições de trabalho que
apresentem dinâmica operacional
complexa, como, por exemplo, a condução
de empilhadeiras, atividades de
manutenção, entre outras, ou que envolvam
movimentação constante do trabalhador,
não deverão ser avaliadas por esses
métodos alternativos.
Diferente
Não cita Exposições a níveis inferiores a 80 dB(A)
não serão consideradas no calculo da dose.
Diferente
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
Não cita
A avaliação da exposição pelo nível de exposição
deve ser realizada, preferencialmente, utilizando-
se o medidor integradores de uso pessoal. Na
indisponibilidade deste equipamento, poderão ser
utilizados outros tipos de medidores
integradores ou medidores de leitura
instantânea, portados pelo avaliador.
O NE = nível médio representativo da exposição
diária do trabalhador avaliado.
Nesse critério o limite de exposição ocupacional
diária ao ruído corresponde a NEN=85 dB(A), e o
limite de exposição valor teto para ruído continuo
ou intermitente e de 115 dB(A).
Para este critério considera-se como nível de
ação o valor NEN igual a 82 dB(A).
Diferente
ANEXO I x NHO 01
NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO
Não cita
Tabela1 - Tempo máximo diário de
exposição permissível em função do nível
de ruído. Diferente
ANEXO 2 x NHO 01
NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO
1. Entende-se por ruído de
impacto aquele que apresenta
picos de energia acústica de
duração inferior a 1 (um)
segundo, a intervalos
superiores a 1 (um) segundo.
Ruído de Impacto ou Impulsivo: ruído que
apresenta picos de energia acústica de
duração inferior a 1 (um) segundo, a
intervalos superiores a 1 (um) segundo).
Igual
2. Os níveis de impacto
deverão ser avaliados em
decibéis (dB), com medidor de
nível de pressão sonora
operando no circuito linear e
circuito de resposta para
impacto.
A determinação da exposição ao ruído de
impacto ou impulsivo deve ser feita por meio
de medidor de nível de pressão sonora
operando em (Linear) e circuito de
resposta para medição de nível de pico.
Semelhante
Não cita essa formula
Neste critério o limite de exposição diária ao
ruído de impacto é determinado pela
expressão a seguir:
Diferente
ANEXO 2 x NHO 01
NR-15
ANEXO 02
NHO-01 COMPARAÇÃ
O
Não cita
A tabela 2, obtida com base na expressão anterior, apresenta a
correlação entre os níveis de pico máximo admissíveis e o número
de impactos ocorridos durante a jornada diária de trabalho, extraída a
partir da expressão de determinação do limite de exposição diária ao
ruído de impacto.
Quando o numero de impacto ou de impulso diário exceder 10.000
(n > 10.000), o ruído devera ser considerado como continuo ou
intermitente.
O Limite de tolerância valor teto para ruído de impacto corresponde
ao valor nível de pico 140 dB(lin).
O nível de ação para a exposição ocupacional ao ruído de impacto
corresponde ao valor Np na expressão acima, subtraído de 3
decibéis (Np – 3) dB.
Diferente
ANEXO 2 x NHO 01
NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO
O limite de tolerância para ruído de
impacto será de 130 dB (linear).
O limite de tolerância valor teto para
ruído de impacto corresponde ao
valor de nível de pico 140 dB
(linear).
Diferente
3. Em caso de não se dispor de medidor
do nível de pressão sonora com circuito
de resposta para impacto, será válida a
leitura feita no circuito de resposta rápida
(FAST) e circuito de compensação "C".
Neste caso, o limite de tolerância será
de 120 Db©
Não cita Diferente
ANEXO 2 x NHO 01
NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO
4. As atividades ou operações que
exponham os trabalhadores, sem
proteção adequada, a níveis de ruído de
impacto superiores a 140 dB(LINEAR),
medidos no circuito de resposta para
impacto, ou superiores a 130 dB(C),
medidos no circuito de resposta rápida
(FAST), oferecerão risco grave e
iminente.
Não e permitido exposição a ruídos
de impactos ou impulsivos com
níveis de pico superiores a 140 dB
para indivíduos que não estejam
adequadamente protegidos. Semelhante
Foi escolhido o processo da construção civil da
atividade do armador.
Na atividade de um armador de construção civil, parte do processo
produtivo, no caso o corte do material com a ferramenta Policorte, produz ruído.
Um trabalhador deste ramo poderá estar exposto a uma condição de
insalubridade.
O Policorte é uma ferramenta elétrica portátil utilizada para trabalhos onde é
necessário esmerilar, aparar rebarbas e cortar metais e materiais de construção.
É composta por um motor elétrico que aciona um disco e desbasta o objeto em
trabalho de abrasão. O nível de ruído desse equipamento é de 100 dB.
APLICAÇÃO DO PROCESSO
APLICAÇÃO DO PROCESSO
A exposição de um armador ao elevado nível de ruído de um policorte vai
variar de acordo com a demanda de produção. Esse tempo de exposição pode
ser gerenciado, executando uma quantidade maior de cortes por um período e
desligando o equipamento para realizar as dobras das armações, diminuindo
assim o tempo de exposição. Além disso, o empregador deve fornecer e garantir
a utilização de EPI específico (Protetor auricular tipo plug com atenuação de 16
dB.) para neutralização do possível adicional de insalubridade e preservação da
saúde ocupacional do trabalhador.
APLICAÇÃO DO PROCESSO
Utilização da policorte para os corte da ferragem
APLICAÇÃO DO PROCESSO
Atividade de dobra da ferragem
CONCLUSÃO
Concluímos que entre a NR15 e a NHO - 01, existem algumas diferenças
entre o ruído continuo, intermitente e de impacto. A NR 15 deduz os limites de
tolerância entre os ruídos continuo, intermitente e de impacto, à exposição entre
8 horas trabalhadas e limite máximo de sua exposição. Já a NHO - 01 trabalhou
mais tecnicamente, pegando informações na NR 15, anexo 1 e 2, criou
metodologias de trabalho para avaliações de ruído, técnicas , estatísticas,
formulas de dados, quantificação na avaliação e medidas de controle.
Acredita-se que a intenção da Fundacentro é ajudar nessa questão de
avaliação de ruído para melhoria do trabalhador sem conhecimento de
informações não explicitas na NR 15.
OBRIGADO!
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
pwolter
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
Luciano Marcelo Oliveira
 
