SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade Pitágoras de Ipatinga
Para obtenção do título de
Engenheiro de Produção
Autores: Gelcine Ângela da Silva
Vinícius Lima Cruz
OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE SINALIZAÇÃO
DOS PÁTIOS FERROVIÁRIOS:
Um Estudo de caso do Pátio de Costa Lacerda
TEMA DA PESQUISA
 Implantação de um Sistema de Sinalização no Pátio
Ferroviário de Costa Lacerda;
 Melhora nas manobras de trens no pátio;
 Maior segurança para os funcionários que trabalham no
campo;
 Redução nas falhas humanas.
DELIMITAÇÃO DO TEMA
Este estudo tem como objetivo central de identificar as
melhorias na implantação do sistema de sinalização do
pátio ferroviário de Costa Lacerda.
OBJETIVOS
Objetivos Específicos
 Apresentar a bibliografia sobre os temas inerentes ao
processo de manobras em estações ferroviárias de carga;
 Descrever as modificações realizadas no processo;
 Comparar as novas e antigas modificações do pátio;
 Verificar se houve um aumento na segurança
operacional (eliminação de falha humana).
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Empresa
Estação de Costa Lacerda.
 Atua há mais de 75 anos;
 Manobras e formação de trens;
 Carregamentos de toretes para Cenibra;
 Manutenção de vagões e manutenção de via;
 Possui 130 colaboradores:
 26 no horário administrativo,
 104 na área operacional em turno com carga horária de 6 horas.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
História da Ferrovia
Século XVI
 Transporte sobre trilhos de madeira;
 Homens ou cavalos empurravam carroças;
Século XVIII
 Trilhos revestidos de madeira com tiras metálicas;
 Já no final do século os ferreiros já estavam
produzidos trilhos inteiramente de ferro e sem bordas.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
História da Ferrovia
Século XIX
 Construído o primeiro veículo capaz de aproveitar a
alta pressão do vapor;
 Montou-o sobre uma estrutura de quatro rodas
projetada para se deslocar sobre trilhos;
 Era a primeira locomotiva bem-sucedida do mundo.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Estrada de Ferro Vitória a Minas
 Em 1902, houve a criação da Companhia Estrada de
Ferro Vitória a Minas, com duas concessões:
 Vitória (ES) a Peçanha (MG);
 Peçanha a Araxá (ambas em MG);
 Em 1904, ligação Vitória (ES) a Diamantina (MG);
 Em 1942 ganhou impulso com criação da Vale, então
chamada Companhia Vale do Rio Doce.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
O mapa ilustra as estações ao longo da EFVM e as cidades localizadas próximas a
cada trecho em destaque. A linha pontilhada delimita os estados de MG e ES.
Mapa Esquemático da Estrada Ferroviário Vitória Minas
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Logística
"Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de
Abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo e
armazenamento eficiente e econômico, bem como as
informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o
ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências
dos clientes”.
Carvalho (2002)
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Transporte
A maioria das empresas necessita de transporte, o processo
logístico mais importante, pela quantidade e valor dos
recursos que utiliza para movimentar materialmente produtos
de um ponto a outro.
O sistema ferroviário brasileiro totaliza
30.129 km, onde se concentra nas regiões
Sul, Sudeste e Nordeste, atendendo parte
do Centro-Oeste e Norte do país.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Sinalização
A sinalização tem como o objetivo de mostrar a indicação rápida e eficiente
dos caminhos, das direções, da localização de elementos a serem atingidos
dispersos em um ambiente amplo.
Sinalização Ferroviária
Em 1825 na Inglaterra os sinais para os maquinistas eram feitos por homens
que sinalizava com bandeiras a situação que o mesmo iria encontrar a sua
frente.
Bandeira Vermelha: parada obrigatória para qualquer trem.
Bandeira Amarela: alerta.
Bandeira Verde: autorização para circular normal.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Sinalização
A partir de 1840 os sinais semafóricos começaram a surgir na ferrovia.
O tipo de quadrante e o número de posições da lâmina determinavam a
identificação do semáforo.
Sinais Semafóricos de lâmina
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Sinalização
Na via férrea à trechos com limites estabelecidos onde são chamados de
blocos, e permite somente a presença de um trem. Sinais de bloqueio se
fecham e se abrem controlando a entrada e saída de trem naquele trecho e
