SlideShare uma empresa Scribd logo
TENSÕES NOS SOLOS
q CONCEITO DE TENSÕES NO SOLO
Aplicação da Mecânica dos Sólidos Deformáveis aos solos →
conceito de tensões num meio particulado ⇒ os solos são
constituídos por partículas e as forças são transmitidas de partícula a
partícula e suportadas pela água dos vazios.
Transmissão de esforços entre as partículas
– Partículas granulares → transmissão de forças através do
contato direto grão a grão;
– Partículas de argila → pode ocorrer através da água adsorvida
A transmissão se dá por áreas muito reduzidas. Ao longo de um
plano horizontal no solo tem-se esforços decompostos em
componentes normais e tangenciais.
Conceito de tensão total em um meio contínuo
– Conceito de tensão normal:
– Conceito de tensão tangencial:
Tensões de contato (> 700MPa) >>>> tensões totais assim definidas (< 1 MPa)
→ áreas de contato muito pequenas (< 1% da área total)
área
N∑=σ
área
T∑=τ
q TENSÕES NA MASSA DE SOLO
– Tensões devido ao peso próprio
– Tensões devido a propagação de cargas externas aplicadas ao
terreno.
Tensões devido ao peso próprio do solo
Caso geral - terreno inclinado
Semi-espaço infinito, solo homogêneo
acima do NA, elemento de solo de
espessura unitária.
Por equilíbrio:
Σ FH= 0 ⇒ Ee = Ed
Σ FV= 0 ⇒ W = R
W = peso do elemento unitário
de solo
σv = tensão atuante na base
do elemento de solo
Caso particular - terreno horizontal e plano, com constância
horizontal nas camadas e ausência de cargas externas -
tensões geostáticas →→→→ tensões cisalhantes nos planos horizontal
e vertical são nulas
solo estratificado → camadas uniformes de espessuras z1, z2, ...,
com pesos específicos γ1, γ2, ...
TENSÕES NOS SOLOS
γ⋅⋅⋅=γ⋅⋅⋅= zicosb1zbW o
icosz
b
R
v ⋅⋅γ==σ
zv ⋅γ=σ
nn2211v z...zz ⋅γ++⋅γ+⋅γ=σ
σv
TENSÕES NOS SOLOS
– Exemplo de cálculo
– Pressão neutra (ou poropressão) - u ou uw
Pressão na água dos vazios dos solos → corresponde a carga
piezométrica da lei de Bernoulli.
Zw = altura da coluna d’água
– Tensões efetivas - σ’
Terzaghi → estabeleceu que abaixo do NA a tensão normal total em
um plano qualquer → soma de duas parcelas:
• Tensão transmitida pelos contatos entre as partículas →
tensão efetiva (σσσσ’) - extremamente difícil mensuração !
• Pressão na água dos poros (uw)
Num caso mais genérico (solo não saturado):
• Pressão no ar dos poros (ua)
ww zu ⋅γ=
TENSÕES NOS SOLOS
Para um elemento de solo tem-se a seguinte condição de equilíbrio:
para solo saturado:
σ = tensão total A = área total
σ’= tensão efetiva Ac = área de contato
uw = poropressão na água Aw = área de água
(pressão neutra)
ua = poropressão no ar Aa = área de ar
Como Ac  A impossível mensuração → σ’ definido pelo
Princípio das tensões efetivas
• Princípio das tensões efetivas:
• A tensão efetiva (solos saturados) pode ser expressa por:
• Todos os efeitos mensuráveis das variações de tensões
(deformações e resistência ao cisalhamento) são devido a
variações na tensão efetiva - associados ao deslocamento
relativo das partículas de solo.
• Experiência que ilustra o conceito de tensão efetiva
aawwc AuAuA'A ⋅+⋅+⋅σ=⋅σ
wwc AuA'A ⋅+⋅σ=⋅σ
u' −σ=σ
• Implicações do conceito de tensões efetivas
– Na prática da Mecânica dos Solos define-se tensão efetiva
como a tensão que efetivamente atua nos contatos grão a grão,
respondendo pelas características de deformabilidade e
resistência ao cisalhamento dos solos. A tensão deixa de ser
calculada pela equação equilíbrio de esforços, mas continua
sendo conceitualmente considerada a tensão no esqueleto
mineral;
– Ao passo que, com poucas exceções, toda a deformação nos
solos está relacionada a variação na tensão efetiva, o solo
pode sofrer deformação sem sofrer acréscimo de tensão total,
basta que haja variação da pressão neutra;
– Solos argilosos podem apresentar comportamento viscoso,
sujeitos a creep (adensamento secundário), manifestando
deformações lentas a tensão efetiva constante;
– A resistência ao cisalhamento dos solos é em parte devido ao
atrito entre as partículas, função das tensões de contato entre
as partículas.
• Cálculo da tensão efetiva
TENSÕES NOS SOLOS
• Exemplo de cálculo
No caso geostático, as tensões horizontais associadas às tensões
verticais são definidas em função do coeficiente de empuxo no
repouso (K0).
• Relação entre tensões efetivas horizontal (σ’h) e vertical (σ’v)
No caso geostático as tensões horizontais associadas às tensões
verticais são definidas em função do coeficiente de empuxo no
repouso (K0).
O valor de K0 varia entre 0,3 e 3 dependendo do tipo de solo, história de
tensões, plasticidade, ...
VALORES TÍPICOS:
Tipo de solo K0
areia fofa 0,50
areia densa 0,40
argila de baixa plasticidade 0,50
argila muito plástica 0,65
argila pré-adensada  1
solos compactados  1
TENSÕES NOS SOLOS
v
h
0
'
'
K
σ
σ
=
– Efeito da capilaridade
Por efeito da tensão superficial entre a água e a superfície das
partículas → a água consegue subir acima do nível freático a uma
altura maior quanto menor forem os vazios.
• Tensão superficial da água e tensões capilares
• Distribuição das poropressões
Exemplo de cálculo
TENSÕES NOS SOLOS
w
c
r
T2
h
γ⋅
⋅
=
T (água a 20oC)= 0,073 N/m2
uw=γw z
uw= - (γw z)
u= uw(?) + ua(?)
z
z
TENSÕES NOS SOLOS
Tensões devido a cargas externas - propagação e
distribuição
– Tensões devido a cargas externas
Além do peso próprio da massa de solo, as tensões no solo podem
ser originadas por carregamentos externos.
A determinação das tensões devido a cargas externas e sua
distribuição no subsolo é muito importante na avaliação de
deformações e da capacidade de carga dos terrenos onde são
instaladas obras de engenharia.
– Distribuição das tensões
Experiências dos primórdios da Mecânica dos Solos:
• os acréscimos de tensões a uma certa profundidade excedem a área
de projeção da área carregada;
• o somatório dos acréscimos de tensões verticais é constante em
profundidade;
• como a área de atuação aumenta o valor das tensões verticais
diminuem com a profundidade.
–
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
– Bulbos de tensões
Bulbos de tensões ou isóbaras são superfícies unindo pontos de
mesmo acréscimo de tensões.
Para efeito de projetos convenciona-se ∆σ = 0,1 σ0 como o bulbo de
tensões mais afastado → superfície mais distante sob efeito da carga
externa.
– Método do espraiamento das tensões
Simplificadamente o método considera as tensões verticais
uniformemente distribuídas com a profundidade, com umângulo
de espraiamento de 30o.
Ex: para um carregamento ao longo de uma faixa de carregamento infinito:
TENSÕES NOS SOLOS
o
0v
30tgz2L2
L2
⋅⋅+⋅
⋅
⋅σ=σ
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
TENSÕES NOS SOLOS
O método do espraiamento não satisfaz o princípio da superposição
dos efeitos.
– Método empírico de Kögler e Scheidig para a propagação
e distribuição das tensões
Kögler e Scheidig (1927-1929) → experimentos com o carregamento de
placas de diferentes formas e medindo-se por instrumentação as tensões
verticais no interior de substratos de areia compactada.
Soluções propostas:
• Para cargas em faixas de largura 2B
• Para cargas aplicadas em placas
circulares de raio R
• Para cargas aplicadas em placas
quadradas de lado A
• Para cargas aplicadas em placas retangulares de lados A e B
θ = 30o para solos predominantemente argilosos e pouco rígidos
θ = 45o para solos predominantemente granulares e compactos
θ⋅+
⋅
⋅σ=σ
tgzB
B2
0z
2
2
0z
)tgzR(
R
θ⋅+
⋅σ=σ
2
2
0z
)tgzA(
A
θ⋅+
⋅σ=σ
)tgzB()tgzA(
BA
0z
θ⋅+⋅θ⋅+
⋅
⋅σ=σ
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
TENSÕES NOS SOLOS
– Aplicação da Teoria da Elasticidade
Para a estimativa das tensões atuantes no interior da massa de
solo em virtude de diferentes tipos de carregamento externo são
muito utilizadas soluções baseadas na Teoria da Elasticidade →
relação tensão-deformação do solo é dada pela Lei de Hooke (material de
comportamento linear elástico, homogêneo e isótropo).
• Considerações sobre hipóteses da teoria da elasticidade
A aplicação de soluções mais simples da Teoria da Elasticidade aos
solos é questionável, pois os mesmos não satisfazem os requisitos
das hipóteses:
– Comportamento linear (relação tensão-deformação linear) e
elástico (deformações reversíveis) → para que seja válida os
acréscimos de tensão devem ser pequenos (pequenas
deformações) tal que o estado de tensões seja muito distante
da ruptura. Resulta válido o Princípio da Superposição dos
Efeitos;
– Homogeneidade (mesmas propriedades em todos os pontos) →
foge a realidade na maioria dos casos. O solo é heterogêneo
pela sua natureza e também apresenta relações tensão-
deformação variáveis com a tensão de confinamento, logo
variável com a profundidade;
– Isotropia → O solo é em muitos casos anisotrópico pela
natureza e arranjo de suas partículas. Entretanto, a condição de
isotropia é válida para em terrenos onde o solo mantém
constituição uniforme por distâncias da ordem de algumas
vezes a menor dimensão da área carregada.
Para estas soluções baseadas na Teoria da Elasticidade é também
válido o Princípio de Saint-Venant → “Desde que as resultantes de
dois carregamentos sejam as mesmas, o estado de tensões numa
região suficientemente afastada da aplicação do carregamento
independe da forma com que o carregamento é aplicado”.
– Soluções com base na Teoria da Elasticidade
• Solução de Boussinesq para carga concentrada
Boussinesq → determinou tensões,
deformações e deslocamentos no
interior de uma massa elástica,
homogênea e isotrópica, num
semi-espaço infinito de superfície
horizontal, devido a uma
carga puntual aplicada na superfície
deste semi-espaço.
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
– Acréscimo de tensão vertical
ou
onde
Para pontos na vertical abaixo da carga (z/r = 0)
– Acréscimo de tensão horizontal radial
– Acréscimo de tensão transversal
TENSÕES NOS SOLOS
θ⋅
⋅π⋅
⋅
=σ 5
2
z cos
z2
P3
B
2
z N
z
P
⋅=σ
2
z
z
P48,0 ⋅
=σ
]
cos1
cos
21(sencos3[
z2
P 2
3
2
r
θ+
θ
⋅)ν⋅−−θ⋅θ⋅⋅
⋅π⋅
=σ
]
cos1
cos
[cos
z2
P
21(
2
3
2
t
θ+
θ
−θ⋅
⋅π⋅
⋅)ν⋅−−=σ
2
5
2
B
z
r
1
1
2
3
N