NR-1
NR-1NR-1
Treinamento NR 12
Treinamento NR 12Treinamento NR 12
Treinamento NR 12
Mauro Sergio Vales de Souza
 
O que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacionalO que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacional
Manoel Augusto Andrade
 
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e PericulosidadeNR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
Zanel EPIs de Raspa e Vaqueta
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
Sergio Roberto Silva
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
Leomir Borghardt
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
Daniel Lira
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
conbetcursos
 
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Jonas B. Larrosa
 
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVAEPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
Luiz Antonio Funabashi
 
risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul
Daniella Benício
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Ythia Karla
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
IBEST ESCOLA
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Jupira Silva
 
Nr33
Nr33Nr33
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
Mauricio Cesar Soares
 
NR 5
NR 5NR 5
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 

Mais procurados (20)

treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
 
NR-1
NR-1NR-1
NR-1
 
Treinamento NR 12
Treinamento NR 12Treinamento NR 12
Treinamento NR 12
 
O que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacionalO que é higiene ocupacional
O que é higiene ocupacional
 
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e PericulosidadeNR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
 
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVAEPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
EPC - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA
 
risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul risco mecânico - cor azul
risco mecânico - cor azul
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnil
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
 
Nr33
Nr33Nr33
Nr33
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
 
NR 5
NR 5NR 5
NR 5
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 

Destaque

Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
gelcine Angela
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
gelcine Angela
 
NR 15 Anexo 01
NR 15 Anexo 01NR 15 Anexo 01
NR 15 Anexo 01
shasha00
 
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufe
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufeFormeln und Tabellen fur metalltechische berufe
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufe
Jose Guzman Villaseca
 
Beautiful Bangladesh prototype-2
Beautiful Bangladesh prototype-2Beautiful Bangladesh prototype-2
Beautiful Bangladesh prototype-2
Nadiya Mahjabin
 
My trending videos
My trending videosMy trending videos
My trending videos
Nadiya Mahjabin
 
Report M&A Index Poland 4Q 2015
Report M&A Index Poland 4Q 2015Report M&A Index Poland 4Q 2015
Report M&A Index Poland 4Q 2015
FORDATA VDR
 
Chlorite group
Chlorite groupChlorite group
Chlorite group
mayank mahawar
 
Kbsmcn(영문)
Kbsmcn(영문)Kbsmcn(영문)
Kbsmcn(영문)
Chance Koh
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
gelcine Angela
 