os mesmos podem ser semáforos com lâminas ou sinaleiros com aspectos
luminosos.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Aparelho de Mudança de Via (AMV)
 Aparelho que permite o trem passar de uma via para outra.
 Composto por duas lâminas móveis, que são chamadas de agulhas, as
quais podem se deslocar entre os dois trilhos da via.
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Tipos de aparelho de Mudança de Via
AMV de pátio com
acionamento elétrico
AMV de pátio manual
PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
Centro de Controle de Pátios
Centro de Controle Operacional
Centro de Controle Operacional de Vitória (CCO)
Centro de Controle de Pátio de
Costa Lacerda (CCP)
ANÁLISE DOS DADOS
Layout do Pátio de Costa Lacerda
Pátio de Carga
ANÁLISE DOS DADOS
Layout dos Pátios
Pátio Novo
Terminal
ANÁLISE DOS DADOS
Painel antigo do CCP-CS Pátio Novo
Painel antigo do CCP-CS Pátio de Carga
ANÁLISE DOS DADOS
SISTEMA ANTIGO SISTEMA NOVO
AMV s manuais AMV´s por comando elétrico
Ocupação somente nos AMV s Ocupação em todo circuito de via
Bloqueio manual Bloqueio no painel na via para manutenção
Traçar rota somente na chegada e
partida do trem
Traçar rota completa para execução de
manobra
Numa queda de energia bloqueia os
AMV s de entrada e saída do pátio
Numa queda de energia bloqueia todo o
painel
Pontos que mudaram no pátio
Painel Sinóptico do CCP de Costa Lacerda
ANÁLISE DOS DADOS
Resultado do Aumento de Intercâmbio de
Trens no Pátio
Para buscar este resultado, foram coletados dados da quantidade de trens
que circulou pelo Pátio antes, durante e depois do processo da
implantação.
Planilha de Controle de Trens
ANÁLISE DOS DADOS
Evolução do intercâmbio de Trem durante o Ano
Trens intercambiados durante o Mês
ANÁLISE DOS DADOS
Resultado do questionário aplicado aos funcionários
do pátio.
Pergunta 1: Qual a sua função atualmente na empresa? E qual a
melhoria esse sistema trouxe para o processo do trabalho no pátio?
 20 funcionários entrevistados;
 Redução do esforço físico para os Oficiais de pátio;
 Maior segurança no planejamento pelos Controladores de pátio;
ANÁLISE DOS DADOS
Resultado do questionário aplicado aos funcionários
do pátio.
Pergunta 2: Com a implantação do Sistema, você acredita que houve
uma redução na falha funcional?
 Todos responderam que houve uma grande redução na falha funcional.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A empresa necessita da ferrovia para realizar o transporte do produto,
principalmente o minério de ferro que é uma grande produção da empresa
e as cargas gerais. Com implantação:
 O Pátio teve um grande aumento na produção e na circulação desses
trens que passam por ele para execução de manobras.
Trouxe maior segurança para o processo e para os funcionários que
trabalham no campo;
 Elevou a moral da equipe, pois gerou menos esforços físicos;
 Os controladores de pátio possuem uma visão ampla da manobra sendo
realizada;
 Reduziu o tempo de movimentação de equipamentos e o ciclo dos vagões
no pátio, garantindo uma melhor distribuição da demanda.
REFERÊNCIAS
• BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e
distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993.
• BRINA, Helvécio Lapertosa. Estrada de Ferro 1: via permanente. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros
Técnicos e Científicos, 1979.
• CARVALHO, José Meixa Crespo de. Logística. 3. ed. Lisboa: Edições Silabo, 2002.
• ESTAÇÕES DA GATINEAU RAILWAY. Sociedade Histórica da Gatineau. Disponível em: <http://
http://www.gvhs.ca/publications/utga-stations.html>. Acesso em: 10 mai. 2015.
• FONTELLES, C. B; FRÓES, M. F. V. A privatização da atividade ferroviária no Brasil.
Congresso PAN-AMERICANO de Estradas de Ferro, La Habana, Cuba, 18-22 de setembro 2000.
• FRANCO, M. L. P. B. Porque o conflito entre as tendências metodológicas não é falso.
Cadernos de Pesquisa. São Paulo: n. 66, ago/1985.
• FRANÇOIS, Get; LAJEUNESSE, Dominique. Encyclopedie des chemins de fer. 557 p. ISBN-10:
2720700665. Hardcover – French: Editions de la Courtille, 1980.
• RODRIGUES, L. Processo de renovação de via permanente. Costa Lacerda. GACVG –
Departamento de manutenção preventiva de via permanente, 2008.
• SETTI, João Bosco. Ferrovias no Brasil: um século e meio de evolução. Rio de Janeiro:
Memória do Trem, 2008.
• TABOADA, Carlos. Logística: o diferencial da empresa competitiva. v. 2, jun. Curitiba: Revista
FAE BUSINESS, 2002..
• VALE S.A.. Logística. Disponível em: <http://www.vale.com>. Acesso em: 10 mai. 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transporte
TransporteTransporte
Transporte
bboyvampiro
 