+
⋅
π⋅
=
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
– Tensão cisalhante
O coeficiente de Poisson → se relaciona ao coeficiente
de empuxo no repouso
• Solução de Melan para carga ao longo de uma linha de
extensão infinita
Melan (1932) → integração em linha da equação de Boussinesq
ou de outra forma
Q em kN/m
• Solução de Carothers-Terzaghi para carga uniformemente
distribuída ao longo de uma faixa de extensão infinita
A partir da equação de Melan.
β = ângulo entre a vertical e a
bissetriz de 2α
2α =ψ - θ
β = θ + α
onde ν: coeficiente de Poisson e α é
expresso em radianos
Q em kN/m2
TENSÕES NOS SOLOS
θ⋅θ⋅
⋅π⋅
⋅
=τ sencos
z2
P3 4
2
z
x
ε
ε
−=ν
ν−
ν
=
1
K0
222
3
z
)xz(
zQ2
+
⋅
π
⋅
=σ 222
2
x
)xz(
zxQ2
+
⋅
⋅
π
⋅
=σ
θ⋅
⋅π
⋅
=σ 4
z cos
z
Q2
)22cos2(sen
Q
z α+β⋅α⋅
π
=σ )22cos2sen(
Q
x α+β⋅α−⋅
π
=σ
α⋅ν⋅
π
⋅
=σ
Q4
y
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
Solução gráfica
TENSÕES NOS SOLOS
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Solução de Osterberg para carga distribuída na forma de
trapézio retangular em uma faixa de extensão infinita
Solução gráfica para σz sob a faixa de carregamento:
A solução apresenta o efeito da semi-largura do carregamento. Por
sobreposição dos efeitos:
onde no caso de um aterro:
Para pontos situados fora da projeção da faixa de carregamento usar a
solução para carga uniformemente distribuída de Carothers-Terzaghi.
TENSÕES NOS SOLOS
)II( direitoladoesquerdolado0z σ+σσ=σ ⋅
aterrodoespessuraaterro0 ⋅γ=σ
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Solução de Carothers para carga distribuída na forma de
triângulo em uma faixa de extensão infinita
Solução gráfica (ν = 0,45) para acréscimos de tensão vertical (σz= ∆σ1) e
de tensão horizontal (σx= ∆σ3):
TENSÕES NOS SOLOS
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Solução de Love para carga uniforme sobre superfície
circular
A fórmula de Love (Love, 1929) obtida a partir da integração da solução
de Boussinesq permite o cálculo do acréscimo de tensão vertical ao
longo da vertical que passa pelo centro de uma placa circular
uniformemente carregada:
Soluções gráficas (para ν = 0,45)
TENSÕES NOS SOLOS
[ ] 