아이돌인턴왕
아이돌인턴왕아이돌인턴왕
아이돌인턴왕
Chance Koh
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
gelcine Angela
 
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
gelcine Angela
 
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
David Bland
 
Rashed cv production engineer
Rashed cv production engineerRashed cv production engineer
Rashed cv production engineer
Rashed Hamdy RASHED
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
gelcine Angela
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
gelcine Angela
 
ipv6
ipv6 ipv6
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
gelcine Angela
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
gelcine Angela
 

Destaque (20)

Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
 
NR 15 Anexo 01
NR 15 Anexo 01NR 15 Anexo 01
NR 15 Anexo 01
 
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufe
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufeFormeln und Tabellen fur metalltechische berufe
Formeln und Tabellen fur metalltechische berufe
 
Beautiful Bangladesh prototype-2
Beautiful Bangladesh prototype-2Beautiful Bangladesh prototype-2
Beautiful Bangladesh prototype-2
 
My trending videos
My trending videosMy trending videos
My trending videos
 
Report M&A Index Poland 4Q 2015
Report M&A Index Poland 4Q 2015Report M&A Index Poland 4Q 2015
Report M&A Index Poland 4Q 2015
 
Chlorite group
Chlorite groupChlorite group
Chlorite group
 
Kbsmcn(영문)
Kbsmcn(영문)Kbsmcn(영문)
Kbsmcn(영문)
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
 
아이돌인턴왕
아이돌인턴왕아이돌인턴왕
아이돌인턴왕
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
 
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
 
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
Introduction to Assumptions Mapping - Agile2016
 
Rashed cv production engineer
Rashed cv production engineerRashed cv production engineer
Rashed cv production engineer
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
 
ipv6
ipv6 ipv6
ipv6
 
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
 

Semelhante a COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)

Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptxTrabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
jessicathaisacm
 
Manual ruido
Manual ruidoManual ruido
Manual ruido
Geraldo Ferigato
 
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditivaRi ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
Ednaldo Carlos Santos
 
10 - NR 15.pdf
10 - NR 15.pdf10 - NR 15.pdf
10 - NR 15.pdf
JULIANAPEREIRAPIMENT
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
Rodrigo Lacerda
 
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptxGRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
TiagoDosSantos61
 
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Ruído em  higiene e segurança no trabalhoRuído em  higiene e segurança no trabalho
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Lucas Vinícius
 
Visa com12
Visa com12Visa com12
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.pptnr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
Daniela Chucre
 
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Alexandro Castelão
 
Nho01 tec trabalho livro
Nho01 tec trabalho livroNho01 tec trabalho livro
Nho01 tec trabalho livro
Elison Paes de Andrade
 
Nho01
Nho01Nho01
Nho01
Nho01Nho01
Nho01
tiago4550
 
HNO 01
HNO 01HNO 01
HNO 01
Ane Costa
 
Nho 01 avaliação exposição a ruído
Nho 01   avaliação exposição a ruídoNho 01   avaliação exposição a ruído
Nho 01 avaliação exposição a ruído
Pedro Santos
 
Apost. Avaliação Ambiental.ppt
Apost. Avaliação Ambiental.pptApost. Avaliação Ambiental.ppt
Apost. Avaliação Ambiental.ppt
andrikazi
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
Gilson Adao
 
Apostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação AmbientalApostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação Ambiental
carlos ars
 
Avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Lusiani Borba
 
Apostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação AmbientalApostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação Ambiental
guest521d43dc
 

Semelhante a COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO) (20)

Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptxTrabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
Trabalho Higiene III - NHO01 (FINALIZADO).pptx
 
Manual ruido
Manual ruidoManual ruido
Manual ruido
 
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditivaRi ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
Ri ulc 0402_programa_de_conservacao_auditiva
 
10 - NR 15.pdf
10 - NR 15.pdf10 - NR 15.pdf
10 - NR 15.pdf
 
Avaliacao ambiental
Avaliacao ambientalAvaliacao ambiental
Avaliacao ambiental
 
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptxGRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
GRUPO 04_NR 15_SLIDE.pptx
 
Ruído em higiene e segurança no trabalho
Ruído em  higiene e segurança no trabalhoRuído em  higiene e segurança no trabalho
Ruído em higiene e segurança no trabalho
 