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista FerroviáriaFerrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
MRS Logística
 
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista FerroviáriaPor dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
MRS Logística
 
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Guitts Isel
 
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e LogísticaProjetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
encontrocomgabrielli
 
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
Flavio Silva
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Rafael José Rorato
 
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio PiracicabaHidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Florespi
 
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRSPlanejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
Gapso Tecnologia da Decisão
 
Apresentação Mobilidade
Apresentação MobilidadeApresentação Mobilidade
Apresentação Mobilidade
PDDI RMVA
 
Apostila aeroportos
Apostila aeroportosApostila aeroportos
Apostila aeroportos
Ana Cleide Oliveira
 
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo MobilidadeApresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
PDDI RMVA
 
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
trans_smt
 
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Propostas Eixo Mobilidade
Propostas Eixo MobilidadePropostas Eixo Mobilidade
Propostas Eixo Mobilidade
PDDI RMVA
 
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
Vitor Moreira
 
Manula dnit
Manula dnitManula dnit
Manula dnit
rdgbr
 
Oeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportesOeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportes
Ihering Guedes Alcoforado
 
Engenharia Portuária
Engenharia PortuáriaEngenharia Portuária
Engenharia Portuária
Francisco Ângelo
 

Mais procurados (20)

Transporte
TransporteTransporte
Transporte
 
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista FerroviáriaFerrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
Ferrovias investem em manutenção - Revista Ferroviária
 
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista FerroviáriaPor dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
Por dentro da Manutenção de Via - Revista Ferroviária
 
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
Projetos para trens de alta velocidade no Brasil
 
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
Modelo do Transporte Público na Área Metropolitana de Lisboa. Construção e re...
 
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e LogísticaProjetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
 
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
2014.01.25 sf 01.visão geral do curso
 
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportesIntrodução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
Introdução a engenharia - aula 4 - planejamento e infraestrutura de transportes
 
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio PiracicabaHidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
Hidrovia Tietê-Paraná - Integrando o Rio Piracicaba
 
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRSPlanejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
 
Apresentação Mobilidade
Apresentação MobilidadeApresentação Mobilidade
Apresentação Mobilidade
 
Apostila aeroportos
Apostila aeroportosApostila aeroportos
Apostila aeroportos
 
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo MobilidadeApresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
Apresentação do extrato do Diagnóstico - Eixo Mobilidade
 
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
 
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
Hidrovias e uso múltiplo das águas - Adalberto Tokarski
 
Propostas Eixo Mobilidade
Propostas Eixo MobilidadePropostas Eixo Mobilidade
Propostas Eixo Mobilidade
 
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
11 estudo de_viab_técnico-econ_para_op_de_brt_ou_faixa_hov
 
Manula dnit
Manula dnitManula dnit
Manula dnit
 
Oeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportesOeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportes
 
Engenharia Portuária
Engenharia PortuáriaEngenharia Portuária
Engenharia Portuária
 

Destaque

Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
gelcine Angela
 
TRIZ
TRIZTRIZ
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
gelcine Angela
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
gelcine Angela
 
Apresentação mecânica do solo
Apresentação  mecânica do solo Apresentação  mecânica do solo
Apresentação mecânica do solo
gelcine Angela
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
gelcine Angela
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
gelcine Angela
 
Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
gelcine Angela
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
gelcine Angela
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
gelcine Angela
 