+
−⋅σ=σ
2
3
2
0z
)
z
R(1
1
1
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
TENSÕES NOS SOLOS
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Soluções para carga uniforme sobre superfície retangular
– Solução de Newmark
Newmark (1933) → a partir da integração da equação de
Boussinesq, solução para o cálculo das tensões provocadas no
interior do semi-espaço infinito de superfície horizontal por
carregamento uniformemente distribuído numa área retangular.
Equação:
Solução gráfica:
entrada: m e n → tem-se Iσ
Com base no Princípio da Superposição dos Efeitos é possível determinar
as tensões em qualquer outro ponto sob a placa ou fora dela.
TENSÕES NOS SOLOS
σ⋅σ=σ I0z
z
a
m =
z
b
n =
[ ]












⋅−++
++⋅⋅⋅
+
++⋅⋅+++
++⋅++⋅⋅⋅
⋅
π⋅
σ
=σ 2222
5,022
222222
225,022
0
z
nm1nm
)1nm(nm2
arctg
)1nm()nm1nm(
)2nm()1nm(nm2
4
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
– Solução de Steinbrenner
Tensões no vértice do retângulo a uma profundidade z.
Equação:
onde: e a  b
Solucão gráfica: entrada z/b e a/b → saída
TENSÕES NOS SOLOS












⋅+
+⋅
⋅
+
⋅
+





−⋅−−⋅+
−⋅⋅⋅−+⋅
⋅⋅
π⋅
σ
=σ
R)za(
)zR(a
zb
zb
)zR(z)zR()ba(
)zR(za2)ba(a
z
b
arctg
2 22
22
22222
22
0
z
222
zbaR ++=
0
z
i
σ
σ
=
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Solução para carga uniforme sobre superfície qualquer -
Método dos “quadradinhos” (Ábaco circular de Newmark)
Esta solução tem por base a equação de Love e o Princípio da
Superposição dos Efeitos.
Quando é aplicada uma carga uniformemente distribuída sobre uma
superfície, a tensão gerada a uma dada profundidade é igual ao
somatório dos efeitos dos carregamentos em áreas parciais
Para a construção do ábaco são traçados 10 círculos concêntricos cujo
acréscimo de carga a um ponto do centro dos círculos situado a uma
profundidade z corresponde a 10%, 20%, 30%,.... da carga total
aplicada. Logo, cada um dos anéis apresenta Iσ= 0,1. Da equação de
Love:
Como Iσ = f(R/z) o traçado dos círculos segue a seguinte tabela:
O ábaco é ainda dividido em 20 setores de igual área, originando
trapézios circulares (“quadradinhos”) cuja unidade de influência
Iσ=0,005
TENSÕES NOS SOLOS
( )
2
3
2
0
z
z
R1
1
1I










+
−=
σ
σ
=σ
( ) 



