Visa com12
Visa com12Visa com12
Visa com12
 
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.pptnr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
nr-15-insalubre LIMITES DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL.ppt
 
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Apost. avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Apost. avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
 
Nho01 tec trabalho livro
Nho01 tec trabalho livroNho01 tec trabalho livro
Nho01 tec trabalho livro
 
Nho01
Nho01Nho01
Nho01
 
Nho01
Nho01Nho01
Nho01
 
HNO 01
HNO 01HNO 01
HNO 01
 
Nho 01 avaliação exposição a ruído
Nho 01   avaliação exposição a ruídoNho 01   avaliação exposição a ruído
Nho 01 avaliação exposição a ruído
 
Apost. Avaliação Ambiental.ppt
Apost. Avaliação Ambiental.pptApost. Avaliação Ambiental.ppt
Apost. Avaliação Ambiental.ppt
 
5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra5. hst riscos num postbalhoo de tra
5. hst riscos num postbalhoo de tra
 
Apostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação AmbientalApostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação Ambiental
 
Avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
Avaliação ambiental (novo 1.2   bom)Avaliação ambiental (novo 1.2   bom)
Avaliação ambiental (novo 1.2 bom)
 
Apostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação AmbientalApostila de Avaliação Ambiental
Apostila de Avaliação Ambiental
 

Mais de gelcine Angela

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
gelcine Angela
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
gelcine Angela
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
gelcine Angela
 
Kanban
Kanban Kanban
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
gelcine Angela
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
gelcine Angela
 
TRIZ
TRIZTRIZ
Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
gelcine Angela
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
gelcine Angela
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
gelcine Angela
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
gelcine Angela
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
gelcine Angela
 
Apresentação mecânica do solo
Apresentação  mecânica do solo Apresentação  mecânica do solo
Apresentação mecânica do solo
gelcine Angela
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
gelcine Angela
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
gelcine Angela
 

Mais de gelcine Angela (15)

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
 
Kanban
Kanban Kanban
Kanban
 
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
 
TRIZ
TRIZTRIZ
TRIZ
 
Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
 
TCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUSTCC - GELCINE E VINICIUS
TCC - GELCINE E VINICIUS
 
Apresentação mecânica do solo
Apresentação  mecânica do solo Apresentação  mecânica do solo
Apresentação mecânica do solo
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 

Último (9)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 

COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)