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
gelcine Angela
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
gelcine Angela
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
gelcine Angela
 
Scrum в управлении проектами
Scrum  в управлении проектамиScrum  в управлении проектами
Scrum в управлении проектами
Ruslan Dashkin
 
3Com PC3C589C
3Com PC3C589C3Com PC3C589C
3Com PC3C589C
savomir
 
Endnoteweb
EndnotewebEndnoteweb
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
ingileif2507
 
Clases de Reacciones Químicas
Clases de Reacciones QuímicasClases de Reacciones Químicas
Clases de Reacciones Químicas
Instituto Técnico Mercedes Abrego
 
Проект по сказкам
Проект по сказкамПроект по сказкам
Проект по сказкам
ruster_c
 

Destaque (19)

Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015Trabalho de Ergonomia 2015
Trabalho de Ergonomia 2015
 
TRIZ
TRIZTRIZ
TRIZ
 
Trabalho de fabrica
Trabalho de fabricaTrabalho de fabrica
Trabalho de fabrica
 
A voz do_cliente
A voz do_clienteA voz do_cliente
A voz do_cliente
 
Apresentação mecânica do solo
Apresentação  mecânica do solo Apresentação  mecânica do solo
Apresentação mecânica do solo
 
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia HospitalarApresentaçao Lavanderia Hospitalar
Apresentaçao Lavanderia Hospitalar
 
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇOGESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
GESTÃO DE OPERAÇÃO DE SERVIÇO
 
Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015Apresentação logistica 2015
Apresentação logistica 2015
 
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
PROJETO DE FABRICA DE CADEIRA Completo 1 e 2
 
Trabalho marketing
Trabalho marketingTrabalho marketing
Trabalho marketing
 
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgiaTrabalho gestão ambiental e siderurgia
Trabalho gestão ambiental e siderurgia
 
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015GESTÃO DE Projeto formatura 2015
GESTÃO DE Projeto formatura 2015
 
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
 
Scrum в управлении проектами
Scrum  в управлении проектамиScrum  в управлении проектами
Scrum в управлении проектами
 
3Com PC3C589C
3Com PC3C589C3Com PC3C589C
3Com PC3C589C
 
Endnoteweb
EndnotewebEndnoteweb
Endnoteweb
 
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
Viviane og samtalstaekni nyirogreyndir2017
 
Clases de Reacciones Químicas
Clases de Reacciones QuímicasClases de Reacciones Químicas
Clases de Reacciones Químicas
 
Проект по сказкам
Проект по сказкамПроект по сказкам
Проект по сказкам
 

Semelhante a TCC - GELCINE E VINICIUS

teste twitter
teste twitterteste twitter
teste twitter
FGV
 
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
Arlindo Pereira
 
teste twitter
teste twitterteste twitter
teste twitter
FGV
 
Twitter
TwitterTwitter
Twitter
FGV
 
T5 Corredor Viário
T5 Corredor ViárioT5 Corredor Viário
T5 Corredor Viário
crealty
 
Relatório EIA Transcarioca
Relatório EIA TranscariocaRelatório EIA Transcarioca
Relatório EIA Transcarioca
Lac2009
 
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Amar Jardim Oceânico
 
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o TejoAnálise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
Nimble Portal Consulting
 
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São PauloPrograma investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Rodrigo De Vincenzo Monteiro
 
Brt Av. Brasil GERJ-BID
Brt Av. Brasil GERJ-BIDBrt Av. Brasil GERJ-BID
Brt Av. Brasil GERJ-BID
Rodrigo Sampaio
 
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESPApresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Ricardo Santos
 
Trabalho ferrovia
Trabalho ferroviaTrabalho ferrovia
Trabalho ferrovia
Mozer Ribeiro
 
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RSProjeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
Secretaria de Município de Turismo - Santa Maria / RS
 
Nova nbr7188
Nova nbr7188Nova nbr7188
Nova nbr7188
Marcel Fernandes
 
O inviável trem bala do brasil
O inviável trem bala do brasilO inviável trem bala do brasil
O inviável trem bala do brasil
Fernando Alcoforado
 
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
Marco Bahe
 
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Apresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdfApresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdf
JooLuiz653135
 
apresentação da Rede Metro Chico macena
apresentação da Rede Metro Chico  macenaapresentação da Rede Metro Chico  macena
apresentação da Rede Metro Chico macena
Chico Macena
 