+
−⋅σ=σ
2
3
2
0z
z
R1
1
1
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
Uso do ábaco
– É desenhada a planta da área carregada na mesma escala de
construção do ábaco (AB= z), sendo este centrado no ponto
onde deseja-se determinar o acréscimo de tensões;
– Conta-se o número de “quadradinhos” n abrangidos pela área
de carregamento (devem ser contabilizadas de maneira
fracionada os “quadradinhos” ocupados parcialmente);
– O acréscimo de tensão vertical será dado por:
sendo Iσ= 0,005
– É necessário repetir os procedimentos para cada profundidade
que se deseja conhecer as tensões porque modifica a escala do
desenho.
Exemplo:
TENSÕES NOS SOLOS
σ⋅⋅σ=σ In0z
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Soluções de Mindlin (1936) e Antunes Martins (1945) para
carga distribuída ao longo de um elemento vertical inserido
na massa de solo
As soluções consideram a transmissão de carga por uma estaca através
do atrito ao longo do fuste e pela ponta para uma massa de solo
homogênea, isotrópica e semi-infinita.
Mindlin (1936) → parcela de acréscimo de tensão transmitida pela ponta
Pp - parcela da carga transmitida pela ponta
Kp - coeficiente de influência (ábaco - lado
direito)
Antunes Martins (1945) → parcela de acréscimo de tensão transmitida
pelo fuste, admitindo atrito uniforme ao longo do comprimento da
estaca.
Pa - parcela da carga transmitida pelo fuste
Ka - coeficiente de influência (ábaco - lado
esquerdo)
TENSÕES NOS SOLOS
p
2
p
z K
C
P
⋅=σ
a
2
a
z K
C
P
⋅=σ
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
• Outras soluções
Soluções elásticas específicas ou soluções numéricas (p.ex. método dos
elementos finitos).
Bibliografia: Poulos e Davis “Elastic solutions for soil and rock
mechanics”.
• Simplificações práticas com base na aplicação do Princípio
de Saint-Venant
– Para uma área retangular carregada, para cotas z  3 b, a
influência pode ser considerada igual a de uma carga puntual
aplicada no centro de gravidade da área;
– A simplificação acima também é válida quando o raio vetor R da
equação de Boussinesq é maior que 5x o lado menor b da
superfície retangular;
– Para uma superfície retangular de lado maior  que 10x o lado
menor, pode-se aplicar soluções para carga em faixa (p.ex.
formulação de Carothers - Terzaghi).
– Considerações sobre o emprego da Teoria da
Elasticidade a solos não homogêneos
As soluções apresentadas, baseadas na Teoria da Elasticidade,
indicam acréscimos de tensões verticais que independem do
Módulo de Elasticidade (E) e Coeficiente de Piosson (ν), visto as
simplificações quanto a isotropia e principalmente
homogeneidade.
Na verdade o subsolo se apresenta em estratos constituídos por
solos de variados módulos ou mesmo quando formados por um
único material apresentam tendência natural a valores de
módulos crescentes com profundidade → necessidade de
soluções mais elaboradas ou uso de soluções numéricas
(métodos computacionais) ⇒ uso difundido em Mecânica dos
Pavimentos.
Entretanto, apesar das reconhecidas limitações da Teoria da
Elasticidade, as soluções aqui apresentadas ainda têm sido
empregadas (mesmo para solos não homogêneos). A justificativa
para tal é o fato de conduzirem a resultados com razoável
aproximação às medições experimentais.
TENSÕES NOS SOLOS
DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 compactação dos solos
02 compactação dos solos02 compactação dos solos
02 compactação dos solos
thiagolf7
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
Amália Ribeiro
 
14 resistencia ao cisalhamento
14  resistencia ao cisalhamento14  resistencia ao cisalhamento
14 resistencia ao cisalhamento
Fernando Eduardo Boff
 
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
turmacivil51
 
flexão composta
flexão compostaflexão composta
flexão composta
Nilson Garcia
 
Compactacao
CompactacaoCompactacao
Compactacao
Samuel Nolasco
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
cristiansorianoc
 
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMANENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
Rayane Anchieta
 
Aula 12 resistência não drenada
Aula 12  resistência não drenadaAula 12  resistência não drenada
Aula 12 resistência não drenada
Jhones Jhow
 
2 fluxo bidimensional novo
2   fluxo bidimensional novo2   fluxo bidimensional novo
2 fluxo bidimensional novo
raphaelcava
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
Thayris Cruz
 
Ensaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento diretoEnsaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento direto
Ezequiel Borges
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
Adriana Inokuma
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
Nircele Leal
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
EDER OLIVEIRA
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
Lucas Sant'ana
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Moreira1972
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
arthurohz
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Anderson Carvalho
 
Agregado
AgregadoAgregado

Mais procurados (20)

02 compactação dos solos
02 compactação dos solos02 compactação dos solos
02 compactação dos solos
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
14 resistencia ao cisalhamento
14  resistencia ao cisalhamento14  resistencia ao cisalhamento
14 resistencia ao cisalhamento
 
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este1   resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
1 resistencia materiais-estaticas_estruturas - importantíssimo - usar este
 
flexão composta
flexão compostaflexão composta
flexão composta
 
Compactacao
CompactacaoCompactacao
Compactacao
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
 
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMANENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DE MASSA ESPECÍFICA POR MEIO DO FRASCO CHAPMAN
 
Aula 12 resistência não drenada
Aula 12  resistência não drenadaAula 12  resistência não drenada
Aula 12 resistência não drenada
 
2 fluxo bidimensional novo
2   fluxo bidimensional novo2   fluxo bidimensional novo
2 fluxo bidimensional novo
 
Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)Recalque (Fundações)
Recalque (Fundações)
 
Ensaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento diretoEnsaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento direto
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
 
Agregado
AgregadoAgregado
Agregado
 

Semelhante a 10 tensoes no-solo

Tensões in situ.pdf
Tensões in situ.pdfTensões in situ.pdf
Tensões in situ.pdf
DANIELVINICIUSDASILV1
 
Resistencia ao cisalhamento do solo
Resistencia ao cisalhamento do soloResistencia ao cisalhamento do solo
Resistencia ao cisalhamento do solo
Rodrigo Andrade Brígido
 
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdfAula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
KarinaTaizaTom
 