  • 1. Higiene Ocupacional NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESTUDO COMPARATIVO: NR 15 x NHO 01 Professora: Tatiane Oliveira
  • 2. Andreza Rodrigues Flávia Luz Fernanda Lopes Gelcine Ângela Lydiane Cristina Lucas Alvarenga Rafaelli Camila
  • 3. INTRODUÇÃO: Nos dias atuais estamos constantemente expostos a níveis elevados de ruído, seja em casa, na rua, no lazer ou no ambiente de trabalho. Tratando- se de ambiente ocupacional, a exposição a níveis altos de ruídos, pode levar o trabalhador a danos auditivos e até mesmo perdas irreparáveis de audição. O agente ruído, de modo geral, se constitui em um dos maiores riscos potenciais para saúde do trabalhador em sua atividade laboral. Ele pode variar na sua composição, no que se refere à frequência, intensidade e duração.
  • 4. OBJETIVOS Geral: Realizar um estudo comparativo entre a NR 15 (Anexos I e II) e a NHO 01. Específicos:  Listar as diferenças e semelhanças entre as normas;  Conhecer em que situação são aplicadas as normas;  Aplicar a norma no processo produtivo de armador de construção civil.
  • 5. RUÍDO Segundo os autores Brevigliero, Possebom e Spinelli (2009), o ruído é: “O fenômeno físico vibratório com características indefinidas de variações de pressão ( no caso, ar) em função da frequência, isto é, para uma dada frequência podem existir, em forma aleatória através do tempo, variações de diferentes pressões. Essa é uma situação real e frequente, por isso utilizamos a palavra ruído, mas não nos referindo necessariamente à sensação objetiva do barulho.’’
  • 6. RUÍDO O ruído pode ser classificado em (BRAGA, 2002): Contínuo: Som que se mantém no tempo Intermitente: som não contínuo, em que nos intervalos há dissipação de pressão Impulsivo: som proveniente de certas máquinas, como prensa gráfica, por exemplo A medida do nível do ruído é feita pelo decibelémetro/dosímetro e a unidade de medida do som é o decibel.
  • 7. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES De acordo com o Art. 189 da CLT – Consolidação das Leis de Trabalho: “Serão consideradas atividades ou operações insalubres, aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.”
  • 8. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES Pela norma entende-se que limite de tolerância é: “a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral.” O que é de grande importância para a determinação da insalubridade são os riscos ambientais (agentes físicos, químicos e biológicos). Estes tipos de riscos são ocupacionais e promovem quando ultrapassados o limite de tolerância a insalubridade.
  • 9. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES Anexo 01 - Limites de tolerância para ruído contínuo ou intermitente Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação de Limites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto. Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de tolerância para ruído continuo ou intermitente de acordo o quadro anexo.
  • 10. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO-01 – NR 15 Limite de tolerância para Ruído Continuo ou Intermitente
  • 11. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada, oferecerão risco grave e iminente.
  • 12. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES Anexo 02 - Limites de tolerância para ruídos de impacto Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo. O limite de tolerância para ruído de impacto será de 130 dB (linear). Nos intervalos entre os picos, o ruído existente deverá ser avaliado como ruído contínuo.
  • 13. NR 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES As atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção adequada, a níveis de ruído de impacto superiores a 140 dB (LINEAR), medidos no circuito de resposta para impacto, ou superiores a 130 dB(C), medidos no circuito de resposta rápida (FAST), oferecerão risco grave e iminente. ( NR 15).
  • 14. Objetivo e aplicação da NHO-01 O objetivo da NHO-01 é estabelecer critérios e procedimentos para a avaliação da exposição ocupacional ao ruído, que implica no risco potencial de surdez ocupacional. Sua aplicação é na exposição ocupacional a ruído continuo ou intermitente e ruído de impactos, em quaisquer situações de trabalho, contudo não voltada para característica das condições de conforto acústico.
  • 15. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 A avaliação de ruído deverá ser feita de forma a caracterizar a exposição de todos os trabalhadores considerados no estudo. Identificando-se grupos de trabalhadores que apresentem iguais características de exposição - grupos homogêneos - não precisarão ser avaliados todos os trabalhadores. Deverão ser obtidas informações administrativas, a serem ratificadas por observações de campo, necessárias na caracterização da exposição dos trabalhadores, com base no critério utilizado.
  • 16. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 Equipamentos de medição Especificações mínimas  Medidores integradores de uso pessoal;  Medidores integradores portados pelo avaliador;  Medidores de leitura instantânea;  Calibradores acústicos;  Interferentes ambientais no desempenho dos equipamentos;  Aferição e certificação dos equipamentos.
  • 17. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 Procedimentos específicos de medição de ruído contínuo ou intermitente  Utilizando medidor integrador de uso pessoal  Utilizando medidor integrador portado pelo avaliador  Utilizando medidor de leitura instantânea