Rede Metro Chico
Rede Metro ChicoRede Metro Chico
Rede Metro Chico
Chico Macena
 

Semelhante a TCC - GELCINE E VINICIUS (20)

teste twitter
teste twitterteste twitter
teste twitter
 
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
Apresentação Por Dentro do Metrô Rio Twitter 2010
 
teste twitter
teste twitterteste twitter
teste twitter
 
Twitter
TwitterTwitter
Twitter
 
T5 Corredor Viário
T5 Corredor ViárioT5 Corredor Viário
T5 Corredor Viário
 
Relatório EIA Transcarioca
Relatório EIA TranscariocaRelatório EIA Transcarioca
Relatório EIA Transcarioca
 
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
Projeto do Anel de Alta Performance do Transporte Público é apresentado na AD...
 
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o TejoAnálise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
Análise espacial para localização da nova Ponte sobre o Tejo
 
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São PauloPrograma investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
Programa investimento 2007-2010 do METRO e CPTM em São Paulo
 
Brt Av. Brasil GERJ-BID
Brt Av. Brasil GERJ-BIDBrt Av. Brasil GERJ-BID
Brt Av. Brasil GERJ-BID
 
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESPApresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
Apresentação da ARTESP em 27/08 na ALESP
 
Trabalho ferrovia
Trabalho ferroviaTrabalho ferrovia
Trabalho ferrovia
 
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RSProjeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
Projeto Trem Turístico - Santa Maria / RS
 
Nova nbr7188
Nova nbr7188Nova nbr7188
Nova nbr7188
 
O inviável trem bala do brasil
O inviável trem bala do brasilO inviável trem bala do brasil
O inviável trem bala do brasil
 
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
ApresentaçãO Obras LicitaçãO Versao 02 03 09
 
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
30º Fórum Paulista do Transporte – Mobilidade e Abastecimento Urbano - Palest...
 
Apresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdfApresentação Malha Oeste.pdf
Apresentação Malha Oeste.pdf
 
apresentação da Rede Metro Chico macena
apresentação da Rede Metro Chico  macenaapresentação da Rede Metro Chico  macena
apresentação da Rede Metro Chico macena
 
Rede Metro Chico
Rede Metro ChicoRede Metro Chico
Rede Metro Chico
 

Mais de gelcine Angela

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
gelcine Angela
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
gelcine Angela
 
Kanban
Kanban Kanban
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
gelcine Angela
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
gelcine Angela
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
gelcine Angela
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
gelcine Angela
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
gelcine Angela
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
gelcine Angela
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
gelcine Angela
 

Mais de gelcine Angela (10)

PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇAPLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
PLANO DE PESQUISA - SEGURANÇA
 
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
COMPARAÇÃO DA NR-15 (anexo 1 e 2 Ruido) e NHO-1(RUIDO)
 
Kanban
Kanban Kanban
Kanban
 
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASAPLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO DE CASA
 
ENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHOENGENHARIA TRABALHO
ENGENHARIA TRABALHO
 
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
INTRODUÇÃO A ENGENHARIA
 
Custo ambientais
Custo ambientaisCusto ambientais
Custo ambientais
 
Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões Automação reconhecimento de padrões
Automação reconhecimento de padrões
 
RELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIORELATÓRIO DE ESTAGIO
RELATÓRIO DE ESTAGIO
 
Excesso transito cidade Ipatinga
 Excesso  transito cidade Ipatinga Excesso  transito cidade Ipatinga
Excesso transito cidade Ipatinga
 