Mecanica dos solos aplicada tensoes
Mecanica dos solos aplicada tensoes Mecanica dos solos aplicada tensoes
Mecanica dos solos aplicada tensoes
Marlyson Jose Silveira Borges
 
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdfidoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
MarcosQueirz4
 
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
Anizio Souza Leal
 
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
renatomoser
 
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
g76j7djf6d
 
Estabilidade e contenção de taludes vi empuxos de terra
Estabilidade e contenção de taludes vi   empuxos de terraEstabilidade e contenção de taludes vi   empuxos de terra
Estabilidade e contenção de taludes vi empuxos de terra
Gledsa Vieira
 
0003 slides
0003 slides0003 slides
0003 slides
BRUNA TORRES
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
Vlamir Gama Rocha
 
Unidade VII - Permeabilidade dos solos
Unidade VII - Permeabilidade dos solosUnidade VII - Permeabilidade dos solos
Unidade VII - Permeabilidade dos solos
Rodrigo Andrade Brígido
 
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdfAula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
KarinaTaizaTom
 
12 agua no-solo
12  agua no-solo12  agua no-solo
12 agua no-solo
fatimaeng
 
Agua no solo
Agua no soloAgua no solo
Agua no solo
JACKSONSOUZA1976
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
Tamires Sir jales
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
Renata Santos
 
Resistência dos materiais
Resistência dos materiaisResistência dos materiais
Resistência dos materiais
Andrew Cass
 
Aula 21 a
Aula 21 aAula 21 a
Aula 21 a
Angelo Bussolin
 
Geo fund 8
Geo fund 8Geo fund 8
Geo fund 8
Maria Azevedo
 

Semelhante a 10 tensoes no-solo (20)

Tensões in situ.pdf
Tensões in situ.pdfTensões in situ.pdf
Tensões in situ.pdf
 
Resistencia ao cisalhamento do solo
Resistencia ao cisalhamento do soloResistencia ao cisalhamento do solo
Resistencia ao cisalhamento do solo
 
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdfAula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
Aula 1 - Tensões Geostáticas.pdf
 
Mecanica dos solos aplicada tensoes
Mecanica dos solos aplicada tensoes Mecanica dos solos aplicada tensoes
Mecanica dos solos aplicada tensoes
 
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdfidoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
idoc.pub_muro-de-arrimo.pdf
 
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
Como se define e como se detemina o coeficiente de permeabilidade dos solos d...
 
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
Gf06 cap cargaprof-estáticodinâmico-2009
 
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
1 e 2 - INBEC - TÉCNICAS ESPECIAIS EM GEOTECNIA - ALEXANDRE R SCHULER - Solu...
 
Estabilidade e contenção de taludes vi empuxos de terra
Estabilidade e contenção de taludes vi   empuxos de terraEstabilidade e contenção de taludes vi   empuxos de terra
Estabilidade e contenção de taludes vi empuxos de terra
 
0003 slides
0003 slides0003 slides
0003 slides
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Unidade VII - Permeabilidade dos solos
Unidade VII - Permeabilidade dos solosUnidade VII - Permeabilidade dos solos
Unidade VII - Permeabilidade dos solos
 
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdfAula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
Aula 2 - Capilaridade dos solos.pdf
 
12 agua no-solo
12  agua no-solo12  agua no-solo
12 agua no-solo
 
Agua no solo
Agua no soloAgua no solo
Agua no solo
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
 
07 compactacao
07  compactacao07  compactacao
07 compactacao
 
Resistência dos materiais
Resistência dos materiaisResistência dos materiais
Resistência dos materiais
 
Aula 21 a
Aula 21 aAula 21 a
Aula 21 a
 
Geo fund 8
Geo fund 8Geo fund 8
Geo fund 8
 

Último

Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (7)

Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

10 tensoes no-solo

  • 1. TENSÕES NOS SOLOS q CONCEITO DE TENSÕES NO SOLO Aplicação da Mecânica dos Sólidos Deformáveis aos solos → conceito de tensões num meio particulado ⇒ os solos são constituídos por partículas e as forças são transmitidas de partícula a partícula e suportadas pela água dos vazios. Transmissão de esforços entre as partículas – Partículas granulares → transmissão de forças através do contato direto grão a grão; – Partículas de argila → pode ocorrer através da água adsorvida A transmissão se dá por áreas muito reduzidas. Ao longo de um plano horizontal no solo tem-se esforços decompostos em componentes normais e tangenciais. Conceito de tensão total em um meio contínuo – Conceito de tensão normal: – Conceito de tensão tangencial: Tensões de contato (> 700MPa) >>>> tensões totais assim definidas (< 1 MPa) → áreas de contato muito pequenas (< 1% da área total) área N∑=σ área T∑=τ
  • 2. q TENSÕES NA MASSA DE SOLO – Tensões devido ao peso próprio – Tensões devido a propagação de cargas externas aplicadas ao terreno. Tensões devido ao peso próprio do solo Caso geral - terreno inclinado Semi-espaço infinito, solo homogêneo acima do NA, elemento de solo de espessura unitária. Por equilíbrio: Σ FH= 0 ⇒ Ee = Ed Σ FV= 0 ⇒ W = R W = peso do elemento unitário de solo σv = tensão atuante na base do elemento de solo Caso particular - terreno horizontal e plano, com constância horizontal nas camadas e ausência de cargas externas - tensões geostáticas →→→→ tensões cisalhantes nos planos horizontal e vertical são nulas solo estratificado → camadas uniformes de espessuras z1, z2, ..., com pesos específicos γ1, γ2, ... TENSÕES NOS SOLOS γ⋅⋅⋅=γ⋅⋅⋅= zicosb1zbW o icosz b R v ⋅⋅γ==σ zv ⋅γ=σ nn2211v z...zz ⋅γ++⋅γ+⋅γ=σ σv
  • 3. TENSÕES NOS SOLOS – Exemplo de cálculo – Pressão neutra (ou poropressão) - u ou uw Pressão na água dos vazios dos solos → corresponde a carga piezométrica da lei de Bernoulli. Zw = altura da coluna d’água – Tensões efetivas - σ’ Terzaghi → estabeleceu que abaixo do NA a tensão normal total em um plano qualquer → soma de duas parcelas: • Tensão transmitida pelos contatos entre as partículas → tensão efetiva (σσσσ’) - extremamente difícil mensuração ! • Pressão na água dos poros (uw) Num caso mais genérico (solo não saturado): • Pressão no ar dos poros (ua) ww zu ⋅γ=
  • 4. TENSÕES NOS SOLOS Para um elemento de solo tem-se a seguinte condição de equilíbrio: para solo saturado: σ = tensão total A = área total σ’= tensão efetiva Ac = área de contato uw = poropressão na água Aw = área de água (pressão neutra) ua = poropressão no ar Aa = área de ar Como Ac A impossível mensuração → σ’ definido pelo Princípio das tensões efetivas • Princípio das tensões efetivas: • A tensão efetiva (solos saturados) pode ser expressa por: • Todos os efeitos mensuráveis das variações de tensões (deformações e resistência ao cisalhamento) são devido a variações na tensão efetiva - associados ao deslocamento relativo das partículas de solo. • Experiência que ilustra o conceito de tensão efetiva aawwc AuAuA'A ⋅+⋅+⋅σ=⋅σ wwc AuA'A ⋅+⋅σ=⋅σ u' −σ=σ
  • 5. • Implicações do conceito de tensões efetivas – Na prática da Mecânica dos Solos define-se tensão efetiva como a tensão que efetivamente atua nos contatos grão a grão, respondendo pelas características de deformabilidade e resistência ao cisalhamento dos solos. A tensão deixa de ser calculada pela equação equilíbrio de esforços, mas continua sendo conceitualmente considerada a tensão no esqueleto mineral; – Ao passo que, com poucas exceções, toda a deformação nos solos está relacionada a variação na tensão efetiva, o solo pode sofrer deformação sem sofrer acréscimo de tensão total, basta que haja variação da pressão neutra; – Solos argilosos podem apresentar comportamento viscoso, sujeitos a creep (adensamento secundário), manifestando deformações lentas a tensão efetiva constante; – A resistência ao cisalhamento dos solos é em parte devido ao atrito entre as partículas, função das tensões de contato entre as partículas. • Cálculo da tensão efetiva TENSÕES NOS SOLOS
  • 6. • Exemplo de cálculo No caso geostático, as tensões horizontais associadas às tensões verticais são definidas em função do coeficiente de empuxo no repouso (K0). • Relação entre tensões efetivas horizontal (σ’h) e vertical (σ’v) No caso geostático as tensões horizontais associadas às tensões verticais são definidas em função do coeficiente de empuxo no repouso (K0). O valor de K0 varia entre 0,3 e 3 dependendo do tipo de solo, história de tensões, plasticidade, ... VALORES TÍPICOS: Tipo de solo K0 areia fofa 0,50 areia densa 0,40 argila de baixa plasticidade 0,50 argila muito plástica 0,65 argila pré-adensada 1 solos compactados 1 TENSÕES NOS SOLOS v h 0 ' ' K σ σ =
  • 7. – Efeito da capilaridade Por efeito da tensão superficial entre a água e a superfície das partículas → a água consegue subir acima do nível freático a uma altura maior quanto menor forem os vazios. • Tensão superficial da água e tensões capilares • Distribuição das poropressões Exemplo de cálculo TENSÕES NOS SOLOS w c r T2 h γ⋅ ⋅ = T (água a 20oC)= 0,073 N/m2 uw=γw z uw= - (γw z) u= uw(?) + ua(?) z z