  • 18. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 Procedimentos específicos de medição de ruído de impacto  Realize os ajustes preliminares no equipamento e sua calibração, com base nas instruções do manual de operação;  Mantenha o microfone do medidor dentro da zona auditiva do trabalhador;  Acompanhamento do funcionário para uma correta avaliação  Efetue medições em número suficiente para determinar os níveis de impacto a que fica submetido o trabalhador avaliado;  Determine o número de impactos por dia a que fica exposto o trabalhador avaliado;  O número de impactos e os níveis medidos em um período menor que a jornada diária de trabalho poderão ser extrapolados para toda a jornada, desde que o período avaliado seja representativo de toda a exposição do trabalhador.
  • 19. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 Interpretação dos resultados Ruído contínuo ou intermitente  Dose diária • Nível de exposição normalizado • Critério de julgamento e tomada de decisão Dose diária (%) NEN dB(A) Consideração técnica Atuação recomendada 0 a 50 até 82 aceitável no mínimo manutenção da condição existente 50 a 80 82 a 84 acima do nível de ação adoção de medidas preventivas 80 a 100 84 a 85 região de incerteza adoção de medidas preventivas e corretivas visando a redução da dose diária Acima de 100 > 85 acima do limite de exposição adoção imediata de medidas corretivas
  • 20. Procedimento de Avaliação de acordo com NHO-01 Interpretação dos resultados  Ruído de impacto  Ruído contínuo ou intermitente simultâneo com ruído de impacto
  • 21. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO 1. Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação de Limites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto. Ruído Contínuo ou Intermitente: todo e qualquer ruído que não está classificado como ruído de impacto ou impulsivo. Semelhante 2. Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis (dB) com instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de compensação "A" e circuito de resposta lenta (SLOW). circuito de ponderação = "A" circuito de resposta = lenta (slow) ou rápida (fast), quando especificado pelo fabricante critério de referência =85 dB(A), que corresponde a dose de 100% para uma exposição de 8 horas nível limiar de integração = 80 dB(A) faixa de medição mínima = 80 a 115 dB(A) incremento de duplicação de dose = 3 (q = 3) indicação da ocorrência de níveis superiores a 115 dB(A) Semelhante
  • 22. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO As leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador. A avaliação deve ser realizada utilizando-se medidores integradores de uso pessoal, fixados no trabalhador Semelhante 3. Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de tolerância para ruído continuo ou intermitente e de 85 dB(A) para máxima exposição diária permissível de 8 horas Critério de referencia que embasa os limites de exposição diária adotados para ruído continuo ou intermitente a uma dose de 100% para exposição de 8 horas aos nível de 85dB(A) Semelhante Intepretação no guardo de exposição ao ruído Critério de avaliação considera, além do critério de referencia, o incremento de duplicação de duplicação de dose (q) igual a 3 e o nível limiar de integração igual a 80 dB(A) Semelhante
  • 23. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO 4. Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado. Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado. Igual 5. Não é permitida exposição a níveis de ruído acima de 115 dB(A) para indivíduos que não estejam adequadamente protegidos. O limite de exposição valor teto para o ruído contínuo ou intermitente é 115 dB(A). Semelhante 7. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada, oferecerão risco grave e iminente. Não e permitida, em nenhum momento da jornada de trabalho, exposição a níveis de ruído continuo ou intermitente acima de 115 dB(A),para indivíduos que não estejam adequadamente protegidos, independentemente dos valores obtidos para dose diária ou para o nível de exposição. Semelhante
  • 24. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO 6. Se durante a jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição a ruído de diferentes níveis, devem ser considerados os seus efeitos combinados, de forma que, se a soma das seguintes frações: exceder a unidade, a exposição estará acima do limite de tolerância. Na equação acima, Cn indica o tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico, e Tn indica a máxima exposição diária permissível a este nível, segundo o Quadro deste Anexo. Na impossibilidade da utilização de medidores integradores de uso pessoal, poderão ser utilizados medidores portados pelo avaliador. Neste caso a dose diária pode ser determinada por meio da seguinte expressão. Semelhante
  • 25. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO Não cita Na indisponibilidade destes equipamentos, a Norma oferece procedimentos alternativos para outros tipos de medidores integradores ou medidores de leitura instantânea, não fixados no trabalhador, que poderão ser utilizados na avaliação de determinadas situações de exposição ocupacional. Diferente Não cita No entanto, as condições de trabalho que apresentem dinâmica operacional complexa, como, por exemplo, a condução de empilhadeiras, atividades de manutenção, entre outras, ou que envolvam movimentação constante do trabalhador, não deverão ser avaliadas por esses métodos alternativos. Diferente Não cita Exposições a níveis inferiores a 80 dB(A) não serão consideradas no calculo da dose. Diferente