Último

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 

TCC - GELCINE E VINICIUS

  • 1. Faculdade Pitágoras de Ipatinga Para obtenção do título de Engenheiro de Produção Autores: Gelcine Ângela da Silva Vinícius Lima Cruz OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE SINALIZAÇÃO DOS PÁTIOS FERROVIÁRIOS: Um Estudo de caso do Pátio de Costa Lacerda
  • 2. TEMA DA PESQUISA  Implantação de um Sistema de Sinalização no Pátio Ferroviário de Costa Lacerda;  Melhora nas manobras de trens no pátio;  Maior segurança para os funcionários que trabalham no campo;  Redução nas falhas humanas.
  • 3. DELIMITAÇÃO DO TEMA Este estudo tem como objetivo central de identificar as melhorias na implantação do sistema de sinalização do pátio ferroviário de Costa Lacerda.
  • 4. OBJETIVOS Objetivos Específicos  Apresentar a bibliografia sobre os temas inerentes ao processo de manobras em estações ferroviárias de carga;  Descrever as modificações realizadas no processo;  Comparar as novas e antigas modificações do pátio;  Verificar se houve um aumento na segurança operacional (eliminação de falha humana).
  • 5. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Empresa Estação de Costa Lacerda.  Atua há mais de 75 anos;  Manobras e formação de trens;  Carregamentos de toretes para Cenibra;  Manutenção de vagões e manutenção de via;  Possui 130 colaboradores:  26 no horário administrativo,  104 na área operacional em turno com carga horária de 6 horas.
  • 6. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS História da Ferrovia Século XVI  Transporte sobre trilhos de madeira;  Homens ou cavalos empurravam carroças; Século XVIII  Trilhos revestidos de madeira com tiras metálicas;  Já no final do século os ferreiros já estavam produzidos trilhos inteiramente de ferro e sem bordas.
  • 7. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS História da Ferrovia Século XIX  Construído o primeiro veículo capaz de aproveitar a alta pressão do vapor;  Montou-o sobre uma estrutura de quatro rodas projetada para se deslocar sobre trilhos;  Era a primeira locomotiva bem-sucedida do mundo.
  • 8. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Estrada de Ferro Vitória a Minas  Em 1902, houve a criação da Companhia Estrada de Ferro Vitória a Minas, com duas concessões:  Vitória (ES) a Peçanha (MG);  Peçanha a Araxá (ambas em MG);  Em 1904, ligação Vitória (ES) a Diamantina (MG);  Em 1942 ganhou impulso com criação da Vale, então chamada Companhia Vale do Rio Doce.
  • 9. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS O mapa ilustra as estações ao longo da EFVM e as cidades localizadas próximas a cada trecho em destaque. A linha pontilhada delimita os estados de MG e ES. Mapa Esquemático da Estrada Ferroviário Vitória Minas
  • 10. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Logística "Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes”. Carvalho (2002)
  • 11. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Transporte A maioria das empresas necessita de transporte, o processo logístico mais importante, pela quantidade e valor dos recursos que utiliza para movimentar materialmente produtos de um ponto a outro. O sistema ferroviário brasileiro totaliza 30.129 km, onde se concentra nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, atendendo parte do Centro-Oeste e Norte do país.
  • 12. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Sinalização A sinalização tem como o objetivo de mostrar a indicação rápida e eficiente dos caminhos, das direções, da localização de elementos a serem atingidos dispersos em um ambiente amplo. Sinalização Ferroviária Em 1825 na Inglaterra os sinais para os maquinistas eram feitos por homens que sinalizava com bandeiras a situação que o mesmo iria encontrar a sua frente. Bandeira Vermelha: parada obrigatória para qualquer trem. Bandeira Amarela: alerta. Bandeira Verde: autorização para circular normal.
  • 13. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Sinalização A partir de 1840 os sinais semafóricos começaram a surgir na ferrovia. O tipo de quadrante e o número de posições da lâmina determinavam a identificação do semáforo. Sinais Semafóricos de lâmina
  • 14. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Sinalização Na via férrea à trechos com limites estabelecidos onde são chamados de blocos, e permite somente a presença de um trem. Sinais de bloqueio se fecham e se abrem controlando a entrada e saída de trem naquele trecho e os mesmos podem ser semáforos com lâminas ou sinaleiros com aspectos luminosos.