  • 8. TENSÕES NOS SOLOS Tensões devido a cargas externas - propagação e distribuição – Tensões devido a cargas externas Além do peso próprio da massa de solo, as tensões no solo podem ser originadas por carregamentos externos. A determinação das tensões devido a cargas externas e sua distribuição no subsolo é muito importante na avaliação de deformações e da capacidade de carga dos terrenos onde são instaladas obras de engenharia. – Distribuição das tensões Experiências dos primórdios da Mecânica dos Solos: • os acréscimos de tensões a uma certa profundidade excedem a área de projeção da área carregada; • o somatório dos acréscimos de tensões verticais é constante em profundidade; • como a área de atuação aumenta o valor das tensões verticais diminuem com a profundidade. – DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 9. – Bulbos de tensões Bulbos de tensões ou isóbaras são superfícies unindo pontos de mesmo acréscimo de tensões. Para efeito de projetos convenciona-se ∆σ = 0,1 σ0 como o bulbo de tensões mais afastado → superfície mais distante sob efeito da carga externa. – Método do espraiamento das tensões Simplificadamente o método considera as tensões verticais uniformemente distribuídas com a profundidade, com umângulo de espraiamento de 30o. Ex: para um carregamento ao longo de uma faixa de carregamento infinito: TENSÕES NOS SOLOS o 0v 30tgz2L2 L2 ⋅⋅+⋅ ⋅ ⋅σ=σ DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 10. TENSÕES NOS SOLOS O método do espraiamento não satisfaz o princípio da superposição dos efeitos. – Método empírico de Kögler e Scheidig para a propagação e distribuição das tensões Kögler e Scheidig (1927-1929) → experimentos com o carregamento de placas de diferentes formas e medindo-se por instrumentação as tensões verticais no interior de substratos de areia compactada. Soluções propostas: • Para cargas em faixas de largura 2B • Para cargas aplicadas em placas circulares de raio R • Para cargas aplicadas em placas quadradas de lado A • Para cargas aplicadas em placas retangulares de lados A e B θ = 30o para solos predominantemente argilosos e pouco rígidos θ = 45o para solos predominantemente granulares e compactos θ⋅+ ⋅ ⋅σ=σ tgzB B2 0z 2 2 0z )tgzR( R θ⋅+ ⋅σ=σ 2 2 0z )tgzA( A θ⋅+ ⋅σ=σ )tgzB()tgzA( BA 0z θ⋅+⋅θ⋅+ ⋅ ⋅σ=σ DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 11. TENSÕES NOS SOLOS – Aplicação da Teoria da Elasticidade Para a estimativa das tensões atuantes no interior da massa de solo em virtude de diferentes tipos de carregamento externo são muito utilizadas soluções baseadas na Teoria da Elasticidade → relação tensão-deformação do solo é dada pela Lei de Hooke (material de comportamento linear elástico, homogêneo e isótropo). • Considerações sobre hipóteses da teoria da elasticidade A aplicação de soluções mais simples da Teoria da Elasticidade aos solos é questionável, pois os mesmos não satisfazem os requisitos das hipóteses: – Comportamento linear (relação tensão-deformação linear) e elástico (deformações reversíveis) → para que seja válida os acréscimos de tensão devem ser pequenos (pequenas deformações) tal que o estado de tensões seja muito distante da ruptura. Resulta válido o Princípio da Superposição dos Efeitos; – Homogeneidade (mesmas propriedades em todos os pontos) → foge a realidade na maioria dos casos. O solo é heterogêneo pela sua natureza e também apresenta relações tensão- deformação variáveis com a tensão de confinamento, logo variável com a profundidade; – Isotropia → O solo é em muitos casos anisotrópico pela natureza e arranjo de suas partículas. Entretanto, a condição de isotropia é válida para em terrenos onde o solo mantém constituição uniforme por distâncias da ordem de algumas vezes a menor dimensão da área carregada. Para estas soluções baseadas na Teoria da Elasticidade é também válido o Princípio de Saint-Venant → “Desde que as resultantes de dois carregamentos sejam as mesmas, o estado de tensões numa região suficientemente afastada da aplicação do carregamento independe da forma com que o carregamento é aplicado”. – Soluções com base na Teoria da Elasticidade • Solução de Boussinesq para carga concentrada Boussinesq → determinou tensões, deformações e deslocamentos no interior de uma massa elástica, homogênea e isotrópica, num semi-espaço infinito de superfície horizontal, devido a uma carga puntual aplicada na superfície deste semi-espaço. DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 12. – Acréscimo de tensão vertical ou onde Para pontos na vertical abaixo da carga (z/r = 0) – Acréscimo de tensão horizontal radial – Acréscimo de tensão transversal TENSÕES NOS SOLOS θ⋅ ⋅π⋅ ⋅ =σ 5 2 z cos z2 P3 B 2 z N z P ⋅=σ 2 z z P48,0 ⋅ =σ ] cos1 cos 21(sencos3[ z2 P 2 3 2 r θ+ θ ⋅)ν⋅−−θ⋅θ⋅⋅ ⋅π⋅ =σ ] cos1 cos [cos z2 P 21( 2 3 2 t θ+ θ −θ⋅ ⋅π⋅ ⋅)ν⋅−−=σ 2 5 2 B z r 1 1 2 3 N               + ⋅ π⋅ = DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 13. – Tensão cisalhante O coeficiente de Poisson → se relaciona ao coeficiente de empuxo no repouso • Solução de Melan para carga ao longo de uma linha de extensão infinita Melan (1932) → integração em linha da equação de Boussinesq ou de outra forma Q em kN/m • Solução de Carothers-Terzaghi para carga uniformemente distribuída ao longo de uma faixa de extensão infinita A partir da equação de Melan. β = ângulo entre a vertical e a bissetriz de 2α 2α =ψ - θ β = θ + α onde ν: coeficiente de Poisson e α é expresso em radianos Q em kN/m2 TENSÕES NOS SOLOS θ⋅θ⋅ ⋅π⋅ ⋅ =τ sencos z2 P3 4 2 z x ε ε −=ν ν− ν = 1 K0 222 3 z )xz( zQ2 + ⋅ π ⋅ =σ 222 2 x )xz( zxQ2 + ⋅ ⋅ π ⋅ =σ θ⋅ ⋅π ⋅ =σ 4 z cos z Q2 )22cos2(sen Q z α+β⋅α⋅ π =σ )22cos2sen( Q x α+β⋅α−⋅ π =σ α⋅ν⋅ π ⋅ =σ Q4 y DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 14. Solução gráfica TENSÕES NOS SOLOS DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 15. • Solução de Osterberg para carga distribuída na forma de trapézio retangular em uma faixa de extensão infinita Solução gráfica para σz sob a faixa de carregamento: A solução apresenta o efeito da semi-largura do carregamento. Por sobreposição dos efeitos: onde no caso de um aterro: Para pontos situados fora da projeção da faixa de carregamento usar a solução para carga uniformemente distribuída de Carothers-Terzaghi. TENSÕES NOS SOLOS )II( direitoladoesquerdolado0z σ+σσ=σ ⋅ aterrodoespessuraaterro0 ⋅γ=σ DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 16. • Solução de Carothers para carga distribuída na forma de triângulo em uma faixa de extensão infinita Solução gráfica (ν = 0,45) para acréscimos de tensão vertical (σz= ∆σ1) e de tensão horizontal (σx= ∆σ3): TENSÕES NOS SOLOS DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 17. • Solução de Love para carga uniforme sobre superfície circular A fórmula de Love (Love, 1929) obtida a partir da integração da solução de Boussinesq permite o cálculo do acréscimo de tensão vertical ao longo da vertical que passa pelo centro de uma placa circular uniformemente carregada: Soluções gráficas (para ν = 0,45) TENSÕES NOS SOLOS [ ]           + −⋅σ=σ 2 3 2 0z ) z R(1 1 1 DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 18. TENSÕES NOS SOLOS DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 19. • Soluções para carga uniforme sobre superfície retangular – Solução de Newmark Newmark (1933) → a partir da integração da equação de Boussinesq, solução para o cálculo das tensões provocadas no interior do semi-espaço infinito de superfície horizontal por carregamento uniformemente distribuído numa área retangular. Equação: Solução gráfica: entrada: m e n → tem-se Iσ Com base no Princípio da Superposição dos Efeitos é possível determinar as tensões em qualquer outro ponto sob a placa ou fora dela. TENSÕES NOS SOLOS σ⋅σ=σ I0z z a m = z b n = [ ]             ⋅−++ ++⋅⋅⋅ + ++⋅⋅+++ ++⋅++⋅⋅⋅ ⋅ π⋅ σ =σ 2222 5,022 222222 225,022 0 z nm1nm )1nm(nm2 arctg )1nm()nm1nm( )2nm()1nm(nm2 4 DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 20. – Solução de Steinbrenner Tensões no vértice do retângulo a uma profundidade z. Equação: onde: e a b Solucão gráfica: entrada z/b e a/b → saída TENSÕES NOS SOLOS             ⋅+ +⋅ ⋅ + ⋅ +      −⋅−−⋅+ −⋅⋅⋅−+⋅ ⋅⋅ π⋅ σ =σ R)za( )zR(a zb zb )zR(z)zR()ba( )zR(za2)ba(a z b arctg 2 22 22 22222 22 0 z 222 zbaR ++= 0 z i σ σ = DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 21. • Solução para carga uniforme sobre superfície qualquer - Método dos “quadradinhos” (Ábaco circular de Newmark) Esta solução tem por base a equação de Love e o Princípio da Superposição dos Efeitos. Quando é aplicada uma carga uniformemente distribuída sobre uma superfície, a tensão gerada a uma dada profundidade é igual ao somatório dos efeitos dos carregamentos em áreas parciais Para a construção do ábaco são traçados 10 círculos concêntricos cujo acréscimo de carga a um ponto do centro dos círculos situado a uma profundidade z corresponde a 10%, 20%, 30%,.... da carga total aplicada. Logo, cada um dos anéis apresenta Iσ= 0,1. Da equação de Love: Como Iσ = f(R/z) o traçado dos círculos segue a seguinte tabela: O ábaco é ainda dividido em 20 setores de igual área, originando trapézios circulares (“quadradinhos”) cuja unidade de influência Iσ=0,005 TENSÕES NOS SOLOS ( ) 2 3 2 0 z z R1 1 1I           + −= σ σ =σ ( )                     + −⋅σ=σ 2 3 2 0z z R1 1 1 DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 22. Uso do ábaco – É desenhada a planta da área carregada na mesma escala de construção do ábaco (AB= z), sendo este centrado no ponto onde deseja-se determinar o acréscimo de tensões; – Conta-se o número de “quadradinhos” n abrangidos pela área de carregamento (devem ser contabilizadas de maneira fracionada os “quadradinhos” ocupados parcialmente); – O acréscimo de tensão vertical será dado por: sendo Iσ= 0,005 – É necessário repetir os procedimentos para cada profundidade que se deseja conhecer as tensões porque modifica a escala do desenho. Exemplo: TENSÕES NOS SOLOS σ⋅⋅σ=σ In0z DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 23. • Soluções de Mindlin (1936) e Antunes Martins (1945) para carga distribuída ao longo de um elemento vertical inserido na massa de solo As soluções consideram a transmissão de carga por uma estaca através do atrito ao longo do fuste e pela ponta para uma massa de solo homogênea, isotrópica e semi-infinita. Mindlin (1936) → parcela de acréscimo de tensão transmitida pela ponta Pp - parcela da carga transmitida pela ponta Kp - coeficiente de influência (ábaco - lado direito) Antunes Martins (1945) → parcela de acréscimo de tensão transmitida pelo fuste, admitindo atrito uniforme ao longo do comprimento da estaca. Pa - parcela da carga transmitida pelo fuste Ka - coeficiente de influência (ábaco - lado esquerdo) TENSÕES NOS SOLOS p 2 p z K C P ⋅=σ a 2 a z K C P ⋅=σ DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos
  • 24. • Outras soluções Soluções elásticas específicas ou soluções numéricas (p.ex. método dos elementos finitos). Bibliografia: Poulos e Davis “Elastic solutions for soil and rock mechanics”. • Simplificações práticas com base na aplicação do Princípio de Saint-Venant – Para uma área retangular carregada, para cotas z 3 b, a influência pode ser considerada igual a de uma carga puntual aplicada no centro de gravidade da área; – A simplificação acima também é válida quando o raio vetor R da equação de Boussinesq é maior que 5x o lado menor b da superfície retangular; – Para uma superfície retangular de lado maior que 10x o lado menor, pode-se aplicar soluções para carga em faixa (p.ex. formulação de Carothers - Terzaghi). – Considerações sobre o emprego da Teoria da Elasticidade a solos não homogêneos As soluções apresentadas, baseadas na Teoria da Elasticidade, indicam acréscimos de tensões verticais que independem do Módulo de Elasticidade (E) e Coeficiente de Piosson (ν), visto as simplificações quanto a isotropia e principalmente homogeneidade. Na verdade o subsolo se apresenta em estratos constituídos por solos de variados módulos ou mesmo quando formados por um único material apresentam tendência natural a valores de módulos crescentes com profundidade → necessidade de soluções mais elaboradas ou uso de soluções numéricas (métodos computacionais) ⇒ uso difundido em Mecânica dos Pavimentos. Entretanto, apesar das reconhecidas limitações da Teoria da Elasticidade, as soluções aqui apresentadas ainda têm sido empregadas (mesmo para solos não homogêneos). A justificativa para tal é o fato de conduzirem a resultados com razoável aproximação às medições experimentais. TENSÕES NOS SOLOS DMC/FURG - Mecânica dos Solos - Prof. Cezar Bastos