  • 26. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO Não cita A avaliação da exposição pelo nível de exposição deve ser realizada, preferencialmente, utilizando- se o medidor integradores de uso pessoal. Na indisponibilidade deste equipamento, poderão ser utilizados outros tipos de medidores integradores ou medidores de leitura instantânea, portados pelo avaliador. O NE = nível médio representativo da exposição diária do trabalhador avaliado. Nesse critério o limite de exposição ocupacional diária ao ruído corresponde a NEN=85 dB(A), e o limite de exposição valor teto para ruído continuo ou intermitente e de 115 dB(A). Para este critério considera-se como nível de ação o valor NEN igual a 82 dB(A). Diferente
  • 27. ANEXO I x NHO 01 NR-15 – ANEXO 01 NHO-01 COMPARAÇÃO Não cita Tabela1 - Tempo máximo diário de exposição permissível em função do nível de ruído. Diferente
  • 28. ANEXO 2 x NHO 01 NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO 1. Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo. Ruído de Impacto ou Impulsivo: ruído que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo). Igual 2. Os níveis de impacto deverão ser avaliados em decibéis (dB), com medidor de nível de pressão sonora operando no circuito linear e circuito de resposta para impacto. A determinação da exposição ao ruído de impacto ou impulsivo deve ser feita por meio de medidor de nível de pressão sonora operando em (Linear) e circuito de resposta para medição de nível de pico. Semelhante Não cita essa formula Neste critério o limite de exposição diária ao ruído de impacto é determinado pela expressão a seguir: Diferente
  • 29. ANEXO 2 x NHO 01 NR-15 ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃ O Não cita A tabela 2, obtida com base na expressão anterior, apresenta a correlação entre os níveis de pico máximo admissíveis e o número de impactos ocorridos durante a jornada diária de trabalho, extraída a partir da expressão de determinação do limite de exposição diária ao ruído de impacto. Quando o numero de impacto ou de impulso diário exceder 10.000 (n > 10.000), o ruído devera ser considerado como continuo ou intermitente. O Limite de tolerância valor teto para ruído de impacto corresponde ao valor nível de pico 140 dB(lin). O nível de ação para a exposição ocupacional ao ruído de impacto corresponde ao valor Np na expressão acima, subtraído de 3 decibéis (Np – 3) dB. Diferente
  • 30. ANEXO 2 x NHO 01 NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO O limite de tolerância para ruído de impacto será de 130 dB (linear). O limite de tolerância valor teto para ruído de impacto corresponde ao valor de nível de pico 140 dB (linear). Diferente 3. Em caso de não se dispor de medidor do nível de pressão sonora com circuito de resposta para impacto, será válida a leitura feita no circuito de resposta rápida (FAST) e circuito de compensação "C". Neste caso, o limite de tolerância será de 120 Db© Não cita Diferente
  • 31. ANEXO 2 x NHO 01 NR-15 – ANEXO 02 NHO-01 COMPARAÇÃO 4. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção adequada, a níveis de ruído de impacto superiores a 140 dB(LINEAR), medidos no circuito de resposta para impacto, ou superiores a 130 dB(C), medidos no circuito de resposta rápida (FAST), oferecerão risco grave e iminente. Não e permitido exposição a ruídos de impactos ou impulsivos com níveis de pico superiores a 140 dB para indivíduos que não estejam adequadamente protegidos. Semelhante
  • 32. Foi escolhido o processo da construção civil da atividade do armador. Na atividade de um armador de construção civil, parte do processo produtivo, no caso o corte do material com a ferramenta Policorte, produz ruído. Um trabalhador deste ramo poderá estar exposto a uma condição de insalubridade. O Policorte é uma ferramenta elétrica portátil utilizada para trabalhos onde é necessário esmerilar, aparar rebarbas e cortar metais e materiais de construção. É composta por um motor elétrico que aciona um disco e desbasta o objeto em trabalho de abrasão. O nível de ruído desse equipamento é de 100 dB. APLICAÇÃO DO PROCESSO
  • 33. APLICAÇÃO DO PROCESSO A exposição de um armador ao elevado nível de ruído de um policorte vai variar de acordo com a demanda de produção. Esse tempo de exposição pode ser gerenciado, executando uma quantidade maior de cortes por um período e desligando o equipamento para realizar as dobras das armações, diminuindo assim o tempo de exposição. Além disso, o empregador deve fornecer e garantir a utilização de EPI específico (Protetor auricular tipo plug com atenuação de 16 dB.) para neutralização do possível adicional de insalubridade e preservação da saúde ocupacional do trabalhador.
  • 34. APLICAÇÃO DO PROCESSO Utilização da policorte para os corte da ferragem
  • 35. APLICAÇÃO DO PROCESSO Atividade de dobra da ferragem
  • 36. CONCLUSÃO Concluímos que entre a NR15 e a NHO - 01, existem algumas diferenças entre o ruído continuo, intermitente e de impacto. A NR 15 deduz os limites de tolerância entre os ruídos continuo, intermitente e de impacto, à exposição entre 8 horas trabalhadas e limite máximo de sua exposição. Já a NHO - 01 trabalhou mais tecnicamente, pegando informações na NR 15, anexo 1 e 2, criou metodologias de trabalho para avaliações de ruído, técnicas , estatísticas, formulas de dados, quantificação na avaliação e medidas de controle. Acredita-se que a intenção da Fundacentro é ajudar nessa questão de avaliação de ruído para melhoria do trabalhador sem conhecimento de informações não explicitas na NR 15.