  • 15. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Aparelho de Mudança de Via (AMV)  Aparelho que permite o trem passar de uma via para outra.  Composto por duas lâminas móveis, que são chamadas de agulhas, as quais podem se deslocar entre os dois trilhos da via.
  • 16. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Tipos de aparelho de Mudança de Via AMV de pátio com acionamento elétrico AMV de pátio manual
  • 17. PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Centro de Controle de Pátios Centro de Controle Operacional Centro de Controle Operacional de Vitória (CCO) Centro de Controle de Pátio de Costa Lacerda (CCP)
  • 18. ANÁLISE DOS DADOS Layout do Pátio de Costa Lacerda Pátio de Carga
  • 19. ANÁLISE DOS DADOS Layout dos Pátios Pátio Novo Terminal
  • 20. ANÁLISE DOS DADOS Painel antigo do CCP-CS Pátio Novo Painel antigo do CCP-CS Pátio de Carga
  • 21. ANÁLISE DOS DADOS SISTEMA ANTIGO SISTEMA NOVO AMV s manuais AMV´s por comando elétrico Ocupação somente nos AMV s Ocupação em todo circuito de via Bloqueio manual Bloqueio no painel na via para manutenção Traçar rota somente na chegada e partida do trem Traçar rota completa para execução de manobra Numa queda de energia bloqueia os AMV s de entrada e saída do pátio Numa queda de energia bloqueia todo o painel Pontos que mudaram no pátio Painel Sinóptico do CCP de Costa Lacerda
  • 22. ANÁLISE DOS DADOS Resultado do Aumento de Intercâmbio de Trens no Pátio Para buscar este resultado, foram coletados dados da quantidade de trens que circulou pelo Pátio antes, durante e depois do processo da implantação. Planilha de Controle de Trens
  • 23. ANÁLISE DOS DADOS Evolução do intercâmbio de Trem durante o Ano Trens intercambiados durante o Mês
  • 24. ANÁLISE DOS DADOS Resultado do questionário aplicado aos funcionários do pátio. Pergunta 1: Qual a sua função atualmente na empresa? E qual a melhoria esse sistema trouxe para o processo do trabalho no pátio?  20 funcionários entrevistados;  Redução do esforço físico para os Oficiais de pátio;  Maior segurança no planejamento pelos Controladores de pátio;
  • 25. ANÁLISE DOS DADOS Resultado do questionário aplicado aos funcionários do pátio. Pergunta 2: Com a implantação do Sistema, você acredita que houve uma redução na falha funcional?  Todos responderam que houve uma grande redução na falha funcional.
  • 26. CONSIDERAÇÕES FINAIS A empresa necessita da ferrovia para realizar o transporte do produto, principalmente o minério de ferro que é uma grande produção da empresa e as cargas gerais. Com implantação:  O Pátio teve um grande aumento na produção e na circulação desses trens que passam por ele para execução de manobras. Trouxe maior segurança para o processo e para os funcionários que trabalham no campo;  Elevou a moral da equipe, pois gerou menos esforços físicos;  Os controladores de pátio possuem uma visão ampla da manobra sendo realizada;  Reduziu o tempo de movimentação de equipamentos e o ciclo dos vagões no pátio, garantindo uma melhor distribuição da demanda.
  • 27. REFERÊNCIAS • BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993. • BRINA, Helvécio Lapertosa. Estrada de Ferro 1: via permanente. 2. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979. • CARVALHO, José Meixa Crespo de. Logística. 3. ed. Lisboa: Edições Silabo, 2002. • ESTAÇÕES DA GATINEAU RAILWAY. Sociedade Histórica da Gatineau. Disponível em: <http:// http://www.gvhs.ca/publications/utga-stations.html>. Acesso em: 10 mai. 2015. • FONTELLES, C. B; FRÓES, M. F. V. A privatização da atividade ferroviária no Brasil. Congresso PAN-AMERICANO de Estradas de Ferro, La Habana, Cuba, 18-22 de setembro 2000. • FRANCO, M. L. P. B. Porque o conflito entre as tendências metodológicas não é falso. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: n. 66, ago/1985. • FRANÇOIS, Get; LAJEUNESSE, Dominique. Encyclopedie des chemins de fer. 557 p. ISBN-10: 2720700665. Hardcover – French: Editions de la Courtille, 1980. • RODRIGUES, L. Processo de renovação de via permanente. Costa Lacerda. GACVG – Departamento de manutenção preventiva de via permanente, 2008. • SETTI, João Bosco. Ferrovias no Brasil: um século e meio de evolução. Rio de Janeiro: Memória do Trem, 2008. • TABOADA, Carlos. Logística: o diferencial da empresa competitiva. v. 2, jun. Curitiba: Revista FAE BUSINESS, 2002.. • VALE S.A.. Logística. Disponível em: <http://www.vale.com>. Acesso em: 10 mai. 2